Tumores ovarianos em situações especiais: na adolescência.

Сomentários

Transcrição

Tumores ovarianos em situações especiais: na adolescência.
Tumores ovarianos
em situações
especiais: na
adolescência.
ADOLESCENTRO:Centro de Referência, Pesquisa, Capacitação e
Atenção ao Adolescente em Família. Secretaria Estadual de Saúde - DF
Tumores Ovarianos na Adolescência
Epidemiologia
• Incidência
o Criança
 1% dos tumores na infância sendo 10
a 35% malignos
 Crianças < de 9 anos com massa abdominal:
80% são tu malignos
 Disgerminoma
: mais comum
o Adolescência
 2 a 5 % das massas anexiais são neoplasias
ovarianas
 50 a 60% são de células germinativas
 Teratoma cístico maduro: o mais comum
Fonte: Walquíria Q. S. P.; Guttenberg R. P.: tumores ovarianos, Femina, nº 4, vol. 32, junho 2004
Tumores Ovarianos na Adolescência
Epidemiologia
Tumor de ovário
30%
70%
benigno
maligno
Piippo S: Surgery for ovarian masses during childhood and
adolescence: a report of 79 cases, 1999
Tipo histológico
Tumor de ovário
germinativas
9%
14%
31%
69%
Casuística HC-FMUSP,2008
benigno
77%
maligno
Casuística HC-FMUSP
epiteliais
cordões sexuais
e estroma
Abordagem de massa ovariana
durante a infância e adolescência
In: DiSaia; Creasman. Clinical Gynecologic Oncology, 2007.
Cedido pelo Dr. Manoel Modelli – UCP/HBDF
Tumores Ovarianos na Adolescência
Principais marcadores tumorais
Alfa-fetoproteína
Teratoma imaturo
Tu seio endodérmico
Ca embrionário
Tu misto
B-HCG
Coriocarcinoma
Tu misto
DHL
alguns casos de disgerminoma
CA 125 e CEA
Não específicos - carcinomas
José Alcione M.A.; Tumores genitais na infância e adolescência. In:
Compendio de ginecologia infatojuvenil diagnóstico e tratamento. MEDSI 2003.
Tumores Ovarianos na Adolescência
Sintoma inicial de massa anexial em 521 crianças e adolescentes
Sintomas
No de pacientes
Dor
271
Massa
151
Irregularidade menstrual
71
Dismenorreia
50
Amenorreia primária
12
Amenorreia secundária
35
Distensão abdominal
34
Queixas urinárias
16
Hirsutismo
13
Puberdade precoce
6
Van Winter JT et al. Surgically treated adnexal masses in infancy, childhood and adolescence.
Am J Obstet Gynecol. 1994. In: DiSaia; Creasman. Clinical Gynecologic Oncology, 2007.
Tumores Ovarianos na Adolescência
Distribuição e frequência de massa anexial em 521 crianças e adolescentes
Massa
No
%
Não neoplásica
335
64
• Cisto folicular
117
23
• Cisto de corpo lúteo
143
28
• Outros
75
14
Neoplásico
186
36
• Benigno
144
28
• Maligno
42
8
 Células germinativas
17
3
 Estroma
09
2
 Epitelial
14
3
2
1
 Gonadoblastoma
Van Winter JT et al. Surgically treated adnexal masses in infancy, childhood and adolescence.
Am J Obstet Gynecol. 1994. In: DiSaia; Creasman. Clinical Gynecologic Oncology, 2007.
Tumores Ovarianos na Adolescência
Classificação
o
Tumores não neoplásicos dos Ovários (Benígnos)
1. Tumores funcionais




Cistos foliculares
Cistos de corpo lúteo
Cistos teca luteínico
Ovários policísticos
2. Tumores não funcionais
 Endometrioma
Word Health Organization Classificacion of Tumors – WHO,2003
Tumores Ovarianos na Adolescência
1. Benignos
o
Cistos foliculares






Representam 20 a 50%
Raramente ultrapassam 6-8 cm
Podem ser assintomáticos
Podem apresentar dor em baixo ventre
Levam a irregularidade menstrual
Alterações urinária e ou intestinal – quando maiores
ACHO: não trata o cisto mas pode evitar a formação de novos
Oral contraceptives for functional ovarian cysts. David A Grimes, LaShawn B. Jones,
Laureen M Lopez, Kenneth F Schulz, Cochrane Fertility Regulation Group, Jun. 2011.
JOSE DOMINGUES
Cedido pela Dra. Adriana Garrido – CDUS/DF
Cedido pela Dra. Adriana Garrido – CDUS/DF
Tumores Ovarianos na Adolescência
1. Benignos (não funcionais)
o Endometriomas
Tumores Ovarianos na Adolescência
1. Benignos
o Teratoma Maduro Cístico
 Mais comum:
o Teratoma maduro cístico( antigo cisto dermóide)
o Bem diferenciado
o Tecidos da endoderme, mesoderme e ectoderme
o Uni ou bilateral
 Derivado das células germinativas
 Risco de torção
Cedido pela Dra. Adriana Garrido – CDUS/DF
Cedido pelo Dr. Frederico Corrêa - DF
Cedido pelo Dr. Manoel Modelli – UCP/HBDF
Tumores Ovarianos na Adolescência
Classificação
o
Tumores neoplásicos dos ovários (malígnos)
1. Tumores de linhagem epitelial
 Tu mucinoso
 Tu seroso
 Tu endometrióide
 Tu de Brenner
 Tu epiteliais misto
 Carcinoma indiferenciado
 Tu epitelial não classificado
WHO, 2003
Cedido pela Dra. Adriana Garrido – CDUS/DF
Tumores Ovarianos na Adolescência
Classificação
o
Tumores neoplásicos dos ovários (malígnos)
2. Tumores do estroma gonadal
 Tu mores de células da granulosa
 Tu de Sertoli-Leydig
 Tecoma
 Fibroma
 Androblastoma
 Carcinoma indiferenciado
3. Tumores da células germinativas
 Disgerminoma
 Tu do seio endodérmico
 Teratomas: imaduro, maduro
(sólido ou cístico)
 Formas mistas
WHO, 2003
Tumores Ovarianos na Adolescência
2. Malignos
o
Tumores de células germinativas
 Representam 60 a 88% das neoplasias < 18 anos
 Subtipos:
o Disgerminoma:
 Mais frequente
 Bom prognóstico: sensível a quimio/radioterapia
o
WHO, 2003
Teratoma imaturo: menos de 1%
 Altamente maligno
Aspecto macroscópico do disgerminoma
o
o
o
o
Tu sólido e bocelado
Coloração amarelada ou acinzentada
Superfície de corte homogênea
De consistência firme e macia
Cedido pelo Dr. José Alcione de Almeida – HC/FMUSP
Tumores Ovarianos na Adolescência
2. Malignos
o
Tumores de células germinativas
o Tumor de seio endodérmico
o Tu de Teillum
 Alta letalidade
o Carcinoma de células embrionárias:
 Altamente maligno
 Criança: puberdade precoce
 Adolescente: irregularidade menstrual e hirsutismo
o Outros:
 Coriocarcinoma, gonadoblastoma, tumores de células
germinativas mista.
WHO, 2003
Tumores Ovarianos na Adolescência
Direto ao ponto
Como conduzir com prudência e segurança
Diagnóstico
o Anamnese: dor
o Exame físico: massa tumoral
o Toque: vaginal quando possível
o Evitar toque retal
o Ecografia pélvica/abdominal
o Tomografia/ ressonância magnética
o Marcadores tumorais??
Tumores Ovarianos na Adolescência
Direto ao ponto
Como conduzir com prudência e segurança
Diagnóstico diferencial
Dor pélvica
o Apendicite
o Gravidez ectópica
o Doença inflamatória pélvica/ abcesso tubo ovariano
o Dismenorréia/ endometrioma
Cirurgia conservadora
Muito obrigado!
José Domingues
[email protected]

Documentos relacionados

PDF PT - Revista de Pediatria SOPERJ

PDF PT - Revista de Pediatria SOPERJ tumor Grau I segundo a Organização Mundial da Saúde, o que significa que há baixo potencial proliferativo. A possibilidade de cura é possível com a ressecção completa do tumor. Tem bom prognóstico ...

Leia mais

TUMORES BENIGNOS DE NARIZ E SEIOS

TUMORES BENIGNOS DE NARIZ E SEIOS Estas entidades não são comuns na rotina do médico otorrinolaringologista, vindo este a se deparar com poucos casos durante sua vida profissional. Apresentam sintomatologia inespecífica, geralmente...

Leia mais