hotel de negócios

Сomentários

Transcrição

hotel de negócios
HOTEL DE NEGÓCIOS
Mary Lessa Alvim Ayres
Ilka Gonçalves Daemon
Paulo Cesar Siruffo Fernandes*
Resumo
Muito têm-se falado de hotéis de negócios: oportunidades
de
investimentos,
experiência
projetos
ou
desse
grupos
estrangeiros
divulgando
segmento
em
alardeando
intenção
nosso
de
País.
No
sua
desenvolver
entanto,
esse
ainda é um conceito novo entre nós.
O
estudo
aqui
parâmetros
utilizados
classificar
categoria,
tem
apresentado
seus
bem
pela
esclarecer
indústria
analisar
tanto
pelo
a
dentro
tendência
lado
da
alguns
hoteleira
estabelecimentos
como
sinalizado
pretende
que
dessa
o
demanda
para
mercado
quanto
da
oferta de quartos ou unidades habitacionais.
Para
tanto,
relativos
por
a
são
taxas
categoria
e
examinados
de
dos
Simultaneamente,
os
ocupação,
hóspedes
procura
dados
disponíveis
distribuição
pela
traçar
motivação
dos
da
paralelos
hotéis
viagem.
entre
os
movimentos anunciados pela política econômica brasileira
e suas contribuições ao mercado hoteleiro.
A
partir
algumas
dessas
estatísticas,
hipóteses
de
evolução
foram
na
estabelecidas
oferta
de
hotéis
voltados ao atendimento de viajantes a trabalho.
__________________
* Respectivamente, gerente, administradora e engenheiro da Gerência Setorial 4
do BNDES.
Introdução
Hotel
de
negócios
facilidades
seus
o
meio
necessárias
deslocamento
Entre
é
resultante
clientes
estão
ao
de
de
hospedagem
abrigo
sua
que
de
atividade
incluídas,
também,
reúne
pessoas
as
em
econômica.
as
pessoas
1
que se hospedam para participar de eventos com vistas ao
seu
aprimoramento
profissional
tais
como
convenções,
feiras e exposições, treinamentos ou congressos.
Os
hotéis
de
negócio
geralmente
estão
localizados
nos
centros urbanos e urbano-industriais, diferentemente dos
hotéis
de
lazer,
prioritariamente
situados
próximos
a
atrativos naturais, desportivos ou socioculturais.
Os
hotéis
classificados
estrelas,
isto
turística
superior
hóspedes
em
é,
três,
pertencentes
e
luxo,
viagens
preferência
com
nos
de
às
categorias
concentram
trabalho
permite
quatro
ou
e
cinco
turística,
grande
número
treinamento.
considerar
essas
de
Essa
categorias
constituídas predominantemente por hotéis de negócios.
TABELA 1
D istribuição da O cupação dos H otéis -1996 -em %
C ATEG O R IA
LU XO
TU R ÍSTIC A SU P
TU R ÍSTIC A
Lazer
34,7
30,8
49,2
N egócio
43,4
45,5
39,1
C ongresso
16,6
15,2
7,7
O utros
5,3
8,5
4,0
Fonte:H orw arth C onsulting
O diferencial nos hotéis de negócio está na adequação de
suas
instalações
eficiência
dos
comunicações
como:
service
um
serviços
check-in,
24
necessidades
eficiente,
que
hotel
de
são
geração
espaços
nível
de
de
room
exemplos
negócios.
virtuais,
realização
prestação
repercutem
escritórios
e
a
de
preparados
e
seus
de
forma
com
e
clientes
Um
serviços
service
alguns
têm
e
que
na
de
express
laundry
serviços
positiva
na
ou
imagem
reproduzam
material
de
apresentam
a
e
sistema
especialmente
congressos
competitividade
de
Ambientes
equipados
eventos
de
prestados.
check-out,
horas,
atendimentos
de
às
última
para
a
elevado
preferência
dos
hóspedes.
2
Hoje
esses
hotéis
se
modernizam
Health-Clubs e Fitness Center
com
a
implantação
de
exclusivos ao atendimento
dos hóspedes executivos que valorizam aspectos relativos
a sua saúde e aparência.
Panorama Mundial
A
indústria
mundial
do
turismo
movimenta
por
ano
cerca
de US$ 3,4 trilhões e empregando 260 milhões de pessoas,
o
que
equivale
países
essa
a
9%
dos
relação
postos
chega
de
a
trabalho.
17
%
Em
dos
alguns
empregos
existentes.
Em
1995,
o
congressos
turismo
e
de
negócios
seminários
foi
e
a
participação
responsável
por
52,1
em
%
do
hotéis
de
total das viagens realizadas.
De
acordo
Hong
Kong,
anuais
em
com
de
Japão
os
países
dos
acima
hoteleira
da
mesmas
CEE,
Howard
Consulting,
Austrália
mundiais.
valores
essas
de
e
ocupação
termos
indústria
dados
Os
de
que
apresentam
75%,
sendo
destaques
continuam
com
juntos
são
a
as
do
a
de
maiores
da
Norte
responsáveis
regiões
médias
faturamento
América
Paralelamente,
sede
taxas
estas
de
envolvidos.
são
os
e
por
76%
observa-se
que
80%
dos
congressos
realizados mundialmente.
Panorama Nacional
A
participação
últimos
esse
em
dez
setor
anos
faturou
negócios
receitas
do
setor
de
situou-se
receitas
diretos
provenientes
e
turismo
no
em
torno
de
da
ordem
de
indiretos,
do
PIB
segmento
nacional
8%.
R$
sendo
de
Em
nos
1997,
3,2
bilhões
2/3
dessas
turismo
de
negócios.
O turismo resultante de viagens motivadas por interesses
comerciais, negócios e convenções foi o que mais cresceu
no Brasil entre 1991 e 1995, apresentando crescimento de
13%, enquanto o turismo
de lazer teve redução de 10%.
GRÁFICO 1
3
R epresentatividade do PIB Turístico Frente ao PIB
N acional
10
%
8
6
4
1987
1988
1989
1990
1991
1992 1993* 1994
Fonte:FG V,IBG E e Em bratur
Quanto
à
atualmente
que
*estim ativa
geração
de
cerca
6
equivale
capacidade
a
é
de
população
em
o
turismo
pessoas
no
emprega
Brasil,
o
ativa.
A
econômicamente
de
empregos
média,
0,53
esse
índice
diretos
pessoa
com
no
por
a
setor
unidade
categoria
de
localização do estabelecimento.
com
em
milhões
variando
pesquisa
Desenvolvimento
(FADE)
empregos,
geração
hotel e com a
acordo
da
de,
habitacional,
De
de
8%
de
hoteleiro
1995
da
da
Fundação
Universidade
convênio
com
a
de
Federal
Embratur,
Apoio
de
a
ao
Pernambuco
taxa
média
de
ocupação dos hotéis brasileiros situa-se em 47,7%.
O
presidente
(ABEOC)
-
da
Associação
Regional
eventos
a
ocupação
dos
garantindo
Rio
de
Janeiro
responsabilidade
hotéis
assim
tanto
uma
Brasileira
credita
por
do
boa
mais
Rio
de
ao
da
como
de
Eventos
turismo
de
metade
da
São
rentabilidade
Paulo,
mesmo
nos
períodos de baixa temporada.
Nos
últimos
anos
apresentado
estabilização
de
com
o
crescimento
da
economia
investidores
e
informações
da
pessoas
turismo
a
negócios
como
brasileira,
no
Brasil
tem
consequência
da
bem
como
da
vinda
comerciantes
estrangeiros.
De
Embratur,
1996
28,7%
em
cerca
de
acordo
das
vieram ao país com esse objetivo. Em 1997, este
índice atingiu o índice de 32,6%.
GRÁFICO 2
4
Visitantes Estrangeiros em Viagens a
N egócios
%
40
30
20
10
0
1991
1992
1993
1994
1995
1996
1997
Fonte:Em bratur
Os
números
teve
no
Paulo.
de
Embratur
turismo
de
revelam
negócios
que
o
maior
Rio
de
Janeiro
incremento
que
São
Entre 1996 e 1997, as viagens de negócios ao Rio
cresceram
23%,
enquanto
em
São
Paulo
foi
verificada
uma
variação de 5%.
Além
de
São
Paulo
acolhimento
Federal.
de
A
e
Rio,
turistas
capital
da
outro
de
importante
negócios
república
é
é
centro
o
de
Distrito
responsável
pela
realização de um grande número de congressos, seminários
e
reuniões,
Conforme
por
ser
um
importante
centro
estimativas
da
secretaria
de
de
decisões.
turismo,
70%
das
viagens à capital federal são decorrentes dessa natureza
de turismo.
A
cidade
de
São
Paulo
tem
sido
considerada
a
capital
de
eventos da América do Sul, porém a sua oferta de espaços
qualificados
Motivados
para
por
localizados
na
esse
este
fim
fato,
capital
ainda
alguns
paulista
é
insuficiente.
hotéis
estão
de
luxo
concentrando
alguns de seus investimentos na área de eventos.
Novos
estabelecimentos
adequados
às
atuais
já
foram
concebidos
necessidades
desse
com
espaços
segmento
de
negócios.
GRÁFICO 3
5
Participação do Turism o de N egócios
na R eceita de H otéis B rasileiros
O thon (RJ)
Vila Rica
Transam érica (SP)
Sofitel
Novotel
L’Hotel
Le Canard
CaesarPark (CE)
CaesarPark (RJ)
CaesarPark (SP)
M eliá
0
20
40
60
80
100
120
%
Segundo
dados
Hoteleira
negócios
-
da
Associação
ABIH
no
-RJ,
total
a
de
Brasileira
participação
visitantes
que
da
dos
Indústria
turistas
de
desembarcaram
no
Rio, no primeiro trimestre do ano 1998, alcançou o dobro
do
índice
registrado
Paralelamente
despesas
média
3,70
ocorreu
no
um
mesmo
aumento
diárias
dos
visitantes
estada
dos
turistas
da
dias.
A
taxa
média
da
que
de
período
de
50%
na
cidade,
passou
ocupação
de
1997.
média
bem
de
das
como
3,23
na
para
registrada
nos
hotéis do Rio nos primeiros meses deste ano foi de 70%.
Sistema BNDES
O
setor
hoteleiro
por
seu
boa
relação
como
alto
poder
merecido
gerador
investimento/
exemplo
observamos
tem
uma
os
hotéis
taxa
de
atenção
empregos,
emprego
de
0,66
Sistema
BNDES
observada
gerado.
classificados
média
do
com
empregado
Se
4
sua
tomarmos
estrelas,
por
U.H.
e
6
um
investimento
de
R$
192
mil
para
cada
novo
emprego
Sistema
BNDES
aprovou
milhões
para
gerado.
Entre
1993
créditos
e
junho
no
valor
de
de
1998
o
US$
633
apoio
a
projetos do setor hoteleiro.
TABELA 2
Sistem a B N D ES
A provações e D esem bolsos para o Setor H oteleiro -valores em U S$ m ilhões
1990
1991
1992
1993
1994
1995
1996
1997
1998*
Aprovações
17,4
21,5
34,6
99,1
97,4
141,8
133,3
122,8
39,2
D esem bolsos
20,2
12,1
30,8
36,7
75,9
118,5
112,2
119,0
37,1
* Janeiro-Junho/98
Tendências
O
setor
de
turismo
associações
tem
sido
especializadas
Anualmente
versando
o
concernentes.
A
são
turismo
leitura
de
estudo
das
e das agências de fomento e
desenvolvimento.
sobre
objeto
publicados
e
questões
dessas
vários
que
dados
lhe
publicações
são
deixa
à
mostra a ocorrência de algumas inconsistências nos dados
apresentados
e
lacunas
em
suas
informações.
Ainda
assim, qualquer avaliação sobre o presente e o futuro da
atividade
apenas
os
agências
pelas
turística
dados
nacional
publicados
oficiais,
diversas
organiza.
mas
ainda,
ter
pela
Embratur
também
associações
Mais
deve
os
através
para
como
que
das
são
quais
alcançarmos
os
base
e
não
demais
produzidos
o
setor
se
objetivos
pretendidos devemos admitir alguns pressupostos.
Existem
somando
1996
cerca
no
Brasil
561.740
apenas
de
cerca
unidades
2.334
141.000
cadastrados
junto
de
meios
unidades
a
18.000
meios
de
habitacionais.
de
Todavia,
hospedagem,
habitacionais,
Embratur.
Esses
hospedagem
até
representando
encontravam-se
estabelecimentos
apresentam taxa média de ocupação de 48%, evoluindo para
78%
durante
os
meses
classificados
na
taxa
ocupação
média
de
faixa
de
de
alta
4
e
superior
5
temporada.
estrelas
aos
Os
hotéis
apresentam
demais,
55%
e
a
53%,
7
respectivamente,
e
compõem
a
principal
oferta
de
hotéis
voltados ao atendimento de viagens de negócios.
Os índices de ocupação média hoteleira no país revelam a
existência
de
suficiente
entanto,
ao
unidades
atendimento
durante
apresentada
a
é
recomendados
habitacionais
das
alta
temporada
inferior
para
a
atuais
aos
número
necessidades.
a
No
disponibilidade
índices
administração
em
estratégicos
hoteleira.
Esse
fato,
junto à nova realidade brasileira resultante da abertura
econômica,
dos
consolidação
processos
do
de
Mercosul,
privatização
recomenda
o
e
da
estudo
e
a
avaliação da ampliação da oferta dos meios de hospedagem
O
gráfico
4
apresenta
as
taxas
de
ocupação
de
hotéis,
no período 1994 / 1996, segundo sua classificação.
GRÁFICO 4
Taxa M édia de O cupação
75
50
%
5*
4*
25
3*
0
1994
1995
1996
Fonte:Sotecontie Em bratur
No
Brasil
cerca
classificam-se
cinco
hipótese,
em
visita
trânsito
estimadas
a
Embratur,
dedicadas
ao
em
a
como
de
disponibilidade
dos
de
1997,
U.H.
dos
negócios,
negócios.
representam
As
hotéis
categorias
existência
habitacionais
atendimento
as
Assim,
pela
a
45%
segundo
estrelas.
cadastrados
de
base
cerca
número
de
turismo
dos
de
63.000
de
turistas
11%
de
como
unidades
Essa
para
o
estrangeiros
nacionais
habitacionais
do
e
hotéis
negócios.
hóspedes
unidades
quatro
admitir,
suficiente
980.000
cerca
o
três,
podemos
foi
e
de
existentes
total
em
assim
disponível
8
em todos os meios de hospedagem cadastrados ou não junto
a Embratur. No entanto, quando confrontado com o estoque
de
acomodações
mercado,
de
aquela
conforto
estimativa
mínimo
passa
exigido
a
por
representar
esse
70%
do
novo total.
Quando
se
avalia
alojamentos,
atuação
que
nesse
dimensão
do
4,2%
ano.
ao
as
segmento,
A
que
necessidade
cumpram
consideradas.
pressupõe
a
a
PIB
condições
duas
por
turístico
Nesse
de
novas
até
o
U.H.
ou
ano
novos
necessárias
para
devem
natureza
brasileiro
caso,
de
hipóteses
primeira,
demanda
futura
ser
otimista,
cresça
na
seja
razão
2.002
à
mesma
deverão
de
ser
construídas cerca de 14.500 novas unidades habitacionais
o
que
representa
um
investimento
da
ordem
de
R$
1,6
bilhões.
A
segunda
demanda
razão
hipótese,
por
que
conservadora,
alojamentos
a
média
do
pressupõe
classificados
PIB
brasileiro
cresça
nos
que
a
na
mesma
últimos
anos.
Desta forma, até o ano de 2002, objeto de nossa atenção,
deverão
ser
atendimento
ofertadas
dessa
mais
meta
4.535
serão
U.H..
necessários
Para
o
gastos
de
aproximadamente R$ 500 milhões.
Em ambos os exercícios consideramos os índices médios de
investimento
formado
por
por
unidade
hotéis
das
habitacional
categorias
de
do
conjunto
três,
quatro
e
cinco estrelas.
Registre-se
incluem
que
gastos
os
valores
com
reforma
assim
ou
dimensionados
modernização
dos
não
ativos
existentes, restringindo-se unicamente à oferta de novas
unidades habitacionais.
No
cenário
otimista,
distribuição
pressupomos
existente
regional
que
até
para
o
a
visualizarmos
desses
distribuição
momento
será
como
novos
dará
a
investimentos
espacial
mantida.
se
da
Assim,
oferta
a
região
Sudeste que detêm 48 % das U.H. do país será contemplada
com investimentos de cerca de R$ 800 milhões.
As
regiões
Norte
e
Nordeste
que
respondem
por
cerca
de
4,2 % e 17 % do total das unidades habitacionais do país
9
receberão
investimentos
da
ordem
de
R$
70
milhões
e
R$
300 milhões, respectivamente.
As
regiões
6,2
a
a
%
Sul
das
Centro-Oeste
unidades
manutenção
região
milhões
e
de
habitacionais
desses
Sul
abrigam
índices
será
pode-se
em
de
brasileiras.
contemplada
investimentos
cerca
prever
com
novas
U.H.
e
até
2002
R$
400
de
e
%
Admitindo
que
cerca
24
a
região
Centro-Oeste com R$ 100 milhões.
Caso
as
todas
hipóteses
as
aqui
unidades
consideradas
habitacionais,
sejam
aplicadas
cadastradas
ou
a
não,
adequadas à hospedagem de turistas de negócios, os novos
investimentos
construção
atingir
em
de
reforma,
novas
valores
modernização,
unidades
cerca
de
adaptação
habitacionais
40%
maiores
e
poderão
que
os
aqui
apresentados.
Quanto
à
hipótese
de
9.600
geração
otimista
novos
de
empregos,
propiciará,
empregos
unidades
habitacionais,
empregos
indiretos.
unidades
No
habitacionais
podemos
até
o
ano
afirmar
que
2002,
oferta
diretos
na
o
corresponde
a
conservador,
as
que
cenário
propiciarão
operação
a
3.000
novos
das
a
novas
38.000
novas
empregos
diretos e cerca de 12.000 indiretos.
10