As quatro Fases da Acidificação

Сomentários

Transcrição

As quatro Fases da Acidificação
ascórbico artificial é hoje em dia e a maior parte das vezes
retirado do amido do milho, o qual é frequentemente gerado de
milho geneticamente manipulado. Ainda sabemos muito pouco
acerca dos efeitos dos alimentos geneticamente manipulados no
nosso organismo.
As quatro fases da acidificação
O dentista suíço Hugo Batt reconheceu há já muitas décadas
atrás a relação da deficiência de bases/acidificação e diversas
indisposições com doenças e elaborou um catálogo dos sintomas
nas diversas fases. Renate Collier agarrou nesta ideia e eu
acrescentei e variei esta classificação tendo em conta a minha
própria experiência com pacientes.
Fase 1: Cansaço
Quando observamos um bebé que está cansado, ele faz birra e
chora até lhe pegarmos ao colo, acalma-se até que acabe por
adormecer. Descansadamente, o seu organismo pode libertar-se
dos ácidos durante o sono. As crianças ainda têm este instinto e
evidenciam-no. A primeira fase manifesta-se mediante
- Cansaço
- Irritação
57
- Agressividade
- Timidez
- Falta de concentração
- Indiferença
- Tensão
- Sensibilidade
Fase 2: Sensibilidade
- A nossa sensibilidade aumenta perante barulho, luz, frio,
humidade, corrente de ar, dor, raios de sol.
- Os nossos vasos estão mais instáveis. Isso verifica-se quando
os dedos ficam brancos, quando há um avermelhado em forma
de manchas, tanto os homens como as mulheres sofrem com
ondulações de calor, a pulsação fica mais acelerada.
- Os músculos ficam mais tensos, as pálpebras dos olhos
tremem, ficamos com soluços, durante a noite ocorrem cãibras
nas pernas, inconscientemente rangemos os dentes, de manhã
sentimo-nos cansados e sentimos uma rigidez matinal dos
braços e dos dedos, por vezes também adormecem.
- A nossa visão piora.
- As nossas articulações estalam, o peso oscila, e o ânimo
também.
- As secreções aumentam, os olhos lacrimejam, as pálpebras dos
58
olhos ficam coladas, o nariz pinga, formam-se borbulhas e
pústulas na pele.
- Umas vezes estamos obstipados, outras vezes andamos com
diarreia, andamos com mau hálito e a urina tem um cheiro mal,
transpiramos muito, também durante a noite, até mesmo a
transpiração dos pés aumenta.
- Ocasionalmente ocorrem perturbações do sono na forma de
pesadelos, não conseguir dormir tranquilamente, necessidade de
urinar, ressonar.
- Na gravidez ocorrem vómitos.
Fase 3: Distonia vegetativa
Significa um enfraquecimento ou instabilidade do nosso sistema
nervoso involuntário ou vegetativo, o qual comanda inúmeros
processos orgânicos, tais como, respiração, digestão, dormir,
circulação, e muitos mais.
- Aqui ocorrem muitas perturbações do sono. Ficamos com a
sensação de não ter pregado olho a noite toda, o que na realidade
não é verdade, surgem casos ligeiros de apneia do sono
(pequena pausa respiratória) e durante o dia estamos
constantemente cansados e esgotados; dormimos durante o dia
para insatisfação da pessoa que está ao nosso lado,
adormecemos em ocasiões mais impróprias tal como num
59
concerto ou numa palestra.
- Em consequência disso ficamos mais irritados e agressivos
com os outros ou caímos em auto-agressões/depressões.
- A tendência para infecções aumenta e as defesas imunitárias
diminuem.
Reagimos
com
mais
sensibilidade,
mais
susceptibilidade a muitas coisas, tal como, corrente de ar, sol,
barulho, humidade, frio, etc.
- Perturbações da circulação não se manifestam só mediante
mãos, pés, traseiro e coxas frias, mas também com ruídos nos
ouvidos (Tinnitus), zumbidos nos ouvidos, diminuição da
audição, tonturas ou pernas inquietas e falhas de visão.
- A pressão sanguínea sobe, as oscilações de calor
aumentam.
- A gengiva sangra sempre que se lavam os dentes e recua
continuamente: os dentes ficam mais compridos.
- As diarreias alternam com as obstipações, azia e dores no
esófago, arrotes ácidos ou gases começam a dar que falar. As
hemorróides saem ou ao pressionar as fezes os vasos sanguíneos
inchados arrebentam no ânus.
- O cabelo cai, ficando-se cada vez mais calvo, as unhas ficam
abauladas, quebradiças e rasgam, a pele e o cabelo ficam baços,
ásperos, espigados e sub- nutridos.
- Manchas da idade cobrem as costas das mãos, as secreções
60
ficam interrompidas. Formam-se rugas, e os lábios ficam secos,
os olhos ardem, a saliva diminui.
- O coração começa a ter problemas, os valores de laboratório
alteram, o hematócrito aumenta, o colesterol HDL diminui, LDL
aumenta, a pressão sanguínea aumenta também e a velocidade
da circulação do sangue diminui.
- Começamos a ter problemas com os primeiros malefícios nos
músculos, varizes, ligamentos, costas, discos vertebrais,
problemas estes que nos obrigam a ir aos consultórios médicos.
- Os comportamentos viciantes aumentam: relativamente ao
trabalho, ao álcool, à nicotina e aos drogas.
- A inteligência diminui, a hiperactividade e as nevralgias
aumentam.
O que é que tudo isto tem a ver com o sistema nervoso
vegetativo?
O
nosso
sistema
determinado
por
nervoso
dois
vegetativo
grandes
ramos
é
amplamente
nervosos:
o
“simpático” e o “parassimpático”. O “simpático” prepara o
organismo para uma emergência, para a luta ou para a fuga, o
“parassimpático” intervém nos processos de descontracção e
digestão. Dependendo dos estímulos ou do momento, os nossos
órgãos são estimulados ou tranquilizados através destes ramos
nervosos.
61
Já Sander, há cerca de 50 anos, tinha referido no seu livro sobre
equilíbrio ácido-básico, como o nosso organismo reage quando
estamos “ácidos”: vivemos constantemente numa situação de
metabolismo do simpático. As hormonas adrenalina e tiroxina
assim como a esterona distribuem-se de forma multiplicada, a
lecitina aumenta assim como a temperatura e a actividade do
metabolismo. A predisposição para infecções aumenta. A
pressão sanguínea e a sensibilidade contra raios aumentam. A
necessidade de dormir e a disposição para tal diminuem. Nas
análises sanguíneas evidenciam-se alterações na forma de uma
leucocitose, (ver também a página … a “leucocitose da
digestão” no capítulo “Comer”) e o tecido linfático multiplicase.
No entanto, de acordo com Sander, em caso de uma situação de
metabolismo ácido, o colesterol baixa. Desconheço se se trata do
colesterol geral ou apenas de uma fracção. Penso que uma
situação de metabolismo ácido poderá reduzir o colesterol
“bom”, ou seja, o HDL, enquanto que o LDL, o colesterol
“mau” aumenta. A questão que se coloca é naturalmente se
devemos/temos de considerar sempre um aumento do colesterol
como negativo ou se este é uma reacção natural a perigos, que é
provocada por deficiência de bases. Esta afirmação poderia
adequar-se à tese que refere que o colesterol é uma “cola” que
62
repara veias frágeis. Quero aqui também remeter para uma
investigação que aponta para uma provável relação entre a
acentuada diminuição dos valores de colesterol e o aumento de
vários tipos de suicídio.
Fase 4: Manifestação de doenças
Da dor de cabeça surge a enxaqueca e a hemialgia, das falhas de
visão surgem o glaucoma ou a catarata, da queda de cabelo a
calvície, do ressonar a apneia do sono, da diarreia a colite ou a
úlcera intestinal, das falhas da circulação do sangue o zumbido,
o ataque de apoplexia/o enfarte cardíaco, a embolia ou a
trombose, do ácido úrico elevado a gota, da transpiração do pé a
micose, do excesso de peso a diabetes tipo II, da cárie a
osteoporose, das dores nas costas a lesão do disco vertebral, do
eritema solar a melanoma e do stress o colapso total.
Em muitas doenças a relação com a acidificação, com a
deficiência de bases, não é directamente comprovável, como
é o caso, por exemplo, em alergias, asma, lesão do disco
vertebral,
fibromialgia ou cancro. No entanto, esta relação
existe, tal como já demonstrado por tratamentos de sucesso
através de uma eficaz terapia de bases. Por vezes, as terapias
suaves e de medicina naturalista, tais como, homeopatia, florais
63
de Bach, Reiki ou outras, apenas serão inteiramente eficazes
quando o corpo está liberto de ácidos e você se encontrar
novamente no equilíbrio ácido-básico.
Que fique bem claro: a acidificação, a deficiência de bases,
não é a única causa para todas estas doenças, no entanto, a
acidificação forma o meio no qual estas doenças se poderão
vir a desenvolver.
Tal como consta num autocolante da Firma Plantatrakt:
“O legislador tolera conservantes, antioxidantes, tintas,
suavizantes, estabilizadores, intensificador de sabor e
emulsionante,
insecticidas,
herbicidas,
fungicidas,
sobrecarga de metais pesados, gases, smog eléctrónico,
radioactividade, mas o seu corpo não!”
Que apesar de todas as contrariedades da vida, que apesar de
todas as perturbações você poderá ficar saudável, não deverá
apenas permanecer um desejo piedoso, mas será sim
apresentado no capítulo da “Terapia da acidificação”. Apenas
numa situação de metabolismo básico será possível resistirmos
ás influências negativas. Nos próximos capítulos irei tentar
apresentar sugestões eficazes para a auto-ajuda.
64