Alunos comemoraram o Dia Internacional Eco

Сomentários

Transcrição

Alunos comemoraram o Dia Internacional Eco
Rua Senhor dos Milagres
Milagres – Leiria
[email protected]
www.colegiosenhormilagres.pt
Diretora:
Maria Teresa Sintra
Jornal Escolar do Colégio Senhor dos Milagres • dezembro de 2014 • Ano XVIII • 1ª edição
Professor coordenador:
Carlos Cunha
“World Day of Action”
Alunos comemoraram o Dia
Internacional Eco-Escolas
Campanha
“Diz não à Violência
Doméstica!”
Decorreu
entre
4
de
novembro e 5 de dezembro
no Colégio a campanha “Diz
não à Violência Doméstica!”.
Esta visou sensibilizar a
população escolar para a
importância do combate e
prevenção da violência.
Pág. 20
No passado dia 7 de novembro, o Colégio Senhor dos Milagres comemorou
ativamente mais um “World Day of Action”, contando, para tal, com a
participação de toda a comunidade escolar, quer ao nível da preparação das
atividades, quer na realização das mesmas. A preparação das ações foi levada a
cabo pelos alunos do Clube Eco-Escolas, sob a orientação da professora Sofia
Coelho, e contou com a colaboração de todos nas diferentes atividades.
Pág. 07
Dia das
Bandeiras
Verdes
No passado dia 15 de
outubro, oito representantes
do Colégio (seis alunos e dois
professores) participaram no
Dia das Bandeiras Verdes em
Vila Nova de Gaia.
Pág. 06
Exposição sobre Ramalho Ortigão
De 22 a 26 de setembro realizou-se no Colégio uma exposição sobre o escritor português
Ramalho Ortigão. Os alunos do 8.º ano realizaram vários trabalhos sobre esta importante
figura nacional, retratando a sua vida pessoal e profissional.
Ramalho Ortigão nasceu no Porto no dia 24 de outubro de 1836. Era o mais velho de nove
irmãos, filhos do primeiro-tenente de artilharia Joaquim da Costa Ramalho Ortigão e de D.
Antónia Alves Duarte Silva Ramalho Ortigão. Pág. 03
Participação na IV edição do projeto “Incentiv’arte”
Os alunos do 2.º ciclo do Colégio, sob a orientação dos professores Carlos Cunha e Marília
Pedroso, realizaram uma escultura natalícia para integrar o projeto “Incentiv’arte” organizado
pela Câmara Municipal de Leiria.
A obra, que se encontra exposta ao público no centro da cidade durante esta quadra festiva, faz
parte de uma mostra de esculturas realizadas por algumas escolas do concelho. Saibam mais
nesta edição. Pág. 02
JornalFLORES DO CAMPO
ARTES&LETRAS
Atividades de Natal
do Colégio
“Natal
Solidário”
A
comunidade
escolar
do
Colégio
celebra a época natalícia
com um conjunto de
ações
de
caráter
religioso e solidário
articuladas
com
a
comunidade educativa,
alunos, famílias e entidades do meio envolvente.
Para além das tradicionais decorações natalícias, há
a destacar a campanha de solidariedade “Uma Família
Solidária, Uma Família Feliz” que consiste na recolha de
bens alimentares para ofertar às famílias carenciadas da
comunidade escolar
Para além disso, regista-se, ainda, a celebração
eucarística de Natal a realizar no dia 13 de dezembro
pelas 19 horas na Igreja de Milagres. Os alunos da
Academia de Música terão uma participação ativa,
cantando temas alusivos à época e ao local em questão.
Convida-se, desde já, toda a comunidade, alunos,
professores, funcionários e suas famílias a participar.
Prof. Carlos Cunha
Alunos participam no
projeto “Incentiv’arte”
Os alunos do 2º
ciclo, nas disciplinas de
Educação Visual e de
Educação Tecnológica,
realizaram uma escultura
natalícia
para
integrar
o
projeto
“Incentivarte”, organizado
pela
Câmara
Municipal de Leiria.
Com esta iniciativa,
o município pretende
envolver as escolas e os
alunos na dinamização
cultural e artística da
cidade, tornando-a mais atrativa.
A obra encontra-se exposta ao público no centro de
Leiria e ficará em exibição durante todo o período
festivo.
Para a sua construção foram empregues diferentes
materiais recicláveis, com destaque para os cabides de
alumínio que acompanham a roupa das lavandarias.
Prof. Carlos Cunha
02
Academia de Jornalismo
Na Academia de Jornalismo
produz-se a grande parte dos
conteúdos que integram o jornal
escolar “Flores do Campo”,
nomeadamente, artigos, notícias
da atualidade e do meio,
entrevistas,
reportagens,
passatempos e curiosidades.
Nesta academia os alunos têm, assim, a
oportunidade de adquirir um conjunto de
ferramentas/competências
de
cariz
artístico,
linguístico e comunicativo, numa perspetiva de
formação integral, explorando diferentes temáticas
como a saúde, o ambiente, a cidadania, a tecnologia, a
ciência, a arte, entre outras.
Atividades:
- edição do jornal escolar “flores do campo”;
- elaboração/recolha de conteúdos jornalísticos, no
âmbito das temáticas da cidadania, meio e mundo,
ciência e tecnologia, ambiente, saúde, desporto, artes
e letras;
- registo fotojornalístico de atividades/projetos de
escola.
Professores Carla Martins e Carlos Cunha
Academia de Artes Plásticas
A Academia das Artes
Plásticas
privilegia
a
execução
de
projetos
individuais
através
da
aplicação de diferentes
técnicas artísticas. Toda a
dinâmica inerente aos projetos desenvolvidos proporciona aos discentes o
desenvolvimento e aplicação de aptidões artísticas e a
mobilização de conhecimentos no domínio das artes,
em geral, e da pintura, em particular.
Os seus objetivos são:
- desenvolver o espírito estético e artístico dos
alunos, estimulando a criatividade e a imaginação;
- incutir o gosto pela defesa e proteção do Meio
Ambiente;
- explorar criativamente os materiais tendo em conta
as suas qualidades expressiva/estética.
Algumas das atividades propostas são:
- pintura em acrílico sobre tela;
- decorações de Natal com materiais reciclados;
- esculturas em gesso e em papel maché;
- construção de objetos decorativos a partir de
materiais reciclados;
- realização de exposições.
Prof.ª Marília Pedroso
JornalFLORES DO CAMPO
ARTES&LETRAS
Academia de Francês
A Academia de Francês surge como um
espaço em que os discentes têm
oportunidade de conhecer a língua no seu
todo (como disciplina, como parte
integrante de uma cultura e como meio de
comunicação universal).
Os objetivos são: motivar os alunos,
desenvolvendo o gosto pela língua francesa;
dotar os alunos de bases no âmbito da
disciplina de Francês, com vista à transição de ciclo; desenvolver a
capacidade de aquisição de competências linguísticas.
Atividades: exploração de vocabulário fundamental;
simulação / criação de diálogos em situações do quotidiano;
realização de atividades de compreensão oral, apoiadas em
gravações áudio e músicas; introdução de conteúdos de
funcionamento da língua fundamentais.
Professor Diogo Monteiro
Academia de Espanhol
A Academia de Espanhol é um
espaço onde os alunos têm
contacto com o espanhol de forma
apelativa, formativa e lúdica, para
que se sintam, cada vez mais,
participantes ativos neste mundo
“além-fronteiras”.
Os
seus
objetivos
são:
incentivar nos alunos o gosto pela
aprendizagem da língua espanhola; criar condições que permitam
o alargamento de conhecimentos sobre a cultura e tradição de
países de expressão espanhola; comemorar datas de relevo da
cultura espanhola.
Atividades: exploração de vocabulário; simulação / criação de
diálogos relativos a situações do dia-a-dia; realização de
atividades de compreensão oral, apoiadas e gravações áudio e
músicas; comemoração de datas de relevo da cultura hispânica.
Professora Inês Ferreira
Academia de Música
A Academia de Música é um espaço
privilegiado para o desenvolvimento do
Grupo Musical do Colégio com a
preparação e desenvolvimento de
atividades de índole artística e musical, no
qual os alunos poderão explorar as suas
potencialidades vocais e instrumentais
através da dinamização de projetos a serem apresentados ao
público em geral.
Os objetivo principal é desenvolver e aperfeiçoar a prática
vocal e instrumental e a composição e improvisação de peças
musicais.
Ao nível das atividades: “Dia Mundial da Música” - cancioneiro
tradicional português; “Natal” – concerto de Natal e celebração
eucarística; “Dia Mundial da Voz” - peças vocais e instrumentais de
influência europeia e sul-americana; “Dia Internacional do Jazz” –
peças instrumentais; “Dia Mundial da Criança” e “Dia Aberto” Ateliê de Música.
Professora Marta Ferreira
03
Exposição
sobre
Ramalho
Ortigão
Entre 22 e 26 de setembro, realizou-se
no Colégio uma exposição sobre o escritor
português Ramalho Ortigão. Os alunos do
8.º ano tiveram uma participação ativa,
uma vez que elaboraram trabalhos sobre a
vida e obra desse escritor.
Ramalho Ortigão nasceu no Porto no
dia 24 de outubro de 1836. Era o mais
velho de nove irmãos, filhos do primeirotenente de artilharia Joaquim da Costa
Ramalho Ortigão e de D. Antónia Alves
Duarte Silva Ramalho Ortigão.
Ensinou francês e foi diretor
do Colégio da Lapa no Porto, do qual seu
pai também havia sido. Iniciou-se no
jornalismo colaborando no Jornal do
Porto . Foi, também, colaborador em
outras publicações periódicas.
Em 24 de outubro de 1859 casou com
D. Emília Isaura Vilaça de Araújo Vieira, de
quem veio a ter três filhos: Vasco, Berta e
Maria Feliciana.
Morreu a 27 de setembro de 1915 em
Lisboa com 78 anos.
Obras e textos de Ramalho Ortigão:
- 1868 - Em Paris;
- 1870 - O Mistério da Estrada de Sintra;
- 1870-71 - Correio de Hoje;
- Biografia de Emília Adelaide Pimentel;
- 1870 - Histórias Cor-de-Rosa;
- 1871 - As Farpas;
- 1875 - Banhos de Caldas e Águas
Minerais;
- 1876 - As Praias de Portugal;
- Teófilo Braga: Esboço Biográfico;
- Pela Terra Alheia: Notas de Viagem;
- A Lei da Instrução Secundária na Câmara
dos Deputados de Portugal;
- 1883 - A Holanda;
- 1887 - John Bull - Depoimento de uma
testemunha sobre a vida e civilização
inglesa;
- 1896 - O Culto da Arte em Portugal;
- 1908 - D. Carlos o Martirizado;
- 1911-14 - Últimas Farpas;
- 1914 - Carta de um Velho a um Novo.
Diogo Sobreira, Academia de Jornalismo
JornalFLORES DO CAMPO
ARTES&LETRAS
Artes plásticas
Alunos participaram no
concurso ”Giotto és tu”
Os alunos do 6.º ano do Colégio participaram, no
passado mês de novembro, no concurso nacional
”Giotto és tu” organizado pela empresa Fila Portugal.
A atividade teve como objetivos: aplicar
diferentes técnicas artísticas na produção de obras
de artes plásticas; conhecer artistas plásticos
marcantes do Renascimento Italiano; explorar
temáticas da cidadania com recurso às artes visuais.
Deste modo, contextualizando os conteúdos da
disciplina de Educação Visual e através da área de
exploração da pintura, os alunos elaboraram
trabalhos de artes plásticas subordinados ao tema
“Igualdade”.
O resultado foi muito positivo, uma vez que os
alunos realizaram obras muito criativas e de grande
impacto visual, como demonstram os exemplos
apresentados.
Professor Carlos Cunha
04
Música tradicional portuguesa
Cante Alentejano
O Cante Alentejano é um género musical
tradicional do Alentejo. Este género nunca foi a única
expressão de música tradicional alentejana, sendo
aliás mais característico do Baixo Alentejo que
do Alto. Com o cante coexistiram sempre
formas instrumentais de música com adaptação
de peças entre os géneros.
Este género consiste num canto em que alternam
um ponto a sós e um coro, havendo, ainda,
um alto preenchendo
as pausas e
rematando
as estrofes. O canto começa invariavelmente com um
ponto dando a deixa, cedendo o lugar ao alto e logo
intervindo o coro em que participam também
o ponto e o alto. Terminadas as estrofes, pode
o ponto recomeçar com uma nova deixa, seguindo-se
o mesmo conjunto de estrofes. Este ciclo repete-se o
número de vezes que os participantes desejarem. Esta
característica
repetitiva,
assim
como
o
andamento lento e a abundância de pausas
contribuem para a natureza monótona do cante.
Antigamente o cante acompanhava ambos
os sexos nos trabalhos da lavoura. Outro cante existia
no
domínio doméstico,
onde
era
exercido
principalmente por mulheres e no qual participariam
também meninos.
A 27 de novembro de 2014, durante a reunião do
Comité em Paris, a UNESCO considerou o Cante
Alentejano como Património Cultural Imaterial da
Humanidade.
Portugal está, por isso, de parabéns.
Rodrigo Reis, Academia de Jornalismo
JrnalFLORES DO CAMPO
ARTES&LETRAS
Artes plásticas
Os movimentos artísticos
de 1900 a 1919
Os primeiros 10 anos do século XX constituíram
uma importante época no domínio das artes plásticas.
Experimentaram-se novas e revolucionárias vias no
domínio da cor da forma e do espaço que romperam
para sempre com as ideias tradicionais.
Arte Nova – Caracteriza-se pela utilização de linhas
sinuosas e cores vivas. Os motivos mais representados
são as flores, os animais e a mulher. Exprime-se, com
particular destaque, nas fachadas dos edifícios.
Fauvismo – Em 1905 no salão de Outono, em Paris,
vários pintores, entre os quais Matisse e Dufy,
expuseram os seus quadros, de cores puras, vivas de
formas muito simples, reduzidos à linha e à cor.
Futurismo – Esta arte nasceu em Itália em 1909, e
preocupa-se em captar a dinamismo da vida moderna.
Os artistas, como Balla e Boccioni, procuravam
transmitir as sensações de velocidade, da luz e do ruído.
A utilização de cores contrastantes e a sobreposição de
imagens proporcionam a ideia de movimento.
Abstracionismo – Movimento não-figurativo,
nascido em 1910, que se exprime através de linhas e
manchas de cor. Os seus seguidores entendiam que
desta forma podiam exprimir melhor a suas emoções.
Kandinsky da Alemanha e Pierre Mondrian dos países
baixos são os artistas representantes da pintura
abstrata.
Bohdan Bidenyy, Academia de Jornalismo
05
Academia de Teatro
A Academia de
Teatro alia a atividade
teatral à educação,
proporcionando uma
aprendizagem diversificada e lúdica que
permite aos alunos
explorarem as suas
potencialidades
expressivas/criativas, dando-lhes espaço/tempo para se
valorizarem e integrarem harmoniosamente num
grupo, aumentando o seu sentido de responsabilidade.
O Teatro amplia os horizontes dos alunos, melhora
a sua auto-imagem e leva-os a uma prática reflexiva,
tendente a romper com estereótipos culturais e
preconceitos, ajudando-os a tornarem-se mais críticos
e abertos ao mundo em que vivem.
Objetivos da academia: desenvolver capacidades
expressivas através do corpo, da voz e da
representação em trabalhos individuais e de grupo;
proporcionar o contacto com a cultura teatral,
promovendo o conhecimento de autores e peças
dramáticas; envolver os alunos na planificação,
produção e apresentação de um projeto teatral;
divulgar na comunidade educativa o trabalho
desenvolvido ao longo do ano letivo.
Atividades:
adaptação,
encenação
e
representação de peças teatrais a serem apresentadas
à comunidade educativa, nomeadamente no Festival de
Teatro Juvenil de Leiria
Professora Carla Martins
Música Pop
Meghan Trainor
Meghan Trainor é uma
cantora,
compositora
e
produtora norte-americana que
ganhou fama no início deste ano
após a sua canção “All About
That Bass” se tornar um sucesso
mundial.
Trainor nasceu em Nantucket, no estado
de Massachusetts, nos Estados Unidos da América. É
filha de Gary e Kelli Trainor. Esta começou a escrever
as suas próprias canções com apenas 11 de anos de
idade.
O seu single, “All About That Bass” tornou-se um
enorme sucesso, com mais de 300 milhões de
visualizações no YouTube.
O seu segundo single, “Lips Are Movin” saiu no
passado dia 19 de novembro, e tornou-se
imediatamente um êxito após ser divulgado, tal como o
seu primeiro vídeo.
Humberto Soares, Academia de Jornalismo
JornalFLORES DO CAMPO
MATEMÁTICA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA
XXXIII
Olimpíadas
Portuguesas
da Matemática
No âmbito do plano de ação
do departamento de Matemática
e Ciências Físicas e Naturais,
decorreu no passado dia 12 de
novembro no Colégio, as XXXIII
Olimpíadas Portuguesas da Matemática, concurso de
resolução de problemas organizado pela Sociedade
Portuguesa de Matemática (SPM).
As olimpíadas têm como principais objetivos aplicar a
matemática em situações concretas e contextualizadas,
desenvolver o raciocínio logico/dedutivo, fomentar a
articulação de saberes no âmbito da disciplina de
matemática e avaliar os conhecimentos matemáticos dos
alunos.
Todos os alunos participantes revelaram interesse e
motivação na realização das provas, aguardando-se os
resultados finais.
Professora Cátia Cardoso
Passatempo
Descubram as 7 diferenças.
06
O carro mais rápido
do mundo
Esqueçam o Ferrari, Lamborghini e Bugatti, pois
neste artigo vão ficar a conhecer o carro mais rápido do
mundo.
O carro de produção mais rápido do mundo é o
Mclaren P1. Este debita uns incríveis 916 cavalos de
potência e alcança os 350 Km/h.
Contudo, isto não se compara ao carro mais rápido
do mundo, o Koenigsegg One:1. Este debita 1447
cavalos de potência e alcança a velocidade terminal de
497 Km/h.
De momento este One:1 é o carro mais rápido do
mundo mas a marca Hennessey está a criar o novo
Hennessey Venom F5 que debita cerca de 1500 cavalos
de potência, o que o coloca numa classe de carros à
parte.
O Mclaren e o Koenigsegg estão na classe de Hyper
carros que é a classe de carros mais rápidos do mundo,
mas o Hennessey devia estar numa classe à parte, na
classe Ultra (se existisse uma).
A corrida pelo carro mais rápido do mundo
continua aberta e só o futuro poderá aclamar o modelo
vencedor.
Vasco Franco, Academia de Jornalismo
JOGO DOS RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS
ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS (REEE )
O Pedro é o delegado da sua turma e responsabilizou-se por
recolher os REEE dos seus amigos. Como não queria que os
colegas das outras turmas descobrissem quantos REEE tinha
recolhido, foi registando diariamente o número de REEE
recolhidos, usando um código. Pista: Ler em voz alta.
113233
21131223
122113112213
213221131211223113
12111322211311122122132113
111123113212113312211221113122113
?
João Rodrigues, Academia de Jornalismo
Patrícia Gaspar e Teresa Soares, Academia de Jornalismo
JornalFLORES DO CAMPO
AMBIENTE
Dia Internacional das
Montanhas
07
Dia das Bandeiras
Verdes Eco-Escolas
O Dia Internacional das Montanhas é celebrado a 11
de dezembro. Esta data foi instituída pelas Nações
Unidas, com o fim de sensibilizar a população sobre a
importância da preservação das montanhas no mundo.
As montanhas são ecossistemas terrestres com uma
grande biodiversidade de fauna e flora, possuindo uma
grande diferença comparativamente com outros
ecossistemas. A destruição da sua paisagem tem vindo a
aumentar devido aos danos causados pelos seres
humanos. A sua preservação é essencial para muitas
espécies animais que vivem naturalmente nas
montanhas.
Um exemplo em Portugal é o município de Oleiros
em Castelo Branco, onde todos os anos fazem uma
missa e o seu objetivo é comemorar as maravilhosas
montanhas de Oleiros.
Vasco Franco, Academia de Jornalismo
No passado dia 15 de outubro, oito representantes
do Colégio (seis alunos e dois professores) partiram
para Vila Nova de Gaia para participar no Dia das
Bandeiras Verdes.
Organizado pela ABAE (Associação Bandeira Azul
da Europa), este dia tem como objetivo galardoar as
escolas que demonstraram as suas atitudes, no ano
letivo anterior, a nível ambiental, contribuindo para a
preservação do planeta, bem como distinguir aquelas
que se destacaram mais nos desafios lançados pela
mesma.
Nesse dia, houve uma conferência de imprensa na
qual estiveram, entre outros, o presidente da ABAE e a
diretora do programa Eco-Escolas. Esta conferência (na
qual o Colégio também esteve presente), teve como
objetivo entregar os prémios às escolas que venceram
os vários desafios no ano letivo anterior. No caso do
Colégio, vencemos dois concursos, nomeadamente, o
Valorfito e o Eco Repórter da Energia.
Fonte das Três Bicas
A Fonte das Três Bicas, Fonte das Carrancas
ou Chafariz Grande, situa-se na cidade de Leiria, perto
da Igreja do Espírito Santo.
Datada do século XVII, é uma fonte barroca com três
bebedouros para animais e uma bacia central com
três carrancas clássicas. À frente existe um varandim de
quadrilóbulos, que cinge nos graus de acesso. Sobre as
carrancas que jorram a água podemos ver, ainda, uma
estátua de Santo António.
André Duarte, Academia de Jornalismo
Durante a tarde, houve lugar a várias atividades
como o teatro, a música e a dança, dinamizados por
algumas escolas, e, no final, aconteceu a entrega das
bandeiras verdes, que são o símbolo do “orgulho
ambiental” de uma escola.
David Duque, Academia de Jornalismo
JornalFLORES DO CAMPO
AMBIENTE
Comemoração do
“World Day of Action
08
Pelas 12:50h teve lugar a cerimónia do hastear da
Bandeira Verde que contou com a participação de toda
a comunidade escolar, ao que se seguiu a realização do
Cordão Humano, em torno do Colégio, no qual
participaram todos os alunos, professores e
funcionários, dando as mãos pelo ambiente, num gesto
simbólico de fraternidade
No passado dia 7 de novembro, o Colégio Senhor
dos Milagres comemorou ativamente mais um “World
Day of Action”, contando, para tal, com a participação de
toda a comunidade escolar, quer ao nível da preparação
das atividades, quer na realização das mesmas.
A preparação das atividades foi levada a cabo pelos
alunos do Clube Eco-Escolas, sob a orientação da
professora Sofia Coelho, e contou com a colaboração de
todos nas diferentes atividades. Os alunos elaboraram
um conjunto de cartazes alusivos aos diferentes temas
base do Eco-Escolas (água, energia, resíduos),
contemplando um conjunto de mensagens e desenhos de
sensibilização para a preservação ambiental. Estes
cartazes foram afixados no átrio do Colégio. A
construção de pontos de recolha de tampas e rolhas,
apelativos, pelos alunos visou promover a separação e
recolha dos resíduos por parte da comunidade escolar.
Estes pontos de recolha estiveram expostos no átrio,
sendo que após a exposição passaram para o bar.
Ao longo do dia 7 de novembro, esteve a ser
projetado, no átrio do Colégio, um vídeo sobre os “Sete
Passos” do programa Eco-Escolas. Desta forma alunos e
professores, conseguiram perceber melhor a forma
como se encontra organizado o programa Eco-Escolas e
qual o papel de cada um de nós na sua implementação.
No período da tarde, foi plantada a árvore “EcoEscolas 2014-15” – O Loureiro, pelos alunos do Clube
Eco-Escolas que irá “crescer” conjuntamente com estes
acompanhando-os no seu processo de formação
integral enquanto jovens cidadãos plenamente
in/formados e amigos do ambiente.
Todas as atividades foram acolhidas, pela
comunidade escolar, com entusiamo e sobretudo com
consciência de que é preciso apostar no
desenvolvimento de atitudes ecológicas, na preservação
do meio ambiente e na adoção de práticas de cidadania
ativa que visem a sustentabilidade.
Saudações ambientais,
A coordenadora do Eco-Escolas no Colégio, Sofia Coelho
JornalFLORES DO CAMPO
SAÚDE
Promoção da educação para a saúde
Projeto “Viver+Saúde”
O projeto de escola
“Viver+Saúde” está orientado para a implementação
de
uma
cultura
de
prevenção e de promoção
da saúde na comunidade
escolar e educativa através
do desenvolvimento de
ações de sensibilização e de in/formação.
Tem como objetivos principais: desenvolver
ações no âmbito da formação pessoal e social do
aluno promovendo a educação para a saúde;
prevenir comportamentos de risco, dotando os
alunos de conhecimentos ao nível das áreas
temáticas obrigatórias da educação para a saúde.
Ao nível das atividades, estas envolvem toda a
comunidade escolar e articulam com as diferentes
estruturas educativas e várias entidades do meio.
Das diversas ações, destacam-se as campanhas
que envolvem a comunidade educativa no âmbito
das temáticas da alimentação, atividade física,
prevenção do consumo de substâncias psicoativas,
educação sexual em meio escolar, infeções
sexualmente transmissíveis e saúde mental/
prevenção da violência em meio escolar.
Professora Luísa Marques
09
Anemia
A anemia é uma doença
em que a hemoglobina
apresenta valores inferiores ao
normal. Isto leva a que o
organismo tenha dificuldades
em levar oxigénio aos tecidos
vivos.
Assim a anemia pode
causar fadiga e dificuldades
respiratórias e limita
a
capacidade de fazer exercício físico.
A hemoglobina é produzida através do ferro. Ou seja,
este é o “medicamento” para resolver o problema desta
doença. Recomenda-se, assim, ingerir diariamente um a
dois mg de ferro. Para as grávidas será necessário mais
ferro. Neste caso é melhor consumir, também, mais
vitamina C e evitar o farelo, o fosfato e os antiácidos.
Rui Muchenga, Academia de Jornalismo
Fármaco travou “doença dos
pezinhos” num ensaio clínico
Um ensaio clínico internacional, que envolveu 78
doentes de dois hospitais em Portugal, mostrou ser
capaz de travar a progressão da paramiloidose,
conhecida como “doença dos pezinhos”.
Os resultados mostraram uma eficácia no
bloqueio da progressão da doença em cerca de 60
por cento dos casos que experimentaram o fármaco.
Mas estes dados terão ainda de ser validados e
reconhecidos pelas diversas autoridades do
medicamento tanto a nível nacional (Infarmed),
europeu (EMEA) e dos Estados Unidos da América
(FDA).
No total participaram 128 doentes europeus e
latino-americanos no ensaio que envolveu ainda o
Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e outros seis
centros localizados na Argentina, Alemanha, Brasil,
Espanha, França e Suécia.
Sérgio Domingues, Academia de Jornalismo
JornalFLORES DO CAMPO
SAÚDE
Autismo
O autismo é uma disfunção global do
desenvolvimento. Algumas crianças, apesar de
autistas, apresentam inteligência e fala intactas,
outras
apresentam
sérios
problemas
no
desenvolvimento da linguagem. Alguns parecem
fechados e distantes, outros presos e rígidos,
existindo vários padrões de comportamento.
O autismo afeta muitas crianças e jovens no
nosso país e um dos mitos comuns sobre a doença é
de que pessoas autistas vivem no seu próprio
mundo, interagindo com o ambiente que criam.
Outro mito comum é que quando se fala numa
pessoa autista geralmente pensa-se numa pessoa
retardada ou que sabe poucas palavras (ou até
mesmo que não sabe nenhuma). Isto não é
exatamente verdade. Na minha opinião elas são
iguais a nós, mas com um grau de aprendizagem
mais lento.
A ciência, pela primeira vez, falou em “cura” do
autismo em novembro de 2010, com a descoberta
na Universidade da Califórnia, que conseguiu
"curar" um neurônio "autista" em laboratório. O
estudo baseou-se na Síndrome de Rett (um tipo de
autismo com maior comprometimento e com
comprovada causa genética).
Respirar pela boca traz malefícios
Cerca de 30% das crianças em idade pré-escolar
sofrem de síndrome de respiração bucal (SRB), esta
doença é provocada por noites mal dormidas, baixo
desempenho escolar, problemas de crescimento e
postura, podendo originar graves infeções
respiratórias
De acordo com o otorrinolaringologista, quando
as crianças respiram pela boca, o cérebro recebe
menor quantidade de oxigénio, o que prejudica a
capacidade de atenção e consequentemente
rendimento escolar.
Na maior parte dos casos costumam ficar com a
boca aberta por tempo prolongado e dormem com
ela assim.
É muito importante salientar que o certo é
respirar pelo nariz.
Cristina Paiva, Academia de Jornalismo
10
Diabetes – uma doença grave
A diabetes é uma doença que aparece quando existe
a falta de insulina ou da capacidade de a produzir. Isto
acontece quando o nosso pâncreas para de produzir um
produto chamado insulina que nos ajuda a regular a
quantidade de açúcar no sangue.
A insulina provoca a redução da glicemia o que
permite que o açúcar que está presente no sangue possa
entrar nas células para ser utilizado como fonte de
energia.
Existem vários tipos de Diabetes:
- A diabetes de tipo 1 ocorre quando o nosso pâncreas
para de produzir a insulina e não consegue regular a
quantidade de sangue no nosso organismo, isto ocorre
com 5 a 10% dos pacientes;
- A diabetes tipo 2 ocorre quando o nosso corpo começa
a produzir menos insulina e também quando o nosso
corpo já não necessita de absorver tanta matéria, isto
ocorre com cerca de 90% dos pacientes.
Joel Casalinho, Academia de Jornalismo
Saúde em
Portugal
O Presidente do
conselho
de
administração do Centro
Hospitalar e Universitário
de
Coimbra
(CHUC)
afirmou, recentemente,
prever uma redução da
taxa das infeções dos cerca de 9% registados
atualmente para 7,5% em 2016.
"A sustentabilidade do Serviço Nacional de
Saúde não tem a ver apenas com o lado financeiro,
mas também com doenças crónicas, como a diabetes,
ou as infeções hospitalares", disse José Martins
Nunes.
Nos últimos dois anos, o CHUC conseguiu "baixar
5%"
a
presença
de
microorganismos
multirresistentes", estando de momento a apostar na
investigação clínica nesta matéria com o apoio da
Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e
na aquisição de "informática para monitorização das
infeções", avançou.
Pedro Lima Academia de Jornalismo
JornalFLORES DO CAMPO
SAÚDE
Ébola, uma doença mortal
O Ébola é uma doença muito grave que pode
matar em três semanas. Quatro tipos de vírus
começaram a infetar os humanos e outros seres
vivos com a sua superfebre.
Os primeiros sintomas a surgir são: febre, dores
musculares, dores de garganta e dores de cabeça.
Típico de uma febre ou de uma gripe que pode
passar
facilmente,
mas
depois
chegam
manifestações anormais como náuseas, vómitos e
diarreia (Gripe A). Insuficiências no fígado e nos rins
também são características deste surto que, durante
muito tempo, passou despercebido.
Mas a maior característica desta doença é a
presença de hemorragias, por isso é que também se
designa de Febre Hemorrágica.
O agente patogénico na origem desta doença é
denominado de Ebolavirus. Existem cinco espécies
do género Ebolavirus, mas um não provoca a doença.
Os restantes quatro localizam-se no Zaire, no Sudão,
em Bundibugyo e na Costa do Marfim. Devido à
facilidade de transmissão, estes vírus poderiam ser
usados como armas biológicas de classe A.
As medidas preventivas incluem cozinhar a
carne a altas temperaturas, usar vestuário de
proteção e, diagnosticando a doença, enviar o doente
para quarentena.
Ainda não foi inventada uma vacina viável e o
tratamento consiste, em especial, na reidratação do
doente.
David Duque, Academia de Jornalismo
11
Sida
A SIDA é provocada
pelo
Vírus
da
Imunodeficiência Humana
(VIH), que penetra no
organismo por contacto
com uma pessoa infetada. A
transmissão
pode
acontecer de três formas:
relações sexuais; contacto
com sangue infetado; de
mãe para filho, durante a
gravidez ou o parto e pela amamentação.
O VIH é um vírus bastante poderoso que, ao entrar
no organismo, dirige-se ao sistema sanguíneo, onde
começa de imediato a replicar-se, atacando o sistema
imunológico, destruindo as células defensoras do
organismo e deixando a pessoa infetada, mais debilitada
e sensível a outras doenças, as chamadas infeções
oportunistas que são provocadas por micróbios e que
não afetam as pessoas cujo sistema imunológico
funciona convenientemente. Também podem surgir
alguns tipos de tumores.
A SIDA provoca perturbações como perda de peso,
tumores no cérebro e outros problemas de saúde que,
sem tratamento, podem levar à morte. Esta síndrome
manifesta-se e evolui de modo diferente de pessoa para
pessoa.
Apesar dos tratamentos eficazes existentes
atualmente, a grande arma continua a ser a prevenção.
Por isso, cuidem-se.
Francisco Pereira, Academia de Jornalismo
JornalFLORES DO CAMPO
DESPORTO
Clube de Desporto Escolar
A atividade desportiva desenvolvida no Colégio ao
nível do Desporto Escolar põe em jogo potencialidades
físicas e psicológicas, que contribuem para o
desenvolvimento global dos jovens, sendo um espaço
privilegiado para fomentar hábitos saudáveis,
competências sociais e valores morais, de entre os quais
se destacam a responsabilidade, o espírito de equipa, a
tolerância e a perseverança.
Os objetivos são:
- complementar a atividade curricular, com a atividade
desportiva extracurricular, de acordo com as motivações
e as preferências dos alunos, contribuindo para o
processo de formação integral dos mesmos;
- melhorar performances desportivas dos alunos no
âmbito das modalidades que integram o programa do
Desporto Escolar no Colégio (Futsal, Andebol, Voleibol e
Basquetebol);
- promover o fairplay e o espírito competitivo e participar
no quadro competitivo do Desporto Escolar .
Ao nível das atividades, os alunos beneficiam da
prática desportiva / treino nas modalidades em
funcionamento, torneios interturmas, corta-mato escolar,
Férias Desportivas e participação noutros eventos,
participação nos quadros competitivos e nos projetos
Mega Km, Salto e Sprinter e Nestum Rugby.
Relativamente às modalidades/ destinatários:
Andebol e Basquetebol (alunos dos 5.º/6.º/7.º anos);
Voleibol e Futsal (alunos dos 8.º/9º anos)
Os Professores Rui Machado (Andebol, Futsal), Dinis Basto (Basquetebol,
Futsal), Patrícia Bagagem (Voleibol)
12
O desporto mais perigoso do mundo
Muay Thai
A maioria das pessoas tem pelo menos um
desporto que apreciam, o que significa que praticá-los é divertido. Todavia, alguns podem ser perigosos,
especialmente aqueles que envolvem contacto físico
ou combate.
O desporto mais perigoso do mundo chama-se
Muay Thai que significa boxe tailandês e não se sabe
exatamente quando foi criado. É baseado na arte
marcial, com mais de 2 mil anos, Muay Boran, também
da Tailândia. Contudo, apenas foi divulgado
internacionalmente no século XX.
Tanto o Boxe como o Kickboxing se inspiraram no
Muay Thai, mas ao contrário do Boxe, onde se usa
apenas os punhos ou do Kickboxing no qual se usa
tanto os punhos como as pernas, no Muay Thai podem
usar-se tanto os punhos como as pernas, mas também
os joelhos e os cotovelos. Devido a este facto, o
desporto ganhou a alcunha de “ A Arte das Oito
Armas”.
Atualmente o Muay Thai é praticado em todo o
mundo, no entanto os praticantes tailandeses deste
desporto são chamados de Nak Muay. Praticantes de
outra nacionalidade são chamados Nak Muay Farang,
que significa pugilista estrangeiro. É o desporto
nacional da Tailândia.
Jogo da Descoberta
Descubram as 7 diferenças.
Vasco Franco, Academia de Jornalismo
JornalFLORES DO CAMPO
CIDADANIA, MEIO E MUNDO
1.º Centenário da
1.ª Guerra Mundial
13
Mês internacional das
bibliotecas escolares
O Mês Internacional das Bibliotecas Escolares,
este ano subordinado ao tema, “Biblioteca escolar, um
Mapa de Ideias”, contou com a dinamização de
diversas atividades que pretenderam fortalecer a
importância das bibliotecas em contexto escolar.
Os alunos, juntamente com a colaboração dos
Encarregados de Educação realçaram o prazer da
leitura, com a elaboração de frases, com a pesquisa
imagens e de fotografias, que no dia 23 de outubro,
Dia Internacional das Bibliotecas Escolares, fizeram
parte da exposição realizada no Colégio.
Num ano em que se inicia a evocação do 1.º
Centenário da Grande Guerra, e fazendo este tema parte
dos conteúdos da disciplina de História do 9.º ano de
escolaridade, fomos convidados a realizar trabalhos
tridimensionais sobre o tema, o que muito prazer nos e a
escrever um texto de opinião acerca deste acontecimento
que alterou definitivamente o mundo contemporâneo.
Ao estudarmos o tema 1.ª guerra mundial
verificámos que entre 1914 e 1918 o mundo em geral e a
europa em particular, deixaram o velho “status quo” e
entraram na modernidade. Tal mudança foi
especialmente visível no tipo de armamento utilizado no
conflito. Pela primeira vez foram utilizadas com
intensidade as granadas, os morteiros, as metralhadoras
leves, os couraçados, a aviação e os perigosíssimos gases
tóxicos. Na verdade nenhum dos lados beligerantes tinha
a noção da força e potencia do novo armamento.
A I Guerra Mundial representou um momento
determinante, constituindo uma rutura profunda no
percurso da história contemporânea europeia e mundial,
cujos efeitos fraturantes e duradouros envolveram,
marcaram e determinaram muito significativamente a
História de Portugal. Entre tantos outros aspetos importa
recordar que entre 1914 e 1918 partiram para a Guerra
mais de 100 000 soldados portugueses. Combateram em
África, lutaram na Flandres. Nas baixas portuguesas
contam-se 8 mil homens, outros tantos ficaram feridos; 6
mil ficaram desaparecidos e mais de 7 mil foram feitos
prisioneiros e isto só no curto espaço de tempo que
Portugal interveio no conflito! Porque se falarmos de
números gerais dos países beligerantes o número total de
mortos estima-se entre 15.000.000 a 65.000.000. A
estimativa mais alta de mortos (65 milhões) contabiliza
as pessoas que morreram da Gripe Espanhola, uma
variação do vírus H1N1. A Gripe Espanhola espalhou-se
generalizadamente pelo mundo no começo do século XX
e a epidemia foi fatal para os exércitos da 1ª Guerra.
Face a estes números tenebrosos seria de esperar
que a humanidade tivesse “aprendido” a lição e não
tivesse, em escassos vinte anos, voltado à carga com a 2.ª
guerra mundial, mas tal não aconteceu.
Alunos da turma C do 9.º ano
Ainda neste dia, no espaço da Biblioteca, foram
colocados livros com mensagens apelativas para que
os alunos os lessem e posteriormente fizessem uma
análise crítica e nas aulas de Português, foram dados a
conhecer os livros e os autores que mais se
destacaram na última década.
Equipa de professores da Biblioteca Escolar
SOPA DE NOMES
Descobre os nomes próprios apresentados na sopa de letras.
D
A
N
I
E
L
A
k
I
N
U
N
O
M
T
R
M
A
R
T
A
A
E
O
G
U
S
T
A
R
R
D
V
T
O
I
G
C
E
R
A
R
N
N
O
O
S
I
S
U
I
Y
K
R
A
G
C
A
A
T
O
E
N
O
O
A
R
B
A
R
A
D
N
V
D
I
J
T
O
G
Rodrigo
Teresa
Daniela
Ana
Marco
Barbara
Rita
Marta
Nuno
Vasco
Patrícia Gaspar, Academia de Jornalismo
JornalFLORES DO CAMPO
CIDADANIA, MEIO E MUNDO
A vida das comunidades
agropastoris
Há muito tempo atrás, eu vivia numa
comunidade agropastoril. Nós éramos sedentários,
vivíamos em grupo e já sabíamos produzir os nossos
próprios alimentos.
Éramos mais evoluídos do que os nossos
antepassados: as comunidades recoletoras. Ao
contrário deles, nós já sabíamos praticar a
agricultura e a pastorícia. Assim, já não estávamos
dependentes do que a Natureza nos dava para
podermos sobreviver.
Além disso, já não vivíamos em cavernas ou
tendas, mas sim em casas feitas por nós, em pedra
ou madeira e cobertas com colmo. Assim formámos
a nossa própria aldeia.
Os meus parentes inventaram diversos
instrumentos importantes, tais como o arado, a
charrua, a foice, a enxada, o machado, entre outros.
Eram feitos em pedra polida, madeira e metal, sendo
muito úteis, sobretudo, na agricultura.
Mas a nossa vida não se resumia a isto! Além das
atividades produtivas, também nos dedicávamos às
atividades
artesanais
(cerâmica,
tecelagem,
moagem, cestaria, metalurgia e fiação). Através
delas, fabricávamos muitos objetos essenciais à
nossa vida.
As novas roupas que passámos a utilizar foram,
na minha opinião, um aspeto muito importante para
melhorar a nossa vida. Eram feitas com tecidos de lã
e em pele, sendo mais quentinhas e confortáveis do
que antes.
Também tínhamos um novo tipo arte, a arte
megalítica. Construíamos monumentos com grandes
blocos de pedra, como por exemplo as antas. Estas
eram monumentos funerários, onde enterrávamos
as pessoas da nossa comunidade que faleciam.
Acreditávamos que elas iriam renascer numa nova
vida.
Guilherme Gomes, n.º7, 5.ºB
14
Direitos Humanos - III Plano
Nacional Combate ao Tráfico
de Seres Humanos
De acordo com o artigo 160º, do Código Penal,
pratica o crime de tráfico de pessoas quem
entregar, recrutar, aliciar, aceitar, transportar,
alojar ou acolher pessoa para fins de exploração,
incluindo a exploração sexual, a exploração do
trabalho, a mendicidade, a escravidão, a extração
de órgãos ou a exploração de outras atividades
criminosas, exercendo violência, rapto, abuso de
autoridade, aproveitando-se de uma incapacidade
psíquica da vítima ou através de outra forma de
engano ou coação.
O tráfico de seres humanos é uma realidade com
um impacto económico comparável ao do tráfico de
armas e de droga. Estima-se que por ano sejam
traficadas milhões de pessoas em todo o mundo.
Portugal não está imune a este fenómeno que
acarreta consigo um conjunto de causas e
consequências problemáticas: o crime organizado, a
exploração sexual e laboral, as assimetrias endémicas
entre os países mais desenvolvidos e os mais
carenciados, questões de género e de direitos
humanos, quebra de suportes familiares e
comunitários.
Para lá da reconhecida abrangência do fenómeno,
são identificados grupos que apresentam uma maior
vulnerabilidade à situação de tráfico tais como as
mulheres e as crianças. Para tanto contribui a
crescente feminização da pobreza que propicia
situações de exploração sexual e laboral. No caso das
crianças, o fenómeno constitui o mais vil atentado ao
direito a crescer livre e num ambiente protegido e
acolhedor.
Vale a pena pensar nisto: uma verdadeira
democracia significa, como diz Bento Espinoza, que
somos mais do que indivíduos, aspiramos a ser pessoas
com carácter, que não somos apenas motivados pelo
medo, pela ganância, pela estupidez, mas capazes de
um pensamento livre e de escolhas.
Turma C do 8.º ano
JornalFLORES DO CAMPO
CIDADANIA, MEIO E MUNDO
As ações e a economia
As ações são uma quotaparte
representativa
do
capital de uma empresa.
Contudo, não servem para
governar uma empresa mas,
sim, para ganhar dinheiro. Os
rendimentos são espetaculares quando comparados com os depósitos a prazo, mas
este tipo de investimento deve ser evitado por quem não
tolerar perdas e, sobretudo, se não quiser correr riscos.
Para lucrar, deve comprar as ações quando estão
mais baratas e vendê-las quando estão mais caras. O
valor das ações é variável e imprevisível, dependendo de
dois fatores: procura-oferta (o valor aumenta com as
pessoas que compram e diminui com as pessoas que
vendem) e os acontecimentos internos (a saída de um
elemento importante pode fazer uma quebra significativa
no preço das ações – a Microsoft, por exemplo, viu as suas
ações descerem 4% quando saiu Sinofsky e a Apple 10%
quando Forstall saiu).
Para quem aposta na segurança, são recomendadas
ações de grandes empresas porque têm uma estabilidade
elevada. Para os mais agressivos, é melhor comprar uma
mão cheia de ações de pequenas empresas de grande
potencial e talvez possa ganhar uma quantia avultada, ou
perder tudo.
Duas últimas recomendações: para investir pode
usar uma corretora ou o seu banco – atenção a taxas
adicionais. Invista em várias empresas para colmatar
possíveis perdas e NÃO INVISTA dinheiro que precisa.
Vale a pena dizer que este negócio traz benefícios
fiscais e que os rendimentos vêm líquidos de impostos.
Para aqueles que não se convencem do perigo das
ações, trago um caso histórico: os americanos chamam à
época a partir de 1922 “Os Loucos Anos 20”. A partir de
1929 são “Os Deprimentes Anos 30” ou “A Grande
Depressão”, a uma escala global. Digamos que a partir de
1922, as ações estavam na moda. Toda a gente comprava
ações com recurso ao crédito e todos os dias as ações
aumentavam de valor. Mas, no dia 24 de outubro (quintafeira negra), 13 milhões de ações foram postas à venda
na Bolsa de Wall Street, Nova Iorque. Como estavam
muito caras, ninguém as quis comprar. Resultado: a
oferta era muito grande e a procura quase nula, e
demorou pouco tempo até as ações não valerem quase
nada.
No dia 29 de outubro (terça-feira negra) era o caos.
40 milhões de ações mudaram de dono a preços que
destruíram as esperanças dos vendedores. Este incidente
causou a falência de milhões de empresas e de centenas
de bancos em todo o mundo, em pouquíssimo tempo,
para não falar da desvalorização abrupta do dólar. Estas
“bombas atómicas de classe financeira” até levaram
Hitler ao poder e estalaram com a 2.ª Guerra Mundial.
David Duque, Academia de Jornalismo
15
Europa, uma lenda grega
O nome do continente europeu tem origem
numa lenda protagonizada por uma princesa
fenícia chamada Europa.
Europa vivia num magnífico palácio com os seus
pais e adorava dar passeios com as amigas nos
bosques e nos prados. Um dia, quando estava a
apanhar flores, foi vista por Zeus, o deus dos céus e
das tempestades. Zeus ficou pasmado com tanta
elegância e decidiu raptá-la. Para agir com descrição,
disfarçou-se de um belo touro. Desceu então ao prado
e pôs-se ao pé da princesa. Ela ficou espantada por ver
ali um animal tao macio, de pelo suave e um olhar
doce.
Primeiro fez-lhe festas, depois sentou-se em cima
dele e de repente o touro pôs-se a voar por cima do
oceano à procura de uma ilha sossegada para viver
com a princesa.
A pobre princesa ficou assustadíssima. Mas não
tardou a perceber que o raptor só podia ser um deus
disfarçado, pois entre as ondas emergiam peixes,
tritões e sereias a acenar-lhes. Até Posídon apareceu
agitando o seu tridente.
Deixaram a Ásia e passaram pelo continente
vizinho que naquela altura ainda não tinha nome.
Instalaram-se na ilha de Creta e tiveram três filhos.
Agradou tanto a poetas da Grécia Antiga que
passaram a chamar Europa aos territórios para lá da
Grécia. E agradou, também, ao historiador Hérodoto,
que no séc. V a.C. foi o primeiro a chamar Europa a
todo o continente.
Rui Muchenga, Academia de Jornalismo
JornalFLORES DO CAMPO
CIDADANIA, MEIO E MUNDO
A vida da Pré-história
Há muito tempo atrás, eu pertencia a uma tribo de
caçadores-recoletores. Nós vivíamos em grupo e éramos
nómadas, porque não ficávamos muito tempo no mesmo
lugar.
Na verdade, nós ainda não sabíamos produzir os
nossos alimentos, por isso, vivíamos da caça, da pesca, da
recoleção de frutos, vegetais e raízes. Quando o alimento
se acabava, tínhamos de ir procura-lo noutro sítio.
Vivíamos em cavernas e, noutras alturas, em
cabanas que construíamos ao ar livre. As nossas roupas
eram feitas de peles dos animais que caçávamos.
Fabricávamos instrumentos em pedra, osso e madeira,
como o seixo partido, o biface, as lanças e o arpão.
A certa altura, fizemos uma descoberta muito
importante. Aprendemos a dominar o fogo, o que trouxe
grandes mudanças à nossa vida. Já tínhamos como nos
aquecer, cozinhar os alimentos, iluminar a noite escura e
afastar os animais ferozes.
Alguns de nós eram também verdadeiros artistas.
Nas paredes das cavernas, faziam pinturas de animais e
de cenas de caça, com o objetivo de nos proteger e dar
sorte nas caçadas. Sei que hoje lhes dão o nome de arte
rupestre.
Estes tempos não foram fáceis, mas eu adorei viver
naquela época.
16
Dia da Restauração da
Independência
Portugal comemora a 1 de dezembro o Dia da
Restauração da Independência. Isto porque foi neste
dia que D. João IV expulsou os espanhóis do território
português e foi aclamado Rei de Portugal.
Em 1578, Portugal perdeu o seu rei, D. Sebastião,
na batalha de Alcácer-Quibir, na tentativa de
conquistar Marrocos. Não tendo filhos nem sendo
casado, o reino foi governado pelo Cardeal D.
Henrique, que também viria a morrer em 1580.
Existiam três principais pretendentes: Filipe II de
Espanha, António, o Prior do Crato, apoiado pelo povo,
e a Duquesa de Bragança.
Filipe II de Espanha acabou por assumir o trono
português e o reino perdeu a sua independência, bem
como o seu império.
Mariana Malhado, n.º14, 5.ºB
10 Milhões de Estrelas –
um Gesto pela Paz 2014
Através da disciplina de EMRC, a
comunidade educativa do Colégio foi
convidada a participar na campanha de
Natal “10 Milhões de Estrelas – um Gesto pela Paz
2014” promovida pela Cáritas Portuguesa. Na base
desta campanha está a divulgação e promoção dos
valores da Paz que são personificados nas velas que
puderam ser adquiridas por o preço simbólico de 1€.
A proposta é cada uma das pessoas que compre a
vela e a acenda na noite de Natal como sinal da sua
adesão pessoal à Paz. O resultado das vendas é
canalizado para o apoio que a Cáritas presta à
população em cada uma das vinte dioceses onde está
inserida.
Como a Espanha estava praticamente em guerra
com o resto da Europa, os holandeses, ingleses e
franceses atacavam também as colónias e barcos
portugueses e assim que Filipe IV de Espanha, III de
Portugal, chega ao trono, começa a desenvolver-se em
Portugal a ideia de revolta. Esta viria a acontecer no
dia 1 de dezembro de 1640.
Após a Implantação da República em 1910, o dia
foi declarado feriado nacional, mas essa decisão foi
retirada pelo XIX Governo Constitucional presidido
por Pedro Passos Coelho, que António Costa promete
voltar a colocar caso for eleito. A ver vamos!
David Duque, Academia de Jornalismo
JornalFLORES DO CAMPO
CIDADANIA, MEIO E MUNDO
Escravatura
A escravatura é o
ato de obrigar alguém a
trabalhar sem receber e
contra a sua vontade.
Podemos encontrar este
problema em todo o
mundo, afetando países desenvolvidos e não
desenvolvidos, classes sociais altas e baixas e todas as
raças.
Em todo o mundo existem cerca de 37 milhões de
casos e muitos mais ainda não descobertos. Em
Portugal existem cerca de 1400 casos de escravatura
reportados.
Em muitos casos, como o do nosso país, a
escravatura começa com falsos anúncios de emprego
na Internet e recrutamentos que por vezes ocorrem
em algumas aldeias. As vítimas destas armadilhas são
pessoas desesperadas sem nada a perder e com a
necessidade de ganhar dinheiro. Estas só têm dinheiro
para o bilhete de avião e quando se encontram presas
neste trabalho forçado não conseguem de lá sair.
Em alguns casos são as grandes fábricas que têm
as maiores redes de escravatura mas existem pessoas
que são pagas para não falar sobre o assunto e são,
muitas vezes, jornalistas e repórteres a reportar este
caso.
A escravatura é um flagelo que vai contra todos
os acordos dos direitos humanos, sendo um crime
contra a humanidade.
Vasco Franco, Academia de Jornalismo
Descobre as 6 diferenças
Pedro Lima, Academia de Jornalismo
17
Violência doméstica:
é hora de agir!
A violência doméstica é qualquer tipo de
agressão física ou psicológica, praticada dentro de
casa, entre os membros de uma família. Muitas vezes,
esta violência inicia-se com palavras inconvenientes e
agressivas, com pressão sobre os outros e, quase
sempre, termina em agressões físicas.
As principais vítimas da violência doméstica são
as mulheres e os respetivos filhos, no entanto,
também acontecem situações em que os homens são
as vítimas.
Muitas vezes, sofrem em silêncio devido ao
receio de que as agressões aumentem, ao sentimento
de vergonha e, ainda, por desconhecimento das
entidades que existem para lhes dar apoio. Há
também casos de vítimas que suportam a situação,
sem nada fazer, para que a família se mantenha junta,
principalmente, por causa dos filhos, ou ainda por
questões financeiras.
Na nossa opinião, a violência doméstica é algo
que não deveria existir, porque impede que haja paz e
harmonia na família, trazendo tristeza a todos os seus
elementos.
Achamos, por isso, que deveria ser dada mais
atenção a este problema e pôr em prática algumas
medidas para o combater, tais como:
- elaborar leis mais rígidas para punir as situações de
violência doméstica;
- divulgar informação sobre as entidades de apoio às
vítimas, através dos meios de comunicação social;
- dar maior proteção às vítimas, através das
autoridades e do Governo;
- apostar num maior diálogo entre os elementos da
família, em especial, entre o homem e a mulher;
- educar as crianças com base no respeito pelos
outros, ensinando-as a não maltratar ninguém física
ou psicologicamente.
Enquanto as pessoas não se respeitarem, não
acabará este tipo de violência. A família é a primeira
“escola” da vida: é nela que se devem dar exemplos e
transmitir valores morais para que o ser humano seja
feliz.
Alunos da turma B do 5.º ano
JornalFLORES DO CAMPO
CIDADANIA, MEIO E MUNDO
A arqueologia aqui ao lado
Na aula de História foi transmitida a
importância da arqueologia no conhecimento
dos nossos antepassados. Quisemos então
saber se na nossa região esta ciência tinha
dado o seu contributo. O que descobrimos foi
mesmo surpreendente.
Em vários locais da nossa região, são realizados
várias pesquisas no campo da arqueologia. Mas a que
mais nos fascinou foi a pesquisa arqueológica
realizada no dia 6 de dezembro de 1998. Neste dia,
uma equipa de arqueólogos encontrou ossadas
pertencentes a uma criança sepultada há cerca de 24
500 anos.
A descoberta deste esqueleto teve uma relevância
mundial, pois seria a primeira e ainda a única
sepultura paleolítica encontrada na Península Ibérica.
Esse achado arqueológico ficou conhecido pelo nome
de Menino do Lapedo. A criança que deveria ter uns
cinco anos de idade, foi embrulhada numa mortalha
feita de pele de animal tingida com ocre vermelho,
pigmento usado em rituais funerários foi estendida de
costas numa fossa com dentes de veado, peças de
carne, ossadas de coelho e conchas perfuradas.
Para a sua preservação foi criado o um centro de
interpretação arqueológico, um espaço dedicado ao
sítio arqueológico “Abrigo do Lagar Velho”, em Leiria,
localizado sobre o vale do Lapedo, onde podemos
conhecer objetos arqueológicos que nos ajudam a
compreender a vida do homem da Pré-História à
época do Paleolítico Superior (há 25.000 anos), dos
quais se destacam a sepultura infantil do “Menino do
Lapedo”.
18
Os Descobrimentos
Portugueses – seiscentos
anos depois!
Nas aulas de História estudámos o tema
Expansão e Mudança nos séculos XV e XVI e
verificámos que ao longo do século XIV, a Europa
atravessava uma grave crise económica. Portugal
não era exceção. No entanto, na altura os nossos
antepassados conseguiram encontrar uma saída
para a crise, aproveitando as oportunidades com
que se deparavam.
A paz com Castela e a definição das fronteiras
nacionais, o interesse dos diferentes grupos
sociais, a situação geográfica de Portugal com a
extensa faixa litoral virada para o atlântico e os
bons portos, tudo isto eram condições propícias
para os descobrimentos e Portugal voltou-se
para o mar, lançou-se na expansão marítima.
Hoje em pleno século XXI e quase seiscentos
anos depois, o mundo atravessa igualmente uma
grave crise e Portugal não é exceção, será que
novos “descobrimentos” serão possíveis? Quais
serão as “saídas” que se oferecem aos
aventureiros e empreendedores dos nossos dias?
Uma grande crise também é uma grande
oportunidade para a implementação de
mudanças que encarrilhem a economia e a
assentem em bases mais sustentáveis.
Se há uma unanimidade entre os
historiadores quanto à questão da Conquista de
Ceuta, em 1415, ter sido o início da expansão
portuguesa
e
dos
descobrimentos,
e
consequentemente o princípio do fim da crise,
gostaríamos nós de saber qual poderá ser, na
opinião dos políticos e politólogos de hoje a
“conquista” a efetuar.
Filipa Maltinha e Sara Antunes, 7ºA
Maria João Confraria e Beatriz Graça, 8.º A
JornalFLORES DO CAMPO
CIDADANIA, MEIO E MUNDO
A primeira grande guerra
19
Dias temáticos de dezembro
Dia
Internacional
dos
Direitos
Humanos
No início do século XX, a Europa dominava o
mundo devido à sua evolução técnica, económica
e cultural.
Mas ao longo do tempo desenvolveram-se
perigosas rivalidades e alianças entre os estados
europeus. Uma delas foi entre a Inglaterra e a
Alemanha porque havia concorrência nos
mercados internacionais, outra foi entre a França
e a Alemanha porque a França desejava recuperar
as suas terras perdidas para a Alemanha e por
último, entre a Rússia e o império AustroHúngaro porque ambos os estados procuravam
impor a sua influência política na região dos
Balcãs. Então para se protegerem das ameaças os
países vizinhos fizeram um sistema de alianças:
- a Tríplice Aliança – entre a Alemanha, o império
Austro-Húngaro e a Itália;
- a Tríplice Entente – entre a França, a Rússia e o
Reino-Unido.
Este Sistema de Alianças era extramente
perigoso para a segurança Europeia, e em agosto
de 1914, devido a estas Alianças, a maior parte da
Europa encontrava-se em guerra, o primeiro
grande conflito mundial.
Até 1918 este conflito passou por várias fases
militares: guerra de movimentos e a guerra das
Trincheiras – tem estas designações devido à
posição assumida pelos exércitos em confronto.
Em 1917, ocorreram dois acontecimentos: a
entrada dos Estados Unidos da América na guerra
e a saída da Rússia do conflito.
Em 1918 foi o fim da guerra, tendo sido
assinados tratados de paz. Estes deram origem à
criação de novos países e à mudança de fronteiras
e, ainda, em 1919, foi criada a Sociedade das
Nações para assegurar a paz no mundo.
O Dia Internacional dos Direitos Humanos
comemora-se desde 1948. A data de 10 de dezembro
visa homenagear o empenho e dedicação de todos os
cidadãos defensores dos direitos humanos e pôr um
fim a todos os tipos de discriminação, promovendo a
igualdade entre todos os cidadãos.
Este dia é também marcado pela entrega do
Prémio Nobel da Paz.
João Rodrigues, Academia de Jornalismo
Dia
Internacional
do
Migrante
O Dia Internacional do Migrante assinala-se a 18
de dezembro. Neste dia, as Nações Unidas lembram
que embora vivamos na maior mobilidade humana de
sempre, a migração continua a ser vista de forma
negativa quer pelas populações, quer pelos media.
O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban KiMoon e a Alta Comissária das Nações Unidas para os
Direitos Humanos, Navi Pilay, apelas aos Estados que
ratifiquem a Convenção Internacional para a proteção
dos direitos dos Trabalhadores Migrantes e suas
famílias. Esta Convenção é o único tratado de
aspiração universal que coloca os padrões de Direitos
Humanos existentes no contexto específico da
migração. Até ao presente, 45 Estados ratificaram a
convenção.
Ao nível dos países da CPLP (Comunidade dos
Países de Língua Portuguesa), apenas Cabo Verde e
Timor-Leste ratificaram a Convenção Internacional
para a proteção dos Direitos dos Trabalhadores
Migrantes e suas Famílias.
Deste modo, ainda há um grande caminho a
percorrer ao nível das múltiplas questões ligadas aos
direitos humanos.
André Duarte, Academia de Jornalismo
Pedro Lisboa, Academia de Jornalismo
JornalFLORES DO CAMPO
CIDADANIA, MEIO E MUNDO
Projeto de Escola
Solidariedade e Voluntariado –
Tempo de Partilhar e Aprender
O projeto “Solidariedade e Voluntariado –
Tempo de Partilhar e Aprender”, insere-se na área
temática da educação para a cidadania e
responsabilidade social. Assume-se como uma
oportunidade para os alunos desenvolverem várias
competências, entre outras, a solidariedade, o
espírito de voluntariado, a liderança, a partilha e o
sentido de responsabilidade.
Este projeto tem como objetivos contribuir
para a formação pessoal e social dos alunos
através da implementação de ações de cariz
humanitário,
desenvolver
os
valores
da
solidariedade e do voluntariado nos elementos da
comunidade escolar e educativa e cooperar em
projetos de solidariedade social.
Das várias atividades, destacam-se:
- “Natal Solidário”, campanha de solidariedade para
com as famílias mais carenciadas;
- “Ensinar e Aprender com as Gerações”, realização
de atividades lúdico didáticas no centros de dia;
- “Voluntariado e Missões – mais do que dar
importa dar-se”, encontro com o grupo missionário
MOMIP;
- “Concerto de Primavera”, realização de um
concerto em benefício da construção do Lar do
Instituto de Solidariedade Social de Milagres.
Professora Coordenadora dos Diretores de Turma, Patrícia Bagagem
20
Campanha
“Diz não à
Violência
Doméstica!”
As
Nações
Unidas
definem violência como “o
uso intencional da força
física ou poder, ameaça ou real, contra si próprio,
outra pessoa, ou contra um grupo ou comunidade,
que resulte ou tenha uma alta probabilidade de
resultar em lesão, morte, dano psicológico, mau
desenvolvimento ou privação”.
Quando se fala sobre violência doméstica, tem-se
normalmente a ideia que é a mulher a vítima
preferencial de um homem que é o agressor. Este
quadro, inserido num espaço doméstico, não exclui a
presença de crianças. As crianças, estas são as vítimas
no presente e a longo prazo da violência doméstica. A
criança projeta-se no futuro e aquilo que vê na sua
infância, o que sente e o que sofre, física e
psicologicamente, marca-a indelevelmente e para
todo o sempre.
Foi neste sentido que o Colégio dinamizou a
Campanha “Diz não à Violência Doméstica!”, entre 4
de novembro a 5 de dezembro, e que visou
sensibilizar a população escolar para a importância
do combate e prevenção da violência, através da
realização de debates acerca do tema, da elaboração
de textos de opinião e cartazes que serão
posteriormente apresentados à comunidade.
É importante dizer basta e terminar esta
calamidade.
Diz não à violência doméstica!
Professora Paula Lopes