- Osny Taborda Ribas Jr.

Сomentários

Transcrição

- Osny Taborda Ribas Jr.
1
RELATÓRIO FINAL
Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e
Fortalecimento de Agências de Desenvolvimento
Regional do Paraná
Fevereiro / 2009
2
Relatório apresentado pela Dester Consultoria
e Treinamento Ltda., por intermédio do consultor
Osny Taborda Ribas Junior referente ao contrato nº.
60/2008 do cronograma de trabalho do SESI junto
às Agências de Desenvolvimento Regional do
Paraná.
3
APRESENTAÇÃO
Este relatório descreve as atividades executadas pela Dester Consultoria
e Treinamento Ltda., contratada para a coordenação técnica do Programa de
Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento de ADRs - Agências de
Desenvolvimento Regional do Paraná.
Tem como objetivo o registro das atividades previstas pelo Plano de
Trabalho do SESI - PR junto as ADRs no período do contrato de doze meses
definido pela equipe técnica responsável. Tal registro busca servir como uma
prestação de contas dos trabalhos técnicos executados.
4
SUMÁRIO
1.
Introdução................................................................................................ 05
2.
Pesquisa e Cadastro de Empresas, Entidades e Lideranças para
Fortalecimento das 12 ADRs atendidas pelo SESI do Paraná e
para criação de 08 novas ADRs................................................................ 06
3.
Pesquisa e Diagnóstico junto às Empresas, Instituições de Ensino
Superior e Entidades Parceiras nas Regiões de todas as ADRs.............. 21
4.
Conceituação, Desenvolvimento e Manutenção de Website da
Rede de ADRs.......................................................................................... 64
5.
Capacitação e Treinamento de Gestores de todas as ADRs.................. 67
6.
Organização das Atividades de Sensibilização, Palestras,
Seminários e Eventos de Interesse das ADRs......................................... 98
7.
Elaboração de Conteúdo para 06 Boletins Digitais e Impressos............. 123
8.
Criação de um Banco de Dados de Projetos Econômicos e
Sociais....................................................................................................... 176
9.
Criação de Data Base Marketing para a Rede de ADRs.......................... 182
10.
Fortalecer as parcerias com o CIN, ORBIS, ODM e outras áreas
de interesse do Sistema FIEP................................................................... 184
11.
Identificar e Contatar Possíveis Novos Parceiros..................................... 191
12.
Articular a Estruturação de 08 Novas ADRs, conforme
Projeto........................................................................................................ 195
13.
Identificar Projetos Prioritários Públicos e Privados em
cada Região.............................................................................................. 206
14.
Desenvolver os Empreendimentos trabalhados no Projeto Nova
Indústria com Parceiros Públicos e Privados............................................ 219
15.
Elaborar Planejamento da Rede de ADRs............................................... 223
16.
Dar Suporte à Gestão da Rede de ADRs, prospectando
os Eventos Relacionados aos Temas de Interesse
dos Mesmos.............................................................................................. 235
17.
Realizar Visitas para Articulação de Projetos em
Órgãos de Governos Estaduais e Federais e
Organizações Financiadoras.................................................................... 252
18.
Desenvolver o Conteúdo e Acompanhar a Criação de Vídeo................. 254
19.
Realização de Reuniões Técnicas........................................................... 254
20.
Analisar os Resultados das Atividades Executadas................................ 274
5
1. Introdução
Visando
a
continuação
do
trabalho
junto
as
Agências
de
Desenvolvimento do Paraná, o Sistema Federação das Indústrias do Paraná,
através do SESI - Serviço Social da Indústria, contratou a Dester Consultoria e
Treinamento Ltda para prestar serviços de consultoria ao Programa de Apoio a
Implantação, estruturação e fortalecimento das ADRs do Paraná .
Coube a Dester desenvolver suas atividades em conformidade ao
escopo apresentado na proposta, devidamente aceita pelo SESI/PR;
assegurando a confidencialidade das informações tratadas nos trabalhos;
fornecendo relatórios apresentando às suas atividades nos prazos definidos,
sendo este o relatório final, de acordo com o plano de trabalho proposto pela
equipe do SESI/PR.
6
2 - Pesquisa e Cadastro de Empresas, Entidades e
Lideranças para Fortalecimento das 12 ADRs atendidas
pelo SESI do Paraná e para criação de 08 novas ADRs
Abrangência, Cidades Pólo e Número de Habitantes na Área de Atuação das
ADRs:
ADETEC – Associação de Desenvolvimento Tecnológico de Londrina e
Região: sua região de atuação abrange oito municípios, tendo uma população
total de 959.582 habitantes e como maior município pólo a cidade de Londrina,
com 488.287 habitantes.
ADEC – Agência de Desenvolvimento dos Campos Gerais: sua região de
atuação abrange quatorze municípios, tendo uma população total de 668.004
habitantes e como maior município pólo a cidade de Ponta Grossa, com
300.196 habitantes.
EVOLUT – Agência de Desenvolvimento da Região de Guarapuava: sua região
de atuação abrange vinte e nove municípios, tendo uma população total de
533.317 habitantes e como maior município pólo a cidade de Guarapuava com
155.161 habitantes.
IDR – Instituto de Desenvolvimento Regional de Maringá: sua região de
atuação abrange vinte e nove municípios, tendo uma população total de
684.817 habitantes e como maior município pólo a cidade de Maringá, com
318.952 habitantes.
ADR AIMES – Agência de Desenvolvimento Regional AIMES – Associação das
Indústrias de Metais Sanitários: sua região de atuação abrange oito municípios,
tendo uma população total de 60.987 habitantes e como maior município pólo a
cidade de Loanda, com 20.873 habitantes (Existem municípios abrangidos por
esta agência que também fazem parta da ADR CODEP de Paranavaí).
ADR CODEP – Agência de Desenvolvimento Regional de Paranavaí: sua
região de atuação abrange vinte e oito municípios, tendo uma população total
de 252.816 habitantes e como maior município pólo a cidade de Paranavaí,
com 78.693 habitantes (Existem municípios abrangidos por esta agência que
também fazem parte da ADR AIMES de Loanda).
AGÊNCIA – Agência de Desenvolvimento Regional do Sudoeste do Paraná:
sua região de atuação abrange quarenta e dois municípios, tendo uma
7
população total de 557.732 habitantes, diferente de outras regiões, a região
Sudoeste do Paraná possui dois municípios pólo, o primeiro é Francisco
Beltrão (sede da ADR) com 71.463 habitantes e o segundo a cidade de Pato
Branco, esta com 69.903 habitantes.
Agência de Desenvolvimento Terra Roxa Investimentos: sua região de atuação
abrange treze municípios, tendo uma população total de 1.435.128 habitantes.
Apesar de se encontrar em perímetro com várias cidades de importância,
podemos destacar as cidades de Londrina, com 488.287 habitantes, Maringá
com 318.952 habitantes e Apucarana com 115.823 habitantes, como pode-se
perceber, existe uma sobreposição de atuação em municípios abrangidos pelo
IDR de Maringá e pela ADETEC de Londrina, apesar do principal foco da Terra
Roxa ser a captação de investimentos para a sua região de atuação.
Histórico das Agências de Desenvolvimento Regional do Paraná
Histórico da ADETEC
Fundada em 1993. Durante cerca de 4 anos ocorreram várias discussões e
tentativas de se institucionalizar um processo de desenvolvimento regional baseado na
economia do conhecimento e na inovação tecnológica. Esse processo de articulação
dos atores regionais se concretizou em 1993 com base em: articulação de ações
estratégicas, estruturação do Sistema Regional de Inovação, inserção na economia do
conhecimento, Internacionalização da economia regional e geração de oportunidades.
As pré-condições para essa institucionalização foram: Conhecimento, recursos
humanos qualificados, qualidade de vida, custo de vida, infra-estrutura, logística,
serviços e acesso a mercados.
Histórico do IDR – Instituto de Desenvolvimento Regional de Maringá
O IDR - Instituto para o Desenvolvimento Regional, é um Instituto privado, sem fins
lucrativos, fundado em 1994, por entidades da comunidade maringaense. A proposta
do IDR é a gestão e a execução de ações para o desenvolvimento regional através de:
pesquisas, projetos, programas, fornecimento de dados e informações e articulação
institucional.
Adota
como
valores
a
clareza
de
objetivos,
profissionalismo,
comprometimento com resultados e difusão do conhecimento. Como Fatores Críticos
de Sucesso sustenta uma visão de futuro, parcerias estratégicas, desenvolvimento
8
sustentável, gestão pela excelência, recursos de tecnologia de informação e marketing
institucional.
Histórico da Agência de Desenvolvimento do Sudoeste do Paraná
Foi fundada em agosto de 2000. Estava em franca discussão a necessidade de
mudanças no modelo produtivo da produção primária, para um modelo que agregasse,
dando ênfase na agroindustrialização de base familiar. Para tanto a existia a
necessidade de existência de organismos de abrangência regional que pudessem
implementar programas e projetos de modo permanente. Basicamente um grupo de
prefeitos que estavam a frente da direção da AMSOP (Associação dos Municípios),
dando seqüência ao trabalho iniciado por um programa denominado Pacto Nova Itália
formalizaram a criação da ADR. A constatação do momento era de que os processos
de médio e longo prazo e voltados as atividades produtivas, dependiam de uma
organização com tal formato.
Histórico do CDESPONTA – ADEC
Foi fundada em 2004, tendo como contexto a organização de um grupo formado
pela UTFPR – Universidade Tecnológica Federal do Parana, UEPG – Universidade
Estadual de Ponta Grossa, SEBRAE, ACIPG – Associação Comercial e Industrial de
Ponta Grossa, FIEP – Federação das Indústrias do Estado do Paraná e Prefeitura de
Ponta Grossa, na busca de uma alternativa para que os projetos governamentais
transcendessem o mandato de cada político e tivessem um horizonte de futuro maior
que 4 anos. A proposta inicial que motivou sua fundação foi a volatilidade dos
programas de governo e a cultura da terra arrasada na troca de vertente política na
cidade, com a eliminação de todos os projetos em andamento em função da origem
destes em outro grupo político, independente do impacto positivo que este possa estar
causando para a população.
Histórico da EVOLUT – Agência de Desenvolvimento Regional de Guarapuava
A idéia nasceu nas reuniões da ACIG – Associação Comercial de Guarapuava no
ano de 2002, depois que alguns diretores conheceram o CODEM – Conselho de
Desenvolvimento de Maringá e o IDR – Instituto de Desenvolvimento Regional de
Maringá. Iniciou-se um movimento encabeçado pela ACIG para criar uma agência de
desenvolvimento para Guarapuava, foram criados 9 grupos temáticos para fazer um
diagnóstico de cada tema, gerar uma visão de futuro de propor ações a serem
9
desenvolvidas. Em 2004 foi constituída legalmente a ADESG – Agência de
Desenvolvimento Econômico e Social de Guarapuava. Com as eleições municipais de
2004, os dirigentes da Agência resolveram paralisar as atividades a fim de não
misturar com questões partidárias. Aconteceu que as atividades só foram retomadas
em novembro de 2006, quando do lançamento do projeto Nova Indústria. Em
dezembro de 2006, a ADESG sofreu alteração estatutária e se tornou EVOLUT e sua
área de atuação foi modificada para Região Centro-Sul do Paraná, em março de 2007
foi lançada regionalmente e qualificada como OSCIP.
Histórico da ADR AIMES
A AIMES – ADR é uma agência recente, foi fundada em 22 de janeiro de 2007,
com a fundação em 2005 da Associação das Indústrias de Metais Sanitários de
Loanda e Região, com objetivo de coordenar as ações do APL de Metais Sanitários
notou-se que no seu primeiro ano ações que inicialmente estavam direcionadas para o
setor do APL de Metais Sanitários poderiam ser estendidas a outros setores da região
do extremo noroeste do Paraná e com esta visão e com o apoio do Sistema FIEP, a
AIMES passa a ter o caráter de Agência de Desenvolvimento Regional. As principais
lideranças envolvidas nesse processo foram os empresários do setor de metais
sanitários, instituições financeiras de Loanda, instituições de ensino e instituições
públicas.
Histórico da Agência de Desenvolvimento Terra Roxa Investimentos
A Terra Roxa Investimentos (TRI) é uma Oscip (Organização da Sociedade Civil
de Interesse Público), que foi criada com o objetivo maior de divulgar e buscar
investidores para a região Norte do Paraná. Seu trabalho é focado no desenvolvimento
econômico e articulação regional, de forma a evidenciar ao Brasil e ao mundo o
potencial de toda a região de Maringá a Londrina, com uma população de cerca de
1.500.000 de habitantes, mas com a meta de atingir todos os demais municípios do
chamado Norte Velho do Estado, cuja população é da ordem de 3.500.000 de
habitantes.
Em curto prazo, a Terra Roxa Investimentos terá uma radiografia completa do
norte do Estado, município a município, com dados econômicos, educacionais, de
infra-estrutura disponível e também o ramo de desenvolvimento que cada um tem
interesse e vocação.
Tais informações são necessárias para que a busca por
investimentos nacionais e estrangeiros possa ser ainda mais direcionada. A
10
implantação oficial da Terra Roxa aconteceu em dezembro de 2004. Um dos mentores
da criação da agência foi Caio Koch-Weser, um dos mais conhecidos filhos de
Rolândia, que é a cidade sede da TRI. Atualmente, Koch-Weser, que nasceu e viveu
em Rolândia até parte da adolescência, é vice-chairman do Deutsche Bank, em
Londres.
Segundo o ex-presidente da Terra Roxa e cônsul da Alemanha na região, Adrian
von Treuenfels, a agência trabalha por um novo conceito de desenvolvimento, em que
união e articulação regional falam mais alto do que o interesse isolado de cada
município. “Quando uma empresa se instala num município gera riquezas e trabalho
para toda a região e não apenas para os cidadãos daquela determinada cidade”.
Histórico da ADR CODEP – Agência de Desenvolvimento de Paranavaí
Para solidificar a atuação do Fórum e do CODEP houve necessidade da criação
da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR), da Lei Municipal 9790/99, que é
qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, através da Lei
9.790, de 23 de março de 1999, do processo MJ 08000.018076/2000-10 e publicado
no Diário Oficial de 16 de novembro de 2000.
A ADR, como também o CODEP e o Fórum Permanente para o Desenvolvimento
de Paranavaí, se caracterizam por compor um movimento autônomo de pessoas
representativas dos diversos segmentos da sociedade, de participação voluntária,
interessados no desenvolvimento sócio-econômico da comunidade.
A criação do Fórum, consequentemente do CODEP e da ADR, se deve a iniciativa
de alguns líderes de Paranavaí que, após terem participado de um curso chamado de
“SEBRAE IDEAL”, concluído em julho de 1996, receberam como tarefa a idealização
de um projeto: “Elaborar um Projeto que atenda interesses da Comunidade”.
11
Entidades associadas as ADR’s catalogadas:
Entidades Associadas
Agências de Desenvolvimento
Associação de Vereadores
Adetec
Agências de Desenvolvimento Regional do Paraná
ADR
IDR
ADR
ADR
ADR
ADR
Terra
Maringá Aimes
Codep Sudoeste Evolut
Roxa
X
X
X
X
X
Associações Comerciais e Industriais
Associações de Classe
X
X
X
Associações de Cunho Social
Associações de Municípios
Associações Empresariais
Bancos Comerciais
X
Bancos de Fomento
Câmara de Vereadores
CDLs
X
Comitês de Bacias Hidrográficas
Conselhos de Desenvolvimento
X
Conselhos Regionais de Classe
Cooperativas de Crédito
X
X
X
Cooperativas de Produção
X
Coordenadoria das Associações
X
Comerciais, Industriais e Agrícolas
Empresas Privadas
X
Empresas Públicas Estaduais
X
X
Empresas Públicas Federais
X
Empresas Públicas Municipais
X
Escolas Particulares
Federação da Agricultura
Federação das Associações
X
Comerciais e Indústriais
Federação das Câmaras de Diretores
Lojistas
Federação das Indústrias
X
X
Federação do Comércio
Fóruns
X
Fundações
X
X
Governo do Estado
X
X
Incubadoras Tecnológicas
X
Instituições Internacionais
X
Institutos de Pesquisa
X
X
Maçonaria
Ministérios
Oscips
Pessoas Físicas
Prefeituras
X
X
Sebrae
X
X
Senac
Sindicatos
X
Universidades
X
X
Nota: A Agência CODEP afirmou que não possui entidades associadas, mas sim entidades parceiras
X
Adec
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
12
Entidades parceiras das ADR’s catalogadas:
Entidades Parceiras
Agências de Desenvolvimento
Associação de Vereadores
Associações Comerciais e Industriais
Associações de Classe
Associações de Cunho Social
Associações de Municípios
Associações Empresariais
Bancos Comerciais
Bancos de Fomento
Câmara de Vereadores
CDLs
Comitês de Bacias Hidrográficas
Conselhos de Desenvolvimento
Conselhos Regionais de Classe
Cooperativas de Crédito
Cooperativas de Produção
Empresas Privadas
Empresas Públicas Estaduais
Empresas Públicas Federais
Empresas Públicas Municipais
Federação da Agricultura
Federação das Câmaras de Diretores
Lojistas
Federação das Indústrias
Federação do Comércio
Federação das Associações
Comerciais e Industriais
Fóruns
Fundações
Governo do Estado
Incubadoras Tecnológicas
Instituições Internacionais
Institutos de Pesquisa
Maçonaria
Ministérios
Oscips
Pessoas Físicas
Prefeituras
Sebrae
Senac
Sesc
Senar
Sindicatos
Universidades
Adetec
X
Agências de Desenvolvimento Regional do Paraná
ADR
IDR
ADR
ADR
ADR
ADR
Terra
Maringá Aimes
Codep Sudoeste Evolut
Roxa
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
ADEC
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
X
13
Instituições e Empresas Identificadas como Entidades Parceiras das ADRs do
Paraná
Agência de Desenvolvimento Terra Roxa Investimentos

Associação Comercial e Industrial de Apucarana;

Associação Comercial e Empresarial de Arapongas;

Associação Comercial e Empresarial de Jandaia do Sul;

Associação Comercial e Industrial de Londrina;

Associação Comercial e Empresarial de Mandaguari;

Associação Comercial e Industrial de Marialva;

Associação Comercial e Empresarial de Maringá;

Associação Comercial e Industrial de Rolândia;

Associação Comercial e Industrial de Sarandi;

FIEP – Federação das Indústrias do Estado do Paraná;

Prefeitura do Município de Maringá;

Prefeitura do Município de Rolãndia;

SICOOB Metropolitano – Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil;

SICOOB Norte do Paraná – Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil.
IDR – Instituto de Desenvolvimento Regional de Maringá

ACIM – Associação Comercial e Industrial de Maringá;

Banco do Brasil;

Governo do Estado do Paraná;

SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequena Empresa;

UEM – Universidade Estadual de Maringá;

CESUMAR – Centro Universitário de Maringá;

FACIAP – Federação das Associações Comerciais e Industriais do Paraná;

CODEM – Conselho de Desenvolvimento de Maringá;

TECPAR – Instituto Tecnológico do Paraná;

SICOOB – Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil;

Paraná Metrologia – Rede Paranaense de Metrologia e Ensaios;

Pró-Amusep – Projeto de Desenvolvimento da Região da AMUSEP;

CIRAD - Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o
Desenvolvimento.
14
AGÊNCIA - Agência de Desenvolvimento Regional do Sudoeste do Paraná

CACISPAR – Coordenadoria das Associações Comerciais, Industriais e
Agrícolas do Sudoeste do Paraná;

Coordenadoria das ACES – Associações Comerciais e Empresariais do
Sudoeste do Paraná;

ARSS - Associação Regional dos Suinocultores do Sudoeste;

SUICOOPER – Cooperativa dos Suinocultores;

SISCLAF - Cooperativa Central de Leite;

TEXCEL - Fundação Cultural e Educacional;

ASSINEPAR – Associação dos Sindicatos Rurais;

AFASP - Associação das Agroindústrias Familiares;

CAMDUL – Cooperativa Mista Duovizinhense;

SINDIMADMOV – Sindicato das Indústrias Madereiras;

FAGER - Fundo de Aval;

AMSOP - Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná;

SINVESPAR – Sindicato do Vestuário do Sudoeste do Paraná;

SINDIMETAL – Sindicato das Indústrias Metalúrgicas;

SINDIHOSPATO – Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do
Pato Branco;

SINDICOMÉRCIO – Sindicato do Comércio Varejista;

Fórum de Desenvolvimento de Pato Branco;

ASSIMOP – Associação das Indústrias Moveleiras, Sindicato de Hotéis, Bares
e similares;

COTEP - Fundação COTEP - Desenvolvimento da Educação e da Pesquisa;

Fóruns de Desenvolvimento da Região;

ACAMSOP-13 e ACAMSOP – 14 - Associações das Câmaras Municipais de
Vereadores;

CDL – Câmara de Diretores Lojistas;

CRESUD – Cooperativa de crédito.
ADETEC – Associação de Desenvolvimento Tecnológico de Londrina e Região

SERCONTEL – Operadora de Telecomunicações Londrinense;

COPEL – Companhia Paranaense de Energia Elétrica;

Milenia Agrociências S. A.;

FIEP – Federação das Indústrias do Estado do Paraná;

SOFTEX - Sociedade Brasileira para Promoção da Exportação de Software;

Exactus Informática;
15

Prefeitura do Município de Londrina;

Governo do Estado do Paraná;

ACIL - Associação Comercial e Industrial de Londrina;

UEM - Universidade Estadual de Londrina;

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária;

UFTPR – Universidade Federal Tecnológica do Paraná;

Sociedade Rural do Paraná;

CODEL – Companhia de Desenvolvimento de Londrina;

FINEP – Financiadora de Estudos e Projetos;

TECPAR – Instituto Tecnológico do Paraná;

INTUEL – Incubadora Tecnológica da Universidade Estadual de Londrina;

FUNTEL – Fundação de Ensino Técnico de Londrina;

SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas.
ADEC - Agência de Desenvolvimento dos Campos Gerais

Prefeitura do Município de Ponta Grossa: Secretarias de Educação, Secretaria
de Qualificação Profissional, Secretaria de Finanças, Secretaria de Planejamento e
Indústria e Comércio;

UEPG – Universidade Estadual de Ponta Grossa;

UTFPR – Universidade Tecnológica Federal do Paraná;

Faculdades Particulares;

Núcleo Regional de Educação;

Escolas particulares;

ACIPG - Associação Comercial de Ponta Grossa;

CDL - Clube dos Diretores Lojistas;

Sindicatos Patronais;

Sindicato dos Trabalhadores;

SENAC – Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial;

FIEP – Federação das Indústrias do Estado do Paraná;

Associação das Microempresas de Ponta Grossa;

SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas;

Conselho Empresarial de Novos Executivos;

ABO – Associação Brasileira de Odontologia/PR ;

CREA – Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura.
EVOLUT – Agência de Desenvolvimento Regional

ACIG - Associação Comercial e Empresarial de Guarapuava;
16

ACET - Associação Comercial e Empresarial de Turvo;

ACIAP - Associação Comercial e Empresarial de Pinhão;

ACIAP - Associação Comercial e Empresarial de Prudentópolis;

ACILS - Associação Comercial e Empresarial de Laranjeiras do Sul;

CACICOPAR – Coordenadoria das Associações Comerciais e Empresariais do
Centro-Oeste do Paraná;

Oscip GERAR;

Loja Maçônica Acácia do Terceiro Planalto;

Employer Organização de Recursos Humanos Ltda;

IDR – Instituto para o Desenvolvimento Regional;

Instituto Hyogo de Tecnologia;

UNICENTRO - Universidade Estadual do Centro-Oeste.
CODEP - Agência de Desenvolvimento Regional de Paranavaí e Região

Associação Comercial e Industrial de Paranavaí.
AIMES - Agência de Desenvolvimento Regional de Loanda e Região

AIMES – Associação das Indústrias de Metais Sanitários de Loanda e Região.
Principais atividades econômicas do Estado do Paraná (em número de empresas
e geração de empregos)
Apresentam-se nessa questão as informações divulgadas pela ultima RAIS –
Relação Anual de Informações Sociais do Ministério do Trabalho e Emprego MTE referente ao ano de 2006 (ultima versão lançada no final de 2007). Tais
informações estão compiladas pelo número de empregos e sequencialmente pelo
número de empresas.
17
NÚMERO DE EMPREGOS FORMAIS NO PARANÁ
TOTAL
Extrativa mineral
5.137
Indústria de produtos minerais nao metálicos
20.569
Indústria metalúrgica
34.847
Indústria mecânica
29.347
Indústria do material elétrico e de comunicaçoes
15.022
Indústria do material de transporte
31.261
Indústria da madeira e do mobiliário
74.707
Indústria do papel, papelao, editorial e gráfica
34.188
Ind. da borracha, fumo, couros, peles, similares, ind. diversas
16.965
Ind. química de produtos farmacêuticos, veterinários, perfumaria, ...
43.022
Indústria têxtil do vestuário e artefatos de tecidos
72.519
Indústria de calçados
1.804
Indústria de produtos alimentícios, bebidas e álcool etílico
158.879
Serviços industriais de utilidade pública
23.554
Construçao civil
65.655
Comércio varejista
384.380
Comércio atacadista
67.704
Instituiçoes de crédito, seguros e capitalizaçao
40.672
Com. e administraçao de imóveis, valores mobiliários, serv. técnico...
176.727
Transportes e comunicaçoes
117.429
Serv. de alojamento, alimentaçao, reparaçao, manutençao, redaçao, r...
194.057
Serviços médicos, odontológicos e veterinários
70.217
Ensino
77.711
Administraçao pública direta e autárquica
403.483
Agricultura, silvicultura, criaçao de animais, extrativismo vegetal...
91.434
Total
2.251.290
o
Tabela n . 1: Número de empregos formais registrados no Estado do Paraná. RAIS – Ministério
do Trabalho, 2007.
Indústria no PR
Número de Empregos Formais
561.821
600.000
500.000
400.000
300.000
200.000
109.723
146.788
142.832
162.478
Pequena
Média
Grande
100.000
0
Micro
o
Total
Gráfico n . 1: Número de empregos formais da indústria registrados no Estado do Paraná,
divididos pelo porte dos estabelecimentos. RAIS – Ministério do Trabalho, 2007.
18
Comércio e Serviços no PR
Número de Empregos Formais
1.800.000
1.598.035
1.600.000
1.400.000
1.200.000
1.000.000
879.231
800.000
600.000
400.000
336.283
196.402
186.119
200.000
0
Micro
Pequena
Média
Grande
Total
o
Gráfico n . 2: Número de empregos formais no comércio e serviços registrados no Estado do
Paraná, divididos pelo porte dos estabelecimentos. RAIS – Ministério do Trabalho, 2007.
Agricultura e Silvicultura no PR
Número de Empregos Formais
100.000
90.000
80.000
70.000
60.000
50.000
40.000
30.000
20.000
10.000
0
91.434
33.518
24.503
24.165
9.248
Micro
Pequena
Média
Grande
Total
o
Gráfico n . 3: Número de empregos formais na agricultura e silvicultura registrados no Estado
do Paraná, divididos pelo porte dos estabelecimentos. RAIS – Ministério do Trabalho, 2007.
19
NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS FORMAIS NO PARANÁ
Extrativa mineral
TOTAL
430
Indústria de produtos minerais nao metálicos
1.757
Indústria metalúrgica
3.347
Indústria mecânica
1.281
Indústria do material elétrico e de comunicaçoes
Indústria do material de transporte
485
562
Indústria da madeira e do mobiliário
4.536
Indústria do papel, papelao, editorial e gráfica
1.959
Ind. da borracha, fumo, couros, peles, similares, ind. diversas
1.225
Ind. química de produtos farmacêuticos, veterinários, perfumaria, ...
1.941
Indústria têxtil do vestuário e artefatos de tecidos
4.772
Indústria de calçados
Indústria de produtos alimentícios, bebidas e álcool etílico
Serviços industriais de utilidade pública
Construçao civil
Comércio varejista
Comércio atacadista
Instituiçoes de crédito, seguros e capitalizaçao
157
4.610
298
8.369
82.929
8.172
2.963
Com. e administraçao de imóveis, valores mobiliários, serv. técnico...
21.576
Transportes e comunicaçoes
11.312
Serv. de alojamento, alimentaçao, reparaçao, manutençao, redaçao, r...
23.571
Serviços médicos, odontológicos e veterinários
9.806
Ensino
3.160
Administraçao pública direta e autárquica
1.121
Agricultura, silvicultura, criaçao de animais, extrativismo vegetal...
Total
27.638
227.977
o
Tabela n . 2: Número de estabelecimentos formais registrados no Estado do Paraná. RAIS –
Ministério do Trabalho, 2007.
20
Indústria no PR - Número de Estabelecimentos
30.000
25.000
27.360
22.955
20.000
15.000
10.000
3.579
5.000
708
118
Média
Grande
0
Micro
Pequena
Total
o
Gráfico n . 4: Número de estabelecimentos formais na indústria registrados no Estado do
Paraná, de acordo com seu porte. RAIS – Ministério do Trabalho, 2007.
Comércio e Serviços no PR
Número de Estabelecimentos
200.000
172.979
180.000
160.000
150.863
140.000
120.000
100.000
80.000
60.000
40.000
18.795
20.000
1.623
1.698
Média
Grande
0
Micro
Pequena
Total
o
Gráfico n . 5: Número de estabelecimentos formais no comércio e serviços registrados no
Estado do Paraná, de acordo com seu porte. RAIS – Ministério do Trabalho, 2007.
21
Agricultura e Silvicultura no PR
Número de Estabelecimentos
30.000
27.638
26.365
25.000
20.000
15.000
10.000
5.000
1.152
73
48
Média
Grande
0
Micro
Pequena
Total
o
Gráfico n . 6: Número de empregos formais na agricultura e silvicultura registrados no Estado
do Paraná, divididos de acordo com o porte dos estabelecimentos. RAIS – Ministério do
Trabalho, 2007.
3 - Pesquisa e Diagnóstico junto às Empresas,
Instituições de Ensino Superior e Entidades Parceiras
nas Regiões de todas as ADRs
Na data de 25 de fevereiro de 2008 foram encaminhados para as doze Agências de
Desenvolvimento Regional do Paraná, um instrumento de pesquisa, com o objetivo de
atualizar o Plano de Trabalho 2007/2008 elaborado no IV Encontro das ADR’s ocorrido
na cidade de Foz do Iguaçu, entre os dias 12 a 14 de setembro de 2007.O instrumento
de pesquisa enviado visa coletar informações que fizeram parte dos Planos de
Trabalho construídos com cada uma das ADR’s em particular, bem como o que
englobará toda a Rede de ADR’s do Paraná.
22
ATUALIZAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO PARA 2008
23
1- Prospectar novas parcerias
Das instituições pertencentes ao Sistema FIEP que já demonstraram interesse precípuo de atuar em
parceria com a Agência: CIN; ORBIS; ODM (Movimento Nós Podemos Paraná); Rede Empresarial;
Observatório do SENAI (Setores Portadores de Futuro e Rotas Estratégicas); com qual a Agência
efetivará parceria?
ORBIS - Observatório Regional Base de Indicadores de Sustentabilidade
Pretendemos formalizar uma parceria com a faculdade Facinor para a
instalação do observatório nas dependências da faculdade onde haveria a
necessidade da contratação de um professor da faculdade para gerenciar o
observatório e a faculdade como contrapartida indicaria estagiários para o
acompanhamento do projeto e o espaço físico.
Não conhecemos este projeto
É possível fazer um bom trabalho, construção de convênios e contratação
de estagiários numa dinâmica de algumas horas de trabalho semanais,
inclusive com outras ADRs da região.
Iniciamos em novembro de 2007 uma articulação entre EVOLUT / ORBIS e
UNICENTRO – Universidade Estadual do Centro Oeste, com objetivo de
instalar um observatório regional em Guarapuava. No dia 30 de novembro
de 2007 realizamos a Oficina de Indicadores, evento conduzido por
consultores do ORBIS, que teve como público-alvo alunos e professores do
departamento de Geografia da UNICENTRO. No evento ficou ajustado que
as instituições supracitadas trabalhariam em conjunto para instalar o
observatório social. A UNICENTRO cederáe um laboratório com 3
computadores como estrutura inicial que será operado por acadêmicos e
professores de Geografia, o ORBIS ficou responsável pelo repasse de
metodologia e tecnologia, bem como da assistência necessária, a EVOLUT
tem papel de articuladora. Todas as partes também ficaram responsáveis
pela geração de demandas para o referido observatório.
Para 2008, a intenção é continuar a execução desse projeto, sendo que
esperamos que no decorrer dos trabalhos, novas necessidades e
24
oportunidades sejam apontadas como alvo de ações.
Como entregas importantes do projeto entendemos:
Repasse da tecnologia e metodologia do ORBIS para colaboradores
da UNICENTRO;
Realização do Planejamento das ações para 2008 e 2009;
Definição do Plano de Marketing;
Lançamento do Observatório com assinatura de Convênio entre as
partes ;
Inicio das Atividades.
É importante apontar que a EVOLUT não possui estrutura física para apoiar
o projeto (computadores, móveis, etc.), por isso depende da estrutura da
UNICENTRO, e que a articulação do processo será realizada por
colaborador interno que possui outras atribuições
R: Integração ao projeto banco de dados do norte do PR que a Terra Roxa
Possui. Necessidade de apoio, pois não existe estrutura no momento para
atender esta parceria; Definir e conhecer a melhor forma de trabalho e
objetivos entre as entidades, montando ações efetivas.Criação de
indicadores regionais do norte do estado que poderão ser utilizados por
todas as outras agências bem como os outros parceiros interessados.
Sim. Com o ORBIS o trabalho será desenvolvido em parceria com a UTFPR
que cederá 01 computador base, 01 professora responsável e 02 estagiários
para alimentação dos dados.
A ADEOP juntamente com o Instituto Orbis, pretendem criar um
Observatório regional de indicadores sustentáveis da região. Além disso,
pretendemos ser o ponto de apoio da FIEP na difusão de seus projetos na
região, principalmente os do CIN.
A ADETEC conta desde 2000 com o SIAP – Sistema de Informação e Apoio
a Projetos, que desenvolve três linhas de trabalho: 1) Manutenção do Perfil
Sócio Econômico e Tecnológico da Região (Cornélio Procópio a Apucarana);
2) Mapa do Conhecimento (perfil da oferta de conhecimento das IES,
Institutos de Pesquisa, Escolas Técnicas, grupos de pesquisa etc); 3) Perfis
Setoriais (estudos de demanda de segmentos econômicos específicos).
Atuamos também em parceria com o FORUM DESENVOLVE LONDRINA,
que mantém uma publicação anual sobre indicadores sócio-econômicos da
cidade e um estudo temático anual sobre tema de importância estratégica
para a cidade (Ensino Fundamental em 2007, Desenvolvimento Econômico
25
em 2008). Colaboramos com a TERRA ROXA e IDR na manutenção do
perfil sócio-econômico da região Londrina-Maringá.
Não respondeu.
A instalação da ORBIS em Paranavaí é de nosso interesse, pois já
possuímos nossa própria cartilha de indicadores sociais e para isto estamos
com nossa proposta de trabalho definida para 2008.
A intenção é, através do contrato já assinado com a Rede
Paranaense de Observatórios, re-formular nossa cartilha e monitorar o
conjunto de indicadores já definidos em nossa cartilha, além de outros que
poderão ser somados.
O comitê de parceiros que buscaremos para apoio a esta proposta
será o mesmo que nos apóiam em outras já desenvolvidas no Conselho de
Desenvolvimento de Paranavaí (CODEP) e Agência de Desenvolvimento
Regional (ADR), que são: Associação Comercial e Empresarial de
Paranavaí (ACIAP), SEBRAE, Faculdade Estadual de Educação, Ciências e
Letras de Paranavaí (FAFIPA) e Universidade Paranaense (UNIPAR), entre
outros que se fizerem necessários.
Será preciso um Coordenador local a ser remunerado pelo ORBIS
em função de horas de trabalho e ajuda de custo com relação às despesas,
como telefone e combustível para deslocamentos necessários bem como
receber o treinamento necessários.
O espaço com estrutura necessária já foi negociado com os parceiros
já citados.
Tão logo tenhamos esta proposta com o ORBIS firmada a contento,
faremos o lançamento de instalação do observatório.
A equipe de trabalho será monitorada pelo coordenador e composta
pelos departamentos de Geografia da FAFIPA e o departamento do curso de
Sistema de Informação da UNIPAR que escolherão os acadêmicos que
participarão do projeto.
A adequação da cartilha de indicadores de Paranavaí como também
o seu monitoramento será feito de acordo com o treinamento recebido do
ORBIS, com a coordenação e participação dos alunos dos cursos
26
previamente definidos.
Todos os encontros serão articulados pelo coordenador de acordo
com a orientação do ORBIS.
Encontra-se na fase final de validação pelas instâncias decisórias da
Agencia, o plano estratégico de ação, 2008-20010. Neste, no que se refere
ás áreas de atuação, cinco foram definidas e priorizadas e uma delas é:
Observatório Sócio-Econômico Regional.
Junto a validação, está se discutindo e deliberando sobre a infra-estrutura
necessária para a Agencia poder implementar as cinco áreas, como área
física de escritório, móveis, equipamentos, recursos humanos, etc.
No processo de validação do plano e da infra-estrutura, está sendo incluído,
no que tange a estruturação do Observatório, a parceria com o ORBIS.
A expectativa é que em 4 meses, estas fases/etapas estejam resolvidas e
são necessárias, para que se possa objetivamente entrar em negociação
com o ORBIS.
Portanto, a AGENCIA, deseja sim a parceria com o ORBIS, dependendo das
condições objetivas, para a negociação, que demorará uns meses para se
concretizar. Porém, não significa que não se possa ir adiantando pontos
possíveis, por ex. se for viabilizado pela Fiep, o consultor que atuaria junto
as ADR”s, com este e com o apoio do ORBIS, ir construindo junto o
observatório objeto do plano da agencia, elementos da parceria com o
ORBIS. Pode-se prospectar possíveis parcerias com IES.
ODM - Movimento Nós Podemos Paraná
R: Este projeto terá o apoio da ADR. A ADR se compromete a mobilizar
todos os agentes que sejam necessários para a realização de círculos de
diálogo, núcleos de trabalho, mostras de projetos, oficinas de elaboração de
projetos e oficina para gestão do voluntariado, bem como a estrutura física
para estes projetos
R: Já participamos do ODM na nossa regional, para nós é de suma
importância porque a agencia está trabalhando na consultoria de projetos
27
sociais em varias áreas, alcançando desta forma algumas das 8 metas do
milênio.
R:Acho que seja um bom projeto para gestão institucional do IDR junto a
nossos parceiros, públicos e privados, basta termos uma boa estratégia de
conquista.
: Ao final de 2007 tivemos o primeiro contato local com o ODM, participamos
da oficina de elaboração de projetos em outubro, e de uma reunião sobre o
circulo de diálogo. Enquanto agência, poderemos atuar como multiplicadora
do processo e mobilizadora de atores, bem como apoiar na realização dos
eventos.
Não respondida.
R: O Núcleo dos ODMs em Ponta Grossa e região já está estruturado é um
dos mais atuantes do Paraná. A coordenação do Núcleo local é feita pelo
gestor da ADR.
Não respondida.
R: Acreditamos que o foco deste movimento se afina melhor com os
objetivos do FORUM DESENVOLVE LONDRINA, que fará parte do NAPD
da FIEP-Londrina juntamente com a ADETEC. A Adetec pode colaborar mas não coordenar – esta atividade na região.
Esta parceria é a que mais trouxe resultados em nossa região.
Os objetivos da ODM também estão nos planejamento estratégico da
Agência de Desenvolvimento Regional – Paranavaí (ADR) que se propõe a
trabalhar com desenvolvimento local sustentável porque acredita que “uma
alternativa para atingir os objetivos do milênio é promover a melhoria das
condições de qualidade de vida das pessoas através da participação”,
portanto a criação de fóruns e desenvolvimento nas cidades da nossa região
28
será um dos caminhos que definimos como prioridade.
Isto depende, em grande parte, de investimentos essenciais em
capital humano que permitam à comunidade participar da economia global,
ao mesmo tempo empoderando os indivíduos carentes com direitos
econômicos, políticos e sociais que permitirá usufruírem plenamente da
infra-estrutura e do capital humano, onde quer que escolham viver.
Para atingir os objetivos, os governos e a sociedade precisam
trabalhar ativamente com todos os segmentos, particularmente com as
organizações da sociedade civil e o setor privado.
O trabalho de criação de fóruns para o desenvolvimento nas cidades
da nossa região (municípios escolhidos previamente) proporcionará o
surgimento de um movimento autônomo de pessoas e entidades
representativas dos diversos segmentos da sociedade e uma forma de
organização local sustentável para atingir os objetivos do milênio. Além
disso, a experiência em fóruns nos aponta que é possível promover a
organização da comunidade de forma a exercitar algumas ações que levem
a estes objetivos:
Compartilhar responsabilidades sobre o desenvolvimento da cidade e
região;
Dar sustentação ao processo de desenvolvimento através da
participação;
Aumentar a autonomia das comunidades na resolução dos
problemas;
Oportunizar de forma democrática a participação;
Evitar desperdícios de recursos e esforços;
Instituir como hábito o debate elevando a consciência de cidadania.
Organizando o FÓRUM PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM
MUNICÍPIO, estaremos preparando a sociedade para auxiliar o poder
executivo, ser crítico, participativo, gestor e agente intelectual do processo
de desenvolvimento,
além de articulador e integrador das forças da
comunidade tendo como meta os OITO JEITOS DE MUDAR O MUNDO.
O objetivo será integrar as entidades, lideranças e comunidade para
definir e implementar ações que promovam o desenvolvimento do município
de modo a atingir os oito objetivos propostos pelo programa das Nações
Unidas criando novas oportunidades de acabar com a pesada carga da
pobreza e de contribuir para o crescimento e renovação econômica.
29
1. Promover vários encontros com os diversos segmentos da sociedade
para discutir a organização de Fórum Permanente para o
Desenvolvimento do municípios;
2. Organizar as lideranças representativas desses segmentos, de modo
a capacitá-las para integrar o fórum Permanente;
3. Resgatar os valores que devem permear este trabalho tais como
integração,
respeito,
transparência,
cooperação,
democracia,
suprapartidarismo, ética, comprometimento, autenticidade, visão de
futuro e coerência de propósito.
4. Analisar a proposta de desenvolvimento local por indicadores;
5. Promover o levantamento dos indicadores propostos pelo objetivo do
milênio e os de tenham significado na condução do processo de
desenvolvimento;
6. Priorizar os indicadores de qualidade de vida que necessitam ser
trabalhados visando o alcance das metas estabelecidas pela ODM e
desenvolvimento sustentável do município;
7. Articular e integrar as diversas instituições e pessoas para integrarem
os projetos como parceiros;
8. Promover o debate, o encaminhamento e de propostas e ações que
vão de encontro aos indicadores priorizados;
9. Identificar as potencialidades e fomentar seu aproveitamento.
CRONOGRAMA DE AÇÃO
Previamente aprovado pelos interessados (Secretaria de Gestão do
Município, Associação Comercial e ou lideranças locais) sendo 4 encontros
por mês.
MÊS
ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS
03/200
Sensibilização com lideranças e empresariado local.
8
03/200
Sensibilização com lideranças e servidores municipais da saúde.
8
04/200
Sensibilização com lideranças e professores do município.
8
04/2008
Sensibilização com as lideranças dos clubes de serviços e sindicatos.
052008
Sensibilização dos produtores rurais.
05/2008
Sensibilização dos grupos religiosos.
06/2008
Palestra sobre a importância de fóruns no desenvolvimento do município.
30
062008
Reorganização das lideranças do fórum - grupo gestor.
07/2008
Palestra sobre gestão do desenvolvimento por indicadores.
07/2008
Formação de grupos para busca de dados.
082008
Validação dos indicadores de qualidade de vida.
08/2008
Análise e revisão para editoração.
092008
Priorização de indicadores.
10/2008
Articular e integrar as diversas instituições e pessoas para integrarem os
projetos como parceiros.
10/2008
Promover o debate, o encaminhamento e de propostas e ações que vão de
encontro aos indicadores priorizados.
11/2008
Apoio na elaboração, organização e acompanhamento de projetos de
ações sobre os indicadores priorizados.
11/2008
Identificar as potencialidades e fomentar seu aproveitamento.
Será preciso um Coordenador local a ser remunerado pelo SESI em função
de horas de trabalho e ajuda de custo com relação às despesas, como
telefone e combustível para deslocamentos necessários.
É entendimento desta entidade, a importância da mesma se juntar para a
realização das importantes ações o ODM.
Após consolidar a parceria com o Núcleo, precisa-se realizar uma reunião,
promovida pela coordenação do ODM-Pr., com os atores envolvidos no
processo, na região sudoeste, para legitimar a Agencia no processo.
Assim, se poderá participar de todas ou em parte das ações propostas pela
coordenação, quais sejam:
Realização de 20 Círculos de Diálogo
Reuniões com os Núcleos de Trabalho
Realização de 07 Mostras de Projetos
08 Oficinas de Elaboração de Projetos
Oficina para Gestão do Voluntariado
Observatório do SENAI (Setores Portadores de Futuro e Rotas Estratégicas)
31
Temos a possibilidade de fornecer a estrutura física para a instalação do
observatório,
necessitamos da capacitação profissional e contratação do
gestor para o desenvolvimento do projeto.
R: não conhecemos este projeto
R: Entendemos como muito importante este trabalho. Somos parceiros, e com
certeza estes projetos(áreas do conhecimento) são fundamentais para o
Desenvolvimento Regional, bem como estratégicos para o estado e país.
R: Até o presente momento ainda não tivemos contato com o Observatório do
SENAI, sabedores de que os objetivos dos mesmos são importantes, nosso
posicionamento é de primeiramente conhecer melhor o Observatório e
identificar onde poderíamos atuar como parceiro.
R: Planejamento de desenvolvimento e prospecção de investimentos externos
e internos, em cima das informações levantadas no estudo. Integração
regional com as prefeituras, orientando através deste estudo realizado o
planejamento municipal. Demanda tempo de análise e articulação.Organizar o
encontro de retorno com os resultados por região envolvida no painel de
especialistas.
R: Existe o interesse de trabalhar com este observatório, devendo ficar a
cargo da coordenaria regional da FIEP em Ponta Grossa.
Não respondida.
A ADETEC participou dos painéis de especialistas coordenados pela
FIEP/OTIS que resultaram na definição dos Setores Portadores de Futuro
prioritários para o Paraná; atualmente desenvolvemos, no contexto do NOVA
INDÚSTRIA, a proposta de um Centro de Referência Agroalimentar do
Paraná, envolvendo FIEP, SEAB, SETI e Sociedade Rural do Paraná, no qual
está em destaque um dos setores portadores de futuro selecionados, o de
“Alimentos Funcionais”. Temos grande interesse nesse programa da FIEP.
Não respondida.
32
Não respondida.
Uma outra ação de interesse desta ADR é a pareceria com o Observatório
SENAI, no que concerne as Rotas Estratégicas para a Indústria. Pois, já foi
feito um trabalho importante de prospecção dos portadores de futuro, na
parceria SENAI/OPIS, na realização do painel de especialistas e respectivo
relatório analítico, que apontou várias rotas para a região. Deve ser dada
continuidade ao trabalho iniciado com base no que foi apresentado e discutido
na apresentação do Núcleo no dia 20/02/2008.
Rede de Participação Política do Empresariado
Indicação de um participante para o núcleo de articulação empresarial
realização de palestras para a mobilização de agentes políticos
R: não conhecemos este projeto
33
R:A participação do IDR tem que ser melhor esclarecida, mas podemos fazer
um bom trabalho, direto ou indiretamente com os parceiros.
R: A Rede de Participação Política do Empresariado é uma ação do sistema
que vem chamando a atenção por sua singularidade e proposta. A Agência de
Desenvolvimento, poderá apoiar da seguinte maneira:
mobilização e organização dos cursos de formação política e de
agentes de desenvolvimento;
Divulgação da Rede.
...
R: Existe um núcleo local da rede atuando em Ponta Grossa. A ADR irá apoiar
o núcleo com a participação de pessoas com características mobilizadoras
para fortalecer o trabalho do núcleo local.
Não respondida.
R: Também neste caso, o melhor relacionamento em Londrina poderá ser com
o FORUM DESENVOLVE LONDRINA, que integrará o NAPD da FIEPLondrina juntamente com a ADETEC. A Adetec pode colaborar - mas não
coordenar – esta atividade na região.
R:A parceria com a Rede poderia ser de grande utilidade na divulgação de
matérias sobre a política empresarial.
R: A Agência de Desenvolvimento Regional – Paranavaí (ADR) vem
trabalhando o projeto da Rede Política Empresarial com a comunidade desde
abril de 2007, data do curso com o professor Augusto de Franco.
Para 2008 várias atividades estão programadas e para serem
viabilizadas será necessária a efetivação de uma parceria entre ADR e
FIEP/SESI, dividindo as responsabilidades como segue.
1. Compete à PARCEIRA ADR – Agência de Desenvolvimento Regional Paranavaí na realização das atividades do projeto mencionado:
a. Promover capacitação do núcleo de articulação da rede com ajuda do
FIEP - SESI;
34
b. Viabilizar encontros de articulação visando o fortalecimento da rede
com objetivo de atingirmos 1% da população;
c. Organizar curso de formação política com ajuda da FIEP - SESI, para
as diretorias das associações de moradores dos bairros de Paranavaí;
d. Organizar curso de empreendedorismo cívico com ajuda da FIEP SESI, com participação da comunidade de Paranavaí e região;
e. Indicar um coordenador para articular e acompanhar as ações
promovidas pela rede;
f.
Formar o comitê de articulação para a implantação do “Projeto Político
de Desenvolvimento das Cidades do Paraná” na Vila Operária de
Paranavaí e acompanhar as ações para a implantação deste projeto,
inclusive com capacitação do comitê através de parcerias.
2. Compete a FIEP - SESI – SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA:
a) Supervisionar as ações desenvolvidas pelo coordenador
indicado pela ADR – Paranavaí;
b) Monitorar sistematicamente, os resultados e dados referentes
ao projeto, direcionando as ações;
c) Monitorar as ações desenvolvidas com intuito de cumprimento
de metas estabelecidas;
d) Repassar recursos necessários ao pagamento do coordenador
designado para acompanhar o projeto, indicado pela ADR, na
ordem de R$ 40,00 (quarenta reais) a hora de trabalho com
necessidade de 12 horas semanais, mais 100 litros mensais de
combustível e gastos com telefone estimado em R$200,00
(duzentos reais) por mês;
e) Acompanhar e monitorar resultados.
Não está muito claro, quando um ADR pode parcerizar com a rede
empresarial. Nos parece que seria mais apropriado parcerias com
setores/organizações da produção como: sindicatos, associações e/ou
coordenadorias empresariais, fóruns, etc.
Centro Internacional de Negócios
R: A realização do curso será realizada com todos os empresários da região
35
de abrangência da ADR e um cadastramento das empresas participantes do
curso para que aja um estreitamento das relações com o CIN
R: não conhecemos este projeto
R:Podemos trabalhar, às vezes com os mesmos estagiários do ORBIS e
usando a estrutura do IDR. Podemos construir uma boa parceria operacional
com a Acim – Instituto Mercosul, que também tem essa mesma linha de
trabalho.
R: Em outubro de 2007, realizamos uma reunião para apresentar o CIN as
empresas importadoras e exportadoras de Guarapuava e cidades vizinhas.
Na ocasião informamos (inclusive para imprensa) que nos tornaríamos um
braço local do CIN, oferecendo a empresas e empreendedores os serviços e
informações sobre Comércio Exterior, bem como apoio na mobilização para
as missões empresariais. Para 2008 pretendemos consolidar essa proposta.
Necessitamos para tanto:
Definir a operacionalidade local dos serviços (pessoa(s) responsável,
(eis), estrutura necessária, etc.)
Capacitar colaboradores da EVOLUT com repasse do CIN
Divulgar os serviços regionalmente
Necessidade de maior aproximação com a entidade; Possibilidade de
representação regional pelas ADRs, efetuando trabalhos que seriam
descentralizados da matriz, em Curitiba, e promovendo as ações no decorrer
do estado, interiorizando e integrando ao resto do estado a atuação do CIN.
Criação de indicadores regionais do norte do estado que poderão ser
utilizados por todas as outras agências bem como os outros parceiros
interessados.
Com o CIN, a oferta desse serviço será feita via FIEP e Associação
Comercial e Industrial de Ponta Grossa.
pretendemos ser o ponto de apoio da FIEP na difusão de seus projetos na
região, principalmente os do CIN.
36
A ADETEC já organizou diversas missões técnicas e comerciais no país e
no exterior, além de ter desenvolvido bom expertise na recepção de missões
idem, sempre em segmentos empresariais de base tecnológica. Mantém
contatos internacionais consistentes com instituições da Espanha, França,
Itália, Canadá e EUA, entre outros paises. Acreditamos que poderemos ter
uma relação profícua com o CIN e Eurocentro em áreas tecnológicas, a
exemplo da parceria para a Semana do Paraná na França, em 2005.
Creio que esta parceria seria fundamental para o empresariado local pois
poderíamos trazer oportunidades de negócios para nossa Região.
Não respondida.
Também há interesse na parceria com o CIN. Além das ações propostas
pelo CIN, como:
Troca de informações, calendário e agendas.
Curso de Capacitação em Ferramentas de Comércio Exterior com 1
dia de duração.
Criação de um grupo Temático- Contatos mensais
Acreditamos que o CIN, poderá apoiar ações para disseminar um ambiente
de internacionalização da região sudoeste em si, por ex. realização de
eventos para informar e discutir sobre o mundo dos negócios internacional
para empresas e para regiões. Esta região tem contatos, ligações com as
regiões de Emilia Romana e Piomonte. O CIN poderia apoiar uma missão
internacional para todas as ADR’S, visando conhecer agencias na Itália,
França.
No momento, por ex. esta ADR, em parceria com a agencia Agenform de
Cuneo da região de Piomoente, está desenvolvendo um curso de queijaria.
Questão 1. A
Ainda dentro do Sistema FIEP, que outros setores a Agência acha
importante estabelecer parceria operacional?
37
R: Diversos programas do Senai, Tecpar,
R: não temos conhecimento
R:O IDR pode ser um excelente prestador de serviços na região na gestão
do sistema aos APLs do Paraná e do Brasil
Pelo fato de estarmos nas dependências da Associação Comercial, temos
interesse em gerar parceria com o Setor de Captação e Fomento.
R: -Maior integração com marketing da FIEP, para auxílio em produções
internas de materiais/campanhas e demais ações;
-Trabalho em conjunto com a equipe de comunicação da FIEP, visando
divulgar as ações das ADRs no decorrer da imprensa nacional e estadual.
Aproveitar o conhecimento das ferramentas de comunicação pela FIEP,
integrando e ajudando as agências no desenvolvimento de ações de
divulgação.
R: Seria muito importante atuar junto com o Programa Sesi Jovem e o
Indústria Itinerante, Unindus se possível para redução de custos para que a
ADR possa mobilizar pessoas para participar dos cursos ofertados.
R: Pretendemos dar continuidade ao projeto Nova Indústria Paraná, agora
diretamente conosco.
R: 1) Unindus: a ADETEC já desenvolveu dois programas em parceria com
a Unindus, em 2006 e 2007, com ótimos resultados em termos de
qualificação do empresariado regional e também de sustentabilidade para a
entidade; temos interesse em continuar.
38
2) RETEC – Mantemos um posto de atendimento da RETEC nas instalações
da ADETEC, temos interesse de integrá-lo cada vez mais com o PROGEX –
Programa de Apoio Tecnológico à Exportação, financiado pela FINEP e
TECPAR e operado pela ADETEC na região.
1.1 - Recursos Operacionais: Para desenvolver as atividades do Núcleo de
Apoio à Promoção do Desenvolvimento, a Adetec já conta com (e
disponibiliza) os seguintes recursos, financiados por contribuições de
associados, prestação de serviços e convênios com instituições:
- 01 Gerente Administrativo/Financeiro
- 01 Assistente Administrativo/Financeiro
- 01 Suporte Administrativo/Financeiro
- 01 Secretária Executiva
- 01 Suporte de Secretaria
- Mobiliário, equipamentos, conexões, material de escritório
1.2 – Recursos necessários: A Adetec conta com três profissionais de
coordenação, indispensáveis ao desenvolvimento das atividades, mas não
tem condições de remunerá-los regularmente, o que gera descontinuidade e
prejuizos ao plano de trabalho; o apoio da Rede de ADRs e/ou do NAPD à
resolução desta dificuldade, seria uma importante e relevante ajuda:
- Coordenador técnico – 3.000,00
- Assistente técnico – 2.000,00
- Coordenador de Articulação / Animação – 3.000,00
- Apoio ao custeio da Adetec – 3.000,00*
(*) A FIEP já contribui com a Adetec com a quantia mensal de R$
2.000,00, através de convênio.
Não respondida.
R: Conforme colocação do Sr. Rodrigo Rocha Loures, quando de sua
estada em Paranavaí, precisamos iniciar um projeto de educação
empreendedora voltado para jovens que possibilite num futuro bem
próximo, sua entrada no mundo dos negócios com segurança e
39
conhecimento suficiente para sua sustentabilidade no mercado.
Outro projeto que busca parceria para implantação com jovens e
adultos é o “Alimento Seguro” cujo objetivo é a capacitação e a formação
de cooperativas para a geração de produção de alimentos com base na
fécula de mandioca, inclusive com definição de novos produtos. Projeto
este desenvolvido após um ano de trabalho em parceria com o Centro
Tecnológico da Mandioca (CETEM) que viabiliza ações com o APL da
mandioca de Paranavaí.
Não respondida.
2-
Sensibilizar
atores envolvidos
os
Quanto a visitas, reuniões e seminários; já existe alguma definição sobre a
participação da Agência durante o ano e quais datas já constam na sua
agenda para 2008?
Não
R: não temos programação
R:O IDR tem uma equipe operacional e projetos em parceria com várias
instituições, de maneira a estar sempre à disposição para seus projetos e
atividades, um técnico que estará no operacional do projeto é o Téc. Marcos
Horácio.
R: No mês de março será realizado o Seminário: Educação Mudando o
Perfil Socioeconômico da região Centro-Sul do Paraná uma realização da
EVOLUT e UNICENTRO que tem como público-alvo representantes de
empresas e poder público da região. Entre março e abril acontecerá também
a Assembléia Geral da EVOLUT, onde serão reunidos sócios e parceiros da
Agência, não apenas para aprovar contas, mas também para discutir sobre
o futuro da instituição. Outras ações para o ano de 2008, ainda estão sendo
discutidas internamente.
40
R: Para o ano de 2008, as reuniões que antes eram itinerantes, com duas
fases (apresentação aos representantes locais e após reunião de diretoria)
foram alteradas para eventos separados, dando mais foco em cada um de
seus temas, porém ainda não existem datas agendadas.
: A ADR Campos Gerais passa por um processo de reestruturação e as
reuniões para essa reestruturação acontecerão a partir da 1ª quinzena de
abril. Com o núcleo dos ODMs acontecerá evento em 18/03, em Telêmaco
Borba, em 26/03 em Palmeira e 13/05 em Ponta Grossa.
R: A ADEOP está participando de 15 projetos em 12 cidades diferentes, o
processo é muito dinâmico. Não temos ainda nenhuma agenda confirmada
R: A ADETEC vai realizar em junho o XI FORUM LONDRINA TECNÓPOLIS
e o XII PRÊMIO DESTAQUE TECNOLÓGICO BANCO DO BRASIL, evento
que em 2006 reuniu 300 pessoas na programação técnica e 900 pessoas no
jantar de premiação. Para o segundo semestre, deveremos reeditar, em
parceria com a Sociedade Rural do Paraná, a RURALTECH – Mostra de
Tecnologias para o Agronegócio, evento interrompido em 2003 após 8
edições.
R:em nosso caso, 1º. Teríamos que conscientizar o empresariado de nossa
região da importância de se ter uma agencia de Desenvolvimento, para que
realmente a ADR pudesse desenvolver uma parceria com todos.
R: Já existe um trabalho feito neste sentido em todos os projetos que são
desenvolvidos em conjunto com as instituições do sistema FIEP. Além disso,
todas as quintas-feiras, das 8hs às 9hs, há uma reunião para dar andamento
ao plano de trabalho, além das reuniões e encontros específicos realizados
em cada projeto.
A agenda de participações da Agencia, é mais por demandas a ela
chegadas, como na execução de projetos. É a execução que determina os
eventos. Porém, como está sendo trabalhado agora, a partir do
planejamento, alguns eventos ocorrerão como reunião do Conselho,
encontro e assembléias gerais de sócios, evento de captação de novos
sócios e divulgação institucional da entidade. Esta agenda será definida
durante este mês.
41
Um evento que a agencia terá participação intensa é da realização do
Seminário Integrasul III, que está previsto para ser realizado nos dias 6 e 7
de novembro.
3-
Fortalecer
o
desenvolvimento
de
competências
Existe algum treinamento ou curso de capacitação já programado pela
Agência para 2008?
Não
R: não temos programação
R:Até o momento não temos esta agenda com cursos e capacitação.
R: No Seminário: Educação Mudando o Perfil Socioeconômico da região
Centro-Sul, serão empreendidas várias oficinas e palestras sobre o tema.
R:- Está em fase de agendamento com o CIN um treinamento em
ferramentas de comércio exterior aos profissionais da entidade
R: Apenas a oficina de elaboração de projetos, em parceria com os ODMs e
a Oficina de Indicadores, com o Orbis.
Não
R: A ADETEC mantém o FORMACON, Programa de Formação Continuada
em Tecnologia, com diversos cursos de aperfeiçoamento e capacitação na
área de TI. Com a criação do Centro de Referência Agroalimentar do
Paraná, vamos incrementar um programa similar na área de Tecnologia de
Alimentos. Afora esses cursos regulares, estamos estruturando o Núcleo de
Empreendedorismo e Inovação, que fará um trabalho permanente de
qualificação de empresas interessadas em inovação tecnológica: duas áreas
da FIEP terão interface com esse Núcleo: a Unindus, através de seu
42
programa de especialização em Gestão da Inovação, e o Setor de Fomento
da FIEP, que em 2005 articulou um projeto de Capital Semente junto à
FINEP, que será retomado pelo referido Núcleo.
R: Neste caso ainda não há nenhuma programação.
R: Além das palestras de sensibilização já feitas nas duas cidades onde se
pretende instalar os fóruns para o desenvolvimento (ODMs); está
programado curso de capacitação, para membros das Câmaras Técnicas,
CODEP e ADR, em parceria com o SEBRAE, para planejamento
estratégico, condução de reuniões, elaboração de projetos, busca de
parcerias e implantação de projetos, com encontros já agendados aos
sábados, iniciando em março/2008; Está acertado com o ORBIS um
treinamento para o coordenador do projeto e repasse aos participantes do
projeto assim que efetivada a parceria; Os outros projetos já estão em
andamento com seus grupos já definidos.
Pela Agencia propriamente não, somente o que está nos planos de
trabalhos dos projetos que ela está executando ou outros que executará.
4- Organizar evento
para
projetos
mostra
de
4.1 Quais são os projetos dos quais a Agência está participando
atualmente?
Nova Indústria
R: De consultoria em projetos sociais
R:SGC, Projetos técnicos em parceria com a UEM.
43
R: Atualmente, fora das parcerias com o Sistema FIEP a agência não
participa de nenhum outro projeto.
R: Publicação de material: “NORTHERN PARANÁ - A SUPRISING REGION
– 100 REASONS FOR DOING BUSINESS HERE”
R: 1. Gestão financeira da Incubara Tecnológica de Ponta Grossa –
INTECPONTA.
2. Negócios Inclusivos em parceria com a Masisa, ODMs e Rotary.
3. Programa de coleta e reutilização do óleo de fritura.
Consórcio Intermunicipal de Resíduos Sólidos, Planos Diretores nos
municípios de São José das Palmeiras, Terra Roxa, Ramilândia, Matelândia,
Serranópolis do Iguaçu, Mercedes e Dois Vizinhos, Projeto Saneamento
Ambiental e Turismo Integrado no Município de São Miguel do Iguaçu,
Programa Paif/Sentinela em São Miguel do Iguaçu, Foro de Estados e
Municípios do Mercosul, Feanimais em São Miguel do Iguaçu e Plano de
Habitação de Interesse Social em diversas cidades da região.
Tanto o Forum Londrina Tecnópolis, em junho, como a RURALTECH 2008,
em outubro, terão espaços para apresentação de projetos e empresas
apoiados pela Adetec, FIEP, Progex e outros.
R: Por enquanto não temos tido participação em projetos porque não
possuímos estrutura para isso.
R: Alguns projetos terão continuidade (novos ou seqüência de 2007) dentro
da própria ADR/CODEP e através de suas Câmaras Técnicas:
1.Câmara Técnica da Saúde: projeto Cuidando do Cuidador de Saúde e
projeto Promovendo a Vida;
2. Câmara Técnica de Urbanismo e Meio Ambiente: projeto de Inclusão dos
Catadores de Materiais Recicláveis da Coopervaí;
3. Câmara Técnica de Comércio e Serviços: projeto de Intervenção
Urbanística e Experiências Transformadoras na Área Comercial Central de
Paranavaí e projeto de Readequação do Terminal Rodoviário;
44
4. Câmara Técnica de Turismo: projeto de Melhoramento da Feira da Lua e
projeto do Inventário Turístico da Região;
5. Câmara Técnica Jovem: projeto de Formação de uma Sociedade
Intelectual Jovem e projeto de Inserção do Jovem em Cursos de Formação
Profissional;
6. Câmara Técnica de Assuntos Comunitários: Elaboração da lei municipal
da posse responsável de animais, Formação de uma Rede Social –
Cadastro Único Aprimorado, Tributo à Cidadania – direcionamento de
impostos de renda pago antecipado;
7. Câmara Técnica de Atração de Investimentos: Apreciação de propostas
de solicitações ao poder público para viabilização da implantação de novas
indústrias;
8.Câmara Técnica de Agropecuária
e Agroindústria: projeto de Apoio à
Diversificação das Culturas Locais – uvas e projeto Nova Indústria;
9.Câmara Técnica de Educação: Apoio à Implantação de Escola em Tempo
Integral na Região, Projeto Paidéia – formação da cultura pela educação,
Projeto de Cultura Avançada, Pedagogia empreendedora na Rede Municipal
de Ensino, Grupo de Responsabilidade social junto com a FACIAP.
Outros terão prosseguimento em parceria com o Sistema Fiep para os quais
necessitamos de um coordenador geral remunerado pelo sistema (exceto o
item 5):
1. Nova Indústria – cadeia do gado bovino de corte;
2. Orbis – cartilha de indicadores de desenvolvimento;
3. ODM – instalação de fóruns para o desenvolvimento em municípios
da região;
4. Rede Política Empresarial – Projeto Político de Desenvolvimento das
Cidades do Paraná;
5. Expedições pelo Mundo da Cultura – leitura e contextualização de
clássicos da literatura mundial.
1. Programas:
- Programa de desenvolvimento do Turismo – Regionalização Turística
Sudoeste – a Agencia atua como o órgão gestor;
- Programa de Desenvolvimento Integrado da Fronteira Brasil/Argentina –
Programa Profronteira – a Agencia será o órgão gestor – em fase de
construção;
- Sistema Regional de Inovação – SRI – A agencia será o órgão gestor – em
45
fase adiantada de construção, iniciada a fase operacional;
- Escritório de base operacional para o Sudoeste do PROMESO – Programa
de Mesorregiões Diferenciadas.
2. Projetos:
- Assessoria e consultoria em gestão para unidades agroindustriais
familiares;
- Assessoria na execução do projeto de fortalecimento do APl de Gemas e
Jóias de Chopinzinho – que visa a implantação de um centro de formação
de mão-de-obra para o mesmo;
- Assessoria na execução do projeto de fortalecimento do APl de da Moda
Masculina do Sudoeste na cidade de Santo Antonio – que visa a
implantação de um centro de formação de mão-de-obra para o mesmo;
- Execução do projeto da Organização da Produção em Comunidade – área
da bovinicultura e vitivinicultura dos municípios de Dionízio Cerqueira,
Barracão e Bom Jesus – em parceria MI/FAO;
- Projeto de fortalecimento do APl de TI’s de pato Branco.
4.2 Quais os projetos já identificados como de interesse da Agência para o
ano de 2008?
Continuação do Nova Indústria tento um novo ponto a ser desenvolvido o
moveleiro.
R: implementar um banco de dados
R:Construção Técnica da Indústria de Plantas Medicinais – Cooperervas.
Projeto de produção de Biocombustíveis com resíduos de industria de
mandioca – amido e farinha.
R: Projeto Universidade Sem Fronteiras (UNICENTRO) com objetivo de
apoiar cadeias produtivas da região;
R:
1. Ação com empresas âncoras:
46
 Empresas com escala ou tecnologia diferenciada que justifique a reunião
da cadeia através de empresas satélites.
2. Ação com Clusters:
 Atração de empresas do mesmo ramo ligadas a um segmento/cadeia
representativo da região.
3. Ação através das vocações regionais:
 Busca de empresas que podem se beneficiar das vantagens
competitivas intrínsecas da região.
4. Ação de Busca de Oportunidades:
 Atenção a informações sobre empresas em expansão.
 Missão de Prospecção interna
 Missão de Prospecção externa
R: 1. Implantação do Parque Tecnológico de Ponta Grossa.
2. Projeto Nova Indústria 2, com setor moveleiro.
3. Qualificação de microempresários para a exportação.
Plano de Desenvolvimento Regional e Regularização de RPPN´s
R: A ADETEC definiu 5 projetos estruturantes para 2008-2009 (ver
apresentação anexa). São eles:
1) Centro de Inteligência Competitiva (é o próprio Núcleo de Apoio à
Promoção do Desenvolvimento, proposto pela FIEP);
2) Centro de Referência Agroalimentar do Paraná
3) Núcleo de Empreendedorismo e Inovação
4) Platin / Softex – Plataforma de Tecnologia da Informação
Animação: Portal + Newsletter (Adetec News) + Plano de Marketing +
Eventos (XI Forum Londrina Tecnópolis, XII Prêmio Destaque Tecnológico
Banco do Brasil, IX Ruraltech)
47
Não respondida.
: Como já foi colocado terão prosseguimento em parceria com o Sistema
FIEP para os quais se faz necessário um coordenador geral remunerado
pelo sistema (exceto o item 5):
1. Nova Indústria – cadeia da pecuária bovina de corte;
2. Orbis – cartilha de indicadores de desenvolvimento;
3. ODM – instalação de fóruns para o desenvolvimento em municípios
da região;
4. Rede Política Empresarial – Projeto Político de Desenvolvimento das
Cidades do Paraná;
Expedições pelo Mundo da Cultura – leitura e contextualização de clássicos
da literatura mundial
- Dar continuidade aos quatro programas acima citados;
- Dar continuidade a execução dos projetos acima citados;
- Concluir a negociação e iniciar a execução do projeto de ATER em
parceria com a Unicafes/MDA;
- Dar andamento e fechar o acordo com as áreas da FIEP que compõe o
núcleo de apoio ao desenvolvimento;
- Avançar na execução de atividades da reestruturação: quadro social, física,
administrativa, financeira, de RH da agencia, conforme propõe o
planejamento estratégico de ação;
4.3 A Agência já possui site na web? Na construção do site da Rede de
ADRs, com qual periodicidade a Agência poderá contribuir com novidades,
notícias, material sobre sua atuação na Região (diário, semanal, quinzenal,
mensal bimensal, etc.)?
R: Sim a agência já possui um site www.aimesadr.com, a nossa contribuição
com novidades para o site da rede deverá ser mensal.
não
48
Possui – www.idr.org.br
Pode contribuir mensalmente.
O site da agência está em construção. Em relação ao site da Rede, pelo
menos mensalmente a agência poderá contribuir com matérias ou novidades
regionais.
R: - A ADR possui site: www.terraroxa.org.br ;
- Possui também newsletter mensal, além da produção de material para o
site semanalmente, os quais poderão ser enviados para o site da rede.
R: A ADEC ainda não possui site em função da fase de reestruturação pela
qual está passando. Poderá ofertar informações mensalmente, até que
esteja totalmente reestruturada.
Sim a Agência já possui site www.adeop.org.br, a agência poderá contribuir
no site da rede com material mensal.
R:
A
Adetec
possui
o
site
www.adetec.org.br
www.londrinatecnopolis.org.br ; também mantém o
e
oportal
boletim ADETEC
NEWS, com periodicidade mensal, mas poderemos atender solicitações da
Rede sempre que necessário. Também estamos concorrendo em edital
CNPq a recursos para retomada de eventos, programa de televisão e outros
mecanismos de comunicação social, que poderão ser integrados à Rede de
ADRs.
R: Não temos site na web por enquanto, mas se tivéssemos que divulgar
alguma noticia o ideal seria quinzenal.
R: Nosso site está em construção, pois acabamos de ganhar sua formatação
ao qual estaremos alimentando com notícias dos projetos em andamento
mensalmente. Poderemos contribuir mensalmente com notícias e novidades
a respeito dos projetos desenvolvidos em parcerias.
- A Agencia ainda não possui o seu site, o que será realizado
concomitantemente a implementação do SRI, uma vez que o portal deste
sistema será gerenciado pela Agencia;
- A Agencia poderá fornecer quinzenalmente matérias para o site das ADR’s.
49
5- Identificar ativos
de projetos latentes
A Agência tem conhecimento de algum projeto, edital ou linha de crédito
existente para Região onde atua (seja privado, municipal, estadual ou
federal)?
R: Não
R: não temos conhecimento
R:No ano de 2008 ainda não, mas junto com o Codem fazemos o
monitoramento diário das propostas e editais.
R: Atualmente estamos iniciando um trabalho de monitoramento de editais e
financiadores de projetos.
Não respondida.
R: Está em aberto edital do Conselho Nacional dos Direitos Difusos, do
Ministério da Justiça, que apóia projetos até R$ 200.000,00 para direitos que
atingem a população, como por exemplo, direitos do consumidor.
R: Existem muitos projetos do Governo Federal que podem ser realizados
na região.
R: Acompanhamos sistematicamente, através do SIAP, editais de agências
como CNPq, FINEP, SETI, Fundação Araucária e outras, sempre na área
focal da Adetec, que é tecnologia.
R: Conhecimentos de linha de credito até temos, o problema é que não ha
estrutura para desenvolver trabalhos neste sentido..
R: Não.
- A Agencia tem bom domínio dos programas do MI, como: PROMESO e
50
Faixa de Fronteira;
- Começa a se capacitar em editais da área da Finep, em vista do SRI;
- De ATER, do MDA;
6- Dar seqüência ao Quanto ao projeto Nova Indústria, dentro da proposta inicial elaborado, quais
Projeto
Indústria
Nova seriam as próximas intervenções a serem realizadas durante o ano para
consolidar os “pontos” ou “empreendimentos” selecionados?
Atendimento pontual para linhas de crédito, programa 5S, estruturação de
uma escola de capacitação de mão-de-obra de afinação e polimento.
R: não conhecemos este projeto
R: Construção Técnica da Indústria de Plantas Medicinais – Cooperervas.
Projeto de produção de Biocombustíveis com resíduos de industria de
mandioca – amido e farinha.
Outros a ver.
R: 1 – Continuar a apoiar a cadeia produtiva de carne e derivados de ovinos
e caprinos:
Seria interessante a retomada do trabalho com atores dessa cadeia,
avaliando os pontos positivos e negativos relacionados ao Nova Indústria de
2007 e agora de maneira mais tranqüila e focada realizar um novo
planejamento, de longo prazo para definições da ações, inclusive
aproveitando o fato de o Governo do Estado estar reestruturando o
Programa de Apoio a Ovinocaprinocultura que é conduzido pela Secretaria
de Agricultura do Estado
2 – Se possível, nessa fase, realizar uma nova análise para identificar outro
ponto para ser apoiado pelo projeto.
R: Acreditamos que podemos aproveitar todas as informações geradas no
projeto Nova Indústria I, que no nosso caso foi um banco de dados
econômicos da região Norte do Estado, para evoluir para um Núcleo de
Inteligência Competitiva, que também possuiria estudos prospectivos da
51
região, análises de potencialidades, estudos já realizados na região, bem
como uma análise atualizada de informações estratégicas na atração de
investidores. Esse projeto seria em parceira com as outras agências do
norte do estado, realizado pela Terra Roxa, através do projeto Nova
Indústria II, mas com a integração de informações de todas as agências, que
se serviriam desta ferramenta de acordo com suas necessidades, mas
também seriam geradoras de conteúdo para este Núcleo.
: Existe uma necessidade urgente da retormada do NI. Dentro do setor de
confecções, primeiro ponto apoiado, necessitamos de:
1- acompanhamento para a implementação dos Planos de Negócios
elaborados, para que estes tornem-se reais e contribuam para a
consolidação dos empreendimentos.
2- Qualificação em formação de custos de produção e preço de venda.
3- Qualificação em empreendedorismo e realização de negócios.
4- Apoio para obtenção de crédito.
Para o setor moveleiro, 2º ponto apoiado, a ADR está elaborando
juntamente com a MASISA um projeto de negócios inclusivos, que atuará
com pequenas marcenarias de fundo de quintal, para que estas se
formalizem e passem a fazer parte da cadeia do MDF, a partir de móveis
desse material desenvolvidos para a base da pirâmide social. São negócios
COM e PARA a base da pirâmide. O Nova Indústria seria um parceiro para a
qualificação na gestão de negócios e na organização dos planos de
negócios para estes empreendimentos.
R: Temos que acompanhar as empresas que chegaram ao final,
contribuindo para o seu sucesso e voltar ao começo com as empresas que
pararam pelo caminho
R: Estamos priorizando o projeto do CENTRO DE REFERÊNCIA
AGROALIMENTAR DO PARANÁ, que nasceu como resultado da primeira
fase do NOVA INDÚSTRIA. Hoje a liderança do projeto foi assumida pela
Sociedade Rural do Paraná e, a partir de então, conquistou forte apoio da
Secretaria de Estado da Agricultura (SEAB), Secretaria de Ciência e
Tecnologia (SETI), Prefeitura de Londrina através da Codel e SMAA) e mais
52
20 instituições locais, entre elas FIEP-Londrina, UEL, Iapar, Embrapa-Soja,
UTF-PR, Unopar etc. A coordenação técnica é da ADETEC e a coordenação
executiva vem sendo feita pelo consultor Nova Indústria de Londrina. Nossa
prioridade, em termos do Nova Indústria, seria manter estas duas atividades,
a coordenação técnica e a coordenação executiva.
Além disso, a continuidade dos quatro planos de negócios desenvolvidos na
primeira etapa, em 2007, vai exigir os seguintes recursos em 2008:
1 - PADARIA E CONFEITARIA PÃO MARAVILHA:
- Querem ampliar instalações para implantar fábrica de bolachas de soja,
sem gluten, já têm terreno;
- Programa “compra direta” foi suspenso em Londrina, renda do grupo caiu
muito, PML luta para retomá-lo.
Demanda:
- Assessoria engenharia (projeto ampliação)
- Assessoria captação (capital para obra)
2 - AGROINDÚSTRIA AGROBOA, IBIPORÃ:
- Estão sobrevivendo, conseguiram entrar no Compra Direta (garante renda
anual de 3.500,00)
- Estão em alguns supermercados;
Demanda:
- Assessoria financeira (captação capital de giro)
3 - GRUPO SOJA, VIDA E SAÚDE - ROLANDIA:
- Edificio da Escola tornou-se inviável – infiltrações, alto custo de reforma,
transfer.do estado, prefeitura não conluiu o projeto etc;
- Opção é construção em área próxima, terreno de participante do grupo;
Demanda:
- Assessoria jurídica
- Assessoria engenharia (definição do local, elaboração do projeto
arquitetonico, elétrico, hidráulico etc)
- Assessoria marketing (plano de mkt do empreeendimento)
- Assessoria captação (projeto de captação de recursos)
4 - GRUPO DE INDÚSTRIAS – PROJETO CENTRO DE REFERENCIA
AGROALIMENTAR:
53
- Projeto ampliado e assumido por Soc.Rural, SEAB, SETI;
- Parceiros garantem estrutura de serviços;
- Foco das empresas passa a ser o Condomínio:
Demanda:
- Assessoria técnica (EVTF da mudança para Condominio)
- Assessoria engenharia (adaptação do edifício)
- Assessoria Marketing (plano de mkt do Condomínio e empresas
individuais)
- Assessoria captação
Não respondida.
R: Em 2007 foi desenvolvido o projeto NOVA INDÚSTRIA no Município de
Paranavaí e região, trabalhando como ponto principal a Pecuária Bovina de
Corte, tendo como resultado a formação de um grupo com 26 investidores
(assinaram termo de adesão) e a conclusão do plano de negócios.
Neste projeto, para 2008, várias atividades estão programadas e para
serem viabilizadas será necessária a efetivação de uma parceria entre ADR
e FIEP/SESI, dividindo as responsabilidades como segue.
Compete à PARCEIRA ADR – Agência de Desenvolvimento
Regional - Paranavaí na realização das atividades de continuidade
do projeto mencionado:
a. Colaborar na implementação dos empreendimentos apoiados pelo
Projeto;
b. Articular, em conjunto com o SESI novos parceiros para o Projeto
NOVA INDÚSTRIA;
c. Indicar um técnico habilitado, vinculado a ADR para acompanhar o
Projeto;
d. Formalizar o grupo de investidores (Cooperativa, aliança, etc de
acordo com estudo de viabilidade);
e. Definir da forma de atuação (Plano de negócios);
f.
Estruturar o grupo para atuação no mercado (sede, pessoal,
capacitação, etc);
g. Promover ações para abertura de mercado na área específica de
atuação do grupo (inclusive CIN – FIEP);
54
h. Acompanhar e monitorar resultados;
i.
Oferecer estrutura para o Consultor Regional do Projeto.
Compete ao SESI – SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA :
a. Supervisionar as ações desenvolvidas pelo consultor indicado pela
ADR – Paranavaí;
b. Monitorar sistematicamente , os resultados e dados referentes ao
projeto, direcionando as ações;
c. Auxiliar o consultor regional no apoio aos empreendimentos do
Projeto;
d. Monitorar as ações desenvolvidas com intuito de cumprimento de
metas estabelecidas no planejamento estratégico;
e. Repassar recursos necessários ao pagamento do consultor técnico
habilitado para acompanhar o projeto, indicado pela ADR, na ordem
de R$ 40,00 (quarenta reais) a hora de trabalho com necessidade de
12 horas semanais, mais 100 litros mensais de combustível e gastos
com telefone estimado em R$200,00 (duzentos reais) por mês;
f.
Acompanhar e monitorar resultados.
1. Empreendimento do APL de utencílios domésticos de alumínio
A ação do Nova Indústria neste empreendimento foi a elaboração, já
concluída, do plano de viabilidade de uma estrutura de serviço de
certificação que contempla um conjunto de ações propostas, praticamente
se constituindo num plano estratégico.
Em reunião recentemente realizada, da governança do APL, foi acordado,
que será feito um replanejamento geral, dia 18/03, quando se definirá o
quadro de atividades para 2008.
Na visão da Agencia, caberá a Nova Indústria apoiar com hora técnicos na
consultoria de implementação do plano.
2. Empreendimento Fábrica de Queijos – SISCLAF
A direção do SISCLAF foi contatada no sentido de se saber de quais as
demandas do empreendimento que poderia se ter apoio do Nova Indústria.
Visando a continuidade.
Pediram para que esta questão seja analisada no decorrer desta semana,
no âmbito da direção do SISCLAF, e a partir disso se posicionar.
55
7- Elaborar o plano Quais são as prioridades para a Agência que a Rede de Agências de
operacional da REDE
Desenvolvimento Regional do Paraná deveria apoiar?
R: Capacitação dos gestores das ADR’s, participação em eventos, recursos
e açoes para sustentabilidade da ADR, ações que gerem novas parcerias,
marketing das ADR’s.
R: primeiramente nos apoiar para que o IDR-OESTE se torne efetivamente
uma agência atuante.
Não respondida.
R: Desafio 2 do Plano de Trabalho da Rede: FORTALECER AS ADR’s
FILIADAS
Contribuir para que todas as filiadas cumpram com o seu papel
Fomentar o desenvolvimento das ADRs
Fortalecimento local e regional de suas afiliadas
Auxiliar as ADRs no processo de sensibilização das lideranças
Instalar a estrutura de trabalho: sede, equipamentos, pessoal e infraestrutura em todas as ADRs
R: Prospecção de novas parcerias, apoio ao desenvolvimento, treinamento e
profissionalização as agências
R: Programa de estruturação das unidades. Auxílio na busca de apoio
financeiro para custeio. Apoio da FIEP para as ADRs em fase inicial com a
contratação de um gestor até que a agência passe a ter autosustentabilidade. Projetos de alcance estadual ou com mais de uma ADR
envolvida. Participação em eventos que promovam o trabalho das agências
e que auxiliem na busca de alternativas para a funcionalidade da mesma.
R: ajudar a garantir o custeio da ADEOP e apoiar os projetos que a ADEOP
56
vier a pleitear no estado e no governo federal
R: As prioridades da ADETEC são as mencionadas no item 4.2. Todo apoio
e participação da REDE e das ADRs individualmente, conforme seus
interesses, serão benvindos.
Cumpre, porém, enfatizar que o apoio financeiro à manutenção das
atividades previstas no item 1.2 (coordenador técnico, assistente técnico,
coordenador de articulação/animação e apoio financeiro à Adetec) e no item
6 (coordenaçào executiva do Nova Indústria) são nossas maiores
prioridades e urgências.
R: Primeiramente um trabalho de divulgação e conscientização junto aos
empresários para depois podermos estabelecer prioridades.
R: Desde 2006, o projeto Expedição pelo Mundo da Cultura conta com mais
de 50 participantes entre empresários da indústria, comércio e serviços além
de lideranças locais, continuaremos em 2008, junto com o professor Monir
Nasser, a análise de mais 10 obras clássicas de grande valor para a
humanidade,
deixando
claro
nossa
missão
enquanto
agência
de
desenvolvimento que é “envolver a sociedade para transformar as condições
sócio/econômicas da nossa região através de ações que possam melhorar a
qualidade de vida da população”. Este projeto tem sido a base da atuação
da ADR, pois tem mudado o comportamento da comunidade, tornando-a
mais participativa e comprometida.
Além deste projeto, gostaríamos muito que a REDE apoiasse a
necessidade de a FIEP patrocinar um coordenador local, além de apoio às
despesas, para o melhor resultado dos projetos desenvolvidos em parceria
com o sistema FIEP/SESI.
Na visão desta entidade, a REDE tem os seguintes desafios:
- implementar as ações do seu plano de ação, revisado dia 20/02,
57
principalmente aquelas ações de fortalecimento local às filiadas;
- junto com a coordenação programa ADR’s(SESI), dar sustentação ao
processo da parceria das ADR’s com Núcleo;
- Igualmente apoiar a realização do encontro sul brasileiro de ADR’s;
- Revitalizar o projeto com o Mcidades.
8- Organizar reunião
anual de avaliação e Quais as datas mais viáveis e com qual periodicidade a Agência entende
planejamento
da que devam ocorrer reuniões da REDE?
REDE
R: As reuniões da rede em nossa opinião devem ser bimestral e geralmente
na primeira quinzena do mês.
R: semestral
Não respondida.
R: Uma reunião por trimestre seria interessante, acontecendo nas cidades
sede das ADRs.
R: Ficamos a disposição do agendamento da coordenação, já que não
possuímos uma agenda tão fechada.
R: Bimensalmente.
R: não temos recursos para bancar reuniões mensais, acho que trimestrais
seria bom.
R: Três reuniões anuais, sendo um encontro anual de toda a REDE, que
58
poderia coincidir com o evento anual (estadual ou sulbrasileiro), e dois
encontros da Coordenação.
R Reuniões a cada dois meses.
R: AADR de Paranavaí só é composta por voluntários trazendo dificuldades
em participação de reuniões constantes, tanto financeiras como de agenda,
por isso acreditamos que 2 reuniões anuais das ADRs seria o ideal.
Períodos trimestrais. Sugestão: 27 de março; 12 de junho (focada nos
últimos preparativos ao encontro); 26 de setembro; 12 de dezembro (com
foco na avaliação de 2008 e planejamento de 2009 – talvez ois dias).
9-
Realizar
Encontro
Brasileiro
o
1º Tendo o mês de julho de 2008 como o mês de realização do 1º Encontro Sul
Sul Brasileiro de ADRs, a Agência consegue identificar algum possível
patrocinador na sua Região para o encontro?
R: Podemos tentar viabilizar o patrocínio da Prefeitura Municipal e de
algumas empresas locais.
R: ainda não
R:Sicoob, Acim, Banco do brasil.
R: Prefeitura Municipal de Guarapuava; Instituições Financeiras Locais
(SICOOB, SICREDI, Banco do Brasil); IES - Instituições de Ensino Superior:
UNICENTRO,
Faculdades
Campo
Real,
Faculdade
Guarapuava
e
Faculdades Guairacá.
R:Precisamos definir os formatos de patrocínio primeiro. Antes de elencar os
potenciais patrocinadores.
59
R: Acredito que sim, porém é preciso antes quantificar o valor desse
patrocínio para então poder afirmar com certeza.
R: no momento não, mas quando o Encontro estiver delineado, podemos
tentar conseguir.
R: O foco do patrocínio deve ser o Poder Público e instituições de fomento
interessadas no tema (ex: BRDE), uma vez que dificilmente empresas terão
retorno comercial um evento como este.
R: como já coloquei acima, quanto ao empresariado local, mas acho que
temos algum potencial para conseguirmos patrocínio para este encontro.
R: Acreditamos que para esse nível de encontro seria necessário o
patrocínio de grandes empresas o que temos em um número pequeno em
nossa região e com sobrecarga de eventos locais concentrados na parceria
com as mesmas.
Em se tratando de um evento de amplitude sulbrasileiro, é difícil articular
patrocinadores local/regional, acabasse visualizando aqueles de maior
dimensões como; Caixa, BB, Bancos Privados, BRDE, Governos.
10Eventos
Agências
Fomentar Qual a data mais adequada em 2008, para um evento regional sobre
nas Desenvolvimento Regional a ser organizado pelo SESI, a Agência e seus
parceiros na Região?
R: No mês de maio entre os dias na segunda quinzena.
R: mês de maio
R:Setembro, com as informações e realizações do evento-Encontro SulBrasileiro, bem recentes
R: Entre Maio e Agosto de 2008
60
R: Acredito que depois do período eleitoral seria mais apropriado.
R: Agosto/2008.
R: maio ou novembro
R: Junho/2008, a primeira idéia seria fazer o evento casado com o Forum
Londrina Tecnópois e o Prêmio Destaque Tecnológico.
Exemplo: 18/06, quarta – Forum de Desenvolvimento Regional;
19/06,
quinta – Forum Londrina Tecnópolis; 20:00 – Jantar de encerramento,
entrega do Prêmio Destaque Tecnológico + Jovem Empreendedor etc.
R: Creio que a melhor data em 2008 seria no segundo semestre
Provavelmente setembro.
R: Até julho a agenda da ADR está congestionada com encontros de
trabalho quinzenais. Seria melhor no segundo semestre.
Em princípio, segunda quinzena de julho/primeira de setembro, pois
dependemos ainda de uma definição da AGO do Fórum da Mesomercosul,
que envolve boa parte dos atores legados a Agencia. Esta situação se
resolvida na próxima semana.
11-
Divulgação
e Na elaboração de mailling de relacionamento entre as Agências e seus
integração
das parceiros, para a construção de um canal de comunicação da Rede de
informações
das Agências, qual relação de nomes, instituições e parceiros a Agência
atividades de cada indicaria na constituição deste mailling? (líderes locais, órgãos do governo,
61
Agência
imprensa, associações de classe e sociais, etc).
Prefeitura Municipal de Loanda: [email protected]
Prefeitura Municipal de Santa Isabel do Ivaí: [email protected]
Prefeitura Municipal de Santa Mônica: [email protected]
Prefeitura Municipal de São Pedro do Paraná: [email protected]
Prefeitura Municipal de Santa Cruz do Monte Castelo: [email protected]
Prefeitura Municipal de Planaltina do Paraná: [email protected]
Prefeitura Municipal de Diamante do Norte: [email protected]
Prefeitura Municipal de Porto Rico: [email protected] [email protected]
Associação Comercial – ACIL: [email protected] [email protected]
Correio do Noroeste: [email protected]
Loanda FM: [email protected]
Faculdade Facinor: [email protected]
Faculdade Novo Horizonte: [email protected]
Rotary Clube: [email protected] [email protected]
Imperatriz Metais: [email protected]
Grupo Real: [email protected]
Talita Metais: [email protected] (vice – presidente ADR)
62
Aliança Metais: [email protected]
(Presidente ADR)
Associação terceira idade: [email protected]
R: Associações de Classe e lideres locais
R:Prefeitura de Maringá, Codem, Acim, BB,Amusep, Sebrae – Mgá, UEM,
SESI-Senai – Mgá, Cocamar,entre outros a serem vistos.
Não respondida.
R: por motivos de agilidade no repasse, o conteúdo poderia ser
encaminhado pelas ADRs aos contatos de cada uma, ou os contatos
enviados de outra forma, em outro momento, com o comprometimento de
cada agência.
R: FIEP, ACIPG, Secretaria Municipal de Qualificação Profissional, Sec.
Mun. De Indústria e Comércio, Universidade Estadual de Ponta Grossa,
Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus PG, Incubadora
Tecnológica de Ponta Grossa, Jornal Diário dos Campos, Jornal da Manhã,
TV Educativa, RPC TV Esplanada, SESI, Senai, Sebrae, Rotary Club,
Sindimetais, Sindimadeira, Sindipan, Rádio CBN.
Temos um extenso banco de dados com nomes de todos os possíveis
parceiros da região
Na elaboração de mailling de relacionamento entre as Agências e seus
parceiros, para a construção de um canal de comunicação da Rede de
Agências, qual relação de nomes, instituições e parceiros a Agência
indicaria na constituição deste mailling? (líderes locais, órgãos do governo,
imprensa, associações de classe e sociais, etc).
63
R: A Adetec tem um mailing com diversos grupos de relacionamento nas
áreas empresarial e institucional, totalizando aproximadamente 5.000
contatos,
que
ficarão
à
disposição
do
Núcleo.
Um
grupo
de
aproximadamente 100 pessoas, líderes e formadores de opinião, mantém
relação mais direta com a instituição.
R:Nucleo Reg. Da SEAB, EMATER. SINDICATO PATRONAL, FOLHA DE
IRATI E REGIONAL SUL, ASSOC. ENG.AGRONOMOS,
Associação Comercial e Empresarial de Paranavaí (ACIAP);
Revista Grande Noroeste;
Serviço de Apoio as Micro e Pequenas Empresas do Paraná
(SEBRAE);
Faculdade de Educação Ciências e Letras de Paranavaí (FAFIPA);
Universidade Paranavaense – (UNIPAR) Campus de Paranavaí; e
Jornal Diário do Noroeste.
Encaminhamos em anexo o cadastro de atores da região, para uma
verificação. Se for nesta linha a solicitação, deveríamos aí, atualizar os
dados e completar com possíveis outros atores.
Para isso se poderá contar o profissional de comunicação social,
recentemente contratado, o Rafael. O contato é o mesmo da Agencia. O
mesmo será orientado sobre isso.
64
4- Conceituação, Desenvolvimento e Manutenção de
Website da Rede de ADRs
Objetivo: Divulgação da Rede de Agências de Desenvolvimento do Paraná
destacando ações de apoio ao desenvolvimento e a promoção do trabalho conjunto
entre as Agências, garantindo maior efetividade, mais agilidade e melhores resultados
ao trabalho.
Foram realizados contatos com o Núcleo de Marketing do SESI para a reformulação
do site das ADRs dentro do Portal do Sistema FIEP – www.fiepr.org.br/adr e nele
incluir um hot-site da Rede de Agências de Desenvolvimento Regional. Fomos
informados que o Núcleo de Marketing do SESI passou por definições quanto ao
planejamento, bem como junto à Diretoria de Marketing Corporativo.
Diante da presente assertiva, procedeu-se um estudo preliminar de ergonomia do site
do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs –
www.fiepr.org.br/adr
buscando a implantação, atualização e manutenção de um
processo de informação continuada a partir da ferramenta já disponível e em função
das informações já postadas no site. (descritivo abaixo)
Estudo Preliminar de Ergonomia do Site ADR
Projeto de Implantação, atualização e manutenção de um processo de
informação continuado.
Home
http://www.fiepr.org.br/adr/
- O campo com conceito de ADR vai para o campo Saiba Mais;
- No lugar do campo ADR entra o NAPD e Rede ADR: Linhas com links das atividades
dos integrantes do NAPD. Banners de divulgação de interesses;
- Trazer o Fale conosco para linha do Você está no site – diametralmente oposto;
- Notícias em Destaque: são as notícias sobre as agências;
- Últimas Notícias: são notícias sobre o desenvolvimento regional e governança (latu
sensu);
- Mapa das ADR vai para o Menu abrindo a lista com os links para cada Agência.
Passa a ser chamado de Infográfico ADRs - Tentar incluir links para os sites das
agências a partir do mapa e para as agências que não tem site um texto apresentativo
e links para os projetos que participa como o Nova Indústria;
65
- Álbum de fotos e gestão de arquivo de documentos – solicitar GED ou um(a)
bibliotecário(a) / arquivista. Incluir em cada sessão de fotos os PDFs para as atas e
deliberações de cada evento;
- Criar campo próprio para a Rede de ADRs – RADRs – novo site – juntar conteúdo e
priorizar os conteúdos para publicar. (Estudar RITS – www.rits.org.br e Instituto Ethos
– www.ethos.org.br );
- No rodapé: inserção do banner institucional do SESI.
Menu
- Do segundo item (Apresentação...), até o décimo primeiro item (Experiências) dos
campos do Menu em cinza mais escuro, vão para dentro do Saiba Mais / O que é uma
ADR?
Ordem do Menu:
a) ADR – home;
b) Descrição do Programa;
c) Infográfico ADRs PR – Mapa;
d) Principais Projetos;
e) Downloads;
f) Links – checar periodicamente todos os links do campo Links;
g) Equipe / Galeria de Fotos;
h) Fale Conosco;
i) Cadastre-se para receber nossa newsletter.
Novos campos no Menu
a) Artigos – apresentar formato mínimo para receber material e abrir chamada de
artigos permanente sobre os temas de interesse;
b) Apoios – listar links dos apoiadores, depoimentos, projetos apoiados, etc.
Ordem do Saiba Mais
1) Saiba Mais / O que é uma ADR?
http://www.fiepr.org.br/adr/FreeComponent2106content9701.shtml
- Este link vai para a tabela do Saiba Mais?!
- Dentro dele deve conter os complementos do Menu - do segundo item
(Apresentação...), até o décimo primeiro item (Experiências)
66
2) Saiba Mais / Nova Indústria
http://www.fiepr.org.br/adr/novaindustria/
- Agenda de eventos – pauta a ser solicitada as agências;
- Últimas Notícias é a pauta a ser enviada para a Área de Comunicação da FIEP;
- Notícias em Destaque são as melhores dentre as recebidas das agências e as
produzidas pela comunicação do sistema (Agenda de Eventos + Últimas Notícias);
- Álbum de fotos: arquivista (bibliotecário);
- Parceiros;
- É uma demanda dos consultores de cada Projeto Nova Indústria apresentarem seus
relatórios para publicação no site – deve existir um relatório de cada plano de negócio;
- Fórum –
A Rede Empresarial é o animador que estimula o diálogo entre os
integrantes do projeto – utilizar o debate da semana para estimular a conversa sobre
desenvolvimento regional linkando com o tema da semana do fórum da Rede
empresarial;
- Fortalecer o tema educação/capacitação afinando conteúdo com o Sistema FIEP.
Incluir essa questão como monitoramento constante e considerar na hora de elaborar
pautas.
3) Saiba Mais / SESI Empreendedorismo Social – download – manter
http://www.fiepr.org.br/adr/FreeComponent3358content31676.shtml
- Trazer outros links do tema direto do site do SESI.
4) Saiba Mais / Governança
http://www.redeempresarial.org.br/governanca/
- Vai para o campo links;
- Aproveitar o link governança para colocar mais a respeito do assunto.
5) Saiba Mais / ODM
http://www.nospodemosparana.org.br/
- Manter em destaque e colocar os links para sites de outras Áreas do Sistema FIEP.
.
67
5- Capacitação e Treinamento de Gestores de todas as
ADRs
Objetivo: Promover o desenvolvimento profissional constante dos gestores das
Agências de Desenvolvimento do Paraná.
Para prestarem um melhor serviço, com mais eficácia, as agências necessitam a
capacitação de seu corpo técnico, com foco principal na busca, organização e análise
de informações; na elaboração e gestão de projetos; apoio administrativo; marketing;
captação de recursos; conhecimento no funcionamento de instituições do terceiro
setor e que realizem um papel de articuladores regionais, fazendo contatos nas várias
esferas da sociedade. O atendimento das demandas de capacitação estão sendo
planejadas em parceria com a UNINDUS, as universidades regionais e com os
profissionais do SEBRAE. Conforme já exposto anteriormente, a primeira capacitação
estará ocorrendo por parte do CIN.
Inteligência Comercial
CIN CAPACITA AGÊNCIAS DE DESENVOLVIMENTO DO PARANÁ PARA
ATUAREM EM COMÉRCIO EXTERIOR
Com o objetivo de interiorizar as ações e serviços da Federação das Indústrias do
Estado do Paraná (Fiep), o Centro Internacional de Negócios (CIN), promoveu o curso
de “Capacitação em Inteligência Comercial”, com foco no comércio exterior.
Voltado para representantes das Agências de Desenvolvimento Regional do Paraná
(ADRs), o curso teve início em Rolândia, sendo ministrado para representantes da
Terra Roxa Investimentos Agência de Desenvolvimento Regional do Norte do Paraná
e Associação das Indústrias de Metais Sanitários (AIMES), em Loanda.
Na ocasião, foram apresentadas informações sobre comércio internacional, análise de
dados, identificação de oportunidades e tendências. Um levantamento do perfil do
mercado regional no exterior fez parte da programação.
O curso visa capacitar as ADRs, para que identifiquem oportunidades potenciais e
ofereçam serviços que colaborem com a internacionalização de empresas, através de
informações estratégicas e com maior vantagem competitiva.
68
Por outro lado, será preciso incentivar os gestores das Agências de Desenvolvimento
a promover suas inclusões digitais - ainda não possuímos um canal aberto e constante
de intercomunicação - este deve ser o papel da Rede de ADRs - promover a ação em
rede a partir da comunicação (TICs). Para isso é preciso criar os mecanismos (site
vivo, fórum, boletim, e-mail marketing, publicitarização dos links, reuniões virtuais,
etc.).
4.2.4. Há necessidade de algum tipo de
treinamento para os colaboradores da ADR?
70,00
60,00
50,00
40,00
30,00
20,00
10,00
Sim
Não
o
Questão n . 4.2.4 do instrumento de pesquisa realizada junto as ADRs. Fonte: Tese de
Doutorado em Engenharia de Produção – UFSC – 2008, autor: Osny Taborda Ribas Jr.
Articulação Projeto ADRs / ADETEC / LINT
Esta sendo realizada uma capacitação da Academia SAP-Adetec, de Londrina,
iniciada no dia 23 de junho, nas dependências da LINT S/A – Londrina Information
Technologies. A LINT
póia a iniciativa da Adetec, inclusive com patrocínio a alguns
participantes, com o objetivo de consolidar a região Norte do Paraná como um pólo de
tecnologias SAP/ABAP para o país. Dentro de duas semanas, começa a turma de
capacitação no módulo funcional SAP-FI (Finanças). Boa parte dos profissionais
formados será absorvida pela própria LINT, empresa de serviços de TI que fornece
grandes empresas nacionais e internacionais de tecnologia.
69
ADETEC – Associação do Desenvolvimento Tecnológico de Londrina e Região
Av.Maringá 1959
86.060 – Londrina – Paraná – Brasil
Fone/Fax (55-43) 3324-3212
www.adetec.org.br www.londrinatecnopolis.org.br
LINT S/A – Londrina Information Technologies
Rua Rangel Pestana 660, Jd.Bancários
86.062-030 – Londrina – Paraná – Brasil
Fone/Fax (55-43) 3372-0500
www.lint.com.br
Proposta de Capacitação em Desenvolvimento Regional e Melhoria na
Performance das Agências de Desenvolvimento
Objetivos
Objetivo Geral:
Dar início à estruturação de um Sistema de Inteligência Competitiva (SIC) voltado as
Agências de Desenvolvimento Regionais Paranaenses com base na capacitação de
colaboradores com o intuito de promover o desenvolvimento organizacional,
transformando-se em relevante instrumento de intervenção e ampliação de
competitividade, atendendo a um conjunto de demandas estratégicas levantadas pelo
SESI/PR.
Objetivos Intermediários:
Conscientizar os principais atores envolvidos (direção e colaboradores) das ADRs
sobre a importância do Desenvolvimento Regional;
Prover capacitação básica em Desenvolvimento Regional para os técnicos
envolvidos com tais ADRs;
Apoiar a governança das ADRs.
Entre os principais benefícios da capacitação nas ADRs, cita-se:
70
Estruturação de bases informacionais relativas às atividades dos agentes
públicos e privados do setor;
Estabelecimento de redes de relacionamento para o compartilhamento de
insumos informacionais entre os diversos agentes do setor;
Antecipação de mudanças que ocorrem no ambiente sócio-econômico;
Análise de regiões concorrentes ou potenciais;
Antecipação das ações dos competidores;
Aprendizagem sobre mudanças políticas e regulatórias que possam afetar os
negócios;
Auxílio à abertura ou definição de novos produtos ou negócios;
Aumento na qualidade das atividades de aquisição de conhecimento e alianças
estratégicas;
Produção de inteligências para os executivos, objetivando a diminuição da
incerteza para a tomada de decisão;
Apoio ao desenvolvimento sócio-econômico, com geração de emprego e
renda.
Justificativa
Preocupa o fato de as organizações estarem tão lentas na preparação para as
mudanças em um mundo onde o conhecimento e a tecnologia praticamente dobram a
cada ano. Como enxergar por cima dos muros da organização, pelo menos, parte do
que está “rolando” no mercado (negócios, inovações, tendências, etc)? Como se
antecipar às ameaças e perceber as oportunidades no contexto das dinâmicas
empresariais?
Até bem há pouco tempo, as práticas de Desenvolvimento Regional consistiam em
uma prerrogativa exclusiva das instituições governamentais, entretanto, com o advento
da globalização e o acirramento da concorrência em todos os níveis, as organizações
passaram a valer-se de uma nova metodologia de tratamento de informações.
Assim é que os profissionais que trabalham com o Desenvolvimento Regional devem
coletar, analisar e aplicar, legal e eticamente, informações relativas às capacidades, as
deficiências e as intenções de regiões concorrentes e monitorarem os acontecimentos
do ambiente competitivo geral, como novos competidores ou novas tecnologias que
podem, até, inviabilizar um conjunto de negócios.
71
A realidade da competição neste mercado exige cada vez mais que os executivos,
gerentes e quaisquer pessoas envolvidas nessa competição melhorem suas parcas
possibilidades de coletar e processar as informações que estão dispersas no
ambiente, gerando conhecimentos relevantes ao processo decisório. Convém lembrar
que a tese clássica do “super-gestor”, um ser que enfrenta de forma objetiva toda a
complexidade do mundo real, conferindo-lhe onisciência racional, já caiu por terra há
muito.
Estudos mais aprofundados sobre os arranjos de percepção dos gestores, presentes
no contexto organizacional, têm levado à constatação de um homem mais modesto,
cuja racionalidade é imperfeita e limitada. Nessa perspectiva, qualquer pessoa,
individualmente, seja um dirigente empresarial ou não, ao construir uma estratégia não
consegue dispor de todas as informações necessárias; e, mesmo que conseguisse,
ainda lhe faltaria capacidade intelectual para processar simultaneamente uma grande
quantidade delas, além da preocupação com o prazo.
Desse modo, ao contrário do que se supunha na concepção clássica do “supergestor”, um dirigente toma grande parte de suas decisões sem meios para analisar
todas as alternativas possíveis de resposta e sem ter como antecipar todas as
respectivas conseqüências. Para enfrentar essa situação, ele procura escolher uma
solução satisfatória entre aquelas que conseguiu racionalizar, com base nas suas
percepções, poucas informações relevantes e experiências limitadas de um ser
humano normal. Embora o seu comportamento busque intencionalmente a melhor
solução, ela sempre estará condicionada à sua posição de acesso às informações do
contexto, que é relativa à sua própria capacidade cognitiva de processamento. Mais
ainda, pode ocorrer também uma questão de timming do momento da tomada de
decisão, que poderá ser cedo (antecipando) ou tarde (SIMON, 1979).
Considerando tais restrições humanas, mais a imprevisibilidade inerente aos
ambientes empresariais, seria lógico supor que uma ferramenta de aprendizagem, que
é capaz de identificar e capturar um maior número de informações relevantes, e que
também consiga processá-las com mais eficiência e eficácia, gerando conhecimento
relevante dentro de um prazo devidamente estipulado, é de grande valia para os
dirigentes das organizações modernas.
Público-alvo
Empresários associados as ADRs;
Gestores e Técnicos das ADRs; e
Técnicos do Sistema FIEP envolvidos no projeto.
72
Carga Horária
16 horas de instrução;
Etapa 01 – capacitação básica
Conteúdo Programático 1
ASSUNTOS A SEREM MINISTRADOS
CARGA
HORÁRIA
Economia do Conhecimento e Transformação
Gestão do Conhecimento e as suas três dimensões (infraestrutura organizacional; pessoas; e tecnologia)
2 horas
2 horas
Planejamento Estratégico e Análise da Concorrência
4 horas
Conhecimentos básicos de Inteligência Competitiva
2 horas
A Importância do fortalecimento do Capital Social e Governança
2 horas
Trabalho em grupo
4 horas
TOTAL DE HORAS
16 Horas
Carga Horária
08 horas de instrução;
Etapa 01 – capacitação básica
Conteúdo Programático 2
ASSUNTOS A SEREM MINISTRADOS
CARGA
HORÁRIA
A Importância do Desenvolvimento Regional
Gestão do Conhecimento e as suas três dimensões (infraestrutura organizacional; pessoas; e tecnologia)
01 hora
02 horas
Planejamento Estratégico e Análise da Concorrência
01 hora
Conhecimentos básicos de Inteligência Competitiva
01 hora
A Importância do fortalecimento do Capital Social e Governança
01 hora
Trabalho em grupo
2 horas
TOTAL DE HORAS
08 Horas
73
Data: 29/10/2008
Assunto: Realização de aula para os alunos do curso de Mestrado da UNIFAE,
versando sobre o tema “As ADRs e o Desenvolvimento Regional.
Local: UNIFAE – Sala do Mestrado
Participantes:
Prof. Antoninho Caron (Coordenador do Curso de Mestrado da UNIFAE)
Alunos do Curso de Mestrado
Osny Taborda Ribas Junior (Consultor do SESI/PR)
74
Programa de capacitação a distância para gestores das ADRs, lideranças
regionais e gerentes regionais e de unidades do SESI
REFERENCIAIS DE GESTÃO PARA AGÊNCIA DE
DESENVOLVIMENTO REGIONAL
Programa de Apoio na Implantação, Estruturação e Fortalecimento das Agências de
Desenvolvimento Regional do Paraná
-2008 / 2009-
75
SUMÁRIO
1. Introdução.
2. Agência de Desenvolvimento Regional
3. Objetivos
4. A ADR oportuniza
5. Implantação
5.1. Passos para Implantação
5.2. Sustentabilidade
6. Estrutura Organizacional
7. Governança Regional
8. Características do Individuo
9. Características do Gestor
9.1. Composição da Equipe
10. Plano de Gestão
10.1. Fases do Plano de Gestão
11. Operacionalização
12. Considerações Finais
13. Atividade de Conclusão
14. Referências Bibliográficas
76
1. Introdução
A atual política do Sistema FIEP reconhece as múltiplas dimensões do processo de
desenvolvimento e apóia a implantação e fortalecimento das Agências de Desenvolvimento
Regional - ADRs em favor do aumento da capacidade produtiva das regiões, da melhoria geral
das condições de vida de nossa população e de uma utilização mais racional dos recursos
naturais.
O SESI/Pr desenvolve o Programa de Apoio na Implantação, Estruturação e Fortalecimento
de ADRs ,o qual busca a articulação de alianças estratégicas com entidades na construção de
parcerias voltadas ao desenvolvimento e o crescimento sustentável das Agências de
Desenvolvimento Regional do Paraná, assessorando e capacitando continuamente seus atores
e pares,com o intuito de estimular ações inovadoras.
Diante dessa premissa, o presente documento
Regionais,Gerentes Regionais e de Unidades
objetiva capacitar as Lideranças
do SESI, Gestores das ADRs, Técnicos,
Voluntários e outros profissionais envolvidos com as agências do estado do Paraná,
procurando realizar ações voltadas para o desenvolvimento sustentável de suas regiões de
atuação.
O documento Referenciais de Gestão para a ADR é um documento que apresenta um
alinhamento conceitual e encaminhamentos necessários para implantação ,estruturação e
fortalecimento das agências tanto para as existentes como as previstas para a implantação.A
estruturação do mesmo é o resultado do trabalho em equipe dos profissionais do
programa,recursos humanos e CTME.
A idéia é estimular a implantação e estruturação de Agências de Desenvolvimento Regional
– ADRs que valorizem as diversidades regionais do estado, fortaleça o capital social e a
capacidade de governança de cada uma de suas regiões, levando em consideração suas
peculiaridades e potencialidades na definição de estratégias voltadas para o desenvolvimento.
As ADRs são instrumentos de planejamento, mas também de execução e financiamento,
cujos pilares são a descentralização regional, o desenvolvimento regional sustentável e o
estabelecimento de uma nova relação institucional federativa. Dessa maneira, as agências
deverão levar em consideração as potencialidades naturais, culturais, econômicas e as
particularidades de cada uma das regiões do estado. Além de considerar a diversidade interregional, as ADRs deverão procurar reconhecer e trabalhar com as singularidades de cada
município que constituem suas áreas de atuação, a partir dos quais serão identificados e
estabelecidos os elos e interesses comuns que articulam esses municípios dentro de uma
mesma região. Portanto, as ADRs são elementos fundamentais na operacionalização de um
sistema de integração regional.
77
Observando experiências exitosas de Agências de Desenvolvimento no Brasil e no exterior
é
possível
afirmar
que
elas
podem
representar
uma
alternativa
importante
para
desenvolvimento do estado do Paraná. Com base nessas experiências, é fácil reconhecer que,
de fato, as Agências de Desenvolvimento que atuam em escala regional preenchem condições
para promover articulações institucionais dando sentido prático ao planejamento e ampliando
as possibilidades de financiamento para o desenvolvimento de suas regiões de atuação.
Visando otimizar
o processo,o documento será enviado de forma eletrônica aos
participantes.Para os funcionários do sistema envolvidos com a proposta,receberão via
Recursos Humanos caracterizando assim uma capacitação corporativa,aos demais será
expedido pela equipe da ADR.
2. Agência de Desenvolvimento Regional
É uma plataforma técnico-institucional executiva para a identificação de projetos de
desenvolvimento setorial ou global, seleção de oportunidades e fomento das ações
empresariais inovadoras.
A principal característica de uma ADR é sua posição de vigilante sobre uma dada região.
Para que isso aconteça a Agência tem que estar inserida na vida econômica, social e cultural
da região, ou seja, exercer a função de um observatório que pratica:
-A compreensão e conhecimento das demandas e potenciais de uma determinada área
geográfica;
-A habilidade de trabalhar com as estruturas econômicas culturais, sociais e políticas já
existentes na região;
-Um padrão de articulação realmente concreto e operacional, de modo que o trabalho possa
ser reconhecido como útil e importante, econômica e socialmente, pelo estímulo à criação de
novos empregos, novas oportunidades e novas soluções.
As ADRs em geral contam com instrumentos próprios de estímulos ao desenvolvimento
(centro de serviços, sistema de informações, entre outros) e articulam outros instrumentos
existentes na região (como universidades e institutos de pesquisas), no estado (órgãos
estaduais voltados às atividades produtivas), no país (linhas de financiamento de bancos ou
fundos de desenvolvimento) ou internacionais (fundos e programas), visando objetivá-los em
ações concretas de natureza econômica ou social, que possam potencializar o dinamismo da
região. A ADR é uma instituição que atua articulando e integrando diversas outras instituições
que respondem pela prestação de serviços específicos.
78
3. Objetivos
- Integrar instituições públicas e privadas para que, de uma forma coordenada, promovam o
desenvolvimento de uma região;
- Destacar e implementar ações estratégicas, organizando as diversas iniciativas, projetos e
propostas de desenvolvimento;
- Promover parcerias entre as entidades envolvidas com o desenvolvimento da região e as
demais instituições estaduais, nacionais e internacionais;
- Proporcionar e/ou facilitar a captação de recursos financeiros para a realização de projetos
estratégicos de uma região.
4. A ADR oportuniza:
- Integração Regional;
- Maior articulação da Sociedade Civil Organizada;
- Maior agilidade e eficiência na execução de projetos e ações;
- Aumento da participação e controle social;
- Desenvolvimento Regional Sustentável.
5. Implantação
O processo de implantação de uma Agência de Desenvolvimento Regional pressupõe o
diálogo com o conjunto das lideranças sociais que atuam em uma dada região, a fim de
sensibilizá-los e mobilizá-los objetivando a articulação e a construção de uma nova proposta de
desenvolvimento e atendendo as necessidades da área geográfica em que ela opera frente as
seguintes ações:
- Promover estudos e pesquisas visando o desenvolvimento de tecnologias apropriadas de
produção;
- Cumprir um papel inovador nas políticas de desenvolvimento;
- Atuar na divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos relacionados às
atividades produtivas;
- Auxiliar na captação de recursos.
5.1. Passos para Implantação
Para a operacionalização das ADRs, a forma jurídica corresponde a associações civis
(organizações privadas sem finalidade econômica), haja vista que sua institucionalidade admite
mecanismos de gestão compatíveis com as demandas apresentadas a essas agências.
79
Para tanto, é necessário que sejam reconhecidas pelo Ministério da Justiça como
Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP). Tais organizações possuem a
prerrogativa jurídico-administrativa de estabelecer “Termos de Parceria”, que corresponde a um
instrumento específico a ser operado por parceiros pertencentes ao poder público e ao
segmento privado. As demais características da forma jurídica de OSCIP estão disponíveis no
site do ministério: www.mj.gov.br/oscip.
-Primeiro Passo – Montagem do Comitê de Instalação: Os interessados em promover a
criação de uma ADR deverão constituir um comitê de instalação e formado pelos possíveis
futuros associados – representantes do setor privado, do setor público e da sociedade civil –
que se encarregará de conduzir os primeiros passos para criação da agência. O comitê de
instalação deverá trabalhar na elaboração de uma proposta de estatuto de funcionamento e na
implantação inicial da Agência de Desenvolvimento Regional, tomando a precaução para que a
proposta de estatuto atenda as exigências legais que permitam a ADR receber a qualificação
de OSCIP (de acordo com a Lei Federal 9790/99;
-Segundo Passo – Definição dos Sócios Fundadores e Formação da Assembléia Geral:
Após a identificação e seleção dos possíveis sujeitos sociais que participarão da constituição
da ADR, o Comitê de Instalação deverá convocar uma Assembléia Geral dos futuros sócios
participantes (parceiros do processo) que será encarregada pela constituição formal da agência
através da assinatura da ata de adesão dos membros participantes (pessoas físicas ou
jurídicas). Para operacionalização da ADR é obrigatória a realização de uma Assembléia Geral
por ano para prestação de contas, planejamento e ações desenvolvidas no período;
-Terceiro Passo – Definição do Estatuto da ADR: Reunidos em Assembléia, os parceiros
interessados na constituição da agência, deverão aprovar a proposta de estatuto elaborada
pelo comitê de instalação, podendo, evidentemente, sugerir mudanças ou acréscimos em seu
conteúdo. Como o estatuto dependerá dos objetivos da organização, os quais também serão
aprovados pela assembléia, recomenda-se que o mesmo seja o mais flexível possível em
relação às ações que serão desenvolvidas, por exemplo, em relação às idéias de
desenvolvimento regional, pesquisa, produção científica, turismo, cultura, etc. Deve-se
transcrever no livro ata todo o estatuto aprovado;
-Quarto Passo – Definição da Estrutura Organizativa e da Gestão da ADR: A estrutura
organizativa e a gestão da instituição deverão ser definidas em seu estatuto que,
consequentemente, deverá conter a composição, o papel e o funcionamento de cada unidade
que for criada, devendo ser aprovada junto ao estatuto. Os elementos responsáveis (corpo
técnico e gestor) que assumirão a operacionalizarão desta estrutura, também deverão ser
aprovados na primeira assembléia deliberativa (com registro em ata);
80
-Quinto Passo – Registro no Cartório de Títulos e Documentos: Para que a ADR tenha
funcionamento legal, a folha de assinatura dos representantes das organizações que
participaram da constituição da ADR e o estatuto aprovado devem ser registrados em cartório
de registro civil. Deverá ser encaminhado ofício pela entidade solicitando registro ao oficial de
registro civil acompanhado dos seguintes documentos: ata de constituição, regimento interno e
estatuto. Cada alteração estatutária necessita de registro em cartório;
-Sexto Passo – Obtenção do CNPJ: Para obtenção do CNPJ, deve ser encaminhado o
pedido de registro junto à Receita Federal, acompanhado da ata de constituição e do estatuto
(todos os documentos devem ser autenticados e registrados em cartório);
-Sétimo Passo – Obtenção de Inscrição Municipal: Também deve ser encaminhada toda
documentação existente e devidamente registrada ao órgão municipal competente.
-Oitavo Passo – Obtenção de Inscrição Estadual: A ADR é isenta de inscrição, devido não
ter objetivo de comercialização e sim de prestação de serviços;
-Nono Passo – Abertura de Conta Bancária: Deverá ser encaminhado ofício ao gerente do
banco, contendo a identificação completa dos responsáveis pelas assinaturas bancárias. O
ofício deverá ser acompanhado dos seguintes documentos autenticados: ata de constituição,
CNPJ, estatuto e ata da última reunião (se houver);
-Décimo Passo – Declaração de Utilidade Pública Municipal e Estadual: Deverá ser
solicitada a relação dos documentos necessários que comprovem esse caráter para os
representantes legais dos dois poderes;
-Décimo Primeiro Passo - Realização da Contabilidade Anual: Visando o efetivo controle
das despesas e dos recursos financeiros obtidos e em atendimento a legislação específica, a
ADR deverá registrar toda a sua movimentação contábil. Para a execução dessa contabilidade
serão necessários a abertura e o registro dessa movimentação financeira em livro de
balancete, livro diário, balanço patrimonial, livro razão e livro de entradas;
-Décimo Segundo Passo – Emissão de outras certidões (INSS, FGTS): A emissão dessas
outras documentações trabalhistas dependerá do tempo de existência e operação da ADR,
além do seu modo de funcionamento, abrangendo a natureza das relações contratuais de
trabalho estabelecidas com os seus futuros funcionários, uma vez que a agência poderá
somente contar com funcionários cedidos o que justificaria a ausência de registro de seu
quadro funcional.
81
5.2. Sustentabilidade
Dentre as atividades a serem desenvolvidas pela ADR a elaboração de projetos e a
captação de recursos correspondem a obtenção de recursos financeiros para a manutenção
dos seus recursos operacionais. Contudo, a condição de autonomia financeira requer que as
atividades da ADR sejam consolidadas em função do cumprimento de sua missão institucional.
A ADR deverá cumprir seu papel de articulação entre os diversos agentes de apoio e
fomentos às atividades econômicas da região. Para tanto, a agência deve inserir na vida
econômica, social e cultural da região e exercer a função de um observatório, que pratica:
1) A habilidade de trabalhar com as estruturas econômicas, culturais, sociais e políticas já
existentes na região;
2) A compreensão e conhecimento das demandas e potenciais de uma determinada
região.
Sustentabilidade: é um conceito sistêmico, relacionado com a continuidade dos aspectos
econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade humana.
Propõe-se a ser um meio de configurar a civilização e atividade humanas, de tal forma que
a sociedade, os seus membros e as suas economias possam preencher as suas necessidades
e expressar o seu maior potencial no presente, e ao mesmo tempo preservar a biodiversidade
e os ecossistemas naturais, planejando e agindo de forma a atingir pró-eficiência na
manutenção indefinida desses ideais.
A sustentabilidade abrange vários níveis de organização, desde a vizinhança local até o
planeta inteiro.
6. Estrutura Organizacional
Como sugestão, as unidades gestoras que compõe à estrutura organizacional da ADR são
as seguintes: Assembléia Geral, Conselho Gestor, Conselho Fiscal, Gerente Executivo,
Assessor Jurídico, Gerente de Projetos, Gerente de Articulação Institucional e Gerente
Administrativo e Financeiro. A posição que cada unidade ocupa na estrutura organizacional de
uma ADR pode ser identificada na seguinte figura:
82
Para a operacionalização da estrutura organizacional, é necessário identificar as funções
que devem ser realizadas pelas unidades gestoras pertencentes à estrutura organizacional da
ADR. Estas funções possuem a peculiaridade de corresponder às atribuições necessárias para
o alcance da missão:
a) Assembléia Geral: Órgão máximo que vincula todos os associados;
b) Conselho Gestor: Deliberar sobre Planos, Captação de Recursos e Contrapartida para
promover fluxos integradores de desenvolvimento regional sustentável;
c) Gerente Executivo: Articular e Planejar em conjunto com instituições, estratégias de
desenvolvimento para a região. Acompanhar o desempenho das unidades gestoras
com vistas à ampliação da qualidade da gestão da ADR no atendimento das demandas
externas;
d) Gerente de Articulação Institucional: Articular, planejar e promover a troca de
conhecimento, produtos, serviços e regulamentos entre as instituições parceiras na
promoção de projetos de desenvolvimento da região, operacionalizar mecanismo de
troca de informações junto a Sociedade;
e) Gerente de Projetos de Desenvolvimento: Viabilizar projetos de desenvolvimento da
região, pesquisar e manter o Conselho Gestor informado sobre as fontes de recursos
financeiros para a realização de projetos estratégicos da região e criar e gerenciar um
sistema de informações de interesse de sua área de atuação.
f)
Gerente Administrativo e Financeiro: Exercer o suporte administrativo e financeiro à
ADR;
g) Assessoria Jurídica: Exercer suporte jurídico à ADR.
83
7. Governança Regional
Governança para EURADA – Associação Européia de Agências de Desenvolvimento é
simplesmente a habilidade de todos os atores “regionais concordarem a respeito de uma única
visão
para
o
desenvolvimento
em
que
suas
habilidades
e
regiões
compartilham
substancialmente os investimentos, finanças e recursos humanos para realizar conjuntamente
a definição de seus objetivos.
O conceito de governança pode ser entendido como um marco de ação para a política
regional, que visa à integração dos mecanismos existentes através do desenvolvimento e da
sinergia das ações executadas em um dado território. É constituído por valores, políticas e
ações, características do ambiente, mecanismos para o desenvolvimento de ações
cooperativadas entre os setores públicos
e privado, mecanismos coletivos de decisões a
respeito das inversões e, instrumentos de políticas de diferentes áreas promotores do
desenvolvimento produtivo e da competitividade regional.
8. Características do Indivíduo
De acordo com o apresentado, as pessoas estruturam a sua personalidade à medida que
vivenciam as diferentes fases de sua vida. Esta estrutura nada mais é que um conjunto de
características que determinarão o comportamento da pessoa perante uma situação particular.
Os aspectos mais relevantes relacionados à personalidade são:
necessidades,
conhecimento,
habilidades e
valores.
Necessidade é um déficit ou a manifestação de um desequilíbrio interno do indivíduo.
Pode ser satisfeita, frustrada (permanecer no organismo) ou compensada (transferida para
outro objeto) necessidade surge quando se rompe o estado de equilíbrio do organismo,
causando um estado de tensão, insatisfação, desconforto e desequilíbrio.
Abraham Maslow, psicólogo americano, classifica as necessidades em primárias
(fisiológicas e de segurança) e secundárias (sociais, de estima e de auto-realização). Segundo
o autor, há uma hierarquia de necessidades: as pessoas procurarão primeiro satisfazer as
necessidades básicas (alimento, habitação) antes de outras de ordem mais elevada. Esta
hierarquia compreende as seguintes categorias:
Necessidades fisiológicas (fome, sono, etc);
Necessidades de segurança (estabilidade, poder, etc);
84
Necessidades de sociabilidade (família, amizade, etc);
Necessidades de estima (auto-respeito, aprovação, etc);
Necessidades de auto-realização (desenvolvimentos das potencialidades, entre outras).
Uma representação gráfica desta hierarquia é apresentada na seguinte figura:
AUTOREALIZAÇÃO
ESTIMA
SOCIABILIDADE
SEGURANÇA
FISIOLÓGICAS
Outro autor que estudou profundamente o assunto foi o biólogo americano Henry Murray.
Este afirma que, numa mesma categoria podem se manifestar diferentes necessidades
simultaneamente. Nesse caso é gerado um conflito. Uma das necessidades será ou poderá
tornar-se a mais forte num determinado momento. Trata-se, então da chamada necessidade
prepotente, que precisará ser suprida antes das necessidades concorrentes.
Conhecimento: representa aquilo que as pessoas sabem a respeito de si mesmas e sobre
o ambiente que as rodeia. O conhecimento é profundamente influenciado pelo ambiente físico
e social, pela estrutura e processos fisiológicos, e pelas necessidades e experiências
anteriores de cada ser humano. A experiência faz parte desse grupo, pois é o conhecimento
estruturado através da observação e da prática.
Habilidade: é a facilidade para utilizar as capacidades. Manifesta-se através de ações
executadas a partir do conhecimento que o indivíduo possui, por já ter vivido situações
similares. À medida que se pratica ou enfrenta repetidamente uma determinada situação, a
resposta que a pessoa emite vai se incorporando ao sistema cognitivo.
Além de incorporar a resposta, pode ocorrer que o indivíduo incorpore o método utilizado
para emitir a resposta. Dessa forma, ele terá adquirido uma outra habilidade que poderá utilizar
para enfrentar situações diversas.
Quando se desenvolve uma habilidade, acrescenta-se algo novo ao sistema psicológico.
Uma habilidade é composta de reações condicionadas, memorizações e respostas
85
selecionadas. Porém, esse conjunto imprime características próprias e inconfundíveis à mesma
habilidade.
Um exemplo que ilustra esta situação é o caso do jogador de xadrez. Quando este inicia a
prática do jogo, terá que aprender como se movimenta cada peça e o objetivo do jogo
(aquisição de conhecimento). A prática permanente do xadrez fará que armazene uma série de
estratégias (seqüências de conhecimentos) que o torna um hábil jogador. Entretanto, o método
que ele utilizou para descobrir aquelas seqüências poderá ser empregado em outras situações
que não o xadrez, podendo, por exemplo, torná-lo um hábil estrategista.
Valores: são entendidos como um conjunto de crenças, preferências, aversões,
predisposições internas e julgamentos que caracterizam a visão de mundo do indivíduo.
Constituem-se num dos aspectos culturais que mais contribuem para o desenvolvimento das
características individuais.
Os valores apresentam-se organizados numa hierarquia diferenciada para cada indivíduo,
onde haverão valores prioritários em relação aos outros.
Podem ser agrupados nas seguintes categorias: existenciais, estéticos, intelectuais, morais
e éticos e, religiosos. Servirão à pessoa como orientação na busca por seu objetivo.
EXISTENCIAIS
ESTÉTICOS
MORAIS
OBJETIVO
DE VIDA
INTELECTUAIS
RELIGIOSOS
Um exemplo para ilustrar a hierarquia de valores é o caso dos Sobreviventes dos Andes.
Trata-se de um time de futebol que quando viajava para participar de um torneio, o avião que
os transportava caiu na Cordilheira dos Andes, onde permaneceram isolados durante um longo
período. O lugar onde ficaram era inacessível e as condições climáticas bastante rigorosas.
Inicialmente, para sobreviver, o grupo consumiu os alimentos que puderam encontrar nos
destroços do avião. Quando estes alimentos acabaram, passaram por um período de
86
abstinência alimentar, estimulados principalmente, pelos valores morais e religiosos. À medida
que o tempo passava, a fome aumentava e a hierarquia de valores foi se modificando. Os
valores existenciais e intelectuais foram, gradativamente, ocupando uma posição superior. O
resultado final foi a prática da antropofagia, onde por uma questão de sobrevivência, houve
uma inversão radical dos valores.
Há que destacar neste caso, que uma vez resgatados da Cordilheira e de volta ao convívio
com a sociedade, houve um retorno à hierarquia anterior, embora com algumas modificações,
sobretudo pelo reforço dos valores religiosos.
9. Características do Gestor
Um dos aspectos preponderantes para o sucesso de uma Agência de Desenvolvimento
Regional diz respeito ao desempenho e qualificação de seu gestor (secretario executivo, diretor,
superintendente ou outra designação adotada), para tanto seguem algumas características
necessárias (que não se esgotam) como sugestão para a escolha de um gestor:
a) Prestígio técnico e de gestão na região em relação às instituições;
b) Conhecimentos profundos sobre os fatores sociais, econômicos e culturais da região;
c) Bons conhecimentos sobre os fatores nacionais e internacionais;
d) Bons conhecimentos sobre o estilo de funcionamento de instituições e empresas da
região, a chamada "cultura de empresa e de organização";
e) Modo de pensar interdisciplinar, com capacidade de integrar vários dados de diferentes
campos de trabalho, numa abordagem comum;
f) Uma enorme capacidade de liderança, sem perder a perspectiva determinante de
constituição de espírito de equipe dentro do pessoal técnico;
g) Uma excelente capacidade para promover projetos, procurar parceiros, identificando
objetivos e possibilidades comuns;
h) Um bom conhecimento sobre as fontes de informação e de financiamento que possam
ser usadas como facilitadoras da atividade da Agência;
i) Prática a utilização de perfis e características de outras pessoas, de modo a compor e
87
ativar uma equipe complementar, como base para alcançar um objetivo comum - o sucesso
da agência, isto é, o sucesso da região;
j) Total confiança e responsabilidade por parte do conselho de administração na escolha da
equipe técnica e administrativa.
Uma característica importante para o gestor da ADR é ser empreendedor. Para Lezana &
Tonelli (1998), “empreendedores são pessoas que perseguem o benefício, trabalham individual
e coletivamente. Podem ser definidos como indivíduos que inovam, identificam e criam
oportunidades de negócios, montam e coordenam novas combinações de recursos (funções de
produção), para extrair os melhores benefícios de suas inovações num meio incerto”.
Os fatores relacionados ao empreendedor são as características do empreendedor,
que intervém diretamente no processo de criação e desenvolvimento. As habilidades,
necessidades, conhecimento e os valores, são as mais importantes.
Representação gráfica dos fatores de êxito se apresenta na figura abaixo.
EMPREENDEDOR
• Necessidades
• Conhecimento
• Habilidades
• Valores
FATORES INTERNOS
• Direção e Gestão
• Produção
• Recursos Humanos
• Finanças
• Comercial
FATORES EXTERNOS
• Demanda
• Oferta
• Fatores de Produção
• Características Regionais
9.1. Composição da Equipe Técnica
Como já citado em relação ao perfil do gestor, a importância da qualificação da equipe
técnica também é um grande diferencial para o sucesso no desempenho de uma ADR,
88
portanto, o mesmo se aplica aos técnicos que virão compor o quadro de uma Agência de
Desenvolvimento Regional. A equipe técnica não necessariamente precisa fazer parte do
quadro funcional da ADR, se bem que é o ideal, porém eles podem ser cedidos por
universidades, órgãos do governo, centros de pesquisa e empresas, sem ônus para a agência.
Destacamos os fatores para compor a equipe técnica:
a) Capacidade de execução de projetos de desenvolvimento, individualmente e em grupo, com
resultados sociais e econômicos, que irão funcionar como efeito demonstrativo e catalisador de
modelos de desenvolvimento sistêmico;
b) Capacidade de assumir uma atitude não-burocrática em relação à realidade organizacional
da agência, trabalhando por objetivos e avaliando o impacto dos seus resultados;
c) Construir um corpo conceitual básico, comum a toda equipe, e promover neste a mesma
noção operativa dos objetivos de trabalho;
d) Implementar a necessidade de formação contínua, de inovação permanente e de um rigor
real;
e) Encontrar a noção de Marketing de equipe, de modo que, e como conseqüência, a agência
tenha credibilidade no seio das entidades e organizações com as quais se relaciona.
10. Plano de Gestão
O processo de planejamento e gestão da ADR se constitui em uma cadeia de ações
sequencialmente articuladas, que se evidenciam no Plano de Gestão da ADR. Este plano tem
o propósito de estabelecer uma dinâmica de evolução progressiva e de propiciar a manutenção
de um processo de aprendizagem organizacional, compatível com as necessidades de
desenvolvimento requeridas pela realidade social, política e econômica da região onde a ADR
atuará.
Cada fase do Plano de Gestão é constituída por sub-períodos menores voltados para o
planejamento, implantação e avaliação das ações que se organizam de forma sucessiva.
Adotar este enfoque processual para o planejamento pressupõe que a evolução gradual do
conhecimento amplie a capacidade de identificação e enfrentamento dos problemas. Além
disso, possibilita prever as potencialidades e os riscos futuros e cria as condições para se
formular ou reformular os diversos momentos do Plano de Gestão.
89
O enfoque processual torna as ações de gestão mais eficazes, no sentido de consolidar os
objetivos. Deve contar com a avaliação e revisão dos instrumentos adotados e do grau de
realização e eficácia das ações previstas pelos projetos aprovados em cada fase já realizada
do Plano de Gestão.
Nessa perspectiva, orienta-se que o processo de planejamento de uma ADR deva ser
estruturado em fases que serão desenvolvidas de forma a garantir a evolução na abrangência
das ações, levando em consideração:
- O conhecimento adquirido;
- A experiência obtida na execução das atividades;
- O aprofundamento da participação dos agentes sociais;
- A maior consolidação dos resultados da ADR.
A passagem para uma nova fase do processo é flexível em termos temporais, não
dependendo somente de um maior conhecimento, mas também que determinadas etapas da
implantação do planejamento tenham sido alcançadas. É bom lembrar que, em paralelo com o
aumento do conhecimento, é imprescindível a execução de ações planejadas e um maior
envolvimento das lideranças regionais.
10.1. Fases do Plano de Gestão
-Primeira Fase:
A primeira fase parte da premissa que é necessário promover o conhecimento sobre a
região, para que seja possível, identificar as áreas estratégicas que servirão como base para a
implantação de projetos de desenvolvimento. Neste instante é pertinente à identificação das
formas de atuação compatíveis com a missão da ADR.
Nessa fase inicial, o desenho e a implementação do sistema de gestão, acompanhamento
e aprimoramento devem atender as necessidades e dimensões da ADR, para que seja
possível a execução de ações prioritárias no campo da gestão de processos organizativos em
cada unidade gestora da ADR.
Parte desse esforço inicial deve ser orientada às ações-piloto nas respectivas unidades
gestoras e seus processos organizativos. Com a experiência e o aprendizado adquirido nessa
fase é possível iniciar o ajuste do sistema de gestão.
Dessa maneira as ações específicas que deverão ser realizadas para execução desta
primeira fase são os seguintes:
90
Firmar convênios e/ou termos de parceria para manutenção inicial da ADR;
Realizar uma oficina voltada para a construção de um diagnóstico da região;
Realizar uma primeira oficina de planejamento estratégico do plano;
Estabelecer um modelo operativo para a ADR;
Dar início a implementação efetiva do Plano de Gestão;
Elaborar e acompanhar projetos de desenvolvimento.
-Segunda Fase:
Com a aprendizagem obtida na fase anterior, a ADR deve estabelecer duas frentes
fundamentais de atuação. A primeira com foco em programas de caráter estruturante de curto
prazo, este enfoque deve ser consolidado a partir dos avanços dos projetos e programas em
andamento, que tenham adquirido êxito em sua implementação e que se constituam em
atividades relativamente incorporadas pela dinâmica regional. A segunda frente de atuação
deverá estar focada na elaboração de programas estruturantes de longo prazo, que viabilizem
a
construção
da
situação
prevista
pelos
cenários
futuros
estabelecidos,
para
o
desenvolvimento da região. Uma preocupação fundamental é que a ADR estabeleça um
equilíbrio entre esses dois enfoques, propiciando um melhor aproveitamento na execução de
suas atividades.
11. Operacionalização
Após a elaboração do Plano de Gestão e posto em funcionamento, com toda a sucessão de
ações encadeadas e organizadas para o planejamento e gestão da ADR, esta se torna apta à
execução do modelo operativo construído, bem como a própria implementação do plano de
gestão.
Diante disso, atividades fundamentais e intrínsecas à missão da ADR tornar-se-ão foco e
prioridade neste momento. Destacam-se:
Identificação de oportunidades: Esta atividade está voltada a busca de oportunidades
de projetos como instrumentos indutores ao processo de desenvolvimento sustentável
da região em questão, incluindo o desenvolvimento de projetos conjuntos e programas
de cooperação com organismos de desenvolvimento;
Identificação de fontes de financiamento: Mapear formas e fontes de financiamentos de
projetos, bem como estabelecer parcerias e canais de articulação com diversos
agentes de apoio e fomento à atividade econômica para a região e, com isso,
contribuindo para a integração institucional dos múltiplos agentes atuantes no
desenvolvimento da região;
91
Elaboração de Projetos: Elaborar projetos com a finalidade de captar e aplicar recursos
financeiros para o desenvolvimento sustentável da região, levando em consideração as
potencialidades locais e regionais, contribuindo para a consolidação e/ou o
fortalecimento das estruturas produtivas existentes ou não na região;
Execução e acompanhamento de projetos de desenvolvimento regional sustentável:
Implementar e acompanhar as ações e atividades conforme as demandas definidas
para a região, visando a sua maior eficiência. Além disso, desenvolver estratégias
voltadas à previsão e/ou redirecionamento para solução de problemas durante sua
execução.
12. Considerações Finais
Reconhecendo a importância da existência de estruturas locais e regionais que
proporcionem o fortalecimento do empoderamento da sociedade civil organizada, através da
articulação de arranjos interinstitucionais que possibilitem o desenvolvimento de projetos que
visem a valorização e desenvolvimento de seu território e uma visão de futuro conjunta, o
objetivo principal da elaboração deste texto intitulado “Referenciais de Gestão para Agências
de Desenvolvimento Regional” foi o de fornecer uma espécie de guia primeiramente para
lideranças e também para gestores de ADRs com informações sobre a operacionalização de
uma Agência de Desenvolvimento Regional e sua inserção territorial.
O tema assume uma importância ímpar, tendo em vista que a maioria das regiões
brasileiras possui graves problemas estruturais, e o Estado não tem se mostrado capaz de
realizar sózinho os projetos demandados pelas lideranças locais e regionais. Por este motivo,
as lideranças começaram a tomar uma nova postura a respeito de seus problemas, buscando
agir de forma articulada e organizada, priorizando e consorciando o uso de seus limitados
recursos.
Uma das formas encontradas foi a de se organizarem em torno de estruturas capazes de
aglutinar as forças vivas da sociedade civil em torno de projetos estratégicos que venham
atender as especificidades de suas regiões, definindo e desenvolvendo projetos de médio e
longo prazo para o desenvolvimento regional. O SESI do Paraná busca estar colaborando e
fornecendo informações básicas, mas úteis a criação e estruturação de uma Agência de
Desenvolvimento Regional.
92
13. Atividade de Conclusão
Por vivermos numa sociedade em transformação, entendemos que o conhecimento
necessita ser atualizado constantemente. Baseado nessa premissa, disponibilizamos
o
documento Referenciais de Gestão para as ADRs,o qual objetiva o aperfeiçoamento das ações
do gestor.
Após a leitura e análise do documento, solicitamos responder a Atividade de Conclusão
(Anexo I), para registrar sua forma e idéias inovadoras que poderão ser implantadas ou
implementadas nas Agências de Desenvolvimento Regional de sua esfera de atuação.
Procedimentos:
1 Critérios :02 páginas(Máximo)
2. Entrega: Enviar para o endereço [email protected], até 31/03/2009
3.Certificação:Após o envio da atividade será analisada e o participante receberá de forma
eletrônica o Certificado de Participação
14. Referências Bibliográficas
AMIN, Ash. An Institutionalist Perspective on Regional Economic Development,
texto apresentado no Economic Geography Research Group Seminar, Institutions
and Governance, London, Department of Geography, UCL, em 3 de julho de 1998,
disponível na Internet, em 01/02/2008, no endereço www.econgeog.org.uk/pdf/amin.
BAGNASCO, Arnaldo. Desenvolvimento regional, sociedade local e economia
difusa, in: Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da
terceira Itália. DP&A, Rio, 2002.
BANDEIRA, P. Reflexões sobre a redefinição das políticas territoriais e regionais
no Brasil, construção das políticas de integração nacional e desenvolvimento
regional. Ministério da Integração Nacional. Brasília, 1999.
BANDEIRA, P. Participação, articulação de atores sociais e desenvolvimento
regional. IPEA, Brasília, Texto para discussão N° 630, p. 189, fev, 1999.
BECKER,
B.
K.
Reflexões
sobre
políticas
de
integração
nacional
e
desenvolvimento regional. Ministério da Integração Nacional, Departamento de
Políticas Regionais. Brasília, set. 2000.
BOISIER, Sergio. Centralización y descentralización terrorial en el processo
decisorio Del sector publico. Santiago do Chile, CEPAL, 1995.
BRUNDTLAND
COMMISSION.
World
commission
on
environment
development: our future. New York: Oxford University Press, 1987.
and
93
CASAROTTO F., Nelson e PIRES, Luis Henrique. Redes de pequenas e médias
empresas e o desenvolvimento local. Editora Atlas, São Paulo, 1998.
Desenvolvimento Regional: um novo paradigma em construção / Organização de
Zeferino Perin. Erechim, RS: EdiFAPES, 2004.
Desenvolvimento regional em Santa Catarina / Claudia Siebert (organizadora) Blumenau: Edifurb, 2001.
DOWBOR, Ladislau – A reprodução social: propostas para uma gestão
descentralizada – Ed. Vozes, Petrópolis, 2003
Estudo sobre a nova estratégia de Desenvolvimento Regional e a experiência da
Mesorregião
Grande
Fronteira
do
Mercosul.
Fundação
Getúlio
Vargas,
organizadora. Erechim/RS: EDIFAPES, 2003.
EURADA. Clusters, industrial districts, local productive systems.<http:www.
euradaEURADA.org>, Bruxelas: EuradaEURADA, 2003.
EURADA. Creation, development and management of RDA’s: does it have to be
so difficult? Bruxelas, Fev. 1999. Disponível em: <www.eurada.org/Dowload/library/>.
Acesso em 25 ago. 2003.
GALVÃO, Antônio Carlos e VASCONCELOS, Ronaldo. Política Regional à Escala
Subregional: uma tipologia territorial como base para um fundo de apoio ao
desenvolvimento regional. IPEA,1999. (Texto para Discussão n. 665).
GAROFOLI, G. Sviluppo locale e ruolo delle agenzie: una riflessione sul caso
italiano. Disponível em:
<eco.uninsubria.it/Webdocenti/garofoli/Sviluppo%20locale%20e%20ruolo%20delle%20
Agenzie.pdf>. Acesso em: 10 set. 2003.
GOEDERT, Adriano Rogério. Governança em Rede de Desenvolvimento e a
Experiência em Santa Catarina. Florianópolis, 2005. Tese (Doutorado em
Engenharia de Produção), Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção,
UFSC, 2005.
HADDAD, Paulo Roberto. (org.). Economia Regional: teorias e métodos de análise.
Fortaleza: BNB. ETENE, 1989. 694p.
PEREIRA, Vitor Soares. In-Régio, histórias do Desenvolvimento Regional.
Florianópolis: Editora Nova Era, 2001.
PORTER, Michael E. Vantagem Competitiva das Nações. Rio de Janeiro: Campus,
1993.
94
RIBAS, O. Proposições para a melhoria no desempenho de Agências de
Desenvolvimento Regional utilizando as experiências em curso na Região Sul do
Brasil . Florianópolis, 2008. 372 f., Proposta para Tese – Programa de Pós-graduação
em Engenharia de Produção, UFSC, 2008.
ZALESKI NETO, J. Formação e desenvolvimento de redes flexíveis no contexto
do progresso regional. 2000. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção)
Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de
Santa Catarina, Florianópolis, 2000.
SESI/PR
Gerente de Projetos de Articulação Estratégica
Maria Cristhina Rocha
Organizador:
Osny Taborda Ribas Júnior,Dr.(Consultor)
Equipe Técnica:
Karina Fontinelli Fayad
Sueli Terezinha Machado
95
ANEXO I
Programa de Apoio na Implantação, Estruturação e Fortalecimento das Agências de
Desenvolvimento regional do Paraná
Atividade de Conclusão
1. Identificação:
Nome do Gestor/ADR:____________________________________________
Agência que atua:_______________________________________________
Contato:________________________________________________________
2. Registrar suas sugestões para o fortalecimento da gestão junto as Agências de
Desenvolvimento Regional.
96
CONVITE
O SESI/PR – Serviço Social da Indústria, por meio da AIMES – Associação das
Indústrias de Metais Sanitários de Loanda e Região, convida V. Sa. A participar da
“APRESENTAÇÃO da AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL – ADR” com a
participação do Dr. Osny Taborda Ribas Junior, consultor do Programa de Apoio a
Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs SESI/PR. Na ocasião será formada
e eleita a diretoria da Agência de Desenvolvimento Regional – ADR.
Contamos com a sua presença para abrilhantar o evento.
Local: Associação Comercial e Industrial de Loanda (ACIL)
Cidade: Loanda
Morais, 394
Dia: 16/06/2008
Fabio Alexandre G. Musachi
Presidente da AIMES
Horário: 19h30min
Endereço: Rua Prudente de
97
6- Organização das Atividades de Sensibilização,
Palestras, Seminários e Eventos de Interesse das ADRs
Após a realização da explanação realizada pelo Sr. Osny, foi acordado pelo grupo a
constituição de quatro grupos temáticos. Os grupos ficaram encarregados de
prospectar novos participantes, para voltarem a se reunir na primeira semana de julho,
para definir a reestruturação da ADR e a realização de um Plano de Trabalho, os
grupos temáticos elegeram os seguintes representantes para os grupos definidos
como prioritários pelos presentes:
Comércio e outras Indústrias (exceto de metais sanitários)
Poder Público
Agronegócio
Educação
01/07/08
Assunto: Reunião Ordinária da ADR Terra Roxa Investimentos
Local: ACIM - Maringá
Constou da pauta da Assembléia Ordinária, o qual foi abordado pelo consultor Osny
Taborda Ribas Jr., o seguinte tema:
Rede de Agências de Desenvolvimento Regional – PR

Projeto Nova Indústria II;

Encontro nacional de ADRs em Curitiba;

Parcerias da rede – CIN: Treinamentos em comércio exterior para
monitoramento das informações da região.
23/07/08
Assunto: Reunião para constituição do novo Comitê Gestor da ADR-AIMES, com a
realização de palestra sobre as atividades desenvolvidas na ADR Terra Roxa
Investimentos, apresentado pelo seu diretor Flávio Vicente.
Local: Loanda – Cine Teatro Guanabara
98
Data: 30/07/08
Assunto: Segunda Oficina de Trabalho para elaboração do Plano de Ação para o
Instituto de Desenvolvimento Regional de Toledo.
Local: ACIT
Hora: 08:30 horas
Participantes:
Constam do Plano de Ação apresentado no anexo deste relatório.
Segue um apanhado das apresentações dos palestrantes do Encontro de Gestão
Territorial e Agências de Desenvolvimento, realizado no ultimo dia 25/11/2008,
algumas, por serem muito extensas, foram resumidas.
Apresentação da Palestra do Consultor do SESI, Dr. Osny Taborda Ribas Jr.
Performance das Agências de Desenvolvimento Regional no Sul do Brasil.
Apresentação dos slides do debate entre os participantes da Mesa Temática –
Políticas de Desenvolvimento Regional.
Apresentação da Palestra do Dr. Décio Estevão do Nascimento, professor da UTFPr.
Apresentação da Palestra do Dr. Juraci Barboza Sobrinho, presidente Agência Curitiba
de Desenvolvimento S. A.
Apresentação do Sr. Luis César Batista, Secretário Executivo da Associação de
Municípios do Planalto Norte de Santa Catarina, representando a FECAM, Federação
Catarinense de Municípios.
Apresentação dos slides do debate entre os participantes da Mesa Temática –
Atuação das Agências de Desenvolvimento.
Apresentação do Sr. Luis César Batista, Superintendente da ADR-PLAN – Agência de
Desenvolvimento Regional Integrado do Planalto Norte Catarinense.
Apresentação da Sra. Sandra Ferrapontoff Lemos, Superintendente Executiva da
Visão- Agência Desenvolvimento Região das Hortênsias
99
Apresentação do Líder do Projeto RENAPI – Rede Nacional de Política Industrial, Sr.
Erasmo Gomes da ABDI – Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial.
Apresentação do Diretor Executivo da Agência de Desenvolvimento do Sudoeste do
Paraná, Sr. Célio Boneti.
Apresentação dos slides do debate entre os participantes da Mesa Temática –
APLs, Governança em APLs, ADRs e Política Nacional de Desenvolvimento
Regional.
Apresentação da Secretária de Programas Regionais do Ministério da Integração
Nacional, Sra. Márcia Damo.
Apresentação do Coordenador da Rede de Arranjos Produtivos Locais do Paraná, Sr.
Antonio Carlos Lugnani.
7 – Elaboração de Conteúdo para 6 Boletins Digitais e
Impressos
Boletim Eletrônico do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs.
Coordenação de Projetos de Articulação Estratégica do Serviço Social da Indústria – SESI/PR
Nº. 01 – 04/04/2008
Notícias em Destaque
ADRs do Sul do Brasil terão Evento para intensificar suas ações
SESI/PR, através do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento de
ADRs - Agências de Desenvolvimento do Paraná manifesta a intenção de promover um
encontro dos agentes de desenvolvimento regional com intuito de aglutinar as experiências
das diversas Agências de Desenvolvimento em operação no Sul do Brasil. Para tanto,
realizará reunião para constituir Comitê Organizador e definir os temas principais do Evento
no próximo dia 08 de abril, das 13h30min às 16h30min horas, na sede da FIEP em Curitiba Av. Candido de Abreu, 200 - Centro Cívico.
Participantes já confirmados: Equipe do Programa de Apoio as ADRs do Paraná/SESI,
Coordenação da Rede de ADRs do Paraná, Prof. Nelson Casarotto Filho (BRDE, UFSC), Sr.
Celso Vedana (Agência Catarinense de Desenvolvimento - FORUMCAT e Federação dos
Municípios do Estado de SC - FECAM), Prof. Dr. Antoninho Caron (Prof. do Mestrado em
Desenvolvimento Regional da FAE - Faculdade de Administração e Economia) e a Sra. Sandra
Ferrapontoff Lemos, superintendente executiva da Visão- Agência Desenvolvimento Região
das Hortênsias do Rio Grande do Sul.
Interessados entrar em contato com Karina através do e-mail:
[email protected]
***********************************************************
****
100
MPEs ganham Manual de Inovação
Com o objetivo de apoiar empresários e futuros empreendedores nos seus esforços pela
inovação, o Movimento Brasil Competitivo, que é uma Oscip (Organização da Sociedade Civil
de Interesse Público), lançou na última quarta-feira (2), o Manual de Inovação, com o apoio
da FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos). Destinado à micro e pequenas empresas, o
manual apresentará os principais instrumentos de fomento à inovação disponíveis hoje no
País, além de informações específicas para 12 unidades da federação: Bahia, Mato Grosso do
Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa
Catarina, São Paulo, Sergipe e Distrito Federal.
Por meio dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade e Competitividade, serão
distribuídos 2 mil exemplares. O Manual ficará disponível para download gratuito no portal do
MBC (www.mbc.org.br), no portal Mobilizar para Inovar (www.inovar.org.br) e na rede de
portais estaduais a partir do dia 07 de abril de 2008. Também serão impressos 2 mil
exemplares para distribuição por meio dos Programas Estaduais de Qualidade, Produtividade
e Competitividade.
Para complementar o manual, também será lançado o Kit Metodológico, um documento em
formato de cartilha cujo objetivo é subsidiar o conteúdo do próprio manual.
O documento reúne informações sobre as ferramentas de gestão da inovação, com uma
dupla finalidade. A primeira é auxiliar MPEs a implantar processos inovadores. Já a outra é
orientar os Comitês Temáticos de Inovação dos Movimentos Estaduais pela Qualidade,
Produtividade e Competitividade no trabalho de divulgação e estímulo à inovação com as
empresas de micro ou pequeno porte.
Maiores informações no Núcleo de Atendimento:
Aline Fernandes/Giuliana Giavarina/Luciana Fagundes (51) 81212-7065
Direção: Raquel Boechat (51) 8121-7061
Enfato Comunicação Empresarial – Assessoria de Imprensa do MBC – Movimento Brasil
Competitivo
(51) 30-261-261
[email protected]
www.enfato.com.br
***********************************************************
****
Pílulas do Desenvolvimento Regional
Agência Terra Roxa de Desenvolvimento do Norte do Paraná oferece Banco de Dados
Econômicos da Região para consulta pública:
http://www.terraroxa.org.br/novo/conheca_regiao.php
ADEOP – Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste do Paraná é convidada para dar
suporte técnico à Frente Parlamentar Internacional:
http://www.adeop.org.br/exibe.asp?url=/lib/noticias/
Instalada Agência de Desenvolvimento na Rota das Emoções em Parnaíba/PI
http://www.cidadeverde.com/geral_txt.php?id=13896
***********************************************************
****
Editais
CNPq
MCT/SETEC/CNPq nº 32/2007 - RHAE PESQUISADOR NA EMPRESA
101
Tem por objetivo apoiar atividades de pesquisa tecnológica e de inovação, mediante a
seleção de propostas para apoio financeiro a projetos que visem estimular a inserção de
mestres e doutores nas empresas. Até 2 de maio de 2008.
http://www.cnpq.br/editais/ct/2007/032.htm
ANPROTEC
Chamada de Trabalhos - XVIII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e
Incubadoras de Empresas
Ocorrerá em Aracaju – SE, entre os dias 22 a 26 de outubro de 2008. Os trabalhos podem
ser desenvolvidos de acordo com três categorias: artigos completos; comunicação curta; e
boas práticas, cujos textos selecionados farão parte de uma publicação. Os artigos completos
e curtos deverão abordar um dos seguintes temas: Cultura do Empreendedorismo e
Inovação, Promoção de empreendimentos orientados para o uso intensivo de tecnologias,
Promoção de empreendimentos orientados para o desenvolvimento local e setorial e Habitats
de inovação sustentáveis. Já as boas práticas poderão ser desenvolvidas em um dos oito
temas da chamada, tais como: Cultura empreendedora, Criação e planejamento de
incubadoras de empresas, Processo de incubação, Infra-estrutura e serviços oferecidos pela
incubadora, Gestão da incubadora, Arranjos e atuação em redes, Avaliação da incubadora e
Políticas Públicas. O melhor artigo de cada categoria receberá premiação durante o evento, e
a Rede de Incubadoras da qual o vencedor fizer parte e aquela que tiver o maior número de
trabalhos selecionados também serão homenageadas. Até 5 de maio de 2008.
www.seminarionacional.com.br
CÂMARA DE COMÉRCIO FRANÇA BRASIL
O Prêmio LIF tem por objetivo, promover, em todo território brasileiro, projetos de ação
social desenvolvidos por empresas privadas ou de economia mista e instituições sem fins
lucrativos, como ONGs, associadas ou não à Câmara Francesa, nas categorias: -Apoio à
comunidade na área da saúde; -Apoio à comunidade na área da educação; -Apoio à
comunidade na área da cultura; -Preservação do meio ambiente; e - Instituições de pequeno
porte/ ONG (até 45 funcionários). Até 9 de maio de 2008.
http://www.ccfb.com.br/eventos/premioslif/regulamento.doc
Para esclarecimento de dúvidas, sugestões ou críticas, entre em contato conosco: Av. Candido de Abreu, 200 4º andar
- Centro Cívico 80530-902 - Curitiba/PR - Fone: 41 3271-9480 – [email protected]
Caso não queira mais receber este boletim eletrônico, envie e-mail para [email protected] com a
palavra: descadastrar
Boletim Eletrônico do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs, sobre a
responsabilidade da Coordenação de Projetos Especiais do Serviço Social da Indústria – SESI/PR
102
Nº. 02 – 11/04/2008
Notícias em Destaque
● Comitê Organizador do 1º Encontro Sul-Brasileiro de Agências de
Desenvolvimento Regional define data e formato do evento.
Comitê Organizador do 1º Encontro Sul-Brasileiro de Agências de Desenvolvimento
Regional, composto de representantes de Agências de Desenvolvimento do Rio Grande do
Sul, Santa Catarina e Paraná, reuniu-se na última terça-feira, 15 de abril, na sede do
Sistema FIEP/PR para definir o formato do evento, datas e objetivos.
O objetivo principal é congregar as Agências de Desenvolvimento Regional do sul do
país para que se conheçam, troquem experiências e construam uma rede de informações a
respeito de suas atividades. No Paraná já existe a Rede Paranaense de ADRs formada em
agosto de 2007, que vem aproximando as Agências através da identificação de objetivos
comum.
Para a Srª. Sandra Ferrapontoff Lemos Superintendente da Visão – Agência de
Desenvolvimento da Região das Hortências, que esteve na reunião representando as
Agências do Rio Grande do Sul, esta iniciativa é muito importante para fortalecer os
conceitos de desenvolvimento regional, propiciar o mútuo conhecimento e troca de
experiências através da divulgação de boas práticas que já existem nos três estados do sul.
Ficou decidido que o evento ocorrerá nos dias 28,29 e 30 de julho com foco principal em
oficinas de trabalho entre os participantes, para identificar problemas e soluções da realidade
comum que todas as Agências enfrentam diariamente.
O 1º Encontro acontecerá nas dependências do CIETEP - Centro Integrado dos Empresários e
Trabalhadores do Paraná em Curitiba e a programação está sendo fechada nos próximos dias
para correta divulgação a todos os interessados.
103
***************************************************************
● Certificação em Investigação Apreciativa
A Unindus e a CASE Western Reserve University/Weatherhead School of Management trazem ao Brasil
a terceira edição do programa de Certificação em Investigação Apreciativa, uma metodologia inovadora
que vem sendo utilizada por empresas de todo o mundo em processos de desenvolvimento
organizacional, planejamento estratégico e gestão da mudança.
É o único programa no Brasil voltado à capacitação e à certificação de consultores nesta metodologia,
contando com a chancela da CASE/Weatherhead - uma das principais escolas de administração do
mundo, ocupando posições de destaque em rankings mundiais de educação executiva. Reconhecida
por suas propostas inovadoras para educação gerencial, a Weatherhead School é considerada a melhor
escola de Comportamento Organizacional do mundo.
Objetivo
Capacitar profissionais para aplicação da metodologia Investigação Apreciativa em processos de
planejamento e desenvolvimento organizacional.
Público-alvo
Executivos, consultores, gestores e colaboradores da iniciativa privada, do setor público e do Terceiro
Setor; profissionais de Planejamento, Desenvolvimento Organizacional, Gestão da Mudança, Recursos
Humanos e demais interessados.
Carga horária total
180 horas
Certificação
Ao concluir o curso, o participante recebe um certificado emitido pela Universidade da Indústria
(Unindus) e pela CASE Western/Weatherhead School (EUA). Uma oportunidade de ter uma qualificação
de padrão internacional, com a chancela de uma das mais importantes universidades do mundo, sem
sair do Brasil.
Início e Local
14 de abril de 2008, na UNINDUS/CIETEP – Rua Comendador Franco, 1341 – Curitiba/PR
Informações
(41) 3271-7731 / [email protected]
Algumas organizações que utilizam a Investigação Apreciativa
- British Broadcasting Systems
- Green Mountain
- British Airways
- Coffee Roasters
- Marinha Americana
- World Vision
- Roadway Express
- US Environmental Protection Agency
- Nutrimental S. A.
- Nokia
- BP
- ONU
- Secretaria de Patrimônio da União
***************************************************************
Pílulas do Desenvolvimento Regional
104
● Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional - (G&DR) é uma revista de
orientação pluralista e publica trabalhos que apresentem contribuições originais, teóricas ou empíricas,
relacionadas ao Desenvolvimento Regional.
http://www.rbgdr.net/
● Senado Federal tem Comissão Permanente de Desenvolvimento Regional e
Turismo (CDR) – composta por 17 senadores e 17 suplentes, as reuniões ocorrem todas as quartas
às 14 horas.
http://www.senado.gov.br/sf/atividade/Comissoes/consComPerm.asp?com=1306
Presidente Lula ressalta o Desenvolvimento
Regional - A política de desenvolvimento regional desencadeada especialmente após o
●
lançamento do Programa Territórios da Cidadania, do Governo Federal, foi exaltada no dia 28 de março
pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em visita ao sertão alagoano.
http://www.mda.gov.br/portal/index/show/index/cod/134/codinterno/16462
***************************************************************
Editais
● Abertas as Inscrições para o Prêmio Inovação em Gestão Educacional do
Ministério da Educação
Estão abertas até o dia 18 deste mês, as inscrições para o Prêmio Inovação em Gestão Educacional do
Ministério da Educação, desenvolvido em parceria com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de
Educação (Undime) e com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura
(Unesco).
De acordo com o MEC, o prêmio tem como objetivo reconhecer as boas práticas de gestão dos
municípios e sua divulgação em um banco de experiências na internet, que servirá de subsídio,
referência e sugestão aos gestores municipais de todo o país.
Podem participar municípios de todo o Brasil, que devem se inscrever para apenas uma das seguintes
áreas temáticas: gestão pedagógica; gestão de pessoas; planejamento e gestão; e avaliação de
resultados educacionais.
Ao todo, serão selecionados dez projetos que vão receber cem mil reais cada, verba que está vinculada
à qualificação do projeto e terá a aplicação monitorada pelo MEC. A entrega do prêmio está marcada
para o dia 19 de novembro.
Informações adicionais e a ficha de inscrição estão disponíveis no endereço:
http://www.inep.gov.br/laboratorio/
● EMBRAPA lança edital para selecionar empreendimentos de agronegócios para
incubação
Embrapa Agroindústria Tropical abriu as inscrições para uma chamada pública de apoio ao
desenvolvimento de produtos, processos ou serviços. A seleção de propostas no âmbito do Edital
Proeta – Programa de Apoio ao Desenvolvimento de Novas Empresas de Base Tecnológica
Agropecuária e à Transferência de Tecnologia é dividida em três períodos de inscrição. O primeiro
expirou em 20 de fevereiro. Já o segundo e o terceiro recebem os trabalhos, respectivamente, até 20
de maio e 20 de agosto.
O objetivo é selecionar projetos de empreendimentos voltados ao agronegócio para incubação no
âmbito do Proeta. É necessário que as propostas sejam desenvolvidas em parceria com uma
incubadora de empresas ligada à Embrapa Agroindústria. Os trabalhos devem atuar em uma das 13
áreas tecnológicas abordadas pelo programa. Algumas delas são “Aproveitamento Industrial da Fibra
da Casca do Côco Verde”, “Micropropagação”, “Consultoria de Preparação para Certificação em
Qualidade” e “Controlador de Baixo Custo para Irrigação de Precisão”. Os projetos selecionados serão
incubados por um período de 24 meses, prorrogável por mais um ano.
As inscrições devem ser feitas por meio do envio de documentação específica para a Embrapa
105
Agroindústria Tropical. A listagem com a documentação e o endereço da instituição podem ser
visualizados no edital.
A íntegra da chamada pública pode ser visualizada no endereço:
http://www.cnpat.embrapa.br/proeta/edital.html
Para esclarecimento de dúvidas, sugestões ou críticas, entre em contato conosco: Av. Candido de Abreu, 200 4º andar - Centro
Cívico 80530-902 - Curitiba/PR - Fone: 41 3271-9480 – [email protected]
Caso não queira mais receber este boletim eletrônico, envie e-mail para [email protected] com a palavra:
descadastrar
106
Boletim Eletrônico do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs, sobre a
responsabilidade da Coordenação de Projetos Especiais do Serviço Social da Indústria – SESI/PR
Nº. 03 – 28/04/2008
Notícias em Destaque
● Agências recebem Consultor para sincronização de atividades
Consultoria para o Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs
do SESI/PR, fez reunião individualmente em cada agência para sincronizar atividades e identificar os
projetos prioritários do Programa Nova Indústria.
O consultor Osny Taborda Ribas Jr. visitou cada Agência de Desenvolvimento Regional do
Paraná para reconhecer suas principais demandas e projetos. O objetivo foi o de atualizar o plano de
trabalho elaborado no IV Encontro das ADRs realizado em setembro de 2007 em Foz do Iguaçu e
mapear os planos de negócios realizados pelo Programa Nova Indústria que é uma das metas do
Objetivo nº. 08 dos Objetivos do Milênio.
Para Osny, “É preciso desenvolver estruturas técnicas que sejam capazes de pensar a região a
médio e longo prazo e é aqui que entram as Agências de Desenvolvimento”.
Nas visitas, as Agências puderam descrever como está o andamento de cada plano de negócio,
suas virtudes e necessidades.
O próximo passo será a identificação de prioridades com foco na busca conjunta pela
sustentabilidade de cada um desses planos de negócio.
Vice-Presidente da FIEP e Coordenador da Regional em Londrina,
com integrantes da ADETEC e o Consultor Osny
Gerentes do SESI e SENAI de Maringá, Assessora de Imprensa da Unindus,
Integrantes do IDR Maringá e o Consultor Osny
***************************************************************
● Série "O Que O Mundo Pensa" nº. 34
Norte do Paraná, 18 de abril 2008.
Prezados amigos e parceiros,
Encaminho hoje, uma matéria do jornal The New York Times que fala sobre o mercado de ações
chinês. Através dela, concluímos que não só a economia americana está em colapso, mas que a crise
econômica também mostra sinais na China.
Fazendo um paralelo com a situação brasileira, podemos nos confortar em certo modo, por estarmos
atualmente em um momento melhor, porém torna-se um alerta ao que pode surtir no médio e longo
prazo.
Fernando Lopes Kireeff
Presidente Terra Roxa
Para ver uma bolha do mercado de ações estourando, olhe para Xangai
The New York Times David Barboza*
Em Xangai, na China.
Um ano atrás, investidores como Guan Ling estavam animadíssimos. Os preços das ações chinesas
haviam disparado em mais de 500% em um período de dois anos, desencadeando um frenesi nacional
de compras de ações.
Quando os especialistas alertavam periodicamente para a possibilidade do fenômeno ser uma bolha, os
preços caíam momentaneamente, apenas para depois subirem ainda mais, batendo recordes e
incitando mais uma corrida insana à compra estabanada de títulos.
"O mercado enlouqueceu", diz Guan, 49, que há alguns anos fechou as portas da sua corretora de
imóveis para investir em ações em tempo integral. "Todo mundo falava sobre o quanto haviam
lucrado, sobre quando tinham investido, e quais ações tiveram uma valorização de 20 ou até 30
vezes".
107
Isso foi no ano passado. O índice de cotações Shangai Composite Index sofreu uma queda de 45% a
partir do seu pico, alcançado em outubro do ano passado. O primeiro trimestre deste ano, que
terminou na segunda-feira passada com uma enorme liquidação de títulos, foi o pior da história deste
mercado.
Subitamente, milhões de pequenos investidores que se aglomeravam nas corretoras de títulos,
e passavam o dia inteiro jogando cartas, negociando ações, comendo macarrão e elogiando os
mercados juntamente com outros especuladores e aposentados, passaram a sentir-se deprimidos e
furiosos.
"Atualmente a minha família briga muito", queixa-se Zhang Liying, 55, garçonete aposentada de um
hotel, cujo marido investiu toda a poupança da família no mercado de ações. "Ele me pediu para
vender. Eu queria aguardar um pouco. Agora o meu marido me condena, dizendo que sou muito
estúpida, e que foi por isso que perdemos a reserva financeira da nossa família".
Si Dansu está ainda mais perturbada, mas ela culpa o governo. "Dediquei a minha vida inteira ao país.
Após me formar fui para o interior, e trabalhei como engenheira em uma fábrica de Xangai até me
aposentar. Investi quase toda a minha poupança e fundos de aposentadoria no mercado dez anos
atrás. Mas agora estou sem um centavo. Todas as minhas ações despencaram".
Em outras partes da Ásia a situação também é tão ruim quanto a de Xangai, ou mesmo pior.
Na Índia, os preços das ações caíram 31% em Mumbai. No Japão a queda foi de 31%, e no Vietnã,
uma outra economia em expansão, a desvalorização foi de 53%. Investidores irados queimaram o
retrato de um regulamentador de securities em Mumbai, e alguns não param de chorar na Cidade de
Ho Chi Minh, no Vietnã.
"Muitos choraram", conta Nguyen Quang Tri, 74, gerente aposentado de uma companhia de cimento
que estava visitando uma corretora de títulos na Cidade de Ho Chi Minh nesta semana. "Tenho as
minhas próprias equities, mas a maioria das pessoas aqui tomou dinheiro emprestado nos bancos".
O colapso do mercado começou no final do ano passado, com o aumento das preocupações quanto à
inflação doméstica e a uma crise financeira norte-americana. Agora, ainda que a economia chinesa
esteja crescendo no seu ritmo mais acelerado em mais de uma década, os preços das ações
despencaram, e na sua trajetória descendente esmagaram os pequenos investidores.
Poucos especialistas acreditam que a queda das ações constitua-se em uma grande ameaça ao
crescimento na economia real daqui. Mas há temores de que uma queda prolongada possa reverberar
pelos mercados financeiros da China - especialmente ao se considerar que um grande número de
corporações desviou capital agressivamente, às vezes de forma sigilosa, para especular no mercado.
Segundo algumas estimativas, entre 15% e 20% dos lucros anunciados no ano passado por
companhias que oferecem ações ao público em Xangai e que não estão envolvidas com o setor
bancário ou financeiro (que geralmente investe em ações) originaram-se dos ganhos com o comércio
de ações.
As companhias de setores de negócios primários, como a venda de eletricidade, ou mesmo de jaquetas
esportivas, dedicavam-se a atividades financeiras extras nos mercados de valores, esperando
aumentar os seus lucros.
"As companhias estavam com muito dinheiro excedente", diz Jing Ulrich, analista de mercado do
JPMorgan em Hong Kong. "E grande parte desse dinheiro vazou de fato para o mercado de ações".
Mas as grandes companhias estavam seguindo a trilha dos pequenos investidores. O JPMorgan calcula
que 150 milhões de pessoas na China investiram no mercado de ações chinês até o final do ano
passado. Isso pode ser uma fatia pequena da população da China, que é de 1,3 bilhão de habitantes,
mas trata-se ainda assim de uma quantidade muito grande, e isso gerou uma nova fonte potencial de
descontentamento popular e um novo estilo de vida: o de investidor teimoso.
Chen Donghao é um convertido. Recém graduado, e com 22 anos de idade, ele atualmente é figura
conhecida em uma corretora de títulos em Xangai.
Em abril de 2006, quando ainda era um estudante de desenho artístico, a sua família lhe deu cerca de
US$ 70 mil para investir no mercado de ações.
Aquele era um momento ideal para entrar no mercado.
"Quando comecei, o mercado de ações estava por volta de 1.700 pontos", conta ele, observando que
hoje, apesar da queda, o índice de Xangai ainda está elevado, em torno de 3.400 pontos. “Ganhei
muito dinheiro. Portanto, no início deste ano decidi abrir um restaurante. Eu gostaria de criar uma rede
de restaurantes famosos em Xangai".
Lojistas, corretores de imóveis, e até mesmo empregadas domésticas e vendedores de melancias
tornaram-se investidores na Bolsa de Valores.
Uma nova versão do hino nacional surgiu no país no ano passado. Ela começa com os dizeres:
"Levante-se! Você que não abriu uma conta! Despeje dinheiro e prata no mercado quente!"
O hino continua: "A nação chinesa enfrenta o seu momento mais alucinado. O rugido entusiasmado
dos nossos povos se fará ouvir!”.
As pessoas responderam. Aqui em Xangai, corretoras de ações com telas eletrônicas gigantes
começaram a atrair grandes multidões, incluindo vários aposentados que se contentavam em passar o
dia inteiro olhando hipnotizados a curva ascendente dos preços. Em algumas corretoras, andares
inteiros foram divididos em salas pequenas e médias nas quais os investidores pudessem se instalar,
108
desde à abertura do pregão até ao soar da campainha de encerramento, com as suas sacolas de
almoço, apetrechos para tricotar, baralhos e jornais para que se sentissem em casa.
Só que agora muitos deles não conseguem mais olhar para as telas.
"Estou pulando fora do jogo", diz Yuan Yuan, 23, um pesquisador de uma companhia de fundos de
investimentos em Shenzhen que também investe no mercado. "O jogo acabou. As grandes instituições
se mandaram primeiro, deixando apenas os pequenos investidores nesta atividade".
Na China, o governo teme que a ira dos investidores possa transformar-se em um problema social. E,
assim, enquanto a mídia estatal anuncia os altos e baixos do mercado, e até mesmo alerta os
investidores para os riscos e percalços inerentes aos investimentos, a imprensa geralmente não noticia
a raiva do investidor.
"Na verdade há muitas reclamações, mas a mídia chinesa não pode anunciar isso", diz Guan, o exproprietário de uma corretora de imóveis.
Agora, nos corredores das corretoras de títulos - corredores de sofrimento - ouvem-se as reclamações
quanto às deficiências do mercado: o governo não regulamenta o mercado de ações e participa dele ao
permitir que a maioria das grandes companhias estatais coloquem as suas ações à venda para o
cidadão comum.
Também há reclamações quanto às operações comerciais internas, à manipulação das ações e aos
grandes investidores que possuem contatos junto ao governo, e que jogam as ações desvalorizadas
nas costas dos pequenos investidores.
Mas, segundo os especialistas, na China o pequeno investidor também tende a ser um especulador, um
apostador, e pode ser este o motivo pelo qual o mercado é tão volátil e impiedoso.
"Você conhece Warren Buffet?", pergunta Chen Weihua, um engenheiro aposentado de 69 anos que já
trabalhou no Egito. "Ele é um mestre. Há muito tempo Buffet possui uma teoria para ficar com as suas
ações durante muito tempo. Só que essa teoria não funciona na China. Veja a Ping An".
Ping An é uma companhia estatal que colocou as suas ações à venda no ano passado, a preços que
dispararam até alcançarem US$ 144 em Xangai, e que depois despencaram. Ela agora vende a ação a
US$ 50, apesar do forte aumento dos lucros.
Não se esperava que as coisas terminassem desta forma. Muitos investidores vinham apostando em
que Pequim não permitiria que o mercado de ações entrasse em colapso antes das Olimpíadas de
Pequim, em agosto.
Após os jogos, segundo o poderoso boato, todos venderiam, o que provocaria uma acentuada queda
do mercado.
E se algo de grave acontecesse antes das Olimpíadas, o governo certamente faria algo para
impulsionar o mercado.
Eles ainda estão aguardando.
"Este é um mercado deformado, um mercado doente", critica Guan. "Sempre fomos um mercado em
declínio no longo e no curto prazo".
"Veja", diz ele. "Demorou dois anos para que se passasse de 1.000 para 6.000 pontos, mas apenas
dois meses para que houvesse uma queda de 6.000 para 3.500 pontos".
* Keith Bradsher, na Cidade de Ho Chi Minh, no Vietnã, e Chen Yang, em Xangai, contribuíram para
esta matéria.
***************************************************************
Pílulas do Desenvolvimento Regional
● O Instituto de Desenvolvimento Regional de Maringá – IDR participa do projeto SGC –
Sociedade de Garantia de Crédito.
A SGC tem por escopo o fortalecimento das micro e pequenas empresas através da análise de
propostas de melhorias nas empresas, identificando os projetos viáveis e garantindo o empréstimo
para ser realizado em qualquer instituição de crédito.
O IDR trabalha na estruturação da metodologia, instrumentos e elaboração da coleta de dados
e na geração do modelo como base para o processo de avaliação da viabilidade econômica. Este
processo foi realizado numa primeira etapa com recursos do SEBRAE Nacional e, posteriormente,
houve aporte de recursos do SEBRAE PR e entidades locais.
● ADETEC de Londrina é incluída no Manual da Inovação. O objetivo é auxiliar MPEs a implantar
processos inovadores e orientar os Comitês Temáticos de Inovação dos Movimentos Estaduais pela
Qualidade, Produtividade e Competitividade no trabalho de divulgação e estímulo à inovação com as
empresas de micro ou pequeno porte. O manual está disponível para download gratuito através do link
http://www.mbc.org.br/mbc/portal/
109
● A revista Informe GEPEC – Grupo de Pesquisa em Agronegócio e Desenvolvimento Regional traz
na sua última edição notas sobre o impacto da produção de suínos na bacia do Rio Toledo. Pode-se
baixar o artigo na íntegra no link http://cac-php.unioeste.br/revistas/gepec/ - clique no item “Edição
Atual”.
Para esclarecimento de dúvidas, sugestões ou críticas; entre em contato conosco: Av. Candido de Abreu, 200 4º andar - Centro
Cívico 80530-902 - Curitiba/PR - Fone: 41 3271-9480 – [email protected]
Caso não queira mais receber este boletim eletrônico, envie e-mail para [email protected] com a palavra:
descadastrar
110
Boletim Eletrônico do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs, sobre a
responsabilidade da Coordenação de Projetos Especiais do Serviço Social da Indústria – SESI/PR
Nº. 04 – 05/05/2008
Notícias em Destaque
● Programa de Apoio as ADRs participa do Fórum de Desenvolvimento Sustentável
do Vale do Ribeira
A equipe do Programa de Apoio as ADRs do SESI/PR participou no último dia 25 de abril, em Itaperuçu,
da reunião do Fórum de Desenvolvimento Sustentável do Vale do Ribeira.
Na ocasião, o Dr. Osny Taborda Ribas Jr. proferiu palestra sobre a importância de se ter uma Agência
de Desenvolvimento Regional como fator de convergência de todos os atores do desenvolvimento da
região, sejam eles públicos ou privados.
Estavam presentes diversas lideranças locais, assim como os Prefeitos de Rio Branco do Sul, Itaperuçu
e Tunas do Paraná. Nesta reunião também foi lançado o Jornal do Fórum de Desenvolvimento e feito
um balanço das atividades nestes cinco anos de sua existência.
Cumprindo uma extensa pauta, o Fórum permaneceu reunido durante todo o dia com o foco principal
de debater o programa do Governo Federal chamado Territórios da Cidadania que disponibilizou para a
região do Vale do Ribeira R$ 37,5 milhões para projetos de tenham por objetivo a redução das
desigualdades sociais e regionais.
Dr. Osny Taborda na palestra do Fórum de Desenvolvimento do Vale do Ribeira
***************************************************************
● Biocivilização?
Com a era dos combustíveis fósseis chegando ao fim, o nível atual de conhecimentos biológicos pode
levar à construção de uma “biocivilização moderna de alta produtividade”, na qual o Brasil pode se
tornar um ator da primeira importância, de acordo com o economista Ignacy Sachs, professor emérito
da École des Hautes Études en Sciences Sociales (Paris).
Mas, segundo ele, nada disso acontecerá sem determinadas políticas públicas que sejam capazes de
construir sistemas integrados de produção de alimentos e energia com base na agricultura familiar.
Sachs apresentou uma palestra, na última segunda-feira (28/4), na segunda sessão do Ciclo Impactos
Socioambientais dos Biocombustíveis, realizado na Faculdade de Economia, Administração e
Contabilidade da Universidade de São Paulo (USP).
O professor, naturalizado francês, nasceu na Polônia e se formou em economia no Rio de Janeiro, onde
sua família se refugiou durante a Segunda Guerra Mundial. O evento foi promovido pelo Núcleo de
Economia Socioambiental (Nesa) e pelo Núcleo de Estudos Regionais e Urbanos (Nereus), ambos da
USP.
De acordo com Sachs, o debate sobre os biocombustíveis se insere numa discussão mais ampla a
respeito daquilo que ele define como “a biocivilização moderna”.
“A biomassa pode ser alimento, ração animal, adubo verde e material de construção, além de ser
matéria-prima para fármacos, cosméticos e para a química verde, que produzirá um leque cada vez
maior de produtos. O conceito de biorrefinaria irá se firmar à imagem do que representou a refinaria de
petróleo”, disse Sachs.
Sachs defende a produção de biocombustíveis privilegiando o uso de áreas desmatadas e, no caso
brasileiro, principalmente das pastagens degradadas. “Temos que parar de raciocinar por justaposição
de cadeias de produção, imaginando separação total de áreas para etanol, biodiesel, grãos e gado.
Temos que pensar mais seriamente em sistemas integrados de produção de alimentos e energia”,
afirmou.
De acordo com Sachs, no entanto, para que essa biocivilização seja construída, as políticas públicas
precisarão ser reorientadas de uma forma que permita solucionar, ao mesmo tempo, os problemas
sociais e ambientais.
“O desafio que se coloca é atacar simultaneamente o problema ambiental e o problema do déficit
crônico de oportunidades de trabalho decente e as desigualdades sociais. Se não partirmos para um
ciclo de desenvolvimento com base na agricultura familiar, o que teremos não será essa biocivilização,
mas uma produção de agro energia amplamente mecanizada e favelas apinhadas de ex-agricultores”
declarou.
Políticas públicas necessárias
111
As políticas públicas necessárias, segundo Sachs, incluem cinco instrumentos principais: a implantação
de um zoneamento ecológico-econômico, as certificações sociais e ambientais, a intensa pesquisa
científica, a discriminação positiva do agricultor familiar e, por último, a reorganização dos mercados
internacionais.
“A questão do zoneamento ecológico-econômico, necessário nas diferentes áreas de produção do país,
liga-se ao reordenamento da estrutura fundiária e ao combate à informalidade e à ilegalidade que
predominam”, afirmou.
Sachs observa que a certificação socioambiental, que, segundo ele deve ser exigida também para o
mercado interno, tem um obstáculo nos custos, já que os pequenos produtores não podem arcar com
esses mecanismos. “Teremos que discutir até que ponto o Estado poderá co-financiar esse produtor”,
disse.
A pesquisa científica, segundo o economista, deve se concentrar numa questão crucial: até onde se
pode avançar no aproveitamento da energia solar pela fotossíntese. “É fundamental que o Brasil tenha
uma posição bem documentada sobre seu potencial fotossintético. É preciso também investigar de
forma mais sistemática os potenciais da biodiversidade e estudar sistemas integrados de produção
alimentar e energética adaptados aos diferentes biomas”, disse.
A política de discriminação positiva do agricultor familiar, segundo Sachs, consiste num feixe de
políticas públicas que abrangem desde educação e assistência técnica permanente, até linhas de
crédito específicas e acesso aos mercados. “Seria preciso também desenvolver de uma vez por todas a
idéia de reorganizar os mercados internacionais conectando as produções dos países em
desenvolvimento”, afirmou.
Para o economista, a produção de biocombustíveis não terá impacto no acesso aos alimentos. “Não
discuto o fato de que, com o encarecimento dos alimentos, a situação dos mais pobres vai ficar mais
difícil. Mas é risível atribuir o problema da fome à insuficiência de oferta. Sabemos que o problema não
é esse e sim a falta de poder aquisitivo. Os biocombustíveis não são o vilão. Ao contrário, poderiam ser
um instrumento essencial para tirar os países da insegurança alimentar e energética”, disse.
Não se pode, no entanto, pensar que o problema da energia enfrentado pelo planeta possa ser
resolvido com a simples substituição de combustíveis, segundo Sachs. “Temos que colocar em primeiro
plano o tema da mudança de paradigma energético: outro perfil de demanda energética, que nos
remeterá a um debate complexo e decisivo sobre estilos de vida e de desenvolvimento”, afirmou.
Fábio de Castro /Agência Fapesp
***************************************************************
Pílulas do Desenvolvimento Regional
● Reforma tributária exige aprovação de leis complementares, disse o secretário de Política Econômica
do Ministério da Fazenda, Bernard Appy.
http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u389112.shtml
● Banco do Sul arrancará este ano com impulso da Argentina, Brasil e Venezuela.
http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL427106-5602,00BANCO+DO+SUL+ARRANCARA+ESTE+ANO+COM+IMPULSO+DA+ARGENTINA+BRASIL+E+VENEZUELA.html
● Stephanes: zoneamento da cana será definido até julho.
http://g1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,MUL394077-9356,00STEPHANES+ZONEAMENTO+DA+CANA+SERA+DEFINIDO+ATE+JULHO.html
***************************************************************
Editais
● PNUD
Organizações comunitárias, grupos indígenas, institutos de responsabilidade social de empresas e
organizações não-governamentais que atuem na região entre os trópicos podem se inscrever no
Prêmio Equatorial 2008, que destaca projetos comunitários que combinem geração de renda
e preservação ambiental. O concurso vai selecionar 25 ações que receberão, cada uma, US$ 5 mil.
Dessas iniciativas, cinco receberão um destaque especial e irão ganhar mais US$ 15 mil. O resultado
será divulgado em outubro, durante o Congresso da União Mundial para a Natureza, que acontecerá
112
em Barcelona, na Espanha. A premiação tem objetivo de incentivar práticas comunitárias que reduzam
a pobreza por meio da conservação e uso sustentável da biodiversidade, como projetos de ecoturismo,
medicina natural e agricultura orgânica.
http://www.pnud.org.br/meio_ambiente/reportagens/index.php?id01=2908&lay=mam
● A.J.MUST MEMORIAL INSTITUTE
O Fondo NOVA-Viajes busca apoyar a grupos y organizaciones representativos de los movimientos
sociales en América Latina y América Indígena – especialmente grupos populares o de base, ya sea
campesinos, indígenas, de mujeres, sindicalistas, de derechos humanos, etc.- dando aportes que les
permita viajar para asistir a encuentros, foros y otras instancias tanto de coordinación como de
formación, ya sea a nivel local, nacional, regional o internacional, a fin de permitir y asegurar su
participación en el movimiento de resistencia global.
http://ajmuste.org/novaintro.html
Para esclarecimento de dúvidas, sugestões ou críticas, entre em contato conosco: Av. Candido de Abreu, 200 4º andar - Centro
Cívico 80530-902 - Curitiba/PR - Fone: 41 3271-9480 – [email protected]
Caso não queira mais receber este boletim eletrônico, envie e-mail para [email protected] com a palavra:
descadastrar
113
Boletim Eletrônico do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs, sobre a
responsabilidade da Coordenação de Projetos de Articulação Estratégica do Serviço Social da Indústria – SESI/PR
Nº. 05 – 12/05/2008
Notícias em Destaque
● Programa de Apoio as ADRs participa do Encontro de lideranças da região de
Guarapuava promovido pela Agência EVOLUT
A equipe do Programa de Apoio as ADRs do SESI/PR participou, no dia 29 de abril, da reunião de
mobilização de lideranças da Agência Evolut em Guarapuava. O encontro, promovido pela ACIG Associação Comercial de Guarapuava e pela Regional da FIEP teve a palestra do Dr. Osny Taborda
Ribas Jr. explicando o que é uma ADR e quais as suas principais transversalidades no desenvolvimento
de uma região e após a palestra foi feita reunião com os participantes para formar comissão e
organizar nova reunião já com o intuito de constituir a próxima diretoria da EVOLUT e seu
planejamento estratégico para próxima gestão.
***************************************************************
● Os monopólios do Estado moderno e a participação popular
Artigo publicado na Rede Empresarial (www.redeempresarial.com.br) de autoria do jornalista e analista
político, Antônio Augusto de Queiroz.
O processo civilizatório criou a instituição Estado – que pressupõe a existência de governo, povo e
território – e reservou para ela, sob a forma de monopólio, os direitos de punir, de tributar e de
legislar, como condições necessárias e suficientes para organizar a vida em sociedade e evitar a
tirania dos fortes sobre os fracos.
O poder de polícia e de arregimentação de exército é uma prerrogativa exclusiva das instituições
estatais. Ninguém, pessoa física ou jurídica, poderá se armar ou constranger cidadãos com o emprego
da força física. O direito do Estado de fazer uso da violência foi instituído para preservar a vida de
todos os cidadãos.
A licença para cobrar tributos (impostos, taxas e contribuições) de modo compulsório de toda a
sociedade é outro monopólio estatal. O Estado é o único ente com a prerrogativa de gestão e de
alocação do excedente econômico, mediante retirada de parte da riqueza produzida pela sociedade sob
a forma de tributos.
A prerrogativa de editar leis com vigor universal, valendo para todos e para cada um dos cidadãos,
também é exclusiva do Estado. Ninguém, além do Estado, poderá definir o que os indivíduos, grupos
ou classes sociais podem fazer obrigatoriamente.
O exercício desses três monopólios, nos regimes democráticos, está a cargo dos poderes Executivo,
Legislativo e Judiciário, um controlando o outro. Mas os cidadãos, preferencialmente organizados,
devem fiscalizar e controlar a ação dos agentes públicos, bem como acompanhar e influenciar a
formulação das políticas públicas, sob pena de assimetria na aplicação desses monopólios estatais.
A humanidade, nos três séculos anteriores ao 21, graças à organização e pressão da sociedade, deu
grandes saltos de qualidade em matéria de direitos e liberdades. No século 18 conquistou os Direitos
Civis; no 19, os Direitos Políticos; e, no 20, os Direitos Sociais, hoje incorporados ao ordenamento
jurídico da quase totalidade dos países do mundo.
Para garantir o exercício pleno da cidadania, como acesso aos direitos sociais (educação, saúde, lazer,
cultura, etc.), aos direitos políticos (votar e ser votado) e direitos civis (liberdade de expressão,
liberdade de ir e vir, etc.), é preciso aprofundar as conquistas da civilização, com eqüidade na
distribuição do poder e da renda entre os povos e nações.
A organização e participação, portanto, são indispensáveis para evitar abusos na aplicação, pelo
Estado, dos monopólios de punir, tributar e legislar. Deve-se exigir que a Justiça seja simétrica
(equilibrada), com punição igual para ricos e pobres; que a carga tributária seja equilibrada e leve em
consideração a capacidade contributiva, sem deixar de assegurar a devida contrapartida em bens e
serviços; e que as leis se apliquem a todos, indistintamente.
Antônio Augusto de Queiroz, jornalista e analista político, para o Congresso em Foco 07/05/2008
***************************************************************
114
Pílulas do Desenvolvimento Regional
● Agência Terra Roxa prepara publicação bilíngüe para divulgar o Norte do Paraná.
Bem localizada, com boa infra-estrutura de estradas, escolas, atendimento médico e com grande
potencial econômico, a região Norte do Paraná tem atrativos capazes de surpreender quem não a
conhece. E para divulgar seus potenciais, a Agência de Desenvolvimento Terra Roxa Investimentos
prepara o lançamento, para o segundo semestre, da publicação “Norte do Paraná, uma região
surpreendente: 100 razões para fazer negócios aqui”.
A publicação, em inglês e português, será distribuída em embaixadas, consulados, escritórios de
negócios e formadores de opinião no Brasil e exterior. Além de informações sobre as grandes empresas
que estão instaladas no Norte do Estado e das diversas vantagens como clima, população jovem e
qualificada, a publicação falará de pessoas da região que têm destaque internacional.
O layout segue padrões superiores e está praticamente concluído. No momento, está sendo
apresentado pela Terra Roxa em diversas reuniões com associados e convidados, para sugestões e
ajustes. “Nossa intenção é mostrar aos investidores que nossa região tem capacidade para receber
novos empreendimentos. É divulgar os clusters já existentes, as empresas já instaladas, para que
possa também despertar o interesse de segmentos que podem se tornar seus fornecedores. Teremos,
em breve, um material de primeira linha, para ser distribuído em locais estratégicos”, comenta Flávio
Vicente, diretor executivo da Terra Roxa.
Além da publicação “Norte do Paraná, uma região surpreendente: 100 razões para fazer negócios
aqui”, a Terra Roxa conta com um site onde os interessados podem obter informações gerais sobre a
região, incluindo um banco de dados econômicos que disponibiliza informações relevantes para a
concretização de negócios com investidores nacionais e estrangeiros. O endereço do site é
www.terraroxa.org.br
A entidade
A Agência de Desenvolvimento Terra Roxa Investimentos (TRI) é uma Oscip (Organização da
Sociedade Civil de Interesse Público) criada com o objetivo principal de divulgar os potenciais
econômicos e buscar investidores para a região Norte e Noroeste do Paraná.
As ações da agência abrangem uma região com população total em torno de 3.500.000 de pessoas e
211 municípios. A Terra Roxa trabalha com um novo conceito de desenvolvimento, em que a
integração e a articulação regional se sobressaem ao interesse isolado de cada município.
● Agência realiza Assembléia e tem plano de ação validado
Na quinta-feira, 8, a Agência de Desenvolvimento Regional do Sudoeste do Paraná realizou
assembléia geral, com a participação dos membros do conselho de administração, do conselho fiscal e
representantes das organizações associadas. Para o presidente da Agência, a entidade sentia a
necessidade de um instrumento norteador de suas ações. Após a realização da assembléia, foi servido
um café colonial, com queijos, salames, e vinhos produzidos no sudoeste.
Na assembléia, no primeiro momento, foram prestadas informações sobre as atividades realizadas no
último exercício e apresentação dos relatórios contábeis e fiscais. A partir da análise dos relatórios, foi
avaliado pelos associados presentes, como muito positivo o desempenho da Agência, tanto quanto ao
bom conjunto de ações realizadas, bem como, dos resultados financeiros. No momento seguinte, foi
apresentado pelo consultor, Paulo Posch ,do Instituto Gralha Azul o relatório final do Plano Estratégico
de Ação 2008-2010.
De acordo com presidente da Agência, Cláudio Petricoski, além dos relatórios das ações financeiras, o
assunto principal foi a validação do plano de ação, que se constitui num momento importante da
assembléia. " A entidade, já há algum tempo, sentia a necessidade de ter um instrumento norteador
de suas ações", comenta.
A elaboração do plano, segundo o diretor da Agência, Célio Boneti, passou por várias fases. Na
primeira, o consultor, Paulo, fez um estudo do histórico da entidade, para compreender a sua
115
trajetória, seus pontos fortes e fracos. Na segunda fase, ocorreu a realização de uma oficina técnica,
com pessoas representativa de entidades associadas a agencia, onde a base conceitual do plano de
ação foi apresentada e discutida. A terceira etapa foi a apresentação do relatório da oficina, em uma
reunião do Conselho de Administração onde foram efetuados ajustes finais e finalmente, ontem, o
plano foi apresentado e validade pela Assembléia. "Agora entramos na fase de implementação do plano
validado", comenta Célio.
● ADEOP vai acompanhar os temas Fronteiriços e de Desenvolvimento Econômico e
Comercial do Mercosul
Foi realizada no último dia 24, em Brasília-DF, a Reunião do Grupo de Trabalho do Capítulo Brasileiro
do Foro Consultivo de Municípios, Estados Federados, Províncias e Departamentos do Mercosul (FCCR),
entidade Instalada em janeiro de 2007, durante a Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul, no Rio de
Janeiro, e constitui-se como espaço de participação direta dos governos subnacionais na estrutura
institucional do Mercosul fortalecendo a integração regional, mediante a consecução de ações
concretas, e ganhos tangíveis a partir de uma dinâmica territorial. A Agência de Desenvolvimento
Regional do Extremo Oeste (ADEOP) através de seu Secretário Executivo, Elsidio Cavalcante, esteve
presente
na
reunião
representando
o
Conselho
de
Desenvolvimento
dos
Municípios
Lindeiros.
O objetivo do encontro foi a Criação de um Grupo de Trabalho que terá o papel de reproduzir e
monitorar os compromissos assumidos. O Fórum foi dividido nos seguintes temas: Assuntos
Fronteiriços, Desenvolvimento Econômico e Comercial, Políticas Públicas, Turismo, Cultura e Ciência e
Tecnologia. A ADEOP ficou com a responsabilidade de acompanhar os temas Fronteiriços e de
Desenvolvimento Econômico e Comercial. “A Agência, representando o Paraná e o Conselho dos
Lindeiros, vai acompanhar de perto esses dois temas, sendo Coordenador alterno do Tema
Desenvolvimento Econômico e Comercial, junto com o Governo do Amazonas”, destacou Elsidio. No
próximo dia 19 de maio vai acontecer em Córdoba, na Argentina, o encontro da entidade com o
objetivo de discutir uma proposta de legislação de alguns pontos fronteiriços. “Problemas como
critérios para entrada e saída fronteiriços e a questão da dengue serão amplamente discutidos e um
documento sobre o assunto será encaminhado aos parlamentares do Parlamento do Mercosul para
deliberação”.
Esses grupos de trabalho vão preparar assuntos para os deputados debaterem e deliberarem nos
encontros futuros. “É uma função muito importante assumida pela ADEOP e pelo Conselho dos
Lindeiros, porque vai tratar diretamente de assuntos pendentes na fronteira e encaminhar soluções”,
lembrou Elsidio.
AI: Ademir José Jung (8406-0108)
Data: SMI – 05/05/08
Informações: Elsidio Cavalcante na ADEOP pelo 45-3565-3047
***************************************************************
Editais
● BNDES amplia crédito para preservação de acervos
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aumentou em 33% o valor
oferecido pelo edital de Seleção Pública de Projetos de Preservação de Acervos. Neste ano, o edital
conta com R$ 8 milhões em recursos não reembolsáveis. As propostas devem ser submetidas ao
BNDES até o dia 6 de junho.
O objetivo é apoiar a modernização de museus, arquivos e bibliotecas visando a preservação e
segurança de seus acervos e a melhoria das condições de atendimento e acesso ao público. Podem
participar da seleção pessoas jurídicas de direito público ou privado, sem fins lucrativos. Serão
apoiados projetos em três modalidades: acervo arquivístico para o conjunto de documentos textuais,
iconográficos, sonoros, audiovisuais ou naturais; acervo museológico para o conjunto de testemunhos
116
materiais, nos mais diversos suportes, que se encontram sob a proteção de um museu ou de uma
instituição de caráter museológico; e acervo bibliográfico para o conjunto de obras impressas, incluindo
livros e periódicos. Neste último caso, serão considerados exclusivamente os acervos constituídos por
obras raras.
Cada proponente poderá apresentar apenas uma proposta e os projetos serão avaliados em duas
etapas. A primeira de pré-seleção e a segunda de visita técnica. O limite máximo de financiamento
será de R$ 800 mil. Para mais informações e para obter a ficha de inscrição acesse o link:
http://www.bndes.gov.br/cultura/acervos/default.asp
Fonte: Gestão CT
● Prêmio FINEP de Inovação
O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para premiar esforços inovadores realizados por empresas,
instituições de ciência e tecnologia e organizações sociais brasileiras, desenvolvidos no Brasil e
aplicados no país e no exterior. As propostas vencedoras em cada categoria, em cada região do País,
concorrem entre si à premiação nacional, realizada no final do ano, em Brasília. As inscrições estão
abertas nas categorias Pequena Empresa, Média Empresa, Tecnologia Social e Instituição de
Ciência e Tecnologia. São ainda, duas categorias especiais: Inventor Inovador, na qual são
escolhidos os inventores que mais se destacaram no País, e Grande Empresa, que seleciona, na
carteira de clientes da FINEP, o conjunto de ações desenvolvidas por empresas inovadoras. Além do
troféu, os vencedores poderão receber financiamentos da FINEP para a implementação de projetos de
inovação, que variam de R$ 500 mil a R$ 10 milhões.
http://www2.finep.gov.br/premio/?q=node/35
Para esclarecimento de dúvidas, sugestões ou críticas, entre em contato conosco: Av. Candido de Abreu, 200 4º andar - Centro
Cívico 80530-902 - Curitiba/PR - Fone: 41 3271-9480 – [email protected]
Caso não queira mais receber este boletim eletrônico, envie e-mail para [email protected] com a palavra:
descadastrar
Boletim Eletrônico do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs, sobre a
responsabilidade da Coordenação de Projetos de Articulação Estratégica – SESI/PR
117
Nº. 06 – 21/05/2008
Notícias em Destaque
● ADEOP vai realizar o Plano Diretor de Manfrinópolis
A Agência de Desenvolvimento Regional do Extremo Oeste do Paraná (ADEOP) vai realizar o
Plano Diretor do Manfrinópolis, município do Sudoeste do Paraná. A cidade foi criada em 21 de
dezembro de 1.995 e conta hoje com 2.967 habitantes e 213,2km2 de área. A arquiteta responsável
pelo trabalho vai ser Ana Paula Kozerski.
O Secretário executivo da Agência, Elsidio Cavalcante, disse que com toda a experiência que a
Adeop possui vai procurar organizar a cidade de Manfrinópolis. “O prefeito da cidade, Silomar Elias de
Oliveira, gostou da idéia de a agência realizar o Plano Diretor”. Elsidio lembrou que em poucos dias
deverá ser assinado o contrato para início dos trabalhos.
A arquiteta Ana Paula lembrou que o Plano Diretor é o instrumento básico da política de
desenvolvimento de um Município. “Sua principal finalidade é orientar a atuação do poder público e da
iniciativa privada na construção dos espaços urbano e rural, na oferta dos serviços públicos essenciais,
visando assegurar melhores condições de vida para a população”.
A ADEOP já realizou os Planos Diretores de Mercedes e São José das Palmeiras e está em
andamento os de Serranópolis do Iguaçu, Matelândia, Terra Roxa e Entre Rios do Oeste.
Assessor de Imprensa: Ademir José Jung (45 8406-0108)
Informações: Ana Paula Kozerski na ADEOP pelo 45-3565-3047
● Câmara de Vereadores de São Miguel do Iguaçu aprova as contas da Feanimais
2008
A Câmara de Vereadores aprovou recentemente, por unanimidade, a prestação de contas da
Feanimais 2008, realizada de 03 a 06 de abril, pela prefeitura municipal de São Miguel do Iguaçu com
o apoio técnico da Agência de Desenvolvimento Regional do Extremo Oeste (ADEOP).
Houve uma redução de 25% nos custos do evento em relação à edição anterior e com um público
quase 4 vezes maior e sem a cobrança de ingressos. “Foi proporcionado ao público uma condição
melhor para que os pais gastassem com os seus filhos com diversão e alimentação, fazendo com que o
parque de diversão e os expositores de gastronomia tivessem uma venda recorde”, conta Elsidio
Cavalcante, Secretário Executivo da ADEOP. Ele lembra que a prefeitura municipal com a decisão de
não cobrar ingresso proporcionou um crescimento expressivo do comércio local e lazer ao cidadão de
São Miguel e região, que é o papel principal da prefeitura. Cavalcante lembrou ainda que a prefeitura
municipal gastou dos cofres públicos a metade do que foi gasto na Feanimais anterior, com um
resultado muito maior.
Os negócios na Feanimais 2008 foram espetaculares. “O Banco do Brasil realizou mais de R$
2mi em negócios”, citou Elsidio. Todas as empresas participantes do evento responderam a um
questionário que está anexado à prestação de contas, dando depoimentos unânimes de aprovação do
evento.
É importante que esse formato da Feanimais se mantenha. “Com o sucesso dessa feira temos
certeza que a próxima terá custos menores ainda, porque a adesão de patrocinadores será mais fácil”.
A mudança da data de novembro para abril foi um dos fatores de sucesso da Feanimais. “A
mudança de data é positiva porque a feira no final de ano é ruim para o agronegócio e em abril
coincide com o final das colheitas na região”. A data foi aprovada por unanimidade pelos participantes.
“Isto está incluído no questionário realizado com os participantes, que foi elaborado e executado pelos
acadêmicos da UNIGUAÇU”.
A segurança foi perfeita durante a Feanimais 2008. “Não tivemos nenhum episódio no
ambiente da feira durante o horário de funcionamento”.
Uma das grandes parceiras da Feira foi a Promar, empresa responsável pelos shows. “Com a
experiência que a empresa tem neste tipo de evento, principalmente com os artistas, conseguimos
uma grande redução no valor das contratações”. Elsidio disse que os shows da Feanimais 2008 foram
equivalentes ou até melhores que as demais feiras locais e até que as edições anteriores, porém, com
custos menores.
“Por tudo isso temos certeza do dever cumprido e já aguardamos com ansiedade a próxima
Feanimais”, disse o prefeito de São Miguel do Iguaçu, Nélio Binder, Coordenador Geral da Feira.
Assessor de Imprensa: Ademir José Jung (45 8406-0108)
118
Informações: Elsidio Cavalcante fone 45-3565-3047
Prestação de contas da Feanimais para a
comunidade no CTG Querência Amada
***************************************************************
● Série "O Que O Mundo Pensa" nº. 35
Norte do Paraná, 16 de maio de 2008.
Prezados amigos e parceiros,
Encaminho hoje um artigo do jornal alemão Der Spiegel, que conta sobre o papel dos
especuladores, de grandes fundos de investimento, na crise global de alimentos. Um grupo que
contribui ainda mais para a ascendência dos preços das commodities.
O atual cenário mostra um conjunto de fatores (clima para agricultura, biocombustíveis,
aumento do consumo etc.), que pendem para o mesmo lado, fazendo com que tais preços aumentem,
muitas vezes aparentando nem possuir tantos precedentes para determinado comportamento.
É de grande importância permanecermos de olho nestes acontecimentos, pois com certeza
estamos envolvidos de alguma forma, direta ou indiretamente neste cenário, ainda mais quando
fazemos parte do grande fornecedor do celeiro global. Boa reflexão.
Um forte abraço!
Fernando Lopes Kireeff
Presidente
www.terraroxa.com.br
O papel dos especuladores na crise global de alimentos
Vastas quantidades de dinheiro estão ingressando no mercado global de commodities, elevando
os preços de alimentos básicos como trigo e arroz. Biocombustíveis e secas não são os únicos
responsáveis pela recente crise de alimentos -fundos hedge e pequenos investidores também têm
responsabilidade Beat Balzli e Frank Hornig. Há não muito tempo, Dwight Anderson recebia os
repórteres com braços abertos. Ele gostava de entretê-los com histórias do mundo dos altos
investimentos. Anderson é um administrador de fundo hedge de Nova York e recentemente, em
outubro passado, ele gostava de falar com entusiasmo sobre suas visitas às plantações para óleo de
palma na Malásia e às fazendas de grãos brasileiras. "É possível ver claramente como a oferta está
ficando apertada", ele disse.
Em meados de 2006, Anderson apregoava a "lucratividade extraordinária" de plantações de
milho e soja. Ele estava convencido de que a crescente fome mundial seria sinônimo de alta
lucratividade e barganhas de investimento certas.
Em busca de novos investimentos, Anderson envia dezenas de seus funcionários para visitar
regiões agrícolas ao redor do mundo. De volta a Nova York, na sede de sua empresa no 27º andar de
um prédio comercial na Park Avenue, eles apostam em mercados agrícolas do Peru ao Vietnã.
Mas nas torres acima dos desfiladeiros urbanos de Manhattan, é fácil perder contato com o
solo. O administrador de fundo hedge, John Paulson, recentemente foi celebrado por obter o lucro
anual recorde de US$ 3,7 bilhões. Aqueles que trabalham neste ambiente só têm uma regra: não
decepcione os investidores ávidos por lucros.
"Eu estou constantemente ligado", Anderson costumava dizer, quando falava com os
jornalistas. Seu apelido no setor é "Rei dos Commodities" e seu fundo hedge Ospraie é o maior do
mundo. Atualmente, entretanto, Anderson evita a mídia. Ele até mesmo manteve seu rosto longe da
mídia ao comprar os direitos de todas suas fotos disponíveis no mercado. Seu porta-voz é atualmente
pago, em grande parte, para não dizer nada.
Um mercado quebrado?
Há muitas perguntas a serem feitas a Anderson -em particular sobre o papel dos investidores
internacionais na atual alta dos preços de alimentos básicos. Não apenas comenta-se que os
investidores lucraram com a fome desesperada em Honduras, Filipinas e Bangladesh; os críticos
também se perguntam se os especuladores de commodities estão agravando a crise.
Em Washington, DC, um órgão regulador chamado Comissão de Comércio de Commodities e
Futuros (CFTC, na sigla em inglês) realizou audiências públicas sobre este assunto. Produtores rurais e
de alimentos argumentaram que o mercado estava "quebrado", sugerindo que o aumento acentuado
no preço de alimentos básicos estava prejudicando a todos -tanto produtores rurais quanto as pessoas
119
que alimentam. "O mercado está quebrado, não está funcionando direito", disse Billy Dunavant, chefe
de uma empresa produtora de algodão nos Estados Unidos, na audiência de terça-feira.
Os reguladores da comissão recomendaram contra a intervenção do governo, assim como, sem
dúvida, também recomendariam administradores como Anderson. Mas a crise continua piorando. A
Índia e o Vietnã impuseram proibições de exportação ao arroz comum.
A Indonésia fará o mesmo. Segundo a ONU, a Coréia do Norte está à beira de uma crise
humanitária. Após turbulências terem sacudido países do Egito e Uzbequistão até Bangladesh, milhares
de sul-africanos foram às ruas de Johannesburgo na última quinta-feira para protestar contra as altas
dos preços dos alimentos. No Haiti, o primeiro-ministro perdeu o cargo após os tumultos causados pelo
preço do arroz.
Biocombustíveis e aquecimento global foram culpados pela escassez que está provocando a
alta dos preços dos alimentos, e ambas as tendências tiveram um papel. As reservas de grãos do
planeta estão quase vazias por vários motivos, incluindo crescimento da população mundial e maior
prosperidade em alguns países, como a Índia. O milho está em falta porque os países industrializados o
usaram para etanol. As secas – na Austrália, por exemplo - arruinaram as safras de arroz e trigo. As
reservas mundiais de trigo só são suficientes no momento para cobrir cerca de 60 dias de demanda.
Isto ajuda a explicar por que os preços dos commodities estão subindo desde o início de 2006,
com uma alta de 217% no preço do arroz, 136% no do trigo, 125% no do milho e 107% no da soja.
Mas a teoria clássica de oferta e demanda oferece apenas uma explicação parcial. As altas repentinas
nos preços desde janeiro foram alarmantes. A ONU estima que pelo menos US$ 500 milhões em ajuda
imediata são necessários até 1º de maio para evitar uma fome grave. Cientistas agrícolas da
Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) apresentaram um
relatório sobre a crise mundial de alimentos. E cresce as críticas de que fundos hedge, fundos de
índices, fundos de pensão e bancos de investimento têm parte da culpa.
A história dos futuros
A especulação de commodities se expandiu há muito tempo de produtos-padrão como petróleo
e ouro para qualquer coisa comestível e disponível para negociação na Bolsa de Futuros de Chicago.
Atualmente há contratos futuros para tudo, de trigo e suco de laranja até carne de porco. O mercado
de futuros é uma ferramenta tradicional para agricultores venderem suas colheitas antes do tempo. Em
um contrato futuro, quantidades, preços e datas de entrega são fixados, às vezes bem antes dos
produtos serem plantados. Os contratos futuros permitem aos agricultores e atacadistas de grãos uma
certa proteção contra condições climáticas adversas e flutuações excessivas dos preços. Eles também
podem ajudar um agricultor a planejar quanto plantar em um determinado ano.
Mas agora os especuladores estão tirando proveito deste mecanismo. Eles podem comprar
contratos futuros para trigo, por exemplo, a um baixo preço, apostando que o preço subirá. Se o preço
do grão subir até a data de entrega acertada, eles lucram.
Alguns especialistas agora acreditam que os investidores tomaram conta do mercado, comprando
futuros em níveis sem precedentes e provocando alta nos preços a curto prazo. Desde agosto passado,
este mecanismo fez com que o arroz chegasse ao dobro do preço -incluindo as 500 mil toneladas que o
governo filipino planeja comprar no início de maio para compensar sua própria escassez.
Greg Warner trabalha no setor atacadista de grãos por mais de duas décadas. Seu escritório
fica a um quarteirão da Bolsa de Futuros de Chicago. Ele é um analista da firma AgResource, e ele diz
que o que está acontecendo agora no mercado de trigo é sem precedente.
"O que normalmente temos é um grupo previsível de vendedores e compradores principalmente agricultores e operadores de silos", ele diz. Mas a paisagem mudou desde o ingresso
dos grandes fundos de índices. Os administradores de fundos buscam maximizar seus lucros usando
contratos futuros, diz Warner, "e os preços continuam subindo e subindo".
Ele calculou que os investidores financeiros atualmente detêm os direitos de duas safras anuais
inteiras de um grão específico negociado em Chicago chamado "trigo vermelho de inverno".
Wagner está espantado com estes desdobramentos. Ele os vê como evidência de que o
capitalismo está literalmente consumindo a si mesmo.
'É um ano eleitoral'
Mesmo a CFTC em Washington reconheceu a natureza potencialmente explosiva da questão.
Na audiência de terça-feira, a comissão convocou não apenas produtores rurais, mas também
representantes do banco de investimento Goldman Sachs e grandes investidores como Pimco e AIG
para testemunhar. Um membro da comissão, Bart Chilton, rejeitou a regulação dos investidores,
dizendo: "Estes mercados precisam trabalhar para todos os participantes. Se não houver especuladores
nos mercados, não há liquidez e não há mercado". E o editor de um boletim de commodities, Dennis
Gartman, negou veementemente que os especuladores eram culpados.
"Este é um ano eleitoral", ele disse. "Achar que não teríamos senadores e deputados atribuindo
os altos preços aos especuladores é ingenuidade."
120
Mas algumas regras básicas do mercado parecem ter deixado de funcionar. "O enorme afluxo de
capital fez com que os mercados de futuros não mais refletissem a oferta e demanda", diz Todd Kemp,
da Associação Nacional de Grãos e Alimentos dos Estados Unidos. Ironicamente, os investidores
fizeram suas maiores apostas em alimentos básicos. A informação sobre os gargalos de oferta e fome
no outro lado do mundo não é mencionada nas cotações de mercado.
Um mercador de commodities chamado Christoph Eibl conclui de forma sóbria que os
administradores financeiros só querem "se beneficiar com a escassez destas commodities". A firma de
investimento de Eibl, a Tiberius, com sede em Stuttgart, administra US$ 1,6 bilhão. Seus especialistas
internos estimam que centenas de bilhões de dólares migraram para o setor de futuros como um todo
nos últimos cinco anos, grande parte para commodities agrícolas. Eibl admite que a coisa toda exige
uma "discussão ética". Alguns investidores de
futuros argumentam que não causam alta dos preços no mundo real, porque como regra eles nunca
recebem a entrega de um dado produto -outra parte da economia controla o preço real nas ruas. Mas
os preços dos futuros afetam o comportamento do mundo real (como a formação de estoques) e Eibl
diz que a compra de contratos futuros de arroz, por exemplo, "no final provoca alta nos preços ao
consumidor em países em desenvolvimento como o Haiti".
'Passiva e voltada ao lucro'
Vozes como a de Eibl são raras até agora, talvez porque um boom comparável nas
commodities nunca existiu antes. Especialistas já estão discutindo o que chamam de "superciclo",
provocado pela crescente demanda na China, e por agricultores incapazes, a longo prazo, de atender o
aumento da demanda. O planeta possui uma quantidade finita de terras para agricultura.
O resultado é que mais e mais pequenos investidores estão subindo no vagão das commodities.
Muitos investidores, não diferente dos administradores de fundo hedge, buscam a diversificação de
seus portfólios, em parte por meio de investimento em commodities agrícolas. Do ponto de vista
destes investidores, safras ruins que provocam alta dos preços são boas para seus portfólios. Muitos
investidores não se importam ou simplesmente ignoram o fato de que ao investir no cassino global,
eles podem estar apostando o suprimento alimentar diário das pessoas mais pobres do mundo.
Andreas Grünewald é um astro entre os pequenos investidores na Alemanha. Ele lançou seu Munich
Investment Club (MIC), juntamente com oito colegas estudantes e seu avô, em 1989, com cerca de 15
mil euros de capital inicial. Grünewald, formado em escola de administração e negócios, agora
administra mais de 50 milhões de euros para os 2.500 membros do MIC.
As commodities são um item importante para Grünewald. "Eles são a megatendência da
década", ele diz. Seu portfólio neste setor já vale cerca de US$ 24 milhões. Segundo Grünewald, isto é
apenas o início.
Grünewald diz que deseja "permanecer amplamente concentrado" em água e commodities agrícolas e,
em particular, "expandir estes investimentos se possível". Ele já fez suas apostas em laranja, açúcar e
milho nas bolsas de futuros. Sua aposta em trigo sozinha rendeu um lucro de 93% até o momento.
Ele já planejou seu próximo passo. "O arroz é outro item interessante que poderia muito bem
complementar nosso portfólio", diz Grünewald. Há escassez de escrúpulos no clube de investimento de
Grünewald.
"A maioria de nossos membros é passiva e voltada ao lucro", ele reconhece. Nos eventos
nacionais do MIC, poucas pessoas levantam as conseqüências sociais de seus investimentos. Tumultos
por causa da explosão dos preços do arroz? Organizações de ajuda em estado de alerta? Nada disso
importa muito para os fornecedores preferenciais e apóstolos do lucro na comunidade dos pequenos
investidores. O setor financeiro regularmente introduz novos "produtos" de investimento para cada
setor atraente, independente de quão questionáveis.
O gigante financeiro ABN Amro é particularmente adepto de obter lucro no atual mercado.
Como provedor de produtos de investimento em commodities para investidores privados, o ABN Amro
se tornou em março passado o primeiro banco a oferecer certificados que permitem aos pequenos
investidores apostarem na alta dos preços do arroz na Bolsa de Futuros de Chicago.
O departamento de marketing do banco reagiu com precisão fria às manchetes sobre a fome ao
redor do mundo. Há duas semanas, quando especialistas alertaram sobre a crise de fome iminente e a
instabilidade política associada a ela, o ABN Amro apresentou uma nova campanha publicitária em seu
site. Com a proibição pela Índia da exportação de arroz, dizia o anúncio, a oferta mundial de arroz caiu
ao mínimo: agora o ABN Amro está possibilitando, pela primeira vez, investir no alimento básico mais
importante da Ásia.
Apresentar um produto de investimento durante um gargalo de oferta que tem provocado tumultos?
Os banqueiros do ABN Amro são realmente aqueles contadores de centavos inescrupulosos clichês?
"Nós estamos cientes das atuais discussões relacionadas às commodities agrícolas", diz Önder Ciftci,
chefe do setor de certificados alemães do ABN Amro. Mas ele não está interessado em uma discussão
de ética. "Nós produzimos as semeadeiras, mas outros precisam semear", ele diz.
121
O ABN Amro realmente semeou uma fonte substancial de lucros. No intervalo de apenas três
semanas, os investidores obtiveram retornos de mais de 20%. O número de contratos futuros
negociados em Chicago foi às alturas.
Nenhum alimento?
Jim Rogers, o ex-sócio do lendário investidor e filantropo George Soros, talvez seja o investidor
mais conhecido em fundos de commodities. Ele começou a transferir seu dinheiro para commodities
nos anos 90.
Em suas viagens ao redor do mundo, ele percebeu que quase tudo, de níquel ao cacau, está
em falta em uma economia globalizada.
Ele tem apostado nas altas dos preços desde então. Isto teve um impacto em todo o setor,
porque o Índice Internacional de Commodities Rogers é um referencial para inúmeros fundos. Estas
máquinas de fazer dinheiro atraíram bilhões em investimentos nos últimos anos e parte do dinheiro foi
colocado em contratos futuros, aquecendo ainda mais os preços.
Mas agora Rogers, entre todas as pessoas, está alertando: "A menos que algo aconteça logo, nós
veremos pessoas sem receber comida alguma, a nenhum preço. Este é o tipo de coisa sobre a qual
lemos em livros de história, mas agora tenho medo de que poderá acontecer em breve".
Mas do seu ponto de vista, a calamidade não é culpa de investidores como ele, mas das
políticas dos países em desenvolvimento -como a imposição de proibições de exportação e o
estabelecimento de tetos para os preços. Isto priva os produtores rurais, que enfrentam custos cada
vez maiores de itens necessários como combustíveis e fertilizantes, de qualquer incentivo para produzir
mais arroz.
"Eu acho que esta postura é moralmente repreensível", diz Rogers. "Estes governos prefeririam
deixar as pessoas passarem fome do que permitir um aumento natural dos preços." A remoção dos
controles de preços, ele diz, é a única forma de aumentar novamente os níveis de produção de arroz.
Os produtores, afinal, não dariam seu arroz aos pobres, diz Rogers. Mas ele não explicou como
os pobres pagariam pelos preços mais altos. Quem sabe este seja um problema para os políticos?
Tradução: George El Khouri Andolfato
***************************************************************
Editais
● Fundação Araucária lança edital de R$ 1,4 milhão para apoio a eventos
A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Estado do
Paraná, instituição associada à ABIPTI, está recebendo propostas para a chamada de projetos 05/2008
- Programa de Apoio à Participação em Eventos Técnico-Científicos. Os recursos são da ordem de R$
1,4 milhão.
O objetivo da chamada é apoiar financeiramente a participação de docentes e pesquisadores
em eventos técnico-científicos relevantes a serem realizados no Brasil ou no exterior. O apoio será
para eventos que aconteçam no período de 1º de junho de 2008 a 31 de julho de 2009.
Serão aceitos projetos em duas modalidades. A primeira (A) será para projetos institucionais e
a segunda (B) para projetos individuais. As propostas institucionais devem cumprir um prazo para o
envio dos pedidos de apoio conforme descrito no edital, que varia de acordo com a data do evento. Já
para o apoio individual, as propostas devem ser remetidas à fundação com pelo menos 45 dias de
antecedência do evento.
Cada projeto poderá solicitar até R$ 6 mil para participação em eventos no exterior e até R$
2,5 mil para eventos no Brasil. Confira a íntegra do edital no link:
http://www.fundacaoaraucaria.org.br/chamadas/chamadas2008/CP05-2008.pdf
Fonte: Gestão CT
● FINEP - R$ 450 milhões para empresas investirem em inovação
A FINEP lançou nesta terça-feira (13) uma linha de financiamento de R$ 450 milhões destinada
à inovação em pequenas, médias ou grandes empresas que se adequarem às regras do Edital de
Subvenção Econômica publicado no site da Financiadora do Ministério da Ciência e Tecnologia (veja o
edital e o formulário de Pré-análise).
Os financiamentos são não-reembolsáveis, ou seja, as empresas selecionadas não precisam
devolver o dinheiro recebido. "A Subvenção é um instrumento já amplamente utilizado pelos países
122
centrais para subsidiar a inovação e o Brasil carecia desse instrumento", observa Luis Fernandes,
presidente da FINEP.
"Esse já é o terceiro edital de subvenção lançado pela FINEP. Até o momento, já foram
disponibilizados R$ 588 milhões, que beneficiaram 321 projetos", lembra o diretor de Inovação da
Financiadora, Eduardo Costa. A Subvenção Econômica é uma modalidade de financiamento
regulamentada no Brasil pela Lei da Inovação. "Foi um grande passo para a modernização dos
instrumentos de fomento à inovação nas empresas", completa Luis Fernandes.
Como concorrer ao financiamento
O edital contempla seis áreas estratégicas: Tecnologias da Informação e Comunicação;
Biotecnologia; Saúde; Programas Estratégicos; Energia e Desenvolvimento Social. A seleção das
empresas candidatas ao programa de Subvenção Econômica 2008, anunciado nesta segunda-feira
(12), na presença do presidente Lula, durante o lançamento da nova política industrial, no Rio,
acontecerá em duas etapas.
Na primeira (Fase 1), as propostas serão apresentadas, até o dia 30 de junho, em formulário
eletrônico simplificado, que deverá estar disponível no site da FINEP a partir do fim da tarde do dia
13/5. Nele, serão descritos o tipo de produto, serviço ou processo inovador a ser desenvolvido com os
recursos da subvenção, os impactos econômicos e sociais do projeto e a qualificação da equipe
executora.
O resultado da Fase 1 está previsto para o dia 4 de agosto. Na Fase 2, apenas as empresas
selecionadas deverão encaminhar o projeto detalhado à FINEP, o que também acontecerá por meio
eletrônico até o dia 1º de setembro. O resultado desta última etapa está previsto para o dia 6 de
outubro. A partir daí, começa então um curto período para a apresentação de recursos pelas empresas
que tiveram as suas propostas recusadas. O resultado final, com a divulgação da lista das empresas
contempladas no site da FINEP, está previsto para o dia 17 de outubro. Os prazos estão sujeitos a
alterações.
O valor mínimo de cada projeto será de R$ 1 milhão com prazo de execução de 36 meses.
Haverá, ainda, uma contrapartida que ficará entre 5% e 20% do valor total do projeto no caso de
empresas menores, e entre 100% e 200% para empresas de médio e grande porte.
Além do enquadramento do projeto nos temas específicos das seis áreas definidas no edital, a
comissão julgadora levará em consideração o grau de inovação da proposta em relação a outras
soluções existentes, o impacto no mercado, a importância para a sociedade e a capacidade técnica da
equipe envolvida no desenvolvimento do produto, serviço ou processo.
Ainda segundo o edital, 40% dos recursos vão apoiar empresas pequenas e 30% do total serão
destinados às regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Apenas no caso de não haver demanda
qualificada nessas regiões, os recursos serão remanejados para apoio aos demais projetos aprovados.
O que será apoiado
Na área de TI e Comunicação, por exemplo, serão apoiados projetos de software e de conteúdo
inovador para novas mídias, como aparelhos celulares, novos dispositivos de acesso à internet e TV
Digital.
Nesse caso, estão previstos, ainda, desenvolvimentos de sistemas ou antenas de transmissão
de sinais digitais compatíveis com o sistema brasileiro. No setor de telecomunicações, serão priorizadas
novas plataformas e componentes inovadores para redes de comunicações ópticas e sem fio.
Em Biotecnologia, serão priorizados produtos com alto potencial terapêutico, obtidos a partir de
princípios ativos existentes em espécies da biodiversidade brasileira, e bioinseticidas para controle de
pragas provocadas por insetos transmissores de doenças, como a dengue, malária e febre amarela.
O setor de Saúde abrange dispositivos para diagnósticos, prognósticos e ferramentas
terapêuticas para doenças negligenciadas e câncer; desenvolvimentos de moléculas com alto potencial,
como insulina humana, calcitonina e hormônios; componentes e equipamentos para
telemedicina e telessaúde, ultrasom e hemodiálise; e aparelhos auditivos.
Os Programas Estratégicos englobam desenvolvimento, integração e implantação de sistemas
de posicionamento para navegação, controle e guiamento, tipo simuladores, além de materiais
emissores de elétrons e de alta densidade energética, assim como processos industriais para fabricação
de peças e sistemas estruturais em fibras de carbono, semicompósitos e cerâmicas.
Na área de Energia serão apoiados projetos para aproveitamento da palha da cana na cadeia
do etanol, extração de óleos de palmáceas e pinhão manso para produção de biodiesel em pequena
escala e fabricação de válvulas submarinas utilizadas na exploração de petróleo e gás em águas
profundas.
E por último, o edital vai contemplar soluções inovadoras para acesso de baixo custo à internet
em banda larga e habitação de interesse social, além de equipamentos e dispositivos destinados a
facilitar o dia-a-dia de portadores de deficiências.
123
Todas as áreas terão disponíveis R$ 80 milhões para apoio a projetos inovadores, com exceção
apenas do setor de Desenvolvimento Social, que contará com R$ 50 milhões.
Mais informações no site: http://www.finep.gov.br
Fonte: FINEP
● Espanha seleciona projetos de cooperação com brasileiros
O Ministério da Educação e Ciência (MEC) da Espanha está selecionando projetos de
cooperação entre departamentos universitários espanhóis e brasileiros. O prazo final para o envio de
propostas é 31 de maio.
O objetivo é apoiar o desenvolvimento de projetos conjuntos entre os dois países em áreas
científicas de interesses aos departamentos universitários. As propostas devem seguir alguns objetivos.
Entre eles, o desenvolvimento de condições favoráveis para a cooperação duradoura de professores em
áreas de interesse comum, e a formação e o aperfeiçoamento de recursos humanos qualificados nos
programas conjuntos.
Serão duas modalidades de apoio. A primeira para a mobilidade de pesquisadores doutores
entre os dois países e a segunda para o desenvolvimento de eventos científicos. Serão consideradas as
seguintes áreas prioritárias para as propostas: educação; psicologia; meio ambiente e ciências do mar;
biologia; ciências tecnológicas; química; matemática; agricultura e controle de pragas; e ciências do
esporte.
A convocatória está disponível no link:
http://www.upf.edu/rece/convoc/resum/rei3786.htm
Fonte: Gestão CT
Programa ADR SESIPR
Equipe:
Maria Cristhina de S. Rocha - [email protected]
Osny Taborda Ribas Júnior - [email protected]
Karina Fontinelli Lubaszewski - [email protected]
Tarás Antônio Dilay – [email protected] (Jornalista Responsável).
124
Boletim Eletrônico do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs, sobre a
responsabilidade da Coordenação de Projetos de Articulação Estratégica – SESI/PR
Nº. 07 – 26/05/2008
Notícias em Destaque
● Global Fórum América Latina acontecerá em Curitiba
Curitiba será palco do encontro Global Fórum América Latina (GFAL) e acontecerá entre os dias
18 e 20 de junho. O evento, que reunirá universidades, empresas, poder público e sociedade civil,
busca repensar o papel da educação para os negócios, com foco na sustentabilidade, inserindo o tema
da melhor maneira possível, nas agendas das organizações.
O encontro apresentará 86 resumos científicos e relatos empresariais, que foram escolhidos,
por doutores selecionados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), dentre 120 inscritos.
Os temas apresentados no Fórum vão desde: tecnologias limpas, empreendedorismo e
tecnologias sociais, até políticas públicas e os desafios da sustentabilidade.
Informações: http://www.globalforum.com.br
A pergunta-chave para o GFAL
Por que uma empresa deveria perder tempo, mudar ou ampliar o foco de suas preocupações
estratégicas e gastar preciosos recursos para mexer com coisas que, aparentemente pelo menos, não
aumentam o retorno sobre seus investimentos, como desenvolvimento local e setorial, redes e
democracia, voluntariado e política?
“Esta é a pergunta-chave que não pode faltar no GFAL e sobre ela deveríamos nos debruçar.” Augusto
de Franco.
http://augustonogfal.blogspot.com
● Pólo RS - Cultura do planejamento estratégico avança em direção ao interior do
Estado
A organização da região como um todo em prol do desenvolvimento. Esse foi o objetivo do
encontro Planejamento Estratégico Regional: em busca da visão de futuro, realizado ontem no centro
de eventos da UPF e organizado pela agência de Desenvolvimento Pólo RS. Com a estrutura do Corede
(Conselho Regional de Desenvolvimento) Produção foi possível contar com mais de 300 pessoas,
representando os 23 municípios que compõem a entidade. Conforme o presidente do Corede, Eduardo
Finamore, uma das metas do evento foi estabelecer assuntos que integrarão um mapa estratégico para
o desenvolvimento econômico e social da região da Produção, por meio de consulta à sociedade sobre
as prioridades da região.
O encontro foi divido em três etapas: a primeira delas reuniu os grupos heterogêneos, quando
várias lideranças definiram prioridades gerais; a segunda etapa foi a dos grupos homogêneos, em que
cada segmento pôde apontar as suas prioridades; na terceira etapa foram tomadas as decisões gerais
sobre as discussões.
O coordenador dos trabalhos, Paulo Machado, da Agência Pólo RS, mostrou-se impressionado
com a grande participação dos representantes de cada município. "Aqui estão lideranças comunitárias,
empresariais, eclesiásticas, da área da educação e do trabalho. Isso ajuda na reflexão e na construção
da agenda estratégica", destacou. Conforme ele, os diversos resultados do evento serão priorizados
por meio de entrevistas com as lideranças dos diversos segmentos e de uma consulta popular.
Ronald Krummenauer, diretor executivo da Agência Pólo RS, exemplificou o processo como
sendo o projeto de uma família que almeja comprar uma casa com piscina daqui a cinco anos. Para
isso é necessário planejamento, esforço e organização, elencando o que se deve ou não fazer.
Para a prefeita de Ernestina, Diná da Silva, a comunidade regional correspondeu ao
chamamento do conselho, que tinha o encontro como prioridade. Segundo a chefe do Executivo, o
125
levantamento de dados é fundamental para que se trace o futuro de uma maneira correta e
organizada. Conforme ela, Ernestina sinalizou, entre as possibilidades de maior desenvolvimento, o
setor primário e o turismo. "O agronegócio é a economia básica do município, mas o turismo é uma
indústria em desenvolvimento", explicou.
Após as entrevistas com as lideranças e a consulta popular os resultados serão repassados ao
governo do Estado e à Assembléia Legislativa, para que o apoio do poder público seja direcionado para
as demandas necessárias.
Agenda 2020
A Agenda 2020 surgiu em 2006 e pretende unir os gaúchos no planejamento de um futuro
melhor, por meio de ações em 11 áreas diferentes. Entre elas estão saúde, segurança, educação e
infra-estrutura.
http://www.agenda2020.org.br/integra-noticia.php?id=726
***************************************************************
Artigos
● Quatro lições do Desenvolvimento Local Carta Rede Social 151
‘Carta Rede Social’, ex-‘Carta Capital Social’ (e antiga ‘Carta DLIS’) é uma comunicação pessoal
de Augusto de Franco enviada quinzenalmente, desde 2001, para mais de 5.000 agentes de
desenvolvimento e outras pessoas interessadas no assunto, de todo o Brasil.
Quem quer articular e animar redes sociais deve resistir às quatro tentações seguintes: de
fazer redes de instituições (em vez de redes de pessoas), de ficar fazendo reunião para discutir e
decidir o que os outros devem fazer (em vez de, simplesmente, fazer), de tratar os outros como
“massa” a ser mobilizada (em vez de amigos pessoais a serem conquistados) e, por último, de querer
monopolizar a liderança (em vez de estimular o fenômeno da emergência da multiliderança).
Prezado (a) leitor (a)
Participei como muitos sabem, durante os anos de 1998 a 2002, de um programa de indução
ao desenvolvimento local promovido pelo governo federal em parceria com o SEBRAE. Esse programa,
chamado Comunidade Ativa, aplicava uma metodologia chamada DLIS – Desenvolvimento Local
Integrado e Sustentável.
Continuo, de lá para cá, tentando promover o desenvolvimento local sob várias formas e
denominações diversas. Nesses novos trabalhos, eu mesmo e pessoas que trabalham comigo temos
nos deparado com dúvidas, sobretudo da parte daqueles que, no passado, participaram da iniciativa
mencionada acima.
Como se sabe, houve uma certa descontinuidade nesses trabalhos depois de 2002. Isso
desapontou muitas pessoas que acreditaram nas instituições que os promoviam. A descontinuidade
administrativa é uma das mazelas do nosso sistema político. Quem está chegando não quer saber o
que foi feito de bom por quem está saindo. E, em geral, atua irresponsavelmente, às vezes até
destruindo o que foi feito para apagar a marca do governante anterior (e esse não era o caso do DLIS
– que sempre se baseou numa articulação mais ampla – mas o atual governo achou que era), sem se
importar com as populações envolvidas.
Nas novas iniciativas de promoção do desenvolvimento local em que estou envolvido, tenho
procurado incorporar algumas lições importantes que aprendi nestes últimos cinco anos e que começo
a
compartilhar
agora
com
os
interessados.
PRIMEIRA LIÇÃO | Em primeiro lugar, não se pode promover o desenvolvimento sem fazer
política. Existem muitas evidências de que os problemas ocorridos em programas de indução ao
desenvolvimento local são, em sua maior parte, de natureza política. Os casos são variados: às vezes é
o prefeito que não acredita ou tem medo, ou o governador que não quer, ou um outro chefe político
que não vê com bons olhos o surgimento de novas lideranças que tendem a crescer em visibilidade e
credibilidade. Às vezes são as instituições locais que não se entendem e disputam o tempo todo entre
si em um clima adversarial, ninguém querendo colocar azeitona na empada do outro. E às vezes são
vaidades pessoais que atrapalham tudo, quando as lideranças da localidade se comportam como se
estivessem em um concurso de beleza. Para contornar tais problemas precisamos fazer política,
exercitar nossa capacidade de articulação política. Essa capacidade não é inata, não é assegurada por
um gene, mas tem que ser adquirida (e pode ser aprendida).
126
SEGUNDA LIÇÃO | Em segundo lugar, não se pode colocar nas mãos de uma instituição (seja
ela qual for, governamental ou não) a responsabilidade por promover processos de desenvolvimento
local. Se fizermos isso, com toda a certeza, mais cedo ou mais tarde, teremos problemas. Pois nada
garante que uma instituição manterá a mesma linha de atuação e a mesma disposição de investir
recursos humanos, materiais ou financeiros. Pode acontecer, por exemplo, de mudarem os dirigentes
dessa instituição (como é normal e desejável). Aprendemos, às custas de algum sofrimento, que o
desenvolvimento local deve ser local mesmo. Ou seja, não pode ser patrocinado ou apadrinhado por
ninguém de fora. A rigor, nem de dentro. Se isso ocorrer, as pessoas não assumirão suas
responsabilidades, nem se virarão para captar novos recursos, pois ficarão esperando alguma coisa
que virá de fora ou de cima. Ora, se for assim, não tem desenvolvimento local, que é – por definição –
capacidade de identificar ativos internos, dinamizar potencialidades endógenas e aproveitar
oportunidades a partir de uma inteligência coletiva formada localmente. O que fazer então para
resolver esse problema? Não há outro caminho senão constituir parcerias entre instituições e pessoas
da própria localidade, mobilizando amplo voluntariado local. Se isso não for possível, também não será
possível promover o desenvolvimento local. E, assim, não devemos perder tempo tentando fazer o
impossível: é melhor ir logo cuidar de outra coisa.
TERCEIRA LIÇÃO | Em terceiro lugar, não se pode deixar o trabalho de indução do
desenvolvimento local nas mãos de um conjunto de instituições (mesmo que sejam instituições locais).
Ou seja, o sujeito impulsionador do desenvolvimento local não pode ser um conjunto de instituições
(mesmo que queiramos, indevidamente, chamar tal conjunto de “rede” – pois que, em geral, não é
rede coisa nenhuma e sim uma frente de instituições hierárquicas, cada qual com seu interesse
particular no processo, interesse que, muitas vezes, não casa perfeitamente com os objetivos mais
gerais do processo). Assim, aprendemos também a não apostar tudo apenas em Fóruns ou Agências de
Desenvolvimento constituídos por representantes de instituições, a não ser que essas instâncias
estejam suficientemente capilarizadas, ligadas no dia-a-dia das pessoas da localidade. Se fizermos isso
acabaremos constituindo um grupinho mais ou menos isolado da população e, passado algum tempo,
começaremos a reclamar que faltam recursos para contratar pessoas ou que ninguém vem na reunião,
que está todo mundo muito ocupado com seus próprios assuntos, que ninguém quer colaborar com o
coletivo. Para resolver esse problema descobrimos a solução da rede de desenvolvimento local (ou
rede do desenvolvimento comunitário). Se estamos querendo induzir o desenvolvimento em uma
localidade a partir dos recursos da própria localidade (outra boa definição de desenvolvimento local),
então temos que ter, no mínimo, 1% das pessoas dessa localidade envolvida no processo. Só assim
teremos a capilaridade suficiente para mobilizar contingentes maiores de voluntários. Só assim não
ficaremos isolados da população, sem condições de disseminar mensagens molecularmente pela rede e
sem condições de alavancar recursos novos que farão toda diferença.
Resumindo as três primeiras lições aprendidas: 1º) A indução do desenvolvimento local é um
processo político, que exige muita articulação política para se concretizar; 2º) O desenvolvimento local
não pode ter pai, padrinho ou patrocinador externo ou interno; 3º) O sujeito do desenvolvimento local
é a rede social que existe na localidade e nosso papel (como agentes de desenvolvimento) não é fazer
as coisas pela população e sim aumentar a conectividade e o grau de distribuição dessa rede,
incorporando as pessoas – não como massa, mas uma-a-uma – no exercício compartilhado de visão de
futuro, na elaboração do plano de desenvolvimento, na formulação da agenda de prioridades e na
realização dessas prioridades.
Tudo indica que, se conseguirmos fazer isso, teremos mais chances de obter uma combinação
virtuosa de esforços de todos os setores – governamentais, empresariais e sociais – e de uma boa
parcela das pessoas (enquanto indivíduos mesmo, voluntários) na tarefa de promover o
desenvolvimento da localidade em que atuamos. Se não conseguirmos, infelizmente, nossas chances
serão bastante reduzidas.
No entanto, alguns leitores destas cartas me perguntam como proceder em relação às redes
sociais. Como articulá-las e animá-las? Andamos quebrando a cabeça com esse problema e, a partir do
infalível (e insubstituível em uma democracia) processo de tentativa-e-erro, também aprendemos
alguma coisa (que tento resumir abaixo, na forma de uma quarta lição):
QUARTA LIÇÃO | Quem quer articular e animar redes sociais deve resistir às quatro tentações
seguintes: de fazer redes de instituições (em vez de redes de pessoas), de ficar fazendo reunião para
discutir e decidir o que os outros devem fazer (em vez de, simplesmente, fazer), de tratar os outros
como “massa” a ser mobilizada (em vez de amigos pessoais a serem conquistados) e, por último, de
querer monopolizar a liderança (em vez de estimular o fenômeno da emergência da multiliderança).
Resistir à tentação de fazer redes de instituições (entidades, organizações). Muitas
vezes é necessário, para começar um projeto ou mesmo para dar respaldo à sua implantação, reunir
instituições em torno de um propósito. Pode-se até chamar esse conjunto de instituições de rede. No
entanto, redes propriamente ditas, ou seja, redes distribuídas, não podem ser compostas por
instituições hierárquicas (centralizadas ou descentralizadas, quer dizer, multicentralizadas). Redes
127
distribuídas devem ser de pessoas (P2P). Portanto, é necessário conectar as pessoas diretamente à
rede, mesmo que essas pessoas ainda imaginem estar ali representando suas instituições. Ocorre que
um membro conectado à rede não pode ser substituído por outro membro da mesma instituição
(nenhuma pessoa é substituível em uma rede). Além disso, as redes devem ser compostas pelas
pessoas que queiram delas participar, independentemente de estarem ou não “representando”
instituições (redes não são coletivos de representação, mas de participação direta – sem mediações de
instituições hierárquicas).
Resistir à tentação de fazer reuniões de discussão ou de deliberação com os membros
da rede. Rede é uma forma de organização não-baseada no ajuntamento, no arrebanhamento, no
confinamento de pobres coitados numa salinha fechada, onde, em geral, se discute o que outros (que
não estão ali) devem fazer. Sim, pois se for para fazer alguma coisa, então não se trata de reunião de
discussão e sim de atividade coletiva. Outra coisa nociva é a tal da reunião para decidir, sobretudo pelo
voto. Isso é um desastre. Se houver necessidade de votar para decidir é sinal de que o assunto não
está maduro. Se estivesse, a solução se imporia naturalmente.
Ter sempre presente que fazer rede é fazer amigos. Tão simples assim. Então as pessoas
devem estabelecer comunicações pessoais entre si, uma-a-uma. Cada membro da rede é um
participante único, insubstituível, totalmente personalizado, que deve ser tratado sempre pelo nome,
valorizado pelo que tem de peculiar, incluído pelo reconhecimento de suas potencialidades distintivas.
Nada, portanto, de circulares impessoais, panfletos, chamamentos coletivos. Nada de mobilização de
massa. Quem gosta de massa são os candidatos a condutores de rebanhos, que estabelecem uma
relação vertical, autoritária e paternalista com o povo.
Levar em conta que rede é um campo para a emergência do fenômeno da
multiliderança. Cada um pode ser líder em algum assunto de que goste, domine e a partir do qual
seja capaz de propor iniciativas que são acolhidas voluntariamente por outros. Redes não podem ter
líderes únicos, líderes de todos os assuntos, dirigentes autocráticos que tentam monopolizar a
liderança
e
impedir
que
os
outros
a
exerçam.
Augusto de Franco
[email protected]
http://www.augustodefranco.org/
***************************************************************
Editais
●
Credenciamento das Instituições de Pesquisa e Desenvolvimento
A ANP informa que se encontra aberto o processo de "CREDENCIAMENTO DAS INSTITUIÇÕES
DE P&D".
Pelo disposto na Cláusula de Investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento da Lei 9.478/97, o
credenciamento é condição fundamental para que o concessionário possa investir nas instituições de
P&D.
O credenciamento consiste no reconhecimento formal de que a instituição atua em áreas de
relevante interesse para indústria do petróleo, gás natural e biocombustíveis e/ou segmentos
correlatos, como meio ambiente, energia e formação de recursos humanos, com reconhecida
idoneidade e competência tecnológica e posse de infra-estrutura e condições operacionais para a
execução das atividades de pesquisa e desenvolvimento, relacionadas ao grupo de serviços
credenciados.
A sistemática de credenciamento obedece às regras, às condições e aos requisitos técnicos
estabelecidos pela Resolução 34/2005 e respectivo Regulamento Técnico ANP nº. 6/2005.
Quem pode solicitar o credenciamento
Qualquer instituição (departamento, laboratório e outros) pertencente a entidades como
universidades, institutos tecnológicos e centros de pesquisa, públicos ou privados estabelecidas no
Brasil, de comprovada competência técnica e cientifica para prestação de serviços tecnológicos nas
áreas de petróleo, gás natural e correlatas.
Será permitido o credenciamento de instituições associadas para subcontratação de serviços,
desde que estes departamentos, laboratórios e outros pertençam à mesma entidade da instituição
solicitante.
http://www.anp.gov.br/p&d/cred_inst_ped.asp
128
● Biotech lança convocatórias para projetos integrados em quatro áreas
A Unidade Gestora do Programa de Apoio ao Desenvolvimento de Biotecnologias no Mercosul
(Biotech), por meio da Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do
Ministério da Ciência e Tecnologia (Seped/MCT), disponibilizou convocatórias para projetos integrados
em quatro áreas.
Segundo o MCT, nessa primeira etapa serão destinados 3 milhões de euros, distribuídos de
forma equivalente para os projetos em cadeias bovina, de oleaginosas, florestal e aviária.
Ao todo, o Biotech contará com recursos da ordem de 7,3 milhões de euros, sendo 1,3 milhões
de euros o valor da contrapartida dos países do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) e
o restante aplicado pela Comunidade Européia.
Os projetos integrados têm por objetivo promover o desenvolvimento de conhecimentos e
aplicações biotecnológicas voltados para a solução de problemas e limitações produtivas e de
competitividade registradas nas cadeias produtivas estabelecidas nos editais.
Os projetos devem ter como base a mobilização e a reunião de equipes de pesquisa,
universidades, associações setoriais e empresas, garantindo a formação de recursos humanos nas
áreas definidas como prioritárias para a região. Os projetos devem buscar resultados concretos e
duradouros.
Os recursos poderão ser aplicados no desenvolvimento de novas técnicas e processos, na
melhoria na competitividade das pequenas e médias empresas com base tecnológica na região, na
melhoria na competitividade e de condições de acesso ao mercado de cadeias estratégicas dentro do
comércio internacional da região e na obtenção de patentes ou certificações de processos e produtos.
Mais informações: www.mct.gov.br/index.php/content/view/71874.html
Programa ADR SESIPR
Equipe:
Maria Cristhina de S. Rocha - [email protected]
Osny Taborda Ribas Júnior - [email protected]
Karina Fontinelli Lubaszewski - [email protected]
Tarás Antônio Dilay – [email protected] (Jornalista Responsável).
Para esclarecimento de dúvidas, sugestões ou críticas; entre em contato conosco: Av. Candido de Abreu, 200 4º andar - Centro
Cívico 80530-902 - Curitiba/PR - Fone: 41 3271-9480 – [email protected]
Caso não queira mais receber este boletim eletrônico, envie e-mail para [email protected] com a palavra:
descadastrar.
129
Nº. 08 – 05/06/2008
Notícias em Destaque
● Coordenadores discutem desenvolvimento turístico regional
Na última segunda-feira, 26, nas dependências da Agência de Desenvolvimento Regional do
Sudoeste do Paraná, representantes e membros da Coordenação da Governança da Regionalização da
Região Turística Sudoeste participaram de uma oficina de planejamento estratégico. Na ocasião, foram
discutidos processos de desenvolvimento turístico regional, estadual e nacional.
De acordo com Deise Bezerra, Coordenadora de Planejamento Turístico da Secretaria de Estado do
Turismo, a Oficina de Planejamento Estratégico das Governanças Regionais do Estado do Paraná faz
parte de um convênio firmado entre o Ministério do Turismo, a Secretaria do Estado do Turismo, e do
Sebrae-PR. O objetivo da oficina é estabelecer, ou atualizar, os planos de desenvolvimento regional do
turismo. "A gente está fazendo essa oficina nas dez regiões turísticas do Paraná. Pretendemos nivelar
informações e depois analisar um plano de ação que foi feito, aqui [no sudoeste], em 2005. A partir
dessa análise, do que foi feito, do que evoluiu ou não, traçaremos as novas diretrizes, até 2010", diz
Deise.
Turismo na Região
Para Deise, o turismo, aqui no sudoeste, ainda está longe de ser a principal atividade
econômica, mas pode vir a ser, em um curto espaço de tempo, uma grande oportunidade de emprego
e renda. "Estamos classificando todos os municípios do Estado do Paraná, identificando as
potencialidades individuais para o mercado do turismo regional, estadual, nacional ou internacional.
Atualmente, os atrativos turísticos ainda são voltados mais para o mercado estadual", pondera. Deise
faz uma previsão que, em um prazo mínimo de dois anos, o sudoeste já poderá ter alguns produtos
turísticos voltados para o mercado nacional.
Turismo Rural
No Sudoeste, uma das principais atividades turísticas em desenvolvimento é o turismo rural.
Em Francisco Beltrão, projetos como o Caminhos do Marrecas, e em Capanema Doce Iguassu, atraem
um bom público urbano ao meio rural. Na avaliação da Coordenadora, o segmento está sendo muito
bem explorado, no sudoeste. Para ela, o turismo rural é uma força para a região. Contudo, a
possibilidade de haverem outros atrativos turísticos não pode ser descartada. "O que a gente não
gostaria é que a região tivesse só um segmento. Isso não é bom. Na realidade, o ideal é que a região
procure alternativas: a questão de turismo de aventura, turismo cultural, gastronômico e de negócios e
eventos, por exemplo".
Turismo no Paraná
Segundo estudos feitos pela Secretaria de Estado do Turismo (SETU), o Paraná possui um fluxo
de sete milhões e meio de pessoas, fazendo turismo. Mas, esse fluxo, na realidade, é originado, em
sua maioria, por pessoas do próprio Estado. A maioria dos atrativos turísticos do Paraná tem âmbito
regional ou estadual, e possuem segmentos, em desenvolvimento, como Ecoturismo, Turismo Cultural
e Negócios e Eventos. Entretanto, o Estado também entra em roteiros internacionais. "Hoje, nós temos
três municípios que entram em roteiros internacionais. Foz do Iguaçu, em função do Parque Nacional
do Iguaçu; Curitiba; e a ilha do Mel, no município de Paranaguá", comenta Deise.
Dica
Para quem ainda está em dúvida sobre o roteiro de suas férias, seja de meio ou final de ano,
Deise deixa uma dica. O Estado do Paraná conta com um site, onde o internauta encontra vários
roteiros turísticos. O site contém a relação de todos os municípios do Estado, e quais são os atrativos
turísticos de cada um deles. Na seção "Rotas e Roteiros Turísticos", os interessados encontram alguns
dos principais caminhos turísticos do Estado. Segundo a própria definição do site, são destinos prontos
para receber o turista desde um simples final de semana, uma reunião de negócios, ou longas férias.
O endereço é: www.paranaturistmo.pr.gov.br
130
AI - Rafael Barzotto
Agência de Desenvolvimento Regional do Sudoeste
● ADEOP representa o Brasil no Fórum do Mercosul
Esteve reunido no último dia 19, em Formosa na Argentina, o Grupo de Integração Fronteiriça
do Mercosul com o objetivo de se preparar para o Seminário sobre temas de fronteira que vai
acontecer nesta mesma cidade nos dias 05 e 06 de junho com os integrantes do Foro Consultivo de
Municípios, Estados Federados, Províncias e Departamentos do Mercosul, onde serão discutidos os
problemas que afligem os habitantes de todas as fronteiras do Mercosul.
A Agência de Desenvolvimento Regional do Extremo Oeste do Paraná (ADEOP) esteve presente
à reunião, já que é a entidade que dá suporte técnico ao Conselho dos Municípios Lindeiros ao Lago de
Itaipu nas questões do Mercosul, através de seu Secretário Executivo Elsidio Cavalcante. Elsidio
destacou que o grupo está trabalhando com uma série de questões pendentes de fronteira. “Questões
de saúde como a dos brasiguaios que são atendidos no Brasil e da circulação de pessoas entre os
países fronteiriços são alguns dos problemas levantados”.
O Secretário Executivo da ADEOP destacou ainda, que um dos objetivos do encontro foi
contribuir para o fortalecimento e a consolidação do Mercosul. “Discutir e resolver os temas pendentes
de fronteira e promover a participação dos governos locais e regionais no processo de integração do
Mercosul tem que ser prioridade”.
Elsidio citou também que se pretende buscar agilidade para a implantação da hidrovia TietêParaná e a ligação terrestre entre o Oceano Atlântico e o Oceano Pacífico, que terá pontes, ferrovias e
rodovias que facilitarão o trânsito entre os países.
O encontro dos próximos dias 05 e 06 de junho servirão para dar agilidade a essas questões
fronteiriças. “A ADEOP e o Conselho dos Lindeiros estarão presentes levando sua pauta de
reinvidicações”, completou Elsídio.
AI: Ademir José Jung (8406-0108)
Informações: Elsidio Cavalcante pelo fone 45-3565-3047
Grupo de Integração Fronteiriça do MERCOSUL
***************************************************************
Serviço
● Sistema de Monitoramento do Desenvolvimento Local
O Observatório Regional Base de Indicadores de Sustentabilidade (Orbis) disponibiliza, em sua
página na internet, o Sistema de Monitoramento do Desenvolvimento Local. Este sistema de
monitoramento tem como principal objetivo auxiliar organizações e pessoas que trabalham com
projetos de desenvolvimento social, econômico e ambiental, além de meios de comunicação, governos
locais, organizações sociais e pesquisadores, na análise e monitoramento do desenvolvimento local.
Possibilita a consulta e criação de mapas, gráficos e tabelas com indicadores sociais,
demográficos e econômicos de todo o Paraná, separados por mesorregião e municípios. Possui módulo
de entrada de dados que possibilita a descentralização da alimentação e acesso ao sistema através da
Web.
As informações estão divididas em quatro grandes grupos: governança, sustentabilidade
ambiental, sustentabilidade econômica e sustentabilidade social.
Toda a atualização das informações é feita pelo Orbis. Os dados e indicadores são coletados de
fontes oficiais, como Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Ministério do Trabalho,
Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), Datasus (banco de dados do
Sistema Único de Saúde), Ministério da Saúde, entre outros.
Além de ser fácil de manusear e auto-explicativo (para cada ação existe um tutorial), o Sistema
permite, ainda, que as tabelas geradas sejam impressas ou salvas em formatos diversos para
tratamento posterior das imagens.
Acesse o programa e clique no item “ajuda – tour” para visualizar uma demonstração de suas
funcionalidades.
131
http://www.orbis.org.br/sistemas/modelo.php
● Biblioteca Digital
Uma bela biblioteca digital, desenvolvida em software livre está prestes a ser desativada por falta de
acessos. Neste endereço eletrônico pode-se, gratuitamente, ver grandes pinturas de Leonardo da
Vinci; escutar músicas em MP3 de alta qualidade; ler obras de Machado de Assis ou a Divina Comédia
de Dante; ter acesso às melhores historinhas infantis e vídeos da TV Escola, etc. Só de literatura são
732 obras. O Ministério da Educação disponibiliza no site: www.dominiopublico.gov.br
***************************************************************
Editais
● Ministério das Cidades
Publicada Instrução Normativa que abre processo de habilitação para entidades privadas sem
fins lucrativos interessadas em captar recursos para provisão habitacional - FNHIS 2008
http://www.cidades.gov.br/ministerio-das-cidades/legislacao/instrucoes-normativas/instrucoesnormativas-2008/INn24AcaoProducaoSocialdaMoradianovaversao.pdf/view
● CAPES
A Chamada Pública MEC/MDIC/MCT – 01/2007 tem por objetivo promover e incentivar a
pesquisa e o desenvolvimento de processos e produtos inovadores no País, tendo em vista o
bem público, o progresso da ciência, a autonomia tecnológica do País, a associação entre ICT e
empresas, a fim de aprimorar o ambiente empresarial nacional e regional, bem como dinamizar a
obtenção de direitos de propriedade industrial e intelectual pelas ICT e pelas empresas nacionais,
mediante concessão de incentivos fiscais a projetos de pesquisa científica e tecnológica e de inovação
tecnológica. O objetivo maior desta Chamada é estimular o compartilhamento de custos, diminuírem o
risco tecnológico da inovação e estimular a ampliação das atividades de inovação no universo produtivo
brasileiro.
http://www.capes.gov.br/bolsas/especiais/chamada_publica.html
● CNPq
O Edital MCT/SETEC/CNPq nº 32/2007 - RHAE PESQUISADOR NA EMPRESA tem por objetivo apoiar
atividades de pesquisa tecnológica e de inovação, mediante a seleção de propostas para apoio
financeiro a projetos que visem estimular a inserção de mestres e doutores nas empresas. Até 03 de
julho de 2008
http://www.cnpq.br/editais/ct/2007/032.htm
Programa ADR SESIPR
Equipe:
Maria Cristhina de S. Rocha - [email protected]
Osny Taborda Ribas Júnior - [email protected]
Karina Fontinelli Lubaszewski - [email protected]
Tarás Antônio Dilay – [email protected] (Jornalista Responsável).
Para esclarecimento de dúvidas, sugestões ou críticas; entre em contato conosco: Av. Candido de Abreu, 200 4º andar - Centro
Cívico 80530-902 - Curitiba/PR - Fone: 41 3271-9480 – [email protected]
Caso não queira mais receber este boletim eletrônico, envie e-mail para [email protected] com a palavra:
descadastrar.
132
Boletim Eletrônico do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs, sobre a
responsabilidade da Coordenação de Projetos de Articulação Estratégica – SESI/PR
Nº. 09 – 09/06/2008
10 de Junho – Dia Língua Portuguesa
“A importância da linguagem para o desenvolvimento da civilização reside no fato de que nela o homem colocou um
mundo próprio ao lado do outro, posição que julgava bastante sólida para dali erguer o resto do mundo sobre os
seus eixos e se tornar senhor do mundo.” Friedrich Nietzsche
Notícias em Destaque
● Mercadante proporá Agência de Desenvolvimento para o Mercosul
O presidente da Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul, senador Aloizio
Mercadante (PT-SP), vai apresentar uma moção, durante a próxima reunião do organismo, sugerindo a
criação de uma agência de desenvolvimento para o bloco. Ele fez o anúncio durante audiência pública
realizada nesta quinta-feira (5) com a presença do embaixador Régis Arslanian, representante
permanente do Brasil junto ao Mercosul e à Associação Latino-americana de Integração (Aladi).
O principal objetivo da agência, segundo o senador, seria o de elaborar projetos que estimulem
o desenvolvimento dos países que compõem o bloco e a integração regional. Por meio da elaboração
de projetos técnicos, acredita ele, se garantirá uma boa utilização dos recursos do Fundo para a
Convergência Estrutural do Mercosul (Focem), além de possíveis futuros financiamentos de organismos
multilaterais como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).
- Atualmente se pode dizer que o investimento determina a poupança, ou seja, quando se tem
bons projetos se obtêm os financiamentos. E a agência de desenvolvimento poderia prestar assistência
técnica para a preparação dos projetos - sugeriu Mercadante.
Como exemplo de projeto que poderia ser beneficiado com os recursos do Focem, que já
alcançam US$ 153 milhões, o senador citou o de ampliação do sistema de distribuição de eletricidade
no Paraguai, usando como base a energia produzida pela hidrelétrica de Itaipu. Com mais eletricidade
disponível, previu, muitas empresas brasileiras poderiam investir na construção de indústrias no país
vizinho.
Arslanian considerou "muito boa" a idéia de criação de uma agência "formuladora de projetos".
Ele observou que quase todos os projetos apresentados até hoje ao Focem foram de iniciativa
individual dos países do bloco. A seu ver, a agência poderia vir a contribuir para a formação de uma
"maior noção de prioridades".
O Focem foi definido por Arslanian, durante a audiência, como um "grande êxito" do Mercosul.
Com menos de dois anos de funcionamento, o fundo - criado para reduzir as chamadas "assimetrias"
entre os integrantes do bloco - já financiou obras como a de construção de um conjunto habitacional
na periferia de Assunção, capital do Paraguai. A placa de inauguração, informou o embaixador,
indicava que a obra tinha sido financiada com recursos do Mercosul. Outro projeto já pronto para ser
colocado em prática, anunciou, é o de uma nova interligação da rede de energia do Uruguai com a do
Brasil.
Durante o debate com Arslanian, o deputado Max Rosenmann (PMDB-PR) sugeriu que se
negocie com o BID um aporte de recursos ao Focem para que se promova de forma mais rápida o
desenvolvimento dos menores países do bloco, Paraguai e Uruguai, reduzindo dessa forma as
"assimetrias". O embaixador recordou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social
(BNDES) acaba de abrir um escritório em Montevidéu, sede do Mercosul, e poderia ser envolvido no
debate.
Arslanian elogiou ainda as contribuições do Parlamento do Mercosul ao processo de integração
regional. Em sua opinião, os parlamentares propõem uma agenda mais ampla de debate que inclua
temas como o da educação. Após ouvir essa observação, o senador Romeu Tuma (PTB-SP) lembrou os
133
problemas enfrentados por estudantes da área de fronteira, que freqüentam aulas de faculdades
situadas em países vizinhos sem contarem com uma proteção legal. O deputado Germano Bonow
(DEM-RS) informou que parlamentares dos países vizinhos solicitaram uma reunião com o ministro da
Defesa, Nelson Jobim, para que este explique sua proposta de um conselho de defesa sul-americano.
Mercadante, por sua vez, anunciou a intenção de pedir informações ao Paraguai a respeito do
tratamento concedido nos últimos meses a agricultores brasileiros que vivem no país, os chamados
"brasiguaios", que estariam sendo vítimas de "constrangimentos inaceitáveis".
A próxima reunião do Parlamento do Mercosul deverá ocorrer entre os dias 27 e 28 próximo na
cidade de Tucumán, Argentina, onde se realizará, em seguida, a Cúpula de Presidentes dos países que
compõem o bloco.
Marcos Magalhães / Agência Senado
Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul
● Miguel Jorge apresenta Política de Desenvolvimento Produtivo no Conselho de
Desenvolvimento Econômico e Social
O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, apresentou no
último dia 05 de junho a Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) para os membros do Conselho de
Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), no Palácio do Planalto.
Na plenária, o ministro fez uma exposição sobre a nova Política, a qual foi elaborada com a
participação de diversos ministérios e de agências e empresas, dos setores público e privado. Segundo
ele, desde o início, o governo teve a preocupação de elaborar metas e objetivos claros para que se
possa fazer um acompanhamento constante dos resultados.
Miguel Jorge, ao enfatizar a abrangência da Política e seu foco na inovação, explicou aos
conselheiros as quatro macrometas, que devem ser atingidas até 2010: ampliar o investimento fixo
com relação ao Produto Interno Bruto (PIB), elevar o gasto privado em pesquisa e desenvolvimento,
ampliar a inserção do Brasil no comércio internacional e dinamizar as Micro e
Pequenas Empresas (MPEs) exportadoras.
O CDES
O Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) foi criado em maio de 2003, com o
objetivo de cumprir o papel de articulador entre governo e sociedade, para viabilização do processo de
diálogo social para o desenvolvimento.
Os membros do Conselho são designados por ato formal do Presidente da República para um
período de dois anos. Na composição do Conselho, então presentes trabalhadores, empresários,
movimentos sociais, membros do governo e personalidades expressivas em diversos setores.
Os detalhes da Política de Desenvolvimento Produtivo podem ser acessados em
www.desenvolvimento.gov.br/pdp
Assessoria de Comunicação Social do MDIC
(61) 2109.7190 e 2109.7198
[email protected]
● Conselho dos Lindeiros retoma com a ADEOP o Fórum Binacional
O Conselho de Desenvolvimento dos Municípios Lindeiros ao Lago de Itaipu retomou com a
Agência de Desenvolvimento Regional do Extremo Oeste do Paraná (ADEOP) os trabalhos do Fórum
Binacional. O Fórum Binacional de Prefeitos ao Lago de Itaipu é uma iniciativa do Conselho dos
Municípios Lindeiros que une entidades representativas do Brasil e do Paraguai, para organizar o
desenvolvimento integrado nos dois lados do Lago.
O Secretário Executivo da Agência, Elsidio Cavalcante, disse que está sendo preparado um
encontro, no dia 16 de julho, na ADEOP, com os parlamentares e prefeitos do Paraguai recém-eleitos,
para apresentar as entidades regionais que atuam na fronteira e retomar as questões pendentes.
“Haverá também uma apresentação do Conselho dos Municípios Lindeiros do lado paraguaio, por parte
das lideranças do Paraguai”, concluiu.
Elsidio destacou, ainda, que a reunião deverá, também, tratar de uma série de ações visando
auxiliar os dois lados da fronteira. “Tudo o que acontece no Paraguai afeta direta ou indiretamente o
Brasil como, por exemplo, a questão da segurança na fronteira”.
134
O Secretário da ADEOP disse que não há dúvida que os dois governos vão se ajudar
mutuamente para resolver as várias questões pendentes. “Os fatos que acontecem num lado da
fronteira repercutem no outro e vice-versa”.
AI: Ademir José Jung (8406-0108)
Informações: Elsidio Cavalcante pelo fone 45-3565-3047.
Fórum Binacional de Prefeitos ao Lago de Itaipu
● Empresas da região Sul são destaque no Prêmio de Educação Corporativa
O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) divulgou, na semana
passada, a lista dos vencedores da primeira edição do Prêmio Melhores Práticas em Educação
Corporativa 2008 (Prêmio Educor).
A premiação foi dividida em quatro categorias. Na categoria Institucional, foram eleitas as
instituições Académie Accor e Banco do Brasil; na Matricial, a Bematech Indústria e Comércio de
Equipamentos Eletrônicos S/A, do Paraná; na categoria Social, a WEG Indústrias S.A, de Santa
Catarina; e, na Universidade Empresa, a Empresa Brasileira de Compressores (Embraco), também de
Santa Catarina.
A premiação selecionou cinco instituições que desenvolveram as melhores ações nas
universidades do país. A idéia é selecionar e destacar projetos em foco na educação corporativa
desenvolvidos por instituições acadêmicas brasileiras, estimular a pesquisa de novas práticas na área e
ainda contribuir para a melhoria da competitividade do país.
Está marcada para o dia 9 de setembro, em Brasília (DF), a cerimônia de entrega da
premiação. Informações complementares podem ser obtidas no site
www.educor.desenvolvimento.gov.br
Gestão CT
***************************************************************
Serviço
● Seminário - Diagnóstico de Sustentabilidade Corporativa/Paraná
A Unindus - Universidade da Indústria, realiza no dia 18 de junho, das 11h às 13h, o Seminário
Diagnóstico de Sustentabilidade Corporativa/Paraná, que é uma atividade integrante do pré-evento do
Global Fórum América Latina – www.globalforum.com.br.
O Seminário apresentará conceitos de sustentabilidade corporativa e resultados da pesquisa
piloto Diagnóstico de Sustentabilidade Corporativa, realizada em indústrias paranaenses, e fruto
da parceria entre o Sistema FIEP e a Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável.
O diagnóstico visa ao conhecimento da realidade das empresas no tema sustentabilidade
corporativa, permitindo ainda a construção de um plano de ação para o aprimoramento do tema na
organização e nos programas da Unindus.
Público-alvo
CEO´s e gestores empresariais das áreas de responsabilidade social corporativa, sustentabilidade
corporativa e meio ambiente.
Local
Unindus
Av. Comendador Franco, 1341 - Jardim Botânico - Curitiba- PR
As inscrições são gratuitas e devem ser feitas pelo e-mail: [email protected]
135
● Blogosfera Global Fórum América Latina (GFAL)
Você pode participar desde já do GFAL, comentando os artigos da Blogosfera, entrando em
contato para adicionar seu blog e inscrevendo-se para o Global Fórum América Latina. Contamos com a
sua participação neste evento de negócios, universidades e sociedade num mundo sustentável.
http://gfal.blogspot.com/2008/05/participe-da-blogosfera-gfal.html
***************************************************************
ditais
● Daad e Capes recebem inscrições para os programas Unibral e Probal
Parcerias entre pesquisadores brasileiros e alemães, o Serviço Alemão de Intercâmbio (Daad) e
a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) recebem inscrições, até o fim
de junho, de projetos de parcerias entre instituições de ensino superior e pesquisa brasileiras e alemãs
dentro de seus programas conjuntos Unibral e Probral.
Segundo o Daad, o Unibral se destina a parcerias entre cursos de graduação, viabilizando o
intercâmbio de estudantes e docentes.
O programa objetiva incentivar a mobilidade acadêmica, a aproximação de estruturas
curriculares e o reconhecimento mútuo de créditos, além da implementação de estudos integrados de
graduação e o aprendizado da língua do país parceiro, com aproximação entre as respectivas culturas.
Atualmente, há 25 projetos em andamento.
O Probral fomenta projetos bilaterais de pesquisa, que incluem o intercâmbio de doutorandos,
docentes e pesquisadores do Brasil e da Alemanha, por um período de dois a quatro anos.
O programa visa ao aperfeiçoamento de docentes e pesquisadores, à produção científica
conjunta, à troca de informações e à aplicação conjunta dos resultados da pesquisa. São beneficiadas
79 cooperações atualmente.
Tanto o Unibral como o Probral são programas institucionais e não aceitam projetos e
candidaturas individuais para intercâmbio.
Mais informações pelo site: http://rio.daad.de/shared/inter_institucional.htm
● Inscrições abertas para os Prêmios Santander de Empreendedorismo e de Ciência e
Inovação
As inscrições para a 4ª edição dos Prêmios Santander de Empreendedorismo e de Ciência e
Inovação estão abertas até o dia 22 de agosto. Os interessados devem se inscrever no site
http://www.universia.com.br/premiosantander/. Uma iniciativa do Santander Universidades, com
desenvolvimento do Universia Brasil, o prêmio tem por objetivo estimular a atitude empreendedora e a
pesquisa científica no meio acadêmico, revelando novos talentos que vão beneficiar a sociedade
brasileira com a implementação dos projetos e pesquisas. A premiação total é de R$ 350 mil.
Para o Prêmio Santander de Empreendedorismo, poderão se inscrever estudantes de graduação
e pós-graduação, matriculados em Instituições de Ensino Superior brasileiras, parceiras do Santander
ou do Universia. O prêmio será segmentado nas categorias indústria, cultura e educação, tecnologia da
informação e comunicação e biotecnologia. A premiação para cada categoria é de R$ 50 mil.
Para o Prêmio Santander de Ciência e Inovação, poderão participar pesquisadores-doutores. A
premiação será concedida ao melhor projeto de pesquisa de caráter inovador e também é dividida em
três categorias: indústria, tecnologia da informação e comunicação e biotecnologia. O vencedor de
cada um delas receberá R$ 50 mil.
Os prêmios serão realizados em quatro fases, sendo as três primeiras de caráter regional. Na
região Sudeste, a etapa será realizada em São Paulo (SP) e na região Sul, em Porto Alegre (RS). Na
etapa realizada em Salvador (BA), poderão participar os Estados das regiões Norte, Nordeste e CentroOeste.
A
etapa
nacional
será
realizada
em
São
Paulo
(SP).
Veja
o
regulamento
do
Prêmio
Santander
de
Empreendedorismo
neste
http://www.universia.com.br/premiosantander/pdf/regulamentoEmpreendedorismo.pdf.
link:
Já o regulamento do Prêmio Santander de Ciência e Inovação pode ser acessado neste link:
http://www.universia.com.br/premiosantander/pdf/regulamentoCienciaInovacao.pdf.
Programa ADR SESI/ PR
136
Equipe:
Maria Cristhina de S. Rocha - [email protected]
Osny Taborda Ribas Júnior - [email protected]
Karina Fontinelli Lubaszewski - [email protected]
Tarás Antônio Dilay – [email protected] (Jornalista Responsável).
Para esclarecimento de dúvidas, sugestões ou críticas; entre em contato conosco: Av. Candido de Abreu, 200 4º andar - Centro
Cívico 80530-902 - Curitiba/PR - Fone: 41 3271-9480 – [email protected]
Caso não queira mais receber este boletim eletrônico, envie e-mail para [email protected] com a palavra:
descadastrar.
137
Boletim Eletrônico do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs, sobre a
responsabilidade da Coordenação de Projetos de Articulação Estratégica – SESI/PR
Nº. 10 – 16/06/2008
18/06 Dia da Imigração Japonesa
● Links importantes sobre a Data – informações, história e programação das comemorações
programadas.
http://www.centenario2008.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=204&Itemid=159
http://www.imin100parana.com.br/portal/default/
http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=776512&tit=Programacao-completa-emcomemoracao-aos-100-anos-da-imigracao-japonesa-no-Brasil
http://www.festivaldojapao.com/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Imigra%C3%A7%C3%A3o_japonesa_no_Brasil
http://www.nippobrasilia.com.br/centenario
http://www.comunicacao.sp.gov.br/imigracaojaponesa/historia.php
http://blog.centenario2008.org.br/
http://www.japaobrasil.com.br/historia_imigracao/257.php
Notícias em Destaque
● Comitê Brasileiro do Pacto Global reúne-se em Curitiba
Nova governança e diretrizes para os próximos meses são os temas da pauta. O Comitê
Brasileiro do Pacto Global reúne-se em Curitiba na próxima quarta-feira (18) para apresentar a nova
governança e traçar as diretrizes e estratégias para os próximos meses. O encontro é um dos préeventos do Global Fórum América Latina, que acontece de 18 a 20 de junho e visa repensar o papel da
educação para os negócios, com foco na sustentabilidade. O Comitê Brasileiro é formado por 32
membros responsáveis por promover a adoção e incorporação dos princípios do Pacto Global na gestão
de negócios das empresas que operam no Brasil, dentre eles o Sistema Federação das Indústrias do
Estado do Paraná (Fiep). A reunião será das 14 às 17 horas, no auditório II da Unindus, no Cietep (Av.
Comendador Franco, 1341).
O Pacto Global é uma iniciativa lançada em 2000, pela ONU, que envolve empresas,
organizações da sociedade civil, organizações trabalhistas e instituições acadêmicas para promover a
cidadania corporativa responsável, ajudando a criar uma economia global mais inclusiva e sustentável.
Também na quarta-feira (18), o Comitê Brasileiro do Pacto Global realiza uma oficina de COP
(Comunicação de Progresso), relatório anual que as signatárias do Pacto devem fazer para mostrar seu
progresso em relação aos 10 princípios do Pacto Global. A oficina será ministrada por membros do
comitê que foram a Barcelona, na Espanha, no ano passado, conhecer os métodos e particularidades
deste relatório. A oficina será das 9 às 12 horas, no auditório II da Unindus.
Na quinta-feira (19), haverá a reunião da comissão de educação do Comitê Brasileiro do Pacto
Global. Norman de Paula, superintendente da ISAE/FGV e Raymundo Soares, da Fundação Dom Cabral,
apresentarão o progresso dos Princípios para Educação Empresarial Responsável no Brasil. “Este
encontro é importantíssimo para sensibilizar o setor educacional para a importância de oferecer um
ensino de qualidade, voltado para os Princípios da Educação Empresarial Responsável”, diz Soares. A
reunião começará às 18h30, na Unindus.
● Comissão da ONU recomenda inovação para impulsionar desenvolvimento da
América Latina
A Comissão Econômica para América Latina e Caribe da Organização das Nações Unidas
(Cepal/ONU) recomenda no estudo “A Transformação Produtiva 20 Anos Depois” a inovação como um
dos pontos chaves para o desenvolvimento da América Latina e Caribe. O documento foi apresentado
ontem (11) durante a 32ª reunião da Cepal, que acontece em Santo Domingo, na República
138
Dominicana, até amanhã (13). O estudo indica a importância da inovação para o desenvolvimento
regional dos países.
A pesquisa aponta a relevância do setor público para impulsionar o processo de inovação, que
seria reforçado em cada região por etapas de desenvolvimento e pela a importância dos recursos
naturais e de sua estrutura produtiva.
A Cepal considera duas orientações essenciais para o desenvolvimento da América Latina e
Caribe. A primeira é a necessidade de se gerar uma cultura da inovação que permita criar e beneficiar
as oportunidades sobre a base de novas propostas, sem transitar em caminhos já percorridos. A
segunda propõe detectar e fazer um bom uso das oportunidades que o mundo oferece, assim como
aprender com as experiências e os avanços de outras regiões.
Caminhos
Outra recomendação é para que as políticas públicas impulsionem as cadeias regionais de
produção, compartilhem e potencializem o processo de inovação. “Para tal fim, é necessário ampliar os
esquemas de integração existentes e abarcar novas áreas como os serviços, as comprar
governamentais, a infra-estrutura e as pesquisas em áreas específicas”, sugere o estudo.
Além disso, a Cepal orienta aos países para que melhorem os marcos institucionais, criando
regras mais claras, e ampliando a integração regional num marco que reconheça as assimetrias e o
estabelecimento de mecanismos de compensação em favor dos países de desenvolvimento relativo.
Para formar essa base, a proposta da pesquisa é implementar políticas e programas que
tenham os mesmos níveis de tendências microeconômicas e que induzam as mudanças
estruturais necessárias com o ênfase na inovação.
Economia
A pesquisa ainda destaca que a situação atual, em que se encontra a América Latina e o
Caribe, são mais favoráveis. Nos últimos 30 anos, a maior parte dos países não sofre com embargos e
sugiram, neste período, novas oportunidades de aprendizagem setoriais, de inovação e de
desenvolvimento da capacidade tecnológica.
O estudo ressalta que os núcleos, de qualquer estratégia de desenvolvimento futuro, devem
ser formados pela diversificação e pelo desenvolvimento de espaços que conjuguem aprendizagem
tecnológica e competitividade.
As novas tecnologias, como nanotecnologia, pesquisas sobre novos materiais e fontes
renováveis de energia impulsionam também as grandes inovações de processos, produtos e modelos
de negócio, de acordo com a comissão da ONU. “Todas essas tecnologias são convergentes e têm a
capacidade de afetar e redefinir as trajetórias de um conjunto muito mais amplo de setores”, diz o
estudo.
A Cepal ressalta que a macroeconomia está favorável ao crescimento e considera que os elos
devem ser fortalecidos. A pesquisa recomenda os seguintes elos para que os países alcancem o
desenvolvimento: inovação (no seu sentido amplo), qualidade da educação geral e técnica, infraestrutura, iniciativa empresarial e a qualidade das instituições públicas.
O secretário executivo do MCT, Luiz Antonio Elias, participa dos debates sobre a
pesquisa em Santo Domingo.
Para conferir a íntegra do estudo acesse este link: http://www.eclac.cl/cgibin/getProd.asp?xml=/publicaciones/xml/7/33277/P33277.xml&xsl=/pses32/tpl/p9f.xsl&base=/pses32
/tpl/top-bottom.xsl (pode-se baixar o documento completo em PDF)
Fonte: Tatiana Fiuza / Gestão CT
● Agência de Desenvolvimento Industrial abre seleção para cadastro reserva
A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) lança novo processo seletivo para
candidatos com nível médio, superior e pós-graduação. As remunerações variam de R$ 1.935 a R$
8.128,00. Todos os candidatos passarão por avaliações objetivas e análise de títulos. Já candidatos de
nível superior terão que fazer ainda provas subjetivas e orais. As informações estão dispostas no Diário
Oficial da União desta sexta-feira (13), na página 157 da terceira seção.
Para graduados, há oportunidades nas áreas de processos, viagens, portal inovação, licitações
e contratos, gabinete bilíngüe, desenvolvimento de recursos humanos, serviços gerais, recursos
139
humanos, suporte de informática e telecomunicação, finanças, controle externo e interno - auditoria,
secretariado executivo, desenvolvimento de Internet, assessor de cerimonial, assessor de imprensa,
jurídico, projetos, contabilidade, licitações, compras e serviços gerais, relações institucionais, projetos
biotecnologia, projetos de nanotecnologia, tecnologia da informação e comunicação, entre outros.
Para nível médio há chances nas especialidades de apoio administrativo, protocolo, compras e
serviços, apoio a projetos, jurídico (para aqueles que cursam Direito), contábil e financeira. Todas as
especialidades exigem no mínimo seis meses de experiência na área escolhida. As inscrições podem ser
feitas nos dias 18 de junho a 18 de julho, pelo site www.ibfc.org.br . A taxa varia de R$ 40 a R$ 100. A
seleção será regida pelo Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação.
Fonte: CorreioWeb
● COLÓQUIO 2010-2020 - um período promissor para o Brasil – será transmitido ao vivo pela
Internet: www.iea.usp.br/aovivo
Embora o Brasil tenha obtido avanços expressivos em muitos campos na primeira década deste
século, ainda há muitos obstáculos a superar para que as aspirações da sociedade sejam satisfeitas.
Mudanças estruturais são necessárias para assegurar o avanço do conhecimento, da inovação
tecnológica, do crescimento econômico, da distribuição de renda e da preservação da natureza. Quais
as ações prioritárias para favorecer essas mudanças? Quais as medidas a serem adotadas para tornar
o período 2010-2020 mais promissor para todos?
Essas questões serão discutidas no colóquio "2010-2020: um Período Promissor para o Brasil?",
nos dias 24 a 26 de junho, no Auditório FEA 5, Cidade Universitária, São Paulo. O encontro comemora
os 60 anos de dedicação do físico José Goldemberg ao Brasil, sempre atuando em defesa da melhoria
da qualidade de vida em diferentes aspectos da realidade do país.
Os temas do colóquio são ciência, tecnologia, energia, universidade e meio ambiente que serão
abordados do ponto de vista das implicações dessas áreas para o desenvolvimento brasileiro. As mesas
de debate terão exposições de pesquisadores da USP e de outras universidades do país e do exterior,
dirigentes e representantes governamentais, empresários e representantes de organizações nãogovernamentais.
O colóquio é uma realização da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Fundação de Amparo à
Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC),
Sociedade Brasileira de Física (SBF) e das seguintes unidades da USP: IEA, Escola Politécnica (EP),
Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências
Humanas (FFLCH), Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEE) e Instituto
de Física (IF).
PROGRAMAÇÃO
Dia 24 - MÓDULO 1 — CIÊNCIA E DESENVOLVIMENTO
Expositores:
Hernan Chaimovich (vice-presidente da ABC e vice-diretor do IEA-USP)
Marco Antonio Raupp (presidente da SBPC)
Marco Antonio Zago (presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e
Tecnológico — CNPq)
Eduardo Krieger (Fapesp e Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de
Medicina da USP)
Alaor Silvério Chaves (presidente da SBF).
Coordenador:
Adolpho José Melfi (representante da ABC em São Paulo e ex-reitor da USP)
MÓDULO 2 — ENERGIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
MESA: "EFICIÊNCIA ENERGÉTICA"
Expositores:
Frederico Augusto Varejão Marinho (Programa Nacional de Racionalização do Uso dos Derivados
de Petróleo e Gás Natural — Conpet)
Luiz Augusto Horta Nogueira (Universidade Federal de Itajubá)
140
Marco Antonio Saidel (EP-USP e Programa Permanente de Uso Eficiente de Energia Elétrica —
Pure — da USP).
Coordenador:
Ildo Luis Sauer (IEE-USP)
MESA: "FONTES RENOVÁVEIS DE ENERGIA"
Expositores:
Thomas Johansson (Universidade de Lund, Suécia)
Laura Porto (Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia — Proinfa — do
Ministério de Minas e Energia)
Eliane Fadigas (EP-USP).
Coordenadora:
Suani Teixeira Coelho (IEE-USP)
Dia 25 - MÓDULO 3 — UNIVERSIDADE E DESENVOLVIMENTO
MESA: "UNIVERSIDADE E DESENVOLVIMENTO"
Expositores: Carlos Vogt (secretário do Ensino Superior do Estado de São Paulo),
Eunice Durham (Núcleo de Pesquisa de Políticas Públicas — NUPPs — da USP),
Carlos Guilherme Mota (FFLCH-USP, IEA-USP e Universidade Presbiteriana Mackenzie),
Wanderley Messias da Costa (FFLCH-USP; coordenador de Comunicação Social da USP) e
Glauco Arbix (FFLCH-USP e IEA-USP)
Coordenador: Gabriel Cohn (diretor da FFLCH-USP)
MÓDULO 4 — TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO
MESA: "PLANEJAMENTO ELETROENERGÉTICO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL
E SEUS DESAFIOS"
Expositores: Antônio Ermírio de Moraes (presidente do Grupo Votorantin)
José Carlos de Miranda Farias (Empresa de Pesquisa Energética — EPE)
Volney Zanardi Jr. (Ministério do Meio Ambiente)
Carlos Márcio Vieira Tahan (EP-USP)
Mário Thadeu Leme de Barros (EP-USP)
José Galizia Tundisi (EESC-USP e Instituto Internacional de Ecologia)
Coordenador:
Ivan Gilberto Sandoval Falleiros (diretor da EP-USP)
Dia 26 - MÓDULO 5 — MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO
MESA: "MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA"
Expositores:
Roberto Rodrigues (Coordenador do Centro de Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas — GV
Agro)
Luiz Gylvan Meira Filho (IEA-USP)
Paulo Barreto (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia — Imazon)
Virgílio Viana (IEA-USP e Fundação Amazonas Sustentável)
Roberto Smeraldi (diretor da Amigos da Terra — Amazônia Brasileira)
Coordenador:
Pedro Leite da Silva Dias (IAG-USP e IEA-USP; diretor do LNCC)
MÓDULO 6 — 2010-2020: UM PERÍODO PROMISSOR PARA O BRASIL?
DEBATE: "QUAIS AS INICIATIVAS E POLÍTICAS PÚBLICAS A SEREM IMPLANTADAS
EM 2008 E 2009 PARA QUE O PERÍODO 2010-2020 SEJA MAIS PROMISSOR PARA O
BRASIL?"
Debatedores:
Alejandro Szanto de Toledo (diretor do IF-USP)
Carlos Roberto Azzoni (diretor da FEA-USP)
Celso Lafer (presidente da Fapesp; FD-USP)
Cesar Ades (diretor do IEA-USP)
Gabriel Cohn (diretor da FFLCH-USP)
Ivan Gilberto Sandoval Falleiros (diretor da EP-USP)
141
José Aquiles Grimoni (diretor do IEE-USP).
Coordenador:
Jacques Marcovitch (FEA-USP; ex-reitor da USP)
SERVIÇO:
LOCAL: Auditório FEA 5, Av. Prof. Luciano Gualberto, 908, Cidade Universitária, São Paulo
INTERNET - Transmissão ao vivo em www.iea.usp.br/aovivo
INSCRIÇÕES - Por meio de mensagem para o e-mail: [email protected] com a especificação do(s)
módulo(s) que o interessado deseja acompanhar.
INFORMAÇÕES - Com Inês Iwashita, telefone (11) 3091-1685.
Fonte: IEA – USP
***************************************************************
erviço
● CADASTRO INDUSTRIAL DO PARANÁ 2009
A Federação das Indústrias do Estado do Paraná, em parceria com a EDITORA BRASILEIRA
DE GUIAS ESPECIAIS – EBGE, dá início a atualização de dados para a 11ª edição, do CADASTRO
INDUSTRIAL DO PARANÁ, cujo lançamento acontecerá no início de 2009.
O Cadastro Industrial é uma publicação anual, destinada a disponibilizar informações
para articular negócios, ampliar mercados e fortalecer a complementaridade da
indústria do Estado.
As empresas interessadas em participar dessa edição deverão se cadastrar ou atualizar
seus dados no link http://www.fiepr.org.br/fiepr/catalogo/cadastroacesso.htm,
formulário que se encontra online.
preenchendo
o
A inserção dos dados é gratuita e de inteira responsabilidade das empresas que as fornecem. A
coordenação do Cadastro está sob a responsabilidade do Centro Internacional de Negócios do Paraná –
CIN (http://www.cinpr.org.br/).
● Blogosfera Global Fórum América Latina (GFAL)
Você pode participar desde já do GFAL, comentando os artigos da Blogosfera, entrando em
contato para adicionar seu blog e inscrevendo-se para o Global Fórum América Latina. Contamos com a
sua participação neste evento de negócios, universidades e sociedade num mundo sustentável.
http://gfal.blogspot.com/2008/05/participe-da-blogosfera-gfal.html
***************************************************************
Editais
● CNPq lança edital de apoio a criação de LIA’s - Laboratórios Internacionais
Associados
O CNPq lançou, no dia 10 de junho, o edital 08/2008 que prevê seleção pública de propostas
para a criação de Laboratórios Internacionais Associados (LIA), por meio dos convênios bilaterais entre
o CNPq e o Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS) e com o Institut National de la
Recherche Médicale (Inserm), instituições francesas. As proposições devem ser encaminhadas,
unicamente via internet, até o dia 8 de julho, sob forma de projeto. O preenchimento do Formulário de
Propostas On line está disponível no site www.cnpq.br/formularios.
O edital tem por objetivo apoiar, de forma complementar, a criação dos LIA’s, e destina-se ao
financiamento das mobilidades de pesquisadores e especialistas que desejam criar os laboratórios, com
contrapartida financeira de fontes nacionais ou internacionais.
O recurso total para financiamento das propostas é de R$ 1,92 milhão, oriundos do Programa
de Capacitação de Recursos Humanos para Ciência, Tecnologia e Inovação, do PPA 2008/2011, sendo
distribuídos R$ 640 mil por ano, até 2011. Os LIA’s devem ter o valor máximo de R$ 240 mil para
gastos com passagens aéreas, diárias, seguro-saúde e auxílio custeio. Serão financiados até oito
projetos para os convênios apoiados pelo edital.
142
No convênio entre o CNPq e o CNRS serão aceitas propostas de trabalho com duração de
quatro anos nas áreas de engenharias, materiais, nanotecnologia e química. O acordo entre o CNPq e o
Inserm prevê o apoio a projetos com quatro anos de duração nas áreas de ciências da saúde e
medicina.
Poderão apresentar propostas pesquisadores, especialistas com vínculo empregatício/funcional
nas instituições de ensino superior (IES), em centros e institutos de pesquisa e desenvolvimento
públicos e privados, grupos de pesquisa e especialistas franceses vinculados a instituição executora
estrangeira,
necessariamente,
vinculados
ao
CNRS
ou
ao
Inserm.
Veja a íntegra do edital: www.cnpq.br/editais/ct/2008/008.htm
Fonte: Gestão CT
Programa ADR SESIPR
Equipe:
Maria Cristhina de S. Rocha - [email protected]
Osny Taborda Ribas Júnior - [email protected]
Karina Fontinelli Lubaszewski - [email protected]
Tarás Antônio Dilay – [email protected] (Jornalista Responsável).
Para esclarecimento de dúvidas, sugestões ou críticas; entre em contato conosco: Av. Candido de Abreu, 200 4º andar - Centro
Cívico 80530-902 - Curitiba/PR - Fone: 41 3271-9480 – [email protected]
Caso não queira mais receber este boletim eletrônico, envie e-mail para [email protected] com a palavra:
descadastrar.
143
Boletim Eletrônico do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs, sobre a
responsabilidade da Coordenação de Projetos de Articulação Estratégica – SESI/PR
Nº. 11 – 25/06/2008
Notícias em Destaque
● Global Fórum América Latina e o Desenvolvimento
O GFAL, uma realização do Sistema FIEP/PR promoveu durante três dias um profundo debate
sobre as transformações que estamos vivendo no planeta e o papel das empresas, universidades e
consumidores na construção de um mundo sustentável.
O indiano Ram Charam, a grande estrela do evento, ressaltou a importância da liderança para
a construção de um mundo sustentável. “A sustentabilidade precisa ser construída a partir de líderes”,
disse e apontou dez princípios para dar efetividade às iniciativas de inovação social e criação de redes
sociais sustentáveis:
1 – Defina a causa, a missão, quais os resultados que se pretende e como dimensionar esses
resultados. “É preciso usar a mente e buscar resultados mensuráveis”, explicou.
2 – Busque o comprometimento local. Identifique quem são as pessoas que podem se
comprometer localmente com a causa.
3 – Converse com essas pessoas, dialogue com elas até alcançar o consenso. A partir do
consenso o interesse se intensifica.
4 – Neste ponto entram as empresas. As empresas podem usar a mente, o raciocínio para
projetar sistemas que permitam tornar um produto ou serviço acessível, na base, por exemplo,
de 1 dólar. “Não ter dinheiro é uma situação que força a inovação”, disse Charan.
5 – Projete um sistema. Mas é preciso ter em mente que o sistema só vai funcionar se as
pessoas executoras concordarem com esse sistema. Caso contrário, é preciso voltar ao diálogo.
6 – Identifique líderes na comunidade. Pessoas de paixão e confiáveis. Segundo Charan,
nenhum grupo de pessoas ou comunidade alcança a sustentabilidade sem um líder, seja ele
eleito, indicado informalmente ou escolhido.
7- Não busque a publicidade e o elogio pelo sucesso alcançado. “A satisfação pessoal não é
medida pela publicidade da sua iniciativa”, disse.
8- Mantenha reuniões periódicas com pessoas de empresas, universidades, autoridades
públicas. Estabeleça prioridades, mas não queira nunca abraçar o mundo. Escolha três
prioridades, com base na sua causa, nos resultados e mensuração dos resultados. Use palavras
exatas, evitando conceitos e definições genéricas.
9 – Busque a criatividade do grupo envolvido no trabalho. É preciso identificar quais os
recursos, em termos de criatividade, com que se pode contar para o desenvolvimento das
ações.
10 – Tenha em mente que a vida é a felicidade. Seja feliz e, mais importante, faça outras
pessoas felizes.
O Presidente do Sistema FIEP, Rodrigo da Rocha Loures, na coletiva concedida ao final do
segundo dia, enalteceu que é necessário garantir a sustentabilidade dos negócios, dos valores
humanos, dos arranjos e valores sociais que construímos. No evento o Presidente da FIEP lançou o
livro Proposições Provocativas – Um Ensaio sobre Sustentabilidade e Educação que está disponível no
link: http://www.globalforum.com.br/imagens/proposicoes_provocativas.pdf
Presidente da FIEP Rodrigo da Rocha Loures e o Presidente do Conselho
Consultivo da Faculdade Pitágoras Cláudio de Moura e Castro na coletiva de imprensa
As proposições finais do evento que pretendem se transformar em propostas de ações efetivas
estão no link http://www.globalforum.com.br/imagens/proposicoes_GFAL.pdf
Um novo encontro para que as idéias fomentadas no evento possam ser fomentadas,
multiplicadas e implementadas está marcado para os dias 29 e 30 de julho. Participe efetuando sua
inscrição no site do GFAL: www.globalforum.com.br
● Coordenação da Rede de ADRs do Paraná reúne-se para fazer balanço das
atividades e planejar o segundo semestre.
144
A Rede de Agências de Desenvolvimento do Estado do Paraná fez reunião ordinária na manhã
do dia 24 de junho para avaliar desempenho das Agências do Paraná, definir projetos prioritários e
estabelecer cronograma para o segundo semestre de 2008.
Na reunião ficou demonstrado que cada ADR tem seu próprio tempo de amadurecimento,
algumas completamente estruturadas e já em franco desenvolvimento de projetos e atividades,
enquanto outras ainda em processo de estruturação e definição de seu plano estratégico de ação.
A Rede de ADR procurará servir de apoio às Agências buscando auxiliá-las na complementação
de projetos já em andamento, bem como na estruturação daquelas que ainda necessitam potencializar
sua estruturação interna.
***************************************************************
Pílulas do Desenvolvimento
● Banco do Brasil auxilia Bacia Leiteira de Pejuçara
Dentro do programa do Banco do Brasil denominado “Estratégias para o Desenvolvimento
Regional Sustentável” o BB vai disponibilizar 2 milhões e 500 mil reais para o desenvolvimento
sustentável da bacia leiteira da região de Pejuçara.
Através do programa, o produtor poderá solicitar financiamento para adquirir salas de ordenha
e equipamentos, como ordenhadeiras, transferidores, resfriadores, dentre outros. Também pode ser
melhorado o padrão genético do rebanho com novas matrizes.
Outra possibilidade é utilizar as verbas para recuperação do solo que vai permitir a melhoria
das pastagens e formação de silagem.
Maiores informações no link:
http://www.bb.com.br/portalbb/page22,8368,8370,0,0,1,6.bb?codigoNoticia=4567&codigoMen
u=3868
● Fórum Regional tem como tema Inclusão, Participação e Desenvolvimento.
Com o tema Inclusão, Participação e Desenvolvimento: um novo jeito de avançar o Conselho
Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência – Comdef – promove na próxima quintafeira (26) a 1º Conferência Municipal e 1º Fórum Regional dos Direitos da Pessoa com Deficiência. O
evento será realizado no salão de eventos do Centro Tecnológico do CEP com início às 8h em
Pananbi/RS.
Conforme a presidente do conselho Marise Heemann, três eixos temáticos devem dominar as
discussões – que devem contar com a presença de representantes de vários municípios da região, caso
de Condor, Pejuçara, Tupanciretã, Ajuricaba, Augusto Pestana, Jóia e Ijuí. Segundo ela, o tema central
do evento será discutido no período da tarde, ocasião em que três mesas redondas devem ser
realizadas, seguidas de trabalhos em grupo. A plenária final compreenderá a aprovação do relatório e
das monções apresentadas.
Conforme ficou definido em reunião realizada na última semana, a assistente social e
coordenadora do Centro Regional de Física e Fonoterapia de Giruá Simone Bonfatti fala sobre o tema
Direito à Saúde e a Reabilitação Profissional. A auditora Fiscal do Trabalho/Núcleo de Igualdade no
Trabalho fala sobre Proteção e Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência à Educação e Trabalho.
Já o tema Direito e Viabilização da Acessibilidade será tratado pelo engenheiro civil André Schieselbein.
***************************************************************
Editais
● Ministério da Educação, Cultura, Esporte, Ciência e Tecnologia do Japão
Estão abertas as inscrições para o programa de bolsas de estudo para estrangeiros no Japão,
Monbukagakusho, promovido pelo Ministério da Educação, Cultura, Esporte, Ciência e Tecnologia
daquele país. Os candidatos podem se inscrever para uma das três modalidades com prazo de
inscrições abertas, são elas: graduação, escolas técnicas ou cursos profissionalizantes. Podem
participar dos programas brasileiros residentes em todas as regiões do Brasil.
http://www.universia.com.br/materia/materia.jsp?materia=4291
● Instituto HSBC de Solidariedade
145
O Instituto HSBC Solidariedade selecionará projetos de Educação que tenham como objetivo
trabalhar em prol de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social de todo o
território nacional. Para essa seleção serão destinados R$ 2.400.000,00 (dois milhões e quatrocentos
mil reais) para apoio a projetos durante 24 meses. Este recurso é proveniente da contribuição dos
clientes do Banco HSBC, portadores do Cartão Instituto HSBC Solidariedade. Serão selecionados 40
projetos, em todo o território nacional, os quais receberão até R$ 40.000,00 (quarenta mil reais) no
primeiro ano e até R$ 20.000,00 (vinte mil reais) no segundo ano.
http://www.porummundomaisfeliz.org.br
Programa ADR SESIPR
Equipe:
Maria Cristhina de S. Rocha - [email protected]
Osny Taborda Ribas Júnior - [email protected]
Karina Fontinelli Lubaszewski - [email protected]
Tarás Antônio Dilay – [email protected] (Jornalista Responsável).
Para esclarecimento de dúvidas, sugestões ou críticas; entre em contato conosco: Av. Candido de Abreu, 200 4º andar - Centro Cívico 80530-902 Curitiba/PR - Fone: 41 3271-9480 – [email protected]
Caso não queira mais receber este boletim eletrônico, envie e-mail para [email protected] com a palavra: descadastrar.
146
Boletim Eletrônico do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento das ADRs, sobre a
responsabilidade da Coordenação de Projetos de Articulação Estratégica – SESI/PR
Nº. 12 – 11/07/2008
Notícias em Destaque
● Agência Terra Roxa realiza Assembléia Ordinária em Maringá
A reunião realizada no dia 1 de julho teve o objetivo principal de apresentar um balanço das
atividades da Terra Roxa. Foi um período de muitos contatos e marcado por uma nova metodologia de
trabalho da entidade, que passou a abordar segmentos empresariais para que venham conhecer o
Norte do Estado.
“Este é um trabalho de desenvolvimento de relacionamento com empresas e tem sido um
grande aprendizado. Cada caso é um caso e exige ações diferenciadas”, avaliou Fernando Kireeff, atual
Presidente da Agência.
Se por um lado a Terra Roxa está abordando diretamente as empresas para que conheçam os
potenciais da região, por outro está contatando também agentes que fomentam o relacionamento
internacional. Para isso, foi instituída a atividade batizada de Dia do Consultor, que traz para conhecer
a região consultores baseados em grandes centros ou em visitas ao Brasil.
O primeiro dia do Consultor foi realizado em junho, com os convidados Ilka von BorriesHarwardt (presidente do Centro Empresarial Europeu) e Friedrich Martin Geller, seu marido e
empresário na área de logística. Eles estiveram em Maringá, Arapongas e Londrina conhecendo
diversos setores da economia e tendo contato direto com vários empresários e lideranças da região.
Fonte: Agência Terra Roxa
Reunião da Terra Roxa ocorreu na
ACIM – Associação Comercial e Industrial de Maringá
● Conselho dos Lindeiros e ADEOP presentes no encontro do Foro Consultivo do
Mercosul
O Presidente do Conselho de Desenvolvimento dos Municípios Lindeiros ao Lago de Itaipu, prefeito de
Mundo Novo-MS, Humberto Carlos Ramos Amaducci, o consultor da Agência de Desenvolvimento Regional do
Extremo Oeste do Paraná (ADEOP), Eli Ghellere e o tesoureiro da agência, Sebastião Cláudio Santana, estiveram
presentes no último dia 28 de junho na cidade de Buenos Aires-ARG, no encontro do Foro Consultivo de Municípios,
Estados Federados, Províncias e Departamentos do Mercosul. O Conselho possui uma cadeira no Foro Consultivo
que possui 10 representantes de municípios 10 de estados brasileiros.
O Foro Consultivo, criado há 03 anos, é composto por Províncias e Municípios da Argentina, Estados
Federados e Municípios do Brasil, Departamentos e Municípios do Paraguai, Departamentos do Uruguai e Estados e
Municípios da Venezuela. O seu principal objetivo é estimular o diálogo e a cooperação entre as autoridades em nível
municipal, estadual, provincial e departamental dos Estados participantes do Mercosul.
Para Eli Ghellere o Foro Consultivo é de fundamental importância porque além do tratamento de assuntos a
nível nacional dos países integrantes do Mercosul, se dá espaço para discussões de problemas locais e regionais. “A
questão da exportação de produtos de um país para outro, a fronteira e como acessar os fundos do FOCEM, o fundo
de convergência do Mercosul”. Esse fundo lembra Eli, possui 100milhões de dólares anuais para ser acessado e
aproveitado por meio de projetos. “Ás vezes os prefeitos têm dificuldades de como chegar a esses recursos”.
No início do mês de agosto vai acontecer um encontro com os prefeitos Lindeiros do Paraguai para levar
informações a respeito das decisões que são tomadas no Foro Consultivo e também como acessar os recursos do
FOCEM. “Todo o desenvolvimento que acontece no Paraguai é bom para o Brasil e vice-versa”, citou Ghellere.
Foi apresentado ao Assessor da Presidência da República do Brasil, Alberto Klamer, um projeto que trata de
uma experiência realizada em São Miguel do Iguaçu: a Ecovila. Ecovila é um modelo de assentamento humano
sustentável e que atende às necessidades presentes sem comprometer a possibilidade de que as gerações futuras
satisfaçam as suas próprias necessidades.
AI: Ademir José Jung(8406-0108)
Informações: Lucilene Padilha na Adeop pelo 45-3565-3047
Eli Ghellere entregando o projeto da Ecovila
ao Assessor da Presidência do Brasil.
147
● Empresas de reciclagem e ONGs podem ser isentas de pedágio
Tramita na Câmara o Projeto de Lei 3250/08, que estende o benefício de isenção da cobrança
de pedágio em rodovias federais e licitadas para veículos de empresas de reciclagem e de ativistas não
remunerados de organizações não-governamentais (ONGs). O projeto exige, no entanto, que os
beneficiados estejam cadastrados no Ministério dos Transportes. A proposta é da deputada Aline
Corrêa (PP-SP) e muda a Lei 9.277/96, que regulamenta a concessão, a administração e a exploração
das rodovias brasileiras por empresas privadas.
A parlamentar acredita que as concessões foram positivas para melhorar a qualidade das
estradas. "A iniciativa privada trouxe o benefício da oferta de infra-estrutura de vias recuperadas,
ampliadas e com boa manutenção, em troca do pagamento do pedágio", avaliou. Porém, segundo ela,
essa cobrança vem gerando reclamações de usuários, especialmente dos moradores de municípios com
rodovias
privatizadas
e
do
setor
de
transportes.
Interesse social
Entre os insatisfeitos, a deputada cita as empresas de reciclagem e os ativistas não
remunerados de ONGs. "Eles têm atuação restrita e querem a isenção da tarifa do pedágio para seus
veículos, como apoio aos deslocamentos demandados pelas atividades que exercem", argumenta. A
parlamentar diz que o trabalho das ONGs "tem foco na qualidade de vida de toda a sociedade".
O cadastro dos veículos para receberem o benefício ficará a cargo da Agência Nacional de
Transportes
Terrestres
(ANTT),
ligada
ao
ministério
do
setor.
Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Viação e Transportes; e
de
Constituição
e
Justiça
e
de
Cidadania.
Íntegra da proposta:
- PL-3250/2008
Fonte: Agência Câmara
Tel: (61) 3216-1851 ou 1852
E-mail: [email protected]
***************************************************************
Editais
● Artemísia
Estão abertas as inscrições para a “Expedição Artemisia – Programa Jovens
Empreendedores 2008”. Podem se inscrever jovens com idades entre 18 e 35 anos, que tenham
fácil acesso à cidade de São Paulo e que liderem uma idéia de empreendimento voltado à solução
problemas sociais e ambientais. A iniciativa inclui um processo seletivo e formativo, uma etapa de
construção de planos de negócio e apoio técnico e financeiro para a implementação de modelos de
empreendimentos sociais.
http://www.artemisia.org.br/expedicaoartemisia2008/
● ICA
O Instituto Companheiros das Américas (ICA) torna público o lançamento do Edital do
Programa Vencer e convida Instituições de Ensino e Capacitação a apresentarem propostas. As
instituições interessadas deverão ser capazes de desenvolver e implementar o Programa Vencer, no
município do Rio de Janeiro e região metropolitana, de acordo com as bases a serem oferecidas pelo
ICA. São três fases que incluem o desenvolvimento de habilidades comportamentais (utilizando os
esportes de equipe como ferramenta de desenvolvimento), um curso profissionalizante e um estágio
supervisionado para jovens de 16 a 24 anos. Serão outorgados contratos para execução parcial do
programa em 2008. Poderão apresentar propostas organizações públicas ou privadas, individualmente
ou em alianças, devidamente registradas pelos organismos de controle correspondentes, que tenham
experiência no trabalho com jovens ou em programas relacionados com emprego.
http://www.partners.net/partners/Vencer_Brasil_PT.asp?Language=2&SnID=2104762642
148
Programa ADR SESIPR
Equipe:
Maria Cristhina de S. Rocha - [email protected]
Osny Taborda Ribas Júnior - [email protected]
Karina Fontinelli Lubaszewski - [email protected]
Tarás Antônio Dilay – [email protected] (Jornalista Responsável).
Para esclarecimento de dúvidas, sugestões ou críticas; entre em contato conosco: Av. Candido de Abreu, 200 4º andar - Centro
Cívico 80530-902 - Curitiba/PR - Fone: 41 3271-9480 – [email protected]
Caso não queira mais receber este boletim eletrônico, envie e-mail para [email protected] com a palavra:
descadastrar.
Esta mensagem é de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es).
As opiniões nela emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de vista do Sistema FIEP.
8 – Criação de um Banco de Dados de Projetos Econômicos e
Sociais
Estamos dando o início a constituição de um Banco de Projetos, para apoio as ADRs, bem
como visando a participação do SESI nos projetos estratégicos para a Entidade. Este processo
esta sendo rastreado semanalmente e está em processo de formatação de uma ferramenta online para pesquisa e divulgação de editais.
FONTE
ADR
PROJETO
PRAZO DE
VALOR
FINANCIADORA
EXECUÇÃO
Rede/Núcleo de
ADETEC
Alimentos
SETI
R$ 50.000,00
02 anos
SETI
R$ 50.000,00
02 anos
SESI
R$ 50.000,00
01 ano
Funcionais
Apoio ao
ADETEC
RIPA/Paraná
Projeto Nova
ADETEC
Indústria/ Alimentos
a Base de Soja
Fortalecimento de
Não informado –
AGÊNCIA
Pequenas
Governo do Estado
Agroindústrias
do Paraná/SEAB/MI
R$ 205.000,00
SUDOESTE
Término em
dezembro/2007
Familiares
149
Fortalecimento do
Não informado –
AGÊNCIA
APL de Piscicultura
MI
SUDOESTE
R$ 700.000,00
Término em
na
dezembro/2007
MESOMERCOSUL
Fortalecimento do
Não informado –
AGÊNCIA
APL de
MI
SUDOESTE
R$ 485.000,00
Término em
Vitivinicultura no
outubro/2007
Sudoeste do Paraná
Fortalecimento do
Não informado –
AGÊNCIA
APL de
MI
SUDOESTE
R$ 270.000,00
Término em
Vitivinicultura no
fevereiro/2008
Sudoeste do Paraná
Não informado –
Estudos sobre
AGÊNCIA
Gestão em
MI
R$ 100.000,00
Término em
SUDOESTE
Agroindústrias
IDR
maio/2008
Projeto Nova
FIEP/SESI
MARINGÁ
R$ 48.000,00
01 ano
R$ 420.000,00
01 ano
SESI
R$ 48.000,00
01 ano
SESI
R$ 48.000,00
01 ano
R$ 300,00/mês
Permanente
Indústria
Conselho Municipal
IDR
MARINGÁ
de Desenvolvimento
Fundo Municipal de
Econômico de
Desenvolvimento
Maringá
ADR TERRA
ROXA
ADR
EVOLUT
Banco de Dados
Regional
Projeto Nova
Indústria
Recursos
ADR
EVOLUT
Grupos Temáticos e
Próprios/Utilização
Câmaras Técnicas
de Recursos de
Parceiros
150
Projeto Nova
ADEC
SESI
R$ 48.000,00
01 ano
FIEP
Não definido
Há definir
IPD
Não definido
Há definir
Indústria
ADEC
Parceria com o
Centro Internacional
de Negócios – CIN
Parceria com o
ADEC
Observatório de
Indicadores ORBIS
R$
ADEC
Doutores do Futuro
FIEP
10 anos
5.000,00/ano
AIMES
SEBRAE/NA e FIEP
R$ 160.000,00
02 anos
SESI
R$ 48.000,00
01 ano
SESI
Parcerias
04 meses
Parcerias
03 anos
Parcerias
10 anos
Projeto PROCOMPI
AIMES
Projeto Nova
Indústria
ADR CODEP
Expedições pelo
Mundo da Cultura
SEBRAE/ACIAP/
ADR CODEP
Pedagogia
Prefeitura Municipal
Empreendedora
de Paranavaí
SESC, Consórcio
Intermunicipal de
ADR CODEP
Promovendo a Vida
Saúde/Prefeitura
Municipal de
Paranavaí/
AMUMPAR
151
Projeto Nova
ADR CODEP
Indústria
Parcerias
01 ano
Parcerias
02 anos
SESI/SEBRAE/
ACIAP/UNIPAR
Núcleo Regional de
Educação/Prefeitura
ADR CODEP
Inclusão Social dos
de Paranavaí/Corpo
Catadores de
de Bombeiros /
Material Reciclável
SEBRAE /
da Cooperativa de
SENAC /FAFIPA/
Paranavaí
UNIPAR/EMATER/
IAP/PROVOPAR/
ACIAP
ADMOC
Não informado
Não informado
Não informado
Não informado
AGESERRA
Não informado
Não informado
Não informado
Não informado
R$ 87.175,00
01 ano
R$ 64.997,80
01 ano
R$ 144.000,00
01 ano
R$ 234.823,40
02 anos
Programa
Resgate de uma
ADR-PLAN
Petrobrás
Cultura Contestada
Cultural
Ministério do
Alimentando a
ADR-PLAN
Desenvolvimento
Esperança
Social - MDS
Programa Esporte
Ministério dos
e Lazer da Cidade
Esportes
ADR-PLAN
Dançando e Criando
Arte através da
Canção do
Programa Petrobrás
ADR-PLAN
Contestado
Cultural
152
Ministério da
ADR-PLAN
Reflorestando Vida
R$ 81.379,80
01 ano
R$ 500.000,00
01 ano
Justiça
Ministério
INSTITUTO
Setor Lácteo – TP
da Integração
SAGA
244/06
Nacional
SAG –
INSTITUTO
Ministério da
R$
Integração Nacional
1.000.000,00
Agroindústria TP
SAGA
01 ano
026/06
INSTITUTO
SAGA
INSTITUTO
SAGA
Marca Guarda
Instituto SAGA e
Chuva
Prefeituras
Pólo Moveleiro da
Ministério da
AMOESC
Integração Nacional
R$ 2.500,00
Indeterminado
R$ 800.000,00
18 meses
R$ 45.000,00
06 meses
SEBRAE/SC
R$ 257.000,00
02 anos
SEBRAE/SC
R$ 356.000,00
02 anos
Plano de Turismo
Integrado do Vale do
Governo do
Rio Tijucas e Itajaí
ADRVALE
Estado de
Mirim – Convênio
Santa Catarina
ADRVALE/SDR
Plano de Turismo
Integrado do Vale do
Rio Tijucas e Itajaí
Mirim – Convênio
ADRVALE
ADRVALE/SEBRAESC
Programa de
ADRVALE
Incentivo à Melhoria
e a Inovações
153
Contínuas na
Indústria Têxtil e de
Confecção
Agenda Estratégica
PÓLO RS
Acima de R$
Federações
do RS - 2020
13 anos
1.000.000,00
ADR Visão e
Projeto Linha
ADR VISÃO
Prefeituras
Indefinido
Indeterminado
ADR Visão
Indefinido
Não informado
Aeroporto
ADR Visão
Indefinido
Não informado
Programa Visão de
Parceiros
Indefinido
Não informado
Futuro
Regionais
Turística
Municipais
Paisagismo da
ADR VISÃO
Avenida Central de
Gramado
ADR VISÃO
ADR VISÃO
Biocombustíveis de
subprodutos do
ADR SÃO
Investidores
R$
Privados
25.000.000,00
arroz: produção de
BORJA
18 meses
álcool, biodiesel e
ração animal
Universidade e
Escola: Convênio
ADR SÃO
UFRGS e ADSB –
Iniciativa
BORJA
melhorar o ensino
Privada
R$ 6.800,00
Em estudos
fundamental e médio
no município
Universidade e
Escola: Convênio
ADR SÃO
UFRGS e ADSB –
Iniciativa
BORJA
melhorar o ensino
Privada
05 anos
fundamental e médio
no município
154
Plataforma
Logística: estrutura
para
Iniciativa Privada e
transportadoras;
Investidores
ADR SÃO
R$
BORJA
03 anos
50.000.000,00
indústrias de
Holandeses
transformação;
serviços; hotel; etc.
Curso de
ADR
especialização em
CNPq/AMUNOR/
Gestão de Recursos
UPF
R$ 80.000,00
AMUNOR
Não informado
Hídricos
ADR
Programa de
Embrapa
Reflorestamento
Florestas/AMUNOR/
R$
e
EMATER e
2.000.000,00
Florestamento
Participes
Indeterminado
AMUNOR
Crédito Fundiário –
ADR
R$
227 Projetos
MDA
AMUNOR
Indeterminado
10.081.000,00
Encaminhados
Aquisição de Mudas
Governo do
ADR
Para
Estado do Rio
AMUNOR
R$ 120.000,00
Indeterminado
Florestamento e
Grande do Sul
Reflorestamento
9 – Criação de Data Base Marketing para a Rede de ADRs
Objetivo: Proporcionar maior interatividade e aproximação entre a Rede de ADR’s. Permitindo
maior efetividade nas ações de divulgação da rede e no estabelecimento de relacionamento
com parceiros.
Foi realizado a montagem de um “mailling list” unificado da coordenação da Rede de ADR do
Paraná e do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e Fortalecimento de Agências de
Desenvolvimento Regional do Paraná para estabelecer um processo de comunicação
continuado com uma comunicação eficaz e de “mão dupla” entre os seus integrantes.
155
Já estão listadas 191 instituições públicas, 42 instituições de ensino, 193 instituições de classe,
336 veículos de imprensa estaduais (sendo 210 rádios locais e 82 jornais locais), todo o
Congresso Nacional (rol completo de todos os gabinetes de deputados federais e senadores).
Solicitado para o setor responsável no Sistema FIEP os cadastros, para comunicação
continuada, de prefeituras municipais do Estado do Paraná, Secretarias estaduais e
Associações de representativas de classe, etc. Inclusão do Cadastro das Indústrias do Estado
do Paraná neste DBM. Identificação de ferramenta de disparo de e-mails que gere relatórios de
performance para intensificar a comunicação fortalecendo conceitos e formando opinião sobre a
importância das Agências de Desenvolvimento Regional no desenvolvimento sustentável de
uma região.
Este processo da construção de um mailling unificado de relacionamento para a Rede de ADRs.
Identificação junto as Agências dos públicos de interesse para receber informações sobre a
Rede através da inclusão de pergunta específica no instrumento de pesquisa encaminhado as
ADRs. Reunião com coordenador do NIEPE – Sr. Alcides para interagir com a base de dados
do Sistema FIEP e formalização de que os envios dos boletins informativos serão enviados
através de ferramentas próprias Sistema. Início do processo de pesquisa e adequação do
mailling já existente na empresa de consultoria existente. Principais públicos-alvo identificados
dentro do Sistema FIEP além da Coordenadoria de Comunicação Social:
Solicitação de formatação de mailling de interesse para a comunicação das Agências de
Desenvolvimento Regional do Estado do Paraná segundo o instrumento de pesquisa enviado.
Solicitado para especialização junto ao NIEPE:
Associações de Classe do Estado do Paraná
Associações Comerciais Municipais
Associação Comercial Estadual
Federações Comerciais e Industriais
Prefeituras e Secretarias de Comunicação Municipais
Universidades e faculdades estaduais e regionais
Cooperativas no estado
SEBRAE - sedes regionais e estadual
Veículos de Imprensa do Estado do Paraná
Rotarys e Lions Club
Sindicatos Patronais
Órgãos dos governos Estadual e Federal
Indústrias do estado – cadastro da indústria
156
10 - Fortalecer as parcerias com o CIN, ORBIS, ODM e outras
áreas de interesse do Sistema FIEP
Atas das Reuniões do Núcleo de Apoio à Promoção do Desenvolvimento
Primeira Reunião
Data: 29/01/2008
Núcleo de Apoio a Promoção do Desenvolvimento
Reunião
solicitada por:
Horário: 09h30min
Local: SESI-Avenida Cândido de
Abreu, 200, 4º andar.
Maria Cristhina S. Rocha – Gerente de Projetos de Articulação Estratégica - SESI.
Fabiana Skrobot - Observatório - SENAI
André Luiz Pena, Germano Vieira e Paula Tissot – CIN.
Presentes:
Luciana Brenner e Alby Duarte Rocha – ORBIS.
Cidinha Udenal e Angelo Tadini – ODM.
Maria Cristhina Rocha, Daniele Farfus e Karina Lubaszewski – SESI
Ata
Proposta para formulação de um Plano de Trabalho Conjunto entre
Pauta:
Programas do Sistema FIEP junto à Rede de Agências de Desenvolvimento
Regional do Paraná.
Discussão:
Estimular a interação entre as entidades do Sistema FIEP junto à Rede de Agências
Inserção de programas das seguintes áreas do Sistema FIEP na proposta de trabalho: Rede
Empresarial, UNINDUS, Rede de Sustentabilidade, Marketing.
Composição de uma equipe de trabalho em cada agência para acompanhar as atividades
desenvolvidas.
Reuniões periódicas com os participantes do “Núcleo de Apoio a Promoção do
Desenvolvimento”.
Conclusão:
Itens de ação
Responsável
a) Mobilizar a Rede Empresarial
Germano
b) Mobilizar a UNINDUS
Luciane Brenner
Data
157
c)
Mobilizar a Rede Sustentabilidade
Fabiana Skrobot
d) Solicitar a participação do diretor corporativo de
Marketing do sistema FIEP Sr. Marcelo Passi Mafra na
próxima reunião.
Karina Lubaszewski
e) Formular e encaminhar por e-mail propostas de trabalho
para que o Angelo Tadini, analista de projetos, possa
elaborar um formato de projeto ideal, a ser trabalhado em
conjunto na próxima reunião.
Áreas envolvidas
deverão encaminhar as
informações para
Angelo, Alby e Karina.
Próxima Reunião: Formulação do Plano de Trabalho
Núcleo de apoio a
Promoção do
Desenvolvimento
01/02/2008
07/02/2008
Segunda Reunião
Data: 07/02/2008
Núcleo de Apoio a Promoção do Desenvolvimento
Reunião
solicitada por:
Horário: 16h:00 min
Local: SESI-Avenida Cândido de
Abreu, 200, 3º andar.
Maria Cristhina S. Rocha – Gerente de Projetos de Articulação Estratégica - SESI.
Fabiana Skrobot - Observatório - SENAI
Germano Vieira – CIN.
Presentes:
Luciana Brenner Alby Duarte Rocha – ORBIS.
Luciana – Rede de Sustentabilidade
Maria Cristhina Rocha,Osny Taborda Ribas Jr. e Karina Lubaszewski – SESI
Ata
Apresentação das propostas para formulação de um Plano de Trabalho Conjunto
Pauta:
entre Programas do Sistema FIEP junto à Rede de Agências de Desenvolvimento
Regional do Paraná.
Discussão:
Composição de uma equipe de trabalho (contratação de estagiários) para acompanhar as
atividades desenvolvidas junto às ADRs.
Inserção de programas das seguintes áreas do Sistema FIEP na proposta de trabalho: Rede
Empresarial, UNINDUS, Rede de Sustentabilidade, ODM e a diretoria de Capacitação e
Fomento.
Possível criação de um Núcleo de Capacitação de Recursos através da diretoria de
Capacitação e fomento do sistema FIEP.
158
Propostas
CIN
Centro Internacional de Negócios
Responsáveis
André/Germano
Objetivo Geral: Estruturar planos, estudos e ações de apoio e promoção conjuntas entre as agências
de desenvolvimento e o Centro Internacional de Negócios.
Curso de Capacitação em Ferramentas de Comércio Exterior com 1 dia de duração.
Obs. 5 ADRs já demonstraram interesse.
Troca de informações, calendário e agendas.
Criação de um grupo Temático- Contatos mensais
Observatório SENAI
Rotas Estratégicas para Indústria
Responsáveis
Paranaense
Fabiana
Skrobot/Marília
Objetivo Geral: Divulgação das ações propostas nas Rotas Estratégicas para as ADR’s, já que
muitas das ações propostas/sugeridas ao longo das Rotas podem trazer oportunidades de
desenvolvimento regional.
Divulgação das ações propostas no trabalho Rotas Estratégicas para Indústria Paranaense
com duração de 2 dias nas seguintes cidades: Ponta Grossa, Londrina, Campo Mourão,
Cascavel, Francisco Beltrão, Maringá e Foz do Iguaçu.
ORBIS
Observatório Regional Base de
Indicadores de Sustentabilidade
Responsáveis
Luciana Brenner /
Alby Rocha
Objetivo Geral: apoiar a estruturação de núcleos de observação do desenvolvimento, mediante a
organização de sistemas de informações regionais, a elaboração de estudos e análises para subsidiar
a definição e execução de programas, projetos e ações que tragam resultados efetivos ao processo
de desenvolvimento de suas áreas de abrangência; realizar atividades de capacitação e transferência
de tecnologia em gestão de informações e monitoramento de indicadores.
Estruturação de 5 núcleos até o final de março/2008
Capacitação dos gestores ou estagiários das ADRs envolvidas.
Próximas Ações - Núcleo
Responsável
f)
Mobilizar a UNINDUS
Data
159
g)
Mobilizar a Rede Empresarial
h) Mobilizar a diretoria de
Capacitação e Fomento
i)
Formular e encaminhar por email propostas de trabalho.
Encaminhar as informações para
Karina.
12/02/2008
Terceira Reunião
Data: 11/03/2008
Núcleo de Apoio a Promoção do Desenvolvimento
Reunião
solicitada por:
Horário: 15h00min
Local: SESI-Avenida Cândido de
Abreu, 200, 4º andar.
Maria Cristhina S. Rocha – Gerente de Projetos de Articulação Estratégica - SESI.
André Luiz Pena – CIN.
Luciana Brenner e Alby Duarte Rocha – ORBIS.
Angelo Tadini – ODM.
Presentes:
Maria Cristhina Rocha, Osny Taborda Ribas Jr. e Karina Lubaszewski – SESI
Taras Antonio Dilay
Eduardo Kossowski
Ata
Pauta:
Análise do questionário respondido pelas ADRs
Discussão:
Elaboração de uma matriz de sensibilização das ADRs quanto ao engajamento nos projetos do
Sistema FIEP.
Criação de uma ferramenta para inserção de informações e canal de comunicação entre os
integrantes do Núcleo.
Conclusão:
Itens de ação
j)
Formular e encaminhar por e-mail matriz de
sensibilização aos participantes do Núcleo.
k) Idéias para criação da ferramenta
Próxima Reunião:
Responsável
Data
Alby.
Luciana, Alby e Angelo
Núcleo de apoio a
Promoção do
Desenvolvimento
25/03/2008
160
Quarta Reunião
Data: 25/03/08
Horário: 14h30min
Local: SESI-Avenida Cândido de
Abreu, 200, 4º andar.
Luciana Brenner e Alby Duarte Rocha – ORBIS.
Núcleo de Apoio a Promoção do Desenvolvimento
Angelo Tadini – ODM.
Presentes:
Osny Taborda Ribas Jr. e Karina Lubaszewski – SESI
Taras Antonio Dilay
Geraldo M. Bolzani
Ata
Reunião de trabalho baseando-se na matriz de sensibilização das
ADRs quanto ao engajamento nos projetos do Sistema FIEP.
Pauta:
Discussão:
Criação de uma ferramenta para inserção de informações e canal de comunicação entre os
integrantes do Núcleo.
Comprometimento dos participantes do Núcleo
Conclusão:
Itens de ação
l)
Solicitar o cronograma de atividades aos integrantes do
núcleo
m) Criação da ferramenta
Próxima Reunião:
Responsável
Karina
Luciana, Alby e Angelo
Núcleo de apoio a
Promoção do
Desenvolvimento
Data
161
Matriz de sensibilização das ADRs quanto ao engajamento nos projetos do Sistema
FIEP.
- UNINDUS - Reunião com o Sr. Eduardo César Dechechi, o assunto tratado foi a estruturação
de um projeto de capacitação piloto, definido para ser realizado em parceria com o Instituto de
Desenvolvimento Regional de Maringá. Ficou acertado que será realizado um planejamento
pela área de Desenvolvimento Organizacional, o qual definirá quais serão as capacitações a
serem executadas.
- CIN – Centro Internacional de Negócios: Dando continuidade às propostas do Centro
Internacional de Negócios, departamento de Comércio Exterior da Federação das Indústrias do
Estado do Paraná, foi finalizada a formatação de um curso básico para uso das ferramentas de
informações de comércio exterior. O Curso de Ferramentas em comércio exterior tem como
principal objetivo a capacitação de gestores e técnicos das Agências de Desenvolvimento
Regional, para que identifiquem potencialidades do Comércio Internacional de sua região com
base em pesquisas nas bases de dados utilizados pelo Centro Internacional de Negócios. As
agências que tiverem interesse em capacitar os seus colaboradores, estão enviando sugestões
de datas para a realização da capacitação.
162
Data: 18/09/2008
Assunto: Reunião para a apresentação do Programa de Estruturação de Agências de
Desenvolvimento Regional do Paraná para o novo gerente executivo do IEL e também para o
coordenador de projetos ligados a inovação, buscando alinhar as ações e a realização de
projetos em parceria.
Local: Sede da FIEP
Hora: 10:00 horas
4.Participantes:
Rodrigo Weber (Gerente Executivo do IEL – Instituto Euvaldo Lodi do PR)
Maurício Todeschini (Coordenador de Projetos – IEL/PR)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Data: 25/09/2008
Assunto: Apresentação do Programa de Apoio a Estruturação e Fortalecimento das Agências de
Desenvolvimento Regional para os Gerentes Regionais do SESI/PR.
Local: CIETEP - FIEP
Participantes:
Superintendente do SESI/PR
Gerentes Regionais do SESI/PR
Osny Taborda Ribas Junior (Consultor do SESI/PR)
11- Identificar e Contatar Possíveis Novos Parceiros
- Aliança Empreendedora: Foi realizada no dia 12/05/08, reunião com o presidente da
Instituição, Sr. Luís Paschenda, onde foram apresentados os programas desenvolvidos pela
Aliança Empreendedora e pelo SESI/PR. As ações e atividades em execução pelas duas
Entidades são complementares, no sentido de que buscam o desenvolvimento sustentável e o
fomento ao empreendedorismo. A Aliança Empreendedora esta realizando um projeto de
responsabilidade social com a empresa MASISA na região metropolitana de Curitiba, tal projeto
será estendido para a região de Ponta Grossa, onde será coordenada pela Agência de
Desenvolvimento dos Campos Gerais – ADEC e contará com o apoio do Programa de Apoio a
163
Implantação, Estruturação e Fortalecimento de Agências de Desenvolvimento Regional do
Paraná do SESI/PR.
- IPD – Instituto Paraná Desenvolvimento: No dia 21/05/08 foi realizada uma reunião com
técnicos da DA2, Sr. Adriano Sica e Sr. David Ferreira Jr.. O assunto tratado foi o
desenvolvimento de um projeto de fortalecimento da agricultura orgânica na região de
abrangência da Itaipu Binacional, com o apoio da FAO. Ficou agendada para o próximo dia
3/06/08, onde será aprofundado a elaboração do projeto, que deve contar com recursos do
Governo Federal.
- UNIFAE – Reunião com o Dr. Antoninho Caron, o assunto tratado foi a parceria com a
universidade no sentido de viabilização do I Encontro Sul Brasileiro de ADRs a ser realizado nos
dias 05, 06 e 07 de outubro deste ano.
- Agencias de Desarollo Productivo do Chile
Apresentação do Coordenador Geral do Programa de Agências de Desenvolvimento Regional
do Governo do Chile, Sr. Julio Ruiz Fernandez.
12- Articular a Estruturação de 08 novas ADR’s, conforme
Projeto
As atividades realizadas na articulação e apoio a estruturação de 08 novas ADRs, podem
ser dividas em três grupos:
a) O primeiro com o apoio na articulação e estruturação de novas ADRs
b) O segundo com o apoio para ADRs que já haviam sido criadas, porém estiveram
passando por momentos de quase insolvência
c) Em regiões que estão propensas a criarem ADRs, porém tendo em vista a campanha
política para prefeitos e vereadores realizada em outubro de 2008, preferiram não dar
início ao processo, aguardando a posse dos novos prefeitos, secretários e
vereadores para levar adiante a formação da agência.
Na sequência vamos nos deparar com as ADRs inclusas nos itens a e b acima citados:
164
Região do Vale do Ribeira
A região do Vale do Ribeira estava contemplada pela Agência de Desenvolvimento da
Mesoregião Vale do Ribeira Guaraqueçaba. A região abrangia municípios dos estados do
Paraná e São Paulo. Esta ADR foi transferida para a região sul do estado de São Paulo.
Promover nova articulação entre as lideranças dos municípios paranaenses para constituir uma
nova ADR somente com os sete municípios do Paraná.
Ações Realizadas:
Participação da reunião do Fórum de Desenvolvimento Sustentável do Vale do Ribeira no dia 25
de abril de 2008, com a presença de três Prefeitos Municipais (Rio Branco do Sul, Tunas do
Paraná e Itaperuçu), autoridades públicas e lideranças regionais. Aproximadamente 60
pessoas. Palestra realizada para explicar os conceitos de desenvolvimento regional e a
estrutura de uma Agência de Desenvolvimento Regional objetivando articular a criação e
estruturação de uma nova ADR na região. Participação do lançamento do Jornal do Fórum e
dos debates referentes ao programa do Governo Federal Territórios da Cidadania que instituiu o
Vale do Ribeira como uma região prioritária para investimentos.
Data: 11/06/2008
Assunto: Reunião na Cidade de Tunas do Paraná com a Secretária do Fórum de
Desenvolvimento Regional do Vale do Ribeira, Sra. Tosca Zamboni e o Sr. Ângelo do
Movimento Nós Podemos Paraná para retomar as ações dos ODMs na região e reorganizar a
Agência de Desenvolvimento do Vale do Ribeira, provavelmente fundando uma nova ADR já
que, a hoje existente, esta atuando com foco nos municípios do Vale do Ribeira pertencentes ao
Estado de São Paulo.
Local: Casa da Cultura de Tunas
Hora: 11:00 horas
Reestruturação da Governança do Instituto Regional de Desenvolvimento de Toledo –
IDR-OESTE
No dia 14/05/08, na sede da ACIT – Associação Comercial e Empresarial de Toledo, foi
realizada uma reunião com o sentido de reestruturar e abrir a ADR para novos parceiros. A
reunião contou com a presença de relevantes Instituições: Unipar, Sadia S. A., Secretaria de
Indústria e Comércio de Toledo, Sebrae, Sesi, Senai, Unoeste, PUC/PR, UTFPR, Sperotto
Contadores, Sinvar e ACIT.
165
Após uma explanação realizada pelo presidente do IDR-OESTE e do consultor Osny Taborda
Ribas Jr., foi aberta a palavra aos presentes, que se manifestaram favoravelmente ao
fortalecimento do IDR-OESTE. Em seguida foi solicitado que respondessem a três questões (as
respostas estão apresentadas na sequência deste relatório) e fechando a reunião, ficou
acordado que um novo planejamento deverá ocorrer com o apoio do SESI, durante o mês de
junho, para ser validado pelas lideranças e colocado em prática.
Planejamento do IDR-OESTE, Agência de Desenvolvimento Regional, 14/05/2008.
Reestruturação da Governança da ADR-AIMES (Loanda)
No dia 13/05/08, foi realizada uma reunião do consultor Osny Taborda Ribas Jr. Com a diretoria
da ADR-AIMES, cuja pauta foi a avaliação da atual situação da agência em questão. A ADR é
composta em sua diretoria exclusivamente por membros da própria AIMES, o que a nosso ver,
não contempla a participação da Sociedade Civil Organizada da Região de abrangência da
ADR. Como resultado da reunião, foi agendada uma reunião para o mês de junho, na qual
serão convidadas várias lideranças regionais, para primeiramente terem através de uma
palestra, uma visão mais apurada da importância de uma ADR para a região e num segundo
momento, para que estejam se agregando aos projetos das ADR-AIMES e sugerindo e
participando de projetos de interesse da comunidade local.
Reestruturação da Agência de Desenvolvimento de Irati
Do mesmo modo, durante o mês de maio, continuamos as tratativas com as lideranças da
região de Irati, buscando sensibilizá-los a buscar uma reestruturação efetiva da ADESI, com a
reformulação completa de sua estrutura de gestão e realização de um Planejamento Estratégico
que norteie suas atividades para os próximos anos.
Data: 30/07/2008
Assunto: A reunião teve como tema principal a necessidade da reestruturação da ADR. Foi
proposta a mudança no nome, hoje conhecida como ADESI – Agência de Desenvolvimento
Sustentado de Irati, pois pouco se consegue articular com municípios vizinhos. Ficou definido
que a Unidade SESI cederá espaço físico para a Agência. Foi agendada a Assembléia Geral
para o mês de outubro e definido um convite para a participação da ADR do Sudoeste, para
relatar sua experiência. Outro assunto tratado foi a requisição de um estagiário de graduação
para estar atuando na ADR.
Local: AMCESPAR- Associação dos municípios do Centro- Sul do Paraná
Hora: 9:30 horas
Participantes:
166
Enezito Ruppel (Coordenador da FIEP)
Eliane Ritter (Gerente da Unidade do SESI)
José Tadeu Jenczmianski (Presidente da Associação Comercial e Industrial de Irati)
Paulo Secco (Presidente da ADESI e da ADECSUL)
Luiz Vanderlei Kawa (Assessor da Associação dos Municipios)
Karina Fonntinelli Lubaszewski (SESI)
Data: 18/08/2008
Assunto: Reunião de articulação para reestruturação da ADESI.
Local: Coordenadoria da FIEP em Irati.
Hora: 19:00 horas
Participantes:
Enezito Ruppel (Coordenador da Fiep)
Eliane Ritter (Gerente da Unidade do SESI de Irati)
José Tadeu Jenczmianski (presidente da Associação Comercial e Industrial de Irati)
Paulo Secco (Presidente da ADESI e da ADECSUL)
Luiz Vanderlei Kawa (Assessor da Associação dos Municipios)
Empresários industriais.
Data: 25/08/2008
Assunto: Apresentação das sugestões de logomarcas para alteração da atual. Mudança no
nome, hoje conhecida como ADESI – Agência de Desenvolvimento Sustentado de Irati.
Local: Coordenadoria da FIEP em Irati
Hora: 19:00 horas
Participantes:
Enezito Ruppel (Coordenador da FIEP)
Eliane Ritter (Gerente da Unidade do SESI)
José Tadeu Jenczmianski (Presidente da Associação Comercial e Industrial de Irati)
Paulo Secco (Presidente da ADESI e da ADECSUL)
Luiz Vanderlei Kawa (Assessor da Associação dos Municipios)
Karina Fonntinelli Lubaszewski (SESI)
Reestruturação da Agência de Desenvolvimento Regional do Centro Sul do Paraná Evolut
Data: 29/07/2008
Assunto: Articulação para eleição da nova diretoria da Agência de Desenvolvimento Regional do
Centro Sul do Paraná – Evolut.
167
Local: Unidade FIEP/SESI/SENAI de Guarapuava
Horário: 18h00min
Participantes:
Associação comercial e Industrial de Guarapuava
UNICENTRO
EVOLUT
ENTEG
Karina Fonntinelli Lubaszewski (SESI)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Foi Eleita a chapa para compor o Conselho de Administração da Agência de Desenvolvimento
Regional do centro do Paraná, Evolut e definida para o dia 20/08/08 a Assembléia para eleição
do Conselho Fiscal. O novo Conselho de Administração ficou assim composto:
- Presidente: Paulo Sartori
- Vice – Presidente: Valdir Griogolo
- 1ª Secretária : Graziela Pilati
- 2º Secretário: Marcos Mansano
- 1º Tesoureira: Gislene Solareviski
- 2º Tesoureiro: Jair Vedóia
- Gerente Executivo: Everton
Data: 19/08/2008
Assunto: Aprovação do Conselho de Administração da Agência de Desenvolvimento Regional
do Centro-Sul do Paraná – Evolut. Proposta de desenvolvimento de um projeto junto a Klabin
que se instalará na região nos próximos meses. Apresentação do Projeto “ Guia de Turismo
Regional” a gerencia do Programa de ADRs e eleição do Conselho Fiscal.
Local: SESI
Hora: 18:00 horas
ADR – Região de Campo Mourão
01/07/08
Local: Campo Mourão – Fundação Educere
Assunto: Reunião na Fundação Educere em Campo Mourão, para tratar sobre a criação de uma
Agência de Desenvolvimento Regional na Região, onde estiveram presentes o Coordenador
Regional da FIEP, Sr. Ater Cristofoli, o gerente da Unidade do SESI/SENAI de Campo Mourão,
Sr. Eder William e a equipe técnica envolvida com o APL de Materiais Médico-odontológico.
168
ADR – Região de Cascavel
Data: 16/09/2008
Assunto: Reunião com a Profa. Silvia, representante da ABRH e do Núcleo de Consultores da
Associação Comercial de Cascavel, os quais estão articulando a criação de uma Agência de
Desenvolvimento Regional na Região de Cascavel.
Local: Unidade do SESI/SENAI de Cascavel
Hora: 15:30 horas
Data: 13/08/2008
Estruturação de uma ADR na Região de Bandeirantes
Local: SENAI / Londrina
Hora: 09:30 horas
Participantes:
José Roberto Altizani (Vice-Presidente Executivo e Coordenador Regional da FIEP em
Bandeirantes)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Estruturação da Agência de Desenvolvimento dos Campos Gerais – ADEC
Data: 31/07/2008
Assunto: Assembléia Geral para eleição da nova diretoria do Conselho de Desenvolvimento de
Ponta Grossa
Local: SEPAM
Horário: 19h00min
Participantes:
Integrantes do CDESPONTA
Karina Fonntinelli Lubaszewski (SESI)
Nova Composição do CDesponta:
Presidente: Ney da Nóbrega Ribas
Vice-presidente: Sérgio Leopoldo
1º Secretário: Sidney Schnekenberg
2ª Secretária: Silvana Postiglione
1º Tesoureiro: Laerte Bittencourt Filho
2º Tesoureiro: José Zierhut
169
Na ocasião, foram designados e tomaram posse os novos membros titulares e suplentes,
respectivamente, do Conselho Fiscal:
Comércio: Rodrigo Baron Martins e José Carlos Loureiro Neto
Indústria: Luiz Paulo Rover e José Livio Burda
Serviços: Edson Luiz Maschio e Luiz Cézar Buss
Educação: Maria Aparecida Hinsching e Graciete Goes
Poder Público: Eliane Maria Schwab e Nelson Canabarro
Data: 01/08/2008
Assunto: Aproximação das lideranças locais da ADR dos Campos Gerais, para estruturação da
Agência de Desenvolvimento dos Campos Gerais - ADEC
Local: SESI Telêmaco Borba
Participantes:
Karina Fonntinelli Lubaszewski (SESI)
Entidades defendem Agência Regional
Propost a é vista com o solução para super ar f alta de integração
Publicado em: 21/01/2009 00:00
Eduardo Farias
Existe uma proposta da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) que cria a
Agência de Desenvolvimento Regional dos Campos Gerais. A Fiep, junto com outras entidades,
como o CDesponta e a Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do
Paraná (Faciap), trabalham no projeto da Agência desde 2004. Segundo Ney da Nóbrega, a minuta
do estatuto está pronta e a intenção é de até abril ser realizado um evento para sensibilizar o
Poder Público e entidades dos municípios para que possam somar com a iniciativa, que preten de
contar com a participação de toda a sociedade civil organizada. A Agência deve funcionar como
um meio de conseguir recursos federais para impulsionar a economia da região. Ela será formada
por uma equipe técnica que prestará serviço para as prefeituras, tanto na elaboração de um plano
de desenvolvimento, quanto na confecção de projetos para impulsionar a economia da região.
Assim, o dinheiro viria para os municípios através da Agência, sem vínculo político.
Os municípios de menor porte serão os mais beneficiados em termos de projetos. Isso porque
muitos deles contam com equipes técnicas reduzidas, com poucos profissionais. Fato que dificulta
na hora de fazer novos projetos, o que acaba inviabilizando a liberação dos recursos.
Quando fazia parte da diretoria do CDesponta, o atual diretor do Departamento de Qualificação
170
Profissional da Prefeitura de Ponta Grossa, Nelson Canabarro, foi um dos responsáveis pela
elaboração do projeto da Agência. Ele conta que as vantagens são satisfatórias, porque a região
será pensada como um todo.
Ele acredita que o avanço desequilibrado das cidades faz surgir novos problemas, como o
aumento da violência e a formação de favelas nos municípios de maior porte. Nesse caso, Ponta
Grossa é a maior prejudicada, por ser a cidade-pólo da região. Segundo Canabarro, atualmente
cerca de 48% dos trabalhadores informais que atuam em Ponta Grossa são de cidades vizinhas,
que não encontram empregos formais em seus locais de origem e vêm para a cidade -pólo.
13 – Identificar Projetos Prioritários Públicos e Privados em
cada Região
Durante os meses de abril e maio, foram realizadas visitas técnicas nas Agências de
Desenvolvimento Regional do Paraná, com o propósito de levantar o atual estágio dos projetos
em execução pelas mesmas, e as propostas de trabalho a serem executadas durante o ano de
2008. Na sequência são apresentados um resumo dos trabalhos em andamento e a serem
realizados com o participação do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e
Fortalecimento de Agências de Desenvolvimento Regional do Paraná, pertencente a
Coordenação de Projetos Especiais do SESI/PR.
171
Agência de Desenvolvimento Regional do Sudoeste do Paraná
172
Instituto de Desenvolvimento Regional de Maringá
173
Associação de Desenvolvimento Tecnológico de Londrina e Região - ADETEC
174
Agência de Desenvolvimento Regional Terra Roxa Investimentos
175
ADR – Conselho de Desenvolvimento de Paranavaí
176
Agência de Desenvolvimento Regional dos Campos Gerais - ADEC
177
Agência de Desenvolvimento Regional Evolut
178
ADR AIMES – Associação das Indústrias de Metais Sanitários de Loanda e Região
179
Agência de Desenvolvimento Regional do Extremo Oeste do Paraná – ADEOP
180
Instituto de Desenvolvimento Regional de Toledo e Região – IDR-OESTE
181
Agência de Desenvolvimento Regional de Irati e Região – ADESI
182
Novas regiões propensas a criação de Agências de Desenvolvimento Regional no
Estado do Paraná. Em verde são as regiões prioritárias para a estruturação das ADRs.
183
184
14 – Desenvolver os Empreendimentos trabalhados no
Projeto Nova Indústria com Parceiros Públicos e Privados
Curso de Qualificação em Jeans - Ponta Grossa
Dentro da proposta do programa Nova Indústria junto a Agência de
Desenvolvimento Regional de Ponta Grossa estava inserido a realização de capacitação
industrial voltada ao jeans. O curso já está sendo ministrado com duração de 230
horas/aula, no período de 21/01/2008 à 23/07/2008 no horário das e outra turma no
período de 22/01/2008 à 05/07/2008 .
Centro de Referência Agroalimentar - ADETEC
O CENTRO DE REFERÊNCIA AGROALIMENTAR DO PARANÁ que atua com o
projeto "Indústria de Alimentos à Base de Soja" do Programa Nova Indústria , continua
desenvolvendo ações
A reunião do grupo de trabalho de organização do projeto,
ocorreu no dia 27 de fevereiro.
ADR do Sudoeste – Plano de Trabalho do Sistema SISCLAF
O presente têm por objetivo apresentar um descritivo dos trabalhos que foram desenvolvidos
pelo Projeto Nova Indústria quanto a realização de consultoria na estruturação setorial e de
185
funcionamento do Sistema SISCLAF, especialmente em relação a sistematização na gestão
financeira, administrativa, comercial e produtiva da nova indústria de queijos e derivados, bem
como do Sistema SISCLAF em geral.
Salientamos ainda que este plano de trabalho, é fruto de entendimentos prévios junto aos atores
envolvidos, o plano de trabalho iniciou a execução de parte da 1ª fase, demandou
procedimentos e atendimentos à reuniões, discussões, Estudos Técnicos, visitas in-loco,
Avaliação de processos e novas estruturações, principalmente na ferramenta de controle e
gestão da informação (software de gestão), o que será a base de estruturação para o
funcionamento padronizado, sistematizado e eficaz do Sistema SISCLAF e suas respectivas
atividades.
Fundamentação da Demanda – fases:
Diante dos estudos demandados e do conhecimento propiciado a partir da elaboração do Plano
de Negócios do Sistema Sisclaf (08-2007), bem como das necessidades de implementações,
principalmente em relação a Gestão Administrativa, Financeira e de Informação Gerencial, na
qual temos clara a leitura das suas necessidades, as quais inclusive foram transcritas
sintéticamente em 11-2007 no encontro - Oficina para Apresentação do Plano de Negócios e
Estruturação do Plano de Gestão, ministrado pelo consultor (moderador) Sérgio Cordioli. O
entendimento é no sentido de que, se faz necessário uma avaliação profunda e técnica das
atuais atividades e suas atuais ferramentas e sistematizações de gestão existentes, bem como
as necessidades de implementações em processos, tecnologia, setores e equipes de trabalho
em geral.
Para atingir um nível de eficiência nas implementações do Plano de Negócio, principalmente
aquelas voltadas a gestão Financeira, Administrativa e Gerencial é, existiu a necessidade de
que fosse realizada uma assessoria pontual, durante um determinado período de tempo, de
acordo com as etapas e metas de implantação do plano de negócio e seus respectivos ajustes.
Esta Assessoria, demandou esforços estratégicos junto aos “Grupos de Trabalho”, porém, em
fase inicial dedicando-se em avaliações in-loco dos processos de gestão, do software que
comandará as diretrizes e a agilidade e confiabilidade dos processos, definindo equipes e
estipulando metas e planos de ação, discutindo alternativas, e viabilizando e interagindo
inclusive no entendimento do Plano de negócios e Treinamentos in-loco a determinados setores
e procedimentos.
Ocorre, que por sua vez, devido aos fatores Internos e Externos da Instituição, especialmente
em razão da liberação de recursos, os quais se destinam em sua maioria para a finalização de
186
aquisições de equipamentos e ampliação da unidade industrial, alguns aspectos e metas foram
suspensas em detrimento disso, o que entendemos também ser prudente.
Porém neste plano de trabalho, conforme aprovação da FIEP/SESI, foi abordada a execução
de parte da 1ª fase de trabalhos conforme segue:
Estudo, Avaliação, Organização e Estruturação das Bases e Ferramentas de Gestão
Operacional e Organizacional – inclusive equipes e setores de trabalho do SISCLAF, mediante
discussão das etapas e forma de realização dos trabalhos em todas as fases e setores, com
definição das responsabilidades e metas de cada Equipe e Setor, especialmente na consultoria
de avaliação e estudos de processos e ferramentas de gestão dos setores FINANCEIRO /
ADMINISTRATIVO / CONTABILIDADE, SOFTWARE
E INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
INTERNA;
15. Elaborar Planejamento da Rede ADRs
Pauta da 1ª Reunião de Trabalho da Coordenação da Rede de ADRs
Ata da 1ª Reunião de Trabalho da Coordenação da Rede de ADRs
Local: Sede da FIEP em Curitiba.
187
Presentes:
Ata
Revisão, atualização e aplicação do plano estratégico 2008 do Programa de
Apoio na Implantação, Estruturação e Fortalecimento de ADRs- Agências de
Desenvolvimento Regional do Paraná
Apresentação do Sr. Tarás Antonio da Dester Consultoria e Treinamento
Pauta:
Ltda que trabalhará junto ás ADRs.
Ações para continuidade do Nova Indústria
Apresentação das propostas do Núcleo de Apoio à Promoção do
Desenvolvimento junto à Rede de ADRs do PR
Discussão:
- Recursos disponibilizados às ADRs
- Fortalecimento de Parcerias
- Ações que contribuam para a sustentabilidade
- Reposicionamento com intuito de fortalecer as ADRs
- Ações de mobilização
- Interação de assuntos
- Comunicação
- Divulgação
- Ranking das Agências
- Resultados esperados e apresentados pelas ADRs
188
- Criação de um Fórum de Discussão
- Articulação Marketing/ Comunicação
- Inserção de profissionais “locais” para acompanhar as atividades desenvolvidas
junto às ADRs.
Propostas Apresentadas pelo Núcleo de Apoio à Promoção do Desenvolvimento
CIN
Centro Internacional de Negócios
Responsáveis
André/Germano
Objetivo Geral: Estruturar planos, estudos e ações de apoio e promoção conjuntas entre as agências
de desenvolvimento e o Centro Internacional de Negócios.
Curso de Capacitação em Ferramentas de Comércio Exterior com 1 dia de duração.
Troca de informações, calendário e agendas.
Criação de um grupo Temático- Contatos mensais
Observatório SENAI
Rotas Estratégicas para Indústria
Paranaense
Responsáveis
Fabiana
Skrobot/Marília
Objetivo Geral: Divulgação das ações propostas nas Rotas Estratégicas para as ADR’s, já que
muitas das ações propostas/sugeridas ao longo das Rotas podem trazer oportunidades de
desenvolvimento regional.
Divulgação das ações propostas no trabalho Rotas Estratégicas para Indústria Paranaense
com duração de 2 dias nas seguintes cidades: Ponta Grossa, Londrina, Campo Mourão,
Cascavel, Francisco Beltrão, Maringá e Foz do Iguaçu.
ORBIS
Observatório Regional Base de
Indicadores de Sustentabilidade
Responsáveis
Luciana Brenner /
Alby Rocha
Objetivo Geral: apoiar a estruturação de núcleos de observação do desenvolvimento, mediante a
organização de sistemas de informações regionais, a elaboração de estudos e análises para subsidiar
a definição e execução de programas, projetos e ações que tragam resultados efetivos ao processo
de desenvolvimento de suas áreas de abrangência; realizar atividades de capacitação e transferência
de tecnologia em gestão de informações e monitoramento de indicadores.
Estruturação de 5 núcleos até o final de março/2008
Capacitação dos gestores ou estagiários das ADRs envolvidas.
ODM
Nós Podemos Paraná
Responsáveis
Cidinha/ Angelo
227
Objetivo Geral: integrar as ADRs na mobilização da sociedade em torno dos objetivos de
desenvolvimento do milênio, dando visibilidade e ressaltando o papel estratégico das agências para o
desenvolvimento regional.
Realização de 20 Círculos de Diálogo
Reuniões com os Núcleos de Trabalho
Realização de 07 Mostras de Projetos
08 Oficinas de Elaboração de Projetos
Oficina para Gestão do Voluntariado
Rede de Participação Política do Empresariado
Responsáveis
Marinho/ Silvio
Objetivo Geral:
Atração de participantes para o curso permanente a distância de formação política
promovido pela Rede Empresarial
Possibilidade de construção de um curso específico para o envolvimento das ADRs na
Rede
Estímulo e indicação de pelo menos uma pessoa de cada ADR para integrar o núcleo de
articulação da Rede Empresarial, especialmente para se envolver com o Projeto Político
de Desenvolvimento das Cidades do Paraná.
228
Coordenação da Rede de ADRs do Paraná reúne-se para fazer balanço das
atividades e planejar o segundo semestre.
Objetivo Geral: Apoiar a estruturação Agências de Desenvolvimento Regional de forma
sistematizada, com o intuito de promover o desenvolvimento local, regional ou setorial, transformando
estas entidades em relevantes instrumentos de intervenção, procurando garantir a viabilidade,
efetividade e implementação, das ações e potencialidades de projetos.
Ampliar e consolidar a construção de parcerias
Fortalecer as ADR’s
Constituir um Banco de Projetos
Desenvolvimento Regional
Divulgar Estruturar e viabilizar projetos em conjunto
Elaborar o planejamento da REDE de ADRs
Organizar eventos de promoção, divulgação e de conscientização da importância do
Próximas Ações-REDE
Ações
n) NOVA INDÚSTRIA
o)
SUPORTE
p) QUESTIONÁRIO
 AGENDA
Itens de ação
Analisar os Planos de Negócios
individualmente
Enviar perfil desejado para o
profissional previsto para atuar
junto à ADR para Karina
Formular questionário para
projeção de ações do Plano de
Trabalho 2008
Gestores das ADRs deverão
fornecer o planejamento individual
de 2008 para Karina.
Responsável
Karina
Osny
Karina
q) NÚCLEO DE APOIO
Enviar propostas de interesse
Osny/ Karina
apresentadas pelo Núcleo para
Karina/Osny
r) MARKETING/
Encaminhar material para Tarás e Tarás
COMUNICAÇÃO
Karina
A Rede de Agências de Desenvolvimento do Estado do Paraná fez reunião
ordinária na manhã do dia 24 de junho para avaliar desempenho das Agências do
Paraná, definir projetos prioritários e estabelecer cronograma para o segundo semestre
de 2008.
Na reunião ficou demonstrado que cada ADR tem seu próprio tempo de
amadurecimento, algumas completamente estruturadas e já em franco desenvolvimento
229
de projetos e atividades, enquanto outras ainda em processo de estruturação e definição
de seu plano estratégico de ação.
A Rede de ADR procurará servir de apoio às Agências buscando
póia a-las na
complementação de projetos já em andamento, bem como na estruturação daquelas que
ainda necessitam potencializar sua estruturação interna.
Data: 13 e 14/10/2008
Assunto: Reunião com a Coordenação da Rede de Agências de Desenvolvimento
Regional do Paraná.
Local: Sala Ecodesign - Unindus
Ata da Reunião
Data: 13 e 14 de outubro de 2008
Local: Sala Ecodesign - CIETEP
Horário: 14:00 as 18:00 e das 9:00 às 12:00
Participantes:
Nome
Instituição
Osny Taborda Ribas Jr
SESI
Karina Fontinelli Fayad
SESI
Rosi Sabino
ADETEC
Sérgio Yamada
IDR Maringá
Deisi Wagner
IDR Oeste
Adriana Kurovski
CDESPONTA
Célio Boneti
Agência Sudoeste
Flávio Vicente
Terra Roxa Investimentos
Maria Cristhina
SESI
Antoninho Caron
UNIFAE
Discussão:
- Apresentação das ações realizadas durante 2008.
- Reestruturação da Rede
- Fortalecimento das ADRs junto às unidades SESI/ SENAI do Paraná.
- Apresentação de projetos que surtam impacto interno dentro do Sistema FIEP.
230
- Ações que garantam a sustentabilidade das ADRs.
- Reposicionamento da REDE com intuito de fortalecer as ADRs.
- Necessidade de agentes de Comunicação
- Criação de um grupo de trabalho - Elaboração de propostas para apresentação
aos futuros candidatos ao governo do estado.
- Definições para o evento de 25/11.
Itens de Ação
- Reestruturação da Rede
- Criação do grupo de trabalho
- Apresentação de projetos
- Avaliação do Plano de trabalho 2007/2008 elaborado com o apoio do consultor
Sr. Cordioli.
Apresentação da Sra. Maria Aparecida Zago Udenal – Programa ODM
Apresentação do Programa Exporta CIN pela Sra. Karla D´Arcanchy Antmann do Centro
Internacional de Negócios do Paraná - CIN
Ata da Reunião
Data: 13 e 14 de outubro de 2008
Local: Sala Ecodesign - CIETEP
Horário: 14:00 as 18:00 e das 9:00 às 12:00
Participantes:
Nome
Instituição
Osny Taborda Ribas Jr
SESI
Karina Fontinelli Fayad
SESI
Rosi Sabino
ADETEC
Sérgio Yamada
IDR Maringá
Deisi Wagner
IDR Oeste
Adriana Kurovski
CDESPONTA
Célio Boneti
Agência Sudoeste
231
Flávio Vicente
Terra Roxa Investimentos
Maria Cristhina
SESI
Antoninho Caron
UNIFAE
Discussão:
- Apresentação das ações realizadas durante 2008.
- Reestruturação da Rede
- Fortalecimento das ADRs junto às unidades SESI/ SENAI do Paraná.
- Apresentação de projetos que surtam impacto interno dentro do Sistema FIEP.
- Ações que garantam a sustentabilidade das ADRs.
- Reposicionamento da REDE com intuito de fortalecer as ADRs.
- Necessidade de agentes de Comunicação
- Criação de um grupo de trabalho - Elaboração de propostas para apresentação
aos futuros candidatos ao governo do estado.
- Definições para o evento de 25/11.
Itens de Ação
- Reestruturação da Rede
- Criação do grupo de trabalho
- Apresentação de projetos
- Avaliação do Plano de trabalho 2007/2008 elaborado com o apoio do consultor
Sr. Cordioli.
Data: 03/10/2008
Assunto: Apresentação do curso para gestores e lideranças das ADRs
(qualificação) para técnicos da UNINDUS.
Local: UNINDUS
Hora: 16:30
Participantes:
Eduardo Alves Fayet (Unindus)
Margarita Bosch (Unindus)
232
Vandete Mendonça (Unindus)
Sueli M. Pacheco (SESI/ADRs)
16-
Dar
Suporte
à
Gestão
da
Rede
de
ADRs,
prospectando os Eventos Relacionados aos Temas de
Interesse dos mesmos
Conferência Mundial sobre Desenvolvimento de Cidades
Participamos da Conferência Mundial sobre Desenvolvimento das Cidades entre
os dias 13 a 16 de fevereiro em Porto Alegre- RS.
O evento abordou assuntos referentes a Políticas Locais sobre Direitos e
Responsabilidades dos Cidadãos; Experiências Inovadoras de Gestão e Participação
Democrática; Processos de Investimento em Capital Social para Desenvolver Ativos
Econômicos, Ambientais, Humanos, Sociais e Políticos; A Emergência das Redes
Sociais e a Cidade Sustentável do Futuro.
Data: 18/06 a 20/06
Evento: Global Fórum
Local: CIETEP – FIEP - Curitiba
O encontro Global Fórum América Latina (GFAL) que aconteu entre os dias 18 e 20 de
junho. O evento, que reuniu universidades, empresas, poder público e sociedade civil,
buscando repensar o papel da educação para os negócios, com foco na
sustentabilidade, inserindo o tema da melhor maneira possível, nas agendas das
organizações. Os temas apresentados no Fórum forão desde: tecnologias limpas,
empreendedorismo e tecnologias sociais, até políticas públicas e os desafios da
sustentabilidade.
233
Data: 04/09/2008
Assunto: Participação no lançamento do Fórum das Agências de Desenvolvimento do
Estado de São Paulo.
Local: Consulado Britânico – São Paulo
Participantes:
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
As Agências que participaram do evento foram as seguintes:
Alto Tietê, Araçatuba, Araraquara, Araras, Baixada Santista, Bebedouro, Grande ABC,
Guarulhos, Jundiaí, Marília, Paraná, Piracicaba, Santo André, São Caetano, São João da
Boa Vista, São José dos Campos, São Paulo e São Roque
I Congreso Internacional de Estudios de Las Americas
Local: UERJ – Rio de Janeiro
Data: Setembro/08
Assunto: Carta de Aceite do Comitê Organizador do Evento do artigo “Proposições para
a Melhoria no Desempenho de Agências de Desenvolvimento Regional utilizando as
experiências na Região Sul do Brasil”.
Por la presente tenemos el gusto de confirmar la aceptación de la
ponencia intitulada “Proposições para a Melhoria no Desempenho de
Agências de Desenvolvimento Regional Utilizando as Experiências na
Região Sul do Brasil ” para el I Congreso Internacional de Estudios
de las Americas en la línea temática Globalización: mercado y
relaciones internacionales a celebrarse los días 8 a 12 de septiembre
de 2008 en
Universidade
do Estado do Rio de Janeiro, Campus
Maracanã.
Ponente: Osny Taborda Ribas Junior
En, Rio de Janeiro a 24 de Julio de 2008
234
Profa. Dra. Maria Teresa Toribio Brittes Lemos
UERJ
-
Rua
São
Francisco
Xavier,
524
-
7º
andar
sala
7003
Bloco
B
Maracanã - Rio de Janeiro/Brasil - CEP. 20.550.013 – Tel: 55 (21) 2587-7225
E-mails: [email protected] ou [email protected]
Data: 09/09/2008
Assunto: Apresentação do Artigo Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) da
Região Sul do Brasil: Uma avaliação de desempenho.
Local: UERJ – Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Participantes:
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Data: 02/10/2008
Assunto: Encontro de Planejamento Compartilhado.
Local: CIETEP – FIEP - Curitiba
Data: 07 e 08/10/2008
Data: 01/10/2008
Assunto: XIV Jornada Tecnológica.
Local: Auditório do Eurocenter
Hora: 13:30
Data: 23/10/2008
Assunto: Convite do Governo do Estado do Pará para apresentação da articulação
realizada pelo SESI/PR para constituição, fortalecimento e criação da Rede das
Agências de Desenvolvimento Regional no estado do Paraná.
Local: Auditório da Usina de Tucuruí - Pará
Participantes:
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Flávio Vicente (Diretor Executivo da ADR Terra Roxa Investimentos)
235
Governo do Estado do Pará
Secretaria de Estado de Integração Regional
Diretoria de Integração Territorial
PROGRAMAÇÃO DO SEMINÁRIO AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL
DATA: 23 DE OUTUBRO DE 2008
LOCAL: TUCURUÍ
PÚBLICO-ALVO: REPRESENTANTES DO SETOR PÚBLICO, EMPRESARIAL E DA SOCIEDADE
CIVIL DA REGIÃO DO LAGO DE TUCURUÍ.
PROGRAMAÇÃO:
9h - Lançamento da Política Estadual de Apoio à Implantação de ADR no Estado do Pará
– André Farias (Secretário de Estado de Integração Regional)
9:30h – Palestra: As Agências de Desenvolvimento Regional e a Política de Integração
Regional – Eduardo Costa (Secretário Adjunto de Estado de Integração Regional)
10:30 – Palestra: A ADR e o Desenvolvimento Regional – Osny Taborda Ribas Jr.
(Programa de Apoio a Estruturação das ADRs do Paraná)
11:30h – Palestra: A ADR e a Visão Empreendedora de Desenvolvimento – Cláudio
Ribeiro (Diretor de Operações do SEBRAE/PA)
14:30h – Palestra: A experiência da Rede de Agências de Desenvolvimento Regional do
Estado do Paraná – Flávio Vicente (Diretor Executivo da ADR Terra Roxa do Paraná)
15:30h – Palestra: Aspectos Jurídicos para implementação de uma ADR – Carlos Auad
(Superintendente do IEL/PA)
16:10h – Intervalo
16:30h – A Agência de Desenvolvimento Regional do Lago de Tucuruí – Denivaldo Dias
Pinheiro (Diretor de Integração Territoriais da SEIR)
18h - Encerramento
236
O Consultor do Programa de Apoio a Implantação, Estruturação e
Fortalecimento das ADRs defendeu dia 19 de março de 2008, sua tese de
doutorado em Engenharia de Produção na Universidade Federal de Santa
Catarina com o tema:
“Proposição de Critérios para o Aprimoramento do
Desempenho de Agências de Desenvolvimento Regional Utilizando como Casos
as Experiências em Curso na Região Sul do Brasil”.
Foto da defesa de Doutorado
17- Realizar Visitas para Articulação de Projetos em
Órgãos
de
Governos
Estaduais
e
Federais
e
Organizações Financiadoras
Data: 09/09/2008
Assunto:
Visita
a
Sra.
Gina
Gulineli
Paladino,
Superintendente da Área de Pequenas Empresas Inovadoras da FINEP,
buscando conhecer os diversos programas e projetos que podem ser viabilizados
pelas ADRs paranaenses.
Local: FINEP – Financiadora de Estudos e Projetos - Rio de Janeiro
Participante:
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Data: 10 a 13/09/2008
Assunto: Participação no VII Colóquio de Transformações Territoriais
Participante:
Osny Taborda Ribas Jr. (DESTER/Consultor do SESI/PR)
237
18 - Desenvolver o Conteúdo e Acompanhar a Criação de
Vídeo
Analisando o vídeo realizado para a divulgação do Programa de apoio a
estruturação de Agências de Desenvolvimento Regional do Paraná realizado no
final de 2006, afirmamos que o intuito na época foi o de efetuar um vídeo com
aspectos conceituais, mostrando de forma didática o que é uma ADR e qual o
seu papel.
Como conteúdo do segundo vídeo sobre o processo temos a propor:
a) Manter no início do vídeo um informe conceitual sobre a importância e o
papel de uma ADR;
b) Apresentar na sequência, uma série de declarações de empresários,
técnicos do setor público e privado sobre a importância e os resultados das
ADRs do Paraná;
c) Apresentar os projetos executados pelas agências;
d) Fechar com relato do Presidente da FIEP, e da alta direção da FIEP, SESI,
SENAI, IEL sobre a importância e engajamento do Sistema FIEP de apoio
ao fortalecimento das ADRs.
19 - Reuniões Técnicas Realizadas
Data: 07/04/2008
Assunto: Reunião com o Sra. Cida Lopes, responsável pelo Cartão SESI e
relacionamento com os Sindicatos com o intuito de traçar estratégias de trabalho para
alavancar os dois projetos.
Local: Sede da FIEP em Curitiba.
Hora: 08:30 horas
238
Data: 08/04/2008
Assunto: Reunião com membros da Coordenação da Rede de ADRs, oportunidade onde
foram tratados assuntos referentes ao desenvolvimento dos trabalhos junto as agências
de desenvolvimento.
Local: Sede do FIEP em Curitiba.
Hora: 09:00 horas
Data: 08/04/2008
Assunto: Reunião com o Comitê de Organização do Evento de Desenvolvimento
Territorial e Agências de Desenvolvimento, onde foram discutidos vários assuntos
referentes a sua execução.
Local: Sede do FIEP em Curitiba.
Hora: 13:30 as 16:30 horas
Data: 08/04/2008
Assunto: Reunião com a Coordenação da Rede Empresarial responsável pela região de
Curitiba, onde foram elencados os projetos prioritários a serem trabalhados durante o
semestre.
Local: Sede da Rede Empresarial no CIETEP.
Hora: 19:00 horas
Data: 09/04/2008
Assunto: Reunião com o Sr. Inezito Ruppel, Coordenador da FIEP na região de Irati,
onde foram tratados assuntos referentes a criação de uma nova ADR, que venha a
atender os anseios das lideranças regionais.
Local: Sede do SESI em Irati.
Hora: 10:00 horas
Data: 09/04/2008
Assunto: Reunião com os Gestores da ADR Evolut, tratando de uma reformulação
organizacional para a agência, com a renovação de seu quadro diretivo.
Local: Sede do SESI em Guarapuava.
Hora: 17:00 horas
239
Data: 10/04/2008
Assunto: Reunião com o Sr. Henrique Santos, Coordenador da UNINDUS, onde tivemos
a oportunidade de apresentar as ações realizadas pelo Programa de Apoio a
Estruturação de ADRs do SESI e também conhecer os cursos e projetos da UNINDUS.
Local: Sede da UNINDUS no CIETEP.
Hora: 09:00 horas
Data: 14/04/2008
Assunto: Reunião com o Sr. Fausto Amadigi e Nelson Canabarro, para tratar do
andamento e planejamento do Projeto de Negócios Inclusivos com a MASISA.
Local: Sede do SESI em Ponta Grossa e posteriormente na Fabrica da MASISA.
Hora: 10:00 e 14:00 horas
Data: 15/04/2008
Assunto: Reunião com os Gestores da ADR Terra Roxa Investimentos, da ADETEC e do
IDR – Instituto de Desenvolvimento Regional de Maringá, tratando assuntos referentes
ao andamento dos projetos em execução.
Local: Sede da ADR Terra Roxa, Sede do SESI em Londrina e Sede do IDR em Maringá.
Hora: 09:00 horas – Rolândia, 14:00 horas em Londrina e 18:00 horas em Maringá
Data: 16/04/2008
Assunto: Reunião com os Gestores da ADR de Paranavaí e ADR AIMES, tratando
assuntos referentes ao andamento dos projetos em execução.
Local: Sede da Associação Comercial e Industrial de Paranavaí e Sede da AIMES em
Loanda.
Hora: 09:00 horas – Paranavaí e 14:00 horas em Loanda
Data: 17/04/2008
Assunto: Reunião com os Gestores do Instituto de Desenvolvimento Regional de Toledo
e da ADEOP – Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste do Paraná, tratando
assuntos referentes ao andamento dos projetos em execução.
Local: Sede da Associação Comercial e Industrial de Toledo e Sede da ADEOP em São
Miguel do Iguaçu.
Hora: 09:00 horas – Toledo, 14:00 horas em São Miguel do Iguaçu
240
Data: 18/04/2008
Assunto: Reunião com os Gestores da ADR do Sudoeste do Paraná, tratando assuntos
referentes ao andamento dos projetos em execução.
Local: Sede da Associação Comercial de Francisco Beltrão.
Hora: 08:00 horas
Data: 07/05/2008
Assunto: Reunião com o consultor Eduardo César Dechechi, da UNINDUS, para tratar
do desenvolvimento de projetos em parceria com as ADRs.
Local: Sede da UNINDUS no CIETEP.
Hora: 08:00 horas
Data: 07/05/2008
Assunto: Reunião com a Coordenadora de Projetos de Articulação Estratégica,
realizando uma exposição sobre o andamento dos trabalhos e o apresentando o
planejamento para o restante de 2008.
Local: Sede da FIEP em Curitiba.
Hora: 14:00 horas
Data: 08/05/2008
Assunto: Reunião com a Coordenadora de Responsabilidade Social, Sra. Sonia Beraldi e
a Sra. Kátia, sobre estratégias para trabalhar com o Projeto de Negócios Inclusivos da
MASISA.
Local: Sede da FIEP em Curitiba.
Hora: 10:00 horas
Data: 12/05/2008
Assunto: Reunião com o Diretor Executivo da ONG Aliança Empreendedora, trocando
informações sobre vários projetos que poderão ser trabalhados em parceria.
Local: Sede da ONG Aliança Empreendedora em Curitiba.
Hora: 15:00 horas
Data: 19/05/2008
241
Assunto: Reunião com a Superintendente do SESI/PR, Sr. Fares, oportunidade onde
foram apresentadas a situação do Programa de Apoio a Estruturação de ADRs e
também de cada ADR individualmente.
Local: Sede da FIEP em Curitiba.
Hora: 10:00 horas
Data: 02/06/2008
Assunto: Reunião com o Sr. Alby do ORBIS sobre capacitação sobre o software do
Sistema de Monitoramento do Desenvolvimento Local: MODELO.
Local: Sede do ORBIS no CIETEP.
Hora: 11:00 horas
Data: 03/06/2008
Assunto: Reunião com o Dr. Antoninho Caron sobre identificação de potencialidades
comuns entre o Programa Adrs SESIPR e a UNIFAE.
Local: Sede da FIEP em Curitiba.
Hora: 10:00 horas
Data: 03/06/2008
Assunto: Reunião com a ADETEC – Cláudio Tedeski (Presidente) e Luiz Penteado
Figueira de Mello (consultor de Projetos) sobre a estruturação do Núcleo de Inteligência
Competitiva em Londrina com a participação da ADETEC e a Regional da FIEP em
Londrina;
Local: Prédio Sede da FIEP em Curitiba.
Hora: 14:00 horas
Data: 04/06/2008
Assunto: Reunião no IBQP com o Dr. Wilhelm Milward Meiners (Coordenador de
Projetos), visando a identificação de potencialidades comuns e possíveis parcerias para
as ADRs.
Local: Sede do IBQP.
Hora: 09:00 horas
Data: 04/06/2008
Assunto: Reunião com o Sr. Flávio Vicente – Diretor Executivo da Agência Terra Roxa,
buscando o aprofundamento do projeto referente ao Banco de Dados e assuntos gerais.
242
Local: Sede da FIEP em Curitiba.
Hora: 14:00 horas
Data: 05/06/2008
Assunto: Reunião com ORBIS – Sr. Paulo e o Diretor Executivo da Agência Terra Roxa,
Sr. Flávio Vicente para apresentação das funcionalidades do software do Sistema de
Monitoramento do Desenvolvimento Local: MODELO; com intuito de unificar o banco de
dados do projeto da Terra Roxa com o já existente no ORBIS.
Local: Sede do ORBIS no CIETEP.
Hora: 11:00 horas
Data: 12/06/2008
Assunto: Reunião com a Área de Marketing do SESI sobre a readequação da identidade
visual do Programa de ADRs do Paraná, Estruturação e adequações do site das ADRs,
criação do material promocional do 1º Encontro Sul Brasileiro de Agências de
Desenvolvimento Regional.
Local: Sede do Sistema FIEP em Curitiba.
Hora: 15:00 horas
Data: 17/06/2008
Assunto: Situação dos projetos desenvolvidos pela ADR. Reunião com IDR de Maringá
Local: Sede do IDR de Maringá
Hora: 08:00 horas
Data: 17/06/2008
Assunto: Situação do banco de dados em estruturação para o norte do Paraná,
coordenado pela ADR Terra Roxa Investimentos.
Local: Sede da ADR Terra Roxa Investimentos em Rolândia.
Hora: 10:00 horas
Data: 17/06/2008
Assunto:
Assunto: Reunião com a ADETEC de Londrina e Vice-Presidente da FIEP, Dr. Clóvis,
sobre o Projeto de estruturação do Núcleo de Apoio aos Projetos de Desenvolvimento
243
Local: Sede do SESI em Londrina.
Hora: 14:00 horas
Data: 24/06/2008
Assunto: Reunião da coordenação da Rede ADRs e reunião do Comitê de Organização
do 1º Encontro Sul Brasileiro de ADRs.
Local: Curitiba – Prédio Sede de FIEP
Hora: 14:00 horas
Data: 08/07/2008
Assunto: Reunião com o Coordenador de Responsabilidade Social e Ambiental da
MASISA, Sr. Fausto Amadigi, com a gerente da Unidade do SESI em Ponta Grossa, Sr.
Denise sobre a participação do Projeto ADRs do SESI/PR no Projeto de Negócios
Inclusivos.
Local: Curitiba – Prédio Sede da FIEP
Negócios Inclusivos são iniciativas econômicas rentáveis e sustentáveis que melhoram a
qualidade de vida das pessoas de baixa renda ao permitir:
sua participação em alguma etapa da cadeia de valor (exemplo: como
fornecedor de produtos e serviços) e/ou;
seu acesso a serviços básicos de melhor qualidade ou a um menor preço
(exemplo: clientes de móveis melhor adaptados às condições das
moradias populares) e/ou;
o consumo de produtos que promovam um círculo virtuoso de
oportunidades de negócios e benefícios sócio-econômicos (exemplo:
crédito facilitado para compras).
O público dos Negócios Inclusivos são as pessoas da base da pirâmide social –
BDP, ou seja, aquelas cuja renda líquida mensal fica abaixo de 1,5 salário
mínimo vigente no Brasil (cerca de R$620).
244
Diretrizes Macro do Projeto
VISÃO DO NEGÓCIO
Queremos ser reconhecidos pela contribuição ao bem-estar da família brasileira de baixa renda
proporcionado por nossos móveis e serviços complementares para a casa.
MISSÃO DO NEGÓCIO
Proporcionar bem-estar à família através da harmonização do espaço da casa por meio de
móveis que se adaptem às necessidades domésticas e de uma rede de consultores-decoradores
e montadores preparados para entenderem estas necessidades e prestarem o melhor serviço.
Componentes da Visão e Missão
Inovação e diferenciação: parte dado objetivo de que não podemos competir com os
grandes players do varejo. O varejo investe na massificação do consumo e no indivíduo
(slogans: “bom de comprar”, “dedicação total a você”, “vem ser feliz”). O projeto irá focar
os potenciais de diferenciação em relação à cadeia tradicional de móveis populares. O
propósito é explorar estrategicamente os “vazios” na relação do grande varejo com o
cliente, sendo eles: a personalização da relação com o cliente; a identificação das
necessidades e usos domésticos dos móveis e adequação ao espaço; a contribuição ao
bem-estar da família.
Vocação da cadeia de valor da Masisa: a orientação do projeto para um atendimento
personalizado, próximo do ambiente da família e da casa, com móveis que se adaptam ao
espaço e consultores que atuam propositivamente no layout doméstico é sinérgica com a
vocação dos produtos da Masisa e a prestação de serviços da rede Placacentro, que tem
como proposta a proximidade ao cliente e a customização.
Serviço ao cliente: é socialmente inclusivo sob o ponto de vista do cliente, pois tem
como alvo a intervenção positiva do consultor para a harmonização do espaço e dos
móveis às necessidades da família. O equilíbrio do espaço tem relação direta com o bemestar da família. O projeto cria um novo acesso ao planejamento da casa: a estruturação
do espaço como fator de aproveitamento/otimização dos ambientes é fundamental em
pequenas habitações; a “decoração” deixa de ser privilégio de classe alta. Além destes
245
aspectos, o elemento focal é a família, unidade social fortemente valorizada pelas classes
C-D-E, que possuem traços comportamentais mais conservadoras.
Mais que um vendedor, um agente social: o consultor deve compreender as dinâmicas
domésticas e os usos do espaço, identificar oportunidades para os móveis e harmonizálos à casa. Temas relacionados à casa e à família também poderão ser desenvolvidos,
como educação financeira, combate à dengue e outros. O papel de “agente social” será
fundamental na fidelização do cliente e geração de confiança.
Proximidade e confiança
Data: 29/07/2008
Assunto: Definição do grupo de trabalho gestor para elaboração e acompanhamento do
projeto Móveis em MDP para as classes sociais c e d. Inserção de conteúdo no Pré –
Projeto pelo grupo de trabalho gestor.
Local: Unidade FIEP/SESI/SENAI de Ponta Grossa
Hora: 10:00 horas
Participantes:
Nelson Canabarro (Prefeitura)
Fausto Amadigi (Masisa)
Karina Fonntinelli Lubaszewski (SESI)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Data: 01/08/2008
Assunto: Reunião na Sede da MASISA, com o Coordenador da Incubadora Tecnológica
de Bocaiúva do Sul, Aliança Empreendedora e o SESI, para a implantação do projeto de
parceria entre a MASISA e a Prefeitura de Bocaiúva do Sul.
Local: Sede da MASISA em Curitiba
Participantes:
Sueli Terezinha Machado Pacheco (SESI)
Táras Antônio Dilay (DESTER)
Fausto Amadigi (MASISA)
Marcelo (Prefeitura Municipal de Bocaiúva do Sul)
Jorge (Prefeitura Municipal de Bocaiúva do Sul)
Data: 05/08/2008
Assunto: Reunião para conclusão do Projeto SISCLAF e emissão do contrato para
pagamento.
246
Local: Agência de Desenvolvimento do Sudoeste – Francisco Beltrão
Hora: 09:00 horas
Participantes:
Karina Fonntinelli Lubaszewski (SESI)
Alex (Consultor da ADR)
Data: 06/08/2008
Assunto: Estruturação dos Encontros de Capacitação dos Gestores das ADRs e do
Encontro de Desenvolvimento Territorial e de Agências de Desenvolvimento a ser
realizado no dia 25/11/08.
Local: FIEP / Sede Curitiba
Hora: 09:30 horas
Participantes:
Dr. Antoninho Caron (UNIFAE)
Sueli Teresinha Pacheco (SESI)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Tarás Antonio Dilay (DESTER)
Data: 12/08/2008
Assunto: Elaboração de um Plano de Trabalho entre o IDR e as diversas Áreas do
Sistema FIEP, com a aproximação entre as Instituições visando a elaboração e
execução de projetos estratégicos.
Local: IDR / Maringá
Hora: 16:30 horas
Participantes:
Sérgio Yamada (Presidente do Instituto de Desenvolvimento de Maringá)
Marcos Horácio (Técnico do IDR)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Data: 13/08/2008
Assunto: Reunião com os Gestores da ADETEC- Londrina, visando a reestruturação da
agência e a aproximação com o Sistema FIEP.
Local: SESI / Londrina
Hora: 14:00 horas
Participantes:
247
Clóvis Souza Coelho (Diretor Regional do SESI)
Paulo Varella Sendin (Técnico Sênior da ADETEC)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Cláudio Sérgio Tedeschi (Diretor Presidente da ADETEC)
Maria Rosilene Sabino Dinato (Secretária Executiva da ADETEC)
Data: 14/08/2008
Assunto: Apresentação da Proposta do Projeto de Negócios Inclusivos para a
Governança que estará acompanhando o Projeto. O documento foi aprovado e ficou
definida a chamada de novos representantes para compor a Governança, bem como a
formalização de um Termo de Parceria entre os parceiros.
Local: SICOOB dos Campos Gerais
Hora: 09:30 horas
Participantes:
Ney da Nóbrega Ribas (Conselheiro da FIEP e Presidente do Conselho de
Desenvolvimento de Ponta Grossa)
Fausto Amadigi (Coordenador de Responsabilidade Social da MASISA)
Nelson Canabarro (Diretor do Departamento de Geração de Emprego e Renda)
Rubens Scoss (Diretor Presidente do SICOOB dos Campos Gerais)
Gelson Osvaldo Wiecheteck (Diretor Vice-Presidente do SICOOB dos Campos Gerais)
Alceu Schneider (Gerente Geral do SICOOB dos Campos Gerais)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Data: 14/08/2008
Assunto: Apresentação da ementa do curso de qualificação para os gestores e
lideranças das Agências de Desenvolvimento Regional.
Local: FIEP/CIETEP
Hora: 09:00 horas
Participantes:
Margarita Bosch (UNINDUS)
Sueli Terezinha Machado Pacheco (SESI)
Tára Antônio Dilay (DESTER)
Data: 21/08/2008
Assunto: Lançamento do Movimento CIDADES PELA EDUCAÇÃO BÁSICA.
248
Local: Clube Olimpicus de Maringá
Hora: 13:30 horas
Participantes:
Sueli Terezinha Machado Pacheco (SESI)
Gestores do Instituto de Desenvolvimento Regional de Maringá
Convidados
Data: 22/08/2008
Assunto: Lançamento do Movimento CIDADES PELA EDUCAÇÃO BÁSICA.
Local: Parque de Exposições Ney Braga
Hora: 13:30 horas
Participantes:
Sueli Terezinha Machado Pacheco (SESI)
Karina Fontinelli Lubaszewski (SESI)
Convidados
Data: 22/08/2008
Assunto: Estruturação dos Encontros de Capacitação dos Gestores das ADRs e do
Encontro de Desenvolvimento Territorial e de Agências de Desenvolvimento.
Local: Universidade Federal de Santa Catarina
Hora: 14:30 horas
Participantes:
Nelson Casarotto Filho (Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Data: 28/08/2008
Assunto: Reunião com a Área de Marketing do SESI sobre os Encontros Regionais e
Estadual
Local: Sede da FIEP
Participantes:
Karina Fonntinelli Lubaszewski (SESI)
Sueli Teresinha Machado Pacheco (SESI)
Táras Antonio Dilay (DESTER)
Denise Cecatto (SESI)
249
Data: 05/08/2008
Assunto: Reunião com o Prefeito Municipal de Ponta Grossa, para apresentação do
Projeto de Negócios Inclusivos
Local: Prefeitura Municipal de Ponta Grossa
Hora: 13:30 horas
Participantes:
Pedro Wosgrau Filho (Prefeito Municipal de Ponta Grossa)
David Pilatti Montes (Secretário de Qualificação Profissional)
Liliane Ribas Tavarnaro (Secretária de Indústria, Comércio e Turismo)
Ney da Nóbrega Ribas (Conselheiro da FIEP e Presidente do Conselho de
Desenvolvimento de Ponta Grossa)
Fausto Amadigi (Coordenador de Responsabilidade Social da MASISA)
Nelson Canabarro (Diretor do Departamento de Geração de Emprego e Renda)
Rubens Scoss (Diretor Presidente do SICOOB dos Campos Gerais)
Gelson Osvaldo Wiecheteck (Diretor Vice-Presidente do SICOOB dos Campos Gerais)
Alceu Schneider (Gerente Geral do SICOOB dos Campos Gerais)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Data: 26/08/2008
Assunto: Reunião com o Grupo de Trabalho, para dar andamento ao Plano de Negócios
da Associação dos Vendedores e Montadores de Ponta Grossa, participantes do Projeto
de Negócios Inclusivos.
Local: Unidade do SESI de Ponta Grossa
Participantes:
Fausto Amadigi (MASISA)
Ney Ribas (CDESPONTA)
Denise Belinca (SESI)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Nelson Canabarro (Prefeitura Municipal de Ponta Grossa)
250
Observação: na elaboração do Plano de Negócios para o Projeto de Negócios Inclusivos
esta sendo utilizado o software Make Money, versão 2.0.
Data: 15/09/2008
Assunto: Reunião com os gestores da ADEOP, tratando assuntos pertinentes a
efetivação de projetos em parceria.
Local: Sede da ADEOP – Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste do Paraná
Hora: 15:00 horas
4.Participantes:
Elsídio Cavalcanti (Diretor Executivo da ADEOP)
Sueli Therezinha Machado Pacheco (SESI)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Data: Setembro/2008
Assunto: Escolha e contratação de um Estagiário de Pós-Graduação que estará
apoiando a Agência de Desenvolvimento Regional do Centro-Sul – Evolut.
Local: ACIG - Guarapuava
Participantes:
Karina Fonntinelli Lubaszewski (SESI)
Data: Setembro/2008
Assunto: Escolha e contratação de um Estagiário de Pós-Graduação que estará
apoiando o IDR-OESTE – Instituto de Desenvolvimento Regional de Toledo e Região.
Local: ACIT - Toledo
Participantes:
Karina Fonntinelli Lubaszewski (SESI)
Data: Setembro/2008
Assunto: Elaboração do Plano de Negócios de Negócios Inclusivos chamado Móvel Fácil
em parceria com a MASISA e Prefeitura Municipal de Ponta Grossa.
Participantes:
Fausto Amadigi (Coordenador de Responsabilidade Social da MASISA)
Nelson Canabarro (Diretor do Departamento de Geração de Emprego e Renda)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
251
Data: 02/10/2008
Assunto: Reunião para definição de ações da ADETEC.
Local: Unidade do SESI – Londrina
Hora: 08:30
Participantes:
Clóvis (Vice-Presidente da FIEP)
Rosi Sabino (Coordenadora Executiva da ADETEC - Associação do Desenvolvimento
Tecnológico de Londrina e Região)
Osny Taborda Ribas Junior (DESTER/Consultor do SESI/PR)
Data: 03/10/2008
Assunto: Apresentação do curso para gestores e lideranças das ADRs (qualificação)
para técnicos da UNINDUS.
Local: UNINDUS
Hora: 16:30
Participantes:
Eduardo Alves Fayet (Unindus)
Margarita Bosch (Unindus)
Vandete Mendonça (Unindus)
Sueli M. Pacheco (SESI/ADRs)
20- Analisar Resultados das Atividades Executadas
Fechando este relatório, procede-se uma reflexão sobre cada uma das etapas
elencadas no contrato com a Dester Consultoria e Treinamento Ltda., as diversas
facetas que acabaram por demonstrar o papel exercido pelo Sistema Federação das
Indústrias do Estado do Paraná, através do Serviço Social da Indústria – SESI junto as
Agências de Desenvolvimento Regional do Paraná durante o prazo estabelecido pelo
contrato.
Pesquisa e cadastro de empresas, entidades e lideranças para fortalecimento das
12 ADRs atendidas pelo SESI do Paraná e para Criação de 08 novas ADRs
Neste tópico foram levantadas as diversas informações relevantes para que cada
ADR pudesse se posicionar e conhecer o Capital Social existente em suas regiões. O
252
SESI apoiou com seus levantamentos e informações para melhor direcionar as ações e
atividades de cada agência.
Pesquisa e diagnóstico junto às empresas, instituições de ensino superior e
Entidades parceiras nas Regiões de todas as ADRs
Com a realização do extenso levantamento realizado com todas as agências, foram
solicitadas informações tanto das mesmas, mas de suas lideranças sobre a forma de
atuação do Sistema FIEP, e qual as atividades e áreas que deveriam atuar, segundo a
necessidade de cada região.
Conceituação, desenvolvimento e manutenção de website da Rede de ADRs
Neste ponto, foi realizada uma extensa pesquisa visando melhorar a forma de
comunicação com a Rede de ADRs e também com o público-alvo interessado no
assunto, foram recebidas várias solicitações de informações, como também pode-se
disponibilizar as informações relevantes que marcaram o projeto.
Capacitação e treinamento de gestores de todas as ADRs
Conforme demonstrado no relatório, foi realizado um esforço para a capacitação tanto
dos gestores, de técnicos das ADRs, do próprio Sistema FIEP, como também de
lideranças regionais. Este esforço de capacitação deve ser contínuo, pois o processo de
Desenvolvimento Regional é extremamente dinâmico e exige um planejamento de curto,
médio e longo prazo em termos de qualificação, nos diversos níveis (cursos de curta
duração, graduação e pós-graduação).
Organização das atividades de sensibilizações, palestras, seminários e eventos de
interesse das ADRs
Este foi um dos pontos mais marcantes do trabalho realizado, foram realizadas vários
eventos, palestras, encontros, reuniões de sensibilização em todas as ADRs, além de
eventos que ocorreram em outros estados, em muitos dos quais foram a Rede foi
representada pelo SESI/PR.
Elaboração de conteúdo para 06 Boletins Digitais e impressos
No contrato constava a criação de seis boletins, chamado “Desenvolvimento Regional
em Foco”, mas foram elaborados o dobro, doze boletins com diversas informações
253
relevantes para as ADRs, eventos, editais e eventos que demonstraram assuntos
focados no tema de Desenvolvimento Regional.
Criação de um Banco de Dados de Projetos Econômicos e Sociais
Foi desenvolvido um banco de dados dos projetos e editais lançados no transcorrer
de 2008, porém fica a proposta para que deva ser articulado um projeto mais amplo
dentro do Sistema FIEP, que seja alimentado por todas as áreas, realizando um
cruzamento de informações muito mais abrangente e que possam vir a ser elaborados
projetos de forma a execução de forma matricial dentro da Entidade.
Criação de Data Base Marketing para a Rede de ADRs
O contrato atendeu este quesito, construindo um mailing de quase 1700 atores
privados e públicos, dos mais diversos níveis, lideranças, técnicos e organizações
ligadas a projetos de desenvolvimento regional, tal processo também deve ser contínuo
e ininterrupto.
Fortalecer as parcerias com o CIN, ORBIS, ODM e outras áreas de interesse do
Sistema FIEP
Durante todo o transcorrer do contrato, foi sempre uma das maiores preocupações da
equipe a de aproximar as diversas áreas do Sistema FIEP das Agências de
Desenvolvimento Regional. Dentre as áreas que podemos citar estão: FIEP, o Programa
de Valorização Sindical, Coordenações Regionais, Conselhos Temáticos, Centro
Internacional de Negócios. Pelo SESI, Responsabilidade Social, com seus programas de
Consultoria em Gestão Social e Caminhos da Profissão, na área de Projetos de
Articulação de Projetos Estratégicos, na qual estivemos alocados, pode-se realizar ações
com o Empreendedorismo Social e Desenvolvimento de Pessoas. No SENAI, na área de
Educação, trabalhou-se com os programas de Aprendizagem Industrial, Qualificação
Profissional e Aperfeiçoamento Profissional, como também nas áreas de Serviços
Técnicos e Tecnológicos e Áreas Transversais. Com o IEL – Instituto Euvaldo Lodi, nas
áreas de Novos Talentos para a Indústria, nos programas de Estágios, Desenvolvimento
Empresarial e Fomento a Inovação. Além da UNINDUS, também trabalhou-se com a
Ação Global, Objetivos do Milênio Nós Podemos Paraná, Conselho Paranaense de
Cidadania Empresarial, Rede de Participação Política Empresarial, Observatório de
Indicadores Sociais – ORBIS e Movimento das Cidades pela Educação Básica.
254
Identificar e Contatar Possíveis novos parceiros
Foi realizado um grande esforço no contato com parceiros em potencial, e pode-se
avançar muito neste campo, com a realização de parcerias com diversas Instituições,
dentre elas, Governo do Chile, Secretárias de Desenvolvimento de São Paulo e do Pará,
Fórum Catarinense de Desenvolvimento, Agências de Desenvolvimento de São Paulo,
Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Pará, Agência Brasileira de Desenvolvimento
Industrial e Ministério da Integração Nacional, dentre outras.
Articular a estruturação de 08 novas ADRs, conforme projeto
Conforme apresentado no capítulo 12 deste relatório, muitas foram as demandas pela
criação de ADRs, porém um aspecto altamente relevante que acabou por obstruir a
continuidade dos trabalhos pelas Comissões de Articulação foi a ocorrência das eleições
para prefeitos e vereadores ocorridas em 2008, e infelizmente este processo,
principalmente nas cidades do interior ganha grande importância, atrapalhando a própria
organização da Sociedade Civil, porém foram dados passos importantes para a criação
de ADRs nas regiões dos Campos Gerais, Campo Mourão, Bandeirantes, Cascavel e
Vale do Ribeira, e a reestruturação das ADRs de Toledo, Irati e Loanda, Guarapuava.
Identificar projetos prioritários públicos e privados em cada região
A equipe do Programa de Apoio a Estruturação de ADRs durante todo o ano de 2008,
esteve presente e atuante no sentido de auxiliar e apontar projetos de interesse de
projetos prioritários para as regiões, seja de forma direta, seja através dos boletins e emails enviados.
Desenvolver os empreendimentos trabalhados no Projeto Nova Indústria com
parceiros públicos e privados
Dentro das possibilidades orçamentárias, como também da articulação dos gestores
das ADRs envolvidas no Projeto Nova Indústria, foi realizado um trabalho de suporte aos
projetos que constam deste relatório. Dos quarenta e quatro projetos trabalhados pelo
Programa Nova Indústria Paraná em 2007, vários tomaram seu rumo próprio, não
necessitando mais de intervenção tanto por parte da ADR, como por parte do SESI.
255
Elaborar Planejamento da Rede de ADRs
O planejamento foi revisto (já que tinha sido realizado pelo Consultor Sergio Cordioli
no IV Encontro organizado pelo SESI em Foz do Iguaçu), na primeira reunião da
Coordenação da Rede de ADRs ocorrida em fevereiro de 2008.
Dar suporte à gestão da Rede de ADRs, prospectando os Eventos relacionados
aos temas de interesse das mesmas
O Programa desde seu início em março de 2006, sempre se preocupou em levar
informações de eventos relacionados a Agências de Desenvolvimento, como de
Desenvolvimento Regional e não foi diferente em 2008. No capítulo 16 apresenta-se os
eventos que esteve presente, porém muitos outros foram detectados e repassados para
as ADRs, para que estivessem participando dentro de suas possibilidades.
Realizar visitas para a articulação de projetos em órgãos de governos estaduais,
federais e organizações financiadoras
Foi realizado um esforço para a realização de visitas, conforme apresenta-se no
capítulo 17, porém por motivos orçamentários, a equipe teve também que restringir-se,
evitando gastos com viagens para as cidades onde se concentram os principais órgãos
de fomento como Brasília e Rio de Janeiro. Por outro lado, buscou-se compensar
prospectando editais e fazendo contatos por telefone e e-mail com representantes de
vários órgãos, os resultados foram repassados para as agências conforme cada projeto
de interesse.
Desenvolver o conteúdo e acompanhar a criação de vídeo
Foi desenvolvido um roteiro para a criação de um novo vídeo institucional do
Programa de Apoio a Estruturação de Agências de Desenvolvimento Regional, conforme
consta do capítulo 18, porém, por restrições orçamentárias, não foi possível a realização
do mesmo, ficando para ser realizado em uma data posterior.
Realização de reuniões técnicas
Conforme apresentado no capítulo 19 do presente relatório, pode-se verificar o
grande número de reuniões técnicas realizadas, esta quantidade não inclui reuniões
cotidianas de trabalho, tanto com a própria equipe, com a coordenação do programa e
com diversas áreas do Sistema FIEP.
256
Finalmente, a Dester Consultoria e Treinamento Ltda. gostaria de agradecer a toda
alta direção do Sistema FIEP, principalmente ao Presidente Rodrigo da Rocha Loures,
seus Diretores, Gerentes, Técnicos que colaboraram com o trabalho executado e
também manifestar a enorme satisfação por ter tido a oportunidade de colaborar com o
grande trabalho que esta sendo executado pelo Sistema Federação das Indústrias do
Estado do Paraná e do Serviço Social da Indústria – SESI/PR para o desenvolvimento
das indústrias paranaenses..