Release em PDF

Сomentários

Transcrição

Release em PDF
O QUE SE FALA
“O caminho bem humorado aparece logo em forma de ‘Dedetização
Nacional’, na música de abertura. É repetido e pulverizado novamente
pelas outras doze canções, de maneira nada uniforme. E, pasmem,
o único senso de homogeneidade em “Cuma?” não é nem
a veia humorística, mas a boa música pop. Esse é o verdadeiro
recheio da bolacha oferecida agora pelo quarteto mineiro.”
Terence Machado
Programa
Alto-falante
-
Rede
Minas
“Grata surpresa foi conferir o som desta poderosa banda de Belo Horizonte
que faz um coquetel incendiário...Boa e inovadora promessa!”
Márcio Okayama - Revista Guitar Player
“... O estilo do grupo tem muito de humor e psicodelia, misturando
de Beatles a Mutantes e passando pelo tropicalismo baiano...estas
referências estão explícitas na criativa fusão sonora do Somba.”
Mário Sérgio - O Estado de Minas
“As letras também trazem sotaque mineiro, com o
coloquialismo inspirado em textos de Guimarães Rosa.”
“…pode ter certeza que o som
esbanja qualidade e bom humor.”
Flávia Freitas - O Diário da Tarde
Bruno Silva - Revista Dynamite
“...é um quarteto que faz um som para uma banda de
seis. Criatividade e humor elogiados.”
“Música com conteúdo, divertimento e criatividade é o que
resume o trabalho do SOMBA. Se continuar nessa trilha
poderá construir algo que pode fazer a diferença.”
Mr. Rock - Revista Rock News
Paula Fabri - Revista Comando Rock
dos
mineiros
QUEM SOMOS
Léo Dias
André Mola
Avelar Jr.
Guilherme Castro
A jam band SOMBA existe desde 1998 e suas influências vão desde rock clássico brasileiro (Mutantes, Secos e Molhados), o rock rural (Sá, Rodrix e Guarabira), até as grandes jam bands (Phish e The Grateful Dead), passando por Beatles e pelo Brit Rock. Soma-se a isso um
certo tempero brasileiro vindo da música popular brasileira das décadas de 60 e 70. Suas letras têm forte carga poética e tratam do cotidiano.
“Homônimo” é o novo trabalho da banda. Distinto dos trabalhos anteriores, ele é resultado de uma pesquisa com sonoridades obtidas por dispositivos ‘vintage’ e
procedimentos de gravação utilizados por produtores consagrados ao longo da história fonográfica pop/rock (como Phil Spector, George Martin, Brian Wilson, etc).
Trabalhou-se novas sonoridades a partir de práticas antigas. Foram utilizados microfones de fita, equipamentos valvulados, gravador de rolo de 2 polegadas, câmaras de
eco e plates analógicos, aliado às práticas de gravação que envolvem as gravações antigas que referenciaram o trabalho. Essas práticas vieram de estudos e pesquisas
em fóruns e artigos, mas com um propósito: articular o velho e o novo, tema do trabalho como um todo. A força expressiva das canções é então ressaltada, enfatizando
um jogo de signos pelo som. E esse pensamento ocorre na distribuição também: os formatos de CD, MP3 e vinil, de distribuição artesanal em show e distribuição
digital global, tudo exemplifica a articulação entre antigo e novo, entre o subjetivo e objetivo, entre o pessoal e o global, mostrando gradatividade nas dicotomias.
Em consonância com
do — cada vez mais
mas cotidianos antigos e
o processo de gravação
a proposta artística, aflora a maior temática: questionar nossa relação com as coisas e com o munartificial e descartável. As canções falam de questões da vida moderna, da efemeridade e obsolescência, probleque se acentuam na modernidade. Nesse sentido, a atualidade das canções dialoga com uma sonoridade ‘vintage’, onde
era mais artesanal e orgânico. Cria-se a noção de uma ‘velha’ modernidade, conceito que permeia toda a produção.
Esse álbum tem um tom mais maduro em relação aos anteriores, e suas canções têm sido testadas em shows, recebendo boa aceitação do público. O
álbum teve a produção musical de Anderson Guerra, conhecido pela perícia em gravação analógica no estúdio Bunker, em Nova Lima. A mixagem ficou a
cargo de Chico Neves, outro nome de peso e experiente na arte fonográfica. O álbum ainda contou com as participações especiais de Lorena Amaral, Ernani Teixeira, Érico Fonseca, Bruno Pimenta, Caffeine Trio, além do Naipe de metais do Skank (Paulo Márcio, Pedro Aristides, Vinícius Augustus e Jonas Vítor).
Discos:
Aos vivos do Stonehenge (2010)
O primeiro registro ao vivo do S.O.M.B.A. Gravado no Stonehenge
Rock Bar, este CD virtual foi lançado apenas na Internet
e mostra versões inusitadas para as músicas dos discos
anteriores, sempre com muito despojamento e musicalidade. .
Videoclips:
Mundo Mió (2000)
Velório (2004) Obsessão (2007)
Destino (2008)
Cuma? (2007)
O terceiro álbum coloca o grupo como um grande expoente da Escouva Progressiva (2008)
nova cena musical mineira. Nesse disco, a fusão e experimentação
estética dão o tom para um S.O.M.B.A. mais popular, que aprofunda
ainda mais o humor das letras, a musicalidade, com uma leitura
única e criativa sobre o mundo contemporâneo. Alegria, lirismo,
ludicidade e atitude são alguns dos elementos presentes nesse álbum.
Clube da Esquina dos Aflitos (2003)
As músicas são uma rara e bem humorada mistura entre rock,
pop, samba, maracatu, baião e progressivo, onde a veia tropicalista
transparece e dá o tom a esta amálgama de gêneros, sempre com
muita originalidade e competência. As letras são inspiradas na tradição
poética mineira de Carlos Drummond de Andrade e de Guimarães Rosa.
Abbey Roça (2000)
O primeiro trabalho do S.O.M.B.A. já mostra na capa a veia humorística
e crítica do grupo. Parodiando o famoso álbum Abbey Road, do Beatles,
o CD-single contém 4 músicas que foram incluídas no segundo disco.
Shows de abertura:
Principais shows:
Cartoon, Cálix e SOMBA - Stonehenge
Rock Bar (2012) e Granfino’s
(2013)
SXSW Music Conference (Texas - EUA - 2009)
FIT-BH (2000 e 2008)
Expresso Melodia
(2007-2008)
Conexão Vivo (2007-2008)
Conexão Telemig
Celular (2002-2003)
Natura Musical (2007/2008)
Orquestra Mineira de Rock (1999 até 2005)
Festivais de inverno - Diamantina, São
João Del Rei, Itabira (2007)
Cássia Eller, Ed Motta, Nando Reis, 14 bis, Los
Hermanos, Tom Zé, Toninho Horta, Beto Guedes, Juarez
Moreira, Cordel do Fogo Encantado, etc. Guilherme Castro
Tel: 31 8759-7380
E-mail: [email protected]
Sites:
www.somba.com.br
www.myspace.com/sombabh
www.facebook.com/BandaSOMBA
Léo Dias
Tel: 31 8618-0304
E-mail: [email protected]
Avelar Jr.
Tel: 31 9742-5509
E-mail: [email protected]
Fotos: Ricardo LAF