resposta do milho sob efeito residual do composto orgânico de

Сomentários

Transcrição

resposta do milho sob efeito residual do composto orgânico de
RESPOSTA DO MILHO SOB EFEITO RESIDUAL DO COMPOSTO
ORGÂNICO DE AGROINDUSTRIAS
Nakao, A. H.1 *; Souza, M. F. P.1; Rodrigues, R. A. F.1; Dickmann, L.1; Souza, L. G. M.1;
Centeno, D. C.2
1
Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, UNESP, Ilha Solteira, SP, Brasil
Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo, Jales, SP, Brasil
* Autor para contato: Email: [email protected] Dept° de Engenharia Rural, Fitossanidade e Solos, Faculdade de
Engenharia Ilha solteira – Unesp, Avenida Brasil, 56, cep: 15.385-000, Ilha Solteira, SP, Brasil, 55-17-99785-1929
2
RESUMO
A utilização de fontes alternativas de nutrientes na agricultura vem sendo investigada por diversos
autores, principalmente em função do aumento da produtividade, reduzindo seus custos de
produção. Entretanto, estudos têm sido pouco conduzidos a respeito dos compostos orgânicos, na
busca por alternativas que minimizem os impactos ambientais de disposições inadequadas destes
resíduos sobre o solo. O objetivo do trabalho foi verificar o efeito residual da adubação orgânica
realizada no feijoeiro de inverno sobre o desenvolvimento e produtividade da cultura do milho. O
trabalho foi realizado na Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Selvíria, MS, (20° 20’ 05” S e
51° 24’ 26” W, com altitude de 335 m). O delineamento foi em blocos ao acaso em esquema
fatorial 4 x 2 com quatro repetições. Os tratamentos foram constituídos por quatro doses de
composto orgânico: (0, 2, 4, 6 t ha-1) e dois tratamentos com adubos químicos (0 e 50% da
adubação mineral recomendada para a cultura antecessora ao milho). Avaliou-se a altura das
plantas (AP), inserção da primeira espiga (AIE), comprimento da espiga principal (CE), diâmetro
da espiga (DE), diâmetro do sabugo, massa de 100 grãos (M100) e produtividade de grãos. Não
houve efeito residual da aplicação do composto orgânico sobre as características agronômicas e a
produtividade da cultura do milho. A aplicação do composto orgânico na cultura do milho não
proporciona efeitos nas variáveis estudadas. A aplicação do adubo mineral associado com
composto orgânico apresenta efeito na massa de 100 grãos de milho.
INTRODUÇÃO
O milho (Zea mays L.) é uma planta da família Poaceae, originária da América Central,
constituindo-se em um dos mais importantes cereais cultivados e consumidos do mundo por seu
potencial produtivo, sua composição química e seu valor nutritivo, entre outros fatores, tanto para
alimentação humana quanto para animal (FANCELLI e DOURADO NETO, 2000).
A utilização de fontes alternativas de nutrientes na agricultura vem sendo investigada por diversos
autores, principalmente em função do aumento da produtividade, reduzindo seus custos de
produção. Dentre as várias fontes orgânicas com potencial para utilização na agricultura
destacam-se os dejetos bovinos e cama de frango (GUARESCHI et al. 2013), o lodo de esgoto
(LOBO e GRASSI FILHO, 2007; RIBEIRINHO et al., 2012), dejetos líquidos de suínos (SARTOR
et al., 2012), composto de lixo urbano (KRAY et al., 2011; KROB et al., 2011), resíduos líquidos de
efluentes da agroindústria de carnes (MORAES et al., 2012). Entretanto, estudos têm sido pouco
conduzidos a respeito dos compostos orgânicos, na busca por alternativas que minimizem os
impactos ambientais de disposições inadequadas destes resíduos sobre o solo.
As produções constantes e inesgotáveis de resíduos agroindustriais, aliadas ao seu baixo custo e
potencial nutritivo, os tornam atrativos para uso na agricultura, áreas de reflorestamento e
recuperação de áreas degradadas. Além disso, considerando que a geração de resíduos é por si
só um problema, o reaproveitamento deles contribui para aliviar a pressão sobre o meio ambiente
(PASCUAL et al., 1997).
Diante disto a utilização da adubação orgânica por meio do uso de resíduos agroindustriais pode
ser uma alternativa viável para aumentar a produção das culturas em diferentes sistemas, dentre
os quais, o de plantio direto. Assim, o objetivo do trabalho foi estudar o efeito residual da
adubação orgânica realizada na cultura do feijoeiro de inverno no desenvolvimento e
produtividade da cultura do milho associado a adubação mineral.
MATERIAL E MÉTODOS
O trabalho foi realizado na fazenda de Ensino e Pesquisa da Universidade Estadual Paulista “Júlio
de Mesquita Filho” – UNESP – Campus de Ilha Solteira, localizado no município de Selvíria, MS,
com coordenadas geográficas de (20° 20’ 05” S e 51° 24’ 26” W, com altitude de 335 m). A
precipitação média anual da região é de 1.370 mm e temperatura média de 23,5ºC com umidade
relativa do ar em torno de 65% (HERNANDEZ et al., 1995). O solo da área experimental foi
classificado como Latossolo Vermelho Distrófico típico argiloso (EMBRAPA, 2006). Antes do
preparo da área foi realizada a caracterização química do solo. Para isso, uma amostra composta
por 20 amostras simples de solo coletada nas camadas de 0,0-0,20 e 0,20-0,40 m de
profundidade. As análises químicas foram realizadas de acordo com metodologia proposta por
Raij et al. (2001) e os resultados estão apresentados na Tabela 1.
Tabela 1. Resultados da análise química do solo da área experimental, nas camadas de 0-20 e 20-40 cm de
profundidade, amostrado antes da instalação do experimento.
Prof.
cm
P – res.
mg
dm-3
MO
g
dm-3
pH
CaCl2
K
Ca
Mg
H+Al
-------------------mmolc
Al
SB
CTC
dm-3-------------------
V
%
0 - 20
25
17
5,0
1,0
19
13
17
2
33,0 50,0
66
20-40
12
15
5,0
0,6
16
11
28
2
27,6 55,6
50
O ensaio experimental foi em delineamento de blocos ao acaso em esquema fatorial 4 x 2
com quatro repetições. Os tratamentos foram constituídos por quatro doses de composto
orgânico: (0, 2, 4, 6 t ha-1) e dois tratamentos com adubos químicos (0 e 50% da adubação
recomendada). A aplicação do composto orgânico e do adubo mineral foi realizado na cultura
antecessora ao milho, ou seja, aplicou-se os tratamentos na semeadura do feijoeiro de inverno,
com o intuito de avaliar o efeito residual do composto orgânico associado a adubação mineral
sobre a cultura sucesso, no caso o milho. Assim, com base nas características químicas do solo e
na tabela de recomendação de adubação para a cultura do feijoeiro no Estado de São Paulo
(Cantarella et al., 1997), a adubação de base em sulco recomendada para a cultura foi de 250 kg
ha-1 do formulado 4-30-10.
O composto orgânico utilizado no estudo é produto dos resíduos oriundos dos processos
produtivos de agroindústrias como: frigoríficos, bovinos, aves, suínos; (farinha de osso, farinha de
sangue, lodo proveniente da decantação em lagoas anaeróbicos e do bolo ruminal), indústria que
neutraliza sua calda a pH 7, esterco vindos de confinamentos e subprodutos de usinas de
açúcar/etanol. As características químicas do composto orgânico adotado no ensaio são
apresentadas na Tabela 2.
O composto orgânico foi aplicado em maio de 2013 de modo manual e superficialmente sobre os
restos culturais da cultura anterior (antes da semeadura do feijão de inverno). As parcelas foram
constituídas por 7 linhas de 5 m de comprimento, com espaçamento de 0,45 m entre si,
perfazendo um total de 20 m² e área útil de 12,5 m². O milho foi semeado em dezembro de 2013,
em sistema plantio direto sobre da cultura antecessora. Utilizou-se o híbrido simples recomendado
para a região de cerrado, cerca de 5 sementes m-1, objetivando-se atingir o estande final de
55.000 plantas ha-1. Foi realizada a adubação de semeadura no milho com aplicação de 280 kg
ha-1 do formulado 08-28-16 de acordo com Cantarella et al. (1997).
Tabela 2. Análise química do composto orgânico.
pH
M.O
CaCl2
7,1
g dm-3
118
Fe
2.423
N
P
K+
Ca++
Mg++
Al+3
---------------------------------g kg-1----------------------------------12,4
3,4
8,5
11,1
2,1
0
Micronutrientes
Cu
Mn
B
----------------------------------------------mg/kg-------------------------------------------32
298
157
SO-24
40
Zn
61
Umidade 22%, relação C/N= 11,77
Em janeiro de 2014, quando a cultura do milho se encontrava no estádio fenológico V5 (cinco
folhas totalmente desenvolvidas), realizou-se a adubação de cobertura, aplicando-se
mecanicamente, 600 kg ha-1 de sulfato de amônio para todos os tratamentos. A colheita manual
do milho para avaliação dos componentes da produção e produtividade (área útil da parcela) foi
realizada em abril de 2014 aos 119 dias após a emergência (DAE) do milho.
As alturas das plantas (AP) e da inserção da espiga principal (AIE) foram determinadas mediante
mensuração, com régua graduada em centímetros, da distância entre o colo da planta e a
inserção do pendão floral; e da distância entre o colo da planta e a espiga principal,
respectivamente. Estas determinações foram efetuadas em 10 plantas aleatoriamente dentro da
área útil de cada unidade experimental. O comprimento da espiga principal (CE), diâmetro da
espiga (DE) e diâmetro do sabugo foram realizadas em 10 amostras de espigas escolhidas
aleatoriamente dentro de cada parcela. A massa de 100 grãos (M100) foi determinada pela média
dos grãos de quatro amostras de 100 grãos, e os resultados foram corrigidos para o teor de 13%
de umidade (base úmida). A produtividade de grãos (PROD) foi determinada por meio da colheita
manual de todas as espigas das plantas contidas na área útil da parcela. Após a colheita, as
espigas foram submetidas à trilhagem mecânica com posterior quantificação da massa de grãos,
calculando-se a produtividade da parcela, extrapolada para kg ha-1 e corrigida para as condições
de 13% de umidade.
Os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste F e as médias comparadas pelo
teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade, e, análise de regressão com auxilio do programa
estatístico Sisvar (Ferreira, 2011).
RESULTADOS E DISCUSSÃO
A interação entre adubo orgânico e adubo mineral não foi significativa para nenhuma das variáveis
avaliadas (Tabela 3).
Não houve efeito residual da adubação orgânica aplicado sobre a altura de planta (AP),
altura de inserção de primeira espiga (AIE), comprimento de espiga (CE), diâmetro de espiga
(DE), diâmetro de sabugo (DS), massa de 100 grãos e da produtividade de grãos de milho (Tabela
3). Os resultados obtidos no presente trabalho assemelham-se aos relatados por Castoldi et al.
(2011) que, avaliaram o desempenho produtivo do milho submetido a fontes de adubação
(mineral, orgânica com biofertilizante de suínos e organomineral), em Latossolo Vermelho
Eutroférrico de textura argilosa, e não constataram efeito das fontes de adubação sobre a altura
de planta, altura de inserção da primeira espiga e diâmetro de espiga, indicando que a adubação
mineral pode ser substituída por fontes orgânicas, sem que haja perdas nas características
agronômicas da cultura. Entretanto, os autores mencionam que, os efeitos das fontes orgânicas
sobre os componentes de produção não são totalmente esclarecidos e conclusivos, sendo mais
susceptíveis a alterações proporcionadas devido o uso de fontes minerais.
Os resultados exibidos para a produtividade de grãos não corroboram os resutaldos constatados
por Amujoyegbe et al. (2007), os quais verificaram que aplicação de cama de galinha incrementou
a produtividade de grãos de milho em relação ao tratamento que não recebeu adubação orgânica
(testemunha). Santos et al. (2007) trabalhando com variedades de milho Nitrodente e Nitroflint
cultivados em área com 23 anos no sistema orgânico verificaram que ambas as variedades
cultivadas obtiveram uma produtividade superior a 6.500 kg ha-1. Também em estudos com
adubação orgânica crescente na cultura do milho, Silva et al. (2004), observaram efeito da
utilização de doses crescentes de adubo orgânico sobre o rendimento de grãos de milho. Uma
das hipóteses para os resultados exibidos no presente estudo pode estar na baixa precipitação
pluviométrica durante o ciclo da cultura. O período de estiagem pelo qual passou a região pode ter
afetado o desenvolvimento da cultura, que possivelmente pode desfavorecido a expressão dos
tratamentos com adubo orgânico residual sobre os componentes produtivos da cultura do milho.
De acordo com Magalhães e Durães (2006), plantas com deficiência hídrica podem afetar o
sincronismo entre a emissão dos grãos de pólen e a receptividade dos estilo-estigmas da espiga e
aumentar a porcentagem de espigas sem grãos nas extremidades, situação essa constatada em
diversas plantas em diferentes unidades experimentais.
Tabela 3. Componentes de produção do milho adubado com composto orgânico e adubo mineral.
Tratamento
Adubo Orgânico (t ha-1)
0
2
4
6
Teste F – (AO)
CV (%)
Adubo Mineral (kg ha-1)
Testemunha
½ dose recomendada
Teste F (AM)
CV (%)
DMS
Teste F – AO x AM
AP
AIE
231,02
232,08
222,92
233,33
1,66 ns
4,49
101,40
103,20
95,36
103,23
2,85 ns
6,89
227,50
232,18
1,65 ns
4,49
7,58
1,00 ns
99,93
101,66
0,61 ns
6,89
4,58
0,97 ns
CE
(cm)
DE
DS
M100
g
PROD
kg ha-1
17,63
18,36
17,53
17,03
1,18 ns
8,06
4,54
4,61
4,67
4,63
0,50 ns
4,83
2,91
2,97
2,95
2,97
0,59 ns
3,53
24,66
24,09
25,15
26,51
1,51 ns
9,46
3793
4675
3953
3762
2,32 ns
19,65
17,17
18,10
3,38 ns
8,06
1,04
2,12 ns
4,58
4,64
0,59 ns
4,83
0,16
1,91 ns
2,95
2,95
0,10 ns
3,53
0,07
0,52 ns
24,01b
26,20a
6,83*
9,46
1,74
0,77 ns
4044
4047
0,10 ns
19,65
580,18
2,82ns
Médias seguidas por mesma letra na coluna, para diferentes tratamentos, não diferem entre si pelo teste de Tukey a 5% de
probabilidade. ** e *: significativo a 1 e 5% de probabilidade pelo Teste de Tukey, respectivamente. ns não significativo. Em que: DMS:
diferença mínima significativa e CV: coeficiente de variação.
Outra hipótese seria as doses adotadas para o ensaio experimental, estas seriam insuficientes
para promover efeitos sobre as características agronômicas e componentes de produção da
cultura, tendo seus efeitos ainda mais reduzidos em função do ensaio se basear no efeito residual
da aplicação do adubo orgânico nas referidas doses.
O efeito residual da aplicação da metade da dose do adubo mineral sobre a cultura antecessora
ao cultivo do milho alterou a massa de cem grãos de milho (Tabela 3). Para as demais
características avaliadas não houve efeito da aplicação residual da metade da dose recomendada
na cultura do feijoeiro, cultivada anteriormente ao milho. Biscaro et al. (2011), estudando o efeito
da aplicação de N nas características agronômicas do milho, observaram que a variável peso de
mil grãos foi afetada pelas doses de N, mostrando que a disponibilidade de nutrientes tem efeito
direto na massa dos grãos.
CONCLUSÃO
A aplicação do composto orgânico na cultura do milho não proporciona efeitos nas variáveis
estudadas para a cultura do milho em sistema plantio direto nas condições edafoclimáticas da
região.
A aplicação do adubo mineral associado com adubação orgânica apresenta efeito na massa de
100 grãos de milho.
REVISÃO BIBLIOGRÁFICAS
Amujoyegbel B.J. Opabode J.T. Olayinka A. Effect of organic and inorganic fertilizer on yield and
chlorophyll content of maize (Zea mays L.) and sorghum Sorghum bicolour (L.) Moench).
African Journal of Biotechnology, 6:1869-1873.
Biscaro G.A. Motomiya A.V.A. Vaz R.R.B. Prado E.A.F. Silveira B.L.R. Desempenho do milho
safrinha irrigado submetido a diferentes doses de nitrogênio via solo e foliar. Agrarian, 4:1019.
Castoldi G. Costa M.S.S.M. Costa L.A.M. Pivetta L.A. Steiner F. Sistemas de cultivo e uso de
diferentes adubos na produção de silagem e grãos de milho. Acta Scientiarum Agronomy,
33:139-146.
Fancelli A.L. Dourado-Neto D. Gerenciamento da cultura de milho. Piracicaba: LPV; ESALQ,
Departamento de Produção Vegetal, 2000.
Ferreira D.F. Sisvar: Sistema computacional de análise estatística. Ciência e Agrotecnologia,
Lavras, 35:1039-1042.
Guareschi R.F. Perin A. Rocha A.C. Andrade D. N. Adubação com cama de frango e esterco
bovino na produtividade de feijão azuki (Vigna angularis). Revista Agrarian, Dourados, v. 6,
n. 19, p. 29-35, 2013.
Kray C.H. Tedesco M.J. Bissani C.A. Bortolon L. Andreazza R. Gianello G. Avaliação da aplicação
de composto de lixo urbano e lodo de esgoto em dois solos diferentes. Pesquisa
Agropecuária Gaúcha, 17:119-125.
Krob A.D. Moraes S.P. Selbach P.A. Bento F.M. Camargo F.A.O. Propriedades químicas de um
Argissolo tratado sucessivamente com composto de lixo urbano. Ciência Rural, 41:433-439.
Lobo T.F. Grassi Filho H. Níveis de lodo de esgoto na produtividade do girassol. Revista de la
Ciencia Del Suelo y Nutrición Vegetal, Temuco, 7:16-25.
Magalhães P.C. Durães F.O.M. Fisiologia da produção de milho. Sete Lagoas: Ministério da
Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 2006. 10p. (Circular Técnica, 76).
Moraes M.T. Silva V.R. Arnuti F. Resíduos líquidos de efluentes de agroindústria de carnes na
produtividade de girassol. Enciclopédia Biosfera, 8:843-853.
Pascual J.A.M. Ayuso M. Garcia C. Hernandez T. Characterization of urban wastes according to
fertility and phytotoxicity parameters. In: Waste Management & Research 15:103-112. 1997.
Ribeirinho V.S. Melo W.J Silva D.H. Figueiredo L.A. Melo G.M.P. Fertilidade do solo, estado
nutricional e produtividade de girassol, em função da aplicação de lodo de esgoto. Pesquisa
Agropecuária Tropical, 42:166-173.
Santos I.C. Mendes F.F. Miranda G.V. Galvão J.C.C. Oliveira L.R. Souza L.V. Guimarães L.J. M.
Fontanétti A. Faluba J.S. Avaliação de cultivares para produção orgânica de milho verde e
grãos em consorciação com mucuna anã. Revista Brasileira de Agroecologia, 2:1-4.
Sartor L.R. Assmann A.L. Assmann T.S. Bigolin P.L. Miyazawa M. Carvalho P.C.F. Effect of swine
residue rates on corn, common bean, soybean and wheat yield. Revista brasileira de Ciência
do Solo, 36:661-669.
Silva J. Lima E. Silva P.S. Oliveira M. Barbosa E. Silva K.M. Efeito de esterco bovino sobre os
rendimentos de espigas verdes e de grãos de milho. Horticultura Brasileira, 22:326-331.

Documentos relacionados

doses de nitrogênio para cultivares de milho irrigado

doses de nitrogênio para cultivares de milho irrigado quando as doses de N foram aumentadas. Para Kappes et al. (2011) o comprimento médio da espiga pode interferir diretamente no número de grãos por fileira e, consequentemente, no rendimento da cultu...

Leia mais