14.03.11: EUA explora mercados do Japão e de

Сomentários

Transcrição

14.03.11: EUA explora mercados do Japão e de
:: SINDICARNE - Sindicato da Indústria de Carnes & Derivados no Estado do PARANÁ ::
INTERNACIONAL - 14.03.11: EUA explora mercados do Japão e de Taiwan
Uma delegação liderada pela Federação de Exportações de Carnes dos Estados Unidos (USMEF) que incluiu a Associação
Nacional de Produtores de Carne Bovina (NCBA), Conselho de Carne Bovina de Nebraska (NBC), Comissão de Carne
Bovina de North Dakota, Agência Rural de Illinois e 10 organizações de grãos, visitou o Japão e Taiwan na semana
passada.
O diretor do Conselho Unido de Soja, John Butler, que também participou da delegação, disse que, antes de chegar lá
achava que a cultura japonesa e os japoneses não queriam a carne bovina dos Estados Unidos. "Parece que eles
querem o nosso produto", disse ele, acrescentando que acha que o país não deu todos os passos para colocar o produto
nesses mercados.
Em um grupo focado em donas de casa, todas as sete participantes disseram que estão interessadas em ter uma
variedade de fontes de proteínas e de carnes em sua dieta. "Elas disseram que experimentariam o produto se fosse
menos caro", disse Butler.
O vice-presidente de assistência a programas internacionais da USMEF, Greg Hanes, que comandou a delegação, disse
que a carne bovina japonesa é muito mais cara que a carne dos Estados Unidos, mas "isso não é oportunidade
suficiente para comprar o produto dos Estados Unidos".
O Japão somente importa carne dos Estados Unidos (e do Canadá) de animais de 20 meses de idade ou menos, sem
materiais de risco especificado (SRMs, sigla em inglês). Essas medidas anti-Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB)
limitam os volumes de carne bovina que podem ser enviados ao Japão e requerem uma verificação de idade para o gado
dos Estados Unidos.
A propriedade do diretor do NBC, Myron Danner, tem 300 vacas e coloca de 250 a 275 cabeças no mercado todo ano.
Há três anos, sua propriedade passou a ser "age-and-source" (idade e origem). Por esse protocolo, os bezerros
precisam ser identificados ao nascimento e os registros mantidos por um período de tempo. Esse é um esforço extra para
um preço premium que varia de US$ 10 a US$ 35 pelo frigorífico, disse ele. "Você vê bem mais desses animais
identificados do que antes".
Hanes disse que apesar de haver uma oferta maior disponível no inverno, os importadores japoneses e taiwaneses
também aumentaram suas compras no verão para construir seus estoques. A demanda de Taiwan vem aumentando
firmemente, mas um recente medo relacionado à ractopamina tem prejudicado os negócios.
Fonte: BeefPoint - a reportagem é do MeatingPlace.com
http://www.sindicarne.com.br
Fornecido por Joomla!
Produzido em: 30 September, 2016, 01:07

Documentos relacionados

26.08.11: USMEF busca expandir carne bovina no

26.08.11: USMEF busca expandir carne bovina no "A principal meta dessa iniciativa é alcançar redes regionais de supermercados com as quais a USMEF não tem trabalhado muito", disse o diretor regional da USMEF, Chad Russell. "A ideia seria penetr...

Leia mais

INTERNACIONAL - 25.05.11: China fará missão

INTERNACIONAL - 25.05.11: China fará missão Há vários produtos uruguaios que entram fluidamente na China, como é o caso das carnes - ovina e bovina -, soja, e lácteos, mas outros, como miúdos, não. Entre os miúdos, o Uruguai busca acelerar a...

Leia mais

MEDIDA - 08.05.10: O que é tonelada equivalente

MEDIDA - 08.05.10: O que é tonelada equivalente :: SINDICARNE - Sindicato da Indústria de Carnes & Derivados no Estado do PARANÁ ::

Leia mais