Uso de Produtos Biológicos, Hormonais e Bio

Сomentários

Transcrição

Uso de Produtos Biológicos, Hormonais e Bio
Luís Américo Paseto
 Vários produtos têm sido colocados no Mercado
 Para uso desde o plantio da semente
 Na formação de mudas (1º par de folhas)
 Em pulverização na folhagem do cafeeiro
 Aplicados ao solo em pequenas quantidades
 Para o manejo de pragas, fungos e nematóides
OBJETIVOS
 Melhorar o desempenho fisiológico das plantas,
visando aumentar o seu crescimento e/ou para
obtenção de elevadas produtividades
 Os produtos biológicos surgem como alternativa capaz
de auxiliar no controle e agregar valor pela produção
de um café de qualidade, sem representar risco ao
homem e ao meio ambiente
 Nos produtos hormonais existem trabalhos de
pesquisas no Cafeeiro:
 Estimulando a formação de plantas aptas a explorar o
seu potencial genético
 Promovendo a ação no pegamento da florada com maior
fixação de flores e frutos
 Uma combinação de 3 Reguladores Vegetais:
 0,009% de Cinetina
 0,005% de Ácido Giberélico
 0,005% de Ácido Indolbutirico
 Sendo Indicado:
 Pré-Florada (Estádio R4/R5)
 Pós-Florada (Estádio R7 = Queda das pétalas)
 Estádio F1 (Chumbinho)
 Também foram obtidos resultados positivos
 No crescimento dos ramos
 Na produtividade inicial
Após Poda de Esqueletamento, na dose de 0,1 a 0,3%
BIO-ESTIMULANTES
 Mistura de produtos a base de hormônios vegetais e/ou
sintéticos (grupo das auxinas, brassinoesteróides,
citocininas, esteróides, etileno, giberelinas, inibidores
e retardadores), enriquecidos com pó de rocha,
aminoácidos, algas marinhas, vitaminas e sais minerais
 Para a Cultura Cafeeira formulações de Aminoácidos e
combinações com Nutrientes tem havido respostas em
condições de stress nas plantas, em períodos críticos
como na granação dos frutos e na recuperação de
plantas atingidas por herbicidas
 Os Extratos Concentrados de Algas, de diferentes
origens, Algas comuns ou Calcárias, constituem um
grupo de Bio-Estimulantes e Nutrientes, com trabalhos
e estudos nas diversas culturas
Ascophyllum nodosum
Lithothamnium sp.
 Como indutores de substâncias naturais de autodefesa
(Fitoalexinas) pelas plantas, visando facilitar o controle
de doenças, existe o “Fosfito”
 Composto à base de ácido fosforoso, formulado em
associação a vários sais, como os de K, Ca, Mg, Cu, Mn
ou de Zn
 Estimulam o fortalecimento dos mecanismos naturais
de defesa das plantas, aumentando a resistência às
doenças (indução de resistência sistêmica adquirida),
podendo ser associados a fungicidas específicos usados
regularmente na cultura ou mensalmente
 Os Fosfitos originam-se do fungicida etil-fosfonato,
podendo ser usado como adubo foliar (nutrição de
plantas) de forma isolada ou combinado com
fungicidas na calda de pulverização (indutor do
sistema de defesa das plantas)
DESVENDANDO O FOSFITO
 Qual é a função do Fosfito?
 Fornecedor de nutrientes – Em trabalho na ESALQ/USP,
comprovou-se que o fornecimento de micronutrientes
por meio do fosfito é mais rapidamente absorvido que o
cloreto, aminoácido, sulfato e EDTA.
 Quais os benefícios da aplicação nas folhas?
 Indutor de resistência – O registro no MAPA é como
fertilizante foliar. Existem pesquisas que mostram o
inegável efeito do ânion fosfito na indução de resistência
das plantas às doenças (aumento de fitoalexinas).
É recomendável o parcelamento dos fosfitos ao longo do
ciclo das culturas.
 Tem eficiência agronômica comprovada?
 Efeito fungistático – Muitos trabalhos foram realizados
para provar a sua ação como fungicida ou como
fungistático. Tem eficiência agronômica comprovada
principalmente em oomicetos.
 O produto Ethrel (a base de etileno) é usado na
aceleração da maturação de frutos do cafeeiro,
devendo-se ter cuidado na época de aplicação, pois
pode amadurecer apenas a casca e os grãos,
internamente, se mantém verdes
 Alguns cafeicultores usam desta prática na melhoria da
eficiência de derriça da colhedora mecânica e no ano
que será efetuado uma poda drástica na lavoura
 Utilização de Mathury (solução de acetato de potássio)
que promove o estímulo de importantes processos
fisiológicos, atuando:
 Na melhora do amadurecimento de ramos e frutos,
conferindo maior peso, uniformidade, intensidade de
cor, sabor e concentração de açúcares em Café,
Frutíferas, Gramíneas, Hortaliças e Leguminosas
 O produto Mathury possui uma ação contrária à
produção de etileno, agindo como um efeito
retardante, prolongando o estágio cereja até chegar ao
passa e seco
 O Mathury aplicado em qualquer época
 Aumenta a % de frutos cereja e passa
 Diminui a % de seco
 Não altera a % de frutos nos estágios verde granado e
não granado
 Age nos frutos de forma a atrasar a passagem do cereja
para o seco
 Recomenda-se:
 Duas aplicações de Mathury
 Dose de 5,0 L/ha


A primeira quando o terço superior da planta apresentar
25 a 50% de cereja
A segunda quando os frutos da saia atingirem 50%
 Na Cultura do Cafeeiro o fungicida cujo principio ativo
é Pyraclostrobina, diminui a produção de Etileno e
contribui para tolerância à seca:
 Folhas mais rígidas, coloração verde mais acentuada
(efeito “tônico”)





Mais fotossíntese e conseqüentemente com maior vigor
Maior número de frutos por roseta
Frutos mais pesados
Durabilidade de grãos cerejas
Maior produtividade
FONTE BASF
 Na Cultura do Cafeeiro, o fungicida Sphere Max
(i.a. Trifloxystrobin) tem a capacidade de inibir o efeito
do Etileno na planta:
 Retarda a queda das folhas e aumenta o vigor





As plantas ficam com verde muito mais intenso
Aumenta o crescimento dos internódios para florescimento
Aumenta o pegamento da florada
O enraizamento é amplificado
Aumenta o tamanho e o peso dos grãos, dando maior
rendimento na colheita e peneira maior
FONTE BAYER
 Na prática tem-se observado que o uso das
Estrobirulinas promovem em maior ou menor escala
vigor vegetativo nos cafeeiros, desde a formação do
cafeeiro, quanto ao vigor e aumento da produtividade,
conseqüente da maior massa vegetativa
DOENÇAS / CONTROLE
 Phoma
 Ascochyta
 Mancha Aureolada
PRODUTO BIOLÓGICO
CONTROLE DO COMPLEXO PHOMA, ASCOCHYTA E MANCHA AUREOLADA
COM O BACTERICIDA BIOLÓGICO DUO
Fonte: Santinato, R.; Silva, R.; Santinato, F. 39º CBPC, p. 328.
CONTROLE DO NEMATÓIDE M. EXIGUA EM CAFEEIROS JOVENS UTILIZANDO O
NEMATICIDA BIOLÓGICO PROFIX MAX
(ARAXA – CAPAL – CATUAI VERMELHO 144)
COMPOSIÇÃO PROFIX MAX
Legenda
1- Testemunha
2- Rugby – 30 L/ha
3- Profix Max – 1 Kg/ha
4- Profix Max – 2 Kg/ha
5- Profix Max – 4 Kg/ha
6- Profix Max – 8 Kg/ha
A. oligospora
A. musiformis
Fungos nematófagos
M. robustum
P. lilacinus
Bacillus subtilis
Bactérias
B. lenchiniformis
 A tecnologia Penergetic baseia-se tanto nos métodos e
práticas das Ciências Naturais clássicas quanto em
fenômenos de bioativação de extensa experimentação
e observação durante muitos anos.
 Tem mecanismo de ação diferenciado, sendo o
Penergetic K aplicado ao solo (Outubro) em pequenas
quantidades e o Penergetic P (planta), via foliar em 3
aplicações junto com pulverizações de defensivos
CONCLUSÕES
 A utilização da tecnologia Penergetic proporciona a
mesma produção com menor dispêndio financeiro,
pela economia dos nutrientes
 Após 4 safras
 A tecnologia Penergetic é viável para a nutrição do
Cafeeiro, na medida em que permite redução na
adubação necessária, com aumento de produtividade
 A superioridade de produção foi de 5 a 10 Scs. Benef./ha.
 A colocação de novos produtos no Mercado,
representando o desenvolvimento e a difusão de
tecnologias cafeeiras disponíveis, deve ser precedida de
sua avaliação pela experimentação, de forma a
caracterizar, adequadamente, seus efeitos, com vistas à
sua aplicação adequada nas lavouras de café e ao seu
uso apropriado pelos produtores
OBRIGADO
Contato
Luís Américo Paseto
 E-mail: [email protected]
 Celulares: (034) 9302-3175 (Tim) e (034) 8891-6821 (Oi)

Documentos relacionados

UTILIZAÇÃO DO RETARDADOR DE AMADURECIMENTO

UTILIZAÇÃO DO RETARDADOR DE AMADURECIMENTO torna o processo mais devagar para que os frutos cereja permaneçam nesse estádio por mais tempo.  Além disso, os verdes amadurecem para o cereja sem que haja efeito do produto.  Resultado = aumen...

Leia mais