Ganho real atinge 95,6% dos dissídios no Rio Grande - Sindppd-RS

Сomentários

Transcrição

Ganho real atinge 95,6% dos dissídios no Rio Grande - Sindppd-RS
PARTICULARES - Ganho real atinge 95,6%
dos dissídios no Rio Grande do Sul
Veja matéria do Jornal do Comércio desta quinta-feira (22/03) sobre o levantamento divulgado pelo
DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Segundo o balanço,
quase 96% dos acordos salariais fecharam com AUMENTO REAL em 2011. Empresários: o setor de
TI estará entre os menos de 5% dos acordos com reajuste apenas pelo INPC?
Ganho real atinge 95,6% dos dissídios no Rio
Grande do Sul
Clarisse de Freitas
FREDY VIEIRA/JC
Alta do mínimo deve pressionar negociações neste ano, diz Franzoi
O Balanço das Negociações Coletivas no ano de 2011, apresentado ontem pelo Dieese, mostrou um
desempenho recorde, com a conquista de ganhos reais pelos trabalhadores em 95,6% dos acordos
salariais fechados no Rio Grande do Sul. Outros 2,9% das negociações resultaram em reajuste igual
à inflação do período (considerando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor, calculado pelo
IBGE, na data base de cada acordo). O resultado segue a tendência de crescimento do ano anterior,
quando 88,3% das negociações foram concluídas com aumentos reais. No País, 87% dos reajustes
resultaram em aumento real de salários.
“Em 2011 foi quando tivemos, desde que a pesquisa começou a ser feita em meados dos anos 1990,
o maior número de categorias com acordos acima da inflação. Isso foi alcançado apesar de o INPC
ter ficado acima do verificado em 2010 e de o Produto Interno Bruto do ano também ter sido
menor”, observou o economista Ricardo Franzoi, que indicou, entre outros fatores, o reflexo da
concentração de datas base no primeiro semestre, quando o desempenho econômico foi superior,
mais próximo aos bons resultados de 2010.
O economista apontou, ainda, que entre as categorias que tiveram ganho real de salário no Estado, a
maior parte (51,5%) teve aumentos de 1,01% a 2%, enquanto apenas 2,9% conseguiu negociar
aumentos de 3,01% ou mais. O restante dos reajustes se dividiu de forma igual entre as faixas de
0,01% a 1% e de 2,01% a 3%, com 20,6% dos acordos em cada perfil. Enquanto isso, o levantamento
nacional mostrou que, na média brasileira, o número de acordos com aumentos superiores a 3%
chegou a 9,4% das negociações que resultaram em ganho real.
“Isso foi puxado, fortemente, por setores onde o movimento sindical é mais forte, como o setor
metalmecânico. A mesma tendência de reajustes mais parcimoniosos que vemos aqui também é
sentida nos prêmios distribuídos pelas empresas quando os trabalhadores batem as metas. Enquanto
em São Paulo cada um recebe R$ 14 mil, aqui a montadora de veículos pagou R$ 7 mil”, descreveu
Franzoi.
O Dieese apontou, ainda, que, embora as indústrias tenham concedido ganhos reais maiores (no
setor, 94,9% dos acordos incluíram reajustes superiores à inflação), foi no comércio que os ganhos
alcançaram a todos os trabalhadores, com 100% dos acordos. Já o setor de serviços deu ganhos reais
em 93,3% das negociações e fechou 6,7% das negociações coletivas sem sequer repor a inflação
(abaixo do INPC).
“As negociações feitas agora, entre janeiro e fevereiro de 2012, também têm mostrado um bom
desempenho, tivemos quatro ou cinco casos com reajustes acima dos alcançados no ano passado.
Isso se deve, em muito, pela pressão do salário-mínimo, que foi reajustado em 14% e pode, em
janeiro do ano que vem, bater em R$ 680,00 – ritmo de crescimento que deve ser acompanhado pelo
piso regional. Sendo assim, os sindicatos irão pressionar por aumentos”, afirmou.

Documentos relacionados

Análise dos reajustes de Vale Rancho e Vale - Sindppd-RS

Análise dos reajustes de Vale Rancho e Vale - Sindppd-RS Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalhador, publicada todos os anos, que procura levantar o preço médio de refeição, pago pelo trabalhador no almoço, de segunda a sexta-feira, e...

Leia mais