anais-do-congresso-c..

Сomentários

Transcrição

anais-do-congresso-c..
Anais Congresso Científico Centro
Universitário da
Fundação Educacional Guaxupé
ISSN 2317-9619
2015
Comissão Geral:
Comissão Científica:
Prof. Dr. Egberto Pereira Reis
Profa. Ma. Marilda Rabelo Ribeiro do
Valle
Prof. Me Antonio Carlos Pereira
Profa. Ma Juliana Costa Magalhães
Profa. Esp Denise Sampaio Pinto
Prof. Me Ricardo Vicente Fávero
Prof. Me Diogo Paiva
Profa. Dra Ana Paula Duarte Seleghin
Thaísa Salomão
Profa. Dra Ana Claudia Pinto Correa
Profa. Ma Jurema Cristina dos Santos
Profa. Ma Jaciara Silva Carosia
Prof. Me Francisco Rodrigues Lima Júnior
Profa. Dra Denise Osiro
Prof. Esp Natal dos Reis Júnior
Prof. Me Luis Antonio Nery
Prof. Me Paulo Sergio Gonçalves
Prof. Dr Autran José da Silva Júnior
Profa. Dra Flávia Cecilio Ribeiro
Área de Exatas
PRODUÇÃO ARTESANAL DE CERVEJA COM POLPA DE MORANGO
Gabriel Nogueira Santos1; Maria Isabel Correia dos Santos1, Tathiane Fantini de Souza1
Denise Osiro2
1
Discente do curso de Química Industrial, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]; [email protected]; [email protected]
2
Docente do curso de Química Industrial, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Atualmente, estima-se que há mais de 20 mil diferentes formulações de cervejas.
Essa grande variedade é obtida a partir de mudanças na fabricação da bebida; como o tempo e
temperatura nas etapas de mosturação, fermentação, maturação e o uso de ingredientes
diferenciados como trigo, milho, centeio, arroz, mel, mandioca e frutas. Objetivos: Realizar
todo o processo de produção artesanal de cerveja com polpa de morango com intuito de
agregar valores ao produto. Material e Métodos: A produção da cerveja artesanal inicia-se na
escolha de bons insumos, seguida da pesagem da quantidade adequada de cada um. O
processo é composto por uma sequência de fervuras em temperaturas apropriadas. É na
fervura que ocorre a quebra do amido em açúcares menores por ação de enzimas específicas
que tornará possível seu consumo pelas leveduras (Saccharomyces cerevisiae). Após todo o
processo, passando pela fervura, adição da polpa de morango, filtragem, fermentação e
maturação a bebida está pronta para o envase. Durante todo processo foram coletadas
amostras em várias etapas para a realização de análises microbiológicas (bactérias e fungos
totais) e físico-químicas (pH, turbidez e teor de açúcar). Resultados: Em análise sensorial e
visual do sabor, odor e aparência, a produção da cerveja apresentou resultados dentro das
especificações. De acordo com os testes microbiológicos realizados em laboratório não houve
contaminantes em nenhumas das etapas de produção e as análises físico-químicas estão de
acordo com a literatura. Conclusão: Diante dos resultados observados, pode-se concluir que a
cerveja produzida apresentou qualidade microbiológica, sensorial e físico-química
satisfatórios, estando pronta para o consumo.
Palavra-chave: cerveja artesanal, levedura, polpa de morango.
Referências:
BRUNELLI, L. T. Produção de cerveja com mel: características físico-químicas, energética
e sensorial. 2012. 103 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia); Faculdade de Ciências
Agronômicas da UNESP – Campus de Botucatu; Botucatu, 2012.
AQUARONE, E.; BORZANI, W.; SCHMIDELL, W.; LIMA, U. de A. BIOTECNOLOGIA
INDUSTRIAL: Biotecnologia na produção de alimentos. 4.v. São Paulo: Blucher, 2008. p. 91
– 144.
PRODUÇÃO DE LICOR DE CASCA DO CAFÉ DO PROCESSO DE
DESPOLPAMENTO
Luiz Evandro Ribeiro1, Everton José Ferreira1; Jefte Estafânio Costa1, Marco Aurélio Silva1
Ana Paula Duarte Seleghim2
1
Discente do curso de Engenharia Química, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Química, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Realizou-se um estudo para a viabilização do uso da casca do processo de
despolpamento da café cereja para a produção de bebidas como o licor. A bebida pode ser
uma alternativa para um resíduo que atualmente é descartado. Considerando que o Brasil é
um dos maiores produtores de café do mundo e que, portanto, é um dos maiores produtores de
casca de café, o presente estudo justifica-se por se tratar de uma possível alternativa para
aproveitamento de um resíduo vegetal. Caielli (1984) distingue a fração casca como sendo a
polpa, a mucilagem e o pergaminho. Fialho et al. (1993) determinaram na composição
química da casca de café: 87,9% de matéria seca (MS), 9,4% de proteína bruta (PB), 2,5% de
extrato etéreo (EE), 6,5% de matéria mineral (MM), 0,5% de cálcio (Ca), 0,12% de fósforo
(P), 1,4% de potássio (K), 0,034% de lisina, 10,3% de metionina + cistina (met + cis), 62,1%
de fibra em detergente neutro (FDN), 15,1% de celulose, 9,3% de lignina, 4,3% de
hemicelulose, 0,8% de cafeína e 1,6% de taninos. Objetivos: Elaborar e caracterizar sensorial
e funcionalmente um licor a base de casca de café despolpado com diferentes concentrações
de açúcar e aguardente. Material e Métodos: A casca foi proveniente de café (Coffea
arábica) beneficiado por via úmida no processo de despolpamento do café semi lavado,
conhecido como cereja, descascado para a separação do pergaminho da casca. Para os testes
sensoriais realizou-se três amostras com diferentes composições. A primeira denominada de
amostra A teve na sua composição 1000 grs de casca, meio litro de água e 1000 grs de açúcar
refinado. A amostra B foi composta por 500 gramas
de casca e 1,0 L de aguardente. E
finalmente para a amostra C utilizou-se 2000 gramas de casca, 500 gramas de açúcar cristal,
500,0 mL de água e 2,0 L de agua ardente. Resultados: Para a análise sensorial 30 pessoas
degustaram as três bebidas e responderam um questionário. A tabela apresenta os resultados
para a análise sensorial.
AMOSTRA A
AMOSTRA B
AMOSTRA C
100% dos entrevistados indicaram sabor doce sabor frutado
100% menos doce e com sabor acentuado de café
100% dos entrevistados disseram que a bebida estava levemente doce e com sabor
acentuado de café, sendo esta a mais apreciada.
Conclusão: Com relação a ao estudo de viabilidade de produção de uma bebida licorosa feita
de casca de café despolpado os resultados obtidos apresentaram viabilidade ao processo, pois
a bebida agradou 100% dos entrevistados
Palavras-chaves: bebida licorosa, casca de café despolpado, análise sensorial.
Referências
CAIELLI, E. L. 1984. Uso da palha de café na alimentação de ruminantes. Informe
Agropecuário, 10 (119): 36-38.
FIALHO, E.T., J. A. F. LIMA & A. I. G. OLIVEIRA. 1993. Utilization of coffee hulls in
diets of growing and finishing pigs. Journal of Animal Science, Champaign, 71 (suppl. 1),
164, abst. 297. (85 th Annual Meeting of American Animal Science Association, 1993).
INTERVENÇÃO EM ÁREA CONSOLIDADA: POSSÍVEL OCUPAÇÃO DE VAZIO
URBANO
Letícia de Abreu Soares1, Amanda Oliveira1; Karoline Evangelista1, Maximiliano Lemos2
1
Discentes do curso de Arquitetura e Urbanismo, UNIFRAN, Franca, SP.
[email protected]
2
Docente do curso de Arquitetura e Urbanismo, UNIFRAN, Franca, SP.
[email protected]
Introdução: Os fenômenos urbanos tiveram origem a partir do crescimento desordenado das
cidades juntamente com a carência do planejamento e gestão dos espaços. Entre os
fenômenos, pode-se destacar os vazios urbanos que são espaços vacantes, normalmente nos
centros das cidades, edificados ou não. As áreas sem uso, ou seja, que não cumprem sua
função social da propriedade assolam diversas cidades brasileiras e se dão, também, através
da especulação imobiliária, desinteresse pelo projeto, pela falta de verba e, ademais,
ocasionam, por exemplo, a desvalorização do entorno, a insegurança da população e,
consequentemente, a descaracterização do meio urbano. Embasado no conceito do fenômeno
o trabalho tem como estudo de caso um vazio urbano situado no bairro Samel Park, na zona
norte da cidade de Franca, interior de São Paulo. O terreno pertence à Prefeitura Municipal e
deveria ser destinado a área de lazer do bairro, porém, o espaço está vazio de função até o
presente momento causando insegurança e aversão à população que vive ao redor do vazio.
Objetivos: O objetivo deste trabalho é diagnosticar e intervir na área urbana existente através
de projeto a fim de solucionar os problemas encontrados na região e em decorrência da
presença do vazio urbano. Material e Métodos: Para obter-se o principal objetivo, que é dar
utilidade ao espaço vacante com a intenção de proporcionar benefícios à população,
reconheceu-se a necessidade de utilizar o método quantitativo em pesquisa exploratória. Foi
realizado levantamento bibliográfico de pesquisas e conceitos dos fenômenos urbanos e,
também, analises in loco simultaneamente com entrevistas junto aos moradores para o
entendimento da vivência da população no local estudado, obtenção de informações e
elaboração de projeto para utilização da área. Resultados: Após as análises foi possível
concluir que um dos maiores problemas do bairro é de caráter social, os moradores relatam
muita insegurança devido ao elevado número de furtos e de dependentes químicos que
frequentam o bairro por influência do Abrigo Provisório Antônio de Carvalho, presente no
bairro Dom Pedro I, ao lado do Samel Park. Portanto, foi sugerida a construção de um Centro
Comunitário que tem como princípio essencial a integração da população, prevenção e
minimização dos efeitos de exclusão social através de cursos profissionalizantes e aulas
ligadas à arte e ao esporte. Conclusão: Dentre os inúmeros motivos da existência dos vazios
urbanos, os principais são a especulação imobiliária, no caso de terrenos particulares, e o
descaso das prefeituras para os casos de terrenos públicos, sendo assim, a cidade se
desenvolve por saltos e não por conglomerados. Os problemas sociais se sobressaem neste
bairro em questão, pelo fato dos contrastes existente em relação à classe social dos bairros
vizinhos para com o Samel Park. Fundamentado na afirmação, a intervenção trará benefícios
para a população, pois, além de permitir que o local exerça sua função social da propriedade, o
projeto findará com a deficiência de áreas de convivência que o Samel Park possui.
Palavras-chaves: Vazio Urbano; Intervenção; Fenômenos Urbanos.
Referências:
BORDE, Andrea. VAZIOS URBANOS: PERSPECTIVAS CONTEMPORÂNEAS. Rio de
Janeiro: UFRJ, 2006. (Tese de doutorado).
SANCHES, Patrícia. DE ÁREAS DEGRADADAS A ESPAÇOS VEGETADOS. São Paulo:
USP, 2011. (Dissertação de mestrado em Arquitetura e Urbanismo).
PLANEJAMENTO URBANO: UMA ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE
GUAXUPÉ/MG
Manassés da S. Gregório, Orientador Maximiliano Engler Lemos.
Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo, UNIFRAN, Franca, SP.
[email protected]
Docente do curso de Arquitetura e Urbanismo, UNIFRAN, Franca, SP.
[email protected]
Introdução: O plano diretor é um instrumento, destacado pelo Estatuto da Cidade, que busca
auxiliar a politica de gestão publica a fim qualificar, controlar e cumprir com a função social
da propriedade e o desenvolvimento do município. Em outubro de 2006 foi sancionado o
plano diretor de Guaxupé, com o apoio da Universidade de Viçosa e membros técnicos do
município, que se reuniram para elaborar o planejamento urbano da cidade, pautado nas
problemáticas e objetivos que esta deveria alcançar em um período de dez anos. Sabe-se que o
plano passou por várias leis complementares até os dias atuais, onde buscou estar atualizado
junto com o desenvolvimento da cidade. Está previsto para o ano de 2016 uma revisão do
plano, que buscará novos levantamento e metas a serem alcançadas. Objetivos: O foco desta
presente pesquisa é analisar a politica de gestão urbana do município de Guaxupé, e concluir
se este instrumento foi ou está contribuindo na melhoria da qualidade de vida da população.
Material e Métodos: No que diz respeito à metodologia, foi feito uma leitura do plano
diretor, e com o apoio de dados e levantamentos bibliográficos foram realizados analises
explorativas e descritivas do tema. Foram realizadas visitas em algumas áreas da cidade e
também entrevista com o representante do poder público municipal. Resultando assim em
dados comparativos e qualitativos que identifica algumas ações que foram e estão sendo
realizadas. Resultados: De acordo com os dados alcançados pode-se analisar que o plano
diretor é utilizado e aplicado em boa parte da gestão do município. Algumas diretrizes e ações
estipuladas no plano não foram realizadas, de acordo com o tempo previsto, porem em
contraponto a isto outras ações que não estavam inclusas no planejamento foram realizadas,
exemplo disto é a implantação de um novo terminal municipal, a construção de novas
unidades de saúde e a instalação do bombeiro. O plano possui algumas deficiências no que diz
respeito ao controle e uso do solo, ao saneamento ambiental e à habitação social, onde ha
necessidade de desenvolver uma estratégia especifica e definida para o aumento das moradias,
onde são apontadas apenas algumas diretrizes. Conclusão: Conclui-se que á uma politica de
gestão urbana atuante e eficaz, e que as ações proposta são para atender as necessidades da
população. Porem nota-se que existem algumas deficiências como no caso da aplicação dos
instrumentos urbanísticos previsto no plano, e uma prevenção das áreas de expansão
residências, em especial de classe baixa, pois estas devem ser implantadas com o apoio de um
departamento próprio, que desenvolva princípios e planejamento para este setor. Um fator
importante analisado é a participação e integração de Universidades na elaboração do plano.
Atualmente o apoio desta entidade contribui para o funcionamento do plano, onde existe uma
participação de técnicos de diversas áreas. A participação e colaboração destes meios é um
fator importante para humanizar as necessidades da sociedade e aplica-las no planejamento da
cidade, a fim de desenvolver uma politica de gestão urbana eficiente e eficaz para o município
de Guaxupé.
Referências:
PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE GUAXUPÉ, Câmara Municipal de Guaxupé/MG,
2014.
BRASIL, ESTATUTO DA CIDADE: Lei 10.257/2001. Brasília, Câmara dos Deputados,
2001.
PARQUES PÚBLICOS E ÁREAS VERDES: SEUS USOS E FUNÇÕES
Redson Pagnan Claudino1, Maximiliano Engler Lemos2
Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo, UNIFRAN, Franca, SP.
[email protected]
2
Docente do curso de Arquitetura e Urbanismo, UNIFRAN, Franca, SP.
1
Introdução: Ao longo da história o papel das áreas verdes nas cidades tem sido consequência
das necessidades humanas, a discussão dos problemas ambientais nas últimas décadas vem se
tornando parte do cotidiano na relação entre cidade e natureza, entre o verde e o urbano. Uma
grande maioria das cidades brasileiras vem passando por um processo de urbanização, o que
reflete negativamente na qualidade de vida dos moradores, pois espaços públicos e áreas
verdes são a menor parcela desse planejamento, visto que o desenvolvimento entre cidade e
natureza não é harmonioso, e a vegetação é componente necessário ao espaço urbano. A falta
de planejamento que inclua esses elementos naturais é um agravante para os problemas da
cidade, como os ligados a qualidade de vida da população, e o empobrecimento da paisagem
urbana, a implantação dessas áreas ajudam também a minimizar problemas como poluição
sonora e o equilíbrio do clima. Em pleno século XXI fica evidente a importância das áreas
verdes nas cidades, e na vida de seus usuários, porém a preocupação de quem planeja as
cidades ainda se restringe somente as características sócio econômicas. A qualidade de vida
está totalmente ligada a infraestrutura urbana, ao desenvolvimento econômico e social e as
questões ambientais, geralmente ligadas ao lazer da população, essas áreas verdes fazem parte
do bem-estar da população, pois influenciam diretamente na saúde física e mental desses
habitantes. Além disso, muitos desses parques e áreas nas cidades médias e grandes servem
também como espaços multiusos, sendo ocupados eventualmente por outras funções,
diferentes daquela original que lhe foi destinada. Na cidade de Franca – SP, por exemplo o
Parques Fernando Costa, abriga diversos eventos de cunho artístico e cultural durante
diferentes épocas do ano. Objetivos: Este trabalho tem como objetivo principal elencar os
conceitos e definições de espaços públicos, e analisar os usos e as funções das áreas verdes
públicas urbanas. Material e Métodos: Inicialmente será realizado uma pesquisa exploratória
através de um levantamento bibliográfico, a fim de entender o surgimento e os conceitos dos
parques públicos nas cidades, e a sua importância para o local e a sua população.
Posteriormente será feito um breve histórico e uma análise do Parque Fernando Costa, da
cidade de Franca, buscando identificar os usos e conceitos contidos nesse ambiente e como
ele se relaciona com a cidade. Resultados: Através da pesquisa bibliográfica, inicialmente
podemos identificar que os parques públicos e as áreas verdes são de extrema necessidade aos
habitantes das cidades contemporâneas, como já foi dito, a influência dessas áreas e parques
como espaços de lazer e cultura, interferem diretamente na qualidade de vida da população,
que buscam por um espaço de lazer, sem ter que sair de suas cidades, a implantação dessas
áreas então se faz de extrema importância, além do que esses espaços ajudam a amenizar o
clima, e a poluição urbana contida nos grandes centros. Conclusão: A falta de planejamento é
constante no desenvolvimento das cidades, principalmente em relação as áreas verdes, que
ficam geralmente em segundo plano, isso quando não são abandonadas, o que resulta em
deficits permanentes e crescentes nessas áreas junto ao espaço urbano. O que devemos fazer é
construir pelo progresso, com todos os instrumentos oferecidos, lembrando que o homem
necessita de um espaço para seus movimentos.
Palavras-chaves: planejamento urbano, espaços públicos, áreas verdes urbanas.
Referências:
LOBODA, Carlos Roberto. ÁREAS VERDES PÚBLICAS URBANAS: Conceitos, usos e
funções. Guarapuava/PR. Ambiência, 2005, p.125-139.
ANÁLISE DOS ÍNDICES DE FADIGA E RISCOS DE DOENÇAS OCUPACIONAIS EM
TRABALHADORES DO SETOR DE PINTURA DE UMA MONTADORA DE CABINES
Jefferson Amaro1, Gabriel Amaral1, Luiz Henrique Gomes dos Santos², Marcelo Kawakame3
1
Discente do Curso de Engenharia de Produção e Qualidade, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG.
3
Docente do curso de Engenharia de Produção e Qualidade, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A ergonomia contribui para melhorar a eficiência, confiabilidade e a qualidade das
operações industriais. Isso pode ser feito basicamente por três vias, aperfeiçoamento do sistema
homem-máquina-ambiente, organização e melhoria das condições de trabalho. No enfoque
ergonômico, as máquinas, equipamentos, ferramentas e materiais são adaptados às características do
trabalho e a capacidade do trabalhador, visando promover o equilíbrio biomecânico, reduzir as
contrações estáticas da musculatura e o estresse geral. Assim, pode-se garantir a satisfação e
segurança do trabalhador e a produtividade do sistema. Objetivos: Realizar análise ergonômica no
setor de pintura em uma empresa metalúrgica, identificando os segmentos corporais mais
acometidos pelas L.E.R - D.O.R.T. Material e Métodos: Participaram da pesquisa, 10
colaboradores do setor de Pintura de uma empresa metalúrgica situada em uma cidade do sul do
estado de Minas Gerais. Foram feitas entrevistas, por meio de questionários. Primeiramente foi
aplicado o Checklist de Couto, para avaliação simplificada do fator biomecânico no risco para
distúrbios musculoesqueléticos de membros superiores relacionados ao trabalho, graduando-os em
cinco níveis e também foi utilizado o questionário Bipolar, aplicado no início, meio e fim do turno.
E por fim um questionário em modo de entrevista, na qual o trabalhador expressa sua percepção a
respeito do posto de trabalho e da atividade que executa, informando se sente ou não desconforto,
dificuldade ou fadiga relacionado ao trabalho e até mesmo sugestões. Resultados: De acordo com
os critérios de interpretação do Checklist de Couto obteve-se média de 13,7 pontos da avaliação no
setor de pintura, havendo assim o Risco significativo no fator Biomecânico. Observou-se que
cotovelo e coxas estão isentos de desconfortos, havendo alguns acometimentos menos relevantes
como pescoço, antebraço, mãos, punhos, quadril, joelho, pernas e tornozelo/pés. Por outro lado,
dois pontos que maior se destacam coluna e braços podendo causar lesões ou até mesmo
afastamentos. Observou-se que no decorrer da jornada de trabalho os colaboradores apresentaram
um aumento de fadiga do início até o final da jornada, havendo um índice Baixo Regular de fadiga.
Conclusão: O presente trabalho sugere que as empresas apresentem condições de trabalho
próximas do ideal para melhora do desempenho e consequente diminuição dos afastamentos no
trabalho. E que nestas condições tenha a inserção de profissionais ergonomistas que possam avaliar
e considerar as individualidades dos colaboradores e consequentemente melhora na qualidade de
vida dos mesmos.
Palavras-chaves: LER, fadiga no trabalho, ergonomia.
Referências
IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. 2. ed. São Paulo: Edgar Blucher, 2005.
KROEMER,K.H.;GRANDJEAN, E. Manual da ergonomia: adaptando o trabalho ao homem.
5.ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.
UM ESTUDO SOBRE O IMPACTO DA ADOÇÃO DO PROGRAMA BRASILEIRO DE
QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NO HABITAT NA MICRORREGIÃO DE GUAXUPÉMG
Gabriel Corrêa Amaral1, Jefferson Amaro1, Marcelo dos Santos Kawakame2
1
Discente do curso de Engenharia de Produção e Qualidade, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia de Produção e Qualidade, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O PBQP-H, Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat,
desenvolvido pelo Governo Federal tem como objetivo organizar o setor da construção civil,
propondo a melhoria da qualidade do habitat e a modernização produtiva, através da qualificação de
construtoras, da melhoria da qualidade de materiais, da formação e qualificação da mão de obra,
normalização técnica alavancando o setor privado afim de que este aumente a capacidade de reação
para a instalação do desenvolvimento sustentável do habitat urbano. Objetivos: O objetivo desse
artigo é estudar os impactos provocados pelas alterações do PBQP-H em construtoras da
Microrregião de Guaxupé-MG; e tentar responder a algumas questões como: quais foram suas
dificuldades na implantação dessa certificação? Houve a melhoria da qualidade com a implantação
do PBQP-H? Com a extinção dos níveis C e D do PBQP-H ocorreram mudanças significativas?
Material e Métodos: Como metodologia foi realizado um plano de trabalho, constituindo-se de três
fases. A primeira fase da pesquisa consistiu em levantar dados sobre a certificação do PBQP-H e de
toda a literatura científica referente ao tema. Na segunda fase foram elaborados questionários tanto
quantitativos como qualitativos referentes à aplicação dos conceitos na prática. Na terceira fase
foram realizadas pesquisas de campo em cinco empresas do ramo da construção civil na
microrregião de Guaxupé-MG. Resultados: Os resultados são apresentados em gráficos. Observouse que somente as empresas A e E atingiram as pontuações necessárias para obtenção do nível A do
PBQP-H. As empresas B e D tiveram pontuações intermediárias permitindo somente classificação
nível B do PBQP-H. De maneira geral a empresa C apresentou um nível razoável em relação à
responsabilidade da direção atingindo 70%. Nos demais requisitos de qualidade ficou bem abaixo
da média, devido a mesma não reunir condições financeiras de implementar tanto uma gestão de
qualidade dos fornecedores quanto uma gestão de qualidade dos produtos. Conclusão: A extinção
dos níveis C e D do PBQP-H foram determinantes para que as construtoras implantassem um
sistema de gestão de qualidade. A implantação do mesmo disponibilizou uma oferta de crédito
superior ao encontrado anteriormente devido às empresas terem melhorado sua eficiência técnica e
econômica. Por meio dos resultados apresentados nesta pesquisa conclui-se que a implantação e a
manutenção da certificação do PBQP-H é inviável para empresas de pequeno porte devido ao alto
custo com auditores, devido a isso a empresa C obteve índices baixos na auditoria realizada neste
trabalho. A empresa D relatou que não houve a ampliação do market share com a certificação do
PBQP-H.
Palavras-chaves: PBQP-H, qualidade, produtividade.
Referências
AMBROZEWICZ, P. H. L. Gestão da Qualidade na Construção Pública: a qualidade na
execução de obras públicas. Curitiba. SENAI-PR. PBQP-H, 2001.
PALADINI, E. P. Gestão da Qualidade – Teoria e Prática. Editora Atlas, São Paulo: 2ªed. 2004;
2ª tiragem.
ANÁLISE ESTRUTURAL DE UM VEÍCULO BAJA SAE
Wellington Gouveia P.1, Felipe Fidelis da Silva1, Samuel José Casarin2
Discente do curso de Engenharia de Produção e Qualidade, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia de Produção e Qualidade, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Introdução: O projeto BAJA SAE consiste em construir um carro de competição do tipo off road
obedecendo as regras da SAE. Para a construção de um carro de competição são necessários a
análise e estudo de seus componentes e suas funções para cada sistema em que se encontra. A
aplicação de ferramentas (softwares) da informática em projetos de engenharia há tempos passou a
ser fundamental para o sucesso dos trabalhos, em particular em projeto de veículos automotores. A
competição BAJA-SAE exige que os alunos envolvidos no projeto dimensionem o veículo da
equipe usando softwares gráficos. A complexidade do desenvolvimento de um projeto para
construir um veículo de competição BAJA-SAE passa por uma série de requisitos de equipe tais
como: Projeto Conceitual, Planejamento, Pesquisas, Modelagens, Simulação, Fabricação,
Montagem, Testes e Ajustes Finais. Objetivos: Analisar os componentes existentes na estrutura de
um carro, demonstrando a dificuldade de determinação desses componentes para o
dimensionamento das partes de um carro de competição universitária (BAJA-UNIFEG). Contribuir
para o fortalecimento da pesquisa científica junto ao curso de Engenharia de Produção e Qualidade,
ampliando a cultura da pesquisa científica no âmbito institucional (UNIFEG) e no âmbito do curso
(EPQ). Material e Métodos: O trabalho aqui apresentado é, eminentemente, de caráter aplicado
sustentado por uma forte revisão bibliográfica. Para o desenvolvimento do projeto está sendo usado
o software Solidworks que permite obter ótimos resultados para análise gráfica de componentes do
veículo BAJA-UNIFEG projetado e construído pelos alunos do curso de Engenharia de Produção e
Qualidade. O Solidworks, em seus arquivos, fornecer representações de elementos em 2D e em 3D
e também são compatíveis com os arquivos usados em uma plataforma CAD. Este software oferece
a possibilidade de animação clicando ponto-a-ponto facilitando a interpretação do desenho em um
PC seja em 2D ou em 3D. Resultados: Os resultados encontrados foram similares ao esperado e
exigidos pela norma SAE da competição. O uso do Solidworks facilitou tanto o dimensionamento
dos componentes como a realização de algumas simulações de resistência de alguns elementos do
conjunto mecânico. Conclusão: Durante cada etapa do projeto foi de extrema importância a ajuda
de um software que permitiu ter uma noção mais clara de como cada peça iria se adequar ao projeto
proposto, facilitando assim a execução física da tarefa.
Palavras-chaves: Baja, dimensionamento, software gráfico.
Agradecimentos: FAPEMIG (Processo AUC 00001/15)
Referências:
DELMUNDE, R.L. et all. Determinação do coeficiente de arrasto aerodinâmico para um
veículo tipo Baja-SAE através de simulação em software SolidWorks® 2012. Scientia Plena,
vol.9, n.7, 6p. 2013.
LINARES, M.L. et all. Planejamento, desenvolvimento, fabricação e montagem de um
protótipo veicular fora de estrada (off road). ABCM – Associação Brasileira de Engenharia e
Ciências Mecânicas. In: 7º Congresso Brasileiro de Engenharia de Fabricação (COBEF), 20 a 24 de
maio de 2013, Penedo, Itatiaia, Rio de Janeiro – RJ, 2013
SAE BRASIL. Regulamento Baja SAE Brasil. SAE Brasil, cap.1 e 3. 2010.
O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO FERRAMENTA DE OTIMIZAÇÃO
DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UMA ANÁLISE COMPORTAMENTAL NA
CIDADE DE CONCEIÇÃO DA APARECIDA-MG
Patrícia Aparecida de Magalhães1, Juliana Aparecida Pedretti Furlan 2
Discente do curso de Engenharia de Produção e Qualidade, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente dos cursos de Engenharia de Produção e Qualidade e Administração, UNIFEG,
Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Introdução: As micro e pequenas empresas cada vez mais ganham espaço no mundo
contemporâneo e globalizado, apresentando relevante potencial competitivo diante as grandes
organizações. Este fator se dá através de várias ferramentas que hoje são disponibilizadas para
uma gestão estratégica e organizacional de sucesso. O planejamento estratégico pode ser
considerado como uma das principais ferramentas para se chegar a ascensão da organização
em um curto período de tempo. No entanto, trata-se de uma ferramenta desconhecida para a
grande maioria das pequenas e micro organizações, além de algumas a acharem desnecessária
para o sucesso de seu negócio. Objetivos: Através de pesquisa quantitativa, identificar
quantas micro e pequenas empresas praticam Planejamento Estratégico na cidade de
Conceição da Aparecida/MG. Material e Métodos: Pesquisa quantitativa descritiva, através
de questionário contendo 20 questões fechadas, técnica amostral probabilística estratificada
simples entre micro e pequenas empresas de diversos segmentos de atividades. Resultados:
Os mais relevantes descobertos foram que os responsáveis pelas organizações abordadas, em
sua maioria não apresentam o devido conhecimento do termo “Planejamento Estratégico” e
consequentemente não creditam valor a tal ação em sua empresa, onde, em suma, praticam o
hábito de planejar apenas quando não há sobrecarga de trabalho. A pesquisa mostrou que:
67% das organizações conhecem por alto, de forma genérica, o termo “Planejamento
Estratégico”; 13% já ouviram falar, mas não sabem exatamente do que se trata. Conclusão:
Após detalhada análise de todos os dados da pesquisa executada concluiu-se que, as micro e
pequenas empresas da cidade em questão, não tem o hábito de desenvolver Planejamento
Estratégico e não conhecem se quer suas funcionalidades básicas, resultando na
incompreensão dos grandes benefícios desta ferramenta, afetando diretamente o crescimento e
o progresso de tais organizações.
Palavras-chave: micro, pequenas, empresas, planejamento, estratégia.
Referências:
CERTO, Samuel C. Administração estratégica: planejamento e implantação da estratégia. 2
ed. São Paulo: Pearson Pretice Hall, 2005.
LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Administração de marketing: conceitos, planejamento e
aplicações à realidade brasileira. 1ed. 4 reimpr. São Paulo. Atlas, 2010.
SEBRAE (Org.). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa. 2015.
CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA UM PROJETO DE COMPETIÇÃO
UNIVERSITÁRIA – BAJA SAE
Raíssa Sales¹, Nayra Cintra¹, Samuel José Casarin²
¹ Discente do curso de Engenharia de Produção e Qualidade, UNIFEG. Guaxupé, MG.
[email protected]
²Docente do curso de Engenharia de Produção e Qualidade, UNIFEG. Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O projeto Baja SAE promove aos estudantes de diversas áreas de
Engenharia a oportunidade de desenvolver um trabalho em equipe, desenvolver um
trabalho em gestão de projetos e adquirir experiência profissional através da
participação de todas as etapas do desenvolvimento de um protótipo de competição.
Para um projeto de competição universitária é necessário captar recursos para suprir um
leque de atividades, cedidos por organizações e empresas com e sem fins lucrativos.
Esses recursos são utilizados para fins e interesses do projeto. Objetivos: Apresentar as
dificuldades em captar recursos para um projeto universitário, mesmo perante a
credibilidade cedida pelas instituições em apoia-lo em fase inicial. O trabalho visa
promover um método para inverter o cenário atual de dificuldade de aquisição de
patrocínio ao projeto. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa aplicada, envolvendo a
aplicação de uma série de conceitos aprendidos em sala de aula e de benchmarking
(cooperativo) externo com outros grupos de instituições diversas; há ainda um caráter
exploratório com vasta busca bibliográfica sobre o assunto. Resultados: A partir de um
trabalho em equipe foi elaborado o Portfólio de Patrocínio e realizado contato com
possíveis empresas patrocinadoras do projeto. O Portfólio não conseguiu sensibilizar,
em fase inicial, as empresas locais e da região, mas foi estabelecido um contato direto
com várias empresas (Starrett, Ciser e outras) que proporcionaram ao projeto uma série
de incentivos. O Portfólio encontra-se em fase de aperfeiçoamento visando alcançar
empresas que ainda poderão patrocinar o projeto. Conclusão: Um sistema de captação
de recursos eficiente, via Portfólio de Patrocínio, trás diversos benefícios para toda a
equipe, simplificando as tarefas administrativas, agilizando os processos, facilitando o
trabalho de integração de todos.
Palavras-chave: Baja SAE, patrocínio, portfólio.
Agradecimentos: FAPEMIG (Processo AUC 00001/15).
Referências
ALVAREZ, L. Práticas de apoio ao planejamento. Notas de aula. Universidade de
Brasília, s/d. Disponível em:
<http://lillian.alvarestech.com/Planejamento/Modulo3/Aula32Benchmarking.pdf >.
Acesso em: 19 de Outubro de 2015.
CASARIN, S.J. Captação de Recursos. Humus News. São Paulo, 2010. Disponível
em: <http://www.humus.com.br/news/negocios5.htm>. Acesso em: 19 de Outubro de
2015.
CRUZ, C. M. & ESTRAVIZ, M. Captação de diferentes recursos para organizações
sem fins lucrativos. São Paulo: Global, 2000.
ADOÇÃO DAS BIBLIOTECAS COBIT 5 E ITIL V3 NA OPERACIONALIZAÇÃO
DA ESTRATÉGIA DE NEGÓCIO
Jéferson Lucas Santos Ribeiro1, Jaciara Silva Carosia2, Francisco Carlos Ribeiro3
1
Discente do curso de Ciência da Computação, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciência da Computação, UNIFEG, Guaxupé,
[email protected]
3
Docente do curso de Ciência da Computação, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A Tecnologia da Informação tem provado ser cada dia mais essencial e no
âmbito empresarial, tal importância se concretiza. Esse recurso proporcionou para as
organizações maior agilidade na troca de informações, dados mais precisos, oportunidade de
trabalhar com maior volume de dados, entre outras vantagens. Entretanto, face à importância
que adquiriu nas empresas e ao grande volume de informações que são manipuladas, se fez
necessário a gestão de tal recurso. Para que a tecnologia da qual a organização é detentora
seja alinhada às definições estratégicas da empresa, surgiu a Governança de Tecnologia da
Informação (parte integrante da Governança Corporativa). E com a finalidade de
operacionalizar a estratégia definida, a Gestão de TI teve o seu início. Muitas organizações
encontram dificuldades em conciliar a Governança e a Gestão de TI e não obtêm o resultado
que tais estruturas podem oferecer devido à má administração dos serviços tecnológicos e/ou
desalinhamento do serviço oferecido com a estratégia organizacional. Devido às possíveis
deficiências citadas, as organizações podem: sofrer impacto em sua imagem perante aos
clientes e stakeholders; poderá afetar a sua lucratividade; relatórios inconsistentes e vários
outros motivos. Objetivos: Apresentar bibliotecas de boas práticas que garantam que a
Governança de TI esteja alinhada com a Governança Corporativa através do modelo COBIT
5, e que a Gestão de TI ofereça serviços de acordo com a estratégia definida (através da
adoção da biblioteca ITIL v3), com o constante monitoramento se a operacionalização condiz
com a visão estabelecida pela Governança de TI (checagem realizada pelo COBIT 5). Tais
ações e medidas serão realizadas para que a organização possa visualizar a TI como uma
provedora de serviços e auxiliadora nos cumprimentos das definições estratégicas, gerando
valor para a organização. Materiais e Métodos: A metodologia utilizada é de natureza
exploratória por meio de pesquisa bibliográfica dos conceitos de Governança e Gestão de TI,
COBIT 5 e ITIL v3.Resultados:Com o levantamento bibliográfico foi possível concluir que a
junção das bibliotecas COBIT 5 e ITIL v3 são benéficas para a organização, para o
departamento de TI e para todos aqueles que possuem alguma dependência do departamento
tecnológico.Conclusão:Como a junção das bibliotecas se demonstrou benéfica, é possível
que seja adotada as boas práticas para obter vantagem comercial e para fornecer melhor
qualidade dos serviços prestados.
Palavras-Chave: biblioteca de boas práticas, COBIT 5,governança de TI,gestão de serviços
de TI, ITIL V3.
DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÃO MOBILE: SOFTWARE PARA
PLATAFORMA ANDROID COM SERVIDOR JAVA
Luís Guilherme Souza Paulino da Costa1; Marco Aurélio de Oliveira Campos2; Luciana José
Garcia Ribeiro3; Jaciara Silva Carosia4
1
Discente do curso de Bacharelado em Ciência da Computação, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Discente do curso de Bacharelado em Ciência da Computação, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
3
Docente do curso de Bacharelado em Ciência da Computação, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
4
Docente do curso de Bacharelado em Ciência da Computação, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A proposta desse projeto é o desenvolvimento de um aplicativo mobile, que
permitirá que os pais dos alunos do Colégio Dom Inácio de Guaxupé fiquem informados da
situação de seus filhos na Instituição de ensino, como acontecimentos, advertências, punições,
reuiões, entre outras coisas, já que a agenda atual que vem sendo utilizada não supre
plenamente com as necessidades dos envolvidos, surgindo então a necessidade de melhorias,
para o auxílio dessa comunicação, tais como: segurança, rapidez, exatidão, oportunidade e
mobilidade das informações envolvidas, que serão oferecidas com a utilização do software
desenvolvido com esse projeto. Objetivos: Esse projeto tem como principal objetivo
desenvolvimento de um aplicativo mobile, utilizando tecnologias atuais gratuitas e efetivas
para melhorar a comunicação entre Instituição e pais ou responsáveis por alunos regularmente
matriculados no Colégio Dom Inácio de Guaxupé. Materiais e Métodos: Foram utilizadas as
seguintes tecnologias para desenvolvimento do trabalho: Banco de Dados Oracle, GCM, Java
e Android. O Oracle para armazenamento das informações dos envolvidos. O GCM (Google
Cloud Messaging) é uma API da Google que teve a função de enviar as mensagens do
servidor para a aplicação. A linguagem Java foi utilizada para desenvolver o servidor e a
aplicação que faz o cadastro dos responsáveis, e o Android foi a plataforma escolhida para
executar o aplicativo. Resultados: O resultado final foi o desenvolvimento de três aplicações
distintas que juntas conseguem cadastrar os responsáveis dos alunos em uma base de dados,
um aplicativo que é executado no servidor que envia as mensagens e uma outra aplicação que
permite o recebimento das mensagens no celular. Conclusão: É possível concluir que, com o
estudo e utilização das tecnologias mencionadas, foi possível desenvolver um projeto, com
várias aplicações, que auxiliam na comunicação entre a Diretoria do Colégio e os
responsáveis dos alunos, sem gerar nenhum custo e com a eficiência necessária.
Palavras-chaves: GCM, Android, Java, Oracle.
ENGENHARIA DE SOFTWARE APLICADA A PROJETOS DE CÓDIGO ABERTO
Gean Saturno Gonçalves1, Jaciara Silva Carosia2
Discente do curso de Ciência da Computação, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciência da Computação, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Introdução: Entre todas as ferramentas que o homem desenvolveu e elementos que
descobriu, sem sombra de dúvidas o computador é uma das mais brilhantes empreitadas já
alcançada. Para que toda a sociedade funcione como deveria, a Engenharia de Software tem
feito um grande trabalho na conservação da qualidade do software de computador. O software
é algo abstrato e flexível que é executado pelos computadores e são responsáveis por impor
instruções a estas máquinas. Devido a essa natureza do software e sua ampla utilização em
diferentes áreas, não é possível definir uma única engenharia de software que seja eficaz para
todos os seus paradigmas, forçando a atribuir uma engenharia para cada um deles. Um
paradigma que é demasiadamente jovem e ainda está em difusão é o paradigma de software
de código aberto. Este paradigma traz a ideia de um software ser desenvolvido de forma
colaborativa, livre e transparente. Objetivos: O objetivo deste trabalho é encontrar uma
engenharia de software capaz de agregar qualidade neste tipo de projeto de software.
Material e Métodos: Para alcançar o objetivo do trabalho, primeiro foi feito o levantamento
bibliográfico da engenharia de software, e dos projetos de código aberto e suas características,
assim permitindo a idealização de uma engenharia de software aplicada a projetos de código
aberto. O próximo passo do trabalho foi o estudo de caso de projetos de código aberto hoje
existentes como o Linux, Warzone 2100, Ubuntu, Firefox e outros, podendo comparar e
aperfeiçoar a engenharia de software previamente idealizada. Resultados: De fato, com suas
devidas adaptações a engenharia de software desenvolvida para projetos proprietários auxiliou
a gerencia e a documentação de softwares de código aberto. Todavia, a natureza dos projetos
de código aberto em geral se mostrou cada vez mais distinta em relação aos projetos
proprietários. Alguns riscos presentes em projetos proprietários não existem em projetos de
código aberto, e vice-versa. Após o estudo da engenharia de software, projetos de código e
dos casos de sucesso estudados, foram identificados métodos da engenharia de software
capazes de auxiliar o desenvolvimento de projetos de código aberto.
Conclusão: A engenharia de software desenvolvida neste trabalho pode reduzir o número de
projetos de código aberto que são dados como mortos além de melhorar a qualidade dos
projetos já existentes e potencializar o desenvolvimento de novas tecnologias de importância
mundial capazes de auxiliar a humanidade assim como o software vêm auxiliando.
Palavras-chaves: Engenharia de Software, Código Aberto, Software Livre, Open Source.
Referências:
CHACON, Scott e STRUB, Bem. Pro GIT: Everything you need to know about Git. 2. ed
Apress, 2015.
CHRISTOPH, Roberto de Holanda. Engenharia de Software para Software Livre. Rio de
Janeiro, 2004.
ENGHOLM JR, Hélio. Engenharia de software na prática. São Paulo: Novatec, 2010.
FERREIRA, Marcelo. MELO, Tiago de. (Org.). A Revolução do Software Livre. 1. ed.
Manaus: Comunidade do Sol Software Livre, 2009.
FOGEL, Karl. Producing Open Source Software: How to Run a Successful Free Software
Project. 2015.
AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL UTILIZANDO DISPOSITIVOS EMBARCADOS
Antônio Sérgio De Oliveira Júnior1, Danilo Bonifácio Dos Santos2, Gustavo Poli Lameirão
Da Silva3
1
Discente do curso de Ciência da Computação, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Discente do curso de Ciência da Computação, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
3
Docente do curso Ciência da Computação, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A automação residencial, igualmente conhecida por domótica, corresponde ao
uso das inovações tecnológicas para atender as necessidades e o conforto dos integrantes de
determinada residência. Algumas empresas de tecnologia procuraram aproveitar o substancial
desenvolvimento da microeletrônica para aplicações em residências com intuito de oferecer
soluções para automatização de processos da área. No entanto, perceberam que para a
aplicação deste tipo de automação é indispensável que todo o sistema trabalhe com bom nível
de robustez, principalmente com relação à segurança, além de oferecer uma interface simples
e objetiva de comunicação com o usuário, considerando que este não possui necessariamente
conhecimento técnico para operar um sistema mais complexo. Por estes motivos, a área de
automação residencial não evoluiu tão rapidamente quando à automação industrial. Já nos
anos 80, com a popularização dos computadores pessoais (PCs) pôde-se pensar em um PC
como central de automação. Contudo, a grande desvantagem desse sistema é o alto consumo
de energia elétrica, decorrente da necessidade de manter o PC constantemente ligado. Visando
solucionar este problema, partiu-se para o desenvolvimento de dispositivos embarcados que
os substituíssem, por meio da utilização de microprocessadores e micro controladores. Hoje
em dia é possível construir sistemas para automação residencial com níveis de controle
eficientes, intermediado por sistemas embarcados cada vez mais robustos, utilizando acesso
remoto via internet e smartphones. Com a popularização da chamada internet das coisas,
diversos dispositivos podem ser conectados à rede e controlados remotamente. Objetivos: O
objetivo é difundir e incentivar a busca de conhecimento sobre automação residencial, criar
um projeto utilizando plataformas open source, oferecendo além do custo reduzido, conforto e
praticidade. Materiais e Métodos: A metodologia utilizada é de natureza exploratória por
meio de pesquisa bibliográfica e experimental. Utilizando conceitos de engenharia de
software no desenvolvimento, além das tecnologias de softwares JSP, Java, Pi4J, RXTX,
Bootstrap, DWR, Web Speech API, Motion, Tomcat e SQLite. Assim como, as tecnologias de
hardwares, Arduino, Raspberry Pi e Módulos. Resultados: Os resultados obtidos foram o
desenvolvimento da aplicação web OnHome proposta para auxiliar o usuário a gerenciar os
processos residenciais automatizados, sendo eles: iluminação, sistema de alarme, sistema de
irrigação, climatização de ambiente e controle de acesso por RFID. Assim como a elaboração
e construção do protótipo de um ambiente residencial automatizado. Conclusão: Com o
desenvolvimento deste projeto, conclui-se que a tecnologia se torna cada dia mais importante
na vida da população, pois permite aplicações que auxiliam o usuário em tarefas cotidianas
proporcionado conforto e segurança.
Palavras-Chave: automação residencial, arduino, raspberry pi, aplicação web
ESTUDO DOS EFEITOS DA APLICAÇÃO DO POLIESTIRENO EXPANDIDO EM
ARGAMASSA
Felipe Reis de Souza1, Otávio Augusto Carvalho Nassur2, Dian Lourençoni2, Marcos Venício
Pereira Villhena2
1
Discente do curso Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docentes do curso Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: O Poliestireno Expandido (EPS) é um dos polímeros mais utilizados na
construção civil, sendo uma alternativa cada vez mais difundida. Por ser um material com
cerca de 98% de espaços vazios e apenas 2% de matéria-prima, o EPS ocupa grandes volumes
com pouco peso, o que torna economicamente inviável sua reciclagem. Diante do exposto,
objetivou-se com o presente trabalho, utilizar o resíduo do EPS para confecção de
argamassas, avaliando a resistência destas com diferentes concentrações de EPS.
Material e Métodos: O EPS foi moído e peneirado para obtenção de uma granulometria
padronizada. Foram confeccionados corpos de prova de argamassas com traço 1:2:8,5
(cimento, cal e areia), com 6 porcentagens de adição de EPS, sendo eles: 0%, 5%, 10%, 15%,
20% e 25%. Para cada tratamento, foram testados 4 corpos de prova com tempo de cura de 28
dias. A análise estatística foi processada pelo software SISVAR (FERREIRA, 2011).
Resultados: Como pode ser observado na Tabela 1, os resultados mostraram que a adição de
5% de EPS a argamassa não alterou sua resistência a compressão. Cabe ressaltar que segundo
diversos autores, a resistência à compressão das argamassas não tem muita influência na
resistência à compressão da alvenaria (IZQUIERDO, 2011; PASQUALI, 2007). Sendo
preferível a utilização de argamassas menos resistentes e mais deformáveis, contribuindo
ainda no ponto de vista econômico (IZQUIERDO, 2011).
TABELA 1. Valores médios de resistência a compressão (MPa) nos tratamentos avaliados.
Tratamento
Resistencia a compressão
0%
3,35 a
5%
3,05 a
10 %
2,57 b
15 %
1,38 c
20 %
0,78 d
25 %
0,45 d
Médias seguidas de letras distintas diferem entre si pelo teste ScottKnott ao nível de 5% de probabilidade. CV=13,44%
Conclusão: O Poliestireno Expandido (EPS) pode ser adicionado na produção de argamassas
na proporção de até 5% sem perda de resistência a compressão da argamassa.
Palavras-chaves: EPS, sustentabilidade, argamassa.
Referências:
FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v.
35, n.6, p. 1039-1042, 2011.
IZQUIERDO, O. S. A influência do tipo de argamassamento e da utilização de peças de
ajuste dimensional na resistência à compressão da alvenaria de blocos de concreto. 179 f.
Dissertação (Mestrado em Engenharia de Estruturas) – Escola de Engenharia de São Carlos,
Universidade de São Paulo, São Carlos, SP, 2011.
PASQUALI, I. Influência do tipo de argamassamento na resistência à compressão de
pequenas paredes de alvenaria estrutural cerâmica. 140 f. Dissertação (Mestrado em
Construção Civil e Preservação Ambiental), Universidade Federal de Santa Maria, Santa
Maria, RS, 2007.
ENERGIA SOLAR COMO FONTE ELÉTRICA RESIDENCIAL
Fabiano Marques Ferraz1, Guilherme Gomes de Almeida2
1
UNIFEG, Guaxupé, MG, [email protected]
2
UNIFEG, Guaxupé, MG, [email protected]
Introdução: Devido o aumento no custo e os impactos ambientais ocasionados pelas formas
convencionais de geração de energia elétrica, é necessário uma constante evolução
tecnológica e com isso a energia solar ganha espaço, pois através de placas fotovoltaicas esta
energia é capitada e utilizada para gerar eletricidade de forma limpa, renovável e econômica.
Objetivos: Demonstrar o funcionamento, a utilização e as vantagens da tecnologia
fotovoltaica, a qual é uma fonte de energia renovável e sua utilização é de grande interesse
para quem visa economia financeira, um mundo equilibrado, ecologicamente correto e
sem agressão à natureza. Material e Métodos: Pesquisa bibliográfica, ou seja, este trabalho
foi desenvolvido a partir de materiais publicados em livros, revistas técnicas, artigos,
buscando apresentar os benefícios e vantagens na utilização da energia solar, através da
tecnologia fotovoltaica, na geração de energia elétrica residencial. Resultados: A utilização
da tecnologia fotovoltaica permite a preservação ambiental e uma economia financeira em
relação aos gastos com as fontes de energias convencionais. Conclusão: O sistema
fotovoltaico permite o aumento da oferta de energia de forma limpa, segura, com pouca
manutenção e sem necessidade de degradar grandes áreas, sendo uma fonte de energia
inesgotável, renovável e sem emitir poluição. Além disso, possibilita uma significativa
economia financeira. Portanto, observa-se através deste trabalho que é de fundamental
importância atuações governamentais de apoio e efetivo ao setor energético, divulgação em
mídia, demonstrado vantagens e benefícios e também uma preparação constante dos
profissionais que estão em contato direto com os produtos, ou melhor, como estas
tecnologias.
Palavras-chave: sustentabilidade, energia solar, tecnologia fotovoltaica, geração de energia
elétrica.
Referências:
CRESTANI, Mauro Sérgio. Energia solar: Pesquisa multidisciplinar sobre fachadas
fotovoltaicos com filmes finos. Eletricidade moderna. São Paulo, v.458, p.140-145, 2012.
REIS, Lineu Belico dos. Geração de Energia Elétrica: Tecnologia, Inserção Ambiental,
Planejamento, Operação e Análise de viabilidade. Barueri: Manole, p.6-151, 2003.
REIS, Lineu Belico dos; FADIGAS, Eliane A. Amaral. Energia, recursos naturais e a prática
do desenvolvimento sustentável. Barueri: Manole, p.16, 2005.
ESTUDO DE CASO: DEFICIÊNCIAS NA DRENAGEM SUPERFICIAL DA
RODOVIA JACI BATISTA CORREA, LMG 846 QUE LIGA A CIDADE DE
NOVA RESENDE A BOM JESUS DA PENHA
Paulo Eduardo Gonçalves de Resende1, Luiz Antônio Passoti Smaira2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Segundo DNIT (1994), o pavimento seria uma estrutura construída após a
terraplanagem, que é composta por diversas camadas, que tem o propósito de resistir e
distribuir os esforços gerados pelos veículos, que buscam proporcionar aos seus usuários
conforto e segurança no rolamento. A água livre no Pavimento, além de proveniente da
infiltração pela superfície da plataforma, pode ter origem pela percolação através de
acostamentos, por valetas de drenagem laterais ou pela elevação sazonal do nível de lençol
freático. Sendo assim iremos destacar ao longo deste trabalho os seguintes temas:
abordaremos sobre um breve histórico do pavimento asfáltico, a drenagem e a realização de
uma comparação trechos da Rodovia Jaci Batista Correa, LMG 846 que liga a cidade de Nova
Resende a Bom Jesus da Penha em relação a drenagem externa realizada no pavimento.
Objetivos: O objetivo principal deste trabalho é averiguar os dispositivos de drenagem
superficial, suas deficiências, possíveis causas e soluções cabíveis. Material e Métodos: Este
trabalho foi realizado através de pesquisas bibliográficas e também de coleta de dados como
fotografias e análise das mesmas, afim de destacar alguns trechos da Rodovia Jaci Batista
Correa, LMG 846 que liga a cidade de Nova Resende a Bom Jesus da Penha em relação a
drenagem externa realizada no pavimento. Para melhor organização dos dados observados e
análises teóricas, este trabalho foi realizado através de um estudo de caso e de maneira
qualitativa. Resultados: Entende-se então, que este trabalho conseguiu mostrar o que se
pretendia. Pois, foi possível verificar seus dispositivos de drenagem, deficiências, possíveis
causas e as soluções cabíveis. Conclusão: Ao longo da rodovia foi possível verificar que em
alguns trechos via-se necessária a presença de alguns dispositivos de drenagem superficial,
tais como sarjetas de aterro, sarjetas de corte e principalmente um sistema de drenagem em
curvas da rodovia, a necessidade de manutenção da obra e também em relação a limpeza de
alguns dispositivos de drenagem, pois a deficiências de alguns deles se dá principalmente sob
este aspecto notado a partir de visitas realizadas no local.
Palavras-chaves: Pavimentação, Drenagem Superficial, Deficiências nos Dispositivos de
Drenagem Superficial.
Referências:
AZEVEDO, Ângela Martins. CONSIDERAÇÕES SOBRE A DRENAGEM
SUBSUPERFICIAL NA VIDA ÚTIL DOS PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS. Cidade:
São Paulo, 2007, p.15.
BALBO, José Tadeu. PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA (MATERIAIS, PROJETO E
RESTAURAÇÃO). Cidade: São Paulo, 2007, p.39.
A CONSTRUÇÃO DE CASAS ECOLÓGICAS EM BUSCA DA CONSTRUÇÃO
SUSTENTÁVEL
1
Thiago Henrique Coelho, Paulo Aneas Lichti
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: Diante das mudanças climáticas ocorridas na atualidade, com a grande
escassez de chuvas e alterações nas características das estações do ano, as pessoas e a
sociedade como um todo, busca por alternativas ecológicas que possam tentar diminuir os
impactos causados e buscar uma condição mais favorável do clima. Por anos os recursos
naturais e ambientais foram utilizados de modo irracional, onde as pessoas contribuíram
significativamente para o aumento dos problemas climáticos, e agora no presente os
resultados desses anos de mau uso estão sendo refletidos e impactando a vida como um
todo. Assim, emerge a necessidade de uma conscientização quanto à implantação de
mudanças radicais para buscar diminuir os efeitos e evitar que maiores problemas possam vir
a surgir em um futuro próximo. Com as novas alternativas vêm surgindo uma perspectiva ao
setor da construção civil, com a implantação de construções sustentáveis, onde a
sustentabilidade passa a ser o elemento-chave para suprir todas as necessidades com relação à
captação de recursos, tanto naturais quanto derivados e assim precisa ser implantado tanto em
casas, escolas, comércios, edifícios e demais locais, pois o principal objetivo está em utilizar
os recursos de modo simples, lógico e ecológico. Objetivos: O objetivo deste estudo é
apresentar a importância em se utilizar casas ecológicas com o intuito de diminuir os impactos
ambientais no setor da construção civil de maneira simples e eficaz. Material e Métodos:
Apresenta-se uma pesquisa bibliográfica, a partir de livros didáticos e sites acadêmicos para a
descrição do que são as casas ecológicas e como as mesmas são construídas. Resultados:
Conscientização dos profissionais da área civil em conjunto com a sociedade pela busca de
meios sustentáveis para alcançar seus objetivos conciliando o meio ambiente com a
construção, oferecendo formas ecológicas para desempenhar suas atividades cotidianas,
diminuindo impactos ambientais na construção civil. Conclusão: O presente trabalho tem
como objetivo apresentar a necessidade em investimentos tecnológicos para promover a
sustentabilidade na construção civil, principalmente no que tange a construção de casas, de
modo mais ecológicos, com o intuito de desenvolver soluções criativas voltadas à geração de
energias renováveis e ações que preservem o meio ambiente.
Palavras-chaves:. Recursos. Ambiente. Construção Sustentável. Construção Civil. Casas
Ecológicas.
Referências:
BELLEN, H. M. van. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. 2 ed. Rio de
Janeiro: FGV, 2007.
LIBRELOTTO, L. I. Modelo para avaliação da sustentabilidade na construção civil nas
dimensões econômica, social e ambiental (ESA): aplicação no setor de edificações. Tese
(Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2005. Disponível em
<http://www.gerenciamento.ufba.br/Downloads/Indicadores%20Sustentabilidade.pd> Acesso
em 06 out. 2015.
NAVARRO,
Luciana. Construções
verdes.
Disponível
em
<http://www.ebah.com.br/content/ABAAAe_-sAC/manual-construcoes-sustentaveis
>
Acesso em 28 abr. 2015.
ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO TIJOLO DE ADOBE COM
ADIÇÃO DE PALHA DE CAFÉ
Mauricio Gonçalves Soares1; Dian Lourençoni2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: A utilização de tijolos de adobe nas construções são técnicas antigas que
abrangem vários países no mundo, principalmente para aplicação em meio rural e de baixa
renda. Seu apelo sustentável, por ser um tijolo produzido com terra e água, sem necessidade
de transporte e queima, despertou novos estudos para resgatar esta técnica antiga e trazê-la
para os dias atuais. Objetivos: o objetivo deste estudo foi avaliar a resistência de tijolos de
adobe com adição de pergaminho de café. Material e Métodos: Estes tijolos foram
fabricados em prensa manual, sendo caracterizados como bloco de terra comprimido (BTC).
A fonte utilizada nos testes é o pergaminho, obtido do processo de beneficiamento do café, o
solo para fabricação dos tijolos de adobe foi coletado no município de Guaxupé. A
verificação de suas propriedades, se deu em três etapas, iniciando pela caracterização do
material por meio de ensaios de granulometria, seguindo da fabricação dos tijolos, com adição
em volume de 5%, 10%, 15% e 20% de pergaminho de café e a testemunha sem adição da
fibra, com dimensões de 25 x 12,5 x 6,5 cm em prensa manual de tijolos ecológicos. Por
último, após período de cura de 21 dias foi realizado o ensaio de compressão para
determinação de sua resistência. Resultados: Os resultados obtidos do ensaio de
granulometria através de peneiramento do solo indicaram a classificação como solo arenoso.
Os resultados obtidos do ensaio de compressão dos tijolos de adobe estão descritos na Figura
1. Em comparação da resistência à compressão entre os BTC fabricados, verificou-se a maior
resistência do BTC com 15% de adição de fibras, atingindo 0,44 MPa na amostra C, superior
em 33,3% ao BTC Testemunha, tomado como referência, em sua maior resistência entre as
amostras ensaiadas. Com resultados dos ensaios de compressão verificou-se valores abaixo
dos estipulados pela NBR-10836 (2013), sendo igual ou maior que 2,0 Mpa.
FIGURA 1. Gráfico de resistência à compressão
Conclusão: A adição de pergaminho no BTC em até 15% de volume não alterou a resistência
dos tijolos. Todas os tratamentos obtiveram resistências abaixo da recomendada pela NBR10836 (2013).
Palavras-chaves: tijolo de adobe, sustentabilidade, resistência.
Referências:
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10836: Blocos de solo-cimento
sem função estrutural. 2013.
USO DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NA CONSTRUÇÃO
CIVIL
Lucyla Teixeira Santos Alves1, Willians Gavioli da Silva2
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: A segurança no trabalho envolve um conjunto de medidas baseadas em normas
técnicas, análises psicológicas e médicas direcionadas a oferecer condições mais seguras e
prevenir acidentes durante o desempenho profissional dos trabalhadores. Esforços contínuos
tem sido feitos pelas empresas visando à educação e orientação dos trabalhadores nos locais
de exercício garantindo o aumento da segurança e prevenção de ocorrência de acidentes de
trabalho. Objetivos: Descrever as principais características de segurança de trabalho,
principalmente do uso de EPI na construção civil. Abordar conceitos sobre segurança do
trabalho na construção civil. Analisar os principais problemas enfrentados por empresas para
estimular o uso eficiente de EPI por seus funcionários e apresentar a freqüência e
características de uso de EPI por funcionários de empresa de construção civil na cidade de
Monte Belo -MG. Material e Métodos: Esta pesquisa tem caráter qualitativa e quantitativa,
com revisão de literatura realizada mediante uma pesquisa bibliográfica sendo fundamentada
nas obras de Pacheco (1995), Sampaio (1998), Rodrigues (2007) e Amaral (2013). Também
foi realizada uma pesquisa de campo com aplicação de questionário padrão a vinte
funcionários de uma empresa de construção civil que atua na cidade de Monte Belo sobre
segurança do trabalho e uso de EPI pelos mesmos. Os dados obtidos foram reunidos e
analisados em planilhas do software Microsoft Excel para apresentação e discussão dos
resultados. Resultados: A pesquisa demonstrou que todos os pesquisados reconhecem que
existem investimentos na segurança de trabalho com treinamentos adequados para seus
funcionários por parte da empresa. Quanto à disponibilidade de EPIs, afirmaram que os
recebem para a execução de suas atividades. Todos os profissionais responsáveis pela
orientação de segurança do trabalho e supervisão do uso de EPI possuem algum
conhecimento específicos para esta atividade e como usuários de EPIs tiveram que se adaptar
a usa-los, alem de incentivarem os colegas a usarem no exercício de suas atividades
profissionais. Existe o reconhecimento dos benefícios recebidos quanto ao uso dos EPIs,
promovendo a preservação da vida, da saúde e o bem estar dos trabalhadores e redução do
número de acidentes fatais.A empresa tem por norma a obrigatoriedade de uso de EPIs por
seus funcionários, fiscaliza integralmente a aplicação dessa resolução.Apenas 5% dos
funcionários afirmaram que a empresa deveria disponibilizar também cintos de segurança
para a realização de determinadas atividades desenvolvidas no cotidiano. Conclusão A
conscientização, treinamento e o uso adequado de EPI contribuem no aumento da segurança
no ambiente de trabalho da construção civil. Os investimentos nesse quesito constituem uma
forma de garantir melhor qualidade do trabalho e prevenção de acidentes nos canteiros de
obras. A redução de acidentes e preservação da saúde e bem estar dos trabalhadores são os
benefícios mais evidentes da adoção de EPI na empresa avaliada.
Palavras-chaves: Segurança, construção civil, acidentes.
Referências:
AMARAL, A.G. SEGURANÇA NO TRABALHO: EPI’S na construção civil. Umuarama:
2013,Revista Ciência Empresa UNIPAR. v.14, n.2, p.231-257.
PACHECO, W. J. QUALIDADE NA SEGURANÇA: série SHT 9000, normas para a gestão
e garantia da segurança e higiene do trabalho. São Paulo: Atlas, 1995.
RODRIGUES, M.V. QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: evolução e analise no nível
gerencial. Petrópolis: Vozes, 2007.
ARGAMASSA FEITA COM RESÍDUOS DA INDÚSTRIA DE QUARTZITO
Jorge Augusto de Paiva Fidelis1, Dian Lourençoni2; Otávio Augusto Carvalho Nassur2, Karen
Cristina Ricciardi Moraes1
1
Discentes de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docentes do curso Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: A extração e o processamento do quartzito é uma atividade essencial para
geração de emprego e arrecadação de impostos em algumas cidades do sul de Minas Gerais.
Tradicionalmente associado a problemas ambientais devido a quantidade de rejeito gerado no
beneficiamento, verifica-se a necessidade da adoção de novas tecnologias capazes de absorver
os resíduos dessa atividade.
Objetivos: Avaliar a resistência da argamassa composta pelo resíduo de quartzito.
Material e Métodos: Foram confeccionados corpos de prova de argamassas, com 3 traços em
volume distintos, sendo eles: 1:9, 1:8 e 1:7, cimento e resíduo, respectivamente. Para cada
traço, foram testados 3 corpos de prova com tempo de cura de 1 semana. Todo procedimento
de moldagem, cura e rompimento dos corpos de prova foram realizados seguindo as
recomendações das normas técnicas NBR 5738 (ABNT, 2003) e NBR 5739 (ABNT, 2007).
As análises estatísticas foram processadas pelo software SISVAR (FERREIRA, 2011).
Resultados: Conforme pode ser observado na Figura 1, os resultados mostraram ganhos
consistentes de resistência com o aumento do percentual do cimento em relação ao resíduo. a
resistência da argamassa com resíduo de quartzito tende a aumentar linearmente conforme
aumenta-se a porcentagem de cimento no traço. Resultados estes que são coerentes, visto que
o R2 da equação linear foi de 0,9358, ou seja, a equação consegue estimar os valores com
93,58% de acerto.
FIGURA 1. Gráfico das resistências obtidas na 1ª semana dos corpos de prova da argamassa
com resíduo de quartzito.
Conclusão: O resíduo de quartzito pode ser utilizado em substituição aos outros materiais
utilizados tradicionalmente na argamassa sem perda de resistência mecânica.
Palavras-chaves: Resíduo, argamassa, resistência.
Referências:
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 5738: Concreto - Procedimento
para moldagem e cura de corpos de prova. Rio de janeiro – RJ. 2003.
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 5739: Concreto – Ensaio
compressão de corpos de Prova. Rio de janeiro – RJ. 2007.
FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v.
35, n.6, p. 1039-1042, 2011.
METODOLOGIA PARA SUBSTITUIÇÃO DE RESÍDUOS EM CONCRETOS E
ARGAMASSAS
Karen Cristina Ricciardi Moraes1, Dian Lourençoni2; Otávio Augusto Carvalho Nassur2,
Jorge Augusto de Paiva Fidelis1
1
Discentes do curso Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docentes do curso Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: Com o intuito de minimizar os impactos ambientais causados pela construção
civil, torna-se cada vez mais necessário a busca pela reutilização de resíduos na confecção de
concretos e argamassas. Uma das áreas onde se tem um volume considerável de resíduos
sendo despejados no meio ambiente é o setor agroindustrial, dentre eles, destacam-se a casca
de arroz, sabugo de milho, resíduo do beneficiamento e do rebeneficiamento do café.
Objetivos: Contribuir para pesquisas futuras, comparando métodos de substituição dos
resíduos em concretos e argamassas.
Material e Métodos: Foram confeccionados oito corpos de prova de concreto, sendo que
destes quatro foram confeccionados utilizando a substituição em volume e os outros quatro a
substituição em peso. Para cada uma das repetições, foi utilizado um tipo de resíduo, sendo
eles: Casca de arroz, sabugo de milho, resíduo do rebeneficiamento do café e pergaminho do
café. A porcentagem de substituição foi padronizada em 15% para ambos os métodos. Todo
procedimento de moldagem, cura e rompimento dos corpos de prova foram realizados
seguindo as recomendações das normas técnicas NBR 5738 (ABNT, 2003) e NBR 5739
(ABNT, 2007).
Resultados: conforme pode ser observado na Tabela 1, o peso das amostras com método de
substituição em peso, ficou cerca de 28% mais leve que o método de substituição por volume.
Isto se deve ao fato do método por peso não retratar bem a realidade dos materiais, pois o
mesmo peso do agregado a ser substituído gera um volume muito superior de resíduo.
Também foi observado que a resistência das amostras no método por peso ficou bem abaixo
das obtidas no método por volume.
Tabela 1: Resultados dos ensaios realizados com os diferentes métodos de substituição.
Substituição em volume
Substituição em peso
Amostra
1
2
3
4
1
2
3
4
Resíduo
Casca de arroz
Pergaminho do Café
Sabugo de milho
Resíduo rebeneficiamento
Casca de arroz
Pergaminho do Café
Sabugo de milho
Resíduo rebeneficiamento
Peso (g)
3390,00
3480,00
3220,00
3105,00
2145,00
1850,00
2580,00
2860,00
Resistência (MPa)
3,88
5,45
1,77
0,49
0,72
0,24
0,36
0,40
Conclusão: Conclui-se que o método de substituição por volume é o mais indicado para
realização de pesquisas voltadas para a área de reaproveitamento de resíduos em concretos e
argamassas.
Palavras-chaves: Concreto, resíduo, substituição.
Referências:
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 5738: Concreto - Procedimento
para moldagem e cura de corpos de prova. Rio de janeiro – RJ. 2003.
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 5739: Concreto – Ensaio
compressão de corpos de Prova. Rio de janeiro – RJ. 2007.
ANÁLISE DE VIABILIDADE ENTRE MUROS DE ARRIMO COM
CONTRAFORTES E DE GABIÕES
Guilherme Filipe de Siqueira Moreno1, Luiz Antônio Pasotti Smaira2.
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: Os muros de arrimo são estruturas de contenção que possuem a finalidade de
conter o solo para melhor aproveitamento do terreno, em ambos os lados. Devido ao alto
crescimento populacional, vêm se tornando comum, obra em terrenos cada vez mais
irregulares, o que se faz necessária execução destes tipos de estruturas. Objetivos: Realizar a
análise de viabilidade da construção entre um muro de arrimo em concreto armado com
contrafortes e de gabiões, considerando o custo, durabilidade, drenagem e velocidade de
dimensionamento, aplicada em um projeto fictício. Material e Métodos: Realizou-se o
levantamento bibliográfico sobre os tipos de muros de arrimo mais executados atualmente
descrevendo algumas de suas características, destacando os tipos estruturais analisados.
Apresentou-se também as considerações do empuxo, a ação da água e o efeito de
compactação na estrutura. Depois, foram elaborados roteiros de dimensionamento para ambas
as estruturas estudadas, aplicando os mesmos em um estudo de caso fictício. O mesmo tratase de uma ampliação de um estacionamento em um clube onde é necessária a construção de
um muro de arrimo tendo 7,10 m de altura com 50,00 m de comprimento. Utilizaram-se os
softwares Excel e Gawacwin no dimensionamento do muro com contrafortes e gabiões,
respectivamente. Resultados: O muro de gabiões apresenta melhor drenagem, pois não
necessita de tubos drenantes. Quanto a durabilidade ambas apresentam desempenhos
semelhantes, pois apesar da estrutura de gabiões possuir um malha de aço, a mesma pode ser
revestida por um material especial. No dimensionamento, a realização do detalhamento da
estrutura com contrafortes apresentou maior dificuldade, devido suas armaduras.
Considerando o volume de material, o espaço ocupado pela estrutura de contrafortes
corresponde a 31,23 % ao ocupado pelo muro de gabiões. No estudo, o muro de arrimo com
contrafortes apresentou custo superior de 105,39 % em relação ao muro de gabiões.
Conclusão: O profissional que elabora projetos de muros de arrimo deve procurar um
equilíbrio entre a segurança e economia da obra, sendo assim, devido a grande diferença de
custo entre as estruturas, o muro de arrimo de gabiões é a melhor solução para o caso
estudado. Destaca-se também que a viabilidade da estrutura dependerá principalmente da
existência de mão de obra qualificada próxima da obra.
Palavras-chaves: Arrimo, Contrafortes, Gabiões.
Referências:
BARROS, P. L. de A. Obras de Contenção: Manual técnico. Jundiaí. Maccaferri, 2011. 220
p.
BOTELHO, A. H. C. Águas de chuva: Engenharia das águas pluviais nas cidades. 3ª
edição. São Paulo, Blucher, 2011. P. 195–202.
GERSCOVICH, D. M. S. Estruturas de Contenção – Muros de Arrimo. Rio de Janeiro:
Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.
MARCHETTI, O. Muros de Arrimo. 1ª edição. São Paulo: Blucher, 2008. 141 p.
MOLITERNO, A. Caderno de muros de arrimo. 1ª edição. São Paulo: Edgard Blucher,
1980. 194 p.
PROCESSOS CONSTRUTIVOS: MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO DE MUROS DE
ARRIMO
Thales de Souza Gonçalves; Prof. Marcos Venicio Pereira Vilhena
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Docente do curso de Engenharia civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: Devido ao desenvolvimento econômico e populacional das cidades, faz-se
necessária a construção de moradias em locais mais afastados, a fim de desafogar os grandes
centros. Esses locais, muitas vezes, possuem topografias variadas, como aclives, declives e
encostas, onde é preciso aplicar algum tipo de contenção. Nestes casos, a engenharia civil
apresenta como solução o muro de arrimo, construção que contém o solo, garantindo maior
estabilidade para sua massa e resistência aos esforços internos que nele atuam, além de
conferir segurança aos moradores.
Objetivos: fazer uma análise nacional da geração dos pneus inservíveis e dos processos
existentes para seu reaproveitamento pela indústria da construção civil, mais especificamente
sua reutilização na construção de muros de arrimo.
Material e Métodos: Este estudo será elaborado através de pesquisa bibliográfica, utilizandose de autores e estudiosos sobre a temática, bem como artigos científicos (Scielo), obtendo-se
assim a base teórica necessária para discussão da técnica abordada nesse trabalho.
Resultados: Diante das leituras realizadas, observamos que o Brasil tem programas para o
descarte de pneus, porém os mesmos não atendem a demanda. Percebemos também que
reutilizar pneus na construção civil reduz o custo do muro, e reaproveita grande parte deste
material inservível. Por outro lado, a vida útil do muro de arrimo construído com pneus é
menor do que a de um muro construído por métodos tradicionais.
Conclusão: Assim como muitos países, o Brasil possui resoluções insuficientes para o
descarte de pneus, causando sérios problemas ambientais. Neste caso, concluímos que a
engenharia civil apresenta a construção de muros de arrimo como solução para duas
dificuldades: a contenção de taludes, visando à segurança dos moradores; e a reutilização de
pneus inservíveis, colaborando com a preservação do meio ambiente.
Palavras-chaves: Construção civil. Muro de arrimo. Métodos. Estudo de caso.
Reaproveitamento de pneus.
Referências:
ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Resíduos Sólidos – Classificação, NBR
10004. Rio de Janeiro, 2004.
ANIP: Associação Nacional de Indústrias de Pneumáticos. 2002.
BNDES: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Pneus. BNDES: Áreas
de Operações Industriais 2/ Gerência Setorial 2. Junho/1998. p. 01-34.
CEMPRE: Compromisso empresarial para reciclagem. Pneus. Ficha Técnica 7, 2015.
Disponível em : <http://cempre.org.br/artigo-publicacao/ficha-tecnica/id/7/pneus
CONAMA: Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução N.º 416/99. Disponível em:
< http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=616>
IPT: INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS. Reciclagem. IPT Notícias, V7, n.
38, maio/junho, 1p. 1995.
MEDEIROS, L.V. et al. Reuso de Pneus em Geotecnia. In: SEMINÁRIO NACIONAL
SOBRE REUSO/RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS. SMA/SP,
2000.
ANÁLISE DA IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES
Flamínia Esteves Tomaz1, Willians Gavioli da Silva2
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: A falta de impermeabilização em construções é um dos fatores que mais acarreta
transtornos e atrasos na entrega da obra. Infiltrações provenientes da presença e fluxo da água
de forma indesejável, por capilaridade ou percolação, originam pontos de umidade ou
vazamentos que elevam os custos da obra. Para prevenir problemas ocasionados pelas
infiltrações podem ser realizados trabalhos envolvendo metodologias e materiais adequados
que previnam essas ocorrências. Conhecer os métodos e materiais utilizados para
impermeabilizar regiões onde a incidência de água poderá ocasionar danos na obra previne
transtornos provocados pela sua falta. Objetivos: Descrever as principais características de
materiais e tipos de impermeabilização de edificações que garantem o sucesso na prevenção
de patologias em que as edificações estão sujeitas quando não utilizam o método adequado.
Material e Métodos: Essa pesquisa possui caráter qualitativo e quantitativo, foi desenvolvida
a partir de uma pesquisa bibliográfica, fundamentada especialmente nos autores Bauer (2014),
Borges (2009) e Salgado (2014) e pesquisa de campo através do uso de questionário padrão.
Resultados: A realização da pesquisa em 11 empresas localizadas em seis cidades do sul de
Minas demonstrou que 100% das empresas utilizam sistemas, métodos e produtos
impermeabilizantes nas obras executadas. De acordo com respostas obtidas no questionário
aplicado às empresas, os principais motivos de ocorrência de patologias nas edificações são:
falta ou má execução da impermeabilização e falhas de sistemas, métodos e materiais
indicados nos projetos adotados. Conclusão: A adequada elaboração de projeto que considera
as características específicas das edificações, das condições climáticas da localidade e a
escolha correta de produtos e métodos impermeabilizantes pode garantir menor incidência de
patologias na obra. Medidas preventivas facilitam a melhor conservação da estrutura e
acabamento, reduz custos com manutenções e reparos. Com esse trabalho tornou possível
uma sondagem inicial da relevância e da valorização da impermeabilização de edificações.
Palavras-chaves: impermeabilização, patologias, construção civil.
Referências:
BAUER, L. A.F. Materiais de construção 2. Rio de Janeiro: LTC, 2014.
BORGES, A. C. Práticas das pequenas construções. São Paulo: Blucher, 2009.
SALGADO, J. C. P. Técnicas E Práticas Construtivas Para Edificação. São Paulo: Érica,
2014.
ELABORAÇÃO DO PLANO DE MOBILIDADE URBANA: ESTUDO DE CASO
APLICADO AO MUNICÍPIO DE GUAXUPÉ-MG
Denise Fátima Mariano dos Santos¹, Guilherme Gomes de Almeida2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O planejamento da mobilidade urbana objetiva integrar diferentes modais de
transporte, motorizados e não motorizados, individuais e coletivos, possibilitando o acesso
amplo e democrático ao espaço urbano. Considerando a necessidade de planejamento, foi
sancionada em 2012 a Política Nacional de Mobilidade Urbana, que define que todos os
municípios com mais de vinte mil habitantes elaborem seus Planos de Mobilidade Urbana,
sendo que, aqueles que não o fizerem, ficam impedidos de receber recursos destinados à área.
Mesmo com o risco de perder recursos, a maioria dos municípios ainda não elaborou seus
planos, devido, principalmente, à falta de recursos e de equipe técnica capacitada. Objetivos:
Desenvolver uma metodologia para a elaboração do Plano de Mobilidade Urbana, respaldada
na Política Nacional de Mobilidade Urbana e voltada para municípios de pequeno e médio
porte, com base no estudo de caso aplicado ao Município de Guaxupé-MG. Material e
Métodos: Descrever o processo de elaboração do Plano de Mobilidade Urbana, elaborando o
diagnóstico da Mobilidade Urbana no Município de Guaxupé, utilizando-se do banco de
dados socioeconômicos do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), informações
fornecidas pela Prefeitura de Guaxupé, legislações existentes e visitas nos locais para coleta
de dados e imagens. Resultados: Foram identificados fatores condicionantes para a
Mobilidade Urbana do Município, como o aumento da população urbana juntamente com a
frota de veículos. Ressaltamos também as condições dos sistemas de circulação utilizados por
pedestres e ciclistas, as condições do transporte coletivo e do sistema viário, consistindo na
classificação das vias, sinalização, polos geradores de viagens e operações de carga e
descarga. Para cada assunto abordado foi feita uma coleta de dados, juntamente com o
levantamento de legislações existentes e uma análise quanto às possíveis medidas a serem
tomadas para melhoria das condições da Mobilidade. Conclusão: Com base no estudo de
caso e no diagnóstico realizado para o Município, verificaram-se vários fatores que são
condicionantes para a Mobilidade Urbana, ressaltando-se a necessidade de melhoria dos
processos de informação e atuação integrada das partes, o que poderá ser feito por meio da
elaboração do Plano de Mobilidade Urbana. O estudo realizado fornece subsídios para a
elaboração do Plano, não somente para o Município de Guaxupé, mas também para outros
municípios de pequeno e médio porte que possuam a intenção de fazê-lo, sendo essencial que
as diretrizes envolvam a Mobilidade Urbana Sustentável, onde exista a priorização das
pessoas, dos veículos não motorizados e do transporte público coletivo.
Palavras-chaves: Mobilidade, trânsito, planejamento urbano, infraestrutura urbana.
Referências:
BRASIL. Política Nacional de Mobilidade Urbana. Lei nº 12.587, de 03 de janeiro de 2012.
Diário Oficial da União - Seção 1 – 04 de janeiro de 2012, página 1 (Publicação Original).
NTU. Revista NTU urbano. Menos de 30% das cidades brasileiras possuem Plano de
Mobilidade Urbana. Ano III, número 13, Janeiro/Fevereiro de 2015. Disponível em:
<http://www.ntu.org.br/novo/upload/Publicacao/Pub635629598079065291.pdf>. Acesso em
02 de julho de 2015.
CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS DE INTERESSE IMOBILIÁRIO EM GUAXUPÉ MG
Guilherme Figueiredo de Souza1, Dian Laurençoni2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: As obras de engenharia no geral dependem do conhecimento dos materiais que
as constituem, além do material que sustentara essas obras, ou seja, o solo. O solo é um dos
principais materiais, pois é nele que toda a carga é descarregada, e o conhecimento de suas
características físicas e mecânicas, bem como a formação geológica local é de fundamental
importância para um correto projeto. Começar uma obra sem conhecer o solo onde ela está
sendo instalada é um dos maiores erros de Engenharia. O solo é o mais antigo, mais usado,
mais complexo e mais desconhecido dos materiais de construção, por esse motivo que ele
deve ser estudado e caracterizado para cada tipo de obra feita sobre ele. A grande diversidade
e heterogeneidade dos tipos de solo dificulta a sua caracterização, existem diversas
composições, granulometrias e umidades naturais. Sua origem vem da decomposição das
rochas que constituíam inicialmente a crosta terrestre, sendo essa decomposição ocasionada
tanto por agentes físicos, químicos e biológicos.
Objetivos: Objetivou-se com o presente trabalho, avaliar amostras de solo em diferentes
regiões da cidade de Guaxupé/MG, solos esses considerados de grande interesse imobiliário
para instalação de projetos de engenharia.
Material e Métodos: Esse estudo foi desenvolvido em quatro amostras de solos coletadas em
bairros susceptíveis a ampliações industriais, comerciais e residenciais. As amostras foram
coletadas com estrutura deformadas na profundidade entre 0,5 a 1,0 metro. Em laboratório o
material foi preparado e ensaiado conforme suas normas técnicas, sendo eles, teor de
umidade, granulometria por meio de peneiramento, compactação por Proctor, limite de
liquidez e limite de plasticidade.
Resultados: A Tabela 01 identifica o resumo dos resultados dos ensaios.
TABELA 01. Resumo dos Resultados e Classificação dos Solos.
CLASSIFICAÇÃO DO SOLO POR H. R. B.
AMOSTRA 01 AMOSTRA 02 AMOSTRA 03 AMOSTRA 04
25,94%
22,85%
28,53%
28,87%
Teor de Umidade Natural
72,04%
90,98%
91,71%
93,92%
Granulometria: % que passa Nº 10
27,96%
43,38%
46,60%
37,80%
Granulometria: % que passa Nº 40
1,54%
2,61%
2,38%
2,05%
Granulometria: % que passa Nº 200
58,80%
45,50%
59,60%
53,50%
Limite de Liquidez - LL %
25,00%
34,13%
41,09%
46,14%
Índice de Plasticidade - IP%
0
0
0
0
Índice de Grupo - IG %
A-2
A-2
A-2
A-2
Classificação Geral
A-2-7
A-2-7
A-2-7
A-2-5
Grupo
Areia e Areia Siltosa ou Argila
Material Predominante
Excelente a Bom
Comportamento Geral como Subleito
Conclusão: Conclui-se que após a análise dos resultados, as amostras ensaiadas obtiveram a
mesma classificação geral indicando um bom comportamento como subleito com
possibilidade de estabilização com ligantes. Contem grande porcentagem de solos granulares
misturados com solos finos.
Palavras-chaves: Solo, Umidade, Compactação, Proctor e Granulometria.
Referências:
SENÇO, W. Manual de técnicas de pavimentação: Volume 1. São Paulo: Pini, 2007.
INFLUÊNCIA DE DIFERENTES TIPOS DE TRATAMENTO NA RESISTÊNCIA DO
BAMBU PHYLLOSTACHYS AUREA
Marcos Paulo Correia1, Mariana Ap. de Paula1, Tiago Donizetti Pereira1, Dian Lourençoni2
1
Discentes do curso Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: Perante a necessidade de uso de materiais sustentáveis na construção civil, o
bambu representa uma alternativa potencial, pois possui excelentes características físicas e
mecânicas como leveza, força, dureza, conteúdo de fibras, baixo custo de obtenção e boa
trabalhabilidade (GHAVAMI e MARINHO, 2001). Em condições naturais este possui alto
nível de degradação, tornando necessário para o aumento da durabilidade através de algum
tipo de tratamento.
Objetivos: Avaliar e comparar a influência de diferentes tipos de tratamento na resistência à
compressão de corpos de prova de Phyllostachys Aurea (com e sem região nodal).
Material e Métodos: Para a elaboração dos corpos de prova foram utilizados bambus da
espécie Phyllostachys Aurea. Os colmos foram cortados, separados e realizados os seguintes
tratamentos para cada colmo: Natural, fogo, cocção, afogamento e químico. Após o período
de secagem, foram preparados corpos de prova da região nodal e internodal, com 100 mm de
altura e diâmetros interno e externo medidos com auxílio de paquímetro digital. Os corpos de
prova foram rompidos sob carregamento estático e contínuo em prensa da marca PAVITEST ®
com capacidade de 150 ton.
Resultados: Conforme pode ser observado na Tabela 1, os resultados obtidos mostram que
para os tratamentos Fogo, Cocção e Natural houve maior resistência nos corpos de prova com
parte nodal, enquanto os tratamentos Químico e Afogamento, produziram melhores resultados
para os corpos de prova ausentes de parte nodal. Provavelmente isso ocorre devido a forma
que são executados os tratamentos Afogamento e Químico, que causam maiores influências
nas partes nodais. Comparando as médias (com e sem parte nodal) entre os tratamentos,
observou-se que a Cocção foi o tratamento que produziu o melhor resultado de 62,19 MPa
(média) e o químico o pior 37,36 MPa (média). Vale ressaltar que o presente trabalho trata-se
de um estudo preliminar.
TABELA 1. Dados obtidos nos ensaios de resistência a compressão.
Resistência
Resistência
Tratamento
(com parte nodal) MPa
(sem parte nodal) MPa
Natural
47,14
35,38
Fogo
60,08
51,88
Cocção
62,46
61,92
Afogamento
46,29
47,25
Químico
33,69
41,02
Média
41,26
55,98
62,19
46,77
37,36
Conclusão: Todos os tratamentos com exceção do tratamento Químico provocaram aumento
da resistência mecânica da Phyllostachys Aurea, sendo que a Cocção obteve o melhor
resultado. Observou-se uma possível interação na resistência entre os tratamentos e as partes
nodais.
Palavras-chaves: Bambu, materiais alternativos, propriedades mecânicas.
Referências:
GHAVAMI, K.; MARINHO, A. B. Determinação das propriedades dos bambus das espécies:
mosó, matake, guadua angustifólia, guadua tagoara e dendrocalamus giganteus para utilização
na engenharia. PUCRJ – Departamento de Engenharia Civil, 2001.
A RECICLAGEM DE RESÍDUOS: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO À
SUSTENTABILIDADE NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL
Danilo Fernando de Paula1, Dian Lourençoni2
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: As questões que envolvem a sustentabilidade vêm se tornando objeto de debate
devido à necessidade de se buscar formas de suprir os atuais consumos sem comprometer a
saúde e a sobrevivência no planeta. O setor da construção civil é um grande produtor de
resíduos sólidos resultantes das sobras das construções e das demolições, e o inadequado
descarte destes resíduos compromete a qualidade ambiental nos espaços urbanos e rurais. O
reuso dos excedentes é uma alternativa que além de tornar mais sustentáveis as práticas do
setor, também pode influenciar no custo das construções e reformas. Objetivos: Entender
como o meio ambiente é impactado pelo descarte inadequado de resíduos excedentes da
construção civil; conhecer medidas já aderidas para minimizar o desperdício por meio de
reuso dos excedentes da construção civil. Material e Métodos: Revisão de literatura para
fundamentação teórica dando compreensão ao estudo por meio de livros, artigos científicos,
trabalhos acadêmicos e portal da Prefeitura de São Carlos para extração de dados e
informações da prática de uma usina de reciclagem de resíduos da construção civil.
Resultados: O volume gerado pelos resíduos descartados pela construção civil é
consideravelmente grande e ocupa muito espaço nos aterros. O resultado do processo de
reciclagem mostrou-se muito satisfatório e importante para a sustentabilidade no setor da
construção civil. Dentre os benefícios da reciclagem de RCD é possível citar a redução de
áreas alocadas para aterros evitando o seu esgotamento, diminuição de pontos clandestinos e
redução de custos com execução de programas habitacionais com materiais reutilizados, em
beneficio a sociedade Conclusão: Com a reciclagem e o reaproveitamento do resíduo é
possível proporcionar benefícios ambientais, sociais e econômicos. Projetos como os
apresentados neste estudo são de fundamental importância para o controle e minimização dos
problemas ambientais causados pela geração de resíduos, e para seu reaproveitamento na
criação de diversos produtos com valor agregado.
Palavras-chaves: construção, demolição, resíduos, reciclagem.
Referências:
AZEVEDO, G. O. D. Resíduos da construção civil em Salvador: os caminhos para uma
gestão sustentável. Engenharia Sanitária e Ambiental. Vol.11 - Nº 1 - jan/mar 2006.
BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Resoluções CONAMA. Brasília. 2002.
GUNTHER, W.M.R. Minimização de resíduos e educação ambiental. In: Seminário Nacional
de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública, 7. Curitiba, 2000. Anais. Curitiba, 2000.
UMIDADE E IMPERMEABILIZAÇÃO NA COSNTRUÇÃO CIVIL
Pedro Sérgio Martini Júnior1, Dian Lourençoni2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
dlourenc[email protected]
Introdução: A umidade pode atingir de diferentes formas a construção civil, sendo que existe
umidade ascensional, umidade de condensação, umidade da própria construção, umidade
resultante de vazamentos nas redes de esgoto. Além dos tipos de umidade citados
anteriormente os materiais de construções possuem características e mecanismos que podem
gerar umidade na construção civil. Com esse problema surgem consequências como as
eflorescências, mofo, bolor, corrosão, fungos entre outras, que degradam as construções e
prejudicam a saúde dos moradores. Para acabar com a presença de umidade na construção
civil são executadas as impermeabilizações, que podem ser rígida ou flexível, sendo de
responsabilidade do responsável técnico da obra a escolha do tipo de impermeabilização,
levando em consideração a origem da umidade encontrada na construção. Objetivo: O
objetivo da pesquisa é fazer uma revisão bibliográfica sobre o tema escolhido, analisando e
comparando conceitos de vários autores, a fim de entender o motivo das infiltrações nas
edificações e o método como previne as mesmas. Metodologia: Revisão bibliográfica.
Resultados: Através das pesquisas realizadas em livros, revistas técnicas, normas técnicas,
sites especializados e artigos foi possível verificar que a umidade é a maior causadora de
danos na construção civil, porém mesmo sabendo desse fato ainda é muito alto o índice desse
problema. Caso a impermeabilização tenha que ser realizada após o término da obra os custos
para retrabalhos sobem para 10% do valor total da obra, além dos transtornos em quebrar um
local pronto, sujeira e quanto à comodidade dos ocupantes do lugar, enquanto se realizadas
durante a obra os custos variam entre 2% a 3% e evitam os transtornos citados anteriormente.
Conclusão: Com as pesquisas feitas conclui-se que executando corretamente a
impermeabilização no decorrer das obras, as causas e efeitos da umidade na construção civil,
são eliminados, evitando retrabalhos, prejuízos e danos à saúde dos proprietários. E que a
ausência da água na construção é praticamente impossível de ocorrer, porém se prevenir
adequadamente as edificações não serão submetidas às consequências escritas anteriormente.
Palavras-chave: água, umidade, impermeabilização, construção civil.
Referências:
VERÇOZA, Enio José. Impermeabilização na construção. 1. Ed. Porto Alegre: Sagra,
1985. 151 p.
RIPPER, Ernesto. Como evitar erros na construção. 2. Ed. São Paulo: Pini, 1984. 122 p.
AVALIAÇÃO DO APARELHO DE UMIDADE SPEED TEST
Luiz Paulo Inácio da Silva1, Dian Lourençoni2; Otávio Augusto Carvalho Nassur2, Mariane
Taveira Coutinho Mancini1
1
Discentes de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docentes do curso Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: A avaliação da umidade dos agregados é de fundamental importância visto que o
fator agua cimento no concreto influi diretamente em sua resistência final. Dentre os métodos
para determinação de umidade destacam-se o método da estufa e o Spped Test, o primeiro por
ser o mais preciso e confiável, porém é um teste relativamente demorado e o segundo por ser
um teste que pode ser feito a campo e o resultado sai na hora.
Objetivos: Este trabalho tem por objetivo comparar a eficiência do aparelho Speed Test para
avaliação da umidade de agregados.
Material e Métodos: Foram preparadas 8 amostras de agregados com diferentes umidades.
Para cada amostra, foi realizado o Speed Test e posteriormente foram coletados o peso úmido
destas amostras e colocada para secar em estufa a ±110°C durante 24 horas. Após este
período e obtenção de constância de peso das amostras, estas foram novamente pesadas para
determinação do peso seco. A umidade foi calculada através da seguinte equação (NBR-9939,
2011):
U (%) = ((Pu – Ps) / Ps) x 100
em que: U: umidade do agregado (%); Pu: peso úmido (Kg); Ps: peso seco (Kg).
Resultados: Como pode ser observado na Figura 1, o método do Speed Test resulta em uma
variação nos valores de umidade, principalmente nas umidades mais elevadas. Para umidades
com valores abaixo de 2%, observou-se que o Speed Test resulta em valores menores que os
observados pelo método da estufa, já acima de 2% de umidade, o Speed Test resulta em
valores maiores que os obtidos no método da Estufa. Para este experimento, obteve-se um
desvio padrão médio de 0,58.
FIGURA 1: Valores de umidade obtidos com os diferentes métodos de avaliação.
Conclusão: Conclui-se que deve ter precaução quando e onde pode-se utilizar o método do
Speed Test para determinação da umidade dos agregados.
Palavras-chaves: Umidade, agregados, speed test.
Referências:
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 9939: Determinação da umidade
total - Método de ensaio. Rio de janeiro – RJ. 2011.
DIMENSIONAMENTO DE FUNDAÇÕES EM SOLO SATURADO
Gustavo Felipe Souza Lima, Luis Antônio Nery.
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Docente do curso de Engenharia civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: A composição do solo e suas características é algo a ser analisado, pois hoje em
dia é impressionante o aumento populacional e com isso o aumento habitacional. Para a
construção, entretanto, está cada vez mais difícil de encontrar um solo que seja ideal para a
construção, sendo o caso de grandes cidades e para resolver este problema, a opção para a
construção seria os solos saturados. Este tipo de solo é pouco utilizado, pois a alta
concentração de água em seus vazios é acima da permitida, ultrapassando então o limite de
plasticidade do solo, tornando-o pouco resistente para as superestruturas, de modo que haja
um cálculo diferenciado para o dimensionamento desta fundação, para que possam alcançar
solos mais profundos, apresentando uma melhor resistência para a superestrutura. Objetivos:
Analisar sondagens de um solo saturado, para realizar o dimensionamento de fundações para
um prédio residencial de 05 pavimentos, e adotar a fundação adequada para este tipo de solo.
Material e Métodos: O trabalho utiliza a planta de um prédio de 05 pavimentos com a
localização dos pilares, além da sondagem do solo, que inclui a tabela do SPT, e as diversas
camadas apresentadas no perfil da sondagem. Os cálculos de dimensionamento utilizados
foram com base na NBR-6122. Resultados: Ao analisar a composição do solo foi
estabelecido que a melhor fundação a ser utilizada foi a estaca tipo Franki. Conclusão: A
partir da análise da sondagem, foi feita a melhor caracterização, informando o estado do solo
que será utilizado. Pelos dados do projeto do prédio, foram obtidos os valores das suas cargas
e junto com os dados obtidos pela sondagem, chega-se a conclusão que deve ser utilizado a
estaca tipo Franki, devido a suas características fundamentais para este solo, através do seu
método de cravagem sem ponteira, realizando a cravação da estaca no solo, pelo atrito com as
paredes internas.
Palavras-chaves: Fundações, Estacas, Sondagens.
Referências:
ALONSO, URBANO RODRIGUES. Dimensionamento de Fundações Profundas. Ed. Edgard
Blucher. São Paulo, 1991.
HACHICH, WALDEMAR. Fundações – Teoria e Prática. Ed Pini. São Paulo, 1996.
CAPUTO, HOMERO PINTO. Mecânica dos Solos e Suas Aplicações. Vol. 1. Ed. Livros
Técnicos e Científicos. São Paulo, 1988.
SCAC. Fundações Profundas. Catálogo. São Paulo, 2000.
FUNDESP. Fundações Especiais. Catálogo. São Paulo, 2000.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6122: Projeto e Execução
de Fundações: Procedimento. Rio de Janeiro, 1996.
DAS, BRAJA M.. Advanced Soil Mechanics. McGraw-Hill Book Company, Texas, 1985.
ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DE BACIA DE
EVAPOTRANSPIRAÇÃO EM RESIDÊNCIAS RURAIS
Thiago Gil Gouveia1, Luiz Antonio Pasotti Smaira2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: As residências rurais, na maioria das vezes, se utilizam de fossas rudimentares,
como dispositivo de descarte de suas águas negras, pela falta de conhecimento do proprietário
de que existe um método normatizado ou métodos alternativos que beneficiam o meio
ambiente, ao invés de polui-lo, como a bacia de evapotranspiração, que utiliza material de
reuso como pneus usados e parte do refugo de construção como material de sua construção.
Objetivos: Analisar a implantação de uma bacia de evapotranspiração como um sistema de
tratamento domiciliar de águas negras em residências rurais, destacando as vantagens que o
sistema possui para o meio ambiente e para as residências que o utilizam. Material e
Métodos: Realizou-se um levantamento bibliográfico sobre os sistemas mais utilizados de
tratamento domiciliar de águas negras e bacia de evapotranspiração, descrevendo seus
funcionamentos, condições de uso, instalação, métodos de limpeza, dimensionamentos e
especificações. Depois, foi feito o dimensionamento dos dois sistemas: a fossa séptica,
dimensionada segundo normas regulamentadoras, utilizando filtro anaeróbio e sumidouro e a
bacia de evapotranspiração. Foi feita a comparação para o caso fictício de dimensionamento
de um sistema de tratamento domiciliar de águas negras, para uma residência rural padrão
médio com 5 moradores supostamente localizada no município de Itamogi-MG. Resultados:
Após o dimensionamento dos sistemas, pode-se observar notáveis diferenças, como volume
de escavação necessária para o sistema normatizado é 35,75% maior de que o da bacia de
evapotranspiração, o sistema normatizado por possuir diferentes câmaras, dificulta o
dimensionamento, diferente do dimensionamento uniforme da bacia de evapotranspiração.
Para o dimensionamento da bacia é indiferente a composição do solo, pois seu funcionamento
esta ligado a evapotranspiração de plantas e não capacidade de percolação do solo.
Conclusão: Por ser um sistema de tratamento, que possui material de reuso como pneus e
refugo de construção, que utiliza plantas em seu funcionamento, que possui a característica de
fácil dimensionamento e aplicação, que consome todo material depositado em seu interior, ou
seja, autolimpante e que possui 35,75% menor volume que o sistema normatizado, a
implantação da bacia de evapotranspiração trás grandes vantagens ao meio ambiente e às
residências que optam por seu uso.
Palavras-chave: Bacia de evapotranspiração, reutilização, esgoto domestico, permacultura,
rural.
Referências:
VIEIRA, I. Bacia de evapotranspiração. Criciúma: Setelombas, 2010.
Disponível em: http://www.setelombas.com.br>. Acesso em: 18 abril 2015.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7229: Projeto, construção e
operação de sistemas de tanque séptico. Rio de Janeiro, 1993.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13969: Tanques sépticos Unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos - Projeto,
construção e operação. Rio de Janeiro, 1997.
RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: “VIABILIDADE DO USO DE
BLOCOS DE CONCRETO FABRICADOS COM AGREDOS RECICLADOS DE
REJEITOS DE CONSTRUÇÃO”
Gilberto da Silva Moreira1, Luiz Antônio Pasott Smaira2
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Introdução: Os resíduos sólidos da construção civil aumentam consideravelmente a cada ano
devido a vários fatores e representam mais de 50% dos resíduos sólidos urbanos gerados pelas
grandes cidades. Para conter o crescente aumento do volume de entulho produzido é
necessário a tomada de medidas tanto na área de gestão de obras quanto no manejo dos
resíduos. Reciclar e fazer uso dos produtos e sub-produtos obtidos a partir da reciclagem do
entulho pode conter o constante aumento dos volumes além da possibilidade de reduzir o
extrativismo. Objetivos: O objetivo deste trabalho é levantar e avaliar soluções viáveis para o
controle da geração de resíduos da construção e demolição (RCD). Material e Métodos: A
metodologia adotada para a elaboração deste estudo foi uma revisão bibliográfica seguido de
um estudo de caso de um bloco de concreto moldado com agregado reciclado e submetido a
ensaio de laboratório para testar suas qualidades comparando aos resultados obtidos com o
bloco moldado apenas com o agregado natural. Resultados: Os resultados obtidos nos
ensaios de laboratório onde os blocos moldados com agregado reciclado foram submetidos
aos ensaios à compressão, umidade e absorção de água para testar suas características em
relação aos blocos moldados apenas com agregados naturais foram satisfatórios. Conclusão:
Um fator importante para o setor da construção foi que as amostras de blocos reciclados se
apresentaram em média 6,9% mais leves que os blocos convencionais. Essa diferença pode
influenciar no momento do calculo de vigas e pilares devido a redução de cargas incidentes
sobre as peças e gerar uma economia considerável de aço e concreto impactando diretamente
no custo da obra. No ensaio à compressão o bloco reciclado apresentou 3,7% menos
resistência que o bloco natural o que não descarta totalmente seu uso onde pode-se indicar
uma mudança no traço do concreto para aumentar sua resistência além da possibilidade de ser
usado apenas em paredes internas de vedação.
Palavras chave: resíduos da construção civil, blocos de concreto reciclado, impacto
ambiental
Referências:
ZORDAN, S. E. A Utilização do Entulho como Agregado na Confecção do Concreto.
140p. Dissertação apresentada a Faculdade de Engenharia Civil da Universidade Estadual de
Campinas, como parte dos requisitos a obtenção do titulo de Mestre em Engenharia Civil na
área de saneamento. Campinas, SP. 1997.
SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: RECURSOS PARA UMA
CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL
Thaís Cristina Marques¹, Guilherme Gomes de Almeida².
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: No contexto atual de mudanças climáticas, escassez de recursos naturais e
controle de impactos ambientais, somos induzidos a buscar soluções que contribuam para a
melhoria da qualidade da indústria da Construção Civil. O exercício da sustentabilidade só se
concretiza com a ação responsável de cada um dos envolvidos em uma construção, contudo,
faz-se necessária a subdivisão das responsabilidades entre os diversos agentes dentro das
etapas de projeto e execução, para tornar a sustentabilidade aplicável. O uso de tecnologias e
produtos ambientalmente corretos tem como principal objetivo o de preservar o meio
ambiente e garantir a qualidade de vida das gerações atuais e futuras. Objetivos: Pretendemos
que o estudo contribua para o avanço da aplicação do conceito de sustentabilidade na
construção civil, discutindo inclusive as responsabilidades na execução e utilização das
habitações. Abordamos aspectos sociais, econômicos e ambientais das construções, além de
mostrar que uma construção sustentável e de baixo custo pode ser viável além de contribuir
para a melhoria do meio ambiente. Material e Métodos: Utilizamos o conceito de
sustentabilidade em um aspecto mais amplo, analisando casos já implantados, verificando
seus pontos positivos e negativos. Verificamos os vários sistemas prediais envolvidos e os
analisamos como sendo subsistemas integrantes da construção. Resultados: Com base no
estudo apresentado, analisamos alguns custos e verificamos que a implantação dessas
tecnologias é viável, tanto no ponto de vista econômico como no ponto de vista ambiental e
social. Conclusão: Foi possível verificar que a indústria da construção civil é responsável por
uma grande parcela da poluição ambiental do planeta e, portanto, esse setor deverá se adequar
e aprimorar seus métodos de produção envolvendo tanto os materiais quanto os processos
projeto e execução de obras. Essa preocupação ambiental nem sempre esteve presente no
cotidiano dos agentes envolvidos. Na construção civil só foi possível incluir essas praticas em
prol do desenvolvimento sustentável graças às certificações e selos ambientais, que
influenciam o uso de materiais e tecnologias em projetos. Esses selos têm efeito propagador
de novas tecnologias além de contar com aplicações e metodologias diferentes,
proporcionando ao empreendedor opções que podem se adequar às características de cada
empresa.
Palavras-chaves: sustentabilidade, proteção ambiental, desenvolvimento econômico,
construção civil, certificação de qualidade.
Referências:
SOUZA, L. C. L; et al. Cidades sustentáveis: um desafio comum para Brasil e Portugal.
In: Encontro Nacional sobre Edificações e Comunidades Sustentáveis. 2003. São Carlos.
Disponível em: <https://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/1355>. Acesso em 02 set.
2015.
ARAÚJO, M. A., A moderna construção sustentável. Disponível em:
<http://www.idhea.com.br/pdf/artigos1.asp.> Acesso em: 29/08/2015.
PROCESSOS FÍSICOS DAS PATOLOGIAS DE CONCRETO ARMADO COM
ÊNFASE EM FISSURAÇÃO
Nayara Cristina Bueno de Almeida1, Willians Gavioli da Silva2
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: A fissuração é uma manifestação patológica característica das estruturas de
concreto. A configuração das fissuras pode ser abordada em função de diversas causas, e estas
podem ser recuperadas com um devido tratamento. Objetivos: Estudar as patologias em
estruturas de concreto armado, com ênfase na fissuração. Analisar as classificações das
fissuras, como também a configuração em função das suas diversas causas. Abordar os
diversos tratamentos de fissuras, dependendo da situação a ser analisada. Metodologia:
Consistiu em realizar uma revisão bibliográfica sobre os processos físicos em patologias de
estruturas de concreto. Esses assuntos foram pesquisados por meio de livros, monografias,
artigos publicados e dissertações de mestrado. Resultados: Ao verificar que uma estrutura de
concreto armado está fissurada é necessário realizar uma vistoria detalhada e cuidadosa. Com
o levantamento de dados é possível obter a classificação da agressividade do ambiente em que
a fissura foi encontrada, o levantamento visual e medições desta fissura, como também uma
estimativa das possíveis consequências. Na etapa de análise dos dados é possível observar as
causas que levaram a fissura. Dentre estas temos: a contração plástica do concreto, o
assentamento do concreto com perda de aderência das barras de armaduras, movimentação de
fôrmas e escoramentos, retração do concreto, reações expansivas, recalques diferenciais,
corrosão das armaduras e variação de temperatura. Com o diagnóstico é possível encontrar
métodos que possam corrigir as fissuras. Dentre estes métodos, podemos destacar para as
fissuras passivas: injeção de resinas sintéticas ou nata de cimento, selagem superficial com
epóxi e revestimentos. Já para as fissuras ativas temos: pinturas flexíveis com uso opcional de
tela de náilon, abertura de berço e preenchimento com selante e a costura das fissuras
(grampeamento). Conclusão: Observa-se que a fissuração em estruturas de concreto armado
poderia ser evitada e combatida adquirindo um conhecimento básico e antecipado sobre as
causas que podem afetar o desempenho das mesmas. Com a diminuição das fissuras, o custo
para recuperação destas também diminui, além de aumentar a vida útil da estrutura de
concreto armado. Espero que esse trabalho possa contribuir para futuras pesquisas, tanto para
acadêmicos, como também para profissionais.
Palavras-chaves: patologias, fissuras, concreto armado.
Referências:
CÁNOVAS, M. F. Patologia e terapia de concreto armado. São Paulo: Pini. 1998.
SOUZA, V. C. M.; RIPPER, T. Patologia Recuperação e reforço de estruturas de
concreto: 1. ed. São Paulo: Editora Pini, 2009.
OBRA TEM CUSTO... DESPESA É FALTA DE PLANEJAMENTO!
Beatriz Oliveira Santos1, Paulo Aneas Lichti2
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: Os profissionais da construção civil ainda não deram ao planejamento a
importância que o mesmo possui na área. A maioria das empresas não possui um sistema que
prevê o problema e sim solucioná-los após o acontecimento. Sendo assim, os resultados não
são satisfatórios, uma vez que corre o risco de perder o controle da obra em um determinado
estágio. A falta de planejamento ocasiona possível aumento no custo final do
empreendimento. Objetivos: Discutir a importância do planejamento na construção civil,
mais especificamente, a sua relação com o custo da obra. Analisar os efeitos dos métodos de
gerenciamento utilizados nas empresas e como eles interferem no custo final da obra.
Material e Métodos: Realizou-se um estudo de caso de dois projetos distintos, o primeiro
sem a utilização de um método de planejamento e o segundo contendo-o. Formulou-se as
planilhas orçamentárias, levantou-se informações e estudos pertinentes relacionados ao tema
de planejamento e custo. Através do fundamental teórico discutiu-se o impacto do
planejamento no custo final da obra e sua influência no prazo, estes estruturados através de
pesquisa em livros, monografias, artigos, revista técnica, além de conversas com profissionais
da área. Resultados: Através dos estudos efetuados pode-se analisar que o planejamento é de
suma importância na construção civil. Mostra-se que no primeiro caso, com um mau
planejamento, a empresa, além de gastos gerados, pode comprometer-se com seus clientes
com disputas judiciais ou divulgações na imprensa. Já no segundo caso, observa-se como o
planejamento possivelmente influencia de forma positiva, quando este busca prever de
maneira significativa todas as ocasiões que podem ocorrer durante e pós-obra. Conclusão: A
comparação utilizada mostrou que a utilização de métodos de planejamento e controle de
obras associados a um sistema de gerenciamento de custos, permite que a empresa consiga
cumprir ou até mesmo reduzir os orçamentos previstos, porém, mantendo a qualidade na
prestação de seus serviços. Evidentemente, se torna indispensável que as empresas deem a
devida atenção ao planejamento.
Palavras-chave: planejamento, custo, qualidade.
Referências:
MENEZES, Luís César de Moura. GESTÃO DE PROJETOS. São Paulo: Editora Atlas, 2009,
242 pág.
BERNARDES, M. PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO PARA
EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos
Editora S.A., 2003, 190 pág.
MÉTODOS CONSTRUTIVOS DE UM PAVIMENTO FLEXÍVEL
Diego Martins1, Luís Antônio Nery2
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
1
[email protected]
Introdução: O pavimento é uma estrutura, construída sobre a superfície, para que a mesma
se torne mais resistente e durável, atribuindo a ela a capacidade de resistir aos esforços
horizontais, além de resistir aos esforços verticais, distribuindo-os de maneira homogênea nas
camadas projetadas. Este pavimento também torna a superfície de rolamento mais segura e
confortável para o tráfego. O pavimento flexível é formado por diferentes tipos de camadas,
em que as principais são: revestimento (asfáltico), base, sub-base, reforço do subleito e
regularização do subleito, sendo todas essas camadas apoiadas no subleito. Objetivo: O foco
da pesquisa em questão é em relação ao subleito, camada na qual tem função de absorver por
completo os esforços verticais, distribuídos de maneira uniforme nas camadas superiores.
Analisar ensaios simulados de um subleito, de forma a apresentar as características do solo e
por meio dos resultados desses ensaios, projetar um perfil de pavimento flexível de forma a
atender as situações que se apresentarem, satisfatórias ou não. Material e Métodos: Para que
se projete um pavimento flexível com boa qualidade, estudos para determinar a resistência
dos subleitos devem ser realizados, entre outros, um dos métodos mais utilizados é o que
caracteriza o tipo de solo em um determinado local chamado método CBR (California
Bearing Ratio). Utilizando-se um equipamento em laboratório, se mede a resistência de
penetração de um pistão em uma amostra do solo que se deseja conhecer o seu
comportamento quando utilizado como subleito em uma obra de engenharia. O valor obtido
da resistência é transformado em porcentagem e comparado com um material considerado
padrão com resistência nominal de 100%. Conclusão: O subleito é a camada na qual se deve
tratar com maior cautela durante o projeto de um pavimento flexível, realizando ensaios como
o método C.B.R. para definição do tipo de solo pois, se o mesmo não estiver preparado de
forma adequada para absorver os esforços nele depositados, mesmo com as demais camadas
calculadas de maneira satisfatória, o projeto não estará perfeitamente concluído, pois, a
camada que recebe os esforços não tem a capacidade de absorvê-los, fazendo com que o
pavimento exposto ao tráfego, apresente patologias.
Palavras Chave: construção civil, geotecnia, subleito, pavimento flexível.
Referências Bibliográficas:
BALBO, J. T., Pavimentação asfáltica: Materiais, projeto e restauração.
SENÇO, W., – Manual de Técnicas de pavimentação.Vol. 1- (2ª edição).
ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7207/82:
Terminologia e Classificação de Pavimentação.
COMPORTAMENTO E ESTABILIDADE DE PAVIMENTOS CONSTRUIDOS
SOBRE ÁREAS DE ROCHAS FRAGMENTADAS SUPERFICIAIS
Luana Gonçalves Ambrosio1, Luis Antônio Nery 2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do cursos de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Ao iniciar um projeto de pavimentação é indispensável que se analise o tipo de
solo presente e suas características geotécnicas. Para isso são utilizadas investigações por
meio de sondagens, que permitem determinar a variação da resistência do solo nas diversas
camadas presentes. Uma dessas camadas pode ser constituída por rocha fragmentada, uma vez
encontrada se depara com poucos estudos desenvolvidos sobre seu comportamento e
estabilidade como fundação. Objetivos Geral: Analisar o comportamento e estabilidade de
pavimentos construídos sobre áreas de rochas fragmentadas superficiais. Objetivo
Especifico: Analise de estabilidade de taludes em trechos de pavimentos sobre rocha
fragmentada, aplicação de conceitos clássicos da mecânica do solo referente a estabilidade de
pavimentos. Material e Métodos: Coleta de informações referentes à sondagem, análise e
dimensionamento do pavimento em função do comportamento do sub-leito constituído de
rocha fragmentada, o estudo foi baseado em uma sondagem real realizada em trecho de
rodovia com características de rocha fragmentada. O dimensionamento do pavimento foi
realizado conforme as normas do DNIT e da Prefeitura de São Paulo, de forma a estabelecer
um parâmetro comparativo no dimensionamento. Resultados: Através das características
apresentadas na sondagem o dimensionamento do pavimento calculado de acordo com norma
do DNIT obteve os seguintes resultados, 4 cm de sub-base, 28 cm de base e 5 cm de
revestimento. O dimensionamento feito através da norma estabelecida pela Prefeitura de São
Paulo obteve os seguintes resultados, 5 cm de sub-base, 27 cm de base e 5 cm de
revestimento. Não ouve necessidade de reforço tanto do sub-leito quanto da sub-base.
Conclusão: Pelos resultados do dimensionamento o pavimento deve mostrar bom rendimento
quanto ao período de vida útil ao que se refere as alturas das camadas. O comportamento do
pavimento pode estar associado a forma de acabamento da superfície rochosa que não tendo
correta declividade para escoamento das aguas provenientes das fissuras, pode estabelecer
perda de estabilidade nas camadas e consequente ruptura do concreto asfáltico pelo efeito do
confinamento de agua no local.
Palavras-chave: Comportamento, Estabilidade, Pavimentos, Rochas Fragmentadas.
Referências:
Caputo, Homero Pinto, 1923-1990. Mecânica dos solos e suas aplicações, volume 1:
fundamentos/ Homero Pinto Caputo. -6.ed..rev. e ampl., -[ Reimpr.] . - Rio de Janeiro: LTC,
2014.
Fundamentos de mecânica dos solos e das rochas: aplicação na estabilidade de taludes /
Alberto Pio Fiori, Luigi Carmignami. – 2. Ed. rev. . amp. – Curitiba: Ed. UFPR, 2009.
ANÁLISE ECONÔMICA E AMBIENTAL DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS
FLUORESCENTES HO POR LED EM UMA EMPRESA DE FIAÇÃO
Edson Moreno Carlino1, Dr. Nicolau Silva de Souzar2
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: São aproximadamente sete bilhões de pessoas no planeta, e 75 milhões a mais a
cada ano, o lixo produzido muitas vezes é descartado como se não tivesse custo ou impacto
ambiental segundo[1]. Estudos indicam que cerca de 25% de toda a energia elétrica gerada é
consumida pela iluminação artificial além de ser fator essencial para a produtividade em um
ambiente de trabalho[2]. Um local bem iluminado reduz a incidência de erros e problemas na
visão. Publicações do Fórum da Construção[3] mencionam que as instalações elétricas de
prédios mais antigos geralmente precisam de reparos e modernização.
Objetivos: Este trabalho vem demonstrar a viabilidade econômica no processo de
substituição de lâmpadas fluorescentes HO por tecnologia LED, diodo emissor de luz,
também conhecido pela sigla em inglês LED (Light Emitting Diode) em uma empresa de
fiação (área produtiva). Tais medidas são para reduzir o consumo de energia elétrica sem
comprometer o desenvolvimento da empresa, contribuir com a preservação do meio ambiente,
além de reduzir manutenções e custos. Material e Métodos: O material utilizado no estudo
foi lâmpadas com tecnologia em LED e fio de cobre 1,5mm2. O método utilizado foi a
atualização das instalações elétricas com foco na melhoria da segurança e da eficiência do
sistema elétrico, tendo como base a substituição das lâmpadas, porém mantendo as mesmas
calhas já utilizada, conhecido na Engenharia civil como retrofit[4].
Resultados: Redução no consumo de energia elétrica, demanda e custo, eliminação do
descarte das lâmpadas HO e aumento do fluxo luminoso
TABELA 1 Comparativo mensal de consumo de energia elétrica e demanda
Fluorescentes HO
SETOR
Batedor
Preparação
Fiação
Roca
Total
Lâmpadas LED
Redução em %
Consumo
Demanda
Consumo
Demanda
Consumo
KW/h
3.672
9.792
9.648
4.320
27.432
KW
3.960
10.080
10.080
4.680
28.800
KW/h
1.346
3.578
3.571
1.332
9.828
KW
1.368
3.600
3.600
1.368
9.936
%
273%
274%
270%
324%
279%
Demanda
%
289%
280%
280%
342%
290%
Conclusão: Considerando o alto custo da energia elétrica e a necessidade de minimizar os
impactos ambientais, verificou-se que o projeto é economicamente viável, pois gerou redução
significativa no consumo da energia elétrica, na demanda e consequentemente nos custos,
além de minimizar impactos ambientais com a eliminação de descarte.
Palavras-chaves: Economia, viabilidade, eficiência e meio ambiente.
Referências:
POMILIO, J. A. Eletrônica de potência - pós-graduação: topologias básicas de fontes
chaveadas. Apostila da Universidade Estadual de Campinas, capítulo 5.
CERVI, M. Rede de iluminação semicondutora para aplicação automotiva. Dissertação
(Mestrado em Engenharia Elétrica) – Universidade Federal de Santa Maria, 2005b.
PROJETO DE FUNDAÇÃO PARA GALPÃO INDUSTRIAL EM ESTRUTURA
METÁLICA SOBRE SOLO ARGILOSO NA CIDADE DE GUAXUPÉ - MG
Thais Rezende Angelini,
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Luis Antônio Nery.
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: A Engenharia de Fundações proporciona uma análise de elementos que serão
fundamentais para a escolha da fundação mais adequada à obra, ou seja, requer
conhecimentos de outras áreas para a elaboração do projeto. Destas áreas, pode-se destacar a
geologia de engenharia que tem como aliada as disciplinas de mecânica dos solos e mecânica
das rochas, nas quais se consegue determinar as condições do terreno e a interação solofundação-estrutura. Com base em mapas geológicos e perfis geotécnicos na região de
Guaxupé, MG, é possível definir o solo predominante e suas características, podendo
estabelecer uma fundação adequada para o projeto do galpão industrial. Objetivos: Estudar e
projetar a fundação para um galpão industrial com base nas informações geotécnicas do local.
Aplicação dos esforços estruturais na fundação do solo local da obra que melhor se adapte ao
projeto do galpão industrial. Material e Métodos: A revisão bibliográfica será o primeiro
passo da pesquisa, para maior aprofundamento de teorias e do caso a ser pesquisado,
incluindo, o estudo sobre geologia de engenharia, mecânica dos solos, fundações, entre
outros. Foi realizada coleta de informações sobre sondagem do local, que resultaram em
perfis geotécnicos, análise de mapas de solos da região de Guaxupé, MG. Utilizando-se um
modelo hipotético de um galpão construído em estrutura metálica e foram dimensionados os
elementos de fundação com base na norma 6122/2010. Resultados: As características do
local, apresentadas no perfil geotécnico mostraram um solo classificado como argiloso. Com
base nos esforços calculados a fundação do galpão foi projetada com bloco sobre estacas
duplas de forma a absorver os esforços verticais, horizontais e o momento fletor.
Conclusão: Para os solos argilosos suscetíveis ao efeito de recalque, fundações rasas não são
adequadas, sendo, portanto, melhor método o dimensionamento utilizando- se estacas
moldadas “in loco”.
Palavras-chaves: solo argiloso, geologia de engenharia, fundações, estacas.
Referências:
ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6122: Projeto e
execução de fundações. Rio de Janeiro: ABNT, 2010.
PINTO, Carlos de Sousa. Curso Básico de Mecânica dos Solos em 16 Aulas/3ª Edição. Carlos
de Sousa Pinto, - São Paulo: Oficina de Texto, 2006.
VELLOSO, Dirceu de Alencar. Fundações, volume 1 : critérios de projeto : investigação de
subsolo : fundações superficiais / Dirceu de Alencar Velloso, Francisco de Resende Lopes. –
2. ed. – São Paulo : Oficina de Textos, 2011.
SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO
CIVIL
Maísa Paula Barbosa Fonseca Borges,1 Dian Lourençoni2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O Brasil possui uma legislação adequada no setor da construção civil e que
busca o bem estar dos trabalhadores desse setor. Muito embora as informações referentes à
matéria em questão estejam sempre à mão dos trabalhadores, viram-se muitos deles se
afastando de suas atividades em virtude dos acidentes ocorridos. Através de pesquisa
bibliográfica foi possível fazer uma análise da história, da legislação, dos órgãos e dados
estatísticos referentes ao tema proposto, e através de pesquisa de campo foi averiguado se
trabalhadores e empregadores tinham conhecimentos legais sobre a matéria, se estes últimos
exigem de seus empregados o cumprimento da legislação, e se eles cumprem estas leis.
Objetivos: compreender porque trabalhadores da construção civil sofrem tantos acidentes, e
muitas vezes não se preocupam com sua segurança, apesar de tantos equipamentos e uma
ampla legislação para coibir e prevenir estes acidentes. Também conscientizar trabalhadores e
empregadores sobre a importância da Saúde e Segurança do Trabalho. Material e Métodos:
A metodologia utilizada neste trabalho monográfico foi de observação in locu, pesquisa
bibliográfica, leitura, pesquisa de campo, questionários, análise de dados estatísticos e
consulta a legislação específica. Resultados: Verificou-se que nas construtoras os
empregadores exigem e fiscalizam seus empregados para cumprirem as leis referentes à
segurança fazendo com que os acidentes não aconteçam. Já trabalhadores autônomos não
conhecem as leis de segurança, não usam todos os equipamentos que lhe garantem total
segurança, mostraram total desinteresse em se protegerem e com isso o número de acidentes é
bastante alto.
Fonte: Próprio autor
Conclusão: Muitos trabalhadores se acidentam por não conhecerem as leis de segurança e
não usam os equipamentos necessários a sua segurança.
Palavras-chaves: Saúde, segurança, construção civil, trabalhador
Referências:
MATTOS, Ubirajara; MÁSCULO, Francisco. ¨Higiene e Segurança do Trabalho¨. – Rio de
Janeiro: Elsevier/Abepro, 2011.
FERREIRA, Leandro Silveira; PEIXOTO, Neverton Hofstadler. “Segurança do Trabalho l”.
Santa Maria – RS – Colégio Técnico Industrial da Universidade Federal da Santa MariaRede-e-Tec, 2012.
CHAGAS, Ana; SALIM, Celso; SERVO, Luciana. Saúde e Segurança no Trabalho no Brasil:
Aspectos Institucionais, Sistemas de Informação e Indicadores. 2. Ed. – São Paulo: IPEA:
Fundacentro, 2012.
UTILIZAÇÃO DE FUNDAÇÃO TIPO RADIER NO MUNICÍPIO DE NOVA
RESENDE MG
André Augusto Américo de Oliveira Hipólito1, Luís Antônio Nery.2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: A fundação é uma das partes mais importantes de uma construção, por
ser responsável de transmitir todas as cargas para o solo, que muitas vezes não se apresenta
como um solo de boa qualidade, e que pode ser composto de um material fraco e de baixa
resistência. Sendo assim, deve se optar pelo tipo de fundação que melhor se comporta nesse
solo. Um dos sistemas mais usados como fundação de construções de pequeno porte é o
sistema Radier, que é simplesmente um elemento de fundação superficial que absorve parte
ou todos os pilares da estrutura de uma construção, distribuindo todos os carregamentos de
maneira uniforme. Funciona como uma laje, solicitada de maneira invertida (de baixo para
cima), que suporta as paredes e solicitada pela reação do solo. Atualmente tornou-se comum a
utilização deste tipo de fundação rasa por empresas de construção civil na implantação de
conjuntos habitacionais populares. Motivo que explica o uso dessa técnica é o baixo custo e
agilidade na execução. Neste contexto, o trabalho apresenta uma análise do comportamento
de um solo com características argilosas, quando solicitado pelo elemento de fundação de tipo
Radier, e uma avaliação técnica da possibilidade de uso desse sistema de fundação sobre esse
tipo de solo. Objetivos: Análise do comportamento de solo com características geotécnicas
argilosas, submetido à carga em fundação projetada em sistema Radier. Analise da viabilidade
de uso da fundação tipo Radier e qual seu comportamento em solo caracterizado argiloso.
Material e Métodos: O desenvolvimento do trabalho tem como base coleta de dados de uma
sondagem realizada em 17 de junho de 2015, que continha dados de, LL, LP, compactação do
solo e CBR. Resultados: Análise dos resultados obtidos pela sondagem, chegou-se à
conclusão de que o tipo de solo encontrado no local trata-se de um material A – 6 segundo a
HRB (Highway Research Board), caracterizado como solo argiloso, tendo como principal
componente, argila siltosa. Com base nesse material conhecido verificou-se a possibilidade de
uso desse material como base de sustentação de uma residência com 60m² de área, com
fundação em sistema Radier. Conclusão: As informações geotécnicas obtidas pela sondagem,
e as especificações fornecidas pela NBR 6122-2010, conduziram a cálculos que apresentaram
resultados positivos quanto à utilização do sistema Radier como fundação para obra
especificada. Em residências de pequeno porte, a viabilidade técnica e econômica desse
sistema é maior do que outros tipos de fundações.
Palavras-chaves: Fundação, Radier, Sondagem.
Referências:
ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) NBR 6122-2010- Projeto e execução de
fundações.
SILVA, Roberto Sampaio Cunha- VALIN, Marcos de Oliveira, Avaliação do controle
tecnológico de fundações rasas do tipo Radier com a utilização do ensaio de dureza
superficial, revista IBRACON (Congresso Brasileiro de Concreto) 2013.
MÉTODOS DE TRATAMENTO DE ESGOTO: FOSSA SÉPTICA VERSUS FOSSA
BIODIGESTORA
Antônio Carlos Cruz1, Dian Lourenconi2.
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: A carência do saneamento nas áreas rurais traz como consequência o aumento
gradual de poluição de rios e mananciais, além da exposição da população rural a doenças
oriundas da ingestão de alimentos e de água, ambos contaminados pelo esgoto doméstico.
Objetivos: Analise de custo, viabilidade e eficiência da construção e implantação de um
sistema de fossa séptica biodigestora em relação a um sistema comum de fossa séptica, para
isso, foi considerada a economia, durabilidade e eficiência de ambos os sistemas.
Materiais e Métodos: Realizou-se o levantamento bibliográfico sobre os principais sistemas
de captação e tratamento do esgoto rural executados atualmente, descrevendo assim suas
características, destacando os métodos mais utilizados e encontrados através de pesquisa
bibliográfica em livros, artigos científicos, revistas, internet e entidades ligadas ao tema
(EMATER de Nova Resende e COPASA de Nova Resende). Os métodos de pesquisa foram
elaborados mediante o seguinte passo, solução proposta viável e acessível voltada ao meio
rural e áreas onde não é possível a coleta e tratamento do esgoto. Resultados: O sistema de
fossa séptica biodigestora tem como vantagens tratar o esgoto sanitário de forma eficiente e
com baixo custo, além de produzir um efluente que pode ser utilizado como fertilizante de
alta qualidade na agricultura, a fossa biodigestora também apresentou um nível de poluição e
manutenção melhor e mais eficaz. O sistema de fossa séptica comum apresentou um custo
32% superior ao sistema de biodigestão, na construção das estruturas, o sistema de fossa
séptica comum também apresentou maior dificuldade, devido a uma dependência de mão de
obra especializada e utilização de equipamentos de trabalho e proteção específicos.
Conclusão: Os levantamentos bibliográficos realizados levaram a conclusões positivas na
maioria dos itens que se refere a custo e viabilidade do sistema de fossa séptica biodigestora,
em relação à fossa séptica comum.
Palavras-chaves: saneamento rural, fossa séptica, fossa séptica biodigestora.
Referências:
EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Esgoto doméstico rural se
transforma em adubo orgânico. Disponível em https://www.embrapa.br/busca-de-noticias//noticia/2531358/esgoto-domestico-rural-se-transforma-em-adubo-organico. Acesso em 20 de
outubro de 2015.
SILVA, W. T. L.; FAUSTINO, A. S.; NOVAES, A. P. Eficiência do Processo de Biodigestão
em Fossa Séptica Biodigestora Inoculada com Esterco de Ovino. 20 p. REVISTA ENGENHARIA AMBIENTAL - PERES, Leandro José Simoni; HUSSAR,
Gilberto José; BELI, Euzébio. Eficiência do tratamento de esgoto doméstico de comunidades
rurais por meio de fossa séptica biodigestora. 020-036, março. 2010.
SEGURANÇA DO TRABALHO NO SETOR DE OBRAS DA PREFEITURA
MUNICIPAL DE NOVA RESENDE- MG
Johnny Guelere de Lucia1, Paulo Aneas Lichti 2.
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG
[email protected]
2
Docente do curso de engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: O presente estudo tem como finalidade demonstrar a importância da segurança e
saúde do trabalho em obras de construção civil com foco nas condições do ambiente de
trabalho em canteiros de obras da prefeitura municipal de Nova Resende/ MG. Este é
resultado de uma pesquisa bibliográfica e de campo com abordagem qualitativa, esperando-se
contribuir para melhoria das práticas de Segurança e Saúde do trabalho no intuito de
proporcionar aos funcionários melhores condições e, aos gestores um diagnóstico do que vem
sendo feito neste sentido pelos setores responsáveis da organização. Objetivos: Levantar e
avaliar a percepção dos trabalhadores com relação aos aspectos referentes á Segurança e
Saúde do trabalho nos canteiros de obras acompanhados. Material e Métodos: A coleta de
dados se deu por meio de questionário e teve na sua constituição questões abertas e fechadas.
A pesquisa também se deu através de uma investigação documental. O processo de tratamento
de dados foi feito através de análises estatísticas e de gerenciamento de dados onde se
acompanhou a atual ocorrência de acidentes do trabalho em obras contratadas pela Prefeitura
Municipal de Nova Resende, e que vem sendo executadas por funcionários do setor de obras.
Resultados: Observou-se que com relação aos acidentes de trabalho, os últimos acidentes
ocorridos no setor de obras foram acidentes leves onde os trabalhadores se ausentaram por no
máximo 1 dia. Das principais causas dos acidentes nos canteiros de obras acompanhados
notou-se que 8% dos trabalhadores entrevistados já sofreram algum acidente. Para os
trabalhadores entrevistados, conforme interpretação, a falta de atenção responde por 73% das
causas das ocorrências, seguida da falta do uso de (EPI) - equipamentos de proteção
individual (7%), da falta de (EPC) – equipamento de proteção coletiva (7%), e do descuido
dos gestores da obra (3%). Conclusão: Foram identificados alguns riscos e o fato de se
julgarem suficientemente conscientizados, além de a percepção de que ocorrem poucos
acidentes e a percepção de que eles são os principais culpados pelos mesmos, se reflete na
falta de treinamento e conscientização, o que não coincidem com a realidade observada nas
obras.
Palavras-chaves: Segurança do trabalho, Canteiro de Obras, Acidentes do trabalho.
Referências:
CARDELLA, Benedito. Segurança no Trabalho e Prevenção de Acidentes: Uma Visão
Holística; Segurança Integrada a Missão Organizacional com Produtividade, Qualidade,
Prevenção Ambiental e Desenvolvimento de Pessoas. São Paulo: Editora Atlas, 1999.
NORMAS REGULAMENTADORAS (NR); NORMAS REGULAMENTADORAS
RURAIS (NRR); ÍNDICES REMISSIVOS – São Paulo: Editora Atlas, 2000.
PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO
Heber Borges da Silva1, Aloísio dos Santos Godoí2
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil,UNIFEG, Guaxupé, [email protected]
1
Introdução:Atualmente cresce a demanda das grandes plantas industriais e dos centros de
distribuição e armazenagem em geral e cresce paralelamente a necessidade de pisos mais
adequados aos equipamentos de transporte que a cada dia aumentam sua capacidade de carga
e altura de acomodação em racks de paletes, exigindo pisos mais eficientes, de maior
durabilidade e economicamente exequíveis. O piso industrial como elemento estrutural deve
se comportar de forma a não gerar correções e manutenções, que tem custos altíssimos e
trazem transtornos e paralisação de áreas para a devida correção. Houve um rápido
desenvolvimento na tecnologia de pisos industriais nas ultimas décadas, sendo relevante o
aprofundamento no assunto por parte dos técnicos para oferecer aos clientes opções que sejam
adequadas às suas necessidades. O desenvolvimento do projeto para pisos industriais
necessita de varias informações obtidas por meio de estudos realizados no solo onde será
executado o piso e também da jazida de empréstimo de solo, se for o caso. Dentre estes
estudos citamos o SPT, o CBR e o PROCTOR que geram importantes informações para o
correto dimensionamento e são inerentes quanto ao modelo executivo que podem ser: piso de
concreto simples sem armação, piso de concreto armado, piso de concreto com adição de
fibras e piso de concreto protendido, cada um com suas peculiaridades que geram resultados
diferentes no prazo de execução, no custo executivo e na quantidade linear de juntas que
atualmente é o que gera mais problemas nos equipamentos e manutenções onerosas. O projeto
de pisos industriais contempla conhecimentos da área de pavimentação e de concreto armado.
Objetivos: Por meio de um estudo comparativo dos diferentes modelos para execução de
pisos industriais, indicar para o estudo de caso, o modelo que tecnicamente tenha o melhor
custo beneficio para o cliente que deseja construir um centro de distribuição e armazenagem
de 5.000 m² com dimensões de 50,00 metros de largura por 100,00 metros de comprimento.
Material e Métodos: A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica. Resultados: Por
meio da adoção de parâmetros para os valores de ensaios de solo e cargas utilizadas nos
equipamentos e porta paletes, realizaram-se os cálculos e comparação para cada modelo, de
todos os dados e custos, inclusive quanto ao prazo de execução e disponibilidade da mão de
obra, tecnologia e mobilizações. Sendo indicado para este caso o piso de concreto protendido,
por conta do menor custo, menor prazo de execução, que é fator decisivo na escolha e pela
ausência de juntas construtivas e serradas onde, neste caso, só foram utilizadas as juntas de
expansão no perímetro com o uso do EPS (isopor).Conclusão: Por meio deste estudo foi
possível concluir que para a definição de um modelo executivo para pisos industriais são
necessários e indispensáveis os resultados dos ensaios de solo para o dimensionamento do
projeto e, na fase executiva, um acompanhamento técnico efetivo com o monitoramento e
interação das equipes envolvidas para se obter o resultado esperado em projeto. Notou-se
também a falta de estudo para se determinar a partir de que dimensões o piso de concreto
protendido pode ser indicado
Palavras-chaves: Solo, Piso Industrial, Concreto, Protendido.
Referências:
RODRIGUES, Públio Penna Firme. Manual de Pisos Industriais Fibras de Aço e Protendido.
São Paulo: PINI, 2010, 105.
AS CAUSAS DA ROTATIVIDADE DA MÃO DE OBRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL:
ESTUDO DE CASO E PROPOSTA DE UM PLANO DE AÇÃO, COM BASE NO
PROCESSO GERENCIAL PDCA, EM UM CANTEIRO DE OBRAS DE UMA
CONSTRUTORA DO MUNICÍPIO DE AREADO-MG
Daniel Augusto Martins da Silva1, Paulo Aneas Lichti2
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: O setor da construção civil é caracterizado pela excessiva contratação de mão de
obra não qualificada que, associada às más condições frequentemente encontradas no
ambiente de trabalhado, levam ao não comprometimento destes colaboradores com a
execução de suas tarefas. Nos canteiros de obras o problema pode ocasionar altos índices de
rotatividade de pessoal, sendo este fator caracterizado pelo fenômeno turnover, que é a
relação entre os contratados e demitidos em um determinado período. O fenômeno por muitas
vezes, causa às construtoras uma baixa produtividade e qualidade nas obras realizadas, o que
pode afetar negativamente a imagem da empresa e consequentemente os lucros da mesma.
Por isso é importante investir em soluções e métodos para que a mão de obra permaneça na
organização. Objetivos: Efetuar o levantamento de aspectos que influenciem nas causas da
rotatividade na construção civil, segundo a literatura e o cenário nacional, verificar se estes
aspectos afetam o canteiro de obras objeto de estudo e, após a verificação, propor um plano de
ação baseado no processo gerencial PDCA que tem como significado na língua inglesa, PlanDo-Check-Act, e na língua portuguesa, Planejar-Executar-Verificar-Agir. Será verificado
através deste processo se o mesmo é capaz de combater ou prevenir a rotatividade. Material e
Métodos: O trabalho foi executado através do método de estudo de caso, e de acordo com a
literatura pesquisada, e o cenário nacional, foram desenvolvidos e aplicados dois
questionários, de modo a identificar os aspectos que possam levar as causas da rotatividade da
mão de obra. Resultados: Após a análise dos questionários, não foram encontrados motivos
significantes causadores da rotatividade, porém dois aspectos identificados podem levar a esta
ocorrência, são eles: o não oferecimento de capacitação profissional e a não excelente
comunicação interna das tarefas realizadas. Conclusão: Foi elaborado um plano de ação
seguindo as etapas do processo PDCA, onde foi utilizada a prática de cartões de feedback a
partir da pontuação das atividades, que permitirá aos operários o reconhecimento do seu
trabalho, e o de seus colegas, como também avaliar as atividades por eles realizadas, a fim de
corrigir os aspectos indesejáveis, atentando-se quanto à comunicação e oferecendo
capacitação profissional aos colaboradores que obtiverem a melhor pontuação na avaliação.
Com isto é comprovado que o processo PDCA é capaz de prevenir a rotatividade da mão de
obra no canteiro estudado.
Palavras-chave: rotatividade, turnover, construção civil, PDCA.
Referências:
CHIAVENATO, Idalberto. Recursos humanos: o capital humano das Organizações. 8. ed. São
Paulo: Atlas, 2004.
MARRAS, Jean Pierre. Administração de recursos humanos: do operacional ao estratégico.
14 ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2011. 336 p.
WERKEMA, M. C. C. Ferramentas estatísticas básicas para o gerenciamento de processos. v.
2. Belo Horizonte: Fundação Christiano Ottoni, 1995.
IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAJES DE COBERTURA: ANÁLISE NA
UTILIZAÇÃO DE MANTA LÍQUIDA
Junior Cesar Garcia1; Prof. Me. Luis Antônio Nery1, Orientador2
1
Discente de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: Falar em impermeabilização nos dias atuais significa navegar em uma série de
tecnologias e sistemas que foram desenvolvidas para atuar em diversas áreas de uma
edificação. Em particular, as lajes de cobertura contam hoje com uma vasta lista de
impermeabilizantes que possuem características particulares para cada tipo de utilização,
desempenho, exigência em questão de durabilidade, exigência na contensão de fluídos, etc.
Neste sentido, o desenvolvimento deste trabalho se dá com a análise de um contexto histórico
na projeção de estruturas para cobertura, com um breve relato sobre o surgimento das lajes de
cobertura citando alguns aspectos relevantes que serviram de base para sua criação.
Objetivos: A pesquisa científica proposta neste trabalho tem como objetivo principal
esclarecer á profissionais da área de impermeabilização, engenheiros civis, técnicos, entre
outros, a importância da manutenção correta em lajes de cobertura planas, expondo as
conseqüências prováveis quando ocorrem problemas relacionados ao acúmulo de água sobre a
camada impermeabilizada e se, este ainda ocorrer por períodos prolongados. Material e
Métodos: A fim de analisar e quantificar a absorção de água sobre uma laje de concreto
necessitou-se da construção de um modelo reduzido em escala e usando de materiais
convencionais, neste caso projetado com vigas pré-moldadas treliçadas e preenchida com
lajotas cerâmicas, tipo de laje mais comum nas construções atuais e, resultando em uma
resistência aproximada de 20 MPa após 28 dias de cura. Como forma de estudar a absorção de
água em períodos diferentes (13, 23 e 33 dias) projetou-se o modelo com três reservatórios de
mesmo tamanho, com 20 cm de altura nas paredes como exigência mínima da NBR
9575/2010 para embutir a impermeabilização e cantos de encontro de planos
vertical/horizontal arredondados com raio de 8 cm. Como material a ser testado foi utilizado
um impermeabilizante do tipo manta líquida à base de resina acrílica. Este foi escolhido
devido ao constante uso nas construções civis por causa do baixo custo, tanto de material
quanto de mão de obra para aplicação. Resultados: Construído o modelo de laje e
impermeabilizada com o material selecionado, dentre os períodos de estudo foi feita a
secagem de toda a água e removido uma amostra de cada reservatório. Feita a análise das
amostras por pesagem e secagem em estufa foi possível quantificar a absorção de água
através da camada impermeabilizante. A tabela a seguir mostra os percentuais de água
absorvida conforme os períodos de estudo:
Percentual de água absorvida
3,12 %
4,00 %
4,71 %
Período
13 dias
23 dias
33 dias
Conclusão: Diante deste caso de patologia conclui-se que em períodos prolongados de
acúmulo de água o impermeabilizante em estudo (manta líquida) se mostra incapaz de conter
a percolação de umidade, indicando que este material somente pode apresentar desempenho
satisfatório quando utilizado em estruturas construídas em conformidade com as normas que
regulamentam.
Palavras-chave: absorção de umidade – estanqueidade – impermeabilização – laje de
cobertura – manta líquida
Referências: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT.
Impermeabilização – Seleção e Projeto – NBR 9575. Rio de Janeiro, 2010.
DIMENSIONAMENTO DE REDE COLETORA DE ESGOTO
Luciano Alves da Silva1, Willians Gavioli da Silva2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O presente trabalho tem a finalidade de especificar um estudo de caso do
loteamento Novo Horizonte, localizado na cidade Bom Jesus da Penha- MG, no total de 221
lotes. Serão especificadas todas as fases de dimensionamento da rede coletora de esgoto,
determinando as vazões de projeto, cota de assentamento, diâmetro da tubulação, tipos de
peças e assessórios e suas respectivas cotas e distâncias, tipos de materiais da tubulação e
declividade da tubulação. A rede coletora de esgoto é constituída por ligações prediais,
coletores de esgoto e seus órgãos acessórios. A função da rede coletora de esgoto é receber os
esgotos provenientes dos domicílios, prédios e economias, destinando para os interceptores e
emissários, a qual conduzirá o esgoto até o local de tratamento e descarga final. Objetivos:
estabelecer, definir e dimensionar o sistema de rede coletora de esgoto, com condições
estabelecidas por normas de modo que o esgoto seja transportado com eficiência até o ponto
de interceptação. Material e Métodos: o dimensionamento será elaborado de acordo com as
normas da ABNT e especificações de métodos elaborados por autores de alguns livros que
especificam o dimensionamento. Para cálculo dos trechos da rede coletora será considerado
vazão mínima de 1,5 l/s; a declividade mínima deve garantir uma tensão trativa de 1Pa; a
declividade máxima tem que garantir velocidade final máxima de 5 m/s; a lâmina máxima é
de 75% do diâmetro da tubulação. Se a velocidade final for maior que a velocidade crítica a
lâmina máxima deverá ser reduzida para 50 % da tubulação ou aumentar o diâmetro. O
material da rede será de PVC e seus pontos singulares serão utilizado terminal de limpeza
(TL), terminal de inspeção e limpeza (TIL), poço de visita (PV) e caixa de passagem (CP).
Resultados: Toda rede coletora dimensionada atendeu as normas vigentes, obteve-se em
todos os trechos da rede um diâmetro de 150 mm, com seus órgão e acessórios variando de
1,20 m a 2,33 m. Conclusão: O dimensionamento correto da rede possibilita que o
escoamento dos dejetos lançados na rede coletora chegue até seu destino sem interrupções e
sem danos na rede, possibilitando um escoamento sem transtorno.
Palavras-chaves: rede coletora, esgoto, dimensionamento.
Referências:
ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 9648- Estudo de concepção de
sistemas de esgoto Sanitário: Rio de Janeiro, 1986.
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR-9649 - Projeto de Redes
Coletoras de Esgoto Sanitário - Procedimento: Rio de Janeiro, 1986.
AZEVEDO NETTO; J.M. – Manual de hidráulica, 8ª edição. Editora Edgard Blucher,1998.
NUVOLARI, Ariovaldo (Coord.). Coleta, Transporte e Reúso Agrícola. 2ª edição, 2ª
reimpressão 2014: Editora Edgard Blucher, 2011.
TSUTIYA, Milton Tomoyuki; SOBRINHO, Pedro Além. Coleta e Transporte de Esgoto
Sanitário. 3ª edição – Rio de Janeiro: ABES – Associação Brasileira de Engenharia Sanitária
e Ambiental, 2011.
ANÁLISE DAS METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA A CURA DO CONCRETO
Silvio Bueno Elias1, Luis Antônio Nery2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: A cura do concreto é realizada por razões básicas tais como a hidratação do
cimento e redução da retração do concreto, condições que influenciam em sua resistência e
durabilidade. O fator mais importante da cura do concreto é garantir água suficiente para que
o processo de reação química do cimento se complete. Quando uma cura é realizada
inadequadamente as características superficiais do concreto são afetadas acarretando
patologias tais como porosidade, permeabilidade, ocorrência de fissuração etc. Um concreto
mal curado ou não curado pode ter sua resistência reduzida em até 30 % (trinta por cento),
além de ficar mais vulnerável aos agentes agressivos devido à porosidade. Objetivo Geral:
Analisar o comportamento do concreto submetido ao método de cura normal e de cura úmida.
Objetivo Específico: Avaliar a resistência à compressão do concreto em diferentes amostras,
cada uma em diferentes períodos de cura aos (3, 7 e 28 dias), utilizando-se um único traço de
concreto e empregando-se o cimento Portland CP II-E-32. Material e Métodos: Neste
trabalho foi estudado o método qualitativo e justifica-se, por ser uma forma adequada para
entender a natureza de um fenômeno, utilizando-se areia, brita, cimento e água. Foi seguido o
seguinte cronograma: caracterização dos materiais; elaboração do traço do concreto; execução
dos traços; moldagem dos corpos de prova; rompimentos dos corpos de prova e análise dos
resultados. Todos os ensaios foram realizados no laboratório do Unifeg, utilizando-se balança
de precisão, estufa, peneira vibratória, betoneira, equipamento de slump test, colher de
pedreiro, pá, moldes de corpos de prova e rompimento. Resultados: No rompimento do corpo
de prova ao 3º dia de idade não foi encontrada diferença nos valores de resistência à
compressão; ao 7º dia de idade teve um aumento de 53% na resistência no corpo de prova
submetido a cura úmida e, um aumento proporcional de 28% na normal. Nos rompimentos ao
28º dia de idade, obteve-se uma grande evolução na resistência dos concretos submetidos à
cura úmida, chegando a ter um aumento médio de aproximadamente 51% em relação e cura
normal. Conclusão: O concreto com cura normal, apesar de ter apresentado os menores
valores de resistência à compressão no decorrer de todo o experimento, manteve-se dentro da
linha de normalidade esperada por norma técnica. Já o concreto submetido à cura úmida
mostrou satisfatória resistência ao final dos 28 dias, além de ser o melhor método devido ao
alcance das maiores resistências de compressão. Com este estudo pode-se perceber a
importância da aplicação da cura controlada do concreto e as melhorias resultantes dessa
aplicação.
Palavras-chaves: cura, tipos de cura, concreto, resistência.
Referências:
NEVILLE, A M. Propriedades do concreto. Tradução Eng. Salvador E. Giammusso. São
Paulo: Pini, 1997. 828 p.
SISTEMA DE IMPERMEABILIZAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL
Daniel de Souza Rodrigues1,Luis Antônio Neri2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Atualmente é possível observar a precariedade de novas ações em todas as
etapas da construção civil, tendo em vista a seleção de serviços e materiais que traga alguma
contribuição com o desempenho durante o processo e garantam o custo justo do projeto.
Entretanto, essas ações não devem estar concentradas somente no custo, metas e prazo,
devendo, portanto considerar e atentar para a qualidade do projeto, o processo desde a sua
elaboração até o produto final, e para a redução ou mesmo eliminação de desperdícios. Frente
o contexto, o sistema de impermeabilização das construções é motivo de grandes
preocupações das construtoras nos dias atuais, considerando a grande demanda de reparos nas
construções, o que consequentemente causará algum dano a outro elemento. Essa
problemática, na maioria das vezes, está relacionada às questões de gerenciamento durante
todo o processo, desde o projeto até a execução do sistema supracitado. Objetivos: Esse
trabalho tem como objetivo facilitar a compreensão a respeito dos sistemas de
impermeabilização, por meio dos seus determinantes históricos, conceitos e classificação,
assim como demonstrar a importância e as consequências envolvidas na escolha e execução
inadequadas dessa prática para a construção civil. Material e Métodos: Trata-se de uma
pesquisa científica, bibliográfica e qualitativa, por se tratar da realização de uma investigação
sistematizada, desenvolvida conforme as normas da ABNT. A busca foi feita em sites, bancos
de dados, revistas eletrônicas, sendo as publicações a partir do ano de 2003, as quais foram
buscadas, analisadas e separadas, obedecendo à ordem dos assuntos, e posteriormente,
descritas detalhadamente, a fim de visualizar o cumprimento dos objetivos propostos.
Resultados: Frente às diferentes formas de infiltração da água nas estruturas de uma
construção civil, existem várias formas de proteger a obra dos danos causados pela mesma,
que consiste em evitar o contato com o elemento e/ou permitir tal contato, porém impedir a
infiltração da água. O sistema de impermeabilização deve ser projetado de forma que atenda
as necessidades do cliente, no que diz respeito tanto à qualidade e segurança da obra, como no
custo mais acessível para a execução do mesmo, levando sempre em conta o tipo da estrutura
e os fluxos de água envolvidos no projeto. Conclusão: Analisando-se o exposto conclui-se
que a impermeabilização consiste em um dos mais críticos processos dentro da construção
civil, e muitos problemas podem ser identificados em todas as etapas do projeto, uma vez que
se tratando de uma proteção, se essa não for devidamente realizada, com o tempo, todos os
elementos da construção serão expostos a agentes degradadores, comprometendo a qualidade
e a vida útil da estrutura, se fazendo necessária uma urgente intervenção de manutenção e
correção, acarretando o aumento do custo total do projeto.
Palavras-chaves: Formas de Infiltração. Sistema de Impermeabilização. Construção Civil.
Referências:
LIMA, J. L. A.; PASSOS, F. U.; COSTA, D. B. Processo integrado de projeto, aquisição e
execução de sistemas de impermeabilização em edifícios residenciais. Ambiente Construído,
Porto Alegre, v. 13, n. 3, p. 59-77, jul./set. 2013.
MENDES, P. A. S. Impermeabilização de fundações de edifícios e estruturas especiais.
2011. Disponível em <https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/downloadFile/
395143152826/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20Paula%20Mendes.pdf>. Acesso em 25
Junho 2015.
BUROCRACIA E PROCESSOS BÁSICOS NECESSÁRIOS PARA
REALIZAÇÃO DE UM LOTEAMENTO
Tiago Antônio de Moraes1, Willians Gavioli da Silva2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A burocracia de um loteamento particular urbano, engloba desde o
desmembramento da área até o lote com registro pronto em cartório. Muitos loteamentos são
embargados até que toda documentação seja legalizada. A aprovação dos loteamentos é
baseada na Lei Federal n.º 6.766 – Lei de Loteamento e Parcelamento do Solo, de 19 de
dezembro de 1979 e também pela lei de cada município. Objetivos: Evidenciar e instruir
sobre a burocracia para que um loteamento seja desenvolvido obedecendo todas as normas e
leis vigentes, e também as leis de cada prefeitura. Metodologia: Constituiu-se na leitura de
inúmeros artigos, estudos já publicados, obras e na utilização de livros e artigos para
conclusão da revisão bibliográfica. O trabalho científico foi elaborado com base na revisão
bibliográfica e no estudo de um loteamento particular, onde foi construída toda a
infraestrutura necessária para implantação desse tipo de ocupação, cálculo da dimensão da
tubulação de água potável, cálculo de manilhas de água pluvial e esgoto. Resultados: Os
resultados estão baseados na construção de um loteamento particular da cidade de
Guaranésia-MG. As condições necessárias urbanísticas para se construir um loteamento é ter
em seu projeto, área para circulação, implantação de equipamentos urbanos comunitários,
espaços livres para o público como, por exemplo, praças, parques, etc., que serão
proporcionados à densidade de ocupação prevista no plano diretor ou aprovada por lei
municipal. Com base no plano diretor local, os lotes têm que ter no mínimo 5m de frente e
125m² de área para loteamentos privados. Loteamento feito ao longo de córregos, rios, lagoas
e lagos e também próximo de ferrovias ou rodovias deve respeitar no mínimo 15m de ambos
os lados sem edificações, ou até mais de 15m dependendo das exigências de cada município.
As ruas do novo loteamento deve se ligar a ruas oficiais que já existem ou que serão
projetadas e associar com a topografia do local. Conclusão: A construção de um loteamento é
baseada na legislação brasileira vigente. Por mais que exista a burocracia nenhum loteamento
é liberado sem atender todas as especificações descritas nas leis federais ou municipais,
portanto os construtores devem aplicar todas as diretrizes oficiais para evitar que os
loteamentos sejam embargados pelos órgãos públicos responsáveis pela liberação.
Palavras-chaves: legislação; loteamento particular; burocracia .
Referências:
Lei Federal nº 6766/79 - Lei de loteamento e parcelamento do solo. Disponível em
<http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-6766-19-dezembro-1979-366130norma-pl.html>. Acesso em 26 de abril de 2015.
MASCARÓ, Juan Luis. Loteamentos urbanos. 1ª ed. Porto Alegre-RS: L. Mascaró, 2003.
REÚSO DA ÁGUA: SOLUÇÕES SIMPLES COM GRANDES RESULTADOS
Valter Lega Miranda Junior1, Prof. Ms. Guilherme Gomes de Almeida2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia civil, UNIFEG, Guaxupé,
[email protected]
Introdução: O crescente problema do esgotamento da água potável no planeta colocou em
pauta a discussão a respeito do reuso da água, está técnica consiste em tentar reaproveitar este
recurso natural depois que ele cumpriu sua função inicial, sendo necessário para isso, na
maioria dos casos, um tratamento prévio que varia de complexidade dependendo do uso que
dela foi feito. O ser humano tem a capacidade de criar e inovar, frente a tantos desafios,
desenvolver soluções é uma habilidade muito competitiva, podendo ser usada para possibilitar
o desenvolvimento sustentável e a preservação do meio ambiente diante de tantas inovações
tecnológicas. Algumas técnicas de reuso da água já são utilizadas, a maioria dos esgotos
produzidos nas cidades brasileiras é reutilizado através do tratamento em Estações de
Tratamento de Efluentes (ETE). Depois deste tratamento a água, que ainda não é potável, já
pode ser incorporada ao ciclo hidrológico e vai sendo depurada aos poucos. O problema é que
isso não é suficiente para acabar com a crise atual, um ótimo recurso seria a captação da água
da chuva para ser utilizada pelas empresas e até mesmo nas residências. É interessante
ressaltar que todos precisam estar envolvidos com a sustentabilidade, buscando novos meios e
caminhos para tornar as ações menos nocivas ao meio ambiente. As empresas são as que mais
consomem os recursos naturais, portanto, é importante inseri-las no contexto do
desenvolvimento sustentável, as iniciativas de preservação e de reutilização dos recursos
ambientais necessitam ser adotadas o quanto antes, embora a maior parte do planeta seja
constituída de água, o ser humano precisa compreender que este recurso está se tornando
escasso e algo deve ser feito a respeito. Objetivo: O principal objetivo deste trabalho é
abordar a necessidade de desenvolver meios para reutilizar a água de forma sustentável.
Material e Métodos: A metodologia utilizada para a elaboração do trabalho foi de caráter
bibliográfico, caracterizado por pesquisa exploratória e descritiva, a coleta de dados foi
realizada através do estudo bibliográfico de diversos autores, pesquisas na internet, revistas e
artigos. Resultados: diante disso, percebe-se a necessidade de usar meios de reúso da água, é
importante que as empresas invistam neste recurso para diminuir o impacto causado ao meio
ambiente. Conclusão: o reúso da água é um assunto que está trazendo novas possibilidades
de viver de forma sustentável. Embora sua importância tenha sido reconhecida agora, é algo
que surgiu na década de oitenta com a finalidade de diminuir os custos elevados em relação
ao abastecimento. Existem muitos recursos para o tratamento adequado da água de reúso, ela
não é aconselhada para o consumo e recreação, sua utilização está ligada aos aspectos físicos,
químicos e microbiológicos. É necessário que todos revejam seus hábitos de consumo, esta
prática não é fácil, é algo que demanda disciplina e tempo, o reúso da água requer
infraestrutura e organização, hoje, o ser humano consome seis vezes mais água se comparado
ao ano de 1900. Todos devem se aliar para encontrar métodos de consumo sustentável
possibilitando assim, que a utilização deste bem precioso possa ser passado para as gerações
futuras.
Palavras-chaves: Reúso da água. Sustentabilidade. Meio ambiente.
Referências:
LUZ, Luiz Augusto Rodrigues da. Reutilização da Água – Rio de Janeiro: Qualitymark,
2003.
TOMAZ, Plinio. Aproveitamento de Água de Chuva – São Paulo: Navegar, 2005.
GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL
1
Regiane Cristina Bueno de Oliveira1, Paulo Aneas Lichti 2
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: A indústria da construção civil é considerada uma das maiores geradoras de
resíduos sólidos, estima se que esta seja responsável por metade do volume total de resíduos
gerados no Brasil. O resíduo da construção civil é o material resultante da sobra do processo
construtivo, popularmente conhecido como entulho, este material quando não gerido de forma
adequada pode causar transtornos a saúde publica, ao meio ambiente, e aumento de gastos
públicos. No intuito de sanar as dificuldades relacionadas a esses resíduos foi criada em 2002
pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) a Resolução 307, que estabelece
parâmetros e procedimentos para o Gerenciamento desses resíduos. Objetivos: Descrever o
gerenciamento de resíduos sólidos da construção civil, mostrar sua importância, os
procedimentos adequados em cada etapa, e contribuir com a elaboração de projetos de
gerenciamento desses resíduos de acordo com a Resolução 307/2002 do CONAMA. Levantar
dados de situações reais das obras do município de Nova Resende-MG. Material e Métodos:
Este trabalho foi desenvolvido a partir de uma pesquisa bibliográfica do tema abordado com
diversos autores e pesquisa de campo com empresas que desenvolvem obras na cidade de
Nova Resende-MG através de questionário. Resultados: Na pesquisa desenvolvida com
empresas que atuam no município de Nova Resende – MG foi constatado que 100% das
empresas consideram importante o gerenciamento de resíduos sólidos da construção civil,
sendo que apenas 25% dessas empresas realizam adequadamente este processo em todas as
suas obras. A pesquisa também aponta a falta de legislação municipal mais rígida e de
incentivo financeiro como as principais causas da deficiência no Gerenciamento em algumas
obras. Conclusão: O gerenciamento de resíduos sólidos da construção civil requer elaboração
de um projeto que contemple as etapas de caracterização, triagem, acondicionamento,
transporte e destinação adequadamente, de acordo com a legislação vigente. Este processo de
gerenciamento se mostra uma boa ferramenta para reduzir os custos da obra, os danos
ambientais, o consumo de matéria prima. Assim sendo este estudo demostra a importância e
necessidade do gerenciamento de resíduos sólidos da construção civil.
Palavras-chaves: Gerenciamento, Resíduos, Construção Civil.
Referências:
CONSELHO Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução CONAMA n. 307, de 05
de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos
da
construção
civil.
Disponível
em:
<http://www.http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=307>. Acesso em:
17 abr. 2014.
LIMA, Rosimeire Suzuki; LIMA, Rui Reynaldo Rosa. Guia para elaboração de projeto de
gerenciamento de resíduos da construção civil. Série de Publicações Temáticas do CREA-PR,
Cuiabá, 1, 1–58, 2009.
DIAS, Ellen Cristina Moreira. Gerenciamento de resíduos sólidos na construção civil.
Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Engenharia Civil) - Universidade Anhembi
Morumbi, São Paulo, 2007.
SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO NO
PROCESSO ANAERÓBIO
Luiz Carlos Saborito¹, Cássio Murilo Monteiro²
¹Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
²Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
Introdução: As Estações de Tratamento de Esgoto Compactas (ETECs) são usadas para
separar e transformar biologicamente o material sólido e líquido do esgoto doméstico. Nas
estações, esse material é levado até os tanques anaeróbios (sem presença de oxigênio) para a
biodigestão. O processo transforma a matéria orgânica em compostos como gás metano, gás
sulfídrico, gás carbônico e água. O resultado do processo é um efluente líquido tratado, que
deve ser ainda submetido a uma disposição final conforme exigências do órgão ambiental
local. Entre as opções de escoamento, estão as valas de infiltração, os sumidouros e as
galerias pluviais. (CORSINI, 2014, p.1) Objetivo: O objetivo desse estudo é procurar
mostrar que esse tipo de tratamento é muito eficaz. Como trata-se se um projeto de baixo
custo, está ao alcance de povoados nas regiões menos favorecidas. Consequentemente
ajudando na proteção de nossos mananciais, em uma época onde a água potável está cada vez
mais escassa. Metodologia: O trabalho foi realizado mediante consultas nas normas técnicas
e pesquisas bibliográficas. Tendo como objetivo analisar as características desse sistema de
tratamento, com isso podendo avaliar a capacidade que esse método oferece ao nosso meio
ambiente; quais as dificuldades encontradas, suas vantagens e desvantagens no processo final.
Resultados e conclusão: Considerando o tratamento de efluentes como um processo de
despoluição, através de processos químicos, biológicos e físicos, para só depois serem
lançados nos receptores, o mesmo pode ser dividido em aeróbio e anaeróbio, dependendo das
características do microrganismo utilizado no processo. De acordo com os gráficos obtidos
através de analises de materiais coletados pós-tratamento, obteve-se resultados satisfatórios
comprovando a eficiência desse sistema de tratamento, onde comprova sua colaboração com
o meio ambiente.
Palavras-chave: Tratamento de efluentes, sistema anaeróbio, água potável.
Referências:
ANDRADE, C. C. Tratamento de águas residuárias de origem doméstica em sistema
compacto. 2012. 70 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental) –
Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande. 2012. Disponível em <http://posgraduacao.uepb.edu.br/ppgcta/download/dissertacoes
defendidas/
Dissertacoes2012/Dissertacao%2055 %20 Catarina.pdf.> Acesso em 07 Julho 2015.
O USO DA MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL E O DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL
Alisson Laureano Calori¹, Guilherme Gomes de Almeida2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A grande capacidade que o homem tem de interferir no meio ambiente de forma
positiva ou negativa, fez com que a preocupação com as politicas de preservação ambiental
ganhassem cada vez mais espaço nas discussões mundiais. As iniciativas de preservação
deixaram de ser idealista e se tornaram norteadoras para as decisões de investimento, surgindo
então o conceito de desenvolvimento sustentável. A madeira historicamente tem um grande
potencial para a construção sendo de certa forma indispensável em qualquer obra. Já sua
utilização de forma racional e sustentável tornou-se fator de sobrevivência para os setores da
construção que a utilizam de forma intensa. Hoje existem certificações que tornam o manejo
do produto viável, e onde a preocupação com o meio ambiente é um fator determinante.
Objetivos: Este trabalho pretende abordar o uso sustentável da madeira na construção civil,
analisando sua origem, transporte, utilização e as formas de aproveitamento hoje utilizadas.
Material e Métodos: A metodologia utilizada para a elaboração do trabalho foi de caráter
bibliográfico, caracterizada por pesquisa exploratória e descritiva. A coleta de dados foi
realizada através do estudo bibliográfico de diversos autores, pesquisas na internet, revistas e
artigos técnicos. Resultados: Diante das leituras realizadas foi possível perceber que a
madeira ainda tem um grande potencial para a construção, sendo sua utilização racional cada
vez mais importante na cadeia produtiva da construção civil. Conclusão: O desenvolvimento
sustentável fez com que muitas teorias de desenvolvimento fossem reavaliadas, a conservação
do meio ambiente é assunto em pauta nos dias de hoje. A preservação e a conservação estão
totalmente ligadas à sustentabilidade, o desenvolvimento sustentável tem como objetivo
utilizar os recursos de forma racional garantindo a renovação e a auto sustentação. Mudar os
hábitos torna-se essencial para uma vida sustentável, mesmo diante de tantas exigências e
informações, ainda é necessária a criação de normas para o consumo legal e justo da madeira.
A viabilização do acesso à madeira com custos compatíveis e a garantia de não agressão ao
meio ambiente são fatores fundamentais na evolução do uso deste importante elemento
construtivo. O que determinou o emprego da madeira na construção foram os aspectos
culturais, o clima e os métodos de utilização, pois sabemos que desde os primórdios o ser
humano tem afinidade com este recurso. Constatamos uma evolução nas formas de manejo e
no respeito às leis trabalhistas e ambientais, porém ainda existe um caminho extenso a se
percorrer para tornar, de fato, seu uso da madeira sustentável na construção civil.
Palavras-chaves: Sustentabilidade. Madeira. Construção civil.
Referências:
AGOPYAN, V.; JOHN, V. M. Desafio da Sustentabilidade na Construção Civil. São Paulo:
Blucher, 2011.
BEZERRA, M. C. L.; BURSZTYN, M. (cood.). Ciência e Tecnologia para o
desenvolvimento sustentável. Brasília: Ministério do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais
Renováveis: Consórcio CDS/ UNB/ Abipti, 2000.
ANÁLISE DE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA FRIA EM RESIDÊNCIA
Juliano Alexandre Nadalete Pereira1, Willians Gavioli da Silva2
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Introdução: O Sistema Hidráulico de Abastecimento é utilizado para levar água encanada às
residências, que por sua vez pode ser público ou privado. Existem vários tipos de instalações
hidráulicas residenciais, sendo um sistema ordenado de maneira a atender em quantidade e
variedade a água até sua utilização final. Dimensionamento hidráulico nos dias de hoje passa
a ser uma necessidade vital na utilização racional dos meios hídricos, pois a falta de água tem
se tornado cada vez mais frequente nos lares. Para que não haja um superdimensionamento ou
uma ineficiência neste dimensionamento, há profissionais qualificados que conhecem cada
dispositivo e sua função, podendo assim garantir através deste trabalho qualificado, um
volume satisfatório promovendo um consumo adequado de água, sem desperdício e
preservando sua potabilidade e satisfação do usuário. Objetivos: Este trabalho tem como
objetivo apresentar um estudo de caso de instalações hidráulicas prediais de água fria,
identificar o tipo de sistema hidráulico de abastecimento utilizado pela residência escolhida
aleatoriamente. Seguindo a NBR 5626/98 desenvolver uma planilha eletrônica contendo
equações que demonstrem um dimensionamento hidráulico adequado. Com análise nos
resultados sugerir melhorias, caso haja necessidade. Material e Métodos: Para
dimensionamento hidráulico predial, será utilizado o software Microsoft Excel sendo
confeccionada planilha seguindo modelo sugerido pela NBR 5626, conseguindo com esta
ferramenta, um resultado direto e imediato. O cadastramento da residência, instrumento desse
estudo, foi realizado, determinando os cômodos, localização e cotas relacionadas ao
abastecimento, comprimento de tubulações e quantidades de conexões e peças de utilização.
Estes dados são necessários para alimentar a planilha eletrônica e identificar: vazões, pressões
e velocidades nas tubulações e se atendem às definidas em normas Resultados: Apesar de
não ser possível a identificação de alguns componentes do sistema, e que nem todas as
tubulações estavam aparentes, com os dados levantados foi possível identificar o tipo de
sistema e propor um dimensionamento segundo norma técnica. Para os trechos não aparentes
simularam-se, através de desenhos, as partes possíveis do percurso. Conclusão: Apesar da
escolha dos diâmetros das tubulações, no local, terem sido aleatórias e baseadas na
experiência de pedreiros e o fato de não se ter um projeto durante a construção, não houve
prejuízos quanto à vazão e velocidades nas tubulações, mas foi verificado exagero no uso de
conexões que provocaram maior perda de carga. As perdas de carga foram compensadas
levando em consideração o fato de o imóvel estar em posição topográfica favorecida pela
altitude, favorecendo o fluxo de água e sendo suficiente para atender a demanda. Portanto
para este imóvel o responsável pela execução do projeto acertou na escolha do sistema
utilizado. Verificamos que apesar da experiência que muitos profissionais possuem é de
fundamental importância, o dimensionamento hidráulica atendendo as normas técnicas.
Palavras-chave: projeto hidráulico; dimensionamento; água fria.
Referências:
NETTO, José Martins de Azevedo. Manual de Hidráulica – 8ª Edição. São Paulo. Ed
Blucher, 1998.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5626: Instalação Predial de
Água Fria. Rio de Janeiro, 1998.
LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO PARA PROJETO DE
TERRAPLENAGEM
Adriana de Souza Prado1, Dian Lourençoni2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: O levantamento planialtimétrico possibilita a adequação do projeto ao relevo do
terreno, gerando economia e melhor aproveitamento da área. Muitas obras civis se iniciam
com a execução da terraplenagem, mas poucos engenheiros se preocupam com este projeto.
Utilizando softwares de automação, a criação de modelos digitais de terreno (MDT) permite
estudar diversas possibilidades de projeto. Objetivos: Realizar o levantamento
planialtimétrico da área em estudo. Criar o MDT do terreno natural e do projeto. Calcular as
curvas de nível. Localizar a área do empreendimento. Material e Métodos: Estudo foi
realizado na zona rural do município de Muzambinho, MG. Executou-se o levantamento
planialtimétrico por irradiação a partir de poligonal de apoio imediato aberta, utilizando
Estação Total e GPS Geodésico pós-processado. Os dados de campo armazenados foram
transferidos para um computador e processados por planilhas eletrônicas de softwares
específicos. As coordenadas dos pontos foram transferidas para a área gráfica do software
onde se elaborou: o desenho planimétrico; cálculo de áreas; delimitação do empreendimento;
criação de MDTs; cálculo de curvas de nível; e o projeto final. Resultados: O processamento
dos dados de campo gerou uma nuvem de pontos geolocalizados; estes foram ligados segundo
suas descrições, obteve-se a planimetria da área. Depois os pontos foram analisados para a
criação do MDT através de triangulações, este gerou as curvas de nível do terreno. Foi
escolhido o local para a implantação do empreendimento. A melhor relação corte e aterro foi
obtida na altitude de 1040,50 m. A partir disto projetaram-se os taludes e o projeto final de
implantação. Conclusão: A elaboração de projetos de terraplenagem depende de um
levantamento topográfico detalhado e criterioso, o treinamento da equipe de campo é
importante. A criação de um MDT que represente o relevo do terreno natural só é possível se
o projetista conhecer o terreno, pois a interpolação de pontos gerada automaticamente
necessita de ajustes que só podem ser percebidos a partir do conhecimento do terreno in loco.
O uso de softwares agiliza a concepção de projetos, o tempo de cálculos e permite testar
diferentes geometrias e cotas para os projetos de terraplenagem; além de possibilitar a criação
de maquetes digitais. Estes softwares não dispensam a capacidade de integração de projetos e
conhecimentos teóricos, necessitando de pessoas com experiência para sua operação.
Palavras-chaves: levantamento planialtimétrico, topografia, terraplenagem, curva de nível,
MDT.
Referências:
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 13133:1994
VERSÃO CORRIGIDA:1996: Execução de levantamento topográfico. Rio de Janeiro, RJ,
1994. 35 p.
SILVA JÚNIOR, Jolival Antônio da. METODOLOGIA PARA A UTILIZAÇÃO DE
DADOS TOPOGRÁFICOS EM PROJETOS GEOMÉTRICOS AUTOMATIZADOS DE
VIA. 2003. 144 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Engenharia de
Transportes, Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, 2003.
AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DO PAVIMENTO DO AERÓDROMO
GUAXUPÉ
Jéssyca Costa1, Luís Antônio Nery2
1
Discente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG-Guaxupé/[email protected]
2
Docente do curso de Engenharia Civil, UNIFEG-Guaxupé/MG. [email protected]
Introdução: Um aeroporto é uma área com a infraestrutura e os serviços necessários para o
atendimento de aterragens e descolagens de aviões. Um pequeno aeroporto é muitas vezes
referido por campo de aterragem ou aeródromo. O aeródromo representa toda aérea destinada
a pouso, decolagem e movimentação de aeronaves. O uso do transporte aéreo vem crescendo
nas últimas três décadas devido a possibilidade de realizar viagens rápidas, e hoje vem
atraindo investimentos para a ampliação de aeroportos regionais, como é o caso do aeroporto
Guaxupé, situado na região sul/ sudoeste de Minas Gerais. Objetivos: Este trabalho tem
como objetivo principal, analisar as características do pavimento do aeroporto Guaxupé, para
determinar a possível ampliação do número de voos diários para o pavimento existente,
favorecendo para a economia local, uma vez que a cidade exporta grandes quantidades de
café para muitos países. Material e Métodos: Com base em revisões bibliográficas,
documentos oficiais referentes ao projeto do aeroporto, dados fornecidos pelo Código
Brasileiro de Aeronáutica, Agência Nacional de Aviação Civil, Empresa Brasileira de
Infraestrutura Aeroportuária, Programa Aeroportuário de Minas Gerais, Organização da
Aviação Civil Internacional, entre outros e com base na realização de estudo de caso com o
objetivo de avaliar o pavimento aeroportuário de Guaxupé, cuja finalidade é demonstrar a
ampliação da resistência do suporte do pavimento, com base em ensaios de compactação,
California Bearing Ratio (CBR) e Proctor. A partir da padronização do sistema de
classificação, foram criados o ACN (Aircraft Classification Number) e PCN (Pavement
Classification Number), ambos com finalidade de classificar a resistência do pavimento
quanto ao tipo de pavimento, categoria de resistência do subleito, pressão máxima permitida
nos pneus, métodos de avaliação. Resultados: O aeródromo Guaxupé é reconhecido como
SNGX, com elevação de 849 m de altitude e coordenadas Norte/ Sul, igual à 21°19’36’’S e
46° 43’ 49”W. Sendo suas cabeceiras A/B, 12/30 respectivamente, com dimensões de 1500
de comprimento e 30 de largura, com superfície de Terra e resistência PCN de 7/F/B/Y/U,
assim determinadas: 7 (é um número dado à capacidade do pavimento da pista em suportar o
peso de um avião em um número irrestrito de movimentos como, movimento de pouso,
decolagem e rolamento sobre a pista); F ( tipo de pavimento ); B( resistência do Subleito Média); Y( pressão máxima admissível dos pneus – Baixa até 1,0 Mpa); U(Prática: consiste
na utilização do conhecimento do tipo e peso de aeronaves que, em condições normais de
emprego, o pavimento resiste satisfatoriamente, dotada de balizamento noturno). Conclusão:
Analisando os testes laboratoriais das estacas 40-70 do Subleito presente no aeroporto
Guaxupé, é possível afirmar que o pavimento possui características essenciais de um bom
solo, sendo classificado com Índice de grupo A2-7, com CBR de 76%, umidade ótima de
9,7% e expansão de 0,22%; é possível aumentar-se a capacidade de resistência do pavimento,
porém é necessário estar a par das exigências das aeronaves de maiores portes pois elas
operam com restrições com relação as dimensões da pista.
Palavras-chaves: Pavimento, Subleito, Aeródromo, Características, Resistência.
Referências:
ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil. Disponivel em: <www.anac.gov.br > - acesso
em 15/03/2015.
Área de Humanas
A Diferença do Custo de um Trabalhador de Uma
Empresa Industrial Simples Nacional ou Lucro Real
Guilherme Augusto da Silva Alípio¹, Ana Cristina Campos Prado Teixeira²
¹ Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG,
[email protected]
² Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG,
[email protected]
Introdução: Este artigo se propõe a evidenciar qual o custo de um trabalhador do setor
industrial para uma empresa tributada pelo lucro real ou simples nacional. Para a mensuração
de tais valores utilizaremos direitos e benefícios garantidos pela legislação vigente, tais como
Salário, Salário Família, Férias, 13º Salário, Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, Senai,
Sesi, Sebrae, INSS Patronal, RAT. Após a análise de como funciona cada direito e obrigação
poderemos calcular qual sistema de tributação oferece um custo menor ao empregador.
Objetivos: O objetivo deste artigo é demonstrar com clareza todos os principais benefícios e
direitos que envolvem o empregado. Assim o novo empregador estará ciente de quais valores
serão desembolsados ao decorrer dos anos e de como poderá alocar estes custos dentro do
preço do produto, sem levar nenhum tipo de prejuízo. Material e Métodos: Para a elaboração
deste artigo foi utilizada como fonte livros, desses de doutorado e a legislação vigente. O
método de trabalho é a pesquisa qualitativa bibliográfica, onde procurou levantar várias fontes
para elaboração do trabalho. Resultados: Após levantamento e apuração dos dados foi
constatado que as empresas industriais que optam por serem enquadradas como simples
nacional possuem benefícios por se tratarem de empresas de pequeno porte e se tornam o
funcionário menos oneroso para o empregador no decorrer do contrato de trabalho.
Conclusão: É vantajoso para o empregador, principalmente quando se inicia uma empresa
buscar condições de trabalhos que facilitem seu crescimento no decorrer de suas atividades.
Conforme foi estudado, o empregador que optar por enquadrar sua empresa como simples
nacional pagará menos tributos para o governo em relação ás empresas lucro real, chegando a
ser 28,5% mais barata.
salário, inss, fgts, férias, 13º salário
Referência:
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Casa Civil, Brasília, DF.
Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acessado em 15
de março de 2015.
BRASIL. Decreto-Lei n.º 5.452, de 1º de maio de 1943. Casa Civil, Brasília, DF. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452.htm>. Acessado em 15 de março de 2015.
A UTILIZAÇÃO DOS CONCEITOS DE CUSTOS E SUA
INFLUENCIA NA DECISÃO DO PREÇO DE VENDA
NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO
PORTE.
Alaerte Gomes de Assis Neto1, Fernando Jorge Ferreira1; Ana Cristina Campos Prado
Teixeira2
1
Discente do curso deCiencias Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Discente do curso de Ciencias Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciencias Contabeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: No atual mercado econômico há uma grande concorrência entre as empresas que
buscam obter lucros. Devido a esta grande concorrência fica cada vez mais difícil uma
empresa se destacar no mercado. E para isso acontecer tem que haver um planejamento
eficaz, comprometimento dos funcionários e investimentos a fim de otimizar os lucros
desejados. Todas as empresas devem possuir uma ótima gestão dos seus custos e do preço de
venda. Dependendo do produto o preço de venda pode ser definido pela própria empresa,
porém na maioria das empresas o preço de venda é determinado pelo mercado. Objetivos:
Conceituar as formas de custeio existentes e relacionar a importância do conhecimento de
custos ao determinar o preço de venda, nas microempresas e empresas de pequeno porte.
Material e Métodos: Foi executada uma pesquisa bibliográfica. Para corroborar e
exemplificar foi feita uma pesquisa, através de um questionário em três empresas do setor
calçadista da cidade de Guaxupé, buscou-se analisar como os métodos de custeio adotados
por essas empresas influenciam na formação do preço de venda dos seus produtos. A coleta
de dados teve o objetivo de levantar informações relevantes sobre: tributação; os tipos de
produtos que a empresa fornece; a forma de custeio adotada; a formação do preço de venda;
análise da visão do empresário em relação ao custo da empresa como um todo, dos itens
produzidos, e também do lucro desejado. Resultados: Nas empresas analisadas, utilizadas
como amostras, observa-se que utilizam critérios de custos variáveis, quando separam os
custos fixos e variáveis, identificam a margem de contribuição por produto, assim conseguem
identificar o quanto ganham por produto, e se o produto é rentável ou não. A maioria das
empresas teve um treinamento especifico com SEBRAE, mas não utilizam os conhecimentos
adquiridos de maneira correta, ao separar o que é custo ou despesas, ou ainda fixo e variável,
podendo prejudicar nas tomadas de decisões. Nas vendas, os empresários estipulam uma
margem e acreditam que vão conseguir pagar seus gastos (custos e despesas). Essa margem é
definida no conhecimento de mercado econômico, considerando quanto devem arrecadar e o
que o mercado está disposto a pagar pelo produto. Conclusão: Conclui-se que conhecer e se
preocupar com os custos dos produtos vendidos e produzidos é vital para a sustentabilidade
da empresa no mercado. As empresas de menor porte que não tem o apoio da contabilidade,
de toda a estrutura gerencial e contábil e de sistema de informações dentro da empresa,
correm maiores riscos de erros e consequentemente de falência. Quanto aos diferentes tipos
de custeio observa-se que os conceitos mais utilizados são os gerenciais como os de custeio
variável. Cada empresa do seu jeito determina a forma de controlar e sobreviver nesta
econômica competitiva.
Palavras-chave: microempresas, empresas de Pequeno Porte, custos, preço de venda.
Referências:
IUDÍCIBUS, Sergio de. CONTABILIDADE GERENCIAL. 6. Ed. São Paulo: Editora Atlas
S.A., 1998.
MARTINS, Eliseu. CONTABILIDADE DE CUSTOS.9. Ed. São Paulo: Editora Atlas S.A.,
2006.
A EVOLUÇÃO DO CONHECIMENTO CONTÁBIL
Ester de Lima Cardoso1, Jéssica do Patrocínio1, Ana Cristina do Prado Teixeira2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé,
[email protected]
Introdução: Com o passar dos anos a contabilidade que surgiu entre 8000 a.C a 3000 a.C,
viabiliza uma ciência com fundamentos contábeis através de doutrinas essências para sua
evolução. Todos os princípios básicos contribuíram no auxílio das interpretações para novos
procedimentos que seriam sólidos, como condições de prestar informações aos seus usuários.
As transações do comércio eram simples, utilizavam para fazer inventários fichas de barro,
pedrinhas, entre outras, mas sendo que sua função seria de controlar sempre o objeto da
contabilidade, o patrimônio. Com o aumento da população e do comércio, passou a ter maior
demanda de controle de seus bens, na Itália surgiu a conhecida escola europeia, uma fonte de
conhecimentos e com os novos métodos das partidas dobradas, que antes eram simples, dando
um impulso à contabilidade, Luca Pacioli que contribuiu com a sua evolução, ficou
conhecido como o pai da contabilidade, este foi o principal doutrinador da escola europeia,
que consolidou este método; outra escola importante foi a Americana, que com a criação do
FASB e a SEC, padronizou os procedimentos contábeis, essas duas escolas através de seus
estudos científicos, trouxeram para a doutrina contábil do Brasil, padrões que influenciaram
um modelo desafiador e relevante nas demonstrações financeiras. Objetivos: Evidenciar a
história contábil e enfatizar como essa evolução contribui com a sociedade. Material e
Métodos:Foi realizada uma metodologia bibliográfica e qualitativa, como instrumento de
coleta de informações, com características exploratórias em livros, artigos científicos, teses de
doutorado e órgãos da classe contábil.Conclusão: Conclui-se que, a contabilidade e as suas
evidências trouxeram para sua evolução, interpretações relevantes aos profissionais
contadores, devido as escolas: Italiana e Americana, que influenciaram aos novos padrões,
que conduzem ao gerenciamento das tomadas de decisões, trazidas para compreensão das
novas normas a serem aplicadas e traduzidas com satisfação as informações necessárias aos
usuários.
Palavras Chaves: Contabilidade, Evolução, Informações, Interpretações, influenciaram
Referências:
HENDRIKSEN, Eldon S; BREDA, Michael F. Van. Tradução de Antônio Zoratto
Sanvicente. TEORIA DA CONTABILIDADE. São Paulo: Atlas, 1999.
IUDÍCIBUS, Sérgio de. TEORIA DA CONTABILIDADE. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2000.
PADOVEZE, Clóvis Luís. MANUAL DE CONTABILIDADE BÁSICA: Contabilidade
Introdutória e Intermediária. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
SCHIMDT, Paulo; SANTOS, José Luiz dos. HISTÓRIA DA CONTABILIDADE: Foco na
Evolução das Escolas do Pensamento Contábil. São Paulo: Atlas, 2008.
JORNADA DE TRABALHO
Lahiny Ribeiro de Souza1, Thais Augusta Paulino1; Mauricio Martins2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O artigo terá a finalidade de conhecer a história da jornada de trabalho,
mostrando como foi a redução da jornada diária e quais foram os primeiros países que
aderiram esta lei. Este tema pode ser interpretado de três maneiras; tempo efetivamente
trabalhado; tempo à disposição do empregador no centro de trabalho e tempo à disposição do
empregador no centro de trabalho ou fora dele. Existem algumas categorias que são excluídas
de cumprir a jornada diária prevista na lei. Iremos estudar também o conceito de horas extras,
quais os tipos de horas existentes e quais os limites que são consideradas de acordo com cada
caso específico. Objetivos: o objetivo deste estudo é analisarmos se houveram melhorias para
os trabalhadores depois que foi adotado a limitação da jornada de trabalho. Para termos
conhecimento de quando começa a ser considerada hora extra, de qual tipo de horas depende
de vontade entre as partes e qual o trabalhador fica obrigado a cumpri-la. Material e
Métodos: o material usado para realizarmos este artigo foram pesquisas bibliográficas, sendo
livros didáticos referentes ao tema. Resultados: houve melhorias para os trabalhadores, pois
com a limitação da jornada eles passam a ter mais tempo para o descanso e para o lazer. Com
o conhecimento de quando começa a contar as horas extras o empregado poderá cobrar caso
elas não sejam pagas adequadamente. O acordo de prorrogação é um dos casos que as horas
podem ser realizadas somente se as duas partes estiverem de acordo. No caso de horas extras
por motivo de serviços inadiáveis, o empregado fica obrigado a realizar a conclusão do
serviço naquele dia, mesmo ultrapassando a jornada diária. Conclusão: Concluímos que o
excesso de trabalho não trás o rendimento esperado, e, em muitos casos, acaba até gerando
conflitos entre o empregado e o empregador. Este tema pode ser compreendido de três
maneiras, uma é considerada também o tempo de descanso, a outra somente o tempo em que
o empregado efetuou o serviço e por último a que é considerada desde o momento em que o
empregado deixa sua casa com destino ao seu trabalho. As horas que excederem as que estão
previstas no contrato de trabalho são consideradas horas extras.
Palavras-chave: jornada de trabalho; horas extras; empregador; trabalhadores.
Referências:
MARTINS, Sergio Pinto. DIREITO DO TRABALHO. São Paulo: Atlas, 2011.
NASCIMENTO, Amauri Mascaro. INICIAÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO. São Paulo:
Atlas,
2007.
O CONTROLE INTERNO NA GESTÃO PÚBLICA
MUNICIPAL
1
Elaine Cristina da Silva1, Ana Cristina Campos Prado Teixeira2
Discente do curso de Ciência Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O controle interno é principalmente um sistema normativo, que tem o objetivo de
assegurar que as metas da administração pública sejam cumpridas, ele verifica se as atividades
programadas estão realmente sendo exercidas pelos órgãos, observa o cumprimento das leis, e
contribui para o planejamento, assim como para a transparência das contas publicas, algo muito
importante nos dias de hoje. Existem dois tipos de controle: o controle interno, que acontece dentro
da própria organização ou órgão e o controle externo que é feito por um órgão superior ou empresa
especializada, neste trabalho se falará sobre controle interno. O controle interno é um sistema
integrado, pois se necessita de informação de vários departamentos para que sua eficiência e
eficácia sejam atingidas. Objetivos: Após analisada toda a importância dos órgãos de controle
interno para real controle dos atos do legislativo, este trabalho foi elaborado, para explicar as
funções muitas vezes desconhecidas pela população e através de uma pesquisa verificar se ele
realmente é eficaz, quais as dificuldades para implantação do sistema e verificar as fragilidades do
sistema para sugerir melhorias. Material e Métodos: Foi realizada uma revisão bibliográfica como
instrumento de coleta de informações. Adotou-se como instrumento de investigação a Metodologia
Qualitativa, permitindo que se conhecesse mais a fundo as principais funções do controle interno, a
pesquisa foi feita de maneira descritiva e analítica, através de um questionário. Resultados: Com as
informações obtidas na pesquisa observa-se as principais funções de um controlador e do sistema de
controle interno, os pontos em que devem ser levados em consideração, e as desvantagens e
vantagens do método que cada cidade utiliza. Foi evidenciada a importância de se manter um
controle interno no setor público municipal, para que haja controle sobre os outros setores e
prevenção de erros ou fraudes. Conclusão: Conclui-se que o controlador interno é um auxiliar do
administrador na execução orçamentária, verificando o cumprimento da legislação, fiscalizando as
ações e agindo de maneira preventiva e se necessário corretiva e punitivamente e que o sistema de
controle interno é um órgão extremamente importante para promover a eficiência dos atos públicos
e que as entidades pesquisadas cada qual a sua maneira estão atendendo ao exigido em lei.
Palavras-chave: Contabilidade; Contabilidade pública; Controle interno.
HIPÓTESES DE EXTINÇÃO DO CONTRATO DE
TRABALHO POR JUSTA CAUSA
Marcela Montagnini1, Tatiéli Aparecida Duarte2, Mauricio Martins3
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
3
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Inicialmente o estudo relata os conceitos do contrato de trabalho por tempo
determinado e indeterminado. Também relata as espécies de cessação do contrato de trabalho por
iniciativa do empregado e do empregador, dando destaque à dispensa com justa causa. E quais as
verbas rescisórias que o empregado fará jus quando houver a extinção por justa causa. Por fim foi
realizada uma pesquisa para apurar a aceitação da dispensa com justa causa no Município de Monte
Santo de Minas – MG. Objetivos: O artigo tem o objetivo de analisar a extinção do contrato de
trabalho de acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho que permitem ao empregador cessar o
contrato por justa causa. Material e Métodos: Os métodos utilizados nesta pesquisa foram pesquisa
bibliográfica e estudo de caso múltiplo com pesquisa de campo realizada nos escritórios de
contabilidade do Município de Monte Santo de Minas - MG. Resultados: De acordo com a
pesquisa realizada nos 09 (nove) escritórios de Monte Santo de Minas - MG, foi apurado que em
100% dos escritórios entrevistados, 77,78% dos clientes dos escritórios de contabilidade optaram
por fazer a extinção do contrato de trabalho sem justa causa, a fim de evitar possíveis ações
trabalhistas, que podem vir por não conseguir evidencias suficiente para se provar a justa causa. Os
demais escritórios totalizados em 22,22% optaram por fazer a dispensa por justa causa, já que
tinham provas que demonstravam os atos faltosos por parte do empregado, permitindo assim, cessar
o contrato por justa causa. Com os dados alcançados através dos questionários respondidos,
podemos verificar que neste Município o método mais utilizado pela maioria dos clientes para
reincidir o contrato de trabalho entre as partes é a extinção do contrato de trabalho sem justa causa.
Conclusão: Conclui-se que a partir do momento que obtiver provas para demonstrar o ato faltoso o
empregador poderá requerer a extinção do contrato. Importante ressaltar que o ônus de provar a
falta é do empregador para conseguir realizar a dispensa com justa causa, uma vez que se houver
duvidas por parte da Justiça do trabalho o empregado é favorecido. Por este motivo foi constatado
com a pesquisa de campo que os clientes muitas vezes para evitarem possíveis ações trabalhistas
optam por fazer uma dispensa sem justa causa.
Palavras-chave: justa causa, dispensa, extinção do contrato de trabalho.
Referências:
MARTINS, Sérgio Pinto. DIREITO DO TRABALHO. São Paulo: 23º ed. Atlas S.A., 2007.
DELGADO, Mauricio Godinho. CURSO DE DIREITO DO TRABALHO. São Paulo: 9º ed. LTr,
2010.
O USO DA CONTABILIDADE RURAL COMO UMA
FERRAMENTA GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO
DOS PRODUTORES RURAIS DO MUNICÍPIO DE
ITAMOGI –MG.
José Augusto Silva Candido1 e Adilson Torres2
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
adilson [email protected]
1
Introdução: Percebe-se ao longo dos últimos anos a notável mudança da estrutura do setor agrícola
no país, tais como: a transposição da mão de obra braçal, sendo substituída pelos avanços
tecnológicos, a forte concorrência e aumento de produtos em mercados nacionais e internacionais.
Decorrente dessas mudanças, este setor, necessita de um maior interesse nas informações contábeis,
com o objetivo de melhorar o gerenciamento, além de obter uma melhoria na eficiência técnica e
administrativa de tais informações. Objetivos: A pesquisa tem como enfoque principal, evidenciar
fatores que influenciam na tomada de decisão de uma visão conservadorista do produtor rural,
através do seu entendimento, a lógica de gerenciamento de sua propriedade e o que entendem sobre
o tema, afim de demonstrar a importância da Contabilidade Rural, para todos os produtores rurais,
como uma ferramenta gerencial, que permite por meio da informação contábil, o planejamento e o
auxílio na tomada de decisão. Material e Métodos: Buscando analisar a temática proposta, o
trabalho foi realizado mediante a utilização de revisão bibliográfica juntamente com uma pesquisa
de campo explorativa com caráter de entrevista. Resultados: Através de uma pesquisa, ficou
evidenciado que a Contabilidade Rural é uma área pouco utilizada pelos produtores rurais do
município de Itamogi –MG, e os que a utilização são apenas para atender fins de fiscalização. Ficou
demonstrado com os dados obtidos pela pesquisa o desinteresse dos produtores rurais em utilizar a
Contabilidade Gerencial para auxílio na tomada de decisão. Considerações Finais: Apesar da
literatura demonstrar a importância da Contabilidade Rural, de acordo com os dados obtidos através
da pesquisa demonstra outra realidade. Os planejamentos gerenciais das atividades do setor rural de
Itamogi atualmente não validão a eficácia das informações e realidade desse setor, desta forma a
Contabilidade Gerencial não propicia aos produtores rurais subsídios para que os gestores possam
analisar os fatores para tomada de decisão acerca de seu negócio. O aumento da produtividade
agrícola muitas vezes é incerto, devido as mudanças de climas, que não podem ser controladas,
mercado instável e entre outros fatores, por isso, na atividade rural, os produtores devem sempre
estar atentos a tudo o que acontece, e devem estar adeptos a procurar por novas informações que
podem ajudá-los e auxilia-los na administração.
Palavras-chaves: Contabilidade Gerencial, produtor rural, tomada de decisão
Referências: CREPALDI, Silvio Aparecido. CONTABILIDADE RURAL – Uma Abordagem
Decisorial. São Paulo: Atlas, 2012.
AMBIENTE EXTERNO: ESTUDO DE EVENTOS
Talita Silva1, Roberto Marchelli Júnior2
1
Discente do curso Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
²Docente do curso Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: No ano de 2014, a expressão “Crise de Água” se tornou parte da vida da
população brasileira. Com o baixo de nível de chuvas e a queda do nível dos reservatórios de
água, muitas cidades entraram em estado de emergência, chegando ao ponto do racionamento
desse recurso natural. Tal situação ocasionou a ativação de um alarme mundial acerca da crise
de recursos hídricos. Porém, levando em considerações nossa existência em um mundo
capitalista, ou seja, sociedade onde os meios de produção e o dinheiro possuem um ou mais
donos se tornando privados, esta pesquisa baseia-se em uma história entre valor econômico
das ações, valores agregados a ela, no caso, uma empresa paulista reconhecida nacionalmente,
Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (SABESP) e o real volume de
água por ela considerada, com impactos no valor e volume de negociações de suas ações na
bolsa de valores. Objetivos: Analisar o comportamento do mercado de ações da empresa
Sabesp em relação à notícias vinculadas na mídia em determinados dias. Material e
Métodos: Foi utilizado o estudo de eventos que tem como hipótese que os mercados sejam
eficientes, e demonstrem os impactos de algumas informações em suas agregações
econômicas, ou seja, como os preços, no caso ações, reagem com determinadas informações
Resultados: as ações variaram de acordo com as notícias da mídia no dia, ou seja, se a notícia
favorecia a empresa a ação subia e se a notícia não era boa, ou por falta de chuvas ou por
resultados financeiros a ação da Companhia caía. Conclusão: O estudo efetuado condiz com
o ambiente externo de uma empresa, onde qualquer empresa, em todos os segmentos estão
sujeitas a este impacto, no caso da empresa estudada, SABESP, o baixo nível de chuvas, as
estiagens prolongadas e alguns fatores políticos contribuíram de forma cruel para o mal
desempenho de suas ações, principalmente no ano de 2014. A principal análise foi feita no
ambiente externo, com um estudo de eventos, no qual foram analisadas, a variação do valor
da ação da empresa na escala intradia, e as notícias que contribuíram para esta variação.
Deve-se considerar que o investidor se informa pelos meios de comunicação mais acessíveis
como, jornais, televisão e rádios, feito o estudo com estes meios conclui-se que nas maiores
variações diárias, tanto positivas, quanto, negativas houveram notícias vinculadas a esta
variação de preço.
Palavras-chave: Ambiente externo; Ações; valor econômico; estudo de eventos;
Referências:
ASSAF NETO, A. Mercado Financeiro. São Paulo: Atlas, 10. Ed. 2011;
LEITE, H.; SANVICENTE, A.Z. Valor patrimonial: usos, abusos e conteúdo informacional.
ERA, São Paulo: FGV, v. 30, n. 3, jul-set. 1990.
PLANEJAMENTO TRIBUTARIO: ANÁLISE DO
IMPACTO DE EMPRESAS DE SERVIÇOS
TRIBUTADAS PELO LUCRO PRESUMIDO QUE
ALTERAM A TRIBUTAÇÃO PARA AS NOVAS
OPÇÕES DO SIMPLES NACIONAL
Beatriz Aparecida da Silva1, Adilson Torres2
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A contabilidade tributária tem o papel de encontrar dentro da legalidade
uma maneira do contribuinte pagar menos impostos ou retardar o recolhimento do
mesmo. Uma nova lei permite que novas atividades optem pelo regime simples
nacional. Com isso elaboramos uma análise de caso para ver até que ponto compensaria
sair do regime tributário do lucro presumido e ir para o simplificado, pois no simples a
carga tributária é muito maior. Descrevemos cada regime tributário, explicando o valor
limite de enquadramento de cada um, suas vantagens e desvantagens. Objetivos: Falar
dos regimes tributários e exemplificar cada um, fazendo uma análise de caso em uma
empresa fictícia quem tem como atividade principal a prestação de serviços. Material e
Métodos: Análise de caso onde a organização em questão está na tributação do lucro
presumido comparando o regime tributário atual com o regime simplificado (simples
nacional). Serão usados valores de receitas fictícias para analisar os valores dos tributos
em cada regime.
Resultados:
1
Comparativo de Tributação SIMPLES NACIONAL X LUCRO PRESUMIDO
SIMPLES
LUCRO PRESUMIDO
Mês
Receita
Imposto
IRPJ
CSLL
PIS
COFINS
TOTAL
15.000,00
2.359,50
180,00
162,00
97,50
450,00
889,50
Janeiro
10.000,00
1.693,00
120,00
108,00
65,00
300,00
593,00
Fevereiro
13.000,00
2.200,90
156,00
140,40
84,50
390,00
770,90
Março
12.000,00
2.031,60
144,00
129,60
78,00
360,00
711,60
Abril
14.000,00
2.370,20
168,00
151,20
91,00
420,00
830,20
Maio
15.000,00
2.539,50
180,00
162,00
97,50
450,00
889,50
Junho
11.000,00
1.862,30
132,00
118,80
71,50
330,00
652,30
Julho
14.000,00
2.370,20
168,00
151,20
91,00
420,00
830,20
Agosto
10.000,00
1.693,00
120,00
108,00
65,00
300,00
593,00
Setembro
15.000,00
2.539,50
180,00
162,00
97,50
450,00
889,50
Outubro
10.400,00
1.760,72
124,80
112,32
67,60
312,00
616,72
Novembro
10.800,00
1.828,44
129,60
116,64
70,20
324,00
640,44
Dezembro
Total
150.200,00
25.428,86
1.802,40
1.622,16
976,30
4.506,00
8.906,86
Conclusão: É melhor a empresa permanecer no lucro presumido pois no simples
nacional ela pagará um valor maior de imposto. A mesma deve entregar as declarações
e os demonstrativos em dia para que não haja multa, evitando auditoria e fiscalização.
Palavras-chaves: contabilidade, tributação, lei, fisco, simples nacional.
Referências:
FABRETTI, Láudio Camargo. CONTABILIDADE TRIBUTARIA. 7ª Ed. São Paulo:
Atlas, 2001.
FABRETTI, Láudio Camargo. CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. 9ª Ed. São Paulo:
Atlas, 2005.
OLIVEIRA, Luís Martins de; CHIEREGATO, Renato; PEREZ JR., José Hernandez;
GOMES, Marliete Bezerra. MANUAL DE CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. 2ª Ed.
São Paulo: Atlas, 2003.
DAS COTAS RACIAIS E A QUESTÃO A
DEMOCRACIA RACIAL
1
Mateus Jorge Fidéles Pereira1, Diogo Henrique da Silva Paiva2
Discente do curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: As cotas raciais tratam de políticas de ações afirmativas que procuram trazer os
negros e pardos para um patamar de igualdade na sociedade com relação aos brancos. Tal
medida foi até ponto de discussão na ADPF n° 186 proposta pelos partido DEM
(Democratas), e também por muitas vezes é ponto de discussão em diversos fóruns de debate.
Objetivos: A presente pesquisa tem como seu objetivo principal trazer à baila a questão das
costas raciais conjuntamente com outra questão que é a Democracia racial explorando
aspectos sociológicos e legislativos, destacando importantes pontos defendidos por sociólogos
e juristas tendo em vista o fato do direito em si ser uma ciência humana que não pode ser
analisada de forma isolada sem antes apreciar outros aspectos como o sociológico. Material e
Métodos: Pesquisa em livros sociológicos que abordam temas sociais relacionados com a
miscigenação e a questão da democracia racial conjuntamente com a pesquisa da parte
legislativa que inclui o estatuto da igualdade racial, a lei 12.288/10 e a ADPF ° 186 dentre
outros artigos jurídicos pertinentes ao tema. Resultados: No que se refere aos resultados,
entendemos que as cotas raciais realmente são constitucionais como o próprio STF afirmou
em seu acordão, e que também podemos observar que as cotas raciais produziram efeitos
muitos positivos na sociedade tendo em vista que aumentou a participação dos pardos e
negros nos mais altos escalões na sociedade, que em certo tempo poderemos dizer que não é
mais necessário o uso deste instituto face a grande representação de pardos e negros nos mais
diversos níveis sociais. Conclusão: Após a pesquisa podemos observar que ainda no Brasil a
democracia racial é um mito como o próprio Florestan Fernandes discorre em suas obras
sobre a miscigenação, já que os negros e pardos ainda sofrem as consequências da escravidão
face à sua atual posição na sociedade, tendo em sua maioria um baixo poder aquisitivo e em
consequência disso menores oportunidades sociais sem contar que ainda estão mais propensos
a serem vistos como marginais como muitas pesquisas sociais tem nos mostrado. Mas o lado
positivo da pesquisa é que observamos que as cotas raciais tem ajudado muito para diminuir
essas diferenças sociais. E que o STF foi muito feliz em sua decisão e fundamentação da
ADPF n° 186, já que esta está cumprindo com o que a própria Constituição Federal assegura.
Referências:
SILVA, Amaury; SILVA, Artur Carlos. Crimes de Racismo. Leme: J.H. Mizuno, 2012.
DOS SANTOS, Sales Augusto. Ações Afirmativas e Combate ao Racismo nas Américas.
Brasília: Ministério da Educação, 2007.
http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStfArquivo/anexo/ADPF186.pdf (acesso em
20/10/2015 às 11:08hrs)
ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM
COOPERATIVAS DE CAFÉ NO SUL DE MINAS
GERAIS
Ana Laura Silva Menezes1, Mara Elise da Silva1; Flávio Eduardo Brigagão de Carvalho2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Com a necessidade de se adaptar ao mercado atual, desde a produção até a
destinação do produto ao cliente final, as empresas buscam melhorar os seus ativos com o
intuito de gerar receita, além de ampliar a parte industrial, prevendo aperfeiçoar-se e assim
manter competitividade em seu seguimento, proporcionando a satisfação do consumidor. É de
grande relevância que os gestores do empreendimento tenham uma visão ampla para a
continuidade e lucratividade, para isso é muito importante conhecer sobre os processos da
empresa e tudo que está relacionado a eles. Objetivos: O estudo tem o objetivo de analisar o
Balanço Patrimonial e a Demonstração de Sobras ou Perdas de duas cooperativas localizadas
no Sul de Minas, que têm suas demonstrações publicadas: Cooperativa Regional de
Cafeicultores em Guaxupé Ltda., e Cooperativa Regional dos Cafeicultores de São Sebastião
do Paraíso Ltda. Material e Métodos: Foram utilizados os modelos de pesquisa exploratória,
bibliográfica, qualitativa e quantitativa. O artigo foi feito na seguinte ordem: Estudo
bibliográfico; Análise documental; Estudo sobre empresas que possuem Demonstrações
Contábeis publicadas; Desenvolvimento e Conclusão. Resultados: Com base na Análise das
Demonstrações Contábeis foi possível acompanhar a importância dos processos das
cooperativas, visualizar a rentabilidade dos investimentos, o grau de dependência financeira
das cooperativas, a capacidade das cooperativas de cumprir com suas obrigações e as
variações dos resultados. Conclusão: A Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé
Ltda mostra resultados favoráveis durante o período analisado, é possível visualizar através
dos índices de liquidez que apesar de terem diminuído, e os índices endividamento terem
aumentado no último ano resultado de melhorias no ativo que são refletidos nos indicadores
de rentabilidade de investimentos. Ao contrário, a Cooperativa Regional dos Cafeicultores de
São Sebastião do Paraíso Ltda mostra resultados não muito favoráveis, os índices de liquidez
correspondem menos que R$ 1,00, exceto a liquidez corrente no último ano. O seu ativo é
composto em sua maioria pelas Contas a Receber e Estoques, os quais nem sempre se
transformam em valores disponíveis. Os índices de endividamento reduziram devido ao não
investimento no ativo, o que se reflete nos indicadores de rentabilidade.
Palavras-chave: ativo, investimento, rentabilidade, demonstrações.
Referências:
MARION, José Carlos. Análise das Demonstrações Contábeis. 7 ed. São Paulo: Atlas,
2012.
O PROCESSO DE ADEQUAÇÃO ÀS NORMAS
INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE, IFRS, NAS
PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DE
MUZAMBINHO E REGIÃO
Tatiane Vieira Gaspar1, Adilson Torres2
Discente do curso Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: Perante o cenário globalizado em que vivemos, cada vez mais dinâmico e
competitivo, houve a necessidade de aprimorar os padrões contábeis e adotar as normas
internacionais, denominadas IFRS. A contabilidade no Brasil, antes moldada e influenciada
por tantas normas fiscais, passou a ser respaldada no princípio de que na elaboração de
demonstrações financeiras deve haver total segregação da contabilidade societária e da
contabilidade fiscal, com a finalidade de melhorar a qualidade das informações, de evitar
assimetria de informações em âmbito global, e de demonstrar a real situação econômica
financeira da entidade. A contabilidade societária brasileira adaptou-se as normas
internacionais, por meio do CPC e seus Pronunciamentos, desde 2007 com o advento da Lei
11.638/07. Atualmente, as novas normas contábeis abrangem todas as empresas brasileiras,
inclusive as pequenas e médias empresas, que adotam desde 2010 o CPC PME,
regulamentado pela Resolução CFC 1.255/09. Objetivos: Esta pesquisa teve como objetivo a
realização de um estudo sobre o processo de convergência das normas contábeis brasileiras
aos padrões internacionais, denominados normas IFRS, nas pequenas e médias empresas
atendidas por contadores externos de Muzambinho e região. Materiais e métodos: A
pesquisa tem caráter exploratório visto que tem por finalidade aprofundar os estudos sobre a
postura do profissional contábil ao realizar a contabilidade das PMEs. A abordagem do
problema será qualitativa e quantitativa. Para o desenvolvimento desse trabalho será
necessária à utilização de pesquisa bibliográfica e estudo de caso. Resultados: Diante as
informações levantadas na coleta de dados, observa-se que poucas PMEs atendidas por
contadores externos de Muzambinho e Região, que participaram do questionário, estão
adotando as novas normas em sua integridade. Esse fator pode ser justificado pelas
dificuldades que os contadores estão tendo, principalmente relacionadas ao aumento de
custos, aumento de responsabilidades e mudança de postura profissional com a necessidade
de mais julgamentos dos fatos, e a escassez de profissionais contábeis qualificados no
mercado. Mas mesmo diante as dificuldades, esperam melhorias com essas novas normas, no
que tange a melhoria nas tomadas de decisões, o favorecimento de negociações para captação
de recursos e a valorização da profissão contábil. Considerações Finais: Conclui-se que a
implantação das normas IFRS ainda não está efetivada na maioria das PMEs atendidas pelos
profissionais contábeis externos de Muzambinho e região, fator preocupante por as normas já
estão vigentes no Brasil desde 2010. Mas reconhecem as melhorias que estas novas normas
proporcionam, pois trarão à realidade da entidade e para todos os usuários envolvidos,
informações relevantes, fidedignas, transparentes e aptas à tomadas de decisão adequadas,
visto que, conforme as pesquisas bibliográficas afirmam, prevalecerá a essência sobre a forma
e os princípios sobre as regras.
Palavras-chave: Contabilidade no Brasil, Contabilidade Societária das PMES, Normas IFRS.
Referências:
SALOTTI, Bruno Meirelles; MURCIA, Fernando Dal-Ri; CARVALHO, Nelson; FLORES,
Eduardo. IFRS NO BRASIL: TEMAS AVANÇADOS ABORDADOS POR MEIO DE
CASOS REAIS. São Paulo: Atlas, 2015, 240 p.
AÇÃO POLICIAL E A SOCIEDADE: ANÁLISE COMPARADA DAS TRANSGRESSÕES
DISCIPLINARES DE NATUREZA GRAVE ENTRE DUAS INSTITUIÇÕES
MILITARES BRASILEIRAS (MINAS GERAIS E SÃO PAULO)
1
Neveston Donizete Francisco de Calazans1, Osmar Patti Magalhães2
Discente do curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: A missão de qualquer Polícia Militar brasileira é intrínseca à prestação do
lapidado serviço perante a sociedade organizada. E a disciplina, tida no âmbito militar como o
senso do dever, não se equivale à ética, pois é na conduta precedida da moral que se assoma a
confiabilidade da população frente a imagem do policial militar. Como forma de
padronização disciplinar, as Instituições Militares Estaduais instituíram códigos deontológicos
referentes aos deveres dos seus integrantes no âmbito interno e na importante relação entre
Polícia e comunidade. O Código de Ética e Disciplina dos Militares de Minas Gerais e o
Regulamento Disciplinar da Polícia Militar de São Paulo objetivam, em epitome, o controle
sobre a ação policial através de sanções disciplinadoras aplicadas aos militares que se aluem
no cometimento de transgressões, dentre outras, as graves. Objetivos: O incipiente mérito de
comparação das transgressões de natureza grave das duas instituições militares citadas se
limita aos incisos que se evidenciam em comum equivalência com relação à atenção
despendida ao controle das condutas policiais relacionados às ofensas concretas que ferem ao
bem comum da sociedade. Material e Métodos: O objeto de estudo analisado foi extraído do
Artigo 13 da Lei 14.310, de 19 de junho de 2002 que dispõem dobre o Código de Ética e
Disciplina dos Militares do Estado de Minas Gerais e do Artigo 13 da Lei Complementar 893,
de 09 de março de 2001 que institui o Regulamento Disciplinar da Polícia Militar do Estado
de São Paulo. A adoção da metodologia comparada se destina à análise do objetivo elencado.
Resultados: Foram analisados 20 incisos dispostos no Artigo 13 da Lei 14.310/02 e 54
incisos do Artigo 13 da Lei Complementar 893/01 que se referem às transgressões graves. Do
total das 74 condutas em análise, apenas 18 se referem ao cometimento contra o bem comum
da comunidade, as outras 56 se referem diretamente às cometidas em desfavor das instituições
militares analisadas ou seus integrantes. Conclusão: As espécies analisadas são genéricas em
ambos os códigos deontológicos. No que se referem às condutas dos militares contra o bem
comum social se apresentam abstratas e limitam os militares apenas à disciplina da própria
instituição. Tal afirmação se preconiza nas inúmeras normas que visam apenas à manutenção
interna, mesmo que se abjure da proteção da sociedade contra os próprios protetores. A falta
de uma articulação das normas contidas nestes códigos que possam se relacionar com os
anseios da comunidade contribuem indiretamente para a perpetuação de uma sociedade cada
vez mais dividida entre ricos e pobres, negros e brancos, homens e mulheres, executivos e
“executados”.
Palavras-chaves: Instituição Militar, Transgressões, Bem social.
Referências:
Lei nº 14.310 de 19 de junho de 2002. Dispõe sobre o Código de Ética e Disciplina dos
Militares
do
Estado
de
Minas
Gerais.
Disponível
em:
http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=Lei&num=14310
&ano=2002 > Acesso em: 21 out. 2015.
Lei Complementar nº 893 de 09 de março de 2001. Institui o Regulamento Disciplinar da
Polícia
Militar
do
Estado
de
São
Paulo.
Disponível
em:
http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei.complementar/2001/lei.complementar-89309.03.2001.html > Acesso em: 21 out. 2015.
Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) com
enfoque no E-Social – Adequação dos Procedimentos nos
Escritórios Contábeis de Muzambinho E REGIÃO.
Alessandra Aro Ribeiro da Silva1, Adilson Torres2
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Introdução: A legislação tributária, em especial no que se diz respeito às obrigações
acessórias, tem sofrido com o passar dos anos constantes mutações, não somente legais, mas
principalmente práticas. Atualmente, a tecnologia da informação está cada vez mais
consolidada dentro das organizações contábeis, o que tornou os processos muito mais ágeis e
práticos. Objetivo: Este artigo teve como objetivo identificar os fatores pertinentes à
preparação dos escritórios contábeis para adequação dos procedimentos internos e externos
para atendimentos das obrigações acessórias em ambiente SPED, especificadamente o eSocial, que visa unificar o envio das informações pelo empregador ao fisco de seus
empregados; com isso evidenciar quais as dificuldades encontradas nos escritórios contábeis
na preparação para implantação do e-Social e quais procedimentos já estão sendo
introduzidos. Material e Métodos: Com a finalidade de atingir o objetivo proposto, utilizou se neste artigo a pesquisa bibliográfica, onde foram utilizados livros e artigos sobre o assunto
pesquisado. A pesquisa se enquadrou quanto aos meios como descritiva e exploratória. Para a
pesquisa de campo realizou a coleta de dados, utilizando-se da técnica de aplicação de
questionário direcionado aos escritórios contábeis de 06 municípios. Resultados: Com a
coleta de dados verificou-se que, mais da metade dos escritórios contábeis estão realizando
especializações e treinamentos sobre o e-Social através de palestras e participações em cursos;
e preparando para planejar e executar as mudanças necessárias revisando as informações
cadastrais dos empregados, orientando os empresários sobre as mudanças que irão ocorrer;
em relação às dificuldades encontradas pelos escritórios contábeis para a implantação do eSocial, está sendo sensibilizar os empresários e adequar os procedimentos e processos
internos, uma vez ocorrerá uma mudança cultural nas empresas. A maioria dos entrevistados
respondeu que o maior beneficiário com a implantação do e-Social será o governo, pois
diminuirá as fraudes e perdas no sistema de arrecadação. Conclusão: Com a implantação do
SPED, especificamente do e-Social, haverá uma grande mudança tanto operacional quanto
cultural nas empresas e escritórios contábeis, especificamente no departamento pessoal, uma
vez que todas as informações trabalhistas e previdenciárias relativas aos empregados serão
enviadas diariamente ao Fisco. Os escritórios contábeis a partir dessa implantação terá que
participar mais efetivamente das rotinas internas das empresas-clientes, para com isso tentar
evitar que paguem multas pela não entrega das informações. Conclui-se a importância dos
escritórios contábeis estar aperfeiçoando seus profissionais ao máximo, essencialmente no
que se diz respeito ao SPED como um todo, pois ele por ser uma exigência do Fisco, que
norteará a forma de contabilizar as informações, tornando-as mais práticas e eficientes.
Palavras-chaves: Sistema Público de Escrituração Digital, e-Social, Escritórios Contábeis.
Referências:
BRASIL. Receita Federal. Sistema Público de Escrituração Digital – SPED contábil – O
que é. Disponível em: <http://www1.receita.fazenda.gov.br/sistemas/sped-contabil/o-quee.htm>. Acesso em: 14 de março de 2015.
CASAMENTO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO UMA NOVA FORMA DE CONSTITUIÇÃO DA
FAMÍLIA.
VALLE, Donizete Delorenzo Ribeiro do1 - [email protected]
Introdução: O presente artigo pretende demonstrar os avanços que resultaram no conceito de
família e do casamento o qual deixou de restringir a união heterossexual, entre o homem e a
mulher, mas para admitir a união homossexual entre pessoas do mesmo sexo. O grande marco
legal em nosso país para esta mudança foram julgamentos conduzidos pelo Supremo Tribunal
Federal – STF ao julgar a Ação Direita de Inconstitucionalidade – ADIN 4277/DF bem como
a Arguição de Descumprimento de Preceito Legal – ADPF 32/RJ, onde a Corte declarou ser
possível a União Estável homoafetiva reconhecendo todos os direitos conferidos a União
Estável entre um homem e uma mulher comparando-os as uniões heterossexuais. Por força
constitucional, as decisões do STF são vinculantes, de aplicação imediata, eis que não cabem
recursos e tem efeitos “erga omnes”. Assim, o art. 1.723 do Código Civil passou a ter maior
dimensão, não restringindo a União Estável entre o homem e a mulher mas também a pessoas
do mesmo sexo e mais, possibilitando a sua conversão em casamento conforme ditames do
art. 1.726 do Código Civil. Para tanto, diante da omissão da lei o juiz deve decidir, de acordo
com os costumes e com os princípios gerais de direito. Por fim, o Conselho Nacional de
Justiça – CNJ publicou a Resolução nº 175 de 14/05/2013 que dispõe sobre a habilitação, a
celebração de casamento civil ou de conversão de União Estável em casamento entre pessoas
do mesmo sexo, pondo fim a qualquer óbice no que se refere ao casamento civil ou conversão
da União Estável em casamento entre pessoas do mesmo sexo. Objetivo: O objetivo é
demonstrar a inexistência de vedações legais para celebração de casamento civil ou a
conversão da União Estável entre pessoas do mesmo sexo, analisando os fundamentos
colhidos de julgamentos neste sentido, junto ao Superior Tribunal de Justiça – STJ, bem como
junto ao Supremo Tribunal Federal – STF e que resultaram na edição da Resolução 175 pelo
CNJ, abordando os princípios constitucionais que suportaram esses avanços na constituição
da família, analisada por um novo prisma.
Palavras-chave: União Estável. Conversão. Casamento Civil.
Referências:
DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro: direito de família. v.5. 29ª ed. São
Paulo: Saraiva, 2014.
GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro: direito de família. v.6. 10ª ed. São
Paulo: Saraiva, 2013
STF
ADI
4.277:
disponível
em
<http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/
paginador.jsp?docTP=AC&docID=628635> Acesso em: 21/10/2015.
ADPF
132:
disponível
em:
<http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador
.jsp?docTP=AC&docID=628633> Acesso em: 21/10/2015.
CNJ RESOLUÇÃO 175/2013: disponível em: <http://www.cnj.jus.br/images/imprensa/
resolu%C3%A7%C3%A3o_n_175.pdf> Acesso em 21/10/2015.
STJ
RESP
1.183.378/RS:
disponível
em:
<http://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/21285514/ recurso-especial-resp-1183378-rs-20100036663-8-stj/inteiro-teor-21285515> Acesso em: 21/10/2015.
Professor MSc. Docente do Curso de Direito do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé –
UNIFEG.
1
PREVENÇÃO DE ERROS E FRAUDES E A
CREDIBILIDADE DAS INFORMAÇÕES – UM
ESTUDO TEÓRICO SOBRE A EFICIÊNCIA DO
CONTROLE INTERNO.
Aline de Fátima Coelho1, Ana Cristina Campo Prado Teixeira2, Thaís Aparecida da Silva3
1
2
Discente do curso de Contabilidade, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Docente do curso de Contabilidade, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
3
Discente do curso de Contabilidade, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: A busca pelas empresas em diminuir seus riscos nas tomadas de decisões propõe
uma reflexão sobre a importância de um controle interno eficiente a fim de evitar atos
fraudulentos ou errôneos que possam ocorrer dentro das empresas, um controle interno
eficiente e a boas práticas administrativas geram maior credibilidade para as empresas. Porém
o controle interno somente é capaz de evitar fraudes e erros através da criação de
procedimentos precisos e com o comprometimento de seus membros. Para organizar este
controle uma das metodologias utilizada pelas empresas é a controladoria, que foca seus
esforços na otimização da empresa com um controle interno que envolva todas as áreas,
gerando qualidade e transparência nas informações em tempo hábil para as tomadas de
decisões, uma boa organização e transparência nas informações são requisitos para a boa
Governança Corporativa. Estes controles devem ser comprovados e medidos e avaliados, isto
é feito através da auditoria interna que é uma área dentro da empresa que tem como objetivo
validar as informações geradas pelos seus próprios controles, fazendo com que esses controles
fiquem cada vez mais eficientes, outra ferramenta é a auditoria externa é uma verificação de
informações feitas por empresas externas e independentes que geram informações para
usuários externos com credibilidade. Objetivo: É evidenciar a importância do controle
interno eficiente na prevenção de erros e fraudes, o que assegura que a confiabilidade gere
informações confiáveis que possibilite a real avaliação da empresa por usuários internos e
externos. Metodologia: Foi realizada uma revisão bibliográfica como instrumento de coleta
de informações. A fim de analisar o que alguns autores consagrados na área de controladoria e
auditoria têm a nos transmitir sobre os benefícios da utilização de ambas as áreas.
Resultados: Com as informações obtidas nas analises dos estudos teóricos observa-se como o
controle interno esta cada vez mais ganhando espaço dentro das empresas, porem nada valera
as informações se as mesmas não passarem por parecer de auditoria interna ou externa
Conclusões: Conclui-se que o controle interno estrutura suas informações de acordo com a
necessidade de cada empresa, e que o mesmo além diminuir atos fraudulentos e errôneos
oferece para as entidades benefícios internos e externos tornando-a mais confiável. É
importante ressaltar a importância do comprometimento e a ética de seus colaboradores,
respeitando as normas e procedimentos criados de forma fidedigna.
Palavras-Chave: Fraude, Controladoria, Auditoria.
Referências:
ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. AUDITORIA. 6º ed. São Paulo: Atlas, 2003.
ATTIE, William. AUDITORIA: CONCEITOS E APLICAÇÕES – 3° ed. São Paulo: Atlas,
1998.
CREPALDI, Silvio Aparecido. AUDITORIA CONTÁBIL: TEORIA E PRÁTICA. 6° ed. São
Paulo: Atlas, 2010.
FIGUEIREDO, Caggiano, Paulo Cesar. CONTROLADORIA: TEORIA E PRATICA. São
Paulo: Atlas, 2004.
HERNANDEZ, José Perez Junior. AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS:
NORMAS E PROCEDIMENTOS, 2º ed. São Paulo: Atlas, 1998.
GOVERNANÇA CORPORATIVA: AS BOAS
PRÁTICAS NA GESTÃO DAS EMPRESAS
Luana Aparecida Buschini1, Patrícia Taís Basílio1, Ana Cristina Campos Prado Teixeira2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O tema Governança Corporativa vem despertando o interesse nas áreas
empresariais, acadêmicas e sociais, devido a uma série de escândalos corporativos que
provocaram prejuízos incalculáveis a economia mundial. A Governança Corporativa não é
definida por único conceito, mas todos eles se identificam em termos de concepções,
fundamentos e maneiras de execução. Em síntese, a Governança Corporativa está ligada à
gestão das corporações, e sua relação com os demais agentes envolvidos, como os
proprietários, investidores, gestores, acionistas, fornecedores, empregados entre outros;
baseando-se em princípios de transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade
corporativa. Esses princípios foram convertidos em recomendações de boas práticas de
Governança Corporativa. A Governança Corporativa surgiu para combater os conflitos de
agência, decorrente da assimetria informacional e dos conflitos de interesses das partes
relacionadas, e de outros desalinhamentos nas empresas. No Brasil, o primeiro código de
governança corporativa foi produzido pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa
(IBGC), tendo como intuito indicar os caminhos de boas práticas para todos os tipos de
empresas. Objetivos: Objetivo deste estudo foi conceituar Governança Corporativa e analisar
sua importância na gestão das empresas, e procurou responder o seguinte questionamento:
Quais os benefícios adquiridos pelas empresas que aderem as boas práticas de Governança
Corporativa? Material e Métodos: Foi feita uma pesquisa qualitativa, bibliográfica, com
características descritivas, utilizando livros, artigos, dissertações de mestrado e doutorado.
Conclusão: Conclui-se, que o problema da pesquisa foi respondido, no momento em que fica
evidenciado que a adoção das boas práticas de Governança Corporativa pode trazer para as
companhias inúmeros benefícios, tais como: a redução dos conflitos de interesses entre as
partes envolvidas; diminuição da assimetria de informação; facilidade ao acesso ao capital;
valorização das companhias; maior acesso ao mercado; e maior segurança nos direitos dos
proprietários. O objetivo proposto também foi alcançado, quando relata que a adoção das boas
práticas de Governança Corporativa é de grande importância para a eficiência econômica,
pois estabiliza o mercado acionário como alternativa de investimentos no país, fazendo com
que as empresas sejam mais fortes e competitivas. Destaca-se ainda, que qualquer tipo de
corporação pode adotar a boa governança, mas vale ressaltar, que ao aderir às boas práticas de
Governança Corporativa as corporações encontram algumas restrições como os custos de
acompanhamento e controle das ações dos gestores. A pesquisa possui algumas limitações,
por tratar- se apenas de uma pesquisa qualitativa, bibliográfica; e por o tema Governança
Corporativa ter muito a pesquisar. Sugere-se para as próximas pesquisas um estudo de caso
para cruzar a teoria com a prática e maior aprofundamento sobre o tema.
Palavras Chaves: Benefícios; boas práticas; governança corporativa.
Referências:
ANDRADE, Adriana; ROSSETTI, José Paschoal. GOVERNANÇA CORPORATIVA:
Fundamentos, Desenvolvimento e Tendências. 2º Ed. São Paulo: Editora Atlas S.A, 2006.
A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL
E FISCAL PARA AS EMPRESAS
Gustavo Marques Silva1; Alan Vieira Silva1, Flavio Eduardo Brigagão de Carvalho2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução As mudanças no ambiente econômico empresarial são uma realidade
contemporânea. Em um ambiente globalizado e em plena era da informação as tomadas de
decisão dos gestores de empresas precisam ser cada vez mais rápidas. As empresas e suas
demandas por informações estão em constante evolução e isto influencia o papel da
contabilidade dentro das organizações ao longo desse desenvolvimento. A contabilidade é
uma ferramenta de grande importância para as empresas, por meio dela é que as informações
são organizadas na empresa e servem de subsídios aos processos decisórios tanto dos atores
internos como externos de uma organização, além de ser por meio destas que é feita a
fiscalização das atividades empresariais. Assim, o presente estudo apresentará a importância
da contabilidade gerencial e fiscal no contexto administrativo de uma organização
empresarial. Objetivos: O objetivo deste estudo é compreender a importância da
contabilidade gerencial e fiscal para as empresas. Como objetivos específicos destacam-se:
conhecer a importância da contabilidade financeira e sua história; compreender o conceito da
contabilidade gerencial e fiscal e sua história. Material e Métodos: O método da pesquisa é a
Revisão de Literatura que buscará em livros e revistas científicas conteúdos que possibilitem
o conhecimento objetivado sobre a matéria. O estudo do tema se justifica pela importância
que representa na atuação do profissional de contabilidade que irá atuar nas empresas e
precisa estar ciente e consciente de seu papel e da importância da contabilidade gerencial e
fiscal até para que execute seu trabalho com eficiência e eficácia para a empresa. Conclusão:
O presente artigo cumpre o objetivo de pesquisa que se propôs ao apresentar a importância da
contabilidade geral e fiscal para as empresas da atualidade, a primeira de forma mais
aprofundada devido à sua importância e correlação com os aspectos administrativos da
organização, e a segunda, pela necessidade de a empresa cumprir suas obrigações tributárias
para manter-se em atividade. A Contabilidade Fiscal é necessária e importante para subsidiar
a relação da empresa com os órgãos estatais aos quais está obrigada ao recolhimento de
impostos, taxas e tributos incidentes sobre as atividades que exerce. A Contabilidade
Gerencial amplia a atuação da contabilidade geral após evoluir e se tornar uma parceira da
administração da empresa na busca pelos resultados econômicos e financeiros. Assim a
Contabilidade Gerencial passou a ser essencial nos processos decisórios das empresas,
subsidiando informações aos gestores para que estes tomem decisões mais fundamentadas à
realidade econômico-financeira da empresa tanto a curto, como no longo prazo. Por meio de
sistemas de informações contábeis, a contabilidade gerencial atua junto com a administração
da empresa, subsidiando informações tanto atuais como projeções futuras, para que as
decisões contribuam para os objetivos da gestão e conseqüentemente para o sucesso e
crescimento das empresas da atualidade.
PALAVRAS-CHAVE: Contabilidade. Gerencial. Empresa. Fiscalização.
Referências:
PADOVEZE, Clóvis Luís. Contabilidade Gerencial. Curitiba: IESDE Brasil S/A, 2012
O GESTOR ESCOLAR E SUA FORMAÇÃO
1
Daniele da Silva Oliveira1;Marilda Rabelo Ribeiro do Valle2
Discente do curso de Pedagogia, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Pedagogia, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: O presente artigo tem como proposta a atuação do gestor até assumir o cargo de
diretor e sua formação. Sendo o gestor o mediador e articulador de todos os processos e
resultados da escola, cabe a ele exercer seu trabalho de acordo com o projeto politico
pedagógico e conhecer os fundamentos educacionais de uma gestão com qualidade. Ser um
gestor de qualidade engloba estar atendo a todo acontecimento da escola, buscando a
participação de todos, sendo ele o articulador de vários segmentos da escola sejam eles
internos e externos, dessa forma sua missão é de integrar ações que possibilitem a formação
dos alunos. Objetivos: Nosso objetivo é definir quais são os requisitos necessários para ser
um gestor escolar, atuando como um líder visando o bem comum de todo o âmbito escolar,
não deixando de lado a hierarquia e respeito para um ambiente que busca aprendizado dos
seus alunos. Material e Métodos: Utilizamos a metodologia bibliográfica, com embasamento
teórico e a diversidade de autores, buscando de cada um sua visão em relação ao tema para
que compuséssemos o objetivo proposto através dos livros que nos descrevessem a ação e a
definição do gestor escolar e sua experiência diante da formação e da administração na busca
por uma escola transformadora que visa o aprendizado e a permanência dos alunos.
Resultados: Vimos com nosso estudo que para ser um gestor se faz necessário a formação
diante de um processo de crescimento educacional, até conseguir atingir os requisitos
necessários para assumir o cargo de diretor. Dessa forma alguns autores equiparam que para a
formação necessária desse profissional é exigido cursos de formação e especialização na área,
da mesma forma que é exigido dos professores. Existem algumas modalidades e processos
para que um diretor seja eleito, podendo variar de acordo com a escola, sendo por indicação
de sócios, processo seletivo, voto direto, listas tríplices e concurso público. Contudo
observamos que o diretor pode assumir o cargo de diversas formas, mas para que permaneça
nele é necessário dinamismo e zelar pelos cumprimentos de regras estabelecidas
democraticamente. Conclusão: Concluímos que o gestor tem papel fundamental na direção
escolar e que sua formação é necessária para que atenda ao resquisitos de um líder,
assumindo a respoonsabilidade de estar a frete das decisões. Cabe ao gestor buscar o melhor
caminho, aceitando as diferenças e mantano sua hierarquia cumprindo as regras estabelecidas
pelas políticas públicas e sendo sua gestão coerente com a missão da escola e o projeto
político pedagógico.
Palavras-chaves: educação, desafios, responsabilidade, liderança.
Referências: FERREIRA, Naura S. Carapeto (Org.), Gestão Democrática da Educação: atuais tendências,
novos desafios. São Paulo: Cortez, 2001. LÜCK, Heloísa, Concepções e Processos Democráticos de Gestão
Educacional. Petrópolis,RJ: Vozes, 2008. LIBÂNEO, José Carlos, Didática. São Paulo: Cortez, 1994 PARO,
Vitor Henrique, Crítica da Estrutura do ensino da Escola. São Paulo: Cortez, 2011. PARO, Vitor Henrique,
Gestão escolar, Democracia e qualidade do ensino. São Paulo: Ática, 2007. PLACCO, Vera; ALMEIDA,
Laurinda, O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola. São Paulo: Edições Loyola, 2003. SANTOS,
Clóvis Roberto dos. Ética, Moral e Competência dos profissionais da Educação. São Paulo: Avercamp, 2004.
SCHLÖGEL, Engelbert. Gestão: o novo desafio para a escola pública. Curitiba: E. Schlögel, 2004.
VASCONCELOS, Celso dos Santos, Coordenação do Trabalho Pedagógico: do projeto politico-pedagógico
ao cotidiano da sala de aula. São Paulo: Libertad Editora, 2006.
O ASSÉDIO MORAL NO AMBIENTE DE TRABALHO
Mariana Coragem Sabbag¹, Natal do Reis Carvalho Júnior²
Discente do curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: O presente trabalho aborda o tema do assédio moral, particularmente no que se
refere a pratica decorrente das relações de trabalho. Ao tratarmos do assédio moral como
conduta violadora de garantias e direitos inerentes ao trabalhador, relevante se fez esmiuçar
suas consequências. Procuramos entender como o assédio moral viola os direitos e garantias
e por qual meio se faz possível invoca-las afim de frear referida conduta. Objetivos: A
pesquisa foi desenvolvida com o propósito de esclarecer o seu conceito, definições,
disseminando os reflexos que causam à saúde do trabalhador, bem como pratica transgressora
que é, dos princípios e proteções legais dadas a classe trabalhadora. Material e Métodos: O
estudo pautou-se na metodologia de revisão literária e consultas bibliográficas que permitiu a
análise de fontes primárias como os artigos científicos, livros, e, alguns projetos de lei. Como
fontes secundárias, alguns periódicos pelo meio eletrônico e jurisprudências, todas, com a
finalidade de agregarmos o maior número de informações possíveis e essenciais para o
trabalho. Resultados: Constatamos que se trata de assunto ainda muito desconhecido,
procuramos examinar se há disposição legal em nosso ordenamento jurídico capaz de regular
tais condutas abusivas. Nos foi possível conhecer alguns projetos de lei ainda em votação.
Pudemos constatar que as Leis trabalhistas, ao se ancorar nos princípios constitucionais,
conferem certa segurança ao trabalhador, ainda que parcialmente. Todavia, tomamos
conhecimento de que um projeto de Lei em especial propõe que o assédio seja tratado como
norma penal, dada a gravidade de suas ações e das consequências destrutivas que causam ao
ofendido. Necessário ainda dizer, que mesmo antes ser concebida como norma penal,
encontra respaldo na seara trabalhista, além da civil no que concerne aos danos causados,
sendo passível, a sua reparação. Insta salientar ainda, que há na doutrina e na legislação,
dispositivos que possibilitam a responsabilização do agressor, bem como solidariamente do
empregador. Conclusão: Através do presente feito, pudemos constatar quão abusiva e
destruidora é a conduta do assédio moral, que se trata de um problema grave e de natureza
social, que demanda a atenção e o envolvimento dos grandes sujeitos envolvidos com a seara
trabalhista. Ficou claramente demonstrado que como pratica combatente de tal conduta, não
basta a elaboração de normas, se os indivíduos não se conscientizarem que a responsabilidade
se encontra inerente a cada um de nós enquanto personagens de uma sociedade. Propõe ainda,
alguns estudiosos mais dedicados que sejam elaboradas campanhas e alertas dentro das
próprias empresas afim de que combatam este mal. Por fim, lança um alerta aos grandes
empresários e empregadores, afim de conscientizá-los de suas responsabilidades no ambiente
laboral.
Palavras-chaves: assédio moral, saúde do trabalhador, conduta agressora.
Referências:
ALKIMIN, Maria Aparecida. ASSÉDIO MORAL NA RELAÇÃO DE TRABALHO.
Curitiba: Juruá, 2013.
DINIZ, Maria Helena. CURSO DE DIREITO CIVIL BRASILEIRO: Responsabilidade Civil.
São Paulo: Saraiva, 2015.
HIRIGOYEN, Marie-France. ASSÉDIO MORAL: A violência perversa do cotidiano.
Tradução de Maria Helena Kuhner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.
CASAMENTO HOMOAFETIVO E A HOMOLOGAÇÃO
DE DIREITOS
Thaianny L. D. Fernandes1, Thaianny L. D. Fernandes 1; Thaianny L. D. Fernandes 1, Fabiana
Mª. Martins G. de Castro2
1
Discente do curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: O presente trabalho trata das relações homoafetivas no século XXI, envolvendo
questões relacionadas à legislação atual e a polêmica desse novo modelo de família. Embora
algumas jurisprudências já aceitem a união homoafetiva, baseadas no Princípio da Isonomia,
tal união ainda gera muita rejeição, principalmente por influência da Igreja Católica. Para tal,
utiliza-se como pressupostos metodológicos a Constituição Federal de 1988, o Código Civil
de 2002, bem como julgados históricos e conceitos dos mais renomados doutrinadores. Em
um primeiro momento estabelece-se uma discussão a respeito da Evolução da Família até os
dias atuais, onde surgiu o novo modelo de instituição familiar. No segundo capítulo o trabalho
discorre sobre a influência da Igreja Católica por meio dos condicionamentos ideológicos,
segundo Karl Marx, determinantes de como sentir, pensar e agir. Ainda, relata as bases
constitucionais do Direito de Família, apontando os mais importantes e indispensáveis
princípios garantidores dos direitos humanos, e a união homoafetiva sob a perspectiva dos
Tribunais Brasileiros. No último capítulo, aborda-se os elementos gerais e específicos
relativos a sucessão nas relações homoafetivas. E por fim, analisa-se a questão sob a
perspectiva de uma resolução histórica, por meio da qual se mostra como o problema busca
uma solução adequada para o reconhecimento da união homoafetiva como entidade familiar,
resguardando-lhes direitos e deveres homólogos a qualquer outro tipo de relacionamento.
Objetivos: O objetivo geral é discorrer sobre a evolução histórica e jurídica da sociedade
familiar, onde os objetivos específicos concernem na evolução histórica das uniões
homoafetivas, direitos aplicáveis e posicionamento dos Tribunais Brasileiros. Material e
Métodos: No desenvolver do trabalho, utiliza-se como pressupostos metodológicos a
Constituição Federal de 1988, o Código Civil de 2002, bem como julgados históricos e
conceitos dos mais renomados doutrinadores. Resultados: O presente trabalho visa o devido
reconhecimento ás uniões homoafetivas, para homologação de todos os direitos aplicáveis a
qualquer pessoa, independentemente de sua opção sexual.
Conclusão: Por fim, é imperioso o reconhecimento de tal instituição familiar, haja vista base
constitucional, que garante o direito a dignidade humana, para qualquer pessoa, isto é, garante
o livre arbítrio para construir sua família, seja ela hetero ou homoafetiva. E o conceito de
família no século XXI nada mais é que do que “união entre duas pessoas”.
Palavras-chaves: União Homoafetiva. Influencias ideológicas. Princípios constitucionais.
Pluralismo das entidades familiares. Direito das Sucessões.
Referências:
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: DF, Senado, 1988.
DIAS, Maria Berenice; Manual de direito das famílias. 9. ed. São Paulo: Editora Revista
dos tribunais, 2013, p. 42-43.
DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro: direito das sucessões. São Paulo:
Saraiva, 2011, p.13-14, v.6.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2013. p.
1044.
TEPEDINO, Gustavo. Temas de direito civil. 3. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2004, p. 398.
IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DO ITBI NA
TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE CONSTRUIR
SOBRE BENS IMÓVEIS TOMBADOS E DIREITO
FUNDAMENTAL À MEMÓRIA DO PATRIMÔNIO
CULTURAL
VERSOLA; Humberto Luis2
[email protected]
RESUMO: Introdução: O meio ambiente caracteriza-se por sua multidiversidade ao abranger bens
jurídicos distintos e essenciais para a realização da dignidade humana. Assim, no âmbito dos
interesses difusos surge a necessidade da tutela jurídica do meio ambiente cultural, uma vez que a
partir do momento em que um bem é reconhecido como patrimônio histórico-cultural, através da
existência de nexo vinculante com a identidade e a memória dos diferentes grupos formadores da
sociedade brasileira, o mesmo integra-se ao direito ambiental e, em razão disso, torna-se um bem
jurídico difuso, impondo-se assim, a tutela sócio-jurídica ao mesmo. Objetivo: O presente artigo
tem por objetivo geral realizar um breve estudo do ponto de vista jurídico sobre a implantação de
um sistema tributário ambiental-cultural, através do qual o ITBI (Imposto sobre transmissão inter
vivos) possa ser utilizado como instrumento jurídico-econômico na política de gestão do direito
fundamental à memória, uma vez que a tutela do patrimônio cultural, indiscutivelmente, tornou-se
um tema a ser enfrentado a partir da perspectiva de uma vida humana com dignidade. Discussão:
Sobre o assunto, nossa Constituição dispõe como direito fundamental o direito à memória, e por
conseguinte, o Estado passou a ter o dever jurídico obrigacional de elaborar e implantar políticas
públicas que materializem a realização desse direito. Surge assim, a necessidade de implantação de
uma política pública tributária de natureza constitucional que amplie os incentivos legais infraconstitucionais na preservação da memória e ainda, atue na resolução da colisão entre os direitos
fundamentais da memória e da propriedade, a qual será alcançada através da implantação da
imunidade objetiva em negócios jurídicos sobre bens imóveis tombados. Assim sendo, a imunidade
do ITBI sobre a transferência do direito de construir deverá ocorrer em face dos bens imóveis
tombados com potencial de ampliação. Conclusão: Em resposta à colisão de direitos fundamentais,
passou-se à análise sobre o ITBI na dimensão prestacional do direito à memória, que consiste na
possibilidade de participar da elaboração de políticas públicas voltadas para a conservação do
patrimônio cultural, bem como na utilização desses bens que integram o patrimônio. Assim sendo, a
imunidade objetiva do ITBI apresenta-se como o pilar de sustentação na construção de um sistema
tributário ambiental cultural, onde a regra jurídico-constitucional desponta como o veículo
fundamental da respectiva imunidade, uma vez que impede a ocorrência do fato gerador da
obrigação tributária. Metodologia: Adota-se, para os fins de desenvolvimento do artigo científico, o
método jurídico-dedutivo, através da análise qualitativa consolidada pelo levantamento legislativo e
bibliográfico, a fim de se obter fundamentos suficientes para a compreensão do alcance e conteúdo
do tema em debate.
PALAVRAS-CHAVE: ITBI; imunidade; tombamento; direito fundamental à memória;
2
Mestre em Direito pela UNESP; Professor do Curso de Direito do UNIFEG. Advogado.
FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA PARA
TOMADA DE DECISÕES
Marcelo Escarassatti Martins¹ , Orientador: Antônio Carlos Pereira²
¹ Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
² Docente do curso de Ciências Contábeis , UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: O tema do presente trabalho é a importância do planejamento do fluxo de caixa
para a tomada de decisão. O fluxo de caixa é de fundamental importância para as pequenas ,
médias e grandes empresas, pois constitui- se numa indispensável sinalização dos rumos
financeiros dos negócios, auxilia a encontrar as potencialidades e fragilidades relativas à área
financeira , avalia as alternativas de investimento e controla, ao longo do tempo, as decisões
importantes que são tomadas, verificando a situação presente e futura. toda empresa que
almeja ter sucesso necessita de um fluxo de caixa gerenciado, para que o planejamento
financeiro seja preponderante nas tomadas de decisões.Objetivos: Principal - é analisar o
fluxo de caixa e sua relevância para as decisões gerenciais. específicos- teorizar sobre o
planejamento financeiro, suas funções e objetivos, verificar a importância das informações e
avaliar os principais aspectos do fluxo de caixa . Materiais e Métodos Buscando uma
fundamentação teórica sobre importância do planejamento do fluxo de caixa para a tomada de
decisão este trabalho tem como base a pesquisa bibliográfica em livros, revistas e periódicos,
páginas eletrônicas, entre outros. O método utilizado é a revisão de literatura ou
fundamentação teórica.Resultados : Os resultados mostram que através do fluxo de caixa, a
empresa terá em mãos um retrato fiel sobre sua movimentação financeira, desde a
implementação, controle e análises, gerando melhores dados para tomadas de decisões. É,
desta forma, essencial para que as empresas tenham sucesso, pois sem o fluxo de caixa as
instituições ficam impossibilitadas de terem um planejamento correto e uma administração
sadia.Conclusão : Com o desenvolvimento deste trabalho, concluímos que o fluxo de caixa é
um instrumento de controle que tem por objetivo auxiliar a tomada de decisões sobre a
situação financeira da empresa. Consiste em um relatório voltado para a gestão que lida com
toda a questão da movimentação de recursos (entradas e saídas de dinheiro), portanto, é
extremamente importante para as organizações.
Palavras-chave: fluxo de Caixa, gestão , planejamento financeiro.
Referência:
ASSAF, A. S. Administração do Capital de Giro. São Paulo: Atlas,1997.
BRAGA R. Fundamentos e Técnicas de Administração Financeira. São Paulo: Atlas, 1989.
GITMAN, L. J. Princípios de Administração Financeira. São Paulo: Harba 1997.
PARISI, C.; MEGLIORINI, E. Contabilidade Gerencial. São Paulo: Atlas, 2011.
HORNGREN, C. T.; SUNDEM, G. L.; STRATTON, W. O. Contabilidade gerencial. São
Paulo: Prentice-Hall, 2004.
IUDÍCIBUS, S.; MARTINS, E.; GELBCKE, E. R. Manual de Contabilidade das
Sociedades por Ações: aplicável às demais sociedades. São Paulo: Atlas, 2003.
LOPES, A. B.; MARTINS, E. Teoria da contabilidade uma nova abordagem. São Paulo:
Atlas, 2005.
ROSS, S. A. et al. Administração financeira. São Paulo: Atlas, 1995.
PRINCÍPIO DO PROMOTOR NATURAL
3
1
Elias de Oliveira Ribeiro , Jayne Luisa Tomé2; Natal dos Reis Carvalho Júnior3
1
Discente do curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Discente do curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
3
Docente do curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: O princípio do promotor natural veda a nomeação do promotor de exceção
ou promotor ad. hoc. Determinando que só deva atuar nas causas os promotores préconstituídos, ou seja, constituído antes de acontecer determinado fato.
Além de assegurar a independência funcional ao membro do Parquet, também assegura
os direitos subjetivos do cidadão, pois estes somente são respeitados na medida em que sejam
vedadas designações arbitrárias de membros do Ministério Público.
Objetivos: Objetiva-se que o princípio do promotor natural seja a regra, que seja
reconhecido e aplicado dentro do nosso sistema jurídico. Somente em casos de extrema
excepcionalidade que o Procurador Geral de Justiça poderá designar promotor para um
determinado caso, tendo de haver razões concretas para esse ato e a anuência do promotor
natural do caso.
Material e Métodos: Entende-se que esse princípio tem previsão implícita na
Constituição Federal em seu artigo 5°, incisos XXXVII e LIII que rezam que não haverá nem
juízo nem tribunal de exceção e que ninguém será processado nem sentenciado, senão pela
autoridade competente. Portanto, não está expressamente previsto em nosso ordenamento
jurídico, mas a jurisprudência atual, inclusive a do Supremo Tribunal Federal reconhece o
princípio.
Vale dizer que não foi sempre assim, a Suprema Corte já declarou inexistente o princípio
do promotor natural, como exemplo temos o HC n° 84.468 1. No entanto, com o advento da
Lei Orgânica do Ministério Público em 1993 houve certas mudanças e o STF começou a
admitir o princípio, por exemplo, no HC n° 67.759/RJ 2.
Com a lei orgânica do ministério público, reforçou-se ainda mais o princípio da garantia
de inamovibilidade dos membros do Ministério Público que vem expresso no Art.128°§5°,
inciso I, alínea B, da Constituição Federal. O que nos leva a questionar do que adiantaria
garantir a inamovibilidade do membro do Ministério Público se fosse possível a retirada
arbitrária de suas funções naquele local, repassando-as a outro.
Resultados: Visa garantir ao cidadão um julgamento limpo, e uma acusação dotada de
imparcialidade pelo promotor prevento. A inobservância de tal princípio fere o direito
subjetivo do réu. Assim como o réu tem direito a ser julgado por um juízo imparcial, também
terá direito a ser acusado por um órgão imparcial do estado, como uma vertente de um estado
democrático.
Conclusão: Concluimos que a Constituição Federal, assim como o STF adota o princípio
do promotor natural, que foi ainda mais esclarecido e amparado pela lei orgânica do
Ministério Publico. O dispositivo impede que figure no processo os promotores designados
arbitrariamente, não causando nenhuma lesão ao direito subjetivo de cada parte no processo.
3
BRASÍLIA, Supremo Tribunal Federal, HC 84468/ES, Relator: Min. Cezar Peluso. Julgado em 31/05/2005.
Disponível em < http://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/14790347/habeas-corpus-hc-84468-es-stf > Acesso
em: 26 Out. 2015.
2
BRASÍLIA, Supremo Tribunal Federal, HC 67759/RJ, Relator: Min. Celso de Mello. Julgado em 06/08/1992.
Disponível em < http://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/750830/habeas-corpus-hc-67759-rj > Acesso em: 26
Out. 2015.
Infelizmente não é regra no ordenamento jurídico brasileiro, mas não estamos longe de que tal
feito seja realizado. Por esta razão o debate acadêmico do tema é tão relevante.
Palavras-chaves: Princípio Promotor Natural, Promotor Legal, Segurança Jurídica.
Referências:
- BULOS, Uadi Lammêgo. CURSO DE DIREITO CONSTITUCIONAL. São Paulo:
Saraiva, 2012, Página 689/690.
- OLIVEIRA, Eugênio Pacelli de. CURSO DE PROCESSO PENAL. São Paulo: Atlas,
2015, Página 464/471.
- SILVA, José Afonso. CURSO DE DIREITO CONSTITUCIONAL POSITIVO. São
Paulo: Malheiros Editores: 2005, Página 600/601.
- AVENA, Norberto Cláudio Pâncaro. PROCESSO PENAL ESQUEMATIZADO. São
Paulo: Método, 2012, Página 42/43.
- BRASÍLIA, Supremo Tribunal Federal, HC 84468/ES, Relator: Min. Cezar Peluso.
Julgado
em
31/05/2005.
Disponível
em
<
http://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/14790347/habeas-corpus-hc-84468-es-stf > Acesso
em: 26 Out. 2015.
- BRASÍLIA, Supremo Tribunal Federal, HC 67759/RJ, Relator: Min. Celso de Mello.
Julgado
em
06/08/1992.
Disponível
em
<
http://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/750830/habeas-corpus-hc-67759-rj > Acesso em: 26
Out. 2015.
RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO POR
JUSTA CAUSA
Alexandre Donizete Moreira1, Flávia dos Santos Miquelim1; Mauricio Martins2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected],[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG,
[email protected]
Introdução: O presente artigo científico relata a rescisão do contrato de trabalho por justa
causa, que é a forma de dispensa que decorre de falta grave praticada pelo empregado, de
acordo com as hipóteses previstas na lei. Primeiramente foi realizada uma diferenciação entre
relação do trabalho e relação de emprego. Foi possível identificar através do art. 443 da CLT
(Consolidação das leis do trabalhista) que o contrato de trabalho pode ser classificado, quanto
a sua duração, como prazo determinado e prazo indeterminado. Na rescisão do contrato de
trabalho identificou-se que se trata do término do vínculo empregatício, pode ser sem justa
causa quando o empregador toma decisão de dar fim ao contrato de trabalho. E por fim a
rescisão pode ser por justa causa que tem como causa, a falta grave cometida pelo empregado.
E essas faltas graves do empregado são classificadas com base nas hipóteses legais que são
enumeradas no art. 482 da CLT. Objetivos: O principal objetivo do trabalho científico é
demonstrar as situações, na qual o empregador pode rescindir o contrato de trabalho bem
como os direitos que possuem o empregado, dando enfoque à justa causa do empregado.
Material e Métodos: O trabalho foi realizado com base em uma pesquisa bibliográfica,
efetuando leituras em livros e artigos acadêmicos referentes ao assunto. Resultados: A
pesquisa realizada proporcionou aos autores e proporcionará aos leitores um grande
conhecimento sobre o tema, pois se pôde encontra durante a pesquisa grande acervos de livros
e artigos de vários autores diferenciados, que serviram de suporte para a realização deste
artigo. Conclusão: Conclui-se então, diante dos argumentos encontrados, que a diferenciação
da relação de trabalho e a relação de emprego são muito importantes para identificar a origem
do vínculo empregatício entre as partes para validar o contato de trabalho. Na rescisão sem
justa causa atenta-se para a situação de que o empregador não quer mais contar com os
serviços prestados pelo empregado, mesmo tendo obrigação de quitar todas as verbas
rescisórias, a direito de empregado. Diferente da rescisão por justa causa que em razão de
faltas graves cometida pelo empregado, da ao empregador o direito de rescindir o contrato de
trabalho do empregado e não querer contar mais com os seus serviços na empresa e isso se da
pela falta de confiança que o seu ato faltoso proporcionou ao empregador, e além de não
precisar quitar a maioria das verbas e multa rescisórias referentes rescisão, pois pela falta o
empregado perde o direito.
Palavras-Chaves: Contrato de Trabalho; Rescisão; Justa Causa
Referências:
MARTINS, Sergio Pinto. DIREITO DO TRABALHO. São Paulo: Atlas, 2007.
NASCIMENTO, Amauri Mascaro. INICIAÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO. São Paulo:
LTr,2011.
CHA – A DISCUSSÃO DO MEIO AMBIENTE EM
RELAÇÃO AS EMPRESAS
1
SILVA, Hélem Mara de Oliveira do curso de Administração do curso de Administração
UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Monteiro, Cássio Murilo UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução : A presente pesquisa trata do meio ambiente em relação a empresa.O
compromisso com a proteção do meio ambiente levou a muitas empresas há iniciar
transformações voluntárias que as aproximem de posições mais coerentes com os ideais
ecológicos e sustentáveis, que pode contribuir para o desempenho ambiental da empresa,
reduzindo o consumo energéticos, hídricos . A cada dia fica mais óbvio que, para uma
atividade empresarial ser mais eficiente faz-se necessária a introdução de critérios ambientais
no processo produtivo. É por este motivo que o projeto de uma correta gestão empresarial
precisa ser voltado para as questões ambientais. Essa gestão deve visar o uso de práticas e
métodos administrativos para reduzir ao máximo impacto ambiental das atividades produtivas
e comerciais na natureza.
Objetivos: Orientar e conscientizar os funcionários da empresa sobre a importância da
preservação do meio ambiente. Desempenho ambiental reduz o risco, diminui os custos,
aumenta a produtividade. Milhares de organizações trabalham com vantagens sustentáveis
apostando em atividades como: Gerenciar riscos ambientais e garantir o cumprimento, usar
os recursos de forma mais eficientes; Integrar estratégias ambientais com planejamento de
negócios; Melhorar o relacionamento com clientes, fornecedores e comunidade; Envolver e
treinar pessoal para se tornar um empregador sustentável.
Material e Métodos: Buscando analisar a temática proposta a pesquisa foi realizada de
forma descritiva e bibliográfica, e será pautado na investigação no tema proposto, e seus
respectivos efeitos causados e as hipóteses levantadas
Resultados : Percebe-se que a questão ambiental está entre as principais prioridades da
empresa e que ela é uma questão chave para o desenvolvimento sustentado , continuar
melhorando as políticas corporativas, os programas e a performance ambiental tanto no
mercado interno quanto externo, levando em conta o desenvolvimento tecnológico, o
conhecimento científico, as necessidades dos consumidores e os anseios da comunidade,
tendo como ponto de partida as regulamentações ambientais. Ser responsável em relação o
meio ambiente torna conhecida a empresa, pois demonstra aos clientes, fornecedores,
governo e comunidade que a empresa leva as questões ambientais a sério e que desenvolve
práticas ambientais de forma eficiente e também ganha o comprometimento do pessoal com
o crescimento da preocupação ambiental, as pessoas não querem trabalhar em organizações
consideradas como poluidoras do meio ambiente e ter empregados interessados, dedicados
e comprometimento depende também de uma imagem institucional positiva.
Conclusão : Em relação ao meio ambiente as empresas tem cada vez mais lucrado com a sustentabilidade,
as empresas que estão largando na frente estão hoje estudando suas atividades e tentando
equilibrar suas iniciativas nos três campos. Buscam investir em qualidade de vida de seus
funcionários, reduzir os impactos ambientais gerados por suas operações e procuram
manter o resultado positivo em suas finanças.
Responsabilidade Sócio Ambiental , Gestão Ambiental, Meio Ambiente
Referências : Donaire, Denis. Gestão ambiental na empresa. 2 ed. São Paulo Atlas, 2010, pag:21
Dias, Sérgio Roberto . Gestão de marketing. 2 ed. Saraiva,2007 pág:30
Pilger, Rosane Regina. Administração e meio ambiente. Ed Intersaberes pág:40
Violência contra a mulher
Jassiara Francine Oliveira 1 Desiree Albuquerque Biasoli²
¹ Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2 Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Historicamente as mulheres estiveram submetidas à violência. Esta violência
pode ser física, psicológica ou sexual, e perpassam todas as camadas sociais, idades, etnias,
religiões e nacionalidades, atualmente esse quadro ainda é alarmante, o que deixa claro a
importância em relação à proteção da mulher. Na família, a violência contra a mulher causa
sofrimento e distúrbios de ordem psicológica, dificultando as relações afetivas, sendo fontes
constantes de conflitos e de estresse em seus membros. Contudo, destacamos o surgimento de
conflitos intrafamiliares expressão nítida da violência contra a mulher, podendo ocasionar
pessoas submetidas à violência, principalmente as mulheres e crianças, muitas vezes
culpando-se por sua situação. Objetivos: Os objetivos da pesquisa em curso são voltados a
conhecer as principais causas de violência contra as mulheres no Brasil e quais os tipos de
violência identificados pelos Profissionais de Serviço Social. Analisando a lei nº 11.340/2006
Lei Maria da penha, procurando colaborar para o enfrentamento da violência contra as
mulheres, na garantia efetiva de seus direitos. Apontando os tipos de violência mais comuns
sofridos pelas mulheres atendidas no Supremo Tribunal de Justiça pelo Serviço Social
Judiciário, identificando o perfil das mulheres que sofrem violência na comarca de Carmo do
Rio Claro. Metodologia: Os métodos utilizados para tal pesquisa será a abordagem
qualitativa, tanto em relação aos dados coletados como pesquisa de campo, quanto aos
procedimentos técnicos classificados como bibliográficos e documentais. Resultados
parciais: Apontam que as principais causas da violência doméstica, contra a mulher e
violação de seus direitos não se dão num contexto isolado das relações de produção e
reprodução social. Considerações: O tema exposto não pode ser esquecido, pois sua
problemática vem afetando muitas mulheres não sendo um fato isolado acabam alcançando
famílias inteiras causando conflitos e traumas que poderiam ser evitados se contassem com
um sistema de proteção eficaz a e com a consolidação de direitos já existentes.
Palavras
–
chaves:
Violência,
Direitos,
Mulheres,
Poder
Judiciário
Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vinculo com
Idosos
SIPOLA, Carolina Cristina.1; PELEGRINI-OLIVEIRA, Soraya Magalhães2
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O envelhecimento populacional é uma realidade que vem acontecendo em todo mundo e no
Brasil esse processo acontece de forma muito rápida. Mesmo com esse número significativo de idosos,
ainda persiste na sociedade brasileira preconceitos que criam estereótipos relacionados à velhice,
ressaltando apenas os aspectos negativos como incapacidade, improdutividade, doenças e marginação
social. Deste modo, os idosos se sentem acolhidos, felizes em fazerem parte do serviço de convivência e
fortalecimento de vínculo. Para eles, não teria valor maior em estarem todos juntos reunidos como uma
família. Muitos são os desafios a serem enfrentados diante a complexidade que envolve a vida dos seres
humanos no processo de envelhecimento: lazer, habitação, direito, acessibilidade, alimentação, seguridade
social, saúde, entre outros. Considerando que o serviço de convivência e fortalecimento de vínculo da
política de Assistência Social é responsável pelo atendimento de idosos em situações de vulnerabilidade,
deve promover ações e atividades pautadas nas características, interesses e demandas desta faixa etária,
considerando a vivência em grupo, as experiências artísticas culturais, esportivas e de lazer e a valorização
das experiências vividas. Nosso objetivo é pesquisar o preconceito que a sociedade ainda tem sobre
pessoas idosas julgando que são inúteis sem produtividade nenhuma e como o Serviço de Convivência e
Fortalecimento de Vinculo deve atuar na inversão desse processo de exclusão. Metodologia: A pesquisa
em curso adota como método a pesquisa bibliográfica e documental. Resultados parciais: Apontamos
que o preconceito ou exclusão social de idosos é um tema atual e polêmico e o Serviço de Convivência e
Fortalecimento de Vínculos, é eficaz no que diz respeito a virtude de produzir sempre o melhor para todos
os integrantes, mas não é notório e, muitas pessoas e profissionais não sabem qual o objetivo deste serviço
continuado e que existe a obrigatoriedade de oferta desse serviço de forma municipalizada, uma vez que
está previsto em lei como um serviço de Assistência Social a ser ofertado pelo órgão responsável por esta
política no município.Considerações: Acreditamos na importância de incluir o tema do envelhecimento e
o respeito pelos mais velhos nos temas transversais abordados nas escolas. Discutir o processo de
desenvolvimento humano levando os alunos a perceberem que todos estamos envelhecendo sempre,
desfazendo preconceitos e desmistificando tabus. E ainda que o projetos desenvolvidos para os idosos
precisam estar disponíveis em vários bairros da cidade, facilitando a participação dos mesmos nas
atividades destinadas a terceira idade, sem precisarem percorrer grandes distâncias. Experiências como as
do Centro de Convivência do Idoso precisam ser levadas para o maior número de bairros da cidade
facilitando o acesso aos programas, como também ainda há um longo caminho a percorrer para que um dia
possamos nos considerar uma Cidade Amiga do Idoso, porém, também sabemos que uma longa caminhada
se faz de pequenos passos.
Palavras – chaves: Envelhecimento, Fortalecimento de vínculo, Idosos, Preconceito.
Referências: BERTANI, Iris Fernners (et al) (orgs). Cidade amiga do idoso: um caminho a
percorrer. Franca: UNESP-FCHS, 2011.
DESIGUALDADE SOCIAL COMO CONSEQUÊNCIA
DO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL
1
Nathália Cristina Borges Rego 1, Reginaldo dos Santos Souza2
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Em seu processo civilizatório a sociedade brasileira passa por diversas
mudanças, que traz consigo novas configurações nas relações sociais. O processo de
modernização, que acarreta num aumento do individualismo, à busca do bem estar e da
melhoria na qualidade de vida, gera ao mesmo tempo um aumentando no índice de
desigualdade social. A desigualdade social é marcada desde o principio pela exploração e a
ausência de uma distribuição de renda mais justa, e no processo meritocrático os fracassos são
atribuídos aos indivíduos e não há um debate acerca das mazelas sociais, que o sistema produz
para garantir seu processo de acumulação de capital. A exploração do trabalho excedente
produz um contingente de indivíduos que são colocados em situação de vulnerabilidade social.
Nas relações de produção a busca pela mais-valia faz dos vendedores da força de trabalho
meros coadjuvantes.
Objetivos:
Gerais:
O objetivo do projeto é fazer uma reflexão sobre as mudanças que a sociedade sofreu e vem
sofrendo nas formas de agir e pensar, procurando discutir o processo das transformações
que ocorreu na sociedade e as novas configurações nas relações sociais destacando a
desigualdade social como consequência do desenvolvimento do Brasil.
Específicos:
- Entender as razões que expliquem a desigualdade social;
- Analisar relações da desigualdade social e o desenvolvimento do Brasil;
Material e Métodos: A pesquisa inicial foi realizada a partir de fontes bibliográficas.
Resultados Parciais: O estudo desse tema é de grande relevância, pois pretendemos
analisar a desigualdade social presente na sociedade conhecendo a visão/ ideológico que a
população tem sobre desigualdade social e o preconceito existente, refletindo e analisando
as associações feitas a desigualdade
Considerações: A sociedade passa por diversas transformações, e a desigualdade social surgiu
no decorrer da história e se agravando com a industrialização e o surgimento do capitalismo,
sendo ausente a distribuição de rendas, ficando o lucro para o capital e os trabalhadores apenas
como o mínimo para a sobrevivência agravando mais e mais a desigualdade.
Palavras – chaves: Desigualdade social, Desenvolvimento do Brasil.
Referências:
Euzébios Filho, A. Guzzo, R. S. L. Desigualdade social e pobreza: Contexto de vida e de
sobrevivência.Dissertação mestrado, PUC- Campinas.
INFORMAÇÃO CONTABIL ATRAVÉS DE
PROVISOES TECNICAS, CONSTITUIDAS POR
SOCIEDADES SEGURADORAS.
Sabrina Roberta de Paula1, Roberto Marchelli Junior2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, [email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Evidencias importantes são utilizadas como método de pesquisa para observar a
fidegnidades dos números contábeis utilizados. O termo gerenciamento da informação
contábil será utilizado para apontar limites técnicos de parâmetros de solvências em
sociedades seguradoras, onde a regulação governamental cria motivação para o
gerenciamento da informação contábil. E a discricionariedade de informação é a motivação
oriunda da regulamentação governamental, artigo de investiga até eu ponto exercida pelos
diretores das seguradoras sobre a informação contábil afeta o erro de estimação das provisões
de sinistros. Pois existem práticas de gerenciamento de informação de contas de natureza
patrimonial, por meio de reclassificação dos saldos dessas contas. Essa prática possui a
finalidade de afetar os indicadores de liquidez, parâmetros de endividamento e solvência para
atingir parâmetros preestabelecidos. Objetivo: Obter uma síntese no conhecimento de
evidencias empíricas com o pressuposto de que acordo com as teorias econômicas de
regulamentação estudada que existe a procura para a discricionariedades de informações
devido a interesses particulares, e que de acordo com os parâmetros de solvência, as contas de
provisões técnicas são de maior representatividade na estrutura patrimonial em sociedades
seguradoras. Material e Métodos: Método empregado para a realização do artigo acadêmico
foi através de pesquisas bibliográficas, com embasamento em outros artigos científicos já
publicados com referencia de tema ou semelhanças, e alguns artigos publicados em um jornal
internacional de economia, pois temas relacionados ao mercado de seguros e também atuário,
pois no exterior o mercado segurador possui mais disponibilidades sobre o tema. Conclusão:
Referida a corrente histórica e técnica do mercado segurador, foi observado à relevância de
contas patrimoniais e de resultado onde são essências para medidas para analise de solvência
e liquidez de uma empresa, e que são elaboradas algumas vezes por cálculos específicos e
atuários e muitas vezes apenas provisionados. Ressaltando de extrema importância para o
resultado de tais contas, que muitas vezes sofrem alterações a partir do mau gerenciamento da
informação contábil.
Palavras-chave: seguros, mercado regulador, parâmetros de solvência, provisão técnica.
Referências:
Rodrigues, Adriano. Regulação e Evidencias no mercado brasileiro de seguros. São Paulo
Editora, 2007, p.75- 86;
Petroni, Kathy. Optmistic Reporting in the property-casualty Journal of Accountin and
Economics, 1992,p 480-500.
GOODWILL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS:
ANÁLISE DA LIMITAÇÃO DO ATIVO INTANGÍVEL
Adriana de Fátima Gonçalves1, Cintia Azevedo Alves da Silva 1, Adilson Torres2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Os valores dos ativos intangíveis de uma empresa que não podem ser
mensurados, e que geram lucros futuros são denominados goodwill, ou seja, goodwill é tudo
aquilo que agrega valor além do seu patrimônio líquido. A dificuldade que se encontra para
sua contabilização são suas características como separabilidade: não é possível separar o valor
do goodwill do valor contábil da empresa. Esta pesquisa analisou como os autores definem o
goodwill, e como são feitas as demonstrações contábeis nas empresas. Como as empresas
contabilizam a expectativa de ganhos futuros, e evidenciam os ágios e deságios no balanço
patrimonial, e a sua mensuração, pois o goodwill é um ativo intangível, e não tem como serem
separados dos outros ativos tangíveis, como os maquinários, veículos, prédio, etc. Objetivos:
Conceituar o goodwill e analisar sua utilidade e sua influência no balanço patrimonial.
Materiais e Métodos: Pesquisa bibliográfica e qualitativa, que buscou analisar a aplicação do
goodwill através da elaboração do exemplo abaixo, conforme a Lei 12.973/2014:
A empresa A compra 80% da empresa B pelo valor de R$15.000,00.
Empresa B: Custo Histórico
Laudo Contábil
Ativo
Passivo
80%(10.000,00)=8.000,00 custo
PL
10.000,00
Empresa B: Valor Justo
Ativo
Passivo
80%(2.000,00)=1.600,00 valor
justo
8.000,00+1.600,00=9.600,00
15.000,00-9.600,00=5.400,00
O valor do goodwill que deverá
ser contabilizado é 5.400,00.
PL
12.000,00
Conclusão: O goodwill recebeu denominações diferentes ao longo do tempo, e apesar do
entendimento que goodwill não é o mesmo que fundo de comércio, sua contabilização
independente do nome que esse ativo intangível receba é feita obedecendo às normas do CPC
04 e as normas internacionais. O goodwill deve ser capitalizado como um ativo e sua
amortização devem acontecer no prazo de vinte anos.
Palavras Chaves: Goodwill; Fundo de Comércio; Mensuração, Ganhos Futuros.
Referências:
HOOG, Alberto Zappa, FUNDO DE COMÉRCIO GOODWILL EM: APURAÇÃO DE HAVERES,
BALANÇO PATRIMONIAL, DANO EMERGENTE, LUCRO CESSANTE, LOCAÇÃO NÃO
RESIDENCIAL, DESAPROPRIAÇÕES. Curitiba: Juruá, 2011, pag. 29.
O BRINCAR E SUA IMPORTÂNCIA NA EDUCAÇÃO
INFANTIL
1
Letícia Dumas e Silva1, Luísa Emília Lima de Moraes Minus2
Discente do curso de Psicologia, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Psicologia, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: o brincar faz parte da infância e do currículo do educador infantil, a criança
aprende brincando, isso lhes proporciona um melhor conhecimento de si própria e do mundo,
esse brincar precisa ser bem estruturado colaborando com as especificidades das crianças e
com seu desenvolvimento, é importante a interação, a liberdade, a conquista da autonomia,
proporcionar oportunidades para a criança explorar o mundo, vivendo novas experiências
fazendo parte dele de maneira participativa e significante, entendemos as brincadeiras como
atividade coletiva entre meninos e meninas. Objetivos: a importância das brincadeiras na
educação infantil como rotina, sendo parte do planejamento, colaborando para o crescimento
das crianças que ao brincar, estarão em constante exploração com o mundo a sua volta e
sujeitas a adquirirem experiências e desenvolverem suas potencialidades. Material e
Métodos: utilizamos a análise e síntese das referências encontradas na pesquisa bibliográfica
e web gráfica. Resultados: quando as crianças brincam juntas desenvolvem a interação,
socialização, a observação, espontaneidade, criatividade, expressam emoções, entram em
contato com diferentes opiniões, vivências, trocam experiências, e aos poucos aprendem a
lidar com seus conflitos, ficando evidente a necessidade de um espaço livre para se
expressarem, e escolherem do que vão brincar sem distinção do que é de menino e de menina,
deixando com que as crianças construam valores por si próprias. Conclusão: destacamos o
brincar como algo fundamental para as crianças, e em como a educação infantil pode
proporcionar momentos lúdicos e ricos em aprendizagens, disponibilizando materiais, jogos,
brinquedos e brincadeiras, o educador, por sua vez, aproveitará os momentos em que as
crianças estiverem brincando para observer sua comunicação, como se relacionam e se
expressam, e de acordo com os surgimentos das dificuldades irá intervir, colaborando
positivamente no crescimento, imaginação e criatividade das crianças.
Palavras-chaves: educação infantil, brincar, criança.
Referências:
ANGOTTI, Maristela, (Org.). EDUCAÇÃO INFANTIL: para que, para quem e por quê?
Campinas, SP: Editora Alínea, 2006.
DUPRAT, Maria Carolina. LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL. São Paulo:
Pearson, 2015, 29.
NAVARRO, Mariana Stoeterau. REFLEXÕES ACERCA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO
INFANTIL. Campinas, SP: Dissertação de mestrado, 2009, 56.
ARAÚJO, M. A., A moderna construção sustentável. Disponível em:
<http://www.idhea.com.br/pdf/artigos1.asp.> Acesso em: 29/08/2015.
SOLUÇÕES DE DIREITOS HUMANOS NA CIDADE
DE GUARANÉSIA/MG
MINCHILLO, Andreia Arcas da Silva [email protected]
JÚNIOR, Natal dos Reis Carvalho [email protected]
Introdução: De acordo com iniciativa da PDHRE (sigla em inglês para os Movimentos dos
Povos para a Educação em Direitos Humanos) que propõe uma nova abordagem à aplicação
efetiva dos direitos humanos, a nível municipal, como estratégia para o desenvolvimento da
sociedade em âmbito social e econômico. Os direitos humanos são direitos inerentes a todos
os seres humanos, independentemente de raça, sexo, nacionalidade, etnia, idioma, religião ou
qualquer outra condição. O DIDH (Direito Internacional dos Direitos Humanos) estabelece as
obrigações dos governos de agirem de forma a promover e proteger os direitos e liberdades de
grupos ou indivíduos, embora a legislação não estabeleça os direitos humanos, que têm como
característica a inalienabilidade e a indivisibilidade. O Centro de Referência de Assistência
Social de Guaranésia desenvolve soluções adequadas com foco na realidade de cada região da
cidade. Objetivos: O presente trabalho tem como objetivo investigar a efetividade das
soluções desenvolvidas no CRAS de Guaranésia/MG. Buscamos analisar principalmente se as
soluções propostas e o atendimento personalizado a cada uma das 308 (trezentas e oito)
famílias contribuem para a melhoria de sua qualidade de vida, especificamente nos grupos de
crianças, adolescentes, grávidas e idosos. Objetivo específico: confirmar o fortalecimento de
vínculos familiares, diminuição da vulnerabilidade social, prevenção de riscos ou violação a
direitos, promoção do acesso a direitos sociais e benefícios. Metodologia: O presente
trabalho foi desenvolvido através de pesquisa e estudo bibliográfico, coleta e reunião de dados
obtidos para o desenvolvimento do tema abordado. Resultados: As soluções promovidas
pelo CRAS, através das diretrizes do SUAS (Sistema Único de Assistência Social),
implantado a partir do ano de 2010, se mostraram efetivas nas garantias do acesso a direitos e
à superação de situações de vulnerabilidade social decorrentes da pobreza.O trabalho que vem
sendo desenvolvido a muitas mãos tem transformado a vida de algumas famílias
guaranesianas compostas por cidadãos mais conscientes de seus direitos. Conclusão: O
presente trabalho possibilitou conhecer e obter informações precisas sobre as soluções
desenvolvidas com o público alvo. Nosso olhar distante desta realidade talvez não nos
permita enxergar a importância da transformação que aos poucos vem acontecendo na vida
dessas pessoas. Estas soluções têm a vantagem de identificar os problemas protegidos pelos
direitos humanos na vida diária das famílias, o que contribui para uma sociedade mais justa.
Sabemos que os direitos humanos permeiam as relações humanas, sendo estas a base da
organização social e, neste contexto, estas soluções são extremamente importantes para o
processo de transformação do cidadão. Palavras-chaves: Direitos Humanos, Soluções,
Guaranésia.
Referências:
Compreender os Direitos Humanos
Manual de Educação para os Direitos Humanos
Versão original: Wolfgang Benedek Versão em Língua Portuguesa: Vital Moreira e Carla de
Marcelino Gomes, Coimbra Editora S/A, 1 edição, Maio 2014
CRAS: Centro de Referência de Assistência Social de Guaranésia/MG
www.dudh.org.br
www.reitoria.uri.br?numero_017/artigos/pdf/artigo_03.pdf
O viés pragmático do Partido dos Trabalhadores na
questão da Proteção Social
1
Ana Paula da Silva Morigi1, Reginaldo dos Santos Souza2
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A organização política e social contemporânea evidencia o fortalecimento do sufrágio
universal. O processo democrático dos países, principalmente, ocidentais, tem na democracia
representativa seu campo de atuação. Assim, fundamenta-se em partidos políticos, os quais escolhem
dentro dos seus quadros indivíduos que serão escolhidos pela população, através do voto, para
representá-los na esfera governamental do Estado. Dessa maneira, todas as políticas praticadas, tem
como principio as características ideológicas dos partidos que estão no poder.
Para a compreensão destes propósitos torna necessário definirmos alguns conceitos que nortearão
nossa discussão. Dentre eles temos que, democracia representativa que é o exercício do poder político
pela população não de forma direta, mas através de seus representantes, por si designados, com
mandato para atuar em seu nome e por sua autoridade, isto é, legitimados pela soberania popular o que
os tornam aptos a tomar decisões que garantam a aplicação dos projetos políticos apresentados no
programa de governo. O objetivo do presente trabalho será analisar como as políticas de proteção
social são enquadradas no programa político partidário do partido dos trabalhadores (PT)
A realização do presente trabalho possibilitará respostas de algumas indagações;
O que são as políticas sociais?
Como se dá o desenvolvimento e implementação das políticas sociais durante o mandato do Partido
dos Trabalhadores?
Identificar se há evidências de luta de classes na maneira de percepção da execução das políticas
sociais?
Objetivos:
Gerais:
Analisar a trajetória das políticas de proteção social implantadas pelo Partido dos
Trabalhadores, comparando seu projeto partidário e sua efetivação de fato.
Específicos:
- Identificar a política de proteção social no programa do Partido dos Trabalhadores;
- Analisar se há uma contradição entre o discurso e a prática;
- Reconhecer se a construção programática é influenciada pela origem do partido nos
movimentos sociais.
Material e Métodos: A pesquisa inicial foi realizada a partir de fontes bibliográficas primárias e
secundárias. Foi realizada Revisão de Literatura como instrumento de coleta de informações. Para
realização da pesquisa utilizaremos de fontes exclusivamente bibliográficas destacando com grande
relevância documentos da elaboração e consolidação do Partido dos Trabalhadores.
Resultados Parciais: Pretendemos com o presente trabalho analisar o desenvolvimento das
políticas públicas o contexto político partidário brasileiro, ressaltando que o Partido dos
Trabalhadores (PT) foi o pioneiro a colocar a seguridade social como plano de atuação
política num pilar de relevância.
Considerações: A política é além de construção humana, primordial a existência da humanidade,
mas como ter humanidade sem a proteção de segmentos sociais pauperizados, que enfrentam em seus
dias mazelas como a fome e a miséria? Sendo a política tão necessária a vida humana e organização
social, é plausível que a mesma tenha um projeto ancorado na manutenção da vida com propostas que
possibilitam a busca pela equidade social.
Palavras – chaves: Proteção Social, Partido dos Trabalhadores, Política Partidária.
REDUÇÃO DA IDADE PENAL: repressão ou solução?
FERREIRA, Dalila dos santos gonçalves 1
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
BIASOLI, Desiree albuquerque2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O presente trabalho tem como centralidade a discussão sobre a redução da idade penal
no Brasil para 16 anos, em que estão polarizados motivos para a defesa dessa medida embasada no
crescimento da violência social e de outro lado, a defesa para que se diga não a redução da
maioridade penal sob o argumento de violação de direitos que a redução penal causaria à
adolescentes. Nosso pressuposto de pesquisa é de a redução da maioridade penal é defesa que forma
opinião de massa, mas não leva em consideração o contexto sociohistórico em que a violência em
sociedade é fundada e como se constitui na atualidade e ainda defendemos que a sociedade deve
parar e refletir criticamente, sobre a questão da violência e sua relação com a idade penal e então
demandar políticas públicas que incidam diretamente na base dos motivos para tal
fenômeno.Objetivos: É por esse motivo que nosso estudo buscará para além de referencial teórico,
identificar o posicionamento de vários grupos em relação à redução a maioridade penal.
Metodologia: Como eixos metodológicos referenciais temos a pesquisa bibliográfica e documental
em um procedimento técnico que percorre revisão em pesquisas já realizadas, defendendo que a
pesquisa bibliográfica é um processo no qual o pesquisador tem atitude e prática teórica de
constante busca que define um movimento intrinsecamente inacabado e permanente, pois realiza
uma atividade de aproximações sucessivas da realidade, sendo que, a pesquisa bibliográfica,
apresenta “uma carga histórica” e reflete posições frente à realidade. Resultados Parciais:
Apontamos como resultados parciais, dos estudos realizados até o momento, que posicionamentos
sobre a questão são formulados em afirmações baseadas no senso comum, como de que a redução
da idade penal seria a solução para diminuição da violência que nos cerca, acreditando não ser
viável demandar eficiência e eficácia nos serviços que devem ser ofertados por políticas sociais que
possuem a responsabilidade sócio legal de minimizar o envolvimento dos adolescentes em atos
infracionais e possibilitar a reconstrução de projetos de vida de adolescentes que cometeram atos
infracionais. Considerações: Esperamos contribuir para o debate sobre a idade penal no Brasil, na
direção do reconhecimento de que posturas e defesas pontuais, como os que defendem a redução,
entrem em modo de reflexão e possam somar e participar da “cobrança” de efetividade de serviços
de políticas públicas.
Palavras chave: Adolescente, Ato Infracional, Políticas Públicas, Redução da idade
penal
ADOLESCENTE E VULNERABILIDADE SOCIAL
1
ARAUJO, Karen Fernanda da Silva.
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
²PELEGRINI-OLIVEIRA, Soraya Magalhães
Introdução: A família pobre, marcada pela fome e pela miséria, representa um espaço de
privação, de instabilidade e de esgarçamento dos laços afetivos e de solidariedade. A
vulnerabilidade social das famílias vem sendo muito discutida em todas as políticas públicas.
Existem várias demandas postas aos profissionais do Serviço Social e como discente, tenho
me inquietado com jovens em situações vulneráveis. A vulnerabilidade remete à ideia de
fragilidade e de dependência que se vincula à situação de crianças e adolescentes,
principalmente os mais pobres. Os fatores de risco que incidem sobre a vida de parcela
considerável de jovens brasileiros ocorrem tanto no espaço público quanto no privado. Daí a
necessidade de considerar não apenas os problemas de inserção social, mas de pensar a
socialização e sua relação com os direitos da criança e do adolescente. Objetivo Geral:
Estudar a vulnerabilidade e risco social a que jovens de famílias empobrecidas, com acesso
restrito a renda, educação, saúde, cultura, moradia e trabalho estão expostos e metodologias
do trabalho do Assistente Social nesse âmbito. Metodologia: A pesquisa inicial em curso é
realizada a partir de fontes bibliográficas primárias e secundárias. Por meio da Revisão de
Literatura como instrumento de coleta de informações. Resultados parciais: É um tema atual
abrangido em vários debates e de grande relevância para o Serviço Social com várias
possibilidades de trabalho que nos provocam indagações sobre a situação atual dos jovens
empobrecidos. Considerações Finais: Percebemos com esta pesquisa preliminar que
precisamos entender a situação dos jovens brasileiros e o acesso dos mesmos às políticas
públicas que possam colaborar para a superação da situação de vulnerabilidade que se
encontram e ainda buscar a relação existente entre o trabalho do assistente social e a
efetivação do acesso dos jovens às políticas públicas. Nesse sentido, consideramos que o
assistente social pode intervir e contribuir para a melhoria da realidade dos jovens.
Palavras – chaves: adolescente, família, pobreza, vulnerabilidade.
Referência: CASTEL R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. 5. ed.
Petrópolis: Vozes, 2005.
VULNERABILIDADE SOCIAL: A REALIDADE DE
MULHERES CHEFES DE FAMÍLIA
SANTOS, Luanne Graziele1, PELEGRINI-OLIVEIRA, Soraya Magalhães2
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O tema de pesquisa que estamos apresentando abordará as dificuldades
enfrentadas por mulheres em seu cotidiano, a percepção sobre sua condição feminina, a
utilização de redes de apoio e de serviços, as representações sobre sexualidade, maternidade,
estratégias de sobrevivência, sendo que são questões complexas permeadas por preconceito,
mesmo que existam inúmeras leis e regulamentos que protejam este segmento social, a luta
por igualdade de gênero ainda precisa ser efetivada em direitos de fato. Atualmente, as
políticas sociais estão com os olhares voltados às mulheres, pois muitos programas sociais, a
exemplo do Bolsa Família, tem as mulheres como administradoras do benefício, o que
significa que as mulheres são centrais para as políticas públicas. Objetivo: Estudar os
aspectos conceituais da vulnerabilidade social com ênfase no estudo sobre gênero e famílias
chefiadas por mulheres, os riscos a que estão expostas e ainda conhecer sua dinâmica e assim
contribuir para uma intervenção que favoreça a constituição da plena igualdade de gênero.
Metodologia: A pesquisa inicial foi realizada a partir de fontes bibliográficas primárias e
secundárias. Foi realizada Revisão de Literatura como instrumento de coleta de informações.
Resultados parciais: Até o momento, com nossas pesquisas, mesmo que iniciais,
consideramos de suma importância o conhecimento sobre o tema, devido ao grande número
de famílias com configurações voltadas à família monoparental feminina e muitas dessas
serem usuárias do Serviço Social. Considerações: Trazer diversos conceitos e aspectos
relacionados a vulnerabilidade social e levantar dados sobre mulheres e famílias chefiadas por
mulheres e os riscos a que estão expostas são extremamente necessários ao Serviço Social,
visto que o trabalho com mulheres em vulnerabilidade foram historicamente realizados pelo
Serviço Social e o desejo em aprofundar nossos conhecimentos sobre a vulnerabilidade social,
com enfoque na questão da mulher e seus enfrentamentos cotidianos perpassam pelas
observações do cotidiano.
Palavras – chaves: Família, Mulheres, Vulnerabilidade social.
VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A CRIANÇA E
ADOLESCENTE E A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA
SOCIAL
SOUZA, Leonardo Alves de 1, PELEGRINI-OLIVEIRA, Soraya Magalhães2
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
e-mail: [email protected]
2
Docente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
e-mail: [email protected]
Introdução: Neste trabalho, abordaremos a violência praticada contra crianças e adolescentes
em âmbito familiar, o papel da rede de proteção social e a relação com o trabalho do
Assistente Social desenvolvido em equipe interdisciplinar. A violência infanto-juvenil é um
fenômeno presente em todo mundo, porém países com níveis de educação e de economia
menos elevados são mais presentes. O Brasil possui uma sociedade marcada pela dominação
da classe burguesa e por profunda desigualdade na distribuição da riqueza, possibilitando a
violência estrutural, que atinge grande parcela de crianças e adolescentes. Assim a sociedade
brasileira como grande parte dos países do mundo, reproduz as mais variadas expressões da
Questão Social, sendo a violência infanto-juvenil uma delas e devido a isso, escolhemos este
tema. Atualmente, as vítimas de violência são atendidas pelos Centros de Referência
Especializado da Assistência Social (CREAS) que contam com equipe multiprofissional para
atendimento desta e de outras demandas da proteção especial. As vítimas de violência
também contam com o Sistema de Garantia de Direitos, sendo composto pelo conselho tutelar
e o ministério público, além do CREAS. Objetivos: Conhecer realidade de crianças e
adolescentes que sofrem violência física no âmbito familiar; compreender o trabalho do
assistente social junto a rede de proteção social às vítimas de violência; analisar o trabalho do
assistente social na equipe interdisciplinar. Material e Métodos: A pesquisa inicial foi
realizada a partir de fontes bibliográficas primárias e secundárias. Foi realizada Revisão de Literatura
como instrumento de coleta de informações. Resultados parciais: O estudo que realizamos sobre
a violência contra crianças e adolescentes, mesmo que de forma primária, nos permitiram
compreender que a violência é praticada pelos pais como forma de educação dos filhos, pois
repetem a educação que tiveram. Considerações: Portanto, não podemos encarar a violência
como algo natural em nossa sociedade, para isso, nossa legislação avançou. Precisamos
conhecer melhor o trabalho realizado no atendimento de crianças e adolescentes vítimas de
violência e dessa forma, compreender o trabalho do assistente social neste contexto.
Palavras – chaves: Assistência social, criança e adolescente, violência doméstica.
VELLOSO, Dirceu de Alencar. Fundações, volume 1 : critérios de projeto : investigação de
subsolo : fundações superficiais / Dirceu de Alencar Velloso, Francisco de Resende Lopes. –
2. ed. – São Paulo : Oficina de Textos, 2011.
TRABALHO INFANTIL E SEUS ASPECTOS SOCIAIS,
HISTORICOS E LEGAIS
Clara Maria de Vasconcelos 1, Desiree Albuquerque Biasoli 2
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Identificando que o trabalho infantil é prejudicial ao desenvolvimento psicossocial de
crianças e adolescentes, colocamos em evidência seus danos, com diminutas expectativas de vida,
tendo em vista situação precária do grupo familiar de diversas crianças e adolescentes, cada vez mais
abandonadas sem a seguridade de seus direitos. Defendemos a importância de estudar o trabalho
infantil como problema político nacional e internacional e suas razões de ordem econômica, social e
cultural. Diante disso é preciso chamar a atenção dos órgãos públicos que direitos previstos no
Estatuto da Criança e do Adolescente estão sendo violados, em um cotidiano onde famílias que sem
alternativas colocam seus filhos para ajudar no sustento do grupo familiar. Os explorados
trabalhadores infantis na maioria são vítimas da falta de alternativas e miséria, mão de obra dócil,
barata e adaptam-se ao trabalho sem resistir. Nos municípios onde a miséria se faz presente muitas
crianças trabalham desde cedo, fruto de má distribuição de renda no pais. Objetivos: Nosso objetivo é
pesquisar o trabalho infantil na contemporaneidade e seus rebatimentos na formação da criança,
identificando problemas sociais relacionados ao fenômeno e quais políticas sociais estão direcionadas
a sua erradicação. Metodologia: A metodologia em curso é baseada em fontes bibliográficas
primárias e secundárias, por revisão de literatura como instrumento de coleta de informações.
Resultados parciais: são a constatação de desproteção social e desrespeito ao direito de
desenvolvimento saudável e digno de milhões de crianças e adolescentes, particularmente das que
fazem parte de famílias em situação de precarização expostas a riscos sociais. Apontamos ainda
ineficiência qualitativa e quantitativa de políticas sociais na efetivação dos direitos previstos em leis
como forma de medidas de proteção social de crianças e adolescentes, marcados pela desigualdade
econômica resultante do modelo de produção capitalista. Considerações finais: Reforçamos que o
trabalho infantil é exploração quando realizado anterior a 14 anos de idade, ou mesmo na adolescência
em condições inadequadas, prejudiciais ou perversas. Exige da criança ou jovem atividade constante e
desproporcional a suas forças e estágio de desenvolvimento psicossocial, impede brincadeiras, jogos,
descanso e em especial frequência e aproveitamento escolar regular. É prejudicial à saúde física e
mental e põe em risco o futuro de novas gerações de brasileiros. Por isso é importante analisar o
trabalho infantil como forma de entender e indicar alternativas para que crianças e adolescentes
tenham seus direitos garantidos, uma vez que em lei é dever da família, da comunidade da sociedade
em geral e do poder público garantir a criança e adolescente saúde, alimentação, educação, esporte,
lazer, profissionalização, cultura, dignidade e convivência familiar e comunitária. Cuidar da infância é
evitar problemas sociais futuros.
Palavras – chaves: Trabalho infantil, políticas sociais, direitos sociais, risco social
Referência: MINHARRO, Erotilde Ribeiro dos Santos.
trabalho. São Paulo: LTr, 2003.
A criança e o adolescente no direito do
VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: IMPACTOS PARA
MULHERES BRASILEIRAS NA ATUALIDADE
1
SILVA, Luana da 1, BIASOLI, Desiree Albuquerque 2
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Os diversos estudos na contemporaneidade retratam que o fenômeno da violência
tem crescido de uma forma expressiva e atingido a humanidade em âmbito geral. Tal fato
ganha expressão e requer análises mais profundas, quando consideramos as relações de
gênero construídas socialmente e que interferem diretamente no aumento das diversas formas
de violência contra as mulheres, as quais historicamente encontram - se em desvantagem
dentro da sociedade machista e patriarcal, sendo considerada inferior e submissa ao homem.
Exige um maior enfrentamento por parte de toda sociedade e principalmente do poder público
para garantir níveis de proteção efetivo para tal público que sofre com essa questão. O ato de
violência contra mulher, consiste em todo ato de violência de gênero que resulte em qualquer
ação que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual e psicológico e dano moral ou
patrimonial. Objetivos: Diante dessa situação posta, almejamos estudar a violência
doméstica, a qual tem crescido na sociedade brasileira e atinge milhares de mulheres que são
agredidas principalmente por seus companheiros trazendo impactos também para suas
famílias. Metodologia: Utilizaremos no percurso metodológico, a pesquisa bibliográfica que
está baseada em fontes bibliográficas primárias e secundárias, através da revisão de literatura que
nos possibilitará compreender os diversos elementos apresentados por estudiosos e
pesquisadores relacionados ao nosso objeto de estudo. Resultados parciais: Diariamente nas
redes sociais, jornais, revistas, até mesmo no dia a dia, é retratado os índices elevados de
violência contra a mulher, demonstrando o sofrimento e as consequências para sua existência.
Elas têm sofrido, nas mãos desses agressores, onde muitas vezes são agredidas de forma
violenta e brutal. Considerações teóricas: Consideramos que a violência é um tema ainda pouco
retratado em nossa sociedade, devido à complexidade para seu atendimento e diagnóstico. Dessa
forma, muitas mulheres continuam sendo agredidas e vitimizadas.
Palavras – chaves: Violência, Mulher, Família, Gênero, Patriarcado.
Referências: SAFFIOTI, H.I.B. Gênero, Patriarcado e Violência. São Paulo: Editora
Fundação Perseu Abramo, 2004.
ARTE TEATRAL COMO INSTRUMENTO DE
INTERVENÇÃO SOCIAL
PEREIRA, Thallys Custódio¹ , PELEGRINI-OLIVEIRA, Soraya Magalhães2
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
e-mail: [email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
e-mail: [email protected]
Introdução: Sabemos da importância e influência que as manifestações artístico-culturais e
sociais têm sobre determinadas sociedades e comunidades. Movimentos Artísticos culturais
que além de estreitar a relação da diferença entre a realidade vivida com a realidade que se
almeja em cada indivíduo, têm por finalidade a divulgação da indignação da competitividade
individual criada pelo neoliberalismo. Para um coletivo, que se identifica com esses
movimentos sociais artístico-culturais críticos fortalecem possibilidades existenciais de
enfrentamento crítico da realidade vivida. Com o uso da arte o sujeito se encontra em um
processo que lhe permite evitar certos ardis, como o das palavras, que em seu em uso pode se
tornar apaziguadoras das emoções, colocando-o num movimento livre de inventividade no
qual se tem liberdade de inventar não só objetos, mas também toda uma vivencia, o futuro e
novas possibilidades existenciais. Desse modo evidencia-se que ao realizar intervenções
sociais explorando e utilizando de recurso artístico-cultural, possa trazer benefícios múltiplos
para a população em que será aplicada. Pensando que a arte teatral é uma linguagem natural
de expressão humana, acredita-se que essa pode ser positivamente usada para explorar essa
manifestação, como um instrumento de intervenção social. Objetivos: O presente projeto tem
o objetivo de pesquisar e investigar sobre a importância e a eficiência que os movimentos
teatrais sociais artístico-culturais têm sobre as decisões de cidadania, políticas, direitos sociais
e individuais. Material e Métodos: A pesquisa inicial foi realizada a partir de fontes
bibliográficas primárias e secundárias. Foi realizada Revisão de Literatura como instrumento
de coleta de informações. Resultados parciais: De acordo com os autores estudados,
percebemos que através da arte teatral, o indivíduo se identifica com o trabalho realizado. Ao
se identificar, consegue criar e modificar seu cotidiano. Considerações: Consideramos que o
teatro social contribui para a práxis da vida em sociedade. Acreditamos que por meio deste
projeto alcançaremos a evidência de que a arte teatral crítica é um componente fundamental
para a intervenção social.
Palavras – chaves: Teatro Social; Movimento Social; Intervenção Social
A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA NO CONTEXTO DA
EDUCAÇÃO INFANTIL
Fabiola Cosmo Silva1
Discente do Curso deServiço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Desiree Albuquerque Biasoli2
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Introdução: A pesquisa tem como foco o atendimento social com crianças e famílias
usuárias de creches e pré-escolas, especialmente voltado a crianças em situações de
vulnerabilidade e acesso restrito a renda. O atendimento em creches e pré- escolas se
deu devido a inserção de mulheres no mercado de trabalho, principalmente a mulheres
de classe sócio econômicas de acesso restrito a renda e trabalho formal protegido e
que não tinham onde ou com quem deixar seus filhos, sendo que essas creches e préescolas responsáveis pelo atendimento a essas crianças tem papel mediador na
formação em que são desprendidos cuidados inclusive alimentação, bem como
suscitar a relação sócio-educativo infantil / família, objetivado a uma ação integrada
de parceria e busca pela solução de problemas na formação sócio-educacional. O fato
dessas instituições carregarem em suas estruturas a destinação a uma parcela social, a
pobreza, já representa uma concepção educacional. A pedagogia das instituições
educacionais para os pobres é uma pedagogia da submissão, uma educação
assistencialista marcada pela arrogância que humilha para depois oferecer o
atendimento como dádiva, como favor aos poucos selecionados para o receber.
Objetivos: Investigar a qualidade de serviços prestados pelos serviços educacionais
infantis. Resultados Parciais: Apontam que por esses serviços expressarem o
assistencialismo educacional voltado a crianças e famílias de acesso restrito ao
emprego e renda, ainda existem desafios na construção de condições básicas para a
qualidade de atendimento. Considerações: Acredito que uma maneira menos ingênua
e imatura de tratar essa questão seja refletir sobre o papel que a assistência
educacional infantil vem desempenhando ao atentar para questões cruciais da vida
moderna que os setores educacionais não têm respondido, como por exemplo, o
cuidado e socialização infantil considerados na sua concepção mais ampla. Sendo que
é histórico Não é o setor assistencial, mais que o educacional, que vem respondendo à
necessidade de trabalho dos pais, e especialmente das mães? Que tem acolhido as
demandas dos amplos movimentos sociais em prol da expansão de rede de creches
públicas, não filantrópicas e educacionais? Não é o setor assistencial, mais que o
educacional, que vem atentando ao fato de que a criança de idade pré-escolar necessita
de um ambiente físico e humano diferente do que é proporcionado pela escola formal,
apresentando uma estrutura mais flexível e, paradoxalmente, ampliando a concepção
de educação tradicionalmente adotada pelos setores de ensino?
Palavras-chave: Relação sócio-educativo, Infantil / família e Serviços Educacionais.
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO
POR ÚLCERA DE PRESSÃO EM IDOSOS DE
INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA
Mário Daniel Jerônimo¹
[email protected],
Jurema Cristina dos Santos Peres2
[email protected]
2
Discente do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, MG.
Enfermeira, Mestre em Desenvolvimento Sustentável e Qualidade de Vida, Coordenadora e
docente do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé
Introdução: Hoje no Brasil e no mundo evidencia-se uma variedade demográfica, com um
crescente aumento na população idosa. O processo do envelhecimento, associado às
alterações do corpo físico e à diminuição da cognição promove às condições de morbidade
pela falta de cuidado. Dentre os fatores de risco que mais contribuem para o surgimento das
úlceras por pressão estão: a idade, diminuição da mobilização, presença da incontinência
urinária e fecal proporcionando a umidade nos locais que favorecem às ulceras, o atrito ou
fricção, outras morbidades associadas ao estado metabólico e doenças crônicas. Objetivos:
Identificar os fatores de risco relacionados ao desenvolvimento de úlcera por pressão. Material e
Métodos: Trata-se de um estudo realizado por meio da revisão literária que analisa os
principais trabalhos relacionados ao tema. É uma pesquisa bibliográfica de cunho
exploratório, a qual permite colher dados recentes nos diversos pontos de vista dos autores
sobre a temática. Para a busca dos artigos utilizamos as bases de dados da Scientific Eletronic
Library online, Literatura Latino-americana a do caribe em ciência em saúde. Resultados: Os
pacientes acometidos pelas doenças crônico-degenerativas, bem como as cardiovasculares e
cerebrovasculares, apresentam mobilidade diminuída, dificultando a realização de atividades
diárias. Estes, quando acometidos por acidente vascular encefálico (AVE), permanecem mais
tempo acamados e/ou confinados à cadeira, aumentando sua predisposição à úlcera por
pressão (UP). As úlceras por pressão são consideradas um indicador na habilidade dos
cuidados. Dessa maneira, a pesquisa facultara o entendimento sobre a UP e classificar a
dimensão da complicação na instituição de longa permanência. Conclusão: Para uma
qualidade de vida é necessário alimentação adequada e saudável. Para que os idosos tenha
uma vida emocional equilibrada e é importante que ele tenha um bom relacionamento
familiar. Ter uma assistência de enfermagem qualificada para o fornecimento das ações de
prevenção das úlceras. Referências: Aires M, Paz AA, Perosa CT. Situação de saúde e grau
de dependência de pessoas idosas institucionalizadas. Rev Gaúcha Enferm., Porto Alegre
(RS)
2009
set;30(3):492-9.
Disponível
em
<http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n1/v16n1a29.pdf>. Acesso em 03 de abril de 2015.
Palavras-chaves: Ulcera por pressão, assistência de enfermagem, fatores de risco.
PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO
Mariane Julião de Brito1, Soraya Magalhães Pelegrini de Oliveira2
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Neste trabalho abordaremos o estresse do trabalhador no ambiente de trabalho,
aspectos psicológicos e saúde mental, o aprofundamento no tema estudo de psicopatologia do
trabalho e em contrapartida estudos que possibilitam e visam um ambiente de trabalho
sustentável. Trataremos população real, submetidas às pressões do dia a dia e como os
profissionais da área da saúde podem contribuir para amenizar essas situações que permeiam
as relações de trabalho existente nos dias atuais. Objetivos: Investigar as possibilidades de
melhorias no ambiente de trabalho, visando o bem estar físico, mental e social; Investigar patologias
do trabalho e desvelar o motivo do adoecimento.Material e Métodos: A pesquisa inicial foi
realizada a partir de fontes bibliográficas primárias e secundárias. Foi realizada Revisão de Literatura
como instrumento de coleta de informações. Resultados parciais: Trabalho em demasia adoece o
trabalhador, pode causar danos à saúde, o trabalhador que se submete a trabalho sem preparo
físico e intelectual sofre pressões que podem levar a invalidez e afastamento e acarreta uma
serie de outros fatores e problemas ao trabalhador. Considerações: Consideramos que o
trabalhador não pode resistir ao ataque do capital e nem as condições preconizadas de
trabalho. Embora seja inegável que são elementos decorrentes da relação entre trabalhador
versus capital que se torna inerente a contradição, defendemos a importância de profissionais
estarem preparamos para tal demanda. A pesquisa é voltada para melhorias no ambiente de
trabalho, visando o bem estar do trabalhador.
Palavras – chaves: Psicopatologia, trabalho, adoecimento.
Referências: DEJOURS, Christophe. A loucura do trabalho: estudo da psicopatologia do
trabalho. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2005.
EDUCAÇÃO SEXUAL: UMA LACUNA NA PRÁTICA
PEDAGÓGICA
Rita de Cássia Ferreira Serra1; Marilda Rabelo Ribeiro do Valle 2
Discente do curso de Pedagogia, UNIFEG, Tapiratiba, SP. [email protected]
2
Docente do curso de Pedagogia, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: Este artigo faz uma reflexão sobre as inúmeras fases e etapas que um ser
humano pode passar no desempenho de sua sexualidade. Ressalta-se a importância e a função
do professor enquanto mediador do processo ensino-aprendizagem e principalmente, como
agente das informações sexuais no contexto escolar, propondo subsídios que garantam a
formação dos educandos. Objetivos: Analisar as fortes mudanças que a sexualidade sofreu ao
longo do tempo e sua influência no contexto escolar. Refletir sobre a importância do professor
enquanto formador e sua responsabilidade de intervir, educar, preencher as lacunas do ensinoaprendizagem e ampliar as visões de mundo; promovendo assim, uma educação de qualidade
que leve o aluno a ter uma sexualidade plena, podendo tratar sobre o assunto com
naturalidade, sem preconceitos ou tabus, garantindo uma consciência diante das situações
sexuais ao longo da vida. Material e Métodos: Para o desenvolvimento do artigo foi utilizada
a pesquisa bibliográfica, que se respaldou nos seguintes autores: Foucault (2005), Melo e
Bruns (2013), Nunes (2002 e 2005), Suplicy (1999) entre outros. Resultados: Quando a
criança tem curiosidades, logo é recriminada e a justificativa é que tal ação ou assunto é
proibido e não é para a idade dela. Falta de informações, censura e preconceito são motivos
que levaram a essa situação, além de professores que não estão preparados para assumir o
tema com naturalidade devido à trajetória manipuladora que tiveram e pelo tipo de educação
que receberam de seus pais. A maioria dos profissionais foram educados dentro de uma
filosofia em que o sexo só existe na fase adulta, bloqueando assim o avanço às informações.
Conclusão: Constatamos que a sexualidade sofreu fortes transformações ao passar do tempo,
e se hoje há uma lacuna no ensino-aprendizagem é porque houve uma ruptura no passado,
processo fruto de repressões. O que se espera é uma formação e boa conduta dos
profissionais, para que sintam-se dispostos a enfrentar seus medos e esclareçam as dúvidas
que atordoam a vida de crianças e jovens de forma tranquila, segura e sincera. Que o ensino
se torne mais amplo e objetivo, em que os professores estejam preocupados com a educação
para a formação integral de seus alunos, acompanhando a evolução dos tempos, visando o
desenvolvimento e a emancipação de seus educandos.
Palavras-chaves: sexualidade, formação profissional, professor-aluno
Referências:
FADIGMAN, James; FRAGER, Robert. TEORIAS DA PERSONALIDADE. São Paulo:
HARBRA, 1986.
MELO, Sônia Maria Martins; BRUNS, Maria Alves de Toledo. EDUCAÇÃO,
SEXUALIDADE E SAÚDE. DIÁLOGOS NECESSÁRIOS. Curitiba: CRV, 2013.
Viabilização da reciclagem de garrafas PET como
ferramenta de sustentabilidade na agricultura: cultivo
protegido
1
Renato Henrique Silva 1; Flávia Cecílio Ribeiro2, Orientador
Discente do curso de Adminstração , UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Adminstração , UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: O cultivo protegido é um segmento da plasticultura e representa a técnica de
proteção contra intempéries como chuva e vento. Além disso, possibilita controle das
condições climáticas, como: temperatura, umidade do ar, radiação, solo e composição
atmosférica. Com as mudanças climáticas o setor agropecuário brasileiro deve ajustar-se, pois
é esperado um aumento da temperatura o que irá promover um crescimento da
evapotranspiração das plantas e, consequentemente, um aumento na deficiência hídrica, com
reflexo direto no risco climático para a agricultura. Escolher o tipo de estrutura adequada para
o cultivo é uma das chaves para o sucesso deste segmento um detalhe importante na escolha
da estrutura é a durabilidade do material da construção, a utilização de garrafas PET
Politereftalato de Etileno é um poliéster (polímero termoplástico), já despontam como
alternativa viável a um cultivo protegido sustentável. As garrafas PET demoram cerca de 400
anos para decompor de forma natural no meio ambiente, sem interferência humana (PINTO,
2012). A reciclagem da garrafa PET, evita que ela seja dispensada de forma inadequada no
meio ambiente, causando diversos impactos ambientais, dentre eles poluindo rios e demais
corpos hídricos, além de minimizar o consumo da água para sua produção. Avaliar-se que se
reciclados ao ano cerca de 240 kg de garrafa PET, o consumo de água reduziria em
aproximadamente 45% A sustentabilidade que a utilização deste material propicia se baseia
nestes e em outros estudos. Objetivos: A meta principal do projeto é mostrar a viabilidade
econômica da prática de cultivo protegido com estruturas feitas com PET, para pequenos e
médios agricultores. Material e Métodos: A metodologia da pesquisa será o levantamento
bibliográfico para investigar alternativas sobre o aproveitamento das garrafas tipo PET.
Analisar a viabiabilidade econômica desta prática como ferramenta em atividades sustentáveis
na agricultura no caso deste projeto como material alternativo na construção de estruturas
para o cultivo protegido. Considerações: Acredita-se que este tipo de ação tem potencial para
contribuir com a sustentabilidade ambiental pela formação de cidadãos atuantes na construção
de uma sociedade mais consciente.
Palavras-chaves: Meio Ambiente, Politereftalato, Estufas, Mudança Climática.
Referências:
PINTO, J. C. Impactos ambientais causados pelo plástico. São Paulo: E-papers, 2012.
DIAS, R. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas
2011.
TEORIA CONCEPCIONISTA: CAPACIDADE
SUCESSÓRIA DO NASCITURO
CASTRO, Fabiana Maria Martins Gomes de1
1
Docente do Curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG [email protected]
A sociedade contemporânea é marcada por transformações sociais, políticas, econômicas e
tecnológicas que incidem na Ciência do Direito. O sistema jurídico brasileiro é aberto,
dinâmico e flexível, pois a intepretação e integração das normas jurídicas possuem conteúdo
finalístico e valorativo e além disso o sistema convive com a concepção de que os direitos são
da pessoa, entidade que traduz o fundamento ético-ontológico do direito e valor-fonte. O
Código Civil é norteado pelos princípios da eticidade, sociabilidade e operabilidade de forma
estrutural, bem como atende aos fundamentos constitucionais da dignidade da pessoa humana,
solidariedade social e igualdade substancial. O art. 2º do CC estabelece que “a personalidade
civil da pessoa começa com do nascimento com vida; mas a lei põe a salvo desde a
concepção, os direitos do nascituro”. Para compreender a situação jurídica do nascituro há
três correntes que procuram identificar e justificar o status de pessoa e a existência de
personalidade, a saber, a teoria natalista, a teoria da personalidade condicional e a teoria
concepcionista. O presente trabalho, sem a pretensão de esgotar o tema, tem por objetivo
apresentar as ideias preconizadas pelas três correntes e justificar a viabilidade do sistema
jurídico brasileiro admitir a capacidade sucessória do nascituro. É uma pesquisa acadêmica e
descritiva que utiliza o método indutivo com objetivo descritivo e interpretação sistemática
através do procedimento bibliográfico, documental e ex post facto. O entendimento
majoritário da doutrina brasileira sustenta que a capacidade sucessória do nascituro é
excepcional ou sujeita à ocorrência de uma condição suspensiva – o implemento de elemento
futuro e incerto – o nascimento com vida. Nesta hipótese, é possível inferir que (i) se nascer
com vida há direito sucessório ainda que o autor da herança já tenha falecido (legitimação e
capacidade sucessória) ou (ii) se natimorto ou a gestação não chegar ao termo, não há direito
sucessório, pois se considera como se nunca houvesse existido e defere-se a herança aos
demais herdeiros da mesma classe ou da classe imediata. Todavia, a teoria preconizada por
Diogo Leite de Campos sustenta que o nascituro tem plena capacidade sucessória, como
qualquer ser humano, e essa capacidade é admitida uma vez que a pessoa já existe plenamente
desde a sua concepção. Deste modo, depreende-se da análise dos argumentos doutrinários
que, no âmbito do direito sucessório, há a adoção da teoria natalista, pois se exige o
nascimento com vida. Contudo, ao realizar os métodos de interpretação e integração, verificase que o art. 2º do CC admite a aplicação da teoria concepcionista e, via de consequência, o
nascituro tem capacidade e legitimidade sucessória. Neste caso, o nascituro é chamado a
suceder e, se falecer, defere-se a herança aos seus herdeiros.
Palavras-chave: pessoa, nascituro, direito sucessório, teoria concepcionista
Referências:
CAMPOS, Diogo Leite. Nós: Estudos sobre o direito das pessoas. Coimbra: Almedina, 2004.
CAMPOS, Diogo Leite. Capacidade sucessória do nascituro (ou a crise do positivismo
legalista). In: Pessoa humana e direito. Coimbra: Almedina, 2009.
DINIZ, Maria Helena. Curso brasileiro de direito civil: direito das sucessões. São Paulo:
Saraiva, 2012.
NERY, Rosa de Andrade; NERY, Nelson. Instituições de direito civil: parte geral. v. I, t. I.
São Paulo: RT, 2015.
REALE, Miguel. Filosofia do direito. v.1. São Paulo: Saraiva, 1957.
TARTUCE, Flávio. Direito civil: direito das sucessões. São Paulo: Método, 2014.
AS RELAÇÕES FAMILIARES E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DA
PERSONALIDADE NA VISÃO DOS PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
Isabella Prado Bueno Aguiar1; Jéssica Jorge Francisco2; Thaís dos Santos Domingos3; Sílvia
Antakly Adib4
1
Discente do curso de Psicologia, UNIP, São José do Rio Pardo, SP.
[email protected]
2
Discente do curso de Psicologia, UNIP, São José do Rio Pardo, SP.
3
Discente do curso de Psicologia, UNIP, São José do Rio Pardo, SP.
4
Docente do curso de Psicologia, UNIP, São José do Rio Pardo, SP. [email protected]
Introdução: As mudanças sócio-históricas influenciam na transformação da instituição
familiar. A família formada atualmente pelo afeto é considerada o lugar mais autêntico de
formação pessoal. É através das relações e do estabelecimento de vínculos formados dentro
dela que cada pessoa desenvolve sua personalidade. A personalidade é composta por
múltiplos fatores que podem ser chamados de biopsicossociais. O ambiente equilibrado é
capaz de propiciar um desenrolar saudável dos fatores biológicos e sociais. Portanto, mesmo
na ausência da família, é necessário um ambiente capaz de oferecer cuidados, modelos e
referências suficientemente bons.
Objetivos: Os objetivos do trabalho são: perceber quais as famílias que mais procuram pelo
atendimento psicológico; compreender como os psicólogos participantes enxergam o
desenvolvimento da personalidade através dos aspectos biopsicossociais; e identificar se nas
famílias que mais procuram atendimento é a figura materna que se responsabiliza pela
manutenção de um ambiente propício para o desenvolvimento psíquico.
Material e Métodos: Os materiais usados foram caneta, papel, gravador e computador. O
método usado para a coleta de dados foi a aplicação de um questionário composto por dez
perguntas a dez psicólogos orientados pela teoria psicanalítica. Para analisar as respostas dos
participantes foi empregada a análise qualitativa denominada análise de conteúdo.
Resultados parciais: O presente trabalho ainda não foi apresentado e por essa razão os
resultados são parciais. Os resultados obtidos mostram que as famílias que mais procuram
atendimento psicológico são as chamadas vulneráveis, elas possuem uma diversidade de
configurações familiares, e de papéis e funções intrafamiliares, além disso, elas podem ser
classificadas como estruturadas e não estruturadas. A análise dos dados aponta para uma
formação multifatorial da personalidade, considerando além dos aspectos biológicos,
psicológicos e sociais, um quarto fator chamado espiritual. Os participantes consideram a
família um espelho para a criança e os vínculos nela formados, essenciais para a formação
identitária. E entendem que esse cuidado parental tem sido terceirizado.
Conclusão: A partir dos dados obtidos e discutidos na pesquisa, pôde-se compreender que as
relações familiares são importantes para a formação da personalidade e influenciam
consideravelmente no desenvolvimento saudável dela. Formação esta que acontece a partir de
múltiplos fatores interdependentes. Apesar de as transformações na configuração familiar
serem constantes, sua presença, ou de um substituto suficientemente bom é imprescindível
para a formação da identidade de cada pessoa.
Palavras-chaves: família, personalidade, biopsicossocial.
Referências:
BOWLBY, J. Cuidados maternos e saúde mental. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
VASCONCELLOS, A. T. de M. A criança e o futuro: fundamentos biopsicossociais. 1. ed.
São
Paulo:
Cultura,
2009.
>.
Acesso
em
25
Junho
2015.
Direitos, garantias e remédios constitucionais,
fundamentos para um Estado Democrático de Direito
Andréa Guimarães Vilas Boas1, Donizete Delorenzo Ribeiro do Valle2
do curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2 Docente do curso de Direito, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1Discente
Introdução: Desde que o ser humano passou a conviver em sociedade que ele busca
pelos seus direitos, seja eles individuais ou coletivos e defender-se e proteger-se do
abuso de governos tiranos e das atrocidades do poder estatal, mesmo nos países
democráticos. A evolução histórica da humanidade demonstra como foi cada etapa
dessas conquistas pelo indivíduo, passando por gerações, ou também denominadas de
dimensões. Estas são em número de três e mais especificamente para alguns
doutrinadores em número de quatro, que são: primeira, que se caracteriza pelos direitos
e garantias individuais; segunda, são os direitos sociais, econômicos e culturais;
terceira, direitos de interesse da coletividade e por último a quarta, que são os direitos
ligados ao futuro, ou seja, a máxima universalização dos direitos democráticos. Assim
sendo, os remédios constitucionais tem como função primordial garantir os direitos e
garantias fundamentais, seja eles individuais ou coletivos e encontram-se tutelados no
nossa constituição no artigo 5º. Objetivos: Elencar e conceituar cada um dos remédios
constitucionais, demonstrando a sua importância para a Constituição Federal de 1988.
Material e Resultados: o presente estudo foi desenvolvido por meio do método
dialético indutivo de análise do conteúdo doutrinário que possíbilitou uma revisão
biliográfica e webgráfica dos principais doutrinadores, bem como as principais
discussões destes sobre o tema. Conclusão: a pesquisa demonstrou que o presente tema
está bem fundamentado pela doutrina, existem aspectos que são unânimes entre os
doutrinadores e encontram-se presentes até hoje. Os direitos e garantias fundamentais
presentes na Constituição demonstram as conquistas do povo brasileiro, mas os
remédios constitucionais ainda necessitam serem melhores difundidos entre a população
para que possam viver numa sociedade verdadeiramente justa e igualitária.
Palavras-chaves: Remédios Constitucionais, Direitos e Garantias Fundamentais,
Constituição Federal.
Referências: BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 25ª ed. São Paulo:
Malheiros, 2010, p. 835.
BULOS, Uadi Lammêgo. Direito Constitucional ao Alcance de Todos. 4ª ed. São
Paulo: Saraiva, 2012, p. 780.
DANTAS, Paulo Roberto de Figueiredo. Curso de Direito Constitucional. 2ª ed. Paulo:
Atlas, 2013, p.908.
LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 11ª ed. São Paulo: Método,
2007, p. 816.
MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 28ª ed. São Paulo: Atlas, 2012, p.
956.
SILVA, José Afonso da Silva. Curso de Direito Constitucional Positivo. 34ª ed. São
Paulo: Malheiros, 2011, p. 871.
O poder dos marcadores de pressupostos
A palavra tem um poder enorme, é por meio dela, que se constrói a realidade, como diz
Lacan, o homem está na linguagem. Nesse sentido, destaca-se o texto publicitário que,
embora se utilize de outros recursos, como a imagem, é quase sempre mediado pela
palavra. E emprega diversos recursos expressivos, dentre eles, destacamos os
marcadores de pressupostos e as marcas implícitas, os quais tornam o texto mais
argumentativo e mais convincente. Nesse sentido, destacamos os marcadores de
pressupostos e as marcas implícitas, responsáveis pela força argumentativa dos
enunciados na peça publicitária do Grupo Cola Amazonas, no lançamento de um nova
cola de sapateiro. Objetivos: Com o presente trabalho, investigam-se os marcadores de
pressupostos e as marcas implícitas, de modo a ressaltar o poder argumentativo desses
elementos. Materiais e métodos: Para isso, pauta-se pelas teorias de Koch (2001);
Guimarães (1981), Fiorin e Savioli (2008), Maingueneau (2004), que têm contribuições
relevantes sobre esse assunto. O corpus utilizado é o anúncio publicitário do Grupo
Amazonas, veiculado em 1990. Resultados: Os pressupostos, marcas linguísticas, que
denotam ideias não expressas explicitamente, bem como as marcas implícitas, discurso
nas entrelinhas, tornam o texto mais argumentativo e mais convincente. Como se
observa no seguinte título da propaganda em análise: “A Amazonas está lançando uma
cola de sapateiro que vai fazer ela perder muitos fregueses”. A frase chama a atenção do
interlocutor, pois a palavra “perder” leva-o a pressupor que a empresa tem muitos
fregueses, mas vai perdê-los. Ou seja, “diz sem dizer”, deixa implícito esse discurso.
Porém, ao dizer no texto que é “ [...] primeira cola de sapateiro que não dá barato:
Adesivo Amazonas sem um pingo de Tolueno”, deixa pressuposta a ideia de que tratase de uma cola que não contém essa droga. E, complementando o texto, há uma imagem
de crianças negras com tarja preta. O que induz o leitor a inferir que a nova cola “é a
primeira” que vai impedir que muitas crianças se entorpeçam. Além disso, o enunciador
emprega também o argumento de autoridade “’[...] é uma cola tão avançada que nem
nos Estados Unidos, nem na Europa há. A palavra destacada justifica-se, por ser uma
cola que se preocupa com questões sociais, ou seja, diminuirá o número de pessoas que
cheiram cola. Isto é, uma cola que somente os sapateiros vão de fato, usar em seu ofício.
Conclusão: Os operadores argumentativos denotam a marca do sujeito no discurso,
segundo Koch (2002), eles evidenciam os atos do locutor no enunciado que produzido.
Além disso, levam o leitor a refletir sobre o explícito, desvendando o discurso implícito
nas entrelinhas do texto.
Referências
BRANDÃO, H. H. N.. Introdução à análise do discurso. 2. ed. Campinas, SP: Editora
da Unicamp, 1996.
CARVALHO, N. Publicidade: a linguagem da sedução. São Paulo: Ática, 2009.
GUIMARÃES, E. Texto e Argumentação: um estudo de conjunções do português. 4.
ed.Campinas: Pontes, 1981.
KOCH, I. A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 2001.
______. As marcas de articulação na progressão textual. In: ______. As tramas do texto.
Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.
______. Argumentação e linguagem.7. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2002.
MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2004.
Produção de alimentos e os números do desperdício.
Talita Ribeiro1; Flávia Cecílio Ribeiro2, Orientador
1
Discente do curso de Adminstração , UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Adminstração , UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Cerca de 26,3 milhões de alimentos no Brasil já tem seu destino certo: o
lixo, destes 45% é de frutas e hortaliças, por outro lado no mundo de nove pessoas uma
passa fome. No mundo 1,3 bilhão de toneladas de alimentos foi jogada fora
anualmente, o equivalente ao desperdício de 750 bilhões de dólares, ou traduzindo
em recursos naturais desperdiçou-se o equivalente a 250 quilômetros cúbicos de
água FAO (2013). O Brasil está entre os dez países que mais desperdiçam
alimentos no mundo é o quarto produtor mundial de alimento e o sexto em número de
habitantes que estão vivendo em condição de insegurança alimentar IBGE 2014. A
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária EMBRAPA cada brasileiro desperdiça 37
quilos de hortaliças por ano. Objetivos: Coletar dados do desperdício de alimentos no
Brasil, para que em futuras pesquisas estes dados possam servir para compor propostas
de formação de banco de alimentos na cidade de Guaxupé MG que evitem o desperdício
local. Material e métodos: Este trabalho é um estudo de revisão bibliográfica, em que
se pretende analisar as publicações sobre o desperdício de alimentos. Este levantamento
foi realizado no período de abril a agosto de 2015, nas seguintes bases de dados:
SciELO, DEDALUS, da Universidade de São Paulo e EEUSP, IBGE, EMBRAPA.
Através da analise dos artigos os dados que estes registravam foram convertidos em
gráficos na tentativa de facilitar a visualização dos leitores da obra. Considerações: O
estudo realizado fornece base de dados para futuras pesquisas, que podem gerar
formulação de propostas e estratégias que busquem minimizar o desperdício de
alimentos começando por futuras análises do desperdício local (Guaxupé e região)
sinaliza oportunidades de proposta de projetos como o de “banco de alimentos”.
Palavras-chaves: sustentabilidade; alimentos; agricultura.
Referências:
FAO. Food and Agriculture Organization of the United Nations. Disponível em:
http://www.fao.org/fileadmin/templates/wsfs/docs/expert_paper/How_to_Feed_the_Wo
rld_in_2050.pdf (acesso em 15/07/15).
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em:
10 mar. 2015.
ALIENAÇÃO PARENTAL: SANÇÕES LEGAIS E
OS EFEITOS DA LEI 13.058, DE 22 DE DEZEMBRO
DE 2014
Rogério; Lucas4. – [email protected]
Valle; Donizete Delorenzo Ribeiro do5. – [email protected]
Introdução: O presente artigo tem por objetivo tratar da alienação parental, um
fenômeno social, psicológico e jurídico que alcança dimensões mundiais, em razão do
elevado número de casos, sendo, inclusive objeto de apreciação do Poder Judiciário,
considerando a gravidade dos danos provenientes dos conflitos gerados sobre a guarda
entre pais e filhos causados pelo rompimento da vida em comum dos genitores, assim
como a necessidade de impor meios de punição àqueles que praticam tal ato a fim de
preservar o direito fundamental à integridade física, mental e moral e à convivência
familiar da criança e do adolescente, assegurados constitucionalmente. Abrange-se os
aspectos gerais, desde a visão constitucional, proteção dos filhos no Código Civil, os
princípios do Estatuto da Criança e do Adolescente, o conceito, características,
consequências. Apresenta uma análise de cada uma das sanções legais ao alienador,
previstas nos incisos I a VII, do artigo 6º, da Lei 12.318, de 26 de agosto de 2010. Ao
final, aborda as recentes novidades introduzidas pela Lei 13.058, de 22 de dezembro de
2014 e seus efeitos no ordenamento jurídico brasileiro, a qual estabelece a guarda
compartilhada como forma de inibição. Objetivo: Diagnosticar o cenário atual da
alienação parental, as principais punições aos autores de alienação parental e quais os
efeitos produzidos pela recente Lei 13.058, de 22 de dezembro de 2014. Metodologia:
A pesquisa científica se baseia em recursos bibliográficos: documentais, dados
estatísticos nacionais e internacionais, revistas especializadas em Direito de Família,
informações constantes de mídias digitais, impressas e audiovisuais, monografias,
artigos científicos, ordenamento jurídico brasileiro tais como: a Constituição Federal da
República, de 05 de outubro de 1988, Estatuto da Criança e do Adolescente e Código de
Processo Civil, doutrinas, jurisprudências e demais leis pertinentes, tendo sido adotado
o método dedutivo e pesquisa bibliográfica. Resultados: Pretende-se obter como
resultado a contribuição para o meio acadêmico: transmitir a realidade da alienação
parental no Brasil, fomentar proposta de promoção de eventuais medidas e ações
práticas que visem à redução da prática de alienação parental. Conclusão: É cediço, que
o direito é revestido de teor axiológico, valorativo, as transformações por que sofrem as
sociedades refletem diretamente o ordenamento jurídico, positivado ou não, analisadas
características históricas, culturais, religiosas, econômicas, dentre outras.A ordem
jurídica tem por fundamento a efetivação de direitos e garantias para efetivação dos
4
Discente do 10º período do curso de Direito do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé
– UNIFEG.
5
Professor MSc. Docente do curso de Direito do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé
– UNIFEG.
valores informativos do direito de família que remetem exatamente à formação da
sociedade, pois, reputa-se a família como a base da sociedade, seus valores influenciam
diretamente na formação dos indivíduos. Diante das constantes progressões interações
sociais, a sociedade contemporânea ainda continua lidando com inúmeros conflitos
familiares travados pelos pais após a separação, sendo a alienação parental, inclusive,
um dos mais graves. Pensando na tutela dos direitos da criança e do adolescente, o
legislador, nesta linha natural da inovação humana, fundado nos princípios,
notadamente no Princípio do Melhor Interesse, e em obediência aos preceitos
constitucionais, editou a Lei 12.318/2010.No enfrentamento à alienação parental, foi de
suma importância a inserção, no texto legal, de sanções proporcionais e razoáveis ao
alienador, segundo a gravidade da conduta perpetrada, como forma de controle social
necessário. A guarda compartilhada representa uma alternativa válida no combate
incessante contra a alienação parental, entretanto não deve ser o suficiente, logo se faz
necessário, a apuração de fatores internos e externos de cada caso concreto, a
subjetividade e a objetividade, para que possa ser inserida entre as práticas da
determinação de guarda nos Tribunais. Inobstante, a guarda compartilhada ainda não é
um instituto encerrado e consolidado, mas significou um grande avanço em todos os
sentidos, mas a introdução da Lei 13.058/2014 revelou que o legislador se atentou para
as demandas da população, acompanhado o seu progresso, se adequando juridicamente
às situações novas eventualmente emergentes no Judiciário. Não se pretende com o
presente artigo esgotar o tema, longe disso, certamente a aplicação da lei necessitará de
muito debate e avaliação dos casos emergentes na seara judicial.
Palavras-chave: Alienação Parental, Sanções Legais, Efeitos da Lei 13.058/2014.
Referências Bibliográficas:
DIAS, Maria Berenice. Manual de direito das famílias. 6. ed. rev., atual. e ampl. São
Paulo: RT, 2010. p. 12.
DINIZ, Maria Helena de. Curso de Direito Civil Brasileiro: Direito de Família. 22.
ed. rev. Atual. São Paulo: Saraiva. 2007. v.5.p. 515.
FIUZA, César. Curso de Direito civil – Curso Completo. 14. ed. Belo Horizonte: Del
Rey, 2010.
GAGLIANO, Pablo Stolze; PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo Curso de Direito
Civil: Vol. 6 - Direito de Família. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2012.
GOMES, Orlando. Direito de família, p. 395. Rio de Janeiro: Forense, 2009.
GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro - Direito de família. São
Paulo: Saraiva, 2009.
PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil: direito de família. 18. ed.
Rio de Janeiro: Forense, 2010. v.5.p. 469.
RODRIGUES, Silvio. Direito Civil: Direito de família, p. 344. São Paulo: Saraiva,
2010.
SILVA, Regina Beatriz Tavares da; MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de
Direito Civil: direito de família. 40. Ed. São Paulo: Saraiva, 2010.
REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL – UMA
DISCUSSÃO SOBRE EVOLUÇÃO DO DIREITO E
SOCIEDADE
Lucas Guilherme da Silva
Bacharelado em Direito e Ciências Sociais, UNIFEG, Guaxupé/ MG,
[email protected]
SILVA, Lucas Guilherme. Redução da maioridade penal – uma discussão sobre
evolução do direito e sociedade. 2015. 56 f. Trabalho de conclusão de curso
(graduação em Direito) – Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé.
Guaxupé, 2015.
Esta pesquisa aborda um dos temas mais discutidos atualmente nos meios social,
midiático, jurídico e legislativo, a redução da maioridade penal, e busca atrelar esse
tema à evolução do Direito na sociedade, pois Direito e sociedade se pressupõem. Busca
demonstrar que as normas jurídicas devem andar em consonância com a vontade social,
a fim de se ter uma aplicação mais efetiva do direito material evitando o
descontentamento da sociedade e a falta de segurança jurídica. Busca fornecer subsídios
às autoridades públicas para a solução dessa discussão que tanto assola a sociedade e
fomentar conhecimento aos operadores e estudantes do Direito e críticos em geral.
Discorre também em um estudo técnico e pormenorizado de leis, doutrinas e pesquisas,
sobre a legislação atual em relação ao tema, a imputabilidade penal, a culpabilidade e
sobre a redução da imputabilidade penal, tema chave da pesquisa, além de trazer
pesquisas que comprovam o anseio social para que a redução se viabilize. Por fim,
busca comentar as medidas sugeridas até o presente momento pelos parlamentares,
sugerindo as mais relevantes e plausíveis.
Palavras-chave: Evolução da sociedade, Imputabilidade penal, Redução da Maioridade
Penal.
RESUMO
AÇÃO MONITÓRIA CONTRA A FAZENDA
PÚBLICA
Com o aumento das lides envolvendo o Poder Público implica a criação de mecanismos
processuais efetivos de maneira a permitir a solução desses conflitos de interesses, com
o intuito de assegurar a pacificação social e o próprio caráter democrático do Estado de
Direito. Com este cenário, elaborei o presente trabalho, com o objetivo de demonstrar as
considerações sobre as prerrogativas processuais asseguradas à Fazenda Pública,
quando atua como parte numa relação jurídica processual, procurando demonstrar os
fundamentos que asseguram a constitucionalidade do sistema a que se submete na
condição de devedora perante o Poder Judiciário.
Palavras-chave: fazenda pública, execução, ação monitória.
Sistemas Agroindustriais Sustentáveis: um estudo de
caso em uma organização cooperativa de café
Yan Lucas Maia1,Luciana Angelino Gonçalves2; Sandra Mara Schiavi Bankuti3,
Luciana Angelino Gonçalves4
1
Discente do curso de Administração, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Administração, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
3
Docente do curso de Administração, UEM, Maringá, PR. [email protected]
4
Docente do curso de Administração, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A base teórica que sustenta esta análise foi realizada a partir da Teoria de
Organização Industrial e da Nova Economia Institucional o qual se avaliou o ambiente
institucional da cooperativa de café escolhida para o estudo, seu comportamento e o
desempenho frente leis e regulamentações desta organização. Ao longo dos últimos
anos, as empresas que mais crescem em proporção conforme as estatísticas são as
empresas que possuem estruturas dinâmicas os quais compartilham conhecimentos,
investem em pesquisas e desenvolvimento, executam estratégias inovadoras com o foco
no mercado futuro com responsabilidade social. Objetivos: O objetivo deste estudo é
analisar as interações no sistema agroindustriais para a sustentabilidade. Buscou-se
compreender as relações entre os agentes, através de parcerias (organização x produtor),
ações coletivas beneficentes e suas ligações com os ambientes organizacionais e
institucionais em relação ao desempenho sustentável, especificamente envolvendo uma
organização cooperativa de café. Material e Métodos: A pesquisa qualitativa foi
desenvolvida através de um estudo de caso, envolvendo uma organização cooperativa
de café e seus agentes ligados, tais como produtores de café e organizações
(associações, agências de certificação e instituições de pesquisa). Para que este estudo
de caráter exploratório fosse construído foi feita a coleta de dados por meio de
entrevistas. O tipo de entrevista utilizado foi o de entrevista semi estruturada. Os
procedimentos metodológicos incluíram revisão da literatura sobre desempenho
sustentável e agro-sistema de coordenação, e os dados primários foram coletados
através de entrevistas in loco com os responsáveis pela área de sustentabilidade e
inovação na cooperativa. Além disso, a informação primária foi complementada com
informações secundárias obtidas em relatórios, imprensa e outros materiais
institucionais. Finalmente, os dados foram analisados através de análise de conteúdo.
Resultados: O estudo permitiu identificar um conjunto de práticas sustentáveis, interna
e externamente desenvolvidas pela organização. Agro sistema de coordenação nesse
caso é complexo, que inclui formas plurais de governança. Diferentes aspectos
relacionados com a sustentabilidade podem ser encontrados de acordo do produto e do
mercado em causa: para o café commodity, especialmente vendido no mercado interno
até a fase seguinte de conformidade legal ambiental, enfocando a importância das
instituições e sua coordenação. Conclusão: Foram
analisadas
suas
estratégias,
principais políticas sustentáveis e práticas frente à gestão socioambiental com base nos
4Ps de inovação sustentável e tripé de sustentabilidade. Utilizou-se para isso dados
primário, secundário e pesquisa de campo. É visto que são realizadas estratégias
específicas, mudanças em suas estruturas e condutas obtendo desempenhos positivos em
relação a esta transição para um único fim: desenvolver uma gestão sustentável
procurando atender as exigências do ambiente institucional.
Palavras-chaves: Desempenho sustentável; instituições; produção de café;
competitividade.
Referências: MACHADO, C. Ambiente e Estratégias segundo a teoria sistêmica e
teoria Institucional: um estudo comparativo de casos em escolas públicas, 2002.
SCHARF, R.(2004). Manual de negócios sustentáveis. São Paulo: Amigos da Terra.
A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE
GERENCIAL PARA A TOMADA DE DECISÕES
EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO
VAREJO
Juliana Aparecida do Nascimento1; Márcia Maria Moreira de Lima2, Flávio Eduardo
Brigagão de Carvalho3
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
3
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé,
MG.
[email protected]
Introdução: As constantes mudanças no cenário econômico mundial vêm desafiando as
organizações a adequar suas práticas de gestão à nova realidade do mercado. Deste
modo, salientamos a relevância da contabilidade como ferramenta gerencial
indispensável para o sucesso e continuidade das micro e pequenas empresas do setor
varejista, pois muitos desses empresários utilizam a Contabilidade somente para fins
fiscais, para atender as regulamentações tributárias e contábeis, e desconhecem os
vários recursos que a contabilidade possui para orientá-los na tomadas de decisões.
Objetivos: Este estudo tem o intuito de evidenciar a importância da contabilidade para
auxiliar os gestores no processo decisório e apresentar os recursos contábeis gerenciais
existentes. Material e Métodos: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica, buscando o
maior número de informações para ressaltar a importância da contabilidade, e também
um estudo de caso, com questionário aplicado a empresários varejistas, com a finalidade
de demonstrar como estes estão utilizando a contabilidade para gerir suas entidades.
Resultados: A análise dos dados coletados levou a considerações significantes sobre o
uso da contabilidade nas empresas, onde podemos destacar que o motivo principal da
utilização da contabilidade nas empresas é para atender as exigências fiscais, definindo
assim, que poucos utilizam a contabilidade gerencial para fins de tomada de decisões,
mas os empresários tem consciência da importância da contabilidade e desejam aplicála sabiamente para gerir suas empresas, porém necessitam de auxilio e mais
informações para melhor utilizar os vários recursos contábeis para a tomada de decisões
mais precisas e não somente para atender a legislação tributária vigente no país.
Conclusão: A utilização da contabilidade gerencial na tomada de decisões deve ser
auxiliada por contadores e acompanhadas pela capacitação dos gestores e
colaboradores, pois, por muitas vezes, os profissionais contábeis não oferecem serviços
de consultoria a seus clientes, o que podem vir a suprir as necessidades de falta de
conhecimentos dos empresários sobre contabilidade, asseguramos que, as entidades
precisam ter um controle diário de suas atividades, pois, uma organização independente
de seu tamanho ou ramo de atividade, precisa ter controles para orientar no processo de
gestão. Deste modo, o conhecimento da contabilidade e de suas diversas ferramentas,
auxilia e passa a ser um diferencial, orientando o gestor para uma tomada de decisão
bem sucedida e maximizando seus lucros e se consolidar no mercado em que atua.
Palavras-chave: Contabilidade Gerencial; Micro e Pequena Empresa; Gestão.
Referências: IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos. Contabilidade comercial.
6. ed. São Paulo: Atlas, 2004; e MARION, José Carlos. Contabilidade Empresarial. 15.
ed. São Paulo: Atlas, 2009.
IMPACTOS DA DECLARAÇÃO ERRÔNEA DE
AJUSTE ANUAL DA PESSOA FÍSICA
Daiane Cristina Martins1, Daiane da Silva Flório1, Antonio Carlos Pereira2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O artigo apresenta uma análise da declaração anual de imposto de
renda de pessoa física, devido procedente de uma declaração efetuada de maneira
errônea. Muitas mudanças têm ocorrido no decorrer dos anos, para efetuar a declaração
de imposto de renda, determinando assim que os contribuintes adaptem-se anualmente
para poderem acompanhar todas as alterações e evitarem cair na “malha fina” da
Receita Federal. Assim que a declaração é enviada à Receita Federal ela sofre uma
investigação sobre os valores declarados pelo contribuinte para ver se são compatíveis
com o crescimento patrimonial ou sua movimentação econômico-financeira em relação
ao ano-calendário anterior (MACHADO, 2008). Diante desse contexto,
a problematização que norteou o artigo foi: qual a importância de se conhecer os
critérios para a declaração anual do imposto de renda da pessoa física? Objetivo Geral:
analisar as consequências da falta de conhecimento adequado dos critérios para
declaração de imposto de renda da pessoa física para a vida do contribuinte.
Material e Métodos: a opção metodológica traçada para este trabalho foi por uma
revisão de literatura. Resultados: Ao realizar este trabalho chegamos a um
consenso comum, que todo contribuinte deve ter a máxima atenção aos critérios
exigidos para declaração anual por parte da secretaria da Receita Federal, a fim
de não cair na malha fina ou ter que pagar multa por entrega em atraso.
Conclusão: Diante do estudo realizado, é possível tecer algumas considerações
finais, a partir da premissa de que, os problemas enfrentados pelos contribuintes,
principalmente as pessoas físicas, sobre o correto preenchimento dos formulários e
documentos exigidos pela Receita Federal gera uma complexidade de questionamentos
que se não forem bem analisados podem causar ônus ao contribuinte. A pesquisa
permitiu também afirmar que a tabela progressiva de cobrança do imposto e da pouca
flexibilidade em relação às despesas dedutíveis, há maior ônus do IRPF sobre os
contribuintes de maior renda do que sobre os de rendimento inferior. Por fim, em
resposta à pergunta que norteou esse artigo sobre qual a importância de se conhecer os
critérios para a declaração anual do imposto de renda da pessoa física, pode-se afirmar
que, está na possibilidade de não cometer erros que levem à malha fina da receita
federal, ou que perca o prazo para entrega da declaração devidamente documentada, o
que levará a ter que arcar com multa, fatores esses, que podem ser evitados, se obedecer
aos ditames disponibilizados anualmente pela Receita Federal.
Referências:
MACHADO, Ana Paula. Imposto de Renda Pessoa Física: Especificidades do
processo de declaração. Monografia apresentada ao Departamento de Ciências
Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2008. Disponível
em http://tcc.bu.ufsc.br/Contabeis291526. Acesso em 20 Mai. 2015.
BRASIL. Receita Federal do Brasil. Declaração Obrigatoriedade de Apresentação.
2015.
Disponível
em
http://www.receita.fazenda.gov.br/PessoaFisica/IRPF/2015/declaracao. Acesso em 15
Mai. 2015
_______. Imposto sobre a renda: Pessoa física. Perguntas e respostas. Exercício de
2015. Ano-calendário de 2014. Disponível em http://www.receita.fazenda.gov.br.
Acesso em 18 Mai. 2015.
IMPORTANCIA DO CONTROLE DE CUSTO DE
MERCADORIAS EM MICROEMPRESAS E
EMPRESAS DE PEQUENO PORTE - COMERCIAL
Estephânia Feliciano1, Ana Cristina Campos Prado Teixeira2
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Introdução: As microempresas e empresas e pequeno porte são as mais
importantes geradoras da economia brasileira. Assim é de extrema importância que o
microempreendedor e empresário de pequeno porte tenham conhecimentos reais sobre
contabilidade para tomadas de decisões na empresa. Custo esta em nossa vida desde o
nascer ate o morrer, com isso podemos ter uma ideia distorcida do que realmente é custo
dentro da empresa e não fora. Como a empresa comercial é simplesmente compra e
venda de produtos, este artigo mostra o que é custo na hora da compra e quando se torna
despesa na hora da venda do produto, quais os impostos e taxas que incidem sobre a
compra do produto e qual os métodos de controles de estoque e avaliação, o
empreendedor terá para auxiliar no discernimento conhecimento do custo e despesa.
Visando assim, analisar se a empresa esta obtendo lucro ou prejuízo, com isso o
microempreendedor e empresário poderá usufruir dessas informações na hora da tomada
de decisão na empresa. Objetivos: Este artigo é voltado a microempreendedores e
empresários, e tem mero objetivo de conscientização a importância que se tem inserir
um controle de custo de mercadorias, a importância de discernir o que realmente são
custos e suas terminologias dos produtos adquiridos e revendidos, e por fim obter
controle de estoque e avaliação. Material e Métodos: Foi realizada uma pesquisa
bibliográfica e qualitativa. Conclusão: Este artigo cumpre com o objetivo que é
conscientizar o leitor empreendedor da importância de inserir um controle de custos em
sua empresa. Com este estudo o microempreendedor e o empresário observa sem
nenhuma distorção o que são custos e suas terminologias, e também quando custo se
torna despesa na hora da venda. Com a ajuda dos métodos de avaliação de estoque, o
microempreendedor e o empresário terá mais facilidade no discernimento de custo e
despesas na compra-venda que é muito importante para definir um melhor Preço de
venda. O preço é determinado pelo mercado sendo assim é indispensável cobrir a
concorrência e manter seus lucros, bem como se faz necessária uma noção de custo para
saber se o negócio é lucrativo ou não, assim gerando rentabilidade para a empresa.
Portanto esses métodos de avaliação influenciam no resultado da empresa, fazendo
assim uma melhor tomada de decisão dando continuidade à empresa.
Palavras-Chave:
Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, Custo, Tomada de decisões.
Referências:
DUTRA, René Gomes. CUSTOS. São Paulo: Atlas, 2003, 32.
MARTINS, Eliseu. CONTABILIDADE DE CUSTOS. 9ª ed. São Paulo: Atlas, 2003,
27.
IUDICIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos. CONTABILIDADE COMERCIAL.
6ªed. São Paulo: Atlas, 2004, 101.
IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DO CAPITAL DE
GIRO PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS
Denise dos Reis Sousa Macedo1, Nelma do Amaral1; Roberto Marchelli Ribeiro Junior2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do cursode Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé,
[email protected]
Introdução: O presente trabalho tem o objetivo de apresentar os benefícios de
uma gestão financeira adequada para a manutenção do capital de giro nas pequenas
empresas. Dessa forma são abordados os principais conceitos deste tema, bem como a
classificação e a representatividade das micros e pequenas empresas na economia
brasileira. Discute-se também a importância da gestão do capital de giro para essas
empresas. Este trabalho demonstra como as micros e pequenas empresas podem
administrar suas finanças mediante ferramentas contábeis. Com este trabalho aborda-se
a necessidade das micros e pequenas empresas utilizarem ferramentas contábeis na
Administração financeira, com foco na gestão do capital de giro. Objetivos: É
demonstrar como as micros e pequenas empresas podem utilizar ferramentas
financeiras, como o capital de giro, para aumentar o seu lucro e também para auxiliar na
tomada de decisão e permanecer atuante no mercado. Material e Métodos: Explicita-se
o conteúdo por meio de pesquisa bibliográficas de diversos autores. Além disso,
utilizam-se, trabalhos acadêmicos e também reportagens e pesquisas de sites
conceituados. Conclusão: Com base na pesquisa realizada, é possível verificar que as
micros e pequenas empresas são essenciais para a economia brasileira. Por outro lado,
elas apresentam dificuldades para se manter no mercado competitivo, fato este que, na
maioria das vezes, está relacionado com uma gestão financeira inadequada, que pode
levar a empresa a resultados equivocados e até mesmo a falência. Este trabalho busca
demonstrar a importância da Administração financeira para as pequenas empresas,
focalizando a gestão do capital de giro que proporciona mais segurança para a gestão
financeira. E mediante essa ferramenta, pode-se analisar a situação atual da empresa e
verificar, por exemplo, se existe a necessidade de investimento em giro ou até mesmo
averiguar a existência de recursos disponíveis para serem investidos em novas
oportunidades. Pela gestão do capital de giro, também é possível prever determinadas
situações, proporcionando assim auxílio ao gestor para que ele possa tomar decisões
adequadas e alcançar o objetivo da empresa, o que pode gerar mudanças significativas
no resultado.
Palavras-chave: capital de giro, gestão financeira, micro e pequenas empresas
Referências:
ASSAF NETO, A; SILVA, C. A. T. Administração do Capital de Giro. 4. Ed. São
Paulo: Atlas, 2012.
SANTOS, E. O. Administração Financeira da Pequena e Média Empresa. 2. Ed. São
Paulo: Atlas, 2010.
INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS ECONOMÉTRICAS
NA OFERTA CAFEEIRA DO ESTADO DE SÃO
PAULO, BRASIL
Adriana Ferreira de Moraes1, Adriano Ferreira de Moraes1; Lucas Eduardo de Oliveira
Aparecido2
1
Discentes de pós-graduação em administração (Mestrado), UNESP – Jaboticabal,
Graduados em Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
2
Pesquisador Científico nível Mestrado, Fapesp, SP. Mestrando em Produção Vegetal
(Agrometeorologia), UNESP, SP. [email protected]
Introdução: O café é uma commodity que proporciona emprego e renda em diversas
regiões brasileiras. A oferta de um produto é definida pelas várias quantidades que os
produtores estão dispostos e aptos a oferecer ao Mercado. Analisar quais os fatores que
determinam a variação da oferta é fundamental para entender a resposta do setor
produtor as variáveis econômicas. Objetivos: Assim, objetivou-se identificar os
elementos econométricos que mais influenciam a oferta do Coffea arábica L. nas
regiões produtoras de São Paulo. Material e Métodos: Foram utilizadas regiões
representativas do Estado Paulista: Batatais, Caconde, Cássia dos Coqueiros, Cristais
Paulista, Espirito Santo do Pinhal, Mococa e Osvaldo Cruz. Utilizaram-se dados de
oferta cafeeira e variáveis econométricas de cada município do período de 2000-2014,
obtidos no Instituto de Economia Agrícola e na Fundação Sistema Estadual de Análise
de Dados. As variáveis utilizadas foram a oferta cafeeira (t), o crédito rural da
agricultura (reais); a área colhida (ha); o valor adicionado na agropecuária (reais); a
participação da agropecuária no valor adicionado total (%) e valor da produção do
cafeeiro (mil reais). Primeiramente, realizou-se uma análise de correlação de Pearson
entre variáveis econométricas e a oferta cafeeira. Posteriormente, utilizando das
variáveis que apresentaram maior correlação na primeira análise, empregou-se a análise
de regressão para avaliar a sensibilidade dos coeficientes angulares a fim de encontrar
quais destas variáveis tiveram maior influência na oferta dos municípios. Resultados:
Na avaliação de correlação das variáveis econométricas com a oferta cafeeira no Estado
de São Paulo, observou que todas as variáveis econométricas apresentaram relação
direta proporcional, com níveis de correlação diversos. As variáveis econométricas que
demonstraram maior correlação com a oferta cafeeira foram à área colhida de café o
valor da produção do cultivo no município, com elevados coeficientes de 0,786 e 0,863,
respectivamente. A variável econométrica com menor correlação foi à participação da
agropecuária No valor arrecadado total do município. A sensibilidade média da oferta
cafeeira em função do valor da produção e da área colhida de café foram de
0,292
e 1,17
, respectivamente.
FIGURA 1: Valor de produção (a) e área colhida (b) com a oferta cafeeira de São
Paulo.
Conclusão: As variáveis econométricas que mais influência a oferta cafeeira Paulista
são a área colhida e o valor de produção do município.
Palavras-chaves: Modelagem, Econometria, Crédito Rural.
Referências:
GUJARATI, D.N.; PORTER, D.C. Econometria básica. Porto Alegre, AMGH Editora,
2011.
ESTIMATIVA DA OFERTA CAFEEIRA DA
REGIÃO DE CACONDE-SP POR MODELOS
ECONOMÉTRICOS
Adriana Ferreira de Moraes1, Adriano Ferreira de Moraes1; Lucas Eduardo de Oliveira
Aparecido2
1
Discentes de pós-graduação em administração (Mestrado), UNESP – Jaboticabal,
Graduados em Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
2
Pesquisador Científico nível Mestrado, Fapesp, SP. Mestrando em Produção Vegetal
(Agrometeorologia), UNESP, SP. [email protected]
Introdução: Como o café é um das principais commodities da agricultura brasileira, o
conhecimento antecipado da sua oferta é sem dúvida uma ferramenta que produtores,
comercializadores e economista podem utilizar em suas estratégias. Poucos trabalhos
relacionam a influência das variáveis econométricas com a oferta cafeeira. Objetivos:
Assim, objetivou-se calibrar modelos econométricos estatísticos para estimar a oferta do
Coffea arábica L. na região de Caconde, uma das principais regiões produtoras do
estado de São Paulo. Material e Métodos: Foi utilizada uma região representativa do
Estado Paulista na produção cafeeira, sendo a localidade de Caconde. Utilizaram-se
dados de oferta cafeeira e variáveis econométricas do município do período de 20002014, obtidos no Instituto de Economia Agrícola e na Fundação Sistema Estadual de
Análise de Dados. Os modelos foram desenvolvidos com técnicas de regressão linear
múltipla, a seleção de variáveis foi feita testando todas as combinações possíveis. A
variável dependente do modelo foi a oferta cafeeira, já as variáveis independentes foram
as variáveis econométricas: o crédito rural total do município (CR, reais); o crédito rural
da agricultura (CRA, reais); a área colhida (AC, ha); o valor adicionado na agropecuária
(VAA, reais); a participação da agropecuária no valor adicionado total (PVA, %), valor
da produção do cafeeiro (VP, mil reais) e valor adicionado fiscal da agricultura e
pecuária (VAF, mil reais). A acurácia e a precisão dos modelos foram analisadas pelo
erro percentual absoluto médio (MAPE), coeficiente de determinação ajustado
(R2ajustado). Resultados: O modelo econométrico desenvolvido para estimar a oferta
cafeeira em Caconde foi acurado (Figura 1), pois demonstrou um MAPE de 8,13% e um
R2 de 0,91. Os dados estimados pelo modelo foram muito próximos dos dados
observados. Vale ressaltar, que um erro de 8,13% é considerado baixo, pois em um
município com oferta média de 25.000 toneladas ocorre uma variação média de ± 2000
toneladas.
OFERTA = - 67,77 x PVA + 0,290 x VP - 0,0012 x VAF + 4081,31
(1)
FIGURA 1: Oferta de café observada e estimada pelo modelo econométrico em
Caconde.
Conclusão: O modelo econométrico calibrado para a região de Caconde foi acurado,
podendo ser utilizando na tomada de decisão pelos produtores.
Palavras-chaves: Modelagem, Planejamento, Econometria, Estratégia.
Referências:
GUJARATI, D.N.; PORTER, D.C. Econometria básica. Porto Alegre, AMGH Editora,
2011.
A IMPORTÂNCIA DA ÉTICA NA AUDITORIA
EMPRESARIAL
Ana Carolina Rodrigues Reis1, Lívia Maria Miquelin1; Allan da Silva Coelho2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Em uma auditoria, a empresa recebe profissionais externos com a função
de verificar e analisar todo o trabalho dos profissionais já envolvidos no cotidiano da
organização. Por isto, a ética deve ser marca característica na atuação profissional do
auditor. Objetivos: Demonstrar a importância da ética nos processos de auditoria das
organizações. Material e Métodos: Revisão de Literatura, em livros, revistas e
periódicos sobre o tema abordado para compor o estudo e trazer a compreensão que se
quer sobre a importância da ética na auditoria empresarial. Resultados: De acordo com
a literatura pesquisada, o exercício da auditoria contábil requer, além da preparação
técnica, a defesa de princípios e valores éticos que reflitam na construção de uma
imagem profissional que transmita segurança, confiabilidade e credibilidade ao
resultado das análises. Conforme Barros (2010) o Código de Ética tem o objetivo de
conduzir o exercício da profissão contábil em qualquer de sua prática com a devida
dignidade, respeito, lealdade, ética, autonomia e independência. Teixeira (2014) e Sá
(2005), por exemplo, citam que na profissão contábil, inclusive na função de auditoria,
o profissional, pelos conhecimentos e acessos de que dispõe, estão fortemente expostos
ao risco de se deixarem seduzir por meios ilegais, que passam longe de condutas éticas,
para obterem sucesso material rápido e fácil. Por isso, os profissionais de contabilidade,
dentre eles os auditores, devem manter uma postura profissional com a compreensão de
que o resultado de um trabalho competente garante mais do que riqueza, proporciona
felicidade profissional e o próprio sucesso como fruto de um trabalho sério é menos
arriscado e mais definitivo e sólido para o profissional do que os riscos da conduta
antiética e ilegal no exercício de suas atividades. Conclusão: O estudo conclui que a
auditoria contábil é uma prática cada vez mais usual no cenário das organizações
empresariais, visando evitar erros e fraudes que comprometam a vida financeira das
empresas, a figura do auditor contábil é cada vez mais comum e seu papel requer um
dinamismo profissional por envolver um processo que pode ser considerado uma
espécie de fiscalização do trabalho de outros profissionais da empresa, essas relações
precisam ser muito profissionais e éticas para evitar conflitos e desgastes. É papel do
profissional na auditoria contábil fazer bom uso de seus conhecimentos para evitar, que
existindo permaneçam, e podendo evite-se, qualquer falha e fraude no âmbito da vida
financeira e econômica da organização, estando o comportamento ético a serviço dos
interesses da empresa.
Palavras-chaves: Auditoria. Empresa. Contabilidade. Responsabilidade. Ética.
Referências:
BARROS, M. R. F. A ética no exercício da profissão contábil. Monografia. Belo
Horizonte: PUCMinas, 2010.
SÁ, A. L.; HOOG, W. A. Z. Corrupção, fraude e contabilidade. Curitiba: Juruá,
2005.
TEIXEIRA, P. H. Profissão Auditor. Portal de Contabilidade. Disponível em:
<http://www.portaldecontabilidade.com.br/tematicas/profissaoauditor.htm>. Acesso em:
25 de maio de 2015.
O CONTROLE DE CUSTOS NA PECUÁRIA: UM
ESTUDO DE CASO DO PEQUENO PRODUTOR
PECUARISTA NA REGIÃO SUL DE MINAS
GERAIS
Charles Moreira de Oliveira1, João Luiz Camargo Silva1; Adilson Torres2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
2
Docente do curso de Ciências Contábeis,UNIFEG, Guaxupé,
[email protected]
Introdução: Este estudo contribui com levantamentos situacionais, modelos de plano
de contas, pesquisas bibliográficas e estudo de caso concreto mostrando a importância
da aplicação da contabilidade de custos nas atividades pecuaristas de corte e leiteiro, é
muito importante para a formação dos contabilistas que poderão se deparar com a
necessidade de mercado nesse setor. Objetivos: O objetivo desse estudo é demonstrar
que o levantamento dos custos e determinação de preços é um desafio a ser vencido pela
gestão pecuarista, para tornar seu produto competitivo, obter lucratividade e
sobrevivência no mercado. Como objetivos específicos do estudo destacam-se: conhecer
e identificar os custos que envolvem a atividade do pequeno produtor pecuarista na
região Sul de Minas Gerais; identificar os pontos fracos e pontos fortes da atividade do
pequeno produtor e como a contabilidade de custos pode ser importante na gestão de
seus negócios. Material e Métodos: Revisão de Literatura, em livros, revistas e
periódicos sobre o tema abordado para compor o estudo e trazer a compreensão que se
quer sobre a importância do controle de custos na pecuária. Resultados: O resultado da
pesquisa comprova a citação literária de que a maioria dos pequenos proprietários
rurais ainda não reconhecem a importância da contabilidade em suas atividades e
negócios, o produtor em questão não utiliza nenhuma assessoria contábil, e não dispõe
de conhecimentos técnicos de controles contábeis e financeiros, limitando suas práticas
de controle das suas atividades produtoras com o pouco conhecimento que dispõe de
planejamento familiar, embora esta venha sendo essencial para auxiliá-lo na
administração de seus custos e manutenção da rentabilidade de sua atividade, o
planejamento familiar não é adequado para a realidade dos negócios, como um
planejamento financeiro estruturado com base em informações contábeis que poderia
alavancar os resultados da atividade e buscar crescimento no ramo da pecuária de leite e
de gado de corte. a contabilidade rural possibilita que as informações sejam mais claras
e objetivas para que o proprietário as utilize adequadamente no desempenho de suas
propriedades, em cada fase da produção, com planejamento e controle de custos que
influenciam no preço final e na lucratividade dos rebanhos.Conclusão: O estudo
cumpre sua proposta mostrando que a literatura contábil enfatiza a importância do
controle de custos e planejamento financeiro dos pequenos produtores rurais e mostra
como é feita, na prática á administração de uma pequena propriedade rural no Sul de
Minas Gerais. Nesse contexto, a contabilidade rural deve ser aderida como ferramenta
de apoio ao pequeno produtor. A aplicação do controle de custos por meio da
contabilidade rural se mostra essencial para que possa fazer uma avaliação correta dos
resultados obtidos, especialmente para prever riscos e estabelecer estratégias de
enfrentamento de riscos, com decisões subsidiadas em bases sólidas e reais sobre a
produção. Para reduzir custos, aumentar a lucratividade e possibilitar que o pequeno
produtor cresça nesse mercado é preciso investir na contabilidade e reconhecer a
importância do controle de custos.
Palavras-chaves: Controle de Custos. Pecuária. Pequeno Produtor.
Referências:
MARION, José Carlos. Contabilidade Rural: contabilidade agrícola, contabilidade da
pecuária, imposto de renda pessoa jurídica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2002.
A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NO
PLANEJAMENTO DAS MICRO-EMPRESAS E
EMPRESAS DE PEQUENO PORTE
Letícia Cristina Baquião1, Pedro Henrique Lopes1; Antônio Carlos Pereira2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé,
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Ao mesmo tempo em que as micros-empresas e pequenas empresas vivem
um cenário de crescimento constante no Brasil, em termos de abertura, a dificuldade
delas em sobreviver no mercado também é uma realidade constante. Daí a importância
destas empresas de menor porte investir em planos de desenvolvimento e na utilização
da contabilidade no processo de controle e tomada de decisão para que a empresa possa
driblar as dificuldades e se manter e crescer no mercado atual. Objetivos: O objetivo
deste estudo é demonstrar a importância do capital de giro no contexto das microsempresas e empresas de pequeno porte. Material e Métodos: O método da pesquisa é a
Revisão de Literatura que busca em livros, artigos e materiais acadêmicos publicados
sobre o assunto as informações importantes para compor o estudo e cumprir o objetivo
proposto mostrando como o capital de giro é importante na gestão das empresas de
menor porte e como pode ser um diferencial para a sobrevivência desta no mercado
atual. Resultados: As pequenas empresas são fundamentais na economia brasileira,
especialmente em um país como o Brasil que enfrenta crises em que o desemprego e o
subemprego levam as pessoas à procura de abrir seus próprios negócios, aspirando
sobreviverem de suas atividades e crescerem em um mercado intensamente competitivo
e infelizmente grande parte das empresas que abrem com este propósito acabam
fechando logo no início por não contatarem com uma estrutura administrativa adequada
que envolva planejamento e controle do capital de giro. Ocorre que para sobreviver no
mercado uma empresa precisa manter um equilíbrio financeiro e isto só é possível por
meio de um efetivo planejamento financeiro com controle do capital de giro, com o uso
da contabilidade nos processos decisórios da organização, especialmente nas decisões
financeiras de curto prazo, envolvendo a administração de ativos e passivos circulantes,
cuja falha no controle pode ser fatal à saúde financeira da empresa, levando-a a prejuízo
e até falência. Conclusão: É necessário prevenir a insuficiência do capital de giro e
garantir a liquidez do negócio. Para isto, é crucial manter um claro controle de ativos e
passivos circulantes, da inadimplência, manter em dia toda a documentação de todos os
processos financeiros da empresa, e fazer sempre que for preciso, renegociações de
dívidas para o longo prazo, com pleno e total conhecimento do fluxo de caixa e do ciclo
financeiro e assim manter uma política de redução de custos e despesas que favoreça os
resultados financeiros da empresa. Portanto, o controle de capital de giro de uma
empresa vai muito além de simples medidas financeiras, ele se pauta em planejamentos,
estratégias, operações e práticas gerenciais sempre pensadas no sentido de manter o
capital de giro em nível de equilíbrio para manter a solvência e liquidez nas suas contas.
Palavras-chaves: Capital de Giro. Micro-empresa. Empresa de Pequeno Porte.
ANÁLISE DE BALANÇO COMO FERRAMENTA
PARA TOMADAS DE DECISÕES
Marília Bachião Marcelino da Silva1; José Amélio Miranda2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé,
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé,
[email protected]
Introdução: As demonstrações Contábeis de uma empresa podem determinar qual a
sua real situação econômica e financeira, através do conhecimento de pontos
fundamentais de sua estrutura, como a capacidade de pagamento de dividas,
rentabilidade do capital investido, possibilidade de falência entre outros. Através do
estudo das demonstrações contábeis, balanço patrimonial, e das demonstrações de
resultado do exercício, é possível obter análises estratégicas para melhor controle
financeiro e como meio de transparência aos que pretendem relacionar com a empresa,
sejam fornecedores, financiadores, fisco ou empregados. Apesar da importância dessas
análises financeiras, muitas empresas desconhecem a influência de tais análises.
Objetivos: Abordar a importância da análise de demonstrações contábeis para as
empresas, evidenciando que através dela se levanta informações que podem ser
utilizadas como referências para tomadas de decisões pelos administradores e sócios,
como também pode ser muito utilizada por pessoas que pretendem se relacionar com a
empresa de forma externa como bancos, contadores e clientes. Material e Métodos: A
metodologia de pesquisa foi o método bibliográfico, que busca demonstrar a
importância da análise de balanços para as tomadas de decisões dos administradores da
empresa. Resultados: Por de ser uma ferramenta de auxílio ao gestor na elaboração de
relatórios gerenciais: úteis, objetivos, eficientes e motivadores para tomada de decisão.
As empresas que fizerem o uso da análise de suas demonstrações financeiras e as de
quem elas se pretendem se relacionar, elas diminuiriam os seus problemas com clientes
e fornecedores e até os seus problemas internos, por saberem de todas as mudanças e
comparar com a sua empresa. Identificando o que precisa ser feito dentro da empresa e
fazendo com que as decisões dos administradores sejam de acordo com as necessidades
reais da empresa, podendo analisar com quem a empresa pode relacionar e o que precisa
mudar dentro da empresa. Conclusão: A empresa que fazer uma rigorosa análise de
Balanços para identificarem se suas metas estão sendo cumpridas de acordo com seus
planos, identificando as falhas e esboçando algumas soluções para os problemas mais
críticos. Podendo também analisar seus concorrentes e descobrir uma política que faça
que seu crescimento seja mais rápido para ganhar o mercado.
Palavras-chaves: Análise das Demonstrações Contábeis; Situação econômicofinanceira.
Análise das Particularidade da Contabilidade para as
Organizações do Terceiro Setor .
Juliana Dayana de Paula1; Mariane de Lima Rodrigues1; Adilson Torres2
1
Discente do curso de Ciências Contábeis , UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected], [email protected] .
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: As características que diferem as organizações sem fins lucrativos das
demais empresas em relação ao fisco é a finalidade, que não é ter lucro e a diferença na
tributação já que se trata de instituições e associações que cooperam com o Estado na
prestação de serviços assistenciais, mediante a acordo firmado em documento e
assinado que comprove o acordo entre as partes , e por isto possuem isenções de
tributação de acordo com suas inscrições devem prestar contas: como entidade ,
municipal , estadual e federal , porém as organizações devem prestar contas de suas
atividades e aplicação de recursos a cada esfera de poder com a qual estabelece vínculo
de cooperação na assistência prestada.Objetivo: O estudo cumpre as particularidades
que envolvem a contabilidade e conseqüentemente o trabalho dos profissionais de
contabilidade envolvidos com o terceiro setor.Material e Métodos: As demonstrações
contábeis obrigatórias do terceiro setor são prestações de contas exigidas por cada
esfera de poder com a qual a instituição tem vínculo , o balanço patrimonial , a
demonstração de resultado do exercício, das mutações do patrimônio liquido , do fluxo
de caixa e as notas explicativas. No terceiro setor não são exigidas demonstração do
resultado abrangente , de lucros ou prejuízos acumulados e o valor adicionado
facultativas ao terceiro setor . são importantes as particularidades de lançamento no
disponível sobre o que são recursos de uso livre(privado) e restrito (público) , bem
como a questão da mensuração do trabalho voluntario comum e importante ás Entidades
de Interesse social e Terceiro Setor. O terceiro setor apresenta uma outra particularidade
ás prestações de contas que deve ser feita quando do recebimento de subvenções que
coloca as entidades em obrigação de mostrar a real utilização dos recursos recebidos
para ás finalidades quais são destinadas. Resultado: Surgiram Novas Normas como a
ITG 2002 exigindo prestações de contas rigorosas , que resultou em um grande passo
dentro da contabilidade aplicada ao terceiro setor , assim podemos analisar as mudanças
que ocorreram e que estão ocorrendo para este seguimento , pois podemos identificar as
contas que o balanço nos oferece com mais clareza.Conclusão: O terceiro setor da
contabilidade está em constante processo de adaptação no Brasil , com o atual
lançamento do Manual de Procedimentos para o Terceiro Setor do CFC (2015) este
manual esclarece a aplicação da ITG 2002, com este processo a contabilidade do
terceiro da um grande passo de adaptação e manejo das práticas , tendo ainda um
caminho a perseguir para consolidar a contabilidade especifica ao terceiro setor na
prática das entidades.Palavras-chaves: contabilidade, terceiro setor, particularidade.
Referências:
FRANÇA, José Antonio de. (coord). Manual de procedimentos para o terceiro setor:
aspectos de gestão e de contabilidade para entidades de interesse social. Brasília: CFC:
FBC: Profis,2015.
SOUZA, Clarice Joaquina. Contabilidade aplicada ao terceiro setor. Trabalho de
conclusão
de
curso.
2013.
Disponível
em:<http://repositorio.uniceub.br/bitstream/235/3993/1/21143526.pdf
Acesso em: 21 de outubro de 2015.
PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO O MELHOR
CAMINHO PARA REDUÇÃO DE IMPOSTOS:
ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MINAS GERAIS
Aline Vieira Custódio1, Rosangela Ribeiro1, Adilson Torres2
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Discente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Contábeis, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Introdução: O Planejamento tributário é uma metodologia para alcance de redução de
custos relacionados aos tributos; na tentativa de obter uma carga tributária menos
onerosa. Para base de estudo foram analisados três regimes de tributação: o Simples
Nacional, o Lucro Real e o Lucro Presumido. Cada regime tributário possui uma
legislação própria que define todos os procedimentos a serem seguidos pela empresa a
fim de definir um enquadramento mais adequado. Para melhor esclarecimento sobre
planejamento tributário, foi realizado um estudo de caso, demonstrando e atribuindo
comparações na prática de três regimes tributários. O estudo de caso compara os valores
dos tributos em cada regime e evidenciou o menos oneroso para a empresa. Objetivo:
Este trabalho tem como principal objetivo apresentar as principais características que
conceituam o planejamento tributário, e sua relevância às organizações. Para tanto, são
necessários alguns objetivos específicos, e assim, pretende-se analisar as características
dos três tipos de tributação, o Simples Nacional, o Lucro Real e o Lucro Presumido.
Material e Métodos: Para a realização deste estudo optou-se por um trabalho
fundamentado em uma pesquisa bibliográfica, realizada através de artigos científicos,
livros didáticos, leis e estudo de caso. Resultado: Para o presente estudo de caso
analisamos uma empresa que atua como prestadora de serviços na área de laboratório de
análises clínicas. O percentual dos impostos sobre o Lucro Real foi 10,63%, Lucro
Presumido 16,19% e Simples Nacional 15,70%, com esses resultados visualizamos com
clareza que o Lucro Real é a forma de tributação mais viável para a empresa.
Conclusão: Este estudo teve por objetivo analisar as principais características do
planejamento tributário de pessoas jurídicas. Pode-se verificar que por meio de um
planejamento tributário, há possibilidade em diminuir o pagamento de impostos, sem
práticas ilícitas à legislação; permite que os princípios legislativos sejam cumpridos e os
resultados se tornem mais significativos, possibilitando maior competitividade da
empresa no mercado em que está inserida. Portanto, a aplicação deste tipo de
planejamento torna possível o aprimoramento e contribuindo com informações
relevantes para as empresas.
Palavras-chave: Planejamento Tributário. Simples Nacional. Lucro Real. Lucro
Presumido. Legislação.
Referências:
FABRETTI, Láudio Camargo. CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. 10. ed. São Paulo:
Atlas, 2006. p. 218, 221.
Área de Saúde
ANALISE DA ATIVIDADE ANTIFUNGICA DO EXTRATO ETANOLICO DE
SOLIDAGO MICROGLOSSA FRENTE AO TRICHOPHYTON RUBRUM E
CANDIDA ALBICANS
1
Guilherme Henrique Fávero¹, Edvânio Ramos Rodrigues²
Discente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
² Docente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução O interesse pelas plantas medicinais é crescente no mercado, seja pela
população ou pelas indústrias na busca de novos medicamentos e preços mais
acessíveis. Essas plantas são usadas na medicina popular, alternativa e também pela
indústria farmacêutica e de alimentos. Solidago microglossa, mais conhecida como
arnica brasileira, é utilizada no tratamento de traumatismos e contusões, entre seus
constituintes cita-se quercetina, inulina e rutina, taninos, saponinas, resinas e óleo
essencial. Trichophyton rubrum, é um fungo dermatófito que apresenta grande
incidência em humanos. A candidíase é uma doença fúngica oportunista causada pela
proliferação de espécies de Candida, principalmente Candida albicans. A necessidade
de buscar substâncias com atividade antifúngica que apresentem menor toxicidade ao
ser humano justificam este trabalho. Objetivos: O presente estudo teve como objetivo
analisar a atividade do extrato etanólico de S. microglossa frente ao T. rubrum e C.
albicans. Material e Métodos: O extrato vegetal foi produzido a partir de partes aéreas
de Solidago microglossa, utilizando-se como liquido extrator etanol 70ºGL. Foram
utilizadas duas linhagens fungicas uma de Trichophyton rubrum e Cândida albicans
(ATCC 90028). Os testes foram realizados em placas de agar Sabouraud segundo
metodologias preconizadas na literatura. Resultados: Após a exposição ao extrato
etanólico de S. microglossa houve uma diminuição no desenvolvimento da colônia de T.
rubrum na condição 10 mg/mL e uma diferença na cor do fundo da colônia nas
condições de tratamento de 10 e 5 mg/mL. Frente a linhagem de C. albicans o extrato
de S. microglossa não apresentou atividade antifúngica nas concentrações testadas.
Conclusão: Os resultados obtidos demonstraram que frente a linhagem de C. albicans,
o extrato etanólico de S. micrglossa não apresentou atividade nas concentrações
testadas. Porem frente ao T. rubrum, observou-se uma diminuição inicial no
desenvolvimento da colônia e alteração na cor de fundo, indicando a presença de
substâncias que interferem no seu desenvolvimento. Novas pesquisas podem ser
realizadas buscando fracionar o extrato ou utilizar outros líquidos extratores a fim de
selecionar e evidenciar as moléculas com tal atividade.
Palavras Chave: Solidago microglossa, extrato vegetal, ação antifúngica, Trichophyton
rubrum, Candida albicans.
ANÁLISE DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO PARDO
EM ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PARDO- SP
1
Mariane Mello Girotti 1; Aloísio Calsoni Bozzini 2
Discente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: As Áreas de Preservação Permanente são caracterizadas pelo Novo Código
Florestal Brasileiro (Lei Federal 12.651/2012) como regiões ao longo dos rios ou de
qualquer curso de água, cobertas ou não por vegetação nativa, cuja função ambiental é
preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o
fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações
humanas. Objetivos: Analisar as Áreas de Preservação Permanente (APP) nas margens
no Rio Pardo no perímetro urbano do município de São José do Rio Pardo, no Estado de
São Paulo. Material e Métodos: Realizou-se pesquisa do tipo exploratório e
descritivo. Foram realizadas análises no Sítio Eletrônico do Sistema Integrado de
Gestão Ambiental. Resultados: O processo de urbanização promove impactos no meio
ambiente, principalmente aos recursos hídricos. Soma-se a ocupação desordenada da
urbanização sobre o meio natural degradando os recursos hídricos. Apesar da clara
necessidade de preservação dos recursos hídricos e toda a biodiversidade envolvida,
detectou-se que grande parte das APP encontra-se desprovida de vegetação natural, o
que as torna vulnerável aos impactos ambientais. Foram identificados pontos de
deposição irregular de resíduos sólidos urbanos. De acordo com o Sistema Integrado de
Gestão Ambiental, o perímetro urbano possui 312,83 hectares provenientes da APP.
Esta área possui edificações e alterações antrópicas decorrentes do processo de
urbanização. De acordo com e Lei 12.651, o Novo Código Florestal, toda essa área
deveria ser preservada e reflorestada pois é uma área protegida. Com o Cadastro
Ambiental Rural a regularização desta APP pode ser realizada com este registro, que
futuramente se transformará no Programa de Regularização Ambiental, onde o poder
público referente ao município terá a chance de adequar esta Área Protegida ao Novo
Código Florestal. Conclusão: A Lei Orgânica do Município de São José do Rio Pardo,
SP, no seu artigo 109, §1º, inciso II dispõe a necessidade da elaboração de um plano de
defesa do meio ambiente, com aprovação da Câmara Municipal, contendo áreas de
proteção ambiental, diretrizes e normas regulares da ação pública e privada, normas e
padrões de controle e manutenção da qualidade do meio ambiente, para prevenir ou
reparar os efeitos das atividades poluidoras e degradadoras. No entanto, nota-se um
profundo descaso na prática dos administradores públicos. Atribui-se ao município a
necessidade de ordenação do uso e ocupação do solo, o que é fundamental na gestão do
meio ambiente.
Palavras Chaves: Qualidade da água; Código Florestal; Mata Ciliar.
CADASTRO AMBIENTAL RURAL: UMA ANÁLISE DA NOVA
FERRAMENTA NO MUNICÍPIO DE CACONDE-SP
1
Carlos Fellipe Mendes Araujo Silva1, Aloisio Calsoni Bozzini2
Discente do curso de Ciências Biológicas Bacharelado, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A imprescindibilidade humana na intenção de obter conhecimento acerca
da sustentação do meio ambiente favoreceu a manifestação da ecologia como ciência,
proporcionando a progressão de inúmeras áreas diretamente ligadas a ela. Selecionou-se
o Município de Caconde-SP em decorrência das características pertinentes ao Cadastro
Ambiental Rural, instrumento de regularização de propriedades rurais. Palavraschaves: Código Florestal; Propriedades Rurais; Preservação. Objetivo: Quantificar os
cadastros ambientais rurais realizados no Município de Caconde, durante o período de
05/05/2014 a 05/05/2015 e analisar a estrutura fundiária. Material e Métodos: Foi
realizada pesquisa exploratória e descritiva a partir da averiguação da situação
ambiental dos imóveis cadastrados em relação ao novo Código Florestal e visitas
técnicas a propriedades rurais e utilização de softwares para a geração de imagens.
Utilizou-se material disponibilizado pela Prefeitura Municipal, no sistema de Cadastro
Ambiental Rural do Departamento de Agricultura, Meio Ambiente e Abastecimento,
como: o Plano Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável. Resultados: Caconde
surgiu em meados do século XVIII, com a descoberta do ouro e a partir de 1970. Houve
acentuado crescimento nas áreas produtivas da cafeicultura e decréscimo nas áreas com
culturas temporárias. A atividade agropecuária é de grande importância para o
Município. A Prefeitura Municipal, em trabalho realizado pelo Departamento de
Agricultura, Meio Ambiente e Abastecimento, realizou 287 Cadastros Ambientais
Rurais no período de 05/05/2014 a 05/05/2015. Esta data era o prazo final para a
realização do cadastro, no entanto foi prorrogada por um ano, em decorrência dos
baixos índices de preenchimento. No Estado de São Paulo, até o dia 05/05/2015, foram
preenchidos 10.631.848 hectares (62,7%) de todas as áreas cadastradas. Conclusão: A
diferença em números dos Cadastros Ambientais Rurais feitos pela Prefeitura Municipal
no decorrer dos meses de 2015, pode ser justificada de forma hipotética, primeiramente,
por divulgação que não atingiu a totalidade dos proprietários de terras rurais no
Município, fazendo com que houvesse diferença entre os meses de 2015, além da
inexistência de atividades do cadastro antes de fevereiro de 2015. Soma-se a
constituição exígua do corpo técnico que realizava o cadastro: apenas dois técnicos.
Considerando que o processo ainda está em andamento, resta acompanhar a sua
continuidade e a efetivação das eventuais atualizações, no sentido de cobrar das
autoridades públicas, principalmente, destinadas a esta função a adequação ao Novo
Código Florestal.
Palavra chave: novo código florestal, cadastro ambiental rural, propriedades rurais.
USO DE EXTRATOS VEGETAIS NO CONTROLE DE CONTAMINANTES
(PRAGAS) DO FEIJÃO E MILHO
Maria Aparecida do Nascimento1; Edvânio Ramos Rodrigues2
Discente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Introdução: Os insetos comumente atacam grãos armazenados, sendo necessário o uso
de substâncias químicas que impeçam a proliferação e ataque, evitando assim a perda de
qualidade. Pesquisas com plantas são realizadas com o objetivo de encontrar moléculas
com atividades inseticidas, visando minimizar os problemas causados pela toxicidade
dos produtos químicos. Entre os grãos de maior importância econômica e alimentar
encontram-se o feijão e o milho que podem ser infestados por insetos como o Sitophilus
zeamais e Zabrotes subfasciatus, responsáveis por perda na armazenagem. Objetivos:
Pesquisar na literatura informações sobre plantas que possam ser utilizadas na proteção
e tratamento destes grãos armazenados. Material e Métodos: Foi realizada revisão
bibliográfica utilizando-se de fontes primárias e secundárias, em artigos científicos,
localizados nos sítios da internet. Buscou-se os descritores: plantas, milho, feijão, praga,
caruncho, agroquímicos. Resultados: Após a análise dos artigos encontrou-se em uso o
extrato de Louro que apresentou atividade inseticida contra Z. subfasciatus. Outro teste
demonstrou que os extratos hidroalcoolicos da casca do Artocarpus heterophyllus,
folhas, caules e ramos do Chenopodium ambrosioides tem ação inseticida no controle
de Z. subfaciatus. A solução aquosa de Neem não apresentou efeito negativo aos adultos
de Z. subfasciatus, enquanto o cravo da índia foi efetivo no controle da praga. Outro
estudo indicou que o óleo de oiticica e o de mamona controlaram o Z. subfasciatus. O P.
nigrum, P. tuberculatum, S. aromaticum e C. ambrosioides , são tóxicas à Z.
subfasciatus. A infestação do S.zeamais em sementes de milho diminuiu com o
aumento das doses dos extratos hidroalcoólicos de pinha e pimenta do reino. Os extratos
aquosos de sementes de pimenta dedo-de-moça apresentam atividade repelente sobre o
gorgulho do milho. Os adultos de S. zeamais são controlados com os extratos de C.
cinensis , C. citratus e N. tabacum, no entanto os adultos de Sitophilus spp são
controlados por extratos de Piper nigrum ,Citrus vulgaris, Croton tiglium e
Crysanthemum. Conclusão: Observou-se que na literatura vários relatos com ação
comprovada de extratos vegetais apresentam ação inseticida ou de repelência contra
insetos, demonstrando que esta pode ser prática viável no seu controle. Porém devem
ser realizadas outras pesquisas a fim de determinar a toxicidade destes produtos ao ser
humano e animais, além da viabilidade germinativa das sementes. Palavras chave:
milho, feijão, Sitophilus, Zabrotes, extrato.
CONHECIMENTOS E PRÁTICAS NO USO DE PLANTAS MEDICINAIS POR
ALUNOS DO ENSINO MÉDIO
Letícia de Souza¹, Edvânio Ramos Rodrigues²
¹Discente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
²Docente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Estudando o conhecimento popular sobre plantas medicinais possibilita
dimensionar a biodiversidade de vegetais. Nessa perspectiva esse trabalho propôs-se a
realizar um levantamento das plantas medicinais conhecidas por alunos do ensino
médio. Analisando o conhecimento sobre plantas medicinais é possível verificar se o
conhecimento está sendo transmitido através das gerações, encontrar possíveis usos
errôneos destas e desta forma evitar intoxicação. Objetivos: Analisar o nível de
conhecimento e utilização de plantas medicinais por alunos do ensino médio, da Escola
Estadual Dr. Benedito Leite Ribeiro, Guaxupé, MG e associar com o conteúdo de
botânica. Material e Métodos: Para obtenção dos dados foi aplicado a alunos do 2° ano
de uma escola de ensino médio de Guaxupé-MG, um questionário previamente
autorizado pelos pais ou responsável do aluno. Após a realização do questionário foi
realizada uma aula teórica e prática auxiliando a aula de botânica. Resultados: O
questionário foi feito por 25 alunos, ao responderam a primeira pergunta foi possível
notar que destes 25 alunos, 22 dos alunos entendem que plantas medicinais servem para
auxiliar na cura de doenças, e os outros 3 alunos não souberam responder. Na segunda
pergunta verificou-se que 56% dos alunos fazem o uso de plantas medicinais e 44% não
usam plantas medicinais. Na terceira questão observou-se que 76% dos alunos,
obtiveram conhecimento sobre plantas medicinais por meio da família, 16% da mídia e
8% de médicos. Na última questão foi possível notar que as três plantas mais
conhecidas pela comunidade escolar são hortelã, erva-cidreira e camomila. Conclusão:
Comparando os resultados do projeto com o objetivo proposto foi possível verificar que
na comunidade escolar, há um conhecimento razoável sobre plantas medicinais. E que
esse conhecimento foi passado de geração a geração. Quanto ao objetivo de informar
sobre o emprego correto das plantas medicinais dando ênfase aos riscos se usadas
incorretamente, foi muito propício percebendo pelos relatos dados que há uma certa
falta de conhecimento mesmo sendo uma atividade tradicional. Percebeu-se durante o
desenvolvimento das atividades que esta atividade facilitou o ensino da botânica, esta
ação tem melhor resultado quando está apoiada nos interesses comuns e no
conhecimento e experiência cultural já existente, como foi nesse caso, a utilização do
conhecimento sobre plantas medicinais como ferramenta para a realização deste
trabalho. Foi possível perceber a importância em provocar mudanças nos conceitos e
nas atitudes das pessoas.
Palavras chave: plantas medicinais, botânica, ensino médio
OCORRÊNCIA DO LIMNOPERNA FORTUNEI, MEXILHÃO DOURADO NA
MICROBACIA DO RIO PARDO
1
Fábio Roberto Paganotti1, Aloísio Calsoni Bozzini2
Discente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A água constitui um dos mais importantes recursos naturais e está
intimamente ligada ao desenvolvimento do homem. Sendo explorada nas mais diversas
áreas seja para o consumo humano, irrigação, piscicultura, lazer, geração de energia
elétrica entre outras. No Brasil, com grande potencial hidrológico, tem sua base da
matriz energética nas usinas hidroelétricas com a construção de barragens. Contudo a
construção de barragens deve atender aos diversos interesses relacionados ao uso
múltiplo das águas. A ocorrência do Limnoperna fortunei (mexilhão dourado) uma
espécie de Molusco da Classe dos Bivalves, que é considerada uma espécie invasora,
coloca em risco o equilíbrio nos diversos usos da água e ao ecossistema local, devido
aos prejuízos tanto econômicos quanto ambientais. Objetivos: Analisar o impacto da
ocorrência do Limnoperna fortunei na microbacia do Rio Pardo, com vista a identificar
a sua interferência no ecossistema e na geração de energia elétrica na Usina Limoeiro,
Mococa – SP, localizada na Rodovia Casa Branca - Mococa, km 258. Material e
Métodos: Realizou-se pesquisa exploratória, que elenca as informações e descreve os
conceitos acerca do objeto de pesquisa, inclusive com visita na Usina hidroelétrica de
Limoeiro a fim de coletar espécies para registro e identificação além de levantamento
fotográfico analisando os diversos danos deste animal aos equipamentos da usina. Além
disso, foi realizado levantamento bibliográfico sobre seus hábitos. Resultados: Uma
das características do mexilhão dourado e a sua rápida proliferação aliada à falta de
predadores e sua fácil fixação causando diversos danos como: entupimento de
tubulações de captação de água, prejuízos à pesca por obstrução de redes; competição
com outras espécies por alimentos; ocupação de habitats, entupimento de sistemas de
resfriamento em usinas e tomada d´água em usinas hidroelétricas. Neste cenário obriga
os usuários a constantes manutenções na cadeia produtiva para limpeza, encarecendo
assim a produção. Conclusão: Uma vez instalado e adaptado ao ambiente, o mexilhão
dourado tem sua eliminação improvável, já que torna-se difícil seu manejo. Se
concentrando as ações em atenuar os prejuízos causados e evitando sua proliferação a
outros ecossistemas, os resultados poderão minimizar esforços nas limpezas periódicas
das tubulações e equipamentos afetados. É necessário na microbacia do Rio Pardo, onde
o animal já está instalado programas de Educação Ambiental com os usuários a fim de
entender a ecologia do mexilhão dourado e evitar a sua proliferação.
Palavras chaves: Espécies invasoras, água, hidroelétricas.
VASOS FREÁTICOS: REUTILIZAÇÃO DE RECIPIENTES
POLITEREFTALATO DE ETILENO (PET)
1
Danilo de Souza Greco 1; Flávia Cecílio Ribeiro 2
Discente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Considerando o crescente desenvolvimento tecnológico, demográfico,
consumo das atividades antropogênicas juntamente com as mudanças da vida
contemporânea o volume de rejeitos gerados pela população é grande e o plástico por
ser um material de fácil moldagem, é um dos materiais mais presentes no lixo.
Alternativas para reaproveitamento bem como a reciclagem desta embalagem, vem
largamente sendo propostas uma delas é a construção de um tipo de vaso que usa um
sistema de irrigação diferencial que “imita” o lençol freático ou seja o consumo de água
é controlado por cada planta onde esta absorve por capilaridade nada mais nada menos
do que necessita. Objetivos: Aliar a reutilização de garrafas PET material poluente a
uma prática saudável de se cultivar plantas para diversas finalidades em ambientes
domésticos sem, contudo oferecer riscos a população de focos de proliferação de
mosquito do gênero Aeds spp. Material e Métodos: O trabalho foi realizado no Centro
Universitário da Fundação Educacional Guaxupé. Onde se utilizou garrafas do tipo PET
de 2 litros utilizados anteriormente para embalar refrigerantes. A construção dos vasos
freáticos obedeceu duas etapas: Coleta, higienização das garrafas e construção dos vasos
e preenchimento do vaso freático com substrato, água e plantio da espécie.
Considerações finais: A reutilização das garrafas PET tende a ajudar a minimizar os
impactos trazidos pelo homem ao meio ambiente, já que a reutilização impede que
inúmeras unidades sejam distribuídas no lixo diariamente. Quando a reutilização for
uma pratica costumeira haverá melhor condição de vida para todos, e possivelmente
mudara o cenário de equilíbrio entre o homem e meio ambiente. Gradativamente o
homem toma ciência das consequências da produção desenfreada do lixo e assim muitos
paradigmas podem mudar. Este trabalho é uma pequena contribuição para o incentivo
desta mudança e também poderá servir de base para futuros projetos na mesma linha de
pesquisa.
Palavras chaves: vasos freáticos, reutilização, PET
EDUCAÇÃO EM SAÚDE: TRANSMISSÃO E PREVENÇÃO DAS
HEPATITES A, B e C
Geovana Daniela Souza Ferreira 1 , Solange Maria Ribeiro 2
Discente de Ciências Biológicas, UNIFEG, [email protected]
2
Docente de Ciências Biológicas, UNIFEG. [email protected]
1
Introdução: As Hepatites Virais possuem características semelhantes quanto as formas
de transmissão, o quadro clínico e o tratamento, sendo necessários esclarecimentos
quanto as diferenças existentes entre elas, principalmente quanto à prevenção. As
Hepatites A e B possuem vacinas e medidas preventivas. A Hepatite C não possui
vacina, devendo ser adotadas apenas medidas preventivas. Objetivos: Pesquisar na
literatura sobre os aspectos educativos na prevenção das Hepatites Virais A, B e C.
Material e Métodos: Revisão de Literatura de publicações especializadas sobre o tema,
em fontes primárias e secundárias. Resultados: A Educação em Saúde é como o
processo educativo que favorece a construção de conhecimentos e permite aumentar a
autonomia dos sujeitos no cuidado com sua saúde. Utilizar-se de métodos pedagógicos
para transformar comportamentos capazes de intervir sobre o adoecimento é uma das
atribuições de professores do ensino médio. As Hepatites Virais são inflamações do
fígado e os sintomas podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjôo, vômitos, dor
abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras. Podem evoluir de forma
crônica e causar maiores danos ao fígado, dentre eles a Cirrose e o Câncer. As formas
de transmissão diferem quanto ao contágio, podendo ser fecal-oral, por condições
precárias de saneamento básico e água, de higiene pessoal e dos alimentos, esta é
classificada como Hepatite A. As Hepatites B e C podem ser causadas por transmissão
sanguínea, em práticas de sexo desprotegido, em compartilhamento de seringas,
agulhas, lâminas de barbear e outros objetos que furam ou cortam. Além da transmissão
sanguínea da mãe para o filho durante a gravidez, o parto e a amamentação. Conclusão:
No Brasil, as doenças virais são favorecidas pelas condições socioeconômicas, falta de
acessibilidade aos serviços de assistência à saúde, vacinação e medicação e pela
desigualdade social. O Ministério da Saúde criou o Programa Nacional para a
Prevenção e o Controle das Hepatites, o qual deverá ampliar o conhecimento da
população sobre as Hepatites. A Educação em Saúde torna-se fator elementar para
reduzir o número de pessoas infectadas e a adoção de estratégias preventivas no
ambiente escolar, com foco no público de jovens adolescentes, irá contribuir
sobremaneira para divulgar o conhecimento sobre forma de adoecimento.
Palavras chave: Hepatites Virais, Educação em Saúde, Medidas Preventivas
DESREGULADORES ENDÓCRINOS
Michele Cristina do Nascimento1, Ana Paula Duarte Seleghim2
1
Discente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O homem está exposto aos contaminantes de origem química que podem
ocorrer na água natural. Estes contaminantes são provenientes principalmente de
efluentes industriais, compostos químicos de uso agrícola, efluentes domésticos e
outros, prejudicando o solo e a água. Portanto o nível de xenobióticos no ecossistema
aquático vem crescendo de forma alarmante, nos últimos anos, como resultado da
atividade antropogênica sobre o meio ambiente. Contribuindo, desta forma, para a
redução da qualidade ambiental e comprometendo a saúde dos seres vivos. Os
desreguladores endócrinos são classificados como sendo uma substância ou mistura
química exógena que altera uma ou mais funções do sistema endócrino, bem como a sua
estrutura, causando efeitos adversos tanto sobre um organismo e sua descendência,
como em populações ou subpopulações de organismos. Podem afetar a qualidade da
água, a saúde dos ecossistemas e impactar o suprimento de água potável. Objetivos: O
presente trabalho pretende pesquisar na literatura científica, os aspectos relacionados à
ação dos desreguladores endócrinos na saúde humana e animais e, quais os principais
disruptores endócrinos encontrados no meio aquático. Material e Métodos: Os dados
coletados foram analisados a partir de fontes bibliográficas primárias e secundárias. Foi
realizada Revisão de Literatura Narrativa como instrumento de coleta de informações
disponível a partir de teorias publicadas em livros ou obras congêneres. Resultados: A
tabela a seguir apresenta as principais substâncias classificadas como desreguladores
endócrinos.
Ftalatos
Alquilfenóis
Pesticidas
Compostos orgânicos de
estanho
Policlorados de bifenilas
Bisfenol
Parabenos
Organoclorados
Metais pesados
Agentes terapêuticos e
Fitoestrogênios
Estrogênios naturais
farmacêuticos
Conclusão: Verifica-se ao longo do tempo um crescimento na detecção de
desreguladores endócrinos e os processos de tratamentos dos efluentes contaminados
com estas substâncias são incipientes e pouco aplicáveis, devido a alto custo e baixa
eficiência em parte destes processos, obviamente os que possuem maior eficiência
tendem a serem mais caros, o que inviabiliza, sob o ponto de vistas econômico a sua
implantação em curto prazo.
Palavras chaves: Disruptores endócrinos, doenças hormonais, ambiente, estrogênios
ambientais.
CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE
INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS
Alexsandro Rosa Januário1, Solange Maria Ribeiro2
Discente de Ciências Biológicas do UNIFEG. [email protected]
2
Docente de Ciências Biológicas do UNIFEG. [email protected]
1
Introdução: No Brasil, as autoridades em educação vêm analisando formas para
qualificar a educação, principalmente a formação inicial dos professores. Nesta etapa, o
professor se depara com dificuldades comuns à ausência de maturidade profissional,
tendo como conseqüência insegurança, dilemas e obstáculos no exercício da profissão.
O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) é uma política
pública de valorização do magistério, possibilitando aos licenciandos atuação no seu
campo de trabalho desde o início de sua formação. Objetivos: Pesquisar na literatura
sobre as contribuições do PIBID na formação inicial de alunos de licenciatura.
Métodos: Revisão de Literatura de publicações especializadas sobre o tema, em fontes
primárias e secundárias. Resultados: As dificuldades encontradas pelos professores
iniciantes podem ser decorrentes da ausência de prática, uma vez que nos primeiros
momentos torna-se difícil associar a teoria com a vivência do contexto escolar. Muitas
vezes os docentes iniciantes se decepcionam se desmotivam e desistem da profissão,
fator que afeta a qualidade do ensino. Como estratégia para minimizar o abandono da
docência nos anos iniciais da prática, o Ministério da Educação e Cultura (MEC),
juntamente com a Presidência da República, criou o PIBID, conceituado como recurso
de iniciação à docência. Iniciado com as reformas educacionais a partir da aprovação da
lei n° 9394, de 20 de dezembro de 1996. Refere-se à formação continuada dos cursos de
licenciatura em Universidades ou Instituição Superiores de Educação como composição
mínima para o exercício do magistério na educação infantil e quatro primeiras séries do
ensino fundamental. Propõe ao licenciando formação sólida, uma vez que ele poderá
aproximar a prática e a teoria
Conclusão: O PIBID vem se mostrando como uma das mais importantes estratégias
para a formação inicial de professores, com propostas de incentivo e valorização ao
magistério possibilitando ao discente a experiência durante na graduação. O objetivo de
aprimorar, incentivar e promover a vivência dos licenciandos proporciona
desenvolvimento de práticas pedagógicas sob orientação de docente e professor na área
de sua atuação. A integração entre licenciando, docente, supervisores e coordenadores
forma estrutura de ensino em que tanto a escola quanto a universidade aprendem e
ensinam ao mesmo.
Palavras chave: Iniciação à Docência, Professores Iniciantes, Qualificação
GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E EVASÃO ESCOLAR NA ESCOLA
ESTADUAL EDUARDO SENEDESE, JURUAIA – MG
Francielle Paula Silva1, Andrea Magalhães Barbosa Dallora2
Discente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Mestre, Docente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
1
[email protected]
Introdução: A gravidez precoce é considerada um problema de Saúde Pública, que
cresce a cada ano entre as adolescentes de 15 a 19 anos, e pode vir a ocasionar
consequências para a vida da adolescente-mãe, como, por exemplo, a interrupção da
escolarização. A evasão escolar ocasionada por conta da gravidez precoce parece ser a
única solução encontrada pela aluna grávida. Objetivos: Avaliar a ocorrência de evasão
escolar decorrente a gravidez na adolescência na Escola Estadual Eduardo Senedese,
Juruaia- Minas Gerais, com vistas a elaborar estratégias favoráveis a permanência destas
escolares. Material e Métodos: A pesquisa foi realizada durante o ano de 2015,
dividida em cinco etapas descritas como: o contato prévio com a escola, contato com
estudantes do ensino médio, envio da autorização dos pais, aplicação do questionário e a
análise de dados coletados. Os dados coletados foram adquiridos através da aplicação de
um questionário com os alunos do 2° ano do Ensino Médio na Escola Estadual Eduardo
Senedese, na cidade de Juruaia- MG. Resultados: Do total de 30 alunos entrevistados,
20 (67%) era do sexo feminino e 10 (33%) do sexo masculino. Apresentavam idade
média de 17 anos. Observou-se que os 30(100%) alunos mencionaram que têm o
conhecimento de que na escola algumas adolescentes já ficaram grávidas. E que 21
(70%) dos alunos mencionaram que o assunto gravidez na adolescência não é discutido
em nenhuma disciplina, enquanto 9 (30%)alunos mencionaram que sim. E que 21(70%)
alunos mencionaram que o tema gravidez na adolescência não é discutido amplamente e
9 (30%) mencionaram que sim. Foi observado que 17(57%) dos alunos mencionaram
que a adolescente grávida abandona a escola por necessidades de trabalhar para
sustentar seu filho (a), enquanto 7 (23%)alunos mencionaram os motivos da evasão
escolar é pela vergonha da gravidez, e 5(17%) outros motivos e 1(3%)aluno mencionou
o casamento. E que o ambiente que 12 (40%) alunos têm mais informações sobre as
causas e consequências da gravidez na adolescência é por meios de comunicação e a
família (40%), enquanto 4(13%)alunos mencionam que a informações sobre o assunto
são por meio da escola e 2(7%) alunos mencionaram que as informações adquiridas são
por meio dos amigos. Percebe-se que 19(63%) alunos reconhecem o uso do
anticoncepcional e a camisinha como forma mais segura para se prevenir uma gravidez
precoce, enquanto 6 (2%) alunos descreveram a camisinha como prevenção e 5(17%)
alunos mencionaram o anticoncepcional. De acordo com os dados 30(100%) alunos
mencionaram que a adolescente grávida não deve abandonar a escola, pois é uma
interrupção dos estudos que compromete o seu futuro, além disso, a maioria descreveu
que a adolescente deve continuar estudando para sustentar seu filho (a) dando a ele uma
condição de vida melhor. Conclusão: Conclui-se que a instituição escolar precisa
complementar com informações sobre causas e consequências da gravidez na
adolescência já que a educação sexual é obrigatória nas escolas, realizando palestras de
conscientização aos alunos. Enquanto os motivos que levam a adolescente abandonar a
escola quando está grávida é a necessidade de trabalhar para sustentar seu filho (a).
Palavras chaves: adolescência, gravidez precoce, escola
DEGRADAÇÕES AMBIENTAIS NO RIO GUAXUPÉ E ELABORAÇÃO DE
MEDIDAS MITIGADORAS PARA A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL
1
Taísa Oliveira Paula¹, Aloisio Calsoni Bozzini ²
Discente do Curso de Ciências Biológicas do UNIFEG [email protected]
2
Docente do Curso de Ciências Biológicas do UNIFEG [email protected]
Introdução: A água do planeta está se esgotando em virtude de vários fatores, dentre
eles, o mau uso, a poluição, as construções e instalações inadequadas e as mudanças dos
cursos dos rios. A degradação dos recursos hídricos põe em risco o equilíbrio ecológico
e a sadia qualidade de vida das presentes e futuras gerações, o que faz necessário buscar
medidas mitigadoras. Dos mais diversos tipos de formações florestais encontram-se as
Matas Ciliares que exercem a função de proteger os rios, evitando o processo de erosão
das margens e o assoreamento do leito dos rios. Apesar da relevância das matas ciliares
este recurso vem sendo degradado. Objetivos: analisar, avaliar e diagnosticar as ações
que causam degradações ambientais no rio Guaxupé (perímetro urbano e rural do
Município de Guaxupé, MG); e subsidiar possíveis ações para minimizar estes impactos
(medidas mitigadoras). Material e Métodos: Percorreu-se a extensão do rio da entrada
na cidade até a saída para identificação dos impactos ambientais. Foram identificados,
anotadas e fotografados os impactos. Foi utilizada uma máquina fotográfica, para
registrar as imagens. Resultados: Observou-se durante toda a extensão do Rio Guaxupé
ações antrópicas como: presença de lixo, matas ciliares queimadas, descargas de
esgotos, assoreamentos, erosões, desmatamentos e despejos de composto oleoso. O Rio
encontra-se sem a devida área de preservação, tanto em seu perímetro urbano quanto em
sua extensão rural. O estudo mostrou a existência de várias atividades que
potencialmente impactam o ambiente e que devem ser minimizadas. Medidas
mitigadoras sugeridas: implantação do Programa de Recuperação de Área Degradada,
Reflorestamento; verificação quanto ao direito de uso da água (outorga de autoridades
competentes); destinação específica dos dejetos para fossas sépticas (curto prazo) e
Estações de Tratamentos de Esgoto – ETE – (Médio e longo prazo); coleta de resíduos
sólidos. Conclusão: O problema da escassez de água na região é uma realidade. Pode
dizer que, em razão da baixa fiscalização do Rio no município de Guaxupé MG,
atividades impactantes estão ocorrendo. Torna-se necessária intervenção dos setores
públicos de fiscalização, além de ações educativas para a população, objetivando a
preservação do entorno do Rio Guaxupé, contribuindo assim para a manutenção de
recursos hídricos.
Palavras chaves: Recursos Hídricos, Impactos Ambientais, Legislação Ambiental.
CONTRIBUIÇÕES DIRETAS DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE
INICIAÇÃO A DOCÊNCIA EM SALA DE AULA
Luiz Celani Primo Neto1; Luísa Emília Lima de Moraes Minus2
1
Discente do curso de Ciências Biológicas, UNIFEG,
Guaxupé[email protected]
2
Docente no curso de Ciências Biológicas, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O Programa de Iniciação a docência, PIBID, é uma iniciativa para o
aperfeiçoamento e a valorização da formação de professores para a educação básica.
Tem como princípio promover a inserção dos estudantes no contexto das escolas
públicas desde o início da sua formação acadêmica, para que desenvolvam atividades
didático-pedagógicas sob a orientação de um docente de determinado curso de
licenciatura ou alunos formandos, e de um professor da escola da rede pública.
Permitindo assim maior qualidade na formação inicial de professores dos cursos de
licenciatura, e promovendo integração entre educação superior e educação básica;
Objetivo: O trabalho tem como objetivo promover a interação aluno professor,
tornando as aulas com âmbitos diferentes, de modo que não fique expositivo à
metodologia tradicional presente, onde o professor ensina e o aluno aprende. Materiais
e Métodos: Aproveitando o conteúdo didático das aulas do prof. Sérgio, cujo tema era
respiração dos seres humanos, realizamos duas experiências, com materiais e
metodologias bem simples, nosso objetivo era mostrar como ocorre a respiração, o
caminho do ar até os pulmões e o funcionamento dos músculos intercostais e diafragma,
utilizando apenas a metade de uma garrafa pet, três bexigas e pedaços finos de uma
mangueira de silicone. Como o assunto é respiração, não poderíamos deixar de falar dos
riscos, causas e o quanto faz mal o cigarro, uma vez que foi feita uma experiência com
uma garrafa pet cheia de água, um cigarro e uma toalha de papel com o objetivo de
mostrar o que está presente na fumaça do cigarro e o que se inala quando o indivíduo
fuma um cigarro. No primeiro experimento, cortou-se a garrafa pet, como se fosse um
funil, e na parte de dentro foi feito um esquema, ligando as duas bexigas (representação
dos pulmões) com as borrachas de silicone (representação do esôfago, em direção da
tampa da garrafa, (que representa a boca)). Na parte inferior da garrafa, local onde foi
feito o corte, vestiu-se uma bexiga, de modo que ela ficasse esticada, para representar a
contração do diafragma e músculos intercostais. Já no segundo experimento, foi feito
um furo central da tampa da garrafa pet para ser colocado um cigarro aceso, e outro furo
na parte inferior da garrafa, para que a agua presente no interior da garrafa escoasse, e
assim automaticamente a pressão exercida pela água puxasse a fumaça para dentro da
garrafa. Logo após o escoamento da água, foi colocada uma folha de papel toalha no
orifício da tampa da garrafa e forçada, para que toda a fumaça presente fosse expelida
no papel toalha, que teve como função de um filtro para as substâncias presentes no
cigarro. Resultado: Foram duas experiências muito interessantes, que despertou
interesse e curiosidade nos alunos, agregando conhecimento e reações espantosas.
Conclusão: Pode se concluir que, esta aula contribuiu para com o conhecimento dos
alunos, uma vez que também serviu de alerta e precaução para os riscos e danos
causados à saúde pelo tabagismo.
Palavras chave: Contribuição, PIBID, Docência.
ACOMPANHAMENTO DA IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO
DE ÁREA DEGRADADA
1
Cairo Antônio de Rezende1, Aloisio Calsoni Bozzini 2
Discente do curso de Biologia, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Biologia, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: As atividades antrópicas, quando desenvolvidas desordenadamente, sem
tomar em consideração aspectos conservacionistas acarretam a degradação dos
ecossistemas. Em recuperação de áreas degradadas, a revegetação é considerada parte
essencial, não só pelo plantio de espécies vegetais, mas também pela seleção adequada
destas, visando reconstituir e acelerar o processo de sucessão natural. Objetivo: O
objetivo foi acompanhar o desenvolvimento de espécies vegetais implantadas no local
na tentativa de recuperar a área degradada. Material e Métodos: O trabalho foi
realizado no bairro Portal dos Nobres, município de Guaxupé, MG, Brasil. Onde foi
realizado o plantio de mudas de espécies vegetais distribuídas em quinze espécies
diferentes, entre elas Espécies pioneiras como (Zanthoxoylum rhoifolium, Spathodea
campanulata e Lafoensia pacari), espécies secundárias como (Erytrina speciosa,
Caesalpina peltophoroides e Cássia macranthera) e de Clímax como (Hymenea
stilbocarpa, Tabebuia vellosoi e Licaria duartei). Foram realizadas avaliações
biométricas de altura, diâmetro do tronco e da copa das espécies vegetais introduzidas,
através de paquímetro e fita métrica. Também se avaliou através de lupa entomológica,
a presença de fungos e o ataque de insetos. Resultados e discussão: Algumas espécies
se desenvolveram como esperado, portanto se adaptaram bem ao local de plantio, porém
algumas espécies não se adaptaram bem ao local. Ainda que de forma preliminar, foi
possível determinar que as espécies mais promissoras quanto ao crescimento médio em
altura (Croton floribundus e Spathodea campanulata); quanto ao diâmetro médio do
caule (Syzygium jambolanum) e quanto à área de copa (Spathodea campanulata). Para a
recuperação de áreas degradadas desta localização do Portal dos Nobres de condições
edafoclimáticas que lhe são peculiares, recomenda-se o plantio das espécies Spathodea
campanulata (Espatódea) e Croton floribundus (capixingui). Estudos futuros de
acompanhamento do desenvolvimento destas espécies de plantas, assim como o
crescimento e surgimento de outras espécies tanto vegetais como animais servirão para
futuras estratégias para recomendação da recuperação de área degradada naquelas
condições ou em condições semelhantes. Conclusão: Embora as conclusões ainda
sejam parciais, as espécies vegetais introduzidas mesmo em fase de crescimento já
oferecem muitos benefícios para a área em estudo, através de sua cobertura foliar que
contribui para a proteção e nutrição do solo. As espécies mais promissoras foram
Croton Floribundus, Spathodea campanulata e Syzygium jambolanum.
Palavras Chave: Revegetação, recuperação, espécies vegetais, degradação.
ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE CÉDULAS PROCEDENTES DE UM
CORRESPONDENTE BANCÁRIO DA CIDADE DE ANDRADAS – MG
Ana Carolina Garcia1, Thaís Louise Soares Patto 2
Discente do curso de Biomedicina, UNIPINHAL, Espírito Santo do Pinhal, SP.
2
Docente do curso de Biomedicina, UNIPINHAL, Espírito Santo do Pinhal, SP.
Orientadora. [email protected]
1
Introdução: Sabe-se que os microrganismos podem ser encontrados por todas as partes,
e podem ser transmitidas através do ar, roupas, pele, comidas, dinheiro, entre outros.
Por meio de atividades rotineiras, acabamos nos aproximando mais dessas bactérias.
Nesse contexto, um poderoso transmissor presente em nosso dia a dia são as cédulas de
dinheiro. Por ser um objeto que pode ser manipulado por diversas pessoas em um
mesmo dia, em ambientes, muitas vezes contaminados, ao entrar em contato com nossas
mãos, sem adequada higienização, pode acabar gerando infecções graves ao organismo
de um indivíduo. Objetivos: O objetivo foi identificar a presença de bactérias nas
cédulas de dinheiro procedentes de um correspondente bancário em circulação na
cidade de Andradas – MG. Material e Métodos: Foram coletadas cédulas de R$2,00,
R$5,00, R$10,00 e R$20,00 em dois dias diferentes e em triplicata, de um
correspondente bancário da cidade, que atende diversas classes sociais, totalizando 24
cédulas. Foi realizada a coleta da amostra utilizando swab estéril umedecido em soro
fisiológico, foi esfregado nos dois lados da cédula e depois imerso em tubo de ensaio
contendo caldo Brain Heart Infusion (BHI). Após o crescimento foram semeadas em
placas ágar Sangue e ágar MacConkey e ao apresentar crescimento bacteriano foram
analisadas utilizando a técnica de coloração de Gram, prova da catalase para
diferenciação de Staphylococcus e Streptococcus, cultura bacteriana e provas
bioquímicas para Enterobactérias. Resultados: Foram consideradas amostras positivas
aquelas que tiveram algum tipo de turvação após cultivo em caldo BHI e que após
cultivo em placa apresentaram colônias. Nas placas em que não houveram crescimento
bacteriano foram consideradas como resultado negativo. Em 96% das cédulas houve
contaminação, sendo que em 6 delas foram encontradas mais de um gênero de bactéria.
De 30 achados microbianos, 53% foram do gênero Staphylococcus sp, 17% do gênero
Streptococcus sp e 30% da família Enterobacteriaceae. Conclusão: Pode-se concluir
que os resultados obtidos neste trabalho mostram um número elevado de bactérias, as
cédulas então podem ser vistas como um grande veículo disseminador de agentes
pertencentes à microbiota normal das mãos e do ambiente, que podem ser patógenos
para os indivíduos.
Palavras chaves: Dinheiro, Infecções bacterianas, Contaminação.
LEVANTAMENTO DE BACILOSCOPIA POSITIVA NA REGIÃO DE SÃO
JOÃO DA BOA VISTA – SP DO ANO DE 2008 a 2012
Thaís Louise Soares Patto1, Erika Batista Franciolli 2
Docente do curso de Biomedicina, UNIPINHAL, Espírito Santo do Pinhal, SP.
[email protected]
2
Discente do curso de Biomedicina, UNIPINHAL, Espírito Santo do Pinhal, SP.
1
Introdução: A Tuberculose é uma doença infectocontagiosa causada pela bactéria
Mycobacterium tuberculosis. Das formas existentes, a pulmonar é a mais relevante para
a Saúde Pública, além de ser a mais frequente. O tratamento da doença é unificado no
Brasil e as medicações são distribuídas pelo sistema de saúde por meio de seus postos
municipais de atendimento. Sua transmissão é feita por ingestão de material
contaminado, inoculação direta do bacilo e transmissão aérea, que é a mais comum.
Para realizar o diagnóstico a baciloscopia direta do escarro é a mais utilizada, mas a
cultura de escarro, exames radiológicos e tuberculínicos podem ser auxiliares para o
diagnóstico. Objetivos: Fazer um levantamento do número de exames positivos para
tuberculose realizados no Laboratório Municipal de São João da Boa Vista para os
municípios de São João da Boa Vista, São Sebastião da Grama, Aguaí, Santo Antônio
do Jardim, Águas da Prata e Divinolândia do estado de São Paulo, no período de janeiro
de 2008 a dezembro de 2012. Material e Métodos: Foi efetuado um levantamento do
número de baciloscopias positivas para tuberculose no laboratório municipal de São
João da Boa Vista e região no período de janeiro de 2008 a dezembro de 2012, onde
foram coletados dados dos resultados de exames de baciloscopias efetuadas, recolhendo
informações como idade, sexo, cidade e mês que foi realizada a coleta. Resultados:
Por meio destes dados coletados foi realizado um levantamento do número de
diagnóstico de baciloscopia positiva. A partir dos dados contidos nesses registros, foi
possível traçar um perfil destes pacientes, bem como detectar locais e ano de maior
prevalência da tuberculose. Verificou-se neste estudo que a tuberculose atingiu pessoas
principalmente do sexo masculino durante os anos analisados, o sexo masculino
predomina com 68 baciloscopias positivas, e 14 baciloscopias positivas do sexo
feminino. Além de um maior número de bacilocopias efetuadas, o ano de 2008 possui
também o maior número de baciloscopias positivas de 30 casos (5,24%). A faixa etária
mais atingida foi a de 41-50 anos e obteve-se maiores casos de baciloscopias positivas
em janeiro e fevereiro. A região onde se obteve o maior número de casos foi em Aguaí
em 2008 e 2011, mas de 2009, 2010 e 2012 foi a de São João da Boa Vista. Por não ter
acesso ao acompanhamento do paciente não foi observado nesta pesquisa dados quanto
ao tratamento. Conclusão: Com o levantamento dos exames de baciloscopias positivas
pode ser observado que o ano de 2008 foi onde obteve maior número de casos,
diminuindo com o decorrer dos anos, podendo ser um resultado que foi obtido pelas
campanhas para o combate da tuberculose. Nesse estudo notamos que a maior parte dos
casos notificados de tuberculose na região de São João da Boa Vista - SP são de adultos
com a faixa etária mais atingida dos 41 aos 50 anos do sexo masculino.
Palavras chaves: Tuberculose, Baciloscopia, Saúde Pública.
O USO DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO ENSINO DA
HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS PARA ALUNOS DO 3º E 4º ANO DO ENSINO
FUNDAMENTAL I
Manoel Oliveira da Silva1, Flávia Cecílio Ribeiro2, Solange
Maria
Ribeiro3
1
Discente de Ciências Biológicas, UNIFEG. [email protected]
2
Docente de Ciências Biológicas, UNIFEG. [email protected]
3
Docente de Ciências Biológicas, UNIFEG.
[email protected]
Introdução: A higienização das mãos tem caráter essencial na saúde do ser humano,
visto que inúmeras doenças advêm da prática inadequada da higiene delas. A educação
em saúde, pela sua magnitude, deve ser entendida como uma importante vertente na
prevenção de adoecimento e preservação da saúde, visando melhorias das condições de
vida e de saúde das populações. Desde a fase pré-escolar, a educação á saúde vem sendo
incorporada no processo de aprendizagem, pois nessa fase as crianças assimilam melhor
as informações. Devem fazer parte do dia-a-dia das crianças, as ações educativas e
preventivas para que se tornem aptas em repassar o conhecimento. Pensando em uma
forma de transmitir os conhecimentos de higienização das mãos faz- se aqui o uso do
lúdico, pois seu uso inserem as crianças no mundo da fantasia e da brincadeira, onde o
lúdico oferecerá uma essência de divertimento fundamental para o aprendizado.
Kawamoto (2014) descreve as historias em quadrinhos (HQs) como sendo um mundo
de encanto independente da faixa etária do publico alvo, pois traduz uma linguagem
interessante que propicia a expansão de emoções e sentimentos. Objetivos: O objetivo
da elaboração de uma cartilha em quadrinhos sobre higiene das mãos, principalmente
aquela direcionada aos alunos, é utilizar o lúdico para tratar de um assunto do cotidiano
do discente em fase de aprendizagem, buscando integrar o real e o lúdico em prol de seu
aprendizado. Material e Métodos: Aplicação de um questionário aos professores com
intuito de conhecer os hábitos higiênicos das mãos dos alunos e montagem de uma
cartilha contendo histórias em quadrinhos, relatando a importância da boa higienização
das mãos. Resultados: Através de um questionário respondido por 4 professores de
ciências do ensino fundamental I, pôde-se observar que 50% utiliza cartaz para ensinar
higienização das mãos aos alunos e 50% utiliza livros, 0% utiliza slides ou lousa, 100%
dos professores responderam que os alunos não fazem a higienização das mão antes e
após as atividades escolares e ás refeições, 100% dos professores afirmam que os alunos
possuem conhecimentos á respeito da importância da higienização das mãos. Em
relação á resistência para lavar as mãos, 50% afirma que os alunos apresentam
resistência e 50% afirma que não apresentam resistência para lavar as mãos, 100% dos
docentes acha interessante fazer o uso das HQs para ensinar os alunos sobre
higienização das mãos e 100% afirma que os alunos possuem mais facilidade de
aprendizagem através de desenhos. A história em quadrinhos foi aplicada aos alunos,
ensinando a importância da higienização das mãos, em seguida eles foram levados para
uma aula prática, com intuito de ensinar de forma correta a lavagem das mãos.
Conclusão: Ainda há uma grande deficiência no ensino de higienização das mãos
praticada nas escolas, é muito importante que técnicas como as HQs sejam implantadas
nas escolas pra chamar a atenção dos alunos e fazer com que estes criem maior
consciência sobre a importância da higienização das mãos para saúde.
Palavras chave: Higienização das mãos, Histórias em Quadrinhos (HQs), Educação em
Saúde
PERFIL DE OBESIDADE E RISCOS CARDÍACOS EM CRIANÇAS DA REDE
MUNICIPAL DE ENSINO DE GUAXUPÉ/MG
1
Mônica da Graças Herédia1; Autran José Silva Júnior 2
Curso de Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, Brasil.
[email protected]
2
Discente do curso de Educação Física, UNIFEG
Introdução: Estudos apontam para um crescente aumento na prevalência de criança
com sobrepeso e obesidade em diferentes regiões brasileiras, entretanto nenhum estudo
tem apresentado tais análises em nossa região. Objetivos: Identificar a prevalência de
obesidade e riscos cardíacos em crianças de ambos os gêneros matriculados nas escolas
municipais da cidade de Guaxupé/MG. Material e Métodos: O estudo constou de 2198
voluntários, ambos gêneros, idade entre 05 a 14 anos, matriculados nas escolas
municipais de ensino fundamental I da cidade de Guaxupé/MG onde avaliou o peso
corporal e altura total para a identificação do IMC. Como também a perimetria da
cintura para a obtenção da relação cintura/altura total e indicadores de riscos cardíacos.
Resultados: O peso corporal e altura médios para o grupo feminino e masculino foram
respectivamente: 59,2±12,52Kg e 1,55±0,07m; 40,1±9,9Kg e 1,53±0,13m. A
prevalência de abaixo do peso, peso normal, sobrepeso e obesidade para o feminino foi,
respectivamente: 31,7%, 33,5%, 15,4% e 20,8% e para o masculino foi: 35,4%, 34,9%,
16,1% e 17,6%. Não foram encontrados valores médios críticos de perimetria de cintura
e RCA.
TABELA 01 – Valores médios(±DP) de IMC nos gêneros estudados
FEMININO
Idad
e
Kg/m
5
16,5
±6,8
6
16,1
±2,4
7
17,2
±3,2
8
17,7
±3,5
9
18,9
±3,9
10
18,7
±3,4
11
18,8
±4,6
12
17,7
±2,0
13
20,3
±5,8
2
Abaixo
Normal
08
(16,6%
)
39
(20,1%
)
28
(58,3%
)
74
(38,1%
)
43
(22,9%
)
61
(32,0%
)
63
(36,7%
)
62
(33,3%
)
21
(33,8%
)
05
(41,6%
)
01
(14,3%
)
37
(25%)
55
(28,8%
)
42
(24,4%
)
63
(33,9%
)
29
(44,6%
)
07
(58,3%
)
3
(42,8%
)
MASCULINO
Sobre
Obes.
04
(8,3%)
Kg/m
2
Abaixo
Normal
Sobre
Obes.
08
(16,6%)
16,1
± 2,5
06
(16,2%)
21
(59,5%)
07
(18,9%
)
03
(8,1%)
36
(18,5%)
45
(23,2%
0
16,5
± 2,9
39
(19,9%)
82
(41,8%)
33
(16,8%
32
(21,6%)
36
(22,8%)
17,1
±3,9
51
(27,0%)
77
(40,7%)
33
(17,3%)
42
(22,0%)
17,3
±3,5
78
(33,5%)
54
(23,2%)
29
(16,9%)
38
(22,1%)
18,6
±3,9
61
(31,1%)
55
(28,1%)
40
(21,5%)
21
(11,3%)
18,5
±3,6
69
(37,1%)
63
(33,9%)
07
(10,8%)
09
(13,8%)
19,6
±4,1
32
(31,0%)
34
(33,0%)
0
(0%)
0
(0%)
19,5
±4,6
11
(50,0%)
06
(27,2%)
01
(4,5%)
0
(0%)
03
(42,8%)
17,0
±2,4
08
(72,7%)
03
(27,2%)
0
(0%)
25
(13,2%
)
65
(28,0%
)
31
(15,8%
)
25
(13,4%
)
19
(18,4%
)
42
(21,4%
)
36
(19,0%
)
36
(15,5%
)
49
(25,0%
)
29
(16,0%
)
18
(17,5%
)
04
(18,2%
)
0
(0%)
14
%
24,9
±7,5
XXX
0
(0%)
31,70%
01
(50%)
33,50%
0
(0%)
15,40%
01
(50%)
20,80%
XXX
XXX
XXX
XXX
XXX
XXX
35,40%
34,90%
16,10%
17,60%
IMC: Índice de Massa Corporal. Abaixo: Abaixo do Peso. Sobre: Sobre Peso. Obes.: Obesidade.
Conclusão: Os resultados demonstrara que 35,3% do gênero feminino e 33,7% do
masculino indicam IMC acima da normalidade, porém sem risco cardíaco. Como
também, o presente estudo indica a necessidade imediata de políticas públicas de
promoção melhoria da saúde e qualidade de vida, com manutenção e redução do peso
corporal.
Palavras chaves: obesidade, IMC, riscos cardíacos, criança
O EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO DE CAFEÍNA SOBRE A POTÊNCIA
ANAERÓBIA EM DOIS APARELHOS DE MUSCULAÇÃO
1
Luis Gustavo de Oliveira Cruvinel1; Felipe Sabino Faria1;Autran José Silva Jr 2
Curso de Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, Brasil. [email protected]
2
Discente do curso de Educação Física, UNIFEG
Introdução: Atualmente no mundo esportivo se busca sempre os melhores resultados e
tempos para se atingir um objetivo que é vencer. Em exercícios anaeróbios (exercícios
físicos de alta intensidade e curta duração), a suplementação com cafeína pode aumentar
a força muscular e a resistência à fadiga pela ação direta no sistema nervoso central.
Objetivos: O objetivo do presente estudo foi investigar o efeito deste ergogênico sobre
a potência anaeróbia muscular através de teste de repetição máxima em aparelhos de
musculação. Material e Métodos: 14 voluntários do sexo masculino, 26,1±7,8 anos;
87,5±16,9 Kg; 1,8±0,1m; 26,2±3,3Kg/m2 e 15,7±5,0%G realizaram dois testes máximos
(1RM) nos aparelhos supino reto (SR) e agachamento (AG) e após 72 horas repetiram o
mesmo teste com e sem suplementação de 6mg/Kg de cafeína ou placebo
(maltodextrina) ingeridos 1 hora anterior aos testes. Foram avaliadas a frequência
cardíaca (FC) e a carga (em Kg) em repouso e ao final de cada tentativa. A escala
subjetiva de esforço de OMNI, pressão arterial sistólica (PAS) e diastólica (PAD) foram
avaliadas em repouso e imediatamente após os testes. Todas as variáveis analisadas
foram testadas para apresentarem uma distribuição normal (Shapiro-Wilk, p > 0,05). O
teste t de student foi utilizado para amostras dependentes para FC, PAS, PAD e OMNI.
Resultados: Não foram encontradas diferenças significativas nas variáveis carga (Kg),
escala de OMNI, PAS e PAD quando comparadas entre os testes SR e AG com
suplementação com cafeína e placebo. Não se identificou diferenças significativas nos
valores da FC quando se comparou as séries de cada modelo de suplementação. Quando
comparados os parâmetros cafeína x placebo foram encontradas (ver tabela abaixo).
TABELA 01 – Valores médios(±DP) de FC em ambos os testes para Placebo e Cafeína
SUPINO RETO
1a
2a
3a
4a
5a
6a
7a
PLACEBO
90,3±
14,9
91,9±
14,0
100,2±
20,1
107,3±
21,4
111,6±
20,1
122,0±
29,7
XXX
CAFEÍNA
117,4±
18,9*
122,1±
15,0*
130,1±
18,4*
131,5±
15,4*
126,4±
16,0
115,5±
10,6
XXX
AGACHAMENTO
1a
2a
3a
4a
5a
6a
7a
PLACEBO
105,1±1
5,6
108,9±
19,8
107,7±
21,6
111,3±
21,1
104,2±
10,6
105,0±
11,5
106,8±
10,0
CAFEÍNA
119,6±1
5,1
126,6±
8,4
124,9±
11,4
129,1±
12,6
132,5±
12,4*
140,0±
6,5*
143,5±
2,1*
*
Diferença significativa (P < 0,05) entre as séries entre Placebo X Cafeína.
Conclusão: Estudos afirmam que a cafeína eleva a força e resistência musculares o que
não observamos, e eleva a FC, o que foi observado. Concluímos que estudar o efeito da
cafeína em um teste de 1RM tenha sido o fator limitador, talvez fosse necessário estudar
o comportamento destes parâmetros durante uma série de exercícios resistidos,
caracterizando a realidade nas academias.
Palavras chave: cafeína, exercício resistido, força muscular.
PROGRAMA DE ATIVIDADE FÍSICA: MANUTENÇÃO DOS NÍVEIS
PRESSÓRICOS EM HIPERTENSOS
1
Dênis Emidio Souza1; Tiago Marques Rezende2
Curso de Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, Brasil. [email protected]
2
Docente do curso de Educação Física, UNIFEG
Introdução: O exercício físico (EF) é uma atividade planejada, estruturada e repetitiva,
que tem por objetivo final ou intermediário aumentar ou manter a saúde e aptidão física,
podendo proporcionar benefícios agudos e crônicos, dentre eles destacam-se a redução
da pressão arterial (PA), pós exercício em relação aos níveis pré exercício. O que
explica a recomendação na prevenção e tratamento da hipertensão. Objetivos: O
objetivo foi verificar os resultados de um programa de atividade física na manutenção
dos níveis pressóricos em hipertensos. Material e Métodos: 22 voluntárias do sexo
feminino, 64,81 ± 10,54 anos; 64,94 ± 11,11 Kg; 26,52 ± 3,3Kg/m2, RCQ de media 0,82
± 0,19 Participaram de um programa de atividade física, realizado 3 vezes por semana,
duração de 60 minutos cada sessão, composto por exercícios aeróbios e exercícios de
musculação, aquecimento ao começo de cada sessão, e após as atividades, alongamento
e volta a calma. A pressão arterial sistólica (PAS) e diastólica (PAD) foram avaliadas
em repouso, antes das atividades e 15 minutos após cada sessão. Todas as variáveis
analisadas foram testadas para apresentarem uma distribuição normal (Shapiro-Wilk, p
> 0,05). O teste t de student foi utilizado para amostras dependentes para pressão
arterial sistólica (PAS), pressão arterial diastólica (PAD), Massa Corporal, IMC e RCQ.
Resultados: Não houve modificação no parâmetros antropométricos após 7 semanas de
treinamento. Encontramos diferenças significativas na PAS comparando o valor présessão no início do treinamento (p<0,007). A PAS após a sessão no final do treinamento
também foi diferente significativamente (P<0,039 ) comparada com a PAS do início do
treinamento. A PAD foi diferente estatisticamente significante (P<0,01) apenas na
condição pós - sessão ao final das 7 semanas de treinamento. A tabela abaixo sumariza
as informações do trabalho.
Tabela 01. Informações antropométricas e de Pressão Arterial Sistólica e Diastólica.
Pré treinamento
Pós treinamento (7 semanas)
Massa Corporal (kg)
Estatura (m)
I.M.C.
Cintura (cm)
Quadril (cm)
RCQ
64,94 ± 11,1
1,56 ± 0,06
26,52 ± 3,3
82,6 ± 20,5
95,7 ± 22,15
0,827 ± 0,197
3 Sessões iniciais de
treinamento
PAS (mmHg)
PAD (mmHg)
Pré - Sessão
123,8 ± 8,5
70 ± 59
Pós -Sessão
119,2±3,1
71,8±5,7
64,04 ± 11,1
1,56 ± 0,06
25,04 ± 6,36
82,2 ±20,65
94,5 ± 22
0,829 ± 0,197
3 Sessões Finais de
Treinamento
Pré - Sessão
119,1±5,8*
70±5,70
Pós -Sessão
117,3±4,0**
68,9±5,5***
Os valores estão expressos em média e desvio-padrão. Nível de significância adotado P<0,05
Conclusão: As 7 semanas de treinamento foram eficazes na redução da pressão arterial
sistólica na condição basal e logo após atividade física. A pressão arterial diastólica só
conseguiu reduzir os valores imediatamente após a sessão, não integrando para as
condições de repouso. Os valores antropométricos não tiveram redução provavelmente
por não ter havido um controle sobre o repertório alimentar.
Palavras chave: Exercício físico, Hipertensos, PAS, PAD.
PERFIL DE IMC DE ADOLESCENTES INTEGRANTES DO PROGRAMA
GERAÇÃO SAÚDE NO MUNICÍPIO DE ITAMOGI/MG
Beatriz Silva Custódio de Souza1; Lucas Moreira Gonçalves2
Discente do curso de Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Introdução: Os avanços tecnológicos, maior produção e alimentos mais complexos,
facilidades em deslocamento são características da vida moderna e trazem enormes
benefícios, mas um grande malefício que é o sedentarismo. Acredita-se que 60% da
população mundial seja totalmente sedentária (OPAS, 2003). Muitos estudos têm
relacionado a obesidade infanto-juvenil com a inatividade física e o tempo gasto em
atividades lúdicas como assistir televisão. Em nossa região, apesar das escolas de
educação física, poucos estudos têm investigado sistematicamente a relação entre o
sedentarismo, obesidade e patologias associadas em crianças e adolescentes e suas
associações com a atividade física e tempo dispendido em atividades eletrônicas
(televisão e jogos). Tal estudo se justifica devido a esta necessidade e de todos os
trabalhos citados anteriormente concluírem que o sedentarismo e a obesidade na faixa
etária deste estudo apresentar elevações no decorrer da idade. Objetivos: Avaliar a
composição corporal e IMC em adolescentes com idade entre 12 e 18 anos, de ambos
gêneros e relacionar com a obesidade na cidade de Itamogi/MG. Material e Métodos:
O projeto foi encaminhado ao Comitê de Ética do Unifeg e após a aprovação, serão
avaliados 30 discentes da educação básica do município de Itamogi/MG, onde os
critérios de inclusão são: ter idade entre 12 e 18 anos e estar matriculada na rede de
ensino de Itamogi/MG, apresentar IMC elevado, assinar o TCI e a aprovação para a
realização das avaliações. A avaliação antropométrica será composta por: peso corporal
(balança digital Plenna), altura total (estadiômetro) e cálculo de IMC (ACSM).
Resultados: Os resultados serão expressos em média e desvio padrão. Todas as
variáveis analisadas serão testadas para apresentarem uma distribuição normal
(Kolmogorov-Smirnov, p > 0,05). O teste t de student para amostras dependentes para
composição corporal e risco cardíaco. Conclusão: Ainda não foram concluídas as
análises dos dados coletados, pois o estudo ainda está em andamento.
Palavras chaves: atividade física, infância, obesidade
O EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO DA CREATINA SOBRE A POTÊNCIA
ANAERÓBIA EM DOIS APARELHOS DE MUSCULAÇÃO
Alessandro Paulino de Oliveira1, Willian Miguel dos Santos Viera1;
Lucas Moreira Gonçalves2
1
Discente do curso de Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Percebemos que da década de 90 em diante ocorreu uma grande mudança
no padrão de beleza masculina e feminina, saindo corpos magros para a entrada de
corpos magérrimos ou extremamente fortes. A partir destas mudanças, foram utilizados
muitos meios para se atingir estes objetivos, tais como melhores equipamentos e
material desportivo, melhores métodos de treinamento e melhores dietas e
suplementações. Dentre as suplementações, podemos encontrar o composto de creatina
(Cr). A Cr é uma amina sintetizada no organismo a partir dos aminoácidos arginina,
glicina e metionina. O corpo humano armazena Cr tanto na sua forma livre quanto na
sua forma fosforilada. Somando-se os valores de Cr livre e fosforilada, temos o valor da
creatina total (CT). A ingestão de Cr em alimentos naturais corresponde à metade da
necessidade diária, a síntese endógena se encarrega de produzir o restante. Esse
processo ocorre principalmente quando a disponibilidade de Cr pela dieta é insuficiente
para atender às necessidades. Objetivos: Analisar o efeito da suplementação de creatina
sobre a potência anaeróbia em dois aparelhos de musculação. Material e Métodos:
Amostra da pesquisa contará com a participação de 20 voluntários do sexo masculino,
com idade superior a 18 anos, regularmente matriculado em programas de treinamento
físico (musculação) na Academia Oficina do Corpo na cidade de Itamogi - MG.
Delineamento Experimental: Cada voluntário fará 4 visitas as academias que irão
participar deste estudo. Será realizada uma avaliação antropométrica, medição da
freqüência cardíaca (FC), Pressão Arterial (PAS e PAD) em repouso e a cada repetição
do teste e o teste de repetição máxima (1RM) nos aparelhos de supino reto e Leg press
45º. Resultados: Serão realizadas as análises estatísticas após a coleta dos dados.
Conclusão: Trabalho em andamento, os dados serão apresentados após a conclusão da
pesquisa.
Palavras chaves: Creatina, Potência Anaeróbia, Musculação.
AVALIAÇÃO AERÓBIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRATICANTES
DE FUTEBOL POR MEIO DO SOCCER TEST
Henrique de Lima Garcia¹, Tiago Marque de Rezende²
Educação Física, UNIFEG, GUAXUPÉ, MG. [email protected]
Educação Física, UNIFEG GUAXUPÉ, MG. [email protected]
Introdução: Desde o momento da sua criação até o presente momento, o futebol passou
por diversas transformações, dentro de campo, e principalmente fora do campo. O
futebol exige uma somatória de fatores para que o atleta garanta um bom rendimento em
campo. Alguns desses fatores são: a técnica e a tática. Objetivo: Avaliar a
especificidade do soccer test em praticantes jovens. Material e Métodos: Participaram
deste teste 10 adolescentes do sexo masculino, praticantes de futebol de campo da
escolinha de futebol de Cássia dos Coqueiros-SP. A avaliação foi feita com
adolescentes entre 12 a 17 anos e atletas amadores. Resultados: A idade média dos
participantes é 13,5± 1,5 anos, estatura 1,6± 0,13 metros, massa corporal 45,7± 14,1 Kg,
com o IMC de 17,6± 3,9 Kg/m². A distância média percorrida pelos voluntários foi de
1632± 247,87 metros.
Estatura
Massa Corporal
IMC
Distância
(m)
(Kg)
(Kg/m2)
percorrida (m)
1
12
1,40
30,9
15,76
1.680
2
14
1,70
47,2
16,33
1.680
3
16
1,67
74,9
26,85
960
4
15
1,72
62,9
21,26
1920
5
14
1,69
37,6
13,16
1680
6
14
1,71
43,5
14,87
1680
7
12
1,43
31,2
15,25
1680
8
11
1,44
35,2
16,97
1680
9
14
1,69
50,0
17,50
1680
10
13
1,55
43,3
18,02
1680
Média(DP) 13,51,5
1,60,13
45,714,1
17,63,9
1632247,8
Conclusão: Estudos em jogadores abaixo dos 15 anos encontraram valores próximos a
dois quilômetros por tempo de partida (30 minutos cada tempo do jogo para essa faixa
etária). Na avaliação realizada a média a distância foi de 1680 metros, ficando próximo
da distância percorrida obtida em partidas analisas. Dessa forma, o teste soccer teste é
eficaz na quantificação em praticantes amadores de futebol.
Palavras chave: Avaliação Aeróbia, Soccer Test, Futebol.
Voluntários
Idade
A RELAÇÃO ENTRE A EDUCAÇÃO FÍSICA E O DESENVOLVIMENTO
COGNITIVO
Henrique Martins de Oliveira1, Tiago Marques Rezende2
Discente do curso de Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
²Docente do curso de Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Introdução: A educação física como disciplina tem objetivo de desenvolvimento motor
e também cognitivo, de acordo com a abordagem dos Parâmetros Curriculares
Nacionais que compreende a relação direta entre a evolução da capacidade motora e
cognitiva através de diversos conteúdos, dentre eles os jogos recreativos ou desportivos
Ao abordar os jogos, geralmente, associa-se como forma de divertimento, brincadeira,
passatempo, obedecendo às regras durante a realização dessas atividades, contudo sabese que o jogo é um processo lúdido e criativo que possibilita participante modificar
imaginariamente a realidade, pois funcionam como elo integrador entre os três domínios
do conhecimento o psicomotor, cognitivo e o afetivo-social (SILVA, 2007). Segundo
Greco (2006), a capacidade de percepção, processo de recepção, elaboração, controle e
avaliação da informação na interação das capacidades de selecionar, codificar
informação, capacidade de tomada de decisão, elaboração de planos e chamada dos
planos para executar a ação, na solução dos problemas do jogo, são maneiras de
expressão do nível de conhecimento técnico-tático que o atleta dispõe. Observando
pedagogicamente a importância do conhecimento para os processos de ensinoaprendizagem o treinamento tático-técnico apresenta relação entre conhecimento
adquirido e os diferentes processos cognitivos que definem um comportamento, o
mesmo pode ser interpretado como um modelo da ação para atletas ou não atletas.
Objetivos: O presente trabalho tem objetivo de elucidar a relação entre a atividade
física e o desenvolvimento cognitivo do praticante. Material e Métodos: Revisão
bibliográfica de artigos envolvidos com o tema. Resultados: Através das pesquisas
realizadas nota-se que a educação física poderá influenciar positivamente o
desenvolvimento cognitivo de acordo com os resultados de pesquisas já realizadas que
abordam o tema. Conclusão: A Educação Física através de varias abordagens tem
potencial para melhorar o desenvolvimento motor e cognitivo dos participantes, não se
limitando a preparação física, sendo assim inclui o conhecimento o psicomotor,
cognitivo e o afetivo-social.
Palavras chaves: Educação Física, Jogos, Cognição.
INCIDÊNCIA DE RISCOS CARDÍACOS EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO
DE DUAS ESCOLAS ESTADUAIS DE GUAXUPÉ/MG ATENDIDAS PELO
PIBID/UNIFEG EDUCAÇÃO FÍSICA
Marcelo Ferreira Garcia1, Alan Cesar Martins1, Henrique Martins Oliveira1 e
Autran José da Silva Jr2
1
Bolsista PIBID, Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, Brasil.
[email protected]
2
Discente do curso de Educação Física, UNIFEG
Introdução: A relação entre a medida de perimetria da cintura e a estatura (RCA) como
indicador de doenças cardiovasculares. Porém, poucos trabalhos têm estudado o
comportamento da RCA em Guaxupé/MG. Objetivo: Analisar a prevalência de riscos
cardíacos através da RCA em estudantes das escolas estaduais atendidas pelo programa
PIBID/UNIFEG. Material e Métodos: Foram avaliadas a perimetria da cintura e
estatura total de 1057 os alunos de ambos os gêneros, com idade entre 11 a 16, sendo
268 da E. E. Benedito Leite Ribeiro (154 feminino e 114 masculino) e 789 da E. E.
André Cortez Granero (389 do feminino e 400 masculino), para a obtenção da RCA.
Resultados: A tabela 01 mostra os resultados médios e percentuais dos voluntários.
Idade
10
11
12
13
14
15
16
RCE
Classificação
Valor médio
Baixo
Risco
Valor médio
Baixo
Risco
Valor médio
Baixo
Risco
Valor médio
Baixo
Risco
Valor médio
Baixo
Risco
Valor médio
Baixo
Risco
Valor médio
Baixo
Risco
EE Benedito L. Ribeiro
Masc.
Fem.
0,42
0,43
06 (86%)
09 (90%)
01 (14%)
01 (10%)
0,42
0,46
13 (72%)
18 (86%)
05 (27%)
3 (14%)
0,43
0,47
38 (72%)
59 (92%)
15 (28%)
05 (8%)
0,42
0,43
12 (100%)
16 (98%)
0 (0%)
01 (2%)
0,44
0,44
08 (89%)
07 (87%)
01 (11%)
01 (13%)
0,44
0,42
09 (100%)
15 (94%)
0 (0%)
01 (6%)
0,57
0,54
0 (0%)
0 (0%)
06 (100%)
18 (100%)
EE André Cortez Granero
Masc.
Fem.
XX
XX
XX
XX
XX
XX
0,46
0,44
61 (76%)
69 (80%)
19 (24%)
17 (20%)
0,45
0,44
30 (83%)
25 (86%)
7 (17%)
04 (14%)
0,44
0,44
56 (87%)
45 (83%)
08 (13%)
09 (17%)
0,43
0,45
13 (100%)
15 (79%)
0 (0%)
04 (21%)
0,43
0,44
85 (90%)
86 (81%)
09 (10%)
20 (19%)
0,44
0,44
73 (86%)
46 (85%)
12 (14%)
08 (15%)
Conclusões: Apesar dos valores médios indicarem baixo risco cardíaco, encontramos %
médios indicando o contrário. Os resultados indicam uma necessidade imediata de uma
política pública de esclarecimento e acompanhamento com o objetivo de educação e
controle destes indicadores.
Palavras chaves: relação cintura/altura; adolescentes, riscos cardíacos
INCIDÊNCIA DE OBESIDADE EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE DUAS
ESCOLAS ESTADUAIS DE GUAXUPÉ/MG ATENDIDAS PELO
PIBID/UNIFEG EDUCAÇÃO FÍSICA
Alan Cesar Martins1, Marcelo Ferreira Garcia1, Henrique Martins Oliveira1 e
Autran José da Silva Jr2
1
Bolsista PIBID, Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, Brasil.
[email protected]
2
Discente do curso de Educação Física, UNIFEG
Introdução: A obtenção do índice de massa corporal (IMC) é um importante indicador
de obesidade para grandes populações. Este IMC é a relação entre o peso corporal pela
altura elevada ao quadrado. Apesar desta facilidade, não encontramos trabalhos
estudando o IMC em escolas do ensino médio em Guaxupé/MG. Objetivo: Avaliar o
IMC nas escolas estaduais atendidas pelo PIDIB/UNIFEG/EDUCAÇÃO FÍSICA.
Material e Métodos: Foram avaliados o peso corporal e altura de 847 alunos, sendo
408 da E. E. Benedito Leite Ribeiro (203 do gênero feminino e 205 masculino) e 439 da
E. E. André Cortez Granero (sendo 217 do gênero feminino e 222 masculino), para a
obtenção do IMC. Resultados: A tabela abaixo apresenta os resultados médios(±DP)
dos voluntários de ambas as escolas.
Escolas
Idade
11
12
13
14
15
16
17
Gênero
Fem.
Masc.
Fem.
Masc.
Fem.
Masc.
Fem.
Masc.
Fem.
Masc.
Fem.
Masc.
Fem.
Masc.
E. E. Benedito Leite Ribeiro
Peso
Altura
IMC
(Kg)
(Cm)
(Kg/m2)
46,3±3,2 142,4±0,1 22,8±3,5
45,5±4,5 141,5±0,1 22,6±4,3
48,5±4,5 144,4±0,0 23,1±5,4
47,7±6,7 144,7±0,1 22,6±3,3
46,2±4,4 145,7±1,0 21,8±2,5
50,5±4,5 156,4±0,1 20,5±,2,8
53,9±9,4 153,8±0,1 22,6±4,5
56,9±8,6 160,8±0,1 21,8±4,3
59,6±8,5 164,6±0,0 21,9±3,4
54,5±9,5 164,3±0,1 20,0±2,3
65,6±7,4 165,2±0,1 23,8±3,2
71,4±6,7 178,8±0,1 22,4±3,1
71,4±12 169,5±0,1 24,8±3,7
78,8±8,8 174,2±0,1 25,7±4,1
E. E. André Cortez Granero
Peso
Altura
IMC
(Kg)
(Cm)
(Kg/m2)
44,7±11,1 1,5±0,1 20,0±4,2
43,4±11,7 1,5±0,1 19,8±3,9
49,1±12,4 1,5±0,1 21,4±4,4
40,0±8,1
1,5±0,1 17,5±3,2
44,7±7,0
1,5±0,1 18,3±2,4
52,0±6,9
1,5±0,1 20,6±2,2
57,2±12,2 1,7±0,1 20,6±3,7
56,1±13,0 1,6±0,1 21,8±4,3
62,3±13,7 1,7±0,1 21,6±4,4
55,5±9,8
1,6±0,1 21,5±3,1
59,3±11,5 1,6±0,1 23,2±4,3
63,7±10,0 1,7±0,1 21,7±3,7
59,8±11,7 1,6±0,1 22,6±4,0
67,9±12,3 1,7±0,1 22,7±3,6
Conclusão: apesar de observamos prevalência de sobrepeso e obesidade nas regiões
brasileiras, não identificamos este comportamento nas escolas estaduais. Acreditamos
que talvez que o fator limitante seja o número da amostra estudada.
Palavras chaves: IMC, adolescentes, obesidade, PIBID, UNIFEG
O PROJETO DANÇA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE GUAXUPÉ/MG
ATENDIDAS PELO PIBID/UNIFEG EDUCAÇÃO FÍSICA
Kathleen Cristian Matos1; Kamila Ribeiro Prado1; Eliana Cristina Sales2 e Autran J.
Silva Jr3
1
Bolsista PIBID, Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, Brasil.
[email protected]
2
Coordenadora de Área do PIBID/UNIFEG. [email protected]
3
Discente do curso de Educação Física, Coordenador PIBID/UNIFEG
Introdução: Dentro das manifestações e dos Parâmetros Curriculares Nacionais de
Educação Física, a dança possui um papel de destaque pela sua importância e seus
benefícios para todos os seus praticantes de ambos os gêneros. Devido a esta
importância, o curso de Educação Física/UNIFEG através do programa PIBID que
atende duas escolas estaduais de ensino médio na cidade de Guaxupé/MG implantou o
projeto de dança. Objetivo: implantar um programa de dança para todos os discentes
interessados que queiram participar de todas as manifestações existentes de dança nas
escolas atendidas pelo PIBID/UNIFEG. Metodologia: Duas bolsistas do programa
PIBID/UNIFEG, as alunas Kamila Ribeiro Prado e Kathleen Cristian Matos
implantaram o projeto de dança através de aulas, inicialmente com a participação
efetiva dos discentes do gênero feminino. Com o desenvolvimento das atividades do
projeto de dança, ocorreram o interesse e a inclusão também dos discentes do gênero
masculino. Resultados: A aprovação do projeto de dança junto a escola e discentes foi
inânime, identificado pela enorme popularidade do projeto e aprovação dos seus
participantes. Atualmente o grupo continua as suas atividades para participar de uma
festival de dança a ser realizado no UNIFEG promovido pelo curso de Educação Física
como intuito de finalizar as atividades acadêmicas do centro universitário. Conclusão:
Acreditamos que o projeto dança apresenta uma importância ação sobre o
desenvolvimento das manifestações artísticas dos participantes e esperamos que
também as manifestações pedagógicas.
Palavras chave: adolescentes, dança, socialização
O PROJETO TAEKWONDO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE GUAXUPÉ/MG
ATENDIDAS PELO PIBID/UNIFEG EDUCAÇÃO FÍSICA
Diego Ferreira Almeida1; Natália Batista Magalhães1; Ivonete Paiva Alves2;
Autran J. Silva Jr3
1
Bolsista PIBID, Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, Brasil.
[email protected]
2
Coordenadora de Área do PIBID/UNIFEG. [email protected]
3
Discente do curso de Educação Física, Coordenador PIBID/UNIFEG
Introdução: Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Educação Física determinam
que dentre as manifestações preconizadas por estes parâmetros a luta apresentam um
papel importante e seus benefícios. A prática regular e bem orientada de lutas permite a
melhora na força muscular, equilíbrio, lateralidade, atenção, percepção, postura social,
levando a uma melhora no aspecto social e pedagógico. Diante destes fatos, o curso de
Educação Física/UNIFEG através do programa PIBID que atende duas escolas estaduais
de ensino médio na cidade de Guaxupé/MG implantou o projeto de taekwondo.
Objetivo: implantar um programa da luta taekwondo para todos os discentes
interessados que queiram participar de todas as manifestações existentes de lutas nas
escolas atendidas pelo PIBID/UNIFEG. Metodologia: Dois bolsistas do programa
PIBID/UNIFEG, os alunos Diego Ferreira Almeida e Natália Batista Magalhães
implantaram o projeto de taekwondo através de aulas, inicialmente com a participação
efetiva dos discentes de ambos os gêneros, de iniciação em alguns golpes desta luta.
Resultados: o principal objetivo destas aulas foi permitir a todos os discentes a vivência
motora nos movimentos particulares desta modalidade de luta (taekwondo) e se
beneficiarem dos prováveis efeitos da prática regular desta luta. A aprovação do projeto
junto a escola e discentes foi inânime, identificado pela enorme popularidade do projeto
e aprovação dos seus participantes. Conclusão: acreditamos que o projeto apresenta
uma importância ação sobre o desenvolvimento das manifestações de luta dos
participantes e esperamos que também as manifestações pedagógicas.
Palavras chave: adolescentes, taekwondo, socialização
PROJETO SLACKLINE NA ROTINA DE ALUNOS DE ESCOLAS ESTADUAIS
DE GUAXUPÉ/MG ATENDIDAS PELO PIBID/UNIFEG EDUCAÇÃO FÍSICA
Anderson Rodrigues Mariano1; Claudia Helena A. Bento1; João Gabriel Silva1;
Autran J. Silva Jr2
1
Bolsista PIBID, Educação Física, UNIFEG, Guaxupé, Brasil.
[email protected]
2
Discente do curso de Educação Física, Coordenador PIBID/UNIFEG
Introdução: O curso de Educação Física/UNIFEG através do programa PIBID atende
duas escolas estaduais de ensino médio na cidade de Guaxupé/MG promovendo
iniciação e treinamento nas práticas desportivas: futsal, atletismo, handebol, basquetebol
e voleibol. Porém como as manifestações da Educação Física são mais abrangentes que
somente os esportes, os bolsistas, supervisores de áreas e coordenador resolveram
implantar novas práticas, dentre elas a vivência do slackline. Objetivo: implantar o
projeto slackline nas escolas estaduais E. E. Benedito Leite Ribeiro e E. E. André
Cortez Granero a fim de que os discentes possam vivências uma nova modalidade
esportiva. Metodologia: O projeto apresentou 3 fases, sendo a 1a delas a aquisição e
treinamento das ações de aprendizado e segurança dos bolsistas. Após o entendimento
por todos os bolsistas das normas de segurança foi implantando em ambas as escolas
atendidas o programa de slackline. E finalmente a 3a fase ocorreram os depoimentos dos
discentes sobre a nova modalidade. Nas atividades iniciais os discentes sentavam na
fita e buscavam equilibrar, posteriormente ficaram em pé e sobre auxilio caminhavam a
extensão do slackline. Resultados: A prática regular desta nova modalidade permitiu
sensíveis melhoras nas capacidades de equilíbrio, postura, força muscular de membros
inferiores e região abdominal e melhora a concentração e autoconfiança e reduz o
estresse. A inclusão deste projeto na rotina do PIBID/UNIFEG foi totalmente aprovado
pelos discentes que solicitaram uma maior tempo de duração destas aulas. Conclusão:
Podemos concluir que o slackline é uma modalidade esportiva diferente da rotina dos
discentes e que os motivou a participar efetivamente deste projeto.
Palavras chave: adolescentes, slackline,
ENFRENTAMENTO DO PACIENTE AO RECEBER O DIAGNOSTICO DE
CÂNCER
Jhony Siqueira Damião1, Jurema Cristina dos Santos Peres ²
¹ Curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, Brasil.
[email protected]
²Orientadora, Docente, Coordenadora do curso de Enfermagem, UNIFEG.
[email protected]
Introdução: O câncer vem acometendo cada vez mais indivíduos em todo o mundo,
fazendo com que os tratamentos médicos sejam realizados o mais rápido possível,
amenizando todo o sofrimento vivenciado pelo paciente e aumentando a sobrevida com
mais qualidade de vida. Tendo em vista o sofrimento vivenciado pelo paciente, o
tratamento passa a ser mais humanizado e acolhedor. Por se tratar de um diagnostico de
alta complexidade é exigido dos profissionais de saúde um melhor conhecimento e
domínio sobre o diagnostico, para que seja oferecida uma assistência mais qualificada.
Objetivos: Descrever as principais reações do paciente diante do diagnóstico de câncer
e identificar a forma de enfrentamento da doença pelo paciente e verificar como é feita a
abordagem do caso pela equipe de enfermagem. Material e Métodos: A pesquisa foi
qualitativa, de caráter exploratória-descritiva, pois, trata-se de uma pesquisa
bibliográfica. Na fase inicial da metodologia de trabalho, foi realizado um levantamento
bibliográfico para identificar as fontes de pesquisa em bibliotecas e nos bancos de dados
como a Scielo com as palavras chave - diagnóstico, enfrentamento e câncer).
Resultados: Mesmo com o decorrer dos anos ate o momento o câncer não possui um
tratamento especifico para todos os casos, que sejam realmente satisfatórios, por esse
motivo os pacientes são submetidos a tratamentos médicos que costumam marcar
profundamente seu psicológico, pois são submetidos à quimioterapia e radioterapia e
nem sempre terão um resultado satisfatório, causando alguns efeitos colaterais. Por esse
motivo ocorre todo o acompanhamento da equipe multidisciplinar, para orientar e
esclarecer todas as duvidas dos pacientes que será diagnosticado e iniciará o tratamento.
A maioria do câncer é uma doença assintomática, porém, quando diagnosticada em sua
fase inicial e havendo uma cooperação do paciente, terá bons resultados. Conclusão:
Por se tratar de um diagnostico de alta complexidade, o câncer se apresenta como um
grande desafio para as equipes multidisciplinares, seu diagnóstico representa para a
maioria motivo de grande preocupação, medo e angústia. Por esse motivo é necessário
estabelecer metas e adquirir conhecimentos para oferecer um apoio e tratamento
humanizado a cada paciente, conforme seu diagnostico. Palavras chaves: Oncologia;
Sobrevida; Câncer; Emocional.
FATORES RELACIONADOS COM A ADESÃO À DIETA E À MEDICAÇÃO
DE PESSOAS COM DIABETES MELLITUS
Ana Flávia José de Souza1, Lilian Cristiane Gomes Villas Boas2
1
Discente do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: o diabetes mellitus é uma doença crônica que requer, para o seu controle, a
adesão a um plano terapêutico, o qual inclui mudanças no estilo de vida e o uso correto
de medicações, como insulina e antidiabéticos orais. Compreender os fatores que
influenciam a adesão ao tratamento é um dos pilares para o planejamento de
intervenções educativas, fundamentais para a promoção do autocuidado. Objetivos:
identificar os fatores relacionados à adesão à dieta e à medicação de pessoas com
diabetes mellitus tipo 2, bem como as intervenções que podem promover a adesão.
Material e Método: revisão de literatura, por meio de busca eletrônica nas bases de
dados Scientific Electronic Library Online e Literatura Latino-Americana e do Caribe
em Ciências da Saúde, com a seleção de 30 artigos que atenderam aos critérios de
inclusão da pesquisa. Resultados: a adesão medicamentosa se mostrou mais satisfatória
do que a adesão à dieta entre as pessoas com diabetes. Diversos fatores foram
identificados como interferentes, destacando-se o apoio dos familiares e a relação
profissional-paciente, que resultaram em considerável aumento da adesão ao tratamento.
Conclusão: conclui-se que a orientação e o apoio dos profissionais, sobretudo da
enfermagem, exercem um efeito positivo nos comportamentos de adesão das pessoas
com diabetes mellitus. Assim, compete ao enfermeiro elaborar estratégias de
intervenção com vistas a obter melhoria nos índices de adesão ao tratamento,
especialmente à terapêutica não medicamentosa.
Palavras Chave: Diabetes mellitus; Cooperação do paciente; Dieta para diabéticos;
Cuidados de enfermagem.
O AMAMENTAR DURANTE PROCEDIMENTOS DOLOROSOS LEVANDO
ALÍVIO DA DOR EM CRIANÇAS
1
Ana Letícia Gazarini Bernardo1, Wanderci Marys Oliveira Abrão 2
Curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, Brasil. [email protected]
2
Docente do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, Brasil.
[email protected]
Introdução: O maior interesse da amamentação como método não farmacológico
para alívio da dor é obtido por ser uma intervenção natural, o qual pode ser facilmente
aplicado em diversas situações de dor aguda pelo fato de as mães terem livre acesso e
participação na assistência ao seu filho; além disso, não há custos adicionais, e
considerando a importância das vantagens nutritivas, imunológicas, psicológicas e
sociais existentes no aleitamento materno. A abordagem da família é parte importante
para o sucesso do procedimento, por isso os profissionais de saúde devem estar
conscientizados e capacitados sobre a importância de se aliviar a dor da criança, e para a
realização deste acolhimento. A amamentação pode ser indicada por profissionais de
saúde como método não farmacológico para alívio da dor em crianças. Objetivos:
Revisão bibliográfica que objetivou identificar a relação do processo de amamentação
com o alívio da dor em crianças submetidas a procedimentos dolorosos, além de outros
métodos que podem levar o mesmo efeito. Material e Métodos: Trata-se de um
estudo de revisão de literatura. Foi realizada uma revisão narrativa e compreensiva de
estudos sobre o alívio da dor em crianças que são amamentadas durante procedimentos
dolorosos, concentrando-se exclusivamente em revisão de artigos periódicos.
Utilizaram-se as palavras chave: dor, aleitamento materno e alívio da dor. Foi realizado
um levantamento bibliográfico dos últimos dez anos. Resultados: A amamentação é
uma intervenção não farmacológica efetiva e utilizada para alívio da dor em crianças,
quando essas são submetidas a diversos procedimentos dolorosos, além de fonte de
nutrientes, serve como mediador para o apego, segurança, confiança e tranquilidade da
criança. Quando comparado a outros métodos não farmacológicos para alívio da dor, o
aleitamento também se sobressai com relação aos parâmetros fisiológicos e
comportamentais das crianças estudadas. Conclusão: Conclui-se que a amamentação é
eficaz para promoção do alívio da dor em crianças submetidas a diversos procedimentos
dolorosos. Além do fato de o leite materno ser fonte de nutrientes para o bebê, favorece
o apego, a segurança, a confiança e outros benefícios levados pela própria mãe, o que
implicará na melhora do desenvolvimento da criança ao longo de sua vida. Verificou-se
também a existência e comprovação de outros métodos para alívio da dor em crianças,
utilizados durante procedimentos considerados dolorosos, e em especial a combinação
de métodos que leva uma maior eficácia. Percebe-se a necessidade de outros estudos
que comprovem a eficácia de métodos não farmacológicos, ou especificamente a
amamentação em alguns tipos de exames ou procedimento considerados dolorosos
ainda não estudados.
Palavras Chave: Dor; Aleitamento materno; Alívio da dor.
PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR EM RECÉM NASCIDOS
PREMATUROS
Thaís do Nascimento Ladislau Santos1,Daniela Aparecida Salgado Targino 2
1
Discente do curso de enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, Brasil.
[email protected]
2
Docente do curso de enfermagem UNIFEG.
Introdução: a infecção hospitalar é um problema tão antigo que acomete as pessoas
internadas desde o surgimento dos primeiros estabelecimentos de saúde, no ano de 325
antes de Cristo. A infecção é um estado em que o ser humano se encontra em que seu
organismo é invadido por microorganismos prejudiciais á sua saúde. Infecção hospitalar
é aquela adquirida em ambiente nosocomial, ou seja, no hospital. E no caso de crianças
admitidas em Unidades de Terapia Intensiva Neonatal ainda é mais preocupante, por ser
um setor crítico e com pacientes prematuros ou gravemente enfermos. Nesta pesquisa
serão abordadas quais as principais infecções hospitalares que mais acometem recém
nascidos prematuros e quais métodos são mais utilizados para evitar estas infecções.
Objetivos: Pesquisar sobre as estratégias utilizadas pelas instituições em geral para
prevenção de infecções hospitalares em bebes nascidos prematuramente e que fazem
tratamento em Unidades de Terapia Intensiva Neonatais E o que as Comissões de
Controle de Infecção Hospitalar fazem para evitar tais problemas. Materiais e
métodos: Trata-se de um estudo qualitativo, de revisão de literatura, exploratóriodescritivo, considerando as bases de dados da Scientific Electronic Library como fonte
primária e de livros da Biblioteca Dom Marcos A. Noronha, em Guaxupé, Minas
Gerais. Realizou-se um levantamento de 12 artigos para esta pesquisa. Resultados: A
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar é composta por vários profissionais da
saúde que trabalham em conjunto para realizar análises a fim de verificar quais são os
responsáveis por casos de infecções hospitalares, visto que estas infecções estão ligadas
a assistencia á saúde ao paciente. E também á imunodeficiências próprias da
prematuridade. E a sepsemia neonatal e a pneumonia associada á ventilação mecânica
são as duas principais infecções que acometem recém nascidos prematuros. E destaca a
importância da lavagem correta das mãos e o uso de equipamentos de proteção
individual para evitar a ocorrência das mesmas. Conclusão: é necessário o enfermeiro
sensibilizar a sua equipe para haver uma aderência dos profissionais de saúde á lavagem
correta das mãos e ao uso adequado de equipamentos de proteção individual para evitar
infecções hospitalares em bebes prematuros, mostrando os benefícios para a saúde
destas crianças nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatal.
Palavras Chaves: Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, prematuros, recém nascidos,
imunodeficiências.
REFLEXÕES ACERCA DO CÂNCER DE PRÓSTATA NA ÓTICA DE
UNIVERSITÁRIOS
1
Diego Henrique Moreira 1, Solange Maria Ribeiro 2
Curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, Brasil. [email protected]
2
Docente do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé
Introdução: O câncer de próstata possui fatores que podem predispor a patologia,
citam-se aqueles relacionados à genética, à hereditariedade e aos hábitos alimentares e
de vida. Segundo o Instituto Nacional do Câncer, em 2014 foram registrados 69 mil
casos novos deste câncer no Brasil. Objetivo: O objetivo deste estudo foi avaliar o
conhecimento de acadêmicos do Centro Universitário da Fundação Educacional
Guaxupé, quanto aos fatores de risco, de prevenção e as formas de detecção precoce do
câncer de próstata. Material e Métodos: Tratou-se de uma pesquisa exploratóriodescritiva que incluiu 120 acadêmicos, da área da saúde, enfermagem n=30 e
fisioterapia n=30, e área de humanas e exatas, administração n=30 e ciência contábeis
n=30. Todos responderam ao questionário sobre a compreensão sobre o tema. A
pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa do UNIFEG-MG, sob
protocolo n°350/2014. Resultados: Os resultados obtidos revelaram que todos os
alunos da área da saúde (n=60) afirmaram ter conhecimento sobre os fatores de risco,
em contrapartida 77% (n=46) dos graduandos das áreas de humanas afirmaram tal
conhecimento e apenas 53% (n=15) das exatas afirmaram conhecer os riscos. O fator de
risco relacionado à idade foi apontado por 97% (n=58) dos acadêmicos na área da
saúde, 77% (n= 23) nas humanas e 73% (n=22) nas exatas. O fator relacionado ao
histórico familiar foi identificado como fator de risco por 80% (n=24) dos acadêmicos
de Enfermagem, 93% (n=28) de Fisioterapia, 73% (n=22) de Administração e 70%
(n=21) de Ciências Contábeis. Quanto a prevenção, 90% (n=27) dos graduandos de
Enfermagem indicaram como necessário o consumo de legumes, verduras e frutas,
enquanto que a mesma indicação foi feita por 67% (n=20) de graduandos da
Fisioterapia e Administração e 50% (n=15) por alunos das Ciências Contábeis. A
prática de exercícios físicos foi indicada como fator de prevenção por 90% (n=27) dos
graduandos de Enfermagem, 80% (n=24) da Fisioterapia, 63% (n=19) da Administração
e 53% (n=16) das Ciências Contábeis. A detecção precoce foi indicada como necessária
por 97% (n=58) dos graduandos das áreas de saúde, em contrapartida, os alunos da
Administração apenas 40% (n= 12) e 50% (n= 15) das Ciências Contábeis afirmaram
conhecer sobre o exame de dosagem hormonal. Conclusão: Avaliar o conhecimento
sobre os fatores de risco, prevenção e detecção precoce sobre o câncer de próstata em
cursos das áreas de Saúde, Humanas e Exatas possibilitou refletir sobre a diferença de
saberes entre as áreas. De certa forma é justificável tal resultado, uma vez que o assunto
é relativo à área de saúde. No entanto, observa-se que há necessidade de realizar
práticas educativas sobre doenças como o câncer de próstata, haja vista a possibilidade
de minimizar riscos por meio de hábitos e estilos de vida saudáveis.
Palavras Chave: Câncer de Próstata, Prevenção, Fatores de Risco
CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS DO CÂNCER DE MAMA: PREVENÇÃO OU
DIAGNÓSTICO PRECOCE?
Ana Carolina A. Quintino1, Ana Paula B. Constantino2,Solange M. Ribeiro3, Leonardo
Carlim4
1
Enfermeira. [email protected]
2
3
Enfermeira. [email protected]
Docente do UNIFEG. [email protected]
4
Docente do UNIFEG. [email protected]
Introdução: O Câncer de Mama está condicionado a fatores como hereditariedade e à
própria modernidade da vida das mulheres. Estudos têm demonstrado que a diminuição
do uso do tabaco e álcool, além do controle da obesidade e redução do sedentarismo
podem diminuir as chances. Objetivos: Pesquisar sobre a influência das mídias de
comunicação na prevenção do Câncer de Mama, utilizadas pelo Ministério da Saúde e
INCA, como forma de empoderamento de mulheres da Unidade de Saúde da Mulher e
Faculdade Aberta da Terceira Idade, Município de Guaxupé. Material e Métodos: Foi
realizada pesquisa qualitativa, na modalidade pesquisa-ação, que proporciona a
manifestação do coletivo sobre a percepção que as mulheres têm sobre o autoexame das
mamas tendo, como base, as campanhas midiáticas feitas pelo Ministério da Saúde e
INCA.Utilizou-se do Grupo Focal, técnica para obtenção de dados a partir de reuniões
grupais planejadas. As sessões foram conduzidas por moderador e as participantes
foram estimuladas a manifestarem suas opiniões. Resultados:Sugere-se utilizar outra
taxonomia para o termo “Prevenção do Câncer de Mama”, haja vista a significação
desta terminologia para a população.Os exames de mamografia e o autoexame não
indicam prevenção da doença e sim o diagnóstico precoce. Indica-se aos órgãos ligados
às campanhas publicitárias, a adoção de programas educativos, incluindo folders,
cartazes e jingles, com orientações sobre os aspectos preventivos, seja a alimentação
adequada, a adoção de hábitos e estilos de vida saudáveis e a prática de atividades
físicas. Indica-se alteração do termo “Preventivo do Câncer de Mama” para
“Diagnóstico do Câncer de Mama” quando se tratar da orientação sobre os exames de
mamografia.Conclusão: O controle da doença e a melhora da sobrevida estão
vinculados às medidas de diagnóstico e tratamento precoces. Na prevenção é necessária
medidaseducativas, conscientizando sobre a importância de se evitar os fatores de risco
para o Câncer de Mama.O saber produzido nesta pesquisa poderá contribuir para o
aprimoramento das orientações de ações preventivas e diagnóstico precoce, no entanto
mais estudos serão necessários para indicar a efetividade dos processos de educação em
saúde, principalmente a comunicação em massa.
Palavras Chaves: Câncer de Mama. Prevenção. Diagnóstico Precoce
O ENFERMEIRO COMO AGENTE MODERADOR DOS RISCOS DO
DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA PARA A MÃE E O FETO
Carolina de Fátima Rodrigues1, Lígia Gonzaga Ramos Laudade2
1
Discente do curso de enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, Brasil,
[email protected]
2
Docente do curso de enfermagem, UNIFEG.
Introdução: O descolamento prematuro de placenta é o desmembramento súbito da
placenta implantada no corpo do útero em gestação de vinte ou mais semanas. O
descolamento prematuro de placenta é um episódio que acomete a gestante podendo
ocorrer riscos, para o feto e para a mãe. O enfermeiro tem uma importante atuação no
sentido de minimizar os riscos ao binômio, de maneira que a orientação em saúde com
intervenções específicas reduzem significativamente as complicações decorrentes do
descolamento prematuro de placenta. Objetivos: Conceituar o descolamento prematuro
de placenta, definir as suas causas e os riscos para o feto e para a mãe. Identificar as
condutas e atuação do enfermeiro frente ao descolamento prematuro de placenta.
Material e Métodos: Trata-se de uma revisão de literatura em base de dados, com
pesquisa de artigos científicos, analisando os principais trabalhos relacionados ao tema.
É uma pesquisa bibliográfica de cunho exploratório, a qual permite colher dados
recentes nos diversos pontos de vista dos autores sobre a temática. Para a busca dos
artigos utilizamos as bases de dados da Scientific Eletronic Library online, Literatura
Latino- Americana e do Caribe em Ciências da Saúde. O acesso eletrônico foi realizado
por meio da Biblioteca Virtual em Saúde do Centro Especializado da Organização PanAmericana da Saúde. Resultados: Evidenciou-se como fatores de riscos a hipertensão
arterial, idade materna avançada, tabagismo, consumo de álcool e traumas abdominais.
Como riscos para o feto, observamos o parto prematuro e o óbito fetal, e para a mãe a
insegurança com a gestação e sangramento abundante. Conclui-se que a ações do
enfermeiro são importantes para o acompanhamento e prevenção de óbito fetal, atuando
de forma direta na assistência à gestante, e na observação das condições clínicas da
gestante com descolamento prematuro de placenta. Conclusão: O enfermeiro deve
instituir medidas preventivas para o agravamento do quadro clínico da gestante com
descolamento prematuro de placenta, como repouso, alimentação adequada, abstinência
de sexo e acompanhamento da vitalidade fetal. Nesse sentido, observa-se que o
enfermeiro, é um profissional importante para a conscientização da mãe frente ao
tratamento e orientações sobre os cuidados necessários para prevenir complicações. A
atuação do enfermeiro é de extrema importância desde o pré-natal que implica no
preparo clínico da gestante para a identificação precoce de problemas reais. O
enfermeiro deve estar ciente dos acontecimentos com a gestante, suas queixas e sinais e
sintomas, priorizando uma gestação saudável e tranquila, minimizando riscos para o
feto.
Palavras Chave: Descolamento, Placenta, Risco para o feto.
CONSULTA DE ENFERMAGEM À CRIANÇA NO SEU PRIMEIRO ANO DE
VIDA
Maíra Cristina da Fonseca Jango¹, Wanderci Marys Oliveira Abrão²
¹ Discente do Curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, Brasil.
[email protected]
²Docente do Curso de Enfermagem, UNIFEG.
Introdução: A consulta de enfermagem constitui em um processo dinâmico que
envolve várias dimensões simultâneas e contínuas. Na infância, por meio da avaliação
de parâmetros de crescimento e desenvolvimento, é possível identificar inúmeras
alterações que podem ocorrer durante a vida de um indivíduo, as quais dependem de
influências endócrinas, genéticas, constitucionais, ambientais e nutricionais. Os
parâmetros de crescimento e desenvolvimento da criança constituem indicadores
diretamente relacionados com a mortalidade infantil. Objetivos: Orientar e
conscientizar a equipe de enfermagem quanto a importância da consulta em puericultura
á criança desde o seu nascimento até o primeiro ano de vida. Material e métodos:
Trata-se de um estudo de revisão de literatura, considerando os materiais disponíveis
nas bases de dados bibliográficos Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências
da Saúde, Medical Literature Analysis and Retrieval System Online, Scientific
Electronic Library Online e Base de Dados de Enfermagem. Foi realizada uma revisão
narrativa e compreensiva de estudos sobre puericultura, concentrando-se
exclusivamente em revisão de artigos e periódicos. Resultados: O estudo identificou
a importância dessa consulta de enfermagem para verificar as medidas
antropométricas, caderneta de vacinas, aleitamento materno e sanar as duvidas que
surge no dia a dia, e mesmo diante à frente de todas as atribuições do enfermeiros ,os
mesmos buscam realizar uma consulta de enfermagem com qualidade e atenção na
saúde da criança. Conclusão: Os resultados foram satisfatórios, evidenciou que a
puericultura tem um grande impacto na atenção saúde da criança, principalmente na
prevenção e os agravos das doenças, onde vários problemas de saúde podem ser
erradicados e principalmente a importância do atendimento de puericultura.
Palavras chave: Puericultura; Cuidado; Criança.
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DE ÚLCERA POR
PRESSÃO EM IDOSOS DE INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA
Mário Daniel Jerônimo¹, Jurema Cristina dos Santos
Peres2
1
Discente do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente, orientadora e coordenadora do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé,
MG. [email protected]
Introdução: Hoje no Brasil e no mundo evidencia-se uma variedade demográfica, com
um crescente aumento na população idosa. O processo do envelhecimento, associado às
alterações do corpo físico e à diminuição da cognição promove às condições de
morbidade pela falta de cuidado. Dentre os fatores de risco que mais contribuem para o
surgimento das úlceras por pressão estão: a idade, diminuição da mobilização, presença
da incontinência urinária e fecal proporcionando a umidade nos locais que favorecem às
ulceras, o atrito ou fricção, outras morbidades associadas ao estado metabólico, doenças
crônicas. Sendo o fator nutricional. Objetivos: Identificar os fatores de risco
relacionados ao desenvolvimento de úlcera por pressão. Material e Métodos: Trata-se
de um estudo realizado por meio da revisão literária que analisa os principais trabalhos
relacionados ao tema. É uma pesquisa bibliográfica de cunho exploratório, a qual
permite colher dados recentes nos diversos pontos de vista dos autores sobre a temática.
Para a busca dos artigos utilizamos as bases de dados da Scientific Eletronic Library
online, Literatura Latino-americana a do caribe em ciência em saúde. Resultados: Os
pacientes acometidos pelas doenças crônico-degenerativas, bem como as
cardiovasculares e cerebrovasculares, apresentam mobilidade diminuída, dificultando a
realização de atividades diárias. Estes, quando acometidos por acidente vascular
encefálico (AVE), permanecem mais tempo acamados e/ou confinados à cadeira,
aumentando sua predisposição à UP. As úlceras por pressão são consideradas um
indicador na habilidade dos cuidados. Dessa maneira, a pesquisa facultara o
entendimento sobre a UPP e classificar a dimensão da complicação na instituição de
longa permanência. No futuro, ocorrerá modificações significativas nos padrões
demográfico, acarretando grande crescimento da população idosa. Conclusão: Para a
obtenção de uma qualidade de vida na terceira idade é, uma alimentação adequada, para
que haja uma vida ideal e saudável. Para que os idosos tenha uma vida emocional e está
ligada a um comportamento que seja aprendido e às questões ligadas ao relacionamento
familiar. E que venha fazer uma dieta saudável, independente das condições econômicas
e culturais.
Palavras chaves: Ulcera por pressão, assistência de enfermagem, fatores de risco.
O AUTOEXAME COMO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER DE
MAMA: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DURANTE ESTE PROCESSO
Fábia Magalhães¹, Daniela Aparecida Salgado Targino²
¹Pesquisador(a) do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Enfermagem
do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé – UNIFEG.
²Docente e Supervisora de Estágio Centro Universitário da Fundação
Educacional Guaxupé – UNIFEG
Introdução: O Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de cem doenças que tem
em comum o crescimento desordenado de células. As taxas de mortalidade referentes ao
câncer de mama são elevadas, provavelmente pelo diagnóstico tardio da doença, em
estados adiantados da doença. O profissional de enfermagem desenvolve ações
relacionadas à prevenção, detecção precoce e presta assistência às mulheres. O Câncer
de mama apresenta a taxa mortalidade permanece atualmente elevado no Brasil. No que
diz respeito às ações previstas pelas políticas de saúde para o controle de câncer de
mama, o enfermeiro tem papel fundamental orientando a prática da realização do
autoexame de mama. Objetivos: Descrever como proceder na realização do autoexame
e sua importância como diagnóstico precoce. Apontar a importância do diagnóstico
precoce do câncer de mama e a assistência de enfermagem. Material e métodos: Tratase de uma pesquisa exploratório-descritiva. O instrumento utilizado na pesquisa foi a
Revisão de Literatura de publicações especializadas sobre o tema da pesquisa. Os
critérios utilizados para a seleção da amostra foram: artigos periódicos nacionais;
periódicos indexados nos bancos de dados Scientific Eletronic Library Online e
Biblioteca Virtual de Saúde. Resultados: No que se refere à atenção oncológica o
Ministério da Saúde determina que as intervenções para o controle do câncer
contemplem todos os níveis de atenção e que a assistência prestada seja por uma equipe
multidisciplinar onde o enfermeiro é membro integrante. Conclusão: A alta incidência
do câncer mamário no Brasil é um determinante para a qualificação dos serviços de
saúde à assistência a mulher, o autoexame das mamas é, portanto um método garantido
de detecção precoce de anormalidades, simples e de fácil acesso a todas as mulheres
desde que seja realizado de forma adequada, é de acessibilidade a todos os níveis
socioeconômicos e de fácil realização desde que seja feito de forma periódica e
sistematizada. Cabe a enfermagem orientar as mulheres sobre a realização desse exame
e sobre sua importância, fazendo com que a patologia seja descoberta precocemente
evitando assim o diagnóstico tardio que pode levar complicações severas.
Palavras chave: Câncer de mama; Autoexame; Assistência de enfermagem.
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DE ÚLCERA POR
PRESSÃO EM IDOSOS DE INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA
Mário Daniel Jerônimo¹, Jurema Cristina dos Santos
Peres2
1
Discente do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: Hoje no Brasil e no mundo evidencia-se uma variedade demográfica, com
um crescente aumento na população idosa. O processo do envelhecimento, associado às
alterações do corpo físico e à diminuição da cognição promove às condições de
morbidade pela falta de cuidado. Dentre os fatores de risco que mais contribuem para o
surgimento das úlceras por pressão estão: a idade, diminuição da mobilização, presença
da incontinência urinária e fecal proporcionando a umidade nos locais que favorecem às
ulceras, o atrito ou fricção, outras morbidades associadas ao estado metabólico, doenças
crônicas. Sendo o fator nutricional. Objetivos: Identificar os fatores de risco
relacionados ao desenvolvimento de úlcera por pressão. Material e Métodos: Trata-se
de um estudo realizado por meio da revisão literária que analisa os principais trabalhos
relacionados ao tema. É uma pesquisa bibliográfica de cunho exploratório, a qual
permite colher dados recentes nos diversos pontos de vista dos autores sobre a temática.
Para a busca dos artigos utilizamos as bases de dados da Scientific Eletronic Library
online, Literatura Latino-americana a do caribe em ciência em saúde. Resultados: Os
pacientes acometidos pelas doenças crônico-degenerativas, bem como as
cardiovasculares e cerebrovasculares, apresentam mobilidade diminuída, dificultando a
realização de atividades diárias. Estes, quando acometidos por acidente vascular
encefálico (AVE), permanecem mais tempo acamados e/ou confinados à cadeira,
aumentando sua predisposição à UP 9,19. As úlceras por pressão são consideradas um
indicador na habilidade dos cuidados. Dessa maneira, a pesquisa facultara o
entendimento sobre a UPP e classificar a dimensão da complicação na instituição de
longa permanência. No futuro, ocorrerá modificações significativas nos padrões
demográfico, acarretando grande crescimento da população idosa. Pesquisa aponta que
até 2025, o Brasil deve ter a sexta população idosa no mundo, e uma estimativa de cerca
de 14%, que significara em números absolutos de 32 milhões de idosos. Conclusão: O
que nos resta para uma qualidade de vida para pessoa idosa é. Uma alimentação
adequada, para que haja uma vida ideal e saudável. Para que os idosos tenha uma vida
emocional e está ligada a um comportamento que seja aprendido e às questões ligadas
ao relacionamento familiar. E que venha fazer uma dieta saudável, independente das
condições econômicas e culturais.
Palavras chaves: Ulcera por pressão, assistência de enfermagem, fatores de risco.
ENFERMAGEM DO TRABALHO E OS RISCOS OCUPACIONAIS: UMA
REVISÃO LITERÁRIA
Camila Vaciloto e Gonçalves1, Maria Helena Silva de
Macedo2
1
Discente do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do curso de Enfermagem, UNIFEG,Guaxupé,[email protected]
Introdução: Relacionando os riscos ocupacionais decorrentes da assistência de
enfermagem, surge a Enfermagem do Trabalho como modalidade promotora de saúde
aos trabalhadores desta categoria. Ao passar dos anos muitas foram às ocorrências, até o
surgimento da Norma Regulamentadora 32 e suas medidas de segurança. Objetivos:
Descrever a atuação do enfermeiro em ambiente hospitalar para promoção e a
prevenção da saúde do trabalhador de enfermagem frente aos riscos ocupacionais.
Material e Métodos: trata-se de uma pesquisa exploratório-descritiva, considerando-se
a necessidade de conhecer o assunto em questão a partir da descoberta de novas
informações e da descrição dos conceitos, situações e características que permeiam o
objeto em estudo, o instrumento utilizado na pesquisa foi a revisão da literatura, fazendo
uso de 29 fontes bibliográficas, sendo elas primárias e secundárias. Resultados: Pela
análise das fontes utilizadas, observa-se que dentre os papeis da enfermagem do
trabalho esta incluída uma constante orientação, quanto ao uso correto de Equipamentos
de Proteção Individual e Coletivo, Medidas de Precaução Padrão, e a realização de
Educação Continuada às equipes de enfermagem, objetivando a adoção de medidas
eficazes à proteção física e mental do trabalhador em um ambiente de trabalho seguro e
saudável, através da gerência da assistência prestada pelo enfermeiro do trabalho.
Conclusão: Conclui-se com a presente pesquisa que a enfermagem do trabalho somente
atingirá seus objetivos uma vez que esteja em consonância com todo comprometimento
da equipe, com consciência em seus atos frente à rotina laboral, minimizando assim os
acidentes de trabalho e doenças ocupacionais.
Palavras chave: Enfermagem do trabalho, saúde do trabalhador, risco ocupacional,
medidas preventivas.
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO POR ÚLCERA DE
PRESSÃO EM IDOSOS DE INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA
Mário Daniel Jerônimo¹; Jurema Cristina dos Santos Peres2
Discente do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé. [email protected]
1
Introdução: Hoje no Brasil e no mundo evidencia-se uma variedade demográfica, com
um crescente aumento na população idosa. O processo do envelhecimento, associado às
alterações do corpo físico e à diminuição da cognição promove às condições de
morbidade pela falta de cuidado. Dentre os fatores de risco que mais contribuem para o
surgimento das úlceras por pressão estão: a idade, diminuição da mobilização, presença
da incontinência urinária e fecal proporcionando a umidade nos locais que favorecem às
ulceras, o atrito ou fricção, outras morbidades associadas ao estado metabólico e
doenças crônicas. Objetivos: Identificar os fatores de risco relacionados ao desenvolvimento de
úlcera por pressão. Material e Métodos: Trata-se de um estudo realizado por meio da
revisão literária que analisa os principais trabalhos relacionados ao tema. É uma
pesquisa bibliográfica de cunho exploratório, a qual permite colher dados recentes nos
diversos pontos de vista dos autores sobre a temática. Para a busca dos artigos
utilizamos as bases de dados da Scientific Eletronic Library online, Literatura Latinoamericana a do caribe em ciência em saúde. Resultados: Os pacientes acometidos pelas
doenças crônico-degenerativas, bem como as cardiovasculares e cerebrovasculares,
apresentam mobilidade diminuída, dificultando a realização de atividades diárias. Estes,
quando acometidos por acidente vascular encefálico (AVE), permanecem mais tempo
acamados e/ou confinados à cadeira, aumentando sua predisposição à úlcera por pressão
(UP). As úlceras por pressão são consideradas um indicador na habilidade dos cuidados.
Dessa maneira, a pesquisa facultara o entendimento sobre a UP e classificar a dimensão
da complicação na instituição de longa permanência. Conclusão: Para uma qualidade
de vida é necessário alimentação adequada e saudável. Para que os idosos tenha uma
vida emocional equilibrada e é importante que ele tenha um bom relacionamento
familiar. Ter uma assistência de enfermagem qualificada para o fornecimento das ações
de prevenção das úlceras.
Palavras chaves: Ulcera por pressão, assistência de enfermagem, fatores de risco.
PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS COMO RECURSO
TERAPÊUTICO E O NÍVEL DE CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS DA
REDE PÚBLICA
Denise Alves Bueno1, Edvânio Ramos Rodrigues2
Discente do curso de Enfermagem, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do UNIFEG, Guaxupé, [email protected]
1
Introdução: Desde o início dos tempos o homem procura na natureza recursos para
melhorar suas condições de vida. Plantas foram experimentadas e observadas, e como
resultado obteve-se benefícios para o organismo e recuperação da saúde. A junção do
conhecimento popular, crenças e costumes, unidos ao conhecimento científico são
necessários para a efetivação do uso de plantas medicinais e fitoterápicos. Isso só se
tornará viável a partir da mudança de posicionamento dos profissionais de saúde com
relação as práticas populares. A enfermagem por trabalhar diretamente com a classe
popular, adota a tarefa de intermediar esse conhecimento. Objetivos: Levantar
informações sobre o nível de conhecimento dos enfermeiros que atuam na rede pública
da cidade de Guaxupé M.G, no ano de 2014, sobre o uso de plantas medicinais e
fitoterápicos como recurso terapêutico. Material e Métodos: Estudo com modelo
descritivo e exploratório, quali-quantitativo. Aplicado questionário aos enfermeiros das
Unidades Básicas de Saúde e Programas Saúde da Família pertencentes à secretaria
municipal de saúde de Guaxupé MG no ano de 2014. 16 enfermeiros foram
selecionados, o projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética, com protocolo nº 363.
Resultados: Foi perguntado aos enfermeiros qual a principal dificuldade de inserção do
uso de plantas medicinais e fitoterápicos na unidade em que atuam seis (37%)
responderam ser a não padronização de um protocolo estabelecido pelo Ministério da
Saúde, cinco (31%) relataram a falta de conhecimento tanto dos profissionais quanto
dos usuários sobre o tema, dois (13%) disseram ser a falta de adesão dos profissionais
de saúde e um (6%) citou a escassez de trabalhos científicos publicados. Outra pergunta
foi quanto ao local de trabalho, se nesse for adotado um programa de utilização de
plantas medicinais e fitoterápicos, treze (81%) disseram ser favoráveis a esta prática.
Quanto se possuem algum conhecimento sobre essa terapêutica, doze (75%),
responderam sim, entre esses, foi perguntado se tais conhecimentos eram suficientes
para uma orientação ou indicação adequada, dez (83%) relataram que não. Onze (69%)
enfermeiros disseram que estes produtos são confiáveis e afirmaram saber sobre
programas na rede pública voltados ao tema. Quando questionados se já haviam
indicado, o uso de tal terapêutica, onze (69%) entrevistados disseram que não.
Conclusão: Os estudos disponíveis sobre o uso de plantas medicinais e fitoterápicos,
ainda não são suficientes para tornar esta prática concreta e aplicável. Diante disso fica
clara a necessidade de um maior número de publicações científicas, para que os
profissionais possam estar embasados e ter mais segurança em relação ao tema. É
interessante incluir no curso de Enfermagem disciplinas voltadas a essa área. Aos
gestores de saúde do município cabe a incorporação de programas que englobem tal
terapêutica e a disponibilização de cursos de capacitação aos enfermeiros atuantes na
rede pública.
Palavras chave: plantas medicinais, fitoterápicos, enfermeiros.
CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS DO CÂNCER DE MAMA: PREVENÇÃO OU
DIAGNÓSTICO PRECOCE?
Ana Carolina A. Quintino1, Ana Paula B. Constantino2,Solange M. Ribeiro3, Leonardo
Carlim4
1
Enfermeira. [email protected]
2
Enfermeira. [email protected]
3
Docente do UNIFEG. [email protected]
4
Docente do UNIFEG. [email protected]
Introdução: O Câncer de Mama está condicionado a fatores como hereditariedade e à
própria modernidade da vida das mulheres. Estudos têm demonstrado que a diminuição
do uso do tabaco e álcool, além do controle da obesidade e redução do sedentarismo
podem diminuir as chances. Objetivos: Pesquisar sobre a influência das mídias de
comunicação na prevenção do Câncer de Mama, utilizadas pelo Ministério da Saúde e
INCA, como forma de empoderamento de mulheres da Unidade de Saúde da Mulher e
Faculdade Aberta da Terceira Idade, Município de Guaxupé. Material e Métodos: Foi
realizada pesquisa qualitativa, na modalidade pesquisa-ação, que proporciona a
manifestação do coletivo sobre a percepção que as mulheres têm sobre o autoexame das
mamas tendo, como base, as campanhas midiáticas feitas pelo Ministério da Saúde e
INCA. Utilizou-se do Grupo Focal, técnica para obtenção de dados a partir de reuniões
grupais planejadas. As sessões foram conduzidas por moderador e as participantes
foram estimuladas a manifestarem suas opiniões. Resultados: Sugere-se utilizar outra
taxonomia para o termo “Prevenção do Câncer de Mama”, haja vista a significação
desta terminologia para a população. Os exames de mamografia e o autoexame não
indicam prevenção da doença e sim o diagnóstico precoce. Indica-se aos órgãos ligados
às campanhas publicitárias, a adoção de programas educativos, incluindo folders,
cartazes e jingles, com orientações sobre os aspectos preventivos, seja a alimentação
adequada, a adoção de hábitos e estilos de vida saudáveis e a prática de atividades
físicas. Indica-se alteração do termo “Preventivo do Câncer de Mama” para
“Diagnóstico do Câncer de Mama” quando se tratar da orientação sobre os exames de
mamografia. Conclusão: O controle da doença e a melhora da sobrevida estão
vinculados às medidas de diagnóstico e tratamento precoces. Na prevenção é necessária
medidas educativas, conscientizando sobre a importância de se evitar os fatores de risco
para o Câncer de Mama. O saber produzido nesta pesquisa poderá contribuir para o
aprimoramento das orientações de ações preventivas e diagnóstico precoce, no entanto
mais estudos serão necessários para indicar a efetividade dos processos de educação em
saúde, principalmente a comunicação em massa.
Palavras chaves: Câncer de Mama. Prevenção. Diagnóstico Precoce
INCONTINÊNCIA URINÁRIA E FISIOTERAPIA: PERCEPÇÃO DE
MULHERES DA FACULDADE ABERTA DA TERCEIRA IDADE- UNIFEG
Zenyr Maria da Silva1; Solange Maria Ribeiro2
1
Fisioterapeuta. [email protected]
2
Docente do UNIFEG. [email protected]
Introdução: Os fatores de risco da Incontinência Urinária incluem desde a prática de
atividades físicas de alto impacto, comum em ginastas e atletas, até causas simples
como o envelhecimento do ser humano. As pessoas acometidas sofrem com o
desconforto, depressão, isolam-se e comprometendo seu bem estar. A Fisioterapia foi
indicada pela Sociedade Internacional da Continência, como um dos principais recursos
no tratamento da Incontinência Urinária, pelo baixo custo, baixo risco e grande eficácia.
Objetivos: Avaliar o conhecimento de mulheres da Faculdade Aberta da Terceira Idade
do UNIFEG, sobre a Incontinência Urinária bem como seus possíveis tratamentos.
Material e Métodos: Foi realizada Pesquisa-ação com abordagem qualitativa, na coleta
de dados realizou-se Grupo Focal; técnica utilizada em reuniões grupais planejadas. A
reunião foi conduzida por moderador e os participantes do grupo foram estimulados a
manifestarem suas opiniões, pareceres, percepções e crenças em ambiente permissivo,
utilizando-se roteiro de questões norteadoras. Resultados: Pode-se inferir sobre o
conhecimento da Incontinência Urinária como sendo a perda involuntária da urina,
referida após esforço físico, além da citação da urgência miccional. Foi possível
observar que a patologia faz referência à qualidade de vida, uma das participantes
declarou que os sintomas desagradáveis poderão até mesmo retirar as pessoas do “seu
convívio social”, enquanto que outra a identifica como algo “incômodo e mal cheiroso”.
A forma de tratamento citada foi apenas a cirurgia, ficando evidente o desconhecimento
da atuação da fisioterapia. Conclusão: Considera-se que as mulheres da Faculdade
Aberta da Terceira Idade do UNIFEG fazem parte de seleto grupo que circula em
ambiente educacional. Apesar da alta incidência da Incontinência Urinária e de suas
conseqüências, principalmente na piora da Qualidade de Vida, conclui-se que há falta de
esclarecimento e orientação sobre o assunto, além da necessidade de implantação de
recursos terapêuticos nos serviços públicos de assistência à saúde. Cabem aos
fisioterapeutas informar à população feminina sobre tipos de Incontinência Urinária,
suas causas, sintomas, sinais, diagnóstico e possibilidades de tratamento, no intuito de
fortalecer a atuação da fisioterapia como recurso eficaz, eficiente e efetivo na prevenção
e tratamento.
Palavras chave: Incontinência Urinária, Grupo Focal, Fisioterapia
LOMBALGIA CRÔNICA: UM ESTUDO COM ESTABILIZAÇÃO
SEGMENTAR LOMBAR EM PISCINA TERAPÊUTICA
Gislaine Marques Faria1, Mariana Rodrigues da Silva Valente1, Saulo Nani Leite1, Miriangrei
Letieri2
1
Acadêmicas do Curso de Fisioterapia e docentes do Centro Universitário da Fundação
Educacional Guaxupé
2
Docente do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé
[email protected]
Introdução: A dor lombar é uma das causas mais frequentes de atendimento médico, e a
segunda causa de afastamento do trabalho. As lombalgias podem ser classificadas em vários
tipos, sendo a crônica mais comum, definida como uma dor contínua na região lombar, sacral
ou lombossacral, por mais de três meses, mas de baixa intensidade e pontuada pela exacerbação
dos sintomas. Programas de estabilização lombar têm sido desenvolvidos com sucesso
atualmente para o tratamento de pacientes com dor lombar. Estes requerem o treinamento dos
músculos estabilizadores. Um dos benefícios mais importantes da reabilitação aquática é a
intervenção precoce, visto que os exercícios em terra não são tão toleráveis por aumentar as
cargas compressivas na coluna. Na água, essas forças são bem reduzidas, favorecendo um
programa de reabilitação mais intenso e precoce sem prejudicar a coluna. Objetivos: Verificar
os efeitos de um Programa de Estabilização Lombar Aquática em indivíduos com lombalgia
crônica. Material e Métodos: Participaram da pesquisa três pacientes, do sexo feminino, com
diagnóstico de lombalgia crônica, com idade média 57,33± 1,70 anos. Os indivíduos foram
avaliados por meio da Escala Analógica Visual de Dor (EVA), pelo Medical Outcomes Study
36 - Item Short - Form Health Survey (SF-36) e pelo Questionário de Oswestry para lombar.
Após a avaliação inicial os indivíduos realizaram um protocolo de fisioterapia aquática em
grupo, em piscina aquecida para estabilização segmentar lombar. O programa foi composto por
36 sessões, 3 vezes por semana, com duração de 50 minutos e, posteriormente, reavaliados.
Resultados: Demonstraram melhora na funcionalidade (média pré-tratamento 29,33±2,33 e
pós-tratamento 8,5±2,84), na percepção de dor (média inicial 5,33 ±0,66 e final 0) e na
qualidade de vida em todos os domínios avaliados. Conclusão: O presente estudo sugere que a
Estabilização Segmentar Aquática pode beneficiar indivíduos com Lombalgia crônica,
promovendo melhora na dor, funcionalidade e qualidade de vida, porém novos estudos clínicos
com maior tempo de intervenção e maior número de indivíduos são necessários para
comprovação dos resultados.
Palavras chaves: estabilização, hidroterapia, lombalgia
ESTUDO COMPARATIVO SOBRE O EFEITO DO MÉTODO PILATES E
EXERCÍCIO RESISTIDO NA COMPOSIÇÃO CORPORAL EM MULHERES
JOVENS SAUDÁVEIS
Nataly Barbiere Coutinho1, Gislaine Marques Faria1, Saulo Nani Leite1, Miriangrei
Letieri2
1
Acadêmicas do Curso de Fisioterapia e docentes do Centro Universitário da Fundação
Educacional Guaxupé
2
Docente do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário da Fundação Educacional
Guaxupé
[email protected]
Introdução: A composição corporal é uma aptidão física, utilizada para monitorar e
determinar a saúde e o condicionamento físico de um indivíduo. O Método Pilates se
destaca como uma atividade física completa no condicionamento mental e físico com
inúmeros exercícios potenciais. No entanto, poucas pesquisas que avaliaram a relação
entre a prática do método e modificações na composição corporal são encontradas.
Objetivos: Verificar a influência do Método Pilates e dos exercícios resistidos na
composição corporal em mulheres saudáveis. Material e Métodos: A amostra foi
composta por 20 mulheres divididas aleatoriamente em 2 grupos sendo G1 praticantes
de exercícios resistidos e G2 praticantes do Método Pilates. Os indivíduos foram
avaliados quanto à composição corporal de massa magra, massa gorda e ao percentual
de gordura. Os resultados foram analisados por meio do teste ANOVA two way e post
hoc de Duncan. Esta pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética e Pesquisa (CEP) do
Centro Universitário da Fundação Educacional de Guaxupé (UNIFEG), sob o protocolo
358/2014. Resultados: Foram obtidos os seguintes dados pré e pós-tratamento
respectivamente: média do percentual de gordura G1: 34,6 ±5,1 e 31,4 ± 4,8; enquanto
G2: 31,2 ±4,8 e 26,6±4,1. Média da massa gorda G1: 26,8±10,8 e 20,5±6,2 e G2:
18,9±5,3 e 16,5±4,5. Média da massa magra G1: 43,7±5,8 e 43,2±10,1 enquanto G2:
41,3±5,0 e 42,8±5,1. Conclusão: Os resultados mostraram que ambos exercícios
propiciam melhora na composição corporal, porém o Pilates demonstrou resultados
significativos em todos parâmetros avaliados em relação ao grupo com a prática de
exercícios resistidos.
Palavras chaves: pilates, exercício resistido, composição corporal
APLICAÇÃO DA MOBILIZAÇÃO NEURAL EM PACIENTE PORTADOR DE
HANSENÍASE
Kelly Fornazieri Silva1, Jéssica Reis Silva2, Saulo Nani Leite3
1
Discente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG,
2
Bacharel em Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG,
3
Docente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG, [email protected]
Introdução: A Hanseníase é uma doença infecto-contagiosa que acomete as células e
os nervos periféricos e ainda causa alterações sensitivas e motoras, que podem trazer
graves consequências e incapacitar fisicamente seu portador. Objetivo: Avaliar a
sensibilidade de mãos e pés de um paciente portador de hanseníase e aplicar técnicas de
mobilização neural no tibial posterior. Materiais e métodos: Foi selecionado um
paciente
do
sexo
masculino,
51
anos,
com
diagnóstico
de
Hanseníase Dimorfa Virchoviana, classificação multibacilar, em poliquimioterapia na
7ª dose. Foram realizadas 12 sessões de mobilização neural tensionante do tibial
posterior e Slump e orientação para realizar a técnica diariamente em casa. Para avaliar
a sensibilidade foi usado o estesiômetro e para qualidade de vida o questionário SF36. Resultados: O paciente apresentou melhora em 85,71% dos pontos do nervo tibial
posterior do pé direito e destes, 83,33% dos pontos voltaram a apresentar sensibilidade
normal. No tibial posterior do pé esquerdo, 42,85% dos pontos apresentaram melhora
pós-tratamento. No ponto do nervo sural, o paciente apresentou melhora de 100% nos
dois pés com recuperação da sensibilidade normal. O ponto do nervo fibular comum
esquerdo houve melhora de 100% com recuperação da sensibilidade normal. Em relação
à qualidade de vida, no domínio dor, a pontuação pré-tratamento foi de 22 pontos e após
o tratamento a pontuação aumentou para 34 pontos (melhora dos sintomas). No domínio
vitalidade, a pontuação pré-tratamento foi de 65 pontos e pós-tratamento aumentou para
80 pontos, e no domínio saúde mental, a pontuação era de 76 pontos e após o tratamento
aumentou para 80 pontos. Conclusão: A aplicação da técnica de mobilização neural
deslizante apresentou efeitos positivos na recuperação da sensibilidade dos pés do
paciente, além de melhorar sua qualidade de vida.
Palavras chave: Funcionalidade, Mobilização neural, Hanseníase
MOBILIZAÇÃO PRECOCE EM PACIENTES CRÍTICOS: UMA REVISÃO DE
LITERATURA
Edson Flavio de Sousa1, Kelly Fornazieri1; José Eustáquio de Souza Junior2
1
Discente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: Em decorrência do avanço tecnológico e científico e do atendimento
interdisciplinar a sobrevida dos pacientes críticos tem aumentado. Contudo, a incidência
de complicações decorrentes dos efeitos deletérios do imobilismo na unidade de terapia
intensiva (UTI) contribui para a queda funcional, aumento dos custos hospitalares,
redução da qualidade de vida e sobrevida pós-alta. A mobilização precoce é uma terapia
que traz benefícios físicos, psicológicos e evita os riscos da hospitalização prolongada.
Objetivos: Revisar as principais bases cientificas literárias a fim de buscar atualidades
sobre a mobilização precoce em UTI. Material e Métodos: As bases de dados
pesquisadas foram Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde
(LILACS), Scientific Electronic Library Online (SciELO), Medical Literature Analysis
and Retrieval Sistem Online (MedLine/PubMed), e Biblioteca Cochrane. Além de
biblioteca digital de universidades brasileiras. Os artigos foram obtidos por meio das
seguintes palavras-chave: “intensive care unit”, “physiotherapy” e “mobilization”, sob
os descritores boleanos “and” e “or”. A busca limitou-se a artigos escritos em
português, inglês ou espanhol, e publicados entre 2000 e 2015. Todas as investigações
de ensaios clínicos obtiveram pontuação ≥ 4 na escala PEDro. Resultados: Foram
encontrados 887 estudos, sendo que na seleção final foram incluídos 52 trabalhos.
Quatro estudos caracterizaram os principais efeitos clínicos causados pela Síndrome da
Permanência Prolongada no Leito. Dezesseis estudos mostram que a ICUAW, termo
novo para descrever fraqueza muscular, é o principal maleficio dessa internação
prolongada. Doze estudos clínicos randomizados ou de coorte prospectivos
demonstraram que a mobilização precoce é uma terapia essencial para os pacientes
críticos. Por fim, onze trabalhos clínicos randomizados apontaram a eletroestimulação
neuromuscular (EENM), como uma importante ferramenta para a mobilização precoce.
Conclusão: Os estudos revisados são unânimes em demonstrar que a mobilização
precoce é um método viável, seguro e indispensável para pacientes críticos, pois ajuda a
aumentar a sobrevida e diminuir as morbidades dessa recuperação intensiva, e deve
sendo ser iniciada em menos de 72 horas do início da ventilação mecânica (VM). A
EENM é uma importante ferramenta que merece destaque e maior número de pesquisas
científicas.
Palavras chaves: Deambulação Precoce, Unidades de Terapia Intensiva, Modalidades
de Fisioterapia.
AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO DE INSTABILIDADE PATELOFEMORAL COM
A PERCEPÇÃO DE INSTABILIDADE ARTICULAR EM ADOLESCENTES
PRATICANTES DE BASQUETEBOL E JUDÔ
Sofia Ariela F. Faria1, Humberto Luiz P. G. da Fonseca1, Tânia Regina Moreira¹, Luiz
Henrique Gomes Santos2
1
Acadêmico do Curso de Fisioterapia do UNIFEG. [email protected]
2
Docente do curso de Fisioterapia do UNIFEG
Introdução: De todas as lesões no joelho o deslocamento patelar representa cerca de
3%, a maioria dos pacientes são jovens de 10-16 anos. A instabilidade patelofemoral
não é uma causa de dor, porém, devido há alterações estruturais e biomecânicas, há um
aumento das forças compressivas na articulação, ocasionando a dor, e em longo prazo
pode resultar em artrite. As maiores queixas clínicas são em atividades como subir e
descer escadas, agachar, andar de bicicleta e permanecer longos períodos com o joelho
fletido. O desconforto durante essas atividades, principalmente ao subir e descer
degraus faz com que ocorra uma alteração na marcha. A fraqueza dos músculos
abdutores e rotadores laterais do quadril leva à adução e rotação medial o fêmur, e
consequentemente ao desalinhamento patelar. Em esportes como basquete e judô, os
atletas utilizam muito do mecanismo estabilizador do joelho tanto para as aterrissagens
quanto para a estabilidade do tronco ao aplicar Yppon. A falta desta estabilidade tende a
facilitar lesões ligamentares e sobrecarga femoropatelar. Objetivos: Avaliar a
estabilidade e a presença do valgo dinâmico no joelho de jovens praticantes de esportes
(basquete e judô). Material e Métodos: Participaram da pesquisa, 48 indivíduos com
idade média de 16 anos praticantes de basquetebol e judô durante os jogos Juvenis do
Sul de Minas Gerais. Para avaliação da estabilidade foi utilizada a Escala de Kujala
(Scoring of Patellofemoral Disorders), composta por 13 perguntas fechadas relacionadas
a atividades do dia a dia, com pontuação mínima de 0 e máxima de 100 pontos, sendo
que quanto menor a pontuação maior é a instabilidade funcional do joelho. Para avaliar
o valgo dinâmico foi realizado o teste “step-down”, e a média do resultado obtido por
três avaliadores foi atribuída. Resultados: Para a avaliação da pontuação foram
adotados critérios de definição do quadro de instabilidade com pontuação de 0-69, e
foram considerados estáveis, 70-100. Foram encontrados 91,67% com ausência dos
sintomas de instabilidade e apenas 8,33% apresentaram quadros de instabilidade
articular, representados por 4 indivíduos. Destes, 3 eram praticantes de judô e
apresentaram limitações provenientes de pós competição. Apesar dos dados relatados,
no “Step Down test”, 65,25% dos indivíduos apresentaram valgo dinâmico e apenas
34,58% não apresentavam quadro de instabilidade. Além disto, muito relataram entorses
articulares de tornozelo e Joelho, que podem estar relacionados a esta instabilidade
articular. De todos os atletas avaliados, nenhum relatou ser submetido à programas de
treinamento muscular especializado com a intenção de equilíbrio muscular e
consequente melhora na performance. Conclusões: Sugere-se que os trabalhos de
inserção de atletas juvenis em competições regionais, não apresentam estrutura de
departamentos médico e físico. A ausência de treinos pode estar relacionada ao
excessivo histórico de lesões articulares e estas consequentemente ao quadro de
instabilidade articular. Necessita-se de mais estudos que possam afirmar estas
considerações.
Palavras Chave: Valgo dinâmico, instabilidade Patelofemoral. Lesões articulares em
atletas
EFEITOS DA MOBILIZAÇÃO NEURAL EM PACIENTES COM
LOMBOCIATALGIA
1
Natália Reis de Carvalho1, Gabriela Vilas Boas Souza Da Rovare2, Saulo Nani Leite2
Discente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG, [email protected]
2
Bacharel em Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG, [email protected]
3
Docente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG, [email protected]
Introdução: A dor lombar pode ser acompanhada de dor irradiada pelo trajeto do nervo
ciático (lombociatalgia). A técnica de Slump na forma deslizante tem mostrado grande
eficácia para essa patologia. Objetivo: Avaliar os efeitos clínicos da mobilização neural
em pacientes com lombociatalgia. Materiais e métodos: Foram selecionados oito
pacientes com quadro de lombociatalgia sendo divididos aleatoriamente em dois grupos,
o G1 que realizou fortalecimento de glúteos, estabilização segmentar e mobilização
neural do nervo ciático e o G2 que realizou a conduta do G1 exceto a mobilização
neural. Os pacientes foram avaliados quanto à dor e funcionalidade. Resultados: No
sintoma dor na coluna lombar, houve melhora no G1 (p<0,01) e no G2 (p<0,006)
comparando pré e pós-tratamento. O G1 apresentou melhora da dor nos membros
inferiores (p<0.01) pós-tratamento e quando comparado ao G2 (p<0.03). Na
funcionalidade, o G2 apresentou melhora (p<0.02) comprando pré e pós-tratamento.
Conclusão: Os resultados da mobilização neural, na forma Slump deslizante foram
positivos em relação à dor e funcionalidade dos indivíduos.
Palavras chave: Fisioterapia, Lombalgia, Nervo isquiático
AVALIAÇÃO DA CORRELAÇÃO DO NÍVEL DE ANSIEDADE E DA
QUALIDADE DE VIDA COM OS SINAIS E SINTOMAS DA DISFUNÇÃO
TEMPOROMANDIBULAR EM UNIVERSITÁRIO
Tania Regina Moreira1; Edson Flavio de Sousa1; Luiz Henrique Gomes Santos2
1
Discente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A disfunção temporomandibular (DTM) refere-se às desordens
caracterizadas por dor na ATM ou região próxima e nos músculos da mastigação que
podem levar a limitação dos movimentos mandibulares e até cefaleias. Possui várias
etiologias, sendo os aspectos psicológicos como ansiedade, uma delas. Os profissionais
de saúde apresentam altos níveis de ansiedade, fato este que se inicia nos anos de
graduação. Objetivos: Verificar o nível de ansiedade, a qualidade de vida e avaliar a
ATM de universitários, com vistas em relacionar os dados de ambos os pontos
investigados. Material e Métodos: A amostra foi composta por 13 alunos matriculados
no último ano do curso de Fisioterapia do Centro Educacional da Fundação Educacional
Guaxupé, nos meses de agosto e setembro de 2015. O projeto foi submetido ao Comitê
de Ética em Pesquisa sob o protocolo 415/15. Para avaliar o nível de ansiedade foi
utilizado o Inventário de Ansiedade TraçoEstado (IDATE), a qualidade de vida foi
verificada pelo Medical Outcomes Study 36 – Item Short – Form Health Survey (SF-36)
e a avaliação dos sinais e sintomas da DTM foi realizada por meio do Índice
Anamnésico de Fonseca. A análise estatística foi verificada pelo teste de correlação de
Pearson. Resultados: A amostra foi predominantemente do sexo feminino (92,30%)
com idade média de 22,9 anos, onde 92,3% apresentaram DTM e 100% apresentaram
algum nível de ansiedade de moderado a elevado. A média encontrada no Índice
Anamnésico de Fonseca (50,77±21,73) classificou a amostra com ‘Disfunção
moderada’. As médias encontradas no IDATE-T (45,61) e no IDATE-E (44,77)
mostraram um nível de ‘Ansiedade Moderado’ na amostra estudada. No SF36 a média
geral foi de 66,51, onde os índices de qualidade de vida mais afetados foram em relação
à ‘Dor’ (58,76%) e à ‘Vitalidade’ (55,76%). A análise estatística, utilizando o Teste de
correlação de Pearson, permitiu verificar que o grau de DTM mostrou uma baixa
correlação (r= 0,0017; p=0,04) tanto para o IDATE-T quanto para o IDATE-E. Entre o
IDATE-T e IDATE-E obtivemos uma boa correlação (r=0,25; p=0,5). Conclusão:
Conclui-se que a amostra de universitários do curso de fisioterapia predominantemente
possuiu DTM e algum nível de ansiedade de moderado a grave. Porém, os resultados do
nível de ansiedade e dos sinais e sintomas da DTM obtiveram uma baixa correlação
quando analisados estatisticamente.
Palavras chaves: Deambulação Precoce, Unidades de Terapia Intensiva, Modalidades
de Fisioterapia.
TERAPIA COM ALTA FREQUÊNCIA NA ACNE VULGAR EM
ADOLESCENTES
Gislaine Aparecida Teodoro1, Saulo Nani Leite2
Bacharel em Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG, [email protected]
2
Docente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG, [email protected]
1
Introdução: O tratamento da acne é baseado no grau de acometimento e um dos
principais métodos de higienização é a limpeza de pele associado ao uso da alta
frequência. Objetivo: realizar uma avaliação realizando limpeza de pele com o uso da
alta frequência para avaliar sua eficácia na cicatrização da acne vulgar em adolescentes.
Materiais e métodos: Foram selecionados dez pacientes com acne vulgar grau II
divididos aleatoriamente em dois grupos: G1 realizou limpeza de pele com aplicação da
alta frequência e G2 realizou a conduta do G1, mas no lugar da alta frequência,
aplicação de gel calmante. Os pacientes foram avaliados clínico-fotograficamente pelo
programa Image J, quanto à qualidade de vida por meio do questionário The Cardiff
Acne Desability Index I e satisfação pessoal pela EVA modificada. Resultados: Na
avaliação clínico-fotográfica, não houve melhora significativa comparando pré e póstratamento em nenhum dos grupos. Porém, na avaliação da qualidade de vida por meio
do CADI, houve melhora significativa no G1 (p<0,04) e no G2 (p<0,01) na comparação
pré e pós-tratamento. Na avaliação de satisfação pós-tratamento, os dois grupos
apresentaram alto escore de satisfação, porém, não houve diferença entre os grupos.
Conclusão: Os resultados mostraram que os dois grupos apresentaram melhora na
qualidade de vida e no grau de satisfação com o tratamento, portanto, a utilização da
alta frequência no tratamento de acne apresentou efeitos semelhantes ao grupo controle.
Palavras-chave: Acne, Cicatrização, Eletroterapia.
AVALIAÇÃO DO TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS EM IDOSOS
ATIVOS DE COMUNIDADE
Dayane Cristini Alves Fernades1, Priscila Lopes de Oliveira Santamarina2, Talita
Andrea Bordini Malaman2.
1
Acadêmico de Fisioterapia do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé.
[email protected]
2
Docente de Fisioterapia do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé.
Introdução: O comprometimento na capacidade funcional do idoso tem implicações
importantes para a família, a comunidade, para o sistema de saúde e para a vida do
próprio ancião, uma vez que a incapacidade ocasiona maior vulnerabilidade e
dependência, contribuindo para a diminuição do bem-estar e da qualidade de vida. A
atividade física é uma das formas de prevenção ao aparecimento de fatores de risco
cardiovasculares, como a hipertensão arterial sistêmica (HAS) e o diabetes mellitus
(DM). Idosos ativos têm cerca de 30% a menos de chance de serem acometidos por
limitações funcionais moderadas ou severas. O teste de caminhada de seis minutos
(TC6) é um teste submáximo, simples de ser realizado, de baixo custo e alta
reprodutibilidade, utilizado para verificar a resistência aeróbica e a capacidade funcional
de diversas faixas etárias. Objetivo: Analisar a resistência aeróbia de idosos ativos
participantes da Faculdade Aberta da Terceira Idade (FATI- UNIFEG). Material e
Métodos: Tratou-se de uma pesquisa exploratória-descritiva realizada em uma amostra
de conveniência de 16 idosos ativos, com idade média de 63,68±,7,08 de ambos sexos,
de acordo com os critérios de inclusão e exclusão pré-estabelecidos na pesquisa
(inclusão: idosos não fumantes, não etilistas, praticantes de atividade física regular pelo
período mínimo de um ano; e exclusão: alterações músculo-esqueléticas que pudessem
interferir no aprendizado do teste e/ou desempenho da marcha sem auxílio, portadoras
de doenças pulmonares, HAS ou DM descompensada), participantes da Faculdade
Aberta da Terceira Idade (FATI- UNIFEG), atendidos em uma clínica escola de
fisioterapia. Inicialmente foi aplicado um questionário, para avaliar o perfil social dos
idosos, seguido da aplicação de dois testes de caminhada de 6 minutos (TC6 1aprendizado, TC62- avaliativo), com diferença de 15 minutos entre eles. A análise dos
resultados foi realizada por meio do software Graphpad Prism®, adotando um nível de
significância menor que 5% (p < 0,05). Resultados: Foi observado diferença
estatisticamente significativa (p=0.0005) entre a distância percorrida TC6 que teve
caráter de aprendizado e o TC6 teste propriamente dito, sendo a média do teste 1
(aprendizado) 514±97,18 e no teste 2 (avaliativo) média de 555,53±113,8. Conclusão:
Concluiu-se que houve um aumento da distância percorrida pelos idosos, demostrando
que no TC6-2 houve melhorar na coordenação motora e diminuição da ansiedade em
relação ao TC6-1.
Palavras chave: Idoso, Atividade Física, Resistência Física.
AVALIAÇÃO DO EFEITO DA CORRENTE RUSSA ASSOCIADA A
ATIVIDADE FÍSICA NA REDUÇÃO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE E
GORDURA LOCALIZADA
Caroline Rezende Justino1, Priscila Lopes de Oliveira 2, Talita Andrea Bordini
Malaman2
1
Acadêmico de Fisioterapia do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé.
2
Docente do curso de Fisioterapia do Centro Universitário da Fundação Educacional
Guaxupé. [email protected]
Introdução: O sedentarismo é um dos principais responsáveis pelo processo de perda
das propriedades elásticas do tecido subcutâneo e diminuição da massa muscular, que
favorecem os aumentos da massa gordurosa, da flacidez músculo-tendínea, e
consequente diminuição do mecanismo de bombeamento muscular dos membros
inferiores que dificulta o retorno venoso e linfático, levando à má oxigenação e a má
nutrição dos tecidos e consequentemente o aparecimento do Fibro Edema Gelóide
(FEG). Objetivo: O presente estudo procurou avaliar os efeitos da Corrente Russa (CR)
e atividade física na redução do FEG e da gordura localizada. Material e Métodos:
Tratou-se de uma pesquisa quase experimental, realizada em uma amostra de
conveniência de 10 universitárias com faixa etária de 21 a 26 anos. Foi realizada a
anamnese, avaliação antropométrica (peso, estatura e IMC), avaliação do percentual de
gordura corporal (%G), perimetria da região glútea e ao longo coxa (a cada 5 cm a partir
da fossa poplítea). A corrente russa foi aplicada na região glútea seguida da realização
de atividade específica para os membros inferiores e glúteos. Os tratamentos foram
realizados por um período de 08 semanas, com 02 sessões semanais, totalizando 16
sessões. Na análise estatística foi aplicado o teste t Student para verificar a significância
entre os resultados obtidos. O nível de significância estabelecido foi de p < 0,05.
Resultado: Todas as participantes relataram não ter uma dieta alimentar regrada,
fazerem uso de anticoncepcional e não praticarem atividade física regular. Observou
uma redução significativa do percentual de gordura corporal das participantes (préintervenção:23,23±3,19, pós-intervenção: 20,28±2,96, p= 0,0025) e do IMC (préintervenção:22,63±2,75, pós-intervenção: 22,31±2,61, p= 0,03), não sendo observado
redução significativa na perimetria de glúteo e ao longo da coxa. Conclusão: A partir
dos resultados obtidos neste estudo, conclui-se que a aplicação da corrente russa
associada à atividade física obteve considerável efeito na melhora das variáveis
antropométricas, bem como na redução do percentual de gordura corporal. Contudo,
considerando-se os limites deste estudo, outros se tornam necessários, incluindo um
número maior de indivíduos ou até mesmo uma quantidade maior de sessões, a fim de
definir qual a melhor terapêutica a ser utilizada no tratamento do FEG e da gordura
localizada.
Palavras chave: Eletroterapia, Estética, Fisioterapia
CORRELAÇÃO DO MEDO DE QUEDAS E DA FORÇA MUSCULAR
INDIRETA DE IDOSOS QUE REALIZAM FISIOTERAPIA CONVENCIONAL
EM UMA CLÍNICA ESCOLA
Ana Julia Ribeiro Machado1, Priscila Lopes de Oliveira Santamarina2 , Talita Andrea
Bordini Malaman2.
2
Acadêmico de Fisioterapia do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé.
[email protected]
2
Docente de Fisioterapia do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé.
Introdução: O impacto psicológico das quedas é um elemento importante entre
indivíduos idosos, pois o medo ou preocupação de uma possível queda predispõe os
idosos a um declínio no funcionamento físico, perda da confiança no equilíbrio, redução
da qualidade de vida, restrição de atividades diárias, aumento do uso de medicamentos e
aumento do risco de novas quedas. A ocorrência de quedas é diretamente proporcional
ao grau de incapacidade funcional dos idosos. Os idosos que apresentam alguma
comorbidade, especialmente as que levam as alterações da mobilidade, equilíbrio e
controle postural são mais susceptíveis a ocorrência de quedas. No Brasil, cerca de 30%
dos idosos sofrem quedas ao menos uma vez ao ano, tornando este um problema de
saúde entre os idosos, pois um único evento pode trazer consequências relevantes.
Objetivo: Verificar o medo de quedas em idosos que realizam fisioterapia em uma
clínica escola, uma vez que, idosos que buscam o serviço de fisioterapia apresentam
algum grau de incapacidade funcional e fatores predisponentes a quedas e correlacionar
com a força muscular indireta de membros inferiores. Material e Métodos: Tratou-se
de uma pesquisa exploratória-descritiva realizada em uma amostra de conveniência de
10 idosos, de ambos os sexos, com idade média de 74,7±11,47, atendidos em uma
clínica escola, no município de Guaxupé-MG. Inicialmente foi aplicado um
questionário, para avaliar o perfil social dos idosos, seguido da escala FES-I-BRASIL
(FES-I) para a avaliação da preocupação e do medo de quedas nestes idosos. A análise
dos resultados foi realizada por meio do software Graphpad Prism®. Resultado: Foi
observado uma pontuação média de 32,4± 12,08 na escala FES-I demonstrando uma
predisposição destes idosos a quedas recorrentes, e uma média de 6,1±2,3 execuções no
teste de sentar e levantar em 30 segundos. Houve correlação estatisticamente
significativa ao correlacionarmos a idade em medo de quedas ((r)= 0.7503, p< 0.0001) e
não houve correlação estatisticamente significativa ao correlacionarmos a idade com o
número de execuções no teste de sentar e levantar ((r) = -0,5157, NS) e ao
correlacionarmos o medo de quedas com o número de execuções do teste ((r)= -0,1180,
NS). Conclusão: Concluiu-se que estudos que identifiquem a correlação entre o medo
de quedas e os fatores predisponentes para estas podem contribuir sobre maneira com o
conhecimento científico e consequentemente com a melhoria da qualidade de vida dos
idosos.
Palavras chave: Idoso, Quedas, Força muscular
EFEITOS DA GINÁSTICA HIPOPRESSIVA ASSOCIADA À TERAPIA
COMPORTAMENTAL NO TRATAMENTO DE MULHERES COM
SINTOMAS DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA
Carolina Gonçalves Dutra6, Ana Carolina dos Santos1, Miriangrei Letieri2
1
Discente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Segundo a International Continence Society (ICS), a incontinência urinária
é definida como qualquer perda de urina involuntária pela uretra. Os tipos mais comuns
são Incontinência Urinária de Esforço e Incontinência Urinária de Urgência. Esta perda
urinária acomete principalmente as mulheres acarretando uma série de problemas
sociais, domésticos e ocupacionais que interferem na qualidade de vida. Objetivo:
Avaliar os efeitos da Ginástica Hipopressiva associada à reeducação comportamental
em mulheres com incontinência urinária. Materiais e Métodos: Participaram do estudo
2 mulheres que foram avaliadas pré e pós-terapia por meio do questionário de qualidade
de vida (King´s Health Questionnaire), quantificação da força do assoalho pélvico
(OXFORD) e comportamento miccional (Diário miccional). O tratamento com a
Ginástica Hipopressiva (GH) consistiu em 20 sessões, distribuídas em 3 vezes por
semana com duração de 50 minutos. Resultados: Observou-se diminuição da
frequência urinária diurna (11±5,65 versus 4±1,41) e noturna (7±1,41 versus 1,5 ±0,70),
e de perdas urinárias (5,5±2,12 versus 0, 5±0,70), nocturia e urgência miccional. Houve
aumento expressivo de força e endurance dos músculos do assoalho pélvico e melhora
na qualidade de vida. Conclusão: Conclui-se que a associação da Terapia
Comportamental e com a Ginástica Hipopressiva, foi uma estratégia de autocuidado, de
baixo custo e eficaz na redução dos sintomas da IU e melhora da qualidade de vida das
participantes da presente pesquisa.
Palavras chaves: Incontinância Urinária, Fisioterapia, Qualidade de Vida
AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES DE FUNCIONALIDADE DA ARTICULAÇÃO
TEMPOROMANDIBULAR EM ESTUDANTES DO CURSO DE
FISIOTERAPIA DA CIDADE DE GUAXUPÉ-MG
Tânia Regina Moreira¹, Edson Flavio de Souza¹, Luiz Henrique Santos2.
1
Acadêmico de Fisioterapia do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé.
): [email protected]
2
Docente de Fisioterapia do Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé.
Introdução: A Disfunção Temporomandibular (DTM) é um grupo de doença que
acomete os músculos mastigatórios, ATM e estruturas adjacentes. Estudos
epidemiológicos mostram prevalência de 8% a 15% na população adulta, afetando,
frequentemente, mais mulheres. Pode-se evidenciar vários sinais e sintomas clínicos
presentes na DTM, tais como: cefaleia, mialgias, sensibilidade à palpação dos músculos
mastigatórios e da ATM, zumbido, ruídos articulares durante os movimentos condilares
e movimentos mandibulares limitados ou assimétricos. Esta variedade de
sintomatologia clínica mostra que não há um único fator etiológico responsável pela
DTM sendo, portanto, sua patogenia multifatorial, abrangendo importantes elementos
funcionais, anatômicos e psicossociais. Estas condições estão mais comuns na em
sujeitos de meia idade e que aumentam sua carga de responsabilidades diárias,
destacando as condições emocionais como fatores importantes no surgimento dos
quadros tensionais musculares e consequente disfunção articular. Objetivos: Apresentar
os índices de funcionalidade da articulação Temporomandibular em alunos do último
ano do curso de Fisioterapia na cidade de Guaxupé-MG. Materiais e Método:
Participaram do estudo, 13 alunos, matriculados no último ano do curso de fisioterapia,
sem histórico de doença neuromuscular. Foi realizada uma avaliação clínica no mês de
junho de 2015 através dos questionários de Helkimo, Índice Temporomandibular de
Fricton e Shiffman (ITM), Fonseca, e questionário da academia americana de dor
orofacial. O projeto de pesquisa foi submetido e aprovado pelo comitê de ética e
pesquisa do Centro Universitário da Fundação Educacional de Guaxupé (UNIFEG) pelo
protocolo n° 127. Resultados: A amostra foi composta por indivíduos com idade média
de 23 anos, predominantemente do sexo feminino (92,3%). No Índice de Helkimo foi
verificada uma média de 14,38, enquadrando a amostra em ‘Disfunção Severa’ da
ATM, e pelo ITM os percentuais médios encontrados nos seus subíndices foram 40%
no Funcional, 45% no Muscular e 51% no Articular, o que indica um acometimento
predominantemente do tipo articular. No índice anamnésico de Fonseca foi identificado
que há quadro de disfunção moderada (50,76) e no quadro de dor orofacial, o índice
corrobora com o quadro moderado (3,84). Os resultados demonstram quadros de
disfunção que ainda não provocam quadros de grandes limitações funcionais, porém
com potencial para serem agravados a partir do momento que não há procura por
serviços especializados que possam reverter o quadro atual. Conclusão: Estudos
demonstram que a intervenção precoce no tratamento da DTM diminui o risco de
complicações, como de doenças osteoarticulares degenerativas, e aumenta a qualidade
de vida de pessoas com essa disfunção. Portanto, faz-se necessário, estudos
investigativos, como esse que demonstrou uma DTM severa, predominantemente do
tipo articular, nos alunos do último período do curso de fisioterapia de um centro
universitário de Guaxupé/MG.
Palavras chave: Avaliação. Acadêmicos. Disfunção Temporomandibular.
AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DE UM PROTOCOLO DE REABILITAÇÃO
AQUÁTICA EM IDOSOS DE COMUNIDADE NA PREVENÇÃO DE QUEDAS
Rebeca de Paula Freire1, Talita Andrea Bordini Malaman2, Luiz Alberto Amaral Nardi3,
Priscila Lopes de Oliveira Santamarina2
1
Acadêmico de Fisioterapia do UNIFEG. [email protected]
2
Docente de Fisioterapia do UNIFEG. [email protected]
3
Docente do curso de Educação Física do UNIFEG.
Introdução: Alterações musculoesqueléticas, neuromuscular e sensorial, evidenciadas
pela diminuição da força muscular, amplitude de movimento, velocidade de contração
muscular e pelas alterações posturais, influenciam a mobilidade funcional e o déficit de
equilíbrio em idosos. Essas alterações podem acarretar alguns prejuízos para o idoso,
como o aumento no risco de quedas, redução do nível de independência funcional e
consequentemente a diminuição na qualidade de vida. Os exercícios físicos aquáticos
auxiliam na melhora do equilíbrio, mas ainda há carência de protocolos específicos para
trabalhar preventivamente o equilíbrio funcional e a diminuição da possibilidade de
quedas em idosos de comunidade. Objetivos: Avaliar o equilíbrio dinâmico e a marcha
de idosos antes e após um programa fisioterapêutico de exercícios aquáticos voltados
para prevenção de quedas. Material e Métodos: A amostra possuiu 14 idosos
saudáveis, com idade média de 67±3,53, de ambos sexos, participantes da Faculdade
Aberta da Terceira Idade (FATI- UNIFEG), atendidos em uma clínica escola de
fisioterapia. Inicialmente foi realizada avaliação de equilíbrio dinâmico e marcha dos
idosos por meio do Índice de Marcha Dinâmica (DGI). Os idosos foram submetidos a
um programa de exercícios aquáticos para equilíbrio e força muscular de membros
inferiores, de baixa a moderada intensidade, que constituído de 3 fases: adaptação ao
meio aquático, fortalecimento muscular e exercícios estáticos e dinâmicos para
equilíbrio. O programa de exercícios aquáticos foi aplicado durante dois meses, sendo
duas sessões semanais, com 50 minutos cada sessão. Resultados: A análise dos
resultados foi realizada por meio do software Graphpad Prism®, adotando um nível de
significância menor que 5% (p < 0,05). Para a comparação entre o grupo pré e pós
intervenção foi utilizado o teste estatístico de Wilcoxon (Signed Rank Test). Verificouse que os valores da média inicial e final foram de 19.4 (+/-3.228) e 23.5 (+/-0.759)
respectivamente, com valor de p= 0,0022, demostrando diferença estatisticamente
significativa após o programa de exercícios aquáticos no que se refere ao equilíbrio
dinâmico e marcha dos idosos analisados. Conclusão: Concluiu-se que um programa de
exercícios adequado associado à ação das propriedades físicas da água foi ideal para
alcançar o objetivo proposto. Graças à importância da hidroterapia, esta deveria ser
considerada não só como meio de reabilitação e sim como uma alternativa para ganho
ou manutenção das variáveis do processo de envelhecimento, atuando na melhora da
qualidade de vida.
Palavras chaves: Idoso, Quedas, Hidroterapia.
ANALISE DOS ÍNDICES DE VALGO DINÂMICO E PERCEPÇÃO DE
INSTABILIDADE ARTICULAR EM ATLETAS DE FUTSAL DE CATEGORIA
SUB 13 E 17
Sofia Ariela F. Faria1, Humberto Luiz P. G. da Fonseca1, Tânia Regina Moreira1, Luiz
Henrique Gomes Santos2
1
Discente do curso de Fisioterapia do Centro Universitário da Fundação Educacional
Guaxupé – UNIFEG. [email protected]
2
Docente do curso de Fisioterapia do Centro Universitário da Fundação Educacional
Guaxupé – UNIFEG.
Introdução: As lesões no futebol também têm aumentado, visto que é um esporte
caracterizado por intenso contato físico, movimentos curtos, rápidos e não contínuos,
tais como aceleração, desaceleração, saltos e mudanças abruptas de direção. A
prevenção e o surgimento da lesão ortopédica no futebol estão baseados em fatores
intrínsecos ou pessoais como: idade, lesões prévias, instabilidade articular, preparação
física e habilidade. Já os fatores extrínsecos são: sobrecarga de exercícios, número
excessivo de jogos, qualidade dos campos, equipamentos inadequados e violação da
regra do jogo (faltas excessivas e jogadas violentas). Diante desta situação procurou-se
avaliar fatores que possam estar associados a lesões articulares do joelho, como a
instabilidade articular. Objetivos: Avaliar a presença de valgo dinâmico do joelho e
correlacionar com a avaliação dos sinais e sintomas de instabilidade articular do joelho,
com as possibilidades de síndrome da dor femoropatelar. Materiais e Método:
Participaram da pesquisa, 65 indivíduos com idade média de 15,1 anos praticantes de
Futsal e representantes de cidades durante os jogos Juvenis do Sul de Minas Gerais.
Para avaliação da estabilidade foi utilizada a Escala de Kujala (Scoring of
Patellofemoral Disorders), composta por 13 perguntas fechadas relacionadas a
atividades do dia a dia, com pontuação mínima de 0 e máxima de 100 pontos, sendo que
quanto menor a pontuação maior é a instabilidade funcional do joelho. Para avaliar o
valgo dinâmico foi realizado o teste “step-down”, e a média do resultado obtido por três
avaliadores foi atribuída em 88 joelhos avaliados. Resultados: Os sujeitos avaliados
relataram durante as avaliações ter apresentado ao menos um momento de lesão
articular, como entorses de joelho e tornozelo, oriundos de traumas diretos ou
propriamente de “falseios” segundo relato dos mesmos. Com relação à avaliação da
percepção de sinais e sintomas da escala Kujala, os mesmos demonstraram valores
próximos aos níveis ideais de estabilidade do joelho com média de 96,4 pontos. Porém,
os dados não corroboram com a avaliação no teste “step down”, e demonstrou que 86%
dos indivíduos avaliados apresentaram valgo dinâmico do joelho. Com os resultados
obtidos tem-se a possibilidade das lesões articulares relatadas, estar relacionada ao
quadro de instabilidade constatada e principalmente a falta de um treinamento
específico realizados por profissionais de competência. Conclusões: Portanto, o
presente trabalho sugere que os trabalhos avaliativos de equilíbrio estático e dinâmico,
sejam constantes em adolescentes, com intuito de intervenções relacionadas à prevenção
de possíveis lesões articulares ocasionadas pela falta de estabilidade articular do joelho.
Palavras chave: Instabilidade patelofemoral, Instabilidade dinâmica do joelho, Lesões
no futebol.
ELETROESTIMULAÇÃO NEUROMUSCULAR EM MULTÍFIDOS
CERVICAIS E LIBERAÇÃO MIOFASCIAL EM INDIVÍDUOS COM
CERVICALGIA
1
Anyelle Ísis dos Santos1, Alex Junio Alves da Silva2, Saulo Nani Leite3
Discente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG, [email protected]
2
Bacharel em Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG, [email protected]
3
Docente do curso de Fisioterapia, UNIFEG, Guaxupé, MG, [email protected]
Introdução: A cervicalgia afeta entre 30 a 50 % da população em geral por ano,
podendo estar relacionada a posturas inadequadas gerando um desequilíbrio
musculoesquelético, onde pode ser influenciada por fatores como a degeneração
cervical, atrofia de multífidos e síndrome dolorosa miofascial (SDM). Objetivos:
Verificar os efeitos da eletroestimulação neuromuscular (EENM) em multifidos
cervicais e liberação miofascial em pacientes com quadro de cervicalgia. Materiais e
Metodos: Participaram da pesquisa 4 pacientes que apresentavam quadro de cervicalgia
os quais foram avaliados pré e pós-tratamento pela Escala Visual Analógica da Dor
(EVA), incapacidade cervical (neck disability index) e qualidade de vida (SF-36) sendo
estes submetidos ao protocolo de tratamento onde foram realizados; EENM em
multífidos cervicais e liberação miofascial de alguns músculos cervicais. Resultados:
Em relação à dor, houve melhora pós-tratamento de 66,6%. Já na incapacidade cervical
houve melhora de 60% em relação ao pré-tratamento, e em relação a qualidade de vida
houve melhora em todos os domínios do SF-36, sendo que Dor (88,9%), Limitação por
aspectos Físicos (75%) e Capacidade Funcional (63,7%) foram os domínios que
melhoraram expressivamente. Conclusão: O protocolo de EENM em multífidos
cervicais e liberação miofascial, pode ser benéfico em pacientes portadores de
cervicalgia principalmente na melhora da dor, funcionalidade e qualidade de vida.
Palavras chave: Cervicalgia, Liberação Miofascial, Eletroestimulação Neuromuscular
AS RELAÇÕES FAMILIARES E SUA IMPORTÂNCIA NA FORMAÇÃO DA
PERSONALIDADE NA VISÃO DOS PROFISSIONAIS DE PSICOLOGIA
Isabella Prado Bueno Aguiar1; Jéssica Jorge Francisco2; Thaís dos Santos Domingos3;
Sílvia Antakly Adib4
1
Discente do curso de Psicologia, UNIP, São José do Rio Pardo, SP.
[email protected]
2
Docente do curso de Psicologia, UNIP, São José do Rio Pardo, SP.
[email protected]
Introdução: As mudanças sócio-históricas influenciam na transformação da instituição
familiar. A família formada atualmente pelo afeto é considerada o lugar mais autêntico
de formação pessoal. É através das relações e do estabelecimento de vínculos formados
dentro dela que cada pessoa desenvolve sua personalidade. A personalidade é composta
por múltiplos fatores que podem ser chamados de biopsicossociais. O ambiente
equilibrado é capaz de propiciar um desenrolar saudável dos fatores biológicos e
sociais. Portanto, mesmo na ausência da família, é necessário um ambiente capaz de
oferecer cuidados, modelos e referências suficientemente bons. Objetivos: Os objetivos
do trabalho são: perceber quais as famílias que mais procuram pelo atendimento
psicológico; compreender como os psicólogos participantes enxergam o
desenvolvimento da personalidade através dos aspectos biopsicossociais; e identificar se
nas famílias que mais procuram atendimento é a figura materna que se responsabiliza
pela manutenção de um ambiente propício para o desenvolvimento psíquico. Material e
Métodos: Os materiais usados foram caneta, papel, gravador e computador. O método
usado para a coleta de dados foi a aplicação de um questionário composto por dez
perguntas a dez psicólogos orientados pela teoria psicanalítica. Para analisar as
respostas dos participantes foi empregada a análise qualitativa denominada análise de
conteúdo. Resultados parciais: O presente trabalho ainda não foi apresentado e por
essa razão os resultados são parciais. Os resultados obtidos mostram que as famílias que
mais procuram atendimento psicológico são as chamadas vulneráveis, elas possuem
uma diversidade de configurações familiares, e de papéis e funções intrafamiliares, além
disso, elas podem ser classificadas como estruturadas e não estruturadas. A análise dos
dados aponta para uma formação multifatorial da personalidade, considerando além dos
aspectos biológicos, psicológicos e sociais, um quarto fator chamado espiritual. Os
participantes consideram a família um espelho para a criança e os vínculos nela
formados, essenciais para a formação identitária. E entendem que esse cuidado parental
tem sido terceirizado. Conclusão: A partir dos dados obtidos e discutidos na pesquisa,
pôde-se compreender que as relações familiares são importantes para a formação da
personalidade e influenciam consideravelmente no desenvolvimento saudável dela.
Formação esta que acontece a partir de múltiplos fatores interdependentes. Apesar de as
transformações na configuração familiar serem constantes, sua presença, ou de um
substituto suficientemente bom é imprescindível para a formação da identidade de cada
pessoa.
Palavras chaves: família, personalidade, biopsicossocial.
SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA HOSPITALAR
Daniel Borges de Sá1, Desiree Albuquerque Biasoli2
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
2
Docente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A Santa Casa de São Sebastião do Paraíso é um hospital filantrópico, e
surgiu de uma estrutura simples, mais que preenchia as necessidades do povo da cidade
e região. Com poucos recursos financeiros, por um longo tempo o hospital foi dirigido
pelas irmãs da Congregação da Imaculada Conceição. Desde a década de 1990 pertence
ao novo desenho da Política de Saúde, integrando a rede de atendimento do Sistema
Único de Saúde (SUS). Atende tanto pacientes pelo SUS como pacientes de convênios
particulares. Entre os profissionais que trabalham na instituição estão médicos,
enfermeiros, técnicos em enfermagem, psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas,
fisioterapeutas, porteiros, auxiliares de cozinha e equipe de higienização. O Serviço
Social é uma profissão cuja identidade é marcadamente histórica. Seu fundamento é a
própria realidade social e sua matéria-prima de trabalho são as múltiplas expressões da
questão social, o que lhe confere uma forma peculiar de inserção na divisão social e
técnica de trabalho. Como profissão de natureza eminentemente interventiva, que atua
nas dinâmicas que constituem a vida social, participa do processo global de trabalho e
tem, portanto, uma dimensão sociohistórica e política que lhe é constitutiva e
constituinte. Como área de conhecimento e de intervenção profissional, consolida o seu
significado social em suas relações com as demais profissões e com as práticas
societárias mais amplas, especialmente com as que se direcionam para o enfrentamento
das situações de violações de direitos que afetam as condições de vida da população em
geral e, sobretudo, dos setores mais empobrecidos da sociedade. O exercício
profissional, expressão material e concreta do processo de trabalho do assistente social,
explicita a dimensão política da profissão e o reconheci- mento da condição de sujeitos
de direitos daqueles com os quais atua, tendo por fim último a sua emancipação social.1
Objetivo: Considerando os desafios que se colocam cotidianamente para o assistente
social que atua na área da saúde, especialmente em contextos hospitalares, no
atendimento direto aos usuários, nosso objetivo é investigar o trabalho do Serviço
Social no Hospital Santa Casa de Misericórdia de São Sebastião do Paraíso.
Metodologia: A pesquisa inicial foi realizada a partir de fontes bibliográficas primárias
e secundárias, com Revisão de Literatura em curso como instrumento de coleta de
informações. Numa segunda etapa está prevista a pesquisa com coleta de dados de
campo. Resultados parciais: Apontamos que dentre as atividades no cotidiano do
Serviço Social em hospitais está o acolhimento institucional, a orientação sobre direitos
sociais, e atendimento psicossocial em equipe multiprofissional. Em atenção aos
direitos assegurados em legislação o Assistente Social é profissional na rede hospitalar
responsável pela atenção integral aos direitos de crianças e adolescentes e pessoas
idosas. Considerações: A metodologia de atendimento social inclui visitas ao leito,
atividades em grupo, contatos com equipe de saúde, orientações sobre benefícios
previdenciários e sociais. Dentre os desafios estão o atendimento á pessoas
acompanhantes de pacientes crianças e adolescentes, idosos e gestantes que não residem
no município. Finalizamos indicando a importância da pesquisa para qualificar o
conhecimento e a própria intervenção profissional.
Palavras chaves: Serviço Social Hospitalar. Saúde. Trabalho profissional.
ESPAÇOS DE CONTROLE SOCIAL
1
Desiree Albuquerque Biasoli1
Docente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Espaços de Controle Social de Políticas Públicas estão previstos desde a
constituição de 1988, referendando tanto a participação democrática como a
descentralização político administrativa, em que passam os municípios a serem entes
federados de autonomia e responsabilidade executiva de políticas e serviços. Espaços de
Controle Social de Políticas Públicas podem ser e espaços não formais como Fóruns e
Coletivos e formais, como Conferências, Conselhos de Direitos Humanos e Conselhos
de Gestão de políticas sociais específicas. Neste contexto os Conselhos, se caracterizam
como órgãos colegiados, permanentes, orientados pelo princípio da paridade, garantindo
a representação de diferentes segmentos sociais, e tendo por incumbência formular,
supervisionar e avaliar as políticas públicas nas esferas: federal, estadual e municipal. A
forma legal dos Conselhos institui sua composição, atribuições, duração de mandatos,
além de outras especificações. A atuação dos mesmos tanto pode ser de fiscalização,
mobilização, deliberação ou ainda função consultiva. A constituição de Conferências e
Conselhos de Direitos é condição para habilitação de um município nas políticas sociais
de Saúde, Assistência Social e Educação. Objetivos: Investigar ferramentas de apoio à
gestão de Conselhos de Direitos na política de Assistência Social. Metodologia: A
pesquisa inicial é realizada por meio de revisão bibliográfica e documental. Em um
segundo momento será realizada pesquisa de campo para levantamento das principais
demandas de gestão de Conselhos de Direitos e ferramentas de gestão utilizadas nos
municípios pertencentes a Associação de Municípios da Microregião da Baixa Mogiana.
Resultados parciais: Aponta-se pelas pesquisas realizadas a inexistência de
ferramentas de gestão e comunicação em Conselhos de Direitos da Política de
Assistência Social. Considerações: Defende-se que a inexistência de ferramentas de
gestão e comunicação de Conselhos de Direitos na Política de Assistência Social, reduz
a perspectiva de sua efetivação como espaços institucionais fundamentais para a
construção democrática das políticas públicas e exercício da participação e legitimidade
social.
Palavras – chaves: Controle Social, Política de Assistência Social, Conselhos de
Direitos e Gestão de Políticas Sociais.
O VIÉS PRAGMÁTICO DO PARTIDO DOS TRABALHADORES NA
QUESTÃO DA PROTEÇÃO SOCIAL
1
Ana Paula da Silva Morigi1, Reginaldo dos Santos Souza2
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A organização política e social contemporânea evidencia o fortalecimento
do sufrágio universal. O processo democrático dos países, principalmente, ocidentais,
tem na democracia representativa seu campo de atuação. Assim, fundamenta-se em
partidos políticos, os quais escolhem dentro dos seus quadros indivíduos que serão
escolhidos pela população, através do voto, para representá-los na esfera governamental
do Estado. Dessa maneira, todas as políticas praticadas, tem como principio as
características ideológicas dos partidos que estão no poder. Para a compreensão destes
propósitos torna necessário definirmos alguns conceitos que nortearão nossa discussão.
Dentre eles temos que, democracia representativa que é o exercício do poder político
pela população não de forma direta, mas através de seus representantes, por si
designados, com mandato para atuar em seu nome e por sua autoridade, isto é,
legitimados pela soberania popular o que os tornam aptos a tomar decisões que
garantam a aplicação dos projetos políticos apresentados no programa de governo. O
objetivo do presente trabalho será analisar como as políticas de proteção social são
enquadradas no programa político partidário do partido dos trabalhadores (PT),
buscando com a realização do presente trabalho respostas de algumas indagações; O
que são as políticas sociais? Como se dá o desenvolvimento e implementação das
políticas sociais durante o mandato do Partido dos Trabalhadores? Identificar se há
evidências de luta de classes na maneira de percepção da execução das políticas
sociais? Nessa direção pretendemos analisar a trajetória das políticas de proteção social
implantadas pelo Partido dos Trabalhadores, comparando seu projeto partidário e sua
efetivação de fato. Identificar a política de proteção social no programa do Partido dos
Trabalhadores; Analisar se há uma contradição entre o discurso e a prática; Reconhecer
se a construção programática é influenciada pela origem do partido nos movimentos
sociais. Material e Métodos: A pesquisa inicial foi realizada a partir de fontes
bibliográficas primárias e secundárias. Foi realizada Revisão de Literatura como
instrumento de coleta de informações. Para realização da pesquisa utilizaremos de
fontes exclusivamente bibliográficas destacando com grande relevância documentos da
elaboração e consolidação do Partido dos Trabalhadores. Resultados Parciais:
Pretendemos com o presente trabalho analisar o desenvolvimento das políticas públicas
o contexto político partidário brasileiro, ressaltando que o Partido dos Trabalhadores
(PT) foi o pioneiro a colocar a seguridade social como plano de atuação política num
pilar de relevância. Considerações: A política é além de construção humana, primordial
a existência da humanidade, mas como ter humanidade sem a proteção de segmentos
sociais pauperizados, que enfrentam em seus dias mazelas como a fome e a miséria?
Sendo a política tão necessária a vida humana e organização social, é plausível que a
mesma tenha um projeto ancorado na manutenção da vida com propostas que
possibilitam a busca pela equidade social.
Palavras chaves: Proteção Social, Partido dos Trabalhadores, Política Partidária.
TRABALHO INFANTIL E SEUS ASPECTOS SOCIAIS, HISTÓRICOS E
LEGAIS
1
Clara Maria de Vasconcelos 1, Desiree Albuquerque Biasoli 2
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Identificando que o trabalho infantil é prejudicial ao desenvolvimento
psicossocial de crianças e adolescentes, colocamos em evidência seus danos, com
diminutas expectativas de vida, tendo em vista situação precária do grupo familiar de
diversas crianças e adolescentes, cada vez mais abandonadas sem a seguridade de seus
direitos. Defendemos a importância de estudar o trabalho infantil como problema
político nacional e internacional e suas razões de ordem econômica, social e cultural.
Diante disso é preciso chamar a atenção dos órgãos públicos que direitos previstos no
Estatuto da Criança e do Adolescente estão sendo violados, em um cotidiano onde
famílias que sem alternativas colocam seus filhos para ajudar no sustento do grupo
familiar. Os explorados trabalhadores infantis na maioria são vítimas da falta de
alternativas e miséria, mão de obra dócil, barata e adaptam-se ao trabalho sem resistir.
Nos municípios onde a miséria se faz presente muitas crianças trabalham desde cedo,
fruto de má distribuição de renda no pais. Objetivos: Nosso objetivo é pesquisar o
trabalho infantil na contemporaneidade e seus rebatimentos na formação da criança,
identificando problemas sociais relacionados ao fenômeno e quais políticas sociais estão
direcionadas a sua erradicação. Metodologia: A metodologia em curso é baseada em
fontes bibliográficas primárias e secundárias, por revisão de literatura como instrumento
de coleta de informações. Resultados parciais: A constatação de desproteção social e
desrespeito ao direito de desenvolvimento saudável e digno de milhões de crianças e
adolescentes, particularmente das que fazem parte de famílias em situação de
precarização expostas a riscos sociais. Apontamos ainda ineficiência qualitativa e
quantitativa de políticas sociais na efetivação dos direitos previstos em leis como forma
de medidas de proteção social de crianças e adolescentes, marcados pela desigualdade
econômica resultante do modelo de produção capitalista. Considerações finais:
Reforçamos que o trabalho infantil é exploração quando realizado anterior a 14 anos de
idade, ou mesmo na adolescência em condições inadequadas, prejudiciais ou perversas.
Exige da criança ou jovem atividade constante e desproporcional a suas forças e estágio
de desenvolvimento psicossocial, impede brincadeiras, jogos, descanso e em especial
frequência e aproveitamento escolar regular. É prejudicial à saúde física e mental e põe
em risco o futuro de novas gerações de brasileiros. Por isso é importante analisar o
trabalho infantil como forma de entender e indicar alternativas para que crianças e
adolescentes tenham seus direitos garantidos, uma vez que em lei é dever da família, da
comunidade da sociedade em geral e do poder público garantir a criança e adolescente
saúde, alimentação, educação, esporte, lazer, profissionalização, cultura, dignidade e
convivência familiar e comunitária. Cuidar da infância é evitar problemas sociais
futuros.
Palavras – chaves: Trabalho infantil, políticas sociais, direitos sociais, risco social
A POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA NA ATUALIDADE
Cristiélen Aparecida Gonçalves 1, Desiree Albuquerque Biasoli2
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Este tema teve relevância para estudo a partir da realidade vivenciada no
estágio supervisionado. O que realmente leva a população a viver em situação de rua, e
até mesmo a relação entre ajuda (esmola, dinheiro) e a permanência na rua e vícios.
Acredita-se que o uso de drogas (álcool e outras substâncias), dificuldades de
convivência familiar, pobreza, desemprego são os fatores que mais estão relacionados a
pessoas que vivem em situação de rua. Também chama atenção a visão social e
comunitária sobre a pessoa em situação de rua, sendo que na maioria das vezes pensam
que as pessoas em situação de rua preferem assim ficar. Entendemos que o tema é
importante considerando o aumento de pessoas em situação de rua, principalmente de
pessoas que são identificadas como “andarilhos”, ou seja, pessoas que andam de cidade
a cidade. Objetivos: Investigar as possibilidades de inserção da população em situação
de rua na sociedade. Identificar como a sociedade vê a população em situação de rua.
Levantar os aspectos que estão diretamente relacionados com a vida da população em
situação de rua. Material e Métodos: Os métodos utilizados para pesquisa em curso
tem como resultado esperado abordagem de dados qualitativa. Sendo quanto aos
procedimentos técnicos classificada como bibliográfica, uma vez que a natureza das
fontes investigadas serão os livros, revistas, sites eletrônicos e artigos. Resultados
Parciais: Pelos estudos iniciais apontamos a importância de entender melhor quais
aspectos estão mais diretamente relacionados com a vida da população em situação de
rua. Considerações: O tema abordado é bastante relevante diante da sociedade e por
isso não devemos deixar por esquecido visto que essas pessoas em situação de rua
precisam ser apoiados na construção de novas perspectivas de vida.
Palavras chaves: População em situação de rua, Relação permanência na rua e vícios,
construção de projetos de vida
REDUÇÃO DA IDADE PENAL: REPRESSÃO OU SOLUÇÃO?
Dalila dos Santos Gonçalves Ferreira1; Desiree Albuquerque Biasoli2
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O presente trabalho tem como centralidade a discussão sobre a redução da
idade penal no Brasil para 16 anos, em que estão polarizados motivos para a defesa
dessa medida embasada no crescimento da violência social e de outro lado, a defesa
para que se diga não a redução da maioridade penal sob o argumento de violação de
direitos que a redução penal causaria à adolescentes. Nosso pressuposto de pesquisa é
de que a redução da maioridade penal é defesa que forma opinião de massa, mas não
leva em consideração o contexto sociohistórico em que a violência em sociedade é
fundada e como se constitui na atualidade e ainda defendemos que a sociedade deve
parar e refletir criticamente, sobre a questão da violência e sua relação com a idade
penal e então demandar políticas públicas que incidam diretamente na base dos motivos
para tal fenômeno.Objetivos: É por esse motivo que nosso estudo buscará para além de
referencial teórico, identificar o posicionamento de vários grupos em relação à redução
da maioridade penal. Metodologia: Como eixos metodológicos referenciais temos a
pesquisa bibliográfica e documental em um procedimento técnico que percorre revisão
em pesquisas já realizadas, defendendo que a pesquisa bibliográfica é um processo no
qual o pesquisador tem atitude e prática teórica de constante busca que define um
movimento intrinsecamente inacabado e permanente, pois realiza uma atividade de
aproximações sucessivas da realidade, sendo que, a pesquisa bibliográfica, apresenta
“uma carga histórica” e reflete posições frente à realidade. Resultados Parciais:
Apontamos como resultados parciais, dos estudos realizados até o momento, que
posicionamentos sobre a questão são formulados em afirmações baseadas no senso
comum, como de que a redução da idade penal seria a solução para diminuição da
violência que nos cerca, acreditando não ser viável demandar eficiência e eficácia nos
serviços que devem ser ofertados por políticas sociais que possuem a responsabilidade
sócio legal de minimizar o envolvimento dos adolescentes em atos infracionais e
possibilitar a reconstrução de projetos de vida de adolescentes que cometeram atos
infracionais. Considerações: Esperamos contribuir para o debate sobre a idade penal
no Brasil, na direção do reconhecimento de que posturas e defesas pontuais, como os
que defendem a redução, entrem em modo de reflexão e possam somar e participar da
“cobrança” de efetividade de serviços de políticas públicas.
Palavras chave: Adolescente, Ato Infracional, Políticas Públicas, Redução da idade
penal
A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL
Fabiola Cosmo Silva1; Desiree Albuquerque Biasoli2
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: A pesquisa tem como foco o atendimento social com crianças e famílias
usuárias de creches e pré-escolas, especialmente voltado a crianças em situações de
vulnerabilidade e acesso restrito a renda. O atendimento em creches e pré- escolas se
deu devido a inserção de mulheres no mercado de trabalho, principalmente a mulheres
de classe sócio econômicas de acesso restrito a renda e trabalho formal protegido e que
não tinham onde ou com quem deixar seus filhos, sendo que essas creches e pré-escolas
responsáveis pelo atendimento a essas crianças tem papel mediador na formação em que
são desprendidos cuidados inclusive alimentação, bem como suscitar a relação sócioeducativo infantil / família, objetivado a uma ação integrada de parceria e busca pela
solução de problemas na formação sócio-educacional. O fato dessas instituições
carregarem em suas estruturas a destinação a uma parcela social, a pobreza, já
representa uma concepção educacional. A pedagogia das instituições educacionais para
os pobres é uma pedagogia da submissão, uma educação assistencialista marcada pela
arrogância que humilha para depois oferecer o atendimento como dádiva, como favor
aos poucos selecionados para o receber. Objetivos: Investigar a qualidade de serviços
prestados pelos serviços educacionais infantis. Resultados Parciais: Apontam que por
esses serviços expressarem o assistencialismo educacional voltado a crianças e famílias
de acesso restrito ao emprego e renda, ainda existem desafios na construção de
condições básicas para a qualidade de atendimento. Considerações: Acredito que uma
maneira menos ingênua e imatura de tratar essa questão seja refletir sobre o papel que a
assistência educacional infantil vem desempenhando ao atentar para questões cruciais
da vida moderna que os setores educacionais não têm respondido, como por exemplo, o
cuidado e socialização infantil considerados na sua concepção mais ampla. Sendo que é
histórico. Não é o setor assistencial, mais que o educacional, que vem respondendo à
necessidade de trabalho dos pais, e especialmente das mães? Que tem acolhido as
demandas dos amplos movimentos sociais em prol da expansão de rede de creches
públicas, não filantrópicas e educacionais? Não é o setor assistencial, mais que o
educacional, que vem atentando ao fato de que a criança de idade pré-escolar necessita
de um ambiente físico e humano diferente do que é proporcionado pela escola formal,
apresentando uma estrutura mais flexível e, paradoxalmente, ampliando a concepção de
educação tradicionalmente adotada pelos setores de ensino?
Palavras chave: Relação sócio-educativo, Infantil / família e Serviços Educacionais.
VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER
Jassiara Francine Oliveira 1 Desiree Albuquerque Biasoli²
¹ Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Historicamente as mulheres estiveram submetidas à violência. Esta
violência pode ser física, psicológica ou sexual, e perpassam todas as camadas sociais,
idades, etnias, religiões e nacionalidades, atualmente esse quadro ainda é alarmante, o
que deixa claro a importância em relação à proteção da mulher. Na família, a violência
contra a mulher causa sofrimento e distúrbios de ordem psicológica, dificultando as
relações afetivas, sendo fontes constantes de conflitos e de estresse em seus membros.
Contudo, destacamos o surgimento de conflitos intrafamiliares expressão nítida da
violência contra a mulher, podendo ocasionar pessoas submetidas à violência,
principalmente as mulheres e crianças, muitas vezes culpando-se por sua situação.
Objetivos: Os objetivos da pesquisa em curso são voltados a conhecer as principais
causas de violência contra as mulheres no Brasil e quais os tipos de violência
identificados pelos Profissionais de Serviço Social. Analisando a lei nº 11.340/2006 Lei
Maria da penha, procurando colaborar para o enfrentamento da violência contra as
mulheres, na garantia efetiva de seus direitos. Apontando os tipos de violência mais
comuns sofridos pelas mulheres atendidas no Supremo Tribunal de Justiça pelo Serviço
Social Judiciário, identificando o perfil das mulheres que sofrem violência na comarca
de Carmo do Rio Claro. Metodologia: Os métodos utilizados para tal pesquisa será a
abordagem qualitativa, tanto em relação aos dados coletados como pesquisa de campo,
quanto aos procedimentos técnicos classificados como bibliográficos e documentais.
Resultados parciais: Apontam que as principais causas da violência doméstica, contra
a mulher e violação de seus direitos não se dão num contexto isolado das relações de
produção e reprodução social. Considerações: O tema exposto não pode ser esquecido,
pois sua problemática vem afetando muitas mulheres não sendo um fato isolado acabam
alcançando famílias inteiras causando conflitos e traumas que poderiam ser evitados se
contassem com um sistema de proteção eficaz a e com a consolidação de um direito já
existente.
Palavras chaves: Violência, Direitos, Mulheres, Poder Judiciário.
ADOLESCENTE E VULNERABILIDADE SOCIAL
Karen Fernanda da Silva Araújo1; Soraya Magalhães Pelegrini-Oliveira2
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A família pobre, marcada pela fome e pela miséria, representa um espaço
de privação, de instabilidade e de esgarçamento dos laços afetivos e de solidariedade. A
vulnerabilidade social das famílias vem sendo muito discutida em todas as políticas
públicas. Existem várias demandas postas aos profissionais do Serviço Social e como
discente, tenho me inquietado com jovens em situações vulneráveis. A vulnerabilidade
remete à ideia de fragilidade e de dependência que se vincula à situação de crianças e
adolescentes, principalmente os mais pobres. Os fatores de risco que incidem sobre a
vida de parcela considerável de jovens brasileiros ocorrem tanto no espaço público
quanto no privado. Daí a necessidade de considerar não apenas os problemas de
inserção social, mas de pensar a socialização e sua relação com os direitos da criança e
do adolescente. Objetivo Geral: Estudar a vulnerabilidade e risco social a que jovens
de famílias empobrecidas, com acesso restrito a renda, educação, saúde, cultura,
moradia e trabalho estão expostos e metodologias do trabalho do Assistente Social
nesse âmbito. Metodologia: A pesquisa inicial em curso é realizada a partir de fontes
bibliográficas primárias e secundárias. Por meio da Revisão de Literatura como
instrumento de coleta de informações. Resultados parciais: É um tema atual abrangido
em vários debates e de grande relevância para o Serviço Social com várias
possibilidades de trabalho que nos provocam indagações sobre a situação atual dos
jovens empobrecidos. Considerações Finais: Percebemos com esta pesquisa preliminar
que precisamos entender a situação dos jovens brasileiros e o acesso dos mesmos às
políticas públicas que possam colaborar para a superação da situação de vulnerabilidade
que se encontram e ainda buscar a relação existente entre o trabalho do assistente social
e a efetivação do acesso dos jovens às políticas públicas. Nesse sentido, consideramos
que o assistente social pode intervir e contribuir para a melhoria da realidade dos
jovens.
Palavras chaves: adolescente, família, pobreza, vulnerabilidade.
VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A CRIANÇA E ADOLESCENTE E A
POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
Leonardo Alves de Souza1, Soraya Magalhães Pelegini-Oliveira2
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Neste trabalho, abordaremos a violência praticada contra crianças e
adolescentes em âmbito familiar, o papel da rede de proteção social e a relação com o
trabalho do Assistente Social desenvolvido em equipe interdisciplinar. A violência
infanto-juvenil é um fenômeno presente em todo mundo, porém países com níveis de
educação e de economia menos elevados são mais presentes. O Brasil possui uma
sociedade marcada pela dominação da classe burguesa e por profunda desigualdade na
distribuição da riqueza, possibilitando a violência estrutural, que atinge grande parcela
de crianças e adolescentes. Assim a sociedade brasileira como grande parte dos países
do mundo, reproduz as mais variadas expressões da Questão Social, sendo a violência
infanto-juvenil uma delas e devido a isso, escolhemos este tema. Atualmente, as vítimas
de violência são atendidas pelos Centros de Referência Especializado da Assistência
Social (CREAS) que contam com equipe multiprofissional para atendimento desta e de
outras demandas da proteção especial. As vítimas de violência também contam com o
Sistema de Garantia de Direitos, sendo composto pelo conselho tutelar e o ministério
público, além do CREAS. Objetivos: Conhecer realidade de crianças e adolescentes
que sofrem violência física no âmbito familiar; compreender o trabalho do assistente
social junto a rede de proteção social às vítimas de violência; analisar o trabalho do
assistente social na equipe interdisciplinar. Material e Métodos: A pesquisa inicial foi
realizada a partir de fontes bibliográficas primárias e secundárias. Foi realizada Revisão
de Literatura como instrumento de coleta de informações. Resultados parciais: O
estudo que realizamos sobre a violência contra crianças e adolescentes, mesmo que de
forma primária, nos permitiram compreender que a violência é praticada pelos pais
como forma de educação dos filhos, pois repetem a educação que tiveram.
Considerações: Portanto, não podemos encarar a violência como algo natural em nossa
sociedade, para isso, nossa legislação avançou. Precisamos conhecer melhor o trabalho
realizado no atendimento de crianças e adolescentes vítimas de violência e dessa forma,
compreender o trabalho do assistente social neste contexto.
Palavras chaves: Assistência social, criança e adolescente, violência doméstica.
VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: IMPACTOS PARA MULHERES BRASILEIRAS
NA ATUALIDADE
Luana da Silva1, Desiree Albuquerque Biasoli2
Discente do Curso deServiço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: Os diversos estudos na contemporaneidade retratam que o fenômeno da
violência tem crescido de uma forma expressiva e atingido a humanidade em âmbito
geral. Tal fato ganha expressão e requer análises mais profundas, quando consideramos
as relações de gênero construídas socialmente e que interferem diretamente no aumento
das diversas formas de violência contra as mulheres, as quais historicamente encontramse em desvantagem dentro da sociedade machista e patriarcal, sendo considerada
inferior e submissa ao homem.
Exige um maior enfrentamento por parte de toda sociedade e principalmente do poder
público para garantir níveis de proteção efetivo para tal público que sofre com essa
questão. O ato de violência contra mulher, consiste em todo ato de violência de gênero
que resulte em qualquer ação que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual e
psicológico e dano moral ou patrimonial. Objetivos:Diante dessa situação posta,
almejamos estudar a violência doméstica, a qual tem crescido na sociedade brasileira e
atinge milhares de mulheres que são agredidas principalmente por seus companheiros
trazendo impactos também para suas famílias. Metodologia:Utilizaremos no percurso
metodológico, a pesquisa bibliográfica que está baseada em fontes bibliográficas primárias
e secundárias,através da revisão de literatura que nos possibilitará compreender os
diversos elementos apresentados por estudiosos e pesquisadores relacionados ao nosso
objeto de estudo.Resultados parciais: Diariamente nas redes sociais, jornais, revistas,
até mesmo no dia a dia, é retratado os índices elevados de violência contra a mulher,
demonstrando o sofrimento e as consequências para sua existência. Elas têm sofrido,
nas mãos desses agressores, onde muitas vezes são agredidas de forma violenta e brutal.
Considerações teóricas: Consideramos que a violência é um tema ainda pouco retratado em
nossa sociedade, devido à complexidade para seu atendimento e diagnóstico. Dessa forma,
muitas mulheres continuam sendo agredidas e vitimizadas.
Palavras chaves: Violência, Mulher, Família, Gênero, Patriarcado.
VULNERABILIDADE SOCIAL: A REALIDADE DE MULHERES CHEFES DE
FAMÍLIA
Luanne Graziele Santos1, Soraya Magalhães Pelegrini-Oliveira2
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
1
Introdução: O tema de pesquisa que estamos apresentando abordará as dificuldades
enfrentadas por mulheres em seu cotidiano, a percepção sobre sua condição feminina, a
utilização de redes de apoio e de serviços, as representações sobre sexualidade,
maternidade, estratégias de sobrevivência, sendo que são questões complexas
permeadas por preconceito, mesmo que existam inúmeras leis e regulamentos que
protejam este segmento social, a luta por igualdade de gênero ainda precisa ser efetivada
em direitos de fato. Atualmente, as políticas sociais estão com os olhares voltados às
mulheres, pois muitos programas sociais, a exemplo do Bolsa Família, tem as mulheres
como administradoras do benefício, o que significa que as mulheres são centrais para as
políticas públicas. Objetivo: Estudar os aspectos conceituais da vulnerabilidade social
com ênfase no estudo sobre gênero e famílias chefiadas por mulheres, os riscos a que
estão expostas e ainda conhecer sua dinâmica e assim contribuir para uma intervenção
que favoreça a constituição da plena igualdade de gênero. Metodologia: A pesquisa
inicial foi realizada a partir de fontes bibliográficas primárias e secundárias. Foi
realizada Revisão de Literatura como instrumento de coleta de informações. Resultados
parciais: Até o momento, com nossas pesquisas, mesmo que iniciais, consideramos de
suma importância o conhecimento sobre o tema, devido ao grande número de famílias
com configurações voltadas à família monoparental feminina e muitas dessas serem
usuárias do Serviço Social. Considerações: Trazer diversos conceitos e aspectos
relacionados a vulnerabilidade social e levantar dados sobre mulheres e famílias
chefiadas por mulheres e os riscos a que estão expostas são extremamente necessários
ao Serviço Social, visto que o trabalho com mulheres em vulnerabilidade foram
historicamente realizados pelo Serviço Social e o desejo em aprofundar nossos
conhecimentos sobre a vulnerabilidade social, com enfoque na questão da mulher e seus
enfrentamentos cotidianos perpassam pelas observações do cotidiano.
Palavras chaves: Família, Mulheres, Vulnerabilidade social.
PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO
Mariane Julião de Brito1, Soraya Magalhães Pelegrini de Oliveira2
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: Neste trabalho abordaremos o estresse do trabalhador no ambiente de
trabalho, aspectos psicológicos e saúde mental, o aprofundamento no tema estudo de
psicopatologia do trabalho e em contrapartida estudos que possibilitam e visam um
ambiente de trabalho sustentável. Trataremos população real, submetidas às pressões do
dia a dia e como os profissionais da área da saúde podem contribuir para amenizar essas
situações que permeiam as relações de trabalho existente nos dias atuais. Objetivos:
Investigar patologias do trabalho e desvelar o motivo do adoecimento. Investigar as
possibilidades de melhorias no ambiente de trabalho, visando o bem-estar físico, mental
e social; Material e Métodos: A pesquisa inicial foi realizada a partir de fontes
bibliográficas primárias e secundárias. Foi realizada Revisão de Literatura como
instrumento de coleta de informações. Resultados parciais: Apontamos como
resultados parciais que o trabalho em demasia adoece o trabalhador, pode causar danos
à saúde, e que é marcante o trabalhador que se submete a trabalho sem preparo físico e
intelectual sofre pressões que podem levar a invalidez e afastamentos e acarreta uma
série de outros fatores e problemas ao trabalhador. Considerações: Consideramos que o
trabalhador não pode resistir ao ataque do capital e nem as condições preconizadas de
trabalho. Embora seja inegável que são elementos decorrentes da relação entre
trabalhador versus capital que se torna inerente a contradição, defendemos a
importância de profissionais estarem preparamos para tal demanda. A pesquisa é
voltada para melhorias no ambiente de trabalho, visando o bem-estar do trabalhador.
Palavras chave: Psicopatologia, trabalho, adoecimento.
DESIGUALDADE SOCIAL COMO CONSEQUÊNCIA DO
DESENVOLVIMENTO DO BRASIL
Nathália Cristina Borges Rego 1, Reginaldo dos Santos Souza2
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
1
Introdução: Em seu processo civilizatório a sociedade brasileira passa por diversas
mudanças, que traz consigo novas configurações nas relações sociais. O processo de
modernização, que acarreta num aumento do individualismo, à busca do bem estar e da
melhoria na qualidade de vida, gera ao mesmo tempo um aumento no índice de
desigualdade social. A desigualdade social é marcada desde o principio pela exploração e a
ausência de uma distribuição de renda mais justa, e no processo meritocrático os fracassos
são atribuídos aos indivíduos e não há um debate acerca das mazelas sociais, que o sistema
produz para garantir seu processo de acumulação de capital. A exploração do trabalho
excedente produz um contingente de indivíduos que são colocados em situação de
vulnerabilidade social. Nas relações de produção a busca pela mais-valia faz dos
vendedores da força de trabalho meros coadjuvantes. Objetivos Gerais: O objetivo do
estudo é fazer uma reflexão sobre as mudanças que a sociedade sofreu e vem sofrendo nas
formas de agir e pensar, procurando discutir o processo das transformações que ocorreu na
sociedade e as novas configurações nas relações sociais destacando a desigualdade social
como consequência do desenvolvimento do Brasil. E ainda entender as razões que
expliquem a desigualdade social e sua relação com o desenvolvimento do Brasil; Material
e Métodos: A pesquisa inicial foi realizada a partir de fontes bibliográficas. Resultados
Parciais: O estudo desse tema aponta sua grande relevância, pois pretendemos analisar a
desigualdade social presente na sociedade conhecendo a visão/ ideológico que a população
tem sobre desigualdade social e o preconceito existente, refletindo e analisando as
associações feitas a desigualdade. Considerações: A sociedade passa por diversas
transformações, e a desigualdade social surgiu no decorrer da história e se agravando com
a industrialização e o surgimento do capitalismo, sendo ausente a distribuição de rendas,
ficando o lucro para o capital e os trabalhadores apenas como o mínimo para a
sobrevivência agravando mais e mais a desigualdade.
Palavras – chaves: Desigualdade social, Desenvolvimento do Brasil.
ARTE TEATRAL COMO INSTRUMENTO DE INTERVENÇÃO SOCIAL
Thallys Custódio Pereira¹; Soraya Magalhães Pelegrini-Oliveira2
1
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG. [email protected]
Introdução: Sabemos da importância e influência que as manifestações artísticoculturais e sociais têm sobre determinadas sociedades e comunidades. Movimentos
Artísticos culturais que além de estreitar a relação da diferença entre a realidade vivida
com a realidade que se almeja em cada indivíduo, têm por finalidade a divulgação da
indignação da competitividade individual criada pelo neoliberalismo. Para um coletivo,
que se identifica com esses movimentos sociais artístico-culturais críticos fortalecem
possibilidades existenciais de enfrentamento crítico da realidade vivida. Com o uso da
arte o sujeito se encontra em um processo que lhe permite evitar certos ardis, como o
das palavras, que em seu em uso pode se tornar apaziguadoras das emoções, colocandoo num movimento livre de inventividade no qual se tem liberdade de inventar não só
objetos, mas também toda uma vivencia, o futuro e novas possibilidades existenciais.
Desse modo evidencia-se que ao realizar intervenções sociais explorando e utilizando
de recurso artístico-cultural, possa trazer benefícios múltiplos para a população em que
será aplicada. Pensando que a arte teatral é uma linguagem natural de expressão
humana, acredita-se que essa pode ser positivamente usada para explorar essa
manifestação, como um instrumento de intervenção social. Objetivos: O presente
projeto tem o objetivo de pesquisar e investigar sobre a importância e a eficiência que
os movimentos teatrais sociais artístico-culturais têm sobre as decisões de cidadania,
políticas, direitos sociais e individuais. Material e Métodos: A pesquisa inicial foi
realizada a partir de fontes bibliográficas primárias e secundárias. Foi realizada Revisão
de Literatura como instrumento de coleta de informações. Resultados parciais: De
acordo com os autores estudados, percebemos que através da arte teatral, o indivíduo se
identifica com o trabalho realizado. Ao se identificar, consegue criar e modificar seu
cotidiano. Considerações: Consideramos que o teatro social contribui para a práxis da
vida em sociedade. Acreditamos que por meio deste projeto alcançaremos a evidência
de que a arte teatral crítica é um componente fundamental para a intervenção social.
Palavras chaves: Teatro Social; Movimento Social ; Intervenção Social
SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULO COM
IDOSOS
1
Carolina Cristina Sipola1; Soraya Magalhães Pelegrini-Oliveira2
Discente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
2
Docente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: O envelhecimento populacional é uma realidade que vem acontecendo em todo mundo
e no Brasil esse processo acontece de forma muito rápida. Mesmo com esse número significativo de
idosos, ainda persiste na sociedade brasileira preconceitos que criam estereótipos relacionados à
velhice, ressaltando apenas os aspectos negativos como incapacidade, improdutividade, doenças e
marginação social. Deste modo, os idosos se sentem acolhidos, felizes em fazerem parte do serviço
de convivência e fortalecimento de vínculo. Para eles, não teria valor maior em estarem todos juntos
reunidos como uma família. Muitos são os desafios a serem enfrentados diante a complexidade que
envolve a vida dos seres humanos no processo de envelhecimento: lazer, habitação, direito,
acessibilidade, alimentação, seguridade social, saúde, entre outros. Considerando que o serviço de
convivência e fortalecimento de vínculo da política de Assistência Social é responsável pelo
atendimento de idosos em situações de vulnerabilidade, deve promover ações e atividades pautadas
nas características, interesses e demandas desta faixa etária, considerando a vivência em grupo, as
experiências artísticas culturais, esportivas e de lazer e a valorização das experiências vividas . Nosso
objetivo é pesquisar o preconceito que a sociedade ainda tem sobre pessoas idosas julgando que são
inúteis sem produtividade nenhuma e como o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vinculo
deve atuar na inversão desse processo de exclusão. Metodologia: A pesquisa em curso adota como
método a pesquisa bibliográfica e documental. Resultados parciais: Apontamos que o preconceito
ou exclusão social de idosos é um tema atual e polêmico e o Serviço de Convivência e
Fortalecimento de Vínculos, é eficaz no que diz respeito a virtude de produzir sempre o melhor para
todos os integrantes, mas não é notório e, muitas pessoas e profissionais não sabem qual o objetivo
deste serviço continuado e que existe a obrigatoriedade de oferta desse serviço de forma
municipalizada, uma vez que está previsto em lei como um serviço de Assistência Social a ser
ofertado pelo órgão responsável por esta política no município.Considerações: Acreditamos na
importância de incluir o tema do envelhecimento e o respeito pelos mais velhos nos temas
transversais abordados nas escolas. Discutir o processo de desenvolvimento humano levando os
alunos a perceberem que todos estamos envelhecendo sempre, desfazendo preconceitos e
desmistificando tabus. E ainda que o projetos desenvolvidos para os idosos precisam estar
disponíveis em vários bairros da cidade, facilitando a participação dos mesmos nas atividades
destinadas a terceira idade, sem precisarem percorrer grandes distâncias. Experiências como as do
Centro de Convivência do Idoso precisam ser levadas para o maior número de bairros da cidade
facilitando o acesso aos programas, como também ainda há um longo caminho a percorrer para que
um dia possamos nos considerar uma Cidade Amiga do Idoso, porém, também sabemos que uma
longa caminhada se faz de pequenos passos.
Palavras chaves: Envelhecimento, Fortalecimento de vínculo, Idosos, Preconceito.
O FAMILISMO COMO ESTRATÉGIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NA
ATUALIDADE
Soraya Magalhães Pelegrini-Oliveira1
1
Docente do Curso de Serviço Social, UNIFEG, Guaxupé, MG.
[email protected]
Introdução: A priorização das famílias nas políticas públicas tem sido uma estratégia
do Estado neoliberal nas últimas décadas como alternativa ao desmonte das políticas
públicas de proteção social. Este movimento de responsabilização das famílias e de
torná-las unidade econômica e política de resolução de problemas que antes eram
mediados e resolvidos pelo Estado é chamado de Familismo. As famílias vem
assumindo várias responsabilidades que não possuem meios de mantê-las, o que leva à
falência dessas funções, sendo consideradas famílias multiproblemáticas e
desestruturadas. Sabemos que a sociedade exige das famílias um determinado modo de
ser e se reproduzir, tudo o que foge a este padrão é considerado como um erro da
família, levando ao preconceito em relação às configurações atuais. As mudanças nas
configurações familiares são devidas à necessidade de manutenção da sobrevivência,
por isso, observamos, entre muitos outras configurações, a presença de muitas famílias
tendo como principais provedores os avós. Objetivos: Analisar as políticas públicas
destinadas às famílias no Brasil, compreender o fenômeno do familismo na sociedade
contemporânea e entender as configurações familiares atuais. Metodologia: A pesquisa
teórica está sendo construída através de consulta a fontes bibliográficas e documental
com revisão de literatura a partir da consulta de fontes primárias e secundárias.
Resultados parciais: Percebemos grande focalização das políticas públicas em relação
às famílias, pois verificamos transferência de responsabilidade do Estado para a
famílias, devido ao desmonte do Estado de Bem-Estar Social. Conclusão: Nos últimos
anos, acentuadamente nas últimas duas décadas, a família tem sido cobrada para exercer
sua função protetiva e proativa. Entretanto, percebemos que a família não tem recebido
proteção do Estado para que possa exercer tais funções, o que dificulta transmitir tais
funções à sua prole. A esse modelo de responsabilização das famílias que chamamos de
familismo.
Palavras chaves: Estado de Bem-Estar, Família, Políticas Públicas.

Documentos relacionados