Tanques de Refrigeração

Сomentários

Transcrição

Tanques de Refrigeração
Tanques de Refrigeração
Recomendações do Comitê de Equipamentos
Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite
Comitê de Equipamentos
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
C755e Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite.
Comitê de Equipamentos
Tanques de refrigeração: recomendações do
Comitê de Equipamentos/ Conselho Brasileiro
de Qualidade do Leite - São Paulo: Quiron, 2002.
28p.; 21 cm
ISBN: 85-89204-01-4
1. Ordenha. 2. Máquinas para ordenha. II. Título.
Proibida a reprodução total ou parcial.
Infratores serão processados na forma da lei.
Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite
Comitê de Equipamentos
Tanques de Refrigeração
Recomendações do Comitê de Equipamentos
São Paulo
1ª edição
Quiron Comunicação & Conteúdo
www.quironcomunicacao.com.br
2003
índice
Tanques de Refrigeração
Parte 1 - Antes de adquirir seu tanque de refrigeração
1. Introdução
2. Definições
2.1. O que é um tanque de refrigeração?
2.2. Tipos de tanques refrigeradores de leite
2.3. Nomenclatura
3. Materiais indicados para fabricação
4. Recomendações gerais para a fabricação
4.1. Corpo interno
4.2. Isolamento térmico
4.3. Tampas
4.4. Agitador
4.5. Descarregamento
4.6. Aterramento
4.7. Dispositivos de proteção
5. Controles, medidores e instrumentos de
avaliação de funcionamento
5.1. Controle da temperatura do leite
5.2. Comando elétrico
5.3. Instrumento para medir a temperatura do leite
5.4. Escala medidora
07
07
10
10
13
Parte 2 - Após a aquisição do tanque de refrigeração
6. Avaliando o desempenho do equipamento
6.1. Desempenho e eficiência de um tanque refrigerador
6.2. Taxas de refrigeração e congelamento do leite
6.3. Agitador
6.4. Escoamento do leite
6.5. Sistema de refrigeração
7. Limpeza
7.1. Tanques verticais e horizontais abertos
7.2. Tanques horizontais fechados
8. Dicas para aquisição de tanque de refrigeração
9. Glossário
10. Fabricantes
16
18
20
22
24
tanques
refrigeradores
É com grande satisfação que disponibilizamos para o público, em
especial para os produtores e técnicos ligados à cadeia produtiva do leite, mais
um importante trabalho realizado pelo Comitê de Equipamentos do Conselho
Brasileiro de Qualidade do Leite (CBQL).
Na busca permanente do cumprimento da missão do CBQL, que é a
de servir como um fórum para a educação, a pesquisa e a troca de informações
sobre qualidade do leite, servindo assim como fonte e difusor de informações
e tecnologia para a cadeia produtiva, de modo a capacitá-la a melhorar a
qualidade do leite e seus derivados, e prevenir e controlar a mastite, estamos
entregando a você esta nova e importante ferramenta que é a Cartilha de
Tanques de Refrigeração.
Resultado de um esforço conjunto dos membros do Comitê de
Equipamentos, em especial os fabricantes de tanques refrigeradores, buscamos
sintetizar de forma clara, objetiva e acessível uma série de informações
indispensáveis, tanto para os produtores que já possuem estes equipamentos
quanto para aqueles que estão pensando em adquiri-los.
As informações contidas nesta Cartilha de Tanques de Refrigeração estão
baseadas no Regulamento Técnico para Fabricação, Funcionamento e
Ensaios de Eficiência de Tanques Refrigeradores de Leite a Granel, publicado
no Diário Oficial de 19/08/2002, seção I, págs. 08 – 11 aprovado pela Instrução
Normativa DAS/N°53.
Dentre os objetivos deste trabalho que não podemos deixar de ressaltar
estão a democratização da informação e o esclarecimento do público consumidor.
Este pequeno manual pretende ser um instrumento para a tomada de decisão
mais adequada à realidade e às necessidades de sua propriedade.
Estamos convictos de que trabalhos desta natureza representam uma
importante contribuição para o aprimoramento nas relações entre nós, fornecedores
de equipamentos e insumos, e vocês consumidores. Nosso trabalho tem sempre
o homem como centro de nossas preocupações; portanto, esperamos que as
informações aqui contidas sejam utilizadas como ferramentas, importantes que
são, para a conquista dos melhores resultados de qualidade e lucratividade em
cada unidade de produção, em cada propriedade deste País.
Boa Leitura!
05
Parte 1
Antes de adquirir seu
tanque de refrigeração
06
1. Introdução
A cadeia produtiva do leite vem observando nos últimos anos uma
constante e irreversível busca por qualidade e produtividade. Dentro deste
contexto, a coleta de leite a granel é uma realidade que veio para ficar, e os
Tanques de Refrigeração farão parte da realidade de um número cada uma vez
maior de produtores.
Por isso, esta Cartilha pretende apresentar os tipos de equipamentos
disponíveis n mercado e suas especificações, segundo aprovado em normas
oficias da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
2. Definições
2.1. O que é um Tanque de Refrigeração?
Um Tanque de Refrigeração é um equipamento destinado a armazenar
e manter o leite em condições adequadas e determinadas de resfriamento até
o momento da coleta a granel.
Nesta publicação, trataremos apenas dos equipamentos com controle
automático e destinados à instalação fixa em fazendas e/ou pontos de coleta de
leite, e tanques de duas ou quatro ordenhas.
2.2. Tipos de Tanques Refrigeradores de Leite
O Tanques Refrigeradores podem ser classificados em:
Tanque de duas ordenhas: deverá resfriar 50% do seu volume nominal
por ordenha, conforme sua classe de desempenho, podendo ser esvaziado
diariamente (24 h).
Tanque de quatro ordenhas: deverá resfriar 25% do seu volume nominal
por ordenha, conforme sua classe de desempenho, podendo ser esvaziado a
cada dois dias (48 h).
2.3. Nomenclatura
Para padronizar a nomenclatura e as definições usadas nos assuntos relativos
a Tanques de Refrigeração, colocamos no final deste manual um pequeno
glossário de termos comumente utilizados:
07
Tanque de duas ordenhas
08
Tanque de quatro ordenhas
09
3. Materiais indicados
para a fabricação
O corpo interno e todos os acoplamentos que estejam ou possam vir
a estar em contato com o leite deverão ser fabricados com aço inoxidável
austenítico, que deve estar de acordo com as normas determinadas para esta
matéria prima (ISO 683 e ISO/R 468), sobretudo nos itens de resistência à
corrosão, adequação para soldagem e rugosidade.
Os materiais usados para vedação deverão ser materiais atóxicos
resistentes a gordura, resistentes a agentes de limpeza e desinfecção em condições
normais de dosagem e temperatura, e não deverão contaminar o leite.
4. Recomendações gerais
para a construção
4.1. Corpo interno
A capacidade interna do tanque deve ser projetada de forma que o
volume nominal seja 90 a 95% do volume máximo e todos os cantos do interior
do tanque e as soldas não deverão ter raios inferiores a 3mm e a 6mm,
respectivamente, e os ângulos das soldas não deverão ser inferiores a 1,57
radianos (90o). Estes fatores são de fundamental importância para o rápido
escoamento do conteúdo do tanque e fácil limpeza do mesmo.
10
Exemplos de cantos internos inferiores a 2,36 radianos (135º) com raio R
4.2. Isolamento Térmico
O isolamento térmico garante a manutenção da temperatura do leite
armazenado. Quando maior e melhor o isolamento, menor será o gasto de
energia elétrica para manter esta temperatura. O meio isolante não deverá se
assentar no fundo e não deverá estar sujeito a deslocamento durante o transporte
ou a manutenção.
4.3. Tampas
Um tanque deverá ter uma ou mais tampas justas e autodrenantes que
se encaixem na(s) abertura(s) do corpo interno e tenham bordas voltadas para
baixo. As tampas deverão permitir a fácil inspeção e amostragem do leite e o
enchimento do tanque deve ser realizado sem que haja necessidade de sua
abertura.
As tampas dos tanques projetados para serem limpos manualmente
deverão ser construídas de forma que possam ser abertas para possibilitar a fácil
limpeza manual de todas as partes. No caso de tampas com dobradiças, as
mesmas deverão ser providas de suporte seguro para a posição aberta. Quando
apropriado, deve-se prover meios para garantir a segurança do operador durante
a limpeza. As tampas dos tanques projetados para serem limpos por meio de
métodos não manuais deverão permitir a inspeção de todas as partes que possam
vir a ter contato com o leite. Estes tanques não podem ter menos que uma
abertura com dimensões, no mínimo, equivalentes a uma elipse de 400 mm x
300 mm.
Procedimento manual de limpeza
4.4. Agitador
O dispositivo de agitação deve ser construído de forma que seja
fornecida proteção contra qualquer contaminação do leite proveniente de agentes
externos. O agitador deverá ser protegido de tal maneira que o operador não
possa ter contato com as partes em movimento e ser projetado de forma que
possa haver uma limpeza eficaz.
11
A vedações do eixo do agitador deverão ser de estrutura robusta e estar
projetadas de tal maneira que nenhum vapor d’água condensado, óleo ou outras
substâncias, que possam contaminar o leite, entrem em contato com o produto.
Caso o agitador não possua dispositvo que o desligue automaticamente
quando o tanque for desligado, a tampa deverá indicar (através de adesivo) de
forma visível e clara que o agitador tem que ser desligado antes da tampa ser
aberta. Este fator é de extrema importância para que se evitem acidentes com
os ordenhadores/operadores do tanque.
4.5. Descarregamento
Um tanque deverá ter uma drenagem para a água de limpeza. O orifício
de saída e o fundo do corpo interno devem ser projetados de tal maneira que
toda a água de limpeza escoe para a saída.
Quando a saída é projetada para uso também como escoamento de
leite, as seguintes exigências deverão ser observadas:
a) O ponto mais alto da parte interna da extremidade externa da canalização de
saída, incluindo a válvula de descarga, será mais baixa que a parte mais baixa
do fundo do corpo interno.
Posição da saída (linhas pontilhadas horizontais)
b) A canalização de saída deverá ser construída com aço inoxidável e deverá
ter um diâmetro interno de 50 ± 3 mm. A canalização de saída não deverá ter
mais de uma curva e uma junta. A válvula de descarga ou, se não houver
nenhuma válvula, a canalização de saída, terminará com um macho que deverá
ter uma tampa. O comprimento total da saída deverá ser o menor possível.
c) A distância do piso abaixo do dispositivo de descarregamento não deverá ser
inferior a 100 mm.
d) Com o tanque em sua posição de referência e contendo 40 l de leite, 39,8 l,
no mínimo, devem escoar, em 1 min, por gravidade.
4.6. Aterramento
12
É indispensável que o equipamento tenha um aterramento, que deverá ser feito
de acordo com as instruções do fabricante. A manutenção periódica se faz
necessária para que o aterramento conserve a sua principal função, que é a
proteção do operador.
4.7. Dispositivos de proteção
O equipamento elétrico deverá ser capaz de garantir a operação do
equipamento de refrigeração. O dispositivo de proteção deverá ser dimensionado
de acordo com reais necessidades elétricas do equipamento. Devera ser observada
a vida útil de cada dispositivo de proteção para que seja garantido o seu perfeito
funcionamento.
É obrigatório o uso de dispositivos de proteção contra descargas elétricas
e variações excessivas de tensão.
5. Controles, medidores e
instrumentos de avaliação de
funcionamento
5.1. Controle da temperatura do leite
O equipamento para o controle da temperatura do leite deverá operar
de forma satisfatória com qualquer volume que esteja entre 10% e 100% do
volume nominal e a temperaturas do leite de 0 a 35°C. Ele também deverá ser
capaz de suportar, sem perda da calibragem, temperaturas dentro do corpo
interno de –10 a +70°C e temperaturas ambientes de –10°C até a temperatura
operacional de segurança (TOS). Após desligado a 4,0 °C, o tanque deverá ter
temperatura de ligamento, no máximo, de 7,0 °C.
5.2. Comando elétrico
Deverá haver pelo menos uma chave de seleção de função que tenha
marcada uma posição DESLIGADO (OFF).
Exceto quando o agitador de leite for projetado para operar
continuamente durante o resfriamento e a armazenagem, ou quando houver
retardamento automático (veja abaixo), o agitador de leite e a unidade de
condensação de um sistema de refrigeração, ou a circulação do meio de
resfriamento de um sistema indireto, deverão operar normalmente junto com
o controlador de temperatura do leite e serão automaticamente controlados pelo
mesmo. Uma chave manual substituta também deverá ser fornecida.
Deverá haver meios de operar o agitador de leite durante a limpeza
automática.
13
5.3. Instrumento para medir a temperatura do leite
Todo tanque deverá ter um instrumento para medir a temperatura do
leite (em graus Celsius) em qualquer volume entre 10% e 100% do volume
nominal. Termômetros de vidro não deverão ser usados a não ser que tenham
um estojo protetor adequado para evitar que o leite entre em contato com o
vidro.
O instrumento deverá ser capaz de suportar, sem perda da calibragem,
temperaturas dentro do receptáculo interno de –10 a +70°C e temperaturas
ambientes de –10°C até a temperatura operacional de segurança (TOS), e não
deverá penetrar no corpo interno.
Em temperaturas ambientes de 5°C até a temperatura de desempenho
(TD) especificada, o erro do instrumento não deverá exceder 1°C entre 2 e
12°C, quando a temperatura do leite estiver se modificando a uma taxa inferior
a 10° C/h.
5.4. Escala medidora
A escala medidora deverá ser graduada de 10% ou menos até, no
mínimo, 100% do volume nominal. Cada divisão da escala medidora representará
um volume de, no máximo, 0,5% do volume nominal (deverá ser correspondente
ao volume contido em 1 mm de leite).
14
Parte 2
Após a aquisição do
tanque de refrigeração
15
6. Avaliando o
desempenho do seu
equipamento
6.1. Desempenho e eficiência de um tanque
refrigerador
O desempenho do tanque será especificado de acordo com a seguinte
classificação:
A) Número de ordenhas: os tanques deverão ser inicialmente classificados em
duas ou quatro ordenhas
B) Temperatura ambiente
Temperatura de
Classificação desempenho (TD) °C
A
38
B
32
C
25
Temperatura operacional
de segurança (TOS)°C
43
38
32
C) Tempo de refrigeração do leite
Tempo de resfriamento em horas
Classificação
I
II
III
IV
!
16
Todas as ordenhas
35 a 4°C
2,5
3,0
3,5
1)
Segunda ordenha
10 a 4°C
1,25
1,5
1,75
1)
O desempenho e as condições
pertinentes devem ser fornecidos
pelo fabricante, por exemplo, no caso
de pré-resfriamento.
Exemplo : Um tanque refrigerador classificado
como 4BII possui as seguintes características:
O número 4: indica que o tanque é de 4 ordenhas.
A letra B: indica que a temperatura ambiente a que o
tanque está submetido durante o teste de desempenho
é de 32 ºC e que a temperatura máxima de segurança
para o correto funcionamento do tanque é de 38 ºC.
O algarismo II: indica que o tanque deverá reduzir a
temperatura do leite de 35 ºC para 4 ºC em um período
máximo de 3 horas e, na segunda ordenha, deverá reduzir
a temperatura do leite de 10 ºC para 4 ºC em um período
máximo de 1,5 horas.
6.2. Taxa de refrigeração do leite e congelamento do
leite
- Se um tanque de duas ordenhas estiver vazio ou conter 50% de seu volume
nominal de leite a 4°C, e 50% do volume nominal de leite a 35°C for adicionado
de uma só vez, todo o leite deverá ser refrigerado a 4°C dentro do tempo de
refrigeração especificado.
- Se um tanque de quatro ordenhas estiver vazio ou conter 25, 50 ou 75% de
seu volume nominal de leite a 4°C, e 25% do volume nominal de leite a 35°C
for adicionado de uma só vez, todo o leite deverá ser refrigerado a 4°C dentro
do tempo de refrigeração especificado.
- Se um volume de leite correspondente a uma segunda ordenha for adicionado
ao tanque, o volume total de leite deverá ser refrigerado de 10°C para 4°C
dentro do tempo de refrigeração especificado
- As exigências acima serão aplicáveis a temperaturas ambientes entre 5°C e
a temperatura de desempenho (TD) especificada.
- Quando o tanque contiver entre 10% e 100% de seu volume nominal e for
usado em temperaturas ambientes entre 5ºC e a temperatura de desempenho
(TD) especificada, não deverá haver formação de gelo abaixo do nível de leite,
nem durante a refrigeração e tão pouco na armazenagem.
17
6.3. Agitador
A operação do agitador não deverá fazer com que o leite extravase quando o
tanque contiver qualquer volume de leite até 100% de seu volume nominal.
Estando o tanque com até 100% do seu volume nominal, o leite não poderá
transbordar do mesmo durante o processo de agitação.
Quando o agitador estiver em funcionamento, o mesmo deve parar
automaticamente caso a tampa do tanque for aberta.
6.4. Escoamento do leite
Após o escoamento, não poderá permanecer nenhum resíduo de leite no fundo
do tanque.
A distância mínima entre a saída do tanque e o piso deverá ser de 100 mm.
Com o tanque nivelado, o escoamento de um volume de 40 litros deverá ocorrer
em no máximo 1 minuto, por gravidade.
6.5. Sistema de refrigeração
É proibida a utilização de tanques refrigeradores que utilizem serpentinas no
sistema de refrigeração.
7. Limpeza
7.1. Tanques verticais e horizontais abertos
Procedimentos
18
1. Determinar a dureza da água, o teor de alcalinidade ativa e o teor
de cloro mínimo necessários para uma limpeza eficiente do equipamento de
ordenha. Os testes determinarão a quantidade necessária de detergente a ser
utilizada.
2. Imediatamente após o uso, enxaguar o sistema por completo com
água morna a 40o C.
3. Para equipamentos com limpeza automática preparar uma solução
de detergente alcalino clorado (esta solução deve ter 1.000 ppm de alcalinidade
ativa, 130 ppm de cloro e pH maior que 11) e água com temperatura entre 70o
e 75o C. Esta água deverá circular por 10 minutos. Não deixe que a temperatura
chegue a menos que 40o C no final da limpeza.
4. Drenar toda a solução de limpeza.
5. Uma vez por semana (ou diariamente) circular uma solução de
detergente ácido (pH menor que 3) à temperatura ambiente por 5 minutos.
Utilizar sempre a concentração determinada pelo fabricante. Após este
procedimento, repetir o item 3.
6. Sempre escovar as partes externas do equipamento com uma solução
de detergente alcalino para limpeza manual, utilizando escovas próprias para
este fim.
A régua de medição, bem como as partes
do agitador em contato com o leite também
devem ser limpos.
!
É proibido entrar no tanque para
realizar a limpeza do mesmo
A limpeza das partes externas deverá ser realizada com escovas apropriadas
19
7.2. Tanques horizontais fechados
Seguir as recomendações do fabricante, de acordo com as
particularidades de cada modelo.
8. Sete dicas para quem
vai adquirir um tanque
Dica 1: Pergunte qual a classificação do tanque que você está
adquirindo.
Por exemplo, um tanque 2AII significa que:
número 2 (dois): o tanque é de duas ordenhas;
letra A: a temperatura ambiente a que este tanque estará funcionando
é de 38 graus Celsius; a temperatura máxima de seguranca para o correto
funcionamento do tanque é de 43 graus Celsius.
algarismo II: significa que o tanque deverá rebaixar o leite de 35º para
4ºC, em um período de três horas e, na segunda ordenha, o leite deve ser
rebaixado de 10º para 4ºC, em um período máximo de 1,5 horas.
Dica 2: Realize o teste da drenagem do tanque.
O teste permitirá saber se o layout total do tanque e especificamente
a saída do leite foram construidos adequadamente. Encha o tanque com 40 litros
de água e abra a válvula de saida. Em um minuto, e utilizando somente a
gravidade, 39,8 litros deverão sair do tanque.
Dica 3: Pergunte ao vendedor qual a espessura da parede de
isolamento do corpo do tanque.
Quanto maior e mais densa, maior o isolamento do tanque. Quanto
maior e melhor o isolamento, menor será o gasto de energia do tanque para
manter o leite gelado.
Dica 4: Pergunte ao vendedor quais os componentes existentes
na caixa de proteção/ acionamento do tanque.
20
Veja abaixo alguns componentes e sua função:
Protetor contra descarga eletrica: o Brasil é o primeiro país mundial
em termos de incidência de raios. O protetor deve sempre estar presente na
caixa de proteção.
Relê de mínima e máxima: componente protetor contra variações muito
elevadas de tensão, desligando o tanque e, consequentemente, aumentando sua
vida útil
Relê térmico: protege contra altos picos de amperagem no equipamento,
desligando tambem o tanque e protegendo-o de maiores danos.
Pressostato de mínima: protege a unidade condensadora/tanque sobre
um eventual vazamento de gás, o que poderia compremeter seriamente o
funcionamento e vida útil da mesma.
Pressostato de máxima: protege a unidade condensadora/tanque de
elevadas pressões no sistema de frio, oriundas de sujeiras no sistema, as quais
podem danificá-lo permanentemente.
Dica 5: Pergunte ao vendedor se o tanque tem dispositivo de
segurança na tampa.
O dispositivo desliga automaticamente o agitador quando se abre a
tampa, mesmo com o tanque em funcionamento. Isto evita o risco de se ter
acidentes com o agitador em funcionamento e o operador.
Dica 6: Pergunte ao vendedor se o tanque tem válvula de serviço.
Esse equipamento permite colocar/regular a quantidade de gás no
equipamento sem necessidade de cortar a tubulação de gás, o que pode
comprometer posteriormente o funcionamento total do tanque.
Dica 7: Pergunte e veja o formato do agitador.
O agitador de leite deve misturá-lo vertical e horizontalmente. Portanto,
de preferência, os agitadores devem ter ângulo de inclinação adequado e formato
helicoidal.
21
glossário
Agitador: dispositivo para misturar o leite e promover transferência de calor
e garantir distribuição uniforme da gordura do leite.
Atmosfera ambiente: atmosfera ao redor do tanque e em frente ao condensador
resfriado a ar da instalação de refrigeração.
Ciclo de refrigeração: período entre duas coletas sucessivas de leite. Para
tanques de duas ordenhas, o ciclo de resfriamento é 24h. Para tanques de quatro
ordenhas, o ciclo de resfriamento é 48h.
Condições operacionais normais: estado durante o qual o tanque está em uso
para o resfriamento e armazenagem de leite, de acordo as exigências de seu
projeto, em que todos os acessórios estão funcionando efetivamente.
Consumo específico de energia: consumo de energia em watt/hora por litro
de leite resfriado, medido como o consumo médio de todos os componentes
(excluindo limpeza) durante um ciclo de resfriamento, sob as condições de
testes apropriadas para a classe de desempenho.
Controle automático: mecanismo através do qual o equipamento funciona,
sob condições operacionais normais, sem requerer a ação no operador.
Ordenha: quantidade de leite que, em uma operação de ordenha, é acrescentado
ao tanque.
Posição de referência: a posição especificada pelo fabricante para a correta
instalação e operação do tanque.
Sistema de refrigeração direta: sistema de resfriamento no qual o evaporador
do sistema de refrigeração está em contato térmico direto com o leite ou o corpo
interno.
Sistema de refrigeração indireta: sistema de resfriamento no qual o calor é
transferido do leite para o refrigerante através de um meio de resfriamento.
Tanque atmosférico: tanque cujo corpo interno é projetado para operar sob
pressão atmosférica.
Tanque a vácuo: tanque cujo corpo interno é projetado para operar a uma
pressão abaixo da pressão atmosférica.
22
Tanque com banco de gelo: tanque com um sistema de resfriamento indireto
no qual o meio de resfriamento é a água e se estabelece gelo no evaporador.
Tanque de duas ordenhas: tanque que deverá ser esvaziado para coleta de
leite todo dia e projetado para resfriar e armazenar seu volume nominal a cada
24h.
Tanque de quatro ordenhas: tanque que deverá ser esvaziado para coleta de
leite a cada dois dias e projetado para resfriar e armazenar seu volume nominal
a cada 48h.
Tanque refrigerador de leite a granel: equipamento para refrigeração a granel
e armazenagem a granel de leite cru fresco.
Temperatura ambiente: temperatura média da atmosfera ambiente. [Veja item
15.1]
Temperatura de armazenagem: temperatura média até a qual a temperatura
do leite a ser resfriado é reduzida para armazenagem.
Temperatura de desempenho (TD): temperatura ambiente a ser usada quando
da medição do tempo de resfriamento do leite.
Temperatura inicial: temperatura média do leite a ser resfriado no momento
de sua entrada no tanque.
Temperatura operacional de segurança (TOS): limite superior da faixa de
temperaturas ambientes nas quais o equipamento deve funcionar de forma
eficaz.
Tempo de refrigeração: tempo necessário para resfriar uma ordenha da
temperatura inicial para a temperatura de armazenagem, incluindo o período
de entrada no tanque.
Volume máximo: volume até o qual o receptáculo interno, em sua posição de
referência e sem agitação, pode ser enchido sem que haja extravasamento.
Volume nominal: volume de enchimento máximo permissível do tanque,
especificado pelo fabricante.
23
Fabricantes de tanques
refrigeradores
· Bosio Ordenhadeiras - Av. 10 de dezembro, 6877, Londrina - PR,
Fabiano Amaro/José Garcia Pretto, tel.: (043) 341-0560
· Dec Brasil Ltda - Av. Perimetral Norte, 96 Goiânia - GO,
tel.: (62) 597-2007, fax: (62) 597-2003, www.decbrasil.com.br,
[email protected]
· DeLaval - Campinas - SP, Fabiano Amaro, tels.: (019) 3208-4084 e
(19) 9602-7645, [email protected]
· Etscheid - Clóvis Gaviola, tel.: (14) 9652-4236, [email protected]
· Fockink Indústrias Elétricas Ltda - Caixa Postal 48, Panambi – RS,
Erli Vincensi, tel/fax: (055) 375-9500, www.fockink.ind.br
· Frigomor - Rua Arthur Rodrigues de Castro, 99, São Carlos - SP,
Rodolfo Falland, tel.: (16) 3363.4249, fax: (16) 3363 4242,
[email protected]
· GloboInox - Gilberto Moraes, tels.: (51) 488-1734 e (51) 488-5366,
[email protected]
· Líder Viaturas - Adail Mendes/Cleto de Azevedo, tels.:(32) 3722-3555
e (32) 3722-3555, [email protected], [email protected]
· Packo Plurinox do Brasil Ltda - Eric Almeida, tel.: (16) 3761-4144,
[email protected], [email protected],
www.packoplurinox.com.br
· Westfaliasurge do Brasil - Jaguariúna - SP, Fernando Sampaio,
tel.:(019) 3837-9500, [email protected]
24
Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite
Comitê de Equipamentos