Conquis tamos o 1º Prémio - Escola Profissional CIOR

Сomentários

Transcrição

Conquis tamos o 1º Prémio - Escola Profissional CIOR
Dezembro 2013 #46
E S C O L A
C I O R
o é Em pr ee nd ed or ”
et
oj
Pr
eu
M
“O
so
ur
Co nc
ré m io
C o n q u is ta m o s o 1º P
P R O F I S S I O N AL
Leitura s
SUMÁRIO
Junho 2013 #46
Leituras
ESCOLA PROFISSIONAL CIOR
FICHA TÉCNICA
Somos uma
Escola PRESSE
Associação de
Estudantes
P. 05
P. 07
04 Linhas Mestras
PROPRIEDADE
05 Em Foco
22 Livre-Trânsito
31 Daily English
Feira Medieval
34 InternaCIORizando
Estágios em Itália
P. 8
37 Entretanto
P. 10
Anedotas 37
Nova Oficina de CNC
Bem Escrever 37
P. 13
Cartoons 38
Raíz Quadrada 38
Intercâmbios na
Islândia e Itália
O Meu Projeto é
Empreendedor
Sabias Que 39
40 Check-List
P. 14
P. 17
Última Fila 42
Hot Point 44
48 Livros de Curso
P. 24
P. 21
A Droga e a Escola
Testemunhos
de Ex-Alunos
50 Em Alta/Em Baixa
51 ADN
(In)Confidências 51
Bilhete de Identidade 51
P. 29
P. 25
CIOR Internacional
P. 34
Livros de Curso
P. 48
Cooperativa de Ensino de Vila
Nova de Famalicão, C.R.L.
(Escola Profissional CIOR)
DIRETORA
Carla Oliveira
RECOLHA DE INFORMAÇÃO /
IMAGEM / FOTOGRAFIA
Arcélio Sampaio
Cristina Ferreira
REVISÃO DE PROVAS
Andreia Araújo
Carla Susana Azevedo
Joaquim Meneses
DESIGN GRÁFICO E PAGINAÇÃO
Pedro Veloso
DATA DE PUBLICAÇÃO
Dezembro de 2013
Entre Capas 40
Impressão em 3D
A Morte de
Cory Monteith
TÍTULO
Leituras CIOR
Edição Online
NÚMERO
46
PERIODICIDADE
Quadrimestral
TIRAGEM
1100 Exemplares
INÍCIO DE PUBLICAÇÃO
1998
DISTRIBUIÇÃO
Gratuita
MORADA
Rua Amélia Rey Colaço, 106
Apartado 48
4764 - 901 V. N. de Famalicão
GPS:
lat: 41.399684 | lon: -8.522847
Tel: 252 301 210
Fax: 252 301 219
http://www.cior.pt
[email protected]
DEPÓSITO LEGAL
290782/09
[2]
Editorial
Estamos orgulhosos e reconhecidos!
Dois alunos diplomados da CIOR foram
premiados no concurso “O Meu Projeto
é Empreendedor 2013”, promovido
pela Câmara Municipal de Vila Nova de
Famalicão, pela Associação Comercial e
pelo Centro de Emprego. Dos 28 projetos
concorrentes,
apresentados
pelas
diferentes escolas com cursos profissionais
do concelho, foram selecionados dez e
premiados 5, entre os quais 2 da CIOR.
Obtivemos o Primeiro Prémio (€1000) com
o projeto “Board Touch”, dos alunos Tiago
Sousa e João Silva, do curso de Eletrónica
Automação e Comando, e uma Menção
Honrosa com o projeto “Iluminação de
Emergência de um Estádio de Futebol”, do
aluno José Fernando, do curso de Energias
Renováveis. A entrega dos prémios
decorreu no passado dia 24 de novembro.
A capa deste Leituras documenta o facto.
Este ano letivo a CIOR começou a
implementar o Programa Regional de
Educação Sexual em Saúde Escolar
(PRESSE). Este programa está organizado e
será implementado segundo três grandes
temas: conhecimento e valorização do
corpo (figura corporal e fisiologia da
resposta sexual humana); em segundo
lugar, saúde sexual e reprodutiva
(fisiologia geral da reprodução, métodos
contraceptivos, infeções sexualmente
transmissíveis, gravidez na adolescência,
parentalidade no quadro de uma
saúde sexual e reprodutiva saudável
e responsável); e, por fim, expressões
de sexualidade e diversidade (ética da
sexualidade humana e sexualidade e
género).
Dá-se assim um grande passo na
formação integral e humanista dos
nossos estudantes. É-lhes facultada
mais uma oportunidade para crescerem
informados, fazerem escolhas conscientes
e responsáveis, viverem e planearem a sua
vida baseada em princípios que assentem
em conhecimentos científicos, fomentem
atitudes de respeito por si e pelos outros
e assentem a sua ação em valores de
igualdade, liberdade, responsabilidade.
Aos professores foi lançado este desafio
e fizeram formação nesta área. Este
ano, por ser o primeiro, não será fácil
dada a complexidade da sexualidade,
as múltiplas dimensões e a variedade
temática. Contudo, com recursos aos
meios materiais e humanos disponíveis,
com a seleção de estratégias adequadas,
com a colaboração e apoio dos diferentes
departamentos da escola, com muito
esforço e querer, será possível ultrapassar
os obstáculos.
CR
Antecâmara
Intercâmbios: muitos e bons
Esta é uma aposta da nossa escola que
pretende acompanhar a globalização cada
vez mais evidente. Trocam-se conhecimentos, culturas e experiências. Recebemos
professores e alunos dos mais diversos
países da europa e visitámos os países
parceiros. Este ano letivo já estivemos na
Islândia, Itália e Roménia, e outros estão já
em lista de espera. Os alunos aprendem de
forma diferente e enriquecem-se de uma
maneira muito mais profícua. Por isso, percam o medo de viajar de avião pois poderão ser os próximos!
CIOR aposta na tecnologia
Como já noticiamos anteriormente, surgiu na nossa escola uma nova oficina de
CNC. O curso de educação e formação de
adultos de Refrigeração e Ar Condicionado
e Climatização (RACC3) e outras turmas da
escola deram um contributo importante
para a instalação elétrica da dita oficina.
Está quase pronta, já cheira a novo e todos
estamos expectantes para a utilizarmos.
Impressão a 3D
Estamos aptos a imprimir objetos a três
dimensões. A nossa escola deu mais um
passo com vista à modernização!
Associação de Estudantes
Decorreu, em novembro a campanha
eleitoral para a eleição da associação de
estudantes. A animação foi muita durante a campanha e todos participaram. Foi
eleita a lista B para representar os alunos
neste ano letivo. Todos esperamos muito
de vocês! Arregrassem as mangas e mão
à obra.
Alunos Africanos na CIOR
Depois de saírem alunos moçambicanos
com os seus cursos e alguns aptos a dar
formação, chegaram mais três oriundos
daquela ex-colónia portuguesa. A língua
comum facilita a integração; a adaptação
far-se-á também sem grandes sobressaltos, pois a comunidade acolhedora tudo
fará para que estes jovens se integrem,
aprendam e, daqui a três anos tenham terminado com êxito o seu ciclo de formação.
Nascimentos
Como tem sido hábito, e por se tratar
de um momento de alegria ímpar, o Leituras noticia o nascimento do Francisco, o
primogénito, pois acreditamos que outros
se seguirão, da nossa professora e colaboradora do Leituras Carla Susana Azevedo.
Ela está de licença de maternidade, ocupadíssima com as novas tarefas de mãe, mas,
mesmo assim, à distância, quis ajudar-nos
na feitura do Leituras. Agradecemos a ajuda e deixamos aqui os mais sinceros votos
de felicidade para o pimpolho e para ti,
Susana.
CR
[3]
LINHAS MESTRAS
o
Útil
o
Fútil
A educação, a formação e a cultura são esteios angulares para a afirmação e consolidação de um país; fatores determinantes para a coesão
social das suas populações; motivação e esperança de um futuro melhor
para todos e para cada um dos indivíduos que nele vivem. Mesmo em
tempos de desumana e intensa crise nacional (e internacional), plurissetorial, não se pode desinvestir na educação e cultura. Nunca! A Educação
(pré-escolar, básica, secundária e universitária) e a cultura determinam
o futuro do país. Para se “cumprir Portugal”, mesmo sem quinto império,
temos de apostar, cada vez mais, na formação, educação e cultura exigentes, sérias e rigorosas, e em políticas educativas mais estruturantes,
bem gizadas, a médio e longo prazos e, responsavelmente, suprapartidárias.
Portugal investiu muito nas últimas três, quatro
décadas, neste setor, tendo em vista, utilmente,
a recuperação dos défices de educação e de formação da população portuguesa; a redução dos
níveis de saída precoce, dos alunos, do sistema
de educação; o aumento significativo de jovens a
frequentar formações profissionalizantes de nível
secundário; o incremento da população adulta à
formação; as melhorias físicas das escolas; o aumento e melhoria das qualificações dos portugueses; a taxa de escolarização nos diferentes
níveis de ensino, etc.
Portugal cresceu grandemente, tergiversou
muitas vezes, atingindo, por isso, resultados
satisfatórios. Temos um caminho longo e exigente a percorrer, que nos permitirá ombrear
com os países mais desenvolvidos da UE. Em
2010, o número de analfabetos ainda era
elevado e metade da população, entre os 15
e os 64 anos, tinha apenas o ensino básico
completo. O abandono escolar precoce volta, agora, a apresentar sinais preocupantes,
a emigração tem-nos levado pais e filhos,
que dificilmente serão escolarizados cá. A
desmotivação, na comunidade escolar, está
na ordem do dia. Há anos que o fim da crise e
o início do crescimento económico são apontados para o ano seguinte…
Ao longo destas quatro décadas, assistimos a pequenas revoluções na educação; a
bons e maus ministérios; boas e más reformas;
medidas úteis, fúteis e inúteis. O denominador
comum, que acarretou a resultados aquém dos
expectáveis, prende-se, regra geral, com jogos
de partidarite, minudências políticas, isto é, alterações aparentemente inócuas, por força da
circunstancial mudança dos decisores
políticos. Por certo, as boas medidas
consolidar-se-iam no sistema educativo se, entretanto, não fossem partidariamente truncadas e cerceadas, e produziriam
[4]
e o
Inútil
melhores e mais eficazes resultados se - e apesar da mudança das governanças -, houvesse tempo para a maturação, para o aperfeiçoamento,
para a avaliação séria e crítica da sua continuidade.
Para todos os protagonistas da máquina ministerial, nacional e regional, que se foram sucedendo, a educação foi uma paixão (que não tem
mais lenha por onde arder); a menina dos olhos (de alguns dos candidatos ao poder); as novas oportunidades (para inestimáveis eleitores), enquanto tal; o fazer mais com menos (de quem quer mostrar genialidade
e serviço); os portugueses, primeiro (em tom eleiçoeiro); o há mais vida
para além do défice e o seu contrário; a educação não é despesa (mas
há que cortar nas gorduras dos delgados portugueses)! E as promessas
eleitorais, tão psicadélicas e convincentes quanto depressa esquecidas
e vencidas, são varridas do alto do poder para debaixo
do tapete de um qualquer programa eleitoral, de um
qualquer partido, do dito arco…
Na verdade, passa-se velozmente da paixão ao
ódio de estimação de alguns agentes educativos; à
aposta irrevogável do ensino profissional, pospõese o vocacional e o dual; joga-se ao cara ou coroa
com o público e o privado; num golpe de magia,
desaparecem 500 centros, outrora oportunidades e
desígnio nacional. Tudo isto acompanhado de uma
profusão de Leis, Decretos, Portarias e Ofícios
que, quando começam a ser interpretados e entendidos, dissecados e aplicados, sob a influência da virtuosa e virtual autonomia das escolas,
muda-se o paradigma, destrói-se a matriz, estreita-se a banda - que já fora larga - do espetro dos cursos, altera-se os curricula, troca-se
a oferta educativa, aumenta-se ao número de
alunos por turma, remenda-se o já remendado
estatuto do aluno, mega agrupa-se, revoga-se o
até ali…, para início de uma nova via-sacra política educativa, futilmente legislativa.
Face aos desafios que defrontamos, e que
nos são colocados todos os dias pelo agudizar
da crise, julgamos que só através da educação, da
cultura e do desenvolvimento e aperfeiçoamento
pessoal e profissional, assentes no conhecimento
científico, técnico, tecnológico e inovador, no empreendedorismo e na competitividade, ao longo da
vida, poderemos sobreviver. Sabemos que a educação e a formação, com políticas consensuais, de longo prazo, devidamente planificadas, sem contrato a
termo, periódica e utilmente avaliadas e ajustadas por
agentes insuspeitos e competentes, serão decisivas
para o progresso do país; fatores determinantes para
a coesão social; fonte esperançosa de modernização e felicidade das pessoas e dos cidadãos
portugueses.
AD & JP
EM FOCO
Somos Uma Escola PRESSE
O PRESSE é o Programa Regional de Educação Sexual em Saúde Escolar,
promovido pelo Departamento de Saúde Pública da Administração Regional de Saúde do Norte e em parceria com a Direcção Regional de Educação
do Norte (DREN).
Este programa apoia a implementação da educação sexual nas escolas,
de uma forma estruturada e sustentada, envolvendo o trabalho conjunto
entre profissionais de educação e saúde escolar.
Sabendo que a educação sexual é uma importante dimensão da promoção e proteção da saúde e do processo global de educação, o PRESSE tem
como finalidade aumentar os fatores de proteção e diminuir os comportamentos de risco dos alunos em relação à sexualidade, incluindo-o nos projetos educativos e nos currículos das escolas quer do ensino básico quer
do secundário.
Neste sentido, a Escola Profissional candidatou-se em abril de 2013 a
integrar este Programa e constituir uma equipa-PRESSE multidisciplinar (2
Enfermeiras de saúde escolar e pela Psicóloga da escola) responsável pela
sua operacionalização na instituição. A formação de professores no âmbito
do PRESSE, decorreu nas instalações da CIOR, no período de 11 de Outubro a 25 de outubro, ao longo de 15 horas. Através de atividades dinâmicas
ativas e participativas, (como jogos, dramatizações, etc), a equipa-PRESSE
pretendeu desenvolver competências para melhorar a comunicação pedagógica e aumentar o nível de conforto em relação à sexualidade humana,
e, desta forma, aumentar o potencial de cada docente para agir no contexto escolar.
Os participantes deram o seu melhor, envolveram-se ativa e empenhadamente nas atividades que lhes foram propostas ao longo da formação.
e-PRESSE:
Fernanda David, Psicóloga
Fatima Gomes, Enfermeira especialista Saúde Infantil e Pediatria
Sameiro Jorge, Enfermeira especialista Saúde Infantil e Pediatria
O Primeiro Dia...
O primeiro dia de aulas foi marcado pela receção e boas-vindas aos alunos que pela primeira vez vieram para a nossa escola. Todos os pais, encarregados de educação e alunos foram convidados a conhecer a nova escola.
O acolhimento foi feito pelo Diretor Pedagógico da Escola, dedicando a
sua atenção a todos os presentes na cerimónia de abertura do novo ano
letivo. O discurso pautou-se, sobretudo, por dar a conhecer as regras da
Escola e a necessidade de conciliarmos esforços para que a sua missão seja
efetivamente profícua!
Os Orientadores Educativos estiveram também presentes e acompanham os novos alunos até à sala, para melhor se conhecerem.
Famílias, alunos, professores e comunidade educativa serão, portanto,
os pilares fundamentais na construção deste novo percurso.
Estava dado o sinal da partida para a etapa que durará três anos!
CR
[5]
Em Foco
Aniv e r s á r i o d o O ’ A M I S
O Sr. Vítor e a D. Elisabete chegaram a esta escola já lá
vão 10 anos e vieram para ficar. Desde a sua chegada, o
Bar da CIOR ganhou um novo aspeto, uma nova dinâmica
e até um nome: O’amis.
Principalmente na hora dos intervalos e do almoço, a
azáfama é muita. Uma sandes mista, um sumo, um prato
para o almoço bem abastado pois estes alunos são de
muito comer! Todos querem ser atendidos o mais rápido
possível e o Sr. Vítor e a D. Elisabete não têm mãos a medir. Sempre atentos às necessidades dos alunos, funcionário e professores, inovam, modificam e acrescentam
só para agradar aos clientes!
Para comemorar o décimo aniversário do Bar da CIOR,
houve bolo, sumo e todos foram convidados a participar
na festa! Cantou-se os parabéns e desejou-se ainda muitos anos de vida para esta parceria entre a nossa escola
e o bar O’Amis. Um brinde ao O’Amis!
CR
A D ef es a
da Pr o v a de A pt i d ã o P r of i s s i on a l (P A P )
É o culminar de três anos de aprendizagem e o aproximar do final de um curso muito desejado. Depois de
muitos módulos, estágios, relatórios e exames, vem a
defesa da PAP.
Um momento sempre muito emocionante e que leva
muitos alunos a situações de nervosismo incontroláveis
e também injustificáveis! Perante um júri atento e curioso, os alunos mostram que são merecedores do diploma
de qualificação profissional, nas várias áreas em que se
especializaram.
A PAP é um projeto concebido e executado pelo formando. É um projeto transdisciplinar integrador de todos os saberes e capacidades desenvolvidas ao longo da
formação.
É também um projeto pessoal estruturante do futuro
profissional do aluno e centrado em temas e problemas
por ele perspetivados.
Mesmo no final do último ano letivo, mais uma fornada defendeu, com unhas e dentes, os seus projetos,
e, como de costume, fomos surpreendidos pela positiva!
Como crescem e evoluem os nossos meninos!
CR
[6]
Associação de
Estudantes
Li s ta A
Lista B
Este ano letivo, à semelhança de outros, houve animação e muito,
muito barulho, durante a campanha eleitoral para a eleição da nova associação de estudantes.
É nestas alturas que conseguimos constatar que, quando têm obje-
tivos, os nossos alunos são capazes de mover montanhas! Tivemos um
autocarro descapotável, fogo cuspido por artistas, uma figura conhecida
da televisão e uma DJ famosa, e, claro, música, altíssima, quase a furar o
cérebro! A verdade é que a animação foi muita!
Depois do sufrágio eleitoral, de muita espectativa e nervosismo foi
constatado que a lista vencedora foi a B. Parabéns a todos e em especial
ao novo presidente da Associação de Estudantes da CIOR, Frederico Silva
da turma de Eletrónica Automação e Comando – EL19.
Deixamos um apelo: não percam o entusiasmo e façam tudo pelos alunos que vos elegeram!
CR
[7]
[8]
Em Foco
Fe ir a Medi eva l
20, 21, 22 e 23 de junho
Tal como foi prometido na última edição do Leituras, mostramos-vos
tudo sobre a Feira Medieval/Quinhentista realizada mesmo no final do
passado ano letivo, pela Escola Profissional CIOR, em terras de Vila Nova
de Famalicão.
Um feito memorável que vos convidamos a recordar!
O Rei esteve presente com o seu séquito; o clero deu as bênçãos, cui-
dando dos enfermos e peregrinos; a nobreza mostrou a sua riqueza e
o povo trabalhou para que nada faltasse. Houve mercadores, autos de
fé, assaltos ao castelo, jogos e animais, odaliscas, acrobacias, danças do
povo, banhos, banquete e baile medieval…
CR
[9]
Em Foco
Estágios em Itália
Nós, alunas do 12º ano de Animação Sociocultural, gostamos muito da nossa estadia em
Rimini, Itália.
Ao princípio foi um pouco difícil: um país
novo, uma cidade nova, uma língua nova, mas
rapidamente nos integramos. Rimini é uma cidade linda, histórica e acolhedora. Os estágios
propriamente ditos foram a parte que mais nos
assustou, pois estávamos sozinhas numa cidade totalmente diferente da nossa, mas acabou
por ser muito engraçado.
A Rafaela Silva esteve a estagiar com crianças na cidade ao lado: San Marino, e adorou.
Fez atividades com eles, brincou, ajudou nos
trabalhos de casa e gostou muito da compa-
nhia deles e da equipa
com quem trabalhou.
A Catarina Files trabalhou com idosos e, ao início, era quem estava mais
nervosa, mas, quando
conheceu a instituição, os
idosos e a equipa de trabalho começou a gostar
de imediato.
A Catarina de Castro e a
Tanita Freitas estagiaram
na mesma instituição. Ao
início o nervosismo era
tanto que até acabaram
por
se
perder no primeiro dia de estágio, e andaram atrapalhadas
a tentar descobrir a instituição
mas, rapidamente, a encontraram. Os idosos eram muito
acolhedores, a equipa também
e sentiram-se à vontade logo
de início. Gostam muito de trabalhar e fazer
atividades.
De uma forma geral, podemos dizer que é
uma experiência única e fantástica, e hoje, se
o tempo voltasse atrás, voltaríamos a tomar a
mesma decisão de estagiar em Itália.
Rafaela Silva, Catarina Files, Catarina de Castro
e Tanita Freitas, ASC10
Recolha de Sangue
CI O R S o l i d á r i a
Reforçamos a nossa cooperação com a Associação de Dadores de Sangue de Vila Nova de
Famalicão e o Instituto Português do Sangue
e, mais uma vez, organizamos uma colheita de
sangue na nossa escola.
A dádiva de sangue realizou-se no dia 7 de
novembro, tendo tido uma adesão significativa
por parte da comunidade escolar e ainda de
elementos externos à escola.
[ 10 ]
Esta atividade começa a ser
uma referência a nível do nosso concelho, merecendo elogios por parte da Associação de
Dadores de Sangue, que conta
com a nossa escola para reforçar o número de inscrições e de
dádivas no futuro.
Este ano, à nossa iniciativa, aliou-se a
PsyHelp – Centro Psicopedagógico e Psicoterapêutico, Lda, cuja equipa
multidisciplinar promove o
acompanhamento especializado nas áreas de psicologia,
terapia da fala, terapia ocupacional, medicina e orientação
escolar. Os representantes
desta instituição divulgaram
os serviços prestados. Todas as especialidades
são passíveis de ser comparticipadas pela Segurança Social no caso de crianças e jovens até
aos 24 anos.
A todos os que colaboraram nesta atividade
e neste ato de solidariedade, o nosso muito
obrigado!
O grupo disciplinar de Inglês
F1 in Schools
A Escola Profissional CIOR esteve presente na Final Nacional da competição F1 in Schools, no passado mês de julho, disputada nas instalações da Escola Secundária Camilo Castelo Branco, em V. N. de Famalicão.
Depois da fabulosa exibição na Final Regional, disputada em abril,
no Lago Discount, em Ribeirão – V. N. de Famalicão, na qual a equipa
Dragway, composta por seis alunos da turma de Mecatrónica Automóvel, MA4, da Escola Profissional CIOR, conseguiu, logo no seu ano de
estreia, obter um brilhante segundo lugar da geral e primeiro entre as
equipas Famalicenses. Recebeu, por este feito, um prémio que a Câmara Municipal de V. N. de Famalicão atribuiu e apurou-se para a Final
Nacional da competição, na qual se disputava o acesso à Final Mundial,
disputada no início de novembro em Austin, no Texas, na semana que
antecedeu a realização do G.P. de Fórmula 1 dos Estados Unidos da
América.
Depois da passagem à Final Nacional, a equipa Dragway começou imediatamente a trabalhar no sentido de angariar apoios que lhe permitissem aparecer ainda mais forte, conseguindo atrair para o seu projeto
um importante apoio por parte da poderosa multinacional Japonesa
Yokohama, que se dedica à construção e desenvolvimento de pneumáticos para estrada e competição, para automóveis, motociclos, veículos
agrícolas e pesados de construção. Além da entrada desta grande empresa, que assumiu o papel de patrocinador principal, a equipa garantiu
também o apoio do Café - Restaurante O’Amis, mantendo o apoio das
empresas Pneu Trofa, Torneiras Ofa, Joradeli, Auto Elétrica de Finzes,
Galvaza, Auto Augusto – Oficinas e Studio D – Publicidade, sem esquecer
os importantes apoios da Escola Profissional CIOR e da Câmara Municipal de V. N. de Famalicão.
Assim, a equipa Dragway partiu extremamente motivada para a disputa de um lugar na Final Mundial da competição. Teria de enfrentar mais
catorze equipas de todo o país, em provas técnicas como os prémios de
Engenharia e Marketing, as Apresentações Verbais e as Corridas, começando pelas primeiras, em que se apuravam as médias de tempo para
avaliação, e terminando com as Corridas Knock-Out, em que ia sendo
sempre eliminada uma equipa até restar, no final, a equipa mais rápida
de todas, sempre num sistema de “melhor de três” corridas.
A prova começou bem cedo, depois da chegada, os elementos da
equipa inteiraram-se do espaço a que teriam direito para instalar o seu
stand e trataram de levantar a documentação.
A montagem do stand ocorreu sem problemas e até fizemos sucesso
com um bolo, réplica do carro e do logótipo da equipa.
A equipa teve ainda a oportunidade de demonstrar o seu fair-play, ao
ajudar algumas outras equipas, de localidades distantes, com a cedência de materiais para a montagem dos seus stands. Uma atitude que foi
muito bem recebida e que fez, de imediato, aumentar bastante a popularidade da equipa junto das equipas adversárias e dos júris.
O primeiro dia de prova prosseguiu com a realização das Corridas de
Velocidade, em que era apurada a média dos tempos de cada carro nas
duas corridas realizadas em cada uma das duas pistas, assim como a visita do Júri de Marketing ao stand da equipa.
No segundo dia de prova, a equipa efetuou a Apresentação Oral do
seu projeto e defendeu as opções construtivas adotadas na montagem
do carro perante o Júri de Engenharia, provas estas que, infelizmente,
não correram tão bem como o esperado, pois o nível de exigência era
muito mais elevado que na Final Regional, facto que a equipa não estava
à espera, pois esta era a primeira participação na competição.
A prova da equipa finalizou com a participação nas Corridas de Knock-Out, que infelizmente, ditaram a nossa eliminação logo na primeira
ronda. Coube-nos em sorte enfrentar os vencedores desta competição
particular!
Seguiu-se a entrega de prémios. A equipa Dragway não venceu nenhuma competição e não conseguiu ser apurada para a Final Mundial,
infelizmente! Foi, no entanto, uma participação
bastante produtiva, pois
desta maneira percebemos o que precisamos
melhorar para atacar a
competição em 2014,
com reais expectativas
de conseguir obter um
dos dois lugares na Final
Nacional e participar na
Final Mundial, que será
disputada antes do G.P.
de Fórmula 1 dos Emirados Árabes Unidos, em
Abu Dhabi.
Pedro Silva, professor
[ 11 ]
Em Foco
F o r m açõ es Mo d ul a r es
Ce rti fi c ad as D ã o V i d a à C I OR
e m H o r á r i o N o t ur n o
As formações modulares certificadas têm
como principal objetivo o reforço das qualificações da população adulta ativa, dando um
contributo decisivo para o desenvolvimento
de competências críticas para a modernização
económica e empresarial da região.
Este ano letivo, à semelhança do que já
aconteceu em anos letivos anteriores, estão
a decorrer, desde setembro, um conjunto de
cursos modulares, com uma duração de 150
a 200 horas, em horário laboral e pós-laboral,
que reúnem um grupo numeroso de alunos,
que decidiram regressar à Escola e atualizar as
suas competências profissionais e académicas.
Assim, de segunda a sexta-feira, das 19:00h às
23:00h temos 357 alunos, que se distribuem
pelas mais diversas áreas, como a Mecânica
de Serviços Rápidos, a Refrigeração e Climatização, as Energias Renováveis, a Reparação de
TV, a Animação Sociocultural, as Necessidades Educativas Especiais, o Apoio à
Infância, a Logística e Armazenagem,
a Contabilidade e a Fiscalidade. Para
além destes cursos modulares, temos
também em funcionamento outras
formações com a duração de 50 horas,
nomeadamente nas áreas de Línguas –
Inglês, Francês e Espanhol, e Iniciação
à Informática.
Estes cursos de formação são organizados numa lógica de procura da
formação, sendo desenhados à medida das necessidades específicas dos candidatos que nos
procuram. As aulas procuram ser dinâmicas visando-se a aplicação prática das competências
a adquirir.
No próximo mês de janeiro estão ainda previstas arrancar outras ações, nomeadamente
nas áreas de Ação Educativa, Mecânica, Instalações Elétricas, Eletrónica e Automação,
Domótica, e Criação de Pequenos e Médios
Negócios, para além de ações de Línguas e Informática.
Nilza Jardim, coordenadora de formação modular
HALLO W E E N
Di a d a s B r ux a s
Época do ano propícia aos doces e às
travessuras que todos adoram comemorar!
A origem do Halloween remonta às
tradições dos povos que habitaram a
Gália e as ilhas da Grã-Bretanha entre
os anos 600 a.C. e 800 d.C., embora com
marca diferentes das atuais abóboras
ou da famosa frase “doçura ou travessura”, exportada pelos Estados Unidos,
que popularizaram a comemoração.
Originalmente, o Halloween não tinha relação com bruxas. Era um festival
do calendário celta da Irlanda, o festival
de Samhain, celebrado entre 30 de outubro e 2 de novembro e marcava o fim
do verão. A atual festa do Halloween é
produto da mescla de muitas tradições,
de muitos países.
Também na CIOR este espírito foi
incorporado e por todo o lado havia
medo e terror…
CR
[ 12 ]
CNC, a CIOR na
Vanguarda da Tecnologia
Nova Oficina na Nossa Escola
CNC são as inicias de Computer Numerical
Control, em português Controlo Numérico
Computadorizado. Como o próprio nome indica é um controlador numérico que permite
controlar máquinas, através de um computador, para a execução de peças complexas com
grande precisão. A introdução da tecnologia
CNC na indústria mudou radicalmente os processos industriais.
Sendo a CIOR uma escola de futuro e que
sempre acompanha o desenvolvimento tecnológico, a partir de janeiro de 2014 será possível
contar, nas nossas instalações, com um espaço
totalmente dedicado a esta área.
Do projeto à implementação da Oficina de
CNC foi um longo caminho. O curso EFA de
Refrigeração, Ar Condicionado e Climatização,
RACC3, sob orientação do professor Pedro Rocha, procedeu à organização, eletrificação do
espaço e à montagem das infraestruturas de
telecomunicações. Seguindo a tendência do
futuro e pretendendo evoluir cada dia mais, recorremos já interatividade de espaços através
da fibra ótica. Também o curso de Instalações
Elétricas, IE 14, teve a oportunidade de aplicar
na prática os conhecimentos teóricos adquiridos nas aulas de Desenho Esquemático, dando
um contributo importante no que concerne à
ligação da rede informática.
Fazemos obra com a mão-de-obra que temos!
Pedro Rocha, professor
[ 13 ]
Em Foco
INTERC
ISLÂNDIA
Intercâmbio Juvenil Bilateral
No período de 23 a 28 de setembro de 2013,
sete alunos da Escola Profissional CIOR, acompanhados de duas professoras, tiveram a oportunidade de visitar esta pequena
ilha localizada no norte da
Europa, no meio do Oceano Atlântico, com uma
beleza natural única no
mundo, cerca de 300 mil
habitantes e muitas coisas
inusuais para explorar - a
Islândia.
Ao contrário do que se
podia imaginar, o clima
não é tão gélido assim e a
Islândia nem sempre está
coberta de neve! A temperatura mínima foi de
11ºC, nada que um bom casaco não resolvesse
e neve apenas no cume das montanhas mais
altas. A chuva também esteve presente em alguns dos dias.
Destaques:
Ao longo dos dias em que decorreu o intercâmbio, o grupo visitou alguns dos melhores
destinos que a Islândia tem para oferecer:
- Hafnarfjörour: cidade onde o grupo ficou
hospedado e que fica localizada a apenas 15
km de Reykjavik. É a terceira maior cidade da
Islândia e conta com cerca de 23 mil habitantes.
É uma cidade interessante porque se encontra
sobre a lava do Monte Búrfell, que entrou em
erupção há mais de 6000 anos atrás. Num passeio a pé pela cidade, visitou-se o museu que
retrata a vida que os Islandeses tinham há cem
anos atrás e o parque natural, Hellisgerði, onde
se acredita viverem os elfos. Tempo ainda para
uma passagem pelo centro comercial desta cidade e para uns mergulhos na piscina de água
aquecida geotermicamente.
- Lagoa Azul: provavelmente uma das melhores experiências da viagem. De uma beleza
deslumbrante estas famosas termas de água
quente proporcionaram momentos de relaxamento e diversão.
[ 14 ]
- Caverna em Leidarendi:
a caverna, a cerca de 20 minutos de Reykjavic, situa-se
num belo local, rodeado por lava, campos cobertos de musgo e montanhas. Com um capacete e uma lanterna, exploraramos a caverna,
sendo um momento de aventura em que nos
pontos mais baixos tivemos de rastejar e, nos
mais altos, conseguimos parar e apreciar o “silêncio” e a escuridão do local.
- A Torre Imagine a Paz: edificada em 2007,
é uma obra da artista plástica Yoko Ono (viúva
de John Lennon), que a idealizou para homenagear o falecido Beatle e acabou por criar um
monumento-símbolo à paz mundial. Trata-se
de uma torre de luz, com a inscrição “Imagine a Paz” esculpida em 24 idiomas ao redor da
obra. Dessa torre, saem luzes de alto alcance
que iluminam o céu verticalmente duas vezes
por ano (data de nascimento e de falecimento
de Jonh Lennon).
A torre foi projetada e construída
na Ilha de Viðey.
Na caminhada por esta ilha,
onde chegamos
num
pequeno
barco,
desfrutamos ainda de
fabulosas paisagens e do contacto com alguns cavalos selvagens.
- Reykjavik: a capital da Islândia. Um pequeno passeio a pé para uma rápida visita e compra de pequenas lembranças. Tempo ainda
para ver, por fora, a catedral da cidade.
- Vulcão Helgafell: Após uma caminhada
de cerca de 30 minutos, por campos de lava a
apreciar a magnifica paisagem, o grupo
chegou, finalmente, à cratera do vulcão
cuja última erupção ocorreu há cerca de
200 anos. Foi possível descer, com relativa facilidade, a cratera do vulcão.
- Gullfoss: nome que quer dizer “Cascata de Ouro”. É uma cascata impressionante, localizada no sudoeste da Islândia. Fascinante pela dimensão e pelo
barulho da água.
- Þingvellir: é um dos lugares históricos mais importantes da Islândia. Foi
declarado Parque Nacional em 1928 devido à sua importância histórica, assim
como pelas características tectônicas e
vulcânicas.
- Geysir: visita aos géisers. Sem dúvida
que o mais emocionante foi ficar à espera da sua “explosão”.
- Perlan: edifício magnífico com um miradouro espetacular para a cidade de Reykjavik.
Esta semana foi também tempo de convívio
e partilha de ideias, costumes, tradições, almoços e jantares com as pessoas que, de forma
exemplar, nos acolheram. Não esqueceremos
o primeiro jantar do grupo, um churrasco no
lago Hvaleyrarvatn, que oferece um cenário
simplesmente mágico.
Ilda Dias e Augusta Salgado, professoras
ÂMBIOS
Depois de sabermos que tínhamos sido selecionados para o projeto “Just fall in love with
art” ficamos muito ansiosos por iniciar a nossa
aventura.
E foi assim que, no dia 4 de novembro, embarcamos para Bari via Milão. A escala permitiu-nos fazer uma breve visita a Bergamo,
onde comemos uma fantástica pizza na “Cittá
Veccia”.
Só chegamos a Manfredonia (nosso destino
final) de madrugada, depois de uma longa e
exaustiva jornada de 20 horas. Muito cansados, continuamos entusiasmados em conhecer
Itália em especial, a região sul.
No dia seguinte, logo pela manhã, fomos
do almoço, participamos num workshop
de pintura. Como somos muito sociáveis,
um aluno italiano convidou-nos para ver o
jogo de futebol do grande F. C. Porto.
No penúltimo dia da nossa aventura, fomos
visitar uma fábrica de queijo e tivemos oportunidade de provar queijo mozarela e ricota. Em
seguida, deslocamo-nos para o Monte Sant’
Angelo onde visitamos o Santuário de São Miguel o Anjo, príncipe dos anjos, local de grande
peregrinação religiosa e cujo altar esta escavado nas rochas. Visitamos também o castelo e
fomos presenteados com umas belas danças
tradicionais que os alunos locais nos prepararam com os seus belos trajes medievais.
ITÁLIA
Ao almoço fizemos um piquenique na Abadia que também tivemos a oportunidade de
visitar. Descobrimos que lá moram 3 monges
que vivem como ermitas. É de notar que este
mosteiro tinha sido destruído durante a Invasão Francesa, e em 1997 terá sido reconstruído e habitado até aos dias de hoje. E por fim
visitamos o Santuário San Pio, um belíssimo
santuário com uma arquitetura espetacular
desenhado por Enzo Piano.
Com muita pena nossa, chegamos ao último
dia da nossa aventura. De manhã, viajamos até
Barletta onde visitamos uma galeria com a exposição da obra de arte de De Nittis, um pintor
local, muito conhecido. Fomos também visitar
o castelo de Barletta.
Por fim, almoçamos no centro comercial. Foi
só o tempo de nós despedirmos de todos os
amigos que lá fizemos e seguimos de autocarro
para o Aeroporto de Bari.
E tudo acaba com o embarque no avião de
Milão-Porto para regressar às nossas casas.
Esta experiência foi espetacular. Contactamos com muitas culturas e tradições e desta
tivemos diferentes tipos de aprendizagens.
E’stata un’esperienza indimenticabile che
lascerà molti ricordi!
Cláudia Marques, ER7
João Aleixo, MA4
Ana Carvalho, ASC 10
Carlos Silva, IE14
Luís Batista, EL19
calorosamente recebidos pelos nossos novos
amigos italianos, alunos do Liceu Scientifico
Statale Galileu Galilei, que nos prepararam
um belíssimo espetáculo de arte. Lá, ficamos
a conhecer também os alunos participantes da
Polónia e da Bulgária. De seguida, almoçamos
com todos os nossos novos amigos.
Durante a tarde, tivemos o prazer de visitar
o Castelo de Manfredonia e o belíssimo Museu
Nacional Arqueológico. Neste museu, o mais
importante foi conhecermos a cultura da civilização de Daunia.
Na quarta-feira, logo pela manhã, fomos assistir a uma aula de Autocad. De seguida, fomos
visitar a Hipogea e a Basílica de Siponto. Após
esta visita, fomos convidados para almoçar em
casa de alguns estudantes italianos para nos
deliciarmos com pratos típicos de Itália. Depois
[ 15 ]
Em Foco
Jornada da Cidadania
O curso de Animação Sociocultural, nomeadamente a turma de 11º ano, realizou uma
atividade no âmbito da Jornada da Cidadania
que decorreu no dia 17 de outubro. A atividade teve início na escola D. Sancho I, passou
pela CIOR e terminou na escola Camilo Castelo Branco. A turma baseou-se no preconceito
e na discriminação racial com o objectivo de
sensibilizar a comunidade escolar para esta
temática.
ASC11
O Magusto na Nossa Escola
O significado de magusto segundo o dicionário Priberam da Língua Portuguesa é:
1. Fogueira de assar castanhas.
2. Porção de castanhas assadas nessa fogueira.
3. Merenda de castanhas assadas.
4. Festa, geralmente associada ao dia de S. Martinho ou ao dia de Todos os
Santos, em que tradicionalmente se assam castanhas.
Com decoração a preceito, castanhas assadas
e até jeropiga (só para alguns) a nossa escola não
deixou passar em branco a
comemoração do dia de S.
[ 16 ]
Martinho. Todos foram convidados a participar
no magusto. Houve bebidas e, claro está, castanhas quentinhas e boas.
CR
Vencemos o Concurso
“O Meu Projeto é Empreendedor”
A no i t e de 2 2 de n ov e mbro f o i m em o rá vel par a a CIOR e para
o s al u n os que s e de di ca r am e defenderam o s seus pr o jeto s
O projeto “board touch” ficou em 1º lugar e
a iluminação de emergência do estádio recebeu uma menção honrosa.
Dos 28 projetos concorrentes, foram selecionados dez e premiados 5, entre os quais 2
da CIOR.
A exposição dos dez projetos selecionados
decorreu na casa do território do Parque da
Devesa, de 11 a 22 de novembro. É de referir
que a “Casa do Território” recebeu a visita de
muitos alunos e familiares que pela primeira
vez contactaram de perto com as magníficas
instalações, ao serviço dos Famalicenses. Ocorreu entretanto uma apresentação e defesa dos
projetos, pelos respetivos alunos, que teve lugar no dia 16 de novembro, na presença de um
júri. A sessão de encerramento do evento com
a divulgação dos premiados ocorreu numa sessão aberta ao público no dia 22 de novembro.
Um quadro interativo que dispensa suporte
físico, podendo ser projetado e utilizado sob
qualquer superfície com o mesmo grau de interatividade dos normais quadros interativos,
foi a ideia desenvolvida pelo Tiago Sousa e
pelo João Silva, alunos diplomados do curso de
Eletrónica Automação e Comando, da Escola
Profissional CIOR, que conquistou o júri da fase
final do concurso “O Meu Projeto é Empreendedor”. Com custos mais reduzidos e com a facilidade em se poder projetar a imagem numa
superfície existente, por exemplo uma parede,
o projeto pode ser um grande sucesso.
Um outro projeto, “Iluminação de emergência de um estádio de futebol” com recurso a
iluminação de recurso baseada num sistema autónomo fotovoltaico, que pela
sua natureza terá um
tempo de resposta
de poucos segundos,
comparativamente
aos grupos de emergência, cujo tempo
de resposta poderá
ser de alguns minutos, colocando assim
em risco a segurança
de pessoas e bens,
teve, com todo o mérito, uma menção honrosa. O autor foi o nosso
aluno José Silva, diplomado do Curso de Energias Renováveis.
Lembramos que, o concurso é uma iniciativa
da Rede Famalicão Empreende, em colaboração com a ACIF - Associação Comercial e Industrial de Famalicão e tem como objetivo fomentar o empreendedorismo e pretende destacar
Provas de Aptidão Profissional (PAP) mais empreendedoras apresentadas a júri de avaliação
pelos alunos finalistas dos cursos profissionais.
As ideias a concurso deverão ser inovadoras
e empreendedoras, apresentando um potencial para virem a ser integradas e/ou desenvolvidas nas empresas/instituições da região.
As ideias deverão ser suscetíveis de dar origem ao aparecimento de um novo produto/
serviço/processo produtivo ou de melhorar
claramente um produto/serviço/processo produtivo já existente.
Foi um caminho longo, cheio de expectativas
e sobretudo com um grande querer e acreditar
que com empenho, dedicação e gosto pelo saber se podem concretizar sonhos.
Para estes alunos e para a nossa escola, este
foi um acontecimento que deixará as suas marcas e poderá indiciar o princípio de um futuro
diferente.
O reconhecimento público do trabalho desenvolvido deverá ser motivador para novos
projetos, que no decorrer do presente ano
letivo se enquadrem nas normas do concurso
e possam assim candidatarem-se a um dos
prémios, dum evento que pela qualidade já demonstrada é merecedor do aplauso de todos
nós.
Manuel Vieira, professor
[ 17 ]
Em Foco
O Parlamento dos Jovens é uma iniciativa
da Assembleia da República realizada em parceria com o Instituto Português do Desporto e
Juventude, I.P., o Ministério da Educação e as
Regiões Autónomas.
Os objetivos desta iniciativa são, sobretudo,
divulgar, junto dos jovens, os valores e as práticas democráticas; incentivar o seu interesse
pela participação cívica e política; dar a conhecer a organização e funcionamento do Parlamento, enquanto órgão representativo dos
cidadãos portugueses, entre outros.
Tema para o debate no ano letivo 2013/2014
Este ano a Comissão Parlamentar de Educação, Ciência e Cultura propõe aos jovens que
debatam nas suas Escolas o tema: “Crise Demográfica: Emigração, Natalidade e Envelhecimento”.
Como se processa o Programa
 1ª Fase (até 25 de janeiro de 2014):
Na Escola
- Debate do tema proposto e processo eleitoral na Escola.
- Realização da Sessão Escolar para aprovar
o Projeto de Recomendação da Escola e eleger
os representantes às Sessões Distritais/Regionais.
 2ª Fase (entre 10 de março e 1 de
abril de 2014): No Distrito ou Região Autónoma
- Realização das Sessões Distritais/Regionais,
com os alunos que representam as Escolas de
cada distrito, ou Região Autónoma, para aprovar as Recomendações a submeter à Sessão
Nacional do Parlamento dos Jovens e eleger os
deputados que os vão representar nesta Sessão.
 3ª Fase (26 e 27 de maio de 2014):
Na Assembleia da República
- Realização da Sessão Nacional do Parlamento dos Jovens na Assembleia da República
na qual se aprova, após debate em Comissões
e Plenário, a Recomendação final sobre o tema.
Para mais informações consultar:
http://app.parlamento.pt/webjovem2014/
index.html
Carla Saldanha, professora
Visita à exposição “Promised land”
Casa das Artes
Meteram pés ao caminho! Professores e
alunos da turma Mecatrónica Automóvel, 11º
ano, seguiram por terra firme e sem a “fúria
das ondas” do “mar traiçoeiro”! Movia-os a
curiosidade de ver a exposição de pintura de
Georgina Efigénio, Promised Land - Lampedusa, o portão da Europa - entre o sonho e o pesadelo.
Chegaram enxutos,
seguros, à Casa das
Artes! A visita prometida! Não a terra prometida onde – dizem há pão, emprego, uma
vida melhor!
Eis ali, em cada tela,
em cada rosto – a humanidade toda! As
[ 18 ]
palavras são pequenas para descrever sentimentos, mas arriscamos a dizer que revolta, injustiça, indignação descrevem esta exploração
e transporte desta mercadoria humana. E “O
mar traiçoeiro sem qualquer critério / reduz o
fundo a um cemitério…” como escreveu e cantou Ivo Machado, cúmplice da autora e nosso
anfitrião.
Além do “Obrigado” pelas partilhas, aplaudimos e enaltecemos o exercício diário de uma
cidadania universal que ambos põem em prática através da pintura, das palavras, do canto,
da música…
J. Meneses, professor
RACC3 em Visita à RTP
No dia 23 de outubro de 2013, o curso EFA
de Refrigeração, Ar Condicionado e Climatização, RACC3, foi fazer uma visita à RTP, em Vila
Nova de Gaia, acompanhada pela professora
Augusta Salgado.
À chegada, o grupo foi recebido pelo Eng.
David Guimarães do Média Parque/Dep Técnico e pelo Relações Públicas da RTP que lhes fez
uma visita guiada aos diversos estúdios e lhes
explicou o funcionamento de uma estação de
televisão e de como são feitas as gravações dos
programas. O grupo teve ainda oportunidade
de assistir a um programa de rádio em direto
e de visitar os diferentes serviços de apoio,
como o gabinete onde se procede à caracterização dos pivôs de televisão e convidados dos
programas.
Os formandos ficaram a perceber melhor o
funcionamento de uma estação de televisão e
da gravação dos seus programas, tendo tirado
várias fotografias durante toda a visita. No fim,
o grupo tirou uma fotografia com o Eng. David
Guimarães e o Relações Públicas, que estiveram sempre disponíveis para dar todas as explicações sobre os diferentes programas.
Todos gostaram e aprenderam muito com
esta visita.
Augusta Salgado, professora
ER 7 em Busca
da Ferrugem Perdida
Foi uma manhã de aulas diferente a do dia
27 de novembro. A turma, logo pelas 8.30h da
manhã, saiu da escola rumo a Arnoso Santa Eulália, onde realizou uma visita de estudo à empresa ARNOMETIL, Decapagem e Metalização
de Arnoso, Lda.
Esta visita de estudo foi realizada no âmbito
do módulo 8 de Tecnologias e Processos, um
módulo que incide sobre a corrosão, em particular de superfícies e estruturas metálicas.
A ARNOMETIL é uma empresa que se de-
dica ao tratamento anti-corrosivo do ferro. O
nosso guia, o sr. Rui Lopes, depois de nos fornecer máscaras de proteção para as vias respiratórias, levou-nos para a parte produtiva
da empresa onde nos deu a conhecer os três
principais processos existentes na empresa: a
limpeza, a metalização e, por último, a pintura
do ferro. Aprendemos também que a pintura
não é só usada para parte estética, mas também para dar uma maior resistência à corrosão
e durabilidade ao ferro e estruturas.
A turma é da opinião de que esta visita de
estudo à ARNOMETIL foi bastante interessante, na medida que nos permitiu um maior
conhecimento sobre os métodos de proteção
contra a corrosão – um problema sempre presente nas estruturas que nos rodeiam – o que
poderá ser importante para o nosso futuro
profissional.
Cláudia Marques, ER7
[ 19 ]
Em Foco
Na Universidade Lusíada
de Vi l a Nov a de Fa malicão
A Universidade Lusíada organiza anualmente
A Semana da Ciência e Tecnologia que é promovida pela Associação Ciência Viva – Agência
Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica. As atividades propostas proporcionam aos
alunos do ensino secundário uma oportunidade de aproximação à realidade do ensino
superior e da investigação científica, através
da participação dos jovens em atividades e demonstrações em laboratórios da Universidade.
No caso concreto deste Workshop, os alunos
assistiram e colaboraram ativamente numa
sessão de ensaios laboratoriais de uma bomba
de calor.
A presença na Universidade Lusíada da turma de Energias Renováveis, ER6, teve um cariz
transversal e como tal a deslocação foi planificada de modo a integrar vários objetivos. Assim, no âmbito do programa da disciplina de
Tecnologia e Processos, do curso de Técnico de
Energias Renováveis, onde são estudados te-
[ 20 ]
mas relacionados com a energia térmica, as suas características, aplicações e
ensaios variados, o professor da disciplina aproveitou a circunstância para
proporcionar uma aula de campo, em
colaboração com o docente universitário que liderou a ação.
A sessão decorreu de forma dinâmica e participada com a colocação
de algumas questões pertinentes que
foram respondidas com recurso aos
meios colocados à disposição dos alunos e com a exposição esclarecedora do Prof.
Dr. Carlos Rego.
Seguiu-se uma visita às instalações e restantes laboratórios da Universidade, onde os alunos puderam contactar de perto com projetos
elaborados nas suas instalações.
Alguns alunos da turma envolvida, tiveram
uma atitude muito positiva, quer pelo seu
comportamento, quer pelo seu entusiasmo,
quer ainda pela atenção prestada nos momentos de aprendizagem.
No final foi-lhes solicitada a
redação de um relatório alusivo à visita onde registaram o
que de mais importante lhes
foi proporcionado observar.
Pode dizer-se que o saldo
da participação foi extremamente enriquecedor para os
nossos alunos uma vez que tiveram a oportunidade de assistir a formas diferentes de trabalhar e ao mesmo tempo tomar contacto com
as novas tecnologias afetas à investigação. Foi
ainda importante o contacto dos alunos com
a realidade universitária proporcionando-lhes
assim novos horizontes de vida. Pode, por isso,
dizer-se que as expectativas e objetivos inicialmente formulados foram ultrapassados.
Manuel Vieira, professor
Impressão
em 3 D
Nova Te c n o l o g i a n a C I O R
A CIOR não se deixa atrasar no tempo, e se
há coisa de que nos orgulhamos é que tentamos dar sempre aos nossos alunos as mais modernas tecnologias e ferramentas existentes no
mercado.
Prova disso é a futura aquisição de máquinas
CNC, para as quais já estamos a finalizar a oficina que as irá receber (ver página 13). Outra
prova é a recente adquisição de uma máquina
para impressão em 3D.
Esta máquina realiza as mais diversas peças,
desde as mais simples às mais complexas, em
vários tipos de plástico e em duas cores em
simultâneo. Com uma precisão de 0,1mm e
dimensões máximas de 25x16x15cm podemos,
agora, por exemplo, realizar peças para os
protótipos dos diversos projetos dos nossos
alunos.
É intenção da escola colocar esta máquina,
também, ao serviço da comunidade, desde
o particular, às empresas, engenheiros,
arquitetos, designers, entre outros.
Pedro Veloso, professor
[ 21 ]
L i v r e - Tr â n s i t o
Saber Comer...
Em Bom Português
Na edição de março de 2013 do Leituras
partilhei convosco o artigo “Um bom garfo…”
onde se discutiam preocupações alimentares
associadas principalmente a estilos de vida
inadequados e maus hábitos alimentares. Entre vários conselhos, nesse artigo dei especial
destaque à necessidade da promoção de uma
alimentação variada, regrada e saudável. Ora
neste contexto, a Roda dos Alimentos detém
um papel fundamental. Mas de onde surgiu
esta roda afinal? De certeza que é uma “americanice” ou então… já sei foram os alemães…!
Nem pensar! A Roda dos Alimentos “fala”
bom português. Sim, é verdade! A Roda dos
Alimentos é uma representação gráfica criada
em Portugal em 1977, no âmbito da Campanha
de Educação Alimentar “Saber Comer é Saber
Viver”, que ajuda a escolher e combinar os alimentos que deverão fazer parte da alimentação diária.
A evolução dos conhecimentos científicos e
as diversas alterações na situação alimentar
portuguesa conduziram à necessidade da sua
reestruturação. A Roda dos Alimentos inicial
era composta por cinco grupos de alimentos
sem indicação das porções recomendadas por
dia:
I - Leite e derivados
II - Carne, peixe e ovos
III - Óleos e gorduras
IV - Cereais e leguminosas
V - Hortaliças, legumes e frutos
A nova Roda dos Alimentos mantém o seu
formato original, pois este é já facilmente identificado e associa-se ao prato vulgarmente utilizado. É composta por 7 grupos de alimentos de
É um símbolo em forma de círculo que se divide em setores de diferentes tamanhos que se
designam por Grupos e que reúnem alimentos
com propriedades nutricionais semelhantes.
Muitos outros países adotam uma pirâmide
dos alimentos que, na opinião dos especialistas nacionais, não representa aquilo que deve
ser uma alimentação saudável, ou seja, completa, equilibrada e variada. É que a pirâmide
hierarquiza os alimentos, dando assim mais
importância a uns que a outros. E isto não está
correto, pois deve dar-se igual importância a
todos os alimentos.
[ 22 ]
diferentes dimensões, onde é indicada a proporção de peso com que cada um deles deve
estar presente na alimentação diária:
I - Cereais e derivados, tubérculos – 28% (4
a 11 porções)
II - Hortícolas – 23% (3 a 5 porções)
III - Fruta – 20% (3 a 5 porções)
IV - Lacticínios – 18% (2 a 3 porções)
V - Carnes, pescado e ovos – 5% (1,5 a 4,5
porções)
VI - Leguminosas – 4% (1 a 2 porções)
VII - Gorduras e óleos – 2% (1 a 3 porções)
Por detrás desta reestruturação estiveram
a promoção dos valores culturais e sociais dos
portugueses e a promoção de produtos tradicionais como o pão, o azeite ou as hortícolas.
Além disso, foram ainda considerados objetivos pedagógicos e nutricionais. A nova versão
subdivide alguns dos anteriores grupos e estabelece porções diárias equivalentes, para além
de incluir a Água no centro desta nova representação gráfica por se encontrar em todos os
alimentos. Por ser um bem tão essencial à vida,
recomenda-se o seu consumo diário na ordem
dos 1,5 a 3 litros.
Arcélio Sampaio, professor
Fontes:
www.apn.org.pt
pt.wikipedia.org
O Mundo... Últimas
Argentina: Vitória de Tóquio
No dia 7 de setembro de 2013, o Comité Olímpico Internacional, reunido em Buenos Aires, escolheu a cidade de Tóquio para organizar os Jogos
Olímpicos de 2020, derrotando as candidaturas de Madrid e Istambul.
Tendo acolhido os Jogos Olímpicos pela primeira vez em 1964, Tóquio
vai receber a competição pela segunda vez (em 1940 também foi escolhida para organizar o evento, mas este foi cancelado por causa da II
Guerra Mundial).
EUA/Rússia: Acordo sobre a Síria
O Secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e o Ministro dos
Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, reunidos em Genebra, a 14
de setembro, chegaram a acordo para a destruição das armas químicas
da Síria.
A destruição do arsenal químico sírio terá de estar concluída até meados de 2014.
Grécia: Neonazi Mata “Rapper”
Na madrugada de 17 para 18 de setembro, o rapper e esquerdista grego Pavlos Fyssas é assassinado, à porta de um bar, por um militante do
partido de extrema-direita, o Alvorada Dourada.
Quénia: Ataque a Centro Comercial
No dia 21 de setembro, um grupo de terroristas da milícia radical islâmica somali Al-Shabab, próxima da Al-Qaeda, tomou de assalto o centro
comercial de Nairobi e fez reféns cerca de mil pessoas. O ataque durou
três dias e fez mais de 70 mortos.
Alemanha: O Triunfo de Merkel
O partido (CDU/CSU) da Chanceler Angela Merkel ganhou, a 22 de setembro, as eleições legislativas com 41,5% dos votos. A oposição socialdemocrata obteve 25,7% dos votos, os verdes 8,4%.
Os liberais (FDP), a Alternativa pela Alemanha e o Partido Pirata não
atingiram o mínimo de 5% e, por
isso, ficaram afastados do Parlamento.
EUA: Administração em “Shutdown”
No dia 1 de outubro, a Administração Obama deu início ao processo
de suspensão de serviços públicos
federias não essenciais. O processo
é designado de shutdown (encerramento).
Esta decisão foi tomada após o bloqueio dos Republicanos ao novo
orçamento, estes exigem o adiamento da lei de cuidados de saúde
(“Obamacare”).
Itália: Tragédia em Lampedusa
Cerca de 360 pessoas perderam a vida, no dia 3 de outubro, no naufrágio de uma embarcação proveniente da Líbia, quando tentavam chegar à
ilha italiana de Lampedusa.
A bordo do barco seguiam cerca de 500 imigrantes clandestinos.
União Europeia: Prémio Sakharov
O Parlamento Europeu atribuiu, no dia 10 de outubro, o Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento 2013 a Malala Yousafzai, de 16
anos. Defensora do direito das mulheres à educação, Malala foi ferida
com gravidade por talibãs paquistaneses.
União Europeia: Espaço Schengen
O Presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, anunciou, a 11 de
novembro, que a Roménia e a Bulgária não entrarão no Espaço Schengen a 1 de janeiro de 2014.
Carla Saldanha, professora
[ 23 ]
Livre-Trânsito
Cory Monteith (1982-2013 )
Um acontecimento trágico para todos os
espetadores de Glee, uma série da Fox, que
mistura música, drama, humor (irreverente) e
crítica social. Tal como eu, todos os grandes fãs
de Glee ficaram chocado com a morte de Cory
Allan Michael Monteith, ator que interpretava
a personagem de Finn.
Cory foi um ator e cantor canadense, mais
conhecido pelos seus papéis como Finn Hudson na série televisiva Glee e como Charlie Tanner, na série Kyle XY, da ABC Family.
Em 31 de março de 2013, foi anunciado que
Monteith, voluntariamente, se internou numa
clínica para tratamento de toxicodependência.
Monteith já havia recebido tratamento ante-
[ 24 ]
riormente, aos dezanove anos. O último tratamento havia sido concluído em 26 de abril de
2013.
Em 13 de julho de 2013 Cory foi encontrado
morto num quarto no hotel The Fairmont Pacific Rim, em Vancouver. Apesar da polícia de
Vancouver não ter conseguido determinar de
imediato a causa da morte, são fortes os indícios de overdose, dado o seu histórico de luta
contra as drogas. Na altura, a sua assessora
declarou: “Estamos muito tristes ao confirmar
que os relatos sobre a morte de Cory Monteith
são precisos. Estamos em estado de choque e
de luto por esta trágica perda”.
Ao que tudo indica a morte de Monteith
ocorreu após misturar heroína e álcool. O corpo do ator foi
cremado em Vancouver, Canadá, numa cerimónia privada
apenas para a família e para
a namorada Lea que também
participava na série Glee onde
fazia o papel de Rachel.
A cerimónia fúnebre de
Cory Allan Michael Monteith
decorreu no dia 16 de julho.
Será para sempre recordado como um grande ator e cantor que vai ficar no coração e na
memória de todos os seus fãs enquanto grande
profissional que era.
Recolha de informação e adaptação por
Célia Silva, HSTA7
Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cory_Monteith
Quem Escolhe o Caminho és
TU
e
NÃ O A D R O G A !
O uso de drogas apresenta-se como uma problemática atual que cresce dia após dia e muitas
vezes percebe-se que as
pessoas não estão preparadas para enfrentar essa
situação.
A Droga e a Escola
Aquilo a que habitualmente chamamos de
“drogas”
corresponde
na realidade apenas às
drogas psicoativas, que
atuam a nível cerebral,
modificando a sensibilidade, o modo de pensar
e, muitas vezes, de agir.
Nelas estão incluídas,
além de substâncias ilegais como a marijuana,
a heroína e a cocaína, os
medicamentos para emagrecer que contenham anfetaminas, nicotina,
álcool e cafeína.
Cada vez mais estas substâncias se encontram “à mão de semear”, sendo muitas as facilidades de acesso e obtenção. Muitas vezes
a maioria dos alunos utilizam as drogas por
curiosidade, influência dos amigos, vontade,
desejo de fuga (principalmente de problemas
familiares), coragem para tomar uma atitude
(e que sem o uso de tais substâncias não tomaria), dificuldade em enfrentar e/ou aguentar
situações difíceis, hábito, dependência, rituais,
busca por sensações de prazer, de relaxamento ou estimulação, etc.
As drogas são:
1 - Substâncias que destroem a
vida da família e provoca a morte de
quem consome.
2 - Substâncias que causam dependência.
3 - Substâncias que levam o consumidor a cometer delitos, entre
outros.
Qual o papel da escola na prevenção do uso
indevido de drogas?
A escola tem um papel importante na prevenção do uso de drogas, não apenas por ser
um local onde os jovens passam grande parte do seu tempo, mas também, pelo facto do
período escolar favorecer a aquisição de novos
conhecimentos por meio de atividades de prevenção e trabalhos sobre saúde desenvolvidos
pela escola.
Para que uma intervenção e promoção de
saúde tenham sucesso, é necessária uma ati-
tude compreensiva dos pais e educadores,
que devem observar o aluno no seu dia-a-dia.
Ao mesmo tempo, todos os jovens devem ser
estimulados a praticar atividades como o desporto, a música e trabalhos manuais. O objetivo é que o aluno crie vínculos saudáveis que
o incentivem a não experimentar as drogas e
dê preferência a outras atividades bem mais
recompensadores.
Recolha de informação e adaptação por
Carina Bastos e Eidilene Monteiro, HSTA7
Fontes:
http://www.slideshare.net/Fernnandaok/
slide-drogas-no-contexto-escolar
http://www.interscienceplace.org/interscienceplace/article/viewFile/150/213
http://meuartigo.brasilescola.com/educacao/educacao-prevencao-questao-drogasnas-escolas.htm
[ 25 ]
Livre-Trânsito
Formação Modular Certificada
Plano de Formação 2013 - 2014
CURSOS
•Inglês, Francês, Espanhol
- Iniciação e Continuação
(50 h)
•Informática (50h)
•Primeiros Socorros (25h)
•Fundamentos Gerais de
Segurança/Higiene no
Trabalho (25h)
•Logística e Armazenagem
(200 h)
•Marketing (200h)
•Fiscalidade/Contabilidade
(200h)
C o n d i ç õ e s d e Fr e q u ê n c i a
Ativos empregados e desempregados,
com idade superior a 18 anos, com
o 6º, 9º, 12º ano. Os licenciados
desempregados também são elegíveis
Regalias
Subsídio de alimentação,
certificado de qualificação,
seguro, material escolar
•Necessidades Educativas
Especiais (200h)
•Mecânica de Automóveis
Ligeiros (200h)
•Ar Condicionado e
Climatização (200h)
•Energias Renováveis (150h)
•Eletricidade de Instalações
(200h)
•ITED (100h)
•ITUR (100h)
•Reparação de
Eletrodomésticos (200h)
Horários
Laboral: 2 dias por semana das 08:30 às 12:30 e 13:30 às 17:30
Pós-Laboral: 3 dias por semana das 19:00 h às 23:00
Os cursos iniciam assim que existam 20 inscrições para cada ação
Rua Amélia Rey Colaço, 106 - 4764-901 V. N. de Famalicão
T. 252 301 210 | www.cior.pt | [email protected]
A nossa escola promove formações modulares para todos os adultos interessados em várias áreas como nas Línguas
(Inglês, Francês, Espanhol); Informática; Necessidades Educativas Especiais; Mecânica; Eletricidade, entre outas.
A formadora de TIC Joana Simões (JS) teve o prazer de conversar com alguns dos seus formandos que frequentam ou
frequentaram, não só a formação de TIC, mas também outras formações. Entrevistou assim o adorável casal Carolina
Silva e Fernando Oliveira, as encantadoras senhoras Arminda Mariz, Elisa Marques e Paula Azevedo e o sempre dedicado José Alves.
JS – Com quem estamos a conversar?
JA – Eu sou o José Alves (JA), tenho 48 anos e o 9º ano de escolaridade.
JS – José, aqui na escola, que formações já frequentou?
JA – Aqui na escola já frequentei o Curso de Educação e Formação
de Adultos de Mecânica de Motociclos, e anteriormente concluí o 9º
ano no Centro Novas Oportunidades. Também fiz a formação de Italiano
com a professora Maria, e agora estou a frequentar
a formação de TIC com a professora. Já é a segunda
formação de informática que frequento e se for possível gostaria de continuar.
JS – O que aprendeu nas formações?
JA – A nível de computadores, posso dizer que eu
antes de frequentar as formações não sabia nada.
Agora já sei muitas coisas, aprendo na formação e
treino bastante em casa. Já aprendi a escrever no
word, a fazer tabelas e gráficos no excel, a pesquisar
e a mandar mensagens na internet, a desenhar no
paint, o powerpoint. Tenho gostado de tudo!
JS – E a formação de Italiano?
JA – Em Italiano não tivemos a possibilidade de ter
as horas todas previstas, e tive muita pena. Gostei
muito e aprendi a falar um pouco em italiano.
JS– Diga umas palavras em italiano!
JA – “Grazie mille”! Acho que é “muito obrigado”!
[ 26 ]
JS – A formação de Mecânica de Motociclos foi importante para si a
nível profissional?
JA – A nível de emprego a situação do país está muito complicada, e é
bastante difícil arranjar trabalho. Mas eu não percebia nada de mecânica
e agora já percebo um bocadinho.
JS – E as formações de TIC e a de Italiano foram importantes para si?
JA – Ajudam–me muito no dia-a-dia. Tenho familiares italianos, e embora não consiga falar muito bem, já consigo perceber algumas coisas
que eles dizem. A professora Maria dizia que eu percebia bem o italiano!
A nível da informática, acho que é muito importante saber trabalhar
no computador. Acho que cada vez mais vai fazer falta na vida das pessoas. As máquinas modernas são todas computorizadas, quem não souber o mínimo de computadores fica prejudicado.
JS – Nas formações que tem frequentado, tem feito amizades?
JA – Na turma de Mecânica de Motociclos que frequentei eram 24 formandos, e foram 24 amizades que eu fiz. Aqui na formação de TIC também existe um grande companheirismo e entreajuda entre as pessoas.
JS – Há quanto tempo está cá na escola?
JA – Há aproximadamente 2 anos, primeiro no Centro Novas Oportunidades e depois no Curso de Mecânica de Motociclos que durou 9 meses.
Agora frequento a formação de TIC.
JS – O que pensa da escola?
JA – Gosto muito da escola. Até estou a pensar ficar cá para sempre!
JS – Acho que faz muito bem!
JA – Estou desempregado, e acho que estar em casa não faz bem às
pessoas! Aqui estou ocupado, aprendo muitas coisas úteis e faço novas
amizades!
JS – Quais as formações que gostava mais de frequentar?
JA – Gostava de tirar Recuperação de Eletrodomésticos.
JS – Qual era a sua profissão antes de ficar desempregado?
JA – Trabalhava na têxtil, confeção e corte. É uma área que está dramática aqui no Vale de Ave. E gostava de voltar a trabalhar nisso um dia!
JS – Quer acrescentar algo?
JA – Só tenho a agradecer à escola e aos professores, e desejo tudo
de bom! Continuação do bom trabalho que têm realizado! E se eu puder
estar cá, agradeço!
JS – Com quem temos o prazer de falar?
C – Eu chamo–me Carolina Silva (C), tenho 62 anos e a 4ª classe.
F – Eu chamo–me Fernando Oliveira (F), tenho 64 anos e a 4ª classe.
JS – Que formação estão a frequentar?
C e F – A formação de TIC.
JS – O que os incentivou a increverem–se na formação de TIC?
F – Estamos a começar a trabalhar em computador. Até ao início da
formação não tínhamos experiência alguma em informática. Em tempos, não dávamos valor a estes conhecimentos, no entanto, com a necessidade em falar com os meus irmãos que vivem no Brasil, decidimos
inscrevermo–nos. Vimos a utilidade e a necessidade que tínhamos em
comunicar por skype e também em mandar mails. Quando estivemos no
Brasil, os meus irmãos ligavam todos os dias o skype para podermos falar
com as nossas filhas! Eles têm os dois empregos ligados à informática e
isso ainda nos incentivou mais a inscrevermo–nos.
C – As minhas filhas, Carla e Alexandra, trabalham cá na escola, e já
me tinham dito por diversas vezes para nos inscrevermos. Há uns tempos atrás, achei que não me devia meter nestes trabalhos complicados
da tecnologia moderna. No entanto, sentimos necessidade de saber falar por skype com os nossos familiares do Brasil. Assim, não temos de
pedir ajuda a ninguém!
JS – Estão a gostar da formação de TIC?
F e C – Sim estamos, até já nos inscrevemos para a próxima formação.
JS – O que estão a gostar mais?
C – Eu estou a gostar mais da parte da comunicação na internet, pois
assim, em casa, posso comunicar com a minha família. Já mandei mails
para familiares e eles já receberam. É sinal que foram bem! Às vezes ainda tenho de pedir ajuda às filhas, mas elas têm de trabalhar, têm os seus
filhos e nem sempre nos podem dar atenção.
JS – Dificuldades que estã a sentir?
C – Estou a sentir dificuldades em anexar fotografias num mail a enviar
e a fazer trabalhos de copiar e colar, porque tem muitos pormenores.
JS – Conseguem praticar em casa?
F – Temos praticado em casa. Com o Computador Magalhães! Pesquiso muito na internet! Sobre os locais onde estive no Brasil.
JS – Acha que o convívio entre as pessoas é importante?
C – Acho que sim, converso com toda a gente. Existe uma grande camaradagem.
F – Eu acho que devíamos ter a formação duas vezes por semana e não
só uma. Assim, aprendíamos melhor!
JS – O que gostavam de aprender mais?
F – Um bocadinho de tudo! Nem temos noção ainda do que existe para aprender!
JS – Quais eram os vossos empregos?
F – Trabalhei muitos anos na Escola Camilo Castelo
Branco. Podia ter aprendido lá, mas nunca aprendi.
Na altura não necessitava!
C – Estou desempregada, já trabalhei numa fábrica
textil, também tive uma pequena confeção com as
minhas irmãs.
F – A formação tem ajudado na vida familiar por
causa da comunicação, e também porque assim podemos ler o jornal, por exemplo, e é outra comudidade. Sempre gostei de ler, e também gosto de ir ver o
diário da república.
JS – Têm alguma coisa a acrescentar?
F – Acho que é muito bom frequentar esta formação. Muita gente não vem para a formação, pois nem
sabem o bem que faz. Muita gente está acomodada
e também porque pensa que não consegue.
C – Eu pensava que o computador era um “bicho papão”, que nunca
iria tocar num computador.
F – Às vezes é a necessidade que obriga, como connosco! Muitas vezes
as pessoas pensam que não têm idade para aprender! E acho que toda a
gente deveria vir fazer formação!
[ 27 ]
Livre-Trânsito
JS – Querem apresentar–se?
A – Sou a Arminda Mariz (A) e tenho 54 anos. Tenho o 5º ano feito,
frequentei o 6º ano, mas não terminei.
E – Sou a Elisa Marques (E), tenho 42 anos e fiz o 4º ano.
P – Eu sou a Paula Azevedo (P), tenho 40 anos e tenho o 6º ano.
JS – Quais as formações que já fizeram cá na escola?
A – Fizemos as duas a formação de Matemática, com a professora Rosário; Português, com a professora Carla, e TIC, com a professora Joana.
Agora iniciamos a formação de Mecânica, com os professores André e
Arcélio. Já estamos cá na escola há mais de um ano.
P – Eu só fiz de TIC e de Mecânica!
JS – O que acharam das formações? Gostaram?
A – Na Matemática permitiu revermos coisas já esquecidas, as contas,
os gráficos, as percentagens, aprendemos sempre mais um pouco.
E – No Português aperfeiçoamos a escrita, a leitura e caligrafia. Aprendemos muitas coisas!
P – Em TIC, nunca tínhamos estado em frente a um computador. Estamos a gostar imenso. Já fomos à Net, ao google, já sabemos fazer gráficos no excel, já sabemos escrever no processador de texto, e fazer copiar
e colar imagens! Já fomos ao youtube ouvir uma música, mandamos
mensagens por mail.
E – Estamos a gostar muito de mecânica. Aprendemos a mudar um
pneu, o nome das chaves, como se muda os travões, o óleo. Acho que
toda a gente deveria ter uma formação deste género, até quando tira a
carta, pois são aspetos muito importantes. Há muita gente que nem sabe
mudar um pneu!
JS – Acham que as formações vão ser úteis no futuro?
A – O que aprendemos com gosto tem sempre utilidade pela vida fora!
P – Já sei bem ir ao facebook, tenho uma página para as minhas flores!
[ 28 ]
Faço arranjos de trabalhos florais para vender, e é lá que as
pessoas fazem as encomendas!
Antes de frequentar a formação não sabia nada! Nem ligar
o computador!
Vou à página da escola da minha filha e vejo os gastos que
ela tem, vejo as faltas, compro as senhas dos almoços!
Também consigo acompanhar a minha filha na Internet,
vejo o que ela põe no facebook!
JS – O que marcou mais nas formações?
A – A que me marcou mais foi a formação de TIC, é o que
está virado para o futuro. Se a minha filha for trabalhar para
o estrangeiro é importante que consiga comunicar com ela.
JS – O que pensam da escola?
A – Eu gosto muito da escola. Noto que há muita higiene,
muita limpeza por toda a escola, corredores, casas de banho
e cantina. Tenho cá a minha sobrinha Vera Mónica a estudar
no 10º ano!
P – Gosto muito dos professores, funcionários, dos colegas. Os professores são excelentes profissionais! Muito atenciosos! Sempre com uma
palavra amiga! Não nos deixam desistir, nem desmotivar!
JS – Em que é que trabalhavam antes de estar desempregadas?
A – Estou desempregada há três anos, antes fui empregada de balcão
e fui responsável de cozinha.
E – Eu era costureira.
P – Trabalhava na confeção.
JS – Querem continuar na escola?
A – Sim, claro. Não posso frequentar todas as formações, por causa
da minha escolaridade, mas as que eu puder, gostaria muito. Gostava
de fazer um curso que me permitisse obter o 9º ano e também quero
continuar e aperfeiçoar o TIC.
E – Eu queria aprender mais Português e Matemática! Gostaria também de continuar os meus estudos, fazer o 6º ano, mas não sei se haverá
algum curso...
P – Quero continuar em TIC. Além disso inscrevi–me na formação de
Necessidades Educativas Especiais.
Faço voluntariado numa associação, “Acreditar”, no Porto. Eu e outros
pais organizamos recolhas de bens, brinquedos para pessoas carenciadas e crianças com problemas oncológicos. Por exemplo, agora no Natal,
vai haver uma contribuição de uma empresa em dinheiro para poder dar
uma prenda a todas as crianças que estão no IPO do Hospital de S. João.
Também ajudamos, por exemplo a alimentar as crianças. A minha filha
já teve um problema oncológico, agora está bem! Mas agora acho muito
importante participar como voluntária no que puder ajudar!
Joana Simões, formadora
Testemunhos
de Ex-Alunos
A CIOR nas Nossas Vidas
Fá b i o Ma r qu e s , E L 12
Olá, o meu nome é Fábio Marques e fui
aluno da turma EL12 do curso de Eletrónica,
Automação e Comando. Na CIOR passei os
melhores anos da minha vida, foi quando
conheci a minha namorada, foi quando tirei a
carta de condução, entre outras coisas muito
boas. Foi uma escolha difícil ir para a CIOR
porque antes estudava numa escola em Braga
e era lá que tinha todos os meus amigos, por
isso foi uma mudança custosa. Felizmente fui
parar à melhor turma possível e senti que me
acolheram muito bem.
Soube da CIOR através da minha prima,
que trabalha na escola e que me disse coisas
muito boas sobre ela. Felizmente não me
enganou!
No meu último ano na CIOR tive a
oportunidade de estagiar em Malta, num dos
programas de intercâmbios, numa estação
de televisão chamada “TV One Productions,
Lda”, pude conhecer um país novo e uma
cultura diferente. Foi uma experiência
extraordinária!
Atualmente trabalho como Técnico de
Reparações da Zon, onde me deparo com
problemas muito diferenciados, é um desafio
diário. Mas, com o conhecimento que
adquiri na CIOR, tenho conseguido sempre
ultrapassá-los.
Pense Por Si Próprio
Do que você precisa, acima de tudo, é de se
não lembrar do que eu lhe disse; nunca pense
por mim, pense sempre por você; fique certo
de que mais valem todos os erros se forem cometidos segundo o que pensou e decidiu do
que todos os acertos, se eles foram meus, não
são seus. Se o criador o tivesse querido juntar
muito a mim não teríamos talvez dois corpos
distintos ou duas cabeças também distintas. Os
meus conselhos devem servir para que você se
lhes oponha. É possível que depois da oposição, venha a pensar o mesmo que eu; mas,
nessa altura, já o pensamento lhe pertence.
São meus discípulos, se alguns tenho, os que
estão contra mim; porque esses guardaram no
fundo da alma a força que verdadeiramente
me anima e que mais desejaria transmitir-lhes:
a de se não conformarem.
Agostinho da Silva, in ‘Cartas a um Jovem
Filósofo’
Luís Bessa, professor
[ 29 ]
Livre-Trânsito
Estagiar Fora do País
Faz Crescer e Dá Saúde
Pois é, efetuar a Formação em Contexto de
Trabalho fora do nosso país, fora do nosso cantinho, fora do nosso espaço de conforto, só nos
pode trazer “coisas” boas.
Em primeiro, o conhecimento de uma nova
realidade profissional, nem melhor, nem pior
do que a nossa, apenas diferente, permitindonos assim um alargar de horizontes fundamental para quem vai, futuramente, entrar no mercado de trabalho.
Conhecer locais, regiões, formas de estar
diferentes daquelas a que estamos habituados é também e inegavelmente uma forma de
crescermos, de vermos através de uma outra
perspetiva o que nos rodeia, de sentirmos e
agirmos também de forma diferente, tendo
em conta o meio ambiente físico, emocional,
cultural, social, …
A aquisição de autonomia, em todos os âmbitos, é claramente trabalhada. Os “papás” não
estão lá para nos fazer a comida, para nos acordar de manhã ou para nos dar um raspanete
quando necessitamos. Nem os professores
para nos dizer, cara-a-cara, o que fazer em determinadas circunstâncias. É necessário tomar
decisões, por muito que nos custe e assumir a
responsabilidade das mesmas. Quanto nos ajuda a crescer esta situação…
Também nos dá mais saúde. Uma saúde intelectual, pois estamos a vivenciar novas experiências. Algumas delas nunca mais vividas.
Boas ou más, todas são necessárias para o nosso crescimento interior.
Por todos estes motivos e mais uma dezena
deles, aproveitem, não desperdicem momentos que podem ser marcantes para o vosso futuro, que vos trazem, seguramente, uma maisvalia no vosso crescimento e uma perspetiva
de um futuro mais promissor.
Luís Bessa, professor
Querer e/ou Não Querer
Leio Blimunda, Alberto Soares e penso. Humanismo, pensamento metafísico, quando
ainda tenho medo de assumir o meu “eu”. Tal
como Mário de Sá Carneiro, sim, quem quero
eu enganar com estes enleios e medos. Apenas
a mim próprio e, mais grave ainda, arrastando
todos os outros comigo. Quero ser a passarola
voadora de Padre Bartolomeu de Gusmão, mas
ao mesmo tempo, tenho medo da queda e ser
povo, um povo que assiste a touradas e autos
de fé. Quem me dera ter a coragem de Sofia na
sua doce e terrível loucura e ter a sensatez e
sabedoria de Blimunda, ou esquecer toda esta
metafísica do homem, esta incessante procura
do eu, do mundo do deus, deus com letra minúscula, claro, não o nego para alguns, mas a
importância que lhe atribuo é bem mais forte
que um mero ato de fé, de crença. É um acreditar convicto que ele existe, está em todos nós,
na capacidade de querer, de agir, de partilhar.
Ah, quem me dera, ou não, ter a capacidade
de amar as coisas com a simplicidade de Sofia
de Mello Breyner, ou a resistência impagável
do telurismo de Miguel Torga. Apenas existo, e
contrariamente a Virgílio Ferreira, não me consigo extravasar para melhor me conhecer. Vida
e morte, luz e escuridão. Será tão linear assim,
uma meia vida ou uma boa morte não serão já
o suficiente. A cegueira deveria ser um acto divino da bonança, do bem-estar, do não querer.
Chega, serei Sete-sóis, Sete-luas, Matilde, Alberto Soares, Sofia, Vicente, António de Sousa
Falcão e até Principal Sousa e D. João V. Serei
Terra, Mar, Ar e Fogo e tudo isto aqui e acolá,
pois sou etéreo e todo este emaranhado de
coisas farão de mim a pessoa que serei, boa,
má, não importa, mas eu. Serei também, sem
margens para dúvida Cristina e Scarlatti.
Luís Bessa, professor
A Palavra Amigo
A palavra amigo pode rimar com muitas outras,
Umas sem sabedoria, outras doutas,
Podem ter muitos significados,
Alguns bem complicados …
Podem ser interpretadas de várias maneiras,
Às vezes até de formas bastante ligeiras,
Quiçá alguém lhe dará outras interpretações,
Mas essas não são as minhas preocupações.
Como eu dizia inicialmente,
De forma bem transparente.
A palavra amigo,
Pode rimar com muitas outras,
Sem sabedoria ou doutas,
Mas… seguramente rima contigo.
Luís Bessa, professor
[ 30 ]
Daily-English
A Multicultural School
This 1st term was rich in exchanges and it was a great period for our
students to put in practice their language skills and to get around visiting foreign countries, meeting new friends and learning about other
cultures and traditions.
The first group to get lucky was the 7 students from classes ER6 and
MA3, who had the chance to travel to Iceland and visit the Icelandic
friends they made last school year.
Here is what they told us about the exchange they participated in
last September:
“When we arrived at the airport on the 23rd September we were ready
to start our adventure. We took a plane to London and then to Reykjavik
airport where two of our Icelandic partners were waiting to drive us to
our place in Hafnarfjordur.
On the first morning, we did a lot of sightseeing. We went to visit a
small museum called Byggdavsafrid where we learnt how the Icelandic
people used to live one hundred years ago. Then we visited an old church
and in the end of the morning we went to have lunch at the canteen of
the town. After that we went home to get all we needed to go to the
swimming pool. Before going there we still had the opportunity to visit
our friends’ school, which was a very interesting activity. Afterwards we
went to the swimming pool named SuFurborjarlaugin. Late in the afternoon, after getting back home, we went to have a barbecue near the lake
Hvaleyravath. It was very nice and we ate and talked around a fire to keep
us warm. It was amazing!
On the second day we went the waterfall and the geysers in Gullfoss og
Geysir. Then we also did some shopping at the shopping mall in Hafnarfjordur. At night we went to play bowling with our Icelandic friends
On Thursday we sailed to an island named ViFey and walked across
it for some time to see its beautiful landscape. After getting back I ate
pizza at the canteen of a youth centre. In the afternoon we went to play
football and later we went to visit the Búrfell volcano with our Icelandic
partners. After that we went again to the swimming pool.
On Friday morning we went to the caves and then we had lunch at
the mountain; in the afternoon we went to the Blue Lagoon where we
enjoyed its hot waters for about two hours. Then we went to Reykjavik to
buy souvenirs and see a little of the city. At night we went to have dinner
in one of our Icelandic Daddy’s house.
On Saturday 28th, very early in the morning, we left to the airport to
get our flight back home.
It was an amazing adventure!”
ER6 and MA3
“In a few lines, I can say that
the exchange in Iceland could
not have been better. We did activities that we had never done
and visited spectacular places
such as the geysers in Gullfoss
og Geysir, the volcano, the caves,
the Blue Lagoon, and lots of other things in Hafnarfjordur and in
Reykjavik.
Our Icelandic partners were
very nice and I would like to thank them for their hospitality.
It was an amazing experience and I enjoyed it a lot.”
Luís, MA3
“I’d like to express my satisfaction for every moment I experienced last week in Iceland.
It was a week of “dream”! I
never thought that everything
would be so good. The group
was amazing; the teachers were
always willing to go along with
us. All Icelandic groups were
very nice and they tried to show
us the majority of their culture,
monuments, places, and everything they thought could be of interest for
us. In the future I won’t think twice in living again such an experience if I
have the chance.
I would like to thank our school and to the teachers because without
them this exchange wouldn’t have happened, and also to the Icelandic
[ 31 ]
Daily-English
group for their hospitality, particularly to Porstein who did everything to
assure us a pleasant stay in Iceland.”
César, MA3
“I enjoyed the experience of going to Iceland.
We visited fantastic places like volcanoes, hot
water swimming pools, waterfalls, caves and the
Blue Lagoon with hot water. Our Icelandic partners were pleasant, sociable, and helpful. In fact,
they were spectacular and we had a lot of fun.
I wouldn’t mind repeating this experience and
would be very happy if I could go there again.”
Miguel Pereira, MA3
“In my opinion Iceland was one of the best
experience I ever had. We visited amazing
places with wonderful views and interesting
places full of history. The Icelandic people that
participated in the project were very cool and
friendly and did everything to please us. I think
that it would have been a big mistake if I had
missed this experience.”
Nuno, ER6
The second group was composed of 5 students from the 11th grade
attending the different vocational courses. They travelled to Manfredonia, Italy to participate in the 3rd meeting of the Comenius Project
entitled “Just Fall in Love with Art”.
Let’s get to know them and what they liked most about their participation in the exchange:
“Hello! My name is Claudia and I’m sixteen. I have brown hair and
brown eyes. I live in Vila Nova de Famalicão, in Portugal. I am friendly,
nice and very entertaining. My favorite hobbies are listening to music
and watching movies. I have
been a Scout since I was nine.
My favorite type of movie is horror. I like to watch football and
my favorite team is Benfica. My
ambition is to visit the most important cities in the world and
understand better certain cultures. I am very happy I was part
of the Comenius project.
I loved participating in this project. I found it very educational and very
interesting. I learnt that all countries have different traditions and I visited many monuments, very important ones for the south region of Italy.
What I liked most about the exchange was the fact that I slightly improved my English and I made new friends. It was very good to socialize
with new friends, especially when practicing a very important language
such as English.
I loved the experience of participating in the Comenius project and I
hope to repeat my participation.”
Claudia Marques, ER7
[ 32 ]
“Hi! My name is Carlos Silva,
but everybody knows me as Litos. I’m sixteen years old. I live in
Vila Nova de Famalicão, Portugal and I study electrical installations at Professional School
CIOR, Cooperativa de Ensino de
Vila Nova Famalicão. I´m tall
and I have an athletic body, because I practice a lot of Street Workout
(gymnastics in the streets). I love this sport, it´s my passion, When I’m
sad, I practice street workout and I feel better; I can’t be two days without training, my body asks me to train. I can’t imagine my life without
practicing street workout. I´m friendly, outgoing, funny, but I am also
very stubborn. I live in a house with my mother and my sister; my father
is working in France. In my spare time I like practicing street workout
with my friends, going out with them, listening to music and surfing the
internet.
This exchange meant a lot to me: I met many new friends and I learned
many new things, especially related to general culture, about Italy and
Manfredonia. What I liked most about this exchange was when I had
lunch in the house of the students’ families and when we participated in
the workshop of painting. I learnt a lot of things about art and most of all
I have improved my English. I´m really happy I took part in this Comenius
project, this is great!”
Carlos Silva, IE14
“My name is Luís Batista. I’m 20 years old and I live in Monte Córdova,
Santo Tirso.
I study in the vocational school CIOR, where I am taking a course in
electronics .
This trip to Italy was something that marked my life positively, because
I lived a week as an English person.
I enjoyed the whole trip but
what struck me the most was
how people spoke to us; I loved
the part when they showed
us the school, I liked to go to
a cheese factory, I loved the
churches and museums. I also
enjoyed dancing in a castle with an Italian girl, but what I liked the most
was having lunch at an Italian student’s home because it was a very good
experience. During the whole meeting I had to express my knowledge of
the English language, because there were people from other countries.
I learnt many words during the dialogues we had with our friends. I also
learned to work with Autocad during the practical class we had..
I think this trip only made ​​us give real value to the English language
because nowadays it is the most spoken.”
Luís Batista, EL19
“Hello! My name is Ana Rafaela Carvalho. I’m 17. I live in
Trofa which belongs to the Porto
disctrict. I attend the 11th grade
of the course of sociocultural
animation, in Escola Profissional
CIOR. In my free time, I like listening to music, being with my
friends, going out to cinema, surfing the internet, etc.
This exchange was an opportunity to practice the English language by
talking with other students from different countries. I have learned a lot
about the South of Italy, especially Manfredonia, their customs, food… I
enjoyed this exchange very much and it is difficult to say what was the
best part of it because everything was amazing. At night we went out
with them, we talked, we played games, we had a lot of fun together. It
was amazing.”
Ana Rafaela Carvalho, ASC11
and I liked to visit the castles and
museums.
I learnt a bit of everything,
since correct English, to some
Italian words; I tried some traditional foods, and learnt more
about students’ school behavior,
the available fields of study and
subjects.”
João Aleixo, MA4
“Hello, my name is João Aleixo. I’m sixteen years old. I live in Santo
Tirso, Portugal.
I study at CIOR, that is a professional school and I’m attending the mechatronics course. In my free time I like to play football and to go out with
my friends, among other things.
As a student I’m good and I work hard to fulfill my goals. My favourite
subjects are Maths, Mechanics, and Physical Education. I try to be a sociable person and I try to make friends.
My favourite football club is F.C.Porto.
What I liked most about this exchange was the way I was received,
Thoughts from the other side…
“The trip to Italy was very nice and educational for us. We learnt a
lot of new things for Italian history, daily life and culture. All of us are in
love with Italian cuisine. Now we keep Internet connection with our new
friends from Portugal, Poland and Italy. Also we are very impatient to
meet them again in Poland.”
Borislava and Diyan (Bulgaria)
Just Fall in love With Art
Happiness and sadness: we have been happy to host the
third phase of our project: the time devoted to the preparation
has been long and difficult sometimes, but all the students and
teachers appeared satisfied in the end. Besides the organization of the programme we have apreciated the integration
among the students: the experience to have lunch with an
Italian family proved to be an enthusiastic one even if at the
beginning the foreign students seemed to be scared.
On the other hand we have to admit that the time has
passed and we are travelling fast towards the last phase - Poland! We expect to hug you once again and cooperate in great
spirit of brotherwood: Comenius means that people of different cultures can live together offering one another knowledge,
experience and love.
Emilio, Barbara and the students, Italian partners
[ 33 ]
InternaCIORizando
Paula Pereira e Nilza Jardim, gabinete de projetos
CIOR Cada Vez Mais Internacional
Foi grande, este ano, a aposta do Gabinete
de Projetos na elaboração de candidaturas
a novas parcerias comunitárias, que pretendem levar cada vez mais alunos e professores a usufruir de uma experiência de
mobilidade no espaço europeu. Ao todo são
cinco projetos europeus diferentes, inseridos nas ações Comenius, Leonardo da Vinci
e Grundtvig do Programa Aprendizagem ao
Longo da Vida. Para além das mobilidades,
estes projetos implicam um trabalho contínuo e intenso de pesquisa, preparação, organização de atividades e apresentação de
relatórios, ao qual o gabinete de projetos
tem que dar uma resposta atempada e diferenciadora da Escola Profissional CIOR.
PROGRAMA
LEONARDO DA VINCI PARCERIAS
Meet i n g em B remen , Al ema n h a
Na continuação do projeto Leonardo da Vinci – Parcerias – do Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida, intitulado “Harmonisation of
European Industrial Electrical Installations”, que visa a uniformização das
instalações elétricas industriais a nível Europeu.
A Escola Profissional CIOR, com três professores (Pedro Pinheiro, Olívia Pereira e Nilza Jardim) representando Portugal, no período de 21 a
25 de outubro, viajou novamente até Bremen e ao Technisches Bildungszentrum Mitte, onde aprofundou os seus conhecimentos sobre a forma
como o ensino vocacional alemão funciona. A complexidade deste tema
implica não apenas conhecer os métodos de aprendizagem dentro da
sala de aula, mas também como ele se integra no quadro industrial da
região.
No anterior encontro, realizado em Portugal, os parceiros europeus
tiveram a oportunidade de visitar três grandes empresas, ACO, Vieira
de Castro e Imperial, alguns exemplos reconhecidos da excelência da in-
dústria portuguesa. A organização germânica proporcionou visitas a uma
fábrica pertencente a um grupo líder mundial de produção de cerveja e à
Mercedes, ambas situadas em Bremen. Na primeira visita, os professores
visitaram as instalações da Beck’s, pertencente à multinacional ABinBev,
e conheceram o processo de fabrico e enchimento de cerveja. Na segun-
da visita, o grupo teve a possibilidade de contactar com as metodologias
de formação no âmbito do ensino DUAL realizado na Mercedes, analisar
as parcerias estabelecidas com as escolas e observar a produção integral
de diversos veículos da marca da estrela, nas instalações onde irá ser
produzido o novo classe C com lançamento mundial previsto para 2014.
Neste encontro, os professores participaram igualmente em várias
reuniões onde se discutiram as diversidades dos sistemas educativos e
formativos implementados em cada país e observaram-se várias dispa[ 34 ]
ridades quanto à eficácia das medidas adotadas em termos educacionais e de empregabilidade. Assistiram ainda a uma aula sobre pneumática e constataram que existe uma forte
ligação entre a indústria que acolhe os alunos e a escola onde adquirem as competências
teórico-práticas.
No decorrer deste Projeto, estão programados mais duas reuniões de trabalho, sendo
cada vez mais fortes os laços criados com as Escolas parceiras. A participação da CIOR nestas
parcerias de Aprendizagem tem como objetivo último a transferência de boas práticas do
melhor que se faz em termos Europeus, reforçando a ligação da Escola às Empresas e a promoção da melhoria contínua do processo educativo dos jovens.
INTERCÂMBIO DE JOVENS
com a Islândia
Depois do acolhimento, em setembro de 2012, de um grupo de jovens da Islândia, chegou a vez dos nossos alunos visitarem a “Ilha dos
Vikings”. Assim, sete alunos das turmas MA3 (Luís Oliveira, César Fernandes e Miguel Pereira) e ER6 (João Silva, Nuno Pereira, Rafael Silva
e Nélson Castro), acompanhados de duas professoras (Augusta Salgado
e Ilda Dias), partiram, a 23 de setembro, rumo à aventura de conhecer
uma nova cultura e viver novas experiências. O programa estabelecido
permitiu a este grupo partilhar com os jovens da Islândia cinco dias intensos em atividades tão diversificadas como escalar um vulcão, nadar
na “Blue Lagoon” ou explorar as grutas da Islândia. Esta foi, sem dúvida,
uma experiência que ficará para sempre na memória dos participantes.
PROGRAMA
LEONARDO DA VINCI
A çã o M o b i l i d a d e F P I (F orma ção Profi s s i on a l In i ci a l )
P r oj e to “ G P S – G E T P R OF ESSIONAL SKILLS IN EUR OPE”
À semelhança do ano letivo 2012-2013, já se encontram instaladas
em Rimini – Itália, desde o dia 29 de outubro as quatro alunas do curso
de Animação Sociocultural, ASC10, Ana Catarina Files, Catarina Castro,
Rafaela Silva e Tanita Freitas, que irão realizar a formação em contexto
de trabalho em Lares de Idosos e Centros de Jovens até ao dia 17 de
dezembro. Esperemos que este seja um tempo profícuo para a aquisição
e melhoria de competências pessoais e profissionais.
Entretanto, estão em preparação os próximos fluxos de alunos finalistas para França, Alemanha e Espanha.
[ 35 ]
InternaCIORizando
PROGRAMA COMENIUS
PARCERIAS MULTILATERAI S
P r o j et o “ J us t Fa l l i n Lov e w i th Art”
Uma experiência memorável e muito enriquecedora foi a que viveu o
grupo de 5 alunos do 11º ano: Cláudia Marques, ER7; João Aleixo, MA4;
Luís Batista, EL19; Carlos Silva, IE14, e Ana Rafaela Carvalho, ASC11, e
duas professoras; Nilza Jardim e Olívia Pereira, da CIOR que se deslocou
a Itália, de 4 a 8 de novembro, no âmbito deste projeto.
Este foi o terceiro encontro desta parceria, que iniciou na Escola Profissional CIOR, em setembro de 2012, com jovens da Bulgária, Polónia,
Portugal e Itália, e que visa despertar entre as gerações mais novas o
interesse e gosto pelas artes.
Ao longo dos cinco dias do encontro, o Liceo Scientifico Statale Galileo
Galilei da Manfredonia demonstrou exemplarmente a cultura de bem
receber italiana, com um programa de atividades intenso e diversificado, que permitiu aos jovens das diferentes nacionalidades conhecer a
região, a arte, as tradições e a gastronomia locais.
Os anfitriões surpreenderam a comitiva com um espetáculo de expressão corporal e musical, identificativo de diversas telas de autores
mundialmente conhecidos.
Para além da visita a locais de enorme relevância histórica, como o
castelo da Manfredonia, o sítio arqueológico de Siponto que data do séc.
X a.c., o Monte Sant’Angelo, a abadia de Pulsano, os alunos participaram
ainda em workshops de pintura de cerâmica, como a praticada pela civilização Dauniana.
Foi sem dúvida uma semana de “aulas” diferente para estes cinco alunos da CIOR, que, com esta experiência intercultural, puderam desenvolver aprendizagens formais e não formais enriquecedoras, e ao mesmo
tempo estabelecer novas relações de amizade além-fronteiras.
P r o j et o “ Wa t e r – ev ery drop cou n ts ”
Foram selecionados e começaram a trabalhar, os cinco jovens (Marco
Ribeiro – MA4, João Ferreira – ER7, Hugo Araújo – IE14, Frederico
Silva – EL19 e Joana Vilaça – ASC11) do 11º ano que estão a participar
no 1º encontro deste projeto, de 9 a 13 de dezembro, em Lasi, na
Roménia. Este projeto visa, ao longo de dois anos, trabalhar o tema
da água como um bem natural
finito, em todos os países, de
uma forma interdisciplinar e
transdisciplinar, focando-se
também nas competências
linguísticas e na motivação
para
aprendizagens
significativas
e
transversais. Este projeto
é coordenado por uma
escola da Roménia e
inclui mais seis escolas
[ 36 ]
parceiras da Turquia, Bulgária, Espanha, Grécia, Croácia e Portugal.
A primeira atividade desenvolvida na CIOR para este projeto foi a
participação no concurso de logotipos entre todos os países parceiros.
Destaca-se aqui o logo concebido e apresentado pelo aluno João
Marcelo Noronha, da turma IE14, que obteve o 1º lugar entre os diversos
logos levados
a
concurso.
Parabéns
à
CIOR e ao João
Marcelo!
PROGRAMA GRUNDTVIG
PARCERIAS DE APRENDIZAGEM
P r o j et o “JOT - Jobs on Tri a l ”
Para o efeito, procurar-se-á estudar a forma como é feita a relação
entre as competências dos adultos e as necessidades do mercado de
trabalho nos diversos países participantes, nomeadamente em Portugal,
França, Itália, Alemanha, Reino Unido, Polónia e Turquia.
Coube à CIOR a organização e o acolhimento do primeiro encontro
deste projeto, nos dias 16 e 17 de dezembro 2013.
Coordenado pelo parceiro francês GIP- FCIP, da Normandia, o projeto
pretende promover a empregabilidade dos adultos desempregados.
Entretanto
Anedotas
A Dívida
Antes do Tempo
Alguns miúdos estavam a brincar no pátio da igreja por altura do
Natal.
Um deles, sem querer, toca num dos bonecos do presépio e parte-o.
Passado um bocado chega o padre:
- Quem é que partiu o pastor?
Ficam todos muito calados até que, depois de muita insistência, o
culpado acusa-se.
Diz o padre:
- Então tens de pagar o estrago.
- Eu não tenho dinheiro senhor padre.
- Então paga o teu pai.
- Eu não tenho pai.
- Paga a tua mãe!
- Também não tenho mãe...
- Então não tens ninguém? És sozinho no mundo?
- Não! Eu tenho uma irmã mais velha.
- Pronto, paga ela.
- Ela também não pode pagar, não tem dinheiro. É freira.
- Não se diz freira; diz-se esposa de Cristo.
- Ah, então o meu cunhado que pague!
Era época de Natal e o juiz sentia-se benevolente ao
interrogar o réu.
- De que é acusado?
- De fazer as compras de Natal antes do tempo.
- Mas isso não é crime nenhum! Com que antecedência
as estava a fazer?
- Antes de a loja abrir!
As 4 Idade s
do Homem
O Homem tem quatro idades:
- Quando acredita no Pai Natal.
- Quando já não acredita no Pai Natal.
- Quando assume o papel de Pai Natal.
- Quando se parece com o Pai Natal!
CR
Soluções:
a) Ecrã, sem acento agudo na vogal e
b) Equipa
c) Mal-estar
d) Precariedade
e) Cafezinho
f) hesitar
h) lanço
B e m E s c r e ve r
Descobre
os Erros
nas fr a ses
Carla Azevedo, professora
a)
b)
c)
d)
e)
f)
g)
“O écrã do meu computador tem 16 polegadas.”
“A equipe técnica elogiou o desempenho de todos os jogadores.”
“Hoje sinto um mau-estar geral”.
“Vivem-se dias de grande precaridade laboral”.
“Queres tomar um cafézinho comigo?”
“Responde à pergunta sem esitar”.
“Neste lance de autoestrada já não se paga portagem”.
[ 37 ]
Entretanto
C a r t o o ns
CR
R a í z Q u a d r a da
Andreia Araújo, professora
O ano Internacional Mathematics of Planet Earth 2013 (MPE-2013), ou, numa versão portuguesa, Matemática do Planeta
Terra 2013 foi oficialmente apresentado a 5
de março na sede da UNESCO, Organização
das Nações Unidas para a Educação, Ciência
e Cultura, em Paris, e, em simultâneo, no
Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa, que
assinalará a data até março de 2014.
Para o programa MPT2013 são sugeridos
quatro grandes temas:
• Um planeta para descobrir: oceanos;
meteorologia e clima; processos do manto;
recursos naturais; sistema solar;
• Um planeta suportado por vida: ecologia, biodiversidade, evolução;
• Um planeta organizado por humanos:
sistemas políticos, económicos, sociais e
financeiros; a organização das redes de
transporte e de comunicação, gestão dos
recursos de energia;
• Um planeta em risco: mudanças climáticas, desenvolvimento sustentável,
[ 38 ]
epidemias; espécies
invasoras, desastres
naturais.
É um desafio à escala mundial que,
entre outros desígnios, pretende o desenvolvimento
de
atividades científicas
e de divulgação, com
o objetivo de tornar
visível o papel que a matemática desempenha em
questões que afetam o nosso planeta. Visa sensibi-
lizar e consciencializar para podermos preservar, proteger e enfrentar os desafios do
planeta Terra.
2013 = a (a + 1) - 29b + 1
É possível escrever o ano 2013 segundo o modelo matemático acima
descrito.
Em que a e b são números inteiros positivos, sendo que b é um número inferior a 10
Determine os valores de a e de b.
S a b i a s Q u e. . .
ver animais tão estranhos e perguntou o nome
a um nativo. A resposta foi: “Kangoroo”. No
dialeto local significa: “O quê?”
Sem instrumentos de precisão, Eratóstenes
mediu o raio da Terra no séc. III a.C. e chegou a
um resultado que errou apenas em 1% o valor
determinado pela tecnologia atual.
Uma ovelha adulta produz 3 a 5 Kg de lã por
ano. Meio quilo de lã pode dar um fio com 30
Km de comprimento.
Marte, que é às vezes o terceiro astro mais
brilhante da noite, tem duas luas: Phobos, que
A origem da escala musical é uma homenagem a São João Batista, com seu hino:
Utqueant laxis Para que possam
Resonare fibris ressoar as
Mira gestorum maravilhas de teus feitos
Famulli tuorum com largos cantos
Solve polluit apaga os erros
Labii reatum dos lábios manchados
Sancti Ioannis Ó São João
Os dias, nos demais idiomas, com exceção
da língua portuguesa, mantêm os nomes dos
sete corpos celestes conhecidos desde os babilónios:
significa receio, e Deimos, que significa pânico.
São os nomes dos dois filhos de Ares, o deus
da guerra.
O nome canguru, dado aos marsupiais da
Austrália, resultou de um mal-entendido. O
explorador inglês James Cook, quando desembarcou na Austrália, em 1770, admirou-se aos
. Domingo - dia do Sol
. Segunda - dia da Lua
. Terça - dia de Marte
. Quarta - dia de Mercúrio
. Quinta - dia de Júpiter
. Sexta - dia de Vénus
. Sábado - dia de Saturno
As datas de casamento:
1 ano - Bodas de Algodão
2 anos - Bodas de Papel
3 anos - Bodas de Trigo ou Couro
4 anos - Bodas de Flores e Frutas ou Cera
5 anos - Bodas de Madeira ou Ferro
10 anos - Bodas de Estanho ou Zinco
15 anos - Bodas de Cristal
20 anos - Bodas de Porcelana
25 anos - Bodas de Prata
30 anos - Bodas de Pérola
35 anos - Bodas de Coral
40 anos - Bodas de Rubi ou Esmeralda
45 anos - Bodas de Platina ou Safira
50 anos - Bodas de Ouro
55 anos - Bodas de Ametista
60 anos - Bodas de Diamante ou Jade
65 anos - Bodas de Ferro ou Safira
70 anos - Bodas de Vinho
75 anos - Bodas de Brilhante ou Alabastre
80 anos - Bodas de Nogueira ou Carvalho
Durante a
Guerra de Secessão, quando as tropas
voltavam para
o quartel após
uma batalha
sem nenhuma
baixa, escreviam numa placa imensa: “0 Killed”
(zero mortos). Daí surgiu a expressão “ O.K.”.
Para indicar que tudo está bem.
Por que é que as pessoas se cumprimentam
com um aperto de mão? Esta antiga tradição
começou no tempo das grandes batalhas. Os
adversários davam as mãos para mostrar que
não escondiam nenhuma arma. Era um sinal
de confiança entre as duas partes.
Ilda Dias, professora
[ 39 ]
Check-List
E n t r e - C a pa s
“Retrato de Família” de Jojo Moyes
Ano de 1953: Isabel II é coroada. A comunidade inglesa em Hong Kong
reúne-se para celebrar o acontecimento. Para Joy, trata-se apenas de
mais uma reunião enfadonha, idêntica a tantas outras. Mas a sua vida
transformar-se-á nessa mesma noite ao conhecer o jovem oficial da
Marinha Edward Ballantyne. A impulsiva proposta de casamento após
um breve encontro parece ser a resposta a todos os desejos de Joy.
Mais de quarenta anos volvidos, Joy e Edward vivem na Irlanda e a sua
relação com Kate, a filha, e Sabine, a neta de dezasseis anos, é distante
e fria. Em Londres, Kate tenta resolver mais uma das suas inúmeras
crises amorosas e, numa tentativa de proteger Sabine, decide que ela
vá passar umas férias com os avós.
Para surpresa geral, Sabine parece adaptar-se bem à vida no campo e
ao difícil temperamento da avó. No entanto, o súbito agravamento do
estado de saúde de Edward obriga Kate a um inesperado regresso à
casa de família, reabrindo as velhas feridas que a separam de Joy. Que
segredos afastam mãe e filha? Poderá Sabine unir duas gerações tão
diferentes, ou cairá também ela no silêncio que as separa?
Esta história, apesar de aparentemente simples, encerra uma grande
verdade sobre a maioria das famílias, em que a aparência quase nunca
corresponde à verdade, pois em quase todas as famílias há segredos,
problemas, conflitos e remorsos, mesmo que bem escondidos.
Este é o retrato de uma família que, estando há muitos anos desconjuntada, tem de aprender a ser novamente um todo, mesmo que para
isso seja necessário desenterrar e enfrentar de novo alguns segredos
do passado.
É uma obra que nos leva a viajar entre entre Hong Kong dos anos 50 e
a Irlanda da atualidade, com um final verdadeiramente interessante e
surpreendente.
Jojo Moyes
A autora nasceu em 1969 na zona rural de Inglaterra, cercada por
cavalos e outros animais, e cresceu em Londres, no Reino Unido.
Estudou Jornalismo e foi correspondente do jornal The Independent
até 2002, quando publicou o seu primeiro romance, Sheltering Rain,
e resolveu dedicar-se à escrita a tempo inteiro. Foi uma das poucas
autoras a ganhar por duas vezes o prémio Romantic Novel of the Year,
primeiro com Foreign Fruit (2003) e depois com A Última Carta de
Amor (2010). Do catálogo da Porto Editora constam já os romances
Silver Bay - A Baía do Desejo, Um Violino na Noite, Retrato de Família,
A última Carta de Amor e Viver Depois de Ti.
Vive hoje em East Anglia com o marido e os três filhos. Da autora, a
Bertrand Brasil já publicou o romance Em busca de abrigo, sua estreia
na literatura, A casa das marés e Baía da esperança.
Augusta Salgado, professora
[ 40 ]
“Catarina de Aragão - A Princesa Determinada”
de Philippa Gregory
Catarina de Aragão nasce Catarina, Infanta da Espanha, de pais que
eram reis cruzados. Aos três anos foi prometida ao príncipe Artur, filho e herdeiro de Henrique VII da Inglaterra, e é educada para ser
princesa de Gales. Sabe que o seu destino é reinar sobre aquela terra
distante, húmida e fria.
A sua fé é posta à prova quando o futuro sogro a recebe no seu novo
país com uma grande afronta; Artur parece ser pouco mais do que
uma criança; a comida é estranha e os costumes vulgares. Lentamente, adapta-se à sua primeira corte Tudor, e a vida como mulher de
Artur vai-se tornando mais suportável. Inesperadamente, neste casamento arranjado começa a nascer um amor terno e apaixonado.
Mas, quando o jovem Artur morre, ela tem de construir o seu próprio
futuro: como pode agora ser rainha da Inglaterra e fundar uma dinastia? Só casando com o irmão mais novo de Artur, o alegre, mas mimado Henrique. O pai e a avó de Henrique são contra e os poderosos
progenitores de Catarina revelam-se de pouca utilidade. No entanto,
Catarina possui um espírito lutador, é indomável e fará qualquer coisa
para alcançar o seu objectivo; mesmo que tal implique contar a maior
das mentiras e mantê-la.
dade de Edimburgo e os seus romances refletem uma pesquisa e um
pormenor histórico meticulosos. O seu período favorito da História
é a época Tudor, sobre a qual já
escreveu vários romances, alguns dos quais foram adaptados
pela BBC a dramas históricos.
É uma reconhecida escritora e
animadora de rádio e televisão.
Vive no Norte de Inglaterra com
a família.
Em Catarina de Aragão, A Princesa Determinada, Philippa Gregory volta a provar que, por trás
do rosto aparentemente familiar
da História, se esconde uma
história espantosa de mulheres
guerreiras que influenciaram o
futuro da Europa, de heróis respeitáveis que cometem erros profundos e de uma história de amor
por contar que muda o destino de uma nação.
Um Pouco de História
Catarina de Aragão (1485 – 1536) era filha de Fernando de Aragão e
Isabel de Castela e foi a primeira mulher de Henrique VIII, com quem
se casou em 1509 , e de quem teve uma filha, Maria Tudor. Tinha ficado viúva, em 1502, de Artur, príncipe de Gales, herdeiro do trono e irmão mais velho de Henrique. Com a morte deste, o herdeiro do trono
passou a ser Henrique, que subuiu ao trono em 1509, como Henrique
VIII, altura em que desposou Catarina de Aragão, viúva do seu irmão.
Henrique VIII preocupava-se com a estabilidade dinástica dos Tudor
e desejou romper o casamento com Catarina de Aragão, visto que
esta não lhe havia dado nenhum herdeiro homem. Quando tomou a
decisão de se divorciar dela, foi aconselhado pelo ministro de estado,
Wolsey, a não o fazer, pois nem o Papa nem os ingleses católicos o
aceitariam e Castela também protestaria. O único que poderia resolver aquele problema político seria o Papa e o rei hesitava em fazerlhe esse pedido.
Philippa Gregory
Philippa Gregory nasceu no Quénia, em 1954, mas mudou-se com a
família para Bristol, na Inglaterra, quando tinha dois anos. Frequentou a Universidade de Sussex, onde um curso de Iniciação à História
viria a mudar a sua vida. Até hoje já publicou 24 livros - muitos deles
bestsellers. É doutorada em Literatura do Século XVII pela Universi-
Entretanto, apaixonou-se por Ana Bolena, uma jovem e bela dama
da corte, dama de honra da rainha. Nessa altura optou pela anulação e encarregou o seu ministro, Wolsey, de obtê-la junto do papa
Clemente VII. Como este recusou (1527), Henrique VIII reformou a
Igreja da Inglaterra, criando o Anglicanismo, fortalecendo o seu poder
e acabando com os privilégios da Igreja católica no país, tornando-se
chefe da igreja anglicana. Com o rei como chefe da igreja, o divórcio
foi realizado (1533), permitindo ao rei casar-se com Ana Bolena. Esta,
por sua vez, ao fim de um ano foi acusada de traição e de adultério, tendo sido condenada à morte e decapitada na Torre de Londres
(1536). O rei casou então com uma das damas de honra da rainha,
Jane Seymour.
Abandonada, solitária e dedicando-se a orações, Catarina de Aragãosa morreria também em 1536. Os seus restos mortais estão conservados na Catedral de Petersborough, cuja construção demorou 120
anos (1118-1238).
Augusta Salgado, professora
[ 41 ]
Check-List
Ú l tima Fi la
Pedro Veloso, professor
Adaptado de c7nema.net
FROZEN: O Reino do Gelo
O progresso sempre andou de mãos dadas com o reconhecimento do
passado. Para verdadeiramente saber inovar, há que sabe reconhecer
e prestar homenagem ao que já foi feito. Muitas vezes, de forma a
promover a evolução tecnológica e as histórias espampanantes, as
pessoas esquecem-se que voltar à fórmula inicial pode e deve resultar.
Se a isso juntarmos a parte visual mais progressista, temos um potencial
sucesso.
Desta forma, se à magia da Disney, com uma história épica a lembrar
os clássicos, juntarmos um visual recheado de tecnologia, somos
presenteados com uma excelente obra de animação, que é a melhor
forma de descrever Frozen – O reino do gelo.
Anna (Kristen Bell) e Elsa (Idina Menzel) são as princesas do reino
de Arendelle: um sítio outrora feliz, mas que devido aos poderes
incontroláveis de Elsa – que transforma tudo o que toca em gelo – tem
de fechar portas.
No entanto, com a morte de seus pais, Elsa é a herdeira ao trono e
assim é obrigada a abrir as portas mais uma vez, para a coroação.
Infelizmente, o pior acontece e o seu descontrolo imergiu Arendelle
num Inverno permanente. Quanto a Elsa, esta teve de fugir, refugiandose nas montanhas gélidas do norte.
[ 42 ]
É neste momento que Anna decide ir atrás da irmã e tentar salvar o
reino. Para isso, conta com a ajuda de Kristoff (Jonathan Groff) e da sua
rena, Sven. No meio desta história, ainda temos tempo para um boneco
de neve falante – Olaf (Josh Gad) – e um plot twist com cambalhota à
retaguarda, já bem perto do final.
Em Frozen foi-se buscar uma receita antiga (já do tempo da Branca de
Neve e mais recentemente de Entrelaçados), onde se procura juntar
o épico com o musical. Para não fugir à regra de obras anteriores, a
banda sonora é incrível. Tendo a capacidade de, para além disso, ter um
enredo que, apesar de típico, não é completamente óbvio.
Porém, nem tudo podem ser rosas. O início da obra é algo extenso,
com excessivo recurso às canções, sem que haja sempre nexo para isso,
caindo no exagero. Outro pequeno percalço prende-se com o pouco
desenvolvimento da personagem Kristof que, inicialmente, mais parece
um mero secundário.
Porém, no final tudo se compõe e somos presenteados com um clássico
modernizado pelas técnicas visuais mais recentes. Destaque para o 3D
que ajuda a adensar a magia do universo de Arendelle.
Esta é a prova que para saber inovar é preciso respeitar o passado.
The Hunger Games: Em Chamas
Quando um filme corre bem e gera expetativas, frequentemente se pensa numa
sequela. No caso de Hunger Games, o
objetivo sempre foi fazer a saga completa, baseada nos livros de Suzanne Collins.
Todavia, este género de histórias, por
vezes focam-se mais na ação e na construção visual do mundo, descurando o
enredo.
Em “The Hunger Games: Em Chamas”
continuamos a acompanhar a história de
Katniss (Jennifer Lawrence), que depois
de ganhar os jogos e fazer frente ao capitólio, vê o Presidente Snow (Donald Sutherland) ameaçar a sua vida e a da sua
família. Para que isso não aconteça, ele
quer que Katniss prossiga com o namoro
de fachada com o igualmente vencedor
dos últimos jogos, Peeta (Josh Hutcherson). Certo é que, devido ao facto de o
povo se querer revoltar e ver Katniss
como a sua heroína, Snow quer eliminá-la. Enquanto isso, Plutarch é nomeado o novo produtor dos jogos.
Por fim, e de forma a se conseguirem livrar de vez de Katniss, sobre o
pretexto de os jogos fazerem 75 anos, decidem criar um novo torneio.
Em vez de utilizarem novos tributos, nestes novos jogos, serão os tributos vencedores de cada distrito a participar.
No meio disto, antes disto e para além disto, há mesmo muitas coisas
vão sucedendo, notando-se da parte de Francis Lawrence, o realizador
deste segundo filme, uma tentativa em concentrar tudo no espaço de
2h20, fazendo assim jus ao livro. A verdade é que a sua esperteza foi
admirável. Conseguiu falar de tudo um
pouco sem cair no erro de tornar o filme
superficial. Para isso, focou-se nos pontos-chave - a revolta do povo injustiçado
e a díade Katniss-Peeta. Desta forma, a
obra ganhou uma grande consistência,
que vai muito para além da parte visual
e da ação existente. Essa está reservada mais para a frente e traz-nos o que
o primeiro filme já nos mostrou. Ainda
assim, o melhor está mesmo reservado
para o final, que deixará qualquer um
à espera de ver mais. Aliás, estas 2h20
souberam a 5 minutos, e se fossem 4h,
ninguém iria notar.
Na parte de representação, destaque
para a atuação genuína e enternecedora de Jennifer Lawrence. É sobre ela
que grande parte do filme se foca e esta
nunca vacila. Está visual e artisticamente um espanto.
Não obstante, este segundo capítulo
tem menos coração que o primeiro. Talvez por se passarem tantas coisas em simultâneo, faz com que alguns momentos sejam feitos com
muita técnica e pouco espaço para o resto. Certo é que, ao contrário
de muitas outras, esta sequela faz jus ao primeiro capítulo e no que
diz respeito à história, melhora. Mérito, por um lado, ao livro em que
é baseado e, por outro, ao rumo escolhido por Francis Lawrence.
[ 43 ]
Check-List
H ot Point - i Tek
A Nova Consola PS 4
Aí está ela! A mais recente e poderosa consola de jogos de todos os
tempos, pelo menos assim acredita o staff da Sony.
O lançamento da nova “menina bonita” do gigante japonês teve tudo:
ansiedade, loucura e, claro está, críticas e mais críticas pois claro.
Segundo notícia do jornal Público, no primeiro dia em que a
nova consola da Sony chegou às prateleiras das lojas dos Estados
Unidos e do Canadá, foram vendidas cerca um milhão de unidades, um volume de vendas próximo do número de encomendas
feitas ainda antes de a consola ser lançada no mercado. Com um
intervalo de sete anos desde o lançamento do modelo antecessor
em 2006, a PS3, a Sony é a segunda a colocar no mercado uma
consola de nova geração. A PlayStation 4 é lançada depois de a
Nintendo ter inaugurado a oitava geração de consolas no final do
ano passado, com a Wii U.
Atendendo a estes dados, Andrew House, responsável pela
Sony Computer Entertainment, considerou tratar-se de uma reação “fenomenal” e disse esperar que este “entusiasmo” aquando
do lançamento europeu, no final do mês de novembro.
No entanto, como em qualquer lançamento de um equipamento deste tipo, depressa choveram críticas, nomeadamente
no que diz respeito às reviews dos quatro primeiros jogos para
esta consola… afinal a PS4 não é assim tão poderosa… ou será
que é? De facto, as fracas notas atribuídas aos jogos têm, segundo o
presidente da Sony Computer Entertainment Worldwide Studios, Shuhei
Yoshida, uma razão de ser: parte das críticas foram feitas antes do lançamento oficial da consola e, portanto, com algumas funcionalidades ainda indisponíveis, nomeadamente as online, conduzindo a estas críticas
menos abonatórias.
Indiferente a toda esta polémica, a PS4 chega a Portugal, onde a compra de jogos para consolas está em queda, a 29 de novembro. Ainda
segundo o jornal Público, até setembro foram vendidos no mercado português 969 mil jogos para consolas. Este volume de vendas representou
25,7 milhões de euros em faturação, representando uma queda de 17%
em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2013, foram vendidas um milhão e 198 mil cópias. Veremos pois como reagirá o mercado
português a esta nova consola.
Mas o que a distingue das demais? A PlayStation 4 traz um novo comando, que tem uma área sensível a gestos e inclui um botão para partilhar online momentos do jogo. Permite ainda fazer uma transmissão via
[ 44 ]
internet enquanto os utilizadores estão a jogar, deixando que outras pessoas acompanhem o jogo. Os utilizadores poderão também continuar
um jogo na PlayStation Vita, a consola portátil da empresa japonesa.
Uma aplicação permite, ao mesmo tempo, que smartphones e tablets
sejam usados como segundos ecrãs, complementando as funcionalidades do ecrã da televisão. Também a capacidade gráfica e de processamento foi melhorada, sendo o processador semelhante ao
de muitos computadores. Aliás, a apresentação da consola no site
da Sony deixa qualquer um a salivar, senão vejamos, “o desempenho gráfico fantástico, a memória e os processadores personalizados incomparáveis, com 10 vezes o poder da PlayStation 3, deram
rédea solta às mentes mais inovadoras da indústria dos jogos no
que se refere a criar experiências maiores, mais audazes e mais
envolventes”. Bom, que mais dizer? Só mesmo dar nome aos componentes. Para os mais curiosos e amantes da electrónica, a PS4
vem equipada com um CPU AMD de 8 núcleos e GPU com motor
gráfico AMD Radeon da próxima geração. A memória é de 8 GB
GDDR5 e vem equipada com um disco rígido de 500 GB. Também
os novos comandos, mais funcionais e ergonómicos, prometem
deliciar o utilizador. O Dualshock 4 é um comando sem fios, inclui
o botão Share, que te permite partilhar e exibir os teus melhores momentos de jogo, e um novo painel táctil.
Em jeito de conclusão, e pesando os prós e contras, é caso para dizer
“Uma PS4? Obrigado, Pai Natal”.
Fontes:
http://pt.playstation.com
http://www.publico.pt/tecnologia
Arcélio Sampaio, professor
H o t P o i n t - P l a y Zo ne
Com um iTek inteiramente dedicado ao lançamento da nova PS4, o
PlayZone desta edição do Leituras teria forçosamente que mostrar alguns dos jogos lançados em conjunto com esta consola e exclusivos para
a PS4.
KILLZONE: SHADOW FALL
A vida em Helghan,
planeta natal dos Helghast, caiu em ruína
depois da guerra. A Interplanetary Strategic
Alliance (ISA) permite
aos refugiados Helghast restabeleceremse no planeta Vekta. O
jogo mostra os Vektan
e os Helghast a viverem numa enorme
cidade dividida por
um muro de segurança. Os Helghast lutam
pelo seu direito de
existir, enquanto que
os Vektans lutam pela
sobrevivência, levando a uma “guerra fria” entre ambos.
É a vez de Lucas Kellan, um membro de uma unidade militar conhecida
como Shadow Marshals, tentar proteger a frágil paz que ainda existe.
Um novo guerreiro para uma nova era de guerra, as missões de Kellan
vão desde infiltrações pacificas a combates no exterior.
Lucas terá de ser metódico e pronto a adaptar-se, porque qualquer
passo em falso poderá levar à destruição.
Com um ambiente gráfico deslumbrante, Killzone: Shadow Fall promete prender-te horas a fio ao ecrã.
contra, permitindo que ele se transforme de uma criatura com menos
de um metro de altura em uma gigantesca máquina de demolição. A
humanidade está ameaçada por um exército de goblins e Knack decide
protegê-la. Até que então se percebe que os elementos da comunidade
humana representam um perigo ainda maior…
Knack apresenta uma jogabilidade muito interessante e grande dinamismo, capaz de envolver miúdos e graúdos no ambiente de jogo.
FOOTBALL MANAGER 2014
E porque nem tudo é Playstation 4, aqui fica uma review ao (talvez)
mais esperado jogo do ano, o Football Manager 2014 (FM2014).
Ao início, quando começamos a jogar, temos a sensação de estarmos
perante a edição anterior, o FM 2013. De facto, não houve nenhuma
mudança radical em FM 2014, nem no aspeto gráfico, nem tão pouco na
jogabilidade. No entanto, quando analisamos mais atentamente apercebemo-nos de subtis mas interessantes mudanças. Desde logo, em FM
2014 podemos negociar com empresários quando queremos comprar
KNACK
Knack é um jogo
de plataforma exclusivo para a PS4.
Uma personagem
do jogo, conhecida
como o Doutor, dedicou-se ao estudo
de relíquias antigas
de uma civilização
perdida e finalmente descobriu uma
forma de as unir e
lhea dar uma consciência. O resultado
é Knack, uma criatura com o poder
de incorporar mais
relíquias no seu corpo conforme as en-
um jogador para, por exemplo negociar uma percentagem do passe do
jogador, tal como acontece com os fundos de investimento.
Outra mudança agradável é a interação com a equipa técnica que está
mais facilitada e melhor. Também as informações são mais completas e
próximas da realidade.
A isto juntamos reuniões com o staff mais produtivas, base de dados
mais realista e alargada, contratações mais dificultadas e com valores
mais elevados, etc.
Contrastando com estas inovações, os menus, grafismo, motor de
jogo, táticas e orientações mantêm-se na linha do seu antecessor, criando no jogador uma sensação de conforto e de maior recetividade ao
jogo.
Resumindo… FM 2014, à semelhança dos títulos anteriores da saga,
encontrou, mais uma vez, a receita para se manter no pódio dos jogos
mais viciantes de sempre.
Fontes: www.wikipédia.com | http://www.techtudo.com.br
Arcélio Sampaio, professor
[ 45 ]
Check-List
H ot Point - A p pDr o i d
Muitos defendem, tal como eu, que a primeira coisa a fazer quando se compra um
smartphone é mudar de ROM (versão do Sistema Operativo ou Firmware) ou, no
mínimo, garantir o acesso ROOT. Até agora eram operações complicadíssimas de
executar para o utilizador comum mas não nos dias de hoje.
Vamos ver como fazer...
O CyanogenMod é o projeto mais popular e famoso quando se fala em
ROM’s personalizadas. Segundo estatísticas recentes, o CyanogenMod
está presente em mais de 9 milhões de dispositivos em todo o mundo
(marca alcançada recentemente) mas… há que adquirir que este projeto
não está “acessível a todos”, isto porque envolve alguma complexidade
na sua instalação.
Depois do anuncio da empresa ligada ao CyanogenMod em setembro,
o CyanogenMod Installer chegou finalmente ao Google Play.
Fonte: pplware - no comments
[ 46 ]
Ao longo dos tempos, o CyanogenMod tem vindo a ganhar novos
recursos que facilitam a sua instalação em dispositivos Android. No
entanto, Steve Kondik e Koushik
Dut, lideres do projeto, informaram em setembro que o CyanogenMod Installer, uma ferramenta
para facilitar a instalação de ROMs
personalizadas, iria chegar brevemente ao Google Play.
De referir que as ROM’s personalizadas tendem a melhorar
a performance do dispositivos e
também a interface gráfica do Android assim como a disponibilizar
versões, com suporte a vários dispositivos, e que são baseadas na
última versão do Android.
O objectivo principal do CyanogenMod Installer é facilitar todo
o processo de instalação de uma
nova ROM, permitindo que qualquer utilizador o faça, mesmo sem
grandes conhecimentos. Aparentemente a aplicação irá preparar,
numa primeira fase o dispositivos
para a receber a nova ROM (guardando toda a informação do mesmo) e em seguida dar-se-á início à
instalação da nova ROM.
A lista de equipamentos que
suportam o CyanogenMod Installer pode ser consultada no site da
Cyanogen. Além da apliação para
Android, o utilizador tem de instalar a versão para Windows, com
suporte para Windows Vista, 7 e 8.
Por agora, ainda não há suporte para o novo
Android 4.4 kitKat.
Com esta ferramenta já não há desculpas para
continuar a ter o smartphone lento e cheio de
“lixo” que nos é imposto pelas operadoras.
ROOT no Android
Um Mundo de Funcionalidades
Existe um mito criado em torno
deste assunto que leva a que os
mais cautelosos (ou menos conhecedores) achem que, por desbloquear esse acesso, algo de muito
mau e assustador vai acontecer ao
smartphone.
Mas porque fazê-lo? Quais são
as vantagens? E desvantagens, há?
O Android, como um Sistema
Operativo (SO) baseado em sistemas Unix, ao ser comercializado
para os terminais é adaptado, pelo
seu fabricante ou pelas operadoras, e é-lhe bloqueado o acesso “root”
devido questões de segurança e marketing!
Sim, marketing… O utilizador, não podendo evoluir e melhorar da for-
ma que pretende o SO “open-source” que usa, para cumprir “o contrato
de permanência” (conhecido como garantia) fica preso normalmente a
uma versão de software desactualizada, de forma a ser incentivado depois à compra de um novo smartphone de forma a ter acesso a uma
nova versão do Android. Como todos sabem, o tempo de suporte fornecido pelo fabricante ou operadora a determinado modelo é bastante
curto, abrangendo poucas versões.
Mas afinal… a questão do acesso “root” não era a segurança?
Talvez, mas não é definitivamente a principal, e ver-se-á porquê mais
à frente.
Todos os motivos que levam a desbloquear o acesso “root” estão associados à melhoria da experiência e usabilidade do Android e do smartphone permitindo fazer uma enorme quantidade de tarefas adicionais.
O que pode ser feito com acesso “root”?
Simplesmente, aceder a ficheiros/pastas e serviços que requerem permissões de super-utilizador. Isto traduz-se na instalação de aplicações
que permitem modificar a ROM, atualizando-a e melhorando as suas
características. Por exemplo, a comunidade CyanogenMod (ver artigo da
página ao lado) tem disponível um vasta quantidade de ROMs adaptadas
directamente a cerca de 25 diferentes modelos, que não só melhoram
as funcionalidades mas também o desempenho do smartphone, e tudo
gratuitamente! Existem também outras comunidades como xda-developers e modaco.
Mas não é só. Existem imensas aplicações na Google Play que requerem acesso “root”. Alguns exemplos (há muitos mais):
AdFree – remove grande parte da publicidade vista em todo o sistema
Android, quer no browser quer em qualquer outra aplicação. O método
consiste na anulação de pedidos feitos a hosts de publicidade conhecidos;
Autostarts – permite controlar a acção de cada evento ocorrido no
sistema de forma a impedir o início automático de determinadas aplicações, desencadeado por eventos, que nos pareçam desnecessárias. O
objectivo é aumentar o desempenho e rapidez do arranque e do sistema
em geral;
Barnacle Wifi Theter – permite usar o Android como ponto de acesso
Wifi, servindo-se de dados da rede móvel. É uma funcionalidade suportada, no geral, pela versão 2.2 (Froyo) do Android. Como vantagem perante a funcionalidade do Android, tem o controlo de tráfego;
MetaMorph – permite modificar o tema, ícones e transições em todo
o Android recorrendo a alterações da framework;
Root Explorer – é um gestor de ficheiros que permite aceder a todo
o sistema de ficheiros. Permite editar qualquer ficheiro com segurança,
faz backup automático aquando da gravação de uma alteração, visualiza
bases de dados SQLite, executa scripts, faz pesquisas de ficheiros, edita
permissões, etc.;
SetCPU – é uma ferramenta capaz de alterar as definições do processador, como frequência máxima (em full load) e mínima (em idle), definir
perfis de utilização, ver toda a informação do sistema, etc.;
ShootMe – permite fazer capturas de ecrã sem recurso a um computador e à ferramenta do SDK. Para tal, é necessário emitir um som ou agitar
o smartphone e o screenshot é imediatamente guardado no cartão SD,
em .png ou .jpg. Em smartphones de melhor desempenho é também
possível fazer gravação de vídeo de tudo o que é visualizado no ecrã.
Há desvantagens? Posso perder a garantia?
Caso exista uma avaria no smartphone, dependendo do tipo de avaria,
podem surgir problemas.
Se a avaria não colocar em causa o arranque do smartphone (como
bateria danificada, auscultador ou algum botão avariado, etc.) será possível restaurar a interdição de acesso “root” e reverter o desbloqueio
antes de enviar o dispositivo para a garantia. Se houver alguma atualização do respetivo modelo disponível para download (no fabricante ou na
operadora), basta instalá-la e tudo será reposto para o estado original.
Por outro lado, se nunca tiver sido lançada uma atualização “instalável”,
será necessário recorrer à comunidade onde haverá com certeza uma
solução.
Se a avaria for crítica e não for possível iniciar o smartphone, então
haverá apenas uma remota hipótese de a garantia ficar invalidada pois
caso o fabricante consiga reparar o aparelho sem comprometer a informação, então, se quiser, poderá “vasculhar” e detectar que a interdição
foi desbloqueada.
Note-se que há imensos relatos de terminais que foram para a garantia, com acesso “root” desbloqueado, e não houve qualquer problema
causado por esse desbloqueio que invalidasse a garantia.
Como desbloquear o acesso “root”?
Existem diferentes métodos de o fazer. Uns mais universais e outros
mais complexos.
Para o utilizador sem vastos conhecimentos acerca deste assunto recomendo o software Kingo Android Root. É um software para Windows
pois, para realizar o root é necessário ter o smartphone ligado ao PC
por USB.
1º passo – fazer download do
Kingo Android Root e instalá-lo no
PC;
2º passo – habilitar a Depuração
USB. No vosso smartphone vão a
Definições/Opções de programador e coloquem o visto como na
imagem. Atenção que em alguns
smartphones é necessário habilitar
primeiro o menu de Opções de programador que numa pesquisa na internet facilmente encontrarão como o fazer.
3º passo – abrir o Kingo Android Root no PC e só depois ligar o smartphone ao PC por USB. Pouco depois o programa deve detetar o vosso
smartphone.
4º passo – cliquem no botão “ROOT” e é só aguardar que o programa
trabalhe. O processo pode demorar dois minutos, incluindo o reinício
automático do smartphone no final.
ATENÇÃO: O autor deste artigo, bem como as suas fontes, não se responsabilizam por
qualquer dano que possa ocorrer no smartphone aquando da aplicação dos métodos root e
instalação de firmware alternativo descritos anteriormente.
Pedro Veloso, professor
[ 47 ]
Liv r o d e C u rs o
António Lima
odrigues
Bruno R
Carlos Duarte
io
Horác
[ 48 ]
O Branquinho, branco mais branco
não há. Sempre ansioso pelo intervalo, revela alguma vontade de
trabalhar… É Portista de coração,
mas percebe pouco de Futebol. O
homem dos porquês, pergunta o
porquê do porquê. Atrasado por
sistema vive num constante dilema… Porquê?
O colecionador de carros. O nosso
paparazzi, faz sempre as reportagens fotográficas. Bom amigo e
homem de respeito. Sempre com
boa disposição e pronto para uma
gargalhada. Adepto de grandes
“tainadas”, gosta de ter os amigos
por perto. Para além de seletivo é
muito compreensivo…
oreira
do M
n
Ferna
É um bom amigo, sempre o primeiro a fugir. Gosta de mandar,
mas para trabalhar fica cansado, é
o engenheiro verbal, só fala, não
faz nada. É o fiscal da turma, de
mãos atrás das costas. É teimoso,
tem sempre que vencer a dele.
Calmo e sereno. Colega da sueca,
sempre pronto para beber uma
caneca.
a
Oliveir
Bruno Santiago
O calmeirão é muito enigmático,
calmo e pacífico, passa as aulas a
dormir, não são todas, mas quase…
É o nosso sedutor, mas pouco,
porque a timidez não deixa. Adora
o seu cão chamado Biscoito. Um
verdadeiro amigo, não mudes.
Para além da sua timidez faz cálculos com muita rapidez.
Bruno Ferreira
O nosso “preguiças” tem a piadinha
sempre na ponta da língua. O
sete mãozinhas é o mais novo da
turma. Vive no mundo dele, de
música no ouvido e lápis na mão
sempre pronto para desenhar, quer
é “curtir a vida de roda no ar”. O
protegido da tia Conceição é um
rapaz de bom coração…
Emelie Perrier
edo
O nosso delegado, é o homem do
sistema e das telecomunicações.
Sempre pronto para desenrascar
algum problema. Amigo do seu
amigo, reivindica pelos direitos dele
e da turma. Ambicioso, lutador e
falador, daí ter encontrado cá o seu
amor. Muito bom rapaz sempre a
correr e muito faz!
O nosso bombeiro e socorrista, é
o 112 de serviço. Calmo e sereno,
sempre preocupado com os outros
e pronto a ajudar. Sabe estar e
é bom colega de trabalho. Bom
ouvinte e bom comunicador. Muito
bom amigo, consegue acalmar os
ânimos. É um homem de paciência
e só fala com consciência…
Fernando Mac
edo
Conceição Azev
Uma mulher muito trabalhadora,
não tolera erros. Para além das
dificuldades que possa passar,
tem sempre alegria para nos dar. É
pouco flexível, mas uma boa amiga.
É uma mulher muito corajosa,
espontânea e explosiva… A mulher
furacão pela sua filha tem paixão.
A Emelie portuguesa tem a mania
que é francesa!
O homem que fala a discutir, ferve
em pouca água. Mais conhecido
por Stallone - a nossa estrela.
Trabalhador e dedicado ao trabalho
é muito desenrascado. Tem cultura
e um vocabulário muito cuidado e
rico. Aproveita todos os momentos
do dia para enrolar o seu tabaco.
Por baixo da máscara de durão está
um homem de bom coração.
A Conceição gosta de ver a turma
unida. É sensível, destemida,
querida e divertida. É a tia de toda
a gente. Com muito jeito para cozinhar, com os seus petiscos gosta
de nos mimar. Gosta que lhe tirem
fotografias e prepara sempre o seu
melhor sorriso. Mulher de respeito
não tem medo do preconceito…
RACC3 - 2012/2014
Refrigeração, Ar Condicionado e Climatização
itas
Rosa Fre
ues
rq
Pedro Ma
A mulher da costura e das limpezas,
sempre pronta para trabalhar. Fica
chateada quando é contrariada.
Sempre pronta a subir ao andaime
e muito empenhada nos estudos,
sempre pronta a aprender. Mãe dedicada muitas vezes stressada. Sempre preocupada com os colegas e
boa conselheira. Rosa, nome de flor,
vê o mundo com muito amor…
Bom trabalhador e artista na sua
arte, na arte da chapa não há quem
o bata. É muito desenrascado, mas
tem dificuldade de trabalhar acompanhado. Bom amigo e com bom
coração é muito dedicado aos amigos e está sempre pronto ajudar. Se
material estás a precisar, pede ao
Pedro que ele vai arranjar. Pedro sabichão tem a mania que é mandão…
Alfredo Silva
Paulo Faria
Tiago Andrade
Jorge Faria
O nosso Inspetor Gadget. Um eterno apaixonado e romântico. É reservado, de poucas palavras, mas muito educado. Um homem charmoso
e com boa aparência. É atencioso
e prestável. É um homem poético,
com uma boa forma de se expressar
e com muito jeito para rimar…
O nosso XôPAulo é temperamental, não se deixa ficar, tem sempre
uma boa resposta para dar. A sua
imagem de marca é a sua mochila
às costas com o seu farnel. Boa pessoa e excelente trabalhador. Bom
parceiro da sueca. Nunca se atrasa,
Paulo baixinho chega sempre cedinho…
Esbelto e de corpo atlético, autoestima não lhe falta. Com o telemóvel
desligado está sempre a preocupado com o penteado. Futuro técnico
de AVAC. Bom amigo e com bom
coração, é um homem de Ribeirão.
Olha os outros com o seu ar de superioridade, mas não é por maldade, apenas porque tem 1,87 metros
de vaidade…
É um homem de ideias fixas, trabalhador e perfecionista. Não gosta de
deixar o trabalho a meio. É o assistente das professoras, sempre pronto a limpar o quadro. Tem muita
curiosidade sobre vários temas – é
um verdadeiro investigador, muito
dedicado à leitura e à escrita, um
dia será um escritor…
Tiago Carneiro
José Ribeiro
É o rezingão da turma. Resume-se a
três frases: “não quero”; “não posso” e “não faço”, mas no fim acaba
sempre por ceder. É trabalhador,
responsável e competente. Sempre
pronto a tirar a sede aos seus amigos. Um bom amigo, com muita paixão e tem a Sónia no coração!
Prof. Pedro Rocha
O homem dos computadores. “Eu
tenho”, “já me aconteceu” e “já fiz”.
O homem dos sete ofícios. Muito
trabalhador e sempre pronto a ajudar. Tem umas gargalhadas estranhas. Tiago Carneiro, um homem
porreiro sempre pronto a ajudar o
seu companheiro…
Muito stressado, funciona com base na
cafeína… O homem que dorme pouco…
nós achamos que nunca dorme. Bom
professor, bom amigo e sempre disposto a ajudar e defender os alunos, fica
sempre do nosso lado. Ajuda-nos a ver
o lado positivo das situações, por isso
gostávamos que tivesse sido o nosso
orientador. O curso RACC3 congratula-se
de ter partilhado esta formação com o
professor - o expoente máximo de humildade, sabedoria e companheirismo.
[ 49 ]
Em
Alta
Baixa
grande jornal, porO Leituras, na minha opinião, é um
s, projetos e até
que ficamos a conhecer as atividade
intercâmbios.
mação e curioEste jornal é uma grande fonte de infor
sso ao Leituras e
sidades. Por isso desejo o maior suce
à sua equipa de trabalho.
(I n ) C o n f i d ê ncia s
Miguel Pereira, MA3
Um livro que gostaste de ler
Diário de um Banana
A música da tua vida
Animals, Martin Garrix
Para mim o Jornal Leituras é um verdadeiro jornal, porque com ele ficamos a conhecer as atividades que se
realizaram e as atividades que se vão realizar durante
o ano letivo. O Leituras é um jornal com uma estrutura
diferente dos outros jornais, o que o torna diferente,
mas para melhor, também tem uma equipa técnica de
excelência que conta com a ajuda de alunos, professores e de funcionários para tornar a sua qualidade ainda melhor. Para o
jornal
Leituras desejo as maiores felicidades e o maior sucesso.
Pedro Cruz, IE13
A frase que mais te irrita
“Calem-se”
O filme que mais te marcou
A Lista de Schindler
Cinema ou teatro?
Cinema
Fast-food ou comida tradicional?
Comida tradicional
Disciplina preferida
Práticas Oficinais
Na minha opinião o Leituras é mais que um simples Jornal é um local onde encontramos grande parte das atividades e projetos desenvolvidos na escola. Onde podemos
desenvolver hábitos de leitura e também onde nos podemos divertir. Receber o Leituras é sempre algo emocionante pois ficamos na expetativa do que vamos encontrar de
novo em mais uma edição.
Márcia Marques, HSTA7
Artista de cinema preferido
Angelina Jolie
Animal de estimação
Canário
Sobremesa preferida
Bolo de iogurte
A viagem de sonho
Canárias
Mulher Ideal
Bonita e amiga
O Leituras é um jornal muito inter
essante para
a nossa escola e para todos os alun
os que a frequentam, pois permite que estes fique
m a conhecer as novidades e os acontecimento
s da escola
ao longo do período letivo.
Qualidades que mais aprecias
Sinceridade
O que não dispensarias numa ilha deserta
Os óculos de sol
José Lopes, ER6
Bruno Maia, MA3
[ 50 ]
ADN
Bi l h e t e d e I d e n t i d ade
Um livro que gostaste de ler
Maldição do tigre
A música da tua vida
Shadow of the day, Linkin Park
A frase que mais te irrita
“Cala-te Cátia”
O meu nome é Lurdes Vieira.
O filme que mais te marcou
O Lado Bom da Vida
Moro na Freguesia de Cunha, Braga.
Nasci no dia 15 de março de 1953.
Cinema ou teatro?
Cinema
No dia do meu aniversário gosto de conviver com os meus filhos.
As pessoas dizem que tenho jeito para ajudar no que for preciso.
Fast food ou comida tradicional?
Fast food
Produzo muito mais quando estou sozinha.
Disciplina preferida
Matemática
Sinto-me feliz quando há saúde.
Comovo-me quando vejo as tragédias a acontecer no dia a dia.
Artista de cinema preferido
Adam Sandler
Adoro passear.
Detesto falsidades.
Animal de estimação
Tartaruga
Num filme interpretaria a personagem de um cómico.
Sobremesa preferida
Leite-creme
Um dos meus sonhos é que as pessoas não sofressem tanto com as
tragédias naturais.
De quem gostarias de ler as memórias
Da minha família
Acredito que Deus existe.
O Leituras para mim é um jornal de informação e muito criativo da nossa
Escola.
A viagem de sonho
México
Se fosse um animal seria uma cobra.
Homem Ideal
Sincero e simpático
Por um dia gostava de ter tudo à minha disposição, fazer tudo o que me
apetecesse!
Qualidades que mais aprecias
Humildade e bom humor
Se ganhasse o Euromilhões deixava o trabalho e fazia uma grande viagem
de carro. Fazia, também, umas férias para conhecer alguns países.
O que não dispensaria numa ilha deserta
Amigos/as
Os computadores para mim são são ferramentas de trabalho e de
conhecimento.
Cátia Machado, HSTA7
O que faltou perguntar foi do que tenho medo.
[ 51 ]
A CIOR Oferece
um Novo Serviço
IMPRESSÃO
em 3D
(VER PÁG. 21)
IMAGINE PODER CRIAR AS SUAS
PRÓPRIAS PEÇAS.
IMAGINE TER UM PRODUTO
EXCLUSIVO.
IMAGINE PODER SUBSTITUIR UMA
PEÇA QUE PARTIU.
IMAGINE CRIAR PEÇAS À MEDIDA
PARA O SEU PROTÓTIPO OU NOVO
PRODUTO.
A IMAGINAÇÃO
É O LIMITE
Peça-nos um orçamento enviandonos o desenho da sua peça em 3D.
Resolução: 0,1mm
Dimensões máx: 250Lx160Wx150H
Z
Y
X

Documentos relacionados

FOMENTAMOS a INVESTIGAÇÃO - Escola Profissional CIOR

FOMENTAMOS a INVESTIGAÇÃO - Escola Profissional CIOR no desemprego…; O meu filho quer desistir, porque vou emigrar, mas enquanto andar na escola sempre tem o subsídio de refeição… Assistir àquela aula, com jovens de 15, 16, 17 anos e menos jovens, do...

Leia mais

Leituras - Escola Profissional CIOR

Leituras - Escola Profissional CIOR Cooperativa de Ensino de Vila Nova de Famalicão, C.R.L. (Escola Profissional CIOR) DIRETORA Carla Oliveira RECOLHA DE INFORMAÇÃO / IMAGEM / FOTOGRAFIA Arcélio Sampaio Cristina Ferreira REVISÃO DE P...

Leia mais

CONCRE TA e E NDIE L - Escola Profissional CIOR

CONCRE TA e E NDIE L - Escola Profissional CIOR Automação e Comando, Produção Metalomecânica e Animação Sociocultural), a CIOR preparou-se para receber os cursos vocacionais (Novas Tecnologias, Empregado de Mesa e Animação de 6º ano; Novas Tecno...

Leia mais

V encemos a iDroneCup - Escola Profissional CIOR

V encemos a iDroneCup - Escola Profissional CIOR dirigem-se aos estudantes do 12º ano de escolaridade ou de ano pedagogicamente equivalente, de escolas dos subsistemas público e privado, localizadas em Portugal Continental e Insular ou no estrang...

Leia mais

A Tua Aposta - Escola Profissional CIOR

A Tua Aposta - Escola Profissional CIOR REVISÃO DE PROVAS Andreia Araújo Carla Susana Azevedo Joaquim Meneses DESIGN GRÁFICO E PAGINAÇÃO Pedro Veloso DATA DE PUBLICAÇÃO Junho de 2011 NÚMERO

Leia mais