Revista de Pesquisa em Saúde - V 12, Nº 2, MAIO-AGO - HU-UFMA

Сomentários

Transcrição

Revista de Pesquisa em Saúde - V 12, Nº 2, MAIO-AGO - HU-UFMA
ISSN 2236-6288
Revista de
em
Saúde
Journal of Health Research
Volume 12, n. 2, maio-agos/2011
Endereço para correspondência:
Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão (HUUFMA)
Rua Barão de Itapary, 227 - Centro. 4º andar da Unidade Presidente Dutra (HUUPD) - CEP.: 65020-070
São Luís-MA. Brasil.
Telefone para contato: (98) 2109-1242, 2109-1092
E-mail: [email protected]
Disponível também em: < http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahuufma >
Revista de Pesquisa
em Saúde
Journal of Health Research
ISSN 2236-6288
Revista de Pesquisa em Saúde
São Luís
v. 12
n. 2
p. 1-62
maio-agos/2011
© 1995 Revista de Pesquisa em Saúde / Journal of Health Research
Revista de Pesquisa em Saúde / Journal of Health Research é uma publicação quadrimestral do Hospital Universitário
da Universidade Federal do Maranhão (HUUFMA) que se propõe à divulgação de trabalhos científicos produzidos por
pesquisadores com o objetivo de promover e disseminar a produção de conhecimentos e a socialização de experiências
acadêmicas na área de saúde, assim como possibilitar o intercâmbio científico com programas de Pós-Graduação e
Instituições de pesquisas nacionais e internacionais. As versões impressa e online estão indexadas no sistema Latindex
(Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal) e
afiliada à Associação Brasileira de Editores Científicos - ABEC.
HOSPITAL UNIVERSITÁRIO
Conselho Editorial / Editorial Board
Natalino Salgado Filho
Reitor
Aldina Maria Prado Barral - UFBA/FIOCRUZ
Antonio Augusto Moura da Silva - UFMA
Armando da Rocha Nogueira - UFRJ
Afksendiyos Kalangos - UHG-Suiça
Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza - UNESP
Domingo Marcolino Braile - FAMERP
Elba Gomide Mochel - UFMA
Fábio Biscegli Jatene - FMUSP
Fernanda Ferreira Lopes - UFMA
Gustavo Adolfo Sierra Romero - UNB
Jackson Maurício Lopes Costa - CPqGM/FIOCRUZ
Luciane Maria de Oliveira Brito - UFMA
Márcia Mattos Gonçalves Pimentel - UERJ
Marcus Gomes Bastos - UFJF
Maria do Céu Aguiar Barbieri de Figueiredo - ESEP-Portugal
Maria Rita de Cássia Costa Monteiro - UFPA
Pablo Maria Alberto Pomerantzeff - USP
Rodolfo A. Neirotti - USA
Semiramis Jamil Hadad do Monte - UFPI
Walter José Gomes - UNIFESP
Vinicius José da Silva Nina
Diretor Geral
Nair Portela Silva Coutinho
Diretora Adjunta de Ensino, Pesquisa e Extensão
Marília Cristine Valente Viana
Diretora Adjunta de Administração e Finanças
Joyce Santos Lages
Diretora Adjunta de Planejamento
Antônio Raposo Filho
Diretora Adjunta de Serviços Assistenciais
Revista de Pesquisa em Saúde / Journal of Health Research
Editores Associados / Associate Editors
Arlene de Jesus Mendes Caldas - UFMA
Nair Portela Silva Coutinho - UFMA
Natalino Salgado Filho - UFMA
Vinicius José da Silva Nina - UFMA
Normalização Bibliográfica / Bibliographics Standards
Ana Luzia de Sá Magalhães
Telma Maria Santana Amaral
Editora Chefe / Chief Editor
Arlene de Jesus Mendes Caldas
Revisão de Inglês / Proofreading of english texts
Max Diego Cruz Santos
Secretária / Secretary
Rita da Graça Carvalhal Frazão Corrêa
Editoração Eletrônica / Desktop Publishing
Francisco Ferreira e Silva Felipe
Revista de Pesquisa em Saúde, periódico biomédico de divulgação científica do Hospital
Universitário da UFMA, v.1, n.3, 1995.-São Luís, 1995.
v. 12, n. 2, 2011
Quadrimestral.
(ISSN – 2179-6238) versão impressa
(ISSN – 2236-6288) versão online
1. Ciências da Saúde – periódicos. I. Universidade Federal do Maranhão II. Hospital
Universitário.
CDU: 61(05)
Todos os manuscritos publicados são de propriedade da revista, não sendo permitido a reprodução, mesmo que parcial
em outro periódico, seja por meios eletrônicos, mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros.
Tanto os conceitos emitidos nos manuscritos como a revisão da língua portuguesa, são de responsabilidade exclusiva
do(s) autor(es), não refletindo necessariamente a opinião do Conselho Editorial.
Apoio
Sumário / Summary
ISSN-2236-6288
Rev Pesq Saúde, 12(2): 1-62, maio-agos, 2011
© Revista de Pesquisa em Saúde / Journal of Health Research
EDITORIAL
7
Editorial
Perfil da Revista de Pesquisa em Saúde / Journal of Health Research
ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES
9
O perfil postural do idoso asilado e sua relação com o nível de equilíbrio postural
The postural profile of the institutionalized elderly people and its relation with the level of postural balance
Jean Carlos Sousa de Santana, Bismarck Ascar Sauaia e Karla Virgínia Bezerra de Castro Soares
13
Percepção de primigestas adolescentes sobre saúde bucal
Oral health perception of teenage primiparous women
Bruna Ferreira Amorim, José Ferreira Costa e Elizabeth Lima Costa
18
Perfil dos processos por erro médico em São Luís - MA
Profile of medical error lawsuits in São Luís - Maranhão
Deíla Barbosa Maia, José de Albuquerque Figueiredo Neto, Sonayra Brusaca Abreu, Diego Salvador Muniz da Silva
e Luciane Maria Oliveira Brito
23
Avaliação dos aspectos éticos da publicidade e propaganda odontológica divulgadas por profissionais em
São Luís - MA
Assessment of ethical aspects of advertising and propaganda disseminated by dental professionals in São Luís Maranhão
Ana Laíssa Gomes Martins, Maria Aparecida Costa, Marcelo Victor Gomes dos Reis, Lorena Lúcia Costa Ladeira,
Elizabeth Lima Costa e José Ferreira Costa
27
Avaliação da intensidade da luz dos aparelhos fotopolimerizadores utilizados em clínicas odontológicas
de São Luís - MA
Light intensity evaluation of light curing units used in dental clinics of São Luís - Maranhão
Samantha Ariadne Alves de Freitas, José Ferreira Costa e José Roberto Oliveira Bauer
32
Nível de atividade física de servidores idosos em período de pré-aposentadoria da Universidade Federal
do Maranhão - UFMA
Level of physical activity of servers in elderly pre-retirement period of the University of Maranhão - Brasil
Carolina Abreu de Carvalho, Poliana Cristina de Almeida Fonsêca, Alessandra Gaspar Sousa e Soraia Pinheiro
Machado
38
Doença hipertensiva específica da gravidez: o envolvimento de puérperas com o autocuidado
Specific hypertensive disease of pregnancy: the participation of puerperas with self-care
Cláudia Teresa Frias Rios, Elba Gomide Mochel, Thais Natália Araújo Botentuit e Viviane de Sá Coêlho Silva
44
Análise dos óbitos por neoplasia pulmonar em São Luís - MA
Analysis of pulmonary neoplasia mortality data in São Luís - Maranhão
Caroline Carvalho Velasquez, Herica Araújo Costa, Paulo Roberto Cabral Passos, Samara dos Santos Ribeiro, Wene
Jéssica Pereira Mendonça e Lorena Lauren Chaves Queiroz
RELATO DE CASO / CASE REPORT
48
Linfangioma de cavidade bucal: relato de caso clínico
Oral lymphangioma: case report
Erika Martins Pereira, Melaine de Almeida Lawall e Waltair Maria Martins Pereira
ARTIGO DE REVISÃO / REVIEW ARTICLE
51
Tomografia computadorizada Cone Beam em Ortodontia – evolução ou revolução?
Visão geral, aplicações, vantagens/desvantagens e dose de radiação
Cone Beam computed tomography in orthodontia - evolution or revolution?
Overview, applications, advantages/disadvantages and radiation dose
Aubrey Fernando Fabre, Juliana Kina, Ana Caroline Gonçales Verri, Alex Luiz Pozzobon Pereira, Marcos Rogério
de Mendonça e Osmar Aparecido Cuoghi
NOTAS REDATORIAIS / NOTES TO AUTHORS
Editorial
Perfil da Revista de Pesquisa em Saúde / Journal of Health Research
A abordagem multidisciplinar é uma característica da Revista Pesquisa em Saúde, contribuindo na divulgação da produção de conhecimento nas diversas áreas da saúde. Um tema de muitas discussões que envolvem a produção científica tem sido a saúde do idoso. Neste contexto apresentamos o “Perfil postural do
idoso asilado e sua relação com o nível de equilíbrio postural e, Nível de atividade física de servidores idosos
em período de pré-aposentadoria da Universidade Federal do Maranhão”. O crescimento populacional de idosos vem ocorrendo de forma acelerada nas últimas décadas, transformando a senescência em um dos fenômenos mais estudados. O primeiro artigo apresenta uma análise sobre o perfil postural do idoso asilado relacionando-o ao nível de equilíbrio postural e o segundo, avalia o nível de atividade física de servidores idosos
em período de pré-aposentadoria da Universidade Federal do Maranhão - UFMA, e verifica a associação com
o sexo e indicadores antropométricos do grupo.
Na área da odontologia, destacamos os artigos intitulados Percepção de primigestas adolescentes sobre
saúde bucal, Avaliação dos aspectos éticos da publicidade e propaganda odontológica divulgada por profissionais em São Luís - MA, Avaliação da intensidade de luz dos aparelhos fotopolimerizadores utilizados em clínicas
odontológicas de São Luís - MA, Tomografia computadorizada Cone Beam em ortodontia - evolução ou revolução? Visão geral, aplicações, vantagens/desvantagens e dose de radiação, e Linfangioma de cavidade bucal: relato de caso clínico. Os autores do primeiro artigo avaliam o conhecimento de gestantes adolescentes sobre sua saúde bucal e dos seus bebês, por se enquadrarem na classificação de pacientes especiais, uma vez que o período
da gestação é considerado ideal para que a nova mãe receba informações que tragam mensagem de saúde plena
para seu filho. No segundo artigo, os autores avaliam os aspectos éticos da publicidade e propaganda odontológicas, sendo que o modelo de marketing mais utilizado pelos cirurgiões-dentistas é o externo (revistas, internet,
jornais), que constitui um importante instrumento para atrair pacientes, porém deve ser utilizado sob a ótica da
ética. O terceiro artigo aborda a intensidade luminosa emitida, o tipo de luz, o tempo de polimerização e a frequência de manutenção dos aparelhos fotopolimerizadores utilizados nas clínicas odontológicas; estes aparelhos são imprescindíveis para garantir o sucesso das restaurações estéticas. O penúltimo artigo nesta área é de
revisão, trata das vantagens e desvantagens da tomografia computadorizada Cone Beam. O diagnóstico por meio de imagens tridimensionais (3D) do complexo dentomaxilofacial tem aumentando com a introdução da tomografia computadorizada Cone Beam (TCCB), devido ao custo relativamente baixo e da baixa dose de radiação
quando comparados aos outros métodos. O último artigo trata de um relato de caso sobre lanfangioma de cavidade oral, que é uma malformação linfática geralmente diagnosticada na infância.
No artigo, Doença hipertensiva específica da gravidez: o envolvimento de puérperas com o autocuidado,
os autores utilizam a teoria do autocuidado de Orem que tem como premissa básica a crença de que o ser humano tem habilidades próprias para promover o cuidado de si mesmo, salientando-se a importância do continuo desenvolvimento da competência humana.
Finalmente, apresentamos o artigo Análise dos óbitos por neoplasia pulmonar em São Luís - MA, que trata
da análise dos óbitos por neoplasia pulmonar ocorrido no Estado do Maranhão no período de 2006 a 2009.
Nesta edição, esperamos ter contribuído com mais uma etapa no desenvolvimento e na divulgação do conhecimento científico.
Profª. Drª. Arlene de Jesus Mendes Caldas
Editora Chefe
Professora Associada do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Maranhão - UFMA
ISSN-2236-6288
Artigo Original / Original Article
O perfil postural do idoso asilado e sua relação com o nível de equilíbrio
postural
The postural profile of the institutionalized elderly people and its relation with the level of postural
balance
Jean Carlos Sousa de Santana1, Bismarck Ascar Sauaia2 e Karla Virgínia Bezerra de Castro Soares3
Resumo
Introdução: O processo retrogênico exacerba alterações diversas no organismo destacando-se as posturais e de equilíbrio
gerando déficits da autonomia funcional, com repercussão direta na depleção da qualidade de vida. Objetivo: Analisar o perfil
postural do idoso asilado relacionando-o ao nível de equilíbrio postural. Métodos: Estudo descritivo, de caráter transversal,
com abordagem quantitativa de dados realizado no Asilo São Vicente de Paulo, em São Luís-MA. A amostra foi composta de 28
idosas, após serem considerados os fatores de exclusão. Os dados foram analisados pelos testes de correlação de Pearson e da
contingência, com relação às variáveis: alteração postural e equilíbrio. Resultados: Os dados mostraram que quando relacionada a idade e a alteração postural foi indicado que o estado de normalidade cresce inversamente proporcional à alteração
postural (p=0,0001). Entretanto ao teste de contingência ficaram definidos com p=0,5566, para equilíbrio estático e p=0,3927
para o equilíbrio dinâmico mostrando que os diferentes níveis de equilíbrio independem da presença ou ausência de alteração
postural e, tendem a normalidade. Conclusão: As alterações posturais são determinantes do desequilíbrio postural de idosos.
Palavras-chave: Equilíbrio postural. Envelhecimento. Idoso. Funcionalidade.
Abstract
Introduction: The retrogenic process enhances many changes inside the body, mainly those related to posture and balance,
which cause losses in the functional autonomy affecting the self-esteem and life quality of the elderly. Objective: To analyze the
postural profile of the institutionalized elderly people and its relation with the level of postural balance. Methods: Descriptive
cross-sectional study with quantitative approach. The study took place at São Vicente de Paulo Asylum, in São Luís-MA. The
samples consisted of 28 elderly people after considering the exclusion factors. The data were analyzed using the Pearson correlation and contingency tests, regarding the variables: postural changes and balance. Results: When comparing age and postural changes, the data showed that the state of normality increases inversely proportional to postural change (p=0.0001).
However, the test of contingency was defined with p=0.5566 for static balance and p=0.3927 for dynamic balance, showing that
the several different levels of balance are independent of presence or absence of postural change and tend to the normality.
Conclusion: Postural changes are determinants of postural imbalance of the elderly.
Keywords: Postural Balance. Aging. Elderly. Functioning.
Introdução
O crescimento populacional de idosos vem
ocorrendo de forma acelerada nas últimas décadas,
podendo ser percebido em nível mundial, nacional,
regional e local, transformando a senescência em um
dos fenômenos mais estudados dos últimos anos1.
A senescência configura-se como um processo
resultante do somatório de alterações orgânicas, funcionais e psicológicas do envelhecimento normal, e
que, no entanto, não deve ser confundida com a senilidade que é caracterizada por afecções que frequentemente acometem os indivíduos idosos2.
O processo retrogenico é universal e inexorável
e, de acordo com Lojudice et al.3 à medida que o individuo envelhece, passam a ocorrer mudanças nos seus
sistemas em geral, levando ao aparecimento de
doenças crônicas, declínio da capacidade funcional,
perda de autonomia e independência. Estas somadas
ou isoladas acabam por favorecer disfunções em
vários órgãos, o que leva o idoso a sofrer inúmeras
perdas destacando-se os distúrbios da postura e do
equilíbrio postural que irão comprometer suas
Atividades Básicas da Vida Diária (ABVDs), Atividades
da Vida Diária (AVDs) entre outras4.
Quando presente na vida do idoso, a incapacidade funcional passa a exigir um maior grau de ação
e resposta por parte dos sistemas, interferindo no
aumento das desordens, citando-se como exemplo
alterações no equilíbrio estático e na marcha o que
passa a favorecer eventos como as quedas, dentre
outros agravos, contribuindo para o aumento nos
índices de mortalidade e morbidade desta população5.
O envelhecimento passa a afetar a todos os
elementos que tem relação direta com a manutenção
da postura e do equilíbrio visto que estas dependem,
além dos aspectos anatômicos, das respostas
neurofisiológicas às perturbações externas e internas
(Feedback e Feedfoward), onde estes sistemas se
completam e se ajustam na vida do homem, tanto em
1.
Graduado em Fisioterapia. Centro Universitário do Maranhão (Uniceuma).
Mestre em Ciências da Saúde. Centro Universitário do Maranhão (Uniceuma).
Mestre em Ciências da Motricidade Humana. Centro Universitário do Maranhão (Uniceuma)
Contato: Jean Carlos Sousa de Santana. E-mail: [email protected]
2.
3.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 9-12, maio-agost, 2011
9
O perfil postural do idoso asilado e sua relação com o nível de equilíbrio postural
nível de estrutura quanto no aspecto funcional1,6,7. Com
o avanço da idade a velocidade dessas respostas tende
a diminuir, vindo a comprometer a segurança e
independência funcional do idoso.
Por ser a fisioterapia um ramo de saúde que
prima pela funcionalidade, seja em nível preventivo ou
curativo, detectar alterações ou desordens que
possam, a priori, contribuir para a depleção destes
fatores é crucial, problemática que fez originar este
estudo que objetivou analisar o perfil postural do
idoso asilado e sua correlação com nível de equilíbrio
postural.
Métodos
Tratou-se de um estudo do tipo descritivo e de
caráter transversal, com abordagem quantitativa de dados, realizado no período de fevereiro a junho de
2010, no Asilo São Vicente de Paula, no bairro João
Paulo, em São Luís-MA. A população eleita foi a de
idosas asiladas, onde a amostra colhida de forma aleatória foi constituída por um grupo de 28 idosas acima
de 60 anos, residentes no próprio abrigo. Todas as
participantes foram esclarecidas sobre o teor do
estudo e assinaram o termo de consentimento livre e
esclarecido, segundo Resolução Nº 196/96 do Conselho Nacional de Saúde. Foram incluídas no estudo
todas as idosas residentes no local, sedentárias, que
não estivessem fazendo uso de nenhum medicamento
psicoativo, que não estivessem utilizando nenhum dispositivo para auxilio de marcha a exemplo de
bengalas, muletas, aparelhos de locomoção e
sustentação de alta tecnologia e outros, que não
possuíssem nenhuma patologia com sequelas neurológicas e, que não apresentassem quadro de dor
aguda ou fatores relacionados que pudessem intervir
no resultado dos testes e, que aceitassem participar
voluntariamente do estudo.
Foram utilizados como instrumentos de pesquisa, os seguintes testes: Escala de Tinetti, na
avaliação do equilíbrio e das anormalidades na marcha; que consiste de 16 itens, em que 9 são para o
equilíbrio do corpo e 7 para a marcha. O Teste de
Tinetti classifica os aspectos da marcha como a
velocidade, a distancia do passo, a simetria e o
equilíbrio em pé, o girar e também as mudanças com
os olhos fechados. A contagem para cada exercício
varia de 0 a 1 ou de 0 a 2, com uma contagem mais
baixa que representa uma habilidade física mais
deficiente. A pontuação total é a soma da pontuação
do equilíbrio do corpo e a da marcha. A pontuação
máxima é de 12 pontos para a marcha, de 16 para o
equilíbrio do corpo e de 28 para a total7, 8. Escores abaixo de 19 e entre 19 e 24 pontos representam respectivamente um alto e moderado risco de quedas. De
acordo com Lojudice et al.3 a escala apresenta confiabilidade interativa adequada e validade de conteúdo.
Para a avaliação postural utilizou-se o questionário elaborado pela empresa Terrazul Informática
Ltda., em 2005. Este questionário não trabalha com
escores e sim com a avaliação do examinador que
examina o paciente em perfil e posição anteroposterior verificando as curvas fisiológicas da coluna
vertebral, as alterações nos Membros Superiores
10
(MMSS) e Membros Inferiores (MMII) e simetria entre o
todo.
Os dados obtidos foram analisados sob a forma
de tabela e para posterior análise e discussão utilizouse o teste de independência das variáveis e, o teste de
correlação de Spearman que investigou a correlação
positiva e negativa entre duas situações, nesse caso
(postura e equilíbrio). Para ambas as situações foram
conferidas o intervalo de confiança de 95%.
Resultados
Foram analisadas 28 idosas institucionalizadas
no Asilo São Vicente de Paulo, o que representa um
total de 100%. Os resultados apresentam-se expostos
em forma de tabelas.
Os resultados da Tabela 1 que analisam a frequência de mulheres idosas, na relação faixa etária,
equilíbrio e alteração postural demonstraram que 57%
das mulheres apresentam alterações posturais onde
para o estado de anormalidade 3,57 ocorreram com
mulheres de idade inferior a 70 anos e 28% em
mulheres com idade ≥ 70 anos. Ficou definido
respectivamente um "r" = - 1; "r" = 1 e (p) = 0, 0001.
Tabela 1 - Frequência de mulheres idosas, na relação faixa
etária, equilíbrio e alteração postural. São Luís, Maranhão, 2010.
Variáveis
E.E.D/N
situacionais
Idade
%
n
A.P. (n=28)
E.E.D/A
Sim
n
60 - 70 anos 25 89,28 01
≥ 70 anos
%
n
3,57
Não
%
n
%
12 42,86 01 3,57
21 75,00 08 28,57
15 53,57
-
-
A análise da relação alteração postural e os diferentes níveis de equilíbrio estático demonstrados na
Tabela 2, apontou maiores frequências para os
diferentes momentos do estado de equilíbrio estático
e, ocorreram na relação "SIM" para a alteração postural
com 71,43%, e anormalidade para o equilíbrio para
25% da amostra, com (p) = 0, 5566.
Tabela 2 - Frequência de mulheres idosas, na relação alteração postural e os diferentes níveis de equilíbrio estático.
São Luís. Maranhão, 2010.
Equilíbrio Estático (n=28)
Variáveis
situacionais
Normal
Alteração Postural
Anormal
n
%
n
%
Sim
20
71,43
07
25
Não
01
3,57
-
-
A análise da relação alteração postural e os diferentes níveis de equilíbrio dinâmico, foram apresen-tados
na Tabela 3, onde os resultados mostram que as maiores
frequências para os diferentes momentos do estado de
equilíbrio dinâmico ocorreram na relação "SIM" para a
alteração postural com 78,57%%, e anormalidade para o
equilíbrio para 17,86% da amostra, com (p) = 0, 3927.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 9-12, maio-agost, 2011
Santana JCS, Sauaia BA, Soares KVBCS
Tabela 3 - Frequência de mulheres idosas, na relação alteração postural e os diferentes níveis de equilíbrio dinâmico.
São Luís, Maranhão, 2010.
Equilíbrio Dinâmico (n=28)
Variáveis
situacionais
Alteração Postural
Normal
Anormal
n
%
n
%
Sim
22
78,57
05
17,86
Não
01
3,57
-
-
Os resultados da Tabela 4 mostraram que as
maiores freqüências para os diferentes momentos do
estado de equilíbrio, ocorreram na relação alteração
postural do M.I; M.S. e, o equilíbrio normal com,
respectivamente (32,14%); ( 25%), com (p) = 0, 0769.
Tabela 4 - Frequência de mulheres idosas, na relação áreas
esqueléticas de alteração postural e os diferentes níveis de
equilíbrio estático. São Luís, Maranhão, 2010.
Equilíbrio Estático
Variáveis
situacionais
Normal (n=22)
Alteração Postural
MS
MI
MS e MI
n
07
09
06
Anormal (n=05)
%
25
32,14
21,43
n
01
04
%
3,57
14,28
MS = Membro Superior; M I = Membro Inferior; M S e M I = Membro
Superior e Membro Inferior
Quanto à relação dos déficits de equilíbrio com
as diferentes áreas corporais em que se encontram
mostrados na Tabela 5, as maiores frequências para os
diferentes momentos da marcha, ocorreram na relação
alteração postural do MI; MS e, anormalidade para o
equilíbrio, com respectivamente (35,71%); (25%), com
(p) = 0, 0054.
Tabela 5 - Frequência de mulheres idosas, na relação áreas
esqueléticas de alteração postural e os diferentes níveis de
equilíbrio dinâmico. São Luís, Maranhão, 2010.
Equilíbrio Estático
Variáveis
situacionais
Normal (n=22)
Alteração Postural
MS
MI
MS e MI
n
07
10
05
Anormal (n=05)
%
25,00
35,71
17,86
n
05
%
17,86
Discussão
Este estudo analisou 28 idosas institucionalizadas no Asilo São Vicente de Paulo, o que representa
um total de 100%. Das idosas avaliadas 96,43% apresentaram alterações posturais.
Os resultados da (Tabela 1) tomam como base a
faixa etária dos sujeitos investigados e evidenciam
uma diminuição de frequência normal e aumento de
freqüência anormal, conjuntamente às alterações
Rev Pesq Saúde, 12(2): 9-12, maio-agost, 2011
posturais demonstrando que o estado de normalidade
cresce inversamente proporcional à alteração postural.
Já o estado de anormalidade cresce diretamente
proporcional à freqüência de pacientes com alteração
postural.
Nossos achados estão de acordo com estudos
similares a exemplo de Lojudice et al.,3 Maciel e
Guerra4 e Aikawa et al.,9 quando foram observadas
forte associação das alterações com a variável idade,
ou seja, a maioria dos idosos com faixa etária acima de
65 anos apresenta alterações posturais associadas a
déficit de equilíbrio, característica própria do processo
retrogenico, onde todas as estruturas imbricadas no
processo de manutenção postural e de equilíbrio
acabam por sofrer danos tanto em nível central quanto
periférico.
Incrementando a discussão acerca da problemática aqui abordada, os autores foram unânimes em
afirmar que a prevalência de queixas de equilíbrio e
postura encontra-se associada a várias etiologias, o
que acaba por manifestar-se através de desequilíbrio,
desvio de marcha, instabilidades, náuseas e quedas
freqüentes, levando o idoso a adotar mecanismos
compensatórios para manter a postura adequada e
uma marcha funcional, que nem sempre se configuram
como satisfatórios, explicando-se a partir daí a grande
incidência de quedas e acidentes nesta faixa etária.
Quando analisados o equilíbrio e a marcha em
estado estático e dinâmico (Tabelas 2 e 3) observou-se
que os diferentes níveis independem unicamente da
presença ou ausência de alteração postural e, tendem
à normalidade. Essas informações encontram eco no
pensamento de Medeiros et al.,6 Rebelatto et al.,10 e Simoceli et al.,11 quando afirmam ser necessário estudar
o sistema de equilíbrio, seja estático ou dinâmico,
através da observação das atividades posturais sem a
ocorrência de perturbações, ou com a presença de
perturbação, principalmente em se tratando da
população idosa, visto que nas duas situações o
sistema adota estratégias diversas visando uma
compensação adequada, ou seja, durante as
mudanças de situação de um individuo estático, o
controle corporal interfere de uma determinada
maneira e em uma situação dinâmica de outra.
Em se tratando de alterações do equilíbrio e
postura na população idosa, a palavra multifatorial não
deve sair de cena, uma vez que existem inúmeros fatores de risco concorrentes como a presença de doenças
neurológicas, músculo esqueléticas, dentre outras.
Ainda sob o prisma de Rebelatto et al.,10 Cunha et al.,12
e Bruni et al.,13 e com base em nossos resultados, é
possível afirmar que o equilíbrio corporal é um
processo complexo envolvendo vários órgãos e
sistemas e, que em uma situação de equilíbrio
dinâmico tanto o centro de massa quanto a base de
suporte se movimentam. Desta forma idosos com
alterações posturais podem vivenciar ou não um
distúrbio postural e, este pode levá-lo ou não a um
episódio de queda reduzindo sua autonomia tanto em
seu aspecto funcional quanto social.
Acerca dos diferentes momentos do estado de
equilíbrio (Tabelas 4 e 5) observou-se que os
indivíduos, em sua maioria e, independentemente da
faixa etária apresentaram alterações posturais tanto
11
O perfil postural do idoso asilado e sua relação com o nível de equilíbrio postural
em membros superiores quanto em membros inferiores, entretanto essas alterações não foram um
demonstrativo de perda de equilíbrio estático ou
dinâmico.
Autores como Sanglard et al.1, Aikawa et al.9, e
Rebelatto et al.10, explicam que o envelhecimento afeta
todos os elementos que tem relação direta com a manutenção postural e de equilíbrio a exemplo da
redução da massa óssea e massa muscular associada a
força de contração, aumento da rigidez articular
afetando a mobilidade articular com prejuízo da
capacidade coordenativa.
Sob o mesmo bojo, as alterações posturais
geram encurtamentos que promovem a diminuição da
força muscular onde a ação muscular esquelética
desempenha uma função fundamental para a manutenção da postura, bem como no equilíbrio e na
marcha. Entretanto, a perda da instabilidade postural é
um assunto por demais complexo para estar associado
tão somente a desordens biomecânicas, visto que a
tarefa motora requer uma complexa interação de
ajustes posturais para manter coordenação e equilíbrio intersegmentar durante a marcha, e os idosos
durante a execução da mesma tentam adaptar seu
sistema músculo esquelético às mudanças de equilíbrio para gerar estabilidade corporal aumentando a
segurança e a confianças em realizar sua locomoção.
Outro fator relevante acerca do assunto e, que
precisa ser explorado, é a relação de existência de certas patologias. Lojudice et al.3, em estudo semelhante
realizado com 51 idosas asiladas observaram que as
mulheres, além de se apresentarem com menor massa
muscular também apresentam maiores déficits de
equilíbrio e marcha com relação aos homens e, que tal
fato se explica por apresentarem maior numero de
doenças crônicas degenerativas, reduzindo o equilíbrio postural na ordem estática e dinâmica.
O presente estudo possibilitou concluir que na
população investigada a idade representa fator
determinante e influenciador do estado de equilíbrio e
marcha das idosas do Asilo São Vicente de Paulo e,
assim como crescem as anormalidades dos estados de
equilíbrio e marcha, crescem proporcionalmente, suas
alterações posturais, mas que estas não determinam,
por si só, a marcha ou o estado de equilíbrio estático.
Sendo assim torna-se necessário um programa
de rastreamento de causas que podem estar gerando
quadros de instabilidade e desequilíbrio postural ao
invés de simplesmente ações de intervenção e, visto a
complexidade que envolve a temática ou a problemática em si, a participação de uma equipe multidisciplinar torna-se fundamental tanto no aspecto
preventivo quanto curativo.
Referências
1.
2.
Sanglard RCF, Henriques GRP, Ribeiro ASB et al.
Alterações dos parâmetros da marcha em função das
queixas de instabilidade postural e quedas em idosos.
Fit Perf J, 2004; 3(3): 149-154.
Cardoso AF. Particularidades dos idosos: uma revisão
sobre a fisiologia do envelhecimento. Revista Digital,
[serial online] 2009 [Capturado em: 17 jul 2011];
13(130): [9 telas] Disponíve em: http://www.
efdeportes.com/efd130/idosos-uma-revisao-sobre-afisiologia-do-envelhecimento.htm.
3.
Lojudice DC, Laprega MR, Gardezani PM et al. Equilíbrio e
marcha de idosos residentes em instituições asilares do
município de Catanduva, SP. Rev Bras Geriatr Gerontol,
2008; 11(2): 181-189.
4.
Maciel ACC, Guerra RO. Prevalência e fatores associados
ao déficit de equilíbrio em idosos. Rev Bras Ciênc Mov,
2005; 13(1): 37-44.
5.
Rocha FML. Avaliação Fisioterapêutica do Idoso.
[Capturado em: 28 fev 2010]; Disponível em: <http://
www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/
fisioterapia//variedades/idosos_fab>.
6.
Medeiros VML, Lima FMR, Di Pace AM. Equilíbrio,
controle postural e suas alterações no idoso. [Capturado
em: 1 mar 2010]; Disponível em: <http:// www. wgate.
com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/
variedades/idoso_fab>.
12
7.
Guccione AA. Fisioterapia geriátrica. 2 ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan; 2002; 21-23.
8.
Tinetti ME, Baker DI, McAvay G et al. A multifactorial
intervention to reduce the risk of falling among elderly
people living in the community. N Engl J Med, 1994; 331:
821-7.
9.
Aikawa AC, Braccialli LMP, Padula RS. Efeitos das
alterações posturais e de equilíbrio estático nas quedas
de idosos institucionalizados. Rev Ciênc Méd, 2006;
15(3): 189-196.
10.
Rebelatto JR, Castro AP, Sako FK et al. Equilíbrio estático
e dinâmico em indivíduos senescentes e o índice de
massa corporal. Fisioter Mov, 2008; 21(3): 69-75.
11.
Simoceli L, Bittar RMS, Bottino MA et al. Perfil diagnóstico
do idoso portador de desequilíbrio corporal: resultado
preliminares. Rev Bras Otorrinolaringol, 2003; 69(6):
772-7.
12.
Cunha CM, Vargas LL, Lemos TFG et al. Controle postural
e sistema vestibular no idoso: abordagem fisioterapêutica. [Capturado em: 10 jun 2010]; Disponível em:
<www.pergamum.univale.br/pergamum/tcc/con
troleposturalesistemavestibularnoidosoabordagemfis
ioterap%c3%A.Autica.pdf>.
13.
Bruni B, Granado FB, Prado RA. Avaliação do equilíbrio
postural em idosos praticantes de hidroterapia em
grupo. Mundo saúde, 1995; 32(1): 56-63.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 9-12, maio-agost, 2011
ISSN-2236-6288
Artigo Original / Original Article
Percepção de primigestas adolescentes sobre saúde bucal
Oral health perception of teenage primiparous women
Bruna Ferreira Amorim1, José Ferreira Costa2 e Elizabeth Lima Costa3
Resumo
Introdução: A gravidez na adolescência tem sido motivo de grande preocupação para toda a sociedade, devido a sérias
conseqüências tanto para o adolescente, seus pais e toda comunidade. É uma fase que requer cuidados e acompanhamento prénatal. Objetivo: Conhecer o perfil de primigestas adolescentes sobre sua saúde bucal e dos seus bebês. Método: Foi realizado
um estudo observacional, com abordagem qualitativa em 40 gestantes de 14 a 18 anos de idade, primeira gestação, inscritas
num programa pré-natal em uma maternidade pública de São Luís-MA, no período de junho a novembro de 2011. Foi aplicado
um questionário com perguntas relativas à identificação, dados socioeconômicos, acesso aos serviços de saúde, informações
sobre saúde bucal e problemas bucais decorrentes do período gestacional. Resultados: Verificou-se entre as participantes,
que a idade mais frequente foi 17 anos; 22,5% possuem ensino médio completo, 72,5% possuem uma renda mensal familiar
menor que 01 salário mínimo e 68,5% vivem com um companheiro; 87,5% acreditam que a gravidez causa cárie; 85% não
realizaram tratamento odontológico durante o período; 10% receberam orientações bucais do cirurgião dentista durante o
período gestacional, 87,5% escovam seus dentes três vezes ao dia e 95% não utilizam o fio dental, mas 50% são satisfeita com
seu sorriso; 35% não sabem quando realizar a higiene bucal do bebê; 62,5% não sabem como realizá-la e 87,5% não sabem o
período de levar o bebê ao dentista. Conclusão: Os fatores comportamentais, educacionais e socioeconômicos contribuem
para desconhecimento das gestantes adolescentes sobre saúde bucal.
Palavras-chave: Saúde do adolescente. Gestantes. Saúde bucal.
Abstract
Introduction: Teenage pregnancy has been of a great concern to society due to its severe consequences for the teenagers, as
well as for their parents and the whole society. This is a period that requires prenatal accompaniment and care. Objective: To
know the profile of primiparous teenagers about their and their babies' oral health. Methods: Observational and qualitative
approach study with 40 pregnant women at age from 14 to 18 years, which were in the first pregnancy as well as enrolled in a
prenatal program of a public maternity in São Luís-MA, in the period of June to November 2011. It was applied a questionnaire,
which questions were related to identification, socioeconomic data, access to health services, information about oral health and
oral problems during the gestational period. Results: Among the women, the most frequent age was 17 years, 22.5% of them
had complete high school, 72.5% reported a monthly family income of less than 1 minimum wage, and 68.5% lived with their
partner. 87.5% of women believe that the pregnancy causes caries and 85% did not do dental treatment during the period. 10%
received oral orientation from the surgeon dentist during the gestational period. Nevertheless, 87.5% brush their teeth three
times a day and 95% don't use dental floss. 50% are satisfied with their smile; 35% don't know when to do the oral hygiene of the
baby; 62.5% don't know how to do it and 87.5% don't know the period to take the baby to the dentist. Conclusion: The behavioral,
educational and socioeconomic factors contribute to lack of oral health knowledge of pregnant teenagers.
Keywords: Teenage health. Pregnant women. Oral health.
Introdução
A gravidez na adolescência é considerada um
problema de saúde em todo o mundo, inclusive no
Brasil, onde é observado um aumento significativo na
prevalência de gestantes jovens em todas as classes
sociais e de modo especial nas classes menos favorecidas1.
Praetzel et al.,2 enfatizam que a maternidade
representa um momento único no ciclo vital feminino,
no qual a mulher apresenta-se mais propensa e receptiva a novos conhecimentos e a mudar padrões, o que a
torna uma formadora de opiniões e determina o seu
papel preponderante no núcleo familiar em relação à
saúde.
Segundo Politano et al.,3 a maioria dos
meios utilizados para prevenir doenças bucais é destinada àquelas pessoas que já adquiriram a doença, ou
seja, pouca ênfase tem sido dada à prevenção precoce,
relacionada à higienização da cavidade bucal de bebês,
ou mesmo à saúde bucal das gestantes. No entanto, a
saúde bucal precisa ser preservada durante toda gravidez para criar um ambiente saudável para o bebê, visto
que as atitudes da gestante serão transmitidas para o
seu filho e quanto mais a gestante souber sobre hábitos saudáveis em saúde bucal, melhor será para o seu
bebê4.
Partindo do exposto, este estudo se propôs a conhecer o perfil de primigestas adolescentes e o
conhecimento de sua saúde bucal e do seu bebê.
1.
Graduada do Curso de Odontologia da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Doutor em Odontologia. Docente do Departamento de Odontologia I - UFMA.
Mestre em Odontologia Social. Docente do Departamento de Odontologia II - UFMA.
Contato: Elizabeth Lima Costa. E-mail: [email protected]
2.
3.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 13-17, maio-agost, 2011
13
Percepção de primigestas adolescentes sobre saúde bucal
Métodos
O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em
Pesquisa da UFMA sob Nº 23115-004907/2011-09. As
gestantes e suas mães foram informadas do estudo e
as que concordaram em participar, assinaram um
Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Trata-se
de um estudo transversal, composto por 40 gestantes
na faixa etária de 14 a 18 anos de idade, escolhidas
diariamente de forma aleatória, primigestas, estando
no 2º e 3º trimestres de gestação, inscritas regularmente no Programa Pré-natal do Hospital Maternidade
“Marly Sarney” em São Luís-MA, no período de junho a
novembro de 2011, conforme prontuários médicos
fornecidos pela Direção do Hospital. Levando em consideração as condições socioeconômicas, escolaridade e o estado civil das participantes, o estudo avaliou o
conhecimento e/ou percepção sobre saúde bucal,
através da aplicação de um questionário estruturado,
composto por 30 perguntas específicas sobre saúde
bucal, os quais foram aplicados pelo próprio pesquisador, na sala de espera do hospital, enquanto as mesmas aguardavam a sua consulta pré-natal ou após
saírem dela, conforme preferência e co-modidade das
entrevistadas. Após aplicação dos questionários, as
gestantes receberam orientações sobre promoção de
saúde bucal com a utilização de recursos motivacionais tais como palestras educativas, vídeos, modelos
demonstrativos, painéis, distribuição de folders. Os
dados obtidos foram analisados qualitativamente
através do Programa de computador Software Epi-info,
apresentados em números absolutos e percentuais,
sob forma de tabelas.
Resultados
A amostra de conveniência constituída por 40
primigestas adolescentes atendidas em pré-natal obstétrico mostrou que a idade mais frequente das gestantes entrevistadas foi 17 anos (55%) e a mínima de 14
anos. Quinze gestantes (37,5%) são solteiras e 25
(62,5%) vivem com um companheiro.
Quanto ao grau de escolaridade, 37,5% das
entrevistadas têm o Ensino Fundamental Completo;
37,5% possuem o Ensino Fundamental Incompleto;
2,5% Ensino Médio Completo; 22,5% Ensino Médio
Incompleto, 5% não estuda e nenhuma universitária. A
maioria das jovens apresentou baixa escolaridade.
Com relação à renda salarial, 29 (72,5%), apontaram uma renda mensal familiar menor que 01 salário
mínimo; 8 (20%) possuem uma renda mensal de 1 a 3
salários mínimos; 02 gestantes (5%) têm renda mensal
maior que 3 salários mínimos e 01 gestante (2,5%)
relatou não possuir renda mensal familiar.
Quanto às orientações recebidas durante o prénatal, 28 (70%) responderam não ter recebido nenhuma orientação de como cuidar de sua boca e a do bebê
e 12 (30%) afirmaram ter recebido informações, sendo
que 8 (20%) as receberam de seus médicos obstetras e
4 (10%) de seus Cirurgiões Dentistas ou mesmo através
da leitura de revistas e livros relaciona-dos ao assunto.
Ao serem questionadas sobre a realização de
tratamento odontológico nos últimos 12 meses, a
maioria (85%) não o realizou. Dentre as que realizaram
tratamento, 15% citam os motivos: dor (10%), limpeza
14
dos dentes (2,5%) e tratamento de canal (2,5%); 100%
não foram submetidas a procedimentos exodônticos
durante o período da gestação, devido aos problemas
decorrentes ao uso de anestésico. Trinta e três (82,5%)
gestantes relataram não apresentar sangramento gengival durante o período da gravidez.
Quando questionadas sobre a frequência
de escovação diária dos dentes; o início da higiene
bucal do bebê; primeira visita do bebê ao dentista e
como deva ser realizada a higiene da boca do bebê, as
Tabelas 1, 2, 3 e 4 evidenciam os resultados:
Com relação ao flúor, 10 (25%) das entrevistadas conhecem o flúor, sendo que 4 (10%) afirmaram
que ele evita, protege e/ou combate as cáries; 6 (15%)
gestantes afirmam conhecer o flúor, mas não conheciam sua importância e 30 gestantes (75%) desconhecem totalmente o flúor. Noventa e cinco porcento das
Tabela 1 - Distribuição de gestantes sobre a frequência da
escovação diária dos dentes, pré-natal Maternidade Marly
Sarney em São Luís-MA. 2011.
Frequência da escovação
n
%
diária dos dentes
01 vez
02 vezes
02
05,0
03 vezes
35
87,5
Mais de 03 vezes
03
07,5
Total
40
100,0
Tabela 2 - Distribuição de gestantes sobre o início da higiene
bucal do seu filho, pré-natal Maternidade Marly Sarney em São
Luís-MA. 2011.
Início da higiene bucal do
%
n
bebê
07,5
03
Logo que o bebê nasce
32,5
13
A partir do 1º ano de idade
Quando nascer o primeiro
10
25,0
dente do bebê
35,0
14
Não sabe
Total
40
100,0
Tabela 3 - Distribuição de Gestantes sobre quando levar o
bebê pela primeira vez ao dentista, pré-natal da Maternidade
Marly Sarney em São Luís-MA. 2011.
Quando levar o bebê pela
n
%
primeira vez ao dentista
Antes de nascer o
07
17,5
primeiro dente
Logo após nascer o
03
07,5
primeiro dente
No primeiro ano de vida
10
25,0
Somente nos casos de
dor/cárie
Não sabe
20
50,0
Total
40
100,0
Tabela 4 - Orientação de Gestantes sobre como deve ser
realizada a higiene da boca do bebê, pré-natal da Maternidade
Marly Sarney em São Luís-MA. 2011.
Higienização da boca
n
%
do bebê
Com gaze embebida em
água
Escova e pasta
10
25,0
Dedeiras
Fralda umedecida em água
05
12,5
Não sabe
25
62,5
Total
40
100,0
Rev Pesq Saúde, 12(2): 13-17, maio-agost, 2011
Amorim BF, Costa JF, Costa EL
entrevistadas não fazem uso do fio dental, denotando
a falta de informação das gestantes para a prevenção
da cárie na superfície interproximal dos dentes.
Quanto a satisfação pessoal, 20 (50%) gestantes
consideram seu sorriso muito bonito, atribuindo ao
fato de cuidarem da sua higiene bucal; 15 (37,5%) relataram ter vergonha de sorrir e 5 (12,5%) afirmaram ter
o sorriso muito feio, decorrente ao acesso precário ao
Sistema de Público de Saúde.
Em relação a mito e crença popular de que a
gravidez causa cárie é relatada por 35 (87,5%) das gestantes entrevistadas. Sobre a etiologia da cárie, 24
(60%) das gestantes entrevistadas acreditam que o
agente causador da cárie seja um vírus; 4 (10%) consideram ser a bactéria e 12 (30%) não souberam responder.
Discussão
Entre os aspectos a serem considerados no estudo, estão as condições socioeconômicas, escolaridade, estado civil dessas adolescentes. Tomando a
escolaridade como exemplo, a maioria (80%) das adolescentes tinha somente ensino fundamental, mesmo
entre as que ainda estavam estudando considerando
que na faixa etária dos 15-17 anos deveriam estar cursando ensino médio. Este fator, certamente deve ter
contribuído para uma gestação nas jovens, pois a falta
de maturidade física e emocional, juntando-se na maioria dos casos, ao fator social e instrução insuficiente
para todas as modificações às quais estão sujeitas
constituem um fator de vulnerabilidade para primeira
gestação5, 6. Dados similares foram encontrados por
Duarte et al.7, e Moura et al.8, ao analisarem o perfil de
escolaridade das adolescentes grávidas sobre saúde
bucal. A correlação existente entre escolaridade e
fecundidade das jovens, é descrito por Baraldi et al.7,
os quais ressaltam que a taxa de fecundidade das
adolescentes é inversamente proporcional a sua escolaridade, o que é confirmado no presente estudo, remetendo aos dados da Síntese de Indicadores Sociais,
onde confirmam a defasagem escolar das estudantes8.
Mitos e crença ainda arraigados em parte da
população sugerem que as gestantes adolescentes
não podem ser submetidas a tratamento odontológico, sob o risco de causar dano ao feto, e que problemas
de saúde bucal são inerentes à parturiente. SantosPinto et al.9, verificaram que 40,7% das gestantes acreditam em tal fato. Siqueira10, relatou que 72,9% das
entrevistadas não relacionaram a gestação com o
enfraquecimento dos dentes, porém 27,1% possuem
essa crença, motivo pelo qual as crenças e mitos difundem-se cada vez mais nessa população. Da mesma
forma, há relatos de que essas crenças influenciam
significativamente no compor-tamento da gestante,
podendo potencializar o des-cuido no que se refere
aos hábitos de higiene bucal. Esse pensamento decorre da falta de informações e dos mitos que são transmitidos de geração em geração e que estão presentes não
apenas nos países de terceiro mundo, como também
na população carente e desinformada dos países
desenvolvidos. Segundo o estudo de Bastiani et al.11,
48,75% das gestantes acharam ser normal desenvolver
cárie dentária durante o período gestacional, uma vez
Rev Pesq Saúde, 12(2): 13-17, maio-agost, 2011
que muitas mães (35%) relacionaram que os dentes
ficam mais fracos pela transposição de minerais, como
o cálcio de seus dentes, para os dentes do bebê. Martins & Martins12, também encontraram essa associação em 29,42% das multigestas entrevistadas.
Sabendo-se da importância do atendimento
odontológico durante o período pré-natal, o acompanhamento odontológico deve sempre ser realizado,
uma vez que algumas alterações que ocorrem na cavidade bucal como a doença periodontal, podem ser um
fator de risco para nascimento pré-termo e/ou de
baixo peso4. Quanto às consultas odontológicas no
pré-natal, no estudo de Moura et al.6, 65% das gestantes relataram a frequência de uma consulta por ano;
11% nunca compareceram a uma consulta odontológica. No estudo de Ramos et al.13, 68% das gestantes
também não procuraram o cirurgião dentista no período gestacional. Já nos estudos de Fernandes14, foi
observado que a atenção odontológica não foi vista
como prioridade pelas gestantes adolescentes.
A participação do cirurgião dentista em programas educativos no pré-natal, tem demonstrado resultados satisfatórios na conduta dos pais com relação à
saúde bucal dos seus filhos. Esses achados são confirmados por Santos-Pinto et al.9, que constataram que
37,7% disseram ter recebido orienta-ções de seus dentistas, o que difere da presente pesquisa, pois apenas
10% as recebeu do dentista.
Orientações sobre pré-natal odontológico também se faz presente entre 97% das gestantes grávidas
entrevistadas por Batistela et al.15, das quais 86,6%
nunca haviam ouvido falar de pré-natal odontológico.
Acredita-se que as crenças e mitos existentes
entre gravidez e odontologia são responsáveis pela
maior dificuldade das gestantes buscarem atendimento odontológico sob o risco de causar danos ao
feto, e que problemas de saúde bucal são inerentes à
parturiente4, 16.
Quanto a freqüência de escovação dentária
durante o pré-natal, dados similares ao da presente
pesquisa foram encontrados nos estudos realizados
por Tiveron et al.17, em um grupo de gestantes na cidade de Adamantina - SP, constatando que 98,2% escovam seus dentes mais de uma vez por dia, e por Silveira
et al.18, em que 63,3% das gestantes escovavam os
dentes três vezes ao dia. Outros estudos mantém o
percentual de cerca de 70% das gestantes assumindo
escovar os dentes pelo menos 2 a 3 vezes por dia em
detrimento do uso de outros métodos complementares, como o uso do fio dental10,19.
Em relação ao início da escovação do bebê, a
literatura especializada não traz nenhum relato que
indique que a cavidade bucal do bebê deva ser higienizada antes da erupção dentária. Ainda assim, é recomendada a realização da limpeza, tanto para desenvolver na criança o hábito de higienização bucal quanto
para remover restos de leite estagnados nas comissuras labiais. No estudo de Santos-Pinto et al.9, verificaram que, 39,5% responderam antes mesmo da irrupção dos dentes e 30% quando o dente irrompe. Politano et al.3, em pesquisa análoga, constataram que
33,33% das entrevistadas não sou-beram responder o
seu início; 33,3% afirmaram que deveria ser logo após
o nascimento do bebê e 26,19% afirmaram que a erup-
15
Percepção de primigestas adolescentes sobre saúde bucal
ção do primeiro dente é o período ideal. No estudo
realizado por Praetzel et al.,2 96% das futuras mães
afirmaram que a higiene bucal do recém-nascido deve
ser realizada. Dentre estas, 12% utilizam fraldas; 9%
com gaze; 7% com algodão; 4% com cotonetes; 1% com
bicabornato e 4% acreditam ser desnecessária realizála.
Autores como Fernandes14; Tiveron et al.,17 enfatizam que bons hábitos de higiene bucal são comuns
quando valores de saúde bucal são aceitos como parte
do estilo de vida da família e historicamente as mulheres são mais envolvidas, mas em se tratando de adolescentes primigestas, as orientações e informações
sobre as doenças bucais e suas medidas preventivas
são fundamentais para a incorporação de bons hábitos.
Sendo a cárie dentária uma doença com etiologia multifatorial, a sua contaminação e transmissibilidade precoce ocorre a partir de contatos freqüentes e
repetidos entre mãe e filho, por meio de beijo na boca,
uso do mesmo talher e pelo hábito da mãe “limpar” a
chupeta da criança colocando-a na sua boca e logo
oferecendo à criança. No presente estudo, 30 gestantes (75%) acreditam que a cárie não seja transmitida de
mãe para o filho, discordando com o estudo de Siqueira10 e o de Medeiros e Rodrigues20, onde as gestantes
relataram ser conhecedoras dos métodos de transmissão da cárie. Também no trabalho de Praetzel et al.,2
77% e 40% respectivamente das gestantes estudadas,
acreditam que beijar o bebê na boca e provar e soprar o
leite e comida do bebê serem prejudiciais, enquanto
23% não acreditam trazer prejuízo algum.
O desejo de receber informações sobre sua
saúde bucal e do futuro bebê, no pré-natal odontológico, também se fez presente em 100% das gestantes
adolescentes, pois como enfatizam os estudos de Silveira et al.,18 Fernandes14 e Bastiani et al.,11 durante a
gestação, a visão de um futuro melhor para o seu filho
norteia e motiva a gestante para a adoção de hábitos
conscientes e saudáveis, o que a torna mais receptiva
e disposta a adquirir novos conhecimentos.
Estudos mostram que poucas gestantes acessam os serviços odontológicos durante o pré-natal,
salvo em casos de urgência, talvez por trazerem enraizados conceitos de uma odontologia não profilática e
meramente curativa, só necessária em caso de dor,
infecção ou moléstia. No presente estudo, 7,4% procu-
ram atendimento odontológico, sendo que 60% encontram alguma dificuldade para serem atendidas11,14,18.
Quando indagadas o porquê de não buscarem o
dentista, elas apresentaram como justificativas: medo
de dentista, de fazer mal ao bebê (32,6%); não acreditavam na necessidade (25,9%); falta de tempo, devido
aos afazeres domésticos (17,4%); indisposição e descuido (6,6%); tratamento é muito caro (5,7%); demora
no atendimento (31,9%). Relatos dessa situação fazem
com que a atenção à gestante também não seja difundida pelos cirurgiões-dentistas, pois a percepção trazida por elas é um reflexo de seu ambiente cultural e
também das informações recebidas ao longo da vida
pelos profissionais da área. Das gestantes que realizaram tratamento odontológico, observou-se que 70% o
fizeram em uma Unidade de Saúde Pública; 30% em
consultório particular e em outros lugares como sindicatos e escolas. Estes dados demonstram que a maioria das gestantes (70%) recebeu atendimento odontológico em locais públicos de forma gratuita, justificando a baixa renda salarial familiar de que dispõem.
Atualmente os serviços de saúde de São Luís
encontram-se na gestão plena do Sistema Municipal de
Saúde. Segundo as entrevistadas, 62,5% são cadastradas na Estratégia Saúde da Família; 30% consideram ter
recebido bom atendimento nas Unidades de Saúde;
80% tem dificuldade no acesso ao atendimento odontológico e 60% têm dificuldade de marcação para suas
consultas de retorno, o que inviabiliza a conclusão dos
tratamentos odontológicos iniciados e continuidade
dos mesmos. Cerca de 87,5% não receberam orientações sobre os cuidados de saúde bucal por um dentista
da Estratégia Saúde da Família durante as consultas
pré-natais, apesar de serem tratadas com prioridade
de atendimento no programa.
Relataram também,
que o principal impedimento era a falta de motivação
dos dentistas, somados ao medo do dentista, à dificuldade de acesso aos serviços, seja por falta de vagas no
serviço público ou pela falta de condições financeiras
para consultar o serviço privado, falta de tempo e falta
de orientação do médico obstetra no encaminhamento
ao dentista.
Constatou-se que os fatores comportamentais,
educacionais e socioeconômicos contribuem para
desconhecimento das gestantes adolescentes sobre
saúde bucal.
Referências
1.
2.
3.
16
Hercowitz A, Figueiredo CW, Echeverria S, Politano GT. A
gestante adolescente. In: Echeverria S, Politano GT.
Tratamento Odontológico para gestantes. 1ª Ed. São
Paulo: Santos; 2011. p. 87-97.
4.
Politano GT, Echeverria S. Tratamento Odontológico para
gestantes. 1ª Ed. São Paulo: Santos; 2011. p. 28-34.
5.
Praetzel JR, Ferreira FV, Lenzi TL, Melo GP de, Alves LS.
Percepção materna sobre atenção odontológica e
fonoaudiológica na gravidez. RGO - Rev Gaucha Odontol,
2010; 58(2): 155-60.
Duarte CM, Nascimento VB, Akerman M. Gravidez na
adolescência e exclusão social: análise de disparidades
intra-urbanas. Rev Panam Salud Publ, 2006; 19(4):
236–43.
6.
Politano GT, Pellegrinetti MB, Echeverria SR, Imparato
JCP. Avaliação da informação das mães sobre cuidados
bucais com o bebê. Rev Ibero Am de Odontopediatr
Odontol Bebê, 2004; 7(36): 138-48.
Moura CO, Aleixo RQ, Almeida FA, Silva HMLS, Moreira
KFA. Prevalência de cárie em adolescentes gestantes
relacionada ao conhecimento sobre saúde bucal em
Porto Velho - RO. Saber Cient Odontol, 2010; 1(1): 01-20.
7.
Baraldi ACP, Daud ZP, Almeida AM et al. Gravidez na
Rev Pesq Saúde, 12(2): 13-17, maio-agost, 2011
Amorim BF, Costa JF, Costa EL
adolescência: estudo comparativo das usuárias das
maternidades públicas e privadas. Rev Latino-am
Enfermagem, 2007; 15 (Ed. Especial): 1-7.
14.
Fernandes MLMF. Análise comparativa das percepções
em saúde bucal de adolescentes grávidas e nãográvidas: um ponto de partida para a promoção em
saúde bucal [Dissertação]. Belo Horizonte: Faculdade de
Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais;
2002. 198 p.
15.
Batistella FID, Imparato JCP, Raggio DP, Carvalho AC.
Conhecimento das gestantes sobre saúde bucal na rede
pública e em consultórios particulares. RGO - Rev
Gaucha Odontol, 2006; 54(1): 67-73.
8.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.
Senso demográfico de 2000. Rio de Janeiro, 2006.
9.
Pinto LS, Uema APA, Galassi MAS, Ciuff NJ. O que as
gestantes conhecem sobre Saúde Bucal? J Bras
Odontopediatr Odontol Bebê, 2001; 4(20): 429-34.
10.
Siqueira FC. Programa “nasce um sorriso”: conhecimento
das gestantes e atuação dos cirurgiões dentistas de
Viana - ES, em relação à saúde bucal e às condutas
odontológicas. [Monografia]. Vitória - ES: Universidade
Federal do Espírito Santo. Departamento de Medicina
Social, 2003.105 p.
16.
Konishi F, Lima F de A e. Odontologia Intra- Uterina: a
construção de saúde bucal antes do nascimento. Rev
Assoc Paul Cir Dent, 2002; 59(5): 294-294.
17.
Bastiani, Costa SAL, Arias GM, Provenzano, Marina FC,
Honório HM, Rios. Conhecimento das gestantes sobre
alterações bucais e tratamento odontológico durante a
gravidez. Rev Odontol Clín-Cient, 2010; 9(2): 155-60.
Tiveron, ARF, Benfatti SV, Bauselis J. Avaliação do
conhecimento das práticas de saúde bucal em gestantes
do município de Adamantina - SP. Rev Ibero Am
Odontopediatr Odontol Bebê, 2004; 7(35): 66-77.
18.
Venâncio E de Q. Avaliação dos conhecimentos e práticas
de saúde bucal de gestantes usuárias do SUS, no
município de Dourados- Mato Grosso do Sul.
[Dissertação]. Dourados - MS: Faculdade de Ciências da
Saúde da Universidade de Brasília; 2006. 73 p.
19.
Silveira RCJ, Carlos Júnior A, Souza EHA. A avaliação das
condições de saúde e higiene bucal em gestantes. Rev
Cons Reg Odontol, 2000; 3(2): 61-70.
20.
Medeiros EB, Rodrigues MJ. Conhecimento das gestantes
sobre a saúde bucal do seu bebê. Rev Assoc Paul Cir
Dent, 2003; 57(5): 381-6.
11.
12.
Martins, RFO, Martins ZIO. O que as gestantes sabem
sobre cárie: uma avaliação sobre os conhecimentos de
primigestas e multigestas quanto à própria saúde bucal.
Rev ABO Nac, 2002; 10(5): 274-84.
13.
Ramos TM, Almeida Júnior AA de, Ramos TM, Novais
SMA, Grinfeld S, Pereira MAS. Condições Bucais e Hábitos
de Higiene Oral de Gestantes de Baixo Nível SócioEconômico no Município de Aracaju - SE. Pesq Bras
Odontopediatr Clínic Integr, 2006; 6(3): 229-235.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 13-17, maio-agost, 2011
17
ISSN-2236-6288
Artigo Original / Original Article
Perfil dos processos por erro médico em São Luís - MA
Profile of medical error lawsuits in São Luís - Maranhão
Deíla Barbosa Maia1, José de Albuquerque Figueiredo Neto2, Sonayra Brusaca Abreu3, Diego Salvador Muniz da Silva3 e Luciane Maria Oliveira Brito4
Resumo
Introdução: O Erro Médico é o dano causado pelo médico a alguém, em decorrência do exercício profissional, mediante ação ou
omissão. Apesar da relevância desta problemática, há poucos dados existentes sobre o tema. Objetivo: Caracterizar o perfil
dos processos criminais por erro médico em São Luís - Maranhão. Métodos: Estudo retrospectivo realizado pelo preenchimento
de fichas do arquivo da Promotoria de Justiça Especializada na Defesa da Saúde, no período de 2002 a 2007. Resultados:
Foram analisados 43 processos, envolvendo um total de 47 pacientes. A maioria das vítimas era do sexo feminino (63,8%). Os
denunciantes eram parentes (46,5%) ou as próprias vítimas (34,9%). A acusação mais comum foi de lesão corporal culposa
(51,1%), seguida de homicídio culposo (37,8%), em especial a negligência (49%). Em 93% havia cópia do prontuário médico nos
autos. A maioria dos processos estava em tramitação (86%). Em 65,1% dos processos havia apenas um médico envolvido. Dos
66 médicos acusados, 54,5% eram do sexo masculino, com idade média de 41 anos, da especialidade Ginecologia-Obstetrícia
(31,8%). 91% dos médicos eram graduados em universidades públicas. Conclusão: As denúncias por erros médicos foram feitas
na maioria por familiares ou vítimas, sendo a lesão corporal culposa por negligência a acusação mais frequente. As vítimas
foram na maioria do sexo feminino enquanto os médicos do sexo masculino, média de idade de 41 anos, da especialidade Ginecologia-Obstetrícia e graduados em universidades públicas.
Palavras-chave: Erros Médicos. Ética Médica. Má conduta profissional.
Abstract
Introduction: Medical error is the damage caused by the physician to someone as a result of professional practice, through
action or omission. Despite the importance of this issue, there are few data about the subject. Objective: To characterize the
profile of medical error lawsuits regarding medical malpractice in São Luís - Maranhão. Methods: Retrospective study performed by filling forms with the lawsuits data of the archive from the Public Prosecution Office specialized in health defense,
between 2002 and 2007. Results: We analyzed 43 lawsuits involving 47 patients. Most of the victims were female (63.8%),
average age of 34 years. 91.5% of them live in São Luís. The denouncers were relatives (46.5%) or the victims (34.9%). The most
common claim was bodily injury (51.1%), followed by involuntary manslaughter (37.8%), and negligence (49%). In 93% of the
lawsuits there was a copy of the medical chart in the record. The majority of the lawsuits were not in process (86%). In 65.1% of
the cases only one physician was involved. Of the 66 accused physicians, 54.5% were male, with average age of 41 years, which
specialization was gynecology and obstetrics (31.8%), followed by pediatrics (10.6%) and general surgery (7.6%). 91% of the
physicians graduated in public universities. Conclusion: Denunciations of medical errors were made mostly by family members
or victims, and the injury by culpable negligence was the most frequent claim. The victims were mostly females while the physicians were males, with average age of 41 years. Most of the physicians were Obstetrician/Gynecologists and graduated in public
universities.
Keywords: Medical Errors. Medical Ethics. Professional malpractice.
Introdução
Juridicamente, erro médico é o dano a alguém
causado pelo médico, em decorrência do exercício
profissional, mediante ação ou omissão, cometido por
culpa, havendo um nexo de causalidade entre a conduta do médico e o dano ocasionado. É o erro culposo,
podendo ter consequências tanto na área cível, como
na esfera penal ou criminal e também no âmbito administrativo (sob responsabilidade dos Conselhos Regionais de Medicina - CRM)1, 2.
O Código de Ética Médica contido na resolução
CFM Nº 1931/2009, em seu Capítulo III trata da responsabilidade profissional, estabelecendo que é veda-
do ao médico causar danos aos pacientes, caracterizados pela imperícia, imprudência e negligência (Artigo
1º). Este é o principal artigo utilizado e citado nas
denúncias realizadas pelos pacientes aos Conselhos
de Medicinas3,4. A imperícia consiste na incapacidade
do médico em realizar procedimentos para o qual não
é habilitado, correspondendo a um despreparo teórico
e/ou prático por insuficiência de conhecimento. A
imprudência sucede quando o médico assume riscos
para o paciente sem respaldo científico para o seu
procedimento, agindo sem a cautela necessária; e a
negligência, ocorre quando o médico não oferece os
cuidados necessários ao paciente, sugerindo inação,
passividade ou um ato omissivo1, 3.
1.
Médica e Advogada. Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Materno-Infantil da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Cardiologista. Doutor em Medicina pela Universidade de São Paulo - USP. Docente da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Graduando em Medicina pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA. Bolsista CNPq.
4.
Mastologista. Mestrado e Doutorado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Docente da Universidade Federal do
Maranhão - UFMA.
Contato: Luciane Maria Oliveira Brito. E-mail: [email protected]
2.
3.
18
Rev Pesq Saúde, 12(2): 18-22, maio-agost, 2011
Maia DB, Figueiredo-Neto JA, Abreu SB, Silva DSM, Brito LMO
Assim, o médico é passível de julgamento em
dois tribunais: o da Justiça comum, que segue os preceitos do Código Penal e Civil, e o dos Conselhos de
Medicina, cujos julgamentos se baseiam no Código de
Ética Médica. O aumento das demandas contra médicos nos últimos anos tem sido um fenômeno notável
no Brasil, apesar da inexistência de números exatos
sobre o assunto4, 5.
Vários fatores são elencados como importantes
para este incremento acentuado no número de processos contra médicos, dentre eles: o aumento do número
de médicos com formação deficiente, um maior grau
de conscientização da população acerca de seus direitos, más condições de atendimento, a influência da
mídia, e principalmente, a deterioração na qualidade
da relação médico-paciente5.
Não se pode esquecer que em vários lugares do
Brasil, incluindo o Maranhão e especificamente em São
Luís, existe uma precariedade estrutural nos serviços
de saúde, principalmente na área pública, com insuficiência de leitos, falta de materiais, desproporção
entre o corpo de funcionários e a população a ser atendida. Isto prejudica a relação médico-paciente e também a qualidade do atendimento médico, podendo
resultar em processos judiciais3, 6, 7.
Portanto, diante do crescente interesse sobre a
questão do erro médico, seu conceito, suas características e consequências, de um modo geral, este estudo teve
o objetivo de caracterizar o perfil dos processos criminais
e dos erros médicos em São Luís - MA.
Métodos
Foi realizado estudo retrospectivo nos arquivos
da Promotoria de Justiça Especializada na Defesa da
Saúde - PRODESUS, em São Luís-MA, no período de
2002 a 2007 por meio do preenchimento de fichas com
os principais dados dos processos por erro médico. A
escolha das variáveis teve por base as informações
colhidas na literatura específica sobre o tema, visto que
não há documento válido nesta área de pesquisa. Os
dados foram digitados no programa Epi Info®, versão
3.4.3, e analisados no STATA®, versão 9.0.
Para efeitos de critério de inclusão na pesquisa,
foram analisados todos os processos criminais por
erro médico, no período delimitado, considerando não
apenas acusações que poderiam ser tecnicamente (no
sentido jurídico e médico) consideradas um erro médico, mas também qualquer demanda na esfera criminal
em que a vítima ou familiares ou o Ministério Público
tenham considerado como suposta ocorrência de erro
médico, com a instauração de procedimento contra o
médico.
A escolha da PRODESUS foi justificada porque
concentra a quase totalidade das ações criminais por
erro médico em São Luís, além do fato destes processos serem públicos, o que não criaria nenhum obstáculo ao acesso dos mesmos.
O sigilo das informações foi devidamente ressalvado através da não identificação das partes envolvidas, bem como através do Termo de Compromisso
pelos pesquisadores responsáveis. O projeto foi devidamente aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa
do Hospital Universitário - UFMA (processo Nº 331041406/2006).
Rev Pesq Saúde, 12(2): 18-22, maio-agost, 2011
Resultados
No período de 2002 a 2007 foram registrados
46 processos por erro médico na PRODESUS, dos quais
somente 43 foram analisados. Houve perda de 03 processos que não foram disponibilizados, pois haviam
sido enviados para delegacia, que não os devolveu e
nem permitiu sua análise.
Em relação ao perfil das vítimas, os 43 processos envolviam um total de 47 pacientes. A grande maioria era do sexo feminino (63,8%), com idade média de
34 anos (variando entre 0 a 86 anos), residentes em
São Luís-MA. A escolaridade e a profissão das vítimas
não foi possível especificar, pois tais informações não
constavam na maioria dos processos.
Os denunciantes foram em sua maioria parentes
da vítima (46,5%), seguidos da própria vítima (34,9%) e
do cônjuge (11,6%).
A maior parte das acusações nos processos foi
por lesão corporal culposa (51,1%), seguida por homicídio culposo (37,8%). Outras acusações: maus tratos e
omissão de socorro representaram 11,1% dos casos.
Não houve acusação por crime doloso nos processos
por erro médico. Em cinco casos, houve mais de uma
acusação em um processo, como por exemplo, na
acusação de lesão corporal culposa em relação à mãe e
homicídio culposo em relação ao recém-nascido. A
negligência (49%) e a imperícia (35,3%) foram as formas de culpa mais alegadas. A culpa não foi especificada em 13,7% dos casos, e em apenas um caso foi alegada imprudência (2%). Vale acrescentar que em oito
processos, houve mais de um tipo de culpa imputada
aos médicos (Tabela 1).
Tabela 1 - Distribuição do tipo de crime e tipo de culpa na
acusação segundo a rede de saúde, nos processos por erro
médico na PRODESUS, em São Luís - MA, entre 2002 e 2007.
Rede Pública
Rede Privada
n
%
n
%
Homicídio culposo
14
37,8
04
57,1
Lesão corporal culposa
23
51,1
02
28,6
Outras acusações
06
11,1
01
14,3
Negligência
20
49,0
05
55,6
Imperícia
15
35,3
03
33,3
Imprudência
01
2,0
-
-
Não especificado
07
13,7
01
11,1
Total
43
100,0
Tipo de Crime
Tipo de Culpa
100,0
Fonte: Arquivos de PRODESUS, 2008.
A maioria dos processos (86%) ainda estava em
tramitação durante o período analisado. Em cerca de
93% dos casos, havia cópias do prontuário anexadas
aos processos.
Quanto à associação entre o tipo de acusação e a
rede de saúde, não houve significância estatística
entre o tipo de crime (lesão corporal ou homicídio culposo) e o local onde foi feito o atendimento - rede
pública e privada de saúde (p valor = 0,408). A associação entre o tipo de culpa (negligência, imperícia e
19
Perfil dos processos por erro médico em São Luís-MA
imprudência) e a rede de saúde (rede pública ou privada), também não apresentou significância estatística
(p valor = 0,9999).
Sobre o perfil dos médicos, nos 43 processos
analisados, 66 médicos estavam envolvidos. Na maioria dos casos (65,1%), havia apenas um médico por
processo; entretanto verificou-se processo com até
sete médicos envolvidos.
Conforme os resultados a maioria dos médicos
processados apresentava idade média de 41 anos (variando de 24 a 60 anos), com mais de vinte anos de
experiência profissional. O sexo masculino (54,5%)
predominou entre os médicos processados e a Ginecologia-Obstetrícia foi a especialidade mais acometida
(Tabela 2).
Tabela 2 - Perfil dos Médicos envolvidos em processos por
erro médico na PRODESUS, em São Luís - MA, no período de
2002 a 2007.
VARIÁVEIS
n
%
Feminino
25
37,9
Masculino
36
54,5
Não especificado
05
7,6
21 a 30 anos
11
16,7
31 a 40 anos
21
31,8
41 a 50 anos
14
21,2
51 a 60 anos
15
22,7
Mais de 60 anos
05
7,6
Sexo
Faixa Etária
Tempo de Graduação
Menor que 2 anos
01
1,5
2 a 5 anos
10
13,6
6 a 10 anos
15
21,2
11 a 15 anos
13
19,7
16 a 20 anos
08
9,1
Maior que 20 anos
18
27,3
Ginecologia-Obstetrícia
21
31,8
Pediatria
07
10,6
Cirurgia Geral
05
7,6
Anestesiologia
04
6,1
Outros
20
30,3
Especialidade
Não especificado
09
13,7
Total
66
100,0
Fonte: Arquivos de PRODESUS, 2008
A grande maioria dos médicos graduou-se em
universidades públicas, não sendo possível verificar a
pós-graduação, haja vista que nenhum deles havia
registrado seus certificados de especialização, residência, mestrado e/ou doutorado, junto ao CRM/MA.
Nenhum dos médicos processados pela PRO
DESUS possuía condenação anterior em processo ético
junto ao CRM/MA.
Em relação ao perfil dos atendimentos que
resultaram em processos por erro médico, a maior
parte se refere a fatos ocorridos em hospitais gerais
(58%), seguido pelas maternidades (20%). Todos os
casos ocorreram em São Luís-MA (Figura 1).
20
Figura 1 - Distribuição por tipo de instituição de saúde onde
ocorreram atendimentos que resultaram em processos por
erro médico na PRODESUS, em São Luís, entre 2002 e 2007.
Quando se analisou o tipo de instituição com a
rede de saúde (pública e privada), constatou-se que a
maioria dos atendimentos se deu em hospitais e
maternidades públicas (28% cada). Vale ressaltar que
não houve nenhum processo por suposto erro médico
envolvendo maternidades da rede privada.
Os atendimentos que resultaram nos processos
por erro médico foram, em sua maioria, de urgência/emergência (69,8%). Os casos que ocorreram em
atendimentos eletivos corresponderam a 30,2%. Em
81,4% dos processos, o atendimento foi realizado
durante a internação hospitalar, e em 16,2%, em atendimentos ambulatoriais (incluindo observação de até
12 horas). Apenas um processo decorreu de atendimento durante a consulta (2,3%).
Os atendimentos em questão eram predominantemente cirúrgicos (60,5%), sendo 20,9 % na área
da clínica e 18,6% em atendimentos em UTI (Unidade
de Terapia Intensiva).
Os atendimentos custeados pelo SUS (Sistema
Único de Saúde) corresponderam a 83,7% dos casos,
pelo plano de saúde a 11,6%, e apenas dois casos
(4,7%) foram particulares (integralmente pagos pelo
paciente ou familiares).
Discussão
Os resultados encontrados neste estudo estão
de acordo com a literatura. Em relação ao perfil das
vítimas, observou-se a predominância do sexo feminino, tal como nos trabalhos de Maia8 e Montoya9. Vale
ressaltar que a maioria dos trabalhos se restringe ao
perfil do médico envolvido. Pouco se sabe acerca dos
pacientes ou familiares que processaram os médicos.
No trabalho de Ribeiro et al.10, no qual foi traçado um perfil sócio demográfico de utilização dos serviços de saúde entre os usuários do SUS, verificou-se o
predomínio de mulheres, crianças, pretos e pardos,
com nível de escolaridade baixa. Como a maioria dos
processos na presente pesquisa ocorreu em atendimentos do SUS, justifica-se a maior prevalência de
mulheres. Seria interessante verificar dados como
escolaridade e profissão das vítimas, entretanto esta
análise foi impossibilitada, pois tais informações não
constavam na maioria dos processos.
A negligência foi a forma de culpa mais frequente, assim como no trabalho de Bitencourt et al.5, evi-
Rev Pesq Saúde, 12(2): 18-22, maio-agost, 2011
Maia DB, Figueiredo-Neto JA, Abreu SB, Silva DSM, Brito LMO
denciando que as principais falhas ocorridas no exercício profissional do médico devem-se à omissão, descaso ou passividade do profissional. Isto provoca profunda revolta perante a vítima e/ou familiares que já se
encontram abalados com o problema de saúde do
paciente e espera do médico a adoção de todas as medidas necessárias para o tratamento.
A maior parte das acusações criminais na presente pesquisa foi referente ao crime de lesão corporal
culposa (51,1%), seguida por homicídio culposo
(37,8%). Os mesmos resultados foram obtidos nos
estudos de Mansur e Oliveira11 e Montoya et al.9 As
denúncias por erro médico ocorrem principalmente
por lesões corporais graves ou mesmo a morte de paciente, quando há envolvimento de grandes danos.
Segundo informações do Conselho Nacional de
Justiça (CNJ) e da Ordem dos Advogados do Brasil,
seccional do Maranhão (OAB/MA), o tempo médio de
espera para julgamento é de cerca de seis anos nas
varas criminais de São Luís12. Considerando a longa
duração dos processos em todo Brasil, e também no
Maranhão e em São Luís, a maioria dos processos criminais por erro médico está fadada à prescrição. Realidade semelhante foi ilustrada nesta pesquisa: dos 43
processos analisados, apenas 6 foram concluídos no
período, um deles já por prescrição. Os demais estavam ainda em tramitação (86%), não sendo possível
determinar a duração média dos processos. Considerando-se que o estudo durou um período de 6 anos, e
que o prazo prescricional para o crime de maior frequência é de 4 anos (lesão corporal culposa); até que
estes processos sejam concluídos, certamente já estarão prescritos.
Em relação ao perfil dos médicos, observou-se
que 54,5% eram do sexo masculino. Tal achado está
em consonância com outros estudos da área, visto que
o sexo masculino é apontado como o sujeito mais
envolvido em processos5,13. A baixa prevalência de
médicas denunciadas pode ser explicada pelo fato das
mulheres serem, em geral, mais atenciosas e cuidadosas que os homens, podendo refletir na melhor relação
médico-paciente14.
Na maioria dos estudos, a idade média dos médicos envolvidos em processos oscila em torno de 40
anos, e também com ampla experiência profissional.
Por exemplo, no trabalho realizado por França e
Gomes14 em Brasília, a idade média de experiência
profissional encontrada foi 19 anos. A hipótese para
explicar este fato faz interface com a maior experiência profissional, no qual médicos tornam-se mais autoconfiantes e menos cuidadosos, reforçando o fato da
negligência configurar-se a forma de culpa mais frequentemente apontada.
Em relação a condenações anteriores, nenhum
dos médicos da presente pesquisa possuía condenação
junto ao CRM/MA. Resultado semelhante foi encontrado no estudo de Maia8, em que cerca de 85% dos médicos estavam sendo processados pela primeira vez.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 18-22, maio-agost, 2011
Quanto às especialidades mais acometidas, na
grande maioria dos estudos a Ginecologia-Obstetrícia
é a mais frequentemente processada5,13,14. Acredita-se
que este achado esteja interligado à concepção do
parto ser considerado um evento fisiológico, que
envolve mãe e filho (pessoas jovens, saudáveis), em
que não se espera ocorrer problemas. Logo, quando
ocorre uma morte ou lesão corporal permanente (por
exemplo: paralisia cerebral da criança), a família se vê
mais impelida a iniciar um processo9,13,14.
Nos processos estudados, chamou a atenção os
problemas estruturais presentes no sistema de saúde
da cidade de São Luís-MA. Estes se configuram como
ensejador de vários processos contra médicos, especialmente nas maternidades públicas onde faltam leitos
para as mães e UTI neonatal. Dessa maneira, é bastante
difícil estreitar os laços da relação médicopaciente
nessas situações, o que aumenta a insatisfação por
parte dos usuários.
No que diz respeito à formação dos médicos na
presente pesquisa, a quase totalidade se graduou em
universidades públicas, achado provavelmente relacionado à existência de um único curso de Medicina no
Estado (na Universidade Federal do Maranhão - UFMA)
durante período pesquisado. Em relação à pósgraduação, não foi possível verificar esta informação
na maioria dos casos. A mesma dificuldade foi encontrada no trabalho de Bitencourt et al.5
Os processos por erro médico analisados são
principalmente denunciados por familiares do paciente e as vítimas são em sua maioria do sexo feminino. A
acusação mais frequente foi do crime de lesão corporal
culposa por negligência. A maioria dos processos
ainda estava em tramitação. Os médicos processados
são principalmente do sexo masculino, com idade
média de 41 anos, da especialidade GinecologiaObstetrícia, graduados em universidades públicas. Os
atendimentos relacionados aos processos ocorreram
em situações de urgência/emergência, em instituições
públicas e custeadas pelo SUS.
Face o exposto, ficou patente a importância da
análise dos processos penais por erro médico em São
Luís, visto a relevância do tema e as dificuldades
encontradas para a obtenção de dados. O perfil dos
erros médicos em São Luís é semelhante aos citados
pela literatura do Brasil e do mundo. Por fim, verificouse a importância do fortalecimento da relação médicopaciente, que está nitidamente abalada nas situações
que geraram os processos; e também das boas condições de trabalho, incluindo problemas estruturais, em
especial, do sistema público de saúde.
Agradecimentos
Ao fomento do Programa de Implementação de
Bolsas de Iniciação Científica (Pibic) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
21
Perfil dos processos por erro médico em São Luís-MA
Referências
1.
Kfouri Neto M. Culpa Médica e o Ônus da Prova:
Presunções, perda de uma chance, cargas probatórias
dinâmicas, inversão do ônus probatório e consentimento
informado: responsabilidade civil em pediatria e
responsabilidade civil em gineco-obstetrícia. 1ª Ed.
Editora Revista dos Tribunais; 2002.
2.
Teixeira SF. Direito e Medicina: aspectos jurídicos da
Medicina. 1ª Ed. Belo Horizonte: Editora Del Rey; 2003.
3.
Ribeiro WC, Julio RS. Normativa ética e erro médico.
Âmbito Jurídico, Rio Grande. Jun 2010 [Capturado em: 3
mar 2012]; Disponível em: http://www.ambito
juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_l
eitura&artigo_id=7891.
4.
Minossi JG, Prevenção de conflitos médico-legais no
exercício da medicina. Rev Col Bras Cir, 2009; 36(1):
90-5.
5.
Bitencourt AVG, Neves NMBC, Neves FBCS et al. Análise
do Erro Médico em Processos Ético-Profissionais:
Implicações na Educação Médica. Rev Bras Educ Med,
2007; 31(3): 223-8.
6.
Amorim, M. Faltam UTIs em São Luís. Jornal O Estado do
Maranhão. São Luís, 31 de jan. 2007, p 1.
7.
Campos PCC. Peregrinação no Sistema Único de Saúde:
experiência da sala de acolhimento da porta de entrada
hospitalar. [Dissertação]. Rio de Janeiro - RJ: Instituto
Oswaldo Cruz; 2006. 227 p.
22
8.
Maia DB. Erro Médico no Brasil: análise de processos
ético-profissionais julgados pelo Conselho Federal de
Medicina no período de 1988 a 1998 [Monografia]. São
Luís - MA: Universidade Federal do Maranhão; 1999.
9.
Montoya, DS, Rosmanich AP, Villalobos VV. Querellas por
responsabilidad médica según especialidades en Chile.
Rev Méd Chile, 1993; 21 (4): 396-402.
10.
Ribeiro MCSA, et al. Perfil sociodemográfico e padrão de
utilização de serviços de saúde para usuários e não
usuários do SUS – PNAD 2003. Ciênc Saúde Coletiva,
2006; 11(4): 1011-22.
11.
Mansur N, Oliveira RA. O médico e a justiça. São Paulo:
Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo.
2006; 92.
12.
Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Maranhão,
Conselho Nacional de Justiça. Levantamento estatístico
dos processos na Justiça Estadual, Federal e Trabalhista
no Brasil, no ano de 2006. São Luís: OAB/MA, 2008.
13.
Boyaciyan K, Camano L. O perfil dos médicos
denunciados que exercem ginecologia e obstetrícia no
estado de São Paulo. Rev Assoc Med Bras, 2006; 52(3):
144-7.
14.
França GV, Gomes JCM. Erro médico: um enfoque sobre
sua origem e suas consequências. Montes Claros:
Universidade de Montes Claros, 2000; 232.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 18-22, maio-agost, 2011
ISSN-2236-6288
Artigo Original / Original Article
Avaliação dos aspectos éticos da publicidade e propaganda odontológica
divulgadas por profissionais em São Luís - MA
Assessment of ethical aspects of advertising and propaganda disseminated by dental professionals in São
Luís - Maranhão
Ana Laíssa Gomes Martins1, Maria Aparecida Costa2, Marcelo Victor Gomes dos Reis3, Lorena Lúcia Costa Ladeira4, Elizabeth Lima Costa5 e José
Ferreira Costa6
Resumo
Introdução: O modelo de marketing mais utilizado pelos cirurgiões-dentistas é o externo, ou seja, aquele que comunica e
divulga através de placas de anúncio, folhetos, propaganda em revistas, listas telefônicas, internet, jornais, etc. Objetivo: O
objetivo deste estudo foi avaliar os aspectos éticos envolvidos na publicidade e propaganda odontológicas em São Luís-MA.
Métodos: Trata-se de um estudo observacional no qual foram analisadas 150 placas de profissionais pessoa física e pessoa
jurídica (clínicas odontológicas). As publicidades e propagandas foram documentadas através de fotografias digitais, sendo
posteriormente avaliadas sob o ponto de vista do Código de Ética Odontológica - CEO. Foram excluídas da pesquisa aquelas de
difíceis leituras, rasuradas e que não puderam ser fotografadas para a análise. Resultados: Os dados levantados foram
submetidos à análise descritiva percentual (regra de três, simples) e armazenados em um sistema aplicativo (Excel®). Observouse que a propaganda mais usada é a do tipo placa (83,4%); em relação aos aspectos éticos relacionados à publicidade e
propaganda, apenas 2% apresentavam todos os itens obrigatórios. Conclusão: A maioria das propagandas e publicidades
analisadas não segue os preceitos exigidos pelo Código de Ética Odontológico - CEO. Há a necessidade de conscientização
desses profissionais quanto aos meios de comunicação e divulgação de seus serviços de forma ética.
Palavras Chave: Teoria Ética. Legislação Odontológica. Odontologia Legal.
Abstract
Introduction: The marketing model used by most surgeon dentists is of external environment type, in other words, one that
communicates and disseminates through advertisement cards, brochures, advertising in magazines, telephone books, internet,
newspapers, etc. Objective: The aim of this study was to evaluate the ethical aspects involved in dental advertising and
propaganda in São Luís - MA. Methods: Observational study with 150 advertisement plates of natural and legal people (dental
clinics). Advertising and propaganda campaigns were recorded using a digital camera, and then evaluated according to the
dental ethics code. We excluded the plates that were difficult to read, stained, as well as could not be photographed. Results:
Data were submitted to descriptive analysis and stored in the Excel® software. It was noted that the use of plates is the most
widely used type of advertising (83.4%). Regarding ethical issues related to advertising, only 2% of the ads and plates were
complying with all rules. Conclusion: Most of the professionals are not following the ethical rules regarding the advertising.
Awareness about the importance of the ethical issues in the means of communication and in the practicing of their professions
are of great importance.
Keywords: Dentistry. Dental legislation. Legal dentistry.
Introdução
O mercado de trabalho na Odontologia tem
sofrido significativas transformações, como o
aumento da concorrência profissional, justificado
principalmente pelo acentuado crescimento do
número de faculdades de Odontologia no Brasil. De
acordo com o Conselho Federal de Odontologia – CFO,
cerca de 16 mil profissionais são formados anualmente em 193 faculdades do país1.
Nessa perspectiva, o Marketing constitui um
importante instrumento para atrair pacientes, uma vez
que tem como objetivo estreitar a relação paciente/
profissional, estabelecendo a lealdade do paciente,
que além de ser fiel, ainda será um grande divulgador
do seu trabalho2,3. O modelo de marketing mais utilizado pelos cirurgiões-dentistas é o externo, ou seja,
aquele que comunica e divulga através de placas de
anúncio, folhetos, propaganda em revistas, listas
telefônicas, internet, jornais, etc3.
O CFO tem a finalidade de supervisionar os aspectos éticos no exercício da profissão, sendo este regido pelo Código de Ética Odontológica - CEO, que tem
função regulamentadora e deve ser entendido como
um instrumento orientador, longe de objetivar o aspecto punitivo4,5.
Através do CEO são estabelecidas regras de
conduta, moralidade e ética profissional que, se
infringidas, podem gerar ato ilícito praticado em
ofensa à lei, à ética, à moral ou aos bons costumes6.
Por meio da Resolução CFO Nº 71 de 6 de Junho
de 2006, novas regras foram acrescentadas ao
capítulo XIV que trata da comunicação, e em sua seção
I - do anúncio, da propaganda e da publicidade. No
Artigo 33, referente à comunicação e divulgação,
consta ser obrigatório conter nome e número de uma
1.
Mestranda do Programa de Pós-graduação de Odontologia da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Doutoranda do Programa de Pós-graduação de Odontologia da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Cirurgião Dentista - UFMA.
4.
Graduanda do Curso de Odontologia da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
5.
Professora Adjunta do Departamento de Odontologia II e Doutoranda do Programa de Pós-Graduação de Odontologia - UFMA.
6.
Professor Adjunto do Departamento de Odontologia I da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Contato: José Ferreira Costa. E-mail: [email protected]
2.
3.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 23-26, maio-agost, 2011
23
Avaliação dos aspectos éticos da publicidade e propaganda odontológica divulgadas por profissionais em São Luís-MA
inscrição da pessoa física ou jurídica no CRO, nome
representativo da profissão de cirurgião-dentista e
também das demais profissões auxiliares regulamentadas. No caso de pessoas jurídicas também deve
constar o nome e número de inscrição no CRO do
responsável técnico.
Poderão ainda constar, de acordo com o Art. 33,
inciso I, as áreas de atuação, procedimentos e técnicas
de tratamento, desde que precedidos do título das
especialidades registradas no CRO ou qualificação
profissional de clínico geral; as especialidades nas
quais o cirurgião-dentista esteja inscrito no CRO; os
títulos de formação acadêmica 'strictu sensu' e do
magistério relativos à profissão; endereço, telefone,
fax, endereço eletrônico, horário de trabalho, convênios e credenciamentos, atendimento domiciliar;
logotipo.
Entre as normas, a inclusão da expressão
"Clínico Geral", pelos profissionais que exerçam
atividades pertinentes à Odontologia decorrentes de
conhecimentos adquiridos em curso de graduação ou
em cursos de pós-graduação, ou seja, o CD pode
informar determinada habilitação (ex: odontopediatria, endodontia, etc.), mas em seu anúncio está
obrigado a escrever a expressão "Clínico Geral", caso
não seja especialista. Seguindo esses preceitos
básicos e os demais previstos nas normas, o cirurgiãodentista pode e deve fazer publicidade, divulgar seu
nome e aumentar o rol de pacientes5, 6.
No caso de pessoa jurídica, quando forem
referidas ou ilustradas especialidades, deverão
possuir seu serviço profissional inscrito no CRO nas
especialidades anunciadas, devendo ainda ser
disponibilizada ao público a relação destes profissionais com as suas qualificações, bem como os clínicos
gerais com suas respectivas áreas de atuação, quando
houver (Art. 33 inciso II)7.
Seguindo esses parâmetros, o cirurgião-dentista desenvolve a propaganda conforme os preceitos
éticos, estabelecendo a concorrência leal e correta,
contribuindo dessa forma para a elevação e valorização da profissão. Entretanto, a maioria dos profissionais não está seguindo os preceitos éticos, no caso da
publicidade5, 8.
Além disso, a publicidade legal norteia os
princípios básicos do Código de Defesa do Consumidor - CDC. De acordo com o Art. 6º inciso VIII do CDC, a
publicidade inadequada dos serviços odontológicos
propicia a falta de esclarecimentos necessários para
que o consumidor se sinta apto a procurar pelo
serviço, inviabilizando-o de fazer a melhor opção de
tratamento6.
Garbin5 afirma que a maioria dos profissionais
não está seguindo os preceitos éticos, havendo,
portanto a necessidade de conscientização quanto a
comunicação e divulgação de seus serviços de maneira
ética. Para Oliveira4, há um desconhecimento sobre o
que é obrigatório e o que é facultativo quanto a questão de anúncio, propaganda e publicidade.
Sendo assim, o objetivo deste estudo foi avaliar
os aspectos éticos envolvidos na publicidade e propaganda odontológica divulgadas por profissionais em
São Luís - MA.
24
Métodos
Trata-se um estudo observacional transversal e
a seleção da amostra deu-se mediante as informações
fornecidas pelo Conselho Regional de Odontologia CRO, quanto a distribuição dos profissionais em São
Luís-MA.
O projeto de pesquisa foi submetido à avaliação
do Comitê de Ética em Pesquisa - CEP da Universidade
Federal do Maranhão - UFMA, de acordo com o previsto
na Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde.
O protocolo de pesquisa foi aprovado pelo CEP/UFMA
Nº 23115006147/2011-77.
Foram selecionadas 150 propagandas e anúncios odontológicos de grande porte que apresentassem fácil visualização e leitura, sem rasuras e/ou
qualquer outro meio que dificultasse a identificação e
que pudessem ser fotografadas para a análise como
outdoors, placas, faixas, pinturas, desenhos, logotipos, distribuídos no Centro e nos 13 bairros mais populosos de São Luís-MA, incluindo localidades de classe social alta, média e baixa, sendo: Cohab, Cohatrac,
Cohafuma, Cohama, Angelim, João Paulo, Renascença,
Monte Castelo, São Francisco, São Cristóvão, Cidade
Operária, Coroadinho, Sá Viana, Turu e Vinhais respectivamente. Os dados foram colhidos nos centros comerciais e ruas de grande fluxo de transeuntes das
respectivas localidades, pela facilidade de encontrar
maior número de consultórios e clínicas odontológicas
instaladas, conforme o CRO.
As publicidades e propagandas foram documentadas no período de junho a novembro de 2011,
através de fotografias digitais, sendo posteriormente
avaliadas quanto aos seus aspectos éticos legais
observados no CEO. Os dados foram submetidos à
análise descritiva percentual através de um sistema
aplicativo (Excel®).
Resultados
As placas e anúncios analisados foram encontrados em maior quantidade nos seguintes bairros:
Centro (21,4%), Cohatrac (14,7%), Cohab (14,7%) e São
Cristovão (7,4%).
Figura 1 - Distribuição percentual quantitativa das placas de
anúncio de acordo com os bairros.
A forma de publicidade mais usada pelos cirurgiões-dentistas foi placa (83,4%). Dentre as placas e
anúncios analisados, 86,7% eram de pessoas físicas e
23,3% jurídicas.
Em relação aos aspectos éticos relacionados à
publicidade e propaganda, apenas 2% dos anúncios e
Rev Pesq Saúde, 12(2): 23-26, maio-agost, 2011
Martins ALG, Costa MA, Reis MVG, Ladeira LLC, Costa EL, Costa JF
placas apresentavam todos os itens obrigatórios.
O item menos encontrado foi o nome representativo da profissão cirurgião-dentista (94,7%), seguido do número de inscrição no CRO (79,3%) e nome
do profissional (64%).
Figura 2 - Distribuição percentual das placas de anúncio
quanto os itens obrigatórios ausentes de acordo com o
Código de Ética Odontológica.
Quanto aos itens permitidos pelo Código de
Ética Odontológica, aquele mais encontrado foi
telefone (85,4%), seguido do logotipo (62%). Foram
observados também convênios (9,4%), e-mail (7,4%) e
endereço (2,7%).
Figura 3 - Distribuição percentual das placas de anúncio
segundo itens permitidos pelo Código de Ética Odontológica.
Foram encontradas em 44% das placas e anúncios as áreas de atuação, procedimentos e técnicas de
tratamento. Porém, em 75,8% que apresentavam esses
itens não constavam a qualificação profissional de
clínico-geral ou o título de especialidade registrada no
CRO.
Discussão
No campo da Odontologia, a ética representa
um importante motivo de respeito e preocupação,
visto o crescente número de profissionais formados na
área, além da elevada concorrência no mercado de
trabalho8.
Visando estabelecer padrões para um bom
desempenho da profissão, o Código de Ética Odontológica - CEO, determinou regras relativas às práticas
publicitárias, conforme a Resolução CFO Nº 71, 6 de
junho de 20065.
No que diz respeito aos itens obrigatórios
relacionados à publicidade e propaganda odonto-
Rev Pesq Saúde, 12(2): 23-26, maio-agost, 2011
lógica, o presente estudo constatou que apenas 2% das
placas e anúncios analisados apresentavam todos os
itens obrigatórios. Tais resultados diferem dos achados por Garbin5, em que 44,9% das placas analisadas
apresentaram os mesmos itens, segundo o Código de
Ética Odontológica - CEO. Verificou-se ainda que o item
obrigatório menos encontrado foi o nome representativo da profissão cirurgião-dentista (94,7%), distinguindo de dois trabalhos do mesmo autor onde o item
menos encontrado foi o número do CRO, com 44,3% e
34,8%5,9.
Em relação aos conteúdos permitidos, foi
constado que os itens mais divulgados foram telefone
(85,4%), seguido do uso de logotipo (62%). Este último
também foi encontrado como o segundo item opcional
mais utilizado, de acordo com Serra10.
Quanto às áreas de atuação, procedimentos e
técnicas de tratamento, 44% dos anúncios e placas
apresentavam tal especificação. Porém, em 75,7%
delas não constavam a qualificação profissional de
“Clínico Geral” ou o título de especialidade registrada
no CRO. Esses resultados se assemelham aos dados
encontrados por Garbin5, onde em 59,7% das placas
que apresentavam esses itens, também não constavam o título de especialista ou a expressão “clínico
geral”.
Os anúncios, publicidades e propagandas
analisadas não atenderam aos princípios básicos que
norteiam a publicidade sob o ponto de vista legal, a
partir do Código de Defesa do Consumidor - CDC.
Anunciar a área de atuação, sem a qualificação de
especialista constitui um erro grave, pois confunde o
consumidor, e este sempre será considerado como
hipossuficiente ou leigo no assunto5. Deve haver obrigatoriedade da informação, veracidade, disponibilidade e transparência, com dados esclarecedores,
sem mascaramento e dissimulação2.
Além disso, os achados aqui obtidos também
dão suporte a outros estudos que destacam o elevado
número de processos éticos instaurados contra cirurgiões-dentistas, devido às infrações referentes à publicidade e propaganda8,11.
Nesse contexto, as propagandas e publicidades
podem estar vinculadas à falta de valorização dos
aspectos legais da profissão, bem como a certeza da
impunidade, associado à fiscalização deficiente, somada à armadilha mercantilista derivada de um mercado
saturado, induzindo o profissional a realizar publicidade desconsiderando os preceitos ético-morais. Os
dados levantados serão de grande valor para o Conselho Regional de Odontologia - CRO, Associação Brasileira de Odontologia - ABO, entidades ministradoras de
cursos de especializações e aos Cursos e Faculdades
de Odontologia instaladas em São Luís-MA, para aplicações de estratégias pedagógicas preventivas e conscientizadoras.
Dentro das limitações desta pesquisa, pode-se
concluir que a maioria das propagandas e publicidade
analisadas não segue os preceitos exigidos pelo
Código de Ética Odontológico; há a necessidade de
conscientização desses profissionais quanto aos
meios de comunicação e divulgação de seus serviços
de forma ética.
25
Avaliação dos aspectos éticos da publicidade e propaganda odontológica divulgadas por profissionais em São Luís-MA
Referências
1.
Brasil. Conselho Federal de Odontologia. http://cfo.org.
br/serviços-e-consulta/dados-estatísticos. Acessado em:
20 nov 2011.
2.
3.
4.
7.
Paim AP, Camargo AC, Da Silva ACM, Nóbrega FM,
Cardoso MG. Marketing em odontologia. Rev Biociên,
2004; 10(4): 223-9.
Brasil. Conselho Federal de Odontologia. Código de Ética
Odontológica. Resolução Nº 42, de 20 de maio de 2003.
Capítulo XIV alterado através da Resolução CFO-71 de 06
de junho de 2006. Rio de Janeiro: Conselho Federal de
Odontologia; 2006.
8.
Arcier NM, Silva MM, Arcieri RM, Garbin CAS. A
importância do marketing odontológico para enfrentar
um mercado competitivo. Rev Odontol de Araçatuba,
2007; 28(3): 24-32.
Garcia SJ, Caetano JC. O código de ética odontológica e
suas infrações: um estudo sobre os processos éticoprofissionais dos cirurgiões-dentistas do estado de Santa
Catarina. Odontol Clín-Científ, 2008; 7(4): 307-13.
9.
Garbin CAS, Daruge E, Moimaz SAS, Ayres JPS. Aspectos
éticos e legais da comunicação odontológica: placas
odontológicas. Rev Fac Odontol Lins, 1996; 9(2): 19-21.
10.
Serra MC, Garcia PPNS, Dotta EAV, Gonçalves PE.
Ferramentas de “marketing” empregadas por cirurgiõesdentistas. RGO - Rev Gaucha Odontol, 2005; 53(2): 155-8.
11.
Lucas SD. Ética e processos éticos. Rev CROMG, 1999; 5:
54-9.
Oliveira FT, Sales Peres A, Salles Peres SHC, Yarid SD,
Silva RHA. Ética odontológica: conhecimento de
acadêmicos e cirurgiões- dentistas sobre os aspectos
éticos da profissão. Rev Odontol da UNESP, 2008; 37(1):
33-9.
5.
Garbin AJI, Orenha ES, Garbin CAS, Gonçalves PE.
Publicidade em odontologia: Avaliação dos aspectos éticos envolvidos. RGO - Rev Gaucha Odontol, 2010; 58(1):
85-9.
6.
Figueira Júnior E, Trindade GO. Responsabilidade do
cirurgião-dentista frente ao Código de Defesa do
Consumidor. Cad UniFOA, 2010; 12(1): 63-70.
26
Rev Pesq Saúde, 12(2): 23-26, maio-agost, 2011
ISSN-2236-6288
Artigo Original / Original Article
Avaliação da intensidade da luz dos aparelhos fotopolimerizadores utilizados em
clínicas odontológicas de São Luís - MA
Light intensity evaluation of light curing units used in dental clinics of São Luís - Maranhão
Samantha Ariadne Alves de Freitas1, José Ferreira Costa2 e José Roberto Oliveira Bauer3
Resumo
Introdução: O aparelho fotopolimerizador é um instrumento imprescindível para garantir o sucesso das restaurações estéticas.
Por isso, o controle da correta emissão de intensidade luminosa suficiente é fundamental. Entretanto, as unidades fotoativadoras são suscetíveis à perda de rendimento ao longo do tempo. Objetivo: Avaliar a intensidade luminosa emitida, o tipo de
luz, o tempo de polimerização e a frequência de manutenção dos aparelhos fotopolimerizadores utilizados nas clínicas
Odontológicas de São Luís-MA. Método: Foi aplicado um questionário a 148 clínicas odontológicas. Após o preenchimento do
questionário foram realizadas as leituras de intensidade de luz dos aparelhos fotopolimerizadores das clínicas estudadas. A
intensidade de luz foi mensurada com um radiômetro Demetron (Kerr-Sybron Dental, EUA). Resultado: Mais de 90% dos
aparelhos fotopolimerizadores não se encontram em condições adequadas de emissão de luz. A grande maioria dos
profissionais adota aparelho com LED (sigla do inglês Light Emission Diode ou Diodo emissor de luz) como fonte de luz para a
polimerização dos materiais resinosos. Os resultados sugerem que há um desconhecimento no tempo necessário para a
fotoativação e nos cuidados com a manutenção e que esses aparelhos necessitam de uma revisão periódica por parte do
profissional. Conclusão: Os resultados encontrados nesta pesquisa foram considerados preocupantes. Um programa de
manutenção e esclarecimento deveria ser aplicado.
Palavras-chave: Clínica Odontológica. Fotopolimerização. Manutenção.
Abstract
Introduction: Curing light unit is an essential instrument to ensure the success of esthetic restorations. Therefore, the control of
correct emission of sufficient light intensity is critical. However, the light activating units are susceptible to lose performance
over time. Objective: To evaluate the light intensity, the light type, the curing light time and the maintenance frequency of the
light curing units used in dental clinics of São Luís – MA. Methods: We used a questionnaire in 148 dental clinics. After applying
the questionnaires in the selected clinics, light intensity of light curing units was measured with a Demetron radiometer (Kerr,
Sybron Dental, USA). Results: More than 90% of the light curing units were not with good light emission conditions. Most of the
professionals use LED as the light source for polymerization of resin materials. The results suggest that dentists are not well
informed about the light curing time and the light curing units maintenance. Besides, the equipments demand a periodic
examination by professionals. Conclusion: Regarding the worrying findings, maintenance and clarification procedures should
be applied.
Keywords: Dental clinics. Light-curing. Maintenance.
Introdução
O uso dos materiais resinosos surgiu, na
Odontologia, como resposta aos anseios de se obter
um material que, atendendo às diversas exigências
impostas pelo meio bucal em termos de características
físicas e químicas, ainda proporcionasse uma restauração de forma, função e estética dos elementos
dentários1. Desenvolvidas por Rafael Bowen2, as
resinas foram introduzidas na década de 60, e desde
então, vêm sofrendo gradualmente modificações,
permitindo sua utilização numa variedade de
procedimentos clínicos1.
A maioria das resinas compostas utilizadas
atualmente é ativada através de luz azul visível que
apresenta um comprimento de onda entre 400 e
500nm. Estas iniciam seu processo de polimerização
através da absorção de luz por meio de fotoiniciador, a
canforoquinona, que uma vez ativada reage com os
grupos amina e produz radicais livres3, 4, 5, 6.
O aparelho fotopolimerizador é um instrumento
imprescindível para garantir a qualidade desse
processo. Por isso, os principais fatores responsáveis
pelo sucesso das restaurações estéticas são: emissão e
intensidade de luz suficientes, correto comprimento
de onda e tempo adequado de exposição à luz.
A forma como os compósitos são fotopolimerizados e qual a técnica empregada é fonte de
constantes estudos, uma vez que esses são os fatores
responsáveis pelo sucesso do procedimento restaurador7. Estudos preconizam uma emissão de intensidade
de luz final de 400 mW/cm2 para polimerizar cada
incremento de 2mm de resina composta. Quando o
incremento possui extensão superior a 2mm, a luz do
aparelho não consegue ultrapassar todas as camadas
do material e as partículas mais profundas não serão
fotoativadas. Isso pode resultar na presença de monômeros residuais o que, consequentemente, compromete o resultado final da restauração de resina7,8.
Quando a resina composta sofre subpolimeri-
1.
Aluna de Graduação da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Professor Adjunto IV da Disciplina de Materiais Dentários do Curso de Odontologia da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Professor Adjunto II da Disciplina de Materiais Dentários, Chefe do Departamento de Odontologia I Curso de Odontologia da Universidade
Federal do Maranhão - UFMA.
Contato: José Roberto Oliveira Bauer. E-mail: [email protected]
2.
3.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 27-31, maio-agost, 2011
27
Avaliação da intensidade de luz dos aparelhos fotopolimerizadores utilizados em clínicas odontológicas de São Luís-MA
zação surgem algumas características indesejáveis,
tais como: restaurações desgastadas com alteração de
cor, maior porosidade, maior possibilidade de infiltração marginal devido à polimerização insuficiente das
camadas mais profundas, grande quantidade de monômeros residuais, deterioração de suas propriedades
mecânicas e físicas, aumentando o índice de sensibilidade pós-operatória e falhas na restauração6,7,9,10,11,12,13.
Isso comprometerá o sucesso clínico de uma restauração de resina composta, ou seja, não corresponderá às
expectativas de longevidade clínica.
Entretanto, as unidades fotoativadoras são
suscetíveis à perda de rendimento de acordo com o
tempo de uso, logo devem estar em condições ideais
para promover a fotoativação, porém, muitas vezes
isso não corresponde à realidade encontrada6.
Numerosos estudos mostraram que em diversas cidades os fotopolimerizadores apresentaram
intensidade abaixo do recomendado6,8,9,13,14,15,16,17,18.
Entretanto, na maioria desses estudos os aparelhos
investigados utilizam lâmpadas halógenas, que
apresentam um curto período de vida útil, em torno de
100 horas16.
Por esta razão, os aparelhos com LED (sigla do
Inglês Light Emission Diode ou Diodo emissor de luz)
foram introduzidos devido às diversas vantagens
desse componente, que se destaca pelo seu tempo de
vida útil, sendo em torno de 10.000 horas19. Mas, ainda
faltam estudos para avaliar o seu comportamento em
clínicas odontológicas.
Frente ao exposto, o objetivo deste trabalho é
avaliar a intensidade de luz emitida pelos aparelhos
fotopolimerizadores utilizados em clínicas odontológicas de São Luís-MA.
fotopolimerizadores, sendo 163 com LED e 19 com
lâmpada Halógena. A intensidade de luz foi determinada pelo radiômetro Demetron (Kerr/Sybron
Dental, EUA). O procedimento para determinar a
potência dos aparelhos foi realizado com todos os
componentes da amostra posicionando-se a ponteira
ativa do cabo condutor de luz dos fotopolimerizadores
verticalmente sobre a parte central da superfície
fotossensível do radiômetro. Os aparelhos foram ligados e inicialmente submetidos à leitura do radiômetro
por 20 segundos cada. Posteriormente, seguiu-se uma
segunda leitura utilizando o mesmo tempo. A leitura
final foi resultado da média aritmética das leituras
anteriores de cada aparelho, cujo intervalo de leitura
entre um e outro foi de, no mínimo, 30 segundos.
Os dados da pesquisa realizada nas 127 clínicas
de São Luís-MA foram tabulados e avaliados e estão
demostrados em porcentagem nas Figuras.
Resultados
Após a aferição dos 182 aparelhos fotopolimerizadores de São Luís-MA, com os respectivos questionários respondidos, verificou-se que 19 (10,43%) dos
fotopolimerizadores possuem lâmpada Halógena e
163 (89,57%) possuem LED (Figura 1).
Métodos
Um questionário (Quadro - 1) foi aplicado de
forma aleatória a uma amostra de 8,25% do total de
1.538 cirurgiões-dentistas de São Luís-MA (dados do
Conselho Federal de Odontologia - 2011), sendo respondido por 127 cirurgiões-dentistas, que foram
informados sobre os objetivos da pesquisa, com
colaboração voluntária e assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido. O presente estudo foi
submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa sob Nº
23115-007276/2011-84.
Algumas clínicas apresentavam mais de um
aparelho. Dessa forma, foram avaliados 182 aparelhos
1. Qual o tipo de aparelho fotopolimerizador utilizado?
[ ]LED [ ]Luz Halógena
2. De quanto em quanto tempo é realizada a manutenção
de seu aparelho?
[ ]Nunca fiz [ ]Quando quebra [ ]Todo ano
3. Por quanto tempo você realiza a polimerização da
resina composta?
4. Você já mediu a intensidade de luz do seu aparelho?
[ ]Sim [ ]Não
5. Intensidade de luz no momento da entrevista, em
mW/cm²
Quadro 1 - Questionário entregue aos cirurgiões-dentistas de
São Luís-MA. 2011.
28
Figura 1 - Tipos de aparelhos fotopolimerizadores das clínicas de São Luís-MA. 2011.
Em relação à manutenção dos aparelhos com
LED, 93 (57,05%), dos cirurgiões-dentistas só a
realizam quando o aparelho "quebra", 18 (11,05%)
realizam todo ano e 52 (31,90%) nunca fizeram. Nos
aparelhos dos cirurgiões-dentistas equipados com
lâmpada Halógena, 5 (26,31%) dos cirurgiõesdentistas só realizam a manutenção quando "quebra",
4 (21,06%) realizam todo ano, enquanto que 10
(52,63%) nunca fizeram a manutenção dos aparelhos.
Assim, dos 182 aparelhos fotopolimerizadores
estudados, 160 (87,91%) ou nunca passaram por
manutenção ou o profissional só a realizaram quando
o aparelho "quebrou" (Figura 2).
O tempo de exposição de luz mais frequentemente utilizado para cada incremento de resina (2 mm)
composta dos aparelhos com LED, é abaixo de 40
segundos para 88 (53,98%), seguido de 40 segundos
para 43 (26,38%) e acima de 40 segundos para 32
(19,64%). Para os aparelhos com lâmpada Halógena 13
(72,22%) polimerizam por menos de 40 segundos,
Rev Pesq Saúde, 12(2): 27-31, maio-agost, 2011
Freitas SAA, Costa JF, Bauer JRO
apresentaram intensidade de luz variando acima de 100
e abaixo de 400 mW/cm², 1 (5,27%) apresentou leitura
abaixo de 100 mW/cm² e nenhum aparelho apresentou
intensidade superior a 400 mW/cm² (Figura 5).
Figura 2 - Frequência da manutenção dos aparelhos polimerizadores de São Luís-MA. 2011.
enquanto que apenas 6 (27,78%) polimerizam por mais
de 40 segundos o incremento de resina composta (2
mm) (Figura 3).
Figura 5 - Distribuição percentual dos aparelhos
fotopolimerizadores de acordo com a intensidade da luz. São
Luís-MA. 2011.
Discussão
Figura 3 - Tempo utilizado na fotopolimerização da resina
composta nas clínicas de São Luís-MA. 2011.
Quando perguntado se já havia medido a
intensidade de luz dos aparelhos com LED, 126
(77,31%) responderam que não, enquanto que 37
(22,69%) responderam que já haviam aferido a
intensidade de luz do aparelho fotopolimerizador. Dos
aparelhos equipados com lâmpada Halógena 5
(26,31%) responderam que sim e 14 (73,69%) responderam que não haviam medido a intensidade de luz
dos aparelhos fotopolimerizadores (Figura 4).
As aferições realizadas nos aparelhos com LED
revelaram que 75 (46,01%) dos aparelhos apresentaram intensidade abaixo de 100 mW/cm², 72 (44,17%)
intensidade variando entre 100 e abaixo de 400
mW/cm² enquanto que apenas 16 (9,82%) operavam em
intensidade igual ou superior a 400 mW/cm². Nos
aparelhos com lâmpada Halógena 18 (94,73%)
Figura 4 - Clínicas que já mediram a intensidade da luz. São
Luís-MA. 2011.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 27-31, maio-agost, 2011
A conversão de monômeros metacrilatos
utilizados nos materiais restauradores acontece
através da absorção de luz pelos fotoiniciadores, e este
fenômeno é dependente de vários parâmetros. Dentre
eles, o tipo de monômero tem se mostrado uma
variável importante na conversão de resinas compostas20. A elevação da temperatura do material aumenta a
mobilidade molecular com um consequente aumento
na conversão21. Mas, dentre essas variáveis, a irradiância da fonte de luz e o tempo de exposição são de
particular interesse, uma vez que, na prática, são
passíveis de manipulação pelo clínico22.
A intensidade da luz multiplicada pelo tempo de
exposição resulta na energia total ou densidade de
energia, que deve ser de aproximadamente 16 J/cm².
Caso o aparelho fotopolimerizador tenha intensidade
luminosa inferior a 400 mW/cm², as propriedades
ideais da resina não serão atingidas, a menos que se
aumente o tempo de exposição23.
Dessa forma, o êxito de um procedimento
restaurador está diretamente relacionado ao bom
desempenho do aparelho fotopolimerizador. Assim, é
de suma importância a manutenção periódica, tanto
dos componentes, quanto da limpeza e aferição da
intensidade da luz, visto que a frequência e o uso são
responsáveis pelo desgaste natural do aparelho.
A diminuição da intensidade luminosa é imperceptível ao olho humano. Assim como, a eficácia de
polimerização das resinas compostas, que geralmente, não pode ser percebida pelo operador, uma vez que
a camada mais superficial da resina é polimerizada,
logo cabe ao operador possuir conhecimento suficiente sobre o perfeito funcionamento do aparelho para
solicitar o serviço técnico periodicamente ou sempre
que necessário9.
No presente estudo é possível observar a falta
de conhecimento da importância do monitoramento
da intensidade da luz dos fotopolimerizadores, tendo
em vista que 140 (76,92%) nunca tiveram a intensidade
luminosa avaliada (Figura 4).
Resultados próximos foram encontrados por
Long e Curbox (1992), que avaliaram 109 aparelhos fo-
29
Avaliação da intensidade de luz dos aparelhos fotopolimerizadores utilizados em clínicas odontológicas de São Luís-MA
topolimerizadores e entrevistaram seus proprietários
relatando que 57% do total nunca havia trocado a
lâmpada antes da 'queima' e que 66% não mantinham
um programa de manutenção de seus aparelhos24.
Barghi et al.,25 avaliaram 209 aparelhos e concluíram
que a maioria dos profissionais entrevistados não
possuía conhecimento sobre o desempenho dos
aparelhos fotopolimerizadores e nunca havia trocado
a lâmpada das unidades.
Isso fica visível nos resultados das leituras da
intensidade da luz realizada nos aparelhos, pois
94,50% dos aparelhos não possuem intensidade
mínima, para poder compensar, o tempo de exposição
que deveria ser maior. Entretanto, além da intensidade
de luz deficiente encontrada nos aparelhos, o tempo
de polimerização é inferior aos 40 segundos preconizados na literatura, colocando em risco o tempo de
vida clínica das restaurações.
É verificado, em diversos estudos, que os
aparelhos fotopolimerizadores estão sujeitos à perda
de intensidade luminosa ao longo do tempo e que
mesmo assim continuam sendo utilizados indiscriminadamente nas clínicas odontológicas e nas clínicasescolas de algumas universidades6,8,9,13,14,15,16,17,18.
Um estudo realizado por Pereira et al.,9 revelou
que apenas 16% dos aparelhos fotopolimerizadores
utilizados em consultórios odontológicos apresentavam valores de intensidade de luz inferiores aos
padrões ideais. Os resultados mostraram que 50% dos
profissionais nunca realizaram nenhum tipo de
manutenção no aparelho e apenas 16% executaram
algum procedimento anualmente.
Neste mesmo ano, foi realizado um estudo nos
consultórios particulares em Caruaru-PE e observou-se
que dos 60 consultórios pesquisados apenas 10% dos
fotopolimerizadores avaliados estavam com intensidade luminosa acima de 400 mW/cm² e 76,65% dos
aparelhos estavam com intensidade luminosa abaixo
do adequado para polimerização das resinas compostas17.
Já, em 2010, em Maringá-PR, foi realizada uma
pesquisa em 30 consultórios particulares e clínicas de
atendimento odontológico e verificou-se que 38,9%
dos aparelhos encontravam-se adequados, 27,8%
necessitavam de tempo de exposição compensatório e
33,3% encontrava-se com baixa potência6.
Estudos em clínicas-escolas de Odontologia
também mostram resultados próximos daqueles
encontrados nas clínicas particulares, evidenciando
uma possível falha na formação dos profissionais,
quanto aos cuidados necessários com essas unidades
fotoativadoras. Assim, Baldi et al.16, realizaram um
estudo numa clínica-escola (Universidade Estadual de
Ponta Grossa - UEPG-PR), e constataram que dos 16
aparelhos fotopolimerizadores com lâmpada halógena
utilizados como amostra, 56,25% apresentavam-se
com intensidade luminosa abaixo de 400mW/cm² e
seis meses após a primeira leitura, verificou-se que
30
69,23% destes mesmos aparelhos estavam com
intensidade luminosa abaixo do preconizado.
Outra pesquisa realizada por Montenegro et
al.,26 os quais examinaram 170 aparelhos fotopolimerizadores utilizados no meio acadêmico e em clínicas particulares, mostrou que 52,35% dos aparelhos
não aferiam a intensidade de luz. A pesquisa demonstrou também que 49,41% dos aparelhos nunca haviam
sido encaminhados para a manutenção e que 32,35%
dos entrevistados não responderam à pergunta sobre
o valor ideal da intensidade de luz.
Uma pesquisa realizada na Universidade Federal
do Maranhão - UFMA, com 19 fotopolimerizadores
utili-zados nas clínicas do curso de Odontologia
revelou que apenas 31% dos fotopolimerizadores
estavam com intensidade luminosa igual a 400
mW/cm², ou seja, possuíam potência suficiente para
promover a fotoativação das resinas compostas,
enquanto que a maioria (68%) não estava em condições
para realizar tal procedimento18.
Os procedimentos com elevadas chances de
insucesso clínico estão diretamente relacionados ao
polímero formado por uma determinada fonte de luz.
A emissão suficiente de intensidade de luz, correto
comprimento de onda emitido e tempo de exposição
adequado são fatores responsáveis pelo sucesso de
uma restauração de resina composta3,10. Porém, a baixa
taxa de conversão de monômero pode influenciar no
desempenho clínico e na biocompatibilidade do
material, e ainda pode deixar a restauração mais
susceptível ao manchamento superficial e à infiltração
marginal4, 7, 9, 17.
A análise desses dados pode se tornar uma
ferramenta para uma possível alteração na formação
dos profissionais, bem como uma medida por parte de
órgãos responsáveis, para implementação de um
programa de controle de qualidade através da manutenção periódica dos aparelhos fotopolimerizadores,
logo o benefício direto será um bom trabalho prestado
à comunidade 27. Os resultados encontrados neste
trabalho não diferem da maioria dos estudos relatados
na presente pesquisa, reforçando a importância do
conhecimento a respeito das formas de uso e da
manutenção dos aparelhos fotopolimerizadores.
Os resultados obtidos pela pesquisa mostraram
que mais de 90% dos aparelhos fotopolimerizadores
pesquisados não se encontravam com a potência
mínima adequada para fotoativação da resina composta.
Agradecimentos
Ao CNPq (PIBIC-2011) e a Fundação de Amparo à
Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão - FAPEMA (Processo BEPP - 617/
2011 e Infra 00486/10). Trabalho vencedor do Prêmio
Fapema 2011 na categoria Jovem Cientista.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 27-31, maio-agost, 2011
Freitas SAA, Costa JF, Bauer JRO
Referências
1.
Baratieri LN, Araújo EM, Monteiro SJ. Composite
Restorations in Anterior Teeth: Fundamentals and
Possibilities. Chicago: Quintessence; 2005.
15.
Bona AD, Casalli JL, Schelder PV. Eficácia dos
fotopolimerizadores utilizados em clínicas odontológica.
Rev Fac Odontol Univ Passo Fundo, 1997; (2): 41-50.
2.
Araujo RM. Efeito da intensidade de luz e irradiação de
calor de fotopolimerizadores em função do tempo de
uso. J Bras Odontol Clin, 1997; 1(6): 50-55.
16.
3.
Rueggeberg FA, Craig RG. Correlation of parameters
used to estimate monomer conversion in a light-cured
composite. J Dent Res, 1988; 67(6): 932-7.
Baldi RL, Martins R, Teider LD, Leite TM, Delgado L,
Pereira SK. Intensidade de luz de aparelhos fotopolimerizadores utilizados no Curso de Odontologia da
Universidade Estadual de Ponta Grossa. Publicato UEPG,
2005; 11(1): 39-46.
17.
Correia IB, Teixeira HM, Nascimento ABL, Costa SX,
Galindo RM, Azevedo LM, Maciel WV. Avaliação da
intensidade de luz, da manutenção e do método de
utilização dos fotopolimerizadores utilizados nos
consultórios da cidade de Caruaru-PE. Rev Odontol
UNESP, 2005; 34(3): 113-18.
18.
Borges FMGS, Rodrigues CC, Freitas SAA, Costa JF, Bauer
JRO. Avaliação da intensidade de luz dos
fotopolimerizadores utilizados no curso de Odontologia
da Universidade Federal do Maranhão. Rev Cienc Saúde,
2011; 13(1): 26-30.
19.
Gouveia CVD, Costa MF, Costa Neto CA, Magalhães Filho
TR, Barros RN. Avaliação dos aparelhos fotoativadores
utilizados em Odontologia. RGO, 2008; 56(4): 399- 403.
4.
Fan PL, Schumacher RM, Azzolin K, Geary R, Eichmiller
FC. Intensidade de luz polimerizadora e profundidade de
polimerização de resinas compostas testadas de acordo
com os padrões internacionais. JADA-Brasil, 2002; (5):
199-204.
5.
Franco EB, Lopes LG, Wang L. Resina condensável, uma
opção para dentes posteriores: relato de um caso clínico.
J Bras Clin Odontol Integr, 2000; (4): 75-79.
6.
Kreidler MA, Lima DM, Rastelli NA, Andrade MF.
Avaliação da intensidade de luz de aparelhos
fotopolimerizadores. J Bras Clin Odontol Integr, 2004;
(8): 249-53.
7.
Martins FD, Santos ACB, Soares LRA, Martins HLO.
Microdureza de resinas em função da cor e luz halógena.
Pesqui Odontol Bras, 2002; 16(3): 246-50.
20.
Ruyter IE, Oysaed H. Composites for use in posterior
teeth: composition and conversion. J Biomed Mater Res,
1987; 21(1): 11-23.
8.
Pereira, S.K.; Pascotto, R.C.; Carneiro, F.P. Avaliação dos
aparelhos fotopolimerizadores utilizados em clínicas
odontológicas. J Bras Dent Estet, 2003; 2(5): 29-35.
21.
Kloosterboer JG, Lijten GFCM. Photopolymers exhibiting
a large difference between glass transition and curing
temperatures. Polymer, 1990; 31(1): 95-101.
9.
Pereira SK, Porto CLA, Mendes AJD. Efeitos de diferentes
sistemas de fotopolimerização na dureza superficial da
resina composta. J Bras Clin Estet Odont, 2001; 5(26):
156-161.
22.
Halvorson RH, Erickson RL, Davidson CL. Energy
dependent polymerization of resin-based composite.
Dent Mater, 2002; 18(6): 463-9.
23.
10.
Wiggins KM, Hartung M, Altholf O, Wastian C, Mitra, SB.
Curing performance of a new-generation light-emitting
diode dental curing unit. J Am Dent Assoc, 2004;
135(10): 1471-9.
Reis A, Loguércio AD. Materiais dentários restauradores
diretos: dos fundamentos à aplicação clínica. 1ª Ed. São
Paulo: Livraria Santos Editora, 2007; p. 277.
24.
Long WR, Curbox SC. In-office survey of curing lights
maintenance. J Ind Dent Assoc, 1992; 71(3): 9-11.
25.
Barghi N, Berry T, Hatton C. Evaluating intensity output of
curing lights in private dental offices. J Am Dent Assoc,
1994; 125(7): 992-6.
11.
Pires HC, Araújo PA, Carvalho JR, Francisconi. Avaliação
de dois tipos de fotopolimerizadores, LED e Lâmpada
Halógena, na profundidade e cura de uma resina
composta. Rev Fac Odontol Lins, 2005; 17(1): 15-22.
12.
Leung RL, Fan PL, Johnston WM. Post Irradiation
polymerization of visible light activated composite resin.
J Dent Res, 1982; (62): 363-365.
26.
Montenegro G, Pinto T, Guimarães C, Assunção MCA,
Blazzio MD. Descobrindo seu fotopolimerizador. Rev
APCD, 2003; 57(1): 66-70.
13.
Vieira GF, Erhardt AE, Shroeder LF. Intensidade de luz de
aparelhos fotopolimerizadores utilizados em
consultórios particulares. J Bras Clin Estet Odont, 2000;
4(22): 41-44.
27.
Briso ALF, Sunfeld RH, Lima JM, Costa SAC, Campos IT.
Avaliação da intensidade luminosa produzida por
unidade fotoativadora e grau de satisfação dos
profissionais em empregá-las. J Brasil Dent, 2003; 2(7):
212-216.
14.
Mazur RF, Ignacio AS, Ferronato T, Koerich G, Vieira S.
Avaliação da qualidade dos aparelhos fotopolimerizadores da clínica odontológica da PUC-PR. Rev Ibero
Odontol Est Dent, 2004; (3): 160-8.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 27-31, maio-agost, 2011
31
ISSN-2236-6288
Artigo Original / Original Article
Nível de atividade física de servidores idosos em período de pré-aposentadoria da
Universidade Federal do Maranhão - UFMA
Level of physical activity of servers in elderly pre-retirement period of the University of Maranhão Brasil
Carolina Abreu de Carvalho1, Poliana Cristina de Almeida Fonsêca1, Alessandra Gaspar Sousa2 e Soraia Pinheiro Machado3
Resumo
Introdução: A prática de atividade física diminui com o envelhecimento e essa é umas das principais causas da elevada
incidência de doenças não transmissíveis observada entre idosos. Objetivo: Avaliar o nível de atividade física de servidores
idosos, em período de pré-aposentadoria, da Universidade Federal do Maranhão, e verificar sua associação com sexo e
indicadores antropométricos do grupo. Métodos: Participaram do estudo 50 servidores em período de pré-aposentadoria, com
60 anos ou mais. O nível de atividade física foi avaliado por meio do Questionário Internacional de Atividade Física (versão
curta). A avaliação antropométrica foi realizada através do Índice de Massa Corporal - IMC, Circunferência da Cintura - CC, e
Relação Cintura Quadril - RCQ. Para comparar as variáveis antropométricas, por nível de atividade física, foi utilizado o teste t de
Student. As proporções de inatividade foram avaliadas, segundo estado nutricional e sexo, utilizando-se o teste do quiquadrado. O nível de significância adotado foi 5%. Resultados: A taxa de inatividade física foi de 64%, não havendo diferença
significativa entre os sexos (p=0,67). Dos indicadores antropométricos investigados, apenas a RCQ mostrou-se associada à
inatividade física no grupo (p=0,04). Indivíduos ativos (61,11%) apresentaram taxas de gordura andróide significativamente
maiores que indivíduos inativos (31,25%). Conclusão: A inatividade física foi elevada nos servidores estudados, que deve ser
alvo de ações de incentivo à prática regular de atividade física e adoção de estilos de vida mais saudáveis.
Palavras-chave: Idoso. Atividade Motora. Estado nutricional.
Abstract
Introduction: Practice of physical activities decreases with aging, and this is one of the main causes of the increase of
Noncommunicable Diseases - NCD, observed during the old age. Objective: To analyze the level of physical activity of old public
servants of the Federal University of Maranhão in the period of pre-retirement and verify its association with sex and
anthropometric indicators of the group. Methods: 50 servants in the period of pre-retirement participated of this study, being
60 or more years of age. The level of physical activity was analyzed through the IPAQ (International Physical Activity
Questionnaire). The anthropometric evaluation was performed by using the Body Mass Index - BMI, Waist Circumference - WC,
and the Waist to Hip Ratio - WHR. The Student's t test was used to compare the anthropometric variables with the level of physical
activity. The proportions of inactivity were evaluated according to nutritional status and gender, using the chi-square test. We
used a significant level of 5%. Results: The rate of physical inactivity was 64%, and there was no significant difference between
genders (p=0.67). Of the anthropometric indicators, only the relation between hip and waist showed an association with the
physical inactivity of the group (p=0.04). Active individuals (61.11%) had significantly higher rates of android fat than inactive
individuals (31.25%). Conclusion: The physical inactivity was high in the individuals of this study. This finding should be the
center of motivation for encouraging the regular practice of physical activity and the implementation of healthier lifestyles.
Keywords: Aged. Motor activity. Nutritional Status.
Introdução
O número de idosos e a expectativa de vida têm
aumentado consideravelmente nos últimos anos. Em
2009, existiam cerca de 9,7 milhões de idosos no
Brasil e a expectativa de vida era de 72,9 anos1. Estimase, para 2025, que esses números cheguem a 32
milhões de idosos e uma expectativa de vida em torno
de 80 anos de idade2. Esse processo de envelhecimento populacional é conhecido como transição
demográfica e está associado a mudanças no padrão
de saúde e doença da população. A transição
epidemiológica é marcada pela redução relativa de
óbitos por doenças infecciosas e aumento das mortes
por doenças e agravos não transmissíveis (DANTs),
como doenças cardiovasculares, neoplasias e diabetes
mellitus3 , 4, 5.
Está amplamente evidenciado na literatura que
a prevalência de múltiplas condições crônicas é mais
elevada entre os idosos. O envelhecimento é acompanhado por importantes alterações fisiológicas,
como o aumento da massa adiposa, diminuição das
massas magra e óssea e da capacidade cardiorrespiratória, levando a perdas estruturais e funcionais5,6. Essas mudanças estão associadas à diminuição
da capacidade física ou funcional, alterações psicológicas e redução dos níveis de atividade física7,8,9.
Entretanto, doenças e limitações não são
resultados inevitáveis do envelhecimento10. E é nesse
contexto que a atividade física ganha destaque. A sua
prática regular está associada a benefícios físicos,
psicológicos e sociais. Especialmente entre os idosos,
a atividade física é responsável por melhorar a saúde e
qualidade de vida, podendo contribuir com a redução
1.
Discente do Curso de Nutrição da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Nutricionista
3.
Docente do Curso de Nutrição da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Contato: Carolina Abreu de Carvalho. E-mail: [email protected]
2.
32
Rev Pesq Saúde, 12(2): 32-37, maio-agost, 2011
Carvalho CA, Fonsêca PCA, Sousa AG, Machado SP
do risco de desenvolver DANTs e, consequentemente,
diminuição do uso de medicamentos, mortalidade
nestes indivíduos e da utilização de serviços de saúde5,6,11,12.
Por isso, políticas e programas têm sido
elaborados com o objetivo de incentivar a prática de
atividade física regular entre indivíduos dessa faixa
etária13,14. Entre estes, vale destacar os programas de
preparação para a aposentadoria, oferecidos por
muitas instituições a seus servidores.
A preparação para a aposentadoria é um marco
na vida do trabalhador, pois resulta em modificações
que afetam seu papel social, estilo de vida e hábitos
alimentares. A aposentadoria está diretamente ligada
ao processo de envelhecimento, fase da vida também
caracterizada por alterações profundas na vida do indivíduo15. Em sua maioria, os servidores que estão em
período de pré-aposentadoria, ou seja, até dois anos
antes do tempo previsto para se aposentar, são idosos.
Assim, tais programas, que buscam proporcionar condições para facilitar a tomada de decisão desses colaboradores por uma aposentadoria com qualidade de
vida, constituem ferramenta importante de incentivo à
adoção de práticas e estilos de vida saudáveis por idosos, com destaque para a prática regular de atividade
física16.
No entanto, para nortear o planejamento desses
programas de incentivo à prática de atividade física,
faz-se necessário conhecer a prevalência desta prática,
especificamente entre idosos, bem como os fatores
que estão associados a ela. E ainda são poucos os estudos nesta área no nosso país6,12,17.
Nesse sentido, este estudo teve como objetivos
avaliar o nível de atividade física de servidores idosos,
em período de pré-aposentadoria, da Universidade
Federal do Maranhão, e verificar a associação da inatividade física com sexo e indicadores antropo-métricos
do grupo.
Métodos
Trata-se de um estudo transversal, realizado na
Universidade Federal do Maranhão - UFMA, em São Luís
- MA. Sua população foi constituída por servidores da
Instituição, em período de pré-aposentadoria, ou seja,
aqueles que já tinham tempo para se aposentar ou
para os quais faltavam menos de dois anos para
aposentadoria. Segundo dados fornecidos pela
Divisão de Qualidade de Vida da UFMA, o número de
funcionários pré-aposentados, em agosto de 2010,
totalizava 145 indivíduos.
A amostra foi de conveniência e compreendeu
50 servidores pré-aposentados da UFMA, idosos (idade
≥ 60 anos), que frequentaram a Instituição no período
da coleta de dados, outubro e novembro de 2010, e
que concordaram em participar da pesquisa, mediante
assinatura do Termo de Consentimento Livre e
Esclarecido - TCLE. Foram excluídos da amostra servidores com necessidades especiais que inviabilizassem a compreensão e preenchimento do questionário,
bem como a aferição das medidas antropométricas.
Este estudo integra o trabalho de monografia
intitulada “Perfil nutricional de servidores em período
Rev Pesq Saúde, 12(2): 32-37, maio-agost, 2011
de pré-aposentadoria da Universidade Federal do Maranhão”, que foi apresentado ao Curso de Graduação
em Nutrição da UFMA, e que foi aprovado pelo Comitê
de Ética em Pesquisa da mesma instituição, sob o
parecer consubstanciado de Nº 23115010062/201000. Todos os participantes receberam informações
sobre os objetivos e procedimentos da pesquisa, bem
como sobre a colaboração que se esperava dos
mesmos.
Acadêmicas do Curso de Nutrição, previamente
treinadas, realizaram a coleta de dados, sob a supervisão da docente coordenadora do estudo. Uma
lista contendo os nomes e setores de trabalho dos
servidores em período de pré-aposentadoria foi
fornecida pelo Departamento de Recursos Humanos
da UFMA e, a partir daí, a equipe responsável pela
coleta de dados dirigiu-se aos setores listados, não
necessitando do deslocamento dos servidores.
Os participantes responderam a um questionário contendo dados demográficos e socioeconômicos (idade, sexo, renda e escolaridade).
O nível de atividade física foi avaliado por meio
do Questionário Internacional de Atividade Física
(International Physical Activity Questionnaire - IPAQ) versão curta, o qual avalia a freqüência (dias/semana),
duração (minutos/dia) e a intensidade da atividade
física18.
Foram aferidas as medidas de peso, altura e
circunferência da cintura. Para aferição do peso,
utilizou-se balança portátil digital, com o indivíduo
posicionado em pé, no centro da balança e descalço. A
altura foi medida por meio de estadiômetro, com o
indivíduo em pé, descalço, com os calcanhares juntos,
costas retas e os braços estendidos ao lado do corpo. A
circunferência da cintura foi medida no ponto médio
entre a última costela e a crista ilíaca, com o paciente
em pé, sendo a leitura feita no momento da expiração19.
De posse das medidas de peso e altura, foi
calculado o Índice de Massa Corporal (IMC) pela
expressão: peso (kg)/altura (m²). Para classificação do
estado nutricional por este indicador, foram utilizados
os pontos de corte estabelecidos por Lipschitz20 (1994)
e adotados pelo Ministério da Saúde do Brasil: magreza
(IMC < 22 kg/m²); eutrofia (IMC 22 - 27 kg/m²); sobrepeso (IMC > 27 kg/m²).
A medida de CC permite estimar o grau de risco
para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares e
metabólicas. Considerou-se obesidade abdominal, de
acordo com a CC, valores ≥ 80cm para mulheres e ≥
94cm, para homens19. A relação cintura-quadril foi
utilizada para identificar o tipo de distribuição de
gordura corporal, sendo classificada segundo o
critério de Bray21. Valores de RCQ > 0,8 para mulheres e
> 1,0 para homens foram considerados distribuição de
gordura do tipo andróide, que representa risco
elevado para doenças crônicas não transmissíveis.
Para analisar os dados relativos ao nível de
atividade física, utilizou-se o consenso do Centro de
Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul - CELAFISCS e do Center for Disease Control CDC, apresentados em Matsudo et al.18, considerando
os critérios de frequência e duração, que classifica as
33
Nível de atividade física de servidores idosos em período de pré-aposentadoria da Universidade Federal do Maranhão - UFMA
pessoas em cinco categorias:
1. Muito ativo - aquele que cumpriu as recomendações de realização de atividade:
a) Vigorosa: ≥ 5 dias/sem e ≥ 30 minutos por
sessão e/ou
b) Vigorosa: ≥ 3 dias/sem e ≥ 20 minutos
por sessão + Moderada e/ou Caminhada:
≥ 5 dias/sem e ≥ 30 minutos por sessão.
2. Ativo - aquele que cumpriu as recomendações de realização de atividade:
a) Vigorosa: ≥ 3 dias/sem e ≥ 20 minutos por
sessão; e/ou
b) Moderada ou Caminhada: ≥ 5 dias/sem e
≥ 30 minutos por sessão; e/ou
pométricas, por nível de atividade física, foi utilizado o
teste t de Student. As proporções de inatividade foram
avaliadas, segundo estado nutricional e sexo, utilizando-se o teste do qui-quadrado. Para todos os
testes adotou-se o nível de significância de 5%.
Resultados
O grupo estudado era predominantemente do
sexo masculino (64%) e casado ou vivendo em união
consensual (52%). A média de idade entre os servidores
foi de 63,1 ± 2,5 anos. O nível de escolaridade na
amostra foi alto, sendo que 60% dos servidores haviam
concluído o ensino superior. As características sóciodemográficas dos servidores estudados. (Tabela 1)
Tabela 1 - Características demográficas e socioeconômicas
de servidores em período de pré-aposentadoria da UFMA. São
Luís-MA. 2010.
n
%
< 65 anos
37
74,0
≥ 65 anos
13
26,0
Masculino
27
54,0
Feminino
23
46,0
04 ├ 10 salários mínimos
21
42
10 ├ 15 salários mínimos
12
24
15 ├ 20 salários mínimos
07
14
20 ├ 25 salários mínimos
05
10
≥ 25 salários mínimos
05
10
Ginasial completo
02
4,0
Colegial completo
18
36,0
Superior completo
30
60,0
Total
50
100,0
Características
c) Qualquer atividade somada: ≥ 5 dias/sem
e ≥ 150 minutos/sem (caminhada +
moderada + vigorosa).
Idade
3. Irregularmente Ativo - aquele que realiza atividade física, porém insuficiente para ser
classificado como ativo, pois não cumpre as
recomendações quanto à frequência ou
duração. Para realizar essa classificação,
soma-se a frequência e a duração dos diferentes tipos de atividades (caminhada +
moderada + vigorosa). Este grupo foi dividido
em dois subgrupos de acordo com o cumprimento ou não de alguns dos critérios de
recomendação.
Sexo
4. Irregularmente Ativo A - aquele que atinge
pelo menos um dos critérios da recomendação quanto à freqüência ou quanto à
duração da atividade:
Escolaridade
a) Frequência: 5 dias/semana
b) Duração: 150 min/semana
5. Irregularmente Ativo B - aquele que não atingiu nenhum dos critérios da recomendação
quanto à frequência ou quanto à duração.
Renda familiar mensal
O tempo médio gasto com atividade física
semanal na amostra foi de 211,6 ± 238,4, variando de
zero a 1110 minutos (Figura 1).
6. Sedentário - aquele que não realizou nenhuma atividade física por pelo menos 10 minutos contínuos durante a semana.
Para avaliar a relação da inatividade física com
sexo e indicadores antropométricos, as categorias
foram agrupadas em: ativos (ativos + muito ativos) e
inativos (insuficientemente ativos + sedentários),
como apresentado em Zaitune et al.6
Os dados foram analisados no programa estatístico STATA®, versão 10.0. Foi realizada uma análise
descritiva das variáveis, sendo as quantitativas descritas em médias, desvios padrão e valores mínimo e
máximo, e as qualitativas, em frequências simples e
percentuais. Testou-se a normalidade pelo teste de
Shapiro Wilk. Para comparar as variáveis antro-
34
Figura 1 - Classificação do nível de atividade física entre
servidores em período de pré-aposentadoria da Universidade
Federal do Maranhão. São Luís-MA. 2010.
A inatividade física esteve presente em 64% dos
servidores pré-aposentados, sendo mais presente
entre os homens que entre as mulheres (66,67% vs. 60,
Rev Pesq Saúde, 12(2): 32-37, maio-agost, 2011
Carvalho CA, Fonsêca PCA, Sousa AG, Machado SP
87%), porém sem diferença estatisticamente significante (p = 0,670).
O excesso de peso esteve presente em 56% dos
servidores. A inadequação segundo a medida de CC foi
observada em 76% dos participantes do estudo e 42%
apresentaram gordura andróide (alto risco), segundo a
RCQ. Dos indicadores antropométricos investigados,
apenas a RCQ mostrou-se associada à inatividade física
no grupo. Indivíduos ativos apresentaram taxas de
risco elevado para DCV significativamente maiores que
indivíduos inativos, segundo a medida de RCQ (p=
0,040) (Tabela 2).
Tabela 2 - Associação entre indicadores antropométricos
(IMC, CC e RCQ) e a inatividade física de servidores em
período de pré-aposentadoria da Universidade Federal do
Maranhão. São Luís-MA. 2010.
Indicador
IMC
CC
RCQ
ATIVO
(n = 18)
%
INATIVO
(n = 32) p valor
%
Sem excesso de peso
44,44
43,75
Com excesso de peso
55,56
56,25
Baixo risco
16,67
28,13
Alto risco
83,33
71,88
Baixo risco
38,89
68,75
Alto risco
61,11
31,25
0,962
0,362
0,040
Discussão
Embora elevada, a prevalência de inatividade
física esteve dentro do esperado, pois a taxa de
sedentarismo estimada para a população geral é de
aproximadamente 70%, e existem evidências de que
esse índice aumente com a idade5. Mesmo assim, o
grupo do presente estudo mostrou-se mais inativo que
outros grupos semelhantes. Um estudo com servidores da Universidade Federal de Brasília apontou taxa
de inatividade física de 51,7%22. Siqueira et al.12, estudando idosos de municípios do Sul e Nordeste do Brasil, com média de idade de 73,9 anos, encontraram
taxa de inatividade de 58%. Nessa fase da vida, ocorrem mudanças estruturais e funcionais que facilitam o
aparecimento de doenças e reduzem a qualidade de
vida. Devido a essas alterações, a prática de atividade
física em idosos é prejudicada e em alguns casos
impossibilitada, o que pode explicar a baixa prevalência de atividade física nessa população5.
Chama atenção o tempo médio semanal de
atividade física do grupo, que se apresentou de acordo
com a recomendação da Organização Mundial de
Saúde e pelo American College Sports of Medicine, que
orienta a prática de atividade por pelo menos 150
minutos semanais23. No entanto, isto pode ser explicado pela alta variação mostrada (0 - 1110 minutos).
O nível de atividade física apresentou tendência
semelhante entre os sexos (p = 0,67), mas com aparente maior envolvimento do sexo feminino. A maior
prática de atividade física entre mulheres concorda
com o que é observado na literatura12,18. Em geral, a
prática regular de atividade física é mais presente em
Rev Pesq Saúde, 12(2): 32-37, maio-agost, 2011
mulheres, porém os homens apresentam maiores
taxas quando avaliadas especificamente as atividades
de lazer24,25. O presente estudo não teve como objetivo
distinguir as atividades de lazer das ocupacionais.
A diminuição da pratica de atividade física é o
maior contribuinte global para o aumento do sobrepeso e obesidade, os quais têm crescido de forma
relevante em idosos26,27, A atividade física regular mesmo em quantidades moderadas proporciona a perda
ponderal e, consequentemente, a redução do sobrepeso e obesidade. A elevada proporção de excesso de
peso na amostra possivelmente deve-se, entre outras
causas, à alta taxa de inatividade física observada26,28,29,
embora tal associação não tenha sido confirmada
através das análises deste estudo. Outros estudos
realizados com servidores idosos também encontraram taxas de excesso de peso semelhantes as do presente estudo22,30.
A CC é um indicador que reflete a adiposidade
abdominal, sendo um dos melhores preditores de risco cardiovascular31,32,33. A prática regular de atividade
física, dentre diversos benefícios, promove a redução
do risco de doenças cardiovasculares5. Embora não
tenha apresentado significância estatística, a elevação
do risco cardiovascular, segundo a medida de CC,
apresentou maiores taxas entre os indivíduos inativos.
Isso concorda com o que é observado na literatura de
que indivíduos sedentários apresentam maiores
valores de CC34.
A RCQ também é um indicador antropométrico
fortemente relacionado à atividade física34. Indivíduos
ativos apresentam valores mais baixos de RCQ que os
inativos29. Entretanto, neste estudo, valores elevados
de RCQ, indicativos de risco aumentado para doenças
crônicas não transmissíveis, foram mais presentes em
indivíduos ativos. Possivelmente, isso se deve ao fato
de os indivíduos portadores de risco, buscarem a
atividade física como medida de redução deste risco.
Porém, esta hipótese somente poderia ser confirmada
através da realização de um estudo longitudinal.
Além da limitação do delineamento do estudo
(transversal), outra limitação observada foi o pequeno
tamanho da amostra, que dificultou a confirmação de
algumas tendências de associações entre as variáveis
investigadas.
O público de servidores em período de préaposentadoria é ainda pouco explorado no que se
refere a questões inerentes à alimentação e nutrição. A
investigação dos indivíduos nessa fase é muito
importante, pois eles se encontram em um período de
transição que, se não for bem orientado, pode trazer
sérias implicações nutricionais, psicológicas e sociais.
Este estudo permitiu traçar um perfil do nível de
atividade física destes servidores.
A inatividade física foi elevada no grupo
estudado. O sexo, o IMC e a CC não mostrou associação estatisticamente significante com a prática de
atividade física entre os servidores idosos pré-aposentados da UFMA. Apenas para a RCQ, verificou-se associação. Indivíduos ativos apresentaram maior proporção de gordura andróide.
O grupo estudado deve ser alvo de ações de incentivo à prática regular de atividade física e adoção de
estilos de vida mais saudáveis.
35
Nível de atividade física de servidores idosos em período de pré-aposentadoria da Universidade Federal do Maranhão - UFMA
Agradecimentos
À Divisão de Qualidade de Vida (DQV) da
Universidade Federal do Maranhão - UFMA, que for-
neceu os dados para contato com os servidores. A
todos os servidores que aceitaram participar deste
estudo.
Referências
14.
Vogel T, Brechat PH, Leprête PM, Kaltenbach G, Berthel
M, Lonsdorfer J. Health benefits of physical activity in
older patients: a review. Int J Clin Pract, 2009; 63(2):
303-20.
15.
Luz ML. Perfil e posicionamento dos pré-aposentados da
UFV em sua realidade cotidiana. [Tese] Viçosa (MG):
Universidade Federal de Viçosa, 2003. 91p.
16.
Batista-Filho M, Rissin A. A transição nutricional no Brasil:
tendências regionais e temporais. Cad Saúde Pública,
2003; 19(1): 181-191.
Vendruscolo R, Souza DL, Cavichiolli FR, Castro SBE.
Programas de atividade física para idosos: apontamentos
teórico-metodológicos. Pensar a Prática, 2011; 14(1): 113.
17.
Schramm, JMA, Oliveira AF, Leite IC, Valente JG, Gadelha
AMJ, Portela MC et al. Transição epidemiológica e o
estudo de carga de doença no Brasil. Ciênc Saúde
Coletiva, 2004; 9(4): 897-908.
Baretta E, Baretta M, Peres KG. Nível de atividade física e
fatores associados em adultos no Município de Joaçaba,
Santa Catarina, Brasil. Cad Saúde Pública, 2007; 23(7):
1595-1602.
18.
Matsudo SM, Matsudo VR, Araújo T, Andrade D, Andrade
E, Oliveira L, et al. Nível de atividade física da população
do Estado de São Paulo: análise de acordo com gênero,
idade, nível socioeconômico, distribuição geográfica e
de conhecimento. R Bras Ci e Mov, 2002; 10(4): 41-50.
19.
World Health Organization (WHO). Obesity: preventing
and managing the global epidemic. Report of a WHO
Consultation. Geneva: World Health Organization; 1998.
Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/trs/WHO_TRS_
894.pdf
20.
Lipschitz, DA. Screening for nutritional of status in the
elderly. Prim Care, 1994; 21(1):55-67.
21.
Bray GA. Classification and evaluation of the obesities.
Med Clin North Am, 1989; 73(1): 161-184.
22.
Conceição TV, Gomes FA, Tauil PL, Rosa TT. Valores de
Pressão Arterial e suas Associações com Fatores de Risco
Cardiovasculares em Servidores da Universidade de
Brasília. Arq Bras Cardiol, 2006; 86(1): 26-31.
23.
Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo:
demandas, desafios e inovações. Rev Saúde Pública,
2009; 43(3): 548-54.
Binotto MA, Borgatto AF, Farias SF. Nível de atividade
física: questionário internacional de atividades físicas e
tempo de prática em mulheres idosas. Rev Bras Geriatr
Gerontol, 2010; 13(3): 425-434.
24.
Gomes VB, Siqueira KS, Sichieri R. Atividade física em
uma amostra probabilística da população do Município
do Rio de Janeiro. Cad Saúde Pública, 2001; 17(4): 969976.
Hallal PC, Matsudo SM, Matsudo VKR, Araújo TL,
Andrade DR, Bertoldi AD. Physical activity in adults from
two Brazilian areas: similarities and differences. Cad.
Saúde Pública, 2005; 21(2): 573-580.
25.
Zaitune MPA, Barros MBA, César CLG, Carandina L,
Goldbaum M. Fatores associados ao sedentarismo no
lazer em idosos, Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde
Pública, 2007; 23(6): 1329-1338.
26.
Barreto SM, Passos VMA, Lima-Costa MFF. Obesity and
underweight among Brazilian elderly. The Bambuí Health
and Aging Study. Cad Saúde Pública, 2003; 19(2): 605612.
27.
Franchi KMB, Monteiro LZ, Pinheiro MHNP, Almeida SB,
Medeiros AIA, Montenegro RM, et al. Comparação
antropométrica e do perfil glicêmico de idosos diabéticos praticantes de atividade física regular e não prati-
1.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Censo Demográfico, 2006. Disponível em: <http:/
/www.ibge.org.br>
2.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.
Diretoria de Pesquisas. Departamento de População e
Indicadores Sociais. Perfil dos idosos responsáveis pelos
domicílios no Brasil 2000. Rio de Janeiro: [s. ed.], 2002.
97 p. (Série Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica, n. 9).
3.
4.
5.
Mendonça TT, Ito RE, Bartholomeu T, Tinucci T, Forjaz
CLM. Risco cardiovascular, aptidão física e prática de
atividade física de idosos de um parque de São Paulo.
Rev Bras Ci e Mov, 2004; 12(2): 19-24.
6.
Zaitune MPA; Barros MBA, César CLG, Carandina L,
Goldbaum M, Alves MCGP. Fatores associados à prática
de atividade física global e de lazer em idosos: Inquérito
de Saúde no Estado de São Paulo (ISA-SP), Brasil. Cad
Saúde Pública, 2010, 26(8): 1606-1618.
7.
Drewnowski A, Evan WJ. Nutrition, Physical Activity, and
Quality of Life in Older Adults: Summary. J Gerontol A Biol
Sci Med Sci, 2001; 56(2): 89-94.
8.
9.
10.
11.
12.
13.
36
Mazo GZ, Külkamp W, Lyra VB, Prado APM. Aptidão
funcional geral e índice de massa corporal de idosas
praticantes de atividade física. Rev Bras Cineantropom
Desempenho Hum, 2006; 8(4): 46-51.
Benedetti TRB, Borges LJ, Petroski EL, Gonçalves LHT.
Atividade física e estado de saúde mental de idosos. Rev
Saúde Pública, 2008; 42(2): 302-307.
Siqueira FV, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E,
Silveira DS, et al. Atividade física em adultos e idosos
residentes em áreas de abrangência de unidades básicas
de saúde de municípios das regiões Sul e Nordeste do
Brasil. Cad Saúde Pública, 2008; 24 (1): 39-54.
Malta DC, Moura EC, Castro AM, Cruz DKA, Morais Neto
OL, Monteiro CA. Nucleo de Pesquisas Epidemiologicas.
Padrao de atividade física em adultos brasileiros:
resultados de um inquerito por entrevistas telefônicas.
Epidemiol Serv Saude, 2009; 18(1): 7-16.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 32-37, maio-agost, 2011
Carvalho CA, Fonsêca PCA, Sousa AG, Machado SP
cantes. Rev Bras Geriatr Gerontol, 2010; 13(1): 73-81.
28.
29.
30.
Souza LJ, Gicovate Neto C, Chalita FEB, Reis AFF, Bastos
DA, Souto Filho JTD, et al. Prevalência de Obesidade e
Fatores de Risco Cardiovascular em Campos, Rio de
Janeiro. Arq Bras Endocrinol Metab, 2003; 47(6): 669676.
Ferreira M, Matsudo S, Matsudo V, Braggion G. Efeitos de
um programa de orientação de atividade física e
nutricional sobre a ingestão alimentar e composição
corporal de mulheres fisicamente ativas de 50 a 72 anos
de idade. R Bras Ci e Mov, 2003; 11(1): 35-40.
Leme, PAF. Alimentação, condições de saúde e fatores
de risco para adoecimento dos funcionários da
Universidade Estadual de Campinas, 2007. Disponível
em: <http://www.fef.unicamp.br>
Rev Pesq Saúde, 12(2): 32-37, maio-agost, 2011
31.
Wang Z, Hoy WE. Waist circumference, body mass index,
hip circumference and waist-to-hip ratio as predictors of
cardiovascular disease in Aboriginal people. Eur J Clin
Nut, 2004; 58(6): 888-93.
32.
Rezende FAC, Rosado LEFPL, Ribeiro RCL, Vidigal FC,
Vasques ACJ, Bonard IS et al. Índice de Massa Corporal e
Circunferência Abdominal: Associação com Fatores de
Risco Cardiovascular. Arq Bras Cardiol, 2006; 87(6):
728-734.
33.
Wai WS, Dhami RS, Gelaye B, Girma B, Lemma S, Berhane
Y, et al. Comparison of Measures of Adiposity in
Identifying Cardiovascular Disease Risk Among Ethiopian
Adults. Obesity (Silver Spring). 2011 May 5. [Epub ahead
of print]
34.
Martins IS, Marinho SP. O potencial diagnóstico dos
indicadores da obesidade centralizada. Rev Saúde
Pública, 2003; 37(6): 760-767.
37
ISSN-2236-6288
Artigo Original / Original Article
Doença hipertensiva específica da gravidez: o envolvimento de puérperas com o
autocuidado
Specific hypertensive disease of pregnancy: the participation of puerperas with self-care
Cláudia Teresa Frias Rios1, Elba Gomide Mochel2, Thais Natália Araújo Botentuit3 e Viviane de Sá Coêlho Silva4
Resumo
Introdução: A doença hipertensiva específica da gravidez (DHEG) caracteriza-se pelo aparecimento da hipertensão, proteinúra
e edema após a vigésima semana de gestação sendo a principal causa de morte materna. Objetivo: Estudar o envolvimento com
o autocuidado em puérperas com diagnóstico de DHEG. Método: Trata-se de uma pesquisa com abordagem quantitativa onde
se utilizou um formulário semiestruturado, com questões relacionadas aos dados sócio-demográficos, história reprodutiva,
gravidez atual, pré-natal e os requisitos de autocuidado entre 45 puérperas. Resultados: A maioria das puérperas encontravase na faixa etária de 22 a 25 anos, pertence à raça parda, possui renda familiar superior a um salário mínimo, tem segundo grau
completo, são trabalhadoras do lar com união estável. Em relação ao autocuidado, 88, 9% ingerem de 5 a 10 copos de água por
dia, 62% afirmaram que modificaram a alimentação devido a gravidez, 93,3% não praticavam nenhum tipo de atividade física e
destas, 66,7% afirmaram ter horário de repouso, 71,1% afirmaram ter como rede de apoio a família e 53,3% têm como lazer
assistir televisão. Conclusão: Constatou-se a maioria das mulheres apresentaram envolvimento com o autocuidado tanto com
relação à frequência, quanto ao início das consultas pré-natais, à ingestão de medicamentos e a práticas de interação sociais e
lazer. Evidenciou-se que há necessidade de atividades educativas para que estas mulheres se conscientizem que o engajamento
no autocuidado se constitui no próprio tratamento.
Palvras-chave: Autocuidado. Gravidez. Hipertensão Induzida pela Gravidez.
Abstract
Introduction: The specific hypertensive disease of pregnancy (SHDP) is characterized by hypertension, proteinuria and edema
after the 20th gestational week. It constitutes the main cause of maternal death. Objective: To study the involvement with selfcare in puerperas diagnosed with SHDP. Methods: Quantitative approach study, with a semi-structured questionnaire with
questions related to social demographic data, reproductive history, current pregnancy, prenatal care and prerequisites for selfcare. 45 pregnant women answered the questionnaire. Results: Most of the women were between 22 and 25 years of age,
mulatto, with monthly family income above 1 minimum wage. Most of them had also finished high school and were homemakers
with a stable union. Regarding the self-care, 88.9 % ingested between 5 and 10 glasses of water per day, 62 % changed their
eating habits due to the pregnancy, 93.3 % did not exercise and among these, 66.7 % said they had a specific resting time. 71.1%
confirmed to have the family as their support and 53.3% had as favorite leisure to watch television. Conclusion: We found that
the majority of women showed involvement with self-care regarding the frequency as well as the beginning of prenatal consultation, medication intake, and social and leisure interactions. It became apparent that there is a need for educational activities in
order these women to be aware that self-care is by itself a treatment.
Keywords: Self-care. Pregnancy. Pregnancy-induced hypertension.
Introdução
A ciência da enfermagem está embasada numa
ampla estrutura teórica e através do processo de
enfermagem podemos definir qual modelo de
assistência será aplicado à prática da enfermagem.
Este processo, normalmente embasado em uma teoria
de enfermagem, permite um melhor direcionamento
da sua prática, promove cuidado humanizado, dirigido
a resultados e de baixo custo1.
Nesse sentido, destaca-se a teoria do autocuidado de Orem, que tem como premissa básica a
crença de que o ser humano tem habilidades próprias
para promover o cuidado de si mesmo, salientando-se
a importância do contínuo desenvolvimento da
competência do indivíduo, que pode se beneficiar com
o cuidado da equipe de enfermagem quando
apresentar incapacidade de autocuidado ocasionado
pela falta de saúde2.
Nessa teoria, os pacientes julgam se a ação de
autocuidado é benéfica para eles, e esse julgamento
ocorre de acordo com as orientações internas e/ou
externas que, por sua vez, são moldadas pela cultura
em que os indivíduos vivem. Considera ainda, a
educação para o autocuidado um processo dinâmico
que depende da vontade do cliente e da percepção dele
sobre sua condição clínica3.
A teoria de enfermagem do déficit de autocuidado ou teoria geral de enfermagem de Orem é
composta de três teorias inter-relacionadas, ou seja, a
do autocuidado, do déficit de autocuidado e dos
sistemas de enfermagem. Incorporados a elas, estão
seis conceitos centrais e um periférico. Os seis conceitos centrais são: autocuidado, ação de autocuidado,
déficit de autocuidado, demanda terapêutica de
autocuidado, serviço de enfermagem e sistema de enfermagem e conceito periférico, a autora denominou
de fatores condicionantes básicos4.
1.
Mestre em Enfermagem. Professora do Departamento de Enfermagem e membro do NEPESM da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Doutora em Enfermagem. Professora do Departamento de Enfermagem membro do NEPESM da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Graduanda em Enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
4.
Enfermeira da Estratégia Saúde da Família. Mestranda em Enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Contato: Cláudia Teresa Frias Rios. E-mail: [email protected]
2.
3.
38
Rev Pesq Saúde, 12(2): 38-43, maio-agost, 2011
Rios CTF, Mochel EG, Botentuit TNA, Silva VSC
Orem incorporou à sua teoria um conceito
fundamental que são os requisitos de autocuidado,
dividindo-os em três categorias: os requisitos universais ou atividades de vida diária que se referem aos
processos da vida e manutenção da integridade e
funcionamento humanos em todo o ciclo de vida; os
requisitos de desenvolvimento que são expressões
particularizadas de requisitos universais ou novos
requisitos derivados de uma condição ou evento; e
autocuidado no desvio de saúde, exigido em condições de doença ou lesão4.
No período da gravidez a mulher passa por
diversas transformações que acarretam algumas
demandas e déficits de autocuidado, que precisam ser
trabalhadas junto à paciente para serem compensadas
e supridas, com o objetivo de preservar o seu bemestar e manter sua saúde. Assim, a gestante deve ser
incentivada pela enfermagem a engajar-se no seu
próprio autocuidado5.
Na área da saúde materna várias doenças se
desenvolvem ou são agravadas pela gravidez, entre
elas, podemos citar a Doença Hipertensiva Específica
da Gravidez - DHEG. Nestes casos, a prevenção se dá
quando a mulher assume a responsabilidade de cuidar
da sua saúde frequentando consultas de pré-natal e
adotando práticas que garantam um estilo de vida
saudável. Porém, para que essas ações sejam efetivas,
é necessária a atuação do enfermeiro durante as
consultas pré-natais através da conscientização de que
o autocuidado é o caminho para o controle da doença6.
Estima-se uma incidência aproximada de 12% a
22% de algum tipo de hipertensão arterial durante o
ciclo gravídico-puerperal. Além destes distúrbios estarem associados a um maior risco materno, aumento
da morbidade fetal e neonatal, prematuridade induzida, baixo peso ao nascimento e sofrimento crô-nico
fetal8.
Esta pesquisa objetivou estudar o envolvimento
com o autocuidado em puérperas com diagnóstico de
DHEG.
Método
Trata-se de um estudo de natureza descritivoexploratória, com abordagem quantitativa, realizado
com 45 puérperas que durante a última gestação
apresentaram diagnóstico de DHEG. A pesquisa foi
realizada no alojamento conjunto (ALCON) de um
Hospital Universitário referência para atendimento em
saúde da mulher.
O instrumento de coleta de dados constituiu-se
de um formulário semi-estruturado que investigou
sobre os dados demográficos e sociais, história
reprodutiva, aspectos relacionados à gravidez atual e
ao pré-natal e os requisitos de autocuidado que se
compreende estarem associados às portadoras de
DHEG durante a última gestação. São eles: requisitos
universais de autocuidado que são atividades da vida
diária identificados por Orem (ingestão de água, alimentação, atividade física e repouso, interação social,
lazer e recreação, prevenção de riscos, manutenção da
saúde), e requisitos relacionados ao desvio de saúde
(percepção e conhecimento sobre a doença e medidas
terapêuticas prescritas). Os aspectos contemplados no
Rev Pesq Saúde, 12(2): 38-43, maio-agost, 2011
referido questionário constituirão as variáveis de
estudo
A coleta de dados foi realizada no periodo de 1º
de abril a 06 de maio de 2011. Inicialmente foram
realizadas buscas nos prontuários para identificar as
mulheres que apresentavam diagnóstico de DHEG. Os
dados obtidos foram analisados e transportados para
o programa EPI-INFO CDC versão 3.5.2, ano 2010, para
obtenção da frequência absoluta e relativa. Em
seguida, estes foram transferidos para uma planilha de
Excel® para elaboração e apresentação na forma de
tabelas.
Este estudo respeita todas as normas e requisitos para a realização de pesquisas com seres
humanos conforme Resolução 196/96 do Conselho
Nacional de Saúde e suas complementares e foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital
Universitário da UFMA (parecer consubstanciado de
número 51/11).
Resultados
A maioria das puérperas encontrava-se na faixa
etária de 22 a 25 anos, eram pardas, possuíam renda
familiar superior a um salário mínimo, segundo grau
completo, eram trabalhadoras do lar e a situação
conjugal predominantemente encontrada foi a união
estável.
Em relação à história reprodutiva o maior
percentual (46,6%) das mulheres eram multigestas,
seguidas pelas primigestas (31,2%) e secundigestas
(22,2%). Quanto à paridade a maioria possuíam um
filho (35,6%) e três ou mais filhos (33,3%). Houve o
predomínio (71,1%) de mulheres que já tiveram tipo de
parto cesária (Tabela 1).
Tabela 1 - Puérperas, segundo a história reprodutiva. São
Luís-MA. 2011.
n
%
1 gestação
14
31,2
2 gestações
10
22,2
3 ou mais gestações
21
46,6
Gestação
Paridade
nenhum filho
01
2,2
1 filho
16
35,6
2 filhos
13
28,9
3 filhos ou mais
15
33,3
Nenhuma cesárea
13
28,9
1 ou mais cesáreas
32
71,1
Ocorrência de cesárea
A maioria das mulheres (93,5%) realizou o prénatal. Destas 44,5% fizeram entre 4 a 6 consultas e 31%
entre sete e mais, apenas um pequeno número (6,5%)
não realizaram nenhuma consulta durante a última
gestação. A maioria (60%) iniciou o pré-natal no
primeiro trimestre e 66,7% afirmaram que a última
consulta foi realizada entre zero e dez dias antes do
parto. Quanto à imunização preconizada nessa fase,
39
Doença hipertensiva específica da gravidez: o envolvimento de puérperas com o autocuidado
84,4% afirmaram terem sido imunizadas durante o prénatal. Em relação ao planejamento da gravidez, 64,4%
afirmaram não ter desejado a gestação e 35,6% das
puérperas a desejaram (Tabela 2).
Tabela 2 – Distribuição das puérperas, segundo aspectos
relacionados à última gestação e ao pré-natal. São Luís-Ma.
2011.
VARIÁVEIS
n
Segundo a interação social, 93,3% das mulheres
afirmou conversar com as pessoas, a maioria (71,1%)
tem como rede de apoio a família e 53,3% tem como
lazer assistir televisão. Quanto à ingesta de bebida
alcoólica, 40% afirmaram nunca ter ingerido; 28,9%
afirmaram ter parado de ingerir antes mesmo de
engravidar; 24,4% pararam de beber quando engravidaram e 6,7% continuaram bebendo durante a
gravidez. A maioria nunca fumou (93,3%) (Tabela 4).
%
Realização do pré-natal
Tabela 4 - Requisitos universais do autocuidado de puérperas
com DHEG. São Luís-MA. 2011.
Não
03
6,5
Sim
42
93,5
Não
07
15,6
Interação social
Sim
38
84,4
Não
03
6,7
Sim
42
93,3
REQUISITOS UNIVERSAIS
Esquema vacinal
Números de consultas
n
%
1-3
08
18,0
Rede de apoio
4-6
20
44,5
Amigos
09
20,0
7 ou mais
14
31,0
Familiares
32
71,1
Igreja
04
8,9
Gravidez desejada
Não
29
64,4
Ler
03
6,7
Sim
16
35,6
Passear
17
37,8
Trabalhos manuais
01
2,2
Televisão
24
53,3
Nunca bebeu
18
40,0
Sim, continuou
03
6,7
Sim, mas parou antes de engravidar
13
28,9
Sim, mas parou quando engravidou
11
24,4
Nunca fumou
42
93,3
Sim, continuou durante gravidez
01
2,2
Sim, mas parou antes de engravidar
01
2,2
Sim, mas parou quando engravidou
01
2,2
Quanto à ingestão de água em copos a grande
maioria ingere de 5 a 10 copos correspondendo a
88,9%, seguida das que ingerem mais de dez copos
(6,7%). Quanto à modificação na alimentação 62% das
puérperas afirmaram que modificaram a alimentação,
enquanto 38% mantiveram seu padrão alimentar.
Destaca-se o percentual de 35,6% que afirmou ter
deixado ou diminuído o consumo de doce, salgado,
massa e gordura. Observou-se que a maioria absoluta
(93,3%) não praticava nenhum tipo de atividade física.
Quanto ao repouso, 66,7% afirmaram priorizar o
repouso, enquanto 33,3% disseram que não. Verificouse ainda que a maioria (68,9%) realizou outras
consultas e exames além do pré-natal, sendo as mais
frequentes as ginecológicas (Tabela 3).
Tabela 3 - Distribuição das puérperas segundo os requisitos
universais do autocuidado. São Luís-MA. 2011.
Ingestão de bebida alcoólica
Fumo
A maioria das puérperas (75,6%) confirmou ter
conhecimento acerca da DHEG, porém, houve o
predomínio (80%) daquelas que desconhecem as
possíveis complicações associadas a essa patologia.
Quanto às medidas terapêuticas prescritas, 62,2% das
mulheres afirmaram que foram prescritos medicamentos para o tratamento, sendo que 60% das puérperas medicadas seguiram corretamente o tratamento
(Tabela 5).
n
%
3 copos
01
2,2
4 copos
01
2,2
5 a 10 copos
40
88,9
Mais de 10 copos
03
6,7
Tabela 5 - Requisitos de autocuidado relacionadas ao desvio
de saúde de puérperas com DHEG. São Luís-MA. 2011.
Não
17
38
Sim
28
62
REQUISITOS RELACIONADOS AOS DESVIOS
DE SAÚDE
Conhecimento sobre a doença
Não
42
93,3
Sim
03
6,7
Não
15
33,3
Sim
30
66,7
Não
14
Sim
31
REQUISITOS UNIVERSAIS
Ingestão de água em copos
Modificação alimentar
n
%
Não
11
24,4
Sim
34
75,6
Não
36
80
09
20
31,1
Sim
Seguimento das medidas terapêuticas
prescritas
Não
17
37,8
68,9
Sim
28
62,2
Exercícios físicos
Repouso
Outras consultas e exames
40
Conhecimento das complicações
Rev Pesq Saúde, 12(2): 38-43, maio-agost, 2011
Rios CTF, Mochel EG, Botentuit TNA, Silva VSC
Discussão
A DHEG ocorre especialmente na primeira
gestação e nos extremos de idade materna e alguns
autores apontam uma incidência predominante da
DHEG na raça branca e na raça negra9. Há que se considerar, também, no Brasil, a dificuldade de identificar
uma pessoa que não tenha contato com diversas etnias
em sua composição genética, ocasionada pelo multiculturalismo e o pluralismo de etnias no mesmo território.
Observou-se que essas mulheres não moram
sozinhas, o que é um fator positivo, pois a presença de
um companheiro é de extrema importância para o
apoio à gestante e divisão de angústias e medos. O
parceiro juntamente com a família gera segurança para
o enfrentamento dos riscos prováveis da gravidez. A
participação da família para satisfazer à demanda de
autocuidado de um cliente, associada à ação do
enfermeiro, é imprescindível, haja vista a cliente
possuir déficit de conhecimento relacionado ao seu
estado de saúde e necessitar de ajuda para suprir suas
necessidades de sobrevivência10.
O nível sócio-econômico, principalmente no que
se refere ao acesso aos serviços de saúde, também é
considerado um aspecto fundamental e determinante,
capaz de predispor a gestante a desenvolver a
doença11, Assim como, a baixa escolaridade é um fator
que dificulta o acesso das mulheres às informações e
ao conhecimento, o que interfere negativamente nas
condições para o autocuidado, pois, implica tanto na
facilidade em buscar quanto em assimilar as informações recebidas sobre os cuidados com a saúde12.
Vale ressaltar que os achados sobre a escolaridade e a ocupação/profissão remetem à idéia de que
os fatores sócio-econômicos e culturais interferem na
saúde dos indivíduos porque podem determinar desde
possibilidades diferenciadas de acesso aos equipamentos de saúde, até a iniciativa do próprio indivíduo
para buscar o cuidado, já que, uma vez atendidas as
necessidades primárias de sobrevivência a pessoa
tende a buscar outros patamares de satisfação das
necessidades13.
Em relação à história reprodutiva, este estudo
demonstra e coincide com outras pesquisas que
evidenciaram que a incidência da DHEG se dá de forma
relevante entre as primigestas. Os autores enfatizam
que primigestas têm mais susceptibilidade de apresentar a DHEG e as complicações dela decorrentes14.
Os achados deste estudo constataram que a
maioria das puérperas frequentou consultas prénatais. Esse tipo de atendimento permite uma
assistência adequada, esclarecimentos e identificação
das alterações durante a gravidez, a fim de evitar
prejuízos para mãe e feto, muito embora a gravidez
seja um evento biológico normal para a maioria das
mulheres. Vale lembrar que, ocasionalmente, pode
ocorrer uma situação de alto risco e esta condição
coloca em risco a saúde da gestante e/ou do feto, sem
considerar a possibilidade de detectar distúrbios que
possam interferir com o desenvolvimento fetal normal,
o nascimento do bebê ou a transição para a
maternidade14.
Durante o pré-natal, é preconizado que seja
Rev Pesq Saúde, 12(2): 38-43, maio-agost, 2011
realizado o número mínimo de seis consultas, preferencialmente, uma no primeiro trimestre, duas no
segundo trimestre e três no último. A maior frequência
de visitas no final da gestação visa à avaliação do risco
perinatal e das intercorrências clínico-obstétricas mais
comuns nesse trimestre15.
Muitos autores chamam a atenção para o fato de
que o acesso precoce aos acompanhamentos de prénatal diminui a ocorrência de eclampsia, que é uma
patologia evitável, porém, como afeta mulheres de
categorias sócio-econômicas mais baixas, sua ocorrência é altamente influenciada pelo acesso ao
diagnóstico e tratamento, que na maioria das vezes,
ocorre tardiamente13.
A maioria das puérperas revelou não ter planejado a última gestação. Este dado é relevante e, inicialmente, pareceu incoerente, uma vez que atualmente
se conta com uma grande variedade de formas de
planejamento familiar e de controle de natalidade. Na
verdade, isto representa o que ocorre na população
brasileira como um todo, sendo que nem todos os
indivíduos têm acesso à informação sobre contracepção, tampouco têm acesso a programas de controle
de natalidade16.
No que se refere aos hábitos gerais de manutenção da vida e ao avaliarmos, por exemplo, a quantidade de água que um adulto normal deve ingerir por
dia, verifica-se uma média de dois litros e meio de
líquidos, a fim de evitar a desidratação. Por esse
motivo, é necessária uma adequada ingestão de
líquidos para que o organismo mantenha o equilíbrio
hidroeletrolítico. Quando diagnosticamos nas gestantes/puérperas déficit de ingestão hídrica, devemos
enfatizar que elas devem aumentar a ingestão de
líquidos, por meio de bebidas que agradam e fazem
bem, em especial aquelas mais naturais possíveis17.
A dieta da gestante deve ser balanceada e
fracionada, incluindo vitaminas e sais minerais,
proteínas e aumento da ingestão de fibras. O consumo
de alimentos hipossódicos pela gestante também é
uma ação de autocuidado significativa na prevenção
do aumento da pressão arterial, pois, ao acrescentar
sal nos alimentos naturais estaremos intensificando a
retenção aquosa, a reatividade vascular arterial e a
contratilidade uterina, com os evidentes efeitos
nocivos no desenvolvimento do edema, na elevação
dos níveis tensionais arteriais, na redução do fluxo
sanguíneo uteroplacentário e, consequentemente, na
ocorrência de reduzido crescimento fetal e, eventualmente, da prematuridade18.
Observou-se que a maioria das mulheres pesquisadas não praticava nenhum tipo de atividade
física, fator preocupante, pois a prática de exercícios
físicos reduz os estressores da vida diária na saúde,
controla a PA e ajuda a manter ou atingir o peso saudável19.
Por outro lado, o repouso é um processo associado com o descanso e a restauração da condição
normal. Logo, torna-se necessário que a pessoa conheça o seu metabolismo para manter seu equilíbrio,
atendendo as necessidades de repouso, respeitando
as capacidades pessoais20. A inadequação do sono e
repouso, nas gestantes, poderia favorecer o agravo à
sua saúde e à do feto, pois a adequada execução
41
Doença hipertensiva específica da gravidez: o envolvimento de puérperas com o autocuidado
dessas duas condutas contribui para a saúde e bem
estar geral e integra as condutas imprescindíveis à
prevenção e tratamento da DHEG21. Além disso,
enfatiza-se que vários aspectos interferem na interação social, destacando as condições de vida e os
fatores humanos e ambientais20.
O próprio ciclo gravídico-puerperal acarreta
grandes modificações, não apenas corporais, como
também na maneira de ser da mulher e em suas
relações pessoais. Frente a tantas modificações e sensações, a mulher precisa de segurança, de um vínculo
de suporte e de confiança. É na própria família que se
encontra esses provedores de suporte que ocupam
grande espaço na rede de apoio da gestante, evidenciando que em nossa sociedade a família constitui
núcleo básico e primário na vida das pessoas22.
A gestante, por sua vez, pode desenvolver ou
manter práticas não recomendadas e saudáveis
durante a gravidez. As bebidas alcoólicas, por
exemplo, quando consumidas em altas doses pela
gestante, passam diretamente para a placenta através
da corrente sanguínea e dependendo da quantidade
ingerida e da fase da gravidez podem gerar um aborto
espontâneo, um parto prematuro ou a chamada
síndrome alcoólica fetal. Já as gestantes fumantes, na
maioria dos casos têm filhos com baixo peso e maiores
riscos de abortos, contrações e partos prematuros21.
O déficit de conhecimento em relação à DHEG e
aos fatores de risco é um achado preocupante, uma
vez que esse agravo ainda constitui um grave
problema de saúde pública, por ser a principal causa
de mortalidade materna. Então, este fato possibilitará
o surgimento de complicações, dos custos sociais com
internações, absenteísmo ao trabalho, licença para
tratamento de saúde etc21.
Em relação à adesão as consultas de pré-natal a
maioria das mulheres estudadas realizaram pré-natal e
o iniciaram ainda no primeiro trimestre da gestação,
apresentando esquema vacinal completo e o número
mínimo de consultas recomendado, sendo que a
última foi realizada até 10 dias antes do parto.
Verificamos ainda no estudo, que a maioria das
puérperas efetivamente realizou ações que refletem
seu engajamento no autocuidado, frequentando as
consultas de pré-natal, tendo horário de repouso,
interação social e lazer, não usando álcool e fumo, modificando sua alimentação e tomando as medicações
prescritas corretamente.
Em relação aos requisitos de desvio de saúde, a
maioria conhece a DHEG, porém, não sabe identificar
quais complicações a doença poderia causar durante a
gestação, e afirmou também, que foram prescritos
medicamentos e seguiram corretamente o tratamento
medicamentoso.
De acordo com a análise dos achados, evidenciou-se que entre a população estudada havia um
exercício insatisfatório das atividades de autocuidado,
em relação à prática de exercícios físicos.
Conclui-se que é de suma importância a prática
do autocuidado, principalmente em situações de
desvio de saúde, como no caso da DHEG, sendo
fundamental que o enfermeiro promova meios para
que a assistência de enfermagem possibilite a conscientização dessas mulheres de que a sua inserção no
cuidado de si mesmas é parte integrante do próprio
tratamento, objetivando melhor prepará-las para
autoconduzir uma gravidez de risco.
Referências
1.
Lefevre RA. Aplicação do processo de enfermagem:
promoção do cuidado colaborativo. 5ª Ed. Porto Alegre:
Artmed; 2005.
2.
Luce ML. O preparo para o autocuidado do cliente
diabético e família. Rev Bras Enfermagem, 1990; 1(1-4):
36-49.
3.
Cade NV. A teoria do déficit de autocuidado de Orem
aplicada em hipertensas. Rev Latino-Am Enfermagem,
2001; 9(3): 43-50.
4.
George JB. Teorias de enfermagem: os fundamentos à
pratica profissional. 4ª Ed. Porto Alegre: Artes Médicas
Sul; 2000.
5.
Farias MCAD, Nóbrega MML. Diagnósticos de
enfermagem numa gestante de alto risco baseados na
teoria do auto cuidado de Orem: estudo de caso. Rev
Latino-Am Enfermagem, 2000; 8(6): 59-67.
6.
Cranley M, Ziegel E. Enfermagem obstétrica. 8ª Ed. São
Paulo: Editora Guanabara Koogan; 2005.
7.
Carvalho MG, Dusse LMS,Vieira LM. Revisão sobre
alterações hemostáticas na doença hipertensiva
específica da gravidez (DHEG). J Bras Patol Med Lab,
2001; 37(4): 267-72.
42
8.
Cabral ACV, Reis ZN, Pereira AK, Leite HV, Rezende CAL.
Guia de bolso de Obstetrícia. São Paulo: Atheneu; 2010.
9.
Freitas F, Costa SHM, Ramos JGL, Magalhães JA. Rotinas
em obstetrícia. 5ª Ed. Porto Alegre: Artmed; 2006.
10.
Fialho AVM, Pagliuca LMF, Soares E. Adequação da teoria
do déficit de autocuidado no cuidado domiciliar à luz do
modelo de Barnum. Rev Latino-Am Enfermagem, 2002;
10(5): 715-720.
11.
Spindola T, Penna LHG, Progianti JM. Perfil epidemiológico de mulheres atendidas na consulta do pré-natal de
um hospital universitário. Rev Esc Enferm USP, 2006;
40(3): 381-388.
12.
Fernandes RAQ. Estudo da morbimortalidade materna e
perinatal e a qualidade da assistência pré-natal. Rev Paul
Enferm, 2001; 20(2): 57-60.
13.
Gonçalves R, Fernandes RAQ, Sobral DH. Prevalência da
Doença Hipertensiva Específica da Gestação em hospital
público de São Paulo. Rev Bras Enferm, 2005; 58(1): 61-4.
14.
Branden OS. Enfermagem materno-infantil. 2ª Ed. Rio de
Janeiro: Reichmann & Affonso Editores; 2000. p. 73-146.
15.
Brasil MS. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento
Rev Pesq Saúde, 12(2): 38-43, maio-agost, 2011
Rios CTF, Mochel EG, Botentuit TNA, Silva VSC
de Ações Programáticas Estratégicas. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada - manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.
16.
17.
18.
Lopes R, Menezes C, Santos G, Piccinini C. Ritual de
casamento e planejamento do primeiro filho. Psicol
Estud, 2006; 11(1): 55-61.
Scherer LM, Borenstein MS, Padilha MI. Gestantes/
puérperas com HIV/AIDS. Esc Anna Nery. Rev Enferm,
2009; 13( 2): 359-65.
Sass N, Souza E, Camano L. Sal, gestação, hipertensão.
Femina, 2002; 30(10): 727-730.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 38-43, maio-agost, 2011
19.
Batista DC, Chiara GL, Gugelmin SA, Martins PD.
Atividade física e gestação: saúde da gestante não atleta
e crescimento fetal. Rev Bras Saúde Mater Infant, 2003;
3( 2): 88-92.
20.
Orem DE. Nursing concepts of practice. 5th ed. New
York: Mc Graw-Hill; 1995.
21.
Neme B. Obstetrícia básica. São Paulo: Savier; 2000.
22.
SLandim CAP, Milomens KMP, Diógenes MAR. Déficits de
autocuidado em clientes com diabetes mellitus
gestacional: uma contribuição para a enfermagem. Rev
Gaúcha Enferm, 2008; 29(3): 374-81.
43
ISSN-2236-6288
Artigo Original / Original Article
Análise dos óbitos por neoplasia pulmonar em São Luís - MA
Analysis of pulmonary neoplasia mortality data in São Luís - Maranhão
Caroline Carvalho Velasquez1, Herica Araújo Costa1, Paulo Roberto Cabral Passos1, Samara dos Santos Ribeiro1, Wene Jéssica Pereira Mendonça1 e
Lorena Lauren Chaves Queiroz2
Resumo
Introdução: A neoplasia de pulmão no Brasil é a segunda causa de morte mais frequente dentre os tipos de neoplasias. Um
índice de casos vem aumentando progressivamente em países em desenvolvimentos, enquanto que em países desenvolvidos
este índice já se encontra em platô. O tabagismo é o maior fator de risco para a neoplasia pulmonar. Objetivos: Analisar os
dados de óbitos por neoplasia pulmonar no Maranhão entre os anos de 2006 a 2009. Métodos: Utilizou-se para este artigo uma
metodologia descritiva de série temporal. Os dados foram adquiridos de forma secundária tendo como fonte a base de dados
DATASUS/MS com um total de 382 óbitos por neoplasia pulmonar no período de 2006 a 2009. Foram utilizados dados
fornecidos pela International Arctic Research Center - IARC através do periódico GLOBOCAN e dados do Instituto Nacional de
Câncer - INCA, para fins comparativos. Resultados: Em São Luís-MA, o índice de casos de neoplasia pulmonar sofreu uma
diminuição substancial, de acordo com os dados fornecidos pelo Banco de dados do Sistema Único de Saúde - DATASUS, nos
últimos anos, provavelmente decorrente das políticas anti-tabagismo vigentes no país. Conclusão: Apesar do declínio do índice
de óbitos por neoplasia celular, muitas pessoas ainda morrem principalmente na região sul-sudeste do país. O Maranhão, no
entanto, apresentou um índice baixo, se comparado a outros estados. Apesar dos índices apontados, a neoplasia pulmonar
relacionada ao tabagismo ainda é preocupante.
Palavras-chave: Neoplasias. Pulmão. Estatística. Morte.
Abstract
Introduction: The pulmonary neoplasia in Brazil is the second most frequent cause of death between the types of cancer. The
index of cases has been increasing progressively in developing countries. In developed countries the index seems to be
controlled. The tobacco use is the major risk factor for this type of cancer. Objectives: To analyze mortality data regarding
pulmonary neoplasia in Maranhão between the years of 2006 and 2009. Methods: We used a time-series descriptive analysis.
Secondary data were obtained in the DATASUS database and accounted for 382 deaths due to lung cancer during the period of
2006 to 2009. We used the data supplied by the IARC through the GLOBOCAN. It was also used data from INCA to comparative
purposes. Results: In São Luís Maranhão, the index of pulmonary neoplasia deaths had suddenly decreased according to data
supplied by DATASUS database in the last years. This decrease is probably due to current anti-tabacco policies in the country.
Conclusion: Despite the decline in deaths due to lung neoplasia, many people still die of this type of cancer meanly in the southsouthwest region of the country. Maranhão presented a low index compared to other states. Despite these figures, the lung
cancer related to use of tobacco still is a great concern.
Keywords: Neoplasia. Lung. Statistics. Deaths.
Introdução
O câncer é caracterizado por um crescimento
anormal de células gerado por danos nas regiões cromossômicas responsáveis pelo controle da proliferação celular. À medida que o número de células neoplásicas aumenta, ocorrem disfunções metabólicas e
perda da função do órgão.
O câncer é a primeira causa de morte em países
desenvolvidos e a segunda em países em desenvolvimento.1 A acentuação no número de casos está geralmente associada ao crescimento e envelhecimento da
população nos países em desenvolvimento, e à adoção
de costumes que constituem fatores de risco ao desenvolvimento de neoplasias, tais como maus hábitos alimentares, inatividade física e o fumo1.
De doença rara no passado, o câncer de pulmão
transformou-se em doença neoplásica comum e de
maior índice de mortalidade em todo o mundo, sendo
considerada um importante problema de saúde
pública2, 3.
No Brasil, segundo dados do Instituto Nacional
do Câncer - INCA, a neoplasia de pulmão ocupa o segundo lugar dentre as causas de morte por câncer,
seguindo apenas os óbitos por câncer de próstata,
entre os homens. Já entre as mulheres a neoplasia
ocupa a quarta colocação, seguindo apenas os cânceres de mama, colo do útero, cólon e reto4.
O tabagismo é o fator de risco mais alarmante
do câncer de pulmão e vem sendo discutido por décadas pela população leiga e científica. O risco acomete tanto os fumantes com os não-fumantes, uma
vez que a fumaça liberada pela queima do cigarro possui uma alta carga de substâncias cancerígenas5, 6.
O tabaco é bastante difundido na sociedade
brasileira, seu consumo ainda é mais frequente entre
homens, entretanto esses dados estão sofrendo modificação em virtude do consumo por mulheres tem
aumentado nas últimas décadas. Verifica-se em consequência disso o aumento na taxa de incidência de
neoplasia pulmonar nas mulheres5,6,7. Devido à expansão do consumo de tabaco morrem no país cerca de
1.
Acadêmicos do curso de Biomedicina e Bacharelado da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas - Faculdade São Luís.
Enfermeira MSc. Docente da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas - Faculdade São Luís.
Contato: Lorena Lauren Chaves Queiroz. E-mail: [email protected]
2.
44
Rev Pesq Saúde, 12(2): 44-47, maio-agost, 2011
Velasquez CC, Costa HA, Passos PRC, Ribeiro SS, Mendonça WJP, Queiroz LLC
200.000 pessoas por ano6.
Apesar do Brasil ser um dos maiores produtores e exportadores de tabaco no mundo, o Ministério
da Saúde - MS, define o tabagismo como uma epidemia
e importante problema de saúde pública. Programas e
campanhas são desenvolvidos visando reduzir o
estímulo a iniciação, principalmente entre os jovens, e
a interrupção do consumo por fumantes. O Brasil
tornou-se referência no combate ao tabagismo assumindo uma liderança internacional nessa área9.
Uma das medidas mais bem sucedidas implantadas no Brasil foi o Programa Nacional de Controle do
Tabagismo - PNCT. O programa visa “reduzir a prevalência de fumantes e a consequente morbimortalidade
relacionada ao consumo de derivados do tabaco.9
Através de atividades educativas, regularização dos
produtos derivados do tabaco e uma forte campanha
contra o tabagismo nas embalagens de cigarros, em
propagandas televisivas e durante algum tempo nas
corridas de Fórmula 1, o Programa vem tendo sucesso
na conscientização da população9.
Além do tabagismo, fatores como a poluição
atmosférica e ainda pré-disposição genética e alimentação também são fatores de risco5,6,10. O câncer de
pulmão pode ser adquirido no local de trabalho principalmente em indústrias classificando a ocupação do
indivíduo como um fator de risco pouco abordado e de
extrema importância considerando-se o tempo de exposição aos cancerígenos6,11,12.
Por ser considerado um importante problema
de saúde este estudo teve como objetivo analisar a
mortalidade por neoplasia pulmonar em São Luís – MA
no período de 2006 a 2009.
Metodologia
Estudo descritivo de série temporal, sendo os
dados obtidos de fonte secundária através do Banco de
dados do Sistema Único de Saúde - Datasus/MS. Foi
encontrada metodologia semelhante em Leite, Lisboa
e Pinto13. Para um total de 382 casos de neoplasia
pulmonar no intervalo de 2006 a 2009, foram interrelacionados o grau de instrução, faixa etária e tipo da
lesão segundo a Classificação internacional de
doenças - CID, Nº 10, dos indivíduos.
Quanto ao grau de instrução, os dados ordenam-se de acordo com a quantidade de anos os quais
os indivíduos permaneceram sob regime escolar,
variando de 1 a 12 (ou mais) anos e havendo casos em
que tal informação não foi obtida. Quanto à faixa
etária, foi estabelecido o intervalo entre 1 a 80 (ou
mais) anos de idade. Os tipos de lesão foram classificados de acordo conforme a 10ª edição da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde ou CID-10, conforme o
capitulo II, secção C34. Temos para este dado os
seguintes tipos conforme o CID-10: brônquio principal; lobo super brônquio ou pulmão; lesão invasiva
dos brônquios e dos pulmões; brônquios e pulmões NE
(não específico).
Foram utilizadas ainda, para fim de comparação, dados sobre incidência e número de óbitos por
câncer de pulmão em nível Global fornecidos pelo
International Arctic Research Center - IARC e em nível
Nacional, regional e local fornecido pelo Instituto
Rev Pesq Saúde, 12(2): 44-47, maio-agost, 2011
Nacional de Câncer - INCA9.
A IARC é uma agência intergovernamental
criada pela Organização Mundial de Saúde - OMS, a
partir da cooperação da Organização das Nações
Unidas - ONU, e tem como objetivo a condução de
pesquisas epidemiológicas sobre o câncer em nível
global14. Periodicamente é fornecido pela IARC o
GLOBOCAN, periódico com estatísticas de incidência e
mortalidade sobre a maioria de neoplasias em nível
global para todos os países do mundo. Para este
trabalho foi utilizada a última edição disponibilizada
do GLOBOCAN referente à estimativa do câncer para o
ano de 2008.
O GLOBOCAN fundamenta a confiabilidade do
seu trabalho a partir da coleta de dados de Registros de
Câncer de Base Populacional - RCBP, cedidos no Brasil
pelo Instituto Nacional do Câncer. As RCBPs em países
em desenvolvimento nem sempre constituem uma
base de dados de inteira confiança, principalmente por
muitas cidades não terem sua própria base ou devido à
informação não ser adequadamente repassada. Atualmente no Brasil existem apenas 19 bases ativas, o que
indica que somente 19% da população do país encontra-se monitorada. Para o presente trabalho foi
utilizada a estimativa de 2010 sobre câncer no Brasil
de acordo com dados do INCA.
Resultados
Observamos uma grande predominância de
lesões primárias neoplásicas nos brônquios ou
pulmões (não específicas) constituindo 98,69% e
contabilizando um total de 377 casos entre 2006 a
2009, lesões primárias atribuídas a outras regiões
chegaram a contabilizar no máximo 1 caso em 2006 e
2007, sendo que em 2008 e 2009 não se obteve registro algum das mesmas (Tabela1).
Tabela 1 - Número de óbitos ocorridos em São Luís-MA por
Neoplasia de Pulmão. 2006-2009.
CID10 4C Cap 02
2006 2007 2008 2009 Total
%
C34.0 Brônquio
principal
01
01
-
-
02
0,52
C34.1 Lobo super
brônquio ou pulmão
01
01
-
-
02
0,52
C34.8 Lesão invasiva
dos brônquios e dos
Pulmões
-
01
-
-
01
0,26
C34.9 Brônquios ou
pulmões NE
94
108
113
62
377 98,69
Total
96
111
113
62
382 100,0
Também se evidencia uma relevante queda no
número de casos de óbito no ano 2009 representando
uma diminuição em 40,96% em relação à média anual
de casos de óbito por neoplasia de pulmão evidenciada
nos três anos anteriores nos quais se estabelece um
total de 105 casos por ano. O número total de casos
entre 2006 e 2009 foi de 382 casos.
Há uma prevalência no número de casos por
parte da faixa etária de 60-69 anos contabilizando um
45
Análise dos óbitos por neoplasia pulmonar em São Luís-MA
total de 31.96% dos casos de óbito, evidenciamos
ainda uma quantidade bastante pequena de casos para
as faixas-etárias de 1-39 anos. Observou-se que entre
os anos de 2006 e 2007 os casos na faixa-etária de 6069 anos é praticamente o dobro comparado aos
indivíduos na faixa-etária entre 50-59 anos (Tabela 2).
Tabela 2 - Número de óbitos por faixa etária ocorridos em São
Luís-MA por Neoplasia do Pulmão. 2006-2009.
Faixa Etária
2006 2007 2008 2009 Total
%
01 a 04 anos
-
-
01
-
01
0,26
05 a 09 anos
01
-
01
-
02
0,52
20 a 29 anos
-
01
02
-
03
0,78
30 a 39 anos
02
01
01
02
06
1,57
40 a 49 anos
10
07
12
03
32
8,37
50 a 59 anos
15
22
21
12
70
18,32
60 a 69 anos
30
41
33
18
70 a 79 anos
20
25
30
19
94
24,6
80 ou mais
17
14
12
08
51
13,35
Total
96
111
113
62
122 31,96
382 100,0
Observa-se uma considerável queda do índice
de casos para indivíduos com maior grau de instrução,
sendo que indivíduos com 12 ou mais anos de estudo
representaram apenas 10,20% seguidos de 8 a 11 anos
(14,39%). Entre os indivíduos analisados, 34 não
tiveram registrado esse tipo de informação (Tabela 3).
Tabela 3 - Número de óbitos segundo o grau de instrução
ocorridos em São Luís-MA por Neoplasia de Pulmão. 20062009.
Grau de Instrução 2006 2007 2008 2009 Total
%
Não Informado
11
12
09
02
34
08,9
Nenhuma
20
16
21
15
72
18,84
de 01 a 03 anos
20
13
19
13
65
17,01
de 04 a 07 anos
18
30
28
19
95
24,86
de 08 a 11 anos
10
19
20
06
55
14,39
39
10,2
12 ou mais
09
15
11
04
Total
96
111
113
62
382 100,0
Discussão
O cenário do câncer no Brasil encontra-se em
paralelo com o evidenciado por pesquisas realizadas a
nível global. A neoplasia pulmonar ocupa a 1º
colocação entre as causas de morte por neoplasia
entre homens e a 4º colocação entre as mulheres.1
Entretanto, segundo a ATS (The American Thoracic
Society) e a ERS (The European Respiratory Society),
Baldine et al.,15 já chegou a ultrapassar o índice de
46
câncer de mama, tornando-se a causa número um de
óbitos por neoplasias nos Estados Unidos.
No mundo, foi contabilizado referente ao ano de
2008 que 18% (1,4 milhões) do total de óbitos por
câncer se deram por neoplasia pulmonar e destes, 80%
e 50% respectivamente para homens e mulheres,
foram associados ao consumo de tabaco. Estudo realizado por Jemal et al.1, mostraram que o índice de
casos referentes à América do Sul é de 20.4 para cada
100.000 indivíduos do sexo masculino, a maioria entre
as faixas etárias de 0-40 anos. Entre as mulheres é de
8.4 tendo sua prevalência entre 0-20 anos, o índice de
mortalidade geral é de 13.21. Este estudo, aponta uma
tendência de aumento no número de casos a partir da
quinta década de vida condizendo com estudos realizados por Barros et al.15 As discordâncias entre os
estudos podem ser explicadas pelo tamanho da
amostra e as diferentes localidades abordadas nos
respectivos estudos.
Não foram encontrados na literatura estudos
que associassem o grau de instrução ao desenvolvimento de neoplasias pulmonares. Nosso estudo
apresenta índices levemente menores entre indivíduos
com mais de 8 anos de estudo constituindo 24,59%
dos casos. Vale ressaltar que para este quesito houve
uma parcela significativa de indivíduos o qual não se
obtive in-formações sobre o grau de instrução.
Atualmente, o maior índice de ocorrência de
neoplasia pulmonar no Brasil concentra-se no sul, nos
estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Espírito
Santo, Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso do Sul e São
Paulo.4 Os estados da região sul e sudeste concentram
maior parte da renda no país o que nos leva associar a
incidência para neoplasia de pulmão a fatores sócioeconômicos e proximidade às áreas metropolitanas.16
Já em estudos conduzidos por Barros et al.15, houve
maior predominância (89%) em indivíduos residentes
de zona rural.
Quando se analisa o panorama nacional, os
estados com menor concentração de renda apresentam-se como menor incidência de neoplasia pulmonar
variando entre 5,19 à 6,8 para cada 100.000 pessoas,
cujas concentrações encontram-se agrupados os
estados do Acre, Amapá, Pará, Paraíba, Alagoas, Bahia
e Maranhão17.
Dentre os estados que apresentam menor
índice, destaca-se o Maranhão que no ano de 2010
contabilizou 270 casos. O estudo mostrou que entre
os anos de 2008 a 2009 houve grande queda no
número de mortes, provavelmente em decorrência da
Política Nacional de Controle do Tabaco, que culminou
posteriormente na Convenção-Quadro para Controle
do Tabaco, aceita em 2003 pela OMS e promulgada em
2006 pelo presidente da república17. Isto evidencia a
grande relação no Brasil entre o tabaco e o desenvolvimento de neoplasia pulmonar e confirma a
importância da manutenção e reforço da política antitabagismo.
Em toda literatura encontrada, foi unânime a
indicação do tabagismo como mais fator de risco para
Rev Pesq Saúde, 12(2): 44-47, maio-agost, 2011
Velasquez CC, Costa HA, Passos PRC, Ribeiro SS, Mendonça WJP, Queiroz LLC
a neoplasia pulmonar. Apesar disso, outros fatores
como trabalho nos setores de produção de indústrias e
o histórico familiar foram citados como contribuintes
ao desenvolvimento da patologia15,18.
A neoplasia pulmonar é uma doença de grande
morbi-mortalidade e que vem sendo caracterizada
como uma das maiores preocupações da saúde
pública. As causas que levam ao desenvolvimento da
neoplasia assim como as formas de tratamento e
diagnóstico são debatidas constantemente para o
aprimoramento das ações realizadas.
Ao comparar os parâmetros nacionais e regionais da patologia percebeu-se uma diferença principalmente quando relacionado a variáveis como a faixa
etária predominante, grau de instrução e ou local de
residência (urbana ou rural). Estudos comparativos
entre o comportamento da doença quando assumidos
diferentes tamanhos de amostras poderiam produzir
resultados mais conclusivos. Vale ressaltar ainda que a
inatividade ou inexistência de Registros de Base
Populacionais em algumas localidades tendem a
produzir disparidades ou resultados que não condizem com o verdadeiro cenário da patologia na região. O Maranhão, dentre todos os estados, apresenta
os menores índices de casos de neoplasia pulmonar,
porém, deve-se levar em consideração a ausência de
uma base de registro populacional ativa na região. A
grande baixa no número de óbitos principalmente
entre os anos de 2008-2009, reflete a eficiência do
programa de combate ao tabagismo implementado
nos últimos anos.
Referências
1.
Jemal A, Bray F, Center MM, Ferlay J, Ward E, Forman D.
Global Cancer Statistics. CA Cancer J Clin, 2011; 61(2):
69-90.
2.
Michels F, Schimtt CB, Mattos DJS. Fisioterapia em pós
operatório de pneumectomia: relato de caso. Revista
digital - Buenos Aires [periódico online] 2008 jun
[capturado 2011 ago 29]; 13(121). Disponível em:
http://www.efdeportes.com/efd121/fisioterapia-empos-operatorio-de-pneumectomia-relato-de-caso.htm
3.
Guimarães CA. Mortalidade por câncer do pulmão. J Bras
Pneumol, 2007; 33(5).
4.
Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer.
Estimativa 2010: Incidência de câncer no Brasil. Rio de
Janeiro: INCA, 2009.
5.
Uehara C, Jamnik S, Santora IL. Câncer de pulmão.
Simpósio: Doenças Pulmonares Capítulo IX; abr/jun
1998; Departamento de Medicina da Escola Paulista de
Medicina da UNIFESP, Ribeirão Preto; 1998 p. 266-276.
10.
Garófolo A, Avesani CM, Camargo KG, Barros ML, Silva
SRJ, Taddei JAAC, Sigulem DM. Dieta e câncer: um
enfoque epidemiológico. Rev Nutr, 2004; 17(4): 491505.
11.
Algranti E, Buschinelli JTP, Capitani EM. Câncer de
pulmão ocupacional. J Bras Pneumol, 2010; 36(6): 784794.
12.
Filho VW, Magaldi C, Nakao N, Moncau JEC.Trabalho
industrial e câncer de pulmão. Rev Saúde Pública, 1995;
29(3): 166-176.
13.
Leite VMC, Lisboa CR, Pinto FJM. Causas de Óbitos em
Idosos de Fortaleza-CE. Rev Baiana Saúde Pública, 2010;
34(2): 288-298.
14.
França. World Heath Organizatio - Who. Internacional
Agency for Research on Cancer - IARC. http://www.iarc.fr.
15.
Barros JA, Valladares G, Faria AR, Fugita EM, Ruiz AP,
Viana AGD, Trevisan GL, Oliveira FAM. Diagnóstico
precoce do câncer de pulmão: o grande desafio.
Variáveis epidemiológicas e clínicas, estadiamento e
tratamento. J Bras Pneumol, 2006; 32(3): 221-27.
6.
Zamboni M. Epidemiologia do câncer de pulmão. J
Pneumol, 2002; 28(1): 41-47
7.
Guerra MR, Gallo CVM, Mendonça GAS. Risco de câncer
no Brasil: tendência e estudos epidemiológicos mais
recentes. Rev Bras Cancerol, 2005; 51(3): 227-34.
16.
Faria MAM, Almeida JWR, Zanetta DMT. Mortalidade por
câncer na região urbano-indústrial da baixada Santista,
SP (Brasil). Rev Saúde Pública. 1999; 33(3): 255-261.
8.
PAHO - Pan American Health Organization. Health in the
Americas, 2002 apud Cavalcante TM. O Controle do
Tabagismo no Brasil: avanços e desafios. Rev Psiq Clín
[periódico online] 2005 out [capturado 2011 out 19];
32(5); [18 telas] Disponível em: http://www.hcnet.usp.
br/ipq/revista/vol32/n5/283.html
17.
Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da
Silva. A situação do tabagismo no Brasil: dados dos
inquéritos do Sistema Nacional de Vigilância, da
Organização Mundial da Saúde, realizados no Brasil,
entre 2002 e 2009. Rio de Janeiro: INCA, 2011.
Disponível em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/
situacao_tabagismo.pdf
9.
Cavalcante TM. O Controle do Tabagismo no Brasil:
avanços e desefios. Rev Psiq Clín [periódico online] 2005
out [capturado 2011 out 19]; 32(5); [18 telas] Disponível
em: http://www.hcnet.usp.br/ipq/revista/vol32/
n5/283.html
18.
Wünsch Filho V, Magaldi C, Nakao N, Moncau JEC.
Trabalho Industrial e Câncer de Pulmão. Rev Saúde
Pública, 1995; 29(3): 166-76.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 44-47, maio-agost, 2011
47
ISSN-2236-6288
Relato de Caso / Case Report
Linfangioma de cavidade bucal: relato de caso clínico
Oral lymphangioma: case report
Erika Martins Pereira1, Melaine de Almeida Lawall2 e Waltair Maria Martins Pereira3
Resumo
Introdução: Os linfangiomas são malformações linfáticas congênitas que geralmente são diagnosticados na infância e quando
observadas na idade adulta são mais raras. São localizados na região de cabeça e pescoço, podendo afetar a cavidade bucal,
principalmente a região lingual; sendo a mucosa jugal uma área incomum. Relato do caso: Paciente do gênero masculino, 25
anos de idade, leucoderma, procurou atendimento odontológico na FOUSP queixando-se de aumento de volume na região de
mucosa jugal direita. A lesão apresentava-se assintomática com 15 mm de diâmetro e, segundo o paciente, a data de
aparecimento era desconhecida. O diagnóstico clínico foi mucocele e a biópsia excisional teve o diagnóstico de linfangioma. O
reparo tecidual transcorreu normalmente e a paciente permanece em acompanhamento clínico. Conclusão: Este caso torna-se
importante por apresentar uma faixa etária acima da descrita na literatura, assim como a localização da lesão em local mais
raro. Em virtude destes fatos nota-se a importância de um correto diagnóstico para efetivar o tratamento coerente e estabelecer
um excelente prognóstico para estes pacientes.
Palavras-Chave: Linfangiona. Hamartoma. Mucosa Bucal.
Abstract:
Introduction: Lymphangiomas are congenital lymphatic malformations. These lesions are most frequently diagnosed during
childhood, when this lesion are observed in old age are more rare. The most commonly located are in the head and neck region,
affecting oral cavity, especially the tongue and are extremely rare in buccal mucosa. Case report: Man patient of 25 years old.
Case report: A male patient was 25 years old, Caucasian, sought dental care in FOUSP complaining of swelling in the right region
of the buccal mucosa. The lesion is asymptomatic with 15 mm diameter and the patient date of onset was unknown. The clinical
diagnosis was mucocele and the excisional biopsy was diagnosed with lymphangioma. Tissue repair went smoothly and the
patient remains in clinical follow-up. Conclusion: This case is important because it has an age above described in the literature
as well as the location of the lesion site most often. In view of these facts it is noted the importance of a correct diagnosis to make
effective consistent treatment and establish an excellent prognosis for these patients.
Keywords: Lymphangioma. Hamartoma. Mouth Mucosa.
Introdução
Os linfangiomas são tumores hamartomatosos
benignos que afetam os vasos linfáticos. Existem,
ainda hoje, dúvidas se este tumor benigno pode ser
classificado como uma neoplasia verdadeira, entretanto a maioria dos autores classifica esta lesão como
uma má formação congênita originária de seqüestros
de tecido linfático que não se comunica normalmente
com o resto do sistema linfático1,2,3,4,5,6 ,7.
Dentre as características clínicas, esta lesão tem
predileção pela região de cabeça e de pescoço, representando 50% a 75% de todos os casos. E a faixa etária
mais afetada ocorre do nascimento até dois anos de
idade, sendo o gênero masculino mais afetado do que
o feminino em uma proporção de 2:1 de todos os
casos1,2,3,4,5.
Os linfangiomas bucais podem acometer
diversas localizações, sendo a mais comum os dois
terço anteriores da língua; seguido pelo rebordo alve-
olar e posteriormente lábio e mucosa bucal. Nestas
regiões, as lesões apresentam-se como tumefações,
indolores, nodulares com uma superfície pedregosa
como descrita por Neville et al.2 Nos tumores profundos, a tumefação apresenta-se amolecida e mal definida5,8,9,10.
Dentre os três subtipos histológicos de linfangiomas, o mais comum na cavidade bucal é o cavernoso, em
virtude do tecido conjuntivo circunjacente e os músculos esqueléticos, limitarem a expansão vascular5.
Histopatologicamente podemos observar vasos
linfáticos apresentando uma considerável dilatação
localizado logo abaixo do epitélio de superfície e geralmente substituindo as papilas conjuntivas. Complementando o quadro notam-se vasos linfáticos dilatados no tecido conjuntivo mais profundo e na musculatura esquelética1,2,3,4,5,8,9,10.
O diagnóstico diferencial deve incluir o carcinoma de células basais e tumor de glândulas salivares com degeneração cística. Estas lesões podem ser
1.
Profª. Drª. do Departamento de Odontologia II, Curso de Odontologia da Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
Profª. Drª. do Curso de Odontologia do Instituto Florence de Ensino Superior.
Profª. Drª. do Curso de Medicina da Universidade Federal do Pará - UFPA.
Contato: Erika Martins Pereira. E-mail: [email protected]
2.
3.
48
Rev Pesq Saúde, 12(2): 48-51, maio-agost, 2011
PereiraEM, Lawall MA, PereiraWMM
diferenciadas pelas características celulares neoplásicas encontradas na biópsia aspirativa2. Os linfangiomas que ocorrem na região cervical também demandam diferenciação com cisto tireoglosso, rânula
mergulhante e as linfadenopatias. Também, podem
assemelhar-se ao hemangioma quando há um componente capilar significativo e, quando a lesão for
pequena, pode ser confundida com mucocele2.
Várias modalidades de tratamento têm sido
propostas para a resolução das lesões linfangiomatosas da cavidade bucal. Estes tratamentos são indicados, especialmente, para portadores adultos e
cujas lesões não regridam espontaneamente. Excisão
cirúrgica, terapia por radiação, crioterapia, administração de esteroides e agentes esclerosantes,
interferon ou bleomicina, embolização, ligação, e
cirurgia a laser também têm sido utilizados para o
tratamento destas lesões1,3,8,9,10,11.
A remoção cirúrgica dos linfangiomas é a
melhor forma de tratamento, mas a remoção total da
lesão nem sempre é possível devido, em muitos casos,
a lesão envolver estruturas vitais na sua extensão.2
Muitos linfangiomas são parcialmente circunscritos o
que facilita a remoção cirúrgica. Entretanto, são
freqüentes as recorrências pós-cirúrgicas (10% a 38%)
como resultado da remoção incompleta do tumor1,3.
O objetivo do presente trabalho é descrever um
caso clínico de linfangioma bucal, enfatizando a importância de um correto diagnóstico para efetivar o
tratamento coerente e estabelecer um excelente prognóstico para estes pacientes, em virtude deste caso
representar faixa etária e localização topográfica incomuns.
Relato do caso
O caso clínico descrito a seguir teve aprovação
do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de
Odontologia da Universidade de São Paulo, sob o
número 144/2010 e teve a autorização do paciente
através da assinatura do termo de consentimento livre
e esclarecido.
Paciente do gênero masculino, 25 anos de
idade, leucoderma, procurou atendimento odontológico na FOUSP queixando-se de aumento de volume
na região de mucosa jugal direita. A lesão apresentavase assintomática com 15 mm de diâmetro e, segundo o
paciente, a data de aparecimento era desconhecida.
A
B
O exame físico extrabucal não mostrou alterações faciais. No exame físico intrabucal, observou-se
aumento de volume difuso na mucosa jugal posterior
direita, medindo aproximadamente 15 mm de
diâmetro, de coloração rósea, de superfície vesicular e
firme à palpação (Figura 1a). O diagnóstico clínico
presuntivo consistiu nas hipóteses de mucocele e
hiperplasia fibrosa inflamatória.
O paciente foi submetido à biópsia excisional e
o exame anatomo-patológico revelou uma proliferação
de vasos linfáticos de pequeno e médio calibre,
contendo linfa no seu interior (Figuras 1b e 1c). O
reparo tecidual transcorreu normalmente e o paciente
permanece em acompanhamento clínico.
Discussão
Segundo as teorias de formação dos linfangiomas, eles são geralmente de natureza congênita,
entretanto outros autores indicam que podem ser
lesões tipo hamartomatosas1,2,3,4,5,6,7,8. Neste caso em
questão, o paciente afirma que não nasceu com esta
alteração, com isso podemos supor que sua origem
está mais relacionada com uma lesão benigna hamartomatosa.
Para Paula e Silva4 a predominância destes casos
é em pacientes do gênero masculino, o que corrobora
com nosso caso e a faixa etária mais acometida é de
crianças, o que difere do caso em questão já que o
paciente apresentava 25 anos de idade.
Segundo Aciole et al.1, a localização mais
freqüente é a língua, seguida pelo lábio e uma área
mais rara sendo a mucosa jugal, sendo esta área
envolvida no nosso caso, o que torna este caso mais
raro do que a maioria já relatada na literatura9,10,11.
O tratamento de escolha para os linfangiomas é
a cirurgia radical, e opções como escleroterapia são
usadas como única terapia ou de forma adjuvante nas
formas císticas e cavernosas. Aciole et al.1 em 2010
demonstrou que o tratamento de linfangioma com
laser de CO2 foi bem aceito e não apresentou recidiva
nos períodos de 12 e 18 meses pós-cirurgico;
entretanto citou-se como desvantagens, os custos do
equipamento e a falta de qualificação de cirurgiõesdentistas nesta especialidade cirúrgica. No caso
apresentado, o tratamento proposto foi a remoção
cirúrgica convencional e não se observou recidiva da
lesão nos 12 meses seguintes em que o paciente
C
Figura 1: Aspecto clínico da mucosa jugal direita (A), Fotomicrografia dos vasos linfáticos subepiteliais (B) e Fotomicrografia
dos vasos linfáticos (C).
Rev Pesq Saúde, 12(2): 48-51, maio-agost, 2011
49
Linfangioma de cavidade bucal: relato de caso clínico
esteve em acompanhamento11.
O prognóstico desta lesão é favorável para a
maioria dos pacientes, embora as grandes lesões
localizadas no pescoço ou na base de língua possam
determinar obstrução das vias aéreas. Na maior parte
dos casos, linfangiomas pequenos não causam
incapacidade física, estética e funcional. No entanto,
estas lesões devem ser tratadas, pois, tendem a
evoluir.
A excisão cirúrgica é o tratamento de escolha.
Entretanto, as lesões podem mostrar recidivas após
sua remoção, cuja tendência parece crescer com o
aumento da idade do paciente. Enfatiza-se, portanto, o
diagnóstico e o tratamento precoce, pois, minimizam
as complicações decorrentes destas lesões, em relação
à adaptação funcional e estética do indivíduo.
Este caso torna-se importante por apresentar
uma faixa etária acima da descrita na literatura, assim
como a localização da lesão em local mais raro. Em
virtude destes fatos, nota-se a importância de um
correto diagnóstico para efetivar o tratamento
coerente e estabelecer um excelente prognóstico para
estes pacientes.
Referências
1.
Aciole GTS, Aciole JMS, Soares LGP, Santos NRS, Santos
JNS, Pinheiro ANS. Surgical treatment of oral
lymphangiomas with CO2 laser: report of two
uncommon cases. Braz Dent J, 2010; 21(4): 365-369.
7.
Zhou Q, Zheng JW, Mai HM, Luo QF, Fan XD, Su LX, Wang
YA, Qin ZP. Treatment guidelines of lymphatic
malformation of the head and neck. Oral Oncol, 2011;
47(12): 1105-09.
2.
Neville WJ et al. Patologia Oral e Maxilofacial. 3ª Ed. Rio
de Janeiro, Elsevier, 2009.
8.
Rathan JJ, Vardhan BG, Muthu MS, Venkatachalapathy,
Saraswathy K, Sivakumar N. Oral lymphangioma: case
report. J Indian Soc Pedod Prev Dent, 2005; 23(4): 185-9.
3.
Gassen HT, Caye LFS, Rovani G, Silva SO, Silva-Júnior AN,
Miguens-Jr SAQ. Hernández PAG. Linfangioma de
cavidade bucal: relato de caso clínico. Stomatos, 2010;
16(30): 82-88.
9.
Goswami M, Singh S, Gokkulakrishnan S, Singh A.
Lymphangioma of the tongue. Natl J Maxillofac Surg,
2011; 2(1): 86-88.
10.
Puricelli E, Ponzoni D, De Paris MF, de Abreu MC, Togni L.
Surgical treatment of tougue lymphangioma in a pediatric
patient: a case report. J Dent Child, 2011; 78(2): 120-3
11.
Tewari A, Munjal M, Kamakshi, Garg S, Sood D, Katyal S.
Anaesthetic consideration in macroglossia Due to
lymphangioma of tougue: a case report. Indian J
Anaesth, 2009; 53(1): 78-83.
4.
Paula e Silva FWG, Arnez MFM, Queiroz AM, Borsatto MC.
Principais tumores não odontogênicos que acometem a
cavidade bucal de crianças. Rev Odontol Univ Cidade S
Paulo, 2010; 22(2): 138-46.
5.
Vasconcelos MG, Santos BC, Lemos LCP, Ribeiro BF,
Iglesias DPP, Vasconcelos RG, Medeiros AMC. Oral
lymphangiomas: case report. RSBO, 2011; 8(3): 352-6
6.
Shetty DC, Urs AB, Rai HC, Ahuja N, Manchanda A. Case
series on vascular malformation and their review with
regard to terminology and categorization. Contemp Clin
Dent, 2010; 1(4): 259-62.
50
Rev Pesq Saúde, 12(2): 48-50, maio-agost, 2011
ISSN-2236-6288
Artigo de Revisão / Review Article
Tomografia computadorizada Cone Beam em Ortodontia – evolução ou revolução?
Visão geral, aplicações, vantagens/desvantagens e dose de radiação
Cone Beam computed tomography in orthodontia - evolution or revolution? Overview, applications,
advantages/disadvantages and radiation dose
Aubrey Fernando Fabre1, Juliana Kina1, Ana Caroline Gonçales Verri1, Alex Luiz Pozzobon Pereira2, Marcos Rogério de Mendonça3 e Osmar
Aparecido Cuoghi3
Resumo
Introdução: A requisição de imagens tridimensionais (3D) do complexo dentomaxilofacial tem aumentado. Com isso, novas
possibilidades para avaliações, tratamento e acompanhamento pós-tratamento tem ganhando notoriedade com o emprego da
tomografia computadoriza cone beam (TCCB). As imagens em duas dimensões (2D) apresentam problemas inerentes que
podem ser resolvidos com avaliações tridimensionais (3D). Objetivos: Esclarecer as principais dúvidas acerca do mecanismo de
funcionamento desse método de diagnóstico complementar, expor as vantagens/desvantagens, discutir sobre a dose de radiação efetiva e possibilidades de aplicação em Ortodontia. Conclusão: As informações geradas pelas imagens em 2D derivadas
da TCCB não apresentam diferenças que possam comprometer o planejamento ortodôntico quando comparadas com as imagens das radiografias convencionais em 2D. A dose efetiva de radiação recebida pelo paciente não deve ser considerada como
fator limitante da solicitação do exame tomográfico.
Palavras-chave: Tomografia. Radiografia. Ortodontia. Radiação.
Abstract
Introduction: The request of three-dimensional images (3D) of the dentomaxillofacial complex has increased. Hence, new possibilities for assessment, treatment as well as follow-up after treatment have increased their importance with the use of cone
beam computed tomography (CBCT). The images in two dimensions (2D) have inherent problems that can be solved with treedimensional images assessment. Objectives: To clarify the main doubts about the operational mechanism of complementary
diagnostic method; to explain the advantages and disadvantages, to discuss the effective radiation dose and possible applications in orthodontia. Conclusion: The information generated by 2D images from the CBCT does not show differences that may
endanger the orthodontic planning when compared with the images of 2D conventional radiographs. The effective radiation
dose received by the patient should not be considered as a limiting factor of the tomography exam request.
Keywords: Tomagraphy. Radiography. Orthodontia. Radiation.
Introdução
O diagnóstico por meio de imagem tridimensional (3D) da região dentomaxilofacial tem aumentado
com a introdução da tomografia computadorizada
cone beam (TCCB), devido ao custo relativamente
baixo e baixa dose de radiação quando comparado aos
outros métodos tomográficos1. Esse método complementar de diagnóstico também emprega a radiação X e
revela uma tendência de substituição das imagens
convencionais para o tratamento ortodôntico, já que
apresenta qualidade superior2 e importantes aplicações na Ortodontia. As principais indagações referemse às diferenças entre os exames radiográficos convencionais e à dose de radiação recebida pelo paciente.
O objetivo deste artigo é fornecer as informações acerca da TCCB, vantagens e desvantagens, principais aplicações e a dose efetiva de radiação.
Tomografia computadorizada cone beam (TCCB) –
visão geral
Inicialmente a técnica foi empregada no Japão
por Arai et al.3, Logo após, Mozzo et al.4, foram os responsáveis pela comercialização do primeiro tomógrafo (NewTom 9000). A TCCB fornece imagens que
podem ser manipuladas pelo ortodontista em seu próprio consultório e o tomógrafo pode ser instalado em
centros diagnósticos menores, devido a sua pequena
dimensão.
A primeira imagem obtida pelo tomógrafo é
semelhante a uma telerradiografia em normal lateral,
chamada de scout (ou escanograma). Ao final do exame, a sequência de imagens capturadas é denominada
de “imagens bases”, que podem ser manipuladas por
meio de um programa específico para TCCB, permitindo a reconstrução multiplanar do volume escaneado.
Em outras palavras, este processo permite a visualização de imagens axiais, coronais, sagitais e oblíquas,
assim como a reconstrução em 3D. Adicionalmente, o
programa permite a criação de imagens bidimensionais que são réplicas das radiografias utilizadas em Ortodontia, como a panorâmica e a telerradiografia em
norma lateral e frontal2.
A menor unidade de uma imagem é denominada
voxel, que pode variar de 0,2 a 20 mm, dependendo da
espessura do corte e modelo do aparelho. Quanto
menor o voxel, melhor é a qualidade da imagem. Na
TCCB o voxel é isométrico2,5 (altura, largura e profundidade têm as mesmas dimensões) e isomórfico, aumentado a capacidade de reproduzir detalhes dos diferentes tecidos com grande nitidez e clareza, produzindo
1.
Mestre e Doutorando(a) em Ortodontia pela Faculdade de Odontologia de Araçatuba - UNESP.
Mestre e Doutor em Ortodontia pela Faculdade de Odontologia de Araçatuba - UNESP. Professor Adjunto II da Disciplina de Ortodontia da
Universidade Federal do Maranhão - UFMA.
3.
Professor Adjunto da Disciplina de Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Araçatuba - UNESP
Contato: Alex Luiz Pozzobon Pereira. E-mail: [email protected]
2.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 51-54, maio-agost, 2011
51
Fabre AF, Kina J, Verri ACG, Pereira ALP, Mendonça MR, Cuoghi OA
uma imagem de alta qualidade, acurácia e resolução6.
A primeira geração de tomógrafos cone beam
usava sensores denominados de intensificadores de
imagens, que tinham 8 bits (256 tons de cinza). Atualmente, o sistema denominado flat panel foi desenvolvido com 12-16 bits (até 4096 tons de cinza) e, consequentemente, produz imagens de maior qualidade. A
Escala de Hounsfield, que mede a absorção dos diferentes tecidos quando expostos à radiação X (hipodensos ou hiperdensos), por meio das nuances de tons de
cinza, permite até mesmo o diagnóstico de determinada estrutura de acordo com sua densidade1,2.
Vantagens e desvantagens da TCCB
Em comparação com as radiografias convencionais, o potencial da TCCB em prover informações complementares é superior. As vantagens são: eliminação
da sobreposição de imagens7, alta acurácia1,8, maior
capacidade de distinção entre tons de cinza (alto contraste), permitindo estabelecer densidade aos tecidos
de 0,5% contra 5 a 10% das radiografias comvencionais8, permite reconstrução multiplanar em volume (obtenção de imagens axiais, coronais, sagitais e oblíquas)2, possibilidade de reconstrução da imagem em
3D2, possibilidade de prototipagem9 e fator de magnificação nulo (proporção 1:1)10.
Como desvantagens podem ser citadas: alta
dose de radiação11, custo elevado do equipamento, o
que aumenta o valor do exame2, produção de artefatos
metálicos12, particularmente em reconstruções secundárias. Isso quando comparada aos métodos radiográficos convencionais6,10,
Aplicações em Ortodontia
A TCCB tem inúmeras aplicações: localização
tridimensional de dentes impactados13, avaliação do
grau de reabsorção radicular dos dentes vizinhos a
caninos impactados14, simulação para planejamento
ortodôntico cirúrgico15, avaliação do crescimento e
desenvolvimento craniofacial e estimativa da idade
dentária16, visualização da espessura do osso alveolar
de suporte e sua remodelação após movimentação
dentária induzida17, avaliação da dimensão transversal
das bases apicais e reabsorção radicular após expansão rápida maxilar, mensuração da largura da sutura
palatina18, odontologia legal16, visualização em 3D das
vias aéreas superiores19, avaliação cefalométrica20,investigação da articulação temporomandibular21, avaliação do movimento dentário nas regiões de osso atrésico (espessura da tábua óssea alveolar na direção
vestibulolingual)22 ou com invaginação do seio maxilar; análise qualitativa e quantitativa do osso alveolar
para ancoragem ortodôntica com mini-implantes23,
avaliação de defeitos ou enxertos ósseos na região de
fissuras labiopalatinas24, confecção de modelos ou
setups digitais em 3D9,25, avaliação de lesões na região
dentomaxilofacial9,26.
Dose de radiação
A dose efetiva de radiação é dependente das
configurações – kilovoltagem (KVp), mili-amperagem
(mA), campo de visão (FOV) e tempo de exposição27.
Dependendo do FOV28, as imagens TCCB capturadas
52
com configurações de menor intensidade são comparáveis com as altas e mantêm o padrão de qualidade
suficiente para o diagnóstico imaginológico. Além
disso, o tamanho do voxel, mili-amperagem e qualidade da imagem estão intimamente relacionados.
Dentre as radiografias mais solicitadas na clínica ortodôntica encontra-se a panorâmica e a telerradiografia em normal lateral. No entanto, muitos casos
necessitam de radiografia seriada da articulação temporomandibular, radiografia póstero-anterior, radiografias oclusais, interproximais e periapicais de todos
os dentes. A literatura11 relata que os nível de radiação
emitido durante a realização da telerradiografia em
norma lateral é de 5 µSv, da panorâmica 10 µSv, da
oclusal maxilar 7 µSv e da periapical 5 µSv.
Quando comparada às radiografias convencionais, a dose de radiação da TCCB é equivalente a uma
tomada radiografia de periapicais de todos os dentes29
ou aproximadamente de 4 a 15 vezes maior que uma
panorâmica (2,9-11 µSv)29. Além disso, a dose de radiação recebida por um indivíduo quando exposto a TCCB
é de 3 a 7 vezes maior que a dose de uma panorâmica e
40% a menos que uma tomografia computadorizada
convencional30. Por outro lado, o levantamento radiográfico da “boca toda” varia 13 a 14 µSv (com colimador retangular), de 64 a 73 µSv (com colimador redondo) e de 83 a 100 µSv (bissetriz, com cone curto). Deste
modo, o somatório das doses efetivas da radiografia
panorâmica e da telerradiografia lateral, acrescido das
periapicais poderiam gerar a mesma ou até mesmo
maior quantidade de radiação da TCCB. Outro estudo31
relatou que a tomada radiográfica da “boca toda” gera
150 µSv. Além disso, há a desvantagem dos métodos
tradicionais não proporcionar avaliação em 3D.
A TCCB permite obter todas as imagens necessárias para uma avaliação ortodôntica em apenas uma
captura e estudos29 relatam que a dose efetiva de radiação média é de 36,9 a 50,3 µSv. Portanto, dependendo
do tipo de exame solicitado, a dose de radiação recebida pelo paciente não deve ser considerado fator limitante da indicação deste exame radiográfico.
Uma importante questão ainda permanece.
Durante o planejamento ortodôntico, existem diferenças entre as informações geradas por um exame em
duas dimensões (2D) com telerradiografia em norma
lateral convencional e com TCCB? As limitações das
imagens em 2D têm sido bastante estudadas na literatura32. Um estudo comparativo33 entre as medidas lineares dos cefalogramas laterais convencionais e TCCB
revelou que todas as informações obtidas com a TCCB
apresentaram maior acurácia sobre a cefalometria
tradicional. Apesar disso, esta diferença nas medidas
cefalométricas não é muito significativa34 a ponto de
interferir no planejamento ortodôntico.
Conclusão
A TCCB como método complementar de exame
é uma realidade, pois apresenta qualidade superior
das imagens quando comparada às radiografias convencionais.
Quando o ortodontista for utilizar somente
imagens em 2D derivadas da TCCB, isto representará
somente uma evolução em relação a qualidade das
imagens. Porém, quando for necessário utilizar ima-
Rev Pesq Saúde, 12(2): 51-54, maio-agost, 2011
Tomografia computadorizada Cone Beam em Ortodontia – evolução ou revolução? Visão geral, aplicações, vantagens/desvantagens e dose de radiação
gens em 3D, a TCCB apresentará potencial revolucionário de diagnóstico complementar.
A mudança de uma abordagem técnica é um
desafio que todo profissional tem que estar apto a
enfrentar. Para tomar a decisão, é necessário conhecimento e segurança da indicação. O bom senso deve
prevalecer.
Referências
1.
Kapila S, Conley RS, Harrell WE Jr. The current status of
cone beam computed tomography imaging in orthodontics. Dentomaxillofac Radiol, 2011; 40: 24-34.
2.
Hatcher DC. Operational principles for cone-beam computed tomography. J Am Dent Assoc, 2010; 141: 3S-6S.
3.
Arai Y, Tammisalo E, Iwai K, Hashimoto SK. Development
of ortho cubic super high resolution CT (Ortho-CT). In:
Car'98 Computed Assisted Radiology and Surgery. pp.
780-785. Amsterdam: Elsevier,1998.
4.
5.
Mozzo P, Procacci C, Tacconi A, Martini PT, Andreis IA. A
new volumetric CT machine for dental imaging based on
the cone-beam technique: preliminary results. Eur Radiol, 1998; 8: 1558-1564.
Farman AG, Scarfe WC. Development of imaging selection criteria and procedures should precede cephalometric assessment with cone-beam computed tomography. Am J Orthod Dentofacial Orthop, 2006; 130: 257265.
6.
De Vos W, Casselman J, Swennen GR. Cone-beam computerized tomography (CBCT) imaging of the oral and
maxillofacial region: a systematic review of the literature.
Int J Oral Maxillofac Surg, 2009; 38: 609-25.
7.
Patel N, Currier GF, Kadioglu O, Kierl JP, Skaggs VJ. A
CBCT comparison of anterior root resorption in
SureSmile and conventional edgewise treatments. Orthodontics, 2012; 13: 100-109.
8.
Kaeppler G. Applications of cone beam computed
tomography in dental and oral medicine. Int J Comput
Dent, 2010; 13: 203-219.
9.
Guo H, Zhou J, Bai Y, Li S. A three-dimensional setup
model with dental roots. J Clin Orthod, 2011; 45: 209216.
10.
11.
12.
13.
van Vlijmen OJ, Kuijpers MA, Bergé SJ, Schols JG, Maal TJ,
Breuning H, Kuijpers-Jagtman AM. Evidence supporting
the use of cone-beam computed tomography in orthodontics. J Am Dent Assoc, 2012; 143: 241-252.
Lorenzoni DC, Bolognese AM, Garib DG, Guedes FR,
Sant'anna EF. Cone-beam computed tomography and
radiographs in dentistry: aspects related to radiation
dose. Int J Dent, 2012; 81: 37-68.
Hunter AK, McDavid WD. Characterization and correction
of cupping effect artefacts in cone beam CT.
Dentomaxillofac Radiol, 2012; 41: 217-223.
Sampaio Neves F, de Camargo Souza T, Maria de
Almeida S, Haiter-Neto F, Queiroz de Freitas D, Norberto
Bóscolo F. Correlation of panoramic radiography and
cone beam computed tomography findings in the
assessment of the relationship between impacted mandibular third molars and the mandibular canal.
Dentomaxillofac Radiol, 2012; in press.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 51-54, maio-agost, 2011
14.
Alqerban A, Jacobs R, Fieuws S, Nackaerts O;
SEDENTEXCT Project Consortium, Willems G. Comparison of 6 cone-beam computed tomography systems for
image quality and detection of simulated canine
impaction-induced external root resorption in maxillary
lateral incisors. Am J Orthod Dentofacial Orthop, 2011;
140: 129-139.
15.
Nguyen T, Cevidanes L, Cornelis MA, Heymann G, de
Paula LK, De Clerck H. Three-dimensional assessment of
maxillary changes associated with bone anchored
maxillary protraction. Am J Orthod Dentofacial Orthop,
2011; 140: 790-798.
16.
Yang F, Jacobs R, Willems G. Dental age estimation
through volume matching of teeth imaged by cone-beam
CT. Forensic Sci Int, 2006; 159: S78-83.
17.
Lund H, Gröndahl K, Gröndahl HG. Cone beam computed
tomography evaluations of marginal alveolar bone before
and after orthodontic treatment combined with premolar
extractions. Eur J Oral Sci, 2012; 120: 201-211.
18.
Fricke-Zech S, Gruber RM, Dullin C, Zapf A, Kramer FJ,
Kubein-Meesenburg D, Hahn W. Measurement of the
midpalatal suture width. Angle Orthod, 2012; 82: 145-150.
19.
Stratemann S, Huang JC, Maki K, Hatcher D, Miller AJ.
Three-dimensional analysis of the airway with conebeam computed tomography. Am J Orthod Dentofacial
Orthop, 2011; 140: 607-615.
20.
Fuyamada M, Nawa H, Shibata M, Yoshida K, Kise Y,
Katsumata A, Ariji E, Goto S. Reproducibility of landmark
identification in the jaw and teeth on 3-dimensional
cone-beam computed tomography images. Angle
Orthod, 2011; 81: 843-849.
21.
Tsiklakis K, Syriopoulos K, Stamatakis HC. Radiographic
examination of the temporomandibular joint using cone
beam computed tomography. Dentomaxillofac Radiol,
2004; 33: 196-201.
22.
Sun Z, Smith T, Kortam S, Kim DG, Tee BC, Fields H. Effect
of bone thickness on alveolar bone-height measurements from cone-beam computed tomography images.
Am J Orthod Dentofacial Orthop, 2011; 139: 117-127.
23.
Bennemann R, Baxmann M, Keilig L, Reimann S, Braumann
B, Bourauel C. Evaluating miniscrew position using orthopantomograms compared to cone-beam computed tomography. J Orofac Orthop, 2012; 73: 236-248.
24.
Hamada Y, Kondoh T, Noguchi K, et al. Application of
limited cone beam computed tomography to clinical
assessment of alveolar bone grafting: a preliminary
report. Cleft Palate Craniofac J, 2005; 42: 128-137.
25.
Macchi A, Carrafiello G, Cacciafesta V, Norcinic A. Threedimensional digital modeling and setup. Am J Orthod
Dentofacial Orthop, 2006; 129: 605-610.
53
Fabre AF, Kina J, Verri ACG, Pereira ALP, Mendonça MR, Cuoghi OA
26.
Ahmed F, Brooks SL, Kapila SD. Efficacy of identifying
maxillofacial lesions in cone-beam computed tomographs by orthodontists and orthodontic residents with
third-party software. Am J Orthod Dentofacial Orthop,
2012; 141: 451-459.
27.
White SC, Mallya SM. Update on the biological effects of
ionizing radiation, relative dose factors and radiation
hygiene. Aust Dent J, 2012; 57: 2-8.
28.
Kwong JC, Palomo IM, Landers MA, Figueroa A, Hane MG.
Image quality produced by different cone-beam computed tomography settings. Am J Orthod Dentofacial
Orthop, 2008; 133: 317-327.
29.
Hatcher DC, Aboudara CL. Diagnosis goes digital. Am J
Orthod Dentofacial Orthop, 2004; 125: 512- 515.
30.
Grünheid T, Kolbeck Schieck JR, Pliska BT, Ahmad M,
Larson BE. Dosimetry of a cone-beam computed tomography machine compared with a digital x-ray machine
in orthodontic imaging. Am J Orthod Dentofacial Orthop,
2012; 141: 436-443.
54
31.
Ludlow JB, Davies-Ludlow LE, Brooks SL, Howerton WB.
Dosimetry of 3 CBCT units for oral and maxillofacial
radiology: CB Mercuray, NewTom 3G and i-CAT.
Dentomaxillofac Radiol, 2006; 35: 219-226.
32.
Cohnen M, Kemper J, Mobes O, Pawelzik J, Modder U.
Radiation dose in dental radiology. Eur Radiol, 2002; 12:
634-637.
33.
Adams GL, Gansky SA, Miller AJ, Harrell WE, Hatcher DC.
Comparison between traditional 2-dimensional
cephalometry and a 3-dimensional approach on human
dry skulls. Am J Orthod Dentofacial Orthop, 2004; 126:
397-409.
34.
Moshiri M, Scarfe WC, Hilgers ML, Scheetz JP, Silveira AM,
Farman AG. Accuracy of linear measurements from
imaging plate and lateral cephalometric images derived
from cone-beam computed tomography. Am J Orthod
Dentofacial Orthop, 2007; 132: 550-560.
Rev Pesq Saúde, 12(2): 51-54, maio-agost, 2011
NOTAS REDATORIAIS / NOTES TO AUTHORS
A Revista de Pesquisa em Saúde/Journal of Health Research,
órgão oficial do Hospital Universitário da Universidade Federal
do Maranhão - UFMA é publicada quadrimestralmente,
com o objetivo de promover e disseminar a produção de
conhecimentos e a socialização de experiências acadêmicas
na área de saúde, assim como possibilitar o intercâmbio
científico com programas de Pós-Graduação e Instituições de
pesquisas nacionais e internacionais.
The Journal of Health Research is an official organ of the
University Hospital of the Federal University of Maranhão UFMA. Our Journal publishes every four months and has as
an aim to promote and disseminate the development of
knowledge and the socialization of academic experiences
concerning to health, as well as the possibility of creating the
scientific exchange among postgraduate programs and
national and international research institutions.
Recomendamos aos autores a leitura atenta das instruções
abaixo antes de submeterem seus artigos à Revista de
Pesquisa em Saúde/Journal of Health Research:
We strongly advise all authors to read the instructions below
carefully before submitting manuscripts to the Journal of
Health Research.
a. Os trabalhos deverão vir acompanhados de carta de
apresentação assinada por seu(s) autor(es), autorizando
publicação do artigo e transferindo os direitos autorais à
Revista de Pesquisa em Saúde/Journal of Health Research.
a. The manuscripts must be accompanied by a cover letter
that must be signed by each author(s) authorizing the article
to be published and transferring the copyright to the Journal
of Health Research.
b. Na seleção de artigos para publicação, avaliar-se-á o mérito
científico do trabalho, sua adequação às normas e à política
editorial adotada pela revista. Nos trabalhos de pesquisa
envolvendo seres humanos deverá ser informado o nº do
parecer de aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da
instituição onde o mesmo foi aprovado.
b. In the selection of articles for publication, the scientific
merit of the research, adaptation to the standards and
editorial policy adopted by the Journal will be evaluated.
When reporting experiments on human subjects, the protocol
number of the Institution’s Research Ethics Committee where
the research was approved must be informed.
c. Os manuscritos, submetidos com vistas à publicação na
Revista de Pesquisa em Saúde/Journal of Health Research, são
avaliados inicialmente pela secretaria quanto à adequação das
normas. Em seguida, serão encaminhados no mínimo para 02
(dois) revisores (membro do Conselho Editorial ou consultor
ad hoc) para avaliação e emissão de parecer fundamentado,
os quais serão utilizados pelos editores para decidir sobre
a aceitação, ou não, do mesmo. Em caso de divergência de
opinião entre os avaliadores, o manuscrito será enviado a
um terceiro relator para fundamentar a decisão final. Será
assegurado o anonimato do(s) autor (es) nesse processo.
O Conselho Editorial se reserva o direito de recusar o texto
recebido e/ou sugerir modificações na estrutura e conteúdo
a fim de adequar aos padrões da revista. Os autores dos
manuscritos não aceitos para publicação serão notificados por
carta e/ou e-mail. Somente após aprovação final, os trabalhos
serão encaminhados para publicação.
c. The manuscripts submitted for publication in the Journal of
Health Research are firstly assessed by the editorial office for
adaptation to the standards. Afterwards, the manuscripts will
be addressed to a minimum of two reviewers (Member of the
Editorial Board or ad hoc consultant) that will evaluate and
issue a reasoned opinion to be used by the editor for deciding
whether the article is accepted or not. In case of opinion
divergence between the reviewers, the manuscript will be sent
to a third reviewer for reasoning the final decision. The
author(s) anonymity will be guaranteed in this process. The
editorial board reserves the rights of refusing the received text
and/or suggesting changes in the style and content in order to
follow the journal standards. The authors of manuscripts not
accepted for publication will be informed through letter
and/or email. Only after acceptance the articles will be
published.
d. A Revista de Pesquisa em Saúde/Journal of Health Research
não remunera o(s) autor(es) que tenham seus artigos nela
editados, porém lhes enviará 02 (dois) exemplares da edição
onde seu(s) texto(s) for(em) publicado(s).
d. The Journal of Health Research does not pay theauthor(s)
of article(s) edited by it, however, the journal will send two
issues where his/her/their text(s) was/were published.
e. Não serão publicados artigos que atentem contra a ética
profissional, que contenham termos ou idéias preconceituosas
ou que exprimam pontos de vista incompatíveis com a filosofia
de trabalho do Conselho Editorial e da política da revista.
f. Os conceitos, opiniões e demais informações contidos
nos textos, e publicados na Revista de Pesquisa em Saúde/
Journal of Health Research, são de inteira responsabilidade
do(s) autor (es).
1. Categorias das seções
Para fins de publicação, a Revista de Pesquisa em Saúde/
Journal of Health Research, publica nas seguintes seções:
editorial, artigos originais, artigos de revisão e atualização,
relatos de caso, relatos de experiência, comunicações breves
e relatórios técnicos elaborados por profissionais da área
da saúde e afins, redigidos em português ou inglês. Em
cada número, se aceitará a submissão de, no máximo, dois
manuscritos por autor.
1.1 Editorial: de responsabilidade do corpo editorial da revista,
que poderá convidar autoridade para redigi-lo.
1.2 Artigos originais: devem relatar pesquisas originais que
não tenham sido publicadas ou consideradas para publicação
em outros periódicos. Produção resultante de pesquisa de
natureza empírica, experimental, documental ou conceitual
com resultados que agreguem valores ao campo científico e
e. The articles that do not follow the professional ethics, as
well as those that show prejudice ideas or express
incompatible viewpoints with the journal’s policy and editorial
board philosophy towards work, will not be published.
f. The concepts, opinions and other information within the
texts, and published in the Journal of Heath Research are of
entire responsibility of author(s).
1.Categories of sections
For publication purposes, the Journal of Health Research
publishes in the following sections: original, review and
update articles, case and experience reports, editorial, short
communications and technical reports. The manuscripts must
be written in portuguese or english and elaborated by
professionals of health or related areas. In each issue number
the Journal will accept up to two manuscripts for submission
by each author.
1.1 Editorial: the Journal editorial body is responsible by
this type of submission. The Journal may invite an expert to
prepare it.
1.2 Original article: should report original research that has
not been previously published or considered for publication
in other journals. It is a manuscript that was resulted of
empirical, experimental, documental or conceptual research
and which may add values to the science field and practice of
many health areas. It should contain in its structure: resumo,
55
prático das diversas áreas da saúde. Deve conter na estrutura:
resumo, abstract, introdução, métodos, resultados, discussão
e referências (máximo de 6.000 palavras e cinco ilustrações).
1.3 Artigos de Revisão e Atualização: destinados a
apresentação de conhecimentos disponíveis baseados numa
avaliação crítica, científica, sistemática e pertinente de um
determinado tema (resumo estruturado de até 250 palavras,
máximo de 5.000 palavras, cinco ilustrações), e não apenas
revisão de literatura, e até três autores. Mesma formatação do
artigo original.
1.4 Relatos de Casos: devem ser relatos breves de casos
relevantes para divulgação científica com extensão máxima
de 1.500 palavras, com máximo de 3 ilustrações (tabelas
e figuras), até quinze referências. Colocar no corpo do
manuscrito os tópicos: introdução, relato de caso, discussão
e referências. Permitido-se máximo três autores.
abstract, introduction, methods, results, discussion, conclusion
and references (up to 6,000 words and five illustrations).
1.3 Review and update articles: have as an aim the
presentation of available knowledge based on critical,
scientific, systematic and relevant assessment of a particular
subject (abstract of up to 250 words, maximum of 5,000
words, five illustrations), they should not only be a literature
review and should be conducted of up to three authors. Same
format of the original article.
1.4 Case reports: relevant brief reports that should be
important to scientific publishing, with maximum of 1,500
words and three illustrations (tables and figures), up to ten
references. Devide your manuscript into sections: introduction,
case report, discussion and references. It is allowed up to
three authors.
1.5 Comunicações Breves: devem ser relatos sobre novos
resultados, interessante dentro da área de abrangência da
revista. Observação clínica original, ou descrição de inovações
técnicas, apresentadas de maneira breve, não excedendo a
1.700 palavras. Não colocar no corpo do manuscrito os tópicos:
introdução, métodos, resultados, discussão e conclusões.
Máximo três ilustrações e até quinze referências.
1.5 Short communications: should be reports about new
results and interesting for the knowledge area of the journal.
Original clinical observation or description of technical
innovations which should be presented briefly without
exceeding 1,700 words. Do not include in the body of the
manuscript the items: introduction, methods, results,
discussion and conclusions. Maximum of three illustrations
and up to fifteen references.
1.6 Relato de Experiência: descrição de experiências
acadêmicas, assistenciais e de extensão. A relevância de
um relato de experiência está na pertinência e importância
dos problemas que nele se expõem, assim como o nível de
generalização na aplicação de procedimentos ou de resultados
da intervenção em outras situações similares, ou seja, serve
como uma colaboração à práxis metodológica. Formato de
artigos originais.
1.6 Experience Report: description of academic, assistance,
and extension experiences. The relevance of an experience
report is the relation and importance of problems that are
shown by it, as well as the level of generalization in the
procedures application and results of interventions in other
similar situations, in other words, it serves as collaboration to
the methodological praxis. Format of original articles.
1.7 Relatórios Técnicos: devem ser precisos e relatar os
resultados e recomendações de uma reunião de experts. Será
considerado no formato de um editorial.
2. Forma e Estilo
2.1 Os artigos devem ser concisos e redigidos em português
ou Inglês. As abreviações devem ser limitadas aos termos
mencionados repetitivamente, desde que não alterem o
entendimento do texto, e devem ser definidas a partir da sua
primeira utilização. Cada parte do artigo deve ser impressa em
páginas separadas na seguinte ordem: 1) Página de Títulos; 2)
Resumo e Palavras-chave; 3) Abstract e Keywords; 4) Texto; 5)
Referências; 6) E-mail, para a correspondência; 7) Ilustrações
e legendas; 8) Tabelas; 9) Outras informações.
2.2 Os manuscritos dever ter as referências elaboradas de
acordo com as orientações do International Committee of
Medical Journal Editors Vancouver Group (www.icmje.org), e
do International Committee of Medical Journal Editors Uniform
Requirements for Manuscripts Submitted to Biomedical
Journals: sample references (http://www.nlm.nih.gov/bsd/
uniform_requirements.html.
2.3 O manuscrito deve ser preparado usando software padrão
de processamento de texto e deve ser impresso (fonte arial,
tamanho 12) com espaço duplo em todo o texto, legendas
para as figuras e referências, margens com pelo menos três
cm. Abreviações devem ser usadas com moderação.
1.7 Technical Reports: should be accurate and report results
and recommendations of an assembly of experts. It will be
considered in an editorial format.
2 Format and Style
2.1 The articles should be concise and written in Portuguese
or English. Abbreviations should be limited to the terms
mentioned repeatedly. The spelled-out abbreviation followed
by the abbreviation in parenthesis should be used on first
mention. The abbreviation should be used unless it will not
alter the text comprehension. Each part of the article should
be printed on separate pages in the following order: 1) Titles
Page, 2) Resumo and Descritores, 3) Abstract and Keywords;
4) Text, 5) References, 6) e-mail for correspondence, 7)
Illustrations and captions, 8) Tables, 9) Other information.
2.2 The references of manuscripts should follow the norms
established by the International Committee of Medical
Journal Editors Vancouver Group (www.icmje.org) and the
International Committee of Medical Journal Editors Uniform
Requirements for Manuscripts Submitted to Biomedical
Journals: sample references (http://www.nlm.nih.gov/bsd/
uniform_requirements.html).
2.3 The manuscript should be prepared using standard word
processing software and should be printed (arial, font size
12) double-spaced throughout the text, figures captions, and
references, with margins of at least 3cm. Abbreviations should
be used sparingly.
3. Organização dos manuscritos
3. Manuscripts structure
3.1 Página de Título: página não numerada, contendo o título
do artigo em português (digitada em caixa alta e em negrito
com no máximo 15 palavras), inglês (somente em caixa alta).
Nome completo dos autores digitados em espaço duplo na
margem direita da página indicando em nota de rodapé a
titulação do (s) autor (es) e instituição (es) de vinculo (s) e
endereço para correspondência: nome do autor responsável e
e-mail.
56
3.1 Title Page: not numbered, containing the title of the article
in Portuguese (typed in capital letters and boldface with a
maximum of 15 words), English (only with capital letters),
authors’ full name typed in double-spaced on the right margin
of the page, and a footnote indicating the title of author (s)
and institution(s) to which they are affiliated and his/her/their
correspondence address (es): name of the corresponding
author and email.
3.2 Resumo: deve conter no máximo 250 palavras, em caso
de Artigo Original e Atualização, e 100 para Relatos de Casos,
Comunicações Breves e Relato de Experiência. Devem ser
estruturados, contendo introdução, objetivo(s), métodos,
resultado(s) e conclusão (es).
3.3 As palavras-chaves: e seus respectivos Key Words
devem ser descritores existentes no DeCS-Bireme (http://
decs.bvs.br).
3.4 Introdução: deve indicar o objetivo do trabalho e a hipótese
formulada. Informações que situem o problema na literatura
e suscitem o interesse do leitor podem ser mencionadas.
Devem-se evitar extensas revisões bibliográficas, histórico,
bases anatômicas e excesso de nomes de autores.
3.5 Ética: toda pesquisa que envolve seres humanos e
animais deve ter aprovação prévia da Comissão de Ética em
Pesquisa, de acordo com as recomendações da Declaração
de Helsinki e as Normas Internacionais de Proteção aos
Animais e a resolução nº 196/96 do Ministério da Saúde
sobre pesquisa envolvendo seres humanos. O artigo deve
ser encaminhado juntamente com o parecer do Comitê de
Ética em Pesquisa (CEP).
3.2 Abstract: should not exceed two hundred words for
original or update article, and a hundred for Case reports,
Short communications and Experience report. It should be
structured with the objective, material and methods, results
and the conclusions. Note: when the article is written in
English the abstract must come before the resumo.
3.3 Keywords: should be used descriptors from the DeCSBIREME (http://decs.bvs.br).
3.4 Introduction: should provide the objective of the study
and a formatted hypothesis. Information which indentifies
the problem in the literature and draws the reader's interest
may be mentioned. Detailed literature reviews, natural history,
anatomical basis and excessive number of authors should
be avoided.
3.5 Ethics: any research involving experiments on humans
and animals must have a prior approval from the Research
Ethics Committee, according to the Helsinki Declaration,
International Animal Protection and Resolution
n°196/96
of the Ministry of Health about research involving humans.
The article should be addressed along with the opinion of the
Committee of Ethics in Research (CEP).
3.6 Métodos: o texto deve ser preciso, mas breve, evitando-se
extensas descrições de procedimentos usuais. É necessário
identificar precisamente todas as drogas, aparelhos, fios,
substâncias químicas, métodos de dosagem, etc., mas
não se deve utilizar nomes comerciais, nomes ou iniciais
de pacientes, nem seus números de registro no Hospital.
A descrição do método deve possibilitar a reprodução dos
mesmos por outros autores. Técnicas-padrões precisam
apenas ser citadas.
3.6 Methods: the text should be accurate although brief,
avoiding extensive descriptions of usual procedures. It is
necessary to precisely identify all drugs, devices, wires,
chemicals, methods of measurement and so on. Do not use
trade names, patient initials or names, or their hospital
registration numbers. The method description should enable
its reproduction by others. Standard techniques need only
be cited.
3.7 Resultados: devem ser apresentados em sequência lógica
no texto, e exclusivamente neste item, de maneira concisa,
fazendo, quando necessário, referências apropriadas a tabelas
que sintetizem achados experimentais ou figuras que ilustrem
pontos importantes. O relato da informação deve ser conciso
e impessoal. Não fazer comentários nesta sessão, reservandoos para o capitulo Discussão.
3.7 Results: should be presented in logical sequence in the
text. Only in this item, when necessary, and in a concise
manner, appropriate references should be done to tables that
summarize experimental findings or figures that illustrate
important points. The information report must be concise
and impersonal. Do not make comments on this section. All
comments must be reserved for the Discussion chapter.
3.8 Discussão: deve incluir os principais achados, a validade
e o significado do trabalho, correlacionando-o com outras
publicações sobre o assunto. Deve ser clara e sucinta evitandose extensa revisão da literatura, bem como hipóteses e
generalizações sem suporte nos dados obtidos no trabalho.
Neste item devem ser incluída(s) a(s) conclusão(es) do trabalho.
3.8 Discussion: should include main findings, the validity and
meaning of the work, correlating it with other publications
about the subject. It should be clear and concise by avoiding
detailed literature review as well as hypothesis and
generalizations without support from data obtained in the
study. In this item should be included the conclusions.
3.9 Referências: devem ser numeradas consecutivamente, na
medida em que aparecem no texto. Listar todos os autores
quando houver até seis. Para sete ou mais, listar os seis
primeiros, seguido por “et al”. Digitar a lista de referência
com espaçamento duplo em folha separada. Citações no texto
devem ser feitas pelo respectivo número das referências,
acima da palavra correspondente, separado por vírgula (Ex.:
inteligência 2, 3, 4,.). As referências citadas deverão ser
listadas ao final do artigo, em ordem numérica, seguindo as
normas gerais dos Requisitos Uniformes para Manuscritos
Apresentados a Periódicos Biomédicos (http://www.hlm.nih.
gov/citingmedicine/). Os títulos dos periódicos devem ser
abreviados de acordo com o estilo usado no “Index medicus”
(Consulte:
http://ncbi.nlm.nih.gov/sites/entrez?db=journal&
TabCmd=limits).
3.9 References: should be numbered consecutively according
to the order in which they are mentioned in the text. All
authors should be mentioned when up to six. When there are
more than six authors, you should list all the six authors
followed by “et al”. The list of references should be typed
double-spaced and on a separate page. Citations in the text
should be made by the respective number of references, above
the corresponding word and separated by comma (e.g.:
Knowledge 2, 3, 4,). All cited references should be listed at the
end of the article in numerical order, following the general
rules of the Uniform Requirements for Manuscripts Submitted
to Biomedical Journals (http://www.nlm.nih.gov/citingmedicine
/). The titles of journals should be abbreviated according to
the style used in "Index medicus" (http://ncbi.nlm.nih.gov/
sites/entrez?= journal&db=TabCmd=limits).
- Todas as referências devem ser apresentadas de modo
correto e completo. A veracidade das informações contidas na
lista de referências é de responsabilidade do(s) autor(es).
- All references must be presented in a correct and complete
manner. The veracity of the information contained in the list
of references is of author(s)’s responsibility.
- No caso de usar algum software de gerenciamento
de referências bibliográficas (Ex. EndNote®), o(s) autor(es)
deverá(ão) converter as referências para texto.
- When using a reference management software (e.g.
EndNote®), the author(s) must convert the references to text.
4. Fontes de financiamento
4. Funding sources
57
4.1 Os autores devem declarar todas as fontes de financiamento ou suporte, institucional ou privado, para a realização
do estudo.
4.2 Fornecedores de materiais ou equipamentos, gratuitos
ou com descontos também devem ser descritos como fontes
de financiamento, incluindo a origem (cidade, estado e país).
4.3 No caso de estudos realizados sem recursos financeiros
institucionais e/ou privados, os autores devem declarar que a
pesquisa não recebeu financiamento para a sua realização.
4.1 The authors must declare all sources of funding or
support, institutional or private, used to perform the study.
4.2 Suppliers of materials or equipments free or with discount,
must also be described as sources of funding, including the
origin (city, state and country).
4.3 Authors with studies without institutional or private
financial resources must state that the research did not
receive funding for its implementation.
5. Conflict of interest
5. Conflito de interesses
5.1 Os autores devem informar qualquer potencial conflito
de interesse, incluindo interesses políticos e/ou financeiros
associados a patentes ou propriedade, provisão de materiais
e/ou insumos e equipamentos utilizados no estudo pelos
fabricantes.
6.Colaboradores
6.1 Devem ser especificadas quais foram as contribuições
individuais de cada autor na elaboração do artigo.
6.2 Lembramos que os critérios de autoria devem basearse nas deliberações do Internacional Commitee of Medical
Journal Editors, que determina o seguinte: o reconhecimento
da autoria deve estar baseado em contribuição substancial
relacionada aos seguintes aspectos: 1.Concepção e projeto
ou análise e interpretação dos dados; 2. Redação do artigo ou
revisão crítica relevante do conteúdo intelectual; 3. Aprovação
final da versão a ser publicada. Essas três condições devem
ser integralmente atendidas.
7.Agradecimentos
7.1 Possíveis menções em agradecimentos incluem instituições
que de alguma forma possibilitaram a realização da pesquisa
e/ou pessoas que colaboraram com o estudo, mas que não
preencheram os critérios para serem co-autores.
8. Envio e submissão
Os artigos deverão ser entregues em cópia impressa e um CD
na Diretoria Adjunta de Ensino, Pesquisa e Extensão, localizada
no 4º andar da Unidade Presidente Dutra (HUUPD) - Rua Barão
de Itapary, 227 - Centro. CEP.: 65020-070, São Luís-MA. Brasil.
Telefone para contato: (98) 2109-1242, ou encaminhados por
meio do e-mail: [email protected]
5.1 Authors are requested to disclose any potential conflict
of interest, including political and/or financial interests
associated with patents or property, materials and / or
supplies provision and equipments used in the study by
manufacturers.
6. Collaborators
6.1 It should be specified the individual contributions of each
author in the preparation of the article.
6.2 We remind you that the criteria for authorship should be
based on the deliberations of the International Committee of
Medical Journal Editors that states the following: recognition
of authorship should be based on substantial contributions
to: 1. Conception and design or analysis and interpretation
of data, 2. Article preparation or critical review of intellectual
content; 3. Final approval of the version to be published. These
three conditions must be fully met.
7. Acknowledgments
7.1 Possible acknowledgments include institutions that
somehow provided help for the research and / or people who
collaborated with the study, but that did not meet the criteria
for co-authors.
8. Sending the submission
Articles should be delivered as an impressed copy and on a
CD in the Adjunct Directory of Teaching, Research and
Extention, located on the 4th floor of the President Dutra Unit
(HUUPD) - Rua Barão de Itapary, 227 - Centro. CEP.: 65020070, São Luís, MA. Brazil. Phone: +55 (98) 2109-1242, or it
may be sent via e-mail: [email protected]
9. Examples of reference styles:
9. Exemplos de formas de referências:
9.1 Em Revista: Autor. Título do artigo. Título da Revista
(itálico). Ano; volume (número): páginas. Jordan PH, Thonrby
J. Twenty years after parietall cell vagotomy antrectomy for
treatment of duodenal ulcer. Ann Surg, 1994; 220(3): 283-296.
9.2 Em Livro: Autor. Título (itálico). Edição. Local de Publicação:
Editora; ano da publicação. Bogossian L. Choque séptico: recentes avanços de fisiopatologia e do tratamento. 2 ed. Rio de
Janeiro: Atheneu; 1992.
9.3 Em Capitulo de Livro: Autor do capítulo. Título do capítulo
(Itálico). In: Autor do livro. Título do livro. Edição. Local de
publicação: Editora; ano de publicação; páginas. Barroso
FL, Souza JAG. Perfurações pépticas gástricas e duodenais.
In Barroso FL, Vieira OM, editores. Abdome agudo não
traumático: Novas propostas. 2. Ed. Rio de Janeiro: Robe;
1995. p. 201- 220.
9.4 Em Monografia/Dissertação/Tese. Autor. Título (Itálico)
[Dissertação]. Local (Estado): Universidade; Ano; Páginas.
Chinelli A. Colecistectomia laparoscópica: estudo de 35 casos.
[Dissertação]. Niterói (RJ): Universidade Federal Fluminense;
1992. 71 p.
58
9.1 Journal: Author. Article title. Journal title (italics). year;
volume (number): pages. Jordan PH, Thonrby J. Twenty years
after vagotomy antrectomy parietall cell for treatment of
duodenal ulcer. Ann Surg, 1994; 220 (3): 283-296.
9.2 Book: Author. Title (italics). Edition. Place of Publication:
Publisher; year of publication. Bogossian L. Choque séptico:
recentes avanços de fisiopatologia e do tratamento. 2 ed. Rio
de Janeiro: Atheneu; 1992.
9.3 Chapter in Book: Author of the chapter. Chapter title
(italics). In: Author of the book. Title of book. Edition. Place
of publication: Publisher; year of publication; pages. Barroso
FL, Souza JAG. Perfurações pépticas gástricas e duodenais. In
Barroso FL, Vieira OM, editors. Abdome agudo não
traumático: Novas propostas. 2. ed. Rio de Janeiro: Robe;
1995. p. 201-220.
9.4 Monograph/Dissertation / Thesis. Author. Title (italic)
[Dissertation]. Place (State): University; Year; pages. Chinelli A.
Colecistectomia laparoscópica: estudo de 35 casos.
[Dissertation]. Niterói (RJ): Universidade Federal Fluminense;
1992. 71 p.
9.5 Em Material eletrônico:
9.5 Electronic Material:
I. Artigo: Autor. Título do artigo. Título do periódico [Tipo de
material] Ano Mês [capturado ano mês dia]; volume (número);
[número de telas] Disponível em: endereço eletrônico. Morse
SS. Factors in the emergence of Infectious Diseases. Emerg I
infect diseases [serial online] 1995 Jan/mar [capturado 1996
jun 5]; 2 (2): [24 telas] Disponível em: http://www.cdc.gov/
ncidod/EID/eid.htm.
I. Article: Author. Article title. Journal Title [Type of material]
year month [cited year month day]; volume (number); [number
of screens] Available from: electronic address. Morse SS.
Factors in the emergence of Infectious Diseases. I Emerg infect
diseases [serial online] 1995 Jan-Mar [cited 1996 Jun 5]; 2
(2): [24 screens] Available at: http://www.cdc.gov/ncidod/
EID/eid.htm.
II. Arquivo de Computador: Título [tipo de arquivo]. Versão.
Local (Estado) Editora; ano. Descrição Física da mídia.
Hemodynamics III: The ups and downs of hemodynamics
[computer program]. Version 2.2 Orlando (FL): Computerezid
Educational Systems; 1993.
II. Computer File: Title [File Type]. Version. Place (State)
Publisher; year. Descrição Física da mídia. Hemodynamics
III: The ups and downs of hemodynamics [computer
program]. Version 2.2 Orlando (FL): Computerezid
Educational Systems; 1993.
III. Monografia em formato eletrônico: Título [tipo de material],
Responsável. Editor. Edição. Versão. Local: Editora; ano: CDI,
Clinical dermatology illustrated [monograph on CD-ROM].
Reeves JTR, Mailbach H. CMEA Multimedia Group, producers.
2nd ed. Version 2.0. San Diego: CMEA; 1965. Notas: Todas
as notas do título, dos autores ou do texto devem ser
indicadas por algarismos arábicos, e ser impressas em páginas
separadas, espaço simples.
III. Monograph in electronic format: Title [type of material],
Responsible. Editor. Edition. Version. Place: Publisher; year:
CDI, Clinical dermatology illustrated [monograph on CD-ROM].
Reeves JTR, Mailbach H. CMEA Multimedia Group, producers.
2nd ed. Version 2.0. San Diego: CMEA; 1965.
IV. CD-Rom, DVD: Autor(es). Título [tipo do material].
Cidade de publicação: produtora; ano. Anderson SC, Poulsen
KB. Anderson's electronic atlas of hematology [CD-ROM].
Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2002.
9.6 Em Anais de Congresso: Autor(es) do trabalho. Título
do trabalho (itálico). Título do evento; data do evento; local
e cidade do evento; editora; ano de publicação. Christensen
S, Oppacher F. An analysis of Koza's computational effort
statistic for genetic programming. In: Foster JA, Lutton E, Miller
J, Ryan C, Tettamanzi AG, editores. Genetic programming.
EuroGP 2002: Proceedings of the 5th European Conference
on Genetic Programming; 2002 Apr 3-5; Kinsdale, Ireland.
Berlin: Springer; 2002. p. 182-91.
9.7 Em Artigo de Jornal: Autor do artigo. Título do
artigo (itálico). Nome do jornal. Data; Seção: página (coluna).
Tynan T. Medical improvements lower homicide rate: study
sees drop in assault rate. The Washington Post. 2002 Aug
12; Sect. A: 2 (col. 4).
10 Tabelas
Devem ser numeradas com algarismos arábicos encabeçadas
por suas legendas e explicações dos símbolos no rodapé e
digitadas separadamente, uma por página. Cite as tabelas no
texto em ordem numérica incluindo apenas dados necessários
à compreensão de pontos importantes do texto. Os dados
apresentados em tabelas não devem ser repetidos em
gráficos. A montagem das tabelas deve seguir as Normas de
Apresentação Tabular, estabelecidas pelo Conselho Nacional
de Estatísticas (Rev. Bras. Est., 24: 42-60, 1963. As tabelas
deverão ser elaboradas no programa Microsoft Word).
11 Ilustrações
São fotografias (boa resolução mínimo de 300 dpi, no formato
TIFF), mapas e ilustrações (devem ser vetorizadas ou seja
desenhada utilizando os sotwares CorelDraw ou Ilustrator
em alta resolução, e suas dimensões não devem ter mais
que 21,5x28,0cm) gráficos, desenhos, etc., que não devem
ser escaneadas e de preferência em preto e branco, medindo
127mm x 178mm. As ilustrações, em branco e preto serão
reproduzidas sem ônus para o(s) autor(es), mas lembramos
que devido o seu alto custo para a Revista, devem ser limitadas
a 5 (cinco) entre tabelas e figuras para artigos originais e
3 (três) para relatos de casos, e utilizadas quando estritamente
necessárias. Todas as figuras devem ser referidas no texto,
sendo numeradas consecutivamente por algarismo arábico.
Cada figura deve ser acompanhada de uma legenda que a
IV. CD-Rom, DVD: Author (s). Title [type of material]. City
of publication: producer; year. Anderson SC, Poulsen
KB. Anderson's electronic atlas of hematology [CD-ROM].
Philadelphia:
Lippincott
Williams
&
Wilkins;
2002.
9.6 Proceedings of Congresses: Author (s) of the work. Title of
the work (italics). Title of event; event date; venue and city of
event; publisher; year of publication. Christensen S, Oppacher
F. An analysis of Koza's computational effort statistic for
genetic programming. In: Foster JA, Lutton E, Miller J, Ryan
C, Tettamanzi AG, editors. Genetic programming. EuroGP
2002: Proceedings of the 5th European Conference on Genetic
Programming; 2002 Apr 3-5; Kinsdale, Ireland. Berlin:
Springer; 2002. p. 182-91.
9.7 Journal article: Author of the article. Article title (italics).
Name of the newspaper. Date; Section: Page (column). Tynan
T. Medical improvements lower homicide rate: study sections
drop in assault rate. The Washington Post. 2002 Aug 12;
Sect. A: 2 (col. 4).
10 Tables
They should be numbered with Arabic numerals, explained
by captions, with explanations of symbols in the footnote and
prepared separately, one per page. Cite the tables in the text
in numerical order including only data needed to understand
important points. The data presented in tables should not be
repeated in graphs. The preparation of tables should follow
the Tabular Presentation Guidelines established by the
National Statistics Council (Rev. Bras. Est., 24: 42-60, 1963.
The tables should be prepared in Microsoft Word software).
11 Illustrations
They are photographs (good minimum resolution of 300 dpi,
in TIFF format), maps and illustrations (vector illustrations,
in other words, to be drawn using Illustrator or CorelDraw
sotwares at high resolution, in black and white, and the
dimensions must be no more than 21.5 x28. 0cm), graphics,
drawings, and so on. They should not be scanned and should
be preferably in black and white, measuring 127mm x
178mm. The illustrations in black and white will be
reproduced at no charge for the author (s). Remember that
because of the high cost for the Journal it should be provided
up to five (5) illustrations between tables and figures for
original articles and 3 (three) for case reports, using only
when strictly necessary. All figures must be mentioned in the
text, numbered consecutively in Arabic numerals. Each figure
must be accompanied by a caption that makes it clear without
reference to the text. The illustrations must be identified on
59
torne inteligível sem referencia ao texto. Deve ser identificada
no verso, por meio de uma etiqueta, com o nome do autor e
numeração para orientação. Os desenhos e gráficos podem
ser feitos em papel vegetal com tinta nanquim, sendo as
letras desenhadas com normógrafo ou sob forma de letra
“set” montadas, ou ainda, utilizando impressora jato de tinta
ou laser, com boa qualidade, e nunca manuscritas.
Obs: Todas as notas do título, dos autores ou do texto devem
ser indicadas por algarismos arábicos, e ser impressa em
páginas separadas.
60
the back using a label, with the author's name, and numbered
for better identification. The drawings and graphs may be
made on tracing paper with nankeen ink, with the letters
being drawn with a stencil or letter template set, or still, using
inkjet or laser printer, with good quality, and not handwritten.
Please Note: All notes of the title, author or text should be
indicated by Arabic numerals, and printed on separate pages.
© 1995 Revista de Pesquisa em Saúde / Journal of Health Research
v.12 n.2 maio-agos/2011
ISSN 2236-6288
SUMÁRIO / SUMMARY
EDITORIAL
7
Editorial
Perfil da Revista de Pesquisa em Saúde / Journal of Health Research
ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES
9
O perfil postural do idoso asilado e sua relação com o nível de equilíbrio postural
The postural profile of the institutionalized elderly people and its relation with the level of postural balance
Jean Carlos Sousa de Santana, Bismarck Ascar Sauaia e Karla Virgínia Bezerra de Castro Soares
13
Percepção de primigestas adolescentes sobre saúde bucal
Oral health perception of teenage primiparous women
Bruna Ferreira Amorim, José Ferreira Costa e Elizabeth Lima Costa
18
Perfil dos processos por erro médico em São Luís - MA
Profile of medical error lawsuits in São Luís - Maranhão
Deíla Barbosa Maia, José de Albuquerque Figueiredo Neto, Sonayra Brusaca Abreu, Diego Salvador Muniz da Silva
e Luciane Maria Oliveira Brito
23
Avaliação dos aspectos éticos da publicidade e propaganda odontológica divulgadas por profissionais em
São Luís - MA
Assessment of ethical aspects of advertising and propaganda disseminated by dental professionals in São Luís Maranhão
Ana Laíssa Gomes Martins, Maria Aparecida Costa, Marcelo Victor Gomes dos Reis, Lorena Lúcia Costa Ladeira,
Elizabeth Lima Costa e José Ferreira Costa
27
Avaliação da intensidade da luz dos aparelhos fotopolimerizadores utilizados em clínicas odontológicas
de São Luís - MA
Light intensity evaluation of light curing units used in dental clinics of São Luís - Maranhão
Samantha Ariadne Alves de Freitas, José Ferreira Costa e José Roberto Oliveira Bauer
32
Nível de atividade física de servidores idosos em período de pré-aposentadoria da Universidade Federal
do Maranhão - UFMA
Level of physical activity of servers in elderly pre-retirement period of the University of Maranhão - Brasil
Carolina Abreu de Carvalho, Poliana Cristina de Almeida Fonsêca, Alessandra Gaspar Sousa e Soraia Pinheiro
Machado
38
Doença hipertensiva específica da gravidez: o envolvimento de puérperas com o autocuidado
Specific hypertensive disease of pregnancy: the participation of puerperas with self-care
Cláudia Teresa Frias Rios, Elba Gomide Mochel, Thais Natália Araújo Botentuit e Viviane de Sá Coêlho Silva
44
Análise dos óbitos por neoplasia pulmonar em São Luís - MA
Analysis of pulmonary neoplasia mortality data in São Luís - Maranhão
Caroline Carvalho Velasquez, Herica Araújo Costa, Paulo Roberto Cabral Passos, Samara dos Santos Ribeiro, Wene
Jéssica Pereira Mendonça e Lorena Lauren Chaves Queiroz
RELATO DE CASO / CASE REPORT
48
Linfangioma de cavidade bucal: relato de caso clínico
Oral lymphangioma: case report
Erika Martins Pereira, Melaine de Almeida Lawall e Waltair Maria Martins Pereira
ARTIGO DE REVISÃO / REVIEW ARTICLE
51
Tomografia computadorizada Cone Beam em Ortodontia – evolução ou revolução?
Visão geral, aplicações, vantagens/desvantagens e dose de radiação
Cone Beam computed tomography in orthodontia - evolution or revolution?
Overview, applications, advantages/disadvantages and radiation dose
Aubrey Fernando Fabre, Juliana Kina, Ana Caroline Gonçales Verri, Alex Luiz Pozzobon Pereira, Marcos Rogério
de Mendonça e Osmar Aparecido Cuoghi