Versão Portuguesa - Paper And Cotton

Сomentários

Transcrição

Versão Portuguesa - Paper And Cotton
Número 2 - JAN / FEV / MAR 2013
PREÇO EDIÇÃO: 3,50€
Paper Cotton
and
ISSN 2182-7818
Living and Loving your Creative Self
Arte com Dominós
Place in Time
Atelier Susana Tavares
* DECORAÇÃO * PÁSCOA * DIA DO PAI * CULINÁRIA * SAÚDE *Paper and Cotton 1
Ficha Técnica
PAPER AND COTTON
Feliz
Ano Novo!
Chegou o novo ano e com ele a nossa 2ª edição. Congratulo-me de poder
dizer que a primeira foi um sucesso; recebemos parabéns e palavras de
Editor: Carla Pimentel
Diretor Geral: Carla Pimentel
Fotografia: Paulo Pimentel, Carla
Pimentel
Diretor de Publicidade: Paulo
Pimentel
Telefone: 00 351 914535871
Edição, Design, Tratamento Digital
e Paginação:
NU*DES • www.nu-des.pt
Colaboradores nesta edição:
PanoPraMantas, Maria Pipoca,
Susana Tavares, Teresa Rebelo,
Maria da Luz Freitas, Ângela
Carneiro, Clarisse Almeida.
Propriedade: Paulo Pimentel
Administração e Redação:
incentivo de muitas pessoas, até de outros países!
Nesta edição poderão experimentar criar originais formas de arte com
objetos do quotidiano (dominós), decorar peças de roupa com carimbos,
embelezar as vossas roupas com um cinto alegre, conhecer a simpática
Susana Tavares e a sua arte, entre muitas outras sugestões.
Num trimestre onde se celebra o dia do pai, sugerimos que presenteie o seu
com a doce sugestão da Teresa Rebelo, os Bigodes de chocolate.
Já pensou na Páscoa dar uma escapada à ilha com o mesmo nome?
Fique também a conhecer uma doença ocular que é a principal causa de
cegueira dos países desenvolvidos.
Desejo a todos um excelente ano de 2013.
Até breve.
Avenida do Rosal, 131 H4
4470-111 Maia
Portugal
Email:
[email protected]
ISSN 2182-7818
Direitos reservados de todos os
trabalhos, desenhos e esquemas.
É proibida a reprodução parcial
ou total por quaisquer meios sem
expressa autorização escrita do
editor.
2 Paper and Cotton
Carla Pimentel
(editora)
As escolhas
da editora!
Arte com Dominós
Uma forma original de
arte de tamanho reduzido.
Organizador de Bolsa
Place in Time
Um objeto muito útil para que
encontre tudo rapidamente na
sua bolsa.
Um calendário / mini-álbum
para registar os melhores
acontecimentos da sua vida ao
longo de 2013.
Paper and Cotton 3
Paper and Cotton
6
Índice
10
28
32
Paper and Cotton
Paper and Cotton Papercrafting
Paper and Cotton Costura Criativa
Carta da Editora
Moldura LOVE!
Cinto de Flores de tecido
PAG: 2
PAG: 14
PAG: 22 / 25
---------------------------------
---------------------------------
---------------------------------
Paper and Cotton
Paper and Cotton Patchwork
Paper and Cotton Carimbos
As escolhas da Editora
Coração de Alfazema
T-Shirt carimbada
PAG: 3
PAG: 15
PAG: 26 / 27
---------------------------------
---------------------------------
---------------------------------
Paper and Cotton Mixed Media Art
Paper and Cotton Patchwork
Paper and Cotton Cartões
Arte com Dominós
Técnica do Paper-Piecing
Cartões
PAG: 6 / 9
PAG: 16 / 19
PAG: 28 / 31
---------------------------------
---------------------------------
---------------------------------
Paper and Cotton Entrevista
Paper and Cotton Decoração
Paper and Cotton Costura Criativa
Coroa de Páscoa
Organizador de Bolsa
PAG: 10 / 13
PAG: 20 / 21
PAG: 32 / 33
---------------------------------
---------------------------------
---------------------------------
Atelier Susana Tavares
4 Paper and Cotton
34
36
40
Paper and Cotton Scrapbooking
Paper and Cotton Viagens
Place in time
Ilha da Páscoa
PAG: 34 / 35
PAG: 44 / 55
---------------------------------
---------------------------------
Paper and Cotton Culinária
Paper and Cotton Correio
Bigodes de Chocolate
Correio
PAG: 36 / 37
PAG: 56 / 57
---------------------------------
---------------------------------
Paper and Cotton Culinária
Paper and Cotton Esquemas
Ovos de Páscoa decorados
Esquemas
PAG: 38 / 39
PAG: 58 / 59
---------------------------------
---------------------------------
Paper and Cotton Saúde
Paper and Cotton Número
D.M.I.
Novo número
PAG: 40 / 43
PAG: 60
---------------------------------
---------------------------------
44
Na Capa um trabalho que
poderá encontrar
na página 20
Paper and Cotton 5
Paper and Cotton
Mixed Media Art
Arte com dominós
Mini album e tela
Por: Carla Pimentel
Na minha infância aprendi, tal como muitas crianças, a jogar dominó.
Há uns meses atrás descobri que estas pequenas peças permitem fazer
originais obras de arte, com um encanto especial pelo seu reduzido tamanho!
As hipóteses são imensas...aqui ficam dois exemplos dessa forma de arte.
6 Paper and Cotton
Materiais Mini-Álbum
- 2 peças de dominó
- Alcohol inks nas cores:
Stonewashed e Mixative Copper
- Alcohol Blending Solution
- Aplicador Inkssentials com feltro
- Coleção Bird Song da Graphic 45 8”x8” pad
- Cartolina preta
- Carimbo “Oriental” da Kaisercraft
- Almofada para carimbo Memento Tuxedo Black
- Bo Bunny Buttons – coleção Serenity
- Fita preta
- Cola
- Fita cola de dupla face
- Glossy accents
- Tesoura
- Luvas descartáveis
(as tintas a álcool mancham as mãos)
Materiais Tela
- 7 peças de dominó
- Tela com 12x12 cm
- Tinta acrílica Americana Indian Turquoise
(a primeira tinta aplicada sobre a tela)
- Distress ink: Weathered wood e Faded Jeans
(aplicadas juntas sobre a tinta acrílica)
- Alcohol inks nas cores: Stonewashed e Mixative
Copper (para o fundo da tela) e Watermelon, Pink
Sherbet, Latte, Butterscotch e Mixative Pearl para
colorir as peças de dominó
- Alcohol Blending Solution
- Aplicador Inkssentials com feltro
- Coleção Bird Song da Graphic 45 8”x8” pad
- Cartolina preta
- Carimbo “Oriental” da Kaisercraft
- Almofada para carimbo Memento Tuxedo Black
- Carimbo da Crafty Individuals nºCI-329
com motivo de gaiola
- Embossing Stamp Pad
- Pó Ultrathick Embossing Crystals Bonze Lustre
- Pistola para Emboss
- Bo Bunny Buttons – coleção Serenity
- Glossy accents
- Tesoura
- Luvas descartáveis
(as tintas a álcool mancham as mãos)
Paper and Cotton 7
1- Coloque algumas gotas das tintas a álcool nas
cores escolhidas juntamente com algumas gotas de
Blending Solution no feltro do seu aplicador e pinte
toda a superfície das peças de dominó.
2- Não se esqueça das laterais das peças. Deixe
secar.
3- Carimbe as peças com o carimbo oriental no lado
sem pintas. Deixe secar bem.
4- Recorte uma tira de cartolina preta. A altura
da tira de cartolina é a da peça de dominó. O
comprimento é o que quiser para fazer o seu álbum.
A tira deverá ser dobrada em acordeão, de forma
que cada “página” tenha a largura da peça de
dominó.
5- Recorte papeis para decorar cada uma das
páginas do seu álbum. De um lado.
6- ...E do outro.
8 Paper and Cotton
7- Recorte as imagens com que vai decorar estas
peças. Cole-as com glossy accents, assim como as
peças metálicas que escolher para decorar. Cubra
toda a superfície sem pintas das peças, incluindo
os papeis e as peças de metal que aplicou com
uma camada de Glossy Accents para proteger e dar
brilho. Deixe secar pelo menos 24h.
8- Aplique fita cola de dupla face no centro das
peças que vão fazer de capa e cole um pedaço de
fita em cada peça.
9- Cole os extremos do acordeão a cada uma das
peças no lado onde colou a fita.
10- Visualização do álbum pelo lado inverso.
Para a Tela:
Pinte a tela com as tintas indicadas na lista dos
materiais.
Decore as peças seguindo os passos para a capa do
mini-álbum.
Carimbe a gaiola com o Embossing Stamp Pad.
11- Feche o acordeão, e aperte as fitas de cada lado
com um laço.
Aplique o Pó Ultrathick Embossing Crystals Bonze
Lustre com a ajuda da pistola para Embossing.
Cole as peças à tela a seu gosto.
Paper and Cotton 9
Paper and Cotton
Entrevista
Atelier
Susana Tavares
Susana Tavares é uma artista que nasceu e cresceu
em Lisboa, para quem a sua arte...
“Não é simplesmente arte...é uma mudança, é a
possibilidade de tornares a tua vida em algo que tu
amas e divertires-te com isso”
10 Paper and Cotton
Paper and Cotton: Muito obrigada Susana por ter
aceite participar nesta entrevista. Em primeiro
lugar peço para nos falar um pouco de si.
Susana Tavares: Obrigada pelo convite, é sempre um
prazer participar em projetos que me fazem sorrir.
Sou artista plástica, mãe de 3 filhos lindos, casada, e
adoro criar e inspirar os outros através da minha arte.
PC: Quando descobriu a Mixed Media Art e decidiu
que gostaria de fazer dessa arte a sua vida
profissional?
ST: Pinto há 10 anos e desde sempre que misturo
coisas, papel, tinta, pastel…. Depois a minha mãe
ofereceu-me um livro de técnicas mistas, participei
em workshops e fui encontrando o meu espaço e a
minha expressão.
PC: O que a apaixona nesta forma de arte?
ST: Adoro misturar, nunca gostei de fazer
sempre o mesmo, na mixed media existe muita
liberdade, muita brincadeira e diversão, milhentas
possibilidades. Gosto de pintar usando a minha
intuição e de ter aquele gosto de surpresa.
PC: Recebeu alguma formação em arte ou
especifica em Mixed Media Art ou é uma
autodidata?
ST: Sou autodidata e fui crescendo a partir da
experimentação e experiência.
PC: Pinta em diferentes superficies. Qual é a sua
superfície de eleição e que tipo de materiais de
pintura prefere usar nas suas criações?
ST: Gosto muito de pintar em tela e em madeira e os
meus materiais favoritos são o lápis preto, lápis de
cera de aguarela, todo o tipo de papeis, tinta acrílica,
carimbos e tecidos.
PC: Quais são as suas principais influências
(referências) nacionais ou internacionais na Mixed
Media Art?
ST: Misty Mawn, Flora bowley, Anahata Katkin
PC: Quando criou o seu atelier? Foi sempre neste
espaço?
ST: O atelier fez 10 anos em Setembro e começou
num atelier partilhado com o meu irmão, mudei
diversas vezes e agora estou no meu novo atelier na
Av. 5 de Outubro, que está a ser transformada para
ser também a minha nova casa.
PC: Como é habitualmente a sua rotina diária de
trabalho?
ST: Divido normalmente o meu tempo assim, manhã
e final do dia para fazer blog posts, responder a
entrevistas, emails, redes sociais, gerir a loja online…
a tarde para o atelier e para a criação. Faço muitas
listas… Do que fazer, idéias, projetos… Sou uma,
costumo dizer empresa ambulante, que tem de
ter ideias e inspiração, criá-las, comprar materiais,
embalar, enviar, fotografar, editar, escrever, brincar…
Por isso sou mãe, mulher, esposa, pintora, professora,
crafter… Ufa! E se calhar mais qualquer coisa que
agora não me lembro!
Paper and Cotton 11
PC: É possivel ter aulas no seu atelier ou
geralmente os workshops são online?
PC: Quando foi criada a sua etsyshop (loja online)?
Que tipo de criações suas podemos lá encontrar?
ST: Sim é possível ter aulas no meu atelier e também
online onde não existem quaisquer limitações quanto
a tempo, pois poderás fazê-los nos dias e horas que
mais te são convenientes, visto o conteúdo estar
sempre disponível para os alunos no tempo do
workshop.
O meu novo workshop online tem o nome de
ST: A loja foi criada em Fevereiro de 2010 e lá podem
encontrar trabalhos originais como bonecas e pintura.
Mas também Art prints, que são reproduções dos
minhas pinturas originais para emoldurar, agendas
e notebooks, marcadores de livros, pins e espelhos
de bolso, colares, postais, calendários e o que mais
me apetecer criar. Arte para usar, mostrar e espalhar
boas energias.
“Inspired by Love…every day!”
e poderão consultar toda a informação aqui:
http://ateliersusanatavares.blogspot.pt/2012/09/
workshop-de-pintura-online-inspired-by.html
PC: Quem são habitualmente os seguidores dos
seus workshops? A maioria são portugueses ou de
outros paises?
ST: Penso que é metade portugueses, metade de
outros países, é muito equilibrado.
12 Paper and Cotton
Atelier Susana Tavares
Tel.: + 351 218 491 671
Fax.: + 351 218 491 671
e-mail: [email protected]
Avenida 5 de Outubro, nº21-4ºDto
1050-047 Lisboa, PORTUGAL
PC: Acha que este tipo de
arte está pouco divulgada em
Portugal?
ST: Sim muito pouco, mas acredito
que as coisas acontecem no
tempo certo.
PC: Gostaria de acrescentar algo
mais a esta entrevista?
ST: Sim gostaria de partilhar um
pequeno texto que escrevi depois
de meditar.
Queridos amigos deixem que vos
apresente o Amor único e original.
O Amor que deves ter por ti próprio.
Ama todos os centímetros de teu corpo,
porque eles fazem parte de ti.
Tu és uma peça única insubstituível e
jamais esquecida.
Simplesmente sê tu neste mundo, fala a
tua verdade e não tenhas medo.
Susana Tavares
Paper and Cotton 13
Paper and Cotton
Papercrafting
Moldura LOVE!
Por: Carla Pimentel
Numa cartolina branca escreva a palavra LOVE.
Recorte corações, borboletas ou outros elementos a seu gosto para colar sobre
a palavra que escreveu.
14 Paper and Cotton
Paper and Cotton
Patchwork
Coração
de alfazema
Por: PanoPraMantas
Materiais
- Diversos retalhos em tons vermelhos e rosa
(parte da frente do coração)
- Tecido coordenado para fazer a parte de trás do
coração.
- Espuma de nylon
(ou restos de pasta de enchimento)
- Alfazema
Tire uma cópia de preferência em papel fino do Bloco Crazy (ver página esquemas).
Passe o desenho também para o verso do papel, para poder costurar.
Com os retalhos vá construindo o bloco, seguindo a numeração.
Coloque o molde do coração (ver página esquemas) em cima do bloco que acabou de construir.
Corte o tecido conforme o molde. Está considerado 0,5 cm para a margem da costura.
Faça o mesmo com o tecido coordenado.
Dobre uma tira de cerca de 10/12cms. de comprimento do tecido coordenado em quatro e
passe uma costura com linha ao tom.
De seguida coloque os dois corações (painel com bloco crazy + tecido coordenado) em cima um
do outro, direito com direito. Coloque a tira que vai servir para pendurar entre os dois tecidos.
Costure a toda a volta (margem de 0,5 cm), deixando uma abertura (cerca de 3 cm) para virar.
Dê uns pequenos golpes nas costuras das partes arredondadas.
Vire para o direito.
Encha com pasta de nylon cortada aos bocados e alfazema.
Feche com um ponto escondido.
Obrigada por ter feito este projeto com a PanoPraMantas.
Para qualquer dúvida, pode sempre contactar-nos através
do email [email protected]
Paper and Cotton 15
Paper and Cotton
Patchwork
Técnica do Paper-Piecing
Por: Carla Pimentel
O “Paper-Piecing” é uma técnica cada vez mais
popular no patchwork. Também é conhecida por
“Foundation Block” e consiste em utilizar um padrão
de base (esquema) em papel e coser pequenos
retalhos de tecido diretamente através desse papel,
formando um bloco geométrico.
Com esta técnica a execução de trabalhos de
16 Paper and Cotton
patchwork, sobretudo mantas, com padrões
geométricos aparentemente complexos, torna-se
muito simples.
O bloco pode ser desenhado, impresso ou
fotocopiado. Existem vários padrões disponíveis na
internet.
O bloco que escolhi chama-se Log Cabin e
desenhei-o sobre papel vegetal para poder ver as
linhas desenhadas no avesso do papel.
Cada parte do bloco está numerada, indicando a
sequência em que os retalhos do tecido vão ser
cosidos ao papel e uns aos outros.
1 - Comece por cortar pedaços de tecidos para cobrir
cada uma das partes numeradas do seu bloco. O
tamanho terá que incluir cerca de 1,5 cm de valores
de costura, a toda a volta de cada uma das partes a
costurar.
2 - Vire o seu papel do “avesso” e coloque o tecido
que vai preencher a parte nº 1 com o avesso do
tecido voltado para o “avesso” do papel. Fixe com
alfinetes.
3 - Sobreponha o tecido que vai preencher a parte 2
do bloco, direito sobre o direito do tecido da parte 1.
Segure com alfinetes.
4 - Volte o seu bloco com o lado impresso ou
desenhado para cima. Os tecidos estão agora por
baixo do papel.
5 - Costure na máquina ou à mão ao longo da linha
que une a parte 1 com a parte 2 do desenho.
Paper and Cotton 17
6 -Dobre o papel ao longo da costura que acabou de
costurar e apare os valores de costura das 2 partes
cosidas, de modo a ficarem com cerca de 0,7cm.
Pode usar um cortador rotativo ou uma tesoura para
este efeito.
7 -Volte a endireitar o papel, vire-o do “avesso” e
posicione a peça de tecido nº 2 no seu lugar. Pode
fazer pressão para alisar a costura com a unha ou
com o ferro de engomar.
8 -Agora vai posicionar a parte 3, com o direito sobre
o direito, sobre as partes 1 e 2.
9 -Vai repetir os passos feitos de 3-7 para cada uma
das peças a costurar, ao longo de cada linha da sua
sequência.
10 - No final passe o seu bloco de tecido a ferro, acerte os valores de costura a toda a volta do bloco e
remova o papel.
18 Paper and Cotton
Depois de pensar o que fazer com o meu bloco, decidi fazer
um agulheiro/alfineteiro.
Vai ser muito útil para as minhas futuras costuras!!!
Paper and Cotton 19
Paper and Cotton
Decoração
Coroa de Páscoa
Por: Carla Pimentel
Sugiro-lhe esta coroa para decorar a sua casa na Páscoa ou durante toda a Primavera!
É muito fácil de fazer!
A técnica utilizada para as flores de feltro pode ser utilizada para fazer flores de papel,
com as quais poderá decorar páginas de scrapbooking, por exemplo.
20 Paper and Cotton
Materiais
- 1 coroa de esferovite com 30cm de diâmetro
- Linho de cor natural (6 tiras de 6 cm de largura x 1,50m comprimento)
- Pedaços de feltro nas cores pretendidas.
- Flores amarelas e branca (1 quadrado com 10cm de lado para cada uma)
- Flor laranja (1 tira com 25cm de comprimento x 10 cm largura)
- Pedaços pequenos para as borboletas e para as folhas
- 2 metros de fita larga cor crua
- Tesouras de costura
- Pistola de cola quente
- Alfinetes (opcionais)
2
3
4
5
6
7
1
Envolva a coroa de esferovite com as tiras de linho.
Cole as várias tiras entre si e à coroa com cola
quente.
2
Flor laranja:
Dobre a tira a meio no sentido do comprimento e
faça cortes no lado dobrado, com cerca de 4cm de
profundidade.
3
4
5
6
1
Enrole a tira sobre si mesma, começando numa
ponta. Vá colando com cola quente, à medida que
vai enrolando, para que não se solte. Cole a ponta
final. A flor está feita. Deve ser colada à coroa na
posição pretendida. Pode espetar um alfinete no
centro da flor.
Flores amarelas e branca
Num quadrado de 10cm de lado corte um circulo.
Depois faça um corte em espiral continua, de fora
para o centro, tal como vê na imagem. Vai obter
uma tira de feltro circular. Conforme a tesoura que
usar, ou o movimento ondulado que der ao corte, a
sua flor terá um bordo diferente das restantes.
7
Comece por segurar a ponta central e enrole a tira
sobre si mesma. Vá colando com cola quente, à
medida que vai enrolando.
Corte folhas e cole-as à coroa. Cole as suas flores
sobre as folhas com cola quente. Espete alfinetes no
centro das flores.
Faça um molde de papel com a forma de borboleta e
recorte feltro com essa forma. Cole as borboletas na
posição e local que quiser.
Faça uma argola para pendurar e um laço, com a fita
escolhida para o efeito. Cole uma borboleta sobre o
nó do laço.
Está pronta!
Esta é a minha sugestão. Pode escolher outras cores
e até colar muitas mais flores.
Que tal enviar-nos imagens da sua coroa para
podermos mostrá-la na próxima edição!
Paper and Cotton 21
Paper and Cotton
Costura Criativa
Cinto de flores
de tecido
Por: Clarisse Almeida
Este cinto de flores feito de retalhos de tecido
é uma boa ideia para reciclar peças de roupa,
decorar almofadas, abajures, cortinas, colchas,
quadros, lindos colares, etc.
22 Paper and Cotton
Tudo depende da criatividade e da conjugação
das cores.
Dois tipos de flores (Fuxicos) são utilizados nesta
peça.
Materiais
- Moldes de papelão redondos de 7cm e de 9cm
- Tecidos variados para fazer as flores (neste caso várias sedas)
- Tule preto – 2 círculos de 7cm para fazer as folhas (para decorar)
- Dois metros de Fita de cetim com 4 cm de largura em preto (base do cinto)
- Duas fitinhas de cetim com 8cm e 0,5cm de largura (para decorar)
- Linhas de costura de acordo com as cores dos tecidos
- 4 Botões de fantasia
- Agulha e tesoura
- Máquina de cola quente para colar as flores na base do cinto
(também se podem prender as flores com agulha e linha)
1 – Disposição dos diversos materiais utilizados na
criação deste fantástico cinto.
2 – Para fazer a flor de 5 pétalas cortar 5 círculos
com a ajuda do molde de 7cm. Em seguida dobrar
cada círculo ao meio e novamente ao meio, como se
vê na figura, e alinhavar. Puxe a linha para franzir.
3 – Com a mesma linha alinhavar as restantes 4
pétalas.
4 – Quando estiverem as 5 pétalas enfiadas, puxar a
linha de modo a ficarem juntas e rematar a primeira
com a última conforme a figura.
Paper and Cotton 23
5 - Fazer a outra flor de 5 pétalas, de outra cor, do
mesmo modo que a primeira. Para completar as
flores, prender um botão de fantasia em cada uma
costurando-o ou colando-o com cola quente.
6 – Agora vamos fazer a flor fechada. Cortar com
a ajuda do molde de 9 cm um círculo de tecido.
Chulear a orla para não desfiar como indicado na
figura.
7 – Depois de chulear toda a borda do tecido, puxar
a linha de modo a franzir e formar a flor fechada.
Rematar unindo com um ponto a parte de cima
franzida com a parte de baixo.
8 – Fazer outra flor fechada, com outro padrão, para
a sobrepor por cima da anterior, mas com 7cm de
diâmetro.
9 – Costurar a flor fechada pequena por cima da flor
fechada maior, e com a mesma linha prender um
botão de fantasia, como se vê na figura.
10 – Executar outro conjunto de flor fechada (passo
6 a 9) com tecidos diferentes.
24 Paper and Cotton
11 – Executar o mesmo passo do ponto 9.
12 – Para fazer as folhas de tule: dobrar os círculos
ao meio e novamente ao meio e alinhavar
(como em 2). Puxar a linha para franzir e rematar. As
fitinhas são unidas pelas pontas conforme figura.
13 – No meio do comprimento da fita preta de cetim colar com cola quente (ou costurar) as flores, as folhas
e as fitinhas de acordo com a sua criatividade. E aí está o cinto pronto.
Paper and Cotton 25
Paper and Cotton
Carimbos
T-Shirt Carimbada
Por: Maria Pipoca
26 Paper and Cotton
Materiais
- T-shirt branca
- Dois quadrados de feltro de cores diferentes
- Framelits & Stamps “Flowers, Daisies” 657916 da Sizzix
- Framelits & Stamps “Leaves” 657917 da Sizzix
- Tinta de carimbar Versa Craft preta
- Placas de acrilico
- Tesoura
- Um pedaço de fita fina
- Um botão
- Linha e agulha
Cortei a flor maior em feltro verde
para fazer contraste com o branco
da t-shirt, e a flor pequena em feltro
branco. Nota importante: os framelits
não são os cortantes mais indicados
para cortar feltro, mas com uma
passagem extra na Sizzix ficam, de
tal forma marcados no feltro que,
com a ajuda de uma tesoura se
consegue cortar perfeitamente.
Isto também vai depender da
espessura do próprio feltro. Se
porventura tiverem outros cortantes
de flores, usem-nos!
Coloque um carimbo de folhas na
placa de acrílico com tinta especifica
para tecido (Versa Craft), retire as
flores do sítio escolhido e carimbe
as folhas de forma que ao colocar
as flores de feltro no lugar, as folhas
apareçam por trás.
Neste ponto deverá passar a ferro as
partes carimbadas pois isto fará com
que esta tinta fique permanente.
Aqui terá de definir exatamente onde
quer coser as flores, ajustando por
cima das folhas carimbadas.
Pegue numa t-shirt branca e escolha
dois quadrados de feltro de duas
cores à sua escolha. Neste caso
escolhi o verde água e o branco.
Escolha dois cortantes de duas flores
iguais de tamanhos diferentes. Estes
2 são framelits da Sizzix.
Agora escolha outras folhas
diferentes e carimbe do outro lado
da flor usando o mesmo método:
retirando a flor do seu sítio de forma
a que os pés das folhas fiquem
ligeiramente debaixo do feltro.
Faça um pequeno laço com a fita e
cosa, por cima do botão, segurando
as flores no sítio que definiu para as
fixar. De seguida cosa a toda a volta
pela beirada a flor maior fixando
definitivamente.
Paper and Cotton 27
Paper and Cotton
Cartões
Cartões
Por: Maria Pipoca
Aqui ficam as sugestões de cartões da
Maria Pipoca para os dias festivos que
se aproximam!
Divirta-se a criar!
28 Paper and Cotton
Cartão do Dia do Pai
- cartolina branca
- três tons diferentes de cartolina texturada verde
(neste caso da marca Sizzix)
- papel de riscas azul da colecção Hip-hooray da My
Mind’s Eye
- carimbo Papertrey ink
- esponjinhas 3D
- arredondador de cantos Crop-a-Dile da
We R Memory Keepers
- almofada de carimbos verde
- cortante da etiqueta Sizzix
Cartão Páscoa Coelho
- cartolina branca
- cartolina amarela
- papel amarelo com pintas brancas
- caneta preta (para desenhar a boca do Coelho)
- molde de um Coelho
(este encontrei na internet já há algum tempo)
- olhos de mexer para colar
- caneta de gel branca
- almofada de tinta para carimbos preta
- carimbos “Forever Friends” da Docrafts
Paper and Cotton 29
Cartão Páscoa Pop-up
- cartolina amarela
- cartolina verde texturada
- arredondador de cantos
- carimbos “Forever Friends- the good life journal”
da Docrafts
- carimbos “Forever Friends- spring time” da Docrafts
- almofada de carimbos preta
- almofada de carimbos verde
- almofada de carimbos laranja
- cortante da etiqueta Sizzix
- textura com pintas Sizzix
- caneta de gel branca
- canetas Copic
30 Paper and Cotton
Cartão dia dos namorados
“Out of this World”
- cartolina branca
- framelit coração da sizzix
- carimbo da Papertrey ink
- esponja de carimbos vermelha
- caneta de gel vermelha
- pó de “embossing” transparente
- almofada de carimbo de embossing
- verniz de unhas vermelho
Cartão dia dos namorados
“All you need is love”
- cartolina rosa
- papel “The Sweetest Thing” da My Mind’s Eye
- carimbo Papertrey ink
- lantejoulas prateadas
- brilhos prateados
- framelits coração da Sizzix
- acetato
- esponjas 3D
- caneta de gel branca
- cartolina branca
- Knock Outs da American Crafts
(para cortar a borda escalopada)
Paper and Cotton 31
Paper and Cotton
Costura Criativa
Organizador de Bolsa
Por: Carla Pimentel
Todos nós sabemos (eles também quando lá tentam encontrar alguma coisa)
que as bolsas das mulheres são autênticos “sacos sem fundo”. Nada melhor
que um organizador de bolsa, para ter tudo devidamente acondicionado e
acessível.
Quando trocar de bolsa basta transferir o organizador para a bolsa respectiva.
32 Paper and Cotton
Materiais
- 50 cm de tecido para o exterior
- 50 cm de tecido para o forro
- 30 cm de manta acrílica
- 1 fita decorativa com 80 cm
- 1 botão
- linha de costura
- tesoura ou cortador circular
Medidas e partes
- Frente e costas: 20x27cm (2x)
- Laterais: 20x11 cm (2x)
- Fundo: 27x10 cm (1x)
- Porta canetas: 35x20 cm
(1x dobrado a meio)
- Bolso maior de fora: 30x25 cm
(1x dobrado a meio)
- Alças: 14x4 cm (2x)
-Medidas do forro iguais
1 - Corte as várias partes a
costurar de acordo com as
medidas. Corte também manta
para forrar o tecido exterior.
2 - Cosa a manta nas partes da
frente, costas, laterais e fundo.
3 - Cosa vários quadrados, nas
partes que acabou de costurar.
4 - Cosa os bolsos um ao outro,
formando divisórias para diversos
objetos.
5 - Cosa os bolsos à parte da
frente do organizador.
6 - Cosa as laterais com a parte
da frente e posteriormente com
as costas.
7 - Decore com a fita antes de
fazer a última costura. Costure o
fundo do organizador.
8 - Costure o forro da mesma
forma que a parte externa,
e aplique bolsos. Deixe uma
abertura de 10 cm no fundo do
forro para virar.
9 - Dobre a alça e costure. Prenda
as alças nas partes laterais.
Introduza a parte externa dentro
do forro direito contra direito e
costure as peças juntas.
10 - Vire o direito pela abertura do
fundo do forro e feche com ponto
invisível ou à máquina.
Paper and Cotton 33
Paper and Cotton
Scrapbooking
Place in time
Por: Carla Pimentel
Um calendário / mini-álbum de mesa para fazer um registo fotográfico dos
acontecimentos mais importantes da sua vida ao longo de 2013.
O passo a passo e os materiais poderão ser encontrados em:
scrapbookingwithtubo.blogspot.com
34 Paper and Cotton
Paper and Cotton 35
Paper and Cotton
Culinária
Bigodes de chocolate
em colher
Por: Teresa Rebelo
36 Paper and Cotton
Para o Dia do Pai, ou sempre que quisermos
homenagear os homens da família!
• Colheres descartáveis de tamanho médio/grande
• Chocolate de culinária
• Chocolate branco
• Papel vegetal
• Sacos descartáveis para bico pasteleiro
• Template impresso de bigodes
(ex.: http://www.katrinaalana.com/blog/2010/01/make-your-own-mustache/)
• Fita de cetim
• Saquinhos de celofane
• Agrafes ou fita-cola dupla
As quantidades dependem do número de colheres, conte com cerca de 15 g de
chocolate para encher cada colher + 20 g de chocolate para cada bigode (vai
sobrar, mas precisamos de mais quantidade do que a que realmente levam as
colheres, para podermos trabalhar).
Preparar o template impresso dos bigodes.
(basta uma impressão de 1 bigode num tamanho adequado à colher)
Derreter um dos tipos de chocolate em banho-maria ou no microondas, com
cuidado para não queimar o chocolate.
Colocar parte do chocolate derretido num saco pasteleiro.
Colocar o papel impresso com o bigode por baixo do papel vegetal, cortar a
pontinha do saco e desenhar por cima com o chocolate. Afastar a parte do
papel vegetal com o bigode de chocolate, mas manter papel vegetal limpo
sobre o bigode impresso e voltar a desenhar um bigode de chocolate e assim
sucessivamente até ter feito os bigodes necessários.
Deixar secar (se houver pressa, levar o papel vegetal ao frigorífico, para
solidificar mais rápido).
Colocar as colheres num tabuleiro com rebordo, com os cabos sobre o rebordo
para que fiquem na horizontal.
Com o restante chocolate derretido, encher as colheres, com a ajuda de uma
colher pequena.
Proceder de igual modo com o outro tipo de chocolate.
Quando os bigodes estiverem secos, retirá-los com cuidado do papel vegetal
e aplicá-los sobre a colheres: se o chocolate das colheres já tiver solidificado,
mergulhar uma colher de café em água a ferver, limpar com um pano e passar
as costas da colher, rapidamente e com cuidado, sobre a área da colher onde vai
ser colado o bigode, para derreter um pouco. Aplicar o bigode e deixar secar.
Depois de bem secas, fazer um lacinho no cabo da colher com um pedaço de
fita a gosto e embrulhar num saquinho de celofane. Fechar o saco em baixo com
agrafador ou fita-cola dupla.
Feliz Dia do Pai!
Teresa Rebelo • www.lume-brando.blogspot.com
Paper and Cotton 37
Paper and Cotton
Decoração
Aprenda uma forma muito
fácil de decorar ovos.
Poderá servi-los no final,
utilizá-los para decorar o seu
folar ou para criar um centro
de mesa alusivo à Páscoa!
Ovos de Páscoa decorados
Por: Carla Pimentel
Fotografias: Paulo Pimentel e Carla Pimentel
38 Paper and Cotton
Materiais
- Ovos
- 2 cebolas vermelhas
- Uma meia (collant) velha de mousse ou licra
- Linha de coser fina
- Folhas e flores frescas de pequeno tamanho
1 - Lave os ovos e as folhas e flores. Com a ajuda da
linha de coser prenda as folhas e as flores aos ovos.
2 - Corte um pedaço da meia, envolva o ovo na
mesma, estique-a bem e dê um nó na base.
3 - Repita este passo para todos os ovos.
4 - Corte as cebolas em pedaços, com a casca
incluida para um tacho e leve os ovos a cozer com a
cebola.
5 - Quando estiverem cozidos retire do tacho e corte
a meia.
6 - Corte a linha e retire todas as folhas e flores.
Está concluida a decoração!
Paper and Cotton 39
Paper and Cotton
Saúde
DEGENERESCÊNCIA MACULAR
DA IDADE (DMI)
Por: Profª Doutora Ângela Carneiro
A DMI é a primeira causa de cegueira nos países
desenvolvidos, acima dos 50 anos de idade.
O que é a DMI?
Podemos comparar o olho humano a uma máquina
fotográfica, sendo a retina o rolo da fotografia. Se
por algum motivo o rolo se estragar, as fotografias
sairão estragadas. O mesmo se passa com o olho
humano: se a retina e a sua parte central, uma zona
chamada mácula, estiver doente, as imagens que
o olho capta serão sempre deficientes na sua zona
central.
A Degenerescência Macular da Idade (ou DMI) é
uma doença em que com a idade surge deterioração
progressiva da parte central da retina, a mácula,
podendo levar a uma perda de visão grave e
irreversível.
A DMI é a primeira causa de cegueira nos países
desenvolvidos, acima dos 50 anos de idade. Em
Portugal afecta mais de 300 000 pessoas.
Existem duas formas da doença:
- a DMI seca ou atrófica – evolui durante anos de
forma silenciosa para uma atrofia progressiva da
retina macular e só pode ser detectada pelo seu
oftalmologista ao examinar a sua retina.
- a DMI exsudativa ou neovascular – desenvolvemse vasos anómalos (neovasos) que levam a uma
perda rápida e agressiva da visão central. Os
neovasos originam hemorragias e exsudação com
desorganização da retina e finalmente formação de
lesões cicatriciais irreversíveis.
Quais são as causas da DMI?
O principal factor causal da DMI é a idade. Acima
dos 50 anos aumenta o risco de desenvolvimento
da doença. Conforme a idade aumenta, o risco
aumenta de forma quase exponencial.
O segundo factor implicado na origem da doença
é o factor genético. Uma história familiar positiva
40 Paper and Cotton
significa maior risco de desenvolvimento da doença.
Entre os factores ambientais o tabaco foi
estabelecido como factor causal. Doentes que
fumam grande número de cigarros por dia têm
maior risco que a população geral de ter DMI.
Outros factores ambientais têm sido implicados
como a exposição prolongada à luz solar,
hipertensão arterial, doenças cardiovasculares,
alterações dos níveis de colesterol, etc. Contudo
ainda não existem dados irrefutáveis que os
relacionem com o risco de desenvolvimento de DMI.
Como se manifesta a DMI?
Durante anos a DMI pode ter uma evolução
silenciosa com formação das primeiras alterações
degenerativas maculares, sem que o doente detecte
alterações visuais perceptíveis.
Só o oftalmologista é que detecta as alterações
precoces. É possível estabelecer o risco de cada
doente desenvolver as formas avançadas da doença.
Salienta-se assim a importância da realização
regular de consulta de oftalmologia em todas
as pessoas com mais de 50 anos. Na consulta a
observação do fundo ocular permite identificar os
olhos com risco, informar sobre a doença, prescrever
terapias anti-oxidantes e distribuir testes simples
como a observação semanal da grelha de Amsler,
de fácil execução em casa, para detecção de sinais
precoces da forma exsudativa.
Os primeiros sintomas da forma exsudativa são
diminuição da visão central, aparecimento de
manchas no campo visual e distorção das imagens.
Caso estes sintomas surjam o doente deve ser
observado com urgência por um oftalmologista.
Figura 1 – Fases iniciais da doença com múltiplas drusas presentes no fundo ocular de um doente assintomático.
Figura 2 - Forma seca da doença com atrofia da retina na área macular.
Figura 3 - Forma exsudativa ou neovascular com neovasos coroideus maculares e hemorragias retinianas.
Paper and Cotton 41
Como testar a sua visão?
Todas as semanas deve olhar para esta grelha com
os seus óculos de perto colocados e colocando o
teste à distância normal de leitura. Deve testar
primeiro o olho direito, tapando o olho esquerdo
e depois fazer o teste do olho esquerdo, tapando
o direito. Deve fixar o ponto central e ver se o
quadriculado aparece completo e sem distorção
das linhas. Se houver uma zona em que não vê a
quadrícula ou linhas onduladas deve consultar com
urgência o seu oftalmologista.
Grelha de Amsler
Quais os tratamentos disponíveis para a DMI?
A forma atrófica da DMI não é tratável, apenas se
pode fazer suplementação com vitaminas e antioxidantes, que em doses elevadas parecem diminuir
o risco de evolução para as formas avançadas da
doença.
Para a forma exsudativa há tratamento, que deve
ser iniciado o mais cedo possível.
Até ao ano 2000 o único tratamento para a DMI
exsudativa era o laser. Só permitia tratar um
pequeno número de doentes que apresentavam
lesões com características bem definidas. Era um
tratamento que visava a destruição dos neovasos
mas em simultâneo provocava uma queimadura da
retina e levava só por si a perda visual grave.
Em 2000 surgiu a terapia foto-dinâmica com
verteporfina (Visudyne®), sendo o primeiro
tratamento selectivo que permitia destruir os
neovasos com relativa preservação da retina
adjacente. Contudo, não permitia tratar todas as
lesões e apesar do tratamento a visão dos doentes
continuava em média a diminuir, só que menos que
42 Paper and Cotton
nos doentes não tratados.
Em 2004 começaram a surgir novos tratamentos
com injecções intra-vítreas de medicamentos antiangiogénicos. São injecções realizadas no globo
ocular de medicamentos que permitem inibir o
crescimento dos vasos anómalos. Quando realizadas
por oftalmologistas treinados e em condições
de assepsia, são quase indolores e seguras. São
efectuadas em regime de ambulatório.
Neste momento em Portugal há dois medicamentos
aprovados para o tratamento da DMI exsudativa:
o pegaptanib (Macugen®) e o ranibizumab
(Lucentis®), com aplicação de 6/6 ou de 4/4
semanas, respectivamente.
Há um terceiro medicamento, que foi aprovado em
uso endovenoso no tratamento de neoplasias cólonrectais metastizadas, o bevacizumab (Avastin®), que
pode ser usado em injecção intra-vítrea off-label
ou seja, fora da indicação constante na bula do
medicamento.
O Macugen®, foi o primeiro disponível
comercialmente, podendo ser usado para tratar
maior número de lesões que o Visudyne®. Contudo,
a visão média dos olhos tratados é semelhante à
dos doentes submetidos a terapia foto-dinâmica,
continuando a diminuir ao longo do tempo.
Os outros dois medicamentos apresentam melhores
resultados visuais.
O Lucentis® mostrou resultados com estabilização
visual em mais de 90% dos doentes tratados e
melhoria da visão em cerca de 70% dos olhos.
Permite ainda impedir novos casos de cegueira
legal e manter visão de leitura numa percentagem
considerável de doentes.
O Avastin® em uso off-label implica aceitação mais
informada pelo doente dos potenciais riscos mas
parece ser eficaz e seguro a curto prazo.
Existe um terceiro medicamento, o VEGF trap
(Eylea®), que se encontra já aprovado nos EUA
e está em fase de aprovação pela autoridade
europeia do medicamento (EMA). Este medicamento
permite obter resultados semelhantes ao Lucentis®
mas com maior duração de acção e portanto
necessitando os doentes provavelmente de realizar
menos injecções. Prevê-se a sua aprovação em
Portugal no ano de 2013.
Os doentes têm que sair de Portugal para serem
tratados?
Os tratamentos implicam internamento e
limitações?
Neste momento todos estes tratamentos estão
disponíveis em Portugal. Devem ser efectuados por
médicos diferenciados no tratamento de doenças
retinianas.
As injecções intra-vítreas são realizadas em
blocos ou em salas que reúnam as condições
de assepsia necessárias para evitar ao máximo
o risco de infecções intra-oculares graves
(endoftalmites). São feitas com anestesia local,
rápidas e relativamente indolores.
Realizam-se em regime de ambulatório, pelo
que o doente volta para casa após o tratamento.
Não implicam limitações na vida dos doentes,
quer antes quer após o tratamento. Apenas não
é aconselhável praticar natação ou frequentar
piscinas nos primeiros dias após o tratamento.
O doente fica definitivamente curado?
Os medicamentos administrados no vítreo têm
uma duração de efeito limitada no tempo. Os
doentes precisam de ser reavaliados pelo seu
especialista após cada tratamento para decidir
se necessitam de nova injecção. O número de
injecções requerido por cada doente é variável de
caso para caso.
Dado tratar-se de uma doença crónica, mesmo
após suspensão do tratamento os doentes têm
que ser avaliados e seguidos com regularidade
pelo especialista de retina, pois as recidivas
podem ocorrer e o retratamento deve ser feito o
mais precocemente possível.
Visão de um olho sem DMI
Onde podem ser realizados os tratamentos para
a DMI?
Os tratamentos da DMI exsudativa neste
momento são feitos em Portugal quer nos
hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS),
quer em clínicas privadas, que dispõem de
Especialistas diferenciados no tratamento de
patologia retiniana.
A nível do SNS são sobretudo os Hospitais centrais
que neste momento dispõem dos fármacos e
reúnem as condições para efectuar tratamentos
- pessoal médico e técnico e meios auxiliares de
diagnóstico para acompanhamento dos doentes.
Um doente com sinais ou sintomas de DMI não
deve ficar à espera de uma consulta externa. Caso
haja dúvidas deve consultar o mais brevemente
possível um oftalmologista ou recorrer a uma
urgência de oftalmologia, pois quanto mais
precocemente for tratado maiores são as
hipóteses de manutenção de uma boa função
visual.
Visão de um olho com DMI
Paper and Cotton 43
Paper and Cotton
Viagens
Ilha da Páscoa
e as “estátuas andantes”
44 Paper and Cotton
Rapa Nui – ilha de rara beleza onde o
verde da paisagem é salpicado por Moai.
Por: Maria da Luz Freitas
Paper and Cotton 45
Paper and Cotton
Viagens
A Ilha de Páscoa ou Rapa Nui é conhecida
pelas sua estátuas andantes e toda a sua
história está envolvida em mistérios!
A Ilha de Páscoa, conhecida pelos nativos como
Rapa Nui , localiza-se em pleno Oceano Pacífico.
É uma região autónoma chilena, composta por
cerca de cinco mil habitantes e com uma área
de aproximadamente 164 km2. Dos cinco mil
habitantes, dois mil são nativos- os rapanui.
Reza a lenda que os primitivos colonos
polinésios chegaram de canoa à costa sudeste
da ilha (Praia de Anakena) há cerca de mil anos
depois de navegarem mais de dois mil Km
no Oceano Pacífico. Aí viveram em diferentes
tribos, com uma cultura paleolítica, até que
o almirante holandês Jacob Roggeveen em
1722 visitou a ilha. Encontrou uma civilização
que habitava em grutas ou habitações
rudimentares, dividida por confrontos entre clãs
e recorrendo ao canibalismo.
Mas Rapa Nui é conhecida pelas suas “estátuas
andantes” – os Moai. Por toda a ilha existem
algumas centenas de moai e toda a sua história
está envolvida em mistérios. Os Moai foram
esculpidos em tufo vulcânico disponível numa
pedreira (Rana Raruku) e, segundo a crença
local, incorporavam os espíritos deificados dos
antepassados. Para os nativos os moai eram
animados por uma força espiritual transmitida
por antepassados poderosos - a mana. Esta
força é que os fazia deslocar por toda a ilha,
podendo percorrer distâncias superiores a 15 Km.
MOAI
46 Paper and Cotton
Rapa Nui é uma ilha de rara
beleza...
O que é certo é que o método de transporte
destas estátuas, que podem ter até 10 metros
de altura e peso de algumas toneladas, é
desconhecido. Sabe-se que os nativos não
conheciam a roda nem tinham animais de
grande porte.
Os moai espalhados por toda a ilha, encontramse muitas vezes próximo da orla costeira, sobre
plataformas (as ahu) e de costas voltadas para
o mar.
Ahu Tongariki
Paper and Cotton 47
Paper and Cotton
48 Paper and Cotton
Viagens
Oceano Pacífico banhando as margens da ilha
Paper and Cotton 49
Paper and Cotton
Viagens
Pukoa
Depois de serem colocadas nas plataformas
(as ahu) eram animadas com a colocação de
olhos de coral branco com pupilas de obsidiana
ou escória vermelha, nas orbitas. Muitas delas
eram adornadas com chapéus (os pukoa).
Os pukoa, de escória avermelhada, eram
produzidos noutra pedreira vulcânica, que não
Rano Raruku (Puna Pau).
No séc. XIX todos os moai tinham sido
derrubados, desconhecendo-se os protagonistas
ou fenómenos naturais implicados neste
derrube. Sabe-se contudo que em 1960 muitos
dos moai foram empurrados para o interior da
ilha por um tsunami que inclusivé fracturou
alguns deles.
50 Paper and Cotton
Pukoa com olhos de coral
A costa escarpada
Rapa Nui é uma ilha de rara beleza, onde o
verde é a cor dominante e onde a sua costa
escarpada é fustigada por ventos e chuva
durante todo o ano. O verde da paisagem é
salpicado por todo o lado por moai, cavalos e
ovelhas.
Os cavalos salpicam o verde
Gostaría de realçar os quatro pontos
arqueológicos principais:
- Rano Raruku, o vulcão do sudeste da Ilha,
onde se encontram moai em todas as fases de
acabamento. É conhecido como a Pedreira.
Rano Raruku - a pedreira
Paper and Cotton 51
Paper and Cotton
Viagens
Ahu Tongariki
- Ahu Tongariki na península Poika, a nordeste
da ilha, onde se encontra a maior ahu
(plataforma) de moai - 15 moai de costas
voltadas para o mar.
- Ahu Akivi na parte oeste da ilha, onde se
encontram mais 7 moai de pé, restaurados nos
anos 60 por uma equipa americana/chilena.
Aqui os moai colocados na sua ahu, estão
voltados para o mar.
Praia Anakena
- Na parte norte da ilha, na Praia Anakena,
encontra-se uma fiada de moai (4 dos quais
com pukoa), restaurados nos anos 70 por um
nativo.
Ahu Akivi
52 Paper and Cotton
Aqui também se encontra o maior moai de pé
da ilha. Para além de ser o local que se pensa
ter acontecido o primeiro desembarque de
colonos, há uma plantação de coqueiros que faz
com que seja um dos locais mais paradisíacos
da ilha. Tornou-se um ponto de encontro de
muitos turistas e locais que disfrutam da
natureza a todas as horas do dia, podendo
mergulhar nas águas turquesas do Pacífico.
O maior MOAI da ilha
Paper and Cotton 53
Paper and Cotton
Viagens
Mapa com a localização dos vários MOAI e a sua relativa proximidade com o Chile.
54 Paper and Cotton
Rapa Nui foi anexada ao Chile em 1888 mas
até 1953 foi administrada por uma empresa
escocesa. Hoje em dia, os habitantes dependem
do Chile e vivem do turismo. Possui uma
única cidade, Hanga Roa, tem um porto de
pesca e que todos os anos recorda os seus
antepassados com um festival de danças, jogos
e tradições. Mas durante todo o ano o espírito
rapanui povoa a ilha. O período melhor para
usufruir esta ilha é entre Novembro a Março.
Não me quero despedir sem recordar a cratera
do vulcão Rano Kau, na parte sul da ilha, que
está repleta de água, que toma diferentes cores
ao longo do dia. É um dos locais mais altos
da ilha, onde se pode apreciar a imensidão do
mar e recuar até aos séc. XVIII e XIX, onde se
realizavam as festas cerimoniais do Homem
Pássaro, no complexo habitacional de Orongo,
construido para acolher as diferentes tribos que
disputavam o poder.
Como chegar:
A Lan Chile é a companhia aérea que voa
para a Ilha de Páscoa.
O avião pode ser tomado em Santiago do
Chile ou em Papeete, no Taiti.
Há quatro voos semanais.
Incrições dos povos primitivos
Paper and Cotton 55
Paper and Cotton
Correio dos Leitores
Em resposta ao nosso pedido de envio de emails e sugestões tivemos resposta
de várias leitoras. . Obrigada a todas as que gentilmente nos escreveram.
Na impossibilidade de publicarmos todos, aqui ficam alguns:
“Parabéns pela vossa revista. Gosto muito de trabalhos criativos e a vossa
revista tem bastantes exemplos”.
Gostaria de sugerir um projeto para a próxima edição:
REUTILIZAR GARRAFAS DE VIDRO
Paula Fragoso (7/11/2012)
http://fiodalgodao.blogspot.pt/
-*“Já vi a vossa revista e tenho a dizer que gostei mesmo. Estou a escrever para vos dar os parabéns e
que continuem assim. Aqui em Portugal faltam revistas de scrap(…)muitas vezes temos que recorrer
a revistas estrangeiras e(…) é uma pena pois somos um povo muito criativo(…)Adorei o grafismo que
a revista propõe. Quero sem dúvida ser uma assinante desta nova revista.”
Muito sucesso
Carina Jorge (23/10/2012)
-*“Baixei a primeira edição gratuita através da página Inspire no facebook e adorei a revista.
(…)Moro na Suécia e também prefiro arquivar revistas no computador.”
Obrigada
Ana Virginia (7/11/2012)
-*56 Paper and Cotton
“(…)quero felicitá-la por este projeto inovador entre nós e aproveitar a oportunidade que está a dar
aos aficionados do artesanato, de apresentarem os seus trabalhos na revista(…)A minha paixão é o
patchwork e o meshwork e tenho um blog: “o cantinhodopatch.blogspot.com”.
Conceição Boga (5/11/2012)
-*Venho por este email enviar um trabalho de scrapbooking, (…)para publicar na edição de Janeiro da
vossa revista, da qual gostei muito e espero ansiosamente pelo 2º número!(…)
Susete Montemor http://shopsu.blogspot.com
-*“Li a revista ao pormenor e fiquei realmente encantada…A sua revista tem tudo a haver comigo (…)
Gostei, tem imensas dicas!
Muitos parabéns e muito sucesso!”
Maria João Vitó (11/11/2012)
Paper and Cotton 57
Paper and Cotton
58 Paper and Cotton
Esquemas
Paper and Cotton
Esquemas
Paper and Cotton 59
Paper Cotton
and
Living and Loving your Creative Self
A próxima edição estará à venda a partir de Abril de 2013.
Os temas principais serão: a Primavera e o Dia da Mãe.
Capa de caderno personalizada.
Bolsa de estilo japonês
Zentangle
Cartões
Sugestões para o Dia da Mãe
Scrapbooking
!
dição
e
a
m
s
róxi
ssa p m os seu
o
n
a
o
n
c
l
e
i
a
ip
Partic os um em
tos
n
proje
a
r
Envie os
a
lh
tões p
traba uas suges
s
ou as staria
para: t
o
s
g
o
e
d
u
a
p
q
public ndcotton.
r
e
v
de
era
@pap
l
a
r
e
g
Desejamos a todos a continuação de um
Bom Ano e muitas ideias criativas!
60 Paper and Cotton

Documentos relacionados

Versão Portuguesa - Paper And Cotton

Versão Portuguesa - Paper And Cotton Diretor Geral: Carla Pimentel Fotografia: Paulo Pimentel, Carla Pimentel Diretor de Publicidade: Paulo Pimentel Telefone: 00 351 914535871 Edição, Design, Tratamento Digital e Paginação: NU*DES • w...

Leia mais

Versão Portuguesa - Paper And Cotton

Versão Portuguesa - Paper And Cotton PC: Há quanto tempo se dedica à Mixed Media Art? MM: Há cerca de 2 anos. Sempre gostei de artes e trabalhos manuais. Há mais ou menos 11 anos comecei a pintar em acrílico. A vontade de querer apren...

Leia mais

Andrea Gomoll - Paper And Cotton

Andrea Gomoll - Paper And Cotton Se me seguires e às minhas aventuras criativas no Instagram e/ou Facebook ou no meu blog, podes ter tropeçado nos meus Dailybookpages Sketches. Isso é um desafio que eu criei para mim em 2014 – cri...

Leia mais

Versão Portuguesa - Paper And Cotton

Versão Portuguesa - Paper And Cotton Montagem do painel da frente Começamos por colar o enchimento termocolante ao quadrado de linho 50 x 50, de acordo com as instruções do fabricante. Utilizando uma régua e giz para tecido e alinhand...

Leia mais