Anuário da Região

Сomentários

Transcrição

Anuário da Região
Anuário da Região
Oeste da
Bahia
Western Bahia Region Yearbook
Safra/Crop 2011/12
1
EDITORIAL
Oeste da
Anuário da Região
Bahia
A lição
que fica
Toda safra deixa uma lição. A da temporada 2011/12 mostrou que o produtor que investe em
tecnologia, e faz rotação de culturas, está mais preparado para enfrentar as adversidades do clima.
Não fosse isso, o Oeste da Bahia, que desde 2002 não passava por uma seca tão severa, certamente
teria amargado penas ainda mais duras. Apesar da estiagem, a região terá um bom resultado geral.
No total, deverá colher 7,3 milhões de toneladas de grãos, 7% a mais do que no ciclo 2010/11.
A tecnologia fez do Oeste da Bahia o grande polo agrícola que é, contra as previsões negativas de muitos que, há menos de 30 anos, não arriscariam investir um só centavo na região. Por
tecnologia entendam-se máquinas modernas, material genético de qualidade e adaptado para as
condições de Cerrado, e insumos, igualmente, de alto nível.
Porém, a tecnologia sem a técnica não seria suficiente para instaurar e manter o “milagre”.
Na técnica está o manejo, mas também o dia a dia da propriedade para além das lavouras: as
decisões de plantio e compra, o investimento em pesquisa, os ensaios científicos, as consultorias contratadas, as palestras assistidas, as viagens de reconhecimento de outros modelos,
a experiência acumulada safra a safra, que reduz os riscos e pavimenta o caminho para os
resultados positivos aparecerem.
É exatamente a somatória dessas condições que explica a rápida transformação da realidade
agrícola na região, e ajudou a mudar o status da Bahia de um Estado importador de alimentos e
matérias-primas, como o milho, para um Estado que não apenas garante o abastecimento interno,
como ainda é capaz de exportar para mercados dentro e fora do Brasil. Para uma população mundial
que cresce exponencialmente, não há maneira alternativa de produzir alimentos em grande escala,
fazendo diferente do que se faz hoje nos 2 milhões de hectares de lavouras do Oeste da Bahia.
Boa leitura!
2
3
EDITORIAL
The lesson that remains
Every crop teaches us a lesson. The 2011/12 season
showed that farmers who invest in technolog y and rotate
crops are better prepared to face adverse weather conditions. If it wasn’t for that, western Bahia, which since
2002 had not been through such a severe drought, would
have certainly endured tougher difficulties. Despite the
drought, the area will have good overall results. In total, it
should harvest 7.3 million tonnes of grains, 7% more than
in the 2010/11 season.
Technolog y has turned western Bahia into a big agricultural hub against many people’s negative forecasts,
people who less than 30 years ago would not invest a
single penny in the area. By technolog y we mean modern
machinery, genetic material which is high in quality and
adapted to the conditions of the cerrado (savannah), and
equally high level inputs.
However, technolog y without technique would not
be enough to perform and keep the “miracle”. The technique steers not only the handling but also the day-to-day
4
routine of the property which goes beyond the plantations: the decisions regarding planting and purchases, investments in research, scientific tests, the consulting services hired, the lectures attended, the trips to learn about
other models, and the experience acquired from crop to
crop, which reduces the risks and paves the path so that
positive results can emerge.
It is exactly the sum of all those conditions that explains the quick transformation of the local agricultural
reality and has helped change Bahia’s status from a state
that used to import food and raw materials, such as corn,
to a state that not only guarantees the domestic supply
but is also capable of exporting to markets within and
outside Brazil. For a world population which grows exponentially, there is no alternative way to produce food
on a large scale other than how they do it nowadays on 2
million hectares of plantations in western Bahia.
Enjoy your reading!
Oeste da
AIBA
Anuário da Região
Bahia
Em
muitas
frentes
PENSANDO NO REGIONAL, AGINDO NO SETORIAL,
A PRESENÇA DA AIBA TEM SIDO DECISIVA EM MUITAS CONQUISTAS
CUJOS BENEFÍCIOS ULTRAPASSAM A REGIÃO
ESFORÇO: A criação
de um funding para
o custeio agrícola nas
áreas de Cerrado do
Nordeste é uma das
batalhas travadas na
atualidade
A atuação estratégica da Aiba tem permitido aos produtores rurais do Oeste da Bahia
celebrar muitas vitórias. O impacto delas transcende o quadro de associados e é percebido
não apenas momentaneamente, como através
dos anos, tornando-se referências nacionais,
replicadas, não raramente, em outros estados.
Foi assim com a questão ambiental, que envolveu o emprego de muito esforço para alertar
aos governos quanto à importância de resolver impasses causados pelo passivo do licenciamento acumulado na região.
6
A partir do alerta da Aiba, de mãos dadas
com a entidade, o governo e outras instituições
da sociedade civil organizada chegaram a um
modelo de solução para resolver a questão.
Assim surgiu o Plano de Adequação e Regularização dos Imóveis Rurais, o PARA/Oeste Sustentável. Já no fim de 2011, a cruzada empreendida pela associação em favor de uma política ambiental clara, que permitisse ao setor
agrícola segurança jurídica para produzir, teve
como ponto alto a publicação de uma nova
legislação ambiental na Bahia. É uma vitória
capaz de definir os rumos da agropecuária não
apenas na região, mas em todo o Estado.
O mesmo se pode dizer do êxito – espera-se que definitivo – na batalha que a Aiba
empreende há mais de uma década contra o
recolhimento da Contribuição Social Rural, o
Funrural. Em 28 de março de 2012, a juíza federal de Barreiras, Manoela Araújo Rocha, em
três sentenças publicadas, condenou a União
a suspender definitivamente a cobrança e devolver aos afiliados da entidade a Contribuição
Social Rural – Funrural recolhida ao longo
dos últimos 10 anos. Essa decisão representa
redução imediata nos custos para o produtor,
e também faz justiça a ele, na medida em que
restitui tudo o quanto foi pago indevidamente.
Também uma grande vitória de 2012, cujo
trabalho data de 2009, é o início das obras
de construção e de pavimentação da Estrada
Timbaúba, no município de Luís Eduardo
Magalhães. A iniciativa, modelada como uma
Parceria Público Privada – PPP, é fruto de um
acordo firmado por meio de um protocolo
de intenções, entre a Aiba, o governo do Esta-
do e o Banco do Nordeste (BNB), com a finalidade de viabilizar a construção de rodovias
no Oeste da Bahia. Trata-se de uma iniciativa
pioneira no Estado. A partir desse protocolo, a Aiba já contratou três projetos, um dos
quais está em execução.
Muitas outras batalhas são travadas neste
momento, como a criação de um funding para
o custeio agrícola nas áreas de Cerrado do Nordeste, defendida no Ministério da Integração
Nacional, e em fase de concretização, através de
convênio com o Banco do Brasil. Outra grande
vitória foi a mudança nos parâmetros de classificação de porte para o produtor, equiparando-o
aos padrões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A medida
habilitou os associados a uma margem maior de
recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE).
Pensando no regional e agindo no setorial,
a Aiba vem, ao longo de duas décadas de existência, angariando respeito e se consolidando
como uma das mais proativas e influentes associações de classe do agronegócio no País.
7
AIBA
On many fronts
THINKING LOCALLY, ACTING IN THE INDUSTRIES, THE
PRESENCE OF AIBA HAS BEEN DECISIVE FOR MANY ACHIEVEMENTS WHOSE
BENEFITS HAVE GONE BEYOND THE LOCAL AREA
Aibas’s strategic approach has enabled
farmers in western Bahia to celebrate many
victories. Their impact transcends the membership and is noticed not only momentarily,
but also through the years, becoming national benchmarks and it is not unusual for
them to be replicated in other states. This
happened with the environmental issue,
which required a lot of effort to warn the
governments about the importance of solving impasses caused by the liabilities from
the licensing accumulated in the region.
From Aiba’s warning, hand-in hand with
the entity, the government and other institutions from the organized civil society reached
a solution model to solve the issue. Thus, the
Adequacy and Regularization Plan for Rural
Property, also called PARA/ Sustainable West
was created. At the end of 2011, the crusade
undertaken by the association in favor of a
clear environmental police, which provided
legal certainty for the agriculture industry to
produce, reached its high point in the enactment of new environmental legislation in
Bahia. This victory is capable of defining the
course of agriculture and livestock not only
in the area but all over the state.
The same can be said about the success
– which we hope is final – in the battle Aiba
has been fighting against the collection of Social Rural Contribution (Funrural) for more
than a decade. On March 28, 2012, Manoela
Araújo Rocha, federal judge of the district of
Barreiras, in three published decisions, ordered the Federal Government to definitely
suspend the collection and refund the Social
Rural Contribution (Funrural), which had
8
EFFORT: The creation of agricultural funding for the cerrado areas (savannah)
in northeastern Brazil is one of the battles being fought nowadays
been collected for the past 10 years, to the
members of the entity. This decision represents immediate cost-savings for the farmers,
and it is also fair to them, since it reimburses
them for everything that was unduly paid.
Also a great victory in 2012, which is the
result of a process that started in 2009, is the
beginning of the construction and paving of
the Timbaúba Road in the municipality of
Luís Eduardo Magalhães. The initiative is
modeled as a Public Private Partnership (PPP)
and results from an agreement established
by a protocol of intent signed between Aiba,
the state government and the Bank of the
Northeast (BNB) to enable the construction
of roads in western Bahia. This is a pioneer
initiative in the state. Because of this protocol, Aiba has hired three projects, and one of
them is currently underway.
Many other battles are being fought at
this time, such as the creation of agricultural funding for the cerrado areas (savannah)
in the northeast, advocated at the National
Integration Ministry, and which is in its implementation phase through an agreement
with Banco do Brasil. Another great victory
was the change in the parameters for rating
farm size, matching them to the National
Bank for Social and Economic Development
(BNDES) standards. This measure enabled
the members to obtain greater funds from
the Northeast Financing Fund (FNE, in the
Portuguese acronym).
Thinking locally and acting in the industries, for two decades Aiba has been gaining
respect and cementing itself as one of the
most proactive and influential associations in
the country’s agribusiness.
Oeste da
OESTE BAIANO
Anuário da Região
Vocação
para liderar
REGIÃO DO CERRADO DA BAHIA
MOSTRA ÍNDICES DE PONTA
NO AGRONEGÓCIO NACIONAL E
MUNDIAL E TODA DISPOSIÇÃO PARA
CONTINUAR CRESCENDO
CRESCIMENTO DO PIB
(Produto Interno Bruto) – 2011
Agronegócio Bahia
9,8%
Agronegócio Brasil
5,7%
Estado
2,0%
País
2,7%
Fonte: SEI/BA – Cepea/Esalq/USP
A região Oeste da Bahia, revelada ao País e ao mundo nos últimos
anos por seu Cerrado altamente produtivo, com empreendedorismo
e organização, apresenta níveis de excelência em seus resultados e
permanece vibrante em sua vontade de evoluir, como se constata na
rotina da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), ali
sediada. Ainda jovem neste perfil, a área, com quase um milhão de habitantes e 39 municípios, chama atenção por estar à frente em termos
de produtividade agrícola e geração de riqueza e, de forma madura,
continua a crescer em índices superiores a 7% ao ano.
Revelando-se entre os modelos brasileiros de crescimento da produção agrícola com avançada tecnologia, a produtividade do Oeste
baiano mais que dobrou no período de duas décadas, em culturas
como soja e milho, com 107% e 106% de aumento, respectivamente.
Em 2011, confirmava-se que esta região superava, além do Brasil, também os Estados Unidos, país destaque nesse aspecto, ao apresentar
rendimento médio de 56 sacos por hectare na oleaginosa e de 163 sc/
ha no cereal. No algodão, também despontava com 270 arrobas por
10
hectare, só ultrapassado, em âmbito global, um pouco pela Austrália,
que tem todo o seu plantio irrigado. Mas o Oeste já respondia por
quase 30% da fibra no País e por mais de 2% da mundial.
Em 2012, mesmo com alguma influência contrária do clima, a região continua a apresentar números de primeira linha mundial e sua
produção aumenta 7%, com novo recorde de 7,3 milhões de toneladas. Já a renda fica ao redor de R$ 6 bilhões e no mínimo dobra se for
incluída a cadeia produtiva das principais culturas.
O agronegócio, que na Bahia tem sua referência no Oeste, puxa o
incremento da economia, tendo crescido 9,8% em 2011, enquanto no
total do Estado esse indicador ficou em 2%, conforme dados da Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI/BA).
O índice da região baiana destaca-se também no País, onde o Produto Interno Bruto (PIB) primário cresceu 5,73% e o geral, 2,7%, de
acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada
(Cepea), da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq),
mantida pela Universidade de São Paulo (USP).
INVESTIMENTOS O nível de produtividade e de renda
encontrados no Oeste baiano tem atraído investimentos, como
ressaltam empreendedores, a exemplo de um dos maiores (a
SLC Agrícola), que só em 2012 pretende aplicar R$ 80 milhões
na região. Essas organizações encontram ali as condições que
procuram, como chuva, solo, altitude e luminosidade. Observam
também perspectivas de incremento logístico, como a Ferrovia da
Integração Oeste-Leste (Fiol), que está sendo iniciada no litoral e
deve se juntar futuramente ao entroncamento de rodovias federais já existente na área.
Outras iniciativas se somam no plano logístico e em vários setores
registram-se avanços. É o que ocorre na ampliação do ensino universitário, pela anunciada implantação da Universidade Federal do Oeste
da Bahia (Ufoba), que deverá ter unidades nas cidades mais populosas da região (Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Luís Eduardo Magalhães
e Barra). Vai ao encontro da grande demanda de profissionais que
surge ao lado do desenvolvimento regional.
Bahia
EXEMPLOS Identificado com o avanço espetacular e recente deste espaço de destaque no amplo mapa brasileiro, a cidade de
Luís Eduardo Magalhães (LEM), a sede da Bahia Farm Show, também conhecida como Capital e Shopping Center do Agronegócio, é
uma das que mais crescem no País. A sua população aumentou de
44.310 habitantes em 2007 para 63.290 pessoas em 2011. Passou
também da 15ª para a quarta posição, dentre os 417 municípios da
Bahia, na apuração do Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal
(IFDM), no período de 2007 a 2010.
Da mesma forma, vários municípios da região se sobressaem estadual e nacionalmente na atividade produtiva, como é o caso de São
Desidério. Além de figuRENDA AGRÍCOLA NA BAHIA
rar na liderança do EstaMunicípios do Oeste
R$ mil
do por atingir volume
1. São Desidério
1.077.026
total de 1,7 milhão de
2. Formosa do Rio Preto
653.911
toneladas, com realce
3.
Barreiras
505.090
para o algodão, do qual
4. Luís Eduardo Magalhães
386.472
é o principal produtor
no Brasil, também está
5. Correntina
335.025
à frente no País em
6. Riachão das Neves
223.096
termos de Valor Bru7. Jaborandi
169.198
to da Produção (VBP)
8. Cocos
66.838
agrícola, com renda de
9. Coribe
28.502
mais de R$ 1 bilhão. No
10. São Félix do Coribe
27.871
âmbito estadual, os três
Fonte: IBGE 2010
primeiros colocados na
renda primária estão nesta circunscrição (São Desidério, Formosa do
Rio Preto e Barreiras) e mais três entre os 10 maiores (Luís Eduardo
Magalhães, Correntina e Riachão das Neves).
O forte Oeste baiano, que já planta próximo de 2 milhões de
hectares em sua área de Cerrado, tem mais do que essa extensão
(cerca de 2,6 milhões de ha) em condições de receber investimentos
na produção, a qual está em vias de expansão também no plano da
industrialização. A conquista do Oeste do Estado está consolidada e
consagrada, mas prossegue firme e notável, com sua vocação para
liderar e vitalidade para gerar, dadas as condições, cada vez mais desenvolvimento para a região, o Estado e o País.
FÉRTIL: Liderado pela soja e pelo algodão, o agronegócio impulsiona o
desenvolvimento do Oeste da Bahia e surpreende o Brasil e o planeta
11
WESTERN BAHIA
Vocation to lead
FERTILE: Lead by
soybean and cotton,
agribusiness drives
the development of
Western Bahia and
amazes Brazil and
the planet
CERRADO REGION IN BAHIA IS A NATIONAL
AND GLOBAL FRONTRUNNER IN AGRIBUSINESS AND
DETERMINED TO CONTINUE GROWING
Western Bahia, a region that unfolded before the Country and
the world over the past years for its highly productive Cerrado, with
entrepreneurship and organization, presents levels of excellence in
its results and continues determined to go on progressing, a fact
that can be ascertained through the routine activities of the Bahia
State Farmers and Irrigators Association (Aiba), based there. Still
young in this profile, the one million people area comprises 39 municipalities, and stands out for its front-running position in terms
of agricultural productivity and the generation of wealth and, in a
self-assured manner, continues growing over 7% a year.
Standing out among the Brazilian agricultural production
growth models with advanced technology, western Bahia’s productivity rates more than doubled over the past two decades, in crops
like soybean and corn, soaring 107% and 106% respectively. The
12
year 2011 was marked by the confirmation of the region’s leadership in yields, outstripping not only Brazil on that score, but the
United States, too, a country that is a reference in yields, when average productivity rates reached 56 sacks of soybean and 163 sacks
of corn per hectare. In cotton, the region also reached 270 arrobas
per hectare, only outstripped at global level by Australia’s irrigated
cotton fields. The share of Western Bahia in the national fiber crop
has already reached 30% and 2% of the global crop.
In 2012, although climate conditions are not very favorable, the
region continues displaying first class figures and its production
volume soars 7% to a new 7.3-million ton record crop. Revenues
remain at about R$ 6 billion and double if the production chain of
other relevant crops is included.
Viewed as a reference in Bahian agribusiness, the western re-
gion drives the economy, with a growth rate of 9.8% in 2011, while
in the total of the State this indicator remained at 2%, according
to data from the Bahia State Superintendency for Economic and
Social Studies (SEI/BA). The development rate of western Bahia is
also noteworthy in the Country, where the primary Gross Domestic
Product (GDP) increased by 5.73% and the general, by 2.7%, according to the Center for Advanced Studies on Applied Economics (Cepea), of the Luiz de Queiroz Agriculture College (Esalq), maintained
by the University of São Paulo (USP).
INVESTMENTS The level of productivity and income present in Western Bahia has attracted investments, a fact that is emphasized by entrepreneurs, where a good example is SLC Agrícola,
a leading business, which intends to invest R$ 80 million in the re-
EXAMPLES Identified with the recent and
spectacular advance of this area that stands out on
the vast Brazilian map, the city of Luís Eduardo Magalhães (LEM), the venue of the Bahia Farm Show,
also known as Agribusiness Capital and Shopping
Center, is one of the towns that grows the most in
Brazil. Its population soared from 44,310 in 2007 to
63,290 people in 2011. It also jumped from the 15th
to the 4th position, among the 417 municipalities in
Bahia, as ascertained by the Municipal Development
Index (IFDM), in the 2007 – 2010 period.
There are also several municipalities in the region that stand out at state and national level in the
production activity, like the town of São Desidério.
Besides ranking first in the State, with a total crop
volume of 1.7 million tons, cotton is the flagship,
with the biggest production volumes in the Country and also a leader in Agricultural Production
Revenue (APR), with income of upwards of R$ 1 billion. At state level, the first three in primary income
are comprised by regional areas (São Desidério,
Formosa do Rio Preto and Barreiras) and three others among the 10 biggest ones (Luís Eduardo Magalhães, Correntina and Riachão das Neves).
The very active Western Bahia, home to almost 2
million hectares of crops in the Cerrado area, boasts
another 2.6 million hectares waiting for investments
in production, and is now about to expand its industrialization processes across the region. The conquest
of the State’s Western portion has been consolidated
and sealed, and continues firm and remarkable, with
its vocation to lead and vitality enough to generate,
given the conditions, more and more development
for the region, the State and the Country.
gion, in 2012. These organizations find in the region the conditions
they are looking for, like timely rainfalls, soil, altitude and luminosity. They also spot perspectives of logistic improvements, like the
West-East Integration Railway (Fiol), which is being started at the
coastal portion and, in the future, will connect with federal road
junctions existing in the area.
Other initiatives join the logistics plan and several sectors
have shown advances. This is what occurs with the implementation of higher education, and the Construction of the Western
Bahia Federal University (Ufoba) is in the pipeline, with subsidiary units in the most populous cities in the region (Barreiras,
Bom Jesus da Lapa, Luís Eduardo Magalhães and Barra), in line
with the need for professionals in a region where regional development is making strides.
13
INDUSTRIALIZAÇÃO
Oeste da
Anuário da Região
Bahia
AVES E SUÍNOS A avicultura e a suinocultura foram enfati-
O olhar
fixo no alto
REGIÃO ESTÁ DIRECIONADA A VERTICALIZAR A SUA GRANDE PRODUÇÃO
AGROPECUÁRIA, COM DESTAQUE PARA AS ÁREAS ANIMAL E TÊXTIL
Após já ter consolidado uma expressiva produção primária, o
Oeste baiano está cada vez mais voltado à verticalização do processo
produtivo, agregando valores com a industrialização. Esforços vêm
sendo dirigidos nesse sentido, na organização e no empreendedorismo local e regional, contando também com o apoio estadual. Novas
fábricas surgem de modo especial na nova e crescente cidade de Luís
Eduardo Magalhães (LEM), que oferece o Centro Industrial do Cerrado, com 320 hectares disponíveis para essa finalidade e 42 unidades
14
em funcionamento, pretendendo passar para 70 em breve.
Ao mesmo tempo, na maior cidade, Barreiras, é anunciada com
destaque uma nova e grande esmagadora de soja, com capital chinês,
para se somar a duas já existentes na região. Sob a denominação de
Universo Verde Agronegócios, o empreendimento teve lançamento
de pedra fundamental em junho de 2011, recebeu licença de localização em dezembro e de instalação em março de 2012, às margens
da Rodovia 242/20, km 590, em área de 100 hectares. Será voltada à
fabricação de óleos vegetais com capacidade de 850 mil t/ano, com
expectativa de geração de aproximadamente mil empregos.
Dentro do esforço de atração do investimento, o governo do
Estado tem promovido missões e intercâmbios com a China, além
da instalação de escritório permanente em Pequim. Existe a possibilidade de outras iniciativas com a participação daquele país,
particularmente no ramo têxtil, onde o Oeste, responsável pela expressiva e qualificada produção baiana de algodão, a segunda maior
do Brasil, ainda não sedia indústria final da cadeia, possuindo, isso
sim, várias unidades de processamento inicial. Em LEM, já existe
expectativa em torno da viabilização de uma indústria de fiação, por
meio de empresário com tradição na produção da pluma.
O Estado também dispõe do Estudo Analítico das Cadeias Produtivas do Algodão, Soja e Milho do Oeste da Bahia e Alternativas
para a Verticalização da Produção, feito recentemente pela Fundação Getúlio Vargas, com apoio da região. Quando foi divulgado,
ressaltou-se especialmente a possibilidade de posicionar a marca
“Algodão da Bahia”, para agregar valor ao produto, já reconhecido como um dos melhores do mundo. Além disso, é considerada
como promissora a potencialidade da ampliação da avicultura e
da suinocultura na região produtora de grãos.
zadas no estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas como altamente demandadoras em farelo de soja e milho. Poderiam responder
já em 2015 por, respectivamente, 41% do cereal e 47% do produto da
oleaginosa obtidos na região. O documento sublinha, entre outras
vantagens, a de que o vazio sanitário da área assegura menor pressão
em relação a doenças na exploração avícola. Esta, aliás, já apresenta
exemplos concretos de evolução no Oeste baiano, onde se instalou
há pouco tempo indústria com cadeia produtiva completa (a Mauricea), em LEM, além de outro abatedouro já existente.
Ambos abatiam em março de 2012 em torno de 1,6 milhão de
aves, quando a capacidade mensal instalada é de 3,5 milhões. Com a
perspectiva da ampliação, possuem projetos de integração produtiva a serem viabilizados. E ainda no campo animal, uma atividade de
maior tradição regional, a pecuária bovina, tem três frigoríficos espalhados estrategicamente (Barreiras, Santa Maria e Muquém do São
Francisco), que estão em condições de abater 1.300 bovinos/dia. Ali,
também são processados suínos que estão sendo produzidos, ainda
em pequena quantidade, na região.
Pequenas agroindústrias estão sendo incentivadas, como ocorre por exemplo em LEM, com o Serviço de Inspeção Municipal
(SIM), que acompanha 20 iniciativas, a maioria na área leiteira e
suinícola. Nesse sentido, soma-se o Projeto de Fortalecimento da
Região Oeste, apresentado em março de 2012 pela Federação das
Indústrias do Estado da Bahia (Sistema Fieb/Cieb) e pelo Serviço
Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a partir de diagnóstico de 80 indústrias desse porte com potencial de
crescimento. A ação insere-se em programa de interiorização que
busca oferecer melhores condições de atratividade e de competitividade a regiões estratégicas, como a Oeste, e deve contribuir para
o avanço buscado na sua industrialização.
AGREGAÇÃO: O crescimento na produção agrícola e pecuária tem
estimulado a instalação de várias indústrias nos municípios do Oeste
15
INDUSTRIALIZATION
CHICKEN AND HOGS Chicken
Looking up
into the sky
REGION IS BOUND TO VERTICALIZE ITS IMMENSE
AGRICULTURE AND LIVESTOCK OPERATIONS, WHERE
THE HIGHLIGHTS ARE CATTLE AND TEXTILES
After having consolidated an expressive primary production, Western Bahia is
increasingly focusing on the verticalization
of the production process, adding values
through industrialization. Efforts have
been directed towards this end, both at
local and regional entrepreneurship and
organization levels, and also counting on
support from the state government. New
factories arise particularly in the new and
ever-increasing city of Luís Eduardo Magalhães (LEM), home to the Cerrado Industrial Center, with 320 hectares available for
this purpose, and 42 units in operation,
which are soon expected to soar to 70.
In the meantime, in the biggest city,
Barreiras, a huge soybean crushing plant
is pompously announced, with Chinese
capital, joining the two existing plants in
the region. The cornerstone of the new
plant - Universo Verde Agronegócios - was
launched in June 2011, and its location license was issued in December, while the
license for the construction of the facilities was granted in March 2012, along the
margins of Roadway 242/20, km 590, in an
area of 100 hectares. It will be destined for
the manufacture of vegetable oils, with a
production capacity of 850 thousand tons a
year, and the expectation is for the genera-
16
tion of approximately one thousand jobs.
Within the investment-oriented attraction efforts, the State Government has promoted business missions and interchanges
with China, besides setting up a permanent
office in Beijing. There are chances for other initiatives with the participation of that
country, especially in the textile sector,
where the West, responsible for expressive
and qualified cotton production in Bahia,
the second largest volume in Brazil, has no
finishing industry, but several initial processing plants. In LEM, there is expectation
for the installation of a weaving industry,
by an entrepreneur with tradition in the
production of fiber.
The State has just finished an Analytical
Study on the Cotton, Soybean and Corn
Production Chains in Western Bahia and
Alternatives for Production Verticalization,
conducted by Getúlio Vargas Foundation,
relying on support from the region. When it
was disclosed, there was a special focus on
the chances to position the “Bahia Cotton”
brand, so as to add value to the product,
already acknowledged as one of the best in
the world. Furthermore, another promising
expectation is the potential to expand the
poultry and pig farming operations throughout the cereal producing region.
AGGREGATION:
The growth in
agriculture and
livestock operations
has attracted several
industries to the
municipalities located
in the West
and hog farms received emphasis in the study
conducted by Getúlio Vargas Foundation as
highly demanding in terms of soybean meal
and corn. By 2015, they could, respectively, account for the consumption of 41% of the cereal and 47% of the soybean products produced
in the region. The document underlines,
among other advantages, the fact that the
sanitary gap in the area exerts lower disease
related pressure on chicken farming activities.
And these activities, by the way, already boast
concrete examples of the evolution witnessed
in Western Bahia, where, some time ago, an
industry with the complete production chain
(a Mauricea), started operating in LEM, in addition to the existing slaughterhouse.
In March 2012, together they were slaughtering some 1.6 million chickens, while their
monthly capacity is for 3.5 million birds. With
an eye towards expanding their businesses,
they are considering production integration
projects soon to be materialized. Still in the
livestock field, a very traditional regional activity, cattle farming, takes advantage of three
meat packing industries strategically located
(Barreiras, Santa Maria and Muquém do São
Francisco), which have the capacity to slaughter 1,300 bovine head a day. The same facilities also process pigs, which are raised, though
in small quantity, in the region.
Small agroindustries are still being encouraged, a fact that occurs, for example in
LEM, with the Municipal Inspection Service
(MIS), now following closely 20 different
initiatives, most of them in the area of dairy
products and hog raising. Within this context, there is the Western Region Strengthening Project, set up in March 2012 by the Bahia State Industry Federation (Sistema Fieb/
Cieb) and by the Brazilian Micro and Small
Business Support Service (Sebrae), based on
a diagnosis of 80 industries of this size and
with a potential do grow. The action is part of
an interior-oriented program which seeks to
offer better attractive and competitive conditions to strategic regions, like the West, and
should contribute towards improving and
expanding its industrialization operations.
17
INFRAESTRUTURA
Nova revolução
a caminho
Oeste da
Anuário da Região
CRIAÇÃO DE FUNDO
DEVE INCREMENTAR
O AVANÇADO AGRONEGÓCIO
REGIONAL E ENCAMINHAR
SOLUÇÃO PARA O GARGALO
NAS RODOVIAS INTERNAS
Está em vias de se concretizar um
novo e ousado plano no Oeste da
Bahia, concebido como Programa de
Desenvolvimento do Agronegócio da
Soja, Algodão, Milho e Café (Prodeagros). Este fundo, de natureza privada, com recursos de créditos fiscais e
contrapartida dos produtores rurais,
nos moldes e como ampliação do atual Fundo para o Desenvolvimento do
Agronegócio do Algodão (Fundeagro),
deverá promover uma nova revolução
na região, custeando a modernização
tecnológica, o desenvolvimento social e, em especial, a infraestrutura.
Neste aspecto, é intenção priorizar a
construção, pavimentação e a recuperação de estradas estaduais e vicinais,
questão que se coloca como um dos
maiores gargalos ainda enfrentados
pelo setor agrícola.
Após conseguir alcançar nível elevado de progresso produtivo e acessos
importantes, o Oeste da Bahia volta especial atenção às vias internas de escoamento da produção, nas quais enfrenta problemas no atendimento a uma
demanda de transporte equivalente a
mais de mil caminhões de 37 toneladas/
dia. Para responder a esta necessidade,
de forma mais célere e eficiente, assim
como a outros pontos de incentivo ao
desenvolvimento do agronegócio e da
região, a Associação de Agricultores e
Irrigantes da Bahia (Aiba) contratou estudo técnico para subsidiar a discussão
com as áreas técnicas do Estado (Fazenda, Infraestrutura e Agricultura). A área
política também se mostrou receptiva e
às vésperas da Bahia Farm Show 2012
havia a expectativa do encaminhamento de um Projeto de Lei para a Assembleia Legislativa da Bahia.
EM OBRAS
Da mesma forma,
a região Oeste da Bahia vinha aguardando pelo início de obras no âmbito
18
Bahia
de outra iniciativa já formalizada em
2009, por meio de um protocolo de
intenções entre Aiba, governo do Estado e Banco do Nordeste (BNB), em
forma de parceria público-privada e
sob a denominação de Programa de
Rodovias Estaduais do Oeste Baiano.
A partir deste passo, a Aiba contratou
projetos executivos das obras e buscou
apoio do Estado para a implantação.
O projeto piloto está em execução na
Estrada Timbaúba, que tem 45 quilômetros, e fica localizada no município
de Luís Eduardo Magalhães (LEM), na
divisa com São Desidério. A proposta
total contempla 800 quilômetros, em
que se destaca a Rodoagro. Com 222
km, a Rodoagro sai da rodovia Anel da
Soja, passando pela maior área agrícola da região, até Formosa do Rio Preto.
Melhorias rodoviárias são tema
constante em gestões entre a representação regional e os órgãos públicos. No
final de 2011, o setor de transportes do
Estado anunciou licitação de trecho de
18 quilômetros no Centro Industrial
de LEM e a carta-convite para serviços
no Anel da Soja. Em março de 2012, o
governo estadual entregou a recuperação de 20 km da BA-464, ligação de
Baianópolis à BR-242, e na BA-171, em
Brejolândia. Em abril, inaugurou 3,5
km da BA-827, de acesso à Universidade Federal da Bahia, em Barreiras, e
autorizou obras nas ligações da BA-455
e da BA-826 à BR-135, assim como da
BA-447 à BR-242.
No plano federal, foi concluído
e aprovado o projeto executivo para
construção de 49 km da BR-242 até a
divisa com Tocantins, aguardando a licitação. De ambas as esferas, por conta
da proximidade de realização da Bahia
Farm Show 2012, eram esperadas novidades, de modo especial no que tange
à implementação do novo programa
regional de desenvolvimento.
19
INFRASTRUCTURE
New revolution
on the way
revolu
CREATION OF THE
“FUNDO” (FUND) SHOULD
DRIVE THE ADVANCED
REGIONAL AGRIBUSINESS
AND COME UP WITH
A SOLUTION TO THE
BOTTLENECK ON
THE ROADWAYS
THROUGHOUT
THE REGION
20
A new and bold plan in Western Bahia is about to materialize, conceived
as Agribusiness Development Program for Soybean, Cotton, Corn and Coffee
(Prodeagros). This fund, of private nature, with resources from tax exemption
schemes, and from the rural producers in their role as counterparts, following
on the heels of the Fund for the Development of Cotton Agribusiness (Fundeagro), should give rise to a new revolution in the region, carrying the costs
of technological modernization, social development and, especially, all investments in infrastructure. Within this context, the intention is to give priority to
the construction, pavement and recovery of state and vicinal roads, a question
that is still a huge bottleneck faced by the agricultural sector.
After managing to achieve high productive levels and important access
routes, Western Bahia is now paying special heed to internal roads for production transport, where the challenges include shortages in the demand for crop
transporting vehicles requiring more than one thousand 37-ton trucks a day.
In order to meet this pressing need, in the most efficient and speedy manner,
like other encouraging development factors across the region, the Bahia State
Farmers and Irrigators Association (Aiba) contracted a technical study to lend
support to the debates with the technical department of the State (Finance,
Infrastructure and Agriculture). The political establishment also showed interest in the question and, on the eve of the Bahia Farm Show 2012, there was
expectation for sending a Bill to the Legislative Assembly of Bahia.
UNDER CONSTRUCTION Likewise, the Western Bahia region had
been expecting for the works of another initiative, formalized in 2009, through
an intention protocol between Aiba, State Government and Banco do Nordeste
(BNB), in the guise of a public-private partnership known as Western Bahia
State Road Program. Based on this first step, Aiba contracted executive projects and sought state government support towards its implementation, and the
project is being executed at the Timbaúba Road, 45 kilometers long and located
in Luís Eduardo Magalhães (LEM), at the borders with São Desidério. The total
bid is a stretch of 800 kilometers, where the highlight is Rodoagro. With 222
km, Rodoagro starts at the Soy Ring Roadway, connecting with the huge agricultural frontier of Formosa do Rio Preto.
Roadway improvements are subjects always present in negotiations between
regional representations and government organs. In late 2011, the State transport
sector invited bids for the 18-km stretch from the Industrial Park to LEM and also
bids for services at the Soybean Ring. In March 2012, the state government recovered with success a stretch of 20 km along the BA-464, connecting Baianópolis
to BR-242, and at BA-171, in Brejolândia. In April, the government inaugurated a
stretch of 3.5 km of the BA-827, giving access to the Federal University of Bahia, in
Barreiras, and authorized the construction of the connections of the BA-455 and
BA-826 to BR-135, as well as the connection from the BA-447 to BR-242.
At federal level, an approval was granted to the project for the construction
of 49 km from the BR-242 to the borders with Tocantins, a bidding process is to
be announced soon. From both governments, on account of the proximity of
the Bahia Farm Show 2012, novelties are expected, in general, with regard to the
implementation of the new regional development program.
Oeste da
LOGÍSTICA
Anuário da Região
Por trilhos,
ar e mar
Expressiva parcela da destacada produção agrícola do polo baiano
no Oeste é exportada por portos no litoral Leste, onde chega por via rodoviária, enquanto vem sendo aguardada a grande Ferrovia da Integração Oeste-Leste (Fiol), em obras iniciais, como nova alternativa de escoamento. Da soja produzida na região, 53% vai para o exterior, 77% dela
pelo terminal portuário de Aratu, na região metropolitana de Salvador,
que também embarca parte do farelo, enquanto outra sai por Ilhéus,
e por outros portos fora do Estado, como o Porto de Vitória (ES) e o
Porto de São Luís (MA), fazendo intermodalidade, nestes últimos dois
casos, com ferrovia em Pirapora (MG) e Colinas (MA), respectivamente.
Já em relação ao algodão e ao café, respectivamente, 51% e 50%
22
são exportados, quase totalmente pelos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR), porque não havia condições adequadas para tanto em
solo baiano. Mas o Terminal de Contêineres (Tecon) Salvador está
investindo a fim de viabilizar e ampliar essa operação.
No final de 2011, o Tecon Salvador recebeu três portêineres
e seis RTGs (rubber tyre gantry crane, ou pontes rolantes sobre
pneus), como parte de um investimento de R$ 180 milhões na ampliação da sua capacidade operacional. Junto com outras obras, deverá passar de 37 para 55 movimentos por hora e de 250 mil TEU
(Twenty Equivalent Unity – unidade equivalente a um contêiner de
20 metros) para 530 mil TEU por ano, aumentando a competitivida-
Bahia
POR VAGÃO Para a futura ferrovia, a meta é viabilizar o chama-
OBRAS EM PORTOS E AEROPORTOS,
ALÉM DO AVANÇO NO GRANDE
INVESTIMENTO DA FERROVIA,
AMPLIAM POTENCIALIDADES DO
DESENVOLVIMENTO REGIONAL
de e a atratividade do porto baiano.
Da mesma forma em Aratu têm sido solicitadas e feitas melhorias
para resolver gargalos. São reivindicados melhoramentos no acesso
e no estacionamento, assim como a ampliação na recepção e na armazenagem, onde existem duas unidades, uma de 140 mil t (para
soja) e outra de 100 mil t (para farelo), e uma linha de recepção para
1.000 t/h. Prevê-se para 2012 a construção de sete silos de 18 mil t
cada e nova linha de recebimento, que irão possibilitar a desejada segregação dos tipos de produtos. Obras já executadas, por outro lado,
permitem o acesso de embarcações com maior capacidade, tornando
o porto mais competitivo no embarque de grãos.
do Porto Sul, em Ilhéus, onde estão sendo tratadas questões ambientais.
Estas igualmente têm interferido, junto com desapropriações e outras demandas, no andamento dos trabalhos da Fiol, que ocorrem atualmente
no primeiro trecho, entre Ilhéus e Caitité, no interior da Bahia, com atraso
em relação ao cronograma inicial. Essa etapa tem 537 quilômetros e, pelas
novas estimativas, deverá ser concluída até junho de 2014; estão sendo
tomadas medidas para a sua aceleração.
Na segunda fase da obra, com mais 485 quilômetros, será alcançada
Barreiras, no Oeste baiano, o que, de acordo com as últimas previsões,
poderá ocorrer até o final de 2015. Toda a ferrovia terá extensão superior
a 1.500 quilômetros e deverá chegar até Figueirópolis, no Tocantins, onde
será conectada à Ferrovia Norte-Sul, oferecendo novas opções logísticas.
O investimento total é estimado em R$ 7,43 bilhões e deverá representar
redução de custos no transporte de insumos e de produtos diversos, favorecendo o agronegócio baiano; e criação de polos agroindustriais e de
minérios. Os fretes de algodão, conforme estudo da Fundação Getúlio
Vargas, poderão cair de US$ 0,08 para US$ 0,03 por libra-peso por tonelada transportada entre o Oeste e o Litoral baiano.
POR AVIÃO O transporte aeroviário, por sua vez, também vem
sendo incrementado na região. O aeroporto existente em Barreiras está
recebendo melhorias no terminal, por novo concessionário, e tem projeto de ampliação de pista. Além da operação diária de avião com capacidade de até 50 passageiros, estava prevista para 2012 a ativação de linha com
aeronave de outra empresa com até 100 lugares.
Já o novo aeródromo de Luís Eduardo Magalhães, usado até então
para voos particulares, está sendo viabilizado para uso público. Com
pista de 2.050 metros concluída, tratava-se recentemente do asfaltamento de área de taxiamento e estacionamento, bem como da instalação de unidade de Bombeiros. Definições relativas à ampliação futura
do hangar e à gestão também estarão em pauta para colocar em pleno
funcionamento mais essa alternativa logística, permitindo voos cada vez
mais altos à progressista região.
23
LOGISTICS
PER FREIGHT CAR For the future railway, the target is to
make the so-called South Port, in Ilhéus, viable, where environmental
questions are now at stake. These issues have also had an influence on
expropriations and other demands, as the FIOl work began to unfold,
and these things are affecting the first stretch, from Ilhéus to Caitité, in
the interior of Bahia, causing delays to the initially agreed schedule. This
stretch comprises 537 kilometers and, by new estimates, shall be concluded by June 2014; initiatives are being taken to speed up this work.
In the second stage of the work, 485 kilometers, Barreiras is to be
reached, which, according to the latest estimates, might occur by the end
of 2015. The entire railway will be upwards of 1,500 kilometers long,
and has been projected to reach Tocantins, where it will be connected to
the North-South Railway, offering new logistic options. The total investment is estimated at R$ 7.43 billion and shall translate into freight cost
reductions for inputs and all kinds of products, favoring all agribusiness
operations in Bahia; along with the creation of agroindustrial hubs and
mining operations. Cotton transport costs, according to a study by Foundation Getúlio Vargas, might drop from US$ 0.08 to US$ 0.03 per pound,
per ton transported from the West to the Coast in Bahia.
BY AIR Air-transportation, in turn, is also being activated in the
region. The airport terminal in Barreiras is now undergoing repair
works, undertaken by the new concessionaire, and the project is for
expanding the runway. Besides the daily landing and departure of airplanes for up to 50 passengers, the plan for 2012 is to put into operation airplanes with the capacity for 100 passengers.
With regard to the new airdrome in Luís Eduardo Magalhães,
only used for private flights, it is now being prepared for public use.
With a 2,050-meter runway concluded, what is being considered is
paving the parking and taxi area, as well as the installation of a Fire
Brigade facility. Definitions relative to future expansions of the hangar and administration issues are also on the agenda, so as to put
into operation one more logistic alternative, giving this progressive
region chances for ever higher flights.
Rail, air and water
WORKS AT PORTS AND AIRPORTS, BESIDES
HUGE ADVANCES AND INVESTMENTS IN RAILWAYS, WIDEN THE
POTENTIALITIES OF REGIONAL DEVELOPMENT
Expressive portion of the commodities produced in the Western
Bahia agriculture hub is exported through the East Coast ports, where
the products arrive by road, but the great dream of a new transportation alternative is the conclusion of the West-East Integration Railway
24
(Fiol), whose construction has just started. Of all soybean produced
in the region, 53% is shipped abroad, 77% of that amount leaves the
Country through the port of Aratu, in the metropolitan region of
Salvador, from where part of the soy meal is also shipped, while the
rest leaves Brazil through Ilhéus, and through other ports outside the
State, like the Port of Vitória (ES) and the Port of São Luís (MA), with
the last ones interconnected in an intermodality scheme with the
Railway in Pirapora (MG) and Colinas (MA), respectively. With regard
to cotton and coffee, respectively, 51% and 50% is exported, almost in
its entirety through the port of Santos (SP) and Paranaguá (PR), once
the conditions in Bahia do not meet all the requirements. However,
the Container Terminal (Tecon) Salvador is making investments with
an eye towards these shipment operations.
In late 2011, Tecon Salvador was equipped with three container
carriers and six rubber tire gantry cranes, or rubber-tired bridge
cranes, as part of the investment of R$ 180 million in the expansion
of its operational capacity. Along with other works, it should jump
from 37 to 55 movements per hour and from 250 thousand twenty-
foot equivalent units (TEU) to 350 thousand TEUs a year, increasing
the competitiveness and attractiveness of the port.
Likewise, in Aratu improvements have been requested and performed in an attempt to solve bottlenecks. Refurbishing is needed for
the access routes and parking spaces, as well as an expansion to the
reception facilities and warehousing buildings, where there are two
units, one for 140 thousand ( for soybean) and the other with a capacity for 100 thousand tons ( for soy meal), and a reception line for
1,000 tons/hour. For 2012, the intention is to build seven silos, each
with a capacity for 18 thousand tons and a new receiving line, which
will allow for the much desired product segregation per type. Works
that have already been completed, on the other hand, allow for the
access of vessels with bigger capacity, turning the port more competitive in matters related to the shipment of cereals.
25
Oeste da
SAFRA
Anuário da Região
Um ano de
superação
ESTIMATIVA CUSTEIO - SAFRA AGRÍCOLA 2011/12
ÁREA
CUSTO
CUSTEIO INSUMOS INSUMOS
CULTURAS
(ha)
(R$/ha) (Milhões R$)
(%)
(Milhões R$)
Soja
1.150.000 1.465,63
1.685,47
68
1.146,12
Algodão
385.532 4.031,25
1.554,18
76
1.181,17
Milho
243.000 2.346,10
570,10
75
427,58
Café*
15.523 9.911,00
153,85
51
78,46
Arroz
6.000 1.155,40
6,93
55
3,81
Feijão (Irrigado)
12.000 3.074,00
36,89
63
23,24
Capim (Sementes)
30.000 1.144,80
34,34
50
17,17
Sorgo
13.000
339,20
4,41
55
2,43
Demais
180.323
TOTAL
2.035.378
--4.046,18
--2.879,99
* Café = 13.234 hectares em produção - Elaboração: Aiba, abril 2012
Bahia
PARTICIPAÇÃO
CUSTEIO TOTAL
(Milhões R$)
%
Bancos
1.124,36 27,8%
Indústrias e traders complexo soja
520,00 12,9%
Fornecedores Agroquimicos
489,58 12,1%
Produtores
1.912,23 47,3%
TOTAL
4.046,18 100%
Fonte: Bancos e agentes do mercado Elaboração: Aiba, abril 2012
FINANCIADORES
FORTE ESTIAGEM QUE ASSOLOU A REGIÃO
NÃO IMPEDIU COLHEITA DE VOLUME 7,4% SUPERIOR AO DA TEMPORADA
ANTERIOR, MANTENDO O RITMO DE CRESCIMENTO
Na safra 2011/12, mesmo com as dificuldades causadas pelo agravamento da seca,
o Oeste da Bahia colheu total de 7,3 milhões de toneladas, resultado 7,4% superior ao do ciclo 2010/11. A área plantada
na região aumentou 4%, passando de 1,85
milhão de hectares para 1,93 milhão de ha.
Com a segunda safra, ultrapassa 2 milhões
de ha, mas inclui área sobreposta. O Valor
Bruto da Produção (VBP) agrícola permaneceu no nível de R$ 6 bilhões. A soja voltou a superar o algodão, liderando o VBP
da região com R$ 2,36 bilhões.
As áreas de exploração agrícola mais
recentes, localizadas na transição entre a
Caatinga e o Cerrado, são as que estão sofrendo mais severamente os efeitos da maior
estiagem dos últimos 30 anos no Estado.
26
Baianópolis, Cocos, Correntina e Jaborandi
são alguns dos municípios mais atingidos.
A Associação de Agricultores e Irrigantes da
Bahia (Aiba) consolidou, no dia 24 de abril, os
dados do 3º Relatório da Safra 2011/12, após
reunião do Conselho Técnico da entidade e
de instituições diversas. Nas áreas novas, as
médias das perdas chegam a até 80% na produção da soja. A oleaginosa é geralmente a
primeira cultura introduzida nas áreas recém
abertas de Cerrado, e, por isso, reflete em
maior grau o problema.
O algodão também
sofre as consequências da seca, mas as perdas
estimadas, parciais. são de 10%.
Já o milho, dentre as três principais
commodities produzidas na região, foi a
que menos sentiu os efeitos da estiagem,
pois a maior parte das lavouras conseguiu
fechar o ciclo produtivo antes do agravamento da situação, observado especialmente em algumas microrregiões. A produtividade média para o cereal está estimada
em 155 sacas por hectare, 3% acima da
expectativa do 1º e do 2º Levantamento da
Safra 2011/12, porém 5% abaixo do que foi
registrado no período 2010/11. MITIGADOR DE RISCO “Com
todo o problema climático, algo que não se
via desde a safra 2001/02, ainda teremos
bom resultado geral na região, com a soja
perdendo 14% em produtividade; o milho,
5%; e o algodão, 10%”, observa o presidente da Aiba, Walter Horita. “E é preciso
que se diga que esses números são comparados à safra anterior, que foi recorde
em produtividade nas três culturas. Isso é
uma demonstração de que a aplicação de
alta tecnologia na agricultura é um grande
mitigador de risco climático”, diz.
Para Antônio Grespan, diretor do Conselho Técnico da Aiba, pode-se concluir
que, nesta safra, o produtor que fez rotação de cultura foi recompensado. “Em
que pese o maior risco climático que a
cultura do milho apresenta, quando a estiagem se iniciou as lavouras estavam com
seu potencial de produção consolidado”,
explica. “A diversificação na matriz produtiva deu mais uma prova de sua eficácia.
O produtor precisa ter opções para estabilizar suas receitas, tanto diante de frustrações climáticas como das flutuações do
preços das commodities”. Segundo ele, a
rotação contribui tanto para a sustentabilidade ambiental como para a econômica.
Participaram da reunião de validação
dos dados do Conselho Técnico da Aiba
as seguintes entidades: Associação dos
Produtores de Algodão da Bahia (Abapa),
Associação dos Cafeicultores do Oeste
da Bahia (Abacafé), Associação dos Engenheiros Agrônomos de Barreiras (AEAB),
Associação dos Produtores de Soja da
Bahia (Aprosoja-BA), Associação dos Produtores de Sementes da Bahia (Aprosem-BA), Banco do Brasil, HSBC, Bunge,
Cargill, Desenbahia, Fundação BA, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas
(IBGE), Sindicato dos Produtores Rurais
de Barreiras, e Sindicato dos Produtores
Rurais de Luís Eduardo Magalhães.
IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR
No Oeste da Bahia, as lavouras irrigadas representam apenas 8% do total da região. A
Aiba defende uma proposta de “outorga sazonal” para aproveitar os períodos de maior
vazão e introduzir uma irrigação complementar.
De acordo com o vice-presidente
da Aiba, Sérgio Pitt, essa medida poderia
amenizar um pouco o problema em pontos
isolados, com a irrigação complementar no
período de fevereiro a março. Essa água poderia ser usada na lavoura neste período em
que deveria ter chovido. “Nesses casos específicos, estamos deixando a água dos rios
simplesmente passar, sem aproveitar esse
potencial hídrico nas lavouras, para garantir
uma oferta maior de alimentos e o investimento dos produtores”, disse Pitt.
27
HARVEST
CULTURAS
An outstanding year
SOJA (sc)
ALGODÃO (@ / Capulho)
MILHO (sc)
CAFÉ em produção (sc)
CAFÉ (formação e renovação)
ARROZ (sc)
FEIJÃO (sc) sequeiro
CAPIM - Prod. Sementes (kg)
SORGO (sc)
OUTRAS CULTURAS*
TOTAL 1º SAFRA (A)
Área (ha)
1.100.000
370.845
153.000
11.523
3.253
11.000
15.000
40.000
13.000
138.024
1.855.645
FEIJÃO (sc) - Irrigado
FEIJÃO VIGNA (sc) - Sequeiro
SORGO (sc) - Sequeiro
MILHO (sc) - Irrigado
MILHO SEMENTE (sc) - Irrigado
OUTRAS CULTURAS ANUAIS IRRIGADAS
TOTAL 2º SAFRA (B)
TOTAL GERAL (A+B)
1.855.645
inglês
ALGODÃO (@ / capulho)
32.165
MATRIZ AGRÍCOLA CERRADO BAIANO - 3º ESTIMATIVA SAFRA 2011/12
Safra 2010-11
Safra 2011-12
Produtividade Produção (t) VBP (milhões R$) Área (ha) Produtividade Produção (t) VBP (milhões R$)
1º SAFRA / SAFRA VERÃO
56,0 3.696.000
2.464,00 1.150.000
48,1 3.320.970
2.357,89
270,0 1.501.922
2.526,28 385.532
243,0 1.405.264
2.218,26
163,0 1.496.340
598,50 243.000
155,0 2.259.900
790,97
41,0
28.347
193,90
13.234
43,0
34.144
205,00
2.298
43,0
28.380
11,80
6.000
30,0
10.800
6,19
45,0
40.500
67,50
3.000
12,0
2.160
13,50
450,0
18.000
63,00
30.000
450,0
13.500
47,25
30,0
23.400
5,00
133,00 100.526
133,00
- 6.832.889
6.062,98 1.933.590
- 7.051.418
5.772,05
2º SAFRA / SAFRA INVERNO
12.000
45,0
32.400
54,00
45.000
12,0
32.400
54,00
13.000
19,0
14.820
5,00
7.500
155,0
69.750
27,00
2.000
165,0
6.600
8,71
22.297
100,0
133.782
117,60
- 101.797
289.752
266,31
- 6.832.889
6.062,98 2.035.387
- 7.341.170
6.038,36
REGIÃO SUDOESTE (GUANAMBI E VALE DO IUIU)
130,0
62.722
31.086
35,0
16.320
Variações (%)
Área Prod VBP
5 (10) (4)
4 (6) (12)
59 51 32
15 20
6
(29)
(45) (62) (48)
(25) (25) (25)
(27)
4
3 (5)
10
7
(0)
(3) (74)
Fonte: Aiba, Abapa, Abacafé, Aeab, Banco do Brasil, Banco HSBC, Bunge, Cargill, Desenbahia, Fundação BA, Ibge, Sindicato Produtores Rurais Barreiras, Sindicato Produtores Rurais Lem e Aprosoja-BA. Elaboração: Aiba - abril/2012
Notas:
Rendimento Algodão:
Pluma: 97,2 @/ha; Rendimento 40%, Produção total: 562.106 tons
Caroço: Rendimento 52%; Produção total: 730.737 tons
Produção Café:
Produção de café em sacas de 60kg (2010/11) = 472.928 sc
Produção de café em sacas de 60kg (2011/12) = 569.089 sc
els per acre, 3% above the volume expected
by the 1st and 2nd 2011/12 Harvest Surveys,
although it is 5% below the volume recorded
in the 2010/11 period. THE SEVERE DROUGHT THAT RAVAGED THE AREA DID NOT
PREVENT A VOLUME 7.4% HIGHER THAN THE PREVIOUS SEASON FROM BEING
HARVESTED, KEEPING UP THE GROWTH RATE
In the 2011/12 harvest season, despite
the hardships brought on by the worsening
drought, western Bahia picked a total of 7.3
million tonnes, a result 7.4% higher than in
the 2010/11 cycle. The area planted increased
4%, up from 4.6 million acres to 4.8 million
acres. Along with the second harvest, it exceeded 5 million acres, although it includes
overlapping areas. The Gross Harvest Value
(GHV) remained at the BRL 6 billion mark.
Soybean once again surpassed cotton, leading the local GHV at BRL 2.36 billion.
The most recently farmed areas located on
28
the transition stretch between the caatinga (a
forest composed of stunted trees and thorny
bushes) and cerrado (savanna) are the ones
most severely affected by the longest drought
in the past 30 years in the state. Baianópolis,
Cocos, Correntina and Jaborandi are some of
the hardest-hit cities. On April 24, the Association of Bahia Farmers and Irrigators (Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia
- Aiba) consolidated the data in the 3rd Report on the 2011/12 Season after a meeting
between the entity’s Technical Council and
various institutions. In the new areas, the av-
erage soybean losses reach up to 80%. The
oilseed is usually the first crop introduced in
newly-tilled cerrado areas, and that is why it
showcases the problem to a higher extent.
Cotton is also impacted by the drought, but
its losses, partials, are estimated at 10%.
Out of the three major commodities harvested in the area, corn was the one least
affected by the drought because most crops
were able to end their production cycle before the situation worsened, which was particularly seen in some micro regions. The average corn yield is estimated at 147.25 bush-
RISK MITIGATOR “Despite all the
weather problems, something we had not
seen since the 2001/02 season, we are still
going to have good results in the area, with
soybean dropping 14% in yield; corn, 5%;
and cotton, 10%”, said Walter Horita, Aiba
president. “It must be said that those numbers are compared to the previous harvest,
which broke productivity records in the three
crops. That shows that using high technology
in farming is a great mitigator of weatherrelated risks”, he said.
Antônio Grespan, director of the Aiba
Technical Council, believes it is fair to say that
this season, farmers who rotated crops were
rewarded. “Despite the greater weather risks
corn crops are subject to, when the drought
started the crops had already consolidated
their yield potential”, he explained. “Branch-
Alteração metodológica:
A partir da Safra 2011/12 o levantamento do Conselho Técnico da Aiba trará de forma discriminada os
cultivos de 1º Safra e 2º Safra, sendo que a área total da 1º Safra representa o total de área aberta para
agricultura no cerrado. As culturas de 2º Safra são sobrepostas nas áreas de cultivo da 1º Safra.
* Eucalipto (48.500 ha), frutas, pastagens e pousio
Dados de produção de lavouras de cerrado, não inclui áreas de agricultura familiar do Vale
ing out the crop matrix gave further evidence
of its efficacy. Farmers need to have options
to stabilize their income, both when facing
weather hardships and commodity price fluctuations”. According to him, rotating crops
helps both the environmental and the economic sustainability.
The meeting in which the Aiba Technical
Council data were validated was attended by
the following entities: Association of Bahia
Cotton Farmers (Associação dos Produtores
de Algodão da Bahia - Abapa), Association
of Western Bahia Coffee Farmers (Associação dos Cafeicultores do Oeste da Bahia
- Abacafé), Association of Barreiras Agricultural Engineers (Associação dos Engenheiros
Agrônomos de Barreiras - AEAB), Association
of Bahia Soybean Farmers (Associação dos
Produtores de Soja da Bahia - Aprosoja-BA),
Association of Bahia Seed Producers (Associação dos Produtores de Sementes da Bahia - Aprosem-BA), Banco do Brasil, HSBC,
Bunge, Cargill, Desenbahia, Fundação BA,
the Brazilian Institute of Geography and
Statistics (Instituto Brasileiro de Geografia
e Estatística - IBGE), the Barreiras Farmers’
Union (Sindicato dos Produtores Rurais de
Barreiras), and the Luís Eduardo Magalhães
Farmers’ Union (Sindicato dos Produtores
Rurais de Luís Eduardo Magalhães).
SUPPLEMENTARY IRRIGATION
In western Bahia, irrigated crops account for
only 8% of the area total. Aiba is advocating a proposal for a “seasonal grant” to take
advantage of greater flow periods and introduce supplementary irrigation.
According
to Sérgio Pitt, Aiba vice president, such measure would make it possible to somewhat
allay the problem at specific spots by using
supplementary irrigation from February to
March. That water could be used in crops
over that period in which it should have
rained. “In these specific cases, we are letting river waters simply flow by, without taking advantage of such water potential in the
crops to ensure a greater supply of food and
farmers’ investments”, said Pitt.
29
SOJA . Soybeans
ALGODÃO . Cotton
A seca atrapalhou
SE O CLIMA CASTIGOU AS LAVOURAS, AO MENOS O PREÇO DA OLEAGINOSA NO
MERCADO INTERNACIONAL AMENIZOU O IMPACTO SOBRE A ECONOMIA
A soja, carro-chefe da região, foi uma
das culturas mais afetadas pela seca que
atingiu o Oeste da Bahia na safra 2011/12.
A área plantada com a cultura teve pequeno aumento, de 5%, em relação ao ciclo
2010/11, ficando um pouco acima de 1
milhão de hectares, mas a redução da produtividade, que passou de 56 sacas por
hectare para 48 sacas por hectare, resultou
em queda de 10% da produção, estimada
em 3,3 milhões de toneladas.
Os produtores mais prejudicados pela
estiagem prolongada ficam nos municípios
de Baianópolis, Cocos, Correntina e Jaborandi, situados na faixa de transição entre
o Cerrado e a Caatinga. A seca prejudicou o
desenvolvimento das plantas, especialmente no período da formação das vagens.
A boa notícia do período foram os preços alcançados pela commodity no merca-
do internacional. A valorização do produto
reduziu o impacto sobre o Valor Bruto de
Produção ( VPB), que caiu 4%, passando
de R$ 2,5 bilhões, na temporada 2010/11,
para R$ 2,2 bilhões na safra 2011/12. Com a
perspectiva de manutenção de preços favoráveis e expectativa de melhores condições
climáticas, além da abertura de novas áreas,
a lavoura de soja no Oeste baiano deve aumentar na próxima safra.
The drought was too
much of a hindrance
WHILE THE WEATHER MAY HAVE SCOURGED THE CROPS, AT LEAST THE OILSEED
PRICES IN THE INTERNATIONAL MARKET LESSENED THE IMPACT ON THE ECONOMY
Soybean, the main product in the area,
was one of the crops most affected by the
drought that hit western Bahia in the 2011/12
season. The area planted with soybeans increased slightly, 5% compared to the 2010/11
cycle, covering a little over 2.5 million acres,
but the drop in yield, which went from 50.4
bushels per acre down to 43.2 bushels per
acre, resulted in a 10% decrease in the harvest, estimated at 3.3 million tonnes.
30
The farmers hurt the most by the drought
were located in the cities of Baianópolis,
Cocos, Correntina and Jaborandi, along
the transition stretch between the cerrado
(savanna) and caatinga (a forest composed
of stunted trees and thorny bushes). The
drought stunted plant growth, especially in
the period the pods are forming.
The good news at the time was the prices
reached by the commodity in the interna-
tional market. The appreciation of the product lessened the impact on the Gross Harvest
Value (GHV), which fell 4%, going from BRL
2.5 billion in the 2010/11 season to BRL 2.2
billion in the 2011/12 cycle.
With the prospect that favorable prices will
remain in effect and the expected improvement in weather conditions, besides the opening of new areas, the soybean fields in Western
Bahia are bound to increase in the next crop.
Encolheu
ESTIAGEM PROVOCOU QUEBRA DE 6% NA COLHEITA E A PLUMA VEM SENDO
COMERCIALIZADA A PREÇOS INFERIORES AOS PRATICADOS NO CICLO 2010/11
A seca também afetou diretamente a produção de algodão do Oeste baiano. A colheita é estimada em 1,4 milhão de toneladas de
algodão em caroço, enquanto as lavouras do
ciclo 2010/11 renderam 1,5 milhão de toneladas, configurando queda de 6%. Em termos
de pluma, o volume compreenderá em torno
de 40% deste montante. Na comparação entre as temporadas 2010/11 e 2011/12, a área
plantada cresceu apenas 4%, chegando a 385
mil hectares, enquanto a produtividade caiu
de 270 arrobas por hectare para 243 arrobas
por hectare. Os dados são parciais.
Nesta safra, o algodão tem sido comercializado com preços mais baixos do que os praticados no período 2010/11. O marco foi abril
de 2011, quando o produto atingiu seu preço
recorde, com uma libra (0,45 kg) sendo vendida na Bolsa de Nova York por US$ 1,45. Foi o
maior valor em 140 anos de história da bolsa.
Com preços menores, mas ainda considerados
favoráveis, o Valor Bruto de Produção (VBP)
passou de R$ 2,5 bilhões no ciclo 2010/11 para
R$ 2,2 bilhões na fase 2011/12.
A seca teve impacto maior na produção
do Vale do Iuiu, no Sudoeste baiano, onde a
colheita, que rendeu cerca de 63 mil toneladas
no período anterior, sofreu redução de 74%,
devendo ficar em pouco mais 16 mil toneladas.
Para a próxima safra, tende a haver redução na
área plantada, uma vez que a remuneração da
pluma vem caindo consideravelmente e não
há expectativa de recuperação significativa nas
cotações para o ciclo 2012/13. Por outro lado,
avaliando-se a relação entre investimento e retorno, a soja está com cenário mais atrativo.
It shrunk
DROUGHT CONDITIONS REDUCED THE CROP SIZE BY 6% AND THE FIBER IS
NOW BEING SOLD AT LOWER PRICES COMPARED TO THE 2010/11 CYCLE
The drought also directly affected the
cotton production in western Bahia. The
harvest is estimated at 1.4 million tonnes
of seed cotton, while the plantations in the
2010/11 season yielded 1.5 million tonnes,
resulting in a drop of 6%. In terms of lint,
the volume will comprise around 40% of this
amount, partial data.
When comparing the 2010/11 and 2011/12
seasons, the planted area increased only 4%,
reaching 385,000 hectares (962,500 acres),
while the yield dropped from 8,742.6 pounds
per hectare to 7,868.34 pounds per hectare.
This season, cotton has been traded at
lower prices than the ones negotiated in the
2010/11 period. The milestone was April, 2011,
when the product reached its record price, with
a pound being sold on the New York Stock Exchange for US$ 1.45. It was the highest price in
the history of the stock exchange in 140 years.
At even lower prices, but which are still
considered favorable, the Gross Harvest Value
(GHV) went from BRL 2.5 billion in the 2010/11
season to 2.2 billion in the 2011/12 phase.
The drought had a greater impact on the
yield in Vale do Iui, southwestern Bahia,
where the harvest, which yielded around
63,000 tonnes in the previous period, was
reduced by 74% and should result in around
16,000 tonnes. For the coming crop, a reduction in the planted area is likely, as fiber
prices have been dropping considerably and
there is no expectation for any recovery for
the 2012/13 season. On the other hand, considering the investment and return relation,
the scenario is more attractive for soybean.
31
MILHO . Corn
CAFÉ . Coffee
Em franca retomada
PRODUÇÃO DO CEREAL CRESCEU MAIS DE 50% EM RELAÇÃO À COLHEITA ANTERIOR,
MESMO COM A QUEBRA DE PRODUTIVIDADE MOTIVADA PELA ESTIAGEM
A lavoura de milho no Oeste baiano volta
a crescer. Na safra 2011/12, a área ocupada
pela cultura foi de 243 mil hectares, representando crescimento de quase 60% em relação à colheita do ciclo 2010/11. A cultura
foi uma das menos afetadas pela seca, já que
a maior parte das plantas conseguiu fechar
o ciclo antes do agravamento do problema.
A produção aumentou mais de 50% em
relação à colheita anterior, chegando a cerca
de 2,3 milhões de toneladas, mesmo com a
redução da produtividade, que passou de 163
sacas por hectare para 155 sacas por hectare.
O aumento de área plantada com o milho foi impulsionado pela recuperação do
preço do produto no mercado. Até o final
de 2009, a commodity vinha apresentando
médias de preços abaixo de R$ 17,00. No final de 2010, os valores começaram a subir e
em janeiro de 2011 o preço da saca chegou
a R$ 30,26. Atualmente, a saca de milho está
cotada em R$ 21,00.
Para o agricultor, o milho também é importante porque permite o uso de sua área no
sistema de rotação de culturas. A expectativa é
de que, com preços mais atrativos, o produto
continue sua trajetória de recuperação como
uma das principais commodities do Oeste
baiano. Ainda mais agora que a região iniciou
as primeiras exportações do cereal.
Remarkable comeback
CORN YIELD HAS GONE
UP OVER 50% ABOVE
THE PREVIOUS HARVEST,
DESPITE THE LOSSES
CAUSED BY THE DROUGHT
Corn crops in western Bahia back on the
rise. In the 2011/12 harvest, corn crops covered an area of 607,500 acres, representing
a nearly 60% increase over the 2010/11 har-
32
vest. The crop was one of the least impacted
by the drought, as most of the plants had
managed to complete their cycle before the
problem worsened.
The yield was over 50% higher than the
previous harvest, reaching nearly 2.3 million tonnes despite a drop in productivity, which went from 155 bushels per acre
down to 147 bushels per acre.
The increase in the area planted with corn
was driven by the recovery of the product’s
prices in the market. Until the end of 2009, the
commodity had been traded at average prices
below BRL 17.00. In late 2010, prices started going up and in January 2011 the price of the sack
(the unit traded in Brazil) reached BRL 30.26.
Currently, a sac of corn sells for BRL 21.00.
For farmers, corn is also important because it allows them to use the crop rotation
system on their land. At more attractive prices,
the product is expected to keep on its recovery path as one of the main commodities in
western Bahia. Now, more than ever, as the
region started its first exports of the cereal.
Tudo a favor
COM QUALIDADE E COM A MAIOR PRODUTIVIDADE DO PAÍS, O CAFÉ DO OESTE VAI
EM BUSCA DE CERTIFICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA PARA GANHAR MERCADOS
Com a maior produtividade média registrada no País, o café irrigado do Oeste da
Bahia alcançou na safra 2011/12 a marca de
34 mil toneladas, o que representa aumento de 20% em relação ao ciclo 2010/11. A
produtividade foi de 43 sacas por hectare,
muito superior à média brasileira, estimada
em 20 sacas por hectare.
Toda a área plantada do café baiano, de
15,6 mil hectares, é destinada ao tipo arábica.
Assim como a produtividade, a qualidade vem
sendo melhorada ano a ano. Os produtores
trabalham, agora, pela conquista da certificação de procedência, a fim de levar ao mercado
um produto de alto padrão e que pode ser
identificado imediatamente pelo consumidor.
Com o consumo per capita aumentando em todo o mundo, especialmente com a
demanda crescente do mercado chinês, os
estoques do produto vêm caindo muito rapidamente, enquanto os preços tornam-se cada
vez mais atrativos para os cafeicultores.
Para tornar o café brasileiro ainda mais
competitivo, os produtores vêm investindo
na melhoria dos cafezais, com reflexos diretos
no aumento da produtividade e na qualidade
do produto. Outra mudança importante para
o setor é o desenvolvimento e a aplicação de
novas estratégias para reposicionar o produto
brasileiro no mercado internacional.
Everything looks bright
WITH QUALITY AND THE HIGHEST YIELD IN THE COUNTRY, THE COFFEE FROM WESTERN
BAHIA IS LOOKING FOR CERTIFICATION OF ORIGIN TO GAIN MARKET SHARE.
With the highest average yield recorded in the Country, irrigated coffee from
western Bahia reached the milestone of
34 thousand tonnes in the 2011/12 cycle,
which represents an increase of 20% compared to the 2010/11 season. The yield
was 43 bags per hectare, much higher
than the Brazilian average, estimated in
20 bags per hectare.
All the 15,600 hectares (39,000 acres)
planted with coffee in Bahia grow the Ara-
bica type. Just like the yield, quality has
been improved through the years. Now
farmers have been working to obtain the
certification of origin in order to bring a
high end product to the market which can
be immediately recognized by consumers.
Since the per capita consumption has
been increasing around the world, especially with the growing demand from the
Chinese market, the product stocks have
been quickly decreasing, while the prices
have become even more attractive for coffee growers.
In order to make the Brazilian coffee even more competitive, farmers have
been investing in the improvement of coffee plantations, with direct impact on the
increase, yield and quality of the product.
Another important change for the industry
is the development and application of new
strategies to reposition the Brazilian product in the international market.
33
PECUÁRIA
Cattle Farming
New
paths
Novos rumos
COUNTING AROUND 2.1 MILLION
HEAD OF CATTLE, WESTERN BAHIA
HAS A FULL-CYCLE LIVESTOCK
HUSBANDRY AND INVESTS HEAVILY
IN NEW TECHNOLOGIES.
COM CERCA DE 2,1 MILHÕES DE BOVINOS, A REGIÃO OESTE CONTA COM UMA
PECUÁRIA DE CICLO COMPLETO E INVESTE FORTE EM NOVAS TECNOLOGIAS
A pecuária do Oeste da Bahia vive um momento de transição,
marcado pela quebra de antigos conceitos, pelo ingresso de novos
empreendedores, pela integração de atividades correlatas e pela definição de um sistema produtivo adequado a cada microrregião. São
conquistas que se somam à vitória alcançada no final de 2010, com
a extinção da zona tampão de aftosa na região.
Detentora de um rebanho de 2,1 milhões de cabeças, de acordo
com o levantamento da Agência Estadual de Defesa Agropecuária
34
(Adab), a região Oeste possui uma pecuária de ciclo completo. Com
a exceção do município de Luis Eduardo Magalhães, que nos últimos três anos se consolidou como uma área de engorda intensiva
de animais, os municípios possuem um modelo de pecuária que
envolve as atividades de cria, recria e engorda.
Nos últimos cinco anos, cresceu o emprego de tecnologias de
produção ligadas à terminação de bovinos. A região possui cerca
de oito confinamentos fixos, com capacidade de terminação pró-
xima a 52 mil animais/ano. Para absorver esta produção, a região
conta com três frigoríficos ativos localizados nos municípios de
Barreiras, Muquém do São Francisco e Santa Maria da Vitória. Somadas, as plantas possuem uma capacidade instalada de abate de
1.300 bovinos por dia.
A Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) consiste em sincronizar um lote de matrizes para que todas sejam inseminadas no mesmo período. É uma tecnologia recente, que ganha força a cada ano
entre os produtores que querem melhorar seu rebanho. Segundo
levantamento realizado pela Profissional Consultoria Ltda., cerca de
40.000 matrizes foram submetidas à IATF durante a estação reprodutiva de 2011/12, o que representa aproximadamente 5,7% das matrizes.
Western Bahia animal husbandry is experiencing a time
of transition marked by a change in the old concepts, by the
entry of new entrepreneurs, by the integration of related activities, and by the definition of a production system which is
adequate to each micro-region. Those are accomplishments
which ad to the victory achieved at the end of 2010, with the
extinction of the Foot and Mouth Disease buffer zone area.
According to an assessment by the State Agency for the Defense of Agriculture and Livestock (Adab), western Bahia has
a herd of 2.1 million head and full cycle livestock husbandry.
With the exception of the municipality of Luis Eduardo Magalhães, which in the past three years has established itself as an
intensive fattening area for animals, the other municipalities
employ a livestock husbandry model that involves raising,
breeding and fattening activities.
The use of production technologies related to cattle
slaughter has increased over the past five years. The area has
around eight fixed confinements, with capacity to slaughter
around 52,000 animals per year. In order to absorb this production, the area has three active slaughterhouses located in
the municipalities of Barreiras, Muquém do São Francisco,
and Santa Maria da Vitória. When added up, the plants have
an installed slaughter capacity of 1,300 animals per day.
Fixed-Time Artificial Insemination (FTAI) consists of synchronizing the breeding herd so that all are inseminated in the same
period. This is a recent technology, which has become more and
more popular through the years among ranchers who want to
improve their herd. According to an assessment conducted by
Professional Consultoria Ltda., around 40,000 breeding cows
were submitted to FTAI during the 2011/12 breeding season,
which represents approximately 5.7% of the breeding cows.
35
AVICULTURA . Poultry
EUCALIPTO . Eucalyptus
De vento em popa
BAHIA ACABA DE CONQUISTAR A CLASSIFICAÇÃO B NO PROGRAMA NACIONAL DE
SANIDADE AVÍCOLA, SITUANDO-SE ENTRE AS MELHORES DO SETOR DO BRASIL
Impulsionada pela grande oferta de
grãos, a atividade avícola segue em expansão
no Oeste da Bahia. Dados de maio de 2012
mostram que a região dispunha de 510 mil
aves de postura, o que corresponde a 110 mil
animais a mais em comparação com mesmo
período de 2011. Uma planta de abate instalada recentemente no município de Luís Eduardo Magalhães e outra empresa já existente
na região respondem por aproximadamente
1,6 milhão de cabeças beneficiadas por mês.
No novo empreendimento referido são
produzidas também 7.400 toneladas de ração por mês. A sua capacidade de alojamento
alcança a 2,8 milhões de aves. Já a possibilidade de abate por mês das duas plantas
industriais do Oeste neste segmento chega
mensalmente a 3,5 milhões de frangos.
A grande novidade desta safra foi o fato de
a Bahia ter conquistado a classificação B no
Programa Nacional de Sanidade Avícola. É
a melhor classificação obtida no País, vis-
BAHIA HAS JUST
ACHIEVED THE B RATING
IN THE NATIONAL
PROGRAM FOR POULTRY
HEALTH, WHICH PLACES
THE STATE AMONG THE
BEST IN THIS INDUSTRY
IN BRAZIL.
Driven by the large supply of grains,
poultry farming has been expanding in
western Bahia. Data from May 2012 shows
that the area had 510,000 laying hens,
which corresponds to 110,000 more animals in comparison to the same period in
36
to que ainda não há nenhum Estado com
classificação A.
As granjas de avicultura de corte da região
Oeste têm ainda a vantagem competitiva de
serem as únicas do Estado que possuem o
certificado de conformidade com a Instrução
Normativa nº 56, que estabeleceu procedimentos relativos à atividade avícola no País.
Sinal verde
Em levantamento feito em abril de 2012, o Oeste da Bahia contava com 51,5
mil hectares de eucalipto cultivados, o que representa incremento de 15% (ou
6.500 ha) em relação a 2011. Em sua maioria, esses novos plantios estão viabilizando áreas não favoráveis ao cultivo de agricultura anual, como soja, milho
e algodão. Incluem também áreas de integração com pecuária, retratando a
evolução sustentável da agropecuária na região.
In full swing
2011. A poultry slaughtering plant recently
installed in the municipality of Luís Eduardo Magalhães and another local company account for approximately 1.6 million
heads per month.
In the new enterprise mentioned above
7,400 tonnes of feed are also produced per
month. Its housing capacity reaches 2.8
million chickens. The monthly slaughter
average at these two industrial plants in
western Bahia in this segment reaches 3.5
million chickens per month.
The great innovation this season is the
fact that Bahia has achieved the B rating in
the National Program for Poultry Health.
It is the best rating achieved in the country, since there is no state rated A.
Western Bahia broiler farms still have
the competitive advantage of being the
only farms in the state which have the
certification of compliance with Regulatory Instruction no. 56 that established
the procedures regarding poultry farming in the country.
Green
light
In a survey carried out in April 2012, western Bahia had
128,750 acres planted with eucalyptus, representing a 15%
(or 16.250 acre) increase over 2011. Most of these new
crops are enhancing the economic viability of areas which
are not suitable for annual crops, like soy, corn, and cotton.
They also include areas where livestock is raised, thereby
depicting the sustainable evolution of the local farming and
ranching industry.
37
OUTRAS CULTURAS . Other Crops
A estiagem atrapalhou
EM CULTURAS COMO ARROZ, FEIJÃO E CAPIM PARA FORMAÇÃO DE PASTAGENS OS
EFEITOS DO CLIMA IGUALMENTE PUDERAM SER SENTIDOS DE MANEIRA INTENSA
Além das grandes commodities, como a soja
e o algodão, outras culturas compõem a significativa matriz agrícola do Oeste Bahia, caso do
arroz e do feijão, que também tiveram sua produção muito comprometida pela falta de chuva.
Na safra 2011/12, a área plantada com
arroz foi de 6 mil hectares, 45% menor que
a do ciclo 2010/11. A produção teve queda
ainda maior, recuando de cerca de 28 mil
toneladas para 10,8 mil toneladas. A produtividade baixou de 43 sacas por hectare para
30 sacas por hectare. O resultado foi um Va-
lor Bruto da Produção (VBP) de pouco mais
de R$ 6 milhões, o que representa queda de
48% na comparação com a colheita anterior,
cujo rendimento foi de R$ 11,8 milhões.
O feijão é cultivado em duas safras e em
regime de irrigação e de sequeiro (vigna). A
produção caiu de 40.500 toneladas no ciclo
2010/11 para 34.560 toneladas na temporada
2011/12, com redução de 14,67%, em consequência da diminuição da produtividade nas
áreas de sequeiro, por conta da estiagem. O
VPB do feijão foi de R$ 13,7 milhões, contra os
R$ 63 milhões obtidos na temporada 2010/11.
Na região é cultivado ainda o capim para
produzir sementes que são utilizadas na formação de pasto. Neste período, a produtividade manteve-se nos mesmos níveis da safra
2010/11, com a produção de 450 quilos por
hectare, mas a área plantada foi reduzida de
40 mil hectares para 30 mil hectares. Foram
colhidas 13,5 mil toneladas, o que representa
queda de 25% na produção, num comparativo com a safra anterior. O VBP caiu na mesma
proporção, ficando em R$ 47,25 milhões.
The drought was a
major hindrance
THE EFFECTS OF THE WEATHER INTENSELY IMPACTED CROPS SUCH
AS RICE, BLACK BEANS, AND GRAZING GRASS AS WELL
Besides the major commodities
such as soybean and cotton, other
crops also make up the significant
farming matrix in western Bahia. Such
is the case of rice and black beans,
whose yield was highly compromised
by the lack of rain.
In the 2011/12 season, 15,000 acres
were planted with rice, an area 45%
smaller than in the 2010/11 cycle. Harvest numbers dropped even further, going from approximately 28,000 tonnes
down to 10,800 tonnes. The yield declined from 43 sacks per hectare to
38
30 sacks per hectare. The result was a
Gross Harvest Value (GHV) a little over
BRL 6 million, representing a 48% drop
when compared to the previous harvest,
which raked in BRL 11.8 million.
Beans are cultivated in two crops
and in irrigated land and dryland (vigna cultivars). The size of the crop went
down from 40,500 tons in the 2010/11
cycle to 34,560 tons in the 2011/12 season, a reduction of 14.67%, as a result
of lower yields in the dryland fields,
because of drought conditions. The
black beans GHV was BRL 13.7 million,
against the BRL 63 million obtained in
the 2010/11 season.
The area also grows grass whose
seeds are used to plant grazing grounds.
In the period, the yield remained at the
same levels as in the 2010/11 season with
450 kilos per hectare, but the area planted shrunk from 40,000 hectares (100,000
acres) to 30,000 hectares (75,000 acres).
13,500 tonnes were picked, representing a 25% drop in production when
compared to the previous harvest. The
GHV went down at the same rate and
got to BRL 47.25 million.
FRUTAS . Fruit
Pomares estáveis
As áreas ocupadas com frutas na região Oeste têm se mantido
praticamente nos mesmos patamares. No Cerrado, houve pequeno incremento na área plantada, que subiu de 3,5 mil hectares para pouco mais 4 mil hectares. Os principais cultivos são de
citros (limão e laranja), mamão e melancia. Há ainda produção
menor de manga, abacaxi e goiaba, além dos cultivos dos perímetros irrigados da Companhia de Desenvolvimento dos Vales
do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf ), que hoje somam
150 hectares.
No município de Bom Jesus da Lapa, os 12 mil hectares irrigados dos projetos Formoso I e II, da Codevasf, são outra importante área de fruticultura da região Oeste. Lá, 7 mil hectares são destinados ao plantio de mamão, manga, goiaba, coco etc, enquanto
os outros 5 mil são ocupados com banana.
Stable
orchards
The areas planted with orchards in the western area have remained practically the same size.
There was a slight increase in the area planted in
cerrado, up from 8,750 acres to a little over 10,000
acres. The main crops are citrus fruits (lime and
orange), papaya and watermelon. There is also
a smaller production of mango, pineapple, and
guava, besides the crops along the irrigated perimeters of Companhia de Desenvolvimento dos
Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf ),
which currently add up to 375 acres.
In the city of Bom Jesus da Lapa, the 30,000 irrigated acres on Codevasf ’s Formoso I and II projects
are another important fruit growing area in western
Bahia. There, 17,500 acres are dedicated to papaya,
mango, guava and coconuts crops, while another
12,500 are planted with banana trees.
39
Oeste da
CUSTEIO E IRRIGAÇÃO . COST AND IRRIGATION
Anuário da Região
Impulso para o
Driving force
behind the Cerrado
Cerrado
AIBA PROPOSALS IMPROVE CREDIT LINE TERMS AND
CONDITIONS FOR CROP FINANCING AND THE USE OF WATER FOR
BOOSTING PRODUCTION VOLUMES
PROPOSTAS DA AIBA MELHORAM AS CONDIÇÕES
DE FINANCIAMENTO DAS SAFRAS E A UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS
HÍDRICOS NO INCREMENTO DA PRODUÇÃO
Gestões desenvolvidas recentemente
pela Associação de Agricultores e Irrigantes
da Bahia (Aiba) junto ao Ministério da Integração Nacional (MI) estão resultando em
melhorias no custeio das safras do Cerrado
nordestino, bem como deverão repercutir na
ampliação da área irrigada na produção.
Especificamente no custeio agrícola, já
vigora equiparação de classificação de porte
do Fundo de Financiamento do Nordeste
(FNE), operado principalmente pelo Banco
do Nordeste, à adotada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social
(BNDES), conforme solicitado pela entidade,
reposicionando produtores que antes eram
considerados grandes e que agora se enquadram como médios e pequenos. Também já
está sendo viabilizado convênio entre o MI e
o Banco do Brasil, com recursos da Poupança
Rural, para crédito especial no valor de R$ 1
bilhão/ano e custos inferiores a 10% ao ano.
40
A proposição apresentada em 2011 pela
associação refere-se a um funding específico para o Cerrado nordestino, incluindo, além da região Oeste da Bahia, o Sul
do Piauí e do Maranhão, com equalização
do custo financeiro ao do FNE. Essa área,
também identificada como Mapiba, utilizou aproximadamente R$ 4,7 bilhões (R$
3,4 bilhões somente no Oeste baiano) em
financiamentos de custeio na safra 2010/11,
respondendo pela produção de 9,4 milhões
de toneladas de grãos.
Com a mudança de porte dos produtores,
que foi homologada pelo Conselho Deliberativo da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), já vem sendo obtida redução de custo. Além disso, foi elevado
o limite financiável, disponibilizando recursos no orçamento do FNE suficientes para
atender à demanda de clientes da região. O
funding, por sua vez, está passando a se con-
cretizar com o referido convênio do BB, que
prevê a criação de linha especial de crédito
para os produtores da área.
MAXIMIZAÇÃO No âmbito da irrigação, a Aiba sugere Programa de Maximização dos Recursos Hídricos x Energia Elétrica,
que pode duplicar a área irrigada na região,
de 100 mil para 200 mil hectares. Além de
pleitear a ampliação do horário reservado à
irrigação de 8h30 para 12h, faixa com custo
reduzido, a entidade propõe revisar os parâmetros adotados para emissão de outorgas,
que utilizam como base o menor nível da
água dos rios, da menor ocorrência dos últimos 10 anos.
Outorga móvel/sazonal é a proposta da
entidade dos produtores, considerando o
excedente de água dos meses chuvosos.
Conforme seus argumentos, excluindo-se o
período dos quatro meses mais secos, quan-
Bahia
do não é feita a irrigação, a disponibilidade
de água nos demais meses é muito maior,
permitindo dobrar as outorgas sem comprometer a bacia hidrográfica. Desta forma, também seria possível inserir na matriz produtiva
regional a produção de cana-de-açúcar para
etanol e energia, diminuindo déficit existente
no Estado nesta área.
As posições da associação baiana passaram a integrar nota técnica do Grupo de
Trabalho de Licenciamento Ambiental e Outorga para Agricultura Irrigada, da Secretaria
Nacional da Irrigação (Senir), do Ministério
da Integração Nacional. O grupo, com a participação do vice-presidente da Aiba, Sérgio
Pitt, reuniu-se em 2 de março de 2012 e decidiu levar o projeto à Conferência das Nações
Unidas para o Desenvolvimento Sustentável,
a Rio + 20, em junho de 2012, no Brasil.
Entende-se que a proposta pode servir de
modelo para outras regiões do País.
Negotiations recently conducted by the
Bahia State Farmers and Irrigators Association
(Aiba) with the Ministry of National Integration
(MI) are resulting into better financing terms
and conditions for northeastern cerrado crops,
and they are equally expected to reflect on the
expansion of irrigated production areas.
Specifically for production costs, what has
entered into effect is the classification size of the
Northeast Financing Fund (FNE, in the Portuguese acronym) mostly operated by the National
Bank for Social and Economic Development
(BNDES), as requested by the entity, repositioning growers previously considered as commercial
farmers, now fitting into the category of small and
medium-scale producers. What is being provided
is the agreement between the MI and the Bank of
Brazil, with resources from the Rural Savings Account, for special credit lines of R$ 1 billion/year
and at interest rates inferior to 10% a year.
The suggestion presented in 2011 by the
association, refers to a specific funding for the
northeastern cerrado, including, besides the
Western Bahia region, the State of Maranhão
and South Piauí, with the equalization cost on
the FNE. In this area, also identified as Mapiba,
where only the western Bahia portion used
approximately R$ 3.4 billion, total financings
reached R$ 4.7 billion for covering the production costs of the 2010/11 crop year, responsible
for the production of 9.4 million tons of grain.
By changing the category of the growers,
which was homologated by the Deliberative
Council of the Northeastern Development
Superintendency (Sudene), good results in
terms of cost reductions have been achieved.
Furthermore, the credit line limit was extended,
with FNE resources big enough to meet the
demands of all regional clients. The funding,
in turn, is now materializing through the said
agreement with the BB, which offers a special
credit line for the farmers of the region.
MAXIMIZATION In the realm of irrigation, Aiba is suggesting a Water Resources
Maximization Program x Electric Energy, which
could double the irrigated area in the region,
from 100 thousand to 200 thousand hectares.
The association is also negotiating an extension
of the irrigation time, from eight hours and a
half to 12 hours, with reduced costs. The entity
suggests a revision to the parameters in force for
issuing licenses, where the basis that is considered is the lowest level of water of the rivers,
during the scarcest precipitation levels of the
previous ten years.
A mobile/seasonal license is the suggestion that comes from the growers’ association,
taking into consideration the water surpluses
during the rainy period. According to their
arguments, with the exclusion of the four dry
months, when no irrigation is done, there is
much more water available during the remaining months, allowing for twice as many licenses,
without jeopardizing the hydrographic basin.
This would also make it possible to insert sugar
cane into the regional production matrix, for
the production of ethanol and energy, thus reducing the statewide deficit in this area.
The stances assumed by the association in
Bahia gave rise to a technical note issued by the
Environmental Licensing Working Group for
Irrigated Agriculture, an organ of the National
Irrigation Secretariat (Senir), of the Ministry of
National Integration. The group, with the presence of the vice-president of Aiba, Sérgio Pitt,
met on 2nd March 2012 and decided to take
the project to the United National Conference
for Sustainable Development, Rio + 20, in June
2012, in Brazil. There is common understanding that the suggestion could be a model for
other regions throughout the Country.
41
Oeste da
FUNDAÇÃO BA . BAHIA FOUNDATION
Anuário da Região
Productivity-oriented
Tudo pela
farming
produtividade
ACTIONS AND EVENTS IN TECHNOLOGY AND RESEARCH AREAS
ARE FOCUSED ON MAXIMUM RESULTS, WHICH ALREADY
CHARACTERIZE THEIR CULTIVATIONS
AÇÕES E EVENTOS NA ÁREA DE PESQUISA E TECNOLOGIA
PROCURAM REFORÇAR O FOCO NOS MÁXIMOS RESULTADOS
QUE JÁ CARACTERIZAM SEUS CULTIVOS
A máxima produtividade, com qualidade
e sanidade, que já se tornou uma marca na
região Oeste da Bahia, é tema de constante
preocupação dos seus agentes no campo da
pesquisa e da tecnologia, com lançamento de
novas cultivares e difusão de práticas e manejos recomendados. Uma das formas de destacar informações a respeito são os encontros
técnicos, como é o caso da Passarela da Soja
e do Milho 2012, realizada em março, em
Roda Velha, com extensão, neste ano, às duas
culturas (antes era destinada apenas à oleaginosa) e apresentando como tema central “A
Bahia em alta produtividade”.
Realizada pela Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento do Oeste Baiano
(Fundação Bahia), que tem Clóvis Ceolin na
presidência e conta com parceria de várias
entidades, como a Associação de Agricultores
e Irrigantes da Bahia (Aiba), a Passarela uniu
neste ano a manifestação dos pesquisadores
com a dos próprios produtores na região,
42
para expor as suas receitas de sucesso. Foi o
caso do produtor Roberto Pelizzaro, vencedor do Desafio de Máxima Produtividade de
Soja – safra 2010/11, desenvolvido pelo Centro Estratégico de Soja no Brasil (CESB), com
108 sacos por hectare, e dos irmãos Volnei e
Volmir Martinazzo, premiados com a melhor
média obtida em milho (214 sc/ha).
Junto com depoimentos de produtores
sobre medidas adotadas e resultados obtidos, foram destacados ainda subtemas, como
nematoide (diretrizes para o combate a esta
praga) e mofo branco (aspectos mais aplicados ao manejo da doença), ambas prioridades atuais de controle na região. Além disso,
ocorreu a apresentação de novas cultivares
de soja da parceria entre Fundação Bahia e
Embrapa: BRS 8480, BRS 8381 e BRS 9080
RR. O evento informou também que outras
três variedades foram plantadas por sementeiros, são altamente produtivas e serão disponibilizadas aos produtores: BRS 313 (Tie-
ta), BRS 314 (Gabriela) e BRS 315 RR (Livia).
EM DIA NO CAMPO Na cultura
do algodão, o tradicional dia de campo da
Fundação BA acontece em 30 de junho de
2012, no Centro de Pesquisa e Tecnologia
do Oeste Baiano (CPTO), em Luís Eduardo
Magalhães, e igualmente deve apresentar novas cultivares. No encontro técnico de 2011,
ocorrido em julho, no mesmo local, foram
lançadas as variedades BRS 335 (fibra média)
e BRS 336 (fibra média-longa). Sobre a BRS
336, ressalta-se diferencial na qualidade de
fibra, comprimento entre 32,5 a 34,0 mm e
resistência de 34,0 gf/tex, além de elevada
produtividade, resistência à bacteriose e virose, indicada para plantio em todo o Cerrado
brasileiro e também na região semiárida.
Pesquisas relativas à cultivar foram desenvolvidas com recursos de fundo do setor
(Fundeagro) e em integração com Fundação
Bahia, Embrapa Algodão e Empresa Baiana
Bahia
de Desenvolvimento Agrícola (EBDA). Outros projetos em desenvolvimento sobre algodão avaliam resistência de linhagens finais,
preliminares e cultivares a doenças foliares e
ao complexo Fusarium-nematoide no Oeste
da Bahia; melhoramento de fibras médias e
longas para as condições do Cerrado baiano
e do Vale do Rio São Francisco; transferência
de transgenes para a tolerância ao glifosato e
resistência a lagartas para variedades da Embrapa indicadas para o Estado.
Entre esses estudos desenvolvidos em
parceria alinham-se ainda: projetos referentes à epidemiologia e manejo da podridão
das maçãs do algodoeiro; manejo de solos e
adubação de alta tecnologia; rotação de cultura e espécies de cobertura do solo para semeadura direta no Cerrado baiano; sistema
de cultivo adensado para a cultura e manejo
do solo para o controle do mofo branco no
algodoeiro, buscando cultivos cada vez mais
produtivos.
Maximum productivity, with quality and sanity, which has become a mark in Western Bahia,
is a theme that triggers constant concern among
all technology and research field agents, resulting
into the launch of new cultivars and the dissemination of recommended cultural and management practices. One of the manners to highlight
information on these topics is through technical
meetings, like the 2012 Soybean and Corn Parade, held in March, in Roda Velha, which, this
year, was extended to two crops (previously only
focused on soybeans) whose central theme was
“Bahia and its high productivity rates”.
Conducted by the Western Bahia Development and Research Support Foundation (Foundation Bahia), whose president is Clóvis Ceolin,
the entity has entered into a partnership with
such entities as the Bahia State Farmers and Irrigators Association (Aiba), this year the Parade
brought together all the claims of the researchers
and of the growers in the region, so as to disclose
its success-oriented recipes. It was the case of
farmer Roberto Pelizzaro, winner of the Highest
Soybean Productivity Challenge - 2010/11 season, conducted by Brazil’s Strategic Soy Center
(CESB), with 108 sacks per hectare, and of brothers Volnei and Volmir Martinazzo, who were
given the best corn yield prize (214 sacks/ha).
Along with statements by producers on the
innovations implemented and the results obtained, other highlights included sub-themes,
like nematodes (guidelines on how to fight this
pest) and white mold (major topics regarding
the fight of the disease), currently, both are pest
control priorities throughout the region. Other
novelties included the introduction of new
soybean cultivars, resulting from a partnership
between Foundation Bahia and Embrapa: BRS
8480, BRS 8381 and BRS 9080 RR. The event
also disclosed information about three other
varieties planted by seed producers, and they
are supposed to be highly productive and soon
available in the market: BRS 313 (Tieta), BRS
314 (Gabriela) and BRS 315 RR (Livia).
ON A FIELD DAY In cotton farming, the
traditional field day organized by Foundation Bahia has been scheduled for June 30, 2012, at the
Western Bahia Technology and Research Center
(CPTO), in Luís Eduardo Magalhães, and the presentation of new cultivars is expected. At the technical meeting, held in July 2011, at the same venue, the following varieties were launched: BRS
335 (medium fiber) and BRS 336 (medium-long
fiber). With regard to the 336, the traits that stand
out are the quality of its fiber, from 32.5 to 34.0
mm long and resistance of 34.0 gf/tex, besides its
high productivity rate, resistance to bacterial and
virus diseases, indicated for planting in the entire
Brazilian cerrado and also in the semiarid region.
Research works on the cultivar were carried out with resources from the sector’s fund
(Fundeagro) jointly with the following partners:
Foundation Bahia, Embrapa Cotton and the Bahia State Agricultural Development Corporation
(EBDA). Other projects underway on cotton are
evaluating the resistance of final, preliminary
and cultivar breeds to foliar diseases and to the
Fusarium-Nematode complex of Western Bahia;
enhancement of long and medium fibers for the
Bahia cerrado and São Francisco River Valley conditions; transference of transgenes to tolerance to
Glyphosate and resistance to worms in Embrapa
varieties recommended for the State.
Among all these studies conducted in partnership schemes, the following are also of note:
projects regarding epidemiology and management of cotton ball rot; soil management and
high technology fertilization; crop rotation and
cover crops for direct seeding schemes in the
Bahia cerrado; dense cultivation system for soil
management and control of white mold in cotton plants, always in search of ever more productive cultivars.
43
Oeste da
FUNDEAGRO
Anuário da Região
Bahia
gica, faz parte dos projetos financiados pelo Fundeagro. O apoio alcança também o Sudoeste do Estado, no Vale do Iuiu, com o EBDA,
em trabalhos de preparo do solo por subsolagem de 618 hectares
no ciclo 2010/11 e outras ações, atendendo 309 agricultores familiares e possibilitando a revitalização da cultura na região. Incentiva-se
ainda a introdução da atividade na agricultura familiar do Oeste, em
Cotegipe, Angical e Riachão das Neves.
Ocupa lugar de destaque nas iniciativas financiadas pelo fundo a
defesa fitossanitária, com o Programa de Monitoramento e Controle do Bicudo do Algodoeiro. Vem repercutindo na recuperação da
produtividade, no aumento de rentabilidade e na redução de danos
ao meio ambiente. Núcleos regionais de controle são incentivados
e propiciam avanço considerável em etapas críticas do manejo do
bicudo. Os pequenos produtores do Sudoeste também deverão ser
beneficiados no programa com tubos mata-bicudos para suas lavouras. A ação preventiva na área tem parceria da Agência Estadual de
Defesa Agropecuária da Bahia (Adab).
Base para
desenvolver
FUNDO DO ALGODÃO TEM SIDO
FUNDAMENTAL PARA A EVOLUÇÃO
DESSE SEGMENTO NO OESTE EM
DIVERSOS PROJETOS DE APOIO E
SUSTENTABILIDADE
O Fundo para o Desenvolvimento do Agronegócio do Algodão (Fundeagro), existente desde 2002 no Oeste baiano e atualmente presidido
pelo produtor e empresário Ademar Marçal, tem mostrado a importância de uma base permanente de sustentação financeira para garantir o
crescimento de uma atividade e de uma região. Funciona a partir da
destinação de parte de recursos do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) da produção local e aliado
44
a parcerias, como a da Associação Baiana de Produtores de Algodão
(Abapa) e da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba),
bem como de instituições de pesquisa públicas e privadas. Com seu
respaldo, concretizam-se incontáveis projetos de melhoria e evolução
do segmento, nos mais diversos aspectos, resultando no desenvolvimento de toda comunidade regional e do Estado.
Entre as várias áreas de ação, o Fundeagro e as entidades parceiras
fomentam estudos que viabilizam melhorias tecnológicas e genéticas
para a cultura algodoeira. Programa de pesquisa da Fundação Bahia,
da Embrapa Algodão e da Empresa Baiana de Desenvolvimento
Agrícola (EBDA), por exemplo, busca o melhoramento de algodão
de fibras médias e longas adaptadas à região, com vários lançamentos de cultivares produtivas e resistentes a doenças, além de avaliar
as que se adaptam a essas áreas de cultivo. Também ocorrem investimentos em biotecnologia, visando a reduzir custos e dar compe-
titividade ao produtor, com cultivares transgênicas, tolerantes ao
herbicida glifosato nas condições ambientais locais.
A capacitação recebe um lugar de destaque na aplicação dos recursos
do Fundeagro. O Centro de Treinamento em Tecelagem leva técnicas de
utilização de teares a mulheres da comunidade de Roda Velha de Baixo.
O mesmo tipo de unidade, em Alimentação, mantido pela Abapa, supre
deficiências na área, com 28 turmas atendidas entre março de 2010 e abril
de 2011. Através do Parceiros da Tecnologia, foi implantado em 2010 o
Centro de Tecnologia – Treinamento de Operadores e Mecânicos de Máquinas Agrícolas, com requalificação dos profissionais do setor e formação
de novos. Melhorias no processo de beneficiamento da pluma, por sua
vez, atingiram 28 algodoeiras e 200 pessoas. E, ainda, o Programa de Inclusão Digital abrange 80 jovens por semestre, desde 2006, em Barreiras,
Luís Eduardo Magalhães, São Desidério e Roda Velha.
O Dia de Campo do Algodão, evento anual de atualização tecnoló-
IMAGEM FORTALECIDA No plano ambiental e social, o
Fundeagro está presente em diversas ações com a Aiba e com a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa). Em destaque ficam
o Programa de Adequação Ambiental “Plano Oeste Sustentável” e o Programa Socioambiental da Produção de Algodão (PSOAL). Neste ocorre
a certificação de fazendas em práticas adequadas de cultivo, com adesão
acima da previsão inicial em áreas de Coaceral, Anel da Soja, Barreiras,
Luís Eduardo Magalhães, Roda Velha e Rosário.
Ao lado do incentivo a realizações no crescimento e na qualificação da produção, o fundo do algodão direciona esforços na promoção
do produto baiano, com ganhos importantes de imagem. Desde 2006,
apoia o Projeto Integrado dos Fundos de Incentivo à Cultura para o Marketing Nacional e Internacional do Algodão Brasileiro. Exerceu papel
fundamental no financiamento da ação movida e ganha pelo Brasil na
Organização Mundial do Comércio (OMC) em relação a subsídios dos
Estados Unidos a seus produtores. Atualmente, intensifica trabalhos no
reconhecimento da importância do algodão em nível nacional e da agricultura como um todo no País, pelo Movimento SouAgro.
Os investimentos estruturais no apoio à cadeia produtiva, por sua
vez, têm sempre a marca do Fundeagro. Foi assim com o Centro de
Análise de Fibras, construído em 2006 em Luís Eduardo Magalhães,
e em todas as ampliações em área e de equipamentos na região, com
resultados muito positivos para o setor e com o reconhecimento da
qualidade do produto. Foi o que aconteceu também com a estruturação da sede da Abapa e do próprio fundo, em 2006, na cidade de
Barreiras, e, posteriormente, com a construção do Centro de Pesquisa
e Tecnologia do Oeste da Bahia (CPTO) e do Complexo Bahia Farm
Show, em LEM. Enfim, seu nome está marcado tanto na sustentação
econômica quanto na defesa ambiental e social da atividade algodoeira
baiana, fundamental no desenvolvimento da região e do Estado.
45
Oeste da
FUNDEAGRO
Anuário da Região
inglês
Basis for development
The Cotton Agribusiness Development Fund
(Fundeagro), in operation since the year 2002,
in Western Bahia, and currently presided over
by producer and entrepreneur Ademar Marçal, has shown its importance as a permanent
financial sustaining basis to ensure the growth
of an activity and of a region. Its operational
costs are covered by a portion of the state value
added tax (ICMS) levied on local production,
and along with partnerships, like the one with
the Bahia Association of Cotton Farmers (Abapa) and the Bahia State Farmers and Irrigators
Association (Aiba), as well as with private and
public research institutions. Under its umbrella,
countless improvement projects and advances
of the segment, in an array of aspects, materialize, resulting into the development of the entire
regional community, and ultimately, of the State.
Among the various action areas, Fundeagro and the partner entities foster studies that
materialize genetic and technological enhancements for cotton farming. The Foundation
46
Bahia Research Program, of Embrapa Cotton
and of the Bahia State Agricultural Development Corporation (EBDA), for example, is
now trying to enhance medium and long fiber
cotton, adapted to the region, and to this end,
is launching several productive cultivars, resistant to diseases, besides evaluating the ones
that adapt to this cultivation area. There are
also investments in biotechnology, with an eye
towards cost reductions, whilst turning the cotton farmers more competitive, with transgenic
cultivars, tolerant to Glyphosate, in the local
environmental conditions.
Qualification moves are given special heed
when it comes to using the Fundeagro resources. The Weaving Apprenticeship Center
provides training for the women of the Roda
Velha de Baixo community on how to use
cotton gins. The same type of unit, in Alimentação, run by Abapa, with 28 groups trained,
from March 2010 and April 2011. Through
the Technology Partners division, in 2010, the
Technology Center for Training Agricultural
Machinery Mechanics and Operators, with
the re-qualification of the professionals of the
sector and the qualification of new ones. Improvements in the fiber processing operations,
in turn, comprised 28 cotton gins and 200
people. And equally the Digital Inclusion Program, which assists 80 young farmers every six
months, since 2006, in Barreiras, Luís Eduardo
Magalhães, São Desidério asnd Roda Velha.
The Cotton Field Day, an annual technological updating event, is included in the projects
financed by Fundeagro. This financial support
also reaches the Southeast of Bahia, in the Iuiu
Valley, with the EBDA, in soil preparation works,
by sub-soiling 618 hectares in the 2010/11 cycle
and other actions assisting 309 family farmers
and revitalizing the crops around the region.
What is also stimulated is the introduction of the
activity in family farming operations in the West,
Cotegipe, Angical and Riachão das Neves,
Phytosanitary defense occupies a prominent
Bahia
COTTON FUND HAS PLAYED A FUNDAMENTAL ROLE FOR THE EVOLUTION OF THIS
SEGMENT IN THE WEST, IN DIFFERENT SUPPORT AND SUSTAINABILITY PROJECTS
position, with the Monitoring and Boll Weevil
Controlling Program. This has been reflecting
on the recovery of the productivity rates, on
higher income and on the reduction of damages
inflicted on the environment. Regional control
nuclei are stimulated and they provide for considerable advances during the critical stages of
boll weevil control practices. The small-scale
farmers in the Southeast shall also benefit from
the program, as they will be provided with flasks
of boll weevil killers. Prevention actions in the
area rely on a partnership with the Bahia State
Agriculture Defense Agency (Adab).
IMAGE STRENGTHENED In the
environmental and social plan, Fundeagro is
also present in several initiatives carried out
by Aiba and by the Brazilian Cotton Growers’
Association (Abrapa). A prominent position is
occupied by the Environmental Adjustment Program “Western Sustainable Plan” and the SocioEnvironmental Program for the Production of
Cotton (PSOAL). The latter is responsible for
the certification of farms in appropriate cultivation practices, with the number of adhesions
outstripping by far all initial estimates in areas
like Coaceral, Anel da Souza, Barreiras, Eduardo
Magalhães, Roda Velha and Rosário.
Along with incentive towards growth and
production qualification, the cotton fund further directs efforts to the promotion of products
produced in Bahia, thus earning gains on the image side. Since 2006, the fund lends support to
the Integrated Project of the Incentive Funds for
Marketing the Brazilian Cotton Crop at Home
and Abroad. It also played a relevant role in
providing the necessary financial resources required by the court case filed by Brazil with the
World Trade Organization (WTO) against the
subsidies paid by the government of the United
States to its cotton producers. At the moment,
the fund is involved with works aimed at making cotton earn recognition of its importance, at
national level, and the same holds for agriculture
throughout the Country, through the “Movimento SouAgro” (phrase that means something
like Initiative I’m agro”) .
All structural investments in support of
the production chain, in turn, always bear the
Fundeagro mark. This is what happened with
the Fiber Analysis Center, built in 2006, in Luís
Eduardo Magalhães, and in all expansions in the
equipment commonly used in the region, with
very positive results for the sector and with the
acknowledgement of the quality of the products.
This also happened with the refurbishment of
the headquarters of Abapa and of the fund itself,
in 2006, in the city of Barreiras, and, later, with
the construction of the Western Bahia Technology and Research Center (CPTO) and of the Bahia
Farm Show complex, in LEM. After all, its name
bears both the mark of economic sustenance
and environment defense in every detail regarding all Bahia State Cotton farming operations,
which play a decisive role in the development of
the region and the State.
47
Oeste da
FUNDESIS . FUNDESIS
Anuário da Região
Bahia
Social transformation
THE SUCCESSFUL AGRICULTURAL OPERATIONS IN WESTERN
BAHIA ALSO YIELD FRUITS IN THE REALM OF INITIATIVES
FOCUSED ON EDUCATIONAL AND SOCIAL ASSISTANCE
WORKS ON BEHALF OF THE NEEDY
Uma
transformação
social
A FORTE PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO OESTE DA
BAHIA RENDE FRUTOS TAMBÉM NO ÂMBITO DE AÇÕES EDUCATIVAS E
ASSISTENCIAIS PARA OS QUE MAIS PRECISAM
O Fundo para o Desenvolvimento Integrado e Sustentável da Bahia (Fundesis), criado
em 2006, numa iniciativa da Associação dos
Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) e
do Banco do Nordeste (BNB), avança a cada
ano em novos apoios a projetos de organizações sociais em áreas carentes da região,
promovendo ações de inclusão e transformação em seu meio. Com novo edital lançado em 2012 (o quarto), no valor de R$ 700
mil, os investimentos para essa finalidade
irão alcançar a R$ 2 milhões, atendendo,
por exemplo, a creches, escolas, centros
culturais, orfanatos, abrigos, com benefícios
a um grande número de crianças, jovens,
adultos e idosos, entre os quais estão portadores de necessidades especiais.
48
A destacada produção do Oeste baiano
rende frutos para toda a sociedade regional,
a partir da contribuição espontânea dos produtores rurais associados da Aiba, com os
custeios agrícolas liberados pelo Banco do
Nordeste, pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE). Também
ocorrem doações de pessoas físicas e jurídicas e repasse de cooperativas rurais por
meio do Fundo de Assistência Tecnológica
Educacional e Social (Fates). A atividade
produtiva se une à prática do bem comum e
resulta em melhoria de qualidade de vida em
muitas áreas necessitadas.
Até o edital anterior, já haviam sido contemplados 29 projetos de 19 entidades sociais e, pelos cálculos da Aiba, puderam ser
beneficiadas, direta e indiretamente, mais
de cinco mil pessoas, além de serem criados
mil novos postos de trabalho temporários.
Foram viabilizadas várias obras, com ampliação das estruturas físicas e de atendimento
da população por meio de instituições sociais e educativas. O programa estendeu-se
a comunidades de Barreiras, Luís Eduardo
Magalhães, Angical, Tabocas do Brejo Velho,
Correntina e São Desidério, nesta região.
MELHORIAS Nos projetos já executados, os organizadores puderam observar
melhorias em vários aspectos, desde a
quantidade e a qualidade de atendimento
das instituições abrangidas bem como na
resposta positiva das próprias comunida-
des onde estão inseridas. Além de incrementar a assistência e o conhecimento,
contribuiuse na redução de índices de
criminalidade e marginalidade, educação
alimentar, combate ao desperdício e promoção da saúde da população.
Em março e abril de 2012, com a nova
disponibilização de recursos, foi inscrito mais
um número expressivo de projetos, cujas avaliação, seleção e aprovação ficam a cargo do
Conselho Deliberativo do Fundesis. De acordo
com as normas do fundo, podem ser contempladas ações no campo da inclusão social e
digital, educação e cultura, saúde preventiva
e, também, geração de renda e empreendedorismo, preservação e educação ambiental,
defesa fitossanitária e agricultura sustentável.
Procura-se concretizar a responsabilidade social, com coerência e austeridade, integrando
esforços e facilitando a ação de quem conhece a realidade, atua no seu meio e busca a sua
transformação e seu desenvolvimento.
The Bahia State Sustainable and Integrated Development Fund (Fundesis), started
in 2006, at the initiative of the Bahia State
Farmers and Irrigators Association (Aiba)
and the Northeast Bank (BNB), is year after
year lending support to new projects run
by social organizations in poverty-stricken
districts across the region, promoting social inclusion and transformation in these
environments. With a new edict launched
in 2012 (the fourth), totaling a sum of R$
700 thousand, the investments to this end
are estimated to reach R$ 2 million, lending
assistance, for example, to crèches, schools,
cultural centers, orphanages, shelters, with
benefits extended to a huge number of children, youngsters, adults and elderly people,
including people with special needs.
The noteworthy volumes produced in
Western Bahia bring benefits to the entire
regional society, based on spontaneous
contributions by rural producers associated
with the Aiba, with agricultural costs liberated by the Bank of Brazil, by the National
Fund for Financing the Northeast (FNE).
Donations by natural persons and legal entities also take place, and so do donations by
Rural Cooperatives to the Social and Educational Technology Assistance Fund (Fates).
Productive activities walk hand-in-hand with
well-being concerns, resulting into better
quality of life in lots of needy areas.
Up to the previous edict, the considerable
number of 29 projects, coming from 19 social
entities, had been contemplated and, according to Aiba estimates, upwards of five thousand people were directly or indirectly benefited, besides the creation of one thousand
temporary job positions. Lots of works were
carried out, physical structures were expanded to better serve the population through initiatives conducted by social and educational
institutions. The program was extended to
the communities of Barreiras, Luís Eduardo
Magalhães, Angical, Tabocas do Brejo Velho,
Correntina and São Desidério, in the region.
IMPROVEMENTS In the already
executed projects, the organizers detected
improvements in several aspects, from the
amount and quality of all institutions assisted
to the positive response given by the communities themselves, which they are inserted
into. Besides revitalizing all assistance moves
and knowledge, contribution was given
towards reducing crime rates, healthy eating habits, fight against loss and wastes and
popular health promotion.
In March and April 2012, when a new
amount of resources was available, another
huge number of projects were registered,
and they are now being scrutinized, evaluated, selected and approved by the Fundesis Deliberative Council. In accordance
with the standards of the fund, the benefits
could be destined for actions in the realm
of digital and social inclusion, education,
culture, preventive healthcare services and,
equally, for the generation of income and
entrepreneurship, environmental and education concerns, phytosanitary defense and
sustainable agriculture. Social responsibility
is to be viewed in a concrete manner, with
coherence and austerity, joining efforts
making things easier for those who are acquainted with the real facts, those who deal
with the environment and seek its transformation and development.
49
Oeste da
JUSTIÇA . JUSTICE
Anuário da Região
Relief and
refund
Alívio e
retorno
VITÓRIAS DA AIBA EM AÇÕES JUDICIAIS
REFERENTES A FUNRURAL E
SALÁRIO EDUCAÇÃO DESONERAM
PRODUTORES E AUMENTAM
CAPACIDADE DE INVESTIMENTO
Os produtores rurais do Oeste baiano filiados à Associação de
Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) estão sendo beneficiados
com decisões da Justiça Federal favoráveis a ações apresentadas
pela entidade, relativas à Contribuição Social Rural – Funrural e
Contribuição para o Salário Educação para Produtor Rural Pessoa
Física. Foi assegurada a suspensão da cobrança, assim como a devolução de valores pagos.
Em março de 2012, sentenças da Justiça Federal em Barreiras
50
(BA) julgaram procedentes três ações coletivas propostas por meio
da Aiba em 2007, 2010 e 2011, ordenando a União a suspender a
cobrança da contribuição do Funrural a seus associados, bem como
a devolver valores recolhidos ao longo dos últimos 10 anos. A associação, por meio de serviços jurídicos contratados, questionou a
constitucionalidade do referido tributo, que não foi instituído por
lei complementar, como se requer, mas ordinária, e assim obteve
sucesso. Antes da referida decisão, já havia conseguido o reconhecimento da inconstitucionalidade, em tutela antecipada deferida há
dois anos no Tribunal da 1ª Região em Brasília (DF).
Também em Brasília, durante o mês de outubro de 2011, a 1ª Vara
da Justiça Federal acolheu pedido da Aiba em ação movida em 2008,
relativa à contribuição indevida para o Salário Educação. No caso,
igualmente foi denunciado o fato de se tratar de exigência inconstitucional e, com a sentença favorável, os produtores vinculados à entidade foram desobrigados desse compromisso. Além disso, foi-lhes
Bahia
VICTORIES CONQUERED BY AIBA IN SEVERAL
LAWSUITS RELATING TO FUNRURAL AND THE
SO-CALLED EDUCATION SALARY EXONERATE
PRODUCERS FROM CHARGES AND BOOST THEIR
INVESTMENT CAPACITY
MAIS ECONOMIA No caso do Funrural (2,1% sobre o re-
The farmers in Western Bahia, associated with the Bahia State Farmers and Irrigators Association (Aiba), are being benefited by Federal Court
decisions favorable to the court cases relative to the Assistance Fund for
Rural Workers – Funrural - and Education Salary Fees for Natural Rural
Producer Person. The exoneration from the charge was granted, while the
previously collected fees must be refunded.
In March 2012, decisions by the Federal Court in Barreiras (BA) came
in favor of three collective lawsuits filed by the Aiba in 2007, 2010 and
2011, ruling that the federal government should exonerate all Aiba associate members from the Funrural fee, as well as returning the values collected over the past 10 years. The association, through hired juridical services, questioned the constitutionality of the said charges, which were not
instituted by supplementary law, which is a requirement, but by ordinary
law, and therefore was successful. Before the above decision, the association’s unconstitutionality claim had been acknowledged, at a previous
ruling deferred two years ago By the First District Court in Brasília (FD).
Equally in Brasília, during the month of October 2011, the First Federal Court accepted Aiba’s request in a court case filed in 2008, relative
to undue contributions to the so-called Education Salary. In the case, the
unconstitutionality argument was used, and with the ruling in favor of the
farmers, they no long have to pay the fee. Furthermore, they were entitled
to a refund, duly corrected to inflation, of all the fees deducted in the
decade that preceded the court case.
sultado), a conquista judicial assegura economia superior a R$ 60,00
por hectare de lavoura explorada; e no Salário Educação (2,5% sobre
a folha de pagamento), o valor economizado é de aproximadamente
R$ 300,00 por empregado/ano. De acordo com a organização representativa, as vitórias resultaram em redução na ordem de 90% das
contribuições sociais cobradas pelo governo junto aos produtores.
Destaca-se na instituição de apoio aos agricultores que as decisões desoneram o produtor, ao mesmo tempo em que aumentam a sua capacidade de investimento. Possibilita-se a utilização
desses recursos na contratação de mais funcionários e em melhoria tecnológica e produtiva, o que fortalece o setor produtivo
e a economia regional.
HEFT Y SAVINGS In the Funrural case (2.1% over the result),
the judicial victory ensures savings of over R$ 60 per hectare of fields
explored; and regarding the Education Salary (2.5% over the paycheck)
representing savings of approximately R$ 300 per employee/year. According to the representative association, the victories translated into
reductions of 90% in social fees collected by the federal government
from the farmers.
The relevant role played by the farmer-oriented support institution
lies in the fact that the decisions exonerate the growers from paying
the fees, thus boosting their investment capacity. These resources could
translate into more employees, productive and technological improvement, favoring both the production sector and the regional economy.
possibilitado reaver, com atualização, todo o montante pago sob este
título durante a década anterior ao ajuizamento da ação.
51
MEIO AMBIENTE . THE ENVIRONMENT
Um marco
histórico
LEI ESTADUAL OFERECE O BALIZAMENTO ENTRE A
ATIVIDADE PRODUTIVA E A CONSERVAÇÃO AMBIENTAL,
CRIANDO FINALMENTE PARÂMETROS PARA ESSA QUESTÃO
Em 28 de dezembro de 2011, o governador da Bahia,
Jaques Wagner, sancionou a Lei nº 12.377/2011. Foi o fechamento esperado, em grande estilo, para um ano que
figurará para sempre como um marco definidor dos novos rumos da produção brasileira, sobretudo a agrícola,
no que diz respeito ao balizamento legal entre a atividade
produtiva e a conservação do meio ambiente. Chegou-se a 2012 com a revisão do Código Florestal Brasileiro
finalmente aprovada no Congresso, ainda que à mercê da
aprovação final da presidente do País, Dilma Rousseff.
Na Bahia, a nova lei ambiental foi a vitória de uma
longa batalha, que envolveu horas de diálogos e discussões no exercício pleno da democracia. Seja na esfera
nacional, estadual ou regional, a Aiba atuou vigorosamente, como protagonista ou coadjuvante da construção dos novos arcabouços legais.
“A lei estadual surgiu como forma de institucionalizar a integração das Políticas Estruturantes de Meio Ambiente e de Recursos Hídricos e a qualificação do processo de gestão ambiental na Bahia, com a implementação
dos instrumentos de controle ambiental (licença, fiscalização e monitoramento)”, explica o vice-presidente da
Aiba, Sérgio Pitt.
52
A construção do projeto de lei priorizou uma metodologia participativa e foi discutida com os Conselhos Estaduais de Meio Ambiente e de Recursos Hídricos (Cepram
e Conerh), com segmentos da sociedade civil, organizações não governamentais (ONGs), poder público e setor
empresarial.
A aprovação da Lei 12.337/2011 criou, em caráter inusitado e revolucionário, outras duas modalidades
de licenciamento: a Licença de Regulamentação (LR), concedida para regularizar atividades ou empreendimentos
em instalação ou funcionamento, mediante recuperação
ambiental; e a Licença Ambiental por Adesão e Compromisso (LAC), concedida eletronicamente para empreendimentos de pequeno e médio portes.
De acordo com o secretário de Meio Ambiente da
Bahia, Eugênio Spengler, o papel da Aiba nesse processo,
como o de todas as instituições da sociedade envolvidas,
foi muito importante, porque representou a interlocução
de todos os setores com reais interesses nessa questão.
“Agora estamos trabalhando fortemente na conclusão do
Zoneamento Ecológico e Econômico (ZEE) e no monitoramento de bacias. Esse trabalho começará pelo Oeste,
que é a região mais pressionada e precisa de políticas e
respostas mais urgentes”, garantiu Spengler.
Oeste da
Anuário da Região
Bahia
A historic milestone
STATE LAW PROVIDES BALANCE
BETWEEN FARMING AND
ENVIRONMENTAL CONSERVATION
BY FINALLY SETTING UP
PARAMETERS FOR THE ISSUE
On December 28, 2011, Jaques Wagner, the Bahia governor, sanctioned Law no. 12377/2011. It was the expected grand-style closing
for a year that will forever be seen as a defining milestone in the new
paths of Brazilian production, especially agriculture, when it comes
to the regulatory balance between farming and environmental conservation. We started 2012 with the revision of the Brazilian Forest
Code finally approved by the Congress, albeit still at the mercy of
President Dilma Rousseff’s approval.
In Bahia, the new environmental law represents the victory in
a long battle that required lengthy talks and discussions that stood
as an example of the full exercise of democracy. Whether in the national, state or local levels, Aiba worked tirelessly as the main or supporting character in the construction of new legal frameworks.
“The state law was created as a way to institutionalize the integration of the Environmental and Water Resources Structuring
Policies and enhance the quality of the environmental management process in Bahia by implementing environmental control
tools (licenses, inspections and monitoring)”, explained Sérgio
Pitt, Aiba vice president.
The design of the bill prioritized a participatory methodology
and was discussed with the State Councils for the Environment and
Water Resources (Cepram and Conerh), with segments of the civil
society, NGOs, the government, and business leaders. In a curious
and revolutionary manner, the approval of Law 12337/2011 created
another two types of licensing: the Regulatory License, granted to get
activities or undertakings undergoing installation or already in operation compliant with the law by means of environmental recovery;
and the Environmental License via Adherence and Commitment,
granted electronically to small and medium-sized undertakings.
According to Eugênio Spengler, Bahia Secretary for the Environment, Aiba’s role in that process was very important, and so
was that of all of society’s institutions involved, because it brought
together all industries that have actual interest in the issue. “Now
we are working heavily to complete the Ecologic and Economic
Zoning and on basin monitoring. That work will start in the west,
which is the area under the greatest pressure and requiring the
most urgent solutions”, assured Spengler.
53
BAHIA FARM SHOW . BAHIA FARM SHOW
Anuário da Região
Oeste da
Bahia
Regional strength
in the window
A MAJOR TECHNOLOGY AND RURAL
BUSINESS FAIR IN THE COUNTRY
GAINS MOMENTUM AND STRENGTH YEAR
AFTER YEAR IN WESTERN BAHIA
O vigor regional
na vitrine
UMA DAS MAIORES FEIRAS DE TECNOLOGIAS
E NEGÓCIOS RURAIS DO PAÍS GANHA ESPAÇO E FORÇA
A CADA ANO NA REGIÃO OESTE DA BAHIA
A Bahia Farm Show chega à nona edição
ostentando o título de maior Feira de Tecnologia Agrícola e Negócios do Norte-Nordeste,
posicionada entre as cinco maiores mostras
do gênero agropecuário do País. A organização do evento chegou a 2012 com a expectativa de superar o volume de negócios de
2011, de R$ 570 milhões, apesar dos problemas que a região enfrentou com a estiagem
na safra em curso. No calendário de feiras
agropecuárias do Brasil, a mostra do Oeste da Bahia tem lugar especial. Este ano, o
evento figura entre os dias 29 de maio e 2 de
junho, em Luís Eduardo Magalhães.
54
Os quatro bancos oficiais da feira – Banco
do Nordeste, Desenbahia, Banco do Brasil e
Bradesco – endossam o otimismo dos organizadores, motivados pelos bons preços das
commodities e pela redução da taxa de juros.
Os bancos disponibilizam linhas com recursos do FNE, Pronaf/ Agricultura Familiar, e as
linhas com recursos do BNDES (PSI Rural,
Moderinfra e Moderagro), além dos financiamentos com recursos obrigatórios e próprios.
De acordo com o presidente da Associação
de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba),
Walter Horita, o agricultor do Oeste é ávido
por tecnologia. E foi o uso estratégico delas
que permitiu ao cerrado baiano passar, de
uma região desacreditada, para um dos grandes polos produtores do Brasil, líder em produtividade em soja, milho e algodão.
“Foi justamente a tecnologia que amorteceu os impactos da seca recente pela qual a
região passou. E quando se fala em tecnologia,
não há melhor vitrine para o produtor rural
que a Bahia Farm Show para conferir e adquirir as novidades tecnológicas, em um só lugar,
e perto das suas propriedades”, afirma.
ESTRUTURA - A Bahia Farm Show é
realizada no Complexo Bahia Farm Show, um
parque de exposições privado, de 2 milhões
de metros quadrados, sendo 70 mil ocupados com a exposição. O parque é um dos
mais bem providos de infraestrutura do País.
Possui, por exemplo, ruas totalmente pavimentadas, uma novidade da edição 2012. O
investimento nas redes elétrica e hidráulica,
em estruturas fixas de alvenaria, e em paisagismo, é possível graças ao direcionamento
dos recursos gerados pelo evento na melhoria da infraestrutura e da feira como um todo.
A Bahia Farm Show é uma realização da
Associação de Agricultores e Irrigantes da
Bahia (Aiba), em parceria com a Associação
Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa),
Associação das Revendas de Máquinas e Implementos Agrícolas do Oeste da Bahia (Assomiba), Fundação Bahia e Prefeitura de Luís
Eduardo Magalhães.
Bahia Farm Show reaches its ninth edition with the pompous title as the Largest
Agricultural Technology and Business Exhibition in the North and Northeast, ranking
as one of the five biggest exhibitions of this
kind throughout the Country. The organization of the event approached the year 2012
with the expectation to outstrip the business
volume of 2011, R$ 570 million, in spite of
the problems faced by the region with the
dry spells during the current crop year. On
the calendar of agriculture exhibitions in
Brazil, the Western Bahia event occupies a
prominent position. This year, the event has
been scheduled for May 29 to June 2, in Luís
Eduardo Magalhães.
The four official banks at the exhibition
– Bank of the Northeast, Desenbahia, Bank
of Brazil and Bradesco – lend support to the
optimism of the organizers, encouraged by
the good prices of the commodities and by
smaller interest rates. The credit lines made
available by the banks come from resources
from the FNE, Pronaf/ Family Farming, and
credit lines with resources from BNDES (PSI
Rural, Moderinfra and Moderagro), besides
financial grants from mandatory resources
and resources of their own.
According to the president of the Bahia
State Farmers and Irrigators Association
(Aiba), Walter Horita, the farmers of the
West are eager for technology. And thanks
to strategic use of this technology, the previously discredited Bahia cerrado region
turned into a huge producer hub in Brazil,
leader in soy, corn and cotton productivity
rates.
“It was technology that cushioned the
impacts of the recent drought experienced
by the region. And when the subject turns
to technology, there is no better showcase
for the rural producers than the Bahia
Farm Show to check and acquire the technological novelties in one place, and near
the farms”, he says.
STRUCTURE - Bahia Farm Show
is held in the Bahia Farm Show Complex,
a private exhibition park, 2 million square
meters where the exhibition occupies 70
thousand meters. The park boasts one of
the best infrastructures in the Country. For
example, its streets are paved, which is a
novelty of the 2012 exhibition. Investments
in the hydraulic and electrical networks, in
fixed masonry structures, and in landscaping, are possible because all resources generated by the event are channeled towards
improving the infrastructure of the exhibition as a whole.
Bahia Farm Show is organized by the Bahia State Farmers and Irrigators Association
(Aiba), jointly with the Bahia Association of
Cotton Producers (Abapa), Association of
Western Bahia’s Farm Implements and Machinery Agencies (Assomiba), Foundation
Bahia and Municipal Administration of Luís
Eduardo Magalhães.
55
Anuário da safra 2011/12 da Região
Oeste da
Bahia
EXPEDIENTE
Edição e editoração: Editora Gazeta Santa Cruz
Santa Cruz do Sul - RS - www.editoragazeta.com.br
Textos: Benno Bernardo Kist, Ana Lívia Lopes, Catarina Guedes e Romar Rudolfo Beling
Aprovação final: Alex Rasia e Sérgio Pitt
Projeto gráfico e diagramação: Márcio Oliveira Machado
Arte-final, arte de gráficos e tabelas: Márcio Oliveira Machado
Fotos: Silvio Ávila, banco de imagens da Editora Gazeta Santa Cruz e imagens cedidas pelas
instituições e entidades citadas no Anuário
Impressão: Corel Gráfica - Goiânia - Goiás
Tiragem: 4 mil exemplares
Barreiras (BA), maio de 2012
Av. Ahylon Macêdo, 11 - Barreiras - BA - CEP: 47.806-180
Fone: (77) 3613 8000 - Fax: (77) 3613 8020
www.aiba.org.br
56

Documentos relacionados