Avaliação do 2º dia

Сomentários

Transcrição

Avaliação do 2º dia
simulado
exame nacional do ensino médio
2010
2
Proposta de redação
Nem mito nem realidade
Nos dias que correm, não há como não nos lembrarmos de Stefan Zweig e de seu Brasil – Um país do futuro,
publicado em 1941. Como se sabe, Zweig, um judeu austríaco, conheceu o Rio de Janeiro em 1936 e voltou com
a mulher quatro anos depois, fugindo dos nazistas e abandonando uma Europa envolvida em sangrenta guerra
motivada em parte por ódios raciais. O país o fascinara desde o primeiro encontro. Sobretudo, causou-lhe
forte impressão a imensa salada étnica que viu nas ruas do Rio de Janeiro. Esse impacto inicial não esmoreceu
até sua morte e a da mulher, em Petrópolis (RJ), em 1942. Ele refletiu-se com nitidez no apanhado que fez da
história brasileira no primeiro capítulo do livro. Os fatos são tirados dos manuais conhecidos. Mas o viés da
narrativa é o mesmo do livro do conde Affonso Celso, Por que me ufano do meu país, publicado em 1900. O
povo brasileiro seria dotado de um caráter congênito em que sobressairiam a tolerância, sobretudo a racial, o
espírito de conciliação, a tendência à solução pacífica dos conflitos internos e externos. A essas qualidades
se acrescentava o dom de uma natureza rica e generosa. Com tais atributos, o Brasil estava, segundo ele,
destinado a apresentar ao mundo, sobre os escombros da Europa, um novo modelo de civilização. O Brasil
era o país do futuro. O livro de Zweig inscreve-se em longa tradição nacional que vem alternando, em termos
extremados, visões negativas e positivas de nosso povo. Os que só veem nele qualidades foram chamados de
ufanistas, como Affonso Celso, ou, em linguagem popular, de “turma do oba-oba”. Os que nele só enxergam
mazelas foram estigmatizados por Nelson Rodrigues como vítimas do complexo de vira-lata.
De fato, e para ficarmos apenas no período republicano, para cada Affonso Celso houve um Manuel Bomfim;
para cada Oliveira Vianna ou Paulo Prado houve um Gilberto Freyre; para cada Raymundo Faoro houve um
Darcy Ribeiro. Em contraste, sobre a terra houve unanimidade desde Américo Vespúcio: é grande, rica e bonita
por natureza. Nosso motivo de orgulho nacional, pesquisas o demonstraram, passou a ser a natureza.
E o atual momento vivido pelo país? Uma liderança presidencial para alguns inspiradora, uma economia
aparentemente em ordem, embora não tão dinâmica, um presente da natureza no pré-sal, uma Copa do
Mundo em 2014, Jogos Olímpicos em 2016. Novos sonhos de Brasil grande, já adormecidos, renasceram na
política externa? As condições internas e externas parecem mais favoráveis do que nunca para a decolagem?
Confirmar-se-á, assim, o que Stefan Zweig pressagiava para nós? Confirmar-se-á que o Brasil é o país do
futuro?
José Murilo de Carvalho é historiador, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro e autor de
A construção da ordem/Teatro de sombras (Civilização Brasileira).
Folha de S.Paulo, São Paulo, 18 out. 2009. Extraído do site:
<www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs1810200901.htm>. Acesso em: 1 mar. 2010.
O Jaburu... a ave que para mim simboliza a nossa terra. Tem estatura avantajada, pernas grossas, asas
fornidas e passa os dias com uma perna cruzada na outra, triste, triste, d’aquela “austera e vil tristeza”.
Carta de Capistrano de Abreu a João Lúcio D’Azevedo
Numa terra radiosa vive um povo triste. Legaram-lhe essa melancolia os descobridores que a revelaram
ao mundo e a povoaram. O esplêndido dinamismo dessa gente rude obedecia a dois grandes impulsos
que dominam toda a psicologia da descoberta e nunca foram geradores de alegria: a ambição do ouro e a
sensualidade livre e infrene que, como culto, a Renascença fizera ressuscitar.
PRADO, Paulo. Retrato do Brasil, 1928.
RED – 2o dia
1Simulado ENEM 2010
Recebemos a possibilidade de mostrar aos países que ainda pensam que vivemos numa selva, com jiboias
e macacos pulando entre as feiras livres, que não somos nada disso.
A Copa do Mundo e as Olimpíadas nos possibilitaram o progresso por ora estrutural e posteriormente
econômico. Isso trouxe uma responsabilidade gigantesca: não podemos jogar o sujo debaixo do tapete, ou
seremos lembrados por todo o restante do mundo de maneira pior do que a dos macacos, das jiboias e das
bananas.
Não serão mais outdoors que cobrirão o ruim, até porque estimamos até lá não termos pontos negativos.
Se nosso IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) sobe, se a confiança de investimento sobe, se isso, aquilo
e acolá sopram a favor, isso indica que estamos no caminho certo do desenvolvimento e que, de uma vez,
como sede de esportes e país desenvolvido, mostraremos o Brasil que o Visconde de Mauá desejava ou que
o Getúlio e o Juscelino tanto queriam: o Brasil cabeça erguida. [...]
MATHEUS, Tomio. Você é o crítico. Folha de S.Paulo, São Paulo, 19 out. 2009.
Números do Ipea e do IBGE, divulgados recentemente, mostram que o país não avançou no combate ao
analfabetismo. Pelo contrário. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2008 mostram
que são mais de 14 milhões de analfabetos, 10% da população, com uma redução de apenas 7,2 pontos
percentuais em comparação a 1992.
Tão grave quanto esse dado é o número de analfabetos funcionais. Correspondem a 21% da população,
ou 30 milhões de pessoas. Somando-se os dois grupos, chega-se a quase 1/4 da população sem condições
de ler ou compreender este texto. Trata-se de uma exclusão perversa e profunda.
Isso compromete o futuro do Brasil dada a baixa qualificação da mão de obra e os limites claros que impõe
ao pleno usufruto da cidadania, como sei de experiência própria. Se o país não investe pesadamente em
educação – e não apenas com recursos financeiros, mas com prioridade estratégica –, falta algo fundamental
a qualquer pretensão de se projetar no cenário internacional.
O Brasil pode se tornar a quinta economia do mundo até 2016, sem que tal conquista necessariamente se
reverta em mais qualidade de vida para os excluídos. No Nordeste, houve uma redução de 13% do número de
pobres nos últimos dez anos, mostram os dados do IBGE.
O analfabetismo, contudo, permanece alto e isso deveria acender um enorme sinal de alerta. [...]
SILVA, Marina. Folha de S.Paulo, São Paulo, 19 out. 2009.
[...] O Brasil, que em cinco séculos de existência situou-se na periferia do desenvolvimento econômico,
tem agora a chance de vir a ser o que é de sua natureza: o líder em sustentabilidade e inclusão social. Não
temos conflitos internos de caráter étnico ou religioso nem problemas graves com nossos vizinhos. Possuímos
a matriz energética mais limpa de todas. Recentemente, incorporamos milhões de pessoas aos mercados de
trabalho e de consumo. Falta-nos, entretanto, consolidar esses avanços sem cometer desatinos, como seria
o de relegar a um segundo plano, em razão do petróleo no pré-sal, tudo o que já alcançamos e o que ainda
podemos obter com o etanol e os biocombustíveis. Precisamos investir mais em pesquisa e desenvolvimento
de produtos e serviços socioambientalmente sustentáveis. Devemos insistir na educação pública de qualidade,
que, com instrumentos de democracia participativa, ajude a retirar da letargia em que se encontram grandes
contingentes da população, manipulados eleitoralmente por oligarquias interessadas em perpetuar seu poder
sobre um Estado ineficiente, sugado pela corrupção endêmica. Muito além de modelos econométricos, a nova
civilização brasileira deve ser acima de tudo ética, pois só assim estará comprometida com um mundo que
preserve a paz e a vida.
SZAJMAN, Abram. A nova civilização brasileira. Folha de S.Paulo, São Paulo, 4 out. 2009.
RED – 2o dia
2Simulado ENEM 2010
Chamo de complexo de vira-latas a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face
do resto do mundo.
Nelson Rodrigues
O complexo de vira-latas já virou complexo de cocker spaniel.
Sergio Miceli, professor de sociologia da USP
Com base na leitura dos textos anteriores e nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um
texto dissertativo-argumentativo em norma culta escrita da língua portuguesa sobre o tema “Brasil hoje: motivos
para obaobismo ou para ceticismo?”. Organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para
defesa de seu ponto de vista.
Instruções:
• Seu texto deve ser escrito à tinta, na Folha de Redação, que se encontra no final deste Caderno.
• Desenvolva seu texto em prosa: não redija narração, nem poema.
• O texto com até 7 (sete) linhas escritas será considerado texto em branco.
• O texto deve ter, no máximo, 30 linhas.
• O Rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado, no final deste Caderno.
RED – 2o dia
3Simulado ENEM 2010
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias
Questões de 1 a 45
Instrução: para responder a essas questões, identifique APENAS UMA ÚNICA alternativa correta e marque a letra correspondente
na Folha de Respostas.
Questão 1
Extraído do site: <www.universohq.com/quadrinhos>. Acesso em: 4 fev. 2010.
A tira explora o acordo ortográfico para produzir humor. Pode-se depreender dela a ideia segundo a qual a
reforma:
a) provoca alterações no plano fonético dos vocábulos, o que se percebe na fala do cachorro.
b) muda as palavras no campo semântico, dando-lhes novas acepções.
c) veio para dificultar o ensino de Língua Portuguesa.
d) facilita a grafia de palavras que eram escritas erroneamente.
e) provoca alterações exclusivamente na grafia dos vocábulos.
Questão 2
Sabiá
Vou voltar
Sei que ainda vou voltar
Para o meu lugar
Foi lá e é ainda lá
Que eu hei de ouvir cantar
Uma sabiá
Vou voltar
Sei que ainda vou voltar
Vou deitar à sombra
De uma palmeira
Que já não há
Colher a flor
Que já não dá
LC – 2o dia
E algum amor talvez possa espantar
As noites que eu não queira
E anunciar o dia
Vou voltar
Sei que ainda vou voltar
Não vai ser em vão
Que fiz tantos planos
De me enganar
Como fiz enganos
De me encontrar
Como fiz estradas
De me perder
Fiz de tudo e nada
De te esquecer
4Simulado ENEM 2010
Vou voltar
Sei que ainda vou voltar
E é pra ficar
Sei que o amor existe
Não sou mais triste
E a nova vida já vai chegar
E a solidão vai se acabar
E a solidão vai se acabar
BUARQUE, Chico. Sabiá. In: Não vai passar, v. 4. 1968.
Sabiá, de Chico Buarque de Hollanda, apresentada no Maracanãzinho em 29 de setembro de 1968, durante o III
Festival Internacional da Canção, foi criticada por sua “desvinculação da realidade nacional”, embora outros a
examinassem como uma nova e premonitória Canção do exílio, de Gonçalves Dias. Da análise da música de Chico
Buarque e da relação intertextual, infere-se que:
a) pouco tempo depois de sua composição, Sabiá poderia ser interpretada como um hino do exílio a que foram
obrigados diversos brasileiros, Chico Buarque inclusive.
b) muito ligada ao presente, Sabiá não tem o saudosismo e a nostalgia de Canção do exílio.
c) Sábia trata da abundância da riqueza do país, em passagens como “Vou deitar à sombra de uma palmeira que
já não há”.
d) assim como Canção do exílio, Sabiá representa uma nação esvaziada.
e) Sabiá pertence à geração romântica por ser contemporânea de Canção do exílio.
Questão 3
Em uma conversa ou leitura de um texto, corre-se o risco de atribuir um significado inadequado a um termo ou
expressão, e isso pode levar a certos resultados inesperados, como se vê nos quadrinhos a seguir.
SOUZA, Mauricio de. Chico Bento. São Paulo: Globo, n. 335, nov. 1999.
Nessa historinha, o efeito humorístico origina-se de uma situação criada pela fala da Rosinha no primeiro quadrinho,
que é:
a) Faz uma pose bonita!
b) Quer tirar um retrato?
c) Sua barriga está aparecendo!
d) Olha o passarinho!
e) Cuidado com o flash!
LC – 2o dia
5Simulado ENEM 2010
Questão 4
Leia, com atenção, os três parágrafos introdutórios do artigo escrito pela linguista Maria Helena de Moura Neves e
publicado na Revista Língua Portuguesa.
Na base da piada
Como uma simples anedota pode ajudar a reflexão sobre a linguagem
Pode parecer estranho dizer isso, mas piadas são textos particularmente provocadores de reflexão,
instigantes e, por isso mesmo, de boa escolha para o trabalho com língua e linguagem nas escolas. Considero
evidente a suposição de que, para qualquer pessoa sensível interessada pela linguagem, depois do riso que a
piada provoca fica a alegria de admirar de que modo o jogo de obtenção de sentido e de humor foi explorado.
São especialmente desajustes no acionamento de estruturas linguísticas, ou em seu preenchimento, que
fazem rir. Por exemplo, no nosso dia a dia, desperta-nos o riso o fato de alguém, por ignorância, ou mesmo por
distração, descuido ou falta de atenção, operar algum desvio em uma construção, como nesta frase que encontrei
em um cartão de Natal: “Que as alegrias deste Natal tragam todas as realizações possíveis e imaginárias.”, ou
nesta que li como manchete de um jornal paulista: “Bin Laden quer morrer antes de ser preso”.
Se se operam os mesmos desajustes para efeito tencionado de fazer rir (uma piada, uma tira, uma história
em quadrinhos, lances divertidos em uma crônica, ou até mesmo em uma conversa informal), em vez de rir
do autor, a gente ri com o autor. Captar esses desajustes é algo natural, é parte da competência linguística
de cada um, especialmente do falante nativo da língua, que sabe, justamente com isso, desfrutar do efeito de
humor pretendido.
Revista Língua Portuguesa. São Paulo: Segmento, ano I, n. 12, 2006.
A autora defende o uso de piadas, no contexto escolar, por ser um gênero que:
a) torna o ensino da língua menos enfadonho e mais produtivo, na medida em que explora o riso.
b) reproduz, de forma mais elaborada, os desajustes linguísticos que vivenciamos no cotidiano.
c) permite aperfeiçoar a competência linguística dos falantes nativos para que eles desfrutem melhor dos efeitos
de humor pretendidos.
d) propicia uma reflexão estimulante sobre a língua/linguagem, particularmente no que diz respeito aos efeitos de
sentido e de humor construídos.
e) produz um desajuste no acionamento de estruturas linguísticas, o que provoca admiração no destinatário,
mesmo que não o faça rir.
Questão 5
Leia a tirinha a seguir:
Mr. Lerdo, de Adão Iturrusgarai. Folha de S.Paulo, São Paulo, 10 set. 2009. Ilustrada.
LC – 2o dia
6Simulado ENEM 2010
Considerando a “conversa” da tirinha, pode-se inferir
que a interação comunicativa:
Leia o texto a seguir para responder às questões
7 e 8.
a) não se realiza completamente porque falta um
interlocutor à conversa.
b) não se realiza com perfeição porque a personagem
masculina tem problemas de audição.
c) não se realiza inteiramente porque o referencial dos
interlocutores é distinto.
d) não se realiza de modo ideal porque a personagem
masculina responde à locutora fora do tempo.
e) não se realiza de fato porque a locutora se mostra
desinteressada na conversa.
O jornalista José Simão, da Folha de S.Paulo,
distingue-se como articulista por seu estilo irônico
e ao mesmo tempo pelos neologismos que cria.
Leia um trecho de um texto publicado no citado
jornal:
Questão 6
Papo de índio
Veiu uns ômi di saia preta
cheiu di caixinha e pó branco
qui eles disserum qui chamava açucri
aí eles falarum e nós fechamu a cara
depois eles arrepitirum e nós fechamu o corpo
aí eles insistirum e nós comemu eles.
vocês repararam como o povo anda triste?
é a cachaça que subiu de preço
a cachaça e outros gêneros de primeira
necessidade
cachaça a dois contos, ora veja,
veja a hora,
que horas são,
atenção
apontar:
BUEMBA! BUEMBA! Macaco Simão Urgente! O
esculhambador-geral da República! Direto do País
da Piada Pronta! GOOOOOOOOOOOOOOOOR! GOR DO GORNALDO! O Ronalducho fez um
golaço! Quebrou até o alambrado. Parecia o
Godzilla invadindo o planeta. Gol de alambrado!
E, pela festa da mídia, o resultado foi esse: 1 x 1
pro Corinthians. Resultado do clássico Parmêra x
Corintia: um a um pro Corinthians! Rarará! E ele
levou até cartão amarelo. E o Cléber Machado:
“Esse juiz não tem sensibilidade! Esse juiz não
tem sensibilidade!”. Essa foi a melhor frase do
futebol brasileiro: o juiz não tem sensibilidade! E a
Globo mostrou duas galinhas assistindo ao jogo.
Ah, o Ronalducho deve ter conhecido na noite
anterior. Eram convidadas VIPs do Ronalducho!
Rarará!
E eu tô rouco! Fui pro aniversário da Hebe! Pro
oitentão da Lourebe! A Perua Amiga! E acordei
rouco. De tanta surda! “Parabéns!” “Heeiiin?”
E atenção! Cartilha do Lula! Mais um verbete pro
óbvio lulante. “Ociosa”: companheira modelo que
é só osso! Rarará. O lulês é mais fácil que o ingrêis.
Nóis sofre, mas nóis goza! Hoje, só amanhã! Que
eu vou pingar o meu colírio alucinógeno!
FOGO
SIMÃO, José. Folha de S.Paulo, São Paulo, 10 mar. 2009. Ilustrada.
CHACAL. Extraído do site: <www.revista.agulha.com.br/chacal.html>.
Acesso em: 4 fev. 2010.
Questão 7
O poema pertence à poesia contemporânea. Sobre o
seu conteúdo e seu modo de composição polifônico,
pode-se afirmar que:
Analisando os recursos linguísticos usados no texto,
verifica-se que:
a) a voz que narra na primeira parte do texto é de um
português.
b) a segunda parte do texto é narrada por um índio.
c) as partes do poema referem-se a dois momentos
distintos de nossa História.
d) a linguagem do poema retoma aspectos da primeira
fase do Romantismo.
e) o poema não tem a pretensão de tratar da realidade.
a) o texto explora a impessoalidade gramatical, como
requer a linguagem jornalística.
b) “Ronalducho” é uma palavra criada por justaposição, visto que é a soma de partes das palavras
“Ronaldo” e “gorducho”.
c) o texto explora a polifonia em passagens que
reproduzem, além da voz do autor, as vozes de
outras pessoas em discurso indireto.
LC – 2o dia
7Simulado ENEM 2010
d) visto que, no último parágrafo, o autor quer dizer
que as modelos não têm “carne”, isto é, só têm
ossos, o sufixo “oso” contribui com o sentido, já
que se refere a algo em falta.
e) em “Essa foi a melhor frase do futebol brasileiro: o
juiz não tem sensibilidade!”, o autor induz o leitor a
ler a fala de Cléber Machado como uma reprodução
do senso comum.
Questão 8
De acordo com o gênero de organização discursiva, o
texto poderia ser definido como um(a):
a) resenha.
b) reportagem.
c) notícia funcional.
d) crônica humorística.
e) texto de divulgação científica.
Questão 9
Futebol repetitivo
Um locutor esportivo deveria acrescentar informações ao público ao narrar uma partida. Em
vez disso, porém, eles mais parecem aquele tio
que senta no sofá com a cerveja e se exalta ao
comentar o jogo. Haja coração – e paciência!
Olha a entrada dura por trás!
Não dá para levar a sério alguém que saca frases de
tamanho duplo sentido para descrever um lance.
Cuidado com a enfiada pelo meio!
Tá vendo? Esse é outro exemplar do jargão com
sentido duvidoso presente no mundo futebolístico.
Pra dentro deles, Denílson!
O pobre atleta não tem nem como se defender
desse incentivo que mais parece chacota adolescente.
Foi pênalti, não foi?
Eles têm o poder do replay, mas ainda querem o
aval do comentarista ao lado para julgar simples
tropeços.
O juiz tá mal-intencionado.
Dizem muito isso nos jogos da Seleção. Gozado
como nunca é culpa dos nossos pernas de pau,
só do árbitro.
Aí não, aí não!
Basta a bola ameaçar seguir na direção da rede
brasileira, o desespero toma conta. Parece ou não
aquele tio?
É a família brasileira em campo.
Tem apenas uma mulher em meio a 70 marmanjos,
mas o locutor supõe que a tal é mãe de alguém.
Enfrentaremos a altitude de La Paz.
Os ares da capital boliviana são uma entidade
capaz de definir o placar. Tudo vira culpa da
famosa “altitude de La Paz”.
Época. São Paulo: Globo, 5 jul. 2004.
Sobre o texto, pode-se afirmar que:
a) todas as frases são cheias de teor sexual, com
pretensão de explorar humor.
b) o texto é monofônico, visto que, embora faça uso
de outras vozes, o autor do texto é um só.
c) o autor do texto mostra ter preconceito linguístico,
visto que defende que locutores de futebol deveriam
se comunicar sempre em norma culta.
d) dentre as estratégias usadas para argumentar, o
autor do texto se vale da ironia e do eufemismo
para analisar os clichês futebolísticos.
e) nas frases em destaque que iniciam cada comentário
do autor, pode-se notar o uso de expressões que
marcam o léxico de um locutor de futebol.
Questão 10
A selva do politicamente correto
Tá com cheiro de gol!
A bola mal saiu do campo de defesa e já começam
as previsões. Assim, os embates terminariam em
20 a 20.
Discurso tem como características preceitos
difusos e ausência de fórmula contra
preconceitos
Olha o ladrão!
Não basta chamar o adversário de bandido;
ainda tem de avisar como se o jogador estivesse
ouvindo.
Um dos ensaios de Jean-Jacques Courtine
publicados no livro Metamorfoses do discurso
político: derivas da fala pública (São Carlos,
Claraluz) trata da linguagem politicamente
LC – 2o dia
8Simulado ENEM 2010
correta (PC). Courtine é um intelectual francês
que trabalhou durante 15 anos nos EUA e é de
sua experiência nesse país que o texto nasce. Do
depoimento, vale a pena destacar alguns aspectos
que ajudam a compreender o fenômeno.
Uma característica do PC é que suas teses
e suas práticas não derivam de uma teoria da
linguagem explícita. É verdade que uma posição
genérica bastante clara comanda o movimento, ou
o atravessa: a de que a linguagem pode expressar
preconceitos, ideologias, posições. O que não há
é uma teoria clara na qual se fundamente uma luta
contra a expressão de tais preconceitos, de tais
posições.
Em nenhum lugar se formula explicitamente
uma tese sobre as línguas, alguma hipótese
sobre o que teria sido uma língua sem essas
características, ou o que é mesmo – se é que seria
possível – uma língua expurgada de palavras ou
expressões preconceituosas. Às vezes, parece
que do movimento deveria emergir uma vaga
língua “originária” (que a etimologia recuperaria),
ou uma língua em que palavras são substituídas
por descrições. Mas nada é claro, nenhuma tese
é explicitada.
Outra característica do PC é que seu “comando”
é difuso. Ou seja, não há uma organização, uma
instituição que coordene as ações dos militantes
(algo semelhante a um partido ou uma associação).
A origem das regras e do controle é difusa. O PC
está em toda parte e em parte alguma. Suponhamos que alguém quisesse reclamar do PC: não
haveria uma instância à qual recorrer. Possivelmente, a eventual queixa seria considerada
fantasiosa, já que ninguém – institucionalmente –
poderia ser identificado como a fonte da doutrina
– de proibições ou de orientações. Curiosamente, é um pouco como reclamar de racismo ou de
machismo, na medida em que não há instituições
machistas ou racistas que se assumam como tais.
Para ilustrar esse fato, Courtine conta uma
história até curiosa. Um dia, estava enviando um
e-mail a um colega francês e escreveu a palavra
retard (que quer dizer “atrasado”). Imediatamente,
apareceu na tela do computador um aviso:
“Seremos obrigados a lavar seu teclado com
LC – 2o dia
sabão”. Acontece que a palavra retard, em inglês,
pode ter conotações politicamente incorretas
(referindo-se a pessoas com “necessidades
especiais”...) e o computador, que, como todos,
era burro, achou que se tratava da palavra inglesa.
Diante do aviso, Courtine se dirigiu a um funcionário
que tinha instalado o programa de advertência,
que confirmou ter sido ele a ativar o filtro, mas não
soube dizer de onde vinha a ordem para fazê-lo.
Era um “procedimento de rotina”. [...]
POSSENTI, Sírio. A selva do politicamente correto. Revista Língua Portuguesa.
São Paulo: Segmento. Extraído do site:
<www.revistalingua.com.br/textos.asp?codigo=11616>. Acesso em: 2 mar. 2010.
Considerando o texto e analisando os elementos que
constituem a linguagem politicamente correta, conclui-se que:
a) a linguagem politicamente correta se reveste de
preconceitos, ideologias, posições.
b) a linguagem politicamente correta é constituída de
palavras ou expressões preconceituosas.
c) a linguagem politicamente correta é defendida por
militantes desorganizados de uma instituição que
os coordena.
d) a linguagem politicamente correta foi desenvolvida
por um programa de computador.
e) a linguagem politicamente correta é passível de
defesas exageradas.
Questão 11
Ai! Se sêsse!...
Se um dia nós se gostasse;
Se um dia nós se queresse;
Se nós dos se impariásse,
Se juntinho nós dois vivesse!
Se juntinho nós dois morasse
Se juntinho nós dois drumisse;
Se juntinho nós dois morresse!
Se pro céu nós assubisse?
Mas porém, se acontecesse
qui São Pêdo não abrisse
as portas do céu e fosse,
te dizê quarqué toulíce?
E se eu me arriminasse
e tu cum insistisse,
9Simulado ENEM 2010
prá qui eu me arrezorvesse
e a minha faca puxasse,
e o buxo do céu furasse?...
Tarvez qui nós dois ficasse
tarvez qui nós dois caísse
e o céu furado arriasse
e as virge tôdas fugisse!!!
Zé da Luz
O texto anterior, de autoria de Zé da Luz, poeta das terras nordestinas, falecido em 12 de fevereiro de 1965, é um
claro exemplo de como o escritor pode tomar emprestada a voz do povo. Pode-se inferir disso que:
a) a linguagem coloquial empobrece a literatura, já que deturpa o verdadeiro nome das coisas.
b) Zé da Luz não pode ser considerado um poeta na verdadeira acepção da palavra, já que não usa a norma
culta.
c) qualquer variedade linguística é legítima na literatura, desde que sirva aos propósitos do autor.
d) a linguagem do texto é distante da variedade popular.
e) ao reproduzir a voz popular, o autor mostra aos leitores que qualquer pessoa é poeta.
Questão 12
Leia o texto a seguir.
O mundo maravilhoso de Adão Iturrusgarai, de Adão Iturrusgarai.
Extraído do site: <www.adao.blog.uol.com.br/images/tira-pro-site.gif>. [Adaptado]
Ao ler uma tira, geralmente, somos surpreendidos pela profundidade das reflexões, apesar de tratar-se de um texto
curto. Lendo a tira apresentada nesta questão, percebemos:
a) porém, que a personagem é contraditória e inconsequente, visto que deveria ter pensado nas consequências
antes de se submeter às plásticas.
b) que não há nenhuma reflexão pertinente, tendo em vista que o personagem já sabia que as plásticas não dariam
certo.
c) que o humor é construído a partir do jogo de palavras ocorrido entre “aparência pessoal” e “aparência
impessoal”.
d) que o objetivo do autor é apenas alertar as pessoas acerca dos cuidados que devem ser tomados ao decidir se
submeter a uma plástica.
e) que não existe nenhuma coerência entre o texto verbal e o não verbal, o que deixa a reflexão enfraquecida.
LC – 2o dia
10Simulado ENEM 2010
Questão 13
Marque a alternativa que diz respeito ao anúncio da Revista Língua Portuguesa:
a) O título do texto “Entre no universo da nossa Língua” explora dois referenciais para a palavra “língua”.
b) Segundo o texto, ler a Revista Língua Portuguesa facilita a compreensão do idioma desconsiderando regras
gramaticais.
c) A língua é determinada pela gramática, não pelo povo.
d) A fala e a escrita não estão relacionadas com a vida do indivíduo.
e) O texto procura diferenciar a língua de idioma; língua de linguagem; língua de vida.
LC – 2o dia
11Simulado ENEM 2010
Questão 14
Extraído do site: <www.uol.com.br/fsp>. Acesso em: 3 fev. 2010.
De acordo com a tira, é correto afirmar que:
a) os idosos de nossa sociedade, por terem dificuldade de utilizar novas formas de comunicação, deixam de
interagir com outras pessoas.
b) o personagem é um ermitão que gosta de viver em isolamento, o que explica a sua aversão a novas formas de
comunicação.
c) o autor faz uma apologia ao uso dos recursos contemporâneos de comunicação.
d) o personagem expressa uma posição de receptividade com relação à comunicação.
e) é esperado o fato de alguém recusar-se a utilizar os atuais meios de comunicação para interagir com as
pessoas.
Questão 15
Uma campanha contra a violência foi veiculada pelo Jornal do Brasil. O texto a seguir (12 de agosto de 2003) faz
parte dessa campanha.
TÁ-TÁ-TÁ-TÁ-TÁ-TÁTÁ-TÁ-TÁ-TÁ-TÁ-TÁTÁ-TÁ-TÁ-TÁ-TÁ-TÁTÁ-TÁ-TÁ-TÁ-TÁ-TÁTÁ-TÁ-TÁ-TÁ-TÁ-TÁTÁ-TÁ NA HORA DE
DAR UM BASTA À
VIOLÊNCIA.
A repetição “TÁ-TÁ-TÁ...” pode ser interpretada como:
a) uma forma de apologia ao uso de armas de fogo para a proteção contra bandidos.
b) uma onomatopeia que sugere metonimicamente a necessidade urgente de combater a violência.
c) um modo de sugerir o combate à violência por meio de uma metáfora.
d) uma repetição indevida, que prejudica o texto.
e) uma forma de conclamar as pessoas a tomarem as armas de bandidos.
LC – 2o dia
12Simulado ENEM 2010
Com base na tirinha a seguir responda às questões 16 e 17.
iTurrusgarai, A. Folha de S.Paulo. São Paulo. 24 abr. 2007, p. E5. Ilustrada.
Questão 16
Nos quadrinhos, pode-se interpretar da criação do 13o trabalho de Hércules que:
a) o esforço físico do herói foi proporcional ao seu esforço intelectual.
b) o trabalho burocrático também requer um esforço de herói.
c) os heróis gregos despendiam mais energia que os trabalhadores atuais.
d) os gregos atribuíam ao trabalho burocrático um caráter divino.
e) o trabalho intelectual requer também preparo físico.
Questão 17
Na sequência dos quadrinhos, o efeito de humor é construído com o auxílio da:
a) metáfora.
b) ironia.
c) polissemia.
d) intertextualidade.
e) catacrese.
LC – 2o dia
13Simulado ENEM 2010
Leia o texto a seguir para responder às questões
18 e 19.
Meu avô foi o primeiro a me falar da constelação
da Ursa maior, visível no hemisfério Norte. Com um
binóculo antigo, me divertia observando esse e outros
grupos de estrelas no límpido céu azul do Colorado.
Às vezes, minha imaginação criava seus próprios
desenhos luminosos. Evidentemente, nessa época
eu não sabia nada sobre a origem das constelações
modernas, mas as imagens curiosas que elas
formam no céu eram um mistério fascinante.
Em 1922, quando a União Astronômica Internacional definiu oficialmente 88 constelações, a maioria
foi retirada diretamente do Almagesto de Ptolomeu.
Elaborado por volta de 500 d.C., esse tratado
expunha os conhecimentos astronômicos dos gregos e suas tradições sobre as estrelas. Essas tradições já estavam presentes em 275 a.C. no famoso
poema Os fenômenos, de Arato de Soles. Por sua
vez, boa parte desse poema é cópia do trabalho
homônimo escrito por Eudoxo de Crido em 366 a.C.
(do qual não há vestígios), como relata Hiperco em
147 a.C., em seus Comentários. As constelações
gregas não foram criadas pelos autores desses livros.
Quando foram descritas, é provável que já existissem
havia muito tempo. Mas como se originaram?
Questão 20
Texto 1
Os falantes de uma língua adquirem natural e
gradativamente o conhecimento necessário para
usar a língua da comunidade a que pertencem,
cuja estrutura já tem, predeterminados convencionalmente, os signos linguísticos e as possibilidades de combinação entre eles, o que
permite a comunicação. À soma dos conhecimentos linguísticos de uma língua chamamos
gramática natural.
A gramática natural não deve ser confundida
com as gramáticas que tentam, de forma
sintetizada, registrar, descrever e/ou prescrever
os fenômenos gramaticais. Do mesmo modo, não
se deve confundir o conjunto de regras utilizadas
pela gramática normativa.
NICOLA, José de. Gramática: palavra, frase e texto.
São Paulo: Scipione, 2005. p. 15.
Considerando as definições de gramática natural e
normativa apresentadas no texto anterior, leia o texto a
seguir para responder à questão.
Texto 2
Jogos reúnem 600 índios de
16 etnias no sul do Pará
Scientific American Brasil. São Paulo: Duetto, n. 5, dez. 2006, p. 84.
Questão 18
O texto é um artigo de divulgação científica no qual se
observam características do gênero:
a) diário.
b) relato.
c) carta pessoal.
d) resenha.
e) manifesto.
Questão 19
Na organização textual
predomina o recurso da:
a) polissemia.
b) intertextualidade.
c) figurativização.
d) citação.
e) dados estatísticos.
LC – 2o dia
do
segundo
parágrafo
Após cinco dias de competição, cerca de 600
índios, de 16 etnias, participam nesta quarta-feira da festa de encerramento da terceira edição
dos Jogos Indígenas do Pará, evento organizado
pelo líder indígena Marcos Terena em Conceição
do Araguaia (1 100 km de Belém). Em uma arena
montada à margem do rio Araguaia, os atletas
indígenas disputaram provas de natação, arco e
flecha, arremesso de lanças, canoagem, cabo de
guerra, corrida e futebol.
14Simulado ENEM 2010
Uma das atrações deste ano, os índios Matis,
que participaram pela primeira vez da competição,
demonstraram suas habilidades com a zarabatana
e suas técnicas de caça. Os Matis são famosos
por suas lendas e tradições ligadas à figura mítica
da onça pintada. Habitantes de uma porção
pouco visitada da floresta amazônica no Estado
do Amazonas, ao norte do rio Solimões e próximo
à divisa com o Peru, os representantes desta tribo
(que mal falam o português) viajaram sete dias de
avião, barco e ônibus para participar da festa. [...]
Extraído do site: <www1.folha.uol.com.br/folha/esporte/ult92u107204.shtml>.
Acesso em: 27 ago. 2006.
De acordo com o Texto 2, os índios Matis “mal falam o
português”. Comparando essa expressão a “falar mal
o português”, pode-se dizer que:
a) “falar mal o português” é uma referência correta aos
índios Matis, que fazem uso da língua portuguesa
mas não conhecem a sua norma culta.
b) “mal falar o português” é uma referência ao povo
brasileiro, que não tem condições de usar o seu
próprio idioma.
c) “mal falar o português” é uma referência aos índios
Matis, que fazem uso da língua portuguesa porque
sua língua é inferior.
d) “falar mal o português” é uma referência ao povo
brasileiro, que domina a norma culta mas nem
sempre faz uso dela.
e) “mal falar o português” é uma referência aos índios
Matis, cuja língua mãe é outra, de sua própria
cultura.
Para responder às questões 21 a 24, leia o texto a
seguir.
Ano novo, dívidas velhas. E agora?
Passadas as festas de fim de ano, é hora de
fazer as contas. A primeira semana útil do ano é
fértil para conclusões sobre nosso comportamento
de consumo: compramos por impulso? Abusamos
do cartão de crédito? Muitos serão os que
responderão sim a essas perguntas. E agora?
O superendividamento é questão recorrente
nos dias atuais. Crises econômicas seguidas
de recuperações “milagrosas”1, reduções de
impostos (com efeitos que nem sempre chegam
ao consumidor final), publicidade, promoções
LC – 2o dia
especiais de fim de ano são, dentre outros,
importantes atrativos para o consumidor menos
atento. Tecnicamente, considera-se superendividado o consumidor de boa-fé que não tem
condições de honrar suas dívidas não decorrentes
de sua atividade profissional.
O consumidor que se considerar superendividado pode adotar algumas providências para
que consiga pagar suas dívidas e recuperar sua
capacidade de consumo: buscar diretamente uma
negociação com seu fornecedor – e isso deve ser
feito via SAC ou por solicitação escrita; ou buscar
ajuda de um órgão de defesa do consumidor, como
o Procon-Goiás, que conta desde novembro com
um Núcleo de Renegociação de Dívidas Simples.
O serviço de renegociação de dívidas é antecedido de um cálculo, solicitado pelo consumidor e elaborado por uma equipe especializada,
que verifica, entre outros itens, a legalidade da
negociação, os juros ofertados e os efetivamente
praticados, o cálculo final da dívida, as possibilidades de reparcelamento. De posse desse
cálculo, um técnico faz contato com o fornecedor e
propõe alterações na negociação original, de forma
a viabilizar seu pagamento pelo consumidor.
Os casos de acordo são maioria, já que o
fornecedor se vê diante de um consumidor de
boa-fé, que quer pagar, e precisa de condições
especiais para isso. No entanto, caso não se
chegue a um acordo, e havendo lesão a algum
direito do consumidor (como cobrança de taxa
ou não abatimento proporcional dos juros em
uma liquidação antecipada de débito), este pode
registrar uma demanda que pode resultar num
processo administrativo – que poderá culminar em
sanção pecuniária (multa) para o fornecedor – e,
caso assim queira o interessado, num processo
judicial, iniciado no Juizado Especial Cível.
Como se vê, apesar da angústia resultante
das velhas dívidas em ano novo, o importante é
manter a calma e a boa-fé, e contar com a ajuda
de órgãos especializados para intermediar uma
negociação proveitosa para quem quer pagar e
para quem precisa receber.
Letícia Franco de Araújo, superintendente do Procon-Goiás.
O Popular, Goiânia, 10 jan. 2010.
15Simulado ENEM 2010
Questão 21
Assinale a alternativa que melhor resume o texto,
contemplando sua ideia principal:
a) Mesmo que intermediações sejam possíveis para
saldar dívidas, as pessoas não as procuram em
início de ano.
b) Mesmo podendo recorrer a intermediações, em
início de ano geralmente as pessoas não negociam
suas dívidas.
c) Ainda que as boas intenções prevaleçam nas
relações entre credor e devedor, a maioria das
pessoas tem se endividado.
d) Embora as pessoas mantenham a calma e a boa-fé nas situações de endividamento, nem sempre
saldar dívidas no início do ano é uma tarefa fácil.
e) Apesar da angustiante situação de endividamento,
mantendo tranquilidade e boas intenções, pode-se
conseguir uma negociação que resolva pendências
financeiras no ano novo.
a) Que deixa de acontecer.
b) Que já aconteceu.
c) Que está acontecendo.
d) Que volta acontecer.
e) Que acontecerá.
Para responder às questões 25 e 26, leia o texto a
seguir.
Questão 22
O uso de aspas em “milagrosas” (ref. 1) tem como efeito:
a) Dar à palavra sentido denotativo.
b) Antecipar a interpretação do leitor.
c) Ratificar o sentido literal da palavra.
d) Sugerir que a palavra não serve ao contexto.
e) Colocar em xeque o sentido literal da palavra.
Questão 23
De acordo com o texto, há variadas formas de o
consumidor que se considerar superendividado adotar
algumas providências para que consiga pagar suas dívidas e recuperar sua capacidade de consumo, exceto:
a) Recorrer ao Procon.
b) Negociar de forma direta com o seu fornecedor.
c) Buscar ajuda de um órgão de defesa do
consumidor.
d) Valer-se do citado Núcleo de Renegociação de
Dívidas Simples.
e) Solicitar por escrito a anulação da negociação com
o fornecedor.
Questão 24
Na passagem “O superendividamento é questão
recorrente nos dias atuais”, a palavra “recorrente” pode
ser substituída, sem prejuízo ao sentido, por:
LC – 2o dia
Veja. São Paulo: Abril, abr. 2009.
Questão 25
A frase que inicia a notícia:
a) representa a voz do jornalista, que fala como as
operadoras de telemarketing.
b) representa a voz das operadoras de telemarketing,
que desejam falar com o jornalista.
c) representa a forma mais adequada de emprego do
gerúndio.
d) ilustra o “gerundismo”, um vício de linguagem
cometido por algumas operadoras de telemarketing.
e) estabelece um diálogo com o leitor, de modo que as
reticências podem ser substituídas pela expressão
“com você, leitor”.
Questão 26
A principal intenção do texto é:
a) informar utilizando dados.
b) denunciar problema social.
c) analisar problema gramatical.
d) ensinar conteúdo disciplinar.
e) contestar informações apresentadas.
16Simulado ENEM 2010
Leia o texto a seguir, dividido em 5 parágrafos, para responder às questões 27 e 28.
Veja. São Paulo: Abril, 9 abr. 2008.
Questão 27
No quinto parágrafo do texto, “A vírgula pode mudar uma opinião. Não quero ler. Não, quero ler”, a ausência e a
presença da vírgula criam respectivamente, quanto à ação referida, o sentido de:
a) ordem e negação.
b) negação e afirmação.
c) afirmação e ordem.
d) negação e ordem.
e) ordem e afirmação.
Questão 28
Ao refletir sobre possibilidades de uso da vírgula, o texto defende que esse sinal de pontuação pode, em especial,
provocar alterações no plano:
a) gráfico do texto.
b) fonético do texto.
c) sintático do texto.
d) semântico do texto.
e) morfológico do texto.
LC – 2o dia
17Simulado ENEM 2010
Questão 29
Em outubro de 2009, um helicóptero da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro foi metralhado e derrubado
por traficantes de morros cariocas. O fato foi noticiado e analisado pelos mais diversos veículos de mídia do país,
que responsabilizaram diretamente a ausência dos governos e a falência de certos programas governamentais. A
charge a seguir, de Jorge Braga, ilustra uma dessas reflexões.
O Popular, Goiânia, 20 out. 2009.
A charge defende a ideia de que:
a) a queda do helicóptero foi acidental.
b) os traficantes planejaram previamente o crime.
c) o helicóptero derrubado por traficantes apresentava defeito.
d) o barulho da queda do helicóptero foi ouvido a grande distância.
e) a derrubada do helicóptero tem como causa a ineficiência do Programa de Aceleração do Crescimento.
Questão 30
Nova Escola. São Paulo: Abril, abr. 2009.
O garoto Calvin, em sua reflexão no terceiro quadrinho, própria de um jovem que vive dificuldades em assumir
responsabilidades:
a) discorda da ideia de que estudar é necessário.
b) argumenta de modo racional sobre o processo educativo.
c) mostra-se influenciado pela figura do professor que tudo permite.
d) concorda com o seu amigo Tigre por este se tratar de um professor.
e) cria um subterfúgio para fugir à sua responsabilidade e poder brincar.
LC – 2o dia
18Simulado ENEM 2010
Questão 31
em relação às minorias (que às vezes são
numericamente maiorias), criando leis cosméticas
e mudando só os nomes das coisas, em vez de
combater a desigualdade, com educação, serviços
públicos de qualidade e redistribuição de renda.
Exemplo de lei demagógica: no Brasil, chamar
um negro de “negro” (embora seja a sua cor) é crime
inafiançável (racismo), mas matar um negro – ou
qualquer pessoa – é afiançável (homicídio). Ou seja,
o que a lei diz nas entrelinhas é: se você não gosta
de negros, mate-os, mas não os chame de negros.
Sobre o cartum, pode-se dizer que a predominância de
sequências:
a) nominais expressa os processos da personagem.
b) nominais expressa o movimento e as ações da
personagem.
c) nominais valoriza as qualidades da personagem.
d) verbais valoriza as qualidades da personagem.
e) verbais valoriza as circunstâncias das ações da
personagem.
Leia o texto a seguir para responder às questões
32 e 33.
Embora a linguagem PC seja invenção ameri­
cana que a mídia brasileira veicula acriticamente,
os EUA não detêm monopólio da hipocrisia:
expressões eufêmicas já existem no português
há bastante tempo. Chamar o negro de “moreno”
ou “de cor”, embora pareça atitude de respeito,
esconde um racismo: se evitamos usar “negro”,
é porque consideramos ser negro um defeito.
Apesar da aparente boa intenção, a linguagem PC
só contribui para acentuar o preconceito.
É claro que há linguagem adequada a cada
situação. Nenhum jornal vai referir-se ao desfile do
orgulho gay como “passeata de bichas na Paulista”
(embora um jornal tenha noticiado “mulherada se
reúne em Campinas” sobre encontro de feministas).
Trata-se de usar a linguagem com respeito, não
com falsa piedade. Nesse sentido, o conceito de
“politicamente correto” deveria ser substituído
pelo de “linguisticamente adequado”.
Revista Língua Portuguesa. São Paulo: Segmento, n. 30, 2008, p.56-58.
É correto ser politicamente correto?
A língua não serve só para comunicar. É
também poderoso instrumento de persuasão e
manipulação. Afinal, dominar pessoas por meio
de discursos é mais eficiente do que manter um
soldado em cada esquina. E, muitas vezes, a
manipulação ideológica se oculta sob um manto de
boas intenções. É o caso da chamada linguagem
politicamente correta (PC, para simplificar). [...]
A verdadeira democracia se apoia em direitos
iguais a todos. Mas há distância entre democracia e
demagogia. (Aristóteles apontava a segunda como
a degeneração da primeira.) O que temos em muitos
países são discursos e políticas demagógicas
LC – 2o dia
Questão 32
Na opinião do autor:
a) esconder o racismo é uma atitude politicamente
correta.
b) atenuar o preconceito é o resultado obtido com o
uso da linguagem PC.
c) chamar o negro de “moreno” ou “de cor” pode
indicar uma característica racista.
d) usar expressões que conotem falsa piedade encaixa-se no conceito de “linguisticamente adequado”.
e) escolher “feministas” ou “mulherada” revela o
mesmo cuidado que ocorre em “desfile do orgulho
gay”.
19Simulado ENEM 2010
Questão 33
Uma oportunidade de ouro, para restituir
um pouco de decência ao sistema político
brasileiro, foi aberta na semana passada pelo
Tribunal Superior Eleitoral, ao afirmar que o
mandato efetivo pertence antes ao partido do
que ao deputado federal, deputado estadual ou
vereador.
Veja. São Paulo: Abril, 4 mar. 2007.
Assinale a alternativa correta. A afirmação do Tribunal
Superior Eleitoral propõe:
a) evitar a evasão dos partidários da base política dos
candidatos eleitos.
b) impedir que o candidato eleito, por um determinado
partido político, migre para outra instituição
partidária.
c) reduzir o “troca-troca” de partidos políticos anterior
à posse dos candidatos eleitos.
d) erradicar a figura do “vira-casaca” durante o
processo eleitoral.
e) estabelecer uma relação de fidelidade partidária
entre o candidato eleito e os partidos políticos que
o apoiaram.
Questão 34
É preciso casar João,
é preciso suportar, Antônio,
é preciso odiar Melquíades,
é preciso substituir nós todos.
É preciso salvar o país,
é preciso crer em Deus,
é preciso pagar as dívidas,
é preciso comprar um rádio,
é preciso esquecer fulana.
ANDRADE, Carlos Drummond de. Poema da necessidade. Extraído do site:
<http://mais.uol.com.br/view/3fouas5m9fea/poema-da-necessidade04023270DC899346?types=A&>. Acesso em: 3 mar. 2010.
O paralelismo dos versos, no contexto, contribui para
a expressão:
a) de uma visão idealizada das relações humanas.
b) da ideia do caráter ininterrupto das pressões sociais
sobre o indivíduo.
c) da interrupção da obrigatoriedade.
LC – 2o dia
d) do constante questionamento sobre a fugacidade
do tempo.
e) do bem-estar produzido pela utopia como única
possibilidade de realização.
Questão 35
Portunhol questiona estereótipos
Ainda é muito cedo para considerar o portunhol
uma língua à parte, um novo idioma ou sequer
um dialeto. Essa é a avaliação de escritores e
críticos literários ouvidos pela Folha. [...]
Nas palavras de Cristóvão Tezza, trata-se
de “um modismo inconsistente”. O escritor
catarinense considera que o portunhol não vai
se impor como idioma por razões políticas.
“Imaginar que alguma região de fronteira do
Brasil comece a defender de fato uma língua nova
é algo delirante.” [...] Porém, Tezza considera a
defesa dessa variedade uma novidade curiosa.
“O Brasil não costuma ter movimentos de
autonomia linguística. Não há uma defesa do
dialeto caipira ou do gauchês, ou a exigência
de jornais e rádios nessas variedades, como
acontece na Europa.” [...] Já o linguista Carlos
Alberto Faraco, da Universidade Federal do
Paraná, acha que é preciso distinguir situações.
Para ele, o portunhol do brasileiro que acha que
fala espanhol só por mudar algumas palavras ou
sua entonação não tem representação cultural
significativa. [...] Mas Faraco acha interessante
que o portunhol se preste a um exercício literário
que mimetize a realidade.
“Somos um país que não gosta de aceitar
sua variedade linguística, quando isso acontece,
é por meio do estereótipo e, às vezes, do
preconceito”, diz.
COLOMBO, Sylvia. Folha de S.Paulo,
São Paulo, 28 nov. 2007.
No texto, o autor utiliza como estratégia de organização
discursiva o predomínio do tipo textual:
a) descritivo.
b) argumentativo.
c) injuntivo.
d) narrativo.
e) instrucional.
20Simulado ENEM 2010
Questão 36
Couraça de sabão
Quase risonho
Profanador de tumba
Sobrevivente
À chacina e à lei do cão
Saqueador da metrópole
Tenaz roedor
De toda esperança
Estuporador da ilusão
Extraído do site: <www.desencannes.com>. Acesso em: 4 fev. 2010.
Ó meu semelhante
Sobre a construção do texto, uma simulação de
propaganda, pode-se dizer que se explora:
Filho de Deus, meu irmão
a) a polissemia para refazer o sentido convencional de
uma expressão de uso popular.
b) uma expressão que faz mal ao texto, já que deprecia
o produto anunciado.
c) o sentido literal de uma palavra (“burro”) para
provocar humor.
d) o sentido conotativo de uma palavra (“burro”) para
fazer referência apreciativa ao usuário do produto.
e) a ambiguidade para confirmar que o produto é de
má qualidade.
Rato
Leia o texto a seguir para responder às questões
37 e 38.
Rato que rói a roupa
Que rói a rapa do rei do morro
Que rói a roda do carro
Que rói o carro, que rói o ferro
Que rói o barro, que rói o morro
Rato que rói o rato
Ra-rato, ra-rato
Roto que ri do roto
Que rói o farrapo
Do esfarra-rapado
Que mete a ripa, arranca rabo
Rato ruim
Rato de rua
Rato que rói a rosa
Irrequieta criatura
Rói o riso da moça
Tribo em frenética proliferação
E ruma rua arriba
Lúbrico, libidinoso transeunte
Em sua rota de rato
Boca de estômago
BUARQUE, Chico. Ode aos ratos. In: Carioca, 2006.
Atrás do seu quinhão
Vão aos magotes
A dar com um pau
Levando o terror
Do parking ao living
Do shopping center ao léu
Do cano de esgoto
Pro topo do arranha-céu
Rato de rua
Aborígene do lodo
Fuça gelada
LC – 2o dia
Questão 37
Examinando-se os aspectos construtivos do texto,
percebe-se que:
a) as sequências nominais predominam na primeira
estrofe do texto.
b) a ausência da locução adjetiva “de rua” tiraria o
aspecto depreciativo da palavra “rato”.
c) a repetição do som de “r” na última estrofe é uma
falha.
d) o emprego da expressão “shopping center” é ruim
num texto em língua portuguesa.
e) as palavras “carro” e “barro” são homônimas.
21Simulado ENEM 2010
Questão 38
Sobre os sentidos construídos no texto, é possível
inferir que:
a) a referência metafórica a um ser humano se dá
claramente na passagem: “Ó meu semelhante /
Filho de Deus, meu irmão”.
b) a passagem “Do parking ao living / Do shopping
center ao léu / Do cano de esgoto / Pro topo do
arranha-céu” descreve os lugares em que o “rato” é
bem-vindo.
c) o emprego das expressões “a dar com um pau” e
“fuça gelada” criam uma esfera formal no texto.
d) o emprego de “irrequieta” no lugar de “inquieta”
deve ser lido como um sinônimo de “quieta”.
e) O texto trata de um rato literalmente.
Questão 39
Leia o texto a seguir:
andar de cabeça erguida, neste país, com muito
sacrifício. E não vai ser a elite brasileira que vai
fazer eu baixar a minha cabeça”.
A frase inspirou a manchete da Folha de
S.Paulo: “Elite não me fará baixar a cabeça”.
Como vemos, ao sintetizar a fala do presidente,
a manchete também opera sobre ela ao menos
três interferências gramaticais. Primeiro, o
substantivo “cabeça” não aparece mais com
o pronome possessivo “minha” (pode não ter
sido intencional, mas o jornal, com isso, segue
a antiga regra, que preconizava não empregar
possessivos com partes do corpo). A locução
verbal “vai fazer”, bastante comum, assume a
forma cerimoniosa “fará”. E o pronome “eu”, da
construção “vai fazer eu baixar a minha cabeça”,
torna-se “me” em “Elite não me fará baixar a
cabeça”. De certo modo, portanto, a manchete
do jornal “corrigiu”2 a fala do presidente [...]
Discutindo Língua Portuguesa.
São Paulo: Escala, n. 4, abr. 2008.
À luz de uma visão científica da língua, as palavras
“erros” (ref. 1) e “corrigiu” (ref. 2) estão entre aspas no
texto porque:
Acusado constantemente de cometer “er­
ros” 1, Lula tem, na verdade, se distanciado cada
vez mais da fala popular que o consagrou.
Foto de capa na maioria dos jornais de
23 de julho de 2005: sorriso largo, broche
com a bandeira do Brasil no paletó azul, o
presidente Lula almoçava no bandejão da
refinaria da Petrobras em Duque de Caxias
(RJ). De uniforme cinza com detalhes em verde-amarelo, trabalhadores o observavam – sorrindo
também, a maioria. Lula falava, pela primeira
vez de forma mais incisiva, sobre o escândalo
do “mensalão”, que explodira havia cerca de
um mês e meio: “Eu conquistei o direito de
LC – 2o dia
a) são a transcrição literal da fala de outra pessoa
diferente do jornalista.
b) deve-se questionar o seu sentido literal, usual, cujo
referencial é a gramática normativa.
c) têm sentido conotativo, figurado.
d) são marcas de linguagem coloquial num texto
culto.
e) são neologismos semânticos, termos com novo
significado.
Questão 40
Limites a Chávez
Apesar da vitória eleitoral do caudilho
venezuelano, oposição ativa e crise do petróleo
vão dificultar perpetuação no poder
O rolo compressor do bonapartismo chavista
destruiu mais um pilar do sistema de pesos
e contrapesos que caracteriza a democracia.
Na Venezuela, os governantes, a começar do
presidente da República, estão autorizados
a concorrer a quantas reeleições seguidas
desejarem.
22Simulado ENEM 2010
Hugo Chávez venceu o referendo de domingo,
a segunda tentativa de dinamitar os limites a sua
permanência no poder. Como na consulta do
final de 2007, a votação de anteontem revelou
um país dividido. Desta vez, contudo, a discreta
maioria (54,9%) favoreceu o projeto presidencial
de aproximar-se do recorde de mando do ditador
Fidel Castro.
Outra diferença em relação ao referendo de 2007
é que Chávez, agora vitorioso, não está disposto
a reapresentar a consulta popular. Agiria desse
modo apenas em caso de nova derrota. Tamanha
margem de arbítrio para manipular as regras do
jogo é típica de regimes autoritários compelidos a
satisfazer o público doméstico, e o externo, com
certo nível de competição eleitoral.
Mas, se as chamadas “ditabrandas” – caso
do Brasil entre 1964 e 1985 – partiam de uma
ruptura institucional e depois preservavam ou
instituíam formas controladas de disputa política
e acesso à Justiça –, o novo autoritarismo latino-americano, inaugurado por Alberto Fujimori no
Peru, faz o caminho inverso. O líder eleito mina
as instituições e os controles democráticos por
dentro, paulatinamente.
O efeito de humor da tirinha é construído principalmente
por meio da:
a) referência a dados da história política do Brasil.
b) utilização de palavras fora de contexto, como
“obsoletos”.
c) associação de um ritmo musical com métodos de
tortura.
d) caracterização caricatural do personagem no plano
não verbal.
e) interdependência das linguagens verbal e não
verbal.
Folha de S.Paulo, São Paulo, 17 fev. 2009.
Ao criar o termo “ditabranda”, o editorial do jornal
Folha de S.Paulo gerou discussão não sobre o gênero,
mas sobre o grau totalitário do movimento militar que
perdurou até 1985, período que a história decidiu
classificar como “anos de chumbo”, a ditadura militar.
Parte dos leitores recebeu muito mal o termo. Sobre
isso, pode-se dizer que:
a) o termo “ditabranda” foi mal recebido porque agrava
o teor totalitário da ditadura militar no Brasil.
b) o vocábulo não deveria provocar reação alguma
porque, sendo um neologismo, não existe.
c) o uso da palavra é uma hipérbole, já que exagera na
descrição da ditadura militar.
d) o neologismo eufemiza as ações da ditadura militar
no Brasil.
e) a criação vocabular ameniza a reação popular
contra a ditadura militar.
Questão 41
Leia a tirinha a seguir.
LC – 2o dia
Leia o texto a seguir para responder às questões
42 e 43.
Buemba Bush! Welcome ou welbebe?!
O chargista revelou o diálogo entre Lulalelé e
Belzebush: “Welcome?”. “No, Welbebe!”
BUEMBA! BUEMBA! Macaco Simão Urgente!
O esculhambador-geral da República! Direto do
País da Piada Pronta!
Jesus toma conta de nós! Apocalipse! O
tinhoso chegou, o cão, o coisa ruim, o Belzebush!
Fora Bush! Vassoura Atrás da Porta!
E a piada pronta: o Bush ficou hospedado no
Hilton ao lado de um prédio chamado World Trade
Center! Tanta segurança, 5 000 homens, e aí ele
abre a janela e dá de cara com o WTC! E tem um
peripaque! Rarará.
E adorei o cartaz dos corintianos na Paulista: “Fora
Bush! Fora Leão!”. E um leitor me disse que tem duas
23Simulado ENEM 2010
notícias: uma boa e uma ruim. A boa é que o Bush foi
embora. E a ruim é que o Lula ficou. Rarará!
E eu conheço o local ideal onde deveria ter sido
o encontro do Lulalelé com o Belzebush. Tem um
bar aqui em São Caetano chamado CANTINHO
DA CIRROSE! Rarará. E a intérprete devia ser a
velha surda de “A Praça é Nossa”!
E a Condolências Rice tá a cara do Ronaldinho
Gaúcho! E o chargista Duke revelou o diálogo entre
Lulalelé e Belzebush: “Welcome?”. “No, Welbebe!”.
Rarará. E o Lula: “How bu iu bu, Bush?”. “A vida é
drurys mas dá muitas vodcas!”.
E adorei o discurso do Lula. Falou “sórcio”. E
que é doente por etanol e biodiesel. Isso a gente
já sabia. Rarará!
E a zona que virou São Paulo?
Bullshit Day: helicópteros sobrevoaram o meu
terraço, sirenes, o Bush vem me pegar. Ai que
paranoia! Vai me levar pra Guantánamo. Anos e
anos pagando pelas piadas que eu fiz dele!
Rarará!
E fecharam até a rua Pamplona?
Já sei, o Bush vai passar pelo Carrefour pra
comprar duas 51 e um frango assado. Rarará!
É mole? É mole, mas sobe! Ou como diz o outro:
é mole, mas sobe só pra agradar a vizinha!
Antitucanês Reloaded, a Missão. Continuo com a
minha heroica e mesopotâmica campanha “Morte
ao Tucanês”. Acabo de receber mais um exemplo
irado de antitucanês. É que perto de Belo Horizonte
tem um bar e restaurante chamado Recanto da
Perereca! O Melhor Salgado da Região! Rarará! Mais
direto, impossível. Viva o antitucanês. Viva o Brasil!
Questão 42
Sobre os recursos linguísticos usados no texto, pode-se afirmar que:
a) em passagens como “Welcome?”. “No, Welbebe!”,
o trocadilho como recurso para produzir humor foi
construído com o uso de empréstimos linguísticos que
se incorporaram ao vocabulário da língua portuguesa.
b) o texto explora a polifonia como recurso de
construção em passagens que reproduzem o
discurso popular, como em “Jesus toma conta de
nós!”, somando-se à voz do autor.
c) na passagem “E um leitor me disse que tem duas notícias: uma boa e uma ruim.”, o verbo foi usado na norma
culta tal como recomenda a Gramática Normativa.
d) como requer a linguagem jornalística, o texto
explora a impessoalidade gramatical.
e) o eufemismo é a figura de linguagem que mais
marca o discurso do autor.
Questão 43
O modo predominante de organização discursiva do
texto é:
a) repetir para ilustrar.
b) argumentar para convencer.
c) descrever para definir.
d) narrar para emocionar.
e) expor para informar.
Leia o texto a seguir para responder às questões
44 e 45.
E atenção! Cartilha do Lula. Mais um verbete
pro óbvio lulante. “Eta nóis!”: plural de etanol!
O lulês é mais fácil que o inglês.
Nóis sofre, mas nóis goza! Hoje só amanhã.
Que eu vou pingar o meu colírio alucinógeno!
E quem não tem colírio pode pingar etanol com
caldo de cana!
Rarará! Garapa neles!
SIMÃO, José. Folha de S.Paulo, São Paulo, 10 mar. 2007. Ilustrada.
LC – 2o dia
24Simulado ENEM 2010
Men’s Health está comemorando 1 ano de
sucesso. Por isso, vem aí uma edição parruda,
recheada de reportagens. Você vai descobrir
a receita de Giba, o craque do vôlei, para ter um
corpo saudável, e vai conhecer mais de 100 dicas
de moda para o inverno.
Men’s Health. Mude seu corpo, mude sua vida.
reiteração da estrutura sintática e do sentido do
verbo.
e) o pronome “isso”, do texto em destaque (com letras
maiúsculas), tem como referente a frase após os
dois-pontos.
Questão 45
Analisando o papel morfossintático e os sentidos
produzidos pelos verbos do texto, infere-se que:
Edição de aniversário.
A partir de 4 de maio nas bancas.
Placar Especial. Guia 2007 Brasileirão. São Paulo: Abril, abr. 2007. p. 7.
Questão 44
Pela leitura do texto, infere-se, em relação aos recursos
de natureza sintática e semântica explorados, que:
a) as orações do texto em destaque (com letras
maiúsculas) na propaganda apresentam uma
relação de contrariedade entre si.
b) as orações “Mude seu corpo, mude sua vida”
poderiam ser unidas pela conjunção “mas”, sem
sofrer alteração em seu sentido original.
c) as passagens “ficou sarado, ficou bem informado,
ficou elegante” e “ficou com um monte de mulher”
apresentam relação de causa e consequência entre si.
d) a repetição do verbo “ficar”, ao longo do texto,
explora os paralelismos sintático e semântico, na
a) o verbo “ficar” é polissêmico: designando estado
momentâneo (verbo de ligação) e com sentido
de “relação descompromissada” ou “relação-relâmpago” (verbo de ação).
b) os verbos “sarado” e “informado”, ambos no
particípio, são classificados como formas nominais,
o que se confirma por exercerem o papel de
substantivos no texto.
c) a locução verbal “está comemorando”, composta
de um verbo no futuro do indicativo e de outro no
gerúndio, designa uma ação em curso.
d) as locuções “vai descobrir” e “vai conhecer” podem
ser substituídas pelas formas simples descobre e
conhece sem perda de sentido.
e) o verbo “mudar”, nas orações “Mude seu corpo,
mude sua vida”, está no modo subjuntivo,
significando uma ação duvidosa, incerta, no
presente.
Rascunho
LC – 2o dia
25Simulado ENEM 2010
Matemática e suas Tecnologias
Questões de 46 a 90
Instrução: para responder a essas questões, identifique APENAS UMA ÚNICA alternativa correta e marque a letra correspondente
na Folha de Respostas.
Rascunho
Para responder às questões 46 e 47, leia o texto e analise a tabela a seguir.
Maior parte da economia de cada estado está concentrada
em cinco de seus municípios
De maneira geral, na maioria dos estados do Norte e Nordeste, os cinco municípios
com as maiores economias concentravam mais de 50% do PIB de seus estados. As
exceções foram Tocantins e Bahia, onde essa concentração era de 46,0% e 46,9%,
respectivamente. O Sudeste não apresentou padrão específico, sendo que os cinco
maiores municípios do Espírito Santo e do Rio de Janeiro concentravam mais de
65% do PIB dos seus estados. No Sul e Centro-Oeste, essa concentração era bem
menor, exceto no Mato Grosso do Sul (54,4%).
O Amazonas mostrou a maior concentração: os cinco municípios com os
maiores PIB representavam 87,7% do PIB do estado, e o Amapá (87,6%) vinha
a seguir. Já Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas Gerais tinham as menores
concentrações: 35,8%, 36,0% e 37,8%, respectivamente.
A tabela a seguir representa a participação citada no texto:
Tabela 4 – Posição dos cinco maiores municípios em relação ao Produto Interno Bruto
e participação relativa do Produto Interno Bruto e da população,
segundo os municípios e respectivas Unidades da Federação,
em ordem de posição de 2007 – 2003-2007
Municípios
e respectivas
Unidades da Federação,
em ordem de posição
de 2007
Posição dos cinco maiores municípios em
relação ao Produto Interno Bruto
2003
2004
2005
Produto
População
Interno
(2)
Bruto
2007
(1)
2006
Participação
relativa em 2007
(%)
São Paulo/SP
1
1
1
1
1
12,0
5,9
Rio de Janeiro/RJ
2
2
2
2
2
5,2
3,3
Brasília/DF
3
3
3
3
3
3,8
1,3
Belo Horizonte/MG
5
4
5
4
4
1,4
1,3
Curitiba/PR
4
5
4
5
5
1,4
1,0
Fonte: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e
Superintendência da Zona Franca de Manaus – Suframa.
(1) Dados sujeitos a revisão. (2) População estimada para 1o de julho, série revisada.
Extraído do site: <www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php>.
Acesso em: 4 mar. 2010. [Adaptado]
MT – 2o dia
26Simulado ENEM 2010
Rascunho
Questão 46
O maior PIB per capita dentre as cidades citadas na tabela é o de:
a) São Paulo.
b) Rio de Janeiro.
c) Brasília.
d) Belo Horizonte.
e) Curitiba.
Questão 47
Leia as seguintes afirmações:
I. Belo Horizonte e Curitiba apresentam economias aproximadamente de mesmo
tamanho.
II. Mais de um quinto do PIB brasileiro é gerado dentro de cinco municípios.
III. A cidade de São Paulo concentra mais de 10% da população do Brasil.
Com base no texto e na análise das cinco cidades apresentadas na tabela, é (são)
verdadeira(s):
a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas III.
d) Apenas I e II.
e) Apenas II e III.
Questão 48
Em uma pizzaria, um cliente pediu uma
pizza grande, com dois sabores (meio a
meio). Um dos sabores seria muçarela
e o outro, calabresa. Infelizmente, a
cozinha errou o pedido e a metade
sabor calabresa veio trocada por outro
sabor. Para compensar o erro, o gerente
propôs a seguinte solução: o cliente
ficaria com a metade corretamente feita
da pizza, enquanto a cozinha faria uma
pizza pequena de calabresa.
pizza grande
pizza pequena
R
a ) r =meio a meio
Somente calabresa
π
R
r = da pizza pequena, a proposta não irá
Chamando de R o raio da pizza grande, e rbo) raio
4
prejudicar o cliente, em termos da quantidade de
R pizza recebida, contanto que r seja,
c) r =
no mínimo:
2
R
π
R
b) r =
4
R
c) r =
2
a) r =
R 2
2
MT
d) r– =2o dia
e) r =
R 2
4
d) r =
R 2
2
e) r =
R 2
4
27Simulado ENEM 2010
Rascunho
Questão 49
Aos domingos, um estudante tem o costume de visitar sua família, podendo escolher
entre ir para a casa dos avós e ir para a casa dos tios. No entanto, ele sempre fica em
dúvida sobre qual dos dois visitar e, assim, deixa a decisão a cargo da sorte.
Sabendo que para ir para a casa dos avós ele deve tomar o ônibus da linha 103, e para ir
para a casa dos tios ele deve tomar o ônibus da linha 305, ele decide que, todo domingo,
em alguma hora escolhida ao acaso durante o dia, ele irá para o ponto de ônibus e
entrará no primeiro ônibus, dentre os dois citados, que passar.
A tabela a seguir mostra os horários dos ônibus que passam no ponto em frente à casa
do estudante.
Hora
Ônibus
Hora
Ônibus
08:00
103
13:15
305
08:15
305
14:00
103
09:00
103
14:15
305
09:15
305
15:00
103
10:00
103
15:15
305
10:15
305
16:00
103
11:00
103
16:15
305
11:15
305
17:00
103
12:00
103
17:15
305
12:15
305
18:00
103
13:00
103
18:15
305
Ao final de um ano, ou seja, aproximadamente 52 semanas, espera-se que o rapaz:
a) tenha visitado muito mais seus avós que seus tios.
b) tenha visitado muito mais seus tios que seus avós.
c) tenha conseguido visitar as duas casas quase igualmente.
d) tenha visitado apenas um pouco mais seus tios que seus avós.
e) tenha visitado apenas um pouco mais seus avós que seus tios.
Questão 50
A conta de água em uma cidade é calculada com tarifas progressivas e o preço de cada
metro cúbico consumido é calculado conforme tabela a seguir:
MT – 2o dia
Faixa de uso
Tarifa por m3
Até 10
R$ 0,55
Entre 10 e 20
R$ 1,00
Entre 20 e 50
R$ 2,00
Mais de 50
R$ 2,50
28Simulado ENEM 2010
A família Silva, que consumiu 12 m3 de água em um mês, teve sua conta assim tarifada:
Faixa de
consumo
Conusmo
(m3)
Tarifa por
m3
Subtotal
0-10
10
0,55
5,50
10-20
2
1,00
2,00
Rascunho
20-50
50+
Total
12
7,50
Dessa forma, o valor da conta de uma família que utilize 25 m3 de água em um determinado mês será:
a) R$ 13,75.
b) R$ 25,50.
c) R$ 27,50.
d) R$ 50,00.
e) R$ 50,50.
Questão 51
Uma universidade está oferecendo três cursos de extensão para a comunidade externa
com a finalidade de melhorar o condicionamento físico de pessoas adultas, sendo eles:
Curso A: Natação
Curso B: Alongamento
Curso C: Voleibol
As inscrições nos cursos ocorreram de acordo com a tabela seguinte:
Curso
Apenas
A
Apenas
B
Apenas
C
AeB
AeC
BeC
A, B e C
Alunos
9
20
10
13
8
18
3
Analise as afirmativas a seguir com base nos dados apresentados:
I. 33 pessoas se inscreveram em pelo menos dois cursos.
II. 52 pessoas não se inscreveram no curso A.
III. 48 pessoas se inscreveram no curso B.
IV. O total de inscritos nos três cursos foi de 88 pessoas.
Dentre as afirmativas, podemos concluir que estão corretas somente:
a) I e II.
b) I e III.
c) III e IV.
d) I, II e III.
e) II, III e IV.
MT – 2o dia
29Simulado ENEM 2010
Para responder às questões 52 e 53, leia o texto e analise o gráfico a seguir.
Rascunho
Um tanque com 3 000 litros de combustível precisa ser esvaziado. Assim, o técnico
aciona uma bomba que começa a retirar combustível desse tanque. Após 10 minutos,
aciona outra bomba, para completar o esvaziamento mais rápido. O gráfico a seguir
mostra o processo de esvaziamento.
Volume (litros)
Esvaziamento
Tempo (minutos)
Questão 52
Podemos afirmar que, 12 minutos completos após o início do processo de esvaziamento,
o volume de combustível restante será de:
a) 2 000 litros.
b) 1 900 litros.
c) 1 800 litros.
d) 1 600 litros.
e) 1 500 litros.
Questão 53
Após o acionamento da segunda bomba, o ritmo de esvaziamento do tanque é de:
a) 50 litros por minuto.
b) 100 litros por minuto.
c) 120 litros por minuto.
d) 150 litros por minuto.
e) 200 litros por minuto.
Para responder às questões 54 e 55, leia atentamente o texto a seguir.
Em um plano cartesiano, considere que a figura
a seguir apresenta uma reta r: y = 2x + 2 no plano
cartesiano, e um ponto P(a,b). O ponto P’ é o ponto
simétrico de P em relação à reta r.
P’(a’,b’)
y = 2x + 2
P(a,b)
MT – 2o dia
30Simulado ENEM 2010
Lembrando as propriedades de pontos simétricos, podemos considerar que a
reta funciona como um espelho, e P’ é a imagem do ponto P nesse espelho. Daí
vêm várias propriedades interessantes, tais como: a linha que liga P’ a P é sempre
perpendicular à reta-espelho dada.
Rascunho
Questão 54
Considere a reta s que liga P a P’. Independente das coordenadas do ponto P, sobre o
coeficiente angular dessa reta s podemos afirmar que:
a) o coeficiente angular da reta s é –0,5.
b) o coeficiente angular da reta s é 0,5.
c) o coeficiente angular da reta s é 2.
d) o coeficiente angular da reta s é –2.
e) não podemos calcular o coeficiente angular de s sem o conhecimento das coordenadas de P(a,b).
Questão 55
Considerando o ponto P(1,1), as coordenadas de P’ são:
a) (–0,2; 1,6)
b) (–1; –1)
c) (–1; –2)
d) (–1,4; 2,2)
e) (–1; –2,5)
Questão 56
Um estudante decidiu preparar, em sua casa, uma lasanha congelada. Logo após retirá-la do congelador, ele leu as instruções de preparo do fabricante:
Congelado
Descongelado
Forno a gás
45 minutos
Micro-ondas
12 minutos
Forno a gás
25 minutos
Micro-ondas
7 minutos
O estudante não desejava gastar todo o tempo do preparo no forno a gás, mas também
não gostava do sabor deixado pelo preparo unicamente no micro-ondas. Assim, ele
esquentou a lasanha recém-retirada do congelador por cinco minutos no micro-ondas e,
então, levou a embalagem ao forno a gás. Nesse caso, quanto tempo ele deverá deixar
a lasanha no forno a gás (aproximadamente) para que o produto esteja pronto?
a) 18 minutos.
b) 22 minutos.
c) 27 minutos.
d) 32 minutos.
e) 40 minutos.
MT – 2o dia
31Simulado ENEM 2010
Para resolver às questões 57 e 58, utilize o texto de apoio a seguir.
Rascunho
Gasolina é melhor que o etanol em 19 estados
A chuva em excesso e fora de hora atrapalhou a colheita da cana e elevou os
preços do etanol. Segundo Ivelise Bragato, pesquisadora do Centro de Estudos
em Economia Aplicada (Cepea), ligado à Escola Superior de Agricultura Luiz de
Queiroz, em Piracicaba, interior de São Paulo, a restrição da oferta e a demanda
aquecida dos últimos meses do ano vêm sustentando a alta dos preços do etanol
em quase todo o Brasil.
Com isso, os motoristas de carros “bicombustíveis”, os chamados flex fuel, têm
mais vantagens em abastecer com gasolina em 19 estados.
Em ordem alfabética, é melhor abastecer com gasolina no Acre, Amapá,
Amazonas, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Pará,
Paraíba, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia,
Roraima, Santa Catarina e Sergipe.
É melhor abastecer com etanol em Goiás, Mato Grosso, Paraná, Pernambuco,
São Paulo e Tocantins, segundo pesquisa divulgada nesta terça-feira pela Agência
Nacional de Petróleo (ANP).
Em três estados – Alagoas, Bahia e Mato Grosso do Sul –, a escolha do
combustível não faz diferença no bolso.
Como saber qual combustível é melhor? Há dois métodos, o simples e o
complicado.
O simples é dividir o preço do etanol em reais por 0,7. Se o resultado for superior
ao preço da gasolina, o etanol não compensa (se for inferior, compensa). Esse método
é simples porque considera que o etanol tem 70% do rendimento da gasolina. [...]
Extraído do site: <http://colunistas.ig.com.br/seudinheiro/2009/12/22/gasolina-e-melhor-que-o-etanol-em-19-estados/>. [Adaptado]
Questão 57
Suponha que em duas cidades os preços do litro de etanol e de gasolina sejam dados
pela tabela a seguir:
Combustível – preço de um litro
Etanol
Gasolina
X
1,60
2,45
Y
1,95
2,60
Adotando unicamente a regra sugerida no texto anterior, buscando a economia, os
motoristas devem abastecer:
a) com etanol nas cidades X e Y.
b) com etanol na cidade X e com gasolina na cidade Y.
c) com gasolina nas cidades X e Y.
d) com gasolina na cidade X e é indiferente abastecer com gasolina ou etanol na cidade Y.
e) com etanol na cidade X e é indiferente abastecer com gasolina ou etanol na cidade Y.
MT – 2o dia
32Simulado ENEM 2010
Rascunho
Questão 58
Suponha que um cidadão, possuidor de um carro flex fuel, ao abastecer seu carro
unicamente com etanol, consiga obter do carro um desempenho de 7 quilômetros por
litro de combustível. Já ao abastecer unicamente com gasolina, obtém do carro um
desempenho de 10 quilômetros por litro.
Considerando que o tanque do carro tem espaço para 45 litros de combustível,
e assumindo que o desempenho do carro, medido em quilômetros por litro, varie
linearmente com a porcentagem de gasolina na mistura, responda:
Qual é o desempenho esperado do carro caso o cidadão coloque, no tanque vazio, 18
litros de etanol e complete os 27 restantes com gasolina?
a) 8,0 km/L.
b) 8,2 km/L.
c) 8,4 km/L.
d) 8,6 km/L.
e) 8,8 km/L.
Para responder às questões 59 e 60, leia a situação-problema descrita a seguir.
A empresa INP é responsável pela fabricação de um insumo industrial e seus custos
mensais dividem-se entre um custo fixo de R$ 200.000,00 e um custo variável de
R$ 120,00 por peça produzida.
Por ser uma empresa muito grande, sua própria produção é capaz de afetar o mercado,
de forma que, quando ela produz x peças mensalmente, o preço de venda de cada peça
é dado por p(x) = 800 – 0,5x.
Questão 59
Dessa forma, a função que representa o lucro mensal da empresa é dada por:
a) L(x) = 0,5x2 – 920x – 200.000
b) L(x) = –0,5x2 + 680x – 200.000
c) L(x) = 0,5x2 + 920x + 200.000
d) L(x) = –0,5x2 – 680x – 200.000
e) L(x) = –0,5x2 – 800x – 200.000
Questão 60
Sobre a situação da empresa descrita anteriormente, foram feitas três afirmativas:
I. Se o objetivo da empresa é maximizar sua receita com vendas, então ela deve
produzir 800 peças.
II. A redução do preço de venda quando a empresa produz mais peças é uma condição
puramente matemática que não encontra paralelo no mundo real.
III. É impossível para a empresa citada maximizar sua receita de vendas e seu lucro ao
mesmo tempo.
MT – 2o dia
33Simulado ENEM 2010
Rascunho
Pode-se considerar verdadeira(s) a(s) afirmativa(s):
a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas I e II.
d) Apenas II e III.
e) I, II e III.
Para responder às questões 61 e 62, utilize-se do texto de apoio e da situação-problema a seguir.
Texto
Duas das leis da economia mais conhecidas no mundo inteiro são a Lei da Oferta e
a Lei da Demanda. A primeira diz que a quantidade ofertada de um produto aumenta
quando o preço de venda do produto também aumenta. A segunda diz que a quantidade
demandada de um produto aumenta quando o preço desse produto diminui.
Dizemos que um mercado está em equilíbrio quando o preço é ajustado de forma que a
quantidade ofertada e a quantidade demandada sejam iguais.
Situação
Considere um mercado de vagas em universidade particular em uma determinada cidade.
Sendo Qo a quantidade de vagas oferecidas, Qd a quantidade de vagas demandadas e
P o preço da mensalidade:
Qo = –1 000 + 20P
Qd = 20 000 – 30P
Questão 61
Se a mensalidade custar originalmente R$ 500,00 e depois for reduzida para R$ 400,00,
teremos, respectivamente:
a) sobra de vagas e sobra de vagas.
b) sobra de vagas e falta de vagas.
c) duas situações de equilíbrio distintas.
d) sobra de vagas e equilíbrio.
e) falta de vagas e sobra de vagas.
Questão 62
Ainda a respeito do mercado anterior, esse mercado irá se encontrar em equilíbrio caso
o preço da mensalidade seja:
a) R$ 240,00.
b) R$ 420,00.
c) R$ 480,00.
d) R$ 500,00.
e) Não é possível o equilíbrio nesse mercado, pois as quantidades ofertadas e demandadas são sempre distintas.
MT – 2o dia
34Simulado ENEM 2010
Rascunho
Questão 63
A conta de energia elétrica de uma casa é dividida em duas partes: uma taxa fixa
mensal de R$ 6,00, determinada por Emenda Constitucional, mais R$ 0,45 por kWh
consumido.
Chamando de x o consumo medido da casa, em kWh, a conta de energia será dada
por:
a) C = 6(x + 0,45)
b) C = 6,45x
c) C = 6 + 0,45 + x
d) C = 6 + 0,45x
e) C = 6x + 0,45
Questão 64
Na conta de água de determinada residência sempre há um campo com o consumo de
água mensal estimado pela concessionária para aquela casa.
Consumo estimado: 5 m3
Consumo medido: 11 m3
Como esse consumo estimado é sempre muito inferior ao consumo medido, os
moradores investigaram para saber se haveria ou não algum vazamento significativo.
Descobriram que:
• Um banho de ducha de alta pressão durante 15 minutos consome 150 litros de
água; se o banho for tomado em chuveiro elétrico comum, o consumo é 30%
menor.
• O banho é responsável pelo gasto de aproximadamente 60% da água em uma
residência comum, sendo os 40% restantes divididos entre outras atividades
como: lavar roupa, dar descargas, lavar louças, preparar alimentos etc.
Na residência mora apenas um casal. O marido toma um banho diário de 10 minutos
e a mulher, um banho diário de 20 minutos. O chuveiro da casa é do tipo elétrico
comum.
Assim, considerando o gasto de água em banhos, eles estimaram o total gasto por
mês na casa e concluíram que:
(Lembre-se de que 1 m3 = 1 000 litros.)
a) as contas da concessionária estão corretas e deve haver algum vazamento na
casa.
b) o consumo de água está dentro do esperado, a previsão da concessionária seria
razoável se só houvesse um morador na casa.
c) o consumo de água está dentro do esperado, e a previsão da concessionária seria
muito pequena mesmo se só houvesse um morador na casa.
d) o consumo de água está muito acima do esperado.
e) não é possível estimar o consumo de água apenas com os dados fornecidos.
MT – 2o dia
35Simulado ENEM 2010
Rascunho
Questão 65
Leia o texto a seguir.
[...] No próximo século, a água doce será o recurso natural mais disputado na
maioria dos países. No Brasil existe água em abundância, mas existe também o
desperdício e o comprometimento dos mananciais.
Aqui, o uso da água segue em direção oposta à dos países desenvolvidos que,
desde a década de 70, vêm adotando programas de conservação. Um deles é o
desenvolvimento de tecnologias mais eficientes. Inúmeros países tornaram obrigatória
a adoção de equipamentos sanitários mais econômicos no consumo de água.
Por exemplo, a válvula de descarga, que ao ser acionada gasta de 10 a 30 litros
de água, foi substituída pela caixa acoplada ao vaso, que descarrega apenas 6 litros
por vez.
Na cidade do México, o governo substituiu três milhões e meio de válvulas por
vasos sanitários com caixa acoplada, de 6 litros por descarga [...]. Nos Estados
Unidos, além de ser obrigatório o limite de 6 litros para a descarga, a legislação
também limitou a vazão de chuveiros e torneiras em 9 litros de água por minuto, o
que resultou numa redução de 30 por cento no consumo de água. Aqui no Brasil
existem algumas experiências que estão sendo feitas pela Sabesp em conjunto
com o IPT e com a Escola Politécnica da USP. [...]
MULATTI, Edaival. Água, um bem limitado. Extraído do site:
<www.tvcultura.com.br/aloescola//ciencias/agua-bemlimitado/agua-bemlimitado2.htm>.
O texto apresenta um intervalo de consumo de água para as válvulas de descarga.
Considere que o consumo de água médio de uma válvula se situe na média entre os
extremos apresentados.
Assumindo que cada uma das válvulas de descarga que foram substituídas na Cidade
do México era acionada 20 vezes ao dia, a economia de água no período de um mês,
após a substituição descrita, é de, aproximadamente:
a) cinco bilhões de litros.
b) quinze bilhões de litros.
c) vinte bilhões de litros.
d) trinta bilhões de litros.
e) quarenta bilhões de litros.
Questão 66
Dois ônibus, A e B, que fazem itinerários diferentes, partem simultaneamente de um
mesmo terminal. O ônibus A retorna ao terminal a cada 50 minutos e o ônibus B retorna
a cada 1 hora e 10 minutos. Então, o período de tempo com que os dois ônibus se
encontrarão nesse terminal é a cada:
a) 180 minutos.
b) 210 minutos.
c) 300 minutos.
d) 320 minutos.
e) 350 minutos.
MT – 2o dia
36Simulado ENEM 2010
Rascunho
Questão 67
Observe a figura:
Deseja-se colocar piso cerâmico numa sala em formato de L, tal como a figura.
Cada unidade do piso cerâmico, já assentada, ocupa as dimensões 40 cm x 40 cm
(considerando o rejunte). A fim de planejar suas compras para a reforma, o dono da casa
pergunta ao mestre de obras se será possível colocar o piso na sala sem ter de quebrar
nenhuma unidade de piso e quantas unidades de piso devem ser compradas. O mestre
de obras, após fazer alguns cálculos, responde corretamente que:
a) não será necessário quebrar nenhum piso
350 unidades.
b) será necessário quebrar alguns pisos e
360 unidades.
c) não será necessário quebrar nenhum piso
450 unidades.
d) será necessário quebrar alguns pisos e
450 unidades.
e) não será necessário quebrar nenhum piso
640 unidades.
e o dono da casa deverá comprar
o dono da casa deverá comprar
e o dono da casa deverá comprar
o dono da casa deverá comprar
e o dono da casa deverá comprar
Questão 68
No último dia do ano fazemos um balanço do que
foi bom e o que gostaríamos de mudar – aqui sempre
entram praticar mais atividades físicas e emagrecer. Eu
acredito em prioridades. Se voltar a praticar exercícios
ou realizá-los com maior regularidade for realmente
uma prioridade, passo aqui algumas dicas sobre como
é possível transformar um desejo em realidade.
[...]
Estabeleça metas desafiadoras. Para um indivíduo sedentário, uma boa meta
seria correr uma prova de 5 quilômetros após três meses de treino. Para um corredor
experiente, talvez diminuir seu tempo nos 10 quilômetros em 1 minuto. [...]
DUTRA, Renato. Como você quer estar em 2011? Veja.com.
Extraído do site: <http://veja.abril.com.br/blog/saude-chegada/tag/objetivo/>. Acesso em: 8 mar. 2010.
MT – 2o dia
37Simulado ENEM 2010
Indivíduos sedentários não conseguem simplesmente começar a correr. Um programa de
treinamento adequado muitas vezes é alternar caminhadas com períodos curtos de corrida.
Rascunho
Uma corredora iniciante decide seguir um programa para alcançar sua meta de percorrer
cinco quilômetros. Nos primeiros 20 minutos ela caminha à velocidade de 6 km/h. Em
seguida, ela irá alternar períodos de corrida e caminhada, na seguinte sequência: dois
minutos de corrida a 10 km/h com três minutos de caminhada a 5 km/h.
O tempo que a corredora levará para percorrer cinco quilômetros está entre:
a) 20 e 30 minutos.
b) 30 e 40 minutos.
c) 40 e 50 minutos.
d) 50 minutos e uma hora.
e) Uma hora e uma hora e dez minutos.
Questão 69
Quadrados mágicos são fonte de diversão matemática há milhares de anos, e suas
origens podem ser traçadas até o Oriente antigo. Em um quadrado mágico, a soma dos
números em qualquer linha, qualquer diagonal ou qualquer coluna é uma constante,
chamada “constante do quadrado mágico”.
3
5x
5
x2 + 2
x
y
Nessas condições, sobre o valor dessa constante no quadrado anterior, pode-se afirmar:
a) É igual a 18.
b) É igual a 2.
c) Pode ser igual a 2 ou a –3.
d) Pode ser igual a –7 ou 18.
e) É igual a –21.
Questão 70
Nesta questão vamos considerar um jogo parecido com xadrez, mas não igual. As regras
do jogo serão explicadas a seguir.
Considere que em um tabuleiro normal, como o mostrado a seguir, são posicionadas
duas peças: o Rei (R) e o Peão (P). A cada movimento, o rei pode deslocar-se para
qualquer uma das oito casas que o cercam, como mostrado na figura. Já o peão só
pode se deslocar para a frente, uma casa por vez. Por exemplo, caso seja a vez do peão
“P”, ele deve ir para a casa marcada com “x”.
Caso o rei consiga mover-se para a casa em que se encontra o peão, este será capturado.
Neste jogo, o objetivo do rei é capturar o peão antes que este atinja a última casa
da coluna. Se o peão atingir a última casa possível, ele ganha o jogo.
MT – 2o dia
38Simulado ENEM 2010
Rascunho
Agora, considerando que o rei irá se mover antes do peão (e assim sucessivamente), na
posição a seguir, podemos dizer que o rei ganhará o jogo somente se:
a) estiver posicionado em A, B ou C.
b) estiver posicionado em A, B ou F.
c) estiver posicionado em A, B ou D.
d) estiver posicionado em A, D ou F.
e) estiver posicionado em C, F ou E.
Questão 71
Uma pequena máquina de lavar roupa tem o formato aproximado de um cubo de aresta
80 cm. Podemos considerar que todas as suas paredes, inclusive o fundo, têm espessura
L = 20 cm e que, quando a máquina está em funcionamento, a água fica a uma altura de
20 cm da parte superior da máquina.
MT – 2o dia
39Simulado ENEM 2010
Lembrando que 1 m3 = 1 000 litros, o volume de água necessário para encher a máquina
para seu funcionamento é de:
Rascunho
a) 512 litros.
b) 216 litros.
c) 125 litros.
d) 80 litros.
e) 64 litros.
Questão 72
O gráfico a seguir ilustra o “peso” p, em gramas, de uma carta, incluindo o peso do
envelope, em termos do número x de folhas utilizadas. O gráfico é parte de uma reta
e passa pelo ponto com abscissa 0 e ordenada 10,0 e pelo ponto com abscissa 4 e
ordenada 28,4.
Qual o peso de uma folha?
a) 4,2 g.
b) 4,4 g.
c) 4,6 g.
d) 4,8 g.
e) 5,0 g.
Questão 73
Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), cada indivíduo necessita de
cerca de 180 litros de água por dia para atender suas necessidades de consumo, para
higiene e preparo de alimentos. Além disso, cada pessoa necessita de 1 325 litros por
ano só para beber.
Figura: tabuleiro 10x10
MT – 2o dia
40Simulado ENEM 2010
Dessa forma, se a área do tabuleiro representa a necessidade diária de água de uma
pessoa, podemos dizer que sua necessidade diária de água para beber corresponde,
aproximadamente, a:
Rascunho
a) Uma casa do tabuleiro.
b) Duas casas do tabuleiro.
c) Uma coluna do tabuleiro.
d) Duas colunas do tabuleiro.
e) Aproximadamente sete tabuleiros completos.
Questão 74
O prédio de uma grande loja de departamentos tem a forma de um cubo. A garagem fica
no piso inferior (não mostrado nas figuras a seguir), abaixo do nível da rua, e sua entrada
ocupa uma lateral inteira do prédio. As figuras a seguir apresentam três vistas do prédio,
com as respectivas regiões em que se dividem.
Dessa forma, o prédio divide-se em oito cubos menores, um por departamento. Para
identificar o lugar de cada departamento, utiliza-se um código de três dígitos, de acordo
com as quatro regiões estabelecidas em cada uma das vistas do prédio apresentadas
na figura.
Dos códigos a seguir, o que identifica algum departamento é:
a) S1A.
b) S1B.
c) L2D.
d) N1C.
e) L4C.
Para responder às questões 75 e 76, considere a situação-problema a seguir.
Em um recipiente existem 20 aranhas, das
quais 8 são fêmeas. Infelizmente, as aranhas
dessa espécie são todas indistinguíveis
entre si, exceto por um teste de DNA. Um
pesquisador irá fazer um experimento,
levando algumas dessas aranhas para um
ambiente que simula seu habitat natural.
Para o sucesso do experimento, é necessário
colocar nesse novo habitat pelo menos duas
aranhas de cada sexo.
MT – 2o dia
41Simulado ENEM 2010
Rascunho
Questão 75
Considerando a condição exigida no texto, quantas aranhas, no mínimo, o pesquisador
deve retirar do recipiente?
a) 6
b) 9
c) 10
d) 12
e) 14
Questão 76
Retirando-se duas aranhas quaisquer do recipiente, qual é a chance de obter uma fêmea
e uma macho?
a) 48/190
b) 96/190
c) 35/190
d) 70/190
e) 85/190
Questão 77
Uma barra de sabão ABCDEFGH, com a forma de um paralelepípedo retângulo, foi
cortada pelo plano que contém os pontos C, D, F e G, como mostrado na figura 1. O
sólido ABCDFG obtido foi cortado, mais uma vez, pelo plano que contém os pontos M,
N, P e Q que são, respectivamente, os pontos médios das arestas AD, BC, CG e DF,
como ilustrado na figura 2.
Calcule a razão entre o volume do sólido CDMNPQ resultante desse segundo corte
(ilustrado na figura 3) e o volume da barra de sabão original.
a) 1/2
b) 1/4
c) 1/8
d) 1/16
e) 1/32
MT – 2o dia
42Simulado ENEM 2010
Rascunho
Questão 78
Recordando-se das seguintes definições sobre conjuntos:
Continência:
Dados dois conjuntos A e B, diz-se que A  B (A está contido em B), se todo elemento
de A também é elemento de B.
A
Em termos matemáticos, A  B ↔ x, x ∈ A → x ∈ B.
Igualdade:
Diz-se que A = B, se (e somente se) A  B e B  A.
Dessa forma, o aluno pode julgar a veracidade de algumas afirmações:
I. {1,2} = {1,1,2}
II. {1,2} = {2,1}
III. {1}  {1,2}
É (são) verdadeira(s) a(s) afirmação(ões):
a) Somente I.
b) Somente II.
c) Somente III.
d) Somente I e II.
e) I, II e III.
Questão 79
Dois cubos dispostos como na figura a seguir são usados como calendário mostrando
o dia do mês. Em cada face dos cubos está grafado um número de 0 a 9, de tal forma
que suas faces frontais indicam qualquer dia de 1 a 31. Mesmo nos nove primeiros dias
do mês, os dois cubos são sempre usados, representando, por exemplo, “01”, “02”,
“03” etc.
Observe que o número 6 pode ser usado como o 9 também, e os cubos podem trocar
de posição. De acordo com a figura, os números que não estão sendo vistos no cubo
claro são:
a) 0, 6, 7
b) 0, 2, 6
c) 6, 7, 8
d) 1, 2, 0
e) 1, 2, 6
MT – 2o dia
43Simulado ENEM 2010
Rascunho
Questão 80
A figura representa a participação da área plantada com cana-de-açúcar para a
produção de etanol no total de terras aráveis do Brasil. Sabe-se que a soma da área
de terras aráveis não plantadas com a área total plantada (sombreada na figura) é igual
a 360 milhões de hectares, e que 1/20 da área plantada mais 1/100 da área arável não
plantada são 6,48 milhões de hectares.
terras aráveis
não plantadas
área plantada
área de plantação
de cana para o etanol
5% do total de terras plantadas
Veja, São Paulo: Abril, 30 abr. 2008.
O texto e o gráfico anteriores suportam fortemente a seguinte tese:
a) A cana-de-açúcar deveria ser usada para produzir açúcar e não álcool.
b) O plantio de cana-de-açúcar no Brasil impacta fortemente a produção de alimentos
porque forçosamente utiliza terras que outrora produziam alimentos.
c) O Brasil ocupa eficientemente suas terras aráveis com plantio de produtos agrícolas.
d) A área utilizada para o plantio de cana-de-açúcar para etanol deveria ser utilizada
para a produção de alimentos.
e) O Brasil tem condições de aumentar sua produção de bioetanol sem comprometer a
produção de alimentos.
Questão 81
A tabela a seguir, da qual constam tarifas para ligações interurbanas, foi publicada nos
jornais do estado do Rio de Janeiro.
Tarifa Normal
Desconto de
50%
Desconto de
75%
Acréscimo de
100%
Dias úteis
7h às 19h
12h às 14h
18h às 23h
0h à 1h
5h às 7h
23h às 24h
1h às 5h
9h às 12h
14h às 18h
Sábados
7h às 14h
0h à 1 h
5h às 7h
14h às 24h
1h às 5h
—
—
0h à 1h
5h às 24h
1h às 5h
—
Domingos e
feriados
MT – 2o dia
44Simulado ENEM 2010
Assim, nos dias úteis, as ligações interurbanas feitas às 13:30h têm um acréscimo, em
relação às feitas às 23:30h, de:
Rascunho
a) 50%
b) 150%
c) 200%
d) 400%
e) 800%
Questão 82
Seis caixas-d’água cilíndricas iguais estão assentadas no mesmo piso plano e ligadas
por registros (R) situados nas suas bases, como sugere a figura a seguir:
Caso comecemos a abrir os registros que ligam as diferentes caixas-d’água, ao final do
processo, o nível de altura nas caixas-d’água tenderá a se igualar (em decímetros) a:
a) 4,5
b) 6,0
c) 6,5
d) 7,0
e) 7,5
Questão 83
O histograma de frequências a seguir mostra
as vendas de tratores em uma determinada
concessionária em um período de 20 meses.
Após um estudo, a contabilidade informou
à gerência que as vendas não obedecem a
nenhum padrão sazonal, sendo basicamente
aleatórias no período. Além disso, para obter
lucro, a concessionária precisa vender pelo
menos cinco tratores por mês.
Dessa forma, escolhendo um mês ao acaso
dentre os 20 apresentados, a chance de a
concessionária ter tido prejuízo nesse mês é:
a) 5%
b) 10%
c) 20%
d) 25%
e) 30%
MT – 2o dia
45Simulado ENEM 2010
Rascunho
Questão 84
Um dado cúbico normal é sempre organizado de modo que as faces opostas somam
sete – a face “seis” é oposta à face “um”, por exemplo.
Um matemático irá empilhar oito dados sobre uma mesa de modo a formar um pequeno
cubo. Dependendo de como ele girar cada dado, algumas faces ficarão visíveis – para
cima ou para um dos lados – e outras faces ficarão ocultas, seja por estarem encostadas
à mesa, seja por estarem encostadas em outra face também oculta de outro dado.
Nesse caso, qual a máxima soma que é possível obter das 20 faces visíveis?
a) 70
b) 84
c) 104
d) 112
e) 120
Questão 85
Dois sócios, Alfredo e Bernardo, compram um apartamento para investimento, cujas
despesas e receitas serão divididas igualmente entre os dois. Pelo apartamento, pagam
mensalmente uma prestação de R$ 2.040,00. Como Bernardo se muda para uma cidade
distante, Alfredo passa a ser o responsável pela administração do imóvel. Bernardo
deixa combinado, então, que mensalmente transferirá a Alfredo a quantia referente à sua
metade da prestação.
Em seguida, Alfredo consegue alugar o apartamento por R$ 600,00 mensais que, por
simplicidade, são depositados diretamente em sua conta (de Alfredo). A partir de agora,
para fazer o acerto de forma justa,
a) Bernardo deverá transferir a Alfredo R$ 420,00 mensais.
b) Bernardo deverá transferir a Alfredo R$ 720,00 mensais.
c) Bernardo deverá transferir a Alfredo R$ 940,00 mensais.
d) Bernardo deverá receber de Alfredo R$ 120,00 mensais.
e) Bernardo deverá receber de Alfredo R$ 300,00 mensais.
Questão 86
Procurando escolher o melhor plano de celular, dois irmãos – João e Mário – devem
optar cada um por um entre três planos:
Plano A: R$ 0,25 por minuto para mesma operadora e R$ 1,20 por minuto para outra
operadora.
MT – 2o dia
46Simulado ENEM 2010
Plano B: R$ 0,20 por minuto para mesma operadora e R$ 0,70 por minuto para outra
operadora. No entanto, há uma franquia (conta mínima mensal) de R$ 40,00 que pode
ser gasta unicamente com ligações para a mesma operadora.
Rascunho
Plano C: Sem custo para a mesma operadora e R$ 0,50 por minuto para outra operadora.
No entanto, há uma franquia de R$ 120,00 a ser paga mensalmente pelo direito de fazer
ligações ilimitadas para a mesma operadora.
Considere a tabela a seguir, que mostra o gasto médio mensal dos dois irmãos:
João
Mário
Minutos ligados para mesma operadora
100
350
Minutos ligados para outra operadora
30
100
Supondo que seus consumos se mantenham nos níveis atuais, as melhores escolhas são:
a) Plano A para João e Plano B para Mário.
b) Plano B para João e Plano C para Mário.
c) Plano B para João e Plano B para Mário.
d) Plano A para João e Plano C para Mário.
e) Plano C para João e Plano C para Mário.
Questão 87
Em certa loja, as panelas são anunciadas de acordo com sua capacidade. Uma
panela dessa loja, com a etiqueta “5 litros”, tem 20 cm de diâmetro. Lembre-se de que
1 litro = 1 000 cm3 e π ≅ 3,14. A altura dessa panela é, aproximadamente:
a) 8 cm.
b) 10 cm.
c) 12 cm.
d) 14 cm.
e) 16 cm.
Questão 88
O gráfico que melhor representa a relação entre o volume V e o raio r da base de todos
os cilindros de altura constante e igual a 5 é:
a)
c)
b)
d)
MT – 2o dia
e)
47Simulado ENEM 2010
Rascunho
Questão 89
Toma-se um pedaço de papelão de forma quadrangular com lados de 24 cm (Fig. 1).
Cortam-se quadradinhos nos 4 cantos do papelão, com medidas x de lado (Fig. 2). A
finalidade é obter uma caixa, sem tampa, de base quadrangular (Fig. 3).
O volume (V) da caixa de papelão em função de x é dado por:
a) V = (24 – 2x)3
b) V = x ⋅ (24 – 2x)2
c) V = x2 ⋅ (24 – 2x)
d) V = x ⋅ (24 – x)2
e) V = x2 ⋅ (24 – x)
Questão 90
Quando se diz que, numa região, caiu uma chuva com precipitação de 10 mm de água,
isso significa que cada metro quadrado dessa região recebeu 10 litros de água da chuva.
Uma caixa-d’água de 1,5 m de altura, 0,8 m de largura e 1,4 m de comprimento, com
uma abertura na face superior, na forma de um quadrado com 40 cm de lado, recebeu
água diretamente de uma chuva de 140 mm.
Admitindo-se que a caixa só tenha recebido água da chuva, pode-se afirmar que o nível
da água nessa caixa aumentou:
a) 0,8 cm.
b) 1 cm.
c) 1,2 cm.
d) 2 cm.
e) 2,4 cm.
MT – 2o dia
48Simulado ENEM 2010
Transcreva a sua Redação para a Folha de Redação
1
2
3
4
o
5
6
7
h
8
9
11
13
15
21
22
23
24
25
e
r
20
r
19
a
18
d
17
a
s
16
ç
c
14
ã
u
12
o
n
10
26
27
28
29
30
RED – 2o dia
49Simulado ENEM 2010
Folha de Redação
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
RED – 2o dia
50Simulado ENEM 2010
Simulado ENEM 2010 – Gabarito 2o dia
Linguagens, códigos e suas tecnologias
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
E
A
D
A
D
C
E
D
E
E
C
C
A
B
B
B
D
B
D
E
E
E
E
D
D
A
B
D
E
E
C
C
E
B
B
A
A
A
B
D
C
B
B
C
A
matemática e suas tecnologias
46
47
48
49
50
51
52
53
54
55
56
57
58
59
60
61
62
63
64
65
66
67
68
69
70
71
72
73
74
75
76
77
78
79
80
81
82
83
84
85
86
87
88
89
90
C
D
D
A
B
B
D
E
A
D
C
B
E
B
C
B
B
D
B
D
E
A
C
A
C
E
C
B
A
E
E
C
E
D
E
D
D
B
C
B
A
E
C
B
E

Documentos relacionados

Avaliação do 2º dia

Avaliação do 2º dia Instruções: • Seu texto deve ser escrito à tinta, na Folha de Redação, que se encontra no final deste Caderno. • Desenvolva seu texto em prosa: não redija narração, nem poema. • O texto com até ...

Leia mais

2o Vestibular Simula.. - Colégio Batista Santos Dumont

2o Vestibular Simula.. - Colégio Batista Santos Dumont verdadeira poesia é a que desafia o poeta a longas buscas pela perfeição estética.

Leia mais