GIORGIO DE CHIRICO É TEMA DAS “QUARTAS ITALIANAS” NA

Сomentários

Transcrição

GIORGIO DE CHIRICO É TEMA DAS “QUARTAS ITALIANAS” NA
GIORGIO DE CHIRICO É TEMA DAS “QUARTAS ITALIANAS” NA CASA FIAT DE CULTURA
O professor da Fundação Torino Luciano Sepulveda destaca o enigma e a melancolia na vida e
na obra do artista
O mestre da pintura metafísica, Giorgio De Chirico, é o tema da próxima palestra das “Quartas
Italianas na Casa Fiat de Cultura”, no dia 18 de maio, às 19h30. O especialista em história da
arte e professor da Fundação Torino, Luciano Sepulveda, apresenta a conferência “Giorgio De
Chirico, Enigma e Melancolia”, abordando a trajetória desse que é um dos grandes pintores
italianos do século XX. A conferência tem entrada gratuita e está sujeita à lotação do espaço
(250 lugares). “Quartas Italianas” é um projeto da Casa Fiat de Cultura, da Fundação Torino e do
Consulado Italiano em Belo Horizonte que busca apresentar marcos da cultura e da
história italiana que influenciaram o pensamento e o contexto artístico mundiais.
Sepulveda explica que o foco da palestra será apresentar ao público a extraordinária biografia
do pintor e escultor greco-italiano Giorgio de Chirico, com ênfase no núcleo conceitual da sua
busca estética e filosófica: o enigma e a melancolia. “Neste itinerário serão analisadas algumas
das mais importantes e significativas obras do grande artista italiano”, acrescenta.
Para o palestrante, uma das coisas que merece ser ressaltada é que tudo na obra de De Chirico
remete à aparente ausência do humano. “Na realidade, nelas o humano é mediado pelos
objetos. A pintura metafísica contém o insight da realidade, a redescoberta de um tempo
passado, das horas perdidas, da presença latente nos grandes espaços e na intimidade dos
interiores. As representações enigmáticas de De Chirico carregam a presença misteriosa do
homem, por trás dos vazios melancólicos criados por uma civilização que perdeu o seu
referencial num consumismo desenfreado e sem sentido. O homem, portanto, está presente na
Pintura Metafísica de De Chirico, exatamente pela sua ausência”, conclui.
Em 2012, a Casa Fiat de Cultura apresentou a mais expressiva coleção de obras do artista no
país, na exposição “De Chirico - O Sentimento da Arquitetura”, que reuniu 122 trabalhos – 45
pinturas e 11 esculturas produzidas no período denominado “neometafísico”, entre os anos
1960 e 1970, além de 66 litografias de 1930, apresentadas juntas pela primeira vez no país.
Para encerrar esta edição das “Quartas Italianas na Casa Fiat de Cultura”, a especialista em
música Clarissa Sudano, fala sobre um dos mestres da música clássica italiana: Antonio
Vivaldi, no dia 8 de junho. O programa de palestras estimula o público a se aprofundar em
temáticas relevantes da cultura italiana. Todas as palestras contam com renomados
profissionais da Fundação Torino, instituição que contribui na difusão da cultura italiana no
Brasil, e apoio do Consulado Italiano em Belo Horizonte.
Giorgio De Chirico
Filho de um engenheiro ferroviário italiano, transferido para a Grécia a trabalho, Giorgio de
Chirico nasceu em Vólos , na Tessália (Grécia) em 1888. Em 1906, depois da morte do pai,
mudou-se para Milão, mais tarde foi para Florença com sua mãe e seu irmão Andrea de Chirico,
ao qual permanecerá ligado por toda a sua vida através de um forte laço afetivo. Em 1909, De
Chirico pinta seus primeiros quadros que mais tarde serão denominados metafísicos.
Em 1910 se transfere a Munique para estudar na Academia de Belas Artes. Nesta cidade ele
aprofunda seu contato com a filosofia de Nietzsche e conhece a filosofia de Schopenhauer, além
de encontrar-se com a pintura de Arnold Böcklin. Os estudos sobre esses dois filósofos alemães
e o simbolismo do pintor suíço, falecido em 1901, estão na base das concepções artísticas de De
Chirico e da sua Pintura Metafísica que, portanto, tem suas raízes em impulsos filosóficos e
literários.
Em 1911 Giorgio de Chirico chega a Paris onde o aguardava o seu irmão Andrea, que já vivia na
capital francesa, e realiza a sua primeira exposição no Salon des Indépendants. Com o estouro
da Primeira Guerra Mundial, volta com o seu irmão para a Itália para alistar-se no exército, e é
destinado à cidade de Ferrara. Nessa cidade encontra-se com Carlo Carrà, dando início
oficialmente à Pintura Metafísica.
Entre 1918 e 1922 De Chirico participa ativamente das edições da revista Valores Plásticos, em
1924 retorna a Paris onde frequenta o grupo dos Surrealistas. Permanece em Paris até 1930 e,
depois de dois anos em New York, mudou-se para Florença.
Em 1944 vai morar em Roma onde viverá até a morte, em 1978, com quase 90 anos de idade.
Nas últimas décadas de sua vida, depois de um longo período de contínua renovação temática
e estilística, ele volta a propor a Pintura Metafísica do início do século XX.
Casa Fiat de Cultura
Há 10 anos, a Casa Fiat de Cultura cumpre importante papel na transformação do cenário
cultural mineiro, ao apresentar, em Belo Horizonte, mais de 20 importantes exposições, de
renomados artistas brasileiros e internacionais. A grande arte de Caravaggio, Chagall, De Chirico,
Rodin, Tarsila do Amaral e outros pôde ser apreciada e discutida de forma gratuita ao longo dos
anos, por todos os públicos, de todas as idades e classes sociais. Sempre com mostras inéditas,
a instituição desenvolve um Programa Educativo que é peça fundamental nesse trabalho de
valorização e de ampliação do conhecimento proporcionado a seu público. Para cada exposição,
são idealizados conceitos e temáticas a serem trabalhados em atividades educativas, em um
modelo de Ateliê Aberto, que proporciona aos visitantes um espaço de experimentação livre e
de participação nos processos do fazer criativo. Cerca de 800 mil pessoas já visitaram a Casa Fiat
de Cultura e mais de 300 mil pessoas participaram das atividades educativas. Para cada público,
uma abordagem especial é adotada, com o intuito de encantar e transformar, de maneira
positiva, o imaginário de cada visitante. É com esse espírito de envolvimento e inclusão que a
Casa Fiat de Cultura tornou-se referência no Brasil, por meio da arte e da cultura, ao
proporcionar experiências memoráveis ao público.
Fundação Torino
A Fundação Torino atua como Escola Internacional, da educação infantil ao ensino médio,
regulamentada pelos governos brasileiro e italiano, oferecendo dupla diplomação aos seus
alunos. Há 40 anos reconhecida pela consolidada tradição científica e humanística, possibilita o
ingresso dos alunos nas mais conceituadas universidades do Brasil e da União Europeia, além de
prepará-los para os exames de seleção das melhores universidades das Américas. As ações
educacionais da Fundação Torino ultrapassam seus muros, trazendo várias conexões entre
temas como literatura, música, arte, esportes e tecnologia, entre outros.
Serviço
Quartas italianas na Casa Fiat de Cultura
“Giorgio De Chirico, Enigma e Melancolia”, 18 de maio, às 19h30
Palestrante: Prof. Luciano Sepulveda.
Professor especialista em História da Arte e artista plástico. Professor da Fundação Torino.
Entrada Gratuita
Espaço Multiuso da Casa Fiat de Cultura
Praça da Liberdade, 10 – Funcionários – BH/MG
4º andar
Espaço sujeito à lotação (250 lugares)
Informações
(31) 3289-8900
www.casafiatdecultura.com.br
[email protected]
facebook.com.br/casafiatdecultura
Instagram:@casafiatdecultura
www.circuitoculturalliberdade.com.br
Informações para imprensa:
Personal Press
Polliane Eliziário
(31) 99788-3029 | [email protected]

Documentos relacionados

Educativo de Chirico De 22 de março a 20 de maio de 2012

Educativo de Chirico De 22 de março a 20 de maio de 2012 com o qual se identifica o núcleo original da produção de de Chirico. Esse núcleo não está representado nessa mostra no MASP, que em realidade investiga outras investidas artísticas do pintor. Dia ...

Leia mais