Video

Сomentários

Transcrição

Video
Ficha de Unidade Curricular – 2009/2010
Designação:
Área Científica:
Ciclo de Estudos
Carácter:
Semestres:
ECTS:
VÍDEO
Artes Plásticas
1º
Opção Condicionada 3 - TP
S3
6
Tempo de Trabalho:
Horas de Contacto:
64
Ensino Teórico-Prático (TP)
64
Horas de Trabalho Autónomo: 98
Total:
162
Pré-Requisitos: Não tem
Objectivos de Aprendizagem:
Gerais
- A realização de um projecto individual, apresentado pelo aluno sob forma de proposta,
previamente discutida, analisada e aprovada pelo professor. O projecto terá um território de
abrangência substancialmente vasto, podendo ir desde uma experimentação pessoal, literária
e/ou poética, até à abordagem de temáticas sociais, políticas e/ou outras.
- Será introduzida e abordada a história recente do vídeo enquanto meio de expressão artística
(vídeo), para além de serem fornecidas técnicas tanto elementares como avançadas próprias
de uma linguagem audiovisual.
- Pluralidade e a diferença perante as mais diversas questões relativas à videografia e à prática
artística; avaliar-se-á, depois, caso a caso, o grau de sucesso e qualidade consoante a
materialização das propostas individuais.
Específicos
- Serão postos ao alcance dos alunos as seguintes competências:
Teóricas
- A Vídeo enquanto arte Utópica;
- A TV enquanto origem, espaço e novas tecnologias;
- Performance e vídeo;
- Instalação Vídeo;
- Escultura/Pintura e vídeo;
- A Política (feminismo e luta social);
- Vídeo Instalação: Um novo espaço epistémico;
- O futuro do vídeo: Videovortex – a democracia do vídeo;
Práticas
- Fazer uso dos suportes mais adequados a cada conceito a explorar;
- Utilização de ferramentas de autor (programas de edição vídeo):
- Premiere CS3/Premiere Pro;
- Final Cut Express;
- Utilização de ferramentas de autor (programas de edição som):
- Utilização de ferramentas de autor (aplicações de auxílio à criação de DVD’s de autor) –
criação de um vídeo-fólio:
- Meios de iluminação;
Transversais:
- Cruzar saberes provenientes das UC’s do currículo com aquelas que são nucleares e que
envolvem pertinência directa no trabalho produzido nas unidades curriculares, formando
assim uma base de trabalho de projecto genérica.
- Adquirir uma progressiva autonomia criativa materializada em linhas independentes de
experimentação plástica, atendendo-se a especificidade da produção artística em geral
- Compreensão do trabalho artístico como investigação.
Conteúdo Programático:
- Na primeira semana, far-se-á uma introdução à disciplina, apresentando-se exemplos
contemporâneos de vídeo-arte em múltiplas formas disseminadas nos grandes e mais
significativos eventos culturais que as bienais, as documentas e os festivais representam.
1
-
-
Nas seis semanas seguintes, apresentar-se-á – de modo mais ou menos exaustivo e
dependendo do interesse e relevância para os projectos a serem desenvolvidos – uma história
do vídeo como médium (desde a sua génese com o evento da televisão, passando
sucessivamente pelas décadas de 70, 80 e 90, até chegarmos à sua condição contemporânea
como um dos meios mainstream nas artes visuais).
Durante duas semanas, e com o decorrer dos projectos individuais, serão leccionadas duas
aulas de edição de vídeo, especialmente nas aplicações Premiere e Final Cut. Será
igualmente feita uma introdução a programas de edição de som (SoundForge) e de criação de
DVD de autor (DVD Lab).
Metodologia de Aprendizagem:
Presencial
Aula Teórico-Prática – componente expositiva a partir de suportes projectados (slides, vídeos,
filmes, documentários, internet, gestão de conteúdos BlackBoard) e suportes em papel (livros,
catálogos e revistas); análise em grupo; ensino tutorial.
Autónoma
Pesquisar as fontes, modelos, materiais, conceitos e ideologias apropriadas ao projecto individual.
Produção e execução da peça videográfica fazendo uso de software de edição (quer na escola, no
laboratório digital com supervisão do professor e/ou do técnico responsável, quer extracurricularmente).
Avaliação de Competências: Contínua e final.
Elementos e critérios de avaliação:
- A avaliação incidirá principalmente sobre o processo evolutivo de cada projecto, bem como a
pontualidade, presença, participação e contribuição do aluno para o debate de ideias é
determinante para a classificação final.
- O semestre concluir-se-á com uma avaliação final em que será apresentado um "objecto"
artístico, na forma de instalação-vídeo, projecção de vídeo, ou, até mesmo instalação que
incorpore o vídeo como um dos elementos integrantes. Esta sessão estará aberta a toda a
comunidade escolar e de um vídeo-folio.
- Os projectos serão apresentados na sua forma definitiva; os alunos deverão, assim, entender
a importância do processo de criação, resolução e conclusão de um projecto criativo ainda
que, a priori, e em termos filosóficos, o trabalho nunca poderá fechar-se, esgotar-se ou reduzirse ao último dia de aulas.
Bibliografia Recomendada
(sem carácter obrigatório na sua totalidade, esta lista será revista e ampliada se necessário, ao longo
do semestre):
AAVV, History of Broadcasting, 3 vol, NY, Oxford Press, 1970.
AAVV, Iluminating Vídeo, Aperture, BAVC, 1990;
AAVV, Video Architecture, Television: Writing on video works (1970-78) (Buchloch, HD Benjamin (ed.)), NY Press, 1979;
AAVV, Video universe – A medium discurse itself, NY, American Library, 1977;
AAVV, Ways of Seeing, London, British Broadcasting corporation and Penguin Books, 1972;
AMADO, Miguel, 25 Frames por Segundo, Assírio & Alvim, 2005;
BERKE, Joseph (ed.), Counter Culture, London, Peter Owen Ltd, 1969;
BLOCH, Dany (ed.), L’Art et la video, 1960-1980, Lorcano, Switzerland, Edizione Flaviani, Lorano, 1982;
BOYLE, Deidre, Video Classics: A guide to video art and documentary tapes, Phoenix, Ohy Press, 1986;
CURTIS, David, Experimental Cinema¸ New York, 1971;
GILL, Johanna, Artist’s Video: The First Ten Years (1965-1975), Am Arbor, Mich, 1977;
(entre outros… a difundir)
Referências Complementares:
Artistas e videastas a ter em consideração
Nam June Paik, Joan Jonas, Bruce Nauman, Jack Smith, Yvonne Rainer, Rodney Graham, Steve McQueen, David Claerbout,
Isaac Julien, Judith Barry, Sophie Calle, Gary Hill, Douglas Gordon, Bill Viola, João Penalva, Stan Douglas, Tacita Dean,
Pippilotti Rist, Julia Scher, Haroun Farocki, Allan Sekula, Mark Wallinger, James Coleman, Francis Alys, Krystof Wodizco, Iñigo
Manglano-Ovalle, Pierre Huyghe, Melik Ohanian, Francesco Vezzoli, Julião Sarmento + Atom Egoyan, Matthew Barney + Bjork,
Shirin Neshat, Paul Pfeiffer, Filipa César, entre outros.
Cineastas a ter em consideração
Chantal Akerman, David Lynch, Todd Field, Werner Herzog, Akira Kurosawa, Gus van Sant, Lars von Trier, Thomas Vinterberg,
Ingmar Bergman, Andrei Tarkovsky, Jean Luc-Godard, Pedro Almodóvar, Frederico Fellini, Michael Haneke, Cohen Brothers,
Manoel de Oliveira, Teresa Villaverde, Pedro Costa, entre outros.
2