Notícia in Público

Сomentários

Transcrição

Notícia in Público
ID: 62165947
06-12-2015
Tiragem: 33074
Pág: 2
País: Portugal
Cores: Cor
Period.: Diária
Área: 25,70 x 11,04 cm²
Âmbito: Informação Geral
Corte: 1 de 2
CARAS DA SEMANA
Luaty Beirão
O trocista
Dilma Rousseff
A acusada
Não abdicou da ironia como arma
de defesa no julgamento
Um processo de destituição em jeito
de retaliação contra o PT
Esta semana chegou a vez de o
tribunal ouvir Luaty Beirão, o
mais mediático dos 17 activistas
que estão a ser julgados em
Luanda por supostos “actos
preparatórios” de rebelião. Isto
num julgamento em que um
hipotético Governo discutido
no Facebook à vista de todos
e um quadro de escola com as
iniciais “JES” [acrónimo de José
Eduardo dos Santos] são usados
para tentar provar a tese da
dita rebelião. Luaty não aceita a
teoria, mas admite, com bastante
ironia, que “sim”, que “queria
que o Presidente da República se
demitisse”. Porquê? Porque “já
deu o suficiente à nação”, disse o
rapper ao juiz Januário Domingos.
Na mesma semana em que o
Instituto Brasileiro de Geografia
e Estatística anunciou que a
recessão já tomou conta da
economia, com o PIB a cair
3,2% entre Janeiro e Setembro,
o presidente da Câmara dos
Deputados resolve abrir
um processo de destituição
contra Dilma por alegadas
irregularidades fiscais cometidas
pelo Governo. Mas é uma decisão
com um timing estranho, já que
Eduardo Cunha, que foi quem
desencadeou o processo, estará
a fazer uma espécie de retaliação
porque os deputados do PT não
lhe deram respaldo no processo
em que o próprio é acusado de
eventuais irregularidades.
ID: 62165947
06-12-2015
Tiragem: 33074
Pág: 3
País: Portugal
Cores: Cor
Period.: Diária
Área: 25,70 x 10,61 cm²
Âmbito: Informação Geral
Corte: 2 de 2
Tyson Fury
O arrasador
Ana Pinho
A escolhida
Mário Centeno
O atacado
O pugilista derrotou o campeão
mundial de pesos-pesados
Economista vai presidir à Fundação
de Serralves a partir de Janeiro
O ministro das Finanças foi o alvo
escolhido pela oposição
O pugilista britânico Tyson Fury
causou sensação no mundo
do pugilismo, ao derrotar o
campeão mundial de pesospesados, Wladimir Klitschko, num
combate que durou 12 assaltos.
Em Dusseldorf, na Alemanha,
o britânico surpreendeu o
ucraniano, que sofreu a sua
primeira derrota nos últimos
11 anos. O triunfo foi obtido
por pontuação dos juízes (os
três deram a vantagem a Fury,
dois por 115-112 e um por 116111) e as estatísticas mostram
que o britânico foi sempre mais
agressivo, desferindo mais golpes
à cabeça e ao tronco. O novo
campeão passou a ter um registo
de 25 vitórias e zero derrotas.
Ana Pinho Macedo Silva vai ser a
nova presidente da administração
da Fundação de Serralves,
substituindo Braga da Cruz, que
passará a liderar o Conselho
de Fundadores. A escolha é
uma solução de continuidade.
Licenciada em Economia pela
Universidade do Porto e com um
MBA tirado em Londres, Ana
Pinho não é um nome muito
conhecido, nem tem o peso
político dos seus antecessores.
Mas está em Serralves desde
2010, e o seu currículo refere uma
relação de grande proximidade
com o mundo das artes e da
cultura. Rui Moreira diz que
ela justifica “uma esperança
tranquila” perante o futuro.
No debate do programa do
Governo, Mário Centeno foi,
sem dúvida, o ministro mais
massacrado pelos ataques
da oposição. Duarte Pacheco
chamou-lhe “o ilusionista,
o torturador de números, o
fazedor de milagres”. O colega de
bancada Miguel Morgado lembrou
Groucho Marx: “Estes são os meus
princípios. Se não gostam, bem,
eu tenho outros”. E o CDS-PP não
largou o tema dos alegados cortes
nas prestações não-contributivas.
O ministro das Finanças até
teve de ouvir recados vindos da
bancada do Bloco de Esquerda, no
caso do Novo Banco: “Não pode o
Governo esconder-se no Banco de
Portugal”. Dois dias difíceis.