Manual de etiquetas para viajantes

Сomentários

Transcrição

Manual de etiquetas para viajantes
Manual de etiquetas para viajantes
Muitos visitantes em suas primeiras viagens para a China acabam tomando um banho de água fria de
choques culturais. Acham que estão num mundo bizarro onde tudo está de cabeça para baixo.
Simplesmente as regras de etiquetas que foram ensinadas por nossas mães no Ocidente não se aplicam
na China: não fale com a boca cheia, fale baixo, não aponte e não encare as pessoas, não empurre e
aguarde pacientemente na fila, não cuspa e não faça suas necessidades na rua.
Mas lembre-se: esta é uma cultura de 5.000 anos que se desenvolveu de forma completamente
independente da civilização ocidental. O que quer dizer que nem é “certo” ou “errado”, apesar de nossa
tendência universal em sermos etnocêntricos, ou seja, considerar nossa cultural como sendo a única
válida e julgar as demais pelos nossos termos.
A boa notícia é que os chineses tratam aos Laowai (estrangeiros) com uma grande flexibilidade quando o
assunto é etiqueta. Eles já esperam que quase todos os estrangeiros sejam totalmente ignorantes em
relação aos seus costumes de modo que eventuais ofensas já serão desconsideradas. Dito isto, espero
que estas informações possam ajudá-lo a ser um bom hóspede na China. E mais importante, que estas
informações lhe ajudem a manter a calma caso ocorra algum mal-entendido cultural durante sua visita.
Primeiramente, deve-se explicar que os chineses utilizam um duplo padrão para aplicar as regras de
etiqueta: eles veem o mundo em termos de seus ciclos de relações pessoais, negócios e vários outros.
Em outras palavras, é como se as suas regras de etiquetas não se aplicassem quando se lida com
estranhos na rua – substituído por um código de conduta de cada um por si.
Isto ajuda a explicar a aparente contradição de personalidades que muitos estrangeiros têm dos
chineses. Num minuto você é acolhido de forma extremamente gentil por eles para entrar no ônibus ou
no trem – no minuto seguinte você é surpreendido com uma cotovelada de um estranho para te tirar do
caminho sem ao menos lhe oferecer um pedido de desculpas, ainda que não verbal.
Por mais que possa nos parecer não civilizado ou estranho, é difícil compreender as raízes culturais
destes comportamentos, mas parte deles tem a ver com a visão de mundo confuciana, a qual está
profundamente enraizada em suas relações sociais. Outro fator a ter em mente é que a história da China
– tanto de longo prazo quanto recentemente, há uma geração atrás – tem sido amplamente baseada na
sobrevivência do mais apto. Em face de inúmeras guerras, fomes, enchentes, terremotos e outras
incontáveis dificuldades, as famílias aprenderam a sobreviver extremamente unidas. O que significa
também ser indiferente ao sofrimento de desesperadas massas anônimas – ainda que sejam
compatriotas.
Adicione a Revolução Cultural recente – que quebrou violentamente séculos de normas sociais e
efetivamente jogou pela janela todas as regras de etiquetas e você vai começar a entender as raízes
deste complexo código de condutas.
Choques culturais
Não há algo que provoque mais a ira de estrangeiros na China que filas furadas ou empurrões
constantes. Outros possuem uma imensa dificuldade para se acostumarem com pessoas
descaradamente encarando e apontando para seus grandes narizes de Laowai. Outros são tirados do
sério sempre que são expostos a situações de fumantes passivos (em áreas particularmente restritas
para não fumantes).
Em situações como estas e várias outras devemos manter a calma e nos lembrar que somos apenas
visitantes e isto é apenas como as coisas acontecem, você estando lá ou não. Isto também nos ajuda a
compreender como os chineses não levam muito as coisas para o lado pessoal.
Os tempos também estão mudando. Os elegantes moradores dos centros urbanos mais sofisticados (e o
governo) estão trabalhando duro para introduzir uma civilidade mais universal para a China. Por
exemplo, antes dos Jogos Olímpicos de 2008, o governo atualizou uma campanha original de Mao Tse
Tung através de uma lista contra “Quatro Pragas”: fumar, cuspir, furar filas e amaldiçoar.
Fonte: www.vistosparachina.com.br