Nos bastidores:

Сomentários

Transcrição

Nos bastidores:
Nos bastidores:
Com seu sensor impressionante de 36.3 megapixels, a D800/D800E proporciona alta resolução, reprodução fina de
texturas e gradação de cores suave, quase equivalentes às obtidas com câmeras de uso em estúdio, incluindo as
câmeras de formato médio. Proporcionando uma qualidade extraordinariamente alta de imagem sem sacrificar
a mobilidade e a durabilidade pelas quais as DSLRs de formato FX da Nikon são conhecidas, a D800/D800E
certamente representará uma evolução da expressão de imagens de fotografias e vídeos. Conversamos com os
técnicos de desenvolvimento da câmera sobre as histórias internas e as características atraentes do produto.
Shinya Hara
Hiroshi Murakami
Eiji Yoshimatsu
Projeto 1
1º Departamento
de Design
Sede de
Desenvolvimento
Empresa de Produtos
de Imagem
Projeto 2
1º Departamento
de Design
Sede de
Desenvolvimento
Empresa de Produtos
de Imagem
Projeto 4
1º Departamento
de Design
Sede de
Desenvolvimento
Empresa de Produtos
de Imagem
CAMERA DIGITAL SLR D800
Esta nova categoria insere o desempenho das câmeras de
formato médio em um corpo de fácil manuseio
Diga-nos: o que vocês tinham em mente
durante o processo de desenvolvimento?
Hara: “Em termos de câmeras de alta resolução, a top de linha da Nikon é
a D3X, um modelo de 24 megapixels lançado em 2008, e, desde então, com
alta reputação no mercado. Este era o produto a ser superado com desenvolvimento da D800: nosso objetivo era produzir uma qualidade de imagem
um nível acima – muito superior a qualquer câmera DSLR existente – comprimida em um corpo de câmera compacto. Não estávamos competindo com
câmeras DSLR. Em termos de qualidade de imagem, nossas rivais eram, para
ser franco, câmeras digitais de formato médio com alta resolução e digitais.
Um dos nossos principais conceitos de design foi o de uma câmera com
qualidade de imagem, reprodução de tons e nitidez equivalentes aos das
câmeras de formato médio de alta resolução”.
36.3 megapixels é uma especificação muito
impressionante. Quando vocês perceberam que
poderiam atingir estas especificações?
Yoshimatsu: “Não é como se estivéssemos apenas projetando para
chegar a determinadas especificações. Originalmente, começamos a desenvolver a câmera usando uma tecnologia comprovada do sensor, um sensor
com uma reputação estabelecida que nos permitia visualizar o tipo de imagem
que queríamos. Podíamos imaginar o que era possível ser alcançado se aquele
nível de qualidade de imagem pudesse ser combinado com resoluções mais
altas, o que nos forneceu uma motivação clara”.
Murakami: “Isso mesmo. Nós não víamos os 36.3 megapixels como um
número astronômico. Poderíamos prosseguir com confiança, porque esperávamos alcançar nosso objetivo gradualmente, por meio de uma série de componentes básicos, como, por exemplo: aumentar a precisão do sensor de imagem,
melhorar o desempenho do filtro ótico passa-baixa para corresponder ao de
um sensor de 36.3 megapixels e desenvolver a tecnologia de processamento
de alta velocidade para o mecanismo de processamento de imagem EXPEED 3
e o software de processamento de imagem para suportar as altas resoluções.
Além disso, considerando que a Nikon possui lentes NIKKOR com desempenho
ótico superior, pensamos que elas poderiam ser combinadas com a D800 para
tirar proveito máximo das lentes e da câmera”.
Hara: “E o nosso fundamento conceitual foi proporcionar uma imagem de
alta qualidade em um corpo compacto semelhante ao da D700, que oferece
um ótimo manuseio, uma vez que seria usado por profissionais e amadores
avançados: não um corpo grande como o de uma câmera de formato médio,
mas um corpo capaz de oferecer a mobilidade típica de uma câmera DSLR.
Alguns podem pensar que a D800 é a sucessora da D700, mas na verdade a
nossa ideia era apresentar ao mundo uma nova categoria de câmera.
Então o objetivo não era apenas conseguir uma
alta quantidade de pixels?
Hara: “Lutar para conseguir
a melhor qualidade de imagem entre todas as câmeras
usadas por profissionais e
amadores avançados foi evidentemente uma motivação
poderosa, mas não queríamos
que isso fosse a finalidade
última da câmera. Desde o
início, quisemos construir uma
câmera notável, não apenas
pelo número de pixels, mas
pela qualidade da imagem,
baseada em um casamento
entre o alto desempenho e a
facilidade de uso”.
POLIDA À PERFEIÇÃO
Ferramenta fotográfica fácil de usar que ostenta controles e
desempenho superiores
Quem você imagina que será o usuário da
câmera? Que tipo de fotos você imagina que
esse usuário produzirá?
Hara: “Uma alta contagem de pixels e uma alta qualidade de imagem são
pressupostos, mas nós a recheamos de truques que facilitam o ato de fotografar, incluindo o layout dos botões, e outros controles, e a adição de botões de
exibição ao vivo e bracketing. Também fornecemos um botão de Picture Control
para o ajuste direto do acabamento final das imagens. Portanto, acho que ela é
adequada para todos os tipos
de usuários, de profissionais
que trabalham em estúdios
ou em campo, até amadores
avançados com domínio de
técnica quase profissional, e
também amadores que têm a
fotografia como hobby”.
Murakami: “Qualquer
que seja o caso, quero fotógrafos que sejam metódicos.
No nosso projeto, imaginamos um usuário que
prestasse atenção consciente a cada foto, então, escolhemos a dedo recursos fáceis
de usar sem nos preocupar
se eles vinham de modelos
de ponta ou de entrada. In-
cluímos recursos que permitem os amantes de fotografia de todos os tipos
a se expressarem: não apenas um visor com aprox. 100% de cobertura de
quadro e um monitor LCD de 3.2 polegadas de fácil exibição, mas também um
horizonte virtual que indica inclinação e giro, HDR e opções de retoque. Considero que este modelo será suficiente para satisfazer a uma ampla gama de
usuários. Para melhorar a portabilidade, também reduzimos o peso em cerca de
10% em relação à D700. Revisamos o projeto inúmeras vezes e voltamos várias
vezes às especificações técnicas para garantir o desempenho”.
Yoshimatsu: “Tenho alguns parentes mais velhos que gostam de fotografia, e eles me dizem que, quando saem para fotografar paisagens, veem um
monte de gente com câmeras de formato médio e pensam: que câmera linda
– quero uma dessas”, mas as as câmeras de formato médio são muito grandes,
muito pesadas. E então a frase que canso de ouvir: “Se existisse uma câmera
com alta resolução do tamanho e peso certos...”. A D800 é a realização dos
seus sonhos. E – este é um exemplo muito técnico, mas enfim...– os fotógrafos
que usam flash em um ambiente de estúdio muitas vezes ajustam o balanço
de brancos às unidades de flash do estúdio antes de começar a fotografar, mas,
como o sistema de iluminação de fundo real dos estúdios geralmente consiste
em lâmpadas incandescentes com temperaturas de cores baixas, a visualização
da exibição ao vivo fica muito avermelhada e eles me dizem que isso dificulta
visualizar os resultados. Dessa maneira, resolvemos oferecer a possibilidade de
escolher ajustes de balanço de brancos separados para exibição ao vivo e a
fotografia final. Você pode corresponder o balanço de brancos à iluminação de
fundo para a exibição ao vivo e com o flash para a fotografia, o que deve levar
a alegria para muitos fotógrafos de estúdio, uma vez que a alta resolução é um
pressuposto de sua linha de trabalho. Incluímos muitas características como
estas, que deverão dar muitas alegrias aos fotógrafos”.
Então a ênfase foi também no desempenho
básico da câmera, mas, mais precisamente, em
quais pontos vocês se concentraram?
Hara: “Dedicamos consideravelmente mais tempo no desenvolvimento deste
modelo do que nos outros, então, houve muitos aprimoramentos. Concentramo-nos no polimento das especificações, que nunca aparecem numa tabela de
especificações, por exemplo: redução do atraso do tempo de liberação do obturador – um fator importante em todas as fotografias – ou o aperfeiçoamento
do buffer de memória para adaptá-lo ao grande volume de dados – 36.3 megapixels valem a pena. Com 36.3 MP, a D800 pode ter uma porção de pixels,
mas isso não será muito útil se o buffer ficar cheio depois de algumas fotos
em formato RAW e parar a gravação das imagens. Levamos todos os recursos
ao nível em que são convenientes ao uso. É o mesmo caso do autofoco: uma
alta contagem de pixels não faz sentido com um autofoco de baixa precisão.
Usamos o módulo de sensor melhorado, o mesmo usado na D4, para tornar o
AF de detecção de fase mais sensível em baixa luminosidade, aumentando a
precisão do AF. Também reforçamos o número de pixels do sensor de fotometria
RGB a 91 mil pixels para que rostos possam ser detectados até mesmo ao se
fotografar com o visor ótico, tornando a AE ainda mais precisa”.
Yoshimatsu: “A mesma coisa com a duração da bateria. Uma alta contagem
de pixels é inútil se esgotar metade da carga da bateria. Fotografar não é
apenas ter uma porção de pixels, mas, sim, atualizar todos os recursos associados para aproveitar ao máximo o alto número de pixels”.
Murakami: “Conseguimos também uma confiabilidade superior com um
corpo de liga de magnésio selado, resistente à água e poeira. Além disso, usa-
mos quase os mesmos mecanismos do obturador, abertura e espelho da D4,
capazes de suportar 200 mil ciclos, e reduzimos o atraso do tempo de disparo
para cerca de 0,042 segundo para uma experiência agradável ao usuário. A
este respeito, incorporamos diversos recursos encontrados em modelos de
ponta em uma câmera cujo preço, penso eu, as pessoas considerarão atrativo”.
Ao adotar um visor com aprox. 100% de
cobertura do quadro, o objetivo foi aproveitar ao
máximo as vantagens do número de pixels no
enquadramento de fotografias?
Hara: “A D800 é ideal para usuários que insistem em uma abordagem
metódica de fotografia. Achamos que as pessoas, assim, naturalmente, exigiriam
um visor com aprox. 100% de cobertura. Outra consideração fundamental foi
o desejo de oferecer aos nossos clientes a possibilidade de usar plenamente
todos os 36.3 milhões de pixels”.
Murakami: “Mas não faria nenhum sentido ter aprox. 100% de cobertura
de quadro se isso significasse fazer uma câmera grande e pesada. Assim,
melhoramos a precisão da fabricação e o desempenho do prisma para
tornar o visor tão pequeno e luminoso quanto possível. Este tipo de atenção aos
detalhes está incluído no design”.
Yoshimatsu: “Acho que as pessoas que já usaram câmeras de vídeos por
um tempo vão entender: é mais fácil enquadrar em um visor grande. Nesta
perspectiva, considero que, um visor de formato FX com cerca de 100% de
cobertura é um ganho extremamente valioso”.
TAMANHO DO ARQUIVO
O tamanho da imagem se ajusta às necessidades dos fotógrafos
Embora muitas pessoas tenham grandes
expectativas sobre o tipo de qualidade de
imagem possível com 36.3 megapixels, acho que
parte delas pode estar achando que talvez seja
difícil aproveitar plenamente esse potencial. O
que você fez para tornar a câmera acessível
a uma ampla gama de usuários?
Hara: “A D800 tem uma contagem de pixels efetivos de 36.3 megapixels,
mas isso não significa que ela só possa tirar fotos desse tamanho. Existem três
tamanhos de imagem – grande, médio e pequeno – e você pode escolher o
que se adapta melhor às suas necessidades. No formato FX, o tamanho grande
permite fotografar com cerca 36.3 megapixels, enquanto cerca de 20.3 mega-
pixels são usados para o tamanho médio, ou talvez você queira fotografar com
tamanho pequeno, que contém cerca de 9 megapixels. Os ajustes de tamanho
médio e pequeno usam dados de toda a extensão do sensor de 36.3 megapixels, processados de forma otimizada, para um tamanho menor, pelo EXPEED
3. Portanto, podemos sugerir optar pelos tamanhos médio ou pequeno para uso
normal e pelo tamanho grande apenas para, digamos, retratos de grupos ou
fotos de paisagem de resolução muito alta. E assim como nosso modelo de
ponta D4, a D800 oferece quatro opções de ajuste de área de imagem: formato
FX, formato DX, um formato quase quadrado de 5:4, que os fotógrafos de
estúdio vão achar confortável de usar, e um formato de 1.2x, que é ligeiramente
menor do que o formato FX. Cada um desses formatos está disponível nos
tamanhos grande, médio e pequeno, mencionados anteriormente, dando ao
fotógrafo uma considerável liberdade na escolha dos tamanhos”.
FULL HD
O sensor de 36.3 megapixels produz vídeos de alta resolução
Você pode nos dizer por que adicionou-se um
novo seletor de exibição ao vivo aos vídeos?
Yoshimatsu: “Hoje em dia os vídeos gravados com câmeras SLR digitais
têm ganhado uma importância considerável como um meio de expressão
cinematográfica, assim, o nosso design se baseou em como torná-lo fácil
na gravação de vídeos e quais tipos de controles e operações poderiam ser
empregados. Para começar, como a fotografia e o vídeo usam velocidade e
abertura do obturador de perspectivas muito diferentes, consideramos
necessário adotar um controle apropriado para cada tipo, para uma visualização precisa. Logo, tivemos a ideia de usar o seletor de exibição ao vivo para
selecionar entre fotografia de exibição ao vivo e vídeo de exibição ao vivo. Isso
nos permitiu separar claramente os ajustes para cada tipo de modo de exibição ao vivo e adaptá-los para uma maior facilidade de uso. Incluímos funções
separadas para cada tipo de modo de exibição ao vivo: por exemplo, quando
usar fotografia de exibição ao vivo com ajustes para estúdio, o usuário pode
empregar valores de balanço de brancos separado para o plano de fundo
e a iluminação com flash, como mencionado anteriormente; no modo de
exibição ao vivo para vídeo, demos ao usuário acesso a ajustes de sensibilidade
do microfone e ajustes de volume de fone de ouvido”.
Houve algum ponto em que vocês insistiram em
termos de especificações técnicas de vídeo?
Yoshimatsu: “Embora
não seja uma especificação
para vídeo em si, houve um
certo debate interno sobre as
especificações de fotografias
tiradas durante o vídeo em
exibição ao vivo. Especificamente, com a D800, pode-se
tirar uma fotografia pressionando o botão de liberação
do obturador durante a gravação de vídeo com exibição ao
vivo. O problema foi como
lidar com as fotografias em
termos de ângulo de imagem
e controle de exposição. Concluímos que as fotografias
tinham de ser perfeitas como
fotografias, mesmo quando
capturadas durante o modo
de exibição ao vivo de vídeo, e também que não faria sentido se o ângulo de
D800E
Alternativa excepcional
A D800E oferece uma resolução superior, até
mesmo para a D800 de alta definição. O que
você pode nos dizer sobre esse modelo?
Hara: “Embora a D800 seja mais que suficiente no que pode oferecer, em
termos da resolução, não podemos negar um ligeiro decréscimo na resolução
como efeito colateral do filtro ótico passa-baixa utilizado para evitar efeito moiré e artefatos de cor. No entanto, há quem só usará a câmera para paisagens ou
que necessite de fotografias com resolução até mesmo superior, e foi para esses
usuários que criamos um modelo que desse aquele passo além em termos de
resolução: a D800E”.
Murakami: “A D800E explora o potencial pleno do sensor de imagem. No
entanto, a D800 é mais que suficientemente capaz de produzir imagens nítidas,
por isso, sugerimos que os clientes desfrutem a fotografia com o modelo que
atenda melhor às suas necessidades”.
imagem não fosse o mesmo que o usado para o modo de exibição ao vivo de
vídeo. As fotografias capturadas durante o modo de exibição ao vivo de vídeo,
em outras palavras, teriam uma proporção de imagem de 16:9, mas usariam o
mesmo programa de exposição que as fotos normais. Isso pode ter complicado
as especificações de controle, mas, como responsável, achei uma decisão muito
satisfatória, pois ela gerou resultados perfeitos para fotografias e vídeos”.
De onde veio a ideia de D-Movies em Full HD em
modo multiárea?
Hara: “O motivo pelo qual videógrafos e diretores começaram a usar
câmeras DSLR em vez de equipamentos caros de cinema foi o fato de as DSLRs
poderem ser usadas para desfocar artisticamente os planos de fundo. Uma das
características dos grandes sensores de imagem, usados em câmeras DSLR, é
que eles permitem profundidades de campo extremamente rasas para produzir
efeitos elegantes, mas o outro lado disso é que, mesmo quando se fecha ao
máximo, ajustar a profundidade de campo – ou em outras palavras, manter
o foco – pode ser um desafio. Assim, deve-se dizer que há certos aspectos
no uso de uma DSLR, como seu foco intransigente, que demandam técnicas
avançadas. Por outro lado, como o formato DX produz vídeos com tamanhos
de arquivo muito semelhantes aos de vídeos 35 mm, há aqueles na indústria
do cinema que consideram as câmeras DSLR mais fáceis de usar em termos
de sensibilidade fotográfica e profundidade de campo. Fomos motivados por
pensamentos de como seria conveniente se esses elementos pudessem ser
combinados em uma única câmera. Não seria ótimo se a capacidade de gravar
vídeos em Full HD, nas opções de formatos FX ou DX, usando o EXPEED 3 para
lidar com o grande número de pixels, resultasse na ampla utilização das DSLRs
na indústria do cinema?”
Murakami: “Incluímos este recurso porque, na nossa opinião, teria sido
um erro não aproveitar os formatos FX e DX que a Nikon já havia disponibilizado para a fotografia”.
Yoshimatsu: “Gostaria de acrescentar algo da perspectiva do profissional:
cineastas profissionais também desejam usar dados não comprimidos vindos
do sensor de imagem da câmera. Acho que atendemos esta demanda ao projetar as especificações para que fosse mais fácil, na D800, gerar a saída de
dados comprimidos para um gravador via HDMI”.