Análise Gerencial da Operação Trimestral (MDA311205)

Сomentários

Transcrição

Análise Gerencial da Operação Trimestral (MDA311205)
4º Trimestre 2005
Análise Gerencial da Operação
Índice
Sumário Executivo
Análise do Resultado Consolidado
- Margem Financeira
- Resultado de Créditos de Liquidação Duvidosa
- Receitas de Prestação de Serviços
- Despesas não Decorrentes de Juros
- Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
Demonstrações Contábeis Pro Forma por Segmento
Demonstrações Contábeis Pro Forma por Sub-segmento
Itaubanco - Banking
Cartões de Crédito - Correntistas
Seguros, Previdência e Capitalização
Gestão de Fundos e Carteiras Administradas
Itaú BBA
Itaucred
Gestão de Risco
Balanço por Moedas
Negócios no Exterior
Estrutura Acionária
Desempenho no Mercado de Ações
Parecer dos Auditores
Demonstrações Contábeis Completas
03
13
15
16
18
19
21
24
26
28
29
30
34
35
36
40
44
45
48
49
50
51
Destacamos que os dados pro forma relativos a períodos anteriores apresentados neste relatório foram recalculados devido à mudança dos critérios de
alocação de provisão para créditos de liquidação duvidosa excedente.
Neste trimestre, aprimoramos o cálculo do retorno sobre o patrimônio líquido ( ROE ) e introduzimos o conceito de Retorno Anualizado sobre o Patrimônio
Líquido Médio, onde o saldo final do patrimônio líquido foi substituído por seu saldo médio. O saldo médio trimestral é obtido pela média aritmética entre
o saldo do último dia do trimestre atual e do trimestre anterior. O saldo médio acumulado no ano é obtido pela média aritmética dos saldos do último dia
dos últimos cinco trimestres ( (Dez + Mar + Jun + Set + Dez) / 5 )
As tabelas deste relatório apresentam os números em milhões. No entanto, as variações e totalizações foram calculadas utilizando números em unidades.
Expectativas futuras decorrentes da leitura desta análise devem considerar os riscos e incertezas que envolvem quaisquer atividades e que estão fora do
controle das empresas do conglomerado (mudanças políticas e econômicas, volatilidade nas taxas de juros e câmbio, mudanças tecnológicas, inflação,
desintermediação financeira, pressões competitivas sobre produtos e preços e mudanças na legislação tributária).
Sumário Executivo
Highlights - Critérios Gerenciais
R$ Milhões (exceto onde indicado)
Lucro Líquido da Controladora
Margem Financeira Gerencial (1)
Receita de Serviços
Lucro Líquido Consolidado por Ação (2)
Número de Ações em Circulação - em Milhares (2)
Valor Patrimonial por Ação (2)
Dividendos / JCP (3) ( R$ Milhões )
Dividendos / JCP (3) por Ação (2)
Market Capitalization (4) ( R$ Milhões )
Market Capitalization (4) ( US$ Milhões )
Retorno sobre o Patrimônio Líquido Médio - Anualizado
Retorno sobre o Ativo Médio - Anualizado
Índice de Solvabilidade
Taxa Anualizada da Margem Financeira
Índice de Cobertura PDD / Nonperforming Loans
Índice de Eficiência
Ativos Totais
Operações de Crédito
Fianças, Avais e Garantias
Títulos e Valores Mobiliários + Dep. Interfinanceiros
Depósitos Totais
Patrimônio Líquido da Controladora
Recursos Administrados
Número de Funcionários do Conglomerado (5)
Número de Clientes Ativos ( Milhões )
Número de Produtos por Cliente
Número de Agências ( Unidades )
Número de PAB's ( Unidades )
Número de Caixas Eletrônicos ( Unidades )
1.425
3.650
2.121
1.352
3.331
1.971
1.030
3.396
1.799
5.251
13.272
7.738
3.776
10.634
6.166
1,29
1.104.009
14,09
534
0,48
62.156
26.554
1,21
1.114.004
13,67
621
0,56
59.321
26.695
0,91
1.132.711
12,33
514
0,45
45.195
17.027
4,76
1.104.009
14,09
1.852
1,68
62.156
26.554
3,33
1.132.711
12,33
1.372
1,21
45.195
17.027
42,5%
3,9%
17,0%
14,3%
192%
50,1%
40,8%
3,8%
17,6%
13,5%
200%
50,5%
33,6%
3,1%
20,6%
11,0%
220%
48,0%
35,3%
3,7%
17,0%
13,6%
192%
50,3%
29,2%
3,0%
20,6%
12,6%
220%
53,9%
151.241
144.671
130.339
60.636
55.573
47.407
7.121 67.756 6.044 61.616 5.868 53.275
42.905
40.444
37.900
50.520
44.488
42.030
15.560
15.229
13.971
120.287
51.036
12,5
5,1
2.391
783
22.023
112.337
49.546
12,2
5,1
2.305
776
21.552
99.753
45.316
11,8
5,0
2.282
791
21.150
(1) Definida na página 4.
(2) Em Out/05 foi realizado desdobramento das ações. Os valores de períodos anteriores foram adequados para melhor comparabilidade.
(3) JCP - Juros sobre o Capital Próprio. Valor bruto.
(4) Calculado com base na cotação de fechamento da ação preferencial.
(5) Inclui 100% da FIC - Financeira Itaú CBD e não inclui o Credicard, que em 31/12/05 possuía 448 funcionários.
Principais market shares em Dez/05
Asset Management
Financiamento de Veículos
Recolhimento de CPMF
Cartões de Crédito
Depósitos (*)
Prêmios de Seguros
Previdência Privada
14,4%
19,0%
14,2%
22,2%
7,7%
12,7%
10,4%
(*) Referente a Setembro/2005.
Fontes: Bacen, Susep, Anbid, Abel, Receita Federal e Abecs.
Obs: Prêmios de Seguros não incluem seguro saúde.
3
Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Demonstração de Resultado Gerencial
Adotamos uma estratégia de gestão do risco cambial
do capital investido no exterior que tem como objetivo
não permitir impactos no resultado decorrentes de
variação cambial. Para alcançarmos esta finalidade, o
risco cambial é neutralizado e os investimentos são
remunerados em reais (R$) por meio da utilização de
instrumentos financeiros derivativos. Nossa estratégia
de hedge considera ainda todos os efeitos fiscais
incidentes: quer os relativos à não tributação/
dedutibilidade da variação cambial em momentos de
apreciação ou depreciação, respectivamente, do real
frente às moedas estrangeira, quer os efeitos fiscais
decorrentes dos instrumentos financeiros derivativos
utilizados.
Nos períodos em que a variação da paridade entre o
real e as demais moedas estrangeiras é expressiva,
verifica-se significativo impacto em diversas linhas das
demonstrações contábeis, com especial destaque para
as receitas e despesas financeiras.
Em função disso, a partir do segundo trimestre de 2005,
passamos a divulgar no Relatório de Análise Gerencial
da Operação a Demonstração de Resultado Gerencial,
que destaca o impacto da variação cambial sobre os
investimentos de capital no exterior e os efeitos
decorrentes do hedge desta posição. A Demonstração
de Resultado Gerencial é obtida a partir de uma série de
reclassificações realizadas sobre a demonstração do
resultado contábil, sendo que a margem financeira
gerencial incorpora dois ajustes em relação à margem
financeira contábil: (i) a totalidade dos efeitos da
variação cambial dos investimentos no exterior, a qual
está distribuída em várias linhas na demonstração do
resultado contábil; (ii) e os efeitos fiscais do hedge
desses investimentos, os quais estão considerados nas
linhas de despesas tributárias (PIS e COFINS) e de
imposto de renda e contribuição social sobre o lucro
líquido na demonstração do resultado contábil.
Além disso, a margem financeira gerencial foi
subdividida, passando a apresentar a margem
financeira gerencial das operações bancárias, associada
às atividades comerciais de clientes, a margem
financeira gerencial da tesouraria, onde, a cada
operação, está alocado o seu custo de oportunidade, e
a margem financeira gerencial da administração do
risco cambial dos investimentos no exterior, a qual
corresponde fundamentalmente à remuneração pela
taxa do CDI do capital aplicado nesses investimentos.
A seguir, apresentamos um quadro com a apuração da
margem financeira gerencial da administração do risco
cambial dos investimentos no exterior.
Destacamos, por fim, que o real desvalorizou-se 5,3% em
relação ao dólar durante o quarto trimestre de 2005, sendo
que a cotação do dólar atingiu R$ 2,3407 ao final de dezembro
de 2005 ante R$ 2,2222 no encerramento do trimestre anterior.
Lembramos ainda que durante o trimestre anterior verificouse tendência oposta, quando o real valorizou-se em 5,5% frente
ao dólar (a cotação alcançou R$ 2,2222 em setembro de 2005
ante 2,3504 em junho).
R$ Milhões
4º Trimestre/05
Saldo Inicial
Investimentos de Capital no Exterior (A)
Variação Cambial de Investimentos de Capital no Exterior (B)
Efeito Administração de Risco Cambial de Investimentos no Exterior
(C) = (D) + (E)
5.637
Posição Ativa em DI (D)
Posição Passiva em Moeda Estrangeira (E)
Margem Financeira Gerencial da Administração do Risco
Cambial dos Investimentos no Exterior (F) = (B) - (C)
5.637
(8.957)
Resultado
Bruto
Efeito Fiscal
265
Resultado
Líquido
265
(158)
59
(100)
262
(421)
(97)
156
165
(265)
106
59
165
R$ Milhões
3º Trimestre/05
4
Saldo Inicial
Investimentos de Capital no Exterior (A)
Variação Cambial de Investimentos de Capital no Exterior (B)
Efeito Administração de Risco Cambial de Investimentos no Exterior
(C) = (D) + (E)
5.549
Posição Ativa em DI (D)
Posição Passiva em Moeda Estrangeira (E)
Margem Financeira Gerencial da Administração do Risco
Cambial dos Investimentos no Exterior (F) = (B) - (C)
5.549
(8.818)
Análise Gerencial da Operação
Resultado
Bruto
Efeito Fiscal
(304)
Resultado
Líquido
(304)
766
(284)
482
283
483
(105)
(179)
178
304
462
(284)
178
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Demonstração de Resultado Gerencial
Demonstração do Resultado
R$ Milhões
Banco Itaú Holding
4º Trimestre/05
Ajustes Gerenciais
Variação Cambial dos Efeito Fiscal do Hedge
dos Investimentos no
Investimentos no
Exterior
Exterior
Contábil
Gerencial
Margem Financeira Gerencial
• Operações Bancárias
• Tesouraria
• Administração do Risco Cambial dos Investimentos no Exterior líquido de efeitos fiscais
3.611
3.351
134
(19)
-
59
-
3.650
3.351
134
125
(19)
59
165
Resultado com Créditos de Liquidação Duvidosa
Despesa de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
Recuperação de Créditos Baixados como Prejuízo
(974)
(1.220)
246
3
3
-
-
(971)
(1.217)
246
Resultado Bruto da Intermediação Financeira
2.637
(17)
59
2.679
Outras Receitas / (Despesas) Operacionais
Receitas de Prestação de Serviços
Resultado de Operações com Seg., Prev. e Cap.
Despesas não Decorrentes de Juros
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
Resultado de Participações em Coligadas
Outras Receitas Operacionais
(696)
2.121
218
(2.912)
(435)
55
256
(12)
(0)
3
(18)
3
(7)
(7)
-
(715)
2.121
218
(2.909)
(442)
38
260
Resultado Operacional
1.941
(28)
51
1.964
10
(0)
-
10
1.951
(339)
(144)
(43)
(28)
2
26
51
(51)
-
1.974
(388)
(144)
(17)
1.425
-
-
1.425
Resultado Não Operacional
Resultado antes da Tributação e Participações
Imposto de Renda e Contribuição Social
Resultado Extraordinário
Participações no Lucro
Participações Minoritárias nas Subsidiárias
Lucro Líquido
Conciliação com a Margem Finan. Gerencial de Adm. de Risco Cambial do Invest. no Exterior (quadro da página anterior); R$ 125 milhões - R$ 19 milhões = R$ 106 milhões.
R$ Milhões
Banco Itaú Holding
3º Trimestre/05
Ajustes Gerenciais
Variação Cambial dos Efeito Fiscal do Hedge
Investimentos no
dos Investimentos no
Exterior
Exterior
Contábil
Gerencial
Margem Financeira Gerencial
• Operações Bancárias
• Tesouraria
• Administração do Risco Cambial dos Investimentos no Exterior líquido de efeitos fiscais
3.579
3.104
48
35
-
(284)
-
3.331
3.104
48
427
35
(284)
178
Resultado com Créditos de Liquidação Duvidosa
Despesa de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
Recuperação de Créditos Baixados como Prejuízo
(779)
(1.070)
291
(4)
(4)
-
-
(784)
(1.074)
291
Resultado Bruto da Intermediação Financeira
2.800
31
(284)
2.547
Outras Receitas / (Despesas) Operacionais
Receitas de Prestação de Serviços
Resultado de Operações com Seg., Prev. e Cap.
Despesas não Decorrentes de Juros
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
Resultado de Participações em Coligadas
Outras Receitas Operacionais
(819)
1.971
183
(2.595)
(408)
(15)
44
21
(11)
32
1
36
36
-
(763)
1.971
183
(2.606)
(372)
17
45
Resultado Operacional
1.981
52
(248)
1.784
4
1
1.985
(541)
(112)
20
52
(4)
(48)
(248)
248
-
1.789
(297)
(112)
(28)
1.352
-
-
1.352
Resultado Não Operacional
Resultado antes da Tributação e Participações
Imposto de Renda e Contribuição Social
Resultado Extraordinário
Participações no Lucro
Participações Minoritárias nas Subsidiárias
Lucro Líquido
-
5
Conciliação com a Margem Finan. Gerencial de Adm. de Risco Cambial do Invest. no Exterior (quadro da página anterior); R$ 427 milhões + R$ 35 milhões = R$ 462 milhões.
5
Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Sumário Executivo
Quarto Trimestre de 2005
Lucro Líquido e Retorno Anualizado
sobre o Patrimônio Médio
949
876
854
920
1.030
1.141
1.333 1.352 1.425
41,1 40,8 42,5
32,6 32,0 33,6 31,1 33,6 36,0
4ºt.03 1ºt.04 2ºt.04 3ºt.04 4ºt.04 1ºt.05 2ºt.05 3ºt.05 4ºt.05
Lucro Líquido (R$ Milhões)
ROE (% a.a.)
Operações de Crédito (*)
dez/05 10,6
jun/05 10,4
mar/05 11,7
dez/04 11,6
jun/04
12,8
13,7
mar/04 12,1
dez/03
12,2
Carteira de Empréstimos
R$ Milhões
67,8
57,1
52,0
48,2
set/05 9,6
set/04
R$ Bilhões
Alcançamos um lucro líquido consolidado de R$ 1.425 milhões no quarto
trimestre de 2005, o que corresponde a um acréscimo de 5,4% em relação ao
resultado do trimestre anterior. O saldo do patrimônio líquido,
desconsiderando a parcela dos acionistas minoritários, atingiu R$ 15.560
milhões no encerramento do ano de 2005. O retorno anualizado sobre o
patrimônio líquido médio (ROE) atingiu a expressiva taxa de 42,5% a.a. no
trimestre. Mais uma vez, a ampliação da carteira de crédito, juntamente com
a mudança de seu mix, contribuiu decisivamente para que a nossa
performance trimestral superasse o resultado do período anterior. A crescente
contribuição das operações de crédito está refletida no aumento observado
da margem financeira gerencial das operações bancárias e das receitas de
serviços associadas à concessão de crédito, líquidas do risco de crédito e das
despesas tributárias de PIS e COFINS, a qual somou R$ 3.240 milhões no
período, com aumento de 9,5% em relação ao trimestre anterior.
61,6
58,6
45,3
41,7
38,3
35,0
57,0
53,3
Pessoas Físicas (A)
Cartão de Crédito
Crédito Pessoal
Veículos
Micro, Pequenas e Médias Empresas (B)
51,1
Empréstimos Direcionados (C)
48,7
28.691
25.593
18.272
12,1%
57,0%
7.216
10.320
11.155
5.926
10.211
9.456
5.150
6.926
6.196
21,8%
1,1%
18,0%
40,1%
49,0%
80,1%
12.784
11.494
9.718
11,2%
31,6%
4.541
4.278
4.523
6,2%
0,4%
21.740
20.251
20.763
7,4%
4,7%
44,8
32,7
32,3
44,5
Moeda Estrangeira
(*) Inclui avais e fianças
Grandes Empresas
Moeda Nacional
No quarto trimestre de 2005, as nossas operações de empréstimo e financiamento, incluindo avais e fianças, atingiram
R$ 67.756 milhões, o que equivale a um crescimento de 10,0% no período. O aumento do volume das operações de
crédito decorre basicamente de uma série de ações específicas, notadamente no segmento de crédito ao consumidor
e veículos, aliada a um incremento significativo da demanda por crédito por parte dos clientes pessoa física.
A carteira voltada a estes clientes cresceu 12,1% no trimestre, atingindo o saldo de R$ 28.691 milhões. Os destaques
foram as operações de financiamento de veículos e leasing, com acréscimo de R$ 1.699 milhões no período, e as
operações de cartão de crédito, com aumento de R$ 1.290 milhões no trimestre.
A carteira de crédito de clientes pessoa jurídica aumentou 8,8%, alcançando R$ 34.524 milhões. As operações das
micro, pequenas e médias empresas apresentaram crescimento de 11,2% em relação a setembro de 2005, somando R$
12.784 milhões. Já as operações com grandes empresas totalizaram R$ 21.740 milhões, aumentando 7,4% no período.
Por fim, os créditos direcionados registraram crescimento de R$ 263 milhões no trimestre, somando R$ 4.541 milhões.
Margem Financeira Gerencial
3.396
152
401
2.986
146
235
2.844
2.605
4ºt.04
1ºt.05
Operações Bancárias
3.305
3.331
166
182
178
49
2.956
3.104
2ºt.05
3ºt.05
R$ Milhões
3.650
165
134
3.351
Nossa margem financeira gerencial atingiu R$ 3.650 milhões no quarto
trimestre de 2005, crescendo R$ 320 milhões em relação ao trimestre
anterior. O aumento do volume de crédito concedido e alterações na
sua composição foram os principais fatores responsáveis pela variação
de R$ 247 milhões na margem financeira das operações bancárias
observada no trimestre. Em relação à margem financeira de tesouraria,
observamos uma elevação de R$ 86 milhões no trimestre, em razão das
estratégias adotadas nos mercados de renda fixa, câmbio e dívida
soberana. A margem financeira da administração do risco cambial dos
investimentos no exterior teve redução de R$ 13 milhões, associada à
queda da taxa do CDI ocorrida entre os períodos.
4ºt.05
Tesouraria
Administração do Risco Cambial dos Investimentos no Exterior
6
Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Sumário Executivo
Quarto Trimestre de 2005
Índice NPL(*) - Pessoa Física x Jurídica (%)
7,3
7,3
6,5
4,1
4,0
3,5
2,2
1,9
1,8
5,6
5,6
6,0
3,2
1,5
5,8
5,2
5,3
2,9
2,9
3,0
3,3
3,5
0,9
0,8
1,1
1,3
1,3
dez/03 mar/04 jun/04 set/04 dez/04 mar/05 jun/05 set/05 dez/05
Indice NPL - Pessoa Jurídica
Indice NPL
Indice NPL - Pessoa Física
(*) Nonperforming Loans: Operações de Crédito vencidas há mais
de 60 dias.
Receita de Serviços
R$ Milhões
4ºt.05
2.121
1.971
1.852
1.794
1.799
1.509
3ºt.05
2ºt.05
1ºt.05
4ºt.04
3ºt.04
Despesas não Decorrentes de Juros
R$ Milhões
3ºt.04
4ºt.04
Orbitall
1ºt.05
2ºt.05
3ºt.05
Itaucred
4ºt.05
Demais negócios
Índice de Eficiência (%)
4º t./05
3º t./05
2º t./05
1º t./05
4º t./04
50,1%
50,5%
50,8%
49,8%
48,0%
O aumento do volume e a alteração do mix da carteira de empréstimos e
financiamentos, com a aplicação de recursos em operações capazes de agregar
maiores margens financeiras ao resultado, tem, como conseqüência natural,
elevado o nosso nível de risco de crédito, exigindo maiores despesas com provisão
para créditos de liquidação duvidosa. Além disso, temos reforçado o saldo da
provisão excedente ao mínimo exigido pela autoridade bancária, o qual tem por
objetivo permitir a absorção de eventuais aumentos do nível de inadimplência
ocasionados por uma eventual reversão do ciclo econômico. Assim, no quarto
trimestre de 2005, ampliamos em R$ 170 milhões o saldo da provisão excedente, o
qual totalizou R$ 1.370 milhões no encerramento do exercício. A assunção de
maiores riscos elevou em 0,2 ponto percentual o nosso índice de nonperfoming
loans, que encerrou o trimestre atingindo a taxa de 3,5%. Este crescimento está em
linha com a estratégia que definimos e que vem sendo aplicada consistentemente
ao longo dos últimos trimestres.
Nossas receitas de prestação de serviços somaram R$ 2.121 milhões no quarto
trimestre de 2005, com aumento de R$ 150 milhões em relação ao trimestre
anterior. Destacaram-se os aumentos associados às operações de crédito,
tais como R$ 69 milhões com cartões de crédito, R$ 48 milhões com o
financiamento de veículos, leasing, crediário. Além disso, impulsionadas pela
elevação sazonal da atividade econômica e pela ênfase que o Itaú BBA vem
dando à prestação de serviços, tivemos aumento com serviços de conta
corrente, num total de R$ 24 milhões.
No quarto trimestre de 2005, as despesas não decorrentes de juros atingiram
R$ 2.909 milhões, o que corresponde a um aumento de R$ 303 milhões em
relação ao trimestre anterior. A estruturação e a operação dos negócios
associados às nossas recentes iniciativas estratégicas constituíram-se no
principal elemento responsável pelo incremento das despesas do período.
Além disso, o nosso crescimento orgânico vem alterando o patamar das
despesas não decorrentes de juros. No entanto, mesmo considerando esta
elevação das despesas, o índice de eficiência apresentou evolução positiva
em relação ao trimestre anterior. Isto ocorreu por que mantivemos os esforços
para obter ganhos de produtividade com a revisão de processos e a
racionalização dos custos.
Assim, a manutenção da política de forte atuação no controle dos custos foi
determinante para que o índice de eficiência calculado a partir da
demonstração do resultado gerencial atingisse 50,1% no quarto trimestre de
2005, correspondendo a uma melhora de 0,4 ponto percentual em relação à
taxa obtida no trimestre anterior.
(*) Os critérios de cálculo dos índices de eficiência estão
detalhados na página 20.
Lucro/(Prejuizo) não Realizado no
Resultado
R$ Milhões
dez/05
set/05
jun/05
mar/05
dez/04
set/04
jun/04
mar/04
dez/03
7
1.934
2.066
2.106
2.263
2.371
2.871
2.667
2.915
2.677
Análise Gerencial da Operação
O lucro/(prejuízo) não realizado no resultado totalizou R$ 1.934 milhões em 31 de
dezembro de 2005, apresentando uma redução de R$ 132 milhões em relação ao
trimestre anterior. Esta diminuição está basicamente vinculada à reversão de R$ 30
milhões de provisão adicional para títulos e valores mobiliários associada, por sua
vez, à redução do risco de ocorrência de cenários de alta volatilidade, à alteração
do valor de mercado das dívidas subordinadas e à queda no valor de mercado das
operações de crédito, arrendamento mercantil e outros créditos. Além disso,
reforçamos em R$ 170 milhões a provisão excedente ao mínimo requerido para
fazer frente a créditos de liquidação duvidosa, como mencionado anteriormente.
Lembramos que esta provisão excedente não é considerada na determinação do
lucro/(prejuízo) não realizado.
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Sumário Executivo
Balanço Patrimonial Consolidado
Disponibilidades
Aplicações Interfinanceiras de Liquidez
Títulos e Valores Mobiliários e Instr. Financ. Derivativos
Relações Interf. e Interdependências
Operações de Crédito, Arrendamento e Outros Créditos
(Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa)
Outros Ativos
Carteira de Câmbio
Outros
Investimentos
Imobilizado de Uso
Diferido
R$ Milhões
2.085
22.877
33.128
13.707
60.636
(4.107)
20.042
6.514
13.528
2.053
23.176
30.830
12.006
55.573
(3.656)
21.892
8.471
13.421
1.930
19.747
29.176
10.878
47.407
(3.054)
21.135
9.159
11.976
32
(299)
2.299
1.701
5.063
(451)
(1.851)
(1.957)
107
154
3.130
3.953
2.829
13.229
(1.054)
(1.094)
(2.645)
1.552
749
1.854
272
727
1.850
220
920
1.965
234
22
3
51
(171)
(111)
38
R$ Milhões
Depósitos
Depósitos à Vista
Depósitos de Poupança
Depósitos Interfinanceiros
Depósitos a Prazo
Captações no Mercado Aberto
Recursos de Aceites e Emissão de Títulos
Relações Interf. e Interdependências
Obrigações por Empréstimos e Repasses
Instrumentos Financeiros Derivativos
Provisões Técnicas de Seg., Prev. e Capitalização
Outras Obrigações
Carteira de Câmbio
Dívida Subordinada
Diversos
50.520
12.689
19.783
646
17.402
22.031
4.961
1.043
9.156
2.436
14.640
29.701
6.634
4.584
18.482
44.488
10.274
18.564
938
14.712
20.433
4.753
3.030
8.590
1.884
13.486
31.673
8.831
4.449
18.393
42.030
11.156
19.197
647
11.029
16.098
3.431
1.078
10.518
1.173
11.023
29.775
9.405
4.765
15.605
6.032
2.416
1.219
(293)
2.690
1.598
208
(1.988)
566
552
1.154
(1.972)
(2.197)
136
90
8.490
1.533
585
(2)
6.373
5.932
1.530
(35)
(1.362)
1.263
3.616
(74)
(2.771)
(181)
2.878
Depósitos
Fundos + Carteiras Administradas
50.520
120.287
44.488
112.337
42.030
99.753
6.032
7.950
8.490
20.533
Total de Depósitos + Fundos + Carteiras Adm.
170.807
156.825
141.783
13.982
29.023
8
Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Sumário Executivo
Demonstração do Resultado Consolidado
R$ Milhões
• Operações Bancárias
• Tesouraria
• Administração do Risco Cambial dos Investimentos
no Exterior - líquido de efeitos fiscais
3.351
134
3.104
49
12.017
599
9.231
844
247
86
2.786
(246)
165
178
656
559
(13)
96
Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
Recuperação de Créditos Baixados como Prejuízo
(1.217)
246
(1.074)
291
(3.729)
889
(1.589)
654
(143)
(45)
(2.139)
235
Receitas de Prestação de Serviços
Resultado com Operações de Seg., Prev. e Cap.
Despesas não Decorrentes de Juros
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
Resultado de Participações em Coligadas
Outras Receitas Operacionais
2.121
218
(2.909)
(442)
38
260
1.971
183
(2.606)
(372)
17
45
7.738
798
(10.459)
(1.509)
169
487
6.166
781
(9.034)
(1.114)
85
280
150
35
(303)
(70)
21
215
1.572
17
(1.425)
(396)
84
207
10
5
20
29
6
(9)
1.104.009
14,09
1,29
1.114.004
13,67
1,21
1.104.009
14,09
4,76
1.132.711
12,33
3,33
(9.995)
0,42
0,08
(28.701)
1,76
1,42
Resultado Não Operacional
Número de Ações em Circulação - em milhares (1)
Valor Patrimonial por Ação (R$) (1)
Lucro Líquido por Ação (R$) (1)
(1) Em Out./05 foi realizado desdobramento das ações. Os valores de períodos anteriores foram adequados para melhor comparabilidade.
9
Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Sumário Executivo - Quarto Trimestre de 2005
Resultado por Segmento
Itaubanco
O resultado do segmento Itaubanco somou R$ 888 milhões no quarto trimestre de 2005, correspondendo a um
aumento de 13,1% em relação ao trimestre anterior. A margem financeira gerencial atingiu R$ 2.135 milhões, o que
equivale a um acréscimo de 0,5% sobre a margem financeira gerencial do terceiro trimestre. O crescimento das operações
de crédito voltadas para o financiamento do consumo ampliou em R$ 88 milhões a margem financeira gerencial das
operações bancárias. No entanto, este aumento foi compensado por uma redução de R$ 71 milhões do resultado de
tesouraria, em razão, basicamente, do menor resultado com derivativos de juros operados no Brasil. Já a despesa
associada ao risco de crédito (PDD) apresentou aumento de R$ 93 milhões no trimestre, decorrente, em parte, da
ampliação de R$ 45 milhões do saldo da provisão excedente ao mínimo exigido pela autoridade bancária, bem como
pelo crescimento da carteira de crédito e pela evolução das operações em atraso. No entanto, o acréscimo nas despesas
foi parcialmente compensado por um aumento de R$ 79 milhões na recuperação de créditos baixados como prejuízo,
em decorrência de campanha realizada durante o mês de dezembro. As receitas de prestação de serviços cresceram R$
88 milhões no trimestre, em virtude do incremento no volume de operações de crédito e pelo aumento da base de
clientes. As despesas não decorrentes de juros cresceram 6,4% no período, sofrendo o impacto do aumento sazonal do
nível de atividade operacional que caracteriza os últimos meses do ano, bem como dos investimentos realizados na
ampliação da rede de agências e caixas. Por fim, o item Outros apresenta o impacto positivo causado pelo
reconhecimento da receita vinculada ao término do contrato de parceria firmado entre nós e a América Online Latin
América Inc. (AOLA), no valor de R$ 120 milhões.
Itaú BBA
No quarto trimestre a margem financeira gerencial do segmento Itaú BBA montou em R$ 554 milhões, refletindo um
incremento de 63,0% em relação ao trimestre anterior. A margem financeira com operações bancárias totalizou R$ 304
milhões, representando um incremento de 26,0% em relação trimestre anterior, em função do aumento do volume da
carteira de crédito com manutenção dos níveis de spreads. Em relação às operações de tesouraria, o resultado de R$ 206
milhões no quarto trimestre reflete os resultados advindos das estratégias nos mercados nacionais de renda fixa e
câmbio e no mercado internacional de dívida soberana. O resultado de créditos de liquidação duvidosa apresentou
uma reversão de provisão de R$ 127 milhões no quarto trimestre em função basicamente de recuperação de créditos
concedidos ao setor de telecomunicações. As receitas de prestação de serviços totalizaram R$ 108 milhões,
representando um incremento de 8,5% em relação ao trimestre anterior, devido principalmente a maiores resultados
com serviços de cash management e investment banking. As despesas não decorrentes de juros totalizaram R$ 234
milhões, representando um incremento de 66,9% em relação ao terceiro trimestre. Periodicamente, reavaliamos o perfil
e o potencial dos clientes dos nossos segmentos. Como resultado desta reavaliação, realocamos os clientes para o
segmento mais adequado e apuramos gerencialmente o resultado desta transferência entre os segmentos. No caso do
segmento Itaú BBA, o efeito gerencial da realocação foi uma despesa não recorrente de R$ 74 milhões, classificada em
despesas não decorrentes de juros, que justifica basicamente o acréscimo observado neste item em relação ao trimestre
anterior. O lucro líquido pro forma do Itaú BBA montou a R$ 379 milhões no quarto trimestre, com incremento de 32,2%
em relação ao trimestre anterior.
Itaucred
Em 2005, as operações de crédito para o financiamento e leasing de veículos somaram R$ 11.512 milhões, com
aumento de 83,5% em relação a 2004. O nosso segmento Itaucred vem apresentando crescimento bem acima da
média do mercado, em razão da utilização de todas as ferramentas comerciais provenientes das operações incorporadas
em 2003 e 2004, aliadas à nossa própria tecnologia. Assim, a margem financeira gerencial cresceu R$ 97 milhões entre os
trimestres, impulsionada pelo crescente volume das operações de crédito e pelo desenvolvimento de produtos capazes
de gerar maiores margens financeiras. As estratégias de crédito fizeram com que o resultado de créditos de liquidação
duvidosa atingisse R$ 308 milhões, crescendo 51,3% em relação ao trimestre anterior, sendo que no período tivemos a
ampliação de R$ 106 milhões do saldo da provisão excedente para créditos de liquidação duvidosa. O incremento das
operações de empréstimo e financiamento foi também o principal responsável pelo impacto positivo de R$ 54 milhões
na receita de prestação de serviços. Já a expansão da rede de lojas e a crescente utilização de recursos operacionais fez
com que as despesas não decorrentes de juros tivessem crescimento de R$ 58 milhões entre os trimestres. Por fim, o
aumento do volume de operações resultou na ampliação das despesas tributárias de ISS, PIS e COFINS, sendo responsável
em parte pela variação de R$ 30 milhões observada no item Outros.
Corporação
O resultado da Corporação decorre basicamente do resultado financeiro vinculado à aplicação do nosso excesso
de capital, bem como da eventual ocorrência de itens extraordinários no resultado. Assim, o lucro líquido da
corporação no quarto trimestre de 2005 atingiu R$ 66 milhões.
10 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Sumário Executivo
Quarto Trimestre de 2005
As demonstrações contábeis pro forma dos nossos segmentos Itaubanco, Itaú BBA, Itaucred e Corporação,
apresentadas abaixo, baseiam-se em informações gerenciais e refletem de maneira mais fiel o desempenho das
nossas diversas unidades de negócio. Foram observadas as seguintes variações nas demonstrações do resultado
dos segmentos entre o quarto e o terceiro trimestres de 2005:
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO PRO FORMA POR SEGMENTO
R$ Milhões
Margem Financeira Gerencial
Resultado de Créditos de Liquidação Duvidosa
Receitas de Prestação de Serviços
Despesas não Decorrentes de Juros 1
Imposto de Renda e Contribuição Social
Outros 2
2.135
(671)
1.741
(2.120)
(281)
84
2.124
(657)
1.653
(1.992)
(191)
(152)
11
(14)
88
(128)
(90)
236
2.487
(259)
1.627
(2.082)
(425)
(17)
Margem Financeira Gerencial
Resultado de Créditos de Liquidação Duvidosa
Receitas de Prestação de Serviços
Despesas não Decorrentes de Juros 1
Imposto de Renda e Contribuição Social
Outros 2
554
127
108
(234)
340
77
100
(141)
214
50
8
(94)
379
27
84
(189)
(119)
(56)
(50)
(39)
(69)
(17)
(70)
10
Margem Financeira Gerencial
Resultado de Créditos de Liquidação Duvidosa
Receitas de Prestação de Serviços
Despesas não Decorrentes de Juros 1
Imposto de Renda e Contribuição Social
Outros 2
732
(308)
276
(517)
(23)
(68)
635
(203)
221
(459)
(36)
(38)
97
(104)
54
(58)
13
(30)
338
(42)
89
(216)
(39)
(25)
Margem Financeira Gerencial
Receitas de Prestação de Serviços
Despesas não Decorrentes de Juros 1
Imposto de Renda e Contribuição Social
Resultado Extraordinário
Outros 3
230
(4)
(37)
34
(156)
232
(3)
(14)
(21)
(34)
(2)
(1)
(23)
55
(122)
193
(1)
(5)
(7)
(794)
(34)
(1) Inclui as Despesas de Pessoal, Outras Despesas Administrativas, Despesas Tributárias de CPMF e Outros Tributos e Outras Despesas Operacionais.
(2) Inclui o Resultado com Operações de Seguros, Previdência e Capitalização, Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS, Outras Receitas Operacionais, Resultado não Operacional e Participações no Lucro.
(3) Inclui Resultado de Créditos de Liquidação Duvidosa, Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS, Resultado de Participação em Coligadas, Outras Receitas Operacionais, Resultado não Operacional,
Participações no Lucro e Participações Minoritárias nas Subsidiárias.
11 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Análise do Resultado Consolidado
Análise do Resultado Consolidado
onsolidado
An
Resultado
Consolidado
Análise
Consolid
12 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Análise do Resultado Consolidado
Juros e Câmbio
O quarto trimestre de 2005 foi marcado pelo movimento
de redução gradual da taxa básica de juros (Selic) pelo
Banco Central. Desta forma, a taxa básica passou de 19,5%
a.a., em setembro de 2005 para 18,0 % a.a. em 31 de
dezembro de 2005.
As atuações do Banco Central no mercado de moedas
acabou por inverter a tendência de valorização do real
frente ao dólar norte-americano, observada nos últimos
trimestres. Assim, ao final do quarto trimestre, o dólar foi
cotado a R$ 2,3407 , ao passo que em 30 de setembro de
2005, a cotação havia sido de R$ 2,2222 , o que corresponde
a uma variação de 5,3% no trimestre.
O risco país (EMBI) atingiu 305 pontos base no final do
quarto trimestre, apresentando uma queda de 11,3% na
comparação com o nível alcançado no trimestre anterior.
Esta variação evidencia a significativa melhora havida na
percepção de risco durante o trimestre.
Índices Macroeconômicos
Risco País (EMBI)
CDI
Dólar
Dólar (Cotação em R$)
IGPM
Poupança (TR + 6% a.a.)
305
4,3%
5,3%
2,3407
1,0%
2,1%
344
4,7%
-5,5%
2,2222
-1,5%
2,4%
383
4,0%
-7,1%
2,6544
2,0%
2,0%
305
19,0%
-11,8%
2,3407
1,2%
9,2%
383
16,2%
-8,1%
2,6544
12,4%
8,1%
O Resultado do Quarto Trimestre de 2005
Obtivemos um lucro líquido consolidado de R$ 1.425
milhões no quarto trimestre de 2005. Este resultado
equivale a um aumento de 5,4% sobre o lucro líquido
alcançado no trimestre anterior e corresponde a um
retorno anualizado sobre o patrimônio líquido médio de
42,5%. É importante salientar que pelo décimo quarto
trimestre consecutivo o retorno anualizado sobre o
patrimônio líquido médio ficou acima da taxa de 30%.
O saldo do patrimônio líquido, desconsiderando a parcela
dos acionistas minoritários, totalizou R$ 15.560 milhões
em 31 de dezembro de 2005, evoluindo 2,2% em relação
ao trimestre anterior.
O nosso saldo total de ativos somou R$ 151.241 milhões,
crescendo 4,5% na comparação com o período anterior.
O retorno sobre o total de ativos médio (ROA) atingiu o
nível de 3,9% a. a. no último trimestre.
O nosso índice de solvabilidade (Basiléia) alcançou a taxa
de 17,0% em dezembro de 2005, apresentando uma
redução de 0,6 ponto percentual em relação ao terceiro
trimestre do ano. Esta queda está associada basicamente
a variações do ativo ponderado - vinculadas por sua vez
ao crescimento da carteira de crédito - bem como pela
distribuição de Juros sobre o Capital Próprio e aquisição
de ações próprias para tesouraria.
No quarto trimestre de 2005, o avanço dos negócios
vinculados ao financiamento do consumo, às operações
com cartões de crédito e aos empréstimos às micro,
pequenas e médias empresas continuou a causar grande
13 Análise Gerencial da Operação
impacto no nosso desempenho, gerando uma importante
contribuição para o resultado. No final do período, os ativos
de crédito correspondiam a 40,1% do total de ativos da
instituição ante uma participação de 38,4% no trimestre
anterior, evidenciando a profunda alteração de mix de
ativos pela qual o banco vem passando nos últimos
trimestres.
O saldo total da carteira de crédito, incluindo avais e fianças,
teve um sólido crescimento de 10,0% no período, somando
R$ 67.756 milhões em 31 de dezembro de 2005.
Nossas operações voltadas para os clientes pessoa física mais
uma vez destacaram-se com o incremento de 12,1% no saldo
das operações, totalizando R$ 28.691 milhões.
Impulsionado pelo incremento sazonal da atividade comercial,
o qual caracteriza o último trimestre do ano, o saldo das
operações de cartão de crédito cresceu 21,8% no trimestre,
alcançando R$ 7.216 milhões. No entanto, coube à carteira de
veículos apresentar o maior crescimento absoluto do período,
atingindo R$ 11.155 milhões no final do trimestre, o que
corresponde a um aumento de R$ 1.699 milhões em relação
ao saldo do trimestre anterior. Por outro lado, a carteira de
crédito pessoal atingiu R$ 10.320 milhões e sofreu o impacto
da liquidação de operações (particularmente, nos empréstimo
em conta corrente) associada principalmente ao recebimento
do décimo-terceiro salário, juntamente com a adoção de uma
maior seletividade na concessão de crédito, fazendo com que
o seu aumento ficasse restrito a 1,1% em relação ao saldo do
trimestre anteiror.
O saldo de nossa carteira de clientes pessoa jurídica apresentou
um aumento de 8,8% no trimestre, somando R$ 34.524
milhões. O volume de crédito concedido aos clientes micro,
pequenas e médias empresas aumentou 11,2% no período,
atingindo R$ 12.784 milhões. Da mesma forma, as operações
de crédito das grandes empresas cresceram 7,4% no trimestre,
totalizando R$ 21.740 milhões. Este aumento está em parte
associado à variação cambial ocorrida no período. No entanto,
neste trimestre as operações em moeda nacional das grandes
empresas apresentaram um aumento significativo, atingindo
R$ 13.820 milhões ante um saldo de R$ 13.070 milhões no
trimestre anterior.
Composição da Carteira de Crédito
100%
90%
80%
39,0%
37,6%
34,8%
32,9%
32,1%
7,6%
7,2%
6,9%
6,7%
8,5%
18,4%
19,0%
18,7%
18,9%
18,2%
29,9%
34,3%
36,4%
38,9%
41,5%
42,3%
set-04
dez-04
mar-05
jun-05
set-05
dez-05
42,5%
70%
60%
50%
9,1%
40%
18,4%
30%
20%
10%
0%
Pessoas Físicas
Créditos Direcionados
Micro / Pequenas e Médias Empresas
Grandes Empresas
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Análise do Resultado Consolidado
A forte expansão das operações de empréstimo e financiamento
tem introduzido uma significativa alteração em nossas fontes de
receita, gerando uma importante contribuição para a margem
financeira e para as receitas de prestação de serviços. Os efeitos
líquidos da estratégia de concessão de crédito podem ser
observados no quadro abaixo, onde apresentamos o produto
bancário ajustado, formado pela margem financeira gerencial
das operações bancárias e pelas receitas de prestação de serviços
geradas pelas operações de crédito e de cartões de crédito, líquidas
das despesas tributárias de PIS e COFINS e do resultado de créditos
de liquidação duvidosa ajustado.
No quarto trimestre de 2005, o produto bancário ajustado
atingiu R$ 3.240 milhões, crescendo R$ 280 milhões em relação
ao trimestre anterior. A taxa obtida a partir da divisão do
produto bancário ajustado pelo saldo médio da carteira de
crédito foi de 23,1% a.a. no quarto trimestre, o que corresponde
a uma sensível elevação em relação a taxa de 22,7% a.a. obtida
no trimestre anterior.
Contribuição da Mudança de Mix da Carteira de Crédito
Margem Financeira Gerencial - Operações Bancárias (A)
Receitas de Serviços com Operações de Crédito e Cartões de Crédito (B)
Despesas Tributárias de PIS e COFINS (C)
Ajuste 1 - Resultado de Créditos de Liquidação Duvidosa (E)
Ajuste 2 - Revisão de Classificação - Operações com Garantia Real (F)
Ajuste 3 - Provisão Excedente (G)
Margem Financeira Gerencial - Operações Bancárias (A) (**)
Receitas de Serviços com Operações de Crédito e Cartões de Crédito (B)
Despesas Tributárias de PIS e COFINS (C)
Ajuste 1 - Resultado de Créditos de Liquidação Duvidosa (E)
Ajuste 2 - Revisão de Classificação - Operações com Garantia Real (F)
Ajuste 3 - Provisão Excedente (G)
R$ Milhões
3.351
888
(197)
3.104
770
(180)
2.956
732
(171)
2.607
684
(153)
12.017
3.074
(702)
(971)
170
(784)
50
(491)
(135)
-
(594)
150
(2.840)
(135)
370
2.254
613
(133)
2.309
490
(130)
2.098
458
(119)
2.040
415
(114)
8.701
1.976
(496)
(274)
0
(256)
0
(206)
0
-
(199)
94
(935)
0
94
(*) Saldo médio da carteira de crédito líquida das operações nonperforming.
(**) Margem Financeira Gerencial ajustada excluindo os ítens eventuais no valor de R$ 612 milhões ocorridos no 4º Trim./04.
Os impactos decorrentes da nossa estratégia de direcionamento do
crédito para produtos capazes de gerar maior margem financeira
gerencial podem ser melhor entendidos quando refletimos sobre os
dados apresentados nos gráficos abaixo, criados a partir de
informações públicas do Banco Central do Brasil.
O gráfico à esquerda apresenta a evolução histórica do spread médio
e da inadimplência no mercado de crédito pessoal. A queda observada
do nível de inadimplência e a redução do spread médio coincidem
com a introdução, em larga escala, dos produtos de crédito consignado
no mercado de crédito pessoal. Estes produtos oferecem baixo risco
de inadimplência - porém, menores spreads – e têm apresentado
uma significativa expansão no mercado, ganhando crescente
relevância na carteira dos bancos.
Já o gráfico à direita, apresenta um comparativo entre o nosso
mix e o mix médio do mercado nos anos de 2004 e 2005. Podemos
notar que o volume relativo de crédito consignado em nossa
carteira vem crescendo, porém em menor proporção que a média
do mercado. Isto ocorre em razão de nossa decisão estratégica
de privilegiar os produtos com maiores spreads.
Assim, desta significativa diferenciação de mix resulta uma maior
capacidade de geração de receitas e, simultaneamente, um maior
nível de provisionamento para fazer frente ao risco de crédito.
Acreditamos, ainda, que a contribuição positiva desta estratégia
para a formação do nosso resultado poderá ser ampliada em um
cenário de taxas de juros decrescentes.
Evolução do Spread Médio e Inadimplência do Mercado de
Crédito Pessoal (*)
Participação do Crédito com Consignação na Carteira de
Crédito - Itaú x Mercado (*)
8,2%
8,4%
5,28%
7,1%
64,1%
63,5%
64,6%
5,8%
6,0%
52,8%
50,7%
3,51%
2,48%
1,31%
2004
dez/01
dez/02
Spread Médio
dez/03
dez/04
dez/05
Inadimplência (acima de 90 dias)
2005
Itaú
Mercado
(*) Fonte: Banco Central.
(*) Fonte: Banco Central. Inadimplência considerando operações vencidas há mais de 90 dias.
14 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Análise do Resultado Consolidado
Margem Financeira Gerencial
No quarto trimestre de 2005, nossa margem financeira
gerencial alcançou R$3.650 milhões, o que corresponde
a uma elevação de 9,6% em relação à margem financeira
gerencial do trimestre anterior. O significativo
crescimento do volume da carteira de crédito,
juntamente com a mudança do seu mix, continuou
sendo o principal pilar da elevação da margem
financeira gerencial, gerando um acréscimo de R$ 223
milhões na margem financeira dos empréstimos no
período. Além disso, o ambiente macro-econômico
favorável e a consequente redução do risco de maior
volatilidade dos mercados financeiros levou à reversão
de R$ 30 milhões do saldo da provisão adicional para
cobrir riscos de oscilação presente e futura nas cotações
dos títulos e valores mobiliários. Esses fatores
contribuíram para que a margem financeira das
operações bancárias apresentasse um aumento de R$
247 milhões em relação ao período anterior, totalizando
R$ 3.351 milhões no quarto trimestre de 2005.
Da mesma forma, o desempenho de nossa tesouraria
foi positivo no último trimestre do ano, elevando em
R$ 86 milhões a margem financeira gerencial de
tesouraria, a qual atingiu R$ 134 milhões. Contribuíram
para este resultado as estratégias adotadas nos
mercados nacionais de renda fixa local e câmbio,
simultaneamente à posições assumidas no mercado
internacional de dívida soberana.
Por fim, a redução de R$ 13 milhões observada na
margem financeira da administração do risco cambial
dos investimentos no exterior - líquida de efeitos fiscais
– foi decorrente da queda da taxa do CDI ocorrida no
período.
Em razão da conjunção dos fatores descritos acima, a
taxa anualizada da margem financeira gerencial do
quarto trimestre atingiu 14,3%, apresentando uma
significativa evolução em relação à taxa de 13,5% obtida
no trimestre anterior.
Análise da Margem Financeira Gerencial
• Média de (Disponibilidades + Aplicações Interf. de Liquidez + TVM(*) Captações no Mercado Aberto - Instrumentos Financeiros Derivativos)
• Média de Relações Interfinanceiras e Interdependências
• Média da Carteira de Câmbio Líquida
• Média das Operações de Crédito (**)
R$ Milhões
33.682
12.856
(240)
56.124
34.271
12.556
(284)
52.252
33.970
12.326
(217)
51.702
33.644
9.872
(194)
40.932
Obs: O saldo médio do trimestre é obtido pela média aritmética entre o saldo do último dia do trimestre atual e do trimestre anterior. O Saldo médio do acumulado no ano é obtido pela média
aritmética dos saldos do último dia dos últimos cinco trimestres ( (Dez + Mar + Jun + Set + Dez) / 5 ).
(*) Títulos e Valores Mobiliários. (**) Saldo médio da carteira de crédito líquida das operações nonperforming.
15 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Análise do Resultado Consolidado
Resultado de Créditos de Liquidação Duvidosa
Análise do Resultado de Créditos de Liquidação Duvidosa
R$ Milhões
4º Trim./05
PJ
PF
Total
PF
3º Trim./05
PJ
Total
(Constituição)/Reversão Genérica
(Constituição)/Reversão Específica
(128)
(777)
(26)
(115)
(155)
(892)
(100)
(722)
(55)
(148)
(155)
(870)
Sub Total (Constituição)/Reversão
(905)
(141)
(1.047)
(822)
(203)
(1.024)
Provisão Excedente
(170)
(50)
(1.217)
(1.074)
Recuperação de Créditos Baixados como Prejuízo
246
291
Resultado de Créditos de Liquidação Duvidosa
(971)
(784)
Despesa com Prov. para Créditos de Liquidação Duvidosa
No quarto trimestre de 2005, a nossa despesa com
provisões para créditos de liquidação duvidosa atingiu
R$ 1.217 milhões, o que equivale a um aumento de
13,3% em relação às despesas do trimestre anterior.
Deste total, R$ 170 milhões estão associados à
constituição de provisões excedentes ao mínimo
requerido pela autoridade supervisora da atividade
bancária no Brasil. O reforço no saldo da provisão
excedente tem por objetivo permitir a absorção de
eventuais aumentos do nível de inadimplência
ocasionados por uma reversão do ciclo econômico. Sua
quantificação está baseada no histórico das carteiras
de crédito em períodos de crise econômica e o aumento
do saldo de provisão acompanha o crescimento da
carteira. Desta forma, o saldo da provisão excedente
para créditos de liquidação duvidosa totalizou R$ 1.370
milhões em 31 de dezembro de 2005, com aumento de
14,2% em relação a setembro.
Desconsiderando o impacto associado à constituição
de provisões excedentes, observa-se que a despesa
vinculada à constituição de provisões genéricas e
específicas teve variação de 2,2% entre os períodos,
somando R$ 1.047 milhões no quarto trimestre.
Non Performing Loans
Total Non Performing Loans (a)
PDD
Carteira de Crédito (b)
Índice NPL [ (a) / (b) ] x 100
A significativa expansão da carteira de financiamento
do consumo e a evolução das operações em atraso
ampliaram em 10,2% a despesa com a constituição de
provisões para risco de crédito das operações com
clientes pessoa física, a qual totalizou R$ 905 milhões.
Este aumento foi parcialmente compensado por uma
redução de 30,4% na despesa associada ao risco de
crédito de clientes pessoa jurídica, que somou R$ 141
milhões no trimestre.
A recuperação de créditos baixados como prejuízo
totalizou R$ 246 milhões após um intenso esforço de
cobrança que realizamos no mês de dezembro entre
clientes do varejo, aproveitando a entrada dos recursos
do 13° salário na economia.
O nosso foco comercial em produtos de crédito com
maiores margens - mas que agregam ao mesmo tempo
maior risco de crédito - fez com que o índice de
nonperforming loans apresentasse uma ligeira elevação
no trimestre, atingindo 3,5% ante a taxa de 3,3% do
período anterior.
Índice de Cobertura (*)
220% 221%
203% 200% 192%
198% 202% 204% 210%
R$ Milhões
2.137
(4.107)
60.636
3,5%
1.824
(3.656)
55.573
3,3%
1.593
(3.242)
52.348
3,0%
(a) Operações de crédito vencidas há mais de 60 dias, e que não geram apropriação de receitas
no regime de competência.
(b) Não Inclui Avais e Fianças.
16 Análise Gerencial da Operação
dez/03 mar/04 jun/04 set/04 dez/04 mar/05 jun/05 set/05
dez/05
(*) Saldo de PDD / Saldo de Nonperforming Loans
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Análise do Resultado Consolidado
Carteira Anormal (*)
A folga da provisão para créditos de liquidação duvidosa
em relação a todo o montante em atraso da carteira
aumentou R$ 93 milhões no período, alcançando
R$ 149 milhões.
R$ Milhões
Carteira Anormal
PDD Total
Folga
3.959
(4.107)
149
3.600
(3.656)
56
3.185
(3.242)
57
(*) Carteira Anormal é o total das operações com parcela vencida há mais de 15 dias.
Movimentação da Carteira de Crédito
R$ Milhões
Novas Operações
9.581
14.984
24.565
8.227
14.433
22.660
Atualizações e Amortizações
(1.255)
(1.131)
(2.386)
(1.461)
(1.931)
(3.392)
Liquidações
(4.480)
(11.867)
(16.347)
(3.501)
(11.886)
(15.387)
(671)
(98)
(768)
(575)
(81)
(656)
Write-off
Movimentação da Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
R$ Milhões
Novas Operações
(628)
(180)
(808)
(476)
(322)
(798)
Transferências de Risco
(719)
(123)
(842)
(683)
(61)
(744)
Atualizações e Amortizações
(497)
(99)
(596)
26
14
41
Liquidações
939
260
1.199
311
166
477
Constituição de Provisão Excedente
(170)
(170)
(170)
(50)
(50)
(50)
(1.074)
Despesa Total
(905)
(142)
(1.217)
(822)
(203)
Write-off
671
98
768
575
81
656
Variação Cambial do Saldo de Provisão no Exterior
-
(3)
(3)
4
4
17 Análise Gerencial da Operação
-
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Análise do Resultado Consolidado
Receitas de Prestação de Serviços
R$ Milhões
Receita de Administração de Fundos
Receita de Administração de Consórcios
415
16
430
15
(15)
0
Operações de Crédito
Rendas de Garantias Prestadas
349
23
300
20
48
3
Rendas de Cobrança
Tarifa Interbancária (Títulos, Cheques e Doc)
Serviços de Arrecadações
107
51
62
103
51
63
4
1
(1)
Serviços de Câmbio
Rendas de Corretagem
Rendas Consulta a Serasa
Rendas de Serv. Custódia e Adm. de Carteiras
Outros Serviços
6
44
66
19
49
7
34
47
19
62
(1)
10
19
0
(12)
No quarto trimestre de 2005, as Receitas de Prestação
de Serviços totalizaram R$ 2.121 milhões, o que
representa um crescimento de R$ 150 milhões frente
aos R$ 1.971 milhões do trimestre anterior.
O índice de cobertura das Despesas de Pessoal pelas Receitas
de Prestação de Serviços apresentou significativa melhora
atingindo 202,3% no quarto trimestre de 2005 frente aos
185,8% do terceiro trimestre. Comparadas às Despesas não
Decorrentes de Juros, as Receitas de Prestação de Serviços
apresentaram um índice de cobertura de 72,7%, contra os
76,3% do trimestre anterior.
O aumento das Receitas de Prestação de Serviços foi
impulsionado pelas Operações de Crédito que
apresentaram crescimento de 16,0%, totalizando R$
349 milhões no quarto trimestre. Essa variação foi
ocasionada pelo aumento do volume de
financiamento de veículos, leasing e crediário.
A redução de R$ 15 milhões nas Receitas de
Administração de Fundos, detalhada na análise de
segmentos, é decorrente da menor quantidade de dias
úteis no quarto trimestre, que tem efeito sobre as taxas
de administração.
O crescimento de 14,7% nas receitas de Cartões de Crédito
que totalizaram R$ 539 milhões no período, deve-se
principalmente ao aquecimento da atividade econômica,
característico do trimestre, e ao aumento da base de clientes
e está discutido na análise de segmentos.
O aumento de R$ 24 milhões nos Serviços de Conta
Corrente é decorrente da maior utilização de serviços
pelos clientes, relacionado ao aquecimento da atividade
econômica, característico do final do ano, do reajuste
de tarifas e da maior ênfase que o Banco Itaú BBA vem
dando à prestação de serviços.
Índice de Cobertura das Receitas de Prestação de Serviços
sobre as Despesas Não Decorrentes de Juros(*)
Quantidades de Clientes Ativos(*) e Contas Correntes
Em Milhões
14,7
4ºt.03
1ºt.04
2ºt.04
3ºt.04
4ºt.04
1ºt.05
2ºt.05
3ºt.05
4ºt.05
(*) Calculado pela divisão das Receitas de Prestação de Serviços pelas Despesas de Pessoal e
pelas Despesas Não Decorrentes de Juros (Despesas de Pessoal, Outras Despesas
Administrativas, Outras Despesas Operacionais e Despesas Tributárias de CPMF e Outros).
18 Análise Gerencial da Operação
Dez/03 Mar/04
Jun/04
Set/04
Dez/04 Mar/05
Jun/05
Set/05
14,7
Dez/05
(*) Conceitualmente, um cliente (representado por um CPF/CNPJ) é considerado como ativo
quando, realiza uma ou mais movimentações em conta corrente nos últimos seis meses ou
possui saldo médio em conta não nulo.
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Análise do Resultado Consolidado
Despesas Não Decorrentes de Juros
R$ Milhões
Despesas de Pessoal
Remuneração
Encargos
Benefícios Sociais
Treinamento
Desligamento de Funcionários e Proc.Trabalhistas
Abono Especial / Único
Outras Despesas Administrativas
Processamento de Dados e Telecomunicações
Depreciação e Amortização
Instalações
Serviços de Terceiros
Serviços do Sistema Financeiro
Propaganda, Promoções e Publicações
Transportes
Materiais
Segurança
Legais e Judiciais
Viagens
Outras
Outras Despesas Operacionais
Provisão para Contingências
Fiscais e Previdenciárias
Ações Cíveis
Outras Provisões para Contingências
Comercialização - Cartões de Crédito
Sinistros
Outras Despesas Operacionais
Despesas Tributárias
CPMF
Outros Tributos
TOTAL DESPESAS NÃO DECORRENTES DE JUROS
4º Trim/05
3º Trim/05
1.046
607
186
156
17
82
(2)
1.422
320
179
202
239
108
132
54
48
38
20
16
67
377
83
4
70
8
64
59
171
65
41
23
1.062
563
184
146
16
90
65
1.245
303
138
183
209
92
107
48
47
34
14
13
58
220
96
16
80
62
54
8
79
51
28
2.909
(517)
(160)
(239)
(118)
(198)
(715)
(-) Itaucred
(-) Veículos
(-) Cartões de Crédito Não Correntistas (*)
(-) Taií
(-) Orbitall (**)
Total do Efeito de Iniciativas Estratégicas
TOTAL DESP. Ñ DECOR. JUROS S/ INIC. ESTRAT.
2.194
2.606
(459)
(129)
(228)
(103)
(129)
(588)
2.018
Variação
4ºT05 - 3ºT05
(16)
44
2
10
1
(8)
(67)
177
17
41
19
31
16
25
6
1
3
6
3
9
157
(13)
(12)
(10)
8
2
4
163
(14)
(10)
(4)
303
(58)
(32)
(11)
(15)
(69)
(127)
176
2005
2004
4.034
2.226
695
588
58
405
63
4.946
1.181
613
716
832
372
385
194
165
138
74
49
227
1.141
415
47
333
35
250
187
288
337
248
89
3.320
1.881
583
477
48
305
25
4.308
1.077
604
569
660
323
305
185
143
128
65
46
203
1.164
534
139
335
60
211
83
337
241
168
73
10.457
9.033
(1.628)
(530)
(828)
(269)
(632)
(2.260)
8.198
(806)
(344)
(427)
(35)
(270)
(1.076)
7.958
Variação
2005 - 2004
715
346
112
111
9
99
37
638
104
9
146
173
49
79
9
22
11
9
4
24
(24)
(119)
(92)
(2)
(25)
40
105
(49)
95
80
16
1.424
(822)
(186)
(401)
(234)
(362)
(1.184)
240
(*) Variação anual influenciada pelo aumento da participação no Credicard de 33% para 50%.
(**) Variação anual influenciada pelo aumento da participação na Orbitall de 33% para 100%.
As despesas não decorrentes de juros totalizaram R$ 2.909
milhões no quarto trimestre de 2005. Com relação ao
trimestre anterior, cujas despesas eram R$ 2.606 milhões,
houve aumento de R$ 303 milhões, associado ao
crescimento no número de funcionários, na quantidade
de pontos de atendimento e no volume de transações.
Dessa variação, R$ 58 milhões são devidos ao segmento
Itaucred, composto por Itaucred Veículos, Cartões de
Crédito Não Correntistas e Taií, cada um com R$ 32 milhões,
R$ 11 milhões e R$ 15 milhões, respectivamente.
O total desse segmento passou de R$ 459 milhões, no terceiro
trimestre, para R$ 517 milhões, no último trimestre do ano,
com aumento de 27,1% nos pontos de atendimento.
Despesas Não Decorrentes de Juros
1ºt.04
2ºt.04
3ºt.04
4ºt.04
1ºt.05
19 Análise Gerencial da Operação
R$ Milhões
2ºt.05
3ºt.05
No mesmo período, a Orbitall variou R$ 69 milhões, de R$
129 milhões para R$ 198 milhões, impulsionados
basicamente pelos esforços de venda.
Assim, nossas recentes iniciativas estratégicas, Itaucred mais
Orbitall, foram responsáveis por um aumento de 41,9%, R$ 127
milhões, na variação entre o quarto e o terceiro trimestres.
O total de despesas não decorrentes de juros sem o efeito
das recentes iniciativas estratégicas cresceu 8,7%, de R$
2.018 milhões para R$ 2.194 milhões.
Despesas de Pessoal
As despesas de pessoal não acompanharam o aumento do
total das despesas e encerraram o quarto trimestre com queda
de R$ 16 milhões, em relação ao terceiro trimestre.
Essa diminuição é explicada pelo pagamento do abono único
de R$1.700,00 em setembro de 2005.
Remunerações, Encargos e Benefícios Sociais sofreram
aumentos na comparação trimestral ocasionados pelo reajuste
salarial da categoria, de 6,0%, válido a partir do último mês do
terceiro trimestre e também pelo aumento de 1.490 funcionários,
sendo 566 promotores de vendas, encerrando o ano com 51.036,
contra 49.546 referente ao terceiro trimestre. Nossas recentes
iniciativas estratégicas contribuíram com 64,0% deste
crescimento, aumentando nosso quadro em 954 pessoas.
4ºt.05
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Análise do Resultado Consolidado
Outras Despesas Administrativas
O segundo grupo de despesas, Outras Despesas
Administrativas, totalizou, no quarto trimestre de 2005, R$
1.422 milhões, o que ocasionou um aumento de R$ 177
milhões em relação ao trimestre anterior.
Dentre as variações mais relevantes, destacam-se R$ 41
milhões em Depreciação e Amortização, explicados pela
depreciação total de bens com valor menor de R$ 3.000,00,
que vem sendo realizada pelo Itaú e, por equalização de
critérios, pela primeira vez, foi também efetuada em algumas
empresas do exterior, Itaú BBA, Credicard e Orbitall.
Algumas despesas tiveram forte influência das recentes
iniciativas estratégicas, causando maiores custos no
quarto trimestre do ano recém encerrado. Esses impactos
foram em Processamento de Dados e Telecomunicações,
Serviços de Terceiros, principalmente em gastos com
telemarketing, e Propaganda, Promoções e Publicações,
devido aos esforços de vendas.
Outras despesas, tais como Água, Energia e Gás são
sazonais e concentradas no final do ano. Também houve
um aumento de R$ 10 milhões em despesas com
manutenção e conservação de agências.
Número de Funcionários (*) (**)(***)
Funcionários Exceto
Iniciativas Estratégicas
Itaucred Veículos
FIT
Orbitall
FIC
49.546
45.803
2.813
811
1.005
1.515
46.881
2.750
1.279
1.283
1.511
2.877
1.968
2.000
1.557
51.036
Despesas Tributárias com CPMF e Outros Tributos
As despesas com CPMF tiveram uma redução de R$ 10
milhões, do quarto para o terceiro trimestre, totalizando
R$ 41 milhões nos últimos três meses do ano.
Pagamentos de Juros Sobre Capital e Dividendos e a
CPMF associada às operações com debêntures da
Itauleasing no terceiro trimestre foram os responsáveis
pelo maior valor daquele período.
Índice de Eficiência
A manutenção do índice de eficiência praticamente
inalterado desde o quarto trimestre de 2004, apesar do
desenvolvimento das Iniciativas Estratégicas,
demonstra o rigoroso controle dos custos que vimos
adotando.
2.887
1.378
42.058
11
1.327
42.206
271
1.318
42.152
350
1.318
45.316
2.812
670
1.493
41.072
40.720
40.617
40.484
40.341
39.659
40.058
41.144
41.680
Dez/03
Mar/04
Jun/04
Set/04
Dez/04
Mar/05
Jun/05
Set/05
Dez/05
42.450
Outras Despesas Operacionais
As outras despesas operacionais totalizaram R$ 377
milhões no trimestre, apresentando um aumento de
R$ 157 milhões. Essa variação foi ocasionada pela
aquisição do direito à crédito das folhas de pagamento
da Prefeitura de São Paulo, os contratos de arrecadação
de tributos firmados com os Estados do Rio de Janeiro,
Minas Gerais e Goiás, a amortização antecipada do
Termo de Cooperação Técnica do Banestado e acertos
do pagamento realizado na associação com o Itaú BBA.
2.534
2.264
1.671
Índice de Eficiência
FIT: Operação de Lojas de Crédito Pessoal
FIC: Financeira Itaú CDB
(*) Inclui Orbitall e promotora de vendas do banco Intercap a partir de Dez/04.
(**) Inclui a FIC que, apesar do Itaú deter 50% de participação, está 100% consolidada.
(***) Não inclui o Credicard Banco que ao final de Dez/05 possuía 448 funcionários, onde o Itaú
detém 50% de participação.
58,9%
54,3%
56,8%
2ºt.04
3ºt.04
1ºt.04
48,0%
49,8%
50,8%
50,5%
50,1%
4ºt.04
1ºt.05
2ºt.05
3ºt.05
4ºt.05
Despesas Não Decorrentes de Juros (Despesas de Pessoal + Outras Despesas Administrativas +
Outras Despesas Operacionais + Despesas Tributárias com CPMF e Outros Tributos)
Índice de
Eficiência =
(Margem Financeira Gerencial + Receitas de Prestação de Serviços + Resultado Parcial de Seguros, Capitalização e Previdência +
Outras Receitas Operacionais + Despesas Tributárias de PIS/COFINS/ISS)
Volume de Transações no Auto-Atendimento
(Quantidade em milhões)
Caixas Eletrônicos
Período
Transação
Usual
Centrais de Atendimento
Warning (*)
Débito
Automático
Eletrônicas
Home & Office Banking
Personalizadas
Conexão Direta
Compras com
Cartão de Débito
Internet
Total
2002
946
192
284
179
52
38
306
89
2003
1.033
586
302
188
53
13
427
121
2.086
2.723
2004
1.074
692
322
170
48
0
525
158
2.987
2005
1°Trim./05
2°Trim./05
3°Trim./05
4°Trim./05
1.108
277
272
274
285
656
156
158
167
175
375
88
92
96
99
173
43
43
42
46
67
16
17
17
17
-
646
149
157
168
172
203
45
46
51
61
3.228
773
784
815
855
(*) Transação efetuada através de tela de aviso nos caixas eletrônicos.
20 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Análise do Resultado Consolidado
Histórico das Quantidades de Pontos de Atendimento (*)
23.436
23.760
822
800
795
2.324
2.274
2.262
23.193
23.279
851
2.321
20.021
20.133
Dez/03
Mar/04
24.421
24.423
791
792
776
776
2.289
2.304
20.362
20.703
21.150
Jun/04
Set/04
Dez/04
Caixas Eletrônicos
24.632
24.222
2.283
2.281
Agências
25.197
783
2.391
21.346
21.358
21.552
22.023
Mar/05
Jun/05
Set/05
Dez/05
Postos de Atendimento Bancário (PAB)
(*) Inclui Banco Itaú Buen Ayre e Banco Itaú BBA. Não inclui Taií.
Nossos clientes contam com uma rede de atendimento
de 25.197 pontos. São 565 pontos a mais em dezembro
de 2005, quando comparado com setembro do mesmo
ano. Os caixas eletrônicos totalizam 22.023 em todo o
país e no exterior. Nossas agências e PAB´s atingiram 3.174
unidades, aumentando em 94 no quarto trimestre.
No ramo de crédito ao consumidor, a financeira Taií
conta com 130 pontos de atendimento. Na sua
associação com a Companhia Brasileira de Distribuição
- CBD (FIC) são 308 pontos.
Unidos, reconhecemos integralmente o montante remanescente
de R$ 120 milhões referente a esses recursos (Ver Nota Explicativa
20 das Demonstrações Contábeis Consolidadas).
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
As nossas despesas tributárias de ISS, PIS e COFINS
totalizaram R$ 442 milhões, com acréscimo de 18,7% em
relação ao trimestre anterior. O aumento de R$ 6 milhões
de ISS ocorreu em função do incremento das receitas
sujeitas à incidência desse imposto, ao passo que o
aumento de R$ 64 milhões de PIS e COFINS deveu-se
principalmente à tributação de receita de Juros sobre o
Capital Próprio referente ao pagamento efetuado entre
empresas do conglomerado.
Imposto de Renda e Contribuição Social
A despesa líquida de Imposto de Renda e Contribuição Social
sobre o Lucro Líquido do quarto trimestre de 2005 somou R$
388 milhões e aumentou 30,8% em relação ao trimestre anterior.
A elevação desta despesa está associada ao crescimento dos
resultados operacionais, bem como à redução da dedução da
despesa com Juros sobre Capital Próprio.
R$ Milhões
Clientes de Internet Banking
3,2
1,6
1,6
1,6
Dez/03 Mar/04 Jun/04
1,8
1,8
1,7
1,7
Set/04
Dez/04 Mar/05 Jun/05
Clientes que acessaram no mês
4,2
4,1
3,9
3,8
3,6
3,5
3,4
3,3
(Em milhões)
1,8
1,9
Set/05
Dez/05
4º Trim/05 3º Trim/05
Resultado antes do Imposto de Renda e
Contribuição Social
Imposto de Renda e Contribuição Social às
alíquotas de 25% e 9% respectivamente (A)
(Inclusões) Exclusões e Outros (B)
Variação Cambial de Investimentos no Exterior
Juros sobre o Capital Próprio
Outras
Sub Total (C) = (A) + (B)
Clientes cadastrados
Reclassificação da Variação Cambial sobre os
Investimentos no Exterior (D)
Reclassificação do Efeito Fiscal do Hedge dos
Investimentos no Exterior (E)
Imp. de Renda e Contribuição Social (C)+(D)+(E)
Outras Receitas Operacionais
As outras receitas operacionais somaram R$ 260 milhões
no quarto trimestre de 2005 e cresceram
significativamente em relação ao trimestre anterior.
Fundamentalmente, este aumento deve-se aos efeitos
decorrentes do término do contrato de parceria firmado
entre nós e a América Online Latin América Inc. (AOLA).
As nossas demonstrações contábeis apresentavam um saldo
remanescente, contabilizado no item Outras Obrigações Diversas,
vinculado a valores recebidos antecipadamente em razão do
nosso contrato de prestação de serviços com a AOLA. Estes
valores vinham sendo apropriados à receita na medida em que
eram realizados os gastos com os serviços contratados. Com o
encerramento do contrato autorizado pela justiça dos Estados
21 Análise Gerencial da Operação
1.951
1.985
(663)
(675)
12
324
101
184
134
(118)
212
40
40
190
219
(28)
0
(339)
(541)
202
2
(4)
6
(51)
248
(300)
(388)
(297)
(91)
(34)
Ao final do período, os créditos tributários correspondiam
a 31,9% do saldo do patrimônio líquido. A redução de 2,9
pontos percentuais observada neste índice está
fundamentalmente associada ao consumo de créditos
tributários referentes a prejuízos fiscais e à maior dedução
fiscal de perdas com operações de crédito.
Créditos Tributários x Patrimônio Líquido (%)
70,0%
61,0%
60,0%
55,9%
59,4%
50,0%
57,7%
54,5%
49,8%
43,3%
38,2%
40,0%
30,0%
34,6% 34,8%
33,0%
31,9%
20,0%
10,0%
0,0%
de
z-0
0
jun
-01
de
z-0
1
jun
-02
de
z-0
2
jun
-03
de
z-0
3
jun
-04
de
z-0
4
jun
-05
de
z-0
5
Cerca de 1,9 milhões de clientes acessaram o Internet
Banking no mês de dezembro de 2005. Este número é
pouco maior que o de setembro do mesmo ano. No final
do ano, estavam cadastrados 4,2 milhões de clientes.
Variação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Demonstrações Contábeis Pro Forma
Contábeis
Pro
Contábei
o forma
Demonstrações
Pro Form
22 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Demonstrações Contábeis Pro Forma
Capital Alocado
As informações financeiras pro forma foram ajustadas
de maneira a evidenciar os impactos associados à
alocação de capital a partir de modelo proprietário que
considera os riscos de crédito, de mercado e
operacionais, sem deixar de levar em consideração o
modelo regulamentar e o grau de imobilização.
Desta maneira, é possível determinar o Retorno sobre o
Capital Alocado (RAROC - Risk-Adjusted Return On
Capital), o que corresponde a uma medida de
performance consistentemente ajustada ao capital
necessário para dar suporte ao risco das posições
patrimoniais assumidas.
Os ajustes realizados no balanço patrimonial e na
demonstração do resultado do exercício basearam-se
em informações gerenciais das unidades de negócio.
A coluna da Corporação apresenta o resultado
associado ao excesso de capital e dívida subordinada,
assim como o resultado de equivalência patrimonial
das empresas que não estão associadas a cada um dos
Retorno sobre
Patrimônio
Líquido
Lucro Líquido
Patrimônio Líquido
23 Análise Gerencial da Operação
segmentos. Além disso, foram alocados à coluna da
Corporação o lucro das Participações Minoritárias nas
Subsidiárias e o Resultado Extraordinário.
Os efeitos fiscais do pagamento de Juros sobre o Capital
Próprio de cada segmento foram estornados e
posteriormente realocados a cada segmento de
maneira proporcional ao montante de capital Nível I,
enquanto as demonstrações contábeis foram ajustadas
para que o patrimônio líquido contábil fosse substituído
por funding a preços de mercado. Posteriormente, as
demonstrações contábeis foram ajustadas para
incorporar as receitas vinculadas ao capital alocado.
Por fim, o custo das dívidas subordinadas e a respectiva
remuneração a preços de mercado foram
proporcionalmente alocados aos segmentos, de acordo
com o capital alocado Nível I.
A seguir, apresentamos um esquema com as alterações
processadas nas demonstrações contábeis de forma a
refletir os impactos da alocação de capital.
Ajustes nas Demonstrações Contábeis
Ajuste nas
Demonstrações
Contábeis com a
substituição do
Patrimônio Líquido
contábil e dívidas
subordinadas por
funding aos preços de
mercado.
Ajuste nas
Demonstrações
Contábeis para inclusão
do Capital Alocado
(Nível I e Nível II),
calculado a partir de
modelos proprietários,
bem como sua
respectiva receita (CDI)
e despesa (custo da
dívida subordinada).
Retorno sobre
Capital Alocado
Nível I
Lucro Líquido
Pro Forma
Capital Alocado
Nível I
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Demonstrações Contábeis Pro Forma por Segmento
Apresentamos a seguir demonstrativos contábeis pro forma do Itaubanco, do Itaú BBA e da Itaucred valendo-se de informações
gerenciais geradas pelos modelos internos, de forma a refletir mais precisamente a atuação das unidades de negócio.
Em 31 de Dezembro de 2005
Disponibilidades
Aplicações Interfinanceiras de Liquidez
R$ Milhões
1.967
33.498
117
13.280
Aplicações Interfinanceiras de Liquidez- Ligadas
Outras
15.582
17.916
8.488
4.792
Títulos e Valores Mobiliários
Relações Interfinanceiras e Interdependências
Operações de Crédito
(Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa)
Outros Ativos
22.716
13.696
25.810
(2.657)
18.643
10.124
75
18.015
(342)
1.936
-
0
838
-
16.811
(1.109)
150
2.085
22.877
838
22.877
2.317
0
756
33.128
13.707
60.636
(4.107)
20.042
R$ Milhões
Depósitos
Depósitos - Ligadas
Outros
Captações no Mercado Aberto
Captações no Mercado Aberto - Ligadas
Outras
Recursos de Aceites e Emissão de Títulos
Relações Interfinanceiras e Interdependências
Obrigações por Empréstimos e Repasses
Instrumentos Financeiros Derivativos
Outras Obrigações
Prov. Técnicas de Seg., Prev. e Cap
50.761
20.664
4.712
46.049
15.582
5.082
-
-
10.415
3.992
11.569
3.776
6.639
3.992
5.039
846
2.147
1.261
23.038
14.640
438
261
6.959
2.560
4.043
-
-
50.520
-
50.520
-
22.031
11.569
-
22.031
51
2.648
-
17
1.415
-
4.961
1.043
9.156
2.436
29.701
14.640
Obs: O Consolidado não representa a soma das partes porque existem operações entre as empresas que foram eliminadas apenas no Consolidado.
Demonstração do Resultado Consolidado Pro Forma por Segmento
• Operações Bancárias
• Tesouraria
• Administração do Risco Cambial dos Investimentos no Exterior líquido de efeitos fiscais
Despesa de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
Recuperação de Créditos Baixados como Prejuízo
Receitas de Prestação de Serviços
Resultado de Operações com Seg., Prev. e Cap.
Despesas não Decorrentes de Juros
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
Resultado de Participações em Coligadas
Outras Receitas Operacionais
Resultado não operacional
R$ Milhões
2.080
(67)
304
206
732
-
235
(5)
3.351
134
121
44
-
-
165
(860)
189
(14)
140
(344)
36
(119)
(1.217)
246
1.741
218
(2.120)
(262)
224
108
(234)
(29)
4
276
0
(517)
(95)
31
(4)
(37)
(56)
38
1
2.121
218
(2.909)
(442)
38
260
9
0
1
(0)
10
Obs: O item Despesas não Decorrentes de Juros é composto por Despesas de Pessoal, Outras Despesas Administrativas, Despesas Tributárias de CPMF e Outros Tributos e Outras Despesas Operacionais.
24 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Demonstrações Contábeis Pro Forma por Segmento
Em 30 de Setembro de 2005
Disponibilidades
Aplicações Interfinanceiras de Liquidez
R$ Milhões
2.010
36.911
43
16.038
Aplicações Interfinanceiras de Liquidez - Ligadas
Outras
18.173
18.739
11.641
4.397
Títulos e Valores Mobiliários
Relações Interfinanceiras e Interdependências
Operações de Crédito
(Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa)
Outros Ativos
21.606
11.995
24.294
(2.852)
21.590
9.126
49
17.135
(277)
1.592
-
0
1.067
-
14.143
(526)
132
2.053
23.176
1.067
23.176
2.774
0
312
30.830
12.006
55.573
(3.656)
21.892
R$ Milhões
Depósitos
Depósitos - Ligadas
Outros
Captações no Mercado Aberto
Captações no Mercado Aberto - Ligadas
Outras
Recursos de Aceites e Emissão de Títulos
Relações Interfinanceiras e Interdependências
Obrigações por Empréstimos e Repasses
Instrumentos Financeiros Derivativos
Outras Obrigações
Prov. Técnicas de Seg., Prev. e Cap
49.636
21.954
7.966
41.670
18.173
3.782
-
-
44.488
-
-
44.488
10.185
4.117
9.973
-
20.433
3.675
6.510
4.117
9.973
-
20.433
4.915
2.548
1.716
1.753
25.906
13.486
329
520
6.845
1.889
4.233
-
29
2.326
-
18
1.248
-
4.753
3.030
8.590
1.884
31.673
13.486
Obs: O Consolidado não representa a soma das partes porque existem operações entre as empresas que foram eliminadas apenas no Consolidado.
Demonstração do Resultado Consolidado Pro Forma por Segmento
• Operações Bancárias
• Tesouraria
• Administração do Risco Cambial dos Investimentos no Exterior líquido de efeitos fiscais
Despesa de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
Recuperação de Créditos Baixados como Prejuízo
Receitas de Prestação de Serviços
Resultado de Operações com Seg., Prev. e Cap.
Despesas não Decorrentes de Juros
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
Resultado de Participações em Coligadas
Outras Receitas Operacionais
Resultado não operacional
R$ Milhões
1.992
4
241
47
635
-
235
(3)
3.104
49
127
51
-
-
178
(767)
110
(63)
140
(244)
41
-
(1.074)
291
1.653
183
(1.992)
(281)
32
100
(141)
(26)
4
221
0
(459)
(51)
17
(3)
(14)
(14)
17
(7)
1.971
183
(2.606)
(372)
17
45
3
1
1
0
5
Obs: O item Despesas não Decorrentes de Juros é composto por Despesas de Pessoal, Outras Despesas Administrativas, Despesas Tributárias de CPMF e Outros Tributos e Outras Despesas Operacionais.
25 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Demonstrações Contábeis Pro Forma por Sub-segmento
Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado Pro Forma por Sub-segmento
Abaixo são apresentados as demonstrações contábeis pro forma dos sub-segmentos Banking, Cartões de Crédito - Correntistas
e Seguros, Previdência e Capitalização e Gestão de Fundos e Carteiras Administradas do Itaubanco ajustados de forma a refletir
os impactos associados à alocação de capital em cada um desses sub-segmentos.
Em 31 de Dezembro de 2005
Disponibilidades
Aplicações Interfinanceiras de Liquidez
Títulos e Valores Mobiliários
Relações Interfinanceiras e Interdependências
Operações de Crédito
(Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa)
Outros Ativos
R$ Milhões
1.873
32.743
6.552
13.696
22.193
(2.528)
15.778
73
755
721
3.616
(128)
1.230
21
15.444
1.635
1.967
33.498
22.716
13.696
25.810
(2.657)
18.643
R$ Milhões
Depósitos
Captações no Mercado Aberto
Recursos de Aceites e Emissão de Títulos
Relações Interfinanceiras e Interdependências
Obrigações por Empréstimos e Repasses
Instrumentos Financeiros Derivativos
Outras Obrigações
Prov. Técnicas de Seg., Prev. e Cap
50.761
10.415
5.039
846
2.005
1.261
16.044
-
142
5.619
-
1.374
14.640
50.761
10.415
5.039
846
2.147
1.261
23.038
14.640
Demonstração do Resultado Pro Forma por Sub-segmento
• Operações Bancárias
• Tesouraria
• Administração do Risco Cambial dos Investimentos no Exterior líquido de efeitos fiscais
Despesa de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
Recuperação de Créditos Baixados como Prejuízo
Receitas de Prestação de Serviços
Transferência para Banking
Resultado de Operações com Seg., Prev. e Cap.
Despesas não Decorrentes de Juros
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
Outras Receitas Operacionais
Resultado não operacional
R$ Milhões
1.646
(67)
121
279
-
156
-
-
2.080
(67)
-
-
-
121
-
-
(860)
189
(754)
171
(106)
18
855
202
12
(1.497)
(151)
199
408
(344)
(58)
21
47
205
(174)
(32)
4
4
0
5
431
(202)
(106)
(22)
-
1.741
218
(2.120)
(262)
224
-
9
Obs: O item Despesas não Decorrentes de Juros é composto por Despesas de Pessoal, Outras Despesas Administrativas, Despesas Tributárias de CPMF e Outros Tributos e Outras Despesas Operacionais.
26 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Demonstrações Contábeis Pro Forma por Sub-segmento
Em 30 de Setembro de 2005
R$ Milhões
Disponibilidades
Aplicações Interfinanceiras de Liquidez
Títulos e Valores Mobiliários
Relações Interfinanceiras e Interdependências
Operações de Crédito
(Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa)
Outros Ativos
1.929
36.327
6.745
11.995
21.297
(2.657)
19.051
71
585
694
2.997
(195)
1.012
10
14.167
1.526
2.010
36.911
21.606
11.995
24.294
(2.852)
21.590
R$ Milhões
Depósitos
Captações no Mercado Aberto
Recursos de Aceites e Emissão de Títulos
Relações Interfinanceiras e Interdependências
Obrigações por Empréstimos e Repasses
Instrumentos Financeiros Derivativos
Outras Obrigações
Prov. Técnicas de Seg., Prev. e Cap
49.636
10.185
4.915
2.548
1.560
1.728
20.071
-
156
4.610
-
-
49.636
10.185
4.915
2.548
1.716
1.753
25.906
13.486
25
1.225
13.486
Demonstração do Resultado Pro Forma por Sub-segmento
R$ Milhões
• Operações Bancárias
• Tesouraria
• Administração do Risco Cambial dos Investimentos no Exterior líquido de efeitos fiscais
Despesa de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
Recuperação de Créditos Baixados como Prejuízo
Receitas de Prestação de Serviços
Transferência para Banking
Resultado de Operações com Seg., Prev. e Cap.
Despesas não Decorrentes de Juros
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
Outras Receitas Operacionais
Resultado não operacional
1.624
4
247
-
122
-
-
1.992
4
127
-
-
-
127
(668)
99
(99)
12
-
-
(767)
110
795
202
19
(1.381)
(182)
10
376
(350)
(53)
20
45
164
(156)
(24)
1
(3)
0
6
437
(202)
(105)
(22)
-
1.653
183
(1.992)
(281)
32
-
3
Obs: O item Despesas não Decorrentes de Juros é composto por Despesas de Pessoal, Outras Despesas Administrativas, Despesas Tributárias de CPMF e Outros Tributos e Outras Despesas Operacionais.
27 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Itaubanco - Banking
A demonstração de resultado do segmento Banking do Itaubanco abaixo está baseada nas demonstrações
contábeis pro forma do Banco Itaú.
R$ Milhões
• Operações Bancárias
• Tesouraria
• Administração do Risco Cambial dos Investimentos no Exterior líquido de efeitos fiscais
Despesa de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
Recuperação de Créditos Baixados como Prejuízo
Receitas de Prestação de Serviços
Resultado de Operações com Seg., Prev. e Cap.
Despesas não Decorrentes de Juros
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
Outras Receitas Operacionais
Resultado não operacional
1.646
(67)
1.624
4
22
(71)
121
127
(6)
(754)
171
(668)
99
(86)
72
1.057
12
(1.497)
(151)
199
997
19
(1.381)
(182)
10
60
(7)
(115)
31
188
4
(3)
6
Obs: O item Despesas não Decorrentes de Juros é composto por Despesas de Pessoal, Outras Despesas Administrativas, Despesas Tributárias de CPMF e Outros Tributos e Outras Despesas Operacionais.
O resultado do sub-segmento Banking no quarto
trimestre de 2005, alcançou R$ 536 milhões o que
equivale a um aumento de 0,3% em relação ao trimestre
anterior.
A margem financeira gerencial totalizou R$ 1.700 milhões,
o que corresponde a uma diminuição de R$ 55 milhões na
comparação dos trimestres. A principal razão para esta
queda foi a redução de R$ 71 milhões da margem financeira
de tesouraria, decorrente, por sua vez, do menor resultado
com derivativos de juros operados no Brasil. A despesa de
provisão para créditos de liquidação duvidosa apresentou
um crescimento de 12,9% no trimestre, sendo que neste
período foram constituidos R$ 45 milhões de provisão
excedente ao mínimo exigido pela autoridade bancária. A
recuperação de créditos baixados com prejuízo teve um
desempenho favorável no trimestre, em função de
campanha realizada no último mês do ano, resultando
num aumento de R$ 72 milhões na comparação dos
períodos.
As receitas de prestação de serviço cresceram R$ 60
milhões no quarto trimestre de 2005 e sofreram o
28 Análise Gerencial da Operação
impacto positivo do aumento do volume de crediário e
emprestimos para micro, pequenas e médias empresas,
assim como de uma maior utilização de serviços por
parte dos clientes, em razão do incremento sazonal da
atividade econômica.
As despesas não decorrentes de juros totalizaram R$
1.497 milhões no período, o que equivale a um aumento
de 8,4% em relação ao trimestre anterior. O crescimento
orgânico das operações do segmento foi responsável
por parte desse aumento, sendo que no trimestre foram
inauguradas 87 novas agências e instalados 471 caixas
eletrônicos.
O aumento de R$ 188 milhões das outras receitas
operacionais está fundamentalmente associado ao
encerramento do contrato de parceria firmado com a
América Online Latin América Inc. (AOLA), conforme
comentado anteriormente em item específico.
Por fim, um menor efeito fiscal associado ao pagamento
de Juros sobre o Capital Próprio fez com que as despesas
de imposto de renda e contribuição social sobre o lucro
líquido crescessem R$ 72 milhões entre os trimestres.
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Itaubanco - Cartões de Crédito - Correntistas
O demonstrativo contábil pro forma abaixo foi elaborado utilizando-se de informações internas do modelo
gerencial Itaú e objetiva identificar a performance dos negócios ligados a área de Cartões de Crédito de clientes
correntistas incluindo Itaucard, Orbitall e Redecard.
R$ Milhões
Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
Recuperação de Créditos Baixados como Prejuízo
(106)
18
(99)
12
(7)
6
Receita de Prestação de Serviços
Despesas Não Decorrentes de Juros
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
Outras Receitas Operacionais
408
(344)
(58)
21
376
(350)
(53)
20
32
7
(5)
1
Resultado não Operacional
Imposto de Renda e Contribuição Social
Participações no Lucro
O lucro líquido gerado pelo segmento de Cartões de
Crédito - Correntistas foi de R$ 144 milhões no quarto
trimestre de 2005, crescendo 49,4% em relação ao trimestre
anterior, devido à margem financeira gerencial e à receita
de prestação de serviços.
A margem financeira gerencial apresentou crescimento
devido ao maior volume de financiamentos, o que
também impactou a provisão para créditos de liquidação
duvidosa, gerando maior despesa com constituição de
provisões. O crescimento na recuperação de créditos
baixados como prejuízo decorre do constante esforço de
cobrança associado à maior liquidez do quarto trimestre.
A receita de serviços apresentou crescimento principalmente
com interchange devido ao maior volume de transações.
Também contribuiu para esse crescimento a maior receita
com anuidades, reflexo do contínuo aumento da quantidade
de cartões. Apesar do maior volume de operações, o
montante das despesas não decorrentes de juros foi menor
neste trimestre pois o trimestre anterior foi fortemente afetado
pela aceleração da depreciação, na Redecard, das máquinas
locadas aos lojistas.
Base de Cartões
(em milhares)
6.619
7.059
7.518
7.922
8.259
8.510
0
0
0
(58)
(15)
(42)
(14)
(17)
(2)
A base própria de cartões passou de 8.259 mil, em
setembro, para 8.510 mil em dezembro de 2005,
apresentando crescimento de 3,0% no quarto trimestre
deste ano.
O volume de transações no período totalizou R$ 5,0
bilhões, com crescimento de 17,7% em relação ao
trimestre anterior. O market share do volume de
transações foi calculado utilizando-se o total do
mercado fornecido pela ABECS (Associação Brasileira
das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços).
Volume de Transações e Participação de Mercado
11,8%
3.236
3º trim/04
13,3%
12,8%
13,1%
13,0%
4.013
3.636
3.986
4.236
4º trim/04
1º trim/05
2º trim/05
3º trim/05
Volume de Transações (R$ Milhões)
13,3%
4.986
4º trim/05
Participação de Mercado (%)
Em dezembro de 2005 tínhamos nos cartões de
correntistas um índice de contas ativas (contas que
receberam fatura) de 82,3%, das quais 81,0% efetuaram
transações no último mês, movimentando em média, no
trimestre, R$ 1.332,63 por conta.
Cartões de Crédito por Bandeira - 31-Dez-05
Diners
1,1%
Visa
32,2%
Set/04
Dez/04
Mar/05
Jun/05
29 Análise Gerencial da Operação
Set/05
Dez/05
Mastercard
66,7%
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Itaubanco - Seguros, Previdência e Capitalização
Os demonstrativos contábeis pro forma abaixo foram elaborados utilizando-se de informações internas
do modelo gerencial Itaú e objetivam identificar a performance dos negócios ligados à área de seguros.
Em 31 de Dezembro de 2005
ATIVO
Circulante e Realizável a Longo Prazo
Disponibilidades
Títulos e Valores Mobiliários
Outros Ativos
Permanente
TOTAL GERAL DO ATIVO
PASSIVO
Circulante e Exigível a Longo Prazo
Provisões Técnicas - Seguros
Provisões Técnicas - Previdência e VGBL
Provisões Técnicas - Capitalização
Outras Obrigações
Capital Alocado Nível I
TOTAL GERAL DO PASSIVO
R$ Milhões
Seguros
Vida e
Previdência
Capitalização
Consolidado
2.695
13.378
1.247
17.100
16
1.206
1.473
5
13.001
372
1
1.231
16
21
15.444
1.635
160
5
49
207
2.855
13.383
1.296
17.307
Seguros
Vida e
Previdência
Capitalização
Consolidado
2.396
12.631
1.214
16.014
1.267
1
1.128
320
11.940
371
1.117
97
1.587
11.941
1.111
1.374
459
752
82
1.293
2.855
13.383
1.296
17.307
Demonstração do Resultado Segmentado
R$ Milhões
Receita de Seguros, Previdência e Capitalização
Prêmios Retidos de Seguros (a)
Receita de Planos de Previdência (b)
Receita de Prêmios de Capitalização (c)
529
529
-
Vida e
Previdência
1.187
118
1.069
-
Variações das Provisões Técnicas
Seguros (d)
Previdência Privada (e)
Capitalização (f)
(36)
(36)
-
(666)
(18)
(648)
-
Despesas com Benefícios e Resgates (g)
-
(399)
-
(399)
Prêmios Ganhos (h=a+d)
Resultado de Prev. e Capitalização (i=b+c+e+f+g)
493
-
100
22
49
594
71
Sinistros Retidos (j)
(292)
(31)
-
(323)
Despesas de Comercialização (k)
(123)
(2)
6
(10)
(1)
(4)
84
80
42
205
36
156
4º TRIMESTRE DE 2005
Seguros
Outras Receitas/(Despesas) Operacionais com Seguros (l)
Resultado de Operações com Seg., Prev. e Cap. (m=h+i+j+k+l)
Capitalização
Consolidado
210
210
1.923
647
1.069
207
(161)
(161)
(860)
(54)
(648)
(158)
(6)
(132)
Margem Financeira Gerencial
49
63
Receitas de Serviços
-
47
-
Despesas não Decorrentes de Juros
(89)
(45)
(36)
(174)
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
(21)
(7)
(3)
(32)
2
1
0
4
24
138
39
206
3
0
2
5
Resultado antes do I.R. e C.S.
27
138
41
212
Imposto de Renda / Contribuição Social
Participações no Lucro
Lucro Líquido
(0)
(6)
21
(31)
0
107
(13)
28
(46)
(6)
160
Outras Receitas Operacionais
Resultado Operacional
Resultado não Operacional
47
(RAROC) - Retorno sobre o Capital Alocado Nível I Médio
20,4%
75,2%
221,6%
62,7%
Índice de Eficiência Total
78,7%
24,5%
48,3%
45,7%
Obs: O Consolidado não representa a soma das partes porque existem operações entre as empresas que foram eliminadas apenas no Consolidado.
Os dados referentes ao VGBL encontram-se classificados junto aos dados de previdência privada.
O item Despesas não Decorrentes de Juros é composto por Despesas de Pessoal, Outras Despesas Administrativas, Despesas Tributárias de CPMF e Outros Tributos e Outras
Despesas Operacionais.
30 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Itaubanco - Seguros, Previdência e Capitalização
Em 30 de Setembro de 2005
ATIVO
Circulante e Realizável a Longo Prazo
Disponibilidades
Títulos e Valores Mobiliários
Outros Ativos
Permanente
TOTAL GERAL DO ATIVO
PASSIVO
Circulante e Exigível a Longo Prazo
Provisões Técnicas - Seguros
Provisões Técnicas - Previdência e VGBL
Provisões Técnicas - Capitalização
Outras Obrigações
Capital Alocado Nível I
TOTAL GERAL DO PASSIVO
R$ Milhões
Seguros
Vida e
Previdência
Capitalização
Consolidado
2.442
12.070
1.252
15.704
7
1.222
1.214
2
11.774
293
1
1.235
17
10
14.167
1.526
165
5
50
212
2.607
12.075
1.302
15.916
Seguros
Vida e
Previdência
Capitalização
Consolidado
2.179
11.407
1.218
14.735
1.214
1
964
303
10.866
238
1.107
112
1.518
10.867
1.101
1.250
428
669
84
1.181
2.607
12.075
1.302
15.916
Demonstração do Resultado Segmentado
R$ Milhões
Receita de Seguros, Previdência e Capitalização
Prêmios Retidos de Seguros (a)
Receita de Planos de Previdência (b)
Receita de Prêmios de Capitalização (c)
521
521
-
Vida e
Previdência
1.026
99
927
-
Variações das Provisões Técnicas
Seguros (d)
Previdência Privada (e)
Capitalização (f)
(56)
(56)
-
(511)
(2)
(509)
-
Despesas com Benefícios e Resgates (g)
-
(387)
-
(387)
Prêmios Ganhos (h=a+d)
Resultado de Prev. e Capitalização (i=b+c+e+f+g)
465
-
97
31
40
562
69
Sinistros Retidos (j)
(298)
(29)
-
(328)
Despesas de Comercialização (k)
(113)
(14)
(6)
3
(10)
(1)
(8)
56
74
33
164
Margem Financeira Gerencial
41
65
23
122
Receitas de Serviços
-
45
-
Despesas não Decorrentes de Juros
(80)
(56)
(21)
(156)
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
(24)
3º TRIMESTRE DE 2005
Seguros
Outras Receitas/(Despesas) Operacionais com Seguros (l)
Resultado de Operações com Seg., Prev. e Cap. (m=h+i+j+k+l)
Capitalização
Consolidado
188
188
1.730
620
927
183
(148)
(148)
(712)
(58)
(509)
(144)
(132)
45
(15)
(7)
(2)
Outras Receitas Operacionais
1
1
0
1
Resultado Operacional
4
123
33
152
Resultado não Operacional
3
1
2
6
Resultado antes do I.R. e C.S.
7
123
35
158
Imposto de Renda / Contribuição Social
Participações no Lucro
Lucro Líquido
6
(6)
7
(34)
(0)
89
(12)
23
(38)
(6)
114
6,9%
55,9%
94,2%
39,8%
94,7%
31,2%
39,3%
50,5%
(RAROC) - Retorno sobre o Capital Alocado Nível I Médio
Índice de Eficiência Total
Obs: O Consolidado não representa a soma das partes porque existem operações entre as empresas que foram eliminadas apenas no Consolidado.
Os dados referentes ao VGBL encontram-se classificados junto aos dados de previdência privada.
O item Despesas não Decorrentes de Juros é composto por Despesas de Pessoal, Outras Despesas Administrativas, Despesas Tributárias de CPMF e Outros Tributos e Outras
Despesas Operacionais.
31 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Itaubanco - Seguros, Previdência e Capitalização
Seguros
O lucro líquido pro forma das empresas de seguros alcançou R$
21 milhões no quarto trimestre de 2005, apresentando aumento
quando comparado aos R$ 7 milhões do trimestre anterior.
Os prêmios ganhos apresentaram um crescimento de 6,1% no
período. Destacamos os prêmios ganhos do agrupamento
demais ramos, com crescimento de 12,2% no trimestre,
basicamente em função do produto Proteção Cartão Credicard.
Os sinistros retidos reduziram R$ 6 milhões, passando de R$ 298
milhões para R$ 292 milhões no quarto trimestre de 2005,
principalmentepelareduçãodesinistralidadedoramoautomóvel.
Nos gráficos abaixo, que incluem o ramo vida do segmento
Vida e Previdência, pode-se observar a composição dos
prêmios ganhos por ramo de seguro.
O ramo automóvel participou com 40,9% do total de prêmios
ganhos do quarto trimestre, enquanto o ramo vida e acidentes
pessoais participou com 30,0%.
Composição dos prêmios ganhos
4o Trimestre / 2005
14,0%
3o Trimestre / 2005
13,4%
40,9%
10,9%
10,9%
30,0%
30,0%
Automóvel
Vida e A. Pessoais
Riscos Patrimoniais
Transportes
Em Milhares
2.576
2.435
2.443
2.428
2.433
569
561
557
534
1.039
1.063
1.072
1.106
1.174
826
818
798
792
848
dez-04
mar-05
jun-05
set-05
dez-05
Automóvel
Vida e AP
554
Residencial
A quantidade de apólices do ramo vida e acidentes
pessoais apresentou crescimento, alcançando 1.174
mil apólices no final do quarto trimestre de 2005.
A quantidade de apólices do ramo automóvel apresentou
aumento totalizando 848 mil apólices no período. O mesmo
ocorreu com os produtos residenciais, que totalizaram 554 mil
apólices no final do quarto trimestre de 2005.
Previdência Privada
O lucro líquido pro forma das empresas de previdência
atingiu R$ 107 milhões no quarto trimestre de 2005
representando um aumento de 20,2% em relação ao
trimestre anterior. Este aumento resulta da queda das
Despesas de Comercialização.
41,8%
3,9%
4,1%
Quantidade de apólices - produtos massificados
Demais
Provisões Técnicas de Previdência Privada
Combined Ratio
A redução de 4,3 p.p. do combined ratio referente às
operações de seguros ocorreu em função da queda da
sinistralidade no ramo automóvel.
R$ milhões
11.940
10.866
9.973
8.565
92,9%
90,9%
23,4%
20,5%
19,8%
19,1%
49,7%
51,2%
94,6%
96,5%
20,7%
20,5%
19,4%
19,9%
54,4%
56,1%
9.113
92,2%
4.438
2.480
2.606
2.757
2.950
3.186
1.647
1.668
1.685
1.673
1.708
dez-04
mar-05
jun-05
set-05
dez-05
21,5%
17,5%
53,2%
PGBL
Tradicionais e Outros
4º Trim./04
1º Trim./05
Sinistros Retidos /
Prêmios Ganhos
2º Trim./05
Desp. Comercialização /
Prêmios Ganhos
3º Trim./05
7.046
6.243
5.531
4.840
VGBL
4º Trim./05
Desp. Adm. e Outras /
Prêmios Ganhos
Nota: No cálculo dos índices do combined ratio, o resultado do produto Proteção Cartão Credicard
foi registrado de forma líquida na rubrica de Outras Despesas.
Obs: Os gráficos de Seguros não incluem as empresas Itauseg Saúde e Gralha Azul Saúde, e incluem o ramo vida da Itaú Vida e Previdência S.A.
32 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Itaubanco - Seguros, Previdência e Capitalização
O quadro abaixo apresenta as provisões técnicas por
produto e por garantia de rendimento para o participante.
Provisões Técnicas de Previdência Privada por produto/
garantia em 31/12/2005
PRODUTO
VGBL
PGBL
TRADICIONAIS
BENEFÍCIO DEFINIDO
ACESSÓRIOS
TOTAL
GARANTIA DE RENDIMENTO
FUNDOS
IGP-M
TR
EXCLUSIVOS
7.046
3.186
10.232
1.588
1.588
88
27
114
OUTROS
6
6
TOTAL
R$ milhões
%
7.046
59,0%
3.186
26,7%
1.676
14,0%
27
0,2%
6
0,0%
11.940 100,0%
Ao final do quarto trimestre de 2005, as provisões técnicas
alcançaram aproximadamente R$ 12 bilhões, com
crescimento de 9,9% em relação ao trimestre anterior.
Em 31 de dezembro de 2005, os produtos VGBL
respondiam por 59,0% do total das provisões técnicas
de previdência, enquanto as provisões técnicas do
PGBL representavam 26,7% deste total.
Oferecendo maior transparência ao cliente em relação aos
antigos produtos de previdência de contribuição definida
ou de benefício definido, o VGBL e o PGBL têm seus
recursos aplicados em fundos exclusivos durante a fase
de acumulação, não constituindo risco para a empresa,
que repassa ao cliente o rendimento obtido no fundo.
Os planos Tradicionais e de Benefício Definido, que
deixamos de comercializar, ofereciam ao cliente uma
garantia mínima de rendimento vinculada a um
indexador (IGP-M ou TR), e participaram com 14,2% das
provisões técnicas ao final do quarto trimestre de 2005.
Vale destacar que em 4 de julho de 2005, foi publicada no
Diário Oficial da União, a Medida Provisória nº 255/05, que
prorroga o prazo para opção pela Tributação Regressiva
Definitiva. Os clientes que contrataram um Plano de
Previdência Itaú ou Itaú FAPI até 31 de dezembro de 2004
tiveram até 30 de dezembro de 2005 para optar pela
Tributação Regressiva Definitiva e as novas contratações
têm prazo para a escolha do regime de tributação até o
último dia útil do mês subseqüente à contratação.
33 Análise Gerencial da Operação
Capitalização
O lucro líquido pro forma das empresas de capitalização
atingiu R$ 28 milhões no quarto trimestre de 2005 com
aumento de 21,7% em relação ao trimestre anterior. Este
aumento deve-se, principalmente, ao crescimento das
receitas de prêmios de capitalização.
Neste trimestre tivemos a realização da campanha
de vendas do Super PIC Natal, um título de
capitalização de pagamento único com valor de R$
1.000,00. Nesta campanha comercializamos
aproximadamente 34 mil títulos, o que contribuiu
para a manutenção da carteira em 3,9 milhões de
títulos ativos, correspondendo a R$ 1.111 milhões
em provisões técnicas.
Nos últimos 12 meses, distribuimos prêmios em dinheiro
no montante de R$ 30 milhões para 833 clientes sorteados.
O quadro a seguir apresenta a evolução da carteira de
títulos de capitalização de pagamentos mensais (PIC) e
de pagamento único (Super PIC).
Quantidade de títulos de capitalização
Em Milhares
3.596
413
3.733
409
3.735
425
3.838
439
3.873
451
3.182
3.324
3.311
3.398
3.422
dez-04
mar-05
jun-05
set-05
dez-05
Super PIC
PIC
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Itaubanco - Gestão de Fundos e Carteiras Administradas
Os demonstrativos contábeis pro forma abaixo foram elaborados utilizando-se de informações internas do modelo
gerencial Itaú e objetivam identificar a performance dos negócios ligados à área de Gestão de Fundos.
R$ Milhões
Administração de Fundos (*)
Serviços de Corretagens
Serviços de Custódia e Adm. de Carteiras
368
44
19
384
34
19
(16)
10
0
(41)
(13)
(48)
(20)
7
7
Imposto de Renda e Contribuição Social
Participações no Lucro
(*) Não contempla receitas com administração de fundos de previdência.
Obs: O item Despesas Não Decorrentes de Juros é composto por Despesas de Pessoal, Outras Despesas Administrativas, Despesas Tributárias de CPMF e Outros Tributos e Outras Despesas Operacionais.
No quarto trimestre de 2005, o resultado do segmento
Gestão de Fundos e Carteiras Administradas totalizou R$
48 milhões, contra R$ 40 milhões do trimestre anterior.
A redução nas receitas de Administração de Fundos de
Investimento, desconsiderando-se os Fundos de
Previdência, que totalizaram R$ 368 milhões no quarto
trimestre de 2005 deve-se à menor quantidade de dias
úteis no quarto trimestre que tem efeito sobre as taxas
de administração. Essa redução foi parcialmente
compensada pelo aumento de 29,6% nas Receitas com
Serviços de Corretagens que atingiram R$ 44 milhões
no quarto trimestre, frente aos R$ 34 milhões do
trimestre anterior.
Volume de Recursos Administrados
R$ Bilhões
120,3
99,8
93,8
8,3
87,1
89,6
6,9
7,2
7,3
82,3
86,4
91,4
74,2
80,1
Dez/03
Mar/04
Jun/04
Set/04
Dez/04
81,1
6,9
Fundos de Investimento
Itaú Corretora
No quarto trimestre de 2005, a Itaú Corretora, cuja
gestão é separada das atividades de administração de
fundos, intermediou um volume de R$ 11.500 milhões
na Bovespa, apresentando um crescimento de 10,6%
em relação ao quarto trimestre do ano anterior e de
2,4% em relação ao terceiro trimestre de 2005.
Em Dezembro de 2005, a Itaú Corretora melhorou sua
posição no ranking das corretoras passando a ocupar
o terceiro lugar, com uma participação de 6,1% do
mercado. Ainda em Dezembro, no ranking divulgado
pela Revista Investidor Institucional a equipe de
analistas da Itaú Corretora foi destacada como a
primeira equipe de analistas do Brasil.
34 Análise Gerencial da Operação
112,3
105,2
105,8
8,6
8,1
96,6
97,7
104,0
Mar/05
Jun/05
Set/05
8,3
7,7
112,6
Dez\05
Carteiras Administradas
Na BM&F, a Itaú Corretora intermediou 9 milhões de
contratos no trimestre, chegando ao quarto lugar em
2005 em comparação ao sétimo lugar de 2004.
Por meio do seu Home Broker – www.itautrade.com.br
– a Itaú Corretora negociou, no quarto trimestre de
2005, um volume de R$ 1.030 milhões, com uma
participação de 9,2% no mercado, apresentando um
crescimento de 13,8% em relação ao trimestre anterior
e 26,8% em relação ao mesmo período do ano anterior.
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Itaú BBA
Abaixo apresentamos a demonstração de resultado pro forma do Itaú BBA.
R$ Milhões
• Operações Bancárias
• Tesouraria
• Administração do Risco Cambial dos Investimentos no Exterior líquido de efeitos fiscais
304
206
241
47
63
159
44
51
(7)
Despesa de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
Recuperação de Créditos Baixados como Prejuízo
(14)
140
(63)
140
50
0
Receitas de Prestação de Serviços
Despesas não Decorrentes de Juros
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
Outras Receitas Operacionais
108
(234)
(29)
4
100
(141)
(26)
4
8
(94)
(2)
0
Resultado não operacional
0
-
0
Obs: O item Despesas não Decorrentes de Juros é composto por Despesas de Pessoal, Outras Despesas Administrativas, Despesas Tributárias de CPMF e Outros Tributos e Outras Despesas Operacionais.
No quarto trimestre a margem financeira montou em R$
554 milhões, refletindo um incremento de 63,0% quando
comparada ao trimestre anterior, de R$ 340 milhões.
A margem financeira com operações bancárias totalizou
R$ 304 milhões, representando um incremento de 26,0%
quando comparada à margem de R$ 241 milhões do
trimestre anterior. A variação trimestral ocorreu em função
do aumento do volume da carteira de crédito com
manutenção dos níveis de spreads.
Em relação às operações de tesouraria, o resultado de R$
206 milhões no quarto trimestre reflete os resultados
advindos das estratégias do Itaú BBA nos mercados
nacionais de renda fixa local e câmbio e no mercado
internacional de dívida soberana.
Deve-se destacar o excelente nível de qualidade da carteira de
crédito, onde 97% dos créditos estão classificados nos níveis
de risco "AA", "A" e "B" segundo critérios da Resolução 2.682
do Banco Central do Brasil. Neste contexto, o resultado de
créditos de liquidação duvidosa apresentou uma reversão de
provisão de R$ 127 milhões no quarto trimestre em função
basicamente de recuperação de créditos concedidos ao setor
de telecomunicações.
No período, o resultado bruto de intermediação financeira
totalizou R$ 680 milhões o que representa um incremento
de 63,3% quando comparado ao trimestre anterior.
35 Análise Gerencial da Operação
As receitas de prestação de serviços totalizaram R$ 108
milhões, representando um incremento de 8,5% em
relação ao trimestre anterior. Tal variação se explica
principalmente por maiores resultados com serviços de
cash management e investment banking.
As despesas não decorrentes de juros totalizaram R$ 234
milhões, representando um incremento de 66,9% em
relação ao terceiro trimestre. Periodicamente, reavaliamos
o perfil e o potencial dos clientes dos nossos segmentos.
Como resultado desta reavaliação, realocamos os clientes
para o segmento mais adequado e apuramos
gerencialmente o resultado desta transferência entre os
segmentos. No caso do segmento Itaú BBA o efeito
gerencial da realocação foi uma despesa não recorrente
de R$ 74 milhões, classificada em despesas não decorrentes
de juros, que justifica basicamente o acréscimo observado
neste item em relação ao trimestre anterior. Além disso,
tivemos a amortização acelerada de equipamentos
efetuada em dezembro de 2005 no valor de R$ 9 milhões.
Como conseqüência dos itens descritos acima, o lucro
líquido pro forma do Itaú BBA montou a R$ 379 milhões
no quarto trimestre, com incremento de 32,2% em relação
ao trimestre anterior, correspondendo a um retorno
anualizado sobre capital alocado médio (nível 1) de 42,5%
no trimestre.
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Itaucred
Apresentamos a seguir demonstrativos contábeis pro forma da Itaucred, valendo-se de informações gerenciais
geradas pelos modelos internos, de forma a refletir mais precisamente a atuação das unidades de negócio.
Em 31 de Dezembro de 2005
Operações de Crédito
(Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa)
Outros Ativos
R$ Milhões
11.512
(678)
137
3.301
(319)
4
1.997
(111)
9
16.811
(1.109)
150
R$ Milhões
Captações no Mercado Aberto
Obrigações por Empréstimos e Repasses
Outras Obrigações
9.572
51
328
506
2.063
1.490
257
Demonstração do Resultado Segmentado
11.569
51
2.648
R$ Milhões
Despesa de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
Recuperação de Créditos Baixados como Prejuízo
(190)
23
(90)
12
(64)
2
(344)
36
Receitas de Prestação de Serviços
Despesas não Decorrentes de Juros
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
Outras Receitas Operacionais
118
(160)
(44)
14
131
(239)
(25)
17
27
(118)
(26)
1
276
(517)
(95)
31
0
1
(0)
1
Resultado não operacional
Obs: A partir de 30/09/05, a empresa FIC está sendo consolidada integralmente.
O item Despesas não Decorrentes de Juros é composto por Despesas de Pessoal, Outras Despesas Administrativas, Despesas Tributárias de CPMF e Outros Tributos e Outras Despesas Operacionais.
36 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Itaucred
Em 30 de Setembro de 2005
Operações de Crédito
(Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa)
Outros Ativos
R$ Milhões
9.734
(532)
123
2.779
(219)
5
1.630
(48)
4
14.143
(799)
132
R$ Milhões
Captações no Mercado Aberto
Obrigações por Empréstimos e Repasses
Outras Obrigações
8.136
29
267
411
1.787
1.275
180
Demonstração do Resultado Segmentado
9.823
29
2.234
R$ Milhões
Despesa de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa
Recuperação de Créditos Baixados como Prejuízo
(120)
28
(90)
11
(34)
2
(244)
41
Receitas de Prestação de Serviços
Despesas não Decorrentes de Juros
Despesas Tributárias de ISS, PIS e COFINS
Outras Receitas Operacionais
96
(129)
(24)
2
117
(228)
(23)
14
9
(103)
(4)
1
221
(459)
(51)
17
(0)
1
(0)
1
Resultado não operacional
Obs: O item Despesas não Decorrentes de Juros é composto por Despesas de Pessoal, Outras Despesas Administrativas, Despesas Tributárias de CPMF e Outros Tributos e Outras Despesas Operacionais.
37 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Itaucred
Veículos
A carteira de crédito do sub-segmento Veículos da Itaucred
atingiu o volume de R$ 11.512 milhões no quarto trimestre de
2005, apresentando um crescimento de 18,3% em relação ao
saldo do trimestre anterior. Em função do rápido crescimento
das operações de financiamento e leasing, a margem financeira
gerencial apresentou uma elevação de R$ 47 milhões no
período. A expansão da carteira de crédito, juntamente com a
constituição de R$ 93 milhões de provisão excedente para
créditos de liquidação duvidosa, contribuiu para que as
despesas associadas ao risco de crédito (PDD) crescessem R$
76 milhões no período.
Da mesma forma, as receitas de serviços associadas à
aprovação e liberação de crédito impulsionaram as receitas de
prestação de serviços, as quais apresentaram aumento de R$
21 milhões no trimestre. As despesas não decorrentes de juros
sofreram o impacto do aumento das atividades operacionais
e a ampliação da plataforma de comercialização, crescendo
R$ 31 milhões no último trimestre. O incremento das atividades
operacionais sujeitas à incidência de tributos sobre a receita
contribuiu em parte para que a despesa tributária de ISS, PIS e
COFINS aumentasse R$ 21 milhões no período, com destaque
para o aumento das despesas de ISS associadas à prestação
de serviço dos promotores de vendas.
Em decorrência desses fatores, o resultado do sub-segmento
Veículos somou R$ 95 milhões no quarto trimestre de 2005,
contra R$ 127 milhões no trimestre anterior.
Base de Cartões
Cartões de Crédito - Não Correntistas
O lucro líquido gerado pelo segmento de Cartões de
Crédito - Não Correntistas foi de R$ 55 milhões no quarto
trimestre de 2005, crescendo 71,9% em relação ao
trimestre anterior, devido à margem financeira gerencial
e à receita de prestação de serviços.
A margem financeira gerencial apresentou crescimento
devido ao maior volume de financiamentos.
O crescimento da receita de serviços deveu-se
basicamente ao aumento nas receitas de interchange,
que foi beneficiado por um maior volume
de transações.
As despesas não decorrentes de juros foram maiores,
principalmente, em função de gastos com propaganda
e publicidade e de uma maior despesa com
processamentos decorrente de um maior volume
de operações.
A base proporcional de cartões passou de 3.949 mil, em
setembro, para 4.033 mil em dezembro de 2005,
apresentando crescimento de 2,1% no quarto
trimestre deste ano.
O market share do volume de transações foi calculado
utilizando-se o total do mercado fornecido pela ABECS
(Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e
Serviços).
38 Análise Gerencial da Operação
(em milhares)
10.655
11.163
3.596
3.646
6.619
7.059
7.518
Set/04
Dez/04
Mar/05
Itaucard
9.057
12.543
11.754
12.208
3.833
3.949
7.922
8.259
8.510
Jun/05
Set/05
Credicard
Dez/05
4.033
2.438
O volume de transações proporcional no quarto trimestre
de 2005 totalizou R$ 3,3 bilhões, com crescimento de 19,3%
em relação ao trimestre anterior.
Volume de Transações
R$ Milhões
8.294
6.557
6.410
5.949
2.397
2.313
2.571
4.013
3.636
3.986
4º trim/04
1º trim/05
Itaucard
2º trim/05
7.009
2.773
4.236
3º trim/05
Credicard
3.308
4.986
4º trim/05
Participação de Mercado
21,3%
20,9%
21,5%
21,4%
22,2%
8,0%
8,1%
8,4%
8,5%
8,8%
13,3%
12,8%
13,1%
13,0%
13,3%
4º trim/04
1º trim/05
2º trim/05
3º trim/05
4º trim/05
Itaucard
Credicard
Taií
A Taií encerrou o ano de 2005 com 3,5 milhões de clientes e
uma carteira de crédito de R$ 1.997 milhões. O processo de
expansão das lojas Taií teve continuidade no trimestre, tanto
lojas próprias quanto pontos de venda na rede de
supermercados da Companhia Brasileira de Distribuição - CBD.
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Gestão de Risco
Gestão de Risco
Risco
Gestão
Gest
Gestão
Gestão de
Risco
39 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Gestão de Risco
Risco de Mercado
Consideramos a gestão de riscos um instrumento
essencial para a otimização do uso do capital e para
a seleção das melhores oportunidades de negócios,
vizando obter a melhor relação entre risco e retorno
para os nossos acionistas.
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
A tabela abaixo apresenta o nosso VaR global e
evidencia que a diversificação dos riscos das nossas
unidades de negócio é significativa, permitindo manter
uma exposição total ao risco de mercado muito
reduzida quando comparada ao nosso capital.
VaR(*) do Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Fator de Risco Pré
Fator de Risco TR
Fator de Risco IGPM
Fator de Risco Cupom Cambial
Fator de Risco Variação Cambial (**)
Fator de Risco Soberano
Fator de Risco Renda Variável
Fator de Risco Libor
Banco Itaú Europa
Banco Itaú Buen Ayre
Efeito de Diversificação
19,1
6,3
4,5
8,6
6,3
15,7
9,9
1,1
1,6
0,2
(56,2)
R$ Milhões
16,4
6,6
9,5
5,9
17,2
19,4
13,3
0,8
1,1
0,2
(60,7)
No quarto trimestre, o VaR Stress da nossa mesa
Carteira Própria foi, em média, de R$ 80 milhões, sendo
que no dia 30 de dezembro de 2005 atingiu R$ 115
milhões. O incremento do VaR Stress Médio verificado
neste trimestre foi decorrente do aumento das posições
no mercado interno indexadas ao dólar e nos mercados
prefixado e de renda variável, visando aproveitar as
oportunidades geradas pela estabilização das
tendências e pelo processo de redução das taxas de
juros locais.
VaR Stress da Mesa Carteira Própria do Itaú
VaR Global Máximo no Trimestre
VaR Global Médio no Trimestre
VaR Global Mínimo no Trimestre
A carteira de ativos das agências de Grand Cayman,
New York e do Itaú Bank é composta por títulos de alta
liquidez negociados no exterior e apresentou redução
no risco global Overseas. A queda na volatilidade do
EMBI verificada no final deste trimestre gerou uma
diminuição do VaR da carteira.
VaR do Overseas
US$ Milhões
(*) VaR refere-se à perda máxima potencial de 1 dia, com 99% de confiança.
(**) Considerando os efeitos de ajustes fiscais .
Banco Itaú
A queda nos níveis de VaR em praticamente todos os
fatores de risco decorreu da diminuição nos níveis de
volatilidade no final do trimestre e de uma melhor
adequação da exposição das carteiras ao cenário
vigente, levando a uma pequena redução no VaR Global
do Gap Estrutural em 31de dezembro de 2005.
Lembramos que o Gap Estrutural é composto pelas
operações comerciais e os instrumentos financeiros que
em conjunto compõem as nossas estratégias.
VaR do Gap Estrutural - Banco Itaú
Fator de Risco Soberano
Fator de Risco Libor
Efeito de Diversificação
4,4
0,5
(1,8)
6,0
0,4
(0,3)
VaR Global Máximo no Trimestre
VaR Global Médio no Trimestre
VaR Global Mínimo no Trimestre
Banco Itaú BBA
Como verificado em períodos anteriores, o Itaú BBA encerra
o ano de 2005 com baixa exposição a risco de mercado em
relação ao seu capital. O VaR Global, com coeficiente de
confiança de 99%, representou 1.0% do capital alocado
nível 1 da instituição. Lembramos que as nossas diversas
mesas atuam de forma independente.
R$ Milhões
VaR do Banco Itaú BBA
R$ Milhões
Fator de Risco Pré
Fator de Risco TR
Fator de Risco IGPM
Fator de Risco Cupom Cambial
Fator de Risco Variação Cambial (*)
Fator de Risco Renda Variável
Efeito de Diversificação
(*) Considerando os efeitos de ajustes fiscais .
7,6
6,3
5,2
4,8
0,7
10,6
(21,2)
3,1
6,6
7,9
5,0
2,7
15,2
(23,2)
Fator de Risco Pré
Fator de Risco Cupom Cambial
Fator de Risco Variação Cambial (*)
Fator de Risco Renda Variável
Fator de Risco Soberano
Efeito de Diversificação
3,0
2,9
11,5
5,6
13,1
(11,5)
9,3
2,8
6,4
8,1
5,3
(12,1)
VaR Global Máximo no Trimestre
VaR Global Médio no Trimestre
VaR Global Mínimo no Trimestre
(*) Considerando os efeitos de ajustes fiscais .
40 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Gestão de Risco
Títulos e Valores Mobiliários
Evolução da Carteira de Títulos e Valores Mobiliários
Títulos Públicos - Brasil
Títulos Públicos - Outros Países
R$ Milhões
6.638
629
20,0%
1,9%
6.794
793
22,0%
2,6%
7.486
1.065
25,7%
3,7%
-2,3%
-20,7%
-11,3%
-41,0%
7.267
21,9%
7.587
24,6%
8.551
29,3%
-4,2%
-15,0%
Títulos Privados
12.781
38,6%
11.517
37,4%
12.145
41,6%
11,0%
5,2%
Cotas de Fundos PGBL/VGBL
10.215
30,8%
9.182
29,8%
6.918
23,7%
11,3%
47,7%
3.236
9,8%
2.944
9,5%
1.962
6,7%
9,9%
65,0%
(370)
-1,1%
(400)
-1,3%
(400)
-1,4%
-7,5%
-7,5%
Total de Títulos Públicos
Instrumentos Financeiros Derivativos
Provisão Adicional
Em 31 de dezembro de 2005, o saldo da carteira de títulos
e valores mobiliários atingiu R$ 33.128 milhões, com
acréscimo de 7,5% em relação ao saldo do terceiro
trimestre. No período, a carteira de títulos privados
cresceu R$ 11,0%, somando R$ 12.781 milhões, e o saldo
de cotas de fundos PGBL/VGBL variou 11,3%, atingindo
R$ 10.215 milhões. Essa carteira de títulos pertence aos
planos PGBL/VGBL e é de propriedade dos clientes,
possuindo como contrapartida as Provisões Técnicas
de Previdência registradas no passivo das
demonstrações contábeis do Itaú. O saldo da provisão
adicional apresentou variação de R$ 30 milhões entre
os trimestres, em decorrência da reversão efetuada para
ajustá-lo às atuais perspectivas para o risco de mercado.
Em 31 de dezembro de 2005, a carteira de títulos públicos
representava 21,9% do saldo total da carteira de títulos
e valores mobiliários, ao passo que no trimestre anterior
essa proporção era de 24,6% do saldo total.
Títulos e Valores Mobiliários
Privados e Carteira de Crédito
O saldo total de recursos destinados ao financiamento
das atividades econômicas de diversos setores (títulos
e valores mobiliários privados e carteira de crédito)
somou R$ 80.537 milhões, com elevação de 10,1% em
relação ao saldo no encerramento do trimestre anterior,
o que evidencia o nosso elevado grau de
comprometimento com o crescimento e
desenvolvimento do país.
Recursos destinados aos agentes econômicos
R$ Milhões
Euro Bond’s e Assemelhados
3.729
Certificados de Dep. Bancário 3.437
Debêntures
1.026
957
Ações de Companhias Abertas
Notas Promissórias
240
Outros
624
Operações de Crédito(*)
14.231
317
108
568
88
10
573
82
120
67
12
289
339
38
10
51
7
15
29
41
0
3
4.206
3.676
1.712
1.065
554
1.568
29.688
14.245
3.593
5.999
67.756
R$ Milhões
Euro Bond’s e Assemelhados
3.465
Certificados de Dep. Bancário 3.016
Debêntures
1.033
Ações de Companhias Abertas
868
Notas Promissórias
53
Outros
504
Operações de Crédito(*)
14.013
390
123
552
206
32
342
111
81
79
25
76
338
42
11
63
2
15
28
52
10
0
3
4.059
3.230
1.736
1.101
176
1.215
25.943
13.055
3.048
5.556
61.616
(*) Inclui avais e fianças
41 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Gestão de Risco
Risco de Crédito
Operações de Crédito
Mantivemos no trimestre as ações voltadas à
disponibilização e concessão de crédito, valorizando a
qualidade do crédito e buscando a melhor relação entre
risco e retorno nas operações. Essas ações, combinadas
com a demanda no período, possibilitaram o
incremento significativo na carteira.
Os créditos classificados entre os níveis de risco "AA" a
"B" representavam 85,8% da carteira em 31 de dezembro
de 2005, ante 86,0% no trimestre anterior. Na mesma
data, os créditos atrelados à moeda estrangeira
representam 15,4% do total da carteira, apresentando
uma redução de 0,3 ponto percentual em relação a
setembro de 2005.
Operações de Crédito
R$ Milhões(*)
67.756
53.275
60.636
45.414 44.581
34.282
47.407
38.419
27.253
38.659
29.615
19.596
12.206
11.798
8.362
7.353
11.572
8.143
6.535
7.090
6.051
87
88
9.057
5.846
5.531
85
86
14.127
89
5.194
5.198
4.634
4.524
4.610
3.958
90
91
92
6.523
10.818
5.654
93
12.325
14.414 14.058
23.674
16.890
8.022
94
95
Operações de Crédito e Garantias (2)
96
Em relação aos setores de atividade econômica, o
Comércio Varejista apresentou a maior concentração
de risco da carteira, respondendo por 5,4% do total em
dezembro de 2005.
No trimestre, os principais crescimentos ocorreram nos
seguintes setores: Geração e Distribuição de Energia,
com aumento de R$ 723 milhões ou 29,0% em relação
ao trimestre anterior; Serviços, com elevação de R$ 349
milhões ou 24,9% na comparação dos trimestres;
Prestadoras de Serviços, com acréscimo de R$ 310
milhões no trimestre, variando 19,1%; Agropecuária,
com aumento de R$ 280 milhões ou 11,9%; Indústria
Farmacêutica, com elevação de R$ 220 milhões,
equivalente a 96,7% na comparação trimestral e
97
98
99
00
01
02
03
04
05
Operações de Crédito (1)
(*) Em moeda constante de 31 de dezembro de 1995 até esta data; após, em valores nominais.
(1) Operações de Crédito: Empréstimos, Leasing, Outros Créditos e Adiantamentos sobre Contratos de Câmbio.
42 Análise Gerencial da Operação
16.916 16.077
(2) Garantias: Contemplam Fianças, Avais e Outras.
Empreiteiras e Imobiliárias, que cresceu R$ 159 milhões
com variação de 19,6% no trimestre.
A concentração entre os maiores tomadores da carteira
vem sendo reduzida nos últimos trimestres. A
participação dos 100 maiores tomadores passou de
24,7% em setembro de 2005 para 24,0% em dezembro
do mesmo ano. O maior devedor representa 0,8% do
total da carteira no encerramento do ano.
O índice de contratos em curso anormal, medido pela
participação de contratos que apresentam atraso
superior a 14 dias sobre a carteira total manteve-se no
mesmo patamar de setembro de 2005, atingindo 5,8%
da carteira.
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Gestão de Risco
Evolução da Carteira de Crédito Consolidada por Tipo de Cliente e por Moeda
Cartão de Crédito
Crédito Pessoal
Veículos
R$ Milhões
7.216
10.320
11.155
5.926
10.211
9.456
5.150
6.926
6.196
1.290
108
1.699
21,8%
1,1%
18,0%
2.066
3.393
4.960
40,1%
49,0%
80,1%
21.740
12.784
20.251
11.494
20.763
9.718
1.489
1.290
7,4%
11,2%
977
3.066
4,7%
31,6%
Crédito Rural
Crédito Imobiliário
2.653
1.888
2.443
1.835
2.627
1.897
211
53
8,6%
2,9%
27
(9)
1,0%
-0,5%
Cartão de Crédito
Crédito Pessoal
Veículos
7.213
10.195
11.155
5.926
10.098
9.456
5.116
6.845
6.196
1.287
97
1.699
21,7%
1,0%
18,0%
2.097
3.350
4.960
41,0%
48,9%
80,1%
13.820
10.194
13.070
9.146
11.896
7.149
750
1.048
5,7%
11,5%
1.924
3.045
16,2%
42,6%
Crédito Rural
Crédito Imobiliário
2.653
1.879
2.443
1.828
2.627
1.893
211
50
8,6%
2,8%
27
(14)
1,0%
-0,7%
Cartão de Crédito
Crédito Pessoal
Veículos
3
125
113
34
82
3
11
-
10,0%
-
(31)
43
-
-90,4%
52,5%
-
7.920
2.590
7.181
2.347
8.866
2.568
739
242
10,3%
10,3%
(946)
22
-10,7%
0,8%
9
7
4
34,5%
Grandes Empresas
Micro/ Pequenas e Médias Empresas
Grandes Empresas
Micro/ Pequenas e Médias Empresas
Grandes Empresas
Micro/ Pequenas e Médias Empresas
Crédito Rural
Crédito Imobiliário
2
5
133,1%
Obs: Inclui avais e fianças.
Depósitos
Em 31 de dezembro de 2005, o saldo dos depósitos somou R$
50.520 milhões, o que equivale a uma elevação de 13,6% em
relação ao período anterior. Novamente, a captação de
depósitos a prazo foi a que apresentou maior incremento,
alcançando um saldo de R$ 17.402 milhões no final do exercício
ante um saldo de R$ 14.712 milhões do trimestre anterior. O
crescimento do saldo de depósitos a prazo está associado à
crescente necessidade de funding para dar suporte à
ampliação da oferta de crédito, sendo que possuímos um
importante diferencial competitivo, pois contamos com uma
ampla rede de captação e sólida base de depósitos.
Além disso, tivemos no trimestre o aumento de 23,5% no saldo
dos depósitos à vista, o qual totalizou R$ 12.689 milhões.
Este aumento está associado em parte a um maior nível de
atividade comercial no quarto trimestre, em função das festas
de final de ano.
Saldo de Depósitos
Depósitos à vista
Depósitos de Poupança
Depósitos Interfinanceiros
Depósitos a Prazo
R$ Milhões
12.689
19.783
646
17.402
25,1%
39,2%
1,3%
34,4%
10.274
18.564
938
14.712
23,1%
41,7%
2,1%
33,1%
Solvabilidade
O nosso índice de solvabilidade (Basiléia) alcançou 17,0% em
dezembro de 2005, o que corresponde a uma diminuição de
0,6 ponto percentual em relação ao índice do trimestre anterior.
Essa queda está fundamentalmente vinculada à aquisição de
43 Análise Gerencial da Operação
11.156
19.197
647
11.029
26,5%
45,7%
1,5%
26,2%
23,5%
6,6%
-31,2%
18,3%
13,7%
3,0%
-0,3%
57,8%
ações para tesouraria (em função do processo de alienação de
ações pela laCaixa), à distribuição de Juros sobre o Capital Próprio
e à variação dos ativos ponderados, com destaque para o
crescimento da carteira de crédito.
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Análise do Balanço Patrimonial Consolidado
Balanço por Moedas (*)
O Balanço Patrimonial por Moedas evidencia os saldos
patrimoniais vinculados à moeda nacional e às moedas
estrangeiras. Em 31de dezembro de 2005 a posição
cambial líquida, incluindo investimentos no exterior e
desconsiderando a parcela dos minoritários, era passiva,
totalizando US$ 1.604 milhões. Deve-se salientar que a
política de gestão de gaps que adotamos é efetuada
considerando-se os efeitos fiscais sobre esta posição. Como
o resultado de variação cambial sobre Investimentos no
Exterior não é tributado, constituímos um hedge (posição
passiva em derivativos cambiais) de maior volume do que
o ativo protegido, de forma que o resultado da exposição
cambial total, líquido de efeitos fiscais, é condizente com a
estratégia de baixa exposição ao risco adotada por nós.
R$ milhões
Carteira de Câmbio
Outros
Investimentos
Imobilizado
Diferido
6.514
27.235
7.747
26.145
3.006
26.039
4.741
106
0
1.343
5.584
64
749
1.854
272
6.804
1.787
256
286
1.787
256
6.518
0
0
491
48
16
6.096
0
0
Futuros
Opções
Swap
Outros
7.581
6.320
4.360
1.850
6.264
2.827
4.658
1.082
Depósitos à Vista
Depósitos de Poupança
Depósitos Interbancários
Depósitos a Prazo
Outros Depósitos
12.255
19.783
646
17.402
434
11.421
19.516
319
12.385
434
11.419
19.516
319
12.385
434
2
0
0
0
0
869
267
327
5.284
0
1
0
0
0
0
Carteira de Câmbio
Outras
6.634
24.110
7.880
20.651
3.591
19.760
4.289
891
0
3.933
4.863
1.092
Capital Social e Reservas
Resultado do Período
10.308
5.251
10.308
5.251
10.308
5.251
0
0
6.071
447
0
0
Futuros
Opções
Swap
Outros
8.710
4.330
12.767
1.540
10.846
3.016
7.003
2.044
(*)Não considera as eliminações entre negócios no Brasil e negócios no exterior.
44 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Negócios no Exterior
Atividades no Exterior
Possuímos marcante presença no exterior destacandose entre os grupos econômicos de capital privado. Esta
presença se traduz em unidades estrategicamente
posicionadas nas Américas, na Europa e na Ásia,
permitindo importante sinergia no financiamento ao
comércio exterior, na colocação de eurobonds, na oferta
de operações financeiras mais sofisticadas (Notas
Estruturadas), em operações de private banking em
Luxemburgo, em transferências internacionais de
valores com destaque para o Japão nos 26 mil terminais
de atendimento de correio e na China onde em 2005
tiveram início as atividades do nosso escritório de
representação.
Nossos investimentos consolidados no exterior
totalizavam, em 31 de dezembro de 2005, R$ 6.518
milhões (US$ 2.784milhões), incluindo atividades não
financeiras.
Highlights Unidades Externas
R$ Milhões
Ativos
Patrimônio Líquido
Lucro Acumulado no Exercício
Lucro no Trimestre
ROA do Trimestre Anualizado
ROE do Trimestre Anualizado
8.337
1.916
(10)
10
0,5%
2,1%
6.799 Menor resultado com instrumentos financeiros de derivativos, parcialmente
1.805 compensado por contrapartes contabilizadas no Brasil.
(20)
39
2,3%
8,9%
Ativos
Patrimônio Líquido
Lucro Acumulado no Exercício
Lucro no Trimestre
ROA do Trimestre Anualizado
ROE do Trimestre Anualizado
3.441
1.330
64
3
0,3%
0,8%
2.906 Menor resultado com instrumentos financeiros de derivativos, parcialmente
1.272 compensado por contrapartes contabilizadas no Brasil.
62
20
2,7%
6,3%
Ativos
Patrimônio Líquido
Lucro Acumulado no Exercício
Lucro no Trimestre
ROA do Trimestre Anualizado
ROE do Trimestre Anualizado
1.271
231
12
11
3,5%
20,5%
1.221 Maior resultado com receitas de operações de crédito.
218
1
1
0,3%
1,9%
Ativos
Patrimônio Líquido
Lucro Acumulado no Exercício
Lucro no Trimestre
ROA do Trimestre Anualizado
ROE do Trimestre Anualizado
8.113
1.098
114
18
0,9%
6,8%
7.386 Maior resultado com participação no Banco BPI que em 2005 obteve
1.049 crescimento de 30,2% no lucro líquido.
96
12
0,7%
4,7%
Ativos
Patrimônio Líquido
Lucro Acumulado no Exercício
Lucro no Trimestre
ROA do Trimestre Anualizado
ROE do Trimestre Anualizado
12.065
1.949
178
106
3,6%
23,6%
9.200 Maior resultado devido à valorização e negociação de títulos de dívida
1.750 soberana do Brasil.
72
45
2,0%
10,7%
(1) BBA-Creditanstalt Bank Ltd., Banco Itaú-BBA S.A. - Nassau Branch, BBA Representaciones S.A., Banco BBA-Creditanstalt S.A. - Sucursal Uruguai, Nevada Woods S.A., Karen International Ltd., Mundostar
S.A., AKBAR - Marketing e Serviços Ltda., BBA Overseas Ltd e BBA Icatu Securities, INC.
45 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Negócios no Exterior
Captação de Linhas Trade
O nosso abrangente relacionamento com bancos
correspondentes garante grande poder de penetração
e diversificação quanto às fontes de recursos, e aliado
a uma melhor percepção sobre os fundamentos da
Distribuição da Captação de Linhas Trade
Europa
Estados Unidos
América Latina
Canadá
Ásia
55%
26%
12%
3%
3%
economia brasileira conduz a um substancial
incremento na oferta, no aumento de prazos com
manutenção de custos de captação em níveis recordes.
Evolução do spread “Over-Libor” na Captação das Linhas Trade (% a.a.)
Com vencimento em:
180 dias
360 dias
0,200%
0,300%
0,200%
0,300%
0,150%
0,250%
Posição em:
30-jun-05
30-set-05
31-dez-05
Captação de Linhas Financeiras
Durante o quarto trimestre de 2005 concluímos uma
operação de Liquidity Facility de US$ 250 milhões
vinculada ao programa de securitização de ordem de
pagamento e que poderá ser utilizada em um prazo de
8 anos e uma emissão de € 100 milhões com prazo de
10 anos e grau de investimento.
Principais Emissões Vigentes(1)
Abaixo destacamos as principais captações financeiras vigentes no quarto trimestre de 2005.
US$ Milhões
Instrumento
Coordenador da Emissão
Saldo em
Emissões
Amortizações Saldo em
30-set-05 no trimestre no trimestre
31-dez-05
Data da
Emissão
Data de
Vencimento
Cupom % a.a.
Fixed Rate Notes (2)
Merrill Lynch
264
254
13/8/2001
15/8/2011
4,250%
Fixed Rate Notes
Merrill Lynch e Itaubank
100
100
13/8/2001
15/8/2011
10,000%
Fixed Rate Notes
Merrill Lynch e Itaubank
80
80
9/11/2001
15/8/2011
10,000%
Fixed Rate Notes
Merrill Lynch
105
105
25/11/2003
20/9/2010
5,010%
Fixed Rate Notes
ABN Amro Bank e Itaubank
125
125
31/1/2005
31/1/2008
4,375%
Floating Rate Notes(3) Banca IMI e Royal Bank of Scotland
180
177
24/7/2003
24/7/2006
Euribor(7) + 0,55%
Floating Rate Notes Itaubank
393
393
31/12/2002
30/3/2015
Libor(6) + 1,25%
240
237
25/6/2004
12/7/2007
Euribor(7) + 0,45%
(4)
Floating Rate Notes Itaú Europa, HypoVereinsbank e ING Luxembourg
105
105
7/7/2004
20/3/2011
Libor(6) + 0,65%
Floating Rate Notes HypoVereinsbank e ING
240
237
22/6/2005
22/6/2010
Euribor(7) + 0,375%
Floating Rate Notes Calyon
140
140
30/6/2005
20/9/2008
Libor(6) + 0,30%
Floating Rate Notes Calyon
200
200
30/6/2005
20/9/2012
Libor(6) + 0,20%
118
356
22/12/2005 22/12/2015
Floating Rate Notes Merrill Lynch
(4)
(5)
Floating Rate Notes Itaú Europa, HypoVereinsbank e LB Baden Wuerttemberg
Demais Notas(8)
Total
118
376
2.549
118
0
Euribor(7) + 0,55%
2.627
(1) Valores referentes aos montantes principais
(2) Valor em US$ equivalente nas datas a JPY 30 bilhões
(3), (4) e (5) Valores em US$ equivalente nas datas a € 150 milhões, a € 200 milhões e a € 100 milhões respectivamente
(6) Libor 180 dias
(7) Euribor 90 dias
(8) Estruturadas e Credit Linked Notes
46 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Estrutura Acionária
Estrutura Acionária
Acionária
Est
Acionária
Estrutura
trutura
Acionária
47 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Estrutura Acionária
Estrutura Acionária
Fazemos a gestão de nossa estrutura societária
buscando otimizar a utilização de capitais pelos diversos
segmentos que compõem a empresa. Desta forma,
procuramos reduzir as eventuais ineficiências
decorrentes de nossa estrutura societária.
Apresentamos abaixo um diagrama onde a nossa
estrutura societária é apresentada de maneira sintética.
Ações Preferenciais em Circulação (em milhares)
Ações Ordinárias em Circulação (em milhares)
502.434
601.575
50.902
60.498
52.647
60.624
Ações Preferenciais em Tesouraria (em milhares)
Ações Ordinárias em Tesouraria (em milhares)
24.544
4.388
1.795
98
2.251
63
Obs: Em Outubro de 2005 foi realizado desdobramento de ações.
Possuímos, em tesouraria, ações para fazer frente a parte
das opções ainda não exercidas pelos administradores.
A Nota Explicativa nº 16 das Demonstrações Contábeis
apresenta informações e detalhes relativos ao custo
médio de aquisição das ações em tesouraria, assim
como sobre a movimentação das opções outorgadas
a executivos do conglomerado dentro do "Plano para
Outorga de Opções de Ações".
Família E.S.A
Free Float
60,64% ON
33,63% TOTAL
39,36% ON
82,87% PN
Itaúsa
Free Float
88,84% ON
48,41% TOTAL
11,16% ON
99,99% PN
Banco Itaú
Holding
Financeira S.A.
100,00% ON
100,00% TOTAL
89,92% ON
89,92% TOTAL
Banco Itaú
Europa
19,53% ON
19,53% TOTAL
Itaú Corretora
de Valores
99,99% ON
99,99% TOTAL
Banco Itaú
Orbitall
Itaucard
Financeira
99,99% ON
99,99% TOTAL
99,99% ON
99,99% TOTAL
50,00% ON
50,00% TOTAL
99,99% ON
99,99% TOTAL
Itaú
Capitalização
99,99% ON
99,99% TOTAL
Banco Itaú
Buen Ayre
100,00% ON
100,00% TOTAL
100,00% ON
100,00% TOTAL
Financeira
Itaú CBD
Banco Itaucred
99,99% ON
99,99% TOTAL
Itaú Seguros
100,00% ON
100,00% TOTAL
50,00% ON
95,75% TOTAL
Itaú Bank
Itaú Banco de
Investimento
99,99% ON
99,99% TOTAL
Banco Fiat
Credicard
Banco Itaú BBA
50,00% ON
50,00% TOTAL
Cia. Itauleasing
99,99% ON
99,99% TOTAL
Financeira
Americanas
Itaú(*)
50,00% ON
50,00% TOTAL
Itaú Vida e
Previdência
100,00% ON
100,00% TOTAL
Obs: Os percentuais referem-se à soma das participações direta e indireta.
(*) Sujeito à aprovação do Banco Central.
48 Análise Gerencial da Operação
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
Desempenho no Mercado de Ações
Em 2005, nossas ações preferenciais (ITAU4) encerraram o
ano cotadas a R$ 56,30 por ação, com valorização de
41,1%. Nossas ações ordinárias (ITAU3), ao final do ano
tiveram uma valorização de 34,3%, cotadas a R$ 47,01 por
ação. Nossos ADRs (ITU) negociados na NYSE, encerraram
o ano com valorização de 59,8%, cotados a US$ 24,02 por
ADR. Encerramos 2005 com valor de mercado de R$ 62,2
bilhões, uma valorização de 37,5%. Ao final do exercício, o
valor de mercado de nossas ações preferenciais (PN)
correspondia a 4 vezes o seu valor patrimonial.
R$ Milhões
Volume Financeiro Médio Diário Negociado
BOVESPA
NYSE
TOTAL
22
8
30
2002
23
12
35
2003
31
19
50
2004
59
42
101
2005
Cabe destacar que no ano de 2005:
a) Tivemos um expressivo aumento de 104,9% no
volume financeiro médio diário negociado de nossas
Ações e ADRs.
b) 58,5% do nosso volume financeiro médio diário foi
negociado com ações na Bovespa.
Desempenho no Mercado de Ações - R$
Em 2005
Máximo no ano (a)
Média no ano
Mínimo no ano (b)
Variação % (a/b)
Cotação de fechamento (*)
Ações PN
59,89
47,15
37,55
59,5%
56,30
Ações ON
50,00
41,52
33,00
51,5%
47,01
(*) Em 29/12/2005
Dividendos / Juros sobre o Capital Próprio (JCP)
1,68
1,21
0,97
0,72 0,74
0,51 0,55
0,30 0,29
0,10 0,10 0,12
118
119
148
362
1.372
1.108
808
602
1.852
829
629
343
1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005
Dividendos/JCP Totais - R$ milhões
Dividendos/JCP Unitários - R$ por ação
Nos últimos 10 anos pagamos em média 35% do Lucro
Líquido para nossos acionistas sobre a forma de Dividendos/
JCP. Além disso, nos últimos 15 anos não efetuamos nenhum
aumento de capital em dinheiro e distribuímos mais de R$ 8,6
bilhões em Dividendos/JCP aos nossos acionistas.
Em2005,nossoConselhodeAdministração,deliberoupeloquarto
ano consecutivo, a elevação do dividendo mensal unitário (de R$
0,017 para R$ 0,021 por ação), distribuindo um total de R$ 1.852
milhões (R$ 1,68 por ação), em Dividendos/JCP.
49 Análise Gerencial da Operação
Eventos Importantes
“Desdobramento de Ações”
Realizamos o desdobramento de nossas ações, através
do qual, distribuímos em 03/10/2005, 9 novas ações para
cada ação preferencial e ordinária existente na Bolsa de
Valores de São Paulo (Bovespa), e, em 06/10/2005,
distribuímos 4 novos ADRs para cada ADR existente, na
Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE - New York Stock
Exchange). Em decorrência desta operação, cada ADR
passou a representar uma ação preferencial. O nosso
capital social atualmente é representado por 1.132.941.290
ações escriturais, sem valor nominal, das quais 605.963.420
ordinárias e 526.977.870 preferenciais.
“Reconhecimentos - Quarto Trimestre de 2005”
Prêmio APIMEC - DF - Melhor Reunião de 2004
Prêmio APIMEC - RIO - Melhor Reunião de 2004
Prêmio APIMEC - NE - Melhor Reunião de 2004
Prêmio Walter Fredrich 2004 (APIMEC - SUL) - Melhor Reunião
Evento Subseqüente
Em janeiro de 2006, assinamos Memorando de Entendimentos
com a XL Capital Ltd. (XL), visando a criação de nova seguradora
no Brasil, que atuará no mercado de grandes riscos de seguros
comerciais e industriais.
Para nós, esta operação significará o aproveitamento das
sinergias existentes entre Itaú e a XL, agregando ao
conhecimento e penetração já detidos por nós no mercado
brasileiro, a expertise da XL na subscrição de seguros de grandes
riscos e sua capacidade de resseguros, com vantagens para
nossos clientes e corretores de seguros. Cabe frisar ainda que
a parceria proposta planeja se posicionar para possíveis
alterações na regulamentação do setor de resseguros no Brasil,
conforme tramitação no Congresso Nacional.
Cultura de Performance
A capitalização de mercado superior, o aumento significativo
da liquidez de nossas ações e o lançamento de produtos/
serviços diferenciados para o mercado de capitais, dentre outras
iniciativas, refletem a valorização de nossa Cultura de
Performance, visando a criação de valor para nossos acionistas
e focando uma rentabilidade sustentável. Como resultado da
visão estratégica de longo prazo de nossa Cultura de
Performance, nos últimos quatorze trimestres o retorno sobre
o patrimônio líquido ficou acima de 30%.
Retorno sobre o Patrimônio Líquido Médio (%)(*)
41,1
32,6
32,0
33,6
31,1
33,6
40,8
42,5
36,0
4ºT./03 1ºT./04 2ºT./04 3ºT./04 4ºT./04 1ºT./05 2ºT./05 3ºT./05 4ºT./05
(*) ROE anualizado
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
PricewaterhouseCoopers
Av. Francisco Matarazzo, 1700
Torre Torino
Caixa Postal 61005
05001-400 São Paulo, SP - Brasil
Telefone (0xx11) 3674-2000
Relatório dos auditores independentes sobre as informações suplementares
Ao Conselho de Administração e aos Acionistas
Banco Itaú Holding Financeira S.A.
1. Em conexão com nosso exame das demonstrações contábeis do Banco Itaú Holding Financeira S.A. e do
Banco Itaú Holding Financeira S.A. e empresas controladas (consolidado) em 31 de dezembro de 2005 e de 2004,
cujo parecer de auditoria foi emitido, sem ressalvas, datado de 14 de fevereiro de 2005, procedemos à revisão das
informações suplementares incluídas no Relatório da Análise Gerencial da Operação Consolidada do Banco Itaú
Holding Financeira S.A. e empresas controladas.
2. Nosso trabalho foi efetuado de acordo com as normas específicas estabelecidas pelo IBRACON - Instituto dos
Auditores Independentes do Brasil, em conjunto com o Conselho Federal de Contabilidade, com o objetivo de revisarmos
as informações contábeis contidas nas informações suplementares do Relatório da Análise Gerencial da Operação
Consolidada do Banco Itaú Holding Financeira S.A. e empresas controladas, e consistiu, principalmente, em: (a) indagação
e discussão com os administradores responsáveis pelas áreas contábil, financeira e operacional do Banco quanto aos
principais critérios adotados na elaboração das informações contábeis contidas nas informações suplementares e (b)
revisão das informações relevantes e dos eventos subseqüentes que tenham, ou possam vir a ter, efeitos relevantes
sobre a posição financeira e as operações do Banco e empresas controladas. As informações suplementares incluídas
no Relatório da Análise Gerencial da Operação Consolidada são apresentadas para possibilitar uma análise adicional,
sem contudo fazerem parte das demonstrações contábeis.
3. Baseados em nossa revisão, não temos conhecimento de qualquer modificação relevante que deva ser procedida
nas informações contábeis contidas nas informações suplementares acima referidas, para que elas estejam
apresentadas adequadamente, em todos os aspectos relevantes, em relação às demonstrações contábeis em 31
de dezembro de 2005 tomadas em conjunto.
São Paulo, 14 de fevereiro de 2006
PricewaterhouseCoopers
Auditores Independentes
CRC 2SP000160/O-5
51 Management Discussion and Analysis
Ricardo Baldin
Contador
CRC 1SP110374/O-0
Banco Itaú Holding Financeira S.A.

Documentos relacionados