VOO GOL 1907

Сomentários

Transcrição

VOO GOL 1907
VOO GOL 1907
Veículo: Site Revista Isto É
Seção: *****
Coluna: *****
Jornalista: Ivan Martins e Márcio Kroehn
Data: 20 de março de 2010
Cm/col: 40
farsa do vôo 1907
Por Ivan Martins e por Marcio Kroehn
Imagine, leitor, o seguinte cenário: dois pilotos brasileiros conduzem um jatinho
executivo sobre o vasto deserto do Arizona, nos Estados Unidos. Por uma razão
qualquer, seu aparelho invade espaço aéreo proibido e permanece surdo às advertências
do controle local de tráfego aéreo. Na contramão do céu, o pior acontece: a aeronave
choca-se com um avião comercial americano e provoca a sua queda, matando 154
pessoas. O jatinho e sua tripulação escapam milagrosamente ilesos, apesar de pequenas
avarias que forçam a nave a um pouso de emergência.
Esse acidente hipotético ajuda a dimensionar a farsa em que se tenta transformar uma
tragédia real, a do vôo 1907 da Gol. O Boeing caiu sobre a Amazônia no dia 29, sextafeira, atingido por um jato Legacy da Embraer pilotado por Joseph Lepore e Jean Paul
Palladino, cidadãos americanos.
Há 154 famílias em luto desesperado, as autoridades aeronáuticas e a polícia federal se
empenham em desvendar as causas do acidente, mas existe, do lado americano, um
esforço deliberado em proteger de antemão os dois pilotos, transferindo o ônus das
mortes a supostas falhas técnicas dos sistemas de vôo brasileiros. Se o acidente tivesse
ocorrido nos Estados Unidos não haveria a menor chance dessa manobra ter sucesso.
Aqui, pode funcionar.
O que deveria ser a sóbria e isenta coleta de fatos está sutilmente dando lugar a um
debate no qual os pilotos americanos são apresentados por seus compatriotas e
advogados brasileiros como vítimas. Insinua-se falsidade e incompetência das
autoridades brasileiras. Não falta nesse episódio o flagelo da repúblicas pobres, que vira
e mexe são ameaçadas em sua soberania. O que se faz quando dois cidadãos americanos
começam a agitar seu passaporte e gritar ao embaixador que estão sendo alvo de
injustiça?
Nesta semana, os jornais brasileiros devem informar que Lepore e Palladino respondem
“aos berros” quando se pergunta se desligaram o aparelho que impediria o acidente,
chamado de transponder. Ocorre que essa é uma pergunta perfeitamente pertinente, uma
vez que há dois aparelhos de comunicação desse tipo a bordo do Legacy e até minutos
depois do acidente nenhum deles havia funcionado ou estavam ligados. Como falha
técnica é inaudita. Imagine-se os dois pilotos brasileiros fictícios berrando no escritório
do FBI em Washington...
Essa atmosfera de intriga pode piorar nos próximos dias, quando emergir de novo o
conteúdo da caixa preta do Legacy. Ela deixa claro o que os pilotos fizeram ou não
fizeram. Circula a hipótese grotesca de que eles teriam desligado o transponder e o rádio
para fazer manobras desautorizadas com seu novo brinquedo, recém apanhado nos
angares da Embraer, em São José dos Campos. Estariam, nessa hipótese assombrosa,
agindo sobre a vastidão amazônica como um adolescente faria com o carro novo da
família numa estrada deserta: estrepolias, nas palavras do advogado dos pilotos, o exministro José Carlos Dias.
Dias foi à televisão, à época, avisar que a suposição de “estropolias” era absurda.
Alegava que por formação essas pessoas não fazem esse tipo de coisa. Se referia a
pilotos treinados ou cidadãos americanos? Estranho argumento, mas que pode, afinal,
ser verdadeiro. Por outro lado, pode ser também o início de uma manobra para
desqualificar previamente as informações da caixa-preta. Não há limites para o que um
bom advogado é capaz de fazer em defesa de seus clientes.
Mas desta vez o advogado não é o principal vilão da história. Um jornalista americano,
que viajava à bordo do Legacy tomou para si o papel de canalha. Joe Sharkey, colunista
de aviação do The New York Times, disse à polícia brasileira que não tinha visto nada.
Afirmou que durante a viagem ficara sentado lá no fundo do jatinho, ouvindo música.
Liberado para viajar, voltou aos EUA e tem dado repetidas declarações à imprensa de
que os pilotos voavam na altitude certa e de que “corriam risco naquele País”. Nem uma
palavra de condolências pelas 154 pessoas que perderam suas vidas.
Nos próximos dias o leitor nacionalista vai precisar de paciência. Se os americanos
forem descaradamente inocentes, a paz voltará a reinar. Se houver dúvidas – e quase
certamente haverá – o jogo de pressões vai aumentar. Não faltará quem sugira que é
melhor para o País esquecer o episódio porque, afinal, não há como retornar à vida os
que se foram.
A única resposta a esse tipo de pusilanimidade é a análise minuciosa das evidências
técnicas. Se for descoberto que o controle de vôo brasileiro falhou, aplique-se a lei aos
nacionais. Se houver indícios de que os americanos foram negligentes, que enfrentem os
juizes brasileiros. Enquanto isso, deviam ter permanecido no Brasil, como convidados.

Documentos relacionados

EUA culpam Legacy por acidente da Gol

EUA culpam Legacy por acidente da Gol no Brasil, onde vários inquéritos militares e judiciais estão em curso. O sistema de segurança em questão envolve aparelhos chamados transponders, sistemas de rádio automáticos que enviam sinais co...

Leia mais

Acidente do voo 1907 da Gol completa 4 anos

Acidente do voo 1907 da Gol completa 4 anos punição dos culpados. O acidente entre um jato Legacy e um avião Boeing da Gol aconteceu em 29 de setembro de 2006 e nenhum dos passageiros e tripulantes da aeronave da Gol sobreviveu. Os pilotos a...

Leia mais

Clique aqui para fazer o do arquivo.

Clique aqui para fazer o do arquivo. Ao mesmo tempo, o jato executivo Legacy vinha de São José dos Campos, em direção a Manaus/ AM, onde pousaria para, no dia seguinte, partir rumo ao exterior.

Leia mais