TCC – A Tradução de Uma Imitatio Shakespeareana

Сomentários

Transcrição

TCC – A Tradução de Uma Imitatio Shakespeareana
CENTRO UNIVERSITÁRIO ADVENTISTA DE SÃO PAULO
CAMPUS ENGENHEIRO COELHO
ANA CLÁUDIA LUNKES
A TRADUÇÃO DE UMA IMITATIO SHAKESPEAREANA
ENGENHEIRO COELHO
2012
ANA CLÁUDIA LUNKES
A TRADUÇÃO DE UMA IMITATIO SHAKESPEAREANA
Trabalho de Conclusão de Curso do Centro
Universitário Adventista de São Paulo do
curso de Tradutor e Intérprete, sob a
orientação do profo Dro Milton Luiz Torres.
ENGENHEIRO COELHO
2012
Trabalho de Conclusão de Curso do Centro Universitário Adventista de São Paulo,
do curso de Tradutor e Intérprete apresentado e aprovado em 18 de novembro de
2012.
_________________________________________________
Orientador: Prof° Dr° Milton Luiz Torres
_________________________________________________
Segundo Leitor: Prof° Ms° Neumar de Lima
Dedico este trabalho à minha família que,
mais do que qualquer um, fez todo o
possível para que eu pudesse estudar.
AGRADECIMENTOS
 Agradeço a Deus por me dar forças e sabedoria para concluir mais esta etapa
da minha vida;

Agradeço a minha família que batalhou e se sacrificou muito para que eu
pudesse chegar até aqui;

Agradeço às minhas amigas que foram compreensivas comigo nestes meses
em que todo o meu tempo foi dedicado ao TCC.

Agradeço aos professores que dedicaram tempo e se esforçaram para
possibilitar que este trabalho se realizasse.
RESUMO
Este trabalho aborda a técnica da imitatio e as dificuldades que a tradução de um
texto escrito com essa técnica pode trazer. Neste caso, faz-se a análise da imitatio
de Shakespeare, abordando-se três versões da história do estupro de Lucrécia, a
narrada por Shakespeare e as de Lívio e Ovídio, que Shakespeare imitou. Em
seguida, empreende-se uma investigação analítico-comparativa das dificuldades de
tradução da imitatio a partir da tradução feita, neste trabalho, de The rape of
Lucrece, de Shakespeare. A análise demonstra que é necessário que o tradutor
tenha conhecimento prévio das obras imitadas pelo autor. Constata-se, portanto,
que a tradução de um texto escrito com a técnica da imitatio traz mais dificuldades
ao tradutor, pois exige que o tradutor saiba identificar as vozes dos autores imitados
no texto que traduz para poder, assim, entender completamente a história e vertê-la
satisfatoriamente.
Palavras-Chave: Imitatio; Shakespeare; Tradução; Estupro de Lucrécia.
ABSTRACT
This paper addresses the imitatio technique and the difficulties that the translation of
a text written with the aid of this technique may cause. On the whole, this paper
analyzes an imitatio by Shakespeare, addressing three versions of the Rape of
Lucrece story, that which was written by Shakespeare as well as those by Livy and
Ovid. Next, a comparative-analytical examination is attempted taking into
consideration an ad hoc translation of Shakespeare’s The rape of Lucrece. The
analysis shows that it is necessary for the translator to know the works that the
author imitated. Therefore, it was observed that the translation of an imitatio text
brings more difficulties to the translator because it requires more research and there
is a need for the translator to be able to identify the voices of the authors who are
imitated, so he or she can completely understand the story.
Keywords: Imitatio, Shakespeare, Translation. Rape of Lucrece.
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO ....................................................................................................... 09
2 METODOLOGIA .................................................................................................... 11
3 A TRADUÇÃO DE UMA IMITATIO SHAKESPEAREANA.................................... 12
3.1 A imitatio ............................................................................................................ 12
3.1.1 A imitatio praticada pelos romanos .............................................................. 15
3.1.2 Renascimento: seguindo os modelos antigos ............................................ 17
3.2 As versões do estupro de Lucrécia ................................................................. 20
3.2.1 A história narrada por Tito Lívio ................................................................... 20
3.2.2 A história narrada por Ovídio ........................................................................ 21
3.2.3 A história narrada por Shakespeare ............................................................. 22
3.3 O estupro de Lucrécia....................................................................................... 25
3.4 Análise das dificuldades de tradução ............................................................. 83
4 CONCLUSÃO ........................................................................................................ 91
5 REFERÊNCIAS ...................................................................................................... 92
APÊNDICES ............................................................................................................. 95
9
1 INTRODUÇÃO
Esta pesquisa se propõe a analisar as dificuldades de tradução de um texto
escrito com a técnica da imitatio. A temática fará a análise das dificuldades de
tradução com base na imitatio de Shakespeare. Para desenvolver o trabalho definirse-á a técnica da imitatio bem como seu surgimento para que não haja confusão em
relação ao que se trata essa técnica. O texto usado para definir as dificuldades será
o texto The rape of Lucrece, que será traduzido, pela pesquisadora, neste trabalho.
Essa escolha se deu pelo fato de que Shakespeare o escreveu imitando os textos de
Tito Lívio e Ovídio.
Dentre os autores que embasarão as discussões estão Isabel Virgínia de
Alencar Pires (2004), Desiderio Erasmo (1908), Sara Hong (2009) e D.A. Russel
(2001), pois tratam da técnica da imitatio trazendo explicações que vão desde
explicações fundamentais sobre o que a técnica é, até mais profundas abordando o
uso dela, bem como, a criatividade e qualidades que um autor precisa ter para
escrever com a imitatio.
A problemática que norteará esta pesquisa se relaciona às dificuldades que
um tradutor encontraria para traduzir um texto escrito com a técnica da imitatio.
Perguntamo-nos se além das dificuldades comuns à tradução que outras surgiriam
ao se traduzir textos escritos com a técnica da imitatio. Considerando-se essa
problemática, deve-se se atentar ao fato de que ao se traduzir um texto escrito com
a técnica da imitatio há vários elementos envolvidos no texto, pois muitas vozes se
entrelaçam; no caso em estudo, de um lado as vozes que compõem os sujeitos
escritores Tito Lívio e Ovídio e, de outro, as que atravessam o escritor Shakespeare.
A partir disso, formulamos a hipótese de que quando o tradutor se depara com uma
obra cuja produção se valeu da técnica da imitatio e esse tradutor não tem
conhecimento dessas múltiplas vozes envolvidas no processo, ele corre o risco de
dar mais ênfase aos aspectos culturais, sociais e históricos de um autor que de
outro, privando a cultura de chegada de entrar em contato com aspectos importantes
das obras envolvidas que ficaram para trás, cabendo, portanto, ao tradutor a tarefa
adicional de identificar as vozes dos outros autores.
10
Os objetivos seguem a proposta desta pesquisa. De modo geral, pretende-se
avaliar as dificuldades tradutórias oriundas da imitatio de Shakespeare. Os objetivos
específicos são, primeiro, traçar um breve histórico da imitatio para, dessa forma,
poder defini-la; depois, traduzir a obra The rape of Lucrece de Shakespeare; em
seguida, analisar o uso que Shakespeare fez da imitatio; e, por último, analisar as
dificuldades de tradução de um texto escrito com a técnica da imitatio, tomando
como estudo de caso The rape of Lucrece, de Shakespeare.
O interesse em escrever sobre esse assunto surgiu do primeiro contato com a
técnica da imitatio, através da leitura de The rape of Lucrece, de Shakespeare,
quando se percebeu como a criatividade do autor/reescritor pode fazer com que a
obra retrate a obra anterior e, ao mesmo tempo, seja algo novo, com as
características do autor/reescritor. Isso despertou o nosso interesse de tentar
descobrir as dificuldades para um tradutor traduzir uma obra reescrita com a técnica,
considerando as ―intenções‖ do autor/reescritor, ao manter ou não determinadas
características do original e considerando que nesse texto há as vozes de duas ou
mais culturas distintas.
Além disso, na extensão em que pesquisamos, parece não haver nenhuma
obra que trate das dificuldades de se traduzir um texto escrito com a técnica da
imitatio. Embora essa seja uma técnica conhecida, os autores que discorrem sobre
ela falam sobre o seu uso como uma técnica de escrita/reescrita ou de tradução,
mas não dos aspectos tradutórios. Essa lacuna percebida justifica a relevância
social, tendo em vista que contribuiremos para que mais pesquisas sejam feitas na
área.
Este trabalho se insere em duas linhas de pesquisa:

Linguagem Códigos e Tecnologias, na vertente da aplicação das teorias de
tradução ao ambiente de ensino/aprendizagem de línguas e à prática
tradutória e interpretativa.

Desenvolvimento humano: Enfoques históricos, educacionais e religiosos, na
vertente da inter-relação entre literatura e tradução na história.
11
2 METODOLOGIA
A metodologia da pesquisa segue as linhas da pesquisa explicativa que
envolverá investigação analítico-comparativa. Serão seguidas as etapas seguintes:
No primeiro capítulo, se teorizará sobre a imitatio bem como se traçará um histórico
sobre o uso da imitatio; no segundo capítulo, se teorizará sobre o uso da imitatio por
Shakespeare em The rape of Lucrece após uma breve análise sobre as obras de
Tito Lívio e Ovídio, que Shakespeare imitou; no terceiro capítulo, se traduzirá The
rape of Lucrece em versos livres brancos; no quarto capítulo, se desenvolverá
algumas considerações sobre as dificuldades de tradução de um texto escrito com a
técnica da imitatio com base na tradução feita, posteriormente, de The rape of
Lucrece.
12
3 A TRADUÇÃO DE UMA IMITATIO SHAKESPEAREANA
3.1 A imitatio
Dryden (apud SÁ, 1999, p.62) subdividiu a tradução em três tipos: metáfrase,
paráfrase e imitação. Na metáfrase a tradução é literal; na paráfrase, o tradutor
traduz o sentido, mas não segue as palavras estritamente; na imitação (ou imitatio,
como denominada neste trabalho), a ideia original do texto é mantida, mas o tradutor
pode fazer uso das palavras a seu bel-prazer. A assimilação de uma cultura
mediante a imitação de obras em suas formas e conteúdos diversos, tratada neste
trabalho, é a imitatio veterum (imitação dos mais velhos) ou imitatio aucturum
(imitação de autores) e não deve ser confundida com qualquer outra imitação que
possa ser usada para assimilar culturas, como a imitatio naturae (imitação da
natureza) (PASCHOAL, 2006, p. 1).
É importante que não se confunda o conceito de imitatio, aqui tratado, com o
conceito de mimesis. Ambos tratam de imitação, mas a mimesis, em seu conceito
clássico, se refere à imitação da natureza e da arte antiga. O conceito grego da
mimesis tem pelo menos dois aspectos: o primeiro aspecto, chamado de aspecto da
simulação, representa os traços essenciais de algo ou de condições específicas de
uma situação; o segundo aspecto, chamado de aspecto da emulação, trata da
reprodução de atitudes. O conceito de imitatio trata da imitação literária (HOLANDA,
2008, p. 134, 137).
Em Russel (2001, p. 4), encontra-se uma explicação sobre a diferença entre
imitatio e mimesis. Ele afirma que o conceito de mimesis que os filósofos usam para
descrever o tipo de atividade humana que a literatura exemplifica não é a imitação
de um autor por outro. Certamente há um uso homônimo da palavra, mas isso se
deve ao conceito romano e helenístico que tentava explicar o que a poesia é e faz
em geral. Apesar de ser considerada uma tradução, a imitatio nem sempre foi usada
com esse intuito. Ela foi amplamente usada na Antiguidade, pelos romanos, e no
período da Renascença, não como uma tradução, mas como uma reescritura de
novos textos.
13
Codoñer (1994, p. 34) afirma que na imitatio há uma gradação que vai desde
a inspiração com base no original até uma tradução livre e parcial do poema.
Considerando-se a imitatio uma recriação, vale dizer que os autores precisam de
tanta criatividade nesse processo quanto no processo de criação em si. De fato,
Silva (2006, p. 28) afirma que a imitatio é um processo de criação/recriação de uma
literatura e o autor que compõe usando essa técnica:
faz reconhecer seus predecessores e a tradição à qual se filia,
empregando fórmulas e convenções que caracterizam o gênero da
obra e tomando por empréstimo versos, ou partes de versos (textos
ou partes de textos), temas e conteúdos conhecidos de um público
determinado, que são reproduzidos em um novo arranjo e em um
novo contexto.
Lendo as palavras de Silva, pode-se perceber que a recriação é um processo
que exige criatividade, pois é uma tarefa difícil um autor reproduzir um texto
colocando suas características e, ao mesmo tempo, deixando as características do
autor do texto original; também é difícil contar uma história com elementos seus e,
ao mesmo tempo, manter os elementos da história original de forma que o leitor
possa reconhecer a obra que a história imita.
Segundo Russel (2001, p. 5, 6), o imitador precisa ter inteligência crítica para
entender o porquê de seu modelo ser tão bom; ter capacidade de abstrair, de todos
os tipos de literatura, as qualidades universais que serão usadas; precisa ter
capacidade de compreender completamente não apenas as palavras do modelo,
mas seus propósitos e métodos; e precisa penetrar além do caráter superficial dos
verbos e entender seu espírito e significado. Quesnay (2001, p. 37, 38) afirma que o
imitador pode fazer um poema completamente novo. Segundo ele, em vez de se
prender à tradição, pode fazer novas seleções e novas combinações de material,
pode fazer uma variação e uma adaptação inteligente combinando o material novo
com o antigo. Geralmente, o imitador se esforça para fazer um trabalho melhor que
o de seus predecessores.
Se simplesmente copiassem as técnicas e os escritos dos outros, poder-se-ia
supor que esses autores prescindiam de criatividade. Entretanto, quanto a isso
Coelho (2007, p. 6) afirma:
A ideia de que a tradição literária pode ser vista como inesgotáveis
recriações de modelos pré-existentes é bem aceita pelos estudiosos.
Até mesmo em autores como James Joyce e Edgar Allan Poe,
renomados por sua extrema originalidade, é possível encontrar
14
inúmeras características que nada mais são do que releituras da
tradição. E tal evolução da literatura, bem como de todas as artes e
ciências, não poderia deixar de ser assim uma constante releitura do
passado, já que mesmo o rompimento com a tradição necessita de
alguma intertextualidade.
Erasmo (1908, p. 46, 54) relata outros autores renomados que fizeram uso da
imitação em seus escritos. Segundo ele, Virgílio imitou Homero, Horácio imitou os
gregos, Cícero imitou os gregos e latinos. Com isso, ele mostra que a imitatio não é
degradante para um autor; ao contrário, ela revela o quão criativo ele pode ser ao
implementar seu texto com o texto do outro.
Assim sendo, o uso da imitatio pressupõe grande criatividade. Ao
reescreverem um texto, os autores se tornam criadores de um novo texto que, ao
mesmo tempo, retém importantes aspectos da Antiguidade. Lenzoni (apud PAINE,
2000, p. 124) é intransigente ao defender a criatividade de quem faz uso da imitatio:
But if people want to be so severe; and so dependent on the things
made identical to the ancient; such that no new thing may be found;
or those already existing recomposed so that they may be good and
delight just like them, let the architects submit to their first four orders
[generi]; and abandon the Composite [composto]: let the
mathematicians stop at the instruments made by Ptolemy; and not
only abandon looking for others, but, throw away those already found,
though they are as good or better: and let the farmers [agricoltori]
stop grafting various types of fruit so as to obtain more grace, size,
goodness and life in their trees. And let them stay quietly at the things
made and found by the ancients and celebrated authors without trying
others.
Mas se as pessoas quiserem ser tão severas a ponto de
dependerem das coisas feitas idênticas às antigas e tão dependentes
das coisas antigas a ponto de que nada novo possa ser descoberto
nem as obras já existentes possam ser refeitas de forma tão boa e
agradável quanto suas predecessoras, então os arquitetos devem se
submeter às primeiras quatro ordens (generi) e abandonar a Mistura
(composto); os matemáticos se restringir aos instrumentos feitos por
Ptolomeu e seus antecessores e não apenas parar de procurar por
outros como também jogar fora aqueles já descobertos, mesmo que
sejam tão bons ou melhores; os fazendeiros (agricultori) devem parar
de enxertar diversos tipos de frutas para obter mais graça, tamanho,
excelência e vida em suas árvores. Todos devem se ater
silenciosamente às coisas feitas pelos autores antigos e celebrados
sem tentar outras.
Em todas as criações há sempre uma imitação. Se não houver imitação
alguma, não há criação, pois, por mais originalidade que o criador tenha, a
inspiração vem de algo que já viu, leu ou ouviu falar em algum lugar. Se nos
recusarmos a fazer uso de qualquer coisa que imite os clássicos, devemos seguir as
15
palavras de Lenzoni que acabamos de mencionar e nos restringir às coisas feitas
pelos antigos já que não há nada que possa ser considerado novo. Muitas vezes, a
imitação acontece de maneira inconsciente. O autor se apropria do texto do outro e
o utiliza da sua maneira sem perceber isso (SCHNEIDER, 1990).
Erasmo (1908, p. 82) usa a metáfora da abelha para explicar a criatividade de
um autor que usa a imitatio. Segundo ele, as abelhas coletam o material para o mel
de diversas flores, mas o material que elas trazem não é mel, mas outro líquido. A
partir desse líquido coletado das flores, com seus órgãos, as abelhas fazem o mel.
Dependendo da planta da qual foi coletado o material, o sabor do mel é diferente. No
entanto, sem o talento da abelha, o mel não existiria. O mesmo se aplica a um texto
escrito com a técnica da imitatio. O autor coleta material de um texto e, a partir
daquele material, com seu talento e sua criatividade, cria outro texto que é diferente
daquele que o originou. Assim, imitatio não é sinônimo de cópia. O autor não
consegue engajar o leitor se ele mesmo está sem ânimo. Não pode fazer a mente do
leitor se inflamar com as coisas celestiais, se não acredita nelas (HONG, 2009, p. 1,
2,15).
Ao fazer imitatio, ―reencenamos a origem, resgatamos o traço e retomamos o
rastro, fazemo-lo ou deveríamos fazê-lo produzindo e localizando diferença‖ (SÁ,
1999 p. 75, 76). A imitação só é bem sucedida quando o leitor consegue perceber a
retomada do texto anterior. Nessa percepção, o leitor deve reconhecer o sentido que
havia no texto anterior e perceber o sentido novo. Aqui, pode-se retomar a metáfora
da abelha. Alguém que está habituado ao mel, consegue perceber, em seu sabor, a
planta da qual ele é derivado; da mesma forma, o leitor que conhece o texto anterior
perceberá que o texto novo é derivado daquele. Esse leitor, chamado de leitormodelo, ou leitor-intérprete, é instruído na mesma tradição do autor e é ―capaz de
tomar parte no jogo intertextual praticado na imitatio‖ (SILVA, 2006, p. 34, 38).
3.1.1 A imitatio praticada pelos romanos
Os romanos consideravam a cultura grega superior à cultura romana já que
os gregos se dedicaram muito ao desenvolvimento das faculdades mentais. Quando
conquistaram os gregos, os romanos levaram muito da cultura grega para a cultura
16
romana. Literatura, arte, escultura, arquitetura entre muitos outros elementos
culturais, foram adaptados à cultura romana. Por essa razão, é fácil perceber um
vínculo entre a mitologia grega e a mitologia de Roma, entre as esculturas gregas e
as esculturas romanas, etc.
Nesse contexto, também surgiu a imitatio. Como os romanos consideravam a
literatura grega superior à deles, usavam-na como um padrão para a criação de sua
própria literatura. Furlan (2001, p. 12) afirma:
A gênese da literatura latina está na tradução e imitação de modelos
gregos. A primeira época na história da tradução literária ocidental
consiste, pois em traduções do grego ao latim. Contudo, os romanos,
embora tenham constituído sua literatura sobre modelos gregos, não
tinham uma necessidade imperiosa de traduzir do grego, uma vez
que sua sociedade era basicamente bilíngue. Suas traduções
revelam, antes, seu interesse pelas criações literárias, pelos
conhecimentos científicos de outros povos, e o desejo de erigir sua
própria literatura.
Pos (2008, p. 3) afirma que, ao escrever, o poeta deveria se orientar nos altos
exemplos de conteúdo, composição e estilo da obra, pois esses exemplos davamlhe os princípios sobre como encontrar e elaborar as temáticas adequadas e
mostravam os gêneros e estilos mais indicados.
Silva (2006, p. 31) afirma que a imitatio era o ―fundamento do processo da
criação poética‖ e que toda a literatura romana foi construída com a apropriação
intencional de textos. O próprio Horácio (apud SILVA, 2006, p. 66) trata da imitatio
como uma recriação, uma literatura em segundo grau. Para muitos antigos, porém,
era aconselhável o uso da imitatio já que ela poderia se tornar melhor do que a obra
do predecessor.
Na tradução e na imitação, os romanos buscavam reinventar o texto-fonte,
seguindo um padrão de transferência, substituição e deslocamento de tal forma que
o foco estivesse na produção de um texto novo que se adaptasse à sua população e
às suas circunstâncias históricas. Dessa forma, o texto seguia os padrões gregos
tão reverenciados e, ao mesmo tempo, se apropriava do cânone grego através da
recriação (FURLAN, 2001, p. 15, 16).
A partir dessas informações, conclui-se que a literatura romana surgiu como
resultado de tradução e da criação literária entremescladas. De fato, a tradução
praticada pelos romanos era uma tradução livre e era considerada como produção
17
literária, já que devido ao bilinguismo, ou até mesmo trilinguismo, os romanos tinham
acesso ao texto original. O leitor romano via o texto traduzido como um metatexto e,
o tradutor era julgado pela sua capacidade criativa ao reescrever o texto. Cícero, um
escritor daquela época reconhecido por muitos pelo uso da tradução livre, fala dessa
tradução utilizada pelos romanos como tendo o objetivo de adquirir a eloquência
pela imitação dos gregos, e afirma que não fez tradução em seus textos, mas
imitação (FURLAN, 2010, p. 87; FURLAN, 2001, p. 19).
3.1.2 Renascimento: seguindo os modelos antigos
No período do Renascimento, houve uma grande mudança na cultura e na
sociedade devido à revalorização da Antiguidade Clássica. Da mesma forma que os
romanos mudaram e adaptaram sua cultura por darem mais valor aos padrões
gregos, os renascentistas mudaram e adaptaram sua cultura por valorizarem os
padrões da Antiguidade Clássica.
A valorização da cultura clássica afetou também a literatura. Deu-se início a
uma intensa atividade tradutória e de imitação semelhante à que ocorreu com os
romanos, ou seja, nesse período iniciou-se o uso intenso da imitatio. Segundo
(SILVA, 2006, p. 50):
No Renascimento, a versão para o vernáculo de textos gregos e
latinos torna possível a expansão do conhecimento literário. Toda
essa imersão na cultura clássica acaba por conduzir à reprodução do
processo de criação literária praticado pelos latinos, a imitatio.
Primeiramente, o uso da imitatio era feito através da Antiguidade romana.
Holanda (2008, p. 138, 139) afirma que o contato que os renascentistas tinham com
a Antiguidade grega era indireto e se estabeleceu primeiramente no Renascimento
italiano através da Antiguidade romana. Foi na Alemanha, no século XVII, que se
começou a ter acesso direto aos textos gregos e, portanto, a se fazer uso da imitatio
com os textos gregos. Então, a autora estabelece que o uso da imitatio no
Renascimento teve início no Renascimento italiano com a redescoberta da cultura
antiga, e teve seu apogeu na Alemanha quando se teve mais acesso às fontes
gregas.
18
Nesse processo de imitação, os renascentistas encontraram um problema a
ser solucionado. Eles não queriam fazer uma mera imitação, queriam criar algo
novo. Com esse desejo, surgiu a questão: como criar algo novo sem ser escravo das
regras e do texto da Antiguidade Clássica e, ao mesmo tempo, seguir os padrões
clássicos tão respeitados e valorizados?
Uma resposta a essa indagação pode ser encontrada em Holanda (2008, p.
142, 143, 145), quando afirma que Shakespeare é considerado um gênio, mas, em
suas tragédias, contradisse algumas regras aristotélicas da tragédia, criando novos
formatos. Contudo, ainda assim, suas obras são completamente adequadas a esse
gênero. Certos aspectos da Antiguidade simplesmente não podem ser reproduzidos
em outra época e, portanto, uma boa imitação é adequada ao seu tempo. Para
tornar essa questão de fácil compreensão, a autora tomou Goethe como exemplo.
Segundo ela, Goethe imitou um grego ao adequar as normas da tragédia grega ao
seu tempo; seguindo o exemplo dos gregos, ele soube fundar um novo estilo e
abordar questões próprias.
Segundo Afonso (2008, p. 17, 18, 21, 97), no período renascentista, os
autores dependiam dos modelos clássicos e tentavam a todo custo imprimir uma
marca da atualidade e criar um estilo novo, mas esse estilo não podia colidir com a
tradição antiga nem com a preceptística (um conjunto de normas referentes à
avaliação crítica da literatura). Embora a imitatio fosse um elemento imprescindível
na criação literária, a obra deveria ser enriquecida com a originalidade própria da
nova identidade literária, tornando-se, assim, rica em sentidos. Por fim, o autor
enfatiza que não seria possível que os autores do período renascentista deixassem
de beber sua inspiração nas grandes obras e nos grandes autores da Antiguidade
Clássica e elenca autores como Sêneca, Sófocles e Eurípedes que exerceram
influência sobre escritores de toda a Europa.
Ao
ver
exemplos
de
autores
renascentistas
tão
renomados
como
Shakespeare, Goethe e os autores Sá de Miranda, Antônio Ferreira, Dante, Petrarca
e Camões, citados por Pires (2004, p. 125) como o resultado da literatura
renascentista que fazia uso da imitatio, pode-se ter a certeza de que os
renascentistas foram bem sucedidos ao fazerem suas reescrituras e que souberam,
de modo magnífico, criar algo novo sem ser escravo do antigo.
19
Segundo Moraes (2010, p. 109, 110), além de os renascentistas fazerem uso
da imitatio por considerarem os padrões da Antiguidade Clássica superior, havia
outro objetivo:
Tratava-se, com a imitatio, de subjugar os produtos do imaginário ao
que se tomava como verdadeiro, a um só tempo destituindo-os do
estatuto de discurso da verdade (associando-os ao engano, ao falso)
e submetendo-os a ela pelo critério da verossimilhança. Afastar-se
dos modelos legitimados, que remontavam à Antiguidade, era
afastar-se da verdade por eles captada, verdade esta concebida em
termos de imutabilidade, pressupondo-se a inalterabilidade do
homem e da natureza.
Em Camões, por exemplo, a tradição clássica faz com que ele inclua os
deuses da mitologia greco-romana na história de Os lusíadas. Como o objetivo de
Camões é diminuir os deuses pagãos e elevar o cristianismo, ele mina a confiança
dos deuses e, em seu lugar, coloca os santos da igreja católica. Dessa forma,
Camões eleva o Deus cristão e diminui o valor dos deuses pagãos (TORRES, 2009,
p. 202). Observa-se, portanto, que havia limites para o uso da imitatio. Assim, ao se
observar o uso da imitatio tanto na Roma Antiga quanto pelos renascentistas podese perceber que os reescritores/autores que fizeram uso dela utilizaram-na, não de
forma que seu texto ficasse restrito ao original, mas de forma que o texto original
lhes abrisse a imaginação para criarem algo inovador e que, ao mesmo tempo,
retomava o texto que imitavam. Também se observa que o uso da imitatio não
restringiu a criação dos autores; ao contrário, abriu possibilidade para novas
criações que talvez não existiriam se não fosse pelo uso da imitatio.
20
3.2 As versões do Estupro de Lucrécia
3.2.1 A história narrada por Tito Lívio
Tito Lívio, em sua obra História de Roma, livro 1, apresenta a narrativa da
queda do regime monárquico de Roma causada pelo estupro de Lucrécia. No relato,
durante o cerco de Árdea, os soldados se reuniram para passar o tempo e, durante
a conversa, começaram elogiar as virtudes das esposas e decidiram verificar qual
delas era a mais virtuosa. Viajaram às pressas de volta à Roma e encontraram todas
as esposas festejando, enquanto, em Colácia, Lucrécia, a esposa de Colatino,
estava fiando entre as criadas. Lucrécia foi eleita a mais virtuosa, mas sua beleza e
castidade inflamaram Sexto Tarquínio que, alguns dias depois, voltou à Colácia e
estuprou Lucrécia. Por se sentir ultrajada, Lucrécia enviou uma carta para o pai e
outra para o marido, que foram, com dois companheiros, ver o que havia acontecido
com ela. Ela narra o ocorrido para eles, os faz jurar que se vingarão do adúltero e,
em seguida, se suicida. Eles, para se vingar da morte e da injúria de Lucrécia, tiram
os Tarquínios do poder e assassinam Sexto Tarquínio. Com isso, o regime
monárquico muda para o consulado.
Provavelmente a história do estupro de Lucrécia narrada por Tito Lívio não é
verdadeira, pelo menos não em sua totalidade. Azimov (1993, p. 205) declara que:
In 390 B.C., a little over a century after the time of Tarquin, Rome
was taken and sacked by the barbarian Gauls and the historical
records were destroyed. All of Roman history prior to 390 B.C. is a
mass of legends based on uncertain kernels of fact. The legends
narrated by Livy and others were, however, accepted as sober fact
right down to modern times…
Em 390 A.C., pouco mais de um século depois da época de
Tarquínio, os gálios tomaram e saquearam Roma e destruíram todos
os registros históricos. Toda a história romana anterior a 390 A.C. é
um grupo de lendas que se baseiam na essência de fatos incertos.
Contudo, aceitaram-se as lendas narradas por Lívio e outros como
fatos verídicos até os tempos modernos...
Hoje, sabe-se que Tito Lívio, apesar de escrever um livro histórico, narra a
história sob uma visão romanceada e com aspectos moralizantes. Sua narrativa
pode ser considerada singela, regular e próxima a um texto passional. Lívio dá mais
importância à dramaticidade do que ao fato, fazendo, assim, com que
21
acontecimentos sem relevância histórica adquiram importância por serem centrais
na trama moralizante. Dessa forma, suas personagens são cobertas com as virtudes
associadas ao romano antigo. Lívio tinha convicção de que essas virtudes não
seriam mais encontradas no mundo de corrupção em que vivia; por isso, fez sua
obra com um fundo moralizante, pois visava à formação ética e política do cidadão.
Essa também é a razão pela qual sua obra tem elevado conteúdo patriótico. Ele não
pretende apenas informar o cidadão, quer ensiná-lo também (VALVERDE, 1999, p.
15, 16).
3.2.2 A história narrada por Ovídio
A trama da história narrada por Ovídio é a mesma daquela narrada por Lívio.
Há diferenças literárias, tanto na forma de narrar, quanto na estrutura, já que Lívio
narra a história em forma de prosa enquanto Ovídio em forma de poesia. Ovídio se
detém mais do que Lívio na conversa dos soldados e na forma como Lucrécia foi
encontrada. Ele também passa mais tempo relatando o plano de Tarquínio de
estuprar Lucrécia e seus sentimentos, bem como o sentimento do pai e do marido
de Lucrécia quando ela se suicida. Lívio, diferentemente de Ovídio, faz uma
narrativa mais extensa sobre o processo de revolta e derrubada dos Tarquínios.
Outra diferença marcante entre ambas as histórias é que, em Lívio, Tarquínio é
assassinado enquanto, em Ovídio, ele foge de Roma junto com a família.
É importante ressaltar, que apesar dessas diferenças marcadas, acima, entre
as histórias, não se pretende determinar qual delas está mais próxima do fato
histórico e qual está mais distante. Isso porque os objetivos de Ovídio, ao escrever o
poema, não são históricos, mas literários e, com se viu anteriormente, os objetivos
de Lívio, apesar de escrever um livro histórico, são, principalmente, moralizantes.
Da mesma forma que em Lívio, a história de Lucrécia em Ovídio não se
encontra em um livro especifico cujo objetivo é contá-la. Ela se encontra no livro
Fastos que, segundo Soares (p. 9),
canta todo o tempo cíclico anual — ao menos os seis primeiros
meses — rememorando os acontecimentos de diferentes tempos
cronológicos do passado romano, trazendo à luz o poder, a história e
22
a identidade do povo, tendo o cuidado de ainda acrescentar os dados
astrológicos para algumas comemorações.
Ovídio escreve Fastos seguindo a métrica dística elegíaca (estrofes com dois
versos, um hexâmetro e o outro pentâmetro). Essa métrica era comumente utilizada
para a composição de conteúdos considerados na época mais levianos, como o
amor, embora Ovídio a utilize para tratar de um assunto mais elevado, que é a
história de Roma e sua mitologia. Isso traz certa dificuldade na classificação do
gênero da obra. Mas, considerando-se a extensão do poema e o seu conteúdo,
conclui-se que a obra se aproxima mais de um estilo épico (FAUSTINO, 2010, p.
262).
3.2.3 A história narrada por Shakespeare
Durante uma epidemia de peste bubônica que obrigou as companhias a
fecharem os teatros, Shakespeare se dedicou à criação de seus dois primeiros
poemas narrativos Venus and Adonis e The rape of Lucrece. Ele se esforçou por
publicá-los logo, pois, embora o teatro fosse muito apreciado pela população, o que
trazia prestígio para um autor era a poesia (OLIVEIRA, 2008, p. 225). The rape of
Lucrece foi publicado em 1594 e teve como mecenas o Lorde de Southampton
(BROWN, 2010).
O poema possui 1855 versos, com estrofes de sete linhas de pentâmetros
iâmbicos e rima real. Shakespeare escreve em um estilo amaneirado com uma
linguagem preciosista e rebuscada, cheia de paradoxos e antíteses paralelas
contrapondo com o realismo que demonstra na abordagem psicológica dos
personagens (OLIVEIRA, 2008, p. 225, 228, 229).
Shakespeare, com frequência, reformulava uma história que já existia; mas,
quando fazia isso, tinha algo a dizer além do simples contar uma história, pois se
esse fosse seu único objetivo, provavelmente criaria enredos originais. Em vez de
inventar novas tramas, ele tomava emprestadas as tramas de outro autor e, ao
reescrevê-las, se concentrava mais na forma como contaria essa história do que na
história em si (CALIXTO, 2003, p. 5). É isso o que acontece em The rape of
23
Lucrece. Shakespeare toma emprestada a história que já fora contada por Tito
Lívio, em História de Roma e por Ovídio, em Fastos.
Ao reescrever The rape of Lucrece, Shakespeare segue a trama da mesma
forma que os autores anteriores, mas há duas diferenças marcantes entre a história
de Shakespeare e as histórias de seus predecessores: A primeira diferença é que,
na história de Shakespeare, Tarquínio se inflamou de desejo por Lucrécia ao ouvir
os louvores que Colatino fez a ela, mesmo sem nunca tê-la visto; enquanto que, na
história de seus predecessores, o desejo surgiu em Tarquínio quanto este viu
Lucrécia em seus afazeres enquanto as outras mulheres estavam festejando. A
segunda diferença é que Shakespeare estende sua história ao trabalhar no perfil
psicológico dos personagens, dedicando a maioria dos versos a monólogos de
discussões internas dos personagens.
Um exemplo desses monólogos pode ser visto quando Lucrécia analisa a
pintura da guerra de Troia. Primeiro, Shakespeare faz com que Lucrécia se
identifique com Hécuba. Ao ver a imagem de Hécuba, Lucrécia consegue ver nela a
sua dor e dá voz aos lamentos que ela não poderia fazer. Lucrécia lamenta por
Príamo e demonstra todo seu ódio pelos gregos; mas o ódio que Lucrécia exprime
pelos gregos é, na verdade, o ódio que sente por Tarquínio, mas ela o lança sobre
os gregos por estar dando voz a Hécuba (SANTOS, 2009, p. 30, 31).
As referências a Troia não são as únicas referências que Shakespeare faz à
literatura grega, mas elas não se encontram nas histórias de Tito Lívio e de Ovídio.
De fato, Azimov (1993, p. 209) afirma que é pouco provável que a verdadeira
Lucrécia conhecesse tão bem a mitologia grega ou tivesse a oportunidade de
estudar uma pintura da guerra de Troia, pois, naquela época, Roma estava sob a
influência cultural etrusca e estava bem afastada da literatura e da arte grega.
Há mais semelhanças entre a narrativa de Shakespeare e a de Ovídio do que
entre a narrativa de Shakespeare e a de Lívio. Ovídio também mostra algumas
conversas interiores dos personagens, que revelam alguns aspectos que se passam
na mente deles. Essas conversas não são tão extensas quanto às de Shakespeare,
mas pode-se dizer que foi daí que Shakespeare inspirou-se para criar seus extensos
monólogos de conversas e discussões interiores. À semelhança de Ovídio, na
história de Shakespeare, o pai de Lucrécia está no campo de guerra junto com
Colatino e não em Roma, como em Lívio. Também, de forma semelhante a Ovídio,
24
em Shakespeare, Tarquínio não é assassinado. A diferença é que, em Shakespeare,
ele é expulso e, em Ovídio, foge de Roma.
25
3.3 O estupro de Lucrécia
Argumento:
Lucio Tarquínio — devido ao seu excessivo orgulho foi denominado de O
Soberbo — depois de ter ordenado que seu sogro, Sérvio Túlio, fosse cruelmente
assassinado, e de ter contrariado as leis e costumes de Roma, de não requerer ou
apoiar o direito de voto do povo, se apossou do reino e foi, com seus filhos e outros
nobres de Roma, sitiar Árdea. Durante o cerco, os principais homens do exército se
reuniram ao anoitecer na tenda de Sexto Tarquínio, o filho do rei. Nas suas
conversas depois da ceia, todos elogiaram as virtudes de suas esposas. Entre eles
estava Colatino que exaltou a incomparável castidade de sua esposa Lucrécia.
Naquele humor alegre, eles viajaram para Roma planejando, com sua chegada
secreta e repentina, descobrir quem dissera a verdade. Somente Colatino encontrou
sua esposa, apesar de ser tarde da noite, fiando entre as criadas. As outras
mulheres foram encontradas dançando e festejando ou em muitas brincadeiras.
Com isso, os nobres rederam a vitória a Colatino e à fama de sua esposa. Naquele
momento Sexto Tarquínio foi inflamado pela beleza de Lucrécia, embora sufocando
suas paixões para o presente, partiu com os outros de volta ao acampamento,
donde, logo depois, partiu escondido e foi, de acordo com sua posição,
majestosamente acolhido e acomodado por Lucrécia em Colácia. Na mesma noite
ele entrou de forma traiçoeira na câmara de Lucrécia, com violência a desonrou e
cedo de manhã, fugiu. Lucrécia, em sua situação lamentável, apressadamente
despachou mensageiros, um para Roma para o seu pai, outro para o acampamento
de Colatino. Eles vieram, um acompanhado de Júnio Bruto, o outro de Públio
Valério, e encontraram Lucrécia atirada em roupas de luto, exigidas pela causa do
seu sofrimento. Ela primeiro os fez jurarem que se vingariam por ela, então revelou o
autor e tudo o que ele fez e, além disso, repentinamente se apunhalou. Isso feito,
todos eles unanimemente juraram extirpar toda a odiada família dos Tarquínios, e ao
levar o corpo para Roma, Bruto informou às pessoas do ato vil e de quem o fez,
injuriando com amargura a tirania do rei. Com isso, as pessoas ficaram tão
comovidas que com o consentimento unânime e uma aclamação geral, os
Tarquínios foram todos exilados e, o regime governamental mudou de reis para
cônsules.
26
Da Árdea sitiada com muita pressa, (0001)
Sustentado pelas asas desleais do desejo falso,
Cheio de luxúria Tarquínio deixa a hoste romana,
E a Colatino sustenta a chama escura
Que na cinza pálida esconde-se, espreita para se ascender
E cercar com chamas envolventes a cintura
Da bela amada de Colatino, Lucrécia, a casta.
Por acaso o nome casta infelizmente colocou
Esse abismo irreprimível sobre seu desejo mordaz.
Quando Colatino de forma insensata não deixou (0010)
De exaltar o rubro e o branco incomparáveis e puros
Que triunfaram no céu do seu desejo,
Onde as estrelas mortais, tão brilhantes quanto às belezas do céu,
Com aspectos puros fizeram-lhe tarefas peculiares.
Porque ele, na noite anterior, na tenda de Tarquínio,
Revelou o tesouro de sua situação feliz.
Que riqueza sem preço os céus lhe emprestaram
Ao darem-lhe sua bela companheira.
Estimando sua fortuna nessa grande motivo de orgulho,
Que reis poderiam adotar para possuírem mais fama, (0020)
Mas nenhum rei se iguala a tal inigualável dama.
Oh felicidade desfrutada por poucos!
E de possuída, tão logo se deteriora e se vai
Como o orvalho prateado da manhã que se dissolve
Diante do esplendor dourado do sol!
Um prazo que antes de bem começar venceu-se, cancelou-se;
A honra e a beleza, nos braços de quem a possui
São fracamente defendidas de um mundo de perigos.
A própria beleza sozinha persuade
Os olhos do homem sem precisar de um orador. (0030)
Que desculpas, então, precisam ser feitas
Para apresentar o que é tão singular?
Ou porque é Colatino o divulgador
27
Dessa rica joia que deveria manter oculta
Dos ouvidos desonestos, pois ela lhe pertence?
Talvez a sua ostentação da soberania de Lucrécia
Sugeriu essa questão de orgulho de um rei.
Pois nos maculamos pelos ouvidos e o coração.
Talvez a cobiça de algo tão valioso,
Compara corajosamente, atormenta com desdém (0040)
Seus pensamentos decaídos, aquele homem tão vil deveria ostentar
Aquela oportunidade de ouro que seus superiores desejam.
Mas algum pensamento inoportuno instigou, sim,
Sua pressa já despojada de tempo senão:
Sem considerar a honra, os negócios, os amigos, a posição,
Parte com intenção veloz
Para aplacar a brasa que, brilhante, aquece as entranhas.
Oh paixão falsa e impulsiva, encoberta pelo frio contrito,
Seu surgimento repentino ainda sopra e nunca envelhece!
Quando à Colácia esse falso senhor chegou, (0050)
A dama romana o recebeu bem,
Na face dela batalham a beleza e a virtude
Para decidir a qual das duas cabia o mérito da fama:
Quando a virtude vangloriava-se, a beleza corava de vergonha;
Quando a beleza exaltava-se do seu rubor,
A virtude a manchava com um branco prateado.
Mas a beleza naquele branco imaculado
Das pombas de Vênus desafia aquele belo campo,
Então a virtude reivindica o rubor belo da beleza,
Que a virtude deu à era de ouro para embelezar (0060)
Sua face prateada e o chama de seu escudo;
Ensinando-a a usá-lo no combate:
Quando a vergonha assaltava, o rubor deveria defender o branco.
Essa heráldica no rosto de Lucrécia era vista,
Sustentada pelo rubor da beleza e o branco da virtude
28
De outras cores era a outra rainha,
Comprovando o direito deles desde o início do mundo,
Embora sua ambição ainda os faça lutar;
A soberania de ambos é tão grande,
Que com frequência trocam de lugar. (0070)
Essa guerra silenciosa de lírios e rosas,
Que Tarquínio percebeu no lindo campo do rosto dela,
Nessa consecução pura, seu olho traidor se fixa.
Onde, por receio de que fosse morto entre eles,
O covarde cativo derrotado entregou-se
Aqueles dois exércitos que o deixaram ir
Em vez de triunfar sobre esse inimigo tão falso.
Agora ele pensa na língua descuidada do marido da dama,
O exuberante mesquinho que tanto a exaltou,
Naquela elevada incumbência retratou sua beleza erroneamente, (0080)
Que excede ao longe sua habilidade deficiente de narrar:
Portanto aquela exaltação que Colatino possuía
Enlevou as respostas de Tarquínio com conjecturas,
Na curiosidade silenciosa dos olhos que não param de fitá-la.
Essa santa da terra adorada por esse demônio
Pouco suspeitou desse falso adorador;
Pois os pensamentos imaculados raramente imaginam o mal.
Como os pássaros não temem um visgo escondido nos arbustos,
Tão inocentemente ela, despreocupada, lhe proporciona alegria
E saúda com reverência seu hóspede principesco, (0090)
Cuja maldade interior nenhum perigo visível expressa.
Sua maldade ele disfarçou com sua alta posição,
Escondendo o pecado sob o manto da majestade.
Assim, nada perecia estar errado nele,
Exceto pela extrema curiosidade de seus olhos,
Que mesmo tendo tudo, tudo não os satisfaziam,
Mas, miseravelmente rico, queria tanto em sua abundância,
Que, empanturrado com muito, ele ansiava por mais ainda.
29
Mas ela, que nunca lidara com olhos estranhos,
Não conseguia discernir um sentido em seus olhares perigosos, (0100)
Nem ler os segredos que brilhavam tenuemente
Escritos nas margens vítreas daqueles livros.
Ela nunca tocara em iscas desconhecidas nem temera anzóis;
Assim, não conseguia interpretar o seu olhar devasso,
Mais do que os via abertos para a luz.
Ele narra para os ouvidos dela a fama do seu marido,
Que venceu nos campos da fértil Itália.
E cobre de louvores o elevado nome de Colatino,
Que se tornou glorioso por sua coragem varonil
Por seus braços feridos, pelas coroas de vitória. (0110)
Ela expressou a alegria que sentia levantando a mão
E, sem palavras, agradeceu ao céu o sucesso do marido.
Longe do propósito de sua vinda,
Ele dá desculpas por estar lá:
Nenhuma nuvem revelando uma tempestade
Aparece na bela abóbada celeste;
A negra Noite, mãe do Medo e do Temor
Ostenta sobre o mundo a escuridão sombria,
E na abóbada da sua prisão esconde o Dia.
Por isso Tarquínio é levado para sua cama, (0120)
Intentando a fatiga com o espírito pesado,
Pois, depois do jantar, ele questionou por muito tempo
Lucrécia com modéstia e decorreu à noite.
Agora o sono pesado luta com o vigor da vida;
E todos se retiram para descansar,
Exceto os ladrões, e as mentes inquietas e preocupadas que vigiam.
Como um deles Tarquínio vira na cama
Tecendo os esquemas maldosos da vontade;
Contudo, já disposto a obter o que manda essa vontade,
A esperança já sem forças tenta impedi-lo (0130)
Mas o desespero dessa conquista vai impeli-lo,
30
Pois quando um grande prêmio é o que se almeja
A sorte que jaz ao lado não se concebe como morte.
Aqueles que muito cobiçam são tão aficionados ao lucro,
Por aquilo que não possuem, dissipam e desfazem-se
Do de possuem, entregando-os ao fiador,
E assim, por quererem mais, têm apenas menos;
Ou, ao ganhar mais, o lucro dos juros
É apenas para saciar-se e aliviar esses pesares,
De tal modo que vão à falência nesse lucro de perdas e ganhos. (0140)
O desígnio de todos é apenas nutrir a vida
Com honra, riqueza e sossego na idade esmorecente;
E nesse desígnio há uma contenda frustrante,
Que penhoramos um por todos ou todos por um;
Como, por exemplo, a vida pela honra na fúria da cruel batalha;
A honra pela riqueza e, com frequência, a riqueza custa
A morte de todos e todos juntos se perdem.
Assim, ao arriscarmos a maldades deixamos de ser
O que somos para ser o que esperamos;
E essa fraqueza infame e presunçosa, (0150)
De ter muito nos atormenta com a imperfeição
Das coisas que temos, então negligenciamos
O que temos; tudo isso por querer sabedoria,
Tornamos algo em nada ao ampliá-lo.
Tal perigo agora o idólatra Tarquínio corre,
Ao penhorar sua honra para obter sua luxúria;
E por ele o eu deve se renunciar:
Então onde está a verdade se não há autoconfiança?
Onde ele pensa que encontrará um estranho integro
Quando a si mesmo confunde e delata (0160)
Às línguas caluniadoras e a odiosos dias ignóbeis?
Agora, a morte da noite passa despercebida pelo tempo,
Quando o sono profundo fechara os olhos mortais;
31
Nenhuma estrela confortadora fornecia sua luz,
Nenhum barulho exceto pelas vozes das corujas e lobos prenunciando a morte;
Agora são o momento que devem surpreender
Os tolos cordeiros: Os pensamentos puros estão inertes e imóveis
Enquanto o cobiçador e o assassino se levantam para macular e matar.
E agora, esse senhor concupiscente salta da cama,
Joga sua capa com violência sobre o braço; (0170)
Está terrivelmente dividido entre o desejo e o temor
O primeiro persuade amavelmente, o segundo teme o dano;
Mas o temor genuíno fascinado pela luxúria da beleza impura,
Também, com frequência, o leva a recuar,
Derrotado pelo desejo vigoroso que aflige o cérebro.
Seu alfanje em uma pederneira ele suavemente fundiu,
E da pedra gélida lampejam faíscas de fogo;
Com isso uma tocha de cera, em seguida, ele ascendeu
Esta se tornou a estrela alentadora para o seu olho concupiscente;
E com a chama ele fala deliberando: (0180)
Da mesma forma de dessa pederneira gélida eu arranquei fogo,
Forçarei Lucrécia a realizar meu desejo.
Aqui, pálido de temor ele premedita
Os perigos de sua aventura repugnante,
E no interior de sua mente ele debate
Que sofrimentos a seguir isso fará surgir.
Então olhando com desprezo desdenha
Sua frágil armadura de luxúria assassina,
E de forma justa controla seus pensamentos injustos.
Bela tocha queime sua luz e não e não deixe que esta (0190)
Escureça aquela cuja luz excede a sua;
E que os pensamentos profanos morram, antes que você apague
Com sua impureza aquela que é divina;
Ofereça puro incenso a tão puro relicário
Que os homens desprezem qualquer ato
Que manche a alva modéstia do amor.
32
Oh vergonha para a nobreza e para os braços ilustres!
Oh desonra torpe para a tumba dos meus familiares!
Oh ato impiedoso que inclui todos os perigos impuros!
Um guerreiro ser um fraco escravo da fantasia! (0200)
O verdadeiro valor ainda deveria ter um verdadeiro respeito;
Então minha divagação é tão vil, tão ignóbil
Que viverá esculpida em minha face.
Sim, embora eu morra, o escândalo sobreviverá
E será um olho triste em meu casaco dourado;
Algum golpe repugnante irá produzir a heráldica,
Cifrará o quão carinhosamente aficionado e louco de amor estive
Assim minha posteridade, com vergonha desse lembrete
Irá amaldiçoar os meus ossos e os guardarão para não pecar
Desejando que seu pai não tivesse existido. (0210)
O que eu vencerei se ganhar o que busco?
Um sonho, um alento, uma pequena alegria passageira.
Quem compra um minuto de alegria para lamentar por uma semana?
Ou vende a eternidade para conseguir um brinquedo?
Quem por causa de uma uva doce destruirá a vinha?
Ou que mendigo aficionado, apenas para tocar a coroa,
Iria logo pelo cetro ser golpeado?
Se Colatino sonhasse com meu intento¸
Não acordaria ele e em uma fúria desesperada
Viajaria para cá, para esse vil propósito evitar? (0220)
Esse cerco que rodeia seu casamento,
Essa mancha à mocidade, esse sofrimento ao prudente,
Essa virtude esmorecente, essa vergonha sobrevivente,
Que crime suportará uma culpa que dura para sempre?
Oh, que desculpa minha astúcia pode dar
Quando você me acusar de um feito tão tenebroso?
Não ficará a minha língua muda, minhas frágeis juntas tremerão,
A luz se apagará aos meus olhos, meu falso coração será ferido?
A culpa será tão grande, e o medo será ainda maior;
33
O medo excessivo não consegue nem lutar, nem fugir, (0230)
Mas como um covarde com um terror tremule, morre.
Se Colatino tivesse matado meu filho ou meu genitor,
Ou posto uma emboscada para tirar minha vida,
Ou se ele não fosse meu amigo querido, esse desejo
Encontraria uma desculpa pare se realizar sobre sua esposa,
Como se fosse uma vingança ou um acerto de contas por essa contenda.
Mas como ele é meu parente, meu querido amigo,
Não há desculpa nem fim para a vergonha e a culpa.
Oh, vergonhoso será se o fato for conhecido;
Odioso isso é; não há ódio em amar; (0240)
Implorarei o seu amor, mas ela é propriedade de outro;
O pior que pode acontecer é a recusa e a crítica.
Minha vontade é forte, remove a fraca razão do passado.
Quem teme a sentença ou o juízo de um velho
Deve ser intimidado por tapeçaria barata com desenhos bíblicos.
Assim, impiedoso, ele continua a discussão
Entre a consciência gelada e a vontade ardente,
E com bons pensamentos faz um plano,
Incitando o pior deles para vencer a discussão,
Quem em um momento confunde e assassina (0250)
Todas as boas impressões e, assim, prossegue,
Para que o que é tão vil se mostre como um feito virtuoso.
Ele diz: Ela me tomou amavelmente pela mão,
E buscou novidades em meus olhos ávidos,
Temendo alguma má notícia do campo de batalha,
Onde seu amado Colatino estava.
Oh, como o temor fez sua cor ficar mais forte!
Primeiro, vermelha como rosas colocamos no linho,
Depois, branca como o linho depois das rosas serem removidas.
A agora sua mão presa na minha (0260)
Fez-se estremecer com seu temor leal!
34
Que a deixou triste e, então, rapidamente a abalou
Até que do bem-estar do marido ouviu;
Com isso sorriu com uma alegria tão doce,
Que se Narciso a tivesse visto assim,
O amor próprio nunca teria o afogado no rio.
Então, por que eu procuro por cores ou desculpas?
Todos os oradores ficam emudecidos quando a beleza vence;
Pobres infelizes que têm remorso de pequenos abusos;
O amor não prospera no coração que as sombras invadem. (0270)
A paixão é meu capitão e guia meu coração;
E quando seu pomposo estandarte é exibido,
As lutas e as vontades covardes não serão atemorizadas.
Então, medo ingênuo, fora! Discussão, acabe!
Respeito e razão aguardem pela idade das rugas!
Meu coração nunca irá contrariar meu olho;
Pausa triste e profundo arrependimento convêm ao prudente.
Quanto a mim, sou jovem e supero tudo isso;
O desejo é meu guia e a beleza meu galardão.
Então, quem teme escavar quando embaixo há um tesouro? (0280)
Como o milho cresce mais que a erva daninha, o medo cuidadoso
É quase sufocado pela luxúria desimpedida.
Ao longe ele rouba com o ouvido atento,
Cheio de esperanças infames e suspeitas tolas.
Ambas, como servas do injusto
São-Lhe tão desfavoráveis com sua persuasão oposta
Que ora ele decide fazer uma aliança ora uma intromissão.
Em seu pensamento a imagem celestial dela pousa,
E no mesmo lugar pousa Colatino;
Aquele olho que a assiste confunde sua razão; (0290)
Aquele olho que o observa, como se fosse divino,
Não se inclinará perante visão tão falsa;
Mas com uma atração pura dirige-se para o coração,
Que uma vez corrompido, toma a pior parte.
35
E, nesse ponto, anima sua capacidade servil,
Que lisonjeadas pela alegria que seu líder demonstra
Preenchem sua luxúria da mesma forma que os minutos preenchem as horas;
E como seu capitão, o seu orgulho também cresce,
Pagando mais tributo escravo do que deveriam.
O desejo condenado, assim, furiosamente leva (0300)
O senhor romano em marcha para a cama de Lucrécia.
As fechaduras que estão entre o aposento dela e a vontade dele,
Foram cada uma delas forçadas por ele e retiraram sua guarda;
Mas, conforme se abrem, todas censuram sua maldade,
E levam o horripilante ladrão a sentir um algum arrependimento.
A soleira da porta range para que ele seja ouvido;
Doninhas vagueando pela noite gritam ao vê-lo naquele lugar;
Elas o assustam embora ele ainda prossiga com seu temor.
Enquanto cada portal indisposto abre-se para o seu caminho,
Através de pequenas aberturas e fendas do lugar (0310)
O vento batalha com sua tocha para fazê-lo ficar.
Soprando a fumaça da tocha em seu rosto,
Abranda sua conduta nesse caso;
Mas seu coração inflamado que chamusca o desejo aficionado
Sopra outro vento que incendeia a tocha;
E ao ser iluminado, na luz ele espia
A luva de Lucrécia, onde uma agulha está crivada.
Ele a toma dos juncos onde se encontra,
E ao agarrá-la a agulha fura seu dedo;
Como se dissesse: Essa luva a maliciosos libertinos (0320)
Não é útil; coloque-a de volta na haste;
Você vê que os ornamentos da nossa ama são singelos.
Mas esses pequenos empecilhos não conseguiram pará-lo.
Ele interpreta sua recusa no pior sentido:
As portas, o vento, a luva que o atrasaram
Julgou com coisas acidentais da provação;
Ou como aquelas barras que param o relógio
36
Que com um número determinado de pausas prossegue
Até que cada minuto cumpra seu dever com a hora.
Muito bem, disse ele, esses obstáculos estão a serviço do tempo (0330)
Como pequenas geadas que esporadicamente ameaçam a primavera,
Para trazer mais alegria à aurora,
E para dar aos alegres pássaros mais razões para cantar.
A dor traz valor a cada coisa preciosa;
Rochas enormes, ventos fortes, piratas poderosos, declives e praias,
O mercante teme, antes que aporte, rico em casa.
Agora ele chega à porta do aposento,
Que o cerra do céu do seu pensamento,
Que com um trinco submisso, e nada mais,
Lhe veda a coisa abençoada que procura. (0340)
Tão longe de si a impiedade o levou,
Que começou a orar por sua vítima,
Como se os céus fossem apoiar seu pecado.
Mas em meio a essa oração inútil,
Tendo solicitado ao poder eterno
Que seus pensamentos impuros pudessem atingir sua bela amada,
E que eles fossem venturosos ao momento,
Ele começa dizer: Devo violar a virgindade;
Os poderes para os quais oro abominam esse fato,
Como podem me apoiar nesse ato? (0350)
Então que o Amor e a Fortuna sejam meus deuses, meus guias!
Minha vontade é endossada com determinação;
Os pensamentos são apenas sonhos até que seus efeitos sejam experimentados;
O pecado mais obscuro é apagado com a remissão;
Contra o fogo do amor, o gelo do medo derrete-se.
O olho do céu está fechado e a noite sombria
Cobre a vergonha que segue o doce prazer.
Dito isso, sua mão culpada arrancou o trinco,
E com seu joelho, a porta ele abriu.
37
A pomba que dorme muito, o animal noturno pegará; (0360)
Assim a traição funciona antes que o traidor seja descoberto.
Quem vê a serpente à espreita desvia dela;
Mas ela, em sono profundo, sem temer esse mal,
Jaz à mercê de seu ferrão mortal.
No aposento perniciosamente ele aproxima-se
E fita a cama dela, ainda sem mácula.
Perto das cortinas fechadas ele caminha,
E revira seus olhos gananciosos;
Foi por sua alta traição que seu coração se corrompeu;
Que deu a palavra-chave para sua mão com prontidão (0370)
Desenhar a nuvem que esconde a lua prateada.
Observe como o sol claro, abrasador e penetrante,
Foge de traz de uma nuvem e rouba nossa visão;
Mesmo assim, com as cortinas puxadas, seus olhos começam
A piscar, ao serem cegados por uma luz mais forte.
Quer seja ela que reflete tanto brilho
Que os ofuscou, quer seja alguma pretensa vergonha;
Mas cegos eles estão e se mantêm fechados.
Oh, quem dera tivessem morrido naquela prisão escura!
Então teriam visto o término de sua maldade; (0380)
E Colatino novamente, ao lado de Lucrécia,
Poderia ainda ter repousado em sua cama imaculada.
Mas eles devem abrir-se, para acabar com essa bela aliança;
E Lucrécia, a considerada santa, à sua vista
Deverá vender a alegria, a vida, todo o deleite que sente no mundo.
Sua mão líria está sob sua bochecha rosada
Logrando do travesseiro um beijo legítimo;
Que, raivoso com isso, parece dividir-se em duas partes,
Se elevando em ambos os lados para impedir a alegria dele.
Entre aquelas duas montanhas a cabeça dela está enterrada: (0390)
Onde, como um monumento virtuoso, ela está deitada,
Para ser admirada por olhos profanos e lascivos.
38
Para fora da cama uma de suas belas mãos estava,
Repousando sobre a colcha verde. O perfeito branco da mão
Parecia uma margarida de Abril sobre a grama,
Com um suor perolado semelhante ao orvalho da noite.
Seus olhos, como tagetes, haviam encoberto sua luz,
E encobertos pela escuridão repousam suavemente,
Até que possam se abrir para adornar o dia.
Seu cabelo, como fios de ouro, brincavam com sua respiração, (0400)
Oh lascivos modestos! Oh modéstia da lascívia!
Apresentando o triunfo da vida no diagrama da morte,
E a escuridão da morte olha para a mortalidade da vida.
Cada um, enquanto ela dorme, se embelezam,
Como se entre os dois não houvesse contenda,
Em vez disso a vida vivesse na morte e a morte na vida.
Seus peitos, como globos de marfim circundados de anil,
Uma dupla de mundos virgens inconquistados,
Com exceção do seu senhor nenhum jogo conheciam,
E, por juramento, a ele verdadeiramente honravam. (0410)
Essas palavras trouxeram nova ambição a Tarquínio;
Que como um usurpador impuro, pretendeu
Desse belo trono, tirar o dono.
O que ele podia ver e observou atentamente?
O que ele observou e desejou ardentemente?
O que ele viu para ficar louco de amor
E em sua vontade, seu olho obstinado ele cansou.
Ele a admirava com mais do que admiração
As veias azuis, a pele de alabastro,
Os lábios rubros, as covinhas no queixo brancas como a neve. (0420)
Conforme o repugnante leão admirava sua preza,
O desejo ávido foi satisfeito pela conquista,
Então sobre essa alma adormecida Tarquínio hesita,
Sua luxúria intensa ao fitá-la se abrandou;
Diminuiu, não acabou ao ficar ao lado dela,
39
Seu olho que ha um momento conteve essa revolta,
Com uma comoção maior persuade suas veias.
E elas, como escravas esparsas lutando pela pilhagem,
Vassalas rudes e inexoráveis realizam seu desígnio,
Com uma morte sangrenta e deleitando-se no estupro, (0430)
Sem respeitar as lágrimas das crianças ou os suspiros das mães,
Cheias de orgulho, ainda esperando pelo ataque.
Logo, seu coração pulsante alardeando o ataque
Lhes dá a carga total e lhes ordena que façam o que quiserem.
Seu coração retumbante anima seu olho desejoso,
Seu olho confia a direção à sua mão;
Sua mão, com orgulho dessa distinção,
Fumegante de orgulho, marcha para encostar
No peito dela nu, o coração de toda a terra daquela dama;
Cujas linhas de veias azuis, enquanto a mão dele ascendia, (0440)
Deixavam lá espaços desamparados e pálidos.
Elas, reunidas no aposento silencioso
Onde sua querida governanta e senhora está,
Avisam-na que está sendo atacada,
E a assustam com a confusão dos seus gritos.
Ela, muito surpresa, abre os olhos antes fechados,
Que espiam o tumulto e veem
Esse senhor romano ofuscado e reprimido pela tocha ardente.
Imagine-a como alguém na calada na noite
Que é acordado do sono profundo por uma ilusão terrível, (0450)
E pensa ter visto um espírito assustador,
Cujo aspecto repugnante faz cada junta tremer.
Que pavor isso é! Mas com ela foi pior;
Do sono perturbada, com cautela viu
A aparição que faz do terror imaginário real.
Confundida e envolvida por milhares de temores,
Ela treme como um pássaro que acabou de ser morto;
40
Não ousa olhar; não obstante, ao dar piscadelas, lá aparecem
Movimentos rápidos, feios aos seus olhos.
Essas sombras são ilusões do cérebro vacilante; (0460)
Que, irado com os olhos que fogem da sua luz,
Na escuridão os atemoriza com aparições mais temíveis.
A mão dele, ainda está sobre o peito dela,
Que rudeza, danificar essa parede de marfim!
Sinta o coração dela, cidadão! Angustiado,
Curva-se à morte, levanta-se e cai,
Palpita tanto que movimenta a mão dele.
Isso dá a ele mais raiva e menos piedade,
Para fazer a violação e entrar nessa doce cidade.
Primeiro como uma trombeta sua língua começa (0470)
A recitar uma conferência ao seu inimigo cruel;
Que do lençol branco emerge o queixo dela, mais branco ainda,
Para descobrir a razão desse alarme impulsivo,
Que ele em silêncio procura mostrar;
Mas ela, com orações veementes ainda instava
Sob que pretexto ele cometia essa maldade.
A isso ele responde: O pretexto do seu rosto,
Que mesmo com raiva deixa o lírio pálido,
E a rosa rubra cora com a sua desgraça,
Eles suplicam por mim e contam minha história de amor. (0480)
Sob este pretexto eu me baseio,
Você nunca subjugou o forte: a culpa é sua,
Os seus olhos fizeram os meus me traírem.
Assim eu lhe previno caso você pretenda gritar:
A sua beleza lhe preparou uma armadilha para esta noite,
Onde você, com paciência, deve fazer minha vontade;
Minha vontade lhe escolheu como o meu prazer na terra,
Que procurei conquistar com todo o meu poder;
Mas como a censura e a razão o aniquilaram,
A sua beleza radiante o renovou. (0490)
41
Sei que sacrifícios minha tentativa trará;
Sei que os espinhos defendem a rosa;
Lembro que o mel é protegido com um ferrão;
Tudo isso percebi de antemão nas minhas deliberações;
Mas a vontade é surda e não ouve amigos cautelosos;
Eles têm apenas olhos para fitar a beleza,
E fica louco de amor pelo que vê sem se importar com a lei ou com o dever.
Discuti até mesmo em minha alma,
Quanta ofensa, quanta vergonha, quanto sofrimento eu provocarei;
Mas nada pode controlar o rumo da paixão, (0500)
Ou parar a fúria impetuosa em sua marcha.
Sei que lágrimas contritas seguem-se ao feito,
Repreensão, desdém e inimizade mortal;
Embora contenda, eu aceito minha infâmia.
Dito isso ele agita sua espada romana,
Que, como um falcão altaneiro no céu
Embosca a ave abaixo com a sombra de suas asas,
E seu bico curvado a ameaça, pois se ascender morre;
Assim sob seu alfanje insultante está
A inofensiva Lucrécia, fazendo o que ele manda (0510)
Tremendo de medo, como uma ave que ouve o crocitar do falcão.
Lucrécia, ele disse, essa noite vou possuir você.
E se você negar, então a força irá realizar meu desejo,
Pois em sua cama eu pretendo lhe destruir;
Isso feito, matarei algum dos seus escravos imprestáveis,
Para acabar com sua honra com a ruína da sua vida;
E em seus braços mortos pretendo colocá-lo,
E jurarei que o matei quando vi você o abraçar.
Então em seu marido sobrevivente ficará
A marca desonrosa para cada olho ver; (0520)
Seus parentes se enforcarão com esse desdém,
Seus descendentes serão manchados com a ilegitimidade anônima.
E você, a causadora da desonra deles,
42
Terá seu pecado citado nas rimas,
E cantado pelas crianças nas eras seguintes.
Mas se você ceder, guardarei seu segredo.
A culpa desconhecida é como um pensamento não efetuado;
Haverá pouco dano para um final maravilhoso,
Pois a diplomacia legítima permanece intacta.
Algumas vezes compacta-se a peçonha simples (0530)
Em um composto puro e, ao ser assim aplicada,
O seu efeito venenoso efetivamente é purgado.
Então, pelo seu marido e seus filhos,
Aceite a minha proposta: não deixe para sua sina,
A vergonha que nenhum ardil pode tirar,
A culpa que nunca será esquecida.
Isso é pior que uma mancha ou deformação de nascença,
Pois marcas discernidas no nascimento do homem
São erros da natureza e não podem ser pautadas para sua infâmia.
Agora, com o olhar mortífero de uma basilisca (0540)
Ele se levantou e fez uma pausa;
Enquanto ela, o retrato da lealdade pura,
Como uma corça branca sob o domínio de garras afiadas,
Suplica, em um ermo sem leis,
Ao homem violento e cruel que não conhece gentileza,
Nem obedece a nada a não ser seu apetite impuro.
Mas, quando uma nuvem negra ameaça o mundo,
Em sua névoa sombria esconde as montanhas altaneiras,
Obtém uma rajada de vento suave do ventre escuro da terra,
Que sopra esses vapores píceos do seu lugar, (0550)
Retardando a chuva imediata ao separar as nuvens.
Então sua pressa profana atrasa as palavras dela,
E o taciturno Plutão pestaneja enquanto Orfeu age.
Embora, como um gato desprezível vigilante à noite, ele apenas brinca,
Enquanto bate no rato com sua pata que segura firme.
43
O jeito triste dela desperta o desejo animal dele,
Um abismo de garganta que nunca se sacia
Seu ouvido tolera as orações dela, mas seu coração não admite
Que fique suscetível à entrada das lamúrias que ela faz.
As lágrimas fortalecem a luxúria, embora o mármore se desgaste com a chuva. (560)
Ela fixa tristemente os olhos piedosos e suplicantes
Nas rugas desapiedadas do rosto dele;
Mistura a sua eloquência modesta com os suspiros
Aumentando a graça da sua oratória.
Com frequência põe o ponto fora de lugar,
E, assim, no meio da sentença interrompe o que diz,
De tal modo que reinicia o que outrora falava.
Ela lhe conjura pelo grande e poderoso Júpiter,
Pela fidalguia, nobreza e pelo voto de amizade cordial,
Pelas lágrimas inoportunas, pelo amor de seu marido, (0570)
Pela sagrada lei humana, e pela promessa de fidelidade,
Pelo céu e pela terra e por todos os poderes de ambos,
Que dessa cama que se apropriou, ele se retire
E incline-se à honra, não ao desejo impuro.
Ela disse: Não retribua a hospitalidade
Com um castigo tão infame como se tivesse algo a pleitear.
Não encha de lama a fonte que lhe deu de beber;
Não desfigure o que não pode ser aperfeiçoado;
Pare com esse intento maléfico antes que seu objetivo seja concluído.
Ele não é um caçador que curva o arco (0580)
Para atingir uma pobre corsa inoportuna.
Meu marido é seu amigo; por ele, me poupe.
Você é poderoso, por você mesmo, deixe-me.
Sou fraca então, não me arme cilada.
Você não tem aparência enganosa, não me engane.
Meus suspiros são como furacões, labutam para lhe mover.
Se homens já foram tocados pelo lamento de uma mulher,
Então seja tocado pelas minhas lágrimas, suspiros e gemidos.
44
Que todos esses, como um oceano agitado,
Golpeiem seu coração duro que ameaça causar destruição, (0590)
Para derretê-lo com seu movimento contínuo,
Pois rochas dissolvidas se transformam em água.
Oh, se você não for mais duro que uma rocha,
Comova-se com minhas lágrimas e seja compassivo!
A compaixão tenra entra em um portão de ferro.
À semelhança de Tarquínio eu o distraí;
Você irá incitar o seu caráter para lhe dar vergonha?
A todas as hostes do céu eu me queixo,
Você prejudicou a sua honra, ofendeu seu nome principesco.
Você não é o que parecia; e da mesma forma, (0600)
Não parecia o que é: um deus, um rei;
Pois reis como deuses deveriam governar tudo.
Como se semeará sua vergonha nessa idade,
Quando a maldade aflora perante sua mocidade!
Se você ousar, em sua expectativa, fazer tal ultraje,
Que coisas não ousará fazer quando for um rei?
Oh, lembre-se, nada ultrajante
Pode ser apagado de autores vassalos;
Da mesma forma, não se pode esconder na lama os crimes dos reis.
Esse feito fará com que o povo o ame por medo; (0610)
Apenas os monarcas felizes são temidos por amor.
Você forçosamente terá que tolerar os criminosos sórdidos,
Quando, por sua causa tentarem crimes semelhantes,
Se apenas por medo disso você desistir;
Pois os príncipes são o espelho, a escola, o livro
Quando os olhos submissos para aprender, leem, espelham.
E você será a escola onde a Luxúria aprenderá?
Ela irá ler em você as lições dessa vergonha?
Você será o espelho onde se verá
O exemplo do pecado, o certificado da culpa (0620)
Para, em seu nome, privilegiar a desonra?
45
Os elogios que há muito duravam você tornou em opróbrio,
E transformou a boa reputação em prostituta.
Se você manda tudo é porque autoridade lhe foi dada
Com o coração puro domine sua vontade rebelde.
Não tire a sua espada para proteger a iniquidade,
Pois ela lhe foi fornecida para matar toda a maldade.
Como pode cumprir seu ofício principesco,
Quando, a exemplo da sua culpa, o pecado sórdido dirá:
Ele aprendeu a pecar e foi você que o ensinou? (0630)
Pense apenas em quão vil espetáculo seria,
Ver-se fazer o outro pecar.
Para o homem, suas faltas raramente lhe parecem erradas;
Suas transgressões, abafam com parcialidade.
Essa sua culpa pareceria digna de morte em seu irmão.
Oh, estão tão encobertos por suas infâmias
Que olham com esguelha seus próprios erros!
A você, a você, minhas mãos erguidas clamam,
Não clamam a luxúria sedutora que tanto de ti depende.
Eu imploro que acabe com o exílio da majestade; (0640)
Deixe-o retornar e afaste os pensamentos deleitosos.
O seu verdadeiro respeito irá aprisionar o falso desejo,
E apagará a névoa obscura de seus olhos apaixonados,
Para que você veja a sua condição e se compadecerá de mim.
Está feito, ele diz, minha maré descontrolada
Não se acalma, ao contrário, se eleva com esse obstáculo.
As pequenas luzes apagam-se rapidamente, as grandes fogueiras permanecem,
E com o vento, queimam com mais fúria.
O rio insignificante que paga um débito diário
Ao soberano salgado, ao desembocar com a corredeira doce (0650)
Aumenta a maré, mas não muda o seu gosto.
Você é, ela disse, um oceano, um rei soberano;
E, veja, há desembocaduras em sua vasta maré
46
De luxúria perversa, desonra, vergonha, mau governo,
Que procuram manchar o oceano do seu sangue.
Se todas essas pequenas maldades mudarem sua bondade,
Seu oceano dentro de um ventre enlameado é sepultado,
E a lama não se dissipará em seu oceano.
Então esses escravos serão o rei e você será seu escravo;
Sua vil nobreza, eles dignificam vilmente. (0660)
Sua será a vida íntegra deles, e eles serão sua tumba iníqua.
Você será avesso à vergonha deles, eles avessos ao seu orgulho.
O objeto menor não deveria esconder o maior;
O cedro não se cura ao inferior pé de arbusto,
Mas pequenos arbustos definham junto da raiz do cedro.
Então deixe os seus pensamentos serem seus vassalos
Chega, ele disse, pelos céus, eu não a ouvirei.
Se entregue ao meu amor; caso contrário, a força do ódio,
Em vez do tímido toque do amor, irá lhe ferir;
Isso feito, maliciosamente pretendo lhe levar (0670)
Para a cama desprezível de um noivo cafajeste,
Para ser seu parceiro nessa ruína vergonhosa.
Dito isso, ele põe o pé sobre a luz,
Pois a luz e a luxúria são inimigos mortais.
A vergonha é encoberta na negra noite que oculta,
Quanto mais invisível, mais ele oprime.
O lobo agarrou sua presa; o pobre cordeiro berra;
Até que sua própria lã abafe sua voz,
Sepulta seus gritos na doçura lábios presos.
Com o pijama de linho que ela usa (0680)
Ele prende os brados comoventes na cabeça dela;
Resfriando sua face ardente com as lágrimas mais puras
Que nenhum olho modesto jamais derramou.
Oh, aquela luxúria irá macular essa cama tão pura!
As lágrimas poderiam as manchas purificar,
As lágrimas dela irão gotejar sobre elas perpetuamente.
47
Mas ela perdeu algo que lhe é mais caro que a vida,
Ele conquistou algo que voltaria a perder:
Essa união forçada leva a mais discórdia;
Essa alegria momentânea provoca meses de dor; (0690)
Esse desejo ardente se converte em gélido desdém.
Roubaram dela a Castidade pura,
E a Luxúria, a ladra, está mais pobre do que antes.
Observe como o cão de caça bem alimentado ou o falcão farto,
Inaptos de farejar ou de um voo veloz,
Tornam a caçada lenta ou enjeitam completamente
A presa quando, por natureza, elas a apreciam.
Assim, saciado Tarquínio passa essa noite:
O gosto delicioso, fermentando na digestão
Devora sua vontade que se nutriu ao devorar perfidamente. (0700)
Oh, pecado tão profundo que o pensamento infinito
Não consegue abranger na imaginação serena!
O Desejo embriagado deve vomitar o que recebeu,
Antes que ele possa ver sua abominação.
Enquanto a Luxúria orgulha-se; nenhuma exclamação
Pode controlar seu ardor ou refrear seu desejo tempestuoso,
Até que como um cavalo velho, a vontade própria o cansa.
E então, com as bochechas pálidas, delgadas e magras,
Com os olhos pesados, testa franzida e passos sem força;
O desejo débil, temeroso, parco e submisso, (0710)
Como um mendigo falido que lamenta sua sorte:
A carne é orgulhosa, o Desejo luta com a Graça,
Pois é na carne que ele se deleita; e quando ela enfraquece-se,
A culpa se volta para orações de remissão.
Assim se sucede com ele senhor de Roma culpado,
Que essa consumação tão ardentemente perseguiu;
Pois agora anuncia esta sentença contra si mesmo:
Através dos tempos ficará desonrado;
Além disso, o belo templo de sua alma se deforma;
48
E suas ruínas fracas reúnem tropas de cuidados, (0720)
Para perguntar à princesa maculada como ela está.
Ela conta que seus súditos com uma insurreição vil
Quebraram seu muro consagrado,
E o erro mortal deles subjugou
Sua imortalidade e a tornou uma escrava
Que viverá a morte e a dor eterna;
Que com sua presciência ela ainda controla,
Mas sua previsão não pôde prevenir a vontade deles.
Mesmo com esse pensamento ao longo da noite ele roubou,
Um vitorioso cativo que perdeu ao ganhar; (0730)
Curou a ferida que nada conseguia sarar,
A cicatriz que irá, a despeito da cura, perdurar;
Deixando sua presa desorientada em uma dor ainda maior.
Ela carrega o fardo da luxúria que ele deixou para traz,
E ele, o fardo de uma mente cheia de culpa.
Ele, como um cão que vai roubar, rasteja tristemente dali;
Ela, como um cordeiro cansado está lá, deitada ofegante;
Ele se odeia e se zanga consigo mesmo por sua ofensa;
Ela, desesperada, crava as unhas em seu corpo;
Ele foge sorrateiro e covarde, com a culpa do medo; (0740)
Ela fica, bradando contra sua noite horrenda.
Ele corre e repreende seu prazer repugnante que desapareceu.
Ele parte dali com uma grande conversão;
Ela permanece lá como um lixo desprezado e desesperado;
Ele, em sua velocidade, anseia pela luz da manhã,
Ela ora para que nunca veja o dia,
Pois o dia, ela diz, expõe o que se esconde na noite,
E meus olhos verdadeiros nunca praticaram como
Disfarçar transgressões com uma expressão astuta.
Eles pensam que não, mas cada olho pode ver (0750)
A mesma desgraça que eles contemplam;
49
E embora eles ainda fiquem na escuridão,
Para que não se revele seu pecado oculto;
Pois eles irão chorando revelar sua culpa,
E esculpir, como a água que corrói o aço,
Sobre as minhas bochechas a impotente vergonha que sinto.
Agora, ela brada contra o repouso e o descanso,
E ordena aos olhos, que dali em diante, fiquem cegos.
Ela acorda o coração ao bater no peito,
E o ordena que pulse daquele momento em diante, onde possa encontrar (0760)
Um peito mais puro para envolver essa mente tão pura.
Frenética de tristeza ela, então, expira sua mágoa
Para o sigilo oculto da noite.
Oh Noite destruidora do consolo, imagem do inferno!
Acalentadora do obscurecer e conservadora da vergonha!
Palco sombrio para as tragédias e os assassinatos acontecerem!
Vastidão que oculta o pecado e o caos! Protetora da culpa!
Alcoviteira silenciadora e ofuscante! Refúgio escuro da calúnia!
Caverna repugnante de morte! Conspiradora que segreda
Com a traição secreta e com o violador! (0770)
Oh, Noite odiosa, nevoenta e nebulosa!
Já que a culpa do meu crime incurável é sua,
Reúna a sua névoa para opor-se à luz do leste
Guerreie contra o curso normal do tempo;
Ou se o seu esmorecer permitir que o sol nasça
Em seu apogeu costumeiro, embora ele estivesse dormindo,
Reúna as nuvens venenosas junto de sua cabeça dourada.
Com a umidade fétida apodere-se do ar da manhã;
Deixe que exale o ar insalubre e com ele adoeça
A vida de pureza, a beleza suprema, (0780)
Antes que ele chegue, que o cansaço do meio-dia o aflija;
E deixe os seus vapores nevoentos ficarem tão densos,
Que o negror extinga a luz dele que está encoberta
Apagando-a ao meio-dia e criando uma noite perpétua.
50
Se Tarquínio fosse a Noite, já que ele é apenas filho da Noite,
Ele desprezaria a rainha de brilho prateado;
Ele também desonraria as criadas brilhantes dela,
Através do bóson negro da Noite que não deve surgir novamente.
Então eu devo ter parceiros na minha dor;
Um companheiro na angústia irá a angústia suavizar, (0790)
Como a conversa dos peregrinos que torna sua viagem mais curta.
Mas agora não tenho ninguém para se envergonhar comigo,
Para cruzar os braços e inclinar a cabeça comigo,
Para disfarçar a fisionomia e esconder a infâmia;
Então eu sozinha, sozinha devo sentar e lamentar,
Regar a terra com chuvas lágrimas prateadas,
Misturar meu discurso com pranto, minha tristeza com suspiros,
Pobres monumentos que se desgastam com gemidos duradouros.
Oh Noite, sua fornalha de fumaça com cheiro pútrido,
Não deixe que o Dia ciumento contemple aquela face (0800)
Que sob seu manto que escuridão que tudo esconde
Se abriga a indecente martirizada com a desgraça!
Mantenha a posse de seu lugar escuro,
Que todas as transgressões que se fazem em seu reino
Possam, da mesma forma, ser sepultadas em sua sombra.
Não me torne objeto do Dia bisbilhoteiro!
A luz mostrará, cunhada em minha testa,
A história da ruína da doce castidade,
A quebra ímpia do santo voto do matrimônio.
Sim, o analfabeto, que não sabe como (0810)
Interpretar o que está escrito nos livros eruditos,
Perceberá minha transgressão repugnante na minha aparência.
A ama, para acalmar a criança, contará minha história,
E assustará com o nome de Tarquínio, o bebê que chora;
O orador, para ornar sua palestra,
Unirá minha desgraça à vergonha de Tarquínio;
Menestréis errantes cantando minha infâmia,
51
Farão os ouvintes prestar atenção em cada linha,
Sobre como Tarquínio injuriou a mim e eu a Colatino.
Deixe que meu bom nome, essa reputação sem motivos, (0820)
Mantenha imaculada em nome do querido amor de Colatino.
Se isso se tornar um assunto de discórdia,
Os ramos de outra raiz se enraízam,
E a censura não merecida que a ele se outorgou
Que é tão limpa da minha desonra
Quanto eu, antes disso, era pura para Colatino.
Oh, vergonha despercebida! Desgraça invisível!
Oh dor que não se sentiu! Cicatriz secreta, heráldica nociva!
Desgraça que se estampa na face do Colatino,
E o olho de Tarquínio pode ler a epígrafe à distância, (0830)
Já que foi ferido em paz, não na guerra.
Ai de mim, quantos sofrem golpes tão vergonhosos,
Que ele, não eles mesmos, os faz conhecer!
Colatino, se sua honra está em mim,
Com um violento ataque retiraram-na de mim.
Minha honra perdida e eu, como uma abelha,
Não tenho perfeição na partida do meu verão,
Que foi roubado e saqueado em um furto infame:
Em sua colmeia fraca uma vespa errante sobe,
E suga o mel que sua abelha casta guardava. (0840)
Ainda que eu tenha culpa pela destruição de sua honra
Ainda que, a custa da sua honra eu o diverti;
Ele veio de onde você estava e não consegui afastá-lo,
Pois desprezá-lo seria uma desonra.
Além disso, de cansaço ele se queixou,
E falou da virtude que, oh, foi descoberta para o mal,
Quando um demônio a profanou.
Porque o verme precisa invadir o botão virgem?
Ou os odiosos cucos chocam nos ninhos dos pardais?
52
Ou os sapos infectam fontes limpas com lodo venenoso? (0850)
Ou porque a tirania e a insensatez espreitam os sentimentos nobres?
Ou os reis são os que violam as suas leis?
Mas nenhuma perfeição é tão absoluta
Que nenhuma impureza a possa poluir.
O homem idoso que põe seu ouro em um caixão,
Cãibras, gota e espasmos dolorosos o atribulam;
E raros são os olhos que contemplam seu tesouro,
Mas como Tântalo em seu suplício ele senta,
E desnecessariamente armazena a sega do seu juízo;
Sem ter outro prazer em seu ganho (0860)
Apenas o tormento que não cura sua dor.
Então ele o possui quando não pode usá-lo,
E o deixa para que seus filhos o tomem;
E eles, com orgulho logo fazem mau uso dele:
Seu pai era muito fraco e eles muito fortes
Para reter a fortuna abençoada/amaldiçoada por muito tempo.
Queremos os doces para transformá-los em amargos repugnantes
Mesmo no momento em que os chamamos de nosso.
Rajadas de vento indomáveis esperam pela delicada primavera;
Ervas daninhas prejudiciais se arraigam com flores preciosas; (0870)
A cobra silva onde pássaros graciosos cantam;
O que a virtude cria, a iniquidade devora.
Não temos bondade que seja nossa,
Mas a Oportunidade que incorporada à maldade
Ou acaba com a sua vida ou com sua dignidade.
Oh, Oportunidade, sua culpa é grande!
É você que justifica a traição do traidor:
Você coloca o lobo onde ele consegue pegar o cordeiro;
Se alguém trama o pecado, é você que o torna interessante;
É você que rejeita o direito, a lei, a razão; (0880)
E na sua cela sombria, onde ninguém pode o espionar,
Senta o Pecado, para capturar as almas que vagueiam próximas dele.
53
Você faz a freira violar o voto;
Você assopra o fogo quando a moderação se descongela;
Você reprime a honestidade, você assassina a fidelidade;
Sua instigadora abominável! Sua alcoviteira infame!
Você colocou a infâmia e tirou o enaltecimento.
Sua violadora, sua traidora, sua ladra falsa,
Seu mel fica amargo, sua alegria se transforma em aflição!
Seu prazer secreto se transforma em vergonha notória; (0890)
Seu banquete privado se transforma em um jejum público;
Seus títulos lisonjeiros se transformam em um nome difamado;
Sua língua adocicada se transforma no gosto amargo da losna.
Suas futilidades impetuosas não se acabam.
Então, vil Oportunidade, como isso se dá,
Você é tão má, mas tantos a buscam?
Quando você será amiga do suplicante humilde,
E o levará onde pode obter sua demanda?
Quando você acabará com as grandes contendas?
Ou libertará a alma que a infelicidade aprisionou? (0900)
Dará médico ao doente, alívio ao aflito?
O pobre, o aleijado, o cego, o cocho, rastejam, clamam por você;
Mas nunca se encontraram com a Oportunidade.
O paciente morre enquanto o médico dorme;
O órfão definha enquanto o opressor se alimenta;
A justiça está festejando enquanto a viúva pranteia;
O conselho diverte-se enquanto a infecção desenvolve-se:
Você não passa tempo em feitos caridosos:
Ira, inveja, traição, estupro e fúria assassina,
Dedicam suas horas abomináveis a eles conforme lhe chamam. (0910)
Quando a Verdade e a Virtude têm negócios com você,
Centenas de impedimentos as afastam de sua ajuda:
Elas compram sua ajuda; mas ao Pecado nunca se paga,
Ele vem de graça; e você é bem paga
Tão bem que basta o ouvir e concede o que ele pede.
54
Meu Colatino viria a mim
Quando Tarquínio veio, mas você o impediu.
Você é culpada de assassinato e de roubo;
Culpada de perjúrio e subordinação;
Culpada de traição, mentira e desonestidade; (0920)
Culpada de incesto, que abominação;
É uma cúmplice devido à sua inclinação
A todos os pecados do passado e a todos que estão por vir,
Desde a criação até ao juízo final.
Tempo deformado, parceiro da Noite infame,
Mensageiro perspicaz e rápido, portador de um esmero terrível,
Devorador da juventude, escravo falso da alegria falsa,
Vil observador da angústia, cavalo de carga do pecado, armadilha da virtude;
Você cuida e assassina tudo que existe:
Oh, me ouça então, Tempo injurioso, e enganador! (0930)
Seja culpado pela minha morte, desde o meu pecado.
Porque a sua serva, a Oportunidade,
Traiu as horas que você me deu para repousar,
Borrou o meu destino e me prendeu
Em um tempo sem fim de lamúrias intermináveis?
O ofício do Tempo é penalizar o ódio dos inimigos;
Corroer os erros ao suscitar o juízo falso do povo,
Não gastar o dote de um casamento legítimo.
A glória do Tempo é acalmar reis em contenda;
Desmascarar a falsidade e trazer a verdade à luz; (0940)
Cunhar o selo do tempo em coisas idosas;
Trazer a manhã e vigiar a noite;
Prejudicar o errado até que ele faça certo;
Destruir edifícios suntuosos com as suas horas;
E cobrir de poeira suas torres douradas resplandecentes;
Encher os monumentos imponentes com buracos de vermes,
Nutrir o esquecimento com a deterioração das coisas,
55
Rasurar os livros velhos e alterar seus conteúdos,
Arrancar as penas das azas de corvos velhos,
Secar a seiva do velho carvalho e nutrir primaveras, (0950)
Danificar antiguidades de aço forjado,
E girar a inconstante roda da fortuna;
Mostrar as filhas velhas da sua filha;
Tornar a criança em homem e o homem em criança;
Matar o tigre que vivia de matar;
Domar o unicórnio e o leão selvagem;
Enganar o ardiloso com suas próprias artimanhas;
Alegrar o lavrador com colheitas maiores;
E desgastar rochas enormes com pequenas gotas de água.
Por que operou sua injúria na sua peregrinação, (0960)
Quando poderias voltar para aperfeiçoar?
Um único minuto retirado de uma era
Lhe traria milhares e milhares de amigos,
Ao dar a ele a sagacidade que dá aos maus devedores:
Oh, esta noite horrível, se você voltasse uma hora,
Eu impediria essa tempestade e evitaria sua ruína!
Seu lacaio incessante para a eternidade,
Com um infortúnio impeça a fuga Tarquínio:
Trame extremos além do extremo,
Para fazê-lo amaldiçoar essa noite criminosa amaldiçoada (0970)
Assuste seus olhos lascivos com sombras medonhas;
E com o pensamento terrível a maldade que cometeu
Dê a cada arbusto a forma de um demônio terrível disforme.
Perturbe as horas de descanso dele com medo incansável,
Faça-o ficar na cama afligido pelo sofrimento de doença;
Deixe que lhe aconteçam infortúnios lastimáveis,
Que o façam lamentar-se, mas não se compadeça das suas lamúrias.
Apedreje-o com corações duros, mais duros do que pedras;
E faça com que as mulheres carinhosas não sejam carinhosas com ele,
Deixe-o mais selvagem do que tigres na selva. (0980)
56
Dê-lhe tempo para arrancar seu cabelo cacheado;
Dê-lhe tempo para se enfurecer consigo mesmo;
Dê-lhe tempo para que o Tempo o ajude a se desesperar,
Dê-lhe tempo para se tornar um escravo repugnante;
Dê-lhe tempo para suplicar pelas sobras de um mendigo;
E tempo para ver aquele que vive de esmolas
O desdenhar ao dar-lhe sobras desdenhadas.
Dê-lhe tempo para ver seus amigos se tornarem seus inimigos,
E tolos felizes zombarem de seu refúgio;
Dê-lhe tempo para perceber o quão devagar o tempo passa (0990)
Nos momentos de sofrimento e quão rápido e curto
Foi seu tempo de insensatez e divertimento;
E nunca deixe seu crime irrevogável
Ter tempo de prantear o abuso do seu tempo.
Oh Tempo, você instrui tanto o bem quanto o mal,
Ensine-me a amaldiçoá-lo já que você o ensinou essa maldade!
Com a sua própria sombra o ladrão fica bravo,
E procura o tempo todo matar-se!
Essas mãos desprezíveis deveriam derramar esse sangue desprezível;
Pois quem é tão vil que iria ter o ofício (1000)
De carrasco vergonhoso de um escravo tão vil?
Por se tratar de um rei, ele é mais vil
Por destruir sua esperança com atos depravados.
Quanto mais poderoso é um homem, mais poderoso é
O que o torna honrado ou o que deixa odiado;
Pois o maior escândalo visita o maior cargo.
A lua omite-se imediatamente ao ser encoberta por nuvens,
Mas pequenas estrelas podem se esconder quando quiserem.
A coroa pode cobrir com mira suas asas pretas como carvão,
E voar despercebida com a imundície distante; (1010)
Mas se o cisne branco desejar o anelo,
A mancha sobre sua penugem prateada ficará.
Pobres noivos são a noite escura, o dia glorioso dos reis:
57
Ninguém percebe os mosquitos onde quer de eles voem,
Mas cada olho fita as águias.
Fora, palavras vãs, servas de tolos superficiais!
Sons inúteis, árbitras ineficazes!
Ocupem-se com as escolas competidoras;
Discutam onde o ócio trabalha com argumentadores estúpidos;
Sejam mediadores para clientes tímidos: (1020)
Quanto a mim, não imponho argumento sem valor,
Já que meu caso está além da ajuda da lei.
Em vão xinguei a Oportunidade,
O Tempo, Tarquínio e a Noite desanimadora;
Em vão discuti capciosamente com minha infâmia,
Em vão rejeitei meu menosprezo ratificado:
Essa fumaça impotente de palavras não me faz justiça.
O remédio que de fato me fará bem
Será deixar verter meu sangue abominável e maculado.
Pobre mão, porque estremece com esse decreto? (1030)
Honre a si mesma ao me livrar dessa vergonha:
Pois se eu morrer, minha honra viverá em você;
Mas se eu viver, você viverá na minha infâmia:
Já que você não conseguiu defender sua dama leal,
E temeu arranhar seu inimigo perverso,
Mate tanto a ela quanto a você porque se renderam assim.
Dito isso, de sua cama desarrumada ela começou
A procurar um instrumento de morte renhido.
Mas nenhum matadouro concedeu nenhum instrumento
Para abrir mais uma abertura para a sua respiração passar; (1040)
Que, escapando pelos seus lábios, desvanecia
Como a fumaça do Etna que se dissipa no ar,
Ou que evapora do canhão detonado.
Em vão, ela disse, vivo e busco em vão
Um meio feliz de encerrar uma vida infeliz.
58
Temi ser assassinada pelo alfanje de Tarquínio,
Contudo, para o mesmo propósito procuro uma faca:
Mas quando temi, eu era uma esposa leal;
E continuo sendo agora. Oh não, não pode ser;
Dessa classe fiel Tarquínio me roubou. (1050)
Oh, o motivo pelo qual eu procurava viver se foi
E, portanto, não preciso temer a morte.
Ao limpar essa mancha com a minha morte, pelo menos dou
Um emblema de pureza para a farda caluniada;
Uma vida que se acaba diante da infâmia existente:
Pobre auxílio impotente, o tesouro roubado,
Queima o cofre inocente onde ele se encontra.
Muito bem, querido Colatino, você não conhecerá
O gosto maculado da promessa de fidelidade que se profanou;
Não irei desonrar assim sua verdadeira afeição, (1060)
Ao lhe adular com um juramento que quebrei;
Essa união ilegítima não se desenvolverá.
Ele não se ostentará que profanou sua família
Fazendo de você o pai amoroso do filho dele.
Nem irá sorrir para você com pensamentos secretos,
Nem irá rir da sua condição com os amigos.
Mas você saberá que o seu respeito não foi comprado
De forma vil com ouro, mas foi roubado de dentro do seu portão.
Por mim, eu sou a senhora do meu destino,
E a minha transgressão nunca terá perdão, (1070)
Até que a vida, com a morte absolva minha ofensa forçada.
Não vou lhe envenenar com minha desonra,
Nem encobrir minha falta com desculpas forjadas como puras;
Não pintarei a cor obscura do pecado
Para esconder a verdade dos abusos desta noite falsa.
Minha língua proferirá a todos; meus olhos, como canais,
Como uma fenda na montanha que alimenta o vale,
Irão jorrar água pura para limpar minha história impura.
59
Nesse momento, a Filomela lamuriante terminara
O chilro afinado de seu sofrimento noturno, (1080)
E a noite solene com um passo lento e triste desceu
Para o inferno horrendo; quando, veja, o amanhecer corado
Cede a luz para todos os olhos desimpedidos que irão a tomar.
Mas a melancólica Lucrécia se envergonha de enxergar,
E, então, continua enclausurada na noite.
O dia revelador espia por cada fenda,
E parece destacá-la onde ela está sentada chorando;
E para ele soluçando ela diz: Oh olho que tudo vê,
Porque você espreita pela minha janela? Cesse o seu raiar.
Zombe com seus raios divertidos os olhos que dormem. (1090)
Não marque minha fronte com sua luz penetrante,
Pois o dia não tem nada a fazer que já não foi feito à noite.
Assim ela argumenta com tudo o que vê;
A verdadeira tristeza é aficionada e impaciente como uma criança,
Que uma vez teimosa, não concorda com nada:
A velha angústia, que nenhuma criança sofre; torna-se suave;
Persistência a um domestica; ao ouro torna selvagem
Como um nadador inexperiente que fica imerso
E se afoga com muito sofrimento por falta de habilidade.
Assim ela, profundamente submersa em um oceano de aflição, (1100)
Discute com tudo o que vê,
E compara todo o sofrimento consigo;
Não tem nenhum desígnio a não ser renovar o vigor do furor;
E quando um muda, o outro logo o sucede.
Às vezes a tristeza se emudece e não tem palavras;
Às vezes é furiosa e permite-se falar muito.
Os pequenos pássaros que entoam sua alegria matinal
Tornam, com sua doce melodia, os lamentos dela exasperados.
Pois a alegria procura a essência da irritação;
Almas tristes são mortas com companhia feliz; (1110)
A tristeza só se agrada com a sociedade triste.
60
O verdadeiro sofrimento então se satisfaz profundamente
Quando se depara com um semblante semelhante.
Essa é a morte dupla: afogar-se próximo à praia;
Definha dez vezes aquele de definha contemplando a comida;
Ver o remédio faz a ferida doer mais;
A grande tristeza se entristece mais com o que a faria melhorar;
A dor profunda flui como uma inundação suave,
Que ao ser parada, transborda as margens que a prendem;
A longa tristeza não conhece limites nem leis. (1120)
Vocês, pássaros zombeteiros, ela diz, enterrem suas melodias
Nos peitos de pluma de se inflam e se encolhem,
E sejam, aos meus ouvidos, mudos e silenciosos.
Minha dissonância irrequieta não ama paradas ou descansos;
Uma anfitriã infeliz não suporta convidados felizes.
Concedam suas notas vivazes a ouvidos amáveis;
A angústia gosta da melancolia quando se passa o tempo com lágrimas.
Venha Filomela que canta do estupro,
Faça seu bosque triste em meu cabelo desgrenhado.
Da mesma forma que a terra úmida pranteia sua tristeza, (1130)
Assim eu a cada música triste derramarei uma lágrima,
E com suspiros profundos suportarei a melodia;
Pois ainda irei cantarolar sobre Tarquínio como uma música de fundo,
Enquanto você sobre Tereu faz contraponto com mais habilidade.
E, às vezes, pressionada por um espinho você canta sua parte,
Para manter sua dor aguda ativa; e eu infeliz,
Para lhe imitar bem, contra meu coração
Fixarei uma faca pontuda para aterrorizar meu olho;
Que, se pestanejar, irá sobre ela cair e morrer.
Esses meios, como a fricção sobre um instrumento, (1140)
Irá tocar as cordas do nosso coração em um verdadeiro desfalecimento.
E, pobre pássaro, já que você não canta durante o dia,
Como se estivesse envergonhado de cada olho que lhe contempla,
61
Em um deserto escuro e oculto, situado longe de qualquer caminho,
Que não conhece calor ardente nem frio congelante,
Iremos encontrar, e lá, vamos cantar
Para os animais melodias tristes e austeras, para mudar sua espécie:
Já que os homens podem ser animais, deixemos os animais ostentar mentes gentis.
Como o pobre e fraco cervo, que para e fita,
Determinando a esmo por qual caminho fugir, (1150)
Ou um cercado por um labirinto sinuoso,
E não pode encontrar a saída facilmente,
Assim ela está indecisa com sigo mesma,
Se vive ou morre, qual dos dois seria melhor,
Quando a vida está envergonhada e a morte difama o devedor.
Matar-me, ela diz, meu Deus, o que seria isso,
Se não poluir minha alma com meu corpo?
Aqueles que perdem metade sofrem com mais paciência
Do que aqueles que tiveram tudo tragado na confusão.
A mãe experimenta um fim impiedoso (1160)
Quando, tendo dois bebês, a morte leva um,
E ela mata o outro e não cuida de nenhum.
Qual é o mais estimado meu corpo ou minha alma,
Quando um é puro e o outro é divino?
O amor de qual dos dois era mais próximo de mim,
Quando ambos foram guardados para o céu e para Colatino?
Ai de mim! Com a casca tirada do pinheiro altivo,
Suas folhas vão murchar e sua seiva escorrer;
Assim acontecerá com minha alma quando sua casca for tirada.
A casa dela está devastada, sua tranquilidade interrompida, (1170)
Sua mansão destruída pelo inimigo;
Seu templo sagrado maculado, arruinado, corrompido,
Totalmente cercado pela infâmia audaz.
Mas isso não se chamará de impiedade,
Se eu puder fazer um buraco nessa fortaleza de culpa
E através dele transportar essa alma transtornada.
62
Mas não morrerei até que meu Colatino
Ouça a causa da minha morte prematura;
Para que ele possa jurar, nessa minha hora triste,
Que se vingará daquele que fez minha respiração parar. (1180)
Meu sangue maculado deixarei de herança a Tarquínio,
Assim a mácula que me causou ele obterá,
E fará como lhe está previsto em meu testamento.
Minha honra deixarei de herança para a faca
Que golpeia meu corpo tão desonrado.
É a honra que leva embora a vida desonrada;
Uma viverá, a outra estará morta:
Então das cinzas da minha vergonha meu renome surgirá;
Pois com minha morte eu assassino o escárnio vergonhoso.
Assim, com minha vergonha morta, minha honra renasce. (1190)
Querido senhor dessa joia preciosa que perdi,
Que herança lhe transmitirei?
Minha resolução, amor, lhe será para orgulho,
Através desse exemplo você será vingado.
O que deve ser feito de Tarquínio, leia isso em mim:
Eu me matarei, seu amigo matará seu inimigo
E por minha causa faça isso com o falso Tarquínio.
Faço esse resumo do meu testamento:
A minha alma e o corpo serão para os céus e terra;
A minha resolução, marido, você toma; (1200)
A minha honra será para a faca que faz a minha ferida;
A minha vergonha será daquele que destruiu meu renome;
E todo o meu renome que existe seja dado
Para aqueles que vivem e não pensam mal de mim.
Você, Colatino, irá executar esse testamento;
Você verá como me enganaram.
Meu sangue irá remover a difamação da minha imoralidade;
O final justo da minha vida eximirá o ato impuro que cometi.
Não desfaleça coração covarde, mas diga com bravura: Que assim seja.
63
Sujeite-se à minha mão; a minha mão o conquistará. (1210)
Quando você morrer, os dois morrem e ambos serão vitoriosos.
Quando ela tristemente fez esse Plano de morte,
E secou as lágrimas salgadas dos olhos brilhantes,
Com a voz dissonante e rouca chamou a criada,
Que com obediência imediata corre para a senhora;
Pois as azas velozes do dever voam com as penas do pensamento.
As pobres bochechas de Lucrécia para sua criada se parecem
Como as campinas no inverno quando o sol derrete a neve.
Ela dá um bom-dia acanhado para sua senhora
Com relutância para falar, a verdadeira marca da modéstia, (1220)
E mostra-se triste para com sofrimento da sua senhora,
Por que razão a face dela apresenta o apagamento do sofrimento?
Mas não ousou perguntar na sua audácia
Por que seus dois sóis estavam, assim, eclipsados,
Nem porque suas belas bochechas estavam descoloridas com dor.
Mas como se a terra chorasse, o sol estava posto,
Cada flor umedecida como um olho que chora;
Mesmo assim, a criada começou a se molhar com as gotas que surgiam
Seus olhos se revolvem, forçados pela simpatia
Daqueles belos sóis do céu da sua senhora, (1230)
Que em um oceano de ondas salgadas apagam sua luz,
E isso faz a criada chorar como a noite cheia de orvalho.
Uma bela enquanto essas belas criaturas sustentam,
Como cisternas coralinas que se enchem com fontes de marfim.
Uma simplesmente chora; a outra toma sobre si
Não a causa, mas a companhia, das lágrimas dela que caem.
O sexo feminino está com frequência disposto a chorar;
Sofrendo ao perceber a dor do outro,
E então afogam os olhos ou partem o coração.
A mente dos homens é de mármore, a das mulheres é de cera, (1240)
Então, elas são esculpidas de acordo com a vontade do mármore;
64
O fraco é esmagado, a cunhagem de formatos diferentes
É feita neles pela força, pela fraude ou pela habilidade;
Então eles não são mais donos de sua maldade,
Do que a cera é considerada má
Por estamparem nela a imagem de um demônio.
Sua brandura, como uma grande planície graciosa,
Está aberta para todos os vermes que rastejam;
Nos homens, como em um bosque agreste, sobrevivem
Demônio escondidos em cavernas que dormem sombriamente. (1250)
Através das paredes de cristal cada cisco irá brotar.
Enquanto os homens encobrem os crimes com aparência confiante e ríspida,
A face das pobres mulheres é o seu livro de faltas.
Nenhum homem insulta a flor que murcha,
Mas admoesta o inverno rigoroso que mata a flor.
A devorada não, mas a que devora
É digna de culpa. Oh, que não sejam imputadas
As faltas das pobres mulheres, pois elas são cometidas
Pelo abuso dos homes: aqueles senhores orgulhosos, deles é a culpa,
Fazem das frágeis mulheres abrigo da sua vergonha. (1260)
Foi isso que Lucrécia pensou,
Atacada à noite com as fortes condições
Da morte ao alcance e a vergonha que poderia seguir-se
Se acontecesse de sua morte desonrar seu marido.
Esse perigo pertence à resistência,
Pois o medo de morrer se espalhada por todo o seu corpo;
E quem não consegue abusar de um corpo morto?
Com isso, a paciência tenra sugere que a bela Lucrécia fale
À pobre imitadora da sua lamúria:
Minha garota, ela diz, que ocasião arranca (1270)
De você essas lágrimas, que escorrem por sua face?
Se você chora para me consolar do meu pesar,
Saiba, meiga criada, que isso não muda meu ânimo.
Se as lágrimas pudessem ajudar, as minhas me fariam bem.
65
Mas me diga garota, aonde foi, e ali ela parou
Até dar um profundo suspiro, Tarquínio?
Senhora, antes que eu levantasse, respondeu a criada,
A maior culpa é da minha negligência por preguiça,
Ainda que da culpa eu não possa me eximir;
Eu já trabalhava antes do amanhecer, (1280)
E antes de eu levantar, Tarquínio já fora.
Mas senhora, se sua criada puder ser ousada,
Ela gostaria de saber seu fardo.
Oh, por favor! Disse Lucrécia; se isso devesse ser dito,
A repetição não o tornaria menor;
Pois isso é mais do que eu posso expressar.
E essa profunda tortura pode ser chamada de inferno
Quando se sente mais do que se tem capacidade de dizer.
Vá, pegue papel, tinta e pena;
Por ora poupe esse trabalho, pois eu os tenho aqui. (1290)
O que eu deveria dizer? Um dos homens do meu marido
Que ele esteja pronto, para depois levar
Uma carta para meu senhor, meu amor, meu querido;
Ordene-lhe que com velocidade prepare-se para levá-la;
O motivo necessita de pressa e ela será escrita logo.
Sua criada se vai e ela se prepara pare escrever,
Primeiro paira sobre o papel com a pena:
A vaidade e a aflição lutam um combate impetuoso;
O que o juízo registra é logo apagado com vontade;
Isso deve ser muito meticuloso, sem rodeios e injurioso, (1300)
Como uma turba em uma porta,
Ela atropela suas invenções que se empurram para ir primeiro.
Por fim ela começa: Honrado senhor
Dessa desonrada esposa que o saúda,
Eu o saúdo! Com benevolência permita-se
De uma vez, amor, sua Lucrécia ir ver;
Apresse-se imediatamente para vir me visitar.
66
Assim, envio-lhe meus cumprimentos de nossa casa, em dor:
Minhas desventuras são duradouras, embora minhas palavras sejam breves.
Com isso, ela dobra a cópia da sua dor, (1310)
O sofrimento incontestável escrito de forma duvidosa.
Com essa pequena carta Colatino saberá
Da tristeza dela, mas não saberá seu verdadeiro motivo.
Ela não ousa revela-lo ali,
Para que Colatino não tome para si o abuso terrível dela,
Antes que ela tinja com sangue a sua desculpa maculada.
Além disso, a vida e o sentimento da sua aflição
Ela junta, para consumir quando ele estiver prestes a ouvi-la.
Quando os suspiros e gemidos e lágrimas puderem embelezar a forma
Da sua desgraça, para melhor inocentá-la (1320)
Da desconfiança que o mundo poderia colocar sobre ela.
Para evitar essa desgraça, ela não iria desgraçar a carta
Com palavras até que a sua atitude possa torná-las melhor.
Ver olhares tristes comove mais do que ouvir falar deles;
Pois então, o olho interpreta para o ouvido
A expressão triste que contempla,
Quando cada membro sente uma parte da dor.
É apenas uma parte do sofrimento que ouvimos
Os sons profundos fazem menos barulho do que rios rasos
E do que as marés de sofrimento sopradas pelo vento das palavras. (1330)
A carta agora está selada e sobre ela está escrito:
Para Árdea, para meu senhor com muita pressa.
O mensageiro chega e ela a entrega,
Incumbindo esse cavaleiro de aparência austera a ir tão rápido
Quanto às aves atrasadas para fugir do inverno.
Ela está mais do que apressada, mas pensa de forma lenta e de vagar.
Os extremos ainda instam esses extremos.
O vilão rústico mesura a demora dela.
E, corando por causa dela, com um olhar fixo
67
Recebe o papel sem dizer sim ou não, (1340)
E com uma inocência tímida apressa-se.
Mas aqueles cuja culpa está em seu bóson
Imaginam que cada olho contempla sua culpa;
Assim Lucrécia pensou que ele corou por ver sua vergonha.
Quando, cavaleiro simples, a sabedoria de Deus, é uma mácula
Da alma, da Vida e da audácia corajosa.
Essas criaturas têm verdadeira consideração
Em falar com ações, enquanto outros de forma insolente
Prometem mais velocidade, mas fazem devagar.
Mesmo assim, esse padrão da idade da fadiga (1350)
Com a aparência honesta penhorada, não dá palavras em penhor.
A tarefa incitada dele incitou a desconfiança dela,
Aqueles dois fogos vermelhos queimavam suas faces;
Ela pensou que ele corou por saber da Luxúria de Tarquínio,
E, corando junto com ele, olhou para ele severamente;
Seu olhar severo o deixou mais surpreso,
Quanto mais ela via o sangue nas bochechas dele aumentar,
Mais ela pensava que ele via sua culpa.
Mas ela pensa por muito tempo até que ele volte,
E embora o vassalo submisso ha pouco se foi (1360)
Ela não consegue entreter o tempo enfadonho,
Não tem graça suspirar, chorar, gemer.
A dor fatigou tanto a dor, o lamento cansou tanto o lamento,
Que ela manteve por pouco tempo a lamentação,
Parando para encontrar meios de prantear de outra forma.
Por fim lhe vem à mente onde está
Uma pintura feita para a Troia de Príamo:
Diante da qual está desenhado o poder da Grécia;
Que pelo rapto de Helena destruiria a cidade,
Ameaçando a Ilion que alcança as nuvens com ofensas; (1370)
Isso o pintor presunçoso desenhou de forma tão magnífica,
Parecia que o céu se curvava para beijar as torres.
68
Milhares de objetos lamentáveis estavam lá,
Desprezando a natureza, a arte deixou vida sem vida.
Muitas vezes, uma gota seca parecia uma lágrima chorando,
Derramada por uma esposa em favor do marido assassinado.
O sangue vermelho esfumaçado, para mostrar a habilidade do pintor,
E nos olhos lânguidos cintilavam luzes acinzentadas,
Como brasas se apagando queimadas nas noites tediosas.
Lá você pode ver o sapador trabalhando (1380)
Coberto de suor e todo sujo de poeira;
E das torres de Troia apareciam
Os mesmos olhos de homem espremidos em um buraco
Espiando os gregos com pouca luxúria.
A observação era doce nesse trabalho,
Pois podia se ver que aqueles olhos distantes pareciam tristes.
Nos grandes comandantes graça e majestade,
Você consegue ver, triunfando em suas faces;
Nos jovens, a agilidade e a destreza;
Aqui e lá o pintor entrelaça (1390)
Covardes pálidos, marchando com passos trêmulos;
Com isso os rústicos cruéis se assemelham tão bem,
Que quem olha poderia jurar que os viu estremecerem e tremerem.
Em Ajax e Ulisses, oh que arte
De fisionomia que se pode ver!
A face de ambos cifrada no coração um do outro;
A face e o comportamento deles falavam de forma bem expressiva:
Nos olhos de Ajax a raiva cortava e a rigidez fluía;
Mas o olhar brando que Ulisses dava
Demonstrava profunda estima e autoridade alegre. (1400)
Lá, pleiteando você poderia ver o sóbrio Nestor,
Como se estivesse encorajando os Gregos a lutar
Fazendo um movimento tão sóbrio com a mão,
Que chamou atenção, atraiu o olhar.
Ele parecia estar falando, sua barba, toda grisalha,
69
Balançava para cima e para baixo e dos seus lábios voava
A respiração leve e sinuosa, que subia ondulando ao céu.
Próxima a ele estava uma multidão de rostos diferentes,
Que pareciam absorver seu conselho emitido;
Todos juntos ouviam, mas com muito encanto, (1410)
Como se uma sereia tivesse seduzido os ouvidos deles,
Alguns altos, outros baixos, o pintor foi tão refinado;
O couro cabeludo de muitos, quase escondido atrás,
Parecia pular mais alto para escarnecer da mente.
A mão de um homem está sobre a cabeça de outro,
O ouvido do outro faz sombra sobre seu nariz;
Um homem sendo atropelado vai para trás, todo encolhido e vermelho;
Outro suprimido parece jogar pedras e praguejar;
E em sua fúria esses sinais de fúria eles possuem,
Como se apenas pelo efeito das palavras douradas de Nestor (1420)
Fossem lutar com espadas iradas.
Muito trabalho da imaginação estava lá;
Imaginação enganosa, tão concisa, tão boa
Que na imagem de Aquiles estava sua lança,
Brandida por uma mão com braço; ele, por trás
Foi deixado oculto, exceto pelo olho da mente:
Uma mão, um pé, um rosto, uma perna, uma cabeça,
Estavam lá para que o todo seja imaginado.
E dos muros bem sitiados de Troia
Com corajosa esperança, quando o valente Heitor marchava para o campo, (1430)
Muitas mães troianas estavam partilhando a alegria,
De ver seus filhos manejarem armas luzentes;
E para sua esperança sujeitavam-se a essa atitude estranha,
Que através da sua luz a alegria parecia surgir,
Como coisas brilhantes tingidas, uma espécie de medo forte.
E da costa de Dárdano, onde lutaram,
Para as margens juncosas do Simois o sangue vermelho escorria,
70
Aquelas ondas buscavam imitar a batalha,
Com sulcos que se elevam; e suas fileiras começavam
A quebrar sobre a costa atormentada e então (1440)
Se retiram novamente, até que, encontrando sulcos maiores,
Se juntam e lançam sua espuma nas margens do Simois.
A esse quadro bem-pintado Lucrécia virá
Para encontrar a face onde toda a angústia esculpida.
Ela vê muitas, onde algum esmero estava entalhado
Mão não vê nenhuma, onde toda a angústia e dor residiam,
Até que ela vê a Hécuba desesperada,
Olhando para as feridas de Príamo com seus olhos velhos,
Que está sangrando sob o orgulhoso pé de Pirro.
Nela o pintor anatomizou (1450)
A ruina do Tempo, a destruição da beleza e o rígido reino de esmero.
As bochechas dela estavam mascaradas com rachaduras e rugas;
De como ela se parecia, nada restou:
Seu sangue azul ficou preto em cada veia,
Desprovida da primavera da vida que aqueles tubos retorcidos nutriram,
Apresentava a vida aprisionada em um corpo morto.
Nessa sombra triste Lucrécia detém os olhos,
E molda sua tristeza às dores daquela senhora,
Que não quer responder a nada, apenas chora
E fala palavras cruéis para expulsar seus inimigos cruéis. (1460)
O pintor não desenhou isso bem;
E, assim, Lucrécia jura que ele foi injusto com ela,
Ao dar-se tanto sofrimento e não dar uma língua.
Pobre instrumento, ela disse, sem um som,
Irei entoar sua dor com minha língua lamuriante
E derramar o bálsamo doce na ferida desenhada de Príamo,
E insultar Pirro que contra ele o crime cometeu;
E com minhas lágrimas apagar Tróia que há tanto queima;
E com minha faca furar os olhos raivosos
De todos os gregos que são seus inimigos. (1470)
71
Mostre-me a prostituta que começou esse tumulto,
Que com minhas unhas posso dilacerar a beleza dela.
O seu ardor de luxúria, apaixonado Paris, atraiu
Essa grande vingança que a Troia candente recebeu.
Seu olho ascendeu o fogo que aqui queima;
E aqui, em Tróia, pela transgressão do seu olho,
O pai, o filho, a matrona e a filha morrem.
Por que o prazer privado de um
Se tornou uma praga pública de muitos?
Deixe que o pecado, que apenas um cometeu, caia somente (1480)
Sobre a cabeça daquele que assim transgrediu;
Que as almas inocentes sejam libertadas da dor da culpa,
Pois, por que pela ofensa de um, muitos deveriam cair
E castigar a todos por um pecado privado?
Veja, aqui Hécuba chora, ali Príamo morre;
Aqui, de forma varonil, Heitor desfalece, ali Troilo é assassinado;
Aqui o amigo faz o amigo jazer em um canal de sangue
E o amigo fere precipitadamente ao amigo;
E a luxúria de um homem destrói a vida muitos.
Se Príamo tivesse detido o desejo do filho, (1490)
Tróia brilharia em glória não em fogo.
Nesse momento ela chora comovida pelas dores pintadas de Tróia;
Pois o sofrimento, como um sino pesado suspenso,
Uma vez que alguém o toca, o seu peso o faz continuar,
Então pouca força toca o som fúnebre.
Assim Lucrécia, empenhada conta histórias tristes
Para a meditação desenhada e a tristeza pintada
Empresta palavras e tomar emprestada a aparência deles.
Ela passa os olhos pela pintura,
E todos os que lá estão solitários ela lamenta. (1500)
Por fim ela vê um retrato infeliz amarrado,
Que lança um olhar comovente para os pastores frígios;
Sua face, embora cheia de preocupações, ainda se mostrava contente;
72
Em direção a Tróia ele vai com o camponês insensível,
Tão compassivo que a Paciência parecia desprezar duas dores.
Nele o pintor trabalhou com habilidade,
Para esconder a falsidade e dar-lhe a aparência inofensiva,
Um passo submisso, aparência calma, olhos tranquilos chorosos,
Uma expressão relaxada que parecia saudar a dor;
Bochechas nem coradas nem pálidas, mas tão combinadas (1510)
Que o rubor não lhe dava ocasião para culpa,
Nem tinha o pálido acinzentado de medo que os corações falsos têm.
Mas, como um demônio constante e firmado,
Ele tinha uma aparência enganosa tão íntegra,
E por dentro estava tão enraizado seu demônio secreto,
Que a desconfiança não conseguia suspeitar
Da astúcia que se arrasta com falsidade e o perjúrio deveria confiar
Que em um dia tão bonito viriam tempestades negras,
Ou que a aparência santa estava manchada com o pecado que nasce no inferno.
O artífice habilidoso que desenhou essa imagem compassiva (1520)
Para o falso Sínon, cuja história encantadora
O crédulo e velho Príamo depois matou;
Cujas palavras como fogo selvagem queimaram a glória radiante
Da Ilion construída de forma tão rica, que os céus lamentavam
E as pequenas estrelas se lançaram de seus lugares,
Quando o espelho, onde elas olhavam suas faces, caiu.
Essa pintura ela examinou atentamente
E censurou o pintor por sua habilidade surpreendente,
Dizendo que alguns aspectos em Sínon eram exagerados;
Alguém tão belo não tem uma mente tão perniciosa. (1530)
Mas ela ainda olhava para ele; e ainda olhando
Sinais da verdade no rosto sincero dele ela encontrou,
Ao que conclui que a pintura foi mal interpretada.
Não pode ser, ela diz, que tamanha falsidade...
Ela teria dito: consiga enganar um olhar tão acurado;
73
Mas a aparência de Tarquínio lhe veio à mente,
E da sua língua em vez de um ―consiga enganar‖ arrancou um ―não consiga‖.
Não pode ser, ela desistiu daquele rumo
E então o retomou: Não pode ser, descobri,
Um rosto assim pode possuir uma mente perversa. (1540)
Pois mesmo que Sínon esteja pintado de forma tão refinada,
Tão sóbrio, triste, tão fatigado e tão compassivo,
Como se estivesse débil com sofrimento ou labuta;
A mim veio Tarquínio armado, tão encantador
Com honestidade exterior, mas corrompido
Pela maldade interna: Como Príamo tratou Sínon com carinho,
Assim eu o fiz com Tarquínio; assim minha Tróia pereceu.
Olhe, olhe como Príamo humedece os olhos ao ouvi-lo,
Ao ver aquelas lágrimas pérfidas que Sínon derrama!
Príamo, por que você é velho e ainda não é sábio? (1550)
Por cada lágrima que ele derrama um troiano morre.
Seu olho jorra fogo, de lá não procede água;
Essas lágrimas límpidas, que atraem a sua piedade
São bolas de fogo que não se apaga para queimar sua cidade.
Esses demônios roubam a aparência do inferno sem luzes;
Pois Sínon, em seu fogo, treme com frio,
E naquele frio o fogo que queima ardente habita;
Esses opostos mantêm-se unidos
Apenas para conquistar os tolos e torná-los valentes.
Assim as lágrimas falsas de Sínon conquistam a confiança de Príamo, (1560)
E ele descobre meios de queimar sua Tróia com água.
Nesse ponto, enraivecida, a ira a assalta
E expulsa a paciência do seu peito.
Ela rasga o insensível Sínon com as unhas,
Comparando-o com aquele hóspede infeliz
Cujo feito a fez detestar-se;
Por fim ela, ela sorri a essa mudança de espírito.
Tolo, tolo! Ela diz, suas feridas não sararão.
74
Assim diminui e derrama-se o fluxo do seu sofrimento
E o tempo cansa o tempo com seu lamento. (1570)
Ela olha para a noite e, então, anseia pela manhã,
E acha que ambos são muito longos junto com sua existência;
O tempo curto parece longo quanto prolonga o sofrimento doloroso.
Embora a dor seja opressiva, raramente dorme
E aqueles que vigiam veem quão devagar o tempo se arrasta.
A dor em todo esse tempo passara despercebida pelo pensamento dela,
Enquanto se detivera nas imagens pintadas;
Estar longe do sentimento do seu próprio sofrimento a fez
Diminuir ao contemplar profundamente a perda do outro,
Perdendo sua dor ao demonstrar descontentamento. (1580)
Trouxe um pouco de alívio, embora não curou,
Pensar na dor que os outros passaram.
Mas agora o mensageiro cuidadoso volta
E traz para casa seu senhor e outra companhia;
Eles encontram Lucrécia vestida com traje de luto;
E em volta do seu olho cheio de lágrima
Círculos azuis ondeavam, como arco-íris no céu;
Esse meio arco-íris em sua face escura
Prenuncia novas tempestades além daquelas que se foram.
Isso viu seu marido que a contempla tristemente, (1590)
Assombrado ele olha para a face dela triste.
Os olhos dela, embora cobertos de lágrimas, pareciam vermelhos e feridos,
A cor viva dela assassinada com preocupações mortais.
Ele não conseguiu perguntar como ela estava;
Ambos ficaram, como velhos conhecidos em um transe,
Quando se encontram longe de casa especulando a sina um do outro.
Por fim ele a toma pela mão pálida,
E assim começa: Que acontecimento ruim que desconheço
Sobreveio a você, que está aqui trêmula?
Querida amada, que malevolência extinguiu sua cor? (1600)
Por que você está vestida de desgosto?
75
Revele a mim, minha querida, essa opressão triste
E me conte sua aflição para que possamos remediá-las.
Três vezes com suspiros ela inflama seu sofrimento,
Antes que consiga soltar uma palavra de dor;
Demoradamente apronta-se para responder a ele,
Com modéstia se prepara para deixá-los saber
Que sua honra foi levada prisioneira por um inimigo;
Enquanto Colatino e seus companheiros
Prestando atenção ansiavam por ouvir as palavras dela. (1610)
E agora esse cisne pálido em seu ninho de água
Começa o triste canto da sua morte certa;
Poucas palavras, ela diz, serão mais próprias à transgressão,
Já que nenhuma desculpa pode retificar o erro.
De mim mais dores do que palavras dependem;
E meus lamentos se prolongariam por muito tempo,
Para contar todos eles com uma pobre língua cansada.
Então que isso tudo seja a incumbência que tem a dizer
Querido marido, usurpando sua cama
Um estranho veio e deitou no travesseiro (1620)
Onde você não estava para descansar sua cabeça cansada;
E toda a desonra que se pode imaginar
Pela violência torpe foi feita a mim
Por isso, ai de mim, sua Lucrécia não é livre.
Pois na morte temível da meia-noite escura,
Com um alfanje brilhante em meu aposento veio
Uma criatura rastejante com uma luz flamejante
E afavelmente falou: Levante dama romana,
E receba o meu amor; a vergonha duradoura
Em você eu infligirei esta noite, (1630)
Se você contradisser o desejo do meu amor.
Pois um dos seus cavaleiros favorecidos, ele disse,
A menos que você subjugue seu querer à minha vontade,
76
Matarei imediatamente, então matarei você
E jurarei que a encontrei realizando
O ato repugnante e luxúria e matei
Os libertinos em seu ato: Isso será
Minha fama e sua perpétua infâmia.
Com isso comecei a chorar e me sobressaltei;
E então ele pôs a espada sobre meu coração, (1640)
Jurando que se eu não fosse paciente
Eu não viveria para falar outra palavra;
Assim a minha vergonha seria registrada
E nunca se esqueceria na poderosa Roma
A morte adúltera de Lucrécia e seu cavaleiro.
Meu inimigo era forte, eu, pobrezinha, fraca
E, de longe, a mais fraca com um medo tão forte;
Meu juiz sanguinário proibiu minha língua de falar;
Nenhuma objeção legal podia clamar por justiça lá;
Sua luxúria escarlate se tornou evidente ao jurar (1650)
Que minha pobre beleza tinha roubado seus olhos;
E quando o juiz é roubado, o prisioneiro morre.
Oh, me diga como me desculpar!
Ou pelo menos este refúgio me deixe encontrar;
Embora meu sangue lascivo se maculou com esse abuso,
Minha mente está imaculada e sem manchas;
Ela não foi violada; ela nunca se inclinou
Às aquiescências convenientes, mas ainda pura
Ainda resiste em seu aposento envenenado.
Veja, aqui, o mercante desesperado com sua perda, (1660)
Com a cabeça inclinada e a voz obstruída pela dor,
Com olhos tristes e imóveis e os braços desgraçados cruzados,
Dos lábios pálidos como a cera começa a soprar
A aflição que assim o impede de responder.
Mas, desgraçado como está, ele luta em vão;
O que ele aspira sua respiração bebe de novo.
77
Como através de uma onda o violento bramir flui
Excede o olho que contempla sua pressa,
Ainda que a contracorrente cerque seu orgulho
E volta para o estreito que a forçou a ir tão rápido; (1670)
Em fúria é enviada para fora, é chamada de volta em fúria, estando longe;
Mesmo assim seus suspiros, sofrimentos fizeram um serrote
Para puxar a aflição para frente e para trás.
Ela observou a dor muda desse pobre homem,
E, assim, despertou seu furor inoportuno.
Querido senhor, seu sofrimento ao meu concedeu
Outra força; nenhuma inundação causada pela chuva o apaga.
Sua aflição deixou minha dor muito sensível
Mais dolorosa. Então que isso seja suficiente
Para afogar uma dor: um par de olhos chorando. (1680)
E por amor de mim, quando eu puder o atrair assim,
Por aquela que era sua Lucrécia, agora preste atenção em mim:
Vingue-se repentinamente do meu inimigo,
Seu, meu, dele mesmo; você deverá me defender
Do que aconteceu; a ajuda que você me dará
Virá muito tarde, embora o traidor morra;
Pois a justiça mesquinha alimenta a iniquidade.
Mas antes que eu diga o seu nome, justos senhores, ela disse
Falando para aqueles que vieram com Colatino,
Vocês deverão dar sua palavra de honra comigo, (1690)
De que com uma perseguição imediata se vingarão da minha injúria;
Pois é um desígnio justo meritório
Caçar a injustiça com braços vingativos;
Cavaleiros, com seus votos, devem defender as pobres senhoras dos perigos.
Com esse pedido, com uma disposição nobre
Cada lorde presente começou a prometer socorro,
Como se compelidos por sua nobreza a realizar a imposição dela,
Ansiosos para ouvir o odioso inimigo revelado.
Mas ela, que ainda não desvendou sua incumbência triste,
78
Para as afirmações. Oh, digam, ela disse, (1700)
Como essa mácula causada por força será arrancada de mim?
Qual é o caráter da minha ofensa
Pois fui obrigada por uma circunstância terrível?
A minha mente pura pode com o ato impuro melhorar
Minha honra que se definhou?
Alguma cláusula pode me inocentar dessa eventualidade?
A fonte envenenada se purifica novamente;
Por que não posso me purificar dessa mácula feita à força?
Com isso todos eles de uma vez começam dizer
Que a mácula do corpo dela, sua mente imaculada limpa; (1710)
Com isso, com um sorriso sem alegria, ela volta
A face, aquele mapa que possui a profunda impressão
Do terrível infortúnio, estava escavada por lágrimas.
Não, não, ela disse, nenhuma dama que viverá de hoje em diante
Irá pela minha desculpa reivindicar que pode dar desculpa.
Agora, suspirando como se o coração fosse quebrar
Ela expele o nome de Tarquínio; Ele, ele, ela diz,
Mas sua pobre língua não consegue falar mais do que ―Ele‖;
Até que depois de muitas modulações e atrasos,
Respirações inoportunas, ensaios cursos e aflitos (1720)
Ela profere isto: Ele, ele, justos senhores, é ele
Que guia esta mão para me ferir.
Mesmo ali, ela embainha em seu peito inofensivo
Uma faca nociva, que, portanto, sua alma liberta.
Aquele golpe a tirou do profundo desassossego
Daquela prisão poluída onde respirava.
Os suspiros contritos ela deixou para as nuvens
O espírito alado de Lucrécia e através da sua ferida
O período duradouro da vida foge da condenação.
Congelados, pasmos com essa atitude mortal, (1730)
Ficaram Colatino e o grupo de senhores;
79
Até que o pai de Lucrécia, que a viu sangrando,
Se jogou sobre o corpo assassinado dela;
E daquela fonte púrpura, Bruto tirou
A faca assassina e, conforme ela saia do lugar,
O sangue dela, em uma frágil vingança, a perseguiu;
E borbulhando do peito dela, ele se dividia
Em dois rios vagarosos, assim o sangue carmesim
Circundava o corpo dela em todos os lados,
Que, como uma ilha recém-pilhada, ficou em sua vastidão (1740)
Despida e despovoada em sua inundação terrível.
Parte do sangue dela permanecia ainda puro e vermelho,
E outra parte parecia escuro, era a parte que o falso Tarquínio maculou.
Envolta da face congelada e enlutada
Daquele sangue negro um riacho corre,
Que parece derramar lágrimas sobre o local maculado;
E desde então, como as dores da Lucrécia penalizada,
O sangue corrompido mostra-se um pouco aquoso;
E o sangue incólume ainda continua vermelho
Corando aquele que está apodrecido. (1750)
Filha, querida filha, o velho Lucrécio exclama,
A vida que você tirou foi a minha.
Se a imagem do pai está no filho,
Onde viverei agora, que Lucrécia não vive?
Você não nasceu de mim para esse fim.
Se os filhos morrem antes dos progenitores,
Somos a descendência deles e eles não são nada de nós.
Pobre espelho quebrado, eu com frequência vi
Em seu doce semblante a minha velhice renascida;
Mas agora aquele jovem e belo espelho, opaco e velho (1760)
Mostra-me uma morte com ossos expostos gastos pelo tempo;
Oh, das suas bochechas você rasgou minha imagem
E quebrou toda a beleza do meu espelho,
Assim não posso mais ver o que já fui!
80
Oh tempo, interrompa seu curso e não continue mais
Se eles desistirem de ser os que sobrevivem.
A morte terrível derrotará o mais forte
E deixará as almas hesitantes e débeis viverem?
As abelhas velhas morrem e as jovens tomam posse da colmeia;
Então viva, doce Lucrécia, viva novamente e veja (1770)
Seu pobre pai morrer, que não seja o seu pai a ver você!
Com isso, Colatino acorda como de um sonho
E pede que Lucrécio lhe dê seu lugar de sofrimento;
E então no riacho de sangue da Lucrécia gélida
Ele cai e banha o medo pálido de sua face
E tenta, por algum tempo, morrer junto com ela;
Até que a vergonha varonil o inste a dominar sua respiração
E viver para se vingar da morte dela.
A profunda vexação dessa alma inerte
Serviu como uma prisão silenciadora da sua língua; (1780)
Ele, irado que tristeza controlou sua serventia,
Ou afastou-o das palavras acalentadoras do coração por tanto tempo,
Começa a falar, mas através dos lábios atropela
As palavras fracas, tantas palavras vêm juntas para ajudar esse pobre coração,
Que ninguém pôde distinguir o que ele disse.
Embora algumas vezes ―Tarquínio‖ foi pronunciado claramente,
Foi através dos seus dentes como se o nome ele rompesse.
Essa tempestade rugiu, até que estrondeou a chuva,
Segurou a maré do seu sofrimento para deixa-lo maior;
Por fim chove e os ventos que agiam, cessam; (1790)
Então filho e pai pranteiam com uma disputa igualada
De quem pranteava mais pela filha ou pela esposa.
Um afirma que ela é sua, o outro igualmente,
Embora nenhum deles possua o que afirmam ter.
O pai diz: Ela é minha. Oh, minha ela é,
Responde o marido, não leve embora
O motivo do meu sofrimento; não deixe um pranteador dizer:
81
Ele pranteia por ela, pois ela era apenas minha
E apenas Colatino deve lamentar por ela.
Oh, disse Lucrécio, eu dei a vida (1800)
Que ela muito cedo e muito tarde tirou.
Dor, dor, disse Colatino, ela era minha esposa,
Eu a possuía e é a mim que ela matou.
Minha filha! Minha esposa! Esses clamores enchiam
O ar disperso, que, segurando a vida de Lucrécia
Respondia aos seus brados: Minha filha! Minha esposa!
Bruto, que arrancou a espada do peito de Lucrécia,
Vendo essa rivalidade na dor deles,
Começou a vestir sua perspicácia com dignidade e orgulho,
Enterrando na ferida de Lucrécia sua exibição de insensatez. (1810)
Ele era estimado pelos romanos
Pelo mesmo motivo que bobos da corte são pelos reis,
Por palavras de zombaria e por proferir coisas tolas.
Mas agora ele lança aquele hábito baixio
Onde a profunda sagacidade o mascara;
E armado sabiamente com sua perspicácia há muito escondida,
Checa as lágrimas nos olhos de Colatino.
Levante-se senhor de Roma injuriado, ele disse,
Deixe meu eu insano, um pretenso tolo,
Ensinar sua sabedoria que tem muita experiência. (1820)
Por que, Colatino, a dor é a cura para a dor?
As feridas ajudam as feridas, ou a aflição ajuda os atos aflitos?
É com vingança que você atacará
Esse ato impróprio pelo qual sua bela esposa sangra?
Essa atitude infantil procede de mentes débeis.
Sua infeliz esposa interpretou erroneamente a questão
Ao se matar quando deveria ter matado seu inimigo.
Corajoso romano, não submerja seu coração
Nesse orvalho humilhante de lamentações;
82
Mas se ajoelhe comigo e ajude a fazer a sua parte, (1830)
Para despertar nossos deuses romanos com súplicas,
Para que eles sofram essas abominações,
Já que a própria Roma se desgraçou neles,
Com nossos braços vamos caçá-los por essas belas estradas.
Agora, pelo Capitólio que adoramos
E por esse sangue casto que se maculou de forma tão injusta,
Pelo belo sol do céu que nutre abundância terra,
Por todos os nossos direitos provincianos que se mantêm em Roma
E pela alma da casta Lucrécia que muito tarde lamentou-se
Das suas injúrias para nós e por essa faca sangrenta (1840)
Iremos nos vingar da morte essa verdadeira esposa.
Dito isso ele bate a mão sobre o peito,
E beija a faca fatal para encerrar seu voto;
E para sua asseveração insta os outros,
Que surpresos com ele autorizaram suas palavras.
Então, para junto do chão eles dobram os joelhos;
E aquele voto sincero que Bruto fez primeiro,
Ele repete de novo e eles juram.
Quando eles tinham jurado a esse juízo deliberado,
Decidiram carregar o corpo de Lucrécia dali (1850)
Para mostrar seu corpo sangrando para Roma
E para divulgar a torpe ofensa de Tarquínio.
Isso foi feito com uma diligência veloz,
E os romanos plausivelmente deram consentimento
Para o eterno banimento de Tarquínio.
83
3.4 Análise das dificuldades de tradução
Este capítulo pretende analisar a importância de o tradutor ter consciência de
que o texto que está traduzindo é uma obra escrita com a técnica da imitatio, bem
como, de ter consciência das referências feitas pelo autor às outras obras, com base
na tradução do poema The rape of Lucrece, de Shakespeare, realizada neste
trabalho pela pesquisadora. Porém, antes de se fazer uma análise tradutória é
necessário entender até que ponto a obra de Shakespeare imita as obras de Lívio e
Ovídio e até que ponto as vozes desses autores estão inseridas no texto de
Shakespeare.
Ao se ler o argumento do poema, aparentemente a voz de Lívio será mais
presente na história do que a voz de Ovídio. Mas a história contada por
Shakespeare no argumento, não é exatamente a mesma que ele narra em seu
poema. O argumento de The rape of Lucrece aparenta mais ser um resumo da
história narrada por Lívio do que uma introdução, ou um resumo da trama que
Shakespeare está prestes a contar. Pode-se dizer que o argumento é mais um
resumo da história de Lívio e não de Ovídio, pois contém fatos existentes na história
de Lívio que não existem ou são diferentes em Ovídio. Enquanto o texto de
Shakespeare, em si, tem mais marcas e fatos da história de Ovídio.
Um exemplo da diferença entre o argumento e a trama narrada por
Shakespeare pode ser visto logo no início. O argumento, com base em Lívio, narra
como Lúcio Tarquínio subiu ao poder e como, logo depois, sitiou Árdea. Em seguida,
conta do ócio dos soldados, da aposta que fizeram em relação às virtudes das
esposas e da viagem deles para Roma e Colácia para se certificarem de qual das
esposas era a mais virtuosa. O argumento narra também como Sexto Tarquínio
voltou com os soldados para o cerco de Árdea e, depois, retornou à Colácia para
estuprar Lucrécia. O poema de Shakespeare, no entanto, começa com Tarquínio
partindo do acampamento no cerco de Árdea já com o intuito de estuprar Lucrécia.
E, em seguida, mostra que foram os elogios, que Colatino fizera a Lucrécia na noite
anterior que despertaram o desejo de Tarquínio (versos 1-42).
Outra diferença que pode ser vista entre o argumento e o poema de
Shakespeare está no momento em que Lucrécia chama o pai e o marido. No
84
argumento fica claro que Lucrécia enviou duas cartas, uma para Roma, para o pai, e
outra para Árdea, para o marido — à semelhança de Lívio. No poema de
Shakespeare, há apenas uma carta que Lucrécia envia para Árdea, para o marido.
Mesmo quando Colatino chega, há 148 versos antes que o pai de Lucrécia seja
mencionado (versos 1303-1316; 1331-1341; 1583-1736). Nesses versos, por vezes,
há a menção de companheiros que Colatino trouxera com ele, mas somente no
verso 1732 surge a figura do pai de Lucrécia de forma abrupta:
Stone-still, astonish'd with this deadly deed,
Stood Collatine and all his lordly crew;
Till Lucrece' father, that beholds her bleed,
Himself on her self-slaughter'd body threw;
And from the purple fountain Brutus drew
Congelados, pasmos com essa atitude mortal,
Ficaram Colatino e o grupo de senhores;
Até que o pai de Lucrécia, que a viu sangrando,
Se jogou sobre o corpo assassinado dela;
E daquela fonte púrpura, Bruto tirou
Esse aparecimento de forma abrupta do pai fez o tradutor, por um momento,
se questionar de onde ele veio. E, conhecendo a história narrada por Lívio ou
narrada no Argumento, o tradutor volta ao texto para se certificar de que a carta que
Lucrécia supostamente escreveu para o pai não passou despercebida. Por fim, uma
leitura atenta dos versos de Shakespeare e o conhecimento da história narrada por
Ovídio, na qual o pai também estava no cerco de Árdea, fazem o tradutor perceber
que, entre os companheiros que Colatino trouxe, estava o pai de Lucrécia.
O mesmo ocorre com o aparecimento abrupto de Bruto. A semelhança de
Ovídio, Shakespeare o insere na trama de forma abrupta. Quem conhece a história
de Lívio, e a narrada no argumento já está esperando que ele aja e sabe que se
trata de um dos companheiros de Lívio. Mas, para quem não conhece a história,
vem à mente o questionamento de quem é Bruto. É fácil para o leitor que não
conhece a história perceber que Bruto é um dos companheiros de Colatino, mas
ainda assim ficam as indagações: ―Quem é Bruto? Por que ele foi com Colatino à
Colácia?‖ Esse tipo de questionamento não surge com o pai de Lucrécia, pois a
85
resposta para ambas as perguntas é óbvia: ele é o pai de Lucrécia. Mas, com Bruto,
há a espera por uma resposta que vem apenas nos versos 1807-1816:
Brutus, who pluck'd the knife from Lucrece' side,
Seeing such emulation in their woe,
Began to clothe his wit in state and pride,
Burying in Lucrece' wound his folly's show. (1810)
He with the Romans was esteemed so
As silly-jeering idiots are with kings,
For sportive words and uttering foolish things:
But now he throws that shallow habit by,
Wherein deep policy did him disguise;
And arm'd his long-hid wits advisedly,
Bruto, que arrancou a espada do peito de Lucrécia,
Vendo essa rivalidade na dor deles,
Começou a vestir sua perspicácia com dignidade e orgulho,
Enterrando na ferida de Lucrécia sua exibição de insensatez. (1810)
Ele era estimado pelos romanos
Pelo mesmo motivo que bobos da corte são pelos reis,
Por palavras de zombaria e por proferir coisas tolas.
Mas agora ele lança aquele hábito baixio
Onde a profunda sagacidade o mascara;
E armado sabiamente com sua perspicácia há muito escondida,
Também, à semelhança de Ovídio, o nome de Públio Valério não é
mencionado na história de Shakespeare, muito embora, em seu Argumento, ele
afirme que Públio foi junto com o pai de Lucrécia quando ela o chamou.
É possível continuar citando muitas outras diferenças que demonstram que a
história de Shakespeare foi mais baseada na história de Ovídio do que na de Lívio.
Não apenas diferenças que constam no argumento, mas diferenças que são visíveis
ao longo da história. A trama de Shakespeare possui muitas nuanças em que só é
possível ouvir a voz de Ovídio presente. Como exemplos podem-se mencionar o fato
de que Tarquínio orou aos deuses antes de estuprar Lucrécia — em Ovídio,
Tarquínio menciona que os deuses o ajudarão —, o fato de que Colatino e o pai de
86
Lucrécia disputam sobre qual sofre mais pela morte dela — pode-se ver a inspiração
de Shakespeare em Ovídio, quanto este menciona que Colatino e o pai de Lucrécia
se revezam para secar as lágrimas dela — entre tantos outros.
É difícil de estabelecer os motivos que levaram Shakespeare a imitar mais
Ovídio do que Lívio, mas, muito provavelmente, isso se deu porque Shakespeare
escreveu seu poema por razões literárias, como Ovídio, e não por razões históricas,
como Lívio. Embora a voz de Ovídio esteja mais presente no poema de
Shakespeare do que a voz de Lívio, é importante que o tradutor conheça de história
de ambos ao fazer a tradução, pois Shakespeare deixa lacunas, em sua história
como se estivesse certo de que o leitor já conhecesse as versões anteriores,
sabendo, portanto, como entender essas lacunas. Algumas dessas lacunas já foram
mencionadas anteriormente e são preenchidas se o leitor simplesmente fizer uma
leitura do argumento, mas há outras que requerem o conhecimento prévio do leitor.
Um exemplo disso é como Shakespeare deixou vaga, ou bem resumida, a forma
como o estupro de Lucrécia provocou a queda dos Tarquínios.
Contudo, a imitatio de Shakespeare não trouxe dificuldade de tradução
apenas por suas lacunas relativas à história contada por Ovídio e por Lívio. Há
dificuldades de tradução geradas pelo fato de Shakespeare fazer muitas referências
à mitologia greco-romana (que podem também ser consideradas como imitatio, pois
Shakespeare as utilizou como uma inspiração, inserindo-as não como uma mera
referência, mas como parte da sua história, de forma que o leitor possa ver nelas a
imagem da história que Shakespeare está contando), referências essas que se o
tradutor não conhecer ou lhe passarem despercebidas causarão grande perda do
conteúdo e do sentido pretendido por Shakespeare.
Segue-se uma análise de exemplos dessas referências e do conteúdo que o
tradutor poderia perder sem entendê-las:
And moody Pluto winks while Orpheus plays. (verso 553
E o taciturno Plutão pestaneja enquanto Orfeu age. (verso 553)
Toda a estrofe onde o verso se encontra é apenas compreendida pelo
tradutor se ele souber quem é Plutão e quem é Orfeu. Plutão é o deus do
submundo. Sabendo-se que Plutão é o deus do submundo, é compreensível a
imagem da névoa, do ―ventre escuro da terra‖ e ―dos vapores píceos‖, que são todos
87
oriundos do submundo. Orfeu é um personagem que desceu ao submundo em
busca da amada que havia morrido. Ele conseguiu convencer Plutão a deixá-lo levar
a amada embora sob a condição de que ela seguiria atrás dele e que ele não
olhasse para trás. Mas, como Plutão era ardiloso, Orfeu quando estava quase
saindo do submundo, ficou em dúvida sobre se sua amada estava realmente indo
atrás dele e olhou para trás. Com isso, perdeu o direito de levá-la para fora do
submundo.
Shakespeare faz uma comparação de Lucrécia com Orfeu e de Tarquínio com
Plutão. Da mesma forma que Orfeu teve uma oportunidade de salvar a amada do
perigo, o perigo se afastou de Lucrécia por um momento enquanto Plutão —
Tarquínio — pestanejava. Mas da mesma forma que Orfeu, ao final, não conseguiu
salvar a amada, também Lucrécia não conseguiria se livrar das garras de Tarquínio.
But like still-pining Tantalus he sits (verso 858)
Mas como Tântalo em seu suplício ele senta (verso 858)
Tântalo foi um rei muito amado pelos deuses e frequentemente era convidado
para banquetear com eles. Abusando dessa confiança, Tântalo roubou o néctar e a
ambrosia dos deuses e, para testar a imortalidade deles, serviu-lhes como alimento
o próprio filho. Como castigo, Zeus causou a ele um suplício de fome e sede
eternos. Ele permaneceria mergulhado em água até o pescoço, mas toda vez que
tentava bebê-la, a água desaparecia. Acima de sua cabeça estavam ramos de
árvores com frutos saborosos, mas toda vez que ele tentava pegá-los, o vento os
tirava do alcance. Para traduzir esse verso, o fato de o tradutor conhecer a história e
conhecer a expressão ―suplício de Tântalo‖ possibilitou que fizesse uma tradução
mais livre e que transmitisse melhor a ideia por trás da história do que se
simplesmente fizesse uma tradução mais literal.
By this, lamenting Philomel had ended
The well-tuned warble of her nightly sorrow, (verso 1080)
Nesse momento, a Filomela lamuriante terminara
O chilro afinado de seu sofrimento noturno, (verso 1080)
Come, Philomel, that sing'st of ravishment,
Make thy sad grove in my dishevell'd hair:
As the dank earth weeps at thy languishment, (verso 1130)
88
So I at each sad strain will strain a tear,
And with deep groans the diapason bear;
For burden-wise I'll hum on Tarquin still,
While thou on Tereus descant'st better skill.
Venha Filomela que canta do estupro,
Faça seu bosque triste em meu cabelo desgrenhado.
Da mesma forma que a terra úmida pranteia sua tristeza, (verso 1130)
Assim eu, a cada música triste derramarei uma lágrima,
E com suspiros profundos suportarei a melodia;
Pois ainda irei cantarolar sobre Tarquínio como uma música de fundo,
Enquanto você sobre Tereu faz contraponto com mais habilidade.
Sem o conhecimento da história mitológica, o tradutor poderia simplesmente
concluir que o nome Philomel, utilizado aqui, é apenas uma forma poética de
Shakespeare se referir ao rouxinol e traduzir como rouxinol. Contudo, uma pesquisa
ou o conhecimento prévio da mitologia grega já demonstraria que não se trata de um
rouxinol qualquer, mas de Filomela, a personagem da mitologia que foi estuprada
pelo cunhado, Tereu. O cunhado de Filomela, após estuprá-la, cortou-lhe a língua
para que ela nunca pudesse contar o que ele fez. Mas ela teceu um tapete contando
a história e o enviou para a irmã. As duas, como vingança, mataram o filho de Tereu
e o serviram assado para ele. Quando descobriu isso, ele tentou matar as duas, mas
os deuses, para impedi-lo, transformaram Filomela em rouxinol e a irmã em
andorinha. Se o tradutor não tivesse percebido isso, todo o intuito de Shakespeare
de identificar Lucrécia com Filomela se perderia.
At last she calls to mind where hangs a piece
Of skilful painting, made for Priam's Troy:
Before the which is drawn the power of Greece.
For Helen's rape the city to destroy,
Threatening cloud-kissing Ilion with annoy; (verso 1370)
Por fim lhe vem à mente onde está
Uma pintura feita para a Troia de Príamo:
Diante da qual está desenhado o poder da Grécia;
Que pelo rapto de Helena destruiria a cidade,
Ameaçando a Ilion que alcança das nuvens com ofensas; (verso 1370)
89
In Ajax and Ulysses, O, what art (verso 1394)
Em Ajax e Ulisses, oh que arte (verso 1394)
There pleading might you see grave Nestor stand,
As 'twere encouraging the Greeks to fight; (verso 1402)
Lá, pleiteando você poderia ver o sóbrio Nestor,
Como se estivesse encorajando os Gregos a lutar (verso 1402)
Conceit deceitful, so compact, so kind, (verso 1423)
That for Achilles' image stood his spear,
Imaginação enganosa, tão concisa, tão boa (verso 1423)
Que na imagem de Aquiles estava sua lança,
And from the walls of strong-besieged Troy
When their brave hope, bold Hector, march'd to field, (verso 1430)
E dos muros bem sitiados de Troia
Com corajosa esperança, quando o valente Heitor marchava para o campo (verso
1430)
And from the strand of Dardan, where they fought, (verso 1436)
To Simois' reedy banks the red blood ran,
E da costa de Dárdano, onde lutaram, (verso 1436)
Para as margens juncosas do Simois o sangue vermelho escorria,
Till she despairing Hecuba beheld, (verso 1447)
Staring on Priam's wounds with her old eyes,
Which bleeding under Pyrrhus' proud foot lies.
Até que ela vê a Hécuba desesperada, (verso 1447)
Olhando para as feridas de Príamo com seus olhos velhos,
Que está sangrando sob o orgulhoso pé de Pirro.
Thy heat of lust, fond Paris, did incur (verso 1473)
This load of wrath that burning Troy doth bear:
O seu ardor de luxúria, apaixonado Paris, atraiu (verso 1473)
Essa grande vingança que a Troia candente recebeu.
Here manly Hector faints, here Troilus swounds (verso 1486)
90
Aqui, de forma varonil, Heitor desfalece, ali Troilo é assassinado; (verso 1486)
The well-skill'd workman this mild image drew (verso 1520)
For perjured Sinon, whose enchanting story
The credulous old Priam after slew;
O artífice habilidoso que desenhou essa imagem compassiva (verso 1520)
Para o falso Sínon, cuja história encantadora
O crédulo e velho Príamo depois matou;
Essas referências a personagens nomes e locais da guerra e Troia, trazem
dificuldade ao tradutor. O tradutor precisa, primeiramente, conhecer a história de
Troia, o que não traz muita dificuldade, pois a história é famosa. Quanto aos
personagens mencionados, há a necessidade de o tradutor conhecer a cada um
deles. Esse conhecimento não precisa ser profundo, sobre toda a história mitológica
que envolve cada personagem, mas ele precisa saber quem é a personagem e qual
o papel dessa personagem na guerra de Troia. Cabe ao tradutor saber que locais
são mencionados e a relação desses locais com a guerra. Se o tradutor não souber
essas informações, poderá traduzir de forma errada os nomes citados e, certamente,
não entenderá as relações que Shakespeare faz entre o estupro de Lucrécia e a
guerra com os seus personagens.
91
4 CONCLUSÃO
Ao se traduzir um texto escrito com a técnica da imitatio, de fato, há mais
dificuldades do que na tradução de um texto que não foi escrito com essa técnica.
Como sugeriu a hipótese deste trabalho, uma das dificuldades que a imitatio traria
seria identificar no texto as vozes do(s) autor(es) do(s) texto(s) imitado(s), pois se o
tradutor não o fizesse poderia dar mais ênfase a aspectos culturais, sociais e
históricos de um autor do que de outro. A partir das pesquisas feitas e da tradução
da obra The rape of Lucrece de Shakespeare, pôde-se perceber que, realmente, é
necessário que o tradutor identifique as vozes dos outros autores e, além disso,
conheça a história narrada por eles. Essas são dificuldades que um tradutor de um
texto que não foi escrito com a técnica da imitatio não encontraria. Contudo, ao
contrário do que sugeriu a hipótese, isso é necessário não por aspectos culturais,
sociais e históricos, mas porque, se ele não perceber essas vozes, terá dificuldade
de entender muitas partes da história narrada pelo autor/imitador (no caso,
Shakespeare) que requerem o conhecimento prévio da obra. Ao traduzir uma obra
escrita com a técnica da imitatio, o tradutor precisará fazer muito mais leitura e
pesquisa do que faria com uma obra sem essa técnica.
Todavia, ao contrário do que se pensava, a tarefa de perceber as vozes de
Lívio e de Ovídio durante tradução da obra de Shakespeare, não foi a maior
dificuldade que o tradutor encontrou, mas foi a imitação da mitologia greco-romana e
a intertextualidade que Shakespeare fez com ela, pois se não identificasse de forma
apropriada as referências à mitologia, grande parte do conteúdo semântico e das
comparações de Shakespeare se perderiam.
Como todos os objetivos deste trabalho foram alcançados, trouxe-se ao Brasil
uma tradução completa e inédita do livro The rape of Lucrece de Shakespeare e
lançou-se um novo tema para pesquisa na área de tradução já que não há, na
extensão que pesquisamos, nenhum trabalho científico que trate das dificuldades da
tradução de um texto escrito com a técnica da imitatio.
92
5 REFERÊNCIAS
AFONSO, Marisa de Jesus Neiva. A Castro de Antônio Ferreira: tradição e
modernidade. Vila Real: UTAD, 2008. 131 p. Dissertação (Mestrado) – Mestrado em
Ensino da Língua e Literatura Portuguesas na Universidade de Trás-os-Montes e
Alto Douro, Vila Real, 2008.
AZIMOV, Isaac. Azimov’s guide to Shakespeare. New York: Wings Books, 1993. v.
1.
BROWN, Henry. Shakespeare's patrons and other essays. 2010. Disponível em:
<http://www.shakespeare-Online.com/biography/patronsouthampton.html >. Acesso
em: 02 de out. 2012.
CALIXTO,
Oscar.
William
Shakespeare:
vida
e
obra.
2003.
Disponível
em:http://www.oscarcalixto.com.br/pratica_da_literatura_dramatica_2_william_shake
speare.pdf. Acesso em: 02 de out. 2012.
CODOÑER, Carmen. Fray Luis: interpretación, traducción poética e imitatio. Criticón,
Salamanca, v. 2, n. 61 p. 31-46, mai./ago. 1994.
COELHO, Livy Maria Leal. As faces d’A raposa e as uvas. Signo, Santa Cruz do Sul,
v. 32, n. 52, p. 28-39, jul. 2007.
DU QUESNAY, Ian. From Polyphemus to Corydon. In: WEST, David; WOODMAN,
Tony (org). Creative imitation and Latin literature. Cambrige: Cambrige University
Press, 2001. p. 35-70
ERASMO, Desidério. Ciceronianus or a dialogue on the best ttyle of speaking.
Tradução de Izora Scott. 21 ed. New York: Teachers College, Columbia University,
1908.
FAUSTINO, Raquel. Fastos I e as metamorfoses: uma aproximação possível.
Língua, Literatura e Ensino, São Paulo, v. 5, p. 259-268, out. 2010.
FURLAN, Mauri. Brevíssima história da teoria da tradução no Ocidente. Cadernos de
Tradução, Florianópolis, v. 2, n. 8, p. 11-28, jul./dez. 2001.
FURLAN, Mauri. Tradução Romana: Suplantação do Modelo. Nuntius Antiquus, Belo
Horizonte, v. 6, n. 6, p. 79-88, dez. 2010.
93
HOLANDA, Luisa Severo Buarque de. Da mimesis antiga à imitação dos antigos.
Especiaria – Cadernos de Ciências Humanas, Ilhéus, v. 11, n. 19, p. 133-148,
jan./jun. 2008.
HONG, Sara. Moving imitation: performing piety in early modern English literature.
Boston: Universidade de Boston, 2009. 175 f. Tese (PhD), The Graduate School of
Arts and Sciences, Department of English, Boston, 2009.
MORAES, Anita Martins Rodrigues de. A ficção pela nação: investigando formas de
controle do imaginário em Luandino Vieira. Cerrados, Brasília, v. 19, n. 30, p. 107121, jul/dez. 2010.
OLIVEIRA, Solange Ribeiro. Contemporaneidade de Shakespeare: a violência
contra a mulher no poema narrativo o estupro de Lucrécia. In: LEÃO, Liana de
Camargo; SANTOS, Marlene Soares dos. (Org). Shakespeare: sua época e sua
obra. Curitiba: Beatrice: 2008. p. 221-234.
PAINE, Alina A. Architects and academies: architectural theories of imitatio and
literary debates in language and style. In: CLARKE, Georgia; CROSSLEY, Paul
(Eds.). Architecture and language: constructing identity in European architecture.
Cambrige/New York: Cambrige University Press, 2000. p. 118-133.
PASCHOAL, Stéfano. Fidelidade e liberdade em tradução na Alemanha no século
XVII:
visitando
o
texto
de
Georg
Philipp
Harsdörffer.
Brasilianischen
Deutschlehrerkongresses, v. 6., p. 1-5, 2006, São Paulo. Übersetzen und
Dolmetschen. São Paulo: 24-26 jul. 2006
PIRES, Isabel Virgínia de Alencar. O conceito de representação e os limites da
mímesis em Forçando os limites do texto. Semina: Ciências Sociais e Humanas,
Londrina, v. 25, p. 125-128, set. 2004.
POS, Arie. Intertextualidade clássica n’Os lusíadas – traduzir, imitar e superar
Virgílio. Camões e Ciência, Coimbra, v. 1, p. 1-16, jun. 2008.
RUSSEL, D. A. De imitatione. In: WEST, David; WOODMAN, Tony (Orgs). Creative
imitation and Latin literature. Cambrige: Cambrige University Press, 2001. p. 1-16
SÁ, Luiz Fernando Ferreira. Por uma topologia da tradução ou por re-constelações
tipológicas. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 1, n. 4, p. 57-85, jan./dez. 1999.
94
SANTOS, M. S. Hécuba e Helena de Troia: repercussões no discurso
shakespeariano. Revista Letras, Curitiba, n. 77, p. 27-37, 2009.
SCHNEIDER, Michel. Ladrões de palavras: ensaio sobre o plágio, a psicanálise e o
pensamento. Tradução: Luiz Fernando P.N. Franco. Campinas: Editora da
UNICAMP, 1990.
SILVA, Martha Francisca Maldonado Baena da. A comédia clássica de Sá de
Miranda e o diálogo intertextual com seus paradigmas intertextuais. São Paulo:
Universidade de São Paulo, 2006. 173 p. Dissertação (Mestrado) – Programa de
Pós-Graduação em Língua Portuguesa, do Departamento de Letras Clássicas e
Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade
de São Paulo, São Paulo, 2006.
SOARES, Maria Leal. Ovídio e o poema calendário: os fastos livro II, o mês das
expiações. 2007. 87 p. Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas) – Faculdade de
Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo,
2007.
TORRES, Milton Luiz. Lucrécio, Camões e os Deuses. Aletria, Belo Horizonte, v.19,
p. 191-204, jul./dez. 2009.
VALVERDE, Antônio José Romera. O problema da liberdade no primeiro livro
dos discorsi de Maquiavel. 8. ed. São Paulo: Núcleo de Pesquisas e Publicações,
1999.
VASCONCELLOS, Paulo Sérgio de. A intertextualidade nos Estudos Clássicos.
Anpoll, Campinas, v. 1, n. 6, p. 81-87, jan./dez. 1999.
95
Apêndice
The Rape of Lucrece
The Argument
Lucius Tarquinius, for his excessive pride surnamed Superbus, after he had
caused his own father-in-law Servius Tullius to be cruelly murdered, and, contrary to
the Roman laws and customs, not requiring or staying for the people's suffrages, had
possessed himself of the kingdom, went, accompanied with his sons and other
noblemen of Rome, to besiege Ardea. During which siege the principal men of the
army meeting one evening at the tent of Sextus Tarquinius, the king's son, in their
discourses after supper every one commended the virtues of his own wife: among
whom Collatinus extolled the incomparable chastity of his wife Lucretia. In that
pleasant humour they posted to Rome; and intending, by their secret and sudden
arrival, to make trial of that which every one had before avouched, only Collatinus
finds his wife, though it were late in the night, spinning amongst her maids: the other
ladies were all found dancing and revelling, or in several disports. Whereupon the
noblemen yielded Collatinus the victory, and his wife the fame. At that time Sextus
Tarquinius being inflamed with Lucrece' beauty, yet smothering his passions for the
present, departed with the rest back to the camp; from whence he shortly after privily
withdrew himself, and was, according to his estate, royally entertained and lodged by
Lucrece at Collatium. The same night he treacherously stealeth into her chamber,
violently ravished her, and early in the morning speedeth away. Lucrece, in this
lamentable plight, hastily dispatcheth messengers, one to Rome for her father,
another to the camp for Collatine. They came, the one accompanied with Junius
Brutus, the other with Publius Valerius; and finding Lucrece attired in mourning habit,
demanded the cause of her sorrow. She, first taking an oath of them for her revenge,
revealed the actor, and whole manner of his dealing, and withal suddenly stabbed
herself. Which done, with one consent they all vowed to root out the whole hated
family of the Tarquins; and bearing the dead body to Rome, Brutus acquainted the
people with the doer and manner of the vile deed, with a bitter invective against the
tyranny of the king: wherewith the people were so moved, that with one consent and
a general acclamation the Tarquins were all exiled, and the state government
changed from kings to consuls.
96
FROM the besieged Ardea all in post, (0001)
Borne by the trustless wings of false desire,
Lust-breathed Tarquin leaves the Roman host,
And to Collatium bears the lightless fire
Which, in pale embers hid, lurks to aspire
And girdle with embracing flames the waist
Of Collatine's fair love, Lucrece the chaste.
Haply that name of 'chaste' unhappily set
This bateless edge on his keen appetite;
When Collatine unwisely did not let (0010)
To praise the clear unmatched red and white
Which triumph'd in that sky of his delight,
Where mortal stars, as bright as heaven's beauties,
With pure aspects did him peculiar duties.
For he the night before, in Tarquin's tent,
Unlock'd the treasure of his happy state;
What priceless wealth the heavens had him lent
In the possession of his beauteous mate;
Reckoning his fortune at such high-proud rate,
That kings might be espoused to more fame, (0020)
But king nor peer to such a peerless dame.
O happiness enjoy'd but of a few!
And, if possess'd, as soon decay'd and done
As is the morning's silver-melting dew
Against the golden splendor of the sun!
An expired date, cancell'd ere well begun:
Honour and beauty, in the owner's arms,
Are weakly fortress'd from a world of harms.
Beauty itself doth of itself persuade
The eyes of men without an orator; (0030)
What needeth then apologies be made,
To set forth that which is so singular?
Or why is Collatine the publisher
97
Of that rich jewel he should keep unknown
From thievish ears, because it is his own?
Perchance his boast of Lucrece' sovereignty
Suggested this proud issue of a king;
For by our ears our hearts oft tainted be:
Perchance that envy of so rich a thing,
Braving compare, disdainfully did sting (0040)
His high-pitch'd thoughts, that meaner men should vaunt
That golden hap which their superiors want.
But some untimely thought did instigate
His all-too-timeless speed, if none of those:
His honour, his affairs, his friends, his state,
Neglected all, with swift intent he goes
To quench the coal which in his liver glows.
O rash false heat, wrapp'd in repentant cold,
Thy hasty spring still blasts, and ne'er grows old!
When at Collatium this false lord arrived, (0050)
Well was he welcomed by the Roman dame,
Within whose face beauty and virtue strived
Which of them both should underprop her fame:
When virtue bragg'd, beauty would blush for shame;
When beauty boasted blushes, in despite
Virtue would stain that o'er with silver white.
But beauty, in that white intituled,
From Venus' doves doth challenge that fair field:
Then virtue claims from beauty beauty's red,
Which virtue gave the golden age to gild (0060)
Their silver cheeks, and call'd it then their shield;
Teaching them thus to use it in the fight,
When shame assail'd, the red should fence the white.
This heraldry in Lucrece' face was seen,
Argued by beauty's red and virtue's white
98
Of either's colour was the other queen,
Proving from world's minority their right:
Yet their ambition makes them still to fight;
The sovereignty of either being so great,
That oft they interchange each other's seat. (0070)
Their silent war of lilies and of roses,
Which Tarquin view'd in her fair face's field,
In their pure ranks his traitor eye encloses;
Where, lest between them both it should be kill'd,
The coward captive vanquished doth yield
To those two armies that would let him go,
Rather than triumph in so false a foe.
Now thinks he that her husband's shallow tongue,
The niggard prodigal that praised her so,
In that high task hath done her beauty wrong, (0080)
Which far exceeds his barren skill to show:
Therefore that praise which Collatine doth owe
Enchanted Tarquin answers with surmise,
In silent wonder of still-gazing eyes.
This earthly saint, adored by this devil,
Little suspecteth the false worshipper;
For unstain'd thoughts do seldom dream on evil;
Birds never limed no secret bushes fear:
So guiltless she securely gives good cheer
And reverend welcome to her princely guest, (0090)
Whose inward ill no outward harm express'd:
For that he colour'd with his high estate,
Hiding base sin in plaits of majesty;
That nothing in him seem'd inordinate,
Save something too much wonder of his eye,
Which, having all, all could not satisfy;
But, poorly rich, so wanteth in his store,
That, cloy'd with much, he pineth still for more.
99
But she, that never coped with stranger eyes,
Could pick no meaning from their parling looks, (0100)
Nor read the subtle-shining secrecies
Writ in the glassy margents of such books:
She touch'd no unknown baits, nor fear'd no hooks;
Nor could she moralize his wanton sight,
More than his eyes were open'd to the light.
He stories to her ears her husband's fame,
Won in the fields of fruitful Italy;
And decks with praises Collatine's high name,
Made glorious by his manly chivalry
With bruised arms and wreaths of victory: (0110)
Her joy with heaved-up hand she doth express,
And, wordless, so greets heaven for his success.
Far from the purpose of his coming hither,
He makes excuses for his being there:
No cloudy show of stormy blustering weather
Doth yet in his fair welkin once appear;
Till sable Night, mother of Dread and Fear,
Upon the world dim darkness doth display,
And in her vaulty prison stows the Day.
For then is Tarquin brought unto his bed, (0120)
Intending weariness with heavy spright;
For, after supper, long he questioned
With modest Lucrece, and wore out the night:
Now leaden slumber with life's strength doth fight;
And every one to rest themselves betake,
Save thieves, and cares, and troubled minds, that wake.
As one of which doth Tarquin lie revolving
The sundry dangers of his will's obtaining;
Yet ever to obtain his will resolving,
Though weak-built hopes persuade him to abstaining: (0130)
Despair to gain doth traffic oft for gaining;
100
And when great treasure is the meed proposed,
Though death be adjunct, there's no death supposed.
Those that much covet are with gain so fond,
For what they have not, that which they possess
They scatter and unloose it from their bond,
And so, by hoping more, they have but less;
Or, gaining more, the profit of excess
Is but to surfeit, and such griefs sustain,
That they prove bankrupt in this poor-rich gain. (0140)
The aim of all is but to nurse the life
With honour, wealth, and ease, in waning age;
And in this aim there is such thwarting strife,
That one for all, or all for one we gage;
As life for honour in fell battle's rage;
Honour for wealth; and oft that wealth doth cost
The death of all, and all together lost.
So that in venturing ill we leave to be
The things we are for that which we expect;
And this ambitious foul infirmity, (0150)
In having much, torments us with defect
Of that we have: so then we do neglect
The thing we have; and, all for want of wit,
Make something nothing by augmenting it.
Such hazard now must doting Tarquin make,
Pawning his honour to obtain his lust;
And for himself himself be must forsake:
Then where is truth, if there be no self-trust?
When shall he think to find a stranger just,
When he himself himself confounds, betrays (0160)
To slanderous tongues and wretched hateful days?
Now stole upon the time the dead of night,
When heavy sleep had closed up mortal eyes:
101
No comfortable star did lend his light,
No noise but owls' and wolves' death-boding cries;
Now serves the season that they may surprise
The silly lambs: pure thoughts are dead and still,
While lust and murder wake to stain and kill.
And now this lustful lord leap'd from his bed,
Throwing his mantle rudely o'er his arm; (0170)
Is madly toss'd between desire and dread;
Th' one sweetly flatters, th' other feareth harm;
But honest fear, bewitch'd with lust's foul charm,
Doth too too oft betake him to retire,
Beaten away by brain-sick rude desire.
His falchion on a flint he softly smiteth,
That from the cold stone sparks of fire do fly;
Whereat a waxen torch forthwith he lighteth,
Which must be lode-star to his lustful eye;
And to the flame thus speaks advisedly, (0180)
'As from this cold flint I enforced this fire,
So Lucrece must I force to my desire.'
Here pale with fear he doth premeditate
The dangers of his loathsome enterprise,
And in his inward mind he doth debate
What following sorrow may on this arise:
Then looking scornfully, he doth despise
His naked armour of still-slaughter'd lust,
And justly thus controls his thoughts unjust:
'Fair torch, burn out thy light, and lend it not (0190)
To darken her whose light excelleth thine:
And die, unhallow'd thoughts, before you blot
With your uncleanness that which is divine;
Offer pure incense to so pure a shrine:
Let fair humanity abhor the deed
That spots and stains love's modest snow-white weed.
102
'O shame to knighthood and to shining arms!
O foul dishonour to my household's grave!
O impious act, including all foul harms!
A martial man to be soft fancy's slave! (0200)
True valour still a true respect should have;
Then my digression is so vile, so base,
That it will live engraven in my face.
'Yea, though I die, the scandal will survive,
And be an eye-sore in my golden coat;
Some loathsome dash the herald will contrive,
To cipher me how fondly I did dote;
That my posterity, shamed with the note
Shall curse my bones, and hold it for no sin
To wish that I their father had not bin. (0210)
'What win I, if I gain the thing I seek?
A dream, a breath, a froth of fleeting joy.
Who buys a minute's mirth to wail a week?
Or sells eternity to get a toy?
For one sweet grape who will the vine destroy?
Or what fond beggar, but to touch the crown,
Would with the sceptre straight be strucken down?
'If Collatinus dream of my intent,
Will he not wake, and in a desperate rage
Post hither, this vile purpose to prevent? (0220)
This siege that hath engirt his marriage,
This blur to youth, this sorrow to the sage,
This dying virtue, this surviving shame,
Whose crime will bear an ever-during blame?
'O, what excuse can my invention make,
When thou shalt charge me with so black a deed?
Will not my tongue be mute, my frail joints shake,
Mine eyes forego their light, my false heart bleed?
The guilt being great, the fear doth still exceed;
103
And extreme fear can neither fight nor fly, (0230)
But coward-like with trembling terror die.
'Had Collatinus kill'd my son or sire,
Or lain in ambush to betray my life,
Or were he not my dear friend, this desire
Might have excuse to work upon his wife,
As in revenge or quittal of such strife:
But as he is my kinsman, my dear friend,
The shame and fault finds no excuse nor end.
'Shameful it is; ay, if the fact be known:
Hateful it is; there is no hate in loving: (0240)
I'll beg her love; but she is own:
The worst is but denial and reproving:
My will is strong, past reason's weak removing.
Who fears a sentence or an old man's saw
Shall by a painted cloth be kept in awe.'
Thus, graceless, holds he disputation
'Tween frozen conscience and hot-burning will,
And with good thoughts make dispensation,
Urging the worser sense for vantage still;
Which in a moment doth confound and kill (0250)
All pure effects, and doth so far proceed,
That what is vile shows like a virtuous deed.
Quoth he, 'She took me kindly by the hand,
And gazed for tidings in my eager eyes,
Fearing some hard news from the warlike band,
Where her beloved Collatinus lies.
O, how her fear did make her colour rise!
First red as roses that on lawn we lay,
Then white as lawn, the roses took away.
'And how her hand, in my hand being lock'd (0260)
Forced it to tremble with her loyal fear!
104
Which struck her sad, and then it faster rock'd,
Until her husband's welfare she did hear;
Whereat she smiled with so sweet a cheer,
That had Narcissus seen her as she stood,
Self-love had never drown'd him in the flood.
'Why hunt I then for colour or excuses?
All orators are dumb when beauty pleadeth;
Poor wretches have remorse in poor abuses;
Love thrives not in the heart that shadows dreadeth: (0270)
Affection is my captain, and he leadeth;
And when his gaudy banner is display'd,
The coward fights and will not be dismay'd.
'Then, childish fear, avaunt! debating, die!
Respect and reason, wait on wrinkled age!
My heart shall never countermand mine eye:
Sad pause and deep regard beseem the sage;
My part is youth, and beats these from the stage:
Desire my pilot is, beauty my prize;
Then who fears sinking where such treasure lies?' (0280)
As corn o'ergrown by weeds, so heedful fear
Is almost choked by unresisted lust.
Away he steals with open listening ear,
Full of foul hope and full of fond mistrust;
Both which, as servitors to the unjust,
So cross him with their opposite persuasion,
That now he vows a league, and now invasion.
Within his thought her heavenly image sits,
And in the self-same seat sits Collatine:
That eye which looks on her confounds his wits; (0290)
That eye which him beholds, as more divine,
Unto a view so false will not incline;
But with a pure appeal seeks to the heart,
Which once corrupted takes the worser part;
105
And therein heartens up his servile powers,
Who, flatter'd by their leader's jocund show,
Stuff up his lust, as minutes fill up hours;
And as their captain, so their pride doth grow,
Paying more slavish tribute than they owe.
By reprobate desire thus madly led, (0300)
The Roman lord marcheth to Lucrece' bed.
The locks between her chamber and his will,
Each one by him enforced, retires his ward;
But, as they open, they all rate his ill,
Which drives the creeping thief to some regard:
The threshold grates the door to have him heard;
Night-wandering weasels shriek to see him there;
They fright him, yet he still pursues his fear.
As each unwilling portal yields him way,
Through little vents and crannies of the place (0310)
The wind wars with his torch to make him stay,
And blows the smoke of it into his face,
Extinguishing his conduct in this case;
But his hot heart, which fond desire doth scorch,
Puffs forth another wind that fires the torch:
And being lighted, by the light he spies
Lucretia's glove, wherein her needle sticks:
He takes it from the rushes where it lies,
And griping it, the needle his finger pricks;
As who should say 'This glove to wanton tricks (0320)
Is not inured; return again in haste;
Thou see'st our mistress' ornaments are chaste.'
But all these poor forbiddings could not stay him;
He in the worst sense construes their denial:
The doors, the wind, the glove, that did delay him,
He takes for accidental things of trial;
Or as those bars which stop the hourly dial,
106
Who with a lingering slay his course doth let,
Till every minute pays the hour his debt.
'So, so,' quoth he, 'these lets attend the time, (0330)
Like little frosts that sometime threat the spring,
To add a more rejoicing to the prime,
And give the sneaped birds more cause to sing.
Pain pays the income of each precious thing;
Huge rocks, high winds, strong pirates, shelves and sands,
The merchant fears, ere rich at home he lands.'
Now is he come unto the chamber-door,
That shuts him from the heaven of his thought,
Which with a yielding latch, and with no more,
Hath barr'd him from the blessed thing be sought. (0340)
So from himself impiety hath wrought,
That for his prey to pray he doth begin,
As if the heavens should countenance his sin.
But in the midst of his unfruitful prayer,
Having solicited th' eternal power
That his foul thoughts might compass his fair fair,
And they would stand auspicious to the hour,
Even there he starts: quoth he, 'I must deflower:
The powers to whom I pray abhor this fact,
How can they then assist me in the act? (0350)
'Then Love and Fortune be my gods, my guide!
My will is back'd with resolution:
Thoughts are but dreams till their effects be tried;
The blackest sin is clear'd with absolution;
Against love's fire fear's frost hath dissolution.
The eye of heaven is out, and misty night
Covers the shame that follows sweet delight.'
This said, his guilty hand pluck'd up the latch,
And with his knee the door he opens wide.
107
The dove sleeps fast that this night-owl will catch: (0360)
Thus treason works ere traitors be espied.
Who sees the lurking serpent steps aside;
But she, sound sleeping, fearing no such thing,
Lies at the mercy of his mortal sting.
Into the chamber wickedly he stalks,
And gazeth on her yet unstained bed.
The curtains being close, about he walks,
Rolling his greedy eyeballs in his head:
By their high treason is his heart misled;
Which gives the watch-word to his hand full soon (0370)
To draw the cloud that hides the silver moon.
Look, as the fair and fiery-pointed sun,
Rushing from forth a cloud, bereaves our sight;
Even so, the curtain drawn, his eyes begun
To wink, being blinded with a greater light:
Whether it is that she reflects so bright,
That dazzleth them, or else some shame supposed;
But blind they are, and keep themselves enclosed.
O, had they in that darksome prison died!
Then had they seen the period of their ill; (0380)
Then Collatine again, by Lucrece' side,
In his clear bed might have reposed still:
But they must ope, this blessed league to kill;
And holy-thoughted Lucrece to their sight
Must sell her joy, her life, her world's delight.
Her lily hand her rosy cheek lies under,
Cozening the pillow of a lawful kiss;
Who, therefore angry, seems to part in sunder,
Swelling on either side to want his bliss;
Between whose hills her head entombed is: (0390)
Where, like a virtuous monument, she lies,
To be admired of lewd unhallow'd eyes.
108
Without the bed her other fair hand was,
On the green coverlet; whose perfect white
Show'd like an April daisy on the grass,
With pearly sweat, resembling dew of night.
Her eyes, like marigolds, had sheathed their light,
And canopied in darkness sweetly lay,
Till they might open to adorn the day.
Her hair, like golden threads, play'd with her breath; (0400)
O modest wantons! wanton modesty!
Showing life's triumph in the map of death,
And death's dim look in life's mortality:
Each in her sleep themselves so beautify,
As if between them twain there were no strife,
But that life lived in death, and death in life.
Her breasts, like ivory globes circled with blue,
A pair of maiden worlds unconquered,
Save of their lord no bearing yoke they knew,
And him by oath they truly honoured. (0410)
These worlds in Tarquin new ambition bred;
Who, like a foul ursurper, went about
From this fair throne to heave the owner out.
What could he see but mightily he noted?
What did he note but strongly he desired?
What he beheld, on that he firmly doted,
And in his will his wilful eye he tired.
With more than admiration he admired
Her azure veins, her alabaster skin,
Her coral lips, her snow-white dimpled chin. (0420)
As the grim lion fawneth o'er his prey,
Sharp hunger by the conquest satisfied,
So o'er this sleeping soul doth Tarquin stay,
His rage of lust by gazing qualified;
Slack'd, not suppress'd; for standing by her side,
109
His eye, which late this mutiny restrains,
Unto a greater uproar tempts his veins:
And they, like straggling slaves for pillage fighting,
Obdurate vassals fell exploits effecting,
In bloody death and ravishment delighting, (0430)
Nor children's tears nor mothers' groans respecting,
Swell in their pride, the onset still expecting:
Anon his beating heart, alarum striking,
Gives the hot charge and bids them do their liking.
His drumming heart cheers up his burning eye,
His eye commends the leading to his hand;
His hand, as proud of such a dignity,
Smoking with pride, march'd on to make his stand
On her bare breast, the heart of all her land;
Whose ranks of blue veins, as his hand did scale, (0440)
Left there round turrets destitute and pale.
They, mustering to the quiet cabinet
Where their dear governess and lady lies,
Do tell her she is dreadfully beset,
And fright her with confusion of their cries:
She, much amazed, breaks ope her lock'd-up eyes,
Who, peeping forth this tumult to behold,
Are by his flaming torch dimm'd and controll'd.
Imagine her as one in dead of night
From forth dull sleep by dreadful fancy waking,(0450)
That thinks she hath beheld some ghastly sprite,
Whose grim aspect sets every joint a-shaking;
What terror or 'tis! but she, in worser taking,
From sleep disturbed, heedfully doth view
The sight which makes supposed terror true.
Wrapp'd and confounded in a thousand fears,
Like to a new-kill'd bird she trembling lies;
110
She dares not look; yet, winking, there appears
Quick-shifting antics, ugly in her eyes:
Such shadows are the weak brain's forgeries; (0460)
Who, angry that the eyes fly from their lights,
In darkness daunts them with more dreadful sights.
His hand, that yet remains upon her breast,-Rude ram, to batter such an ivory wall!-May feel her heart-poor citizen!--distress'd,
Wounding itself to death, rise up and fall,
Beating her bulk, that his handshakes withal.
This moves in him more rage and lesser pity,
To make the breach and enter this sweet city.
First, like a trumpet, doth his tongue begin (0470)
To sound a parley to his heartless foe;
Who o'er the white sheet peers her whiter chin,
The reason of this rash alarm to know,
Which he by dumb demeanor seeks to show;
But she with vehement prayers urgeth still
Under what colour he commits this ill.
Thus he replies: 'The colour in thy face,
That even for anger makes the lily pale,
And the red rose blush at her own disgrace,
Shall plead for me and tell my loving tale: (0480)
Under that colour am I come to scale
Thy never-conquer'd fort: the fault is thine,
For those thine eyes betray thee unto mine.
'Thus I forestall thee, if thou mean to chide:
Thy beauty hath ensnared thee to this night,
Where thou with patience must my will abide;
My will that marks thee for my earth's delight,
Which I to conquer sought with all my might;
But as reproof and reason beat it dead,
By thy bright beauty was it newly bred. (0490)
111
'I see what crosses my attempt will bring;
I know what thorns the growing rose defends;
I think the honey guarded with a sting;
All this beforehand counsel comprehends:
But will is deaf and hears no heedful friends;
Only he hath an eye to gaze on beauty,
And dotes on what he looks, 'gainst law or duty.
'I have debated, even in my soul,
What wrong, what shame, what sorrow I shall breed;
But nothing can affection's course control, (0500)
Or stop the headlong fury of his speed.
I know repentant tears ensue the deed,
Reproach, disdain, and deadly enmity;
Yet strive I to embrace mine infamy.'
This said, he shakes aloft his Roman blade,
Which, like a falcon towering in the skies,
Coucheth the fowl below with his wings' shade,
Whose crooked beak threats if he mount he dies:
So under his insulting falchion lies
Harmless Lucretia, marking what he tells (0510)
With trembling fear, as fowl hear falcon's bells.
'Lucrece,' quoth he,'this night I must enjoy thee:
If thou deny, then force must work my way,
For in thy bed I purpose to destroy thee:
That done, some worthless slave of thine I'll slay,
To kill thine honour with thy life's decay;
And in thy dead arms do I mean to place him,
Swearing I slew him, seeing thee embrace him.
'So thy surviving husband shall remain
The scornful mark of every open eye; (0520)
Thy kinsmen hang their heads at this disdain,
Thy issue blurr'd with nameless bastardy:
And thou, the author of their obloquy,
112
Shalt have thy trespass cited up in rhymes,
And sung by children in succeeding times.
'But if thou yield, I rest thy secret friend:
The fault unknown is as a thought unacted;
A little harm done to a great good end
For lawful policy remains enacted.
The poisonous simple sometimes is compacted (0530)
In a pure compound; being so applied,
His venom in effect is purified.
'Then, for thy husband and thy children's sake,
Tender my suit: bequeath not to their lot
The shame that from them no device can take,
The blemish that will never be forgot;
Worse than a slavish wipe or e:
For marks descried in men's nativity
Are nature's faults, not their own infamy.'
Here with a cockatrice' dead-killing eye (0540)
He rouseth up himself and makes a pause;
While she, the picture of pure piety,
Like a white hind under the gripe's sharp claws,
Pleads, in a wilderness where are no laws,
To the rough beast that knows no gentle right,
Nor aught obeys but his foul appetite.
But when a black-faced cloud the world doth threat,
In his dim mist the aspiring mountains hiding,
From earth's dark womb some gentle gust doth get,
Which blows these pitchy vapours from their bidding, (0550)
Hindering their present fall by this dividing;
So his unhallow'd haste her words delays,
And moody Pluto winks while Orpheus plays.
Yet, foul night-waking cat, he doth but dally,
While in his hold-fast foot the weak mouse panteth:
113
Her sad behavior feeds his vulture folly,
A swallowing gulf that even in plenty wanteth:
His ear her prayers admits, but his heart granteth
No penetrable entrance to her plaining:
Tears harden lust, though marble wear with raining. (0560)
Her pity-pleading eyes are sadly fix'd
In the remorseless wrinkles of his face;
Her modest eloquence with sighs is mix'd,
Which to her oratory adds more grace.
She puts the period often from his place;
And midst the sentence so her accent breaks,
That twice she doth begin ere once she speaks.
She conjures him by high almighty Jove,
By knighthood, gentry, and sweet friendship's oath,
By her untimely tears, her husband's love, (0570)
By holy human law, and common troth,
By heaven and earth, and all the power of both,
That to his borrow'd bed he make retire,
And stoop to honour, not to foul desire.
Quoth she, 'Reward not hospitality
With such black payment as thou hast pretended;
Mud not the fountain that gave drink to thee;
Mar not the thing that cannot be amended;
End thy ill aim before thy shoot be ended;
He is no woodman that doth bend his bow (0580)
To strike a poor unseasonable doe.
'My husband is thy friend; for his sake spare me:
Thyself art mighty; for thine own sake leave me:
Myself a weakling; do not then ensnare me:
Thou look'st not like deceit; do not deceive me.
My sighs, like whirlwinds, labour hence to heave thee:
If ever man were moved with woman moans,
Be moved with my tears, my sighs, my groans:
114
'All which together, like a troubled ocean,
Beat at thy rocky and wreck-threatening heart, (0590)
To soften it with their continual motion;
For stones dissolved to water do convert.
O, if no harder than a stone thou art,
Melt at my tears, and be compassionate!
Soft pity enters at an iron gate.
'In Tarquin's likeness I did entertain thee:
Hast thou put on his shape to do him shame?
To all the host of heaven I complain me,
Thou wrong'st his honour, wound'st his princely name.
Thou art not what thou seem'st; and if the same, (0600)
Thou seem'st not what thou art, a god, a king;
For kings like gods should govern everything.
'How will thy shame be seeded in thine age,
When thus thy vices bud before thy spring!
If in thy hope thou darest do such outrage,
What darest thou not when once thou art a king?
O, be remember'd, no outrageous thing
From vassal actors can be wiped away;
Then kings' misdeeds cannot be hid in clay.
'This deed will make thee only loved for fear; (0610)
But happy monarchs still are fear'd for love:
With foul offenders thou perforce must bear,
When they in thee the like offences prove:
If but for fear of this, thy will remove;
For princes are the glass, the school, the book,
Where subjects' eyes do learn, do read, do look.
'And wilt thou be the school where Lust shall learn?
Must he in thee read lectures of such shame?
Wilt thou be glass wherein it shall discern
Authority for sin, warrant for blame, (0620)
To privilege dishonour in thy name?
115
Thou black'st reproach against long-living laud,
And makest fair reputation but a bawd.
'Hast thou command? by him that gave it thee,
From a pure heart command thy rebel will:
Draw not thy sword to guard iniquity,
For it was lent thee all that brood to kill.
Thy princely office how canst thou fulfil,
When, pattern'd by thy fault, foul sin may say,
He learn'd to sin, and thou didst teach the way? (0630)
'Think but how vile a spectacle it were,
To view thy present trespass in another.
Men's faults do seldom to themselves appear;
Their own transgressions partially they smother:
This guilt would seem death-worthy in thy brother.
O, how are they wrapp'd in with infamies
That from their own misdeeds askance their eyes!
'To thee, to thee, my heaved-up hands appeal,
Not to seducing lust, thy rash relier:
I sue for exiled majesty's repeal; (0640)
Let him return, and flattering thoughts retire:
His true respect will prison false desire,
And wipe the dim mist from thy doting eyne,
That thou shalt see thy state and pity mine.'
'Have done,' quoth he: 'my uncontrolled tide
Turns not, but swells the higher by this let.
Small lights are soon blown out, huge fires abide,
And with the wind in greater fury fret:
The petty streams that pay a daily debt
To their salt sovereign, with their fresh falls' haste (0650)
Add to his flow, but alter not his taste.'
'Thou art,' quoth she, 'a sea, a sovereign king;
And, lo, there falls into thy boundless flood
116
Black lust, dishonour, shame, misgoverning,
Who seek to stain the ocean of thy blood.
If all these pretty ills shall change thy good,
Thy sea within a puddle's womb is hearsed,
And not the puddle in thy sea dispersed.
'So shall these slaves be king, and thou their slave;
Thou nobly base, they basely dignified; (0660)
Thou their fair life, and they thy fouler grave:
Thou loathed in their shame, they in thy pride:
The lesser thing should not the greater hide;
The cedar stoops not to the base shrub's foot,
But low shrubs wither at the cedar's root.
'So let thy thoughts, low vassals to thy state'-No more,' quoth he; 'by heaven, I will not hear thee:
Yield to my love; if not, enforced hate,
Instead of love's coy touch, shall rudely tear thee;
That done, despitefully I mean to bear thee (0670)
Unto the base bed of some rascal groom,
To be thy partner in this shameful doom.'
This said, he sets his foot upon the light,
For light and lust are deadly enemies:
Shame folded up in blind concealing night,
When most unseen, then most doth tyrannize.
The wolf hath seized his prey, the poor lamb cries;
Till with her own white fleece her voice controll'd
Entombs her outcry in her lips' sweet fold:
For with the nightly linen that she wears (0680)
He pens her piteous clamours in her head;
Cooling his hot face in the chastest tears
That ever modest eyes with sorrow shed.
O, that prone lust should stain so pure a bed!
The spots whereof could weeping purify,
Her tears should drop on them perpetually.
117
But she hath lost a dearer thing than life,
And he hath won what he would lose again:
This forced league doth force a further strife;
This momentary joy breeds months of pain; (0690)
This hot desire converts to cold disdain:
Pure Chastity is rifled of her store,
And Lust, the thief, far poorer than before.
Look, as the full-fed hound or gorged hawk,
Unapt for tender smell or speedy flight,
Make slow pursuit, or altogether balk
The prey wherein by nature they delight;
So surfeit-taking Tarquin fares this night:
His taste delicious, in digestion souring,
Devours his will, that lived by foul devouring. (0700)
O, deeper sin than bottomless conceit
Can’t comprehend in still imagination!
Drunken Desire must vomit his receipt,
Ere he can see his own abomination.
While Lust is in his pride, no exclamation
Can curb his heat or rein his rash desire,
Till like a jade Self-will himself doth tire.
And then with lank and lean discolour'd cheek,
With heavy eye, knit brow, and strengthless pace,
Feeble Desire, all recreant, poor, and meek, (0710)
Like to a bankrupt beggar wails his case:
The flesh being proud, Desire doth fight with Grace,
For there it revels; and when that decays,
The guilty rebel for remission prays.
So fares it with this faultful lord of Rome,
Who this accomplishment so hotly chased;
For now against himself he sounds this doom,
That through the length of times he stands disgraced:
Besides, his soul's fair temple is defaced;
118
To whose weak ruins muster troops of cares, (0720)
To ask the spotted princess how she fares.
She says, her subjects with foul insurrection
Have batter'd down her consecrated wall,
And by their mortal fault brought in subjection
Her immortality, and made her thrall
To living death and pain perpetual:
Which in her prescience she controlled still,
But her foresight could not forestall their will.
Even in this thought through the dark night he stealeth,
A captive victor that hath lost in gain; (0730)
Bearing away the wound that nothing healeth,
The scar that will, despite of cure, remain;
Leaving his spoil perplex'd in greater pain.
She bears the load of lust he left behind,
And he the burden of a guilty mind.
He like a thievish dog creeps sadly thence;
She like a wearied lamb lies panting there;
He scowls and hates himself for his offence;
She, desperate, with her nails her flesh doth tear;
He faintly flies, sneaking with guilty fear; (0740)
She stays, exclaiming on the direful night;
He runs, and chides his vanish'd, loathed delight.
He thence departs a heavy convertite;
She there remains a hopeless castaway;
He in his speed looks for the morning light;
She prays she never may behold the day,
'For day,' quoth she, 'nights scapes doth open lay,
And my true eyes have never practised how
To cloak offences with a cunning brow.
'They think not but that every eye can see (0750)
The same disgrace which they themselves behold;
119
And therefore would they still in darkness be,
To have their unseen sin remain untold;
For they their guilt with weeping will unfold,
And grave, like water that doth eat in steel,
Upon my cheeks what helpless shame I feel.'
Here she exclaims against repose and rest,
And bids her eyes hereafter still be blind.
She wakes her heart by beating on her breast,
And bids it leap from thence, where it may find (0760)
Some purer chest to close so pure a mind.
Frantic with grief thus breathes she forth her spite
Against the unseen secrecy of night:
'O comfort-killing Night, image of hell!
Dim register and notary of shame!
Black stage for tragedies and murders fell!
Vast sin-concealing chaos! nurse of blame!
Blind muffled bawd! dark harbour for defame!
Grim cave of death! whispering conspirator
With close-tongued treason and the ravisher! (0770)
'O hateful, vaporous, and foggy Night!
Since thou art guilty of my cureless crime,
Muster thy mists to meet the eastern light,
Make war against proportion'd course of time;
Or if thou wilt permit the sun to climb
His wonted height, yet ere he go to bed,
Knit poisonous clouds about his golden head.
'With rotten damps ravish the morning air;
Let their exhaled unwholesome breaths make sick
The life of purity, the supreme fair, (0780)
Ere he arrive his weary noon-tide prick;
And let thy misty vapours march so thick,
That in their smoky ranks his smother'd light
May set at noon and make perpetual night.
120
'Were Tarquin Night, as he is but Night's child,
The silver-shining queen he would distain;
Her twinkling handmaids too, by him defiled,
Through Night's black bosom should not peep again:
So should I have co-partners in my pain;
And fellowship in woe doth woe assuage, (0790)
As palmers' chat makes short their pilgrimage.
'Where now I have no one to blush with me,
To cross their arms and hang their heads with mine,
To mask their brows and hide their infamy;
But I alone alone must sit and pine,
Seasoning the earth with showers of silver brine,
Mingling my talk with tears, my grief with groans,
Poor wasting monuments of lasting moans.
'O Night, thou furnace of foul-reeking smoke,
Let not the jealous Day behold that face (0800)
Which underneath thy black all-hiding cloak
Immodestly lies martyr'd with disgrace!
Keep still possession of thy gloomy place,
That all the faults which in thy reign are made
May likewise be sepulchred in thy shade!
'Make me not object to the tell-tale Day!
The light will show, character'd in my brow,
The story of sweet chastity's decay,
The impious breach of holy wedlock vow:
Yea the illiterate, that know not how (0810)
To cipher what is writ in learned books,
Will quote my loathsome trespass in my looks.
'The nurse, to still her child, will tell my story,
And fright her crying babe with Tarquin's name;
The orator, to deck his oratory,
Will couple my reproach to Tarquin's shame;
Feast-finding minstrels, tuning my defame,
121
Will tie the hearers to attend each line,
How Tarquin wronged me, I Collatine.
'Let my good name, that senseless reputation,(0820)
For Collatine's dear love be kept unspotted:
If that be made a theme for disputation,
The branches of another root are rotted,
And undeserved reproach to him allotted
That is as clear from this attaint of mine
As I, ere this, was pure to Collatine.
'O unseen shame! invisible disgrace!
O unfelt sore! crest-wounding, private scar!
Reproach is stamp'd in Collatinus' face,
And Tarquin's eye may read the mot afar, (0830)
How he in peace is wounded, not in war.
Alas, how many bear such shameful blows,
Which not themselves, but he that gives them knows!
'If, Collatine, thine honour lay in me,
From me by strong assault it is bereft.
My honour lost, and I, a drone-like bee,
Have no perfection of my summer left,
But robb'd and ransack'd by injurious theft:
In thy weak hive a wandering wasp hath crept,
And suck'd the honey which thy chaste bee kept. (0840)
'Yet am I guilty of thy honour's wrack;
Yet for thy honour did I entertain him;
Coming from thee, I could not put him back,
For it had been dishonour to disdain him:
Besides, of weariness he did complain him,
And talk'd of virtue: O unlook'd-for evil,
When virtue is profaned in such a devil!
'Why should the worm intrude the maiden bud?
Or hateful cuckoos hatch in sparrows' nests?
122
Or toads infect fair founts with venom mud? (0850)
Or tyrant folly lurk in gentle breasts?
Or kings be breakers of their own behests?
But no perfection is so absolute,
That some impurity doth not pollute.
'The aged man that coffers-up his gold
Is plagued with cramps and gouts and painful fits;
And scarce hath eyes his treasure to behold,
But like still-pining Tantalus he sits,
And useless barns the harvest of his wits;
Having no other pleasure of his gain (0860)
But torment that it cannot cure his pain.
'So then he hath it when he cannot use it,
And leaves it to be master'd by his young;
Who in their pride do presently abuse it:
Their father was too weak, and they too strong,
To hold their cursed-blessed fortune long.
The sweets we wish for turn to loathed sours
Even in the moment that we call them ours.
'Unruly blasts wait on the tender spring;
Unwholesome weeds take root with precious flowers; (0870)
The adder hisses where the sweet birds sing;
What virtue breeds iniquity devours:
We have no good that we can say is ours,
But ill-annexed Opportunity
Or kills his life or else his quality.
'O Opportunity, thy guilt is great!
'Tis thou that executest the traitor's treason:
Thou set'st the wolf where he the lamb may get;
Whoever plots the sin, thou 'point'st the season;
'Tis thou that spurn'st at right, at law, at reason; (0880)
And in thy shady cell, where none may spy him,
Sits Sin, to seize the souls that wander by him.
123
'Thou makest the vestal violate her oath;
Thou blow'st the fire when temperance is thaw'd;
Thou smother'st honesty, thou murder'st troth;
Thou foul abettor! thou notorious bawd!
Thou plantest scandal and displacest laud:
Thou ravisher, thou traitor, thou false thief,
Thy honey turns to gall, thy joy to grief!
'Thy secret pleasure turns to open shame, (0890)
Thy private feasting to a public fast,
Thy smoothing titles to a ragged name,
Thy sugar'd tongue to bitter wormwood taste:
Thy violent vanities can never last.
How comes it then, vile Opportunity,
Being so bad, such numbers seek for thee?
'When wilt thou be the humble suppliant's friend,
And bring him where his suit may be obtain'd?
When wilt thou sort an hour great strifes to end?
Or free that soul which wretchedness hath chain'd? (0900)
Give physic to the sick, ease to the pain'd?
The poor, lame, blind, halt, creep, cry out for thee;
But they ne'er meet with Opportunity.
'The patient dies while the physician sleeps;
The orphan pines while the oppressor feeds;
Justice is feasting while the widow weeps;
Advice is sporting while infection breeds:
Thou grant'st no time for charitable deeds:
Wrath, envy, treason, rape, and murder's rages,
Thy heinous hours wait on them as their pages. (0910)
'When Truth and Virtue have to do with thee,
A thousand crosses keep them from thy aid:
They buy thy help; but Sin ne'er gives a fee,
He gratis comes; and thou art well appaid
As well to hear as grant what he hath said.
124
My Collatine would else have come to me
When Tarquin did, but he was stay'd by thee.
Guilty thou art of murder and of theft,
Guilty of perjury and subornation,
Guilty of treason, forgery, and shift, (0920)
Guilty of incest, that abomination;
An accessary by thine inclination
To all sins past, and all that are to come,
From the creation to the general doom.
'Mis-shapen Time, copesmate of ugly Night,
Swift subtle post, carrier of grisly care,
Eater of youth, false slave to false delight,
Base watch of woes, sin's pack-horse, virtue's snare;
Thou nursest all and murder'st all that are:
O, hear me then, injurious, shifting Time! (0930)
Be guilty of my death, since of my crime.
'Why hath thy servant, Opportunity,
Betray'd the hours thou gavest me to repose,
Cancell'd my fortunes, and enchained me
To endless date of never-ending woes?
Time's office is to fine the hate of foes;
To eat up errors by opinion bred,
Not spend the dowry of a lawful bed.
'Time's glory is to calm contending kings,
To unmask falsehood and bring truth to light, (0940)
To stamp the seal of time in aged things,
To wake the morn and sentinel the night,
To wrong the wronger till he render right,
To ruinate proud buildings with thy hours,
And smear with dust their glittering golden towers;
'To fill with worm-holes stately monuments,
To feed oblivion with decay of things,
125
To blot old books and alter their contents,
To pluck the quills from ancient ravens' wings,
To dry the old oak's sap and cherish springs, (0950)
To spoil antiquities of hammer'd steel,
And turn the giddy round of Fortune's wheel;
'To show the beldam daughters of her daughter,
To make the child a man, the man a child,
To slay the tiger that doth live by slaughter,
To tame the unicorn and lion wild,
To mock the subtle in themselves beguiled,
To cheer the ploughman with increaseful crops,
And waste huge stones with little water drops.
'Why work'st thou mischief in thy pilgrimage, (0960)
Unless thou couldst return to make amends?
One poor retiring minute in an age
Would purchase thee a thousand thousand friends,
Lending him wit that to bad debtors lends:
O, this dread night, wouldst thou one hour come back,
I could prevent this storm and shun thy wrack!
'Thou ceaseless lackey to eternity,
With some mischance cross Tarquin in his flight:
Devise extremes beyond extremity,
To make him curse this cursed crimeful night: (0970)
Let ghastly shadows his lewd eyes affright;
And the dire thought of his committed evil
Shape every bush a hideous shapeless devil.
'Disturb his hours of rest with restless trances,
Afflict him in his bed with bedrid groans;
Let there bechance him pitiful mischances,
To make him moan; but pity not his moans:
Stone him with harden'd hearts harder than stones;
And let mild women to him lose their mildness,
Wilder to him than tigers in their wildness. (0980)
126
'Let him have time to tear his curled hair,
Let him have time against himself to rave,
Let him have time of Time's help to despair,
Let him have time to live a loathed slave,
Let him have time a beggar's orts to crave,
And time to see one that by alms doth live
Disdain to him disdained scraps to give.
'Let him have time to see his friends his foes,
And merry fools to mock at him resort;
Let him have time to mark how slow time goes (0990)
In time of sorrow, and how swift and short
His time of folly and his time of sport;
And ever let his unrecalling crime
Have time to wail th' abusing of his time.
'O Time, thou tutor both to good and bad,
Teach me to curse him that thou taught'st this ill!
At his own shadow let the thief run mad,
Himself himself seek every hour to kill!
Such wretched hands such wretched blood should spill;
For who so base would such an office have (1000)
As slanderous death's-man to so base a slave?
'The baser is he, coming from a king,
To shame his hope with deeds degenerate:
The mightier man, the mightier is the thing
That makes him honour'd, or begets him hate;
For greatest scandal waits on greatest state.
The moon being clouded presently is miss'd,
But little stars may hide them when they list.
'The crow may bathe his coal-black wings in mire,
And unperceived fly with the filth away; (1010)
But if the like the snow-white swan desire,
The stain upon his silver down will stay.
Poor grooms are sightless night, kings glorious day:
127
Gnats are unnoted wheresoe'er they fly,
But eagles gazed upon with every eye.
'Out, idle words, servants to shallow fools!
Unprofitable sounds, weak arbitrators!
Busy yourselves in skill-contending schools;
Debate where leisure serves with dull debaters;
To trembling clients be you mediators: (1020)
For me, I force not argument a straw,
Since that my case is past the help of law.
'In vain I rail at Opportunity,
At Time, at Tarquin, and uncheerful Night;
In vain I cavil with mine infamy,
In vain I spurn at my confirm'd despite:
This helpless smoke of words doth me no right.
The remedy indeed to do me good
Is to let forth my foul-defiled blood.
'Poor hand, why quiver'st thou at this decree? (1030)
Honour thyself to rid me of this shame:
For if I die, my honour lives in thee;
But if I live, thou livest in my defame:
Since thou couldst not defend thy loyal dame,
And wast afeard to scratch her wicked foe,
Kill both thyself and her for yielding so.'
This said, from her be-tumbled couch she starteth,
To find some desperate instrument of death:
But this no slaughterhouse no tool imparteth
To make more vent for passage of her breath; (1040)
Which, thronging through her lips, so vanisheth
As smoke from AEtna, that in air consumes,
Or that which from discharged cannon fumes.
'In vain,' quoth she, 'I live, and seek in vain
Some happy mean to end a hapless life.
128
I fear'd by Tarquin's falchion to be slain,
Yet for the self-same purpose seek a knife:
But when I fear'd I was a loyal wife:
So am I now: O no, that cannot be;
Of that true type hath Tarquin rifled me. (1050)
'O, that is gone for which I sought to live,
And therefore now I need not fear to die.
To clear this spot by death, at least I give
A badge of fame to slander's livery;
A dying life to living infamy:
Poor helpless help, the treasure stol'n away,
To burn the guiltless casket where it lay!
'Well, well, dear Collatine, thou shalt not know
The stained taste of violated troth;
I will not wrong thy true affection so, (1060)
To flatter thee with an infringed oath;
This bastard graff shall never come to growth:
He shall not boast who did thy stock pollute
That thou art doting father of his fruit.
'Nor shall he smile at thee in secret thought,
Nor laugh with his companions at thy state:
But thou shalt know thy interest was not bought
Basely with gold, but stol'n from forth thy gate.
For me, I am the mistress of my fate,
And with my trespass never will dispense, (1070)
Till life to death acquit my forced offence.
'I will not poison thee with my attaint,
Nor fold my fault in cleanly-coin'd excuses;
My sable ground of sin I will not paint,
To hide the truth of this false night's abuses:
My tongue shall utter all; mine eyes, like sluices,
As from a mountain-spring that feeds a dale,
Shall gush pure streams to purge my impure tale.'
129
By this, lamenting Philomel had ended
The well-tuned warble of her nightly sorrow, (1080)
And solemn night with slow sad gait descended
To ugly hell; when, lo, the blushing morrow
Lends light to all fair eyes that light will borrow:
But cloudy Lucrece shames herself to see,
And therefore still in night would cloister'd be.
Revealing day through every cranny spies,
And seems to point her out where she sits weeping;
To whom she sobbing speaks: 'O eye of eyes,
Why pry'st thou through my window? leave thy peeping:
Mock with thy tickling beams eyes that are sleeping: (1090)
Brand not my forehead with thy piercing light,
For day hath nought to do what's done by night.'
Thus cavils she with every thing she sees:
True grief is fond and testy as a child,
Who wayward once, his mood with nought agrees:
Old woes, not infant sorrows, bear them mild;
Continuance tames the one; the other wild,
Like an unpractised swimmer plunging still,
With too much labour drowns for want of skill.
So she, deep-drenched in a sea of care, (1100)
Holds disputation with each thing she views,
And to herself all sorrow doth compare;
No object but her passion's strength renews;
And as one shifts, another straight ensues:
Sometime her grief is dumb and hath no words;
Sometime 'tis mad and too much talk affords.
The little birds that tune their morning's joy
Make her moans mad with their sweet melody:
For mirth doth search the bottom of annoy;
Sad souls are slain in merry company; (1110)
Grief best is pleased with grief's society:
130
True sorrow then is feelingly sufficed
When with like semblance it is sympathized.
'Tis double death to drown in ken of shore;
He ten times pines that pines beholding food;
To see the salve doth make the wound ache more;
Great grief grieves most at that would do it good;
Deep woes roll forward like a gentle flood,
Who being stopp'd, the bounding banks o'erflows;
Grief dallied with nor law nor limit knows. (1120)
'You mocking-birds,' quoth she, 'your tunes entomb
Within your hollow-swelling feather'd breasts,
And in my hearing be you mute and dumb:
My restless discord loves no stops nor rests;
A woeful hostess brooks not merry guests:
Relish your nimble notes to pleasing ears;
Distress likes dumps when time is kept with tears.
'Come, Philomel, that sing'st of ravishment,
Make thy sad grove in my dishevell'd hair:
As the dank earth weeps at thy languishment, (1130)
So I at each sad strain will strain a tear,
And with deep groans the diapason bear;
For burden-wise I'll hum on Tarquin still,
While thou on Tereus descant'st better skill.
'And whiles against a thorn thou bear'st thy part,
To keep thy sharp woes waking, wretched I,
To imitate thee well, against my heart
Will fix a sharp knife to affright mine eye;
Who, if it wink, shall thereon fall and die.
These means, as frets upon an instrument, (1140)
Shall tune our heart-strings to true languishment.
'And for, poor bird, thou sing'st not in the day,
As shaming any eye should thee behold,
131
Some dark deep desert, seated from the way,
That knows not parching heat nor freezing cold,
Will we find out; and there we will unfold
To creatures stern sad tunes, to change their kinds:
Since men prove beasts, let beasts bear gentle minds.'
As the poor frighted deer, that stands at gaze,
Wildly determining which way to fly, (1150)
Or one encompass'd with a winding maze,
That cannot tread the way out readily;
So with herself is she in mutiny,
To live or die which of the twain were better,
When life is shamed, and death reproach's debtor.
'To kill myself,' quoth she, 'alack, what were it,
But with my body my poor soul's pollution?
They that lose half with greater patience bear it
Than they whose whole is swallow'd in confusion.
That mother tries a merciless conclusion (1160)
Who, having two sweet babes, when death takes one,
Will slay the other and be nurse to none.
'My body or my soul, which was the dearer,
When the one pure, the other made divine?
Whose love of either to myself was nearer,
When both were kept for heaven and Collatine?
Ay me! the bark peel'd from the lofty pine,
His leaves will wither and his sap decay;
So must my soul, her bark being peel'd away.
'Her house is sack'd, her quiet interrupted, (1170)
Her mansion batter'd by the enemy;
Her sacred temple spotted, spoil'd, corrupted,
Grossly engirt with daring infamy:
Then let it not be call'd impiety,
If in this blemish'd fort I make some hole
Through which I may convey this troubled soul.
132
'Yet die I will not till my Collatine
Have heard the cause of my untimely death;
That he may vow, in that sad hour of mine,
Revenge on him that made me stop my breath. (1180)
My stained blood to Tarquin I'll bequeath,
Which by him tainted shall for him be spent,
And as his due writ in my testament.
'My honour I'll bequeath unto the knife
That wounds my body so dishonoured.
'Tis honour to deprive dishonour'd life;
The one will live, the other being dead:
So of shame's ashes shall my fame be bred;
For in my death I murder shameful scorn:
My shame so dead, mine honour is new-born. (1190)
'Dear lord of that dear jewel I have lost,
What legacy shall I bequeath to thee?
My resolution, love, shall be thy boast,
By whose example thou revenged mayest be.
How Tarquin must be used, read it in me:
Myself, thy friend, will kill myself, thy foe,
And for my sake serve thou false Tarquin so.
'This brief abridgement of my will I make:
My soul and body to the skies and ground;
My resolution, husband, do thou take; (1200)
Mine honour be the knife's that makes my wound;
My shame be his that did my fame confound;
And all my fame that lives disbursed be
To those that live, and think no shame of me.
'Thou, Collatine, shalt oversee this will;
How was I overseen that thou shalt see it!
My blood shall wash the slander of mine ill;
My life's foul deed, my life's fair end shall free it.
Faint not, faint heart, but stoutly say 'So be it:'
133
Yield to my hand; my hand shall conquer thee: (1210)
Thou dead, both die, and both shall victors be.'
This Plot of death when sadly she had laid,
And wiped the brinish pearl from her bright eyes,
With untuned tongue she hoarsely calls her maid,
Whose swift obedience to her mistress hies;
For fleet-wing'd duty with thought's feathers flies.
Poor Lucrece' cheeks unto her maid seem so
As winter meads when sun doth melt their snow.
Her mistress she doth give demure good-morrow,
With soft-slow tongue, true mark of modesty,(1220)
And sorts a sad look to her lady's sorrow,
For why her face wore sorrow's livery;
But durst not ask of her audaciously
Why her two suns were cloud-eclipsed so,
Nor why her fair cheeks over-wash'd with woe.
But as the earth doth weep, the sun being set,
Each flower moisten'd like a melting eye;
Even so the maid with swelling drops gan wet
Her circled eyne, enforced by sympathy
Of those fair suns set in her mistress' sky, (1230)
Who in a salt-waved ocean quench their light,
Which makes the maid weep like the dewy night.
A pretty while these pretty creatures stand,
Like ivory conduits coral cisterns filling:
One justly weeps; the other takes in hand
No cause, but company, of her drops spilling:
Their gentle sex to weep are often willing;
Grieving themselves to guess at others' smarts,
And then they drown their eyes or break their hearts.
For men have marble, women waxen, minds, (1240)
And therefore are they form'd as marble will;
134
The weak oppress'd, the impression of strange kinds
Is form'd in them by force, by fraud, or skill:
Then call them not the authors of their ill,
No more than wax shall be accounted evil
Wherein is stamp'd the semblance of a devil.
Their smoothness, like a goodly champaign plain,
Lays open all the little worms that creep;
In men, as in a rough-grown grove, remain
Cave-keeping evils that obscurely sleep: (1250)
Through crystal walls each little mote will peep:
Though men can cover crimes with bold stern looks,
Poor women's faces are their own fault's books.
No man inveigh against the wither'd flower,
But chide rough winter that the flower hath kill'd:
Not that devour'd, but that which doth devour,
Is worthy blame. O, let it not be hild
Poor women's faults, that they are so fulfill'd
With men's abuses: those proud lords, to blame,
Make weak-made women tenants to their shame. (1260)
The precedent whereof in Lucrece view,
Assail'd by night with circumstances strong
Of present death, and shame that might ensue
By that her death, to do her husband wrong:
Such danger to resistance did belong,
That dying fear through all her body spread;
And who cannot abuse a body dead?
By this, mild patience bid fair Lucrece speak
To the poor counterfeit of her complaining:
'My girl,' quoth she, 'on what occasion break (1270)
Those tears from thee, that down thy cheeks are raining?
If thou dost weep for grief of my sustaining,
Know, gentle wench, it small avails my mood:
If tears could help, mine own would do me good.
135
'But tell me, girl, when went'--and there she stay'd
Till after a deep groan--'Tarquin from hence?'
'Madam, ere I was up,' replied the maid,
'The more to blame my sluggard negligence:
Yet with the fault I thus far can dispense;
Myself was stirring ere the break of day, (1280)
And, ere I rose, was Tarquin gone away.
'But, lady, if your maid may be so bold,
She would request to know your heaviness.'
'O, peace!' quoth Lucrece: 'if it should be told,
The repetition cannot make it less;
For more it is than I can well express:
And that deep torture may be call'd a hell
When more is felt than one hath power to tell.
'Go, get me hither paper, ink, and pen:
Yet save that labour, for I have them here. (1290)
What should I say? One of my husband's men
Bid thou be ready, by and by, to bear
A letter to my lord, my love, my dear;
Bid him with speed prepare to carry it;
The cause craves haste, and it will soon be writ.'
Her maid is gone, and she prepares to write,
First hovering o'er the paper with her quill:
Conceit and grief an eager combat fight;
What wit sets down is blotted straight with will;
This is too curious-good, this blunt and ill: (1300)
Much like a press of people at a door,
Throng her inventions, which shall go before.
At last she thus begins: 'Thou worthy lord
Of that unworthy wife that greeteth thee,
Health to thy person! next vouchsafe t' afford-If ever, love, thy Lucrece thou wilt see-Some present speed to come and visit me.
136
So, I commend me from our house in grief:
My woes are tedious, though my words are brief.'
Here folds she up the tenor of her woe,(1310)
Her certain sorrow writ uncertainly.
By this short schedule Collatine may know
Her grief, but not her grief's true quality:
She dares not thereof make discovery,
Lest he should hold it her own gross abuse,
Ere she with blood had stain'd her stain'd excuse.
Besides, the life and feeling of her passion
She hoards, to spend when he is by to hear her:
When sighs and groans and tears may grace the fashion
Of her disgrace, the better so to clear her (1320)
From that suspicion which the world might bear her.
To shun this blot, she would not blot the letter
With words, till action might become them better.
To see sad sights moves more than hear them told;
For then eye interprets to the ear
The heavy motion that it doth behold,
When every part a part of woe doth bear.
'Tis but a part of sorrow that we hear:
Deep sounds make lesser noise than shallow fords,
And sorrow ebbs, being blown with wind of words.(1330)
Her letter now is seal'd, and on it writ
'At Ardea to my lord with more than haste.'
The post attends, and she delivers it,
Charging the sour-faced groom to hie as fast
As lagging fowls before the northern blast:
Speed more than speed but dull and slow she deems:
Extremity still urgeth such extremes.
The homely villain court'sies to her low;
And, blushing on her, with a steadfast eye
137
Receives the scroll without or yea or no, (1340)
And forth with bashful innocence doth hie.
But they whose guilt within their bosoms lie
Imagine every eye beholds their blame;
For Lucrece thought he blush'd to her see shame:
When, silly groom, God wot, it was defect
Of spirit, Life, and bold audacity.
Such harmless creatures have a true respect
To talk in deeds, while others saucily
Promise more speed, but do it leisurely:
Even so this pattern of the worn-out age (1350)
Pawn'd honest looks, but laid no words to gage.
His kindled duty kindled her mistrust,
That two red fires in both their faces blazed;
She thought he blush'd, as knowing Tarquin's lust,
And, blushing with him, wistly on him gazed;
Her earnest eye did make him more amazed:
The more she saw the blood his cheeks replenish,
The more she thought he spied in her some blemish.
But long she thinks till he return again,
And yet the duteous vassal scarce is gone. (1360)
The weary time she cannot entertain,
For now 'tis stale to sigh, to weep, and groan:
So woe hath wearied woe, moan tired moan,
That she her plaints a little while doth stay,
Pausing for means to mourn some newer way.
At last she calls to mind where hangs a piece
Of skilful painting, made for Priam's Troy:
Before the which is drawn the power of Greece.
For Helen's rape the city to destroy,
Threatening cloud-kissing Ilion with annoy; (1370)
Which the conceited painter drew so proud,
As heaven, it seem'd, to kiss the turrets bow'd.
138
A thousand lamentable objects there,
In scorn of nature, art gave lifeless life:
Many a dry drop seem'd a weeping tear,
Shed for the slaughter'd husband by the wife:
The red blood reek'd, to show the painter's strife;
And dying eyes gleam'd forth their ashy lights,
Like dying coals burnt out in tedious nights.
There might you see the labouring pioneer (1380)
Begrimed with sweat, and smeared all with dust;
And from the towers of Troy there would appear
The very eyes of men through loop-holes thrust,
Gazing upon the Greeks with little lust:
Such sweet observance in this work was had,
That one might see those far-off eyes look sad.
In great commanders grace and majesty
You might behold, triumphing in their faces;
In youth, quick bearing and dexterity;
And here and there the painter interlaces (1390)
Pale cowards, marching on with trembling paces;
Which heartless peasants did so well resemble,
That one would swear he saw them quake and tremble.
In Ajax and Ulysses, O, what art
Of physiognomy might one behold!
The face of either cipher'd either's heart;
Their face their manners most expressly told:
In Ajax' eyes blunt rage and rigor roll'd;
But the mild glance that sly Ulysses lent
Show'd deep regard and smiling government. (1400)
There pleading might you see grave Nestor stand,
As 'twere encouraging the Greeks to fight;
Making such sober action with his hand,
That it beguiled attention, charm'd the sight:
In speech, it seem'd, his beard, all silver white,
139
Wagg'd up and down, and from his lips did fly
Thin winding breath, which purl'd up to the sky.
About him were a press of gaping faces,
Which seem'd to swallow up his sound advice;
All jointly listening, but with several graces,
As if some mermaid did their ears entice, (1410)
Some high, some low, the painter was so nice;
The scalps of many, almost hid behind,
To jump up higher seem'd, to mock the mind.
Here one man's hand lean'd on another's head,
His nose being shadow'd by his neighbour's ear;
Here one being throng'd bears back, all boll'n and red;
Another smother'd seems to pelt and swear;
And in their rage such signs of rage they bear,
As, but for loss of Nestor's golden words, (1420)
It seem'd they would debate with angry swords.
For much imaginary work was there;
Conceit deceitful, so compact, so kind,
That for Achilles' image stood his spear,
Griped in an armed hand; himself, behind,
Was left unseen, save to the eye of mind:
A hand, a foot, a face, a leg, a head,
Stood for the whole to be imagined.
And from the walls of strong-besieged Troy
When their brave hope, bold Hector, march'd to field,(1430)
Stood many Trojan mothers, sharing joy
To see their youthful sons bright weapons wield;
And to their hope they such odd action yield,
That through their light joy seemed to appear,
Like bright things stain'd, a kind of heavy fear.
And from the strand of Dardan, where they fought,
To Simois' reedy banks the red blood ran,
140
Whose waves to imitate the battle sought
With swelling ridges; and their ranks began
To break upon the galled shore, and than (1440)
Retire again, till, meeting greater ranks,
They join and shoot their foam at Simois' banks.
To this well-painted piece is Lucrece come,
To find a face where all distress is stell'd.
Many she sees where cares have carved some,
But none where all distress and dolour dwell'd,
Till she despairing Hecuba beheld,
Staring on Priam's wounds with her old eyes,
Which bleeding under Pyrrhus' proud foot lies.
In her the painter had anatomized (1450)
Time's ruin, beauty's wreck, and grim care's reign:
Her cheeks with chaps and wrinkles were disguised;
Of what she was no semblance did remain:
Her blue blood changed to black in every vein,
Wanting the spring that those shrunk pipes had fed,
Show'd life imprison'd in a body dead.
On this sad shadow Lucrece spends her eyes,
And shapes her sorrow to the beldam's woes,
Who nothing wants to answer her but cries,
And bitter words to ban her cruel foes: (1460)
The painter was no god to lend her those;
And therefore Lucrece swears he did her wrong,
To give her so much grief and not a tongue.
'Poor instrument,' quoth she,'without a sound,
I'll tune thy woes with my lamenting tongue;
And drop sweet balm in Priam's painted wound,
And rail on Pyrrhus that hath done him wrong;
And with my tears quench Troy that burns so long;
And with my knife scratch out the angry eyes
Of all the Greeks that are thine enemies.(1470)
141
'Show me the strumpet that began this stir,
That with my nails her beauty I may tear.
Thy heat of lust, fond Paris, did incur
This load of wrath that burning Troy doth bear:
Thy eye kindled the fire that burneth here;
And here in Troy, for trespass of thine eye,
The sire, the son, the dame, and daughter die.
Why should the private pleasure of some one
Become the public plague of many moe?
Let sin, alone committed, light alone (1480)
Upon his head that hath transgressed so;
Let guiltless souls be freed from guilty woe:
For one's offence why should so many fall,
To plague a private sin in general?
'Lo, here weeps Hecuba, here Priam dies,
Here manly Hector faints, here Troilus swounds,
Here friend by friend in bloody channel lies,
And friend to friend gives unadvised wounds,
And one man's lust these many lives confounds:
Had doting Priam cheque'd his son's desire, (1490)
Troy had been bright with fame and not with fire.'
Here feelingly she weeps Troy's painted woes:
For sorrow, like a heavy-hanging bell,
Once set on ringing, with his own weight goes;
Then little strength rings out the doleful knell:
So Lucrece, set a-work, sad tales doth tell
To pencill'd pensiveness and colour'd sorrow;
She lends them words, and she their looks doth borrow.
She throws her eyes about the painting round,
And whom she finds forlorn she doth lament. (1500)
At last she sees a wretched image bound,
That piteous looks to Phrygian shepherds lent:
His face, though full of cares, yet show'd content;
142
Onward to Troy with the blunt swains he goes,
So mild, that Patience seem'd to scorn his woes.
In him the painter labour'd with his skill
To hide deceit, and give the harmless show
An humble gait, calm looks, eyes wailing still,
A brow unbent, that seem'd to welcome woe;
Cheeks neither red nor pale, but mingled so (1510)
That blushing red no guilty instance gave,
Nor ashy pale the fear that false hearts have.
But, like a constant and confirmed devil,
He entertain'd a show so seeming just,
And therein so ensconced his secret evil,
That jealousy itself could not mistrust
False-creeping craft and perjury should thrust
Into so bright a day such black-faced storms,
Or blot with hell-born sin such saint-like forms.
The well-skill'd workman this mild image drew (1520)
For perjured Sinon, whose enchanting story
The credulous old Priam after slew;
Whose words like wildfire burnt the shining glory
Of rich-built Ilion, that the skies were sorry,
And little stars shot from their fixed places,
When their glass fell wherein they view'd their faces.
This picture she advisedly perused,
And chid the painter for his wondrous skill,
Saying, some shape in Sinon's was abused;
So fair a form lodged not a mind so ill (1530)
And still on him she gazed; and gazing still,
Such signs of truth in his plain face she spied,
That she concludes the picture was belied.
'It cannot be,' quoth she,'that so much guile'-She would have said 'can lurk in such a look;'
143
But Tarquin's shape came in her mind the while,
And from her tongue 'can lurk' from 'cannot' took:
'It cannot be' she in that sense forsook,
And turn'd it thus,' It cannot be, I find,
But such a face should bear a wicked mind. (1540)
'For even as subtle Sinon here is painted,
So sober-sad, so weary, and so mild,
As if with grief or travail he had fainted,
To me came Tarquin armed; so beguiled
With outward honesty, but yet defiled
With inward vice: as Priam him did cherish,
So did I Tarquin; so my Troy did perish.
'Look, look, how listening Priam wets his eyes,
To see those borrow'd tears that Sinon sheds!
Priam, why art thou old and yet not wise? (1550)
For every tear he falls a Trojan bleeds:
His eye drops fire, no water thence proceeds;
Those round clear pearls of his, that move thy pity,
Are balls of quenchless fire to burn thy city.
'Such devils steal effects from lightless hell;
For Sinon in his fire doth quake with cold,
And in that cold hot-burning fire doth dwell;
These contraries such unity do hold,
Only to flatter fools and make them bold:
So Priam's trust false Sinon's tears doth flatter, (1560)
That he finds means to burn his Troy with water.'
Here, all enraged, such passion her assails,
That patience is quite beaten from her breast.
She tears the senseless Sinon with her nails,
Comparing him to that unhappy guest
Whose deed hath made herself herself detest:
At last she smilingly with this gives o'er;
'Fool, fool!' quoth she, 'his wounds will not be sore.'
144
Thus ebbs and flows the current of her sorrow,
And time doth weary time with her complaining.(1570)
She looks for night, and then she longs for morrow,
And both she thinks too long with her remaining:
Short time seems long in sorrow's sharp sustaining:
Though woe be heavy, yet it seldom sleeps,
And they that watch see time how slow it creeps.
Which all this time hath overslipp'd her thought,
That she with painted images hath spent;
Being from the feeling of her own grief brought
By deep surmise of others' detriment,
Losing her woes in shows of discontent. (1580)
It easeth some, though none it ever cured,
To think their dolour others have endured.
But now the mindful messenger, come back,
Brings home his lord and other company;
Who finds his Lucrece clad in mourning black:
And round about her tear-stained eye
Blue circles stream'd; like rainbows in the sky:
These water-galls in her dim element
Foretell new storms to those already spent.
Which when her sad-beholding husband saw, (1590)
Amazedly in her sad face he stares:
Her eyes, though sod in tears, look'd red and raw,
Her lively colour kill'd with deadly cares.
He hath no power to ask her how she fares:
Both stood, like old acquaintance in a trance,
Met far from home, wondering each other's chance.
At last he takes her by the bloodless hand,
And thus begins: 'What uncouth ill event
Hath thee befall'n, that thou dost trembling stand?
Sweet love, what spite hath thy fair colour spent? (1600)
Why art thou thus attired in discontent?
145
Unmask, dear dear, this moody heaviness,
And tell thy grief, that we may give redress.'
Three times with sighs she gives her sorrow fire,
Ere once she can discharge one word of woe:
At length address'd to answer his desire,
She modestly prepares to let them know
Her honour is ta'en prisoner by the foe;
While Collatine and his consorted lords
With sad attention long to hear her words. (1610)
And now this pale swan in her watery nest
Begins the sad dirge of her certain ending;
'Few words,' quoth she, 'Shall fit the trespass best,
Where no excuse can give the fault amending:
In me moe woes than words are now depending;
And my laments would be drawn out too long,
To tell them all with one poor tired tongue.
'Then be this all the task it hath to say
Dear husband, in the interest of thy bed
A stranger came, and on that pillow lay (1620)
Where thou was wont to rest thy weary head;
And what wrong else may be imagined
By foul enforcement might be done to me,
From that, alas, thy Lucrece is not free.
'For in the dreadful dead of dark midnight,
With shining falchion in my chamber came
A creeping creature, with a flaming light,
And softly cried 'Awake, thou Roman dame,
And entertain my love; else lasting shame
On thee and thine this night I will inflict, (1630)
If thou my love's desire do contradict.
' 'For some hard-favour'd groom of thine,' quoth he,
'Unless thou yoke thy liking to my will,
146
I'll murder straight, and then I'll slaughter thee
And swear I found you where you did fulfil
The loathsome act of lust, and so did kill
The lechers in their deed: this act will be
My fame and thy perpetual infamy.'
'With this, I did begin to start and cry;
And then against my heart he sets his sword, (1640)
Swearing, unless I took all patiently,
I should not live to speak another word;
So should my shame still rest upon record,
And never be forgot in mighty Rome
Th' adulterate death of Lucrece and her groom.
'Mine enemy was strong, my poor self weak,
And far the weaker with so strong a fear:
My bloody judge forbade my tongue to speak;
No rightful plea might plead for justice there:
His scarlet lust came evidence to swear (1650)
That my poor beauty had purloin'd his eyes;
And when the judge is robb'd the prisoner dies.
'O, teach me how to make mine own excuse!
Or at the least this refuge let me find;
Though my gross blood be stain'd with this abuse,
Immaculate and spotless is my mind;
That was not forced; that never was inclined
To accessary yieldings, but still pure
Doth in her poison'd closet yet endure.'
Lo, here, the hopeless merchant of this loss, (1660)
With head declined, and voice damm'd up with woe,
With sad set eyes, and wretched arms across,
From lips new-waxen pale begins to blow
The grief away that stops his answer so:
But, wretched as he is, he strives in vain;
What he breathes out his breath drinks up again.
147
As through an arch the violent roaring tide
Outruns the eye that doth behold his haste,
Yet in the eddy boundeth in his pride
Back to the strait that forced him on so fast; (1670)
In rage sent out, recall'd in rage, being past:
Even so his sighs, his sorrows, make a saw,
To push grief on, and back the same grief draw.
Which speechless woe of his poor she attendeth,
And his untimely frenzy thus awaketh:
'Dear lord, thy sorrow to my sorrow lendeth
Another power; no flood by raining slaketh.
My woe too sensible thy passion maketh
More feeling-painful: let it then suffice
To drown one woe, one pair of weeping eyes. (1680)
'And for my sake, when I might charm thee so,
For she that was thy Lucrece, now attend me:
Be suddenly revenged on my foe,
Thine, mine, his own: suppose thou dost defend me
From what is past: the help that thou shalt lend me
Comes all too late, yet let the traitor die;
For sparing justice feeds iniquity.
'But ere I name him, you fair lords,' quoth she,
Speaking to those that came with Collatine,
'Shall plight your honourable faiths to me, (1690)
With swift pursuit to venge this wrong of mine;
For 'tis a meritorious fair design
To chase injustice with revengeful arms:
Knights, by their oaths, should right poor ladies' harms.'
At this request, with noble disposition
Each present lord began to promise aid,
As bound in knighthood to her imposition,
Longing to hear the hateful foe bewray'd.
But she, that yet her sad task hath not said,
148
The protestation stops. 'O, speak, ' quoth she, (1700)
'How may this forced stain be wiped from me?
'What is the quality of mine offence,
Being constrain'd with dreadful circumstance?
May my pure mind with the foul act dispense,
My low-declined honour to advance?
May any terms acquit me from this chance?
The poison'd fountain clears itself again;
And why not I from this compelled stain?'
With this, they all at once began to say,
Her body's stain her mind untainted clears; (1710)
While with a joyless smile she turns away
The face, that map which deep impression bears
Of hard misfortune, carved in it with tears.
'No, no,' quoth she, 'no dame, hereafter living,
By my excuse shall claim excuse's giving.'
Here with a sigh, as if her heart would break,
She throws forth Tarquin's name; 'He, he,' she says,
But more than 'he' her poor tongue could not speak;
Till after many accents and delays,
Untimely breathings, sick and short assays, (1720)
She utters this, 'He, he, fair lords, 'tis he,
That guides this hand to give this wound to me.'
Even here she sheathed in her harmless breast
A harmful knife, that thence her soul unsheathed:
That blow did that it from the deep unrest
Of that polluted prison where it breathed:
Her contrite sighs unto the clouds bequeath'd
Her winged sprite, and through her wounds doth fly
Life's lasting date from cancell'd destiny.
Stone-still, astonish'd with this deadly deed, (1730)
Stood Collatine and all his lordly crew;
149
Till Lucrece' father, that beholds her bleed,
Himself on her self-slaughter'd body threw;
And from the purple fountain Brutus drew
The murderous knife, and, as it left the place,
Her blood, in poor revenge, held it in chase;
And bubbling from her breast, it doth divide
In two slow rivers, that the crimson blood
Circles her body in on every side,
Who, like a late-sack'd island, vastly stood (1740)
Bare and unpeopled in this fearful flood.
Some of her blood still pure and red remain'd,
And some look'd black, and that false Tarquin stain'd.
About the mourning and congealed face
Of that black blood a watery rigol goes,
Which seems to weep upon the tainted place:
And ever since, as pitying Lucrece' woes,
Corrupted blood some watery token shows;
And blood untainted still doth red abide,
Blushing at that which is so putrified. (1750)
'Daughter, dear daughter,' old Lucretius cries,
'That life was mine which thou hast here deprived.
If in the child the father's image lies,
Where shall I live now Lucrece is unlived?
Thou wast not to this end from me derived.
If children predecease progenitors,
We are their offspring, and they none of ours.
'Poor broken glass, I often did behold
In thy sweet semblance my old age new born;
But now that fresh fair mirror, dim and old,(1760)
Shows me a bare-boned death by time out-worn:
O, from thy cheeks my image thou hast torn,
And shivered all the beauty of my glass,
That I no more can see what once I was!
150
'O time, cease thou thy course and last no longer,
If they surcease to be that should survive.
Shall rotten death make conquest of the stronger
And leave the faltering feeble souls alive?
The old bees die, the young possess their hive:
Then live, sweet Lucrece, live again and see (1770)
Thy father die, and not thy father thee!
By this, starts Collatine as from a dream,
And bids Lucretius give his sorrow place;
And then in key-cold Lucrece' bleeding stream
He falls, and bathes the pale fear in his face,
And counterfeits to die with her a space;
Till manly shame bids him possess his breath
And live to be revenged on her death.
The deep vexation of his inward soul
Hath served a dumb arrest upon his tongue; (1780)
Who, mad that sorrow should his use control,
Or keep him from heart-easing words so long,
Begins to talk; but through his lips do throng
Weak words, so thick come in his poor heart's aid,
That no man could distinguish what he said.
Yet sometime 'Tarquin' was pronounced plain,
But through his teeth, as if the name he tore.
This windy tempest, till it blow up rain,
Held back his sorrow's tide, to make it more;
At last it rains, and busy winds give o'er: (1790)
Then son and father weep with equal strife
Who should weep most, for daughter or for wife.
The one doth call her his, the other his,
Yet neither may possess the claim they lay.
The father says 'She's mine.' 'O, mine she is,'
Replies her husband: 'do not take away
My sorrow's interest; let no mourner say
151
He weeps for her, for she was only mine,
And only must be wail'd by Collatine.'
'O,' quoth Lucretius,' I did give that life (1800)
Which she too early and too late hath spill'd.'
'Woe, woe,' quoth Collatine, 'she was my wife,
I owed her, and 'tis mine that she hath kill'd.'
'My daughter' and 'my wife' with clamours fill'd
The dispersed air, who, holding Lucrece' life,
Answer'd their cries, 'my daughter' and 'my wife.'
Brutus, who pluck'd the knife from Lucrece' side,
Seeing such emulation in their woe,
Began to clothe his wit in state and pride,
Burying in Lucrece' wound his folly's show. (1810)
He with the Romans was esteemed so
As silly-jeering idiots are with kings,
For sportive words and uttering foolish things:
But now he throws that shallow habit by,
Wherein deep policy did him disguise;
And arm'd his long-hid wits advisedly,
To cheque the tears in Collatinus' eyes.
'Thou wronged lord of Rome,' quoth be, 'arise:
Let my unsounded self, supposed a fool,
Now set thy long-experienced wit to school. (1820)
'Why, Collatine, is woe the cure for woe?
Do wounds help wounds, or grief help grievous deeds?
Is it revenge to give thyself a blow
For his foul act by whom thy fair wife bleeds?
Such childish humour from weak minds proceeds:
Thy wretched wife mistook the matter so,
To slay herself, that should have slain her foe.
'Courageous Roman, do not steep thy heart
In such relenting dew of lamentations;
152
But kneel with me and help to bear thy part, (1830)
To rouse our Roman gods with invocations,
That they will suffer these abominations,
Since Rome herself in them doth stand disgraced,
By our strong arms from forth her fair streets chased.
'Now, by the Capitol that we adore,
And by this chaste blood so unjustly stain'd,
By heaven's fair sun that breeds the fat earth's store,
By all our country rights in Rome maintain'd,
And by chaste Lucrece' soul that late complain'd
Her wrongs to us, and by this bloody knife, (1840)
We will revenge the death of this true wife.'
This said, he struck his hand upon his breast,
And kiss'd the fatal knife, to end his vow;
And to his protestation urged the rest,
Who, wondering at him, did his words allow:
Then jointly to the ground their knees they bow;
And that deep vow, which Brutus made before,
He doth again repeat, and that they swore.
When they had sworn to this advised doom,
They did conclude to bear dead Lucrece thence; (1850)
To show her bleeding body thorough Rome,
And so to publish Tarquin's foul offence:
Which being done with speedy diligence,
The Romans plausibly did give consent
To Tarquin's everlasting banishment.