Untitled - Bienal Internacional de Curitiba

Сomentários

Transcrição

Untitled - Bienal Internacional de Curitiba
09
ESPAÇOS DA 6ª VENTOUL | BIENAL DE CURITIBA
22
01 MUSEU OSCAR NIEMEYER
02 MUSEUS DA GRAVURA E DA FOTOGRAFIA
S
DO
R.
P. MÁ
R
RT
O
ABRE
U
NDARÉ
BE
GU
AL
O
OÃ
Z
AV
.J
LU
DA
S.
AV
.N
O DE
NDID
R. CÂ
NTE TAMA
R. MATEUS LEME
R. NILO PE
N
R
PE
S
35. Universidade Tecnológica
Federal do Paraná
36. Universidade Tuiuti do Paraná
37. DeArtes/Universidade Federal do Paraná
38. Auditório do Museu Oscar Niemeyer
39. Bicicletaria Cultural
SESSÕES DE AUDIOVISUAL
40. Cargo Shop
41. Cineplex Batel/Shopping Novo Batel
A
O
SOUZA NAVE
EM
IA
N
AV. SENADO
R
AN
AP
IL
DEODORO
.C
M
28. Rodoferroviária de Curitiba
29. Paço da Liberdade/SESC PR
30. Goethe Institut
31. Instituto Cervantes
32. Aliança Francesa
33. Faculdade de Artes do Paraná/Cine Tv
34. Escola de Música e Belas Artes do Paraná
56
VD
.E
AL
R
ANDÃO
42. Cinemateca Curitiba
43. Galeria APAP/PR - Osmar Chromiec
EVENTOS PARALELOS
O
.C
LO
DO
RA
E
O
DR
DA
ITIB
27
EN
ÍLIO
AS
R
R. B
RÊ
OM
.C
AV
ÇU
UA
IG
AV.
16. Terminal de Ônibus Campina do Siqueira
17. Praça da Espanha
18. Centro Cultural Sistema FIEP
19. Espaço Cultural David Carneiro
20. Avenida Cândido de Abreu
21. Passeio Público
22. Parque São Lourenço
23. Praça Carlos Gomes/Gazeta do Povo
24. Praça Santos Andrade
25. Galeria Lúdica
26. Estação Tubo Centro Cívico
27. Jardim Botânico
CURSOS, PALESTRAS E MESAS REDONDAS
VD
AR
28
R. PROF. BR
R. MARECHAL
MAR
DIM
J
LVA
SI
AV.
OA
SE
BA
ÃO
DE
S
R
EG
TE
SE
AV.
35TEMBRO
31
30
14
O
RR
N
ÃO
SC
VI
AV.
ED
D
ON
VA
UA
AP
AR
U
EG
05. Casa Hoffmann
06. Espaço de Arte Urbana /Galeria Júlio Moreira
07. Biblioteca Pública do Paraná
08. Museu de Arte da Universidade
Federal do Paraná
09. Ópera de Arame
10. Parque Barigüi
11. Praça Tiradentes
12. Bosque do Papa João Paulo II
13. Rua XV de Novembro
14. Mercado Público Municipal
15. Praça Garibaldi
JO
.P
R
R. D
E
ÉD
R
ND
A
O
DE
53
R. A
OS
R
ED
DO
R.
L
ATE
23
RO
ES
19
47
L
HA
EC
AR
M
R.
OD
O
NC
RA
54
34
R
B
EM
OV
EN
D
. XV
45
57
48
R
OR
OT
IAN AGI
AR
IB
R. M R. T
AL
F
IRO
DE
TA
OT
BR
S. M
ES
Ã
AR
M
HO
UI
G
44
CA
DE
37
B
DO
AV.
RIN
U
TO
R
O
IT
HE
NT
CE
VI
AV.
41
EC
SD
O
AD
CH
A
EM
IGA
BR
R.
KI
H
VAL
AR
43 25
21
06
50
49
07 29 52 24
39
08 11
13 RO
03
AL.
R.
HA
RS
O
PAI
OC
DU
AL
32
O
LO
R
. CA
. DR
17
AM
OR
O
S
LO
O
AF
GE
R
RIO
MÁ
O
AJ
M
N.
GE
GE
RÔ
NI
M
ÂN
C
CIS
AN
R.
R.
40
O
NS
M
R.
R.
LF.
TIM
AR
16
FR
R.
R
R. A
D
. PA
O
INH
ST
GO
A
RE
51
05
DIN
15
42
18
02
BAL
10
55
HA
RT
M
AN
N
46
20
04
INTERVENÇÕES URBANAS E PERFORMANCES
33
OS
R. U
R. CÂNDIDO
MAPA DESTA ÁREA
NO FINAL DO GUIA
04 MUSEU ALFREDO ANDERSEN
BARR
26
ET
A
AS
IB
36
ÇANHA
AV. MA
NOE
LR
IO DE
R. ALMIRA
R. DE
AV
.P
AR
AN
Á
38
OS
RI
NÁ
IO
NC
FU
01
12
03 CASA ANDRADE MURICY
VALIDAR ESTA LISTA,
INSERIR MUSA
CO
AN
FR
UBA
IROT
44. Fran’s Café
45. Kauf Café
46. Brooklyn Coffee Shop
47. Museu de Arte Contemporânea do Paraná
48. Museu Guido Viaro
49. Memorial de Curitiba
50. Casa João Turin
51. SESC da Esquina
52. Espaço das Artes/Paço da Liberdade
53. Museu da Imagem e do Som
54. Galeria de Arte Zilda Fralletti
55. Solar do Rosário
56. Espaço Tardanza
57. SIM Galeria
Ministério da Cultura apresenta
Patrocínio
Patrocínio
Co-patrocínio
Apoio institucional
Consulat
Général
de France
à São Paulo
abca
Associação
Brasileira d e
Críticos de Arte
Apoio
Apoio educacional
Parceria
Parceria local
Secretaria
Municipal
de Meio
Ambiente
Parceria internacional
Cooperação
Secretaria
Municipal
de Urbanismo
Sabor da Bienal
Logística e transporte
Transporte da Bienal
Apoio de mídia
International_contemporary_art
Realização
Índice
Realização IPAR – Instituto paranaense de arte
Curadores Alfons Hug e Ticio Escobar
Co-curadores Adriana Almada e Paz Guevara
Curadores convidados Artur Freitas, Eliane Prolik, Simone Landal e Alberto Saraiva
Ação Educativa Denise Bandeira e Sonia Tramujas
Textos Adriana Almada, Alfons Hug e Paz Guevara
Coordenação Angela Ceccatto
Projeto gráfico Mayra Pedroso
Concepção, Edição e Revisão Sorttie Soluções Criativas
apresentação
A 6ª VentoSul - Bienal de Curitiba vem se
consagrando como um dos maiores eventos
da arte contemporânea da América Latina.
Ela exibe obras de artistas de países de cinco
continentes. Com essa abrangência, ela se
torna o evento cultural mais importante a ser
realizado no Brasil em 2011.
Nesta edição, realizada de junho a dezembro
de 2011, em Curitiba, foi desenvolvido como
conceito curatorial o tema “Além da Crise”.
São curadores gerais os experientes críticos
de arte Alfons Hug (Bienal de São Paulo, Bienal
do Fim do Mundo, na Argentina) e Ticio Escobar
(Trienal do Chile, Bienal de Valência, na Espanha).
Como responsáveis pela co-curadoria, estão as
críticas de arte Adriana Almada e Paz Guevara.
A Bienal conta ainda com os curadores convidados Alberto Saraiva, Artur Freitas, Eliane
Prolik e Simone Landal. Para a curadoria do
projeto educativo tem as especialistas Denise
Bandeira e Sônia Tramujas.
São sete meses de programação que incluem
palestras, mesas-redondas, exposições, cursos,
oficinas, mostra de filmes, performances,
interferências urbanas e residência artística,
ocupando os principais espaços culturais de
Curitiba. Além de um projeto educativo com
cursos de capacitação de professores, monitores
nos espaços expositivos, visitas monitoradas
até publicações.
16
conceito curatorial
A Bienal de Curitiba 2011 será desenvolvida
com o título “Além da crise”.
É bom, ao se tratar de conceitos cruciais do
presente, elucidar sua etimologia com mais
exatidão. A palavra “crise” merece atenção
especial nesse contexto, na medida em que
atualmente parece onipresente como ruído
de fundo e domina os discursos em diversos
campos, da economia à cultura. Já Goethe
estremecia diante da “vertigem incessante do
adquirir e do consumir” e se perguntava como
os escombros da casa de seu avô destruída
na guerra podiam valer o dobro do que a casa
valia antes da guerra. Como algo vira dinheiro e
como se calcula seu valor de troca? O determinante é o trabalho, o mercado, a escassez ou
até mesmo o desejo?
Em grego, κρίσις (krísis) significava, originalmente, “opinião”, “juízo”; mais tarde, uma
situação problemática de decisão.
O conceito pode ser verificado na medicina
a partir do século XVI, designando um ponto
crítico no processo da doença e um limite
entre vida e morte. Contudo, o verbo κρίσις
(= distinguir, dividir) não apenas forma a raiz
de “crise”, mas também de “crítica”, uma
circunstância feliz, que abre grandes possibilidades de atuação para a arte.
17
A arte atua tanto aquém, quanto além da crise.
Aquém, porque se refere formal e conceitualmente a ela, e até mesmo porque é por ela
afetada; além, porque aponta para acolá da
crise e oferece alternativas à sociedade.
Por mais que o título seja, nos âmbitos da arte,
nada mais que a sugestão de um tema a ser
encarado livremente pelos artistas, pretendese que o nome “Além da crise”incite a produção poética e oriente a reflexão sobre certas
questões-chave da arte contemporânea.
A palavra “crise” é tomada em seu sentido
mais instigador e sugestivo, como momento
crucial que, diante de uma mudança brusca de
paradigma, exige decisões, posições e imagens
novas. O termo “além da” não significa exatamente “depois da”, mas quer dizer que aponta
para um lugar intermediário, um desdobramento ou um terceiro lugar de onde se pode ver
a crise de dentro/fora.
A palavra “além...” pode aludir a que, em um
sentido estrito, o momento crítico já passou
(sempre o ponto álgido marca uma situação
que já aconteceu: por isso, pode ser nomeado).
Ou pode se referir à necessidade de considerar
outros lugares onde se deve assumir e enfrentar a crise, de maneira criativa e diferente. Ou
poderia, inclusive, marcar a exigência de imaginar um espaço-tempo fora do espaço crítico,
18
mesmo que impulsionado por ele. A arte não
pode renunciar a sua vocação utópica: a imaginação é sempre um dispositivo antecipatório
e, ainda, propiciador. Até mesmo as operações
mais negativas e melancólicas da arte contemporânea apontam, secretamente, para um
“além...”, para um lugar de espera ou para uma
abertura ao acontecimento.
Não se espera que os artistas convidados
ofereçam receitas para enfrentar a crise, nem
tratem de expressar seus dramas, senão que
propagem opções de visão: as posições que
assumem diante da crise supõem esforços
imaginativos capazes de abrir perspectivas e
horizontes diferentes.
A arte enfrenta a crise questionando constantemente seus sistemas de representação:
discutindo uma e outra vez a definição da arte e
seus circuitos institucionais (museus, mercado,
bienais, teoria, etc.). A partir dessa perspectiva,
não só a crise é fecunda para a arte, já que esta
depende necessariamente de momentos de
conflito e tensão para produzir. A arte consiste,
justamente, em um dos principais dispositivos
com o que conta a cultura contemporânea
para pôr em questão os próprios enunciados,
renovar seus valores e seus códigos e impedir
que se adormeça a percepção coletiva em torno
de um conceito fixo do social.
Alfons Hug e Ticio Escobar
19
museu oscar niemeyer
LOCALIZADO NO CENTRO CÍVICO, O
MUSEU OSCAR NIEMEYER É UM ESPAÇO
EXPOSITIVO DE EXCELÊNCIA E REFERÊNCIA NO BRASIL E NO EXTERIOR.
COM 17.744,64 MIL M² DE ÁREA EXPOSITIVA
POTENCIAL, ESTÁ INSTALADO EM UMA
ÁREA DE 144 MIL M². NIEMEYER UTILIZA
NO PRÉDIO A TECNOLOGIA DO CONCRETO
PROTENDIDO, QUE PERMITE A CRIAÇÃO
DE GRANDES VÃOS LIVRES ENTRE AS
COLUNAS E A CONSTRUÇÃO DE GRANDES
BALANÇOS.
Rua Marechal Hermes, 999, Centro Cívico
www.mon.org.br
(41) 3350-4400
10h às 18h (3ª feira a domingo)
R$4, R$2 (estudante) e gratuito
(crianças de até 12 anos, maiores de
60 anos e grupos de escolas públicas)
Estação Tubo Constantino Marochi
20
21
museu oscar niemeyer
SALA
REMBRANDT
SALA
GAUGUIN
ACESSO
SALA
FRIDA KAHLO
PRIMEIRO PISO
FALTA INSERIR NUMERAÇÃO NA PLANTA
22
01. Adonis Flores
02. Adrian Lohmüller
03. Ali Kazma
04. Alterazioni Video
05. Antti Laitinen
06. Boris Mikhailov
07. Camilo Restrepo
08. Danica Dakić
09. Darren Almond
10. Desire Machine
Collective
11. Dinh Q. Lê
12. Fikret Atay
13. George Osodi
14. Gutierrez/Portefaix
15. Joanna Rajkowska
16. Josep-Maria Martín
17. Kate Gilmore
18. Lin Yilin
19. Mark Lewis
20. Mark Formanek
21. Michel de Broin
22. Mikhael Subotzky
23. Neville D´ Almeida
24. Olaf Nicolai
25. Patrick Hamilton
26. Paulo Climachauska
27. Raul Cruz
28. Ricarda Roggan
29. Sebastián Preece
30. Zhou Tao
23
adonis flores
1971 Sancti Spiritus, Cuba
Vive e trabalha em Havana, Cuba
1977 Gengenbach, Alemanha
Vive e trabalha em Berlim, Alemanha
01
adrian lohmüller
02
Com uma forte dose de ironia Adonis Flores
– que conheceu de perto a guerra quando foi
soldado em Angola – usa o uniforme militar de
camuflagem para marcar não só a violencia em
grande escala, com tambem aquela que subace
a toda experiencia humana, inclusive o humor,
o amor e a gloria.
Uma Praça da Liberdade
2011 Desenho
Proposta para a instalação
“Uma Praça da Liberdade”
Estrellado 2009 C-print 120x80cm
24
Uma Praça da Liberdade é uma plataforma de
petit pavé concebida especialmente para a Bienal. Trata-se de uma forma urbana usada como
composição geométrica popular, portadora de
identidade local e de novas formas de experimentar o espaço público. Ele monta uma nova
forma de experimentar o petit pavé composta
por uma plataforma de mosaicos coberta de
almofadas estampadas.
Incubaciôn 2009 C-print 120x80cm
25
ali kazma
1971 Istambul, Turquia
Vive e trabalha em Istambul, Turquia
Coletivo formado em 2004 em Milão, Itália
Vivem e trabalham em Nova Iorque, Milão e Berlim
03
04
“Intervallo” é um
projeto do coletivo
italiano Alterazioni
Video, que documentaram centenas de
obras arquitetônicas
inacabadas na Sicília,
no sul da Itália, edificadas entre os anos
60 e 80. Esta série de
monumentais ruínas
modernas desperta
nos artistas tanto uma
crítica à especulação
imobiliária do pósguerra, assim como
uma ironia a este
auge econômico, onde
a conquista do concreto sobre a paisagem, levou finalmente
a decadência.
O artista turco observa processos de
trabalho em indústrias e reconhece aqui
uma beleza bastante
afirmativa. É uma
imagem sensual
como as peças de
ferro vermelhas em
brasa saídas dos
alto-fornos, deformando-se em linhas
sinuosas. Nas obras
de Kazma, as fábricas
e as máquinas, que
para muitos artistas aparecem como
ruínas, têm um apelo
sedutor.
Membros:
Paololuca Barbieri Marchi,
Alberto Caffarelli, Matteo
Erenbourg, Andrea Masu e
Giacomo Porfiri
Rolling Mills 2007 Vídeo, cor, som, 8’
Cortesia Galeri Nev, Istambul
26
alterazioni video
Intervallo 2009
com Claudia D’Aita
e Enrico Sgarbi
Vídeo HD, cor, som, 3’37”
27
antti laitinen
1975 Helsinki, Finlândia
Vive e trabalha em Somerniemi, Finlândia
1938 Kharkov, Ucrânia
Vive em Berlim, Alemanha e em Kharkov, Ucrânia
boris mikhailov
05
06
É um dos mais conhecidos fotógrafos do leste
europeu e hoje reside em Berlim. Suas obras
retratam a conjuntura das mudanças políticas,
sociais e culturais na Rússia e na Ucrânia, após
o desmoronamento da União Soviética. Aqui se
evidencia de forma flagrante o contraste entre a
pobreza assustadora e a nova riqueza das elites.
Tee Koffee Cappuccino 2000-2010
Fotografias em formato vídeo
Cortesia do artista e Galeria Sandmann, Berlim
Bare Necessities 2002
Vídeo, cor, som, 34’
Cortesia do artista
& NETTIE HORN, Londres
28
Para produzir o vídeo “Bare Necessities”, Antti
Laitinen viveu na floresta durante quatro dias
sem comida, roupa ou água. O vídeo documenta
a sua experiência de vida sem modernidade e
civilização. Mais que uma visão idealista e ingênua, é uma perspectiva crítica que apresenta as
dificuldades, os fracassos e os sucessos que o
homem deveria enfrentar se voltasse à natureza após uma crise ecológica.
29
camilo restrepo
1973 Medellín, Colombia
Vive e trabalha em Medellín, Colombia
1962 Sarajevo, Sérvia
Vive e trabalha em Düsseldorf, Alemanha, e Sarajevo, Sérvia
07
danica dakić
08
A artista explora
novas formas de
linguagem audiovisual. Resgatando a
espacialidade e a técnica do teatro, criou
uma serie de vídeos
onde cenários idílicos
contrastam com a
precariedade e a marginalidade de seus
personagens. É um
grande papel mural
com representações
do paraíso, como paisagem e fundo para a
improvisação de dois
jovens com doença
mental da cidade de
Pazarić, Bósnia.
Esto es una pipa 2009
Fotografia, 90x120 cm
Série de 12 fotografias
Imagens grandes de cachimbo para fumar
bazuco(mistura de drogas duras que se
consome habitualmente nos bairos marginais
de mmuitas cidades latinoamericanas) são
apresentadas como uma coleção de objetos de
valor arqueológico, fazendo uso dos códigos
publicitários para produtos de luxo.
First Shot 2007-2008
Vídeo, cor, som, 5’47”
30
31
darren almond
1971 Appley Bridge, Inglaterra
Vive e trabalha em Londres, Inglaterra
Coletivo formado em 2004 na Índia
Vivem e trabalham em Guwahat, Índia
desire machine collective
09
10
Residue 2010
Filme 16mm
em formato DVD, 39’
Cortesia dos artistas
Bearing 2007
Vídeo, cor, som, 35’
Cortesia do artista eJay
Joplin, White cube,
Londres
32
Em seu vídeo, o grupo de artistas indianos
faz uma análise da decadência de uma antiga
fábrica. Vidros quebrados, máquinas enferrujadas, tanques de gasolina vazios retratam um
verdadeiro cenário de fracasso. A vegetação
tropical tomou conta da fábrica anunciando a
derrota da sociedade industrial.
Membros: Sonal Jain, Mriganka Madhukaillya
Em seu vídeo “Bearing”, Darren Almond observa as condições desumanas em uma mineradora de enxofre na Indonésia. Os trabalhadores
movimentam-se sem fôlego por uma bruma
de vapores tóxicos. O árduo trabalho parece se
afogar num véu sedutor amarelo e vermelho.
33
dinh q. lê
1968 Ha-Tien, Vietnã
Vive e trabalha em Ho Chi Minh, Vietnã
1976, Batman, Turquia
Vive e trabalha em Batman, Turquia
11
fikret atay
12
Helicópteros caindo no mar um após o outro são o
tema do artista vietnamita, que em seu vídeo “South
China Sea Pishkun” faz referência à Guerra do Vietnã,
guerra esta que nos anos 60 terminou com uma humilhante derrota dos EUA. Afinal, a alta tecnologia de um
país industrializado não conseguiu vencer a baixa tecnologia da guerrilha dos Vietcongues. O artista aplica
os efeitos visuais da “animation”, proporcionando às
suas imagens um caráter quase que surreal.
Theorists 2008
Vídeo, cor, som, 3’34”
Cortesia do artista e galeria
Chantal Crousel, Paris
South China Sea Pishkun 2009
Animação
Cortesia do artista em colaboração
com Propeller Group y P.P.O.W Gallery, New York
34
El video Theorists registra a un grupo de jóvenes musulmanes estudiando el Corán, el libro
sagrado del Islam, en el sur de Turquía. Con el
Corán en la mano, los pupilos van recitando
en voz alta la palabra de Dios (Allāh), mientras
caminan de ida y de vuelta por la sala. Como
ninguno pone atención al otro, concentrándose
solo en el ritmo y memoria personal de sus
oraciones, el resultado es un barullo y coro incomprensible. Fikret Atay revela por un lado las
contradicciones de una práctica de enseñanza
religiosa tan estricta donde la memorización
supera al contenido del libro, y por otro, cómo
35
george osodi
1974 Lagos, Nigéria
Vive e trabalha em Londres, Inglaterra e Lagos, Nigéria
13
1966 Casablanca, França
Vive e trabalha em Hong Kong
1969 Saint-Etienne, França
Vive e trabalha em Hong Kong
gutierrez/portefaix
14
City of Production 2008
Filme, cor, som, 54’
Cortesia dos artistas
Esta é uma série de fotos onde homens, e jovens
mulheres e crianças trabalham em uma mina
ilegal de ouro em Obuasi, Gana. Milhares de jovens desempregados se empenham no trabalho
colocando em risco a saúde e provocando graves
danos ambientais. As imagens variam entre
fotojornalismo, fotografia documental artística e
ativismo. Muitas vezes representam criticamente
seu continente e são exibidas em exposições de
arte e também nos meios de comunicação como
o “New York Times”.
36
Ghana Gold - ¥Da Money
2009
150 fotos em vídeo
Cortesia Z Photographic
Ltd, UK
“City of Production” é
um filme que retrata
a fábrica Sung Hing –
uma, entre milhares
de fábricas – no Pearl
River Delta, na China.
Laurent Gutierrez e Valéry Portefaix são uma
dupla de artistas/arquitetos que mora em
Hong Kong desde 1996.
Também são conhecidos como MAP OFFICE,
uma plataforma multidisciplinar. Trabalham
em territórios físicos
e imaginários usando
variados meios de
expressão como desenho, fotografia, vídeo,
instalação, performance, além de textos
literários e teóricos.
O projeto é uma crítica
de anomalias espaçotemporais e apresenta
como os seres humanos subvertem e usam
o espaço.
37
joanna rajkowska
1968 Bydgoszcz, Polônia | Vive e trabalha
em Varsóvia, Polônia, e Londres, Inglaterra
1961 Ceuta, Espanha
Vive e trabalha em Barcelona, Espanha
15
josep-maria martín
16
Para produzir o vídeo “Bare Necessities”, Antti
Laitinen viveu na floresta durante quatro dias
sem comida, roupa ou água. O vídeo documenta
a sua experiência de vida sem modernidade e
civilização. Mais que uma visão idealista e ingênua, é uma perspectiva crítica que apresenta as
dificuldades, os fracassos e os sucessos que o
homem deveria enfrentar se voltasse à natureza após uma crise ecológica.
Greetings From Jerusalem Avenue 2002-atualidade
Instalação de palmeira artificial em Varsóvia, Polônia
Made in Chile 2010
Fotografias em formato vídeo
Cortesia Museo de la Solidariedad, Chile, e do artista
38
O projeto “Made in Chile” consiste numa pesquisa do artista sobre a moradia de urgência e
a moradia social no Chile, no contexto de pósterremoto de 2010. Ele dedicou-se a pensar em
soluções habitacionais mais flexíveis para as
famílias de baixa renda provenientes de diversas regiões, comunidades e identidades, realizando visitas de campo a terrenos, residências;
entrevistas a arquitetos, políticos, intelectuais
e aos próprios moradores. Nesta exposição o
artista apresenta uma série de fotografias de
sua visita ao acampamento em Caleta Chipana,
em Iquique no norte do Chile.
39
kate gilmore
1975 Washington, DC, EUA
Vive e trabalha em Nova Iorque, EUA
1964 Guangzhou, China
Vive e trabalha em Guangzhou, China
17
A desesperada tentativa
de uma jovem para sair
de uma caixa de madeira
é registrada pela videomaker americana Kate
Gilmore. Com pancadas e
chutes vigorosos ela tenta escapar de sua prisão.
A artista não aceita que
as mulheres até hoje são
impedidas de desenvolver
todo o seu potencial.
lin yilin
18
Com uma algema
que fixa o antebraço
à perna, o homem
se movimenta com
dificuldades pelo
trânsito caótico de
uma cidade chinesa.
“Será que ele fugiu de
uma penitenciária ou
de um manicômio?”,
perguntam-se perplexos os transeuntes.
One Day 2011
Vídeo, cor, som, 5’24”
Cortesia do artista
e Shanghai Gallery of Art
Standing Here 2010
Vídeo, cor, som, 10’39”
Cortesia da artista, Maisterravalbuena
Madrid e Galeria Franco Soffiantino,
Torino
40
41
mark lewis
1971 Hamilton, Ontário, Canadá
Vive e trabalha em Londres, Inglaterra
19
Coletivo formado
em 2000 na Alemanha
Vivem e trabalham
em Berlim, Alemanha
Em seu vídeo “Standard Time”, apresentam uma
performance realizado em Berlim. Um grupo de
trabalhadores monta, com tábuas de madeira,
um enorme relógio, mas os ponteiros avançam
em ciclo de minutos. Pode-se ver o horário
mas também as pessoas que estão construindo
esse relógio. Pessoas que realizam um trabalho
aparentemente sem sentido com um senso de
obrigação quase que heróico, mas que cumpre
uma função, ou seja, exibir as horas.
Um desabrigado em uma metrópole na América do Norte tenta se aquecer sobre o poço de
exaustão do metrô. A crise econômica deixou
muitas pessoas sem emprego, provocando
necessidades existenciais.
42
mark formanek
20
legenda?
Cold Morning 2009
Vídeo HD, cor, 7’35”
Cortesia do artista e Monte
Clark Gallery, Vancouver,
Clark & Faria, Toronto
43
michel de broin
1970 Montreal, Canadá | Vive e trabalha
em Montreal, Canadá e Londres, Inglaterra
1981 Cidade do Cabo, África do Sul
Vive e trabalha em Johanesburgo, África do Sul
mikhael subotzky
21
22
O trabalho de Michel de Broin se baseia na
transformação de objetos, tanto na materialidade como na sua função, sugerindo uma
mudança de percepção da realidade. No seu
trabalho Shared Propulsion Car o artista troca
o motor de carro por quatro mecanismos de
pedais para criar um meio de transporte de
auto-propulsão coletiva, operado por 4 pessoas.
O vídeo registra a performance deste carro em
NY, onde circulou a 15 km/h. Por um lado, esta
obra se manifesta como uma alternativa à crise
do petróleo e crítica à cultura do automóvel, e
por outro, como uma construção poética que
revoluciona o cotidiano.
Shared Propulsion Car 2005
Vídeo, cor, som, 2’40”
O fotógrafo exibe a realidade de uma penitenciária em sua pátria, na África do Sul. São os
lados negativos, pouco agradáveis, da vida em
uma sociedade após o apartheid, que possui
uma das mais progressivas constituições do
mundo, mas cuja situação continua sendo
muito preocupante.
44
legenda?
45
neville d´almeida
1941, Belo Horizonte, Brasil | Vive e trabalha
na Ilha da Gigóia, Rio de Janeiro, Brasil
1962 Halle/Saale, Alemanha
Vive e trabalha em Berlim, Alemanha
23
olaf nicolai
24
Os Kayapoemas são
foto-poemas-visuais
realizados com a
intervenção de desenhos diretamente
sobre fotografias da
tribo dos índios Kaiapo. São diálogos com
a série de fotografias
das Cosmococas
criadas por Neville
D’Álmeida e Hélio Oiticica nos anos 60. Mas
aqui Neville promove
o cruzamento entre
a tradição da poesia
visual brasileira e sua
própria produção.
Neville acredita que
a poesia em si traduz
aquilo que podemos
chamar “arte”, isto
significa que deve
haver de fato um eixo
poético que faça da
obra um objeto distinto e reflexivo.
Olaf Nicolai es un artista conceptual que trabaja diversos medios, tanto film, como instalación, gráfica, publicaciones y conciertos, entre
otros. Entre sus líneas de trabajo está su constante pregunta y reflexión sobre la dicotomía
ente naturaleza y arte; y lo natural y lo artificial.
Así concibe Olaf Nicolai una intervención sobre
la obra del paisajista Burle Marx que el público
encontrará en la ciudad de Curitiba.
Faites le travail quíaccomplit
le soleil 2010)
Folha, papelão e materiais
diversos
Instalação, 270x450x450cm
Foto: Arthur Zalewski
Cortesia Galerie EIGEN
+ ART Leipzig/Berlim
Kayapoemas 2011
Fotografia 120x90cm
Foto de Vicente de Mello
46
47
patrick hamilton
1974 Louvain, Bélgica
Vive e trabalha em Santiago, Chile
1962 São Paulo, Brasil
Vive e trabalha em São Paulo, Brasil
25
Proyecto U-boot 2010 esmalte sobre papel 75x105cm
paulo climachauska
26
Com desenhos, um
vídeo documental
(de tom espectral) e
a presença insólita
de um submarino de
combate banhado a
ouro, PatrickHamilton
desenvolve uma forma
de tradução e reescrita de relatos que
remetem ao nazismo
e a segunda guerra
mundial, assim como
a perturbadoras
micro-histórias locais.
Modelo para Armar 2010
Fotografia, 88 X 65 cm
Cortesia do artista
Nos últimos anos vem desenvolvendo um
sistema de construção do seu trabalho atraves
de operações de subtração. De um lado este
sistema propõe uma inversão nos processos
construtivos de um trabalho de arte. De outro
lado se dispõe a estabelecer um elo de ligação
entre economia e arte.
Proyecto U-boot 2010 esmalte sobre papel 75x105cm
48
49
raul cruz
1957 Curitiba, Brasil
Falecido em 1993 em Curitiba, Brasil
1972 em Dresden, Alemanha
Vive e trabalha em Leipzig, Alemanha
27
A obra do artista se desenvolveu nos anos 1980
e início dos 1990. Dedicou-se à pintura, desenho e gravura e também à produção teatral
como figurinista, cenógrafo, autor e diretor.
Sua figuração é de natureza sintética, concisa
e perturbadora, constituída por uma poética
pessoal e simbólica.
50
ricarda roggan
28
Ricarda Roggan reencena o mobiliário na Alemanha Oriental. Ela retira cadeiras, mesas, armários
e outros objetos encontrados em edifícios públicos
abandonados da Alemanha Oriental e reinstala-os
em seu estúdio para fotografar. Suas obras são
naturezas mortas contemporâneas de um mundo
que desapareceu após a queda do muro em 1989
e o colapso do socialismo, mostrando também as
ruínas, fragmentos e as mudanças da modernidade. Ela estudou fotografia em Leipzig, na Alemanha, e é considerada um dos jovens e proeminentes membros da escola de fotografia de Leipzig.
2 Cadeiras, Mesa e Cama
2001 C-Print 100x125cm
Cortesia da Galerie EIGEN
+ ART, Berlim/Leipzig
51
sebastián preece
1972 Santiago, Chile
Vive e trabalha em Santiago, Chile
1976 Changsha, China
Vive e trabalha em Guangzhou, China
zhou tao
29
30
O artista interfere em
instituições e lugares
públicos operando
de manera arqueológica, cirúrgica
quase: a materialidade da construção, a
resistencia do própio
terreno, sua topografia e seu interior
escavado interpõem
razões e imagens que
prorrogan a aparição
do objeto e desviam o
sentido da busca: os
fragmentos coletados
e expostos terminam
sendo indícios de
uma presença escamoteada.
Zhou Tao observou uma “chamada” antes da
jornada de trabalho em fábricas, em padarias
e em salões de beleza em Xangai. Os funcionários iniciam o seu dia de trabalho com esse
procedimento um tanto militar, caracterizado
pela rígida disciplina. Se a China hoje é considerada a fábrica do mundo, essa reputação se
deve ao engajamento dos trabalhadores.
1,2,3,4 2008
Vídeo, cor, som, 1’
Diferentes vistas e detalhes
do ref˙gio localizado no
Museu de Belas Artes de
Santiago do Chile.
52
53
museu da gravura
museu da fotografia cidade de curitiba
O MUSEU DA GRAVURA FOI INAUGURADO
EM 1989 E POSSUI UM ACERVO DE MAIS
DE CINCO MIL OBRAS DE ARTISTAS
BRASILEIROS E ESTRANGEIROS.
EM SEU ACERVO CONSTAM CRIAÇÕES
DE PICASSO, ANDY WARHOL, AMILCAR
DE CASTRO E CILDO MEIRELES.
O MUSEU DA FOTOGRAFIA CIDADE DE
CURITIBA, INAUGURADO EM 1998, FOI
O PRIMEIRO DO GÊNERO NO BRASIL E
O SEGUNDO DA AMÉRICA LATINA. EM
SEU ACERVO ESTÃO PERTO DE TRÊS MIL
IMAGENS, ASSINADAS POR GRANDES
NOMES DA FOTOGRAFIA BRASILEIRA.
Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 533, Centro
www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br
(41) 3321-3240 I
9h às 12h e 13h às 18h (3ª a 6 ªfeira)
e 12h às 18h (sábado e domingo)
Gratuito
Estação Tubo Passeio Público
54
55
museu da gravura
museu da fotografia cidade de curitiba
31. Alejandro Almanza Pereda
32. Alejandro Paz
33. Auguste François
34. Emmanuel Fretes Roy
35. Graciela Guerrero
36. Inci Eviner
37. Jacqueline Lacasa
38. Javier López/Erika Meza
39. John Bock
40. Liliana Porter
41. Luis Molina-Pantin
42. Michael Stevenson
43. Mónica Millán
44. Nelson Félix (BRA)
45. Ricarda Roggan
46. Tirzo Martha
PÁTIO
26
MUSEU DA GRAVURA | PRIMEIRO PISO
MUSEU DA GRAVURA
| SEGUNDO PISO
MUSEU DA FOTOGRAFIA
| PRIMEIRO PISO
PÁTIO
FALTA INSERIR NUMERAÇÃO NA PLANTA
MUSEU DA GRAVURA | TÉRREO
56
57
alejandro almanza pereda
1977 Cidade do México, México
Vive e trabalha em Nova Iorque, EUA
1975 Cidade da Guatemala, Guatemala
Vive e trabalha na Cidade da Guatemala, Guatemala
31
alejandro paz
32
A intenção de “criar nos espectadores uma
tensão inquietante” leva o artista a trabalhar
situações de ambígua insegurança mediante a
exposição de objetos e móveis cuja incongruência e vacilação formal criam climas incertos,
sugerem riscos e promovem atitudes de alerta.
Na Guatemala, país
assolado pela violência e pelos conflitos
sociales, uma mulher
indígena caminha esforçadamente sobre a
máquina “corredora”.
De tom ironico, a obra
de Alejandro Paz discute o ideal de beleza
ocidental e destaca
a ferocidade de um
sistema para o qual
os indígenas urbanos
não podem fazer nada
além de peregrinar
sem destino.
Faja 2001
Vídeo, cor, som, 29’
Untitled 2006
Guarda-roupas, lâmpadas fluorescentes, aquário,
tijolos decorativos, planta e lenÁÛis.
Instalação na Casa del Lago, Cidade do México.
58
59
auguste françois
1857 Lunéville, França
Faleceu em 1935 em Beligné, França
1979 Assunção, Paraguai
Vive e trabalha em Assunção, Paraguai
emmanuel fretes roy
33
Asunción 1894 Una calle: calzada hundida
y mujer llevando un fuentón sobre la cabeza
34
Compartió su tiempo
entre la función
diplomática y la pasión por la fotografía.
Las imágenes que
captó durante su
breve estadía en el
país constituyen un
valioso testimonio
gráfico del Paraguay
de fines del siglo XIX.
La muestra en el
Museu da Fotografía
incluye un álbum con
fotos originales de
1894, una veintena
de placas de vidrio,
reproducciones y un
vídeo documental.
Además de este
corpusse exponen
imágenes inéditas de
Río de Janeiro tomadas por el cónsul en
su viaje hacia el Río
de la Plata.
Emmanuel Fretes Roy pinta cenas da Guerra do
Paraguai (1864-1870) mediadas –veladas- por
fotografias e documentos: memória de memórias que exige uma meticulosidade obsesiva,
crescida –e isto é uma fortaleza de sua obramais próximo da franqueza autodidata que do
virtuosismo academicista.
El Centinela, periôdico serio
y jocoso 2009
Óleo sobre tela, 125x85cm
Coleção particular
Foto Javier Medina Verdolini
Asunción Inundaciones de 1895. Casa del lanchero de AF
60
61
graciela guerrero
1981 Guayaquil, Equador
Vive e trabalha em Guayaquil, Equador
1956 Polatli, Turquia
Vive e trabalha em Istambul, Turquia
inci eviner
35
36
O programa El Chavo del 8, criado e protagonizado por Roberto Gómez Bolaños, comediante
e produtor de televisão mexicano, gerou um
stock iconográfico e um corpo de códigos de
humor e linguagem compartilhados em quase
toda américalatina. A obra de Guerrero permite
discutir estereótipos ideológicos, instalar um
clima de advertências cifradas e revelar pontos
de conflito omitidos pelo discurso da televisão.
Auge y Decadencia de America Latina 2010
Videoinstalação, dimensõess variáveis
La animación Parliament (Parlamento) es
una construcción poética sobre el edificio del
Parlamento Europeo en Estrasburgo. Si bien
Eviner nos presenta un Parlamento transparente a través del cual se observan las actividades
y figuras de cada piso, afuera se reconocen a
otros personajes cavando túneles bajo tierra
y agujereando el techo para intentar ingresar.
Si bien la Comunidad Europea es para sus 27
países miembros una región de encuentro,
intercambio y libertad de fronteras, Eviner toma
la perspectiva de su país Turquía, candidato
no aceptado en la Comunidad Europea, para
agregar la dimensión de los excluidos y la
pregunta por los límites políticos e identitarios
de Europa.
62
Parliament 2010
Vídeo HD, 3’, som (Still)
63
jacqueline lacasa
1970 Montevidéu, Uruguai
Vive e trabalha em Montevidéu, Uruguai
37
1974 Havana, Cuba
Vive e trabalha em Assunção, Paraguai
1968 San Pedro, Paraguai
Vive e trabalha em Assunção, Paraguai
javier lópez/erika meza
O vídeo de Javier López e Erika Meza apresenta –em registro paródico-um indígena fazendo uma conferência em guarani, seguindo a
retórica do discurso de Philip Kotler, o gurú
do marketing. A situação trastorna a lógica da
mensagem e coloca em evidência a fricção de
mundos distintos.
Jacqueline Lacasa aborda a Guerra do Paraguai (1864-1870) remitendo à célebre pintura
do uruguaio Juan Manuel Blanes intitulada
“La paraguaya”. A mulher anonima que sofre a
guerra ,o faz fora de qualquer enquadramento
nacional ou ideológico: é o seu um puro pesar
sem data nem referência.
64
38
Haciendo Mercado 2007
Vídeo, cor, som, 3’19”
Foto: Cristian N˙Òez
La uruguaya
Instalação 6 fotografias
147x100 cm e vídeo
65
john bock
1965 Gribbohm, Alemanha
Vive em Berlim, Alemanha
1941 Buenos Aires, Argentina
Vive e trabalha em Nova Iorque, EUA
39
O artista alemão John Bock faz performances,
instalações e vídeos, combinando teatro, escultura - geralmente absurdas - e técnicas cinematográficas. Sua obra expressa um universo surreal,
perturbador, por vezes violento, que contém
máquinas fantasmagóricas construídas de
resíduos e objetos encontrados, juntamente com
personagens ilustrados que andam neste mundo
fundamentalmente caótico.
A ele tem sido atribuído o epíteto de “filósofo do
caos”, e tem sido reconhecido como um dos críticos da modernidade a partir do domínio da arte.
liliana porter
40
Palms 2007
Vídeo, cor, som, 59’14”
Fotografia Jan Windszus
Cortesia Klosterfelde, Berlin;
Anton Kern, New York
Liliana Porter tinge de
suspeitas o gesto mais
inocente: suas histórias
de pequenas figuras,
encantadoras, deixam
entrever o brilho esquivo
de seus própios fios:
a proximidade do lado
paralelo, escuro, que
encobre com seus sinais
a calma da cena iluminada. Por un momento las
formas delicadas ou demasiado banais revelam
sua condição de puro
semblante, o momento
sinistro que espreita o
mais próximo.
Matinee / Matiné 2009
Vídeo digital, 20’45”
Cortesia da artista
e Galeria Ruth Benzacar
66
67
luis molina-pantin
1969 Genebra, Suíça
Vive e trabalha em Caracas, Venezuela
1964 Inglewood, Nova Zelândia
Vive e trabalha em Berlim, Alemanha
41
michael stevenson
42
Introducción a la teoria de la probabilidad
Vídeo, cor, som
Luis Molina-Pantin exagera, até o desequilíbrio,
as imagens da sociedade de consumo. Estas
imagens desmedidas –por seu conteúdo- correspondem a fotografias de objetos reais;
específicamente, os casos da chamada “narcoarquitetura”: as mansões dos novos narcotraficantes ou mafiosos colombianos durante os
anos 80 e 90.
68
Jaime Duque park 1
2004-2005
C-print 100x120cm
Cortesia do artista; Sala
Mendoza, Caracas; e Galeria
Federico Luger, Milão
In Introduccion a la Teoria de la Probabilidad (2008) Stevenson reassembles a series of historical events occurring in 1979 in Panama. Disappeared from historical memory and sight, they concern the agreement
between General Omar Torrijos Herrera (Panama’s then military leader)
and U.S. President Jimmy Carter to initiate the hand back of the Canal
Zone to Panama. Torrijos’ tactile diplomacy with the U.S. to renounce
foreign ownership and administration of the Zone imposed in 1903 was
tailored to complete the successful signing and subsequent ratification of
a new treaty. The dream of an independent, prosperous, social democratic Latin America is recounted through the personal narrative of Jose de
Jesus Martinez (a.k.a. Chuchu), Torrijos’ close aid and bodyguard. Chuchu was also a poet, a mathematician and a Marxist philosopher; he published on a wide variety of subjects including a text on probability (from
which the film’s title is taken). Chuchu also published an account of his
time with Torrijos; this text, amongst other things, details the General’s
manoeuvre to ensure a central roll for Panama at the negotiating table by
granting asylum to the deposed Shah of Iran (one of the world’s richest
men). Torrijos considered this move intrinsic to the successful ratification
of the new Canal Treaties and so, amidst the Iran Hostage Crisis and
the collapse of the Carter administration the former Iranian royal family
were, for 3 months, hosted on the small Panamanian island of Contadora. The film uses Chuchu’s introduction to probability in an attempt
to explain the improbable series of events that unfold on the island; for
Torrijos at least, fate seems the more compelling guide.
69
mónica millán
1960 San Ignacio, Argentina
Vive e trabalha em Buenos Aires, Argentina
1954 Rio de Janeiro, Brasil
Vive e trabalha no Rio de Janeiro, Brasil
43
nelson félix
44
A propuesta de Mónica Millán –suas séries
dos jardines e dos
rios- trabalha a beleza desaforada (seu
muito ou seu resto), e
a reenvía à uma zona
de intempeérie: seus
jardins suntuosos,
excesivos, terminan
remetendo à pura
linha do desenho, à
textura de encaixes
demasiado sutils ou o
puro silêncio que puxa
o rio.
Desenvolve suas obras partindo de coordenadas geográficas. Associa paisagens radicalmente distintas como no deserto do Chile faz
um registro fotográfico com a velocidade do seu
pulso, a fotos estouram e praticamente não há
documentação.
Vazio Coração
Picnic a orillas del río
Paraná 2007
Instalação, medidas variáveis
70
71
ricarda roggan
1972 em Dresden, Alemanha
Vive e trabalha em Leipzig, Alemanha
1965 Willemstad, Curaçao
Vive e trabalha em Willemstad, Curaçao
tirzo martha
45
Ricarda Roggan reencena o mobiliário na Alemanha Oriental. Ela retira cadeiras, mesas, armários
e outros objetos encontrados em edifícios públicos
abandonados da Alemanha Oriental e reinstala-os
em seu estúdio para fotografar. Suas obras são
naturezas mortas contemporâneas de um mundo
que desapareceu após a queda do muro em 1989
e o colapso do socialismo, mostrando também as
ruínas, fragmentos e as mudanças da modernidade. Ela estudou fotografia em Leipzig, na Alemanha, e é considerada um dos jovens e proeminentes membros da escola de fotografia de Leipzig.
46
2 Cadeiras, Mesa e Cama
2001 C-Print 100x125cm
Cortesia da Galerie EIGEN
+ ART, Berlim/Leipzig
Trabalha há muitos
anos com crianças
problemáticas e
habitantes de asilos de
idosos. Religião, política e antropologia se incluem nessas pesquisas, movimentando-se
em uma faixa limítrofe
entre a ficção e a realidade. Na performance
“Afro Victimized”, o
protagonista está
sentado imóvel em
uma jaula, contornado
de imagens da cultura
crioula, criticando a
discriminação racial
em sua pátria no Caribe. A situação grave é
obviamente revertida
de modo irônico, pois
ao fundo podemos
ouvir um cacarejar
irritante de galinhas.
Spirit of the Caribe 2005
Instalação 300x400cm
Produzido por Infinite Island,
Brooklyn Museum, Nova Iorque, EUA
72
73
casa andrade muricy
INAUGURADA EM 26 DE JUNHO DE 1998,
A CASA REALIZA MOSTRAS DE ARTES
VISUAIS CONTEMPORÂNEAS, NACIONAIS
E INTERNACIONAIS, E TAMBÉM EXPOSIÇÕES DE RELEVÂNCIA HISTÓRICA. É UM
ESPAÇO EXCLUSIVO PARA EXPOSIÇÕES E
NÃO POSSUI ACERVO DE OBRAS DE ARTE.
Al. Dr. Muricy, 915, Centro
www.cam.cultura.pr.gov.br
(41) 3321 4786
10h às 19h (3ª a 6ª feira)
e 10h às 16h (sábado e domingo)
Gratuito?
Estação Tubo Visconde de Nacar
74
75
casa andrade muricy
47. André Rigatti
48. Cristina Canale
49. Christian Bendayán
50. Christian Jankowski
51. Duncan Wylie
52. Eduardo Berliner
53. Farah Atassi
54. Felipe Scandelari
55. Fernando Burjato
56. Guillaume Bresson
57. Lívia Piantavini
58. Manoel Novello
59. Maria Lynch
60. Marina Rheingantz
61. Raul Cruz
62. Stefan Constantinescu
63. Yang Xinguang
26
ACESSO
TÉRREO
PRIMEIRO PISO
FALTA INSERIR NUMERAÇÃO NA PLANTA
76
77
andré rigatti
1982 Xanxerê, Brasil
Vive e trabalha em Curitiba, Brasil
1961, Rio de Janeiro, Brasil | Vive e trabalha
em Berlin, Alemanha e Rio de Janeiro, Brasil
cristina canale
47
48
Os elementos figurativos da composição estão
sempre à beira de uma iminente dissolução na
abstração. As histórias contadas por essas pinturas
não estão necessariamente comprometidas com a
realidade, poderiam derreter-se a qualquer momento, dissolver-se em algo irreconhecível. A artista,
egressa da conhecida Geração 80, constrói atmosferas cênicas, nas quais a potência pictórica abre frestas para o imaginário subjetivo de cada espectador.
Pensa a pintura em suas diversas passagens,
o que inclui sua continuidade em relação ao
espaço para fora dela. O papel pintado com
tinta a óleo sustenta demarcações tênues de
linhas e rebaixo de áreas próximas às bordas.
Em seu formato horizontal, numa distante
referência à paisagem, a pintura é um campo
frontal expansivo que objetiva a superfície e
suas espessuras.
78
Esfinge 2010
175x200cm
Coleção particular
Sem título 2011
Óleo sobre papel
50x70cm
79
christian bendayán
1973 Iquitos, Peru
Vive e trabalha em Lima, Peru
1968, Göttingen, Alemanha
Vive e trabalha em Berlin, Alemanha
christian jankowski
49
Chsristian Bendayán trabalha a crise do
cânone hegemonico de beleza, o colapso das
boas maneiras da pintura ilustrada. Mistura
registros da cultura popular, mídia e erudição,
e leva até o final a vulgaridade aa estética de
rua latinoamericana, peruana em seu caso,
para recuperar o potencial poético de outros
gostos e sensibilidades e reivindicar os valores
da pintura, além da camisa de força das regras
acadêmicas.
80
50
Orilla 2007)
Óleo sobre lona 170x220cm
Coleção particular
Cortesia do artista
When I was a Cuisillo es un video-clip
realizado por el artista
alemán Christian
Jankowski para una
banda mexicana
popular de cumbias
y baladas, llamada
Cuisillos, durante su
estadía en México
en el año 2009. En
este video Jankowksi
invita a los músicos a
invertir los roles entre
músico y artista, para
experimentar un arte
del video-clip a modo
de un laboratorio y
fábrica de pintura. Así,
mientras Jankowski
se vestía de indio
Apache, como suelen
vestirse los músicos
en honor a los ancestros de su tierra Cuisillos, el trompetista
When I was a Cuisillo 2009
Vídeo, cor, som, 2’57”
81
duncan wylie
1975 Harare, Zimbabwe
Vive e trabalha em Saint-Ouen, França
1978 Rio de Janeiro, Brasil
Vive e trabalha no Rio de Janeiro, Brasil
51
eduardo berliner
52
O tema das ruínas é o que predomina nas
pinturas deste arista. O choque da antiga
beleza com a cidade que está em escombros
é inspiração para este trabalho. Os parques
nacionais, o sistema de saúde, a sociedade, a
expectativa de vida das mulheres que hoje está
entre 34 a 35 anos, tudo isso é traduzido na
expressão da obra.
Persiana 2011
Óleo sobre tela 200x180cm
Coleção Ana Carmen Longobardi, São Paulo, Brasil
Suas obras mostram cenários inabitados, se
utiliza de recortes de imagens cotidianas processadas ao longo do tempo. Assim, a memória
vem a reboque da fatura de sua pintura, em
telas de grande formato, na escala apropriada
para essa ocupação.
Untitled 2009-2010
Óleo sobre tela 150x150cm
Coleção Philippe Piguet, França
Cortesia do artista
82
83
farah atassi
1981 Bruxelas, Bélgica
Vive e trabalha em Paris, França
1981 Curitiba, Brasil
Vive e trabalha em Curitiba, Brasil
53
felipe scandelari
54
Sua pintura tende a
concentrar o olhar
do espectador dentro
das quatro linhas,
uma imagem que nos
remete à fotografia.
Para existir, a ação
poética depende da
ativação não de si
mesma, mas sim dos
lugares e das condições onde ela eventualmente se enuncia e
se mostra.
A pintora Farah Atassi exibe interiores sinistros
que não parecem habitados, como se o último
locatário tivesse abandonado o espaço às pressas deixando para trás somente alguns poucos
pertences singelos: uma cadeira de rodas tombada, um carrinho de mão que parece indevido
na cozinha, documentos largados sem cuidado.
Provavelmente ninguém retornará tão cedo a
esses espaços fantasmagóricos.
84
Communal Kitchen 2011
Óleo sobre tela 160x200cm
Cortesia da artista e Galerie
Xippas, Paris
Sem título 2007
Óleo sobre tela 50x70cm
85
fernando burjato
1972 Ponta Grossa, Brasil
Vive e trabalha em São Paulo, Brasil
1982 Toulouse, França
Vive e trabalha em Paris, França
guillaume bresson
55
56
A anonimidade da metrópole e todos os perigos
nela existentes são um dos temas prediletos do
pintor francês que parece estar sempre em locais, nos quais está para acontecer um acidente: uma briga em um estacionamento ou um
assalto em uma rua escura. O estilo de pintura
fotorrealista reforça ainda mais a impressão do
cenário deprimente.
Constrói um pensamento sobre pintura em
uma prática que se estende como um fazer
reflexivo em que os elementos da própria
linguagem fundamentam um diálogo silencioso
com a tradição. O suporte, de estrutura rígida e
regular, é destacado de modo tênue em contato
com a plasticidade da tinta, que ao ser estendida para além dos limites do quadro, ganha
contornos precários.Traz alguma semelhança
com imagens de outras mídias, como uma
alusão opaca à idéia de ausência de conteúdo,
reiterando de algum modo no contexto contemporâneo a noção de arte concreta.
86
Untitled 2010
Óleo sobre tela 90x160cm
Cortesia Galeria Nathalie
Obadia, Paris/Bruxelles
Sem título 2010
Óleo, esmalte e acrílica
sobre tela 85x85cm
87
lívia piantavini
1979 Curitiba, Brasil
Vive e trabalha em Curitiba, Brasil
1969 Rio de Janeiro, Brasil
Vive e trabalha no Rio de Janeiro, Brasil
57
manoel novello
58
Recorre à pulsação do espaço urbano das
grandes cidades. A malha da urbe é o território
potencial de suas pinturas; espaço, forma e cor
no seu trabalho exploram alguns itens que por
vivencia estão introjetados em cada sujeito urbano: a arquitetura e sua geometria, o espaço
em sua dinâmica e a velocidade em seu tempo.
Uma tensão horizontal pode ser identificada na
sua obra, em função de um preenchimento do
espaço com pinceladas repetitivas, de mesma
direção, delimitando áreas que são interrompidas de um modo quase mecânico por outras,
produzidas por máscaras.
88
Sem título 2008
Óleo e acrílica sobre tela
130x140cm
Cortesia Galeria Casa
da Imagem
Paisagem da ilha 2010
Tinta acrílica sobre tela 62x118cm
Fotografia: Thales Leite
89
maria lynch
1981 Rio de Janeiro, Brasil
Vive e trabalha no Rio de Janeiro, Brasil
1983 Araraquara, Brasil
Vive e trabalha em São Paulo, Brasil
59
Reflete a cerca de uma fantasia revisitada,
figuras que vivem no limite da abstração que
se diluem e se amalgamam na imagem e seus
significados junto as camadas de tinta. Cria
uma analogia de um mundo composto de muitos mundos, onde aberturas, multiplicidades e
diferenças são instauradas.
60
O que era doce 2011
Óleo sobre tela 200x200cm
Pantano 2011
Óleo sobre tela 210x330cm
Foto: Eduardo Ortega
90
marina rheingantz
Reflete a cerca de uma fantasia revisitada,
figuras que vivem no limite da abstração que
se diluem e se amalgamam na imagem e seus
significados junto as camadas de tinta. Cria
uma analogia de um mundo composto de muitos mundos, onde aberturas, multiplicidades e
diferenças são instauradas.
91
raul cruz
1957 Curitiba, Brasil
Falecido em 1993 em Curitiba, Brasil
1968 Bucareste, Romênia
Vive e trabalha em Estocolmo, Suécia
e Bucareste,Romênia
stefan constantinescu
61
A obra do artista se desenvolveu nos anos 1980
e início dos 1990. Dedicou-se à pintura, desenho e gravura e também à produção teatral
como figurinista, cenógrafo, autor e diretor.
Sua figuração é de natureza sintética, concisa
e perturbadora, constituída por uma poética
pessoal e simbólica.
62
O pintor romeno que vive na Suécia lança um
olhar irônico no mundo do realismo socialista,
que havia dominado a arte nos países do leste
europeu, até o desmoronamento da União Soviética. Cenas harmoniosas e positivas de colégios
ou fábricas devem exibir um mundo perfeito,
mas que já não consegue mais dissimular o que
está predestinado à derrota.
Serie An Infinite Blue 2009-2010 Pintura
92
93
yang xinguang
1980 Hunan, China
Vive e trabalha em Pequim, China
63
Em junho de 1908 um meteorito atingiu Tunguska na região da Taiga siberiana ,desencadeando a mais poderosa explosão da história,
devastando todas as florestas em um raio de
mais de 100 quilômetros. A instalação de Yang
Xinguang composta de frágeis palitos semelhantes a fósforos, simboliza a impiedosa destruição da natureza e da civilização que pode
acometer a qualquer momento a humanidade.
Treetop 2009
Instalação Galhos de árvores
Cortesia Boers Li Gallery,
Pequim
ANÚNCIO
94
95
museu alfredo andersen
AS DIFERENTES ATIVIDADES DO MUSEU
ALFREDO ANDERSEN SÃO DESENVOLVIDAS NUM GRUPO DE QUATRO EDIFICAÇÕES LOCALIZADAS NO BAIRRO DE SÃO
FRANCISCO, ENTRE OS CENTROS HISTÓRICO E POLÍTICO DE CURITIBA.
Rua Mateus Leme, 336, Centro
www.maa.pr.gov.br
(41) 3222-8262
9h às 18h30 (3ª a 6ª feira)
e 10h às 16h (sábado e domingo)
Gratuito
Estação Tubo Passeio Público
96
97
1860 Christianssand, Noruega
Faleceu em 1935 em Curitiba, Brasil
museu alfredo andersen
alfredo andersen
64
64. Alfredo Andersen
65. Zhang Enli
64
65
64
65
64
65
Este pintor norueguês é uma das personalidades mais significativas para se compreender a
sociedade e cultura que existiram no Paraná.
Artista de refinamento estético e pictórico usava uma paleta de cores ora suave ora vibrante
que revela sentimentos nas cenas do cotidiano,
paisagens e cenas lúdicas.
Entrada Barra do Sul 1930
ACESSO
98
99
zhang enli
1965 Jilin, China
Vive em Xangai, China
65
O artista chinês
Zhang Enli abandona
o espaço seguro do
quadro situando a sua
pintura em ambientes, realizando assim
uma instalação. Nas
paredes da memorável Casa Andersen
ele desenhou parcialmente o contorno de
seu próprio atelier,
que contrasta com o
ambiente burguês do
pintor norueguês.
ANÚNCIO
Circulez! Il níy a rien ‡ voir
2010 Pintura instalação
Cortesia Galeria ShanghART
e Galeria Hauser and Wirth
100
101
musa
TEXTO?
Rua?
102
103
musa
PLANTA MUSA
104
105
joaquín sánchez
1975 Barrero, Paraguai
Vive e trabalha em La Paz, Bolívia
1978 Assunção, Paraguai
Vive e trabalha em Assunção, Paraguai
66
marcelo medina
67
Linea de Agua 2011
Vídeoinstalação com 4 projeÁıes, cor, 5’35”
O vídeo de Joaquín
Sánchez mostra
submarino(¿) boliviano que submerge
na Bahia da Rada,
Iquique, no lugar do
combate naval que
fizeram as armadas
do Chile e de Bolívia
em 1879.Tenta cruzar
a linha de fronteira
e conflito, enquanto
nove imigrantes da
mesma nacionalidade
formam a frase “No
sé nadar” com letras
congeladas feitas com
agua do mar.
Em Theatrum Mundi, uma série de
pinturas,escritos de Marcelo Medina, certa
desconcertante frescura, eo humor negro e o
enfoque cínico se vinculam com a retórica de
histórias infantis, a economia visual da televisão e la acidez da literatura maldita.
106
No quiere verlo ni recordar
2010 Acrílico sobre tela
20x25cm
Cortesia do artista
107
intervenções urbanas e performances
OS
NDARÉ
Z
LU
DA
S.
R. PROF. BR
ANDÃO
OA
OD
DIN
BAL
R. ALMIRA
R. U
ET
A
N
R
PE
O
AN
IL
I
A
EM
M
S
N
PA
CA
.E
.
VD
R
AL
SOUZA NAVE
O
.C
VD
LO
O
D
RA
Ê
ER
ITIB
O
DR
DA
EN
S
ÃE
AR
HO
M
UI
R
R. B
IO
ÍL
AS
OM
.C
AV
ÇU
UA
IG
AV.
AV. SENADO
R
66
ES
O
RÃ
EG
DIM
AR
J
LVA
SI
AV.
N
ÃO
S
AV.
RO
MB
ETE
ES
D
ETE
DEODORO
JO
G
RIN
U
TO
R
O
IT
HE
FALTA INSERIR NUMERAÇÃO NO MAPA
D
R.
RIO
R
DO
AV.
EL
BAT
DE
ON
SC
VI
AV.
VA
UA
AP
AR
U
EG
S
O
RR
A
EB
D
R
OR
OT
IAN AGI
AR
IB
R. T
R. P
R. D
A
OS
R
ED
RÉ
ND
R. A
L
HA
EC
AR
DE
R. MARECHAL
MAR
AL
EC
O
B
M
R.
RO
O
OD
R. M
BR
CA
CO
MÁ
O
AJ
EM
NT
CE
VI
AV.
H
VAL
AR
AD
H
AC
AL.
AN
FR
IRO
DE
IGA
BR
TA
R.
OT
S. M
DE
R.
HA
N.
M
KI
O
PAI
OC
GE
AL
R
RO
EM
OV
EN
D
. XV
O
SD
LO
R
. CA
. DR
RS
AM
OR
R.
R.
DU
S
LO
M
R.
O
GE
O
S
ON
AF
ÂN
C
CIS
AN
TIM
AR
LF.
PA
HO
TIN
OS
AG
FR
R.
E
DR
R. A
R.
GE
RÔ
NI
M
NTE TAMA
AV
.J
R. CÂ
OÃ
O
GU
AL
NDID
O DE
BE
RT
O
ABRE
U
R. MATEUS LEME
R. NILO PE
AS
IB
ÇANHA
BARR
HA
RT
M
AN
N
66
R.
IO DE
AV
.N
P. MÁ
R
OS
RI
NÁ
IO
NC
FU
66
R. DE
AV. MA
NOE
LR
R. CÂNDIDO
AV
.P
AR
AN
Á
S
DO
R.
66. Adonis Flores
67. Cristian Segura
68. Fernando Rosenbaum
69. Gutierrez/Portefaix
70. Olaf Nicolai
71. Ricardo Lanzarini
72. Rimon Guimarães
73. Tatzu Rors
CO
UBA
IROT
AN
FR
108
109
adonis flores
1971 Sancti Spiritus, Cuba
Vive e trabalha em Havana, Cuba
1980 Curitiba, Brasil
Vive e trabalha em Curitiba, Brasil
66
c. l. salvaro
67
Com uma forte dose de ironia Adonis Flores
– que conheceu de perto a guerra quando foi
soldado em Angola – usa o uniforme militar de
camuflagem para marcar não só a violencia em
grande escala, com tambem aquela que subace
a toda experiencia humana, inclusive o humor,
o amor e a gloria.
La Ronda | Performance do artista
15/9/2011, quinta-feira, 11h
Mercado Público Municipal
Av. Sete de Setembro, 1865
(41) 3363-3764 | Gratuito
Propõe o bloqueio de um dos corredores do
museu, possibilitando em seguida um ataque
de “soldados” armado de estilingues. Protegida por placas de vidro cobertas com películas
transparentes, a parede falsa é bombardeada
por mil esferas de aço. A ação é filmada e seu
resultado permanece exposto no espaço museológico. Nos vemos obrigados tanto a refletir
sobre a passividade contemplativa, que ali
comporta um risco calculado mas real, quanto
a repensar o papel do museu como aparelho
privilegiado da experiência estética.
Estrellado 2009 C-print 120x80cm
110
Incubaciôn 2009 C-print 120x80cm
Locais: ?
111
cristian segura
1976 Tandil, Argentina
Vive e trabalha em Tandil, Argentina
1978 São Paulo, Brasil
Vive e trabalha em Curitiba, Brasil
fernando rosenbaum
68
69
Baiúca 2011
Instalação Solar do Barão
Dimensıes variáveis
Cristian Segura exibe uma série de intervenções em diversos espaços públicos de Curitiba
,gerando um circuito narrativo que se completa
com uma seleção de vídeos apresentados em
veículos de transporte coletivo que fazem o
trajeto Curitiba-Porto Alegre com o título “Entre
bienales”.
Locais: Jardim Botânico, Ópera de Arame
e Praça Tiradentes
112
Fire in the museum 2010
Instalação específica
250m≤ de vinil de recorte
Baiuca proporciona uma experiência sensorial
de abrigo ou casa, instalada junto a situações
urbanas diversas. A obra convida as pessoas a
entrarem, criando seus usos, o que favorece um
aspecto de intimidade, de relações e de trocas
numa circunstância que é pública e problematizada. Externamente, a obra se impulsiona nos
planos e limites dos edifícios, calçadas, parques,
praças, gramados e tende a abrigar o sujeito para
o exercício de possibilidades de um corpo coletivo.
Baiúca | Performance do artista
18/9/2011, domingo, 12h
Casa Hoffmann
Rua Claudino dos Santos, 58,
Largo da Ordemn | Gratuito
Locais: Museu Oscar Niemeyer, Casa
Hoffmann, UTFPR, Parque Barigui, Parque
São Lourenço, Terminal Campina do Siqueira,
Praça Garibaldi, Espaço David Carneiro,
Passeio Público, Praça Santos Andrade, Praça
Carlos Gomes, Praça Generoso Marques,
Estação Tubo Prefeitura, Praça da Espanha
113
gutierrez/portefaix
70
1966 Casablanca, França
Vive e trabalha em Hong Kong
1969 Saint-Etienne, França
Vive e trabalha em Hong Kong
1963 Montevidéu, Uruguai
Vive e trabalha em Montevidéu, Uruguai
ricardo lanzarini
71
City of Production 2008
Filme, cor, som, 54’
Cortesia dos artistas
“City of Production” é
um filme que retrata
a fábrica Sung Hing –
uma, entre milhares
de fábricas – no Pearl
River Delta, na China.
Laurent Gutierrez e Valéry Portefaix são uma
dupla de artistas/arquitetos que mora em
Hong Kong desde 1996.
Também são conhecidos como MAP OFFICE,
uma plataforma multidisciplinar. Trabalham
em territórios físicos
e imaginários usando
variados meios de
expressão como desenho, fotografia, vídeo,
instalação, performance, além de textos
literários e teóricos.
O projeto é uma crítica
de anomalias espaçotemporais e apresenta
como os seres humanos subvertem e usam
o espaço.
Ricardo Lanzarini desenha nas paredes reconstruindo as estratégias da imaginária publicitária e de mídia, mas o faz forçando-as a uma
radicalidade que elas não podem alcançar sem
comprometer a missão de mercadoria.
CÛmo llegar a las masas?
2010 Desenhos sobre parede
dimensõess variáveis
Local: Galeria Júlio Moreira
Local: Bosque do Papa
114
115
rimon guimarães
1988 Curitiba, Brasil
Vive e trabalha em Curitiba, Brasil
1960 Nagoya, Japão
Vive e trabalha em Berlim, Alemanha
tatzu rors
72
73
Tatzu Rors es un alias del artista Tatzu Nishi,
quien ha desplegado varios seudónimos como
parte de su obra. Desde fines de los 90´s el
artista ha trabajado con grandes intervenciones en el espacio público, transformando
monumentos, alumbrado público y edificios
en nuevos espacios, y alterando su percepción
habitual. Para la Bienal de Curitiba el público
podrá advertir nuevas intervenciones públicas
del artista en la ciudad de Curitiba.
Local: Rua XV de Novembro
A própria vitalidade estética da metrópole se impõe. Nos espaços da cidade, a escala é uma forma
de ideologia. Em meio à estridência do centro
de Curitiba, um imenso rei negro desponta da
fachada cega de um prédio. Do primitivo ao pop,
da identidade afro ao universo pulsante do grafite,
a imagem de Rimon se abre ao entorno movediço,
encarando, como um deus da urbe, o passo curioso e assombrado dos transeuntes de ocasião.
H_roe 2010 Guatemala
Buenos Aires
Intervenção pública 2011
Buenos Aires
Local: Casa Hoffmann
116
117
intervenções urbanas e performances | locais
BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁ
É uma das maiores bibliotecas
públicas do Brasil. O acervo reúne
cerca de 400 mil livros, além de
periódicos, fotografias, mapas,
cartazes e materiais de multimeios
e multimídia. O prédio foi tombado
como Patrimônio Cultural em 18
de dezembro de 2003, dentro da
programação alusiva ao sesquicentenário da emancipação política do
Paraná. Os acréscimos culturais
e tecnológicos ao longo dos anos
fazem da Biblioteca Pública do
Paraná uma das maiores unidades
públicas de conhecimento do país.
Os serviços oferecidos se baseiam
na igualdade de acesso a todos.
Rua Cândido Lopes, 133, Centro
www.bpp.pr.gov.br
8h30 às 18h30 (2ª a 6ª feira)
e 8h30 às 13h (sábado)
Praça Tiradentes, Circular Centro
118
BOSQUE DO PAPA
Memorial da imigração polonesa,
inaugurado em 13 de dezembro
de 1980, quando a cidade foi
visitada pelo Papa João Paulo II.
Sua área, de 46.337 m², fez parte
da desapropriação que envolveu
a antiga fábrica de velas Estearina. As sete casas de troncos que
compõem o memorial são lembrança dos imigrantes poloneses,
com objetos como a Virgem Negra
de Czestochowa.
Rua Wellington Oliveira Vianna, s/n°,
Centro Cívico
Convencional Abranches, Mateus
Leme, Jardim Chaparral, TaboãoÁgua Verde ou Vila Suíça (Praça
Tiradentes). Descer na Rua Mateus
Leme, próximo ao Portal Polonês.
CASA HOFFMANN
Construída em 1890, é símbolo da
prosperidade de uma família de
tecelões austríacos que se mudou
para o Brasil no final do século
XIX. O imóvel também constitui
marco arquitetônico da transformação urbana da cidade. Habitada
até 1974, a casa foi alugada e
sofreu diversas adaptações, até
ser destruída por um incêndio, em
1996. Apenas as paredes externas
e a fachada foram mantidas. Foi
totalmente restaurado e desde 23
de março de 2003 abriga o Centro
de Estudos do Movimento.
ESPAÇO DAVID CARNEIRO
Rua Claudino dos Santos, 58, Centro
Praça Tiradentes, Circular Centro
119
intervenções urbanas e performances | locais
ESTAÇÃO TUBO PREFEITURA
GALERIA JÚLIO MOREIRA
Ela passa bem ao lado da Catedral
Metropolitana, por baixo da Rua
Nestor de Castro, e dá acesso ao
Largo da Ordem. Ali funcionavam
algumas lojas, além do Teatro
Universitário de Curitiba (TUC),
que também passou por uma
revitalização.
Travessa Nestor de Castro, s/n°
Praça Tiradentes
JARDIM BOTÂNICO
Marca registrada de Curitiba, foi
inaugurada em 1991. É um dos
pontos mais visitados de Curitiba
criado à imagem dos jardins franceses, estende seu tapete de flores
aos visitantes logo na entrada.
A estufa, em estrutura metálica,
abriga espécies botânicas que são
referência nacional, além de uma
fonte d?água. A mata nativa está
ponteada de trilhas para percursos
a pé.
Rua Eng°. Ostoja Roguski, s/n°,
Jardim Botânico
(41) 3264-6994
6h às 20h
Expressos Centenário/Campo
Comprido e Centenário/Rui Barbosa.
Descer ao lado do Botânico.
Linha Cabral/Portão. Linha Alcides
Munhoz (ponto Al. Dr. Muricy).
120
MERCADO MUNCIPAL
Fundado em 2 de agosto de 1958,
até hoje o Mercado Municipal é o
principal e mais tradicional endereço para compras de Curitiba.
Nas bancas de hortigranjeiros
e nas lojas de delicatessens, o
consumidor encontra produtos
como: bebidas, queijos e vinhos de diversas procedências,
ervas medicinais, temperos e
especiarias,iguarias, conservas,
pescados, embutidos, carnes exóticas e com cortes especiais.
Av. Sete de Setembro, 1865, Centro
mercadomunicipaldecuritiba.com.br
(41) 3264-6024
7h às 14h (2ª feira), 7h às 18h (3ª
feira a sábado) e 7h às 13h (domingo)
Circular Centro, biarticulado Campo
Comprido/Centenário, Inter-hospitais, Cristo Rei e a Linha Turismo.
121
intervenções urbanas e performances | locais
MUSEU OSCAR NIEMEYER
Localizado no Centro Cívico, é um
espaço expositivo de excelência e
referência no Brasil e no exterior.
Com 17.744,64 mil m² de área
expositiva potencial, está instalado
em uma área de 144 mil m². Niemeyer utiliza no prédio a tecnologia do concreto protendido, que
permite a criação de grandes vãos
livres entre as colunas e a construção de grandes balanços.
Rua Marechal Hermes, 999,
Centro Cívico
www.mon.org.br
(41) 3350-4400
10h às 18h (3ª feira a domingo)
R$4, R$2 (estudante) e gratuito
(crianças de até 12 anos, maiores de
60 anos e grupos de escolas públicas)
Estação Tubo Constantino Marochi
122
ÓPERA DE ARAME
Com estrutura tubular e teto
transparente, é um dos símbolos
emblemáticos de Curitiba. Inaugurada em 1992, acolhe todo tipo de
espetáculo, do popular ao clássico,
e tem capacidade para 1.572 espectadores. Entre lagos, vegetação
típica e cascatas, numa paisagem
singular.
Rua João Gava, s/n°, Abranches
(41) 3355-6071
8h às 22h (3ª feira a domingo)
Convencional Mateus Leme (Praça
Tiradentes) ou Interbairros II, descer
próximo à Pedreira. Convencional
Nilo Peçanha (atrás da Catedral)
descer Farol das Cidades.
PAÇO DA LIBERDADE
Inaugurado em 24 de fevereiro de
1916, era a sede da antiga Prefeitura de Curitiba,com detalhes
neoclássicos e desenhos art-nouveau, a construção é em alvenaria
de tijolos com base em blocos de
concreto e cantaria. Em 29 de março de 2009 a Prefeitura entregou
o Paço da Liberdade totalmente
revitalizado.
Praça Generoso Marques, s/n°, Centro
www.sescpr.com.br/eventos/pacodaliberdade
Praça Tiradentes
PARQUE BARIGUI
Na linguagem indígena significava
“Rio do Fruto Espinhoso”, hoje
possui 1,4 milhão de m² de área, é
um dos maiores e mais freqüentados parques da cidade. Dezenas de
animais nativos moram ali. Dentre
os equipamentos que o Parque
possui constam: churrasqueiras,
quiosques, pistas de bicicross e
aeromodelismo, canchas poliesportivas, equipamentos para
ginástica, estacionamento, restaurante, parque de diversões, Museu
do Automóvel, Parque de Exposições e Centro de Convenções,
Casa da Leitura, Teatro da Maria
Fumaça e a Sede da Secretaria
Municipal do Meio Ambiente.
BR 277 - Rodovia do Café, Km 0 I,
Santo Inácio
Convencional Bigorrilho ou Savóia
(Praça Tiradentes). Descer no Parque.
123
intervenções urbanas e performances | locais
PARQUE SÃO LOURENÇO
A enchente de 1970 deu lugar ao
mar de verde. Implantado em 1972,
o parque nasceu da necessidade
de reparar os estragos do estouro
da represa do São Lourenço. Uma
velha fábrica de cola e adubos
teve seu uso reciclado para Centro
de Criatividade de Curitiba, com
cursos, oficinas, apresentações
e exposições. Em maio de 1994 o
centro implantou o Liceu de Artes,
para preservar antigas técnicas e
treinar aprendizes, visando a sua
colocação no mercado de trabalho.
Rua Mateus Leme, s/n°, São Lourenço
Convencional Abranches, Vila Suíça,
Jardim Chaparral, Taboão-Água Verde ou Mateus Leme (Praça Tiradentes). Descer ao lado do Parque.
124
PASSEIO PÚBLICO
PRAÇA CARLOS GOMES
PRAÇA DA ESPANHA
Localizada no bairro do Bigorrilho,
a praça presta homenagem aos
imigrantes espanhóis que colonizaram a cidade. É um espaço para
exposições, restauração, avaliação
e comercialização de antigüidades,
incentivando o resgate de valores
históricos e artísticos.
Convencionais Bigorrilho, Capão
da Imbuia-Parque Barigui, DetranVicente Machado, Itupava-Hospital
Militar, Jardim Esplanada e Savóia,
Tuiuti-Barigui, Interbairros I e InterHospitais.
125
intervenções urbanas e performances | locais
PRAÇA GENEROSO MARQUES
PRAÇA SANTOS ANDRADE
Palácio da Luz, na definição do
historiador Alfredo Romário
Martins. Primeira Universidade
reconhecida do Brasil no verdadeiro sentido do termo: conjunto de
cursos de nível superior. Foi criada
em 1912, pelo empenho de ilustres
paranaenses como Victor Ferreira do Amaral, Nilo Cairo, Alfredo
Romário Martins e Dario Vellozo.
Nasceu na Rua Comendador Araújo, mas ainda na década de 10 veio
para o atual endereço, dominando
a Praça Santos Andrade.
Praça Santos Andrade s/nº, Centro
Circular Centro
126
PRAÇA TIRADENTES
Nesta região, em 29 de março de
1693, foi fundada Curitiba. Antigamente conhecida como Largo
da Matriz, a praça é o marco zero
da cidade. Em 1880, em função da
visita do Imperador Pedro II ao Paraná, o Largo passou a se chamar
D. Pedro II.
Praça Tiradentes
RODOFERROVIÁRIA
Inaugurada em 1972, incorpora a
Estação Rodoviária de Curitiba e
o terminal ferroviário. Operam 38
empresas de transporte coletivo
intermunicipal, interestadual e
internacional.
Av. Presidente Affonso Camargo,
330, Jardim Botânico
(41) 3320-3000
Biarticulado: Pinhais/Rui Barbosa Centenário/Campo Comprido - Cent.
/Rui Barbosa, Circular Centro, Linha
Turismo, Interhospitais, Ligeirinho
Aeroporto - Pinhais/Campo Comprido
- Fazenda Rio Grande, Interbairros
I, Estudantes, Guabirotuba, Erasto
Gaertner, Jardim Centauro, Jardim
Itiberê, Petrópolis, Solitude, Uberaba,
Executivo Aeroporto.
127
intervenções urbanas e performances | locais
RUA XV DE NOVEMBRO
Antigamente ela levava o nome
de Rua Imperatriz. A partir da
década de 80, virou calçadão para
pedestres. Ela atravessa o centro
da cidade e o Alto da XV. Ao longo
dos 3.300 metros de comprimento,
encontramos uma grande diversidade de imóveis comerciais e
residenciais.
TERMINAL CAMPINA DO SIQUEIRA
UTFPR
Praça Tiradentes
128
129
sessões de audiovisual
TEXTO?
Mostra de Filmes da Bienal de Curitiba
O que????
Data: 2 a 4 de novembro
Horário:
Local: Cinemateca de Curitiba
ônibus:
Entre Bienales. Videos de Eduardo Basualdo, Melina Berkenwald, ToiaBonino Eugenia
Calvo, Andrés Denegri, Estanislao Florido
Gabriela Golder, Andrea Nacach, Karina
Peisajovich, Silvia Rivas Cintia Clara Romero, Inés Szigety, Graciela Taquini y Alejandra
Urresti. Selección de Cristian Segura.
Data: 18 de setembro a 20 de novembro
Horário:
Local: Ônibus Curitiba-Porto Alegre-Curitiba
Data:
Horário:
Local: APAP
Ônibus:
130
131
fabio noronha
1970 Curitiba, Brasil
Vive e trabalha entre Curitiba,
Porto Alegre e Piraquara, Brasil
1976 Tandil, Argentina
Vive e trabalha em Tandil, Argentina
74
Investiga a sobreposição de linguagens, explorando as relações de análise e síntese, que
há tempos ancoram as nossas interpretações
sobre colagem, montagem e apropriação. Cruzando imagens e sons de fontes diversas, sua
obra é exibida numa sala de cinema e aborda o
“efeito cinema” na arte contemporânea.
Désir: ou o buraco é feito com faca
21 de setembro, 19h e 20h30
Cineplex Batel | Gratuito
cristian segura
75
Désir: ou o buraco é feito
com faca 2009/2010
Vídeo digital, cor, 47’30”,
som estéreo
Cristian Segura despliega una serie de intervenciones en diversos espacios públicos de
Curitiba (Plaza Tiradentes, Opera de Arame,
Jardín Botánico… ), generando un circuito
narrativo que se completa con una selección de
videos presentadosen vehículos de transporte
público que realizan el trayecto Curitiba-Porto
Alegre bajo el título “Entre bienales”.
Fire in the museum 2010
Instalação específica
250m≤ de vinil de recorte
Locais: Jardim Botânico, Ópera de Arame
e Praça Tiradentes
132
133
sessões de audiovisual | locais
APPAP
CARGO SHOP
CINEMATECA DE CURITIBA
CINEPLEX BATEL
Tem como atribuições a preservação da memória cinematográfica,
a pesquisa e documentação, a
formação e a difusão do cinema
de arte. Possui um rico acervo de
filmes (suportes em película, vídeo
e dvd), além de biblioteca especializada em cinema, banco de dados,
materiais e componentes cinematográficos, cartazes, equipamentos
antigos, câmeras e projetores
O Shopping Novo Batel, localizado
no bairro do Batel, é um empreendimento que além de oferecer
um variado mix de lojas, conta com
espaços dedicados ao lazer e à
cultura, como o Cineplex Batel e
os teatros Fernanda Montenegro,
João Luiz Fiani e Paulo Autran,
sendo o único shopping de Curitiba
a possuir espaço dedicados às
artes cênicas.
Rua Carlos Cavalcanti, 1174,
São Francisco
(41) 3321-3252
134
Rua Coronel Dulcídio, 517, Batel
www.shoppingnovobatel.com.br
(41) 3222-4484
10h às 22h (2ª a 6ª feira) e 14h às 22h
(sábado e domingo)
135
cursos, palestras e mesas redondas
136
COM CURADORIA DAS PROFESSORAS
DE ARTE DENISE BANDEIRA E SÔNIA
TRAMUJAS, DURANTE OS TRÊS MESES
QUE ANTECEDERAM O LANÇAMENTO DA
BIENAL, ESTUDANTES E LICENCIADOS
DOS CURSOS DE ARTE, LETRAS, HISTÓRIA,
DESIGN, ARQUITETURA E COMUNICAÇÃO,
PARTICIPARAM DO PROJETO EDUCATIVO DA 6ª BIENAL DE CURITIBA- “ALÉM
DA CRISE”. UM CICLO DE DEBATES EM
PARCERIA COM AS INSTITUIÇÕES CULTURAIS PARA DISCUTIR PROPOSTAS DE
MEDIAÇÃO; A “RODA DE CONVERSAS”
COM AS ESCOLAS DE ARTE E ENTIDADES
RESPONSÁVEIS POR RECEBER O CONJUNTO DAS OBRAS DESTA EDIÇÃO EXPLOROU IDEIAS E POSSIBILIDADES PARA
COMPARTILHAR E TROCAR EXPERIÊNCIAS
; AS “VISITAS GUIADAS” AOS ESPAÇOS
EXPOSITIVOS EXPLOROU AS PRÁTICAS
EDUCATIVAS DE CADA INSTITUIÇÃO E A
OFICINA CORPORAL “REDE DE CRIAÇÃO
E SENSIBILIZAÇÃO” FOI PROPOSTA COMO
UM INCENTIVO À PERCEPÇÃO CINESTÉSICA, ÀS MANIFESTAÇÕES CRIATIVAS E
PERFORMATIVAS. OS ENCONTROS “CURADORIAS E ARTISTAS” OPORTUNIZARAM
UM DEBATE SOBRE A CONCEPÇÃO E A
SELEÇÃO DA MOSTRA. AS PROPOSIÇÕES
DE MEDIAÇÃO FORAM SUGERIDAS E
MOBILIZADAS PELAS INVESTIGAÇÕES E
REFLEXÕES SOBRE OS PROCESSOS DE
CRIAÇÃO DOS ARTISTAS, DA REDE E DO
137
SISTEMA DE ARTE, DAS TROCAS SIMBÓLICAS PARA ALÉM DAS PRÁTICAS TRADICIO-
Rodas de Conversas
Educação e mediação em museus
06/07 das 19h às 22h
Solar do Barão
Ministrantes: Angela Medeiros (Fundação
Cultural de Curitiba), Cintia Ribeiro Veloso
da Silva (FAP) , Consuelo Schlichta (UFPR) e
Sonia Vasconcellos (Bienal – educativo)
Mediação, política e cidade
07/07 das 19h às 22h
Solar do Barão
Ministrantes: Elizabeth Prosser (EMBAP
– música e grafitismo), Marila Veloso (FAP –
dança e políticas públicas) e Manoel José de
Souza Neto
Espaço público e bienal
08/07 das 19h às 22h
Solar do Barão
Ministrantes: Paulo Reis (UFPR), Felipe
Pando e Denise Bandeira (Bienal – educativo)
Visitas guiadas: Experiência
educativa em museus
02/08 das 14h às 15h30
Casa Andrade Muricy
02/08 das 16h às 17h30
Museu Alfredo Andersen
03/08 das 14h às 15h30
Solar do Barão – FCC
03/08 das 16h às 17h30
Museu Oscar Niemeyer
Curadorias da 6° VentoSul
- Bienal de Curitiba
Reflexão sobre a curadoria da Bienal, seleção de artistas, montagem
das exposições e proposições
138
04/08 das 18h30 às 21h30
Bicicletaria Cultural
Rua Presidente Faria, 223
Ministrantes: Paz Guevara, Simone Landal,
Sonia Tramujas Vasconcellos
Artistas da 6° VentoSul
- Bienal de Curitiba
Reflexão sobre a curadoria da Bienal, seleção de artistas, montagem
das exposições e proposições, com
curadores da 6° VentoSul - Bienal
de Curitiba
05/08 das 19h às 22h
Bicicletaria Cultural
Rua Presidente Faria, 223
Artistas Ministrantes: Fernando Rosenbaum,
Felipe Scandelari, Lívia Piantavini, André Rigatti
Oficina de sensibilização corporal
e Técnica Alexander
Prática de criação corporal
e coletiva
04/08 das 14h às 17h
Shinji Dojo Aikidô
Rua 7 de abril, 830, 2º andar
Ministrantes: Laura Miranda, Lauro Borges e
Mônica Infante
Mediação cultural: Reflexão sobre
a curadoria educativa da bienal,
redes de percurso, proposição de
roteiros para a mediação
Anel de Kula sob o ponto de vista
da antropologia
13/08 das 8h30 às 12h30
e das 14h às 17h
Faculdade de Artes do Paraná
Rua dos Funcionários, 1357, Cabral
Palestra para professores
Abordagem curatorial e educativa
da arte contemporânea, explanação sobre circuito de arte e ação
educativa da 6ª VentoSul – Bienal
de Curitiba
16 e 17/08 das 8h às 12h30
e das 13h30 às 17h30
Ministrantes: Paz Guevara, Sonia Tramujas
Vaconcellos, Denise Bandeira, Simone
Landal
Conversa com artistas
germanófonos
Mesa redonda com os artistas
Adrian Lohmüller e Tatzu Rors
(Evento em alemão)
15/9 às 19h
Goethe Institut Curitiba
R. Reinaldino S. de Quadros, 33
(41) 3262-8244
Inscrições gratuitas pelo site
www.bienaldecuritiba.com.br
Conversa com artistas: arte
contemporânea chilena
Mesa redonda com os artistas chilenos Patrick Hamilton e Sebastián
Preece
14/9 às 14h
Departamento de Artes da UFPR
R. Coronel Dulcídio, 638, Batel
(41) 3222-6856
Inscrições gratuitas pelo site
www.bienaldecuritiba.com.br
Mediador: Alberto Saraiva, curador Brasil
Conversa com artistas
hispanófonos
Mesa redonda com os artistas Alejandro Almanza Pereda (México) e
Josep Maria Martín (Espanha)
15/9 às 14h
Instituto Cervantes
R. Ubaldino do Amaral, 927,
Alto da XV | (41) 3362 7320
Inscrições gratuitas pelo site
www.bienaldecuritiba.com.br
Mesa redonda: Além da Crise
Mesa redonda de abertura da Bienal, com a participação da equipe
de curadores
16/9 às 17h
Auditório Poty Lazzarotto – Museu
Oscar Niemeyer
R. Marechal Hermes, 999, Centro
Cívico | (41) 3350-4400
Inscrições gratuitas pelo site
www.bienaldecuritiba.com.br
Conversa com artistas:
Pintura contemporânea
Mesa redonda com pintores
contemporâneos participantes
da Bienal
16/9 às 14h
Auditório da EMBAP
R. Francisco Torres, 257
Inscrições gratuitas pelo site
www.bienaldecuritiba.com.br
Ministrantes: Luciano Buchmann, Mauren
Teuber e Lorena Avellar
139
eventos paralelos
140
141

Documentos relacionados

Lista de artista por espaço expositivo, interferência urbana ou

Lista de artista por espaço expositivo, interferência urbana ou Coletivo formado em 2004 em Milão, Itália | Vivem e trabalham em Nova Iorque, Milão e Berlim Antti Laitinen 1975 Helsinki, Finlândia | Vive e trabalha em Somerniemi, Finlândia Boris Mikhailov 1938 ...

Leia mais