Sem título - Faculdade Santa Marcelina

Сomentários

Transcrição

Sem título - Faculdade Santa Marcelina
Publicação do Curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina / Ano 15 – Nº 41 / 1º Semestre 2015
Relatório: O movimento feminista egípcio27
Isabella Nisimoto Sorio28
Inter-Relações / Ano 15 - Nº 41 / 1º semestre 2015 / p. 67-73
Pode-se dizer que o movimento feminista tradicional, antes de fazer parte do debate
contemporâneo de Relações Internacionais, passou por algumas fases e gerações, as quais
discutiram temas como a luta por uma inclusão social e cidadã mais efetiva, a conquista do sufrágio
universal e a participação das mulheres no espaço político. Embora diversos desses movimentos
estejam ligados a sociedades ocidentais, isso não significa que essa temática esteve fora das agendas
dos movimentos feministas em outros lugares do mundo (NOGUEIRA; MESSARI, 2005).
Como se sabe, existe um senso comum quando se fala das mulheres muçulmanas em geral,
pois a imagem que a maioria das pessoas possui é de uma total submissão diante dos homens e que
isso está diretamente ligado à religião. A respeito disso, muitos se esquecem do fato de que não
apenas as muçulmanas, mas também as mulheres ocidentais e de quaisquer outras regiões e
religiões podem sofrer tais discriminações e violências.
Deve-se levar em conta que o conceito de liberdade feminina para as muçulmanas muitas
vezes está ligado à religião, a uma realidade mais complexa do que aparenta ser. Assim, a
identidade feminina varia de acordo com o local onde essas mulheres se encontram, a cultura na
qual estão inseridas, e, também, outros elementos determinantes no convívio social, tais como:
classe social, nível de educação formal, grau de autonomia financeira, etc.
O movimento feminista islâmico é considerado um movimento desterritorializado, pois não
possui um país-sede, nem uma origem definida. A partir dos anos 1980, começaram a surgir
movimentos feministas ligados à religião muçulmana,29 que visavam à reinterpretação das fontes
27
Este texto foi produzido a partir das análises realizadas no âmbito da linha de pesquisa sobre Segurança Internacional
do curso de Relações Internacionais da FASM, atualmente coordenada pela Profa. Eliana Vieira de Godoy e pela Profa.
Mônica Razuk.
28
Estudante do 7º período do Curso de Relações Internacionais da FASM.
29
O islamismo é uma religião monoteísta com origem no ano de 622, fundada pelo profeta Maomé. Durante o período
de sua constituição a região da Península Arábica se via em meio ao caos, com guerras e muita pobreza. Quando se
P á g i n a | 67
Publicação do Curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina / Ano 15 – Nº 41 / 1º Semestre 2015
religiosas do Islã. Estes dialogavam com os movimentos feministas tradicionais e levavam em
consideração alguns elementos característicos da modernização ocidental.
Segundo Badran (2002), o termo ‘feminismo’ foi cunhado no final dos anos 1880, por
Hubertine Auclert, em seu jornal La Citoyenne, com a intenção de criticar a predominância e
dominância masculina, além do intuito de reivindicar os direitos e emancipações prometidas
durante Revolução Francesa. Entretanto, foi somente em 1910 que a palavra foi usada na Inglaterra
e, posteriormente, nos Estados Unidos. Já nos anos 1920 o termo foi usado no Egito, tanto em
francês (féminisme) quanto em árabe (nisa’iyya).
Para tratar do feminismo egípcio, especificamente, é possível adotar como ponto de inflexão
a participação das mulheres na Revolução de 1919. Esta revolução ocorreu também no Sudão e fez
frente à ocupação e dominação inglesa na região. Relacionado a esse processo, houve o subsequente
aumento do ativismo feminista, diretamente ligado ao caso de Huda Shaírawi (AL-ALI, 2002),
conhecida por ter intensificado o movimento feminista no Egito, a partir de um episódio em que ela
tira o véu em uma estação de trem do Cairo.
Segundo Anushay Hossein (2013), a luta de Huda Shaarawi pelos direitos das mulheres foi
muito além desse episódio. Essa ativista, que foi criada em uma família rica e que seguia
rigorosamente os moldes da sociedade egípcia, relata em seu livro Harem Years: The Memoirs of an
Egyptian Feminist, de 1987, o seu incomodo em ter uma vida reclusa, em uma sociedade patriarcal.
Huda Shaarawi apresentou o seguinte desabafo:
Fiquei deprimida e comecei a negligenciar os meus estudos, odiando ser uma menina,
porque isso me impedia de ter a educação que eu procurava. Mais tarde, sendo uma mulher,
isso se tornou uma barreira entre mim e a liberdade pela qual eu aspirava. (SHAARAWI,
1986 apud HOSSEIN, 2013).
A Egyptian Feminist Union (EFU) foi criada por Shaarawi em 1923, apresentando em sua
agenda a busca pelos direitos políticos para as mulheres e, também, a mudança na legislação,
principalmente sobre os tópicos relacionados ao divórcio e à poligamia.
iniciaram as revelações que formariam o Alcorão, Maomé e seu pequeno grupo foram perseguidos e tiveram de fugir de
Meca para Medina, chamado de Hégira.
P á g i n a | 68
Publicação do Curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina / Ano 15 – Nº 41 / 1º Semestre 2015
Percebe-se, então, o desejo de romper com o modelo familiar da elite egípcia e de criar um
núcleo familiar monogâmico. Essa organização é vista como a primeira etapa da expansão efetiva
do feminismo egípcio, o qual não era perceptível até aquele momento. Entre esse período e os dias
atuais, pode-se destacar as seguintes etapas do feminismo egípcio:
(1) o feminismo liberal radical, de 1920 a 1940, representado por feministas muçulmanas
inspiradas nos modelos francês e estadunidense; (2) o feminismo populista, de 1940 a 1950,
representado, em especial, por feministas de formação marxista; (3) o feminismo sexual, de
1950 a 1970, representado principalmente pela médica egípcia Nawal el Saadawi e (4) o
feminismo ressurgente dos anos 1980. (Badran, 2009, pp. 120-133 apud LIMA, 2012, p.5).
Os movimentos feministas seculares voltaram a atuar de forma mais evidente por intermédio
da Associação de Solidariedade das Mulheres Árabes (AWSA), criada por Nawal el Saadawi, no
Cairo em 1985. Graças à sua eficiente ação o movimento se expandiu para comunidades árabes em
outros locais do mundo, como Estados Unidos e Europa (LIMA, 2014).
[...] o que significa para uma mulher muçulmana ser liberta? Para uma mulher muçulmana
ser liberta, é ter todos os direitos e obrigações dadas a ela no Alcorão. O que significa isso?
Bem, isso significa que há coisas no Alcorão que homens e mulheres podem fazer, como o
envolvimento no trabalho. Ambos podem trabalhar. Será que uma mulher tem que
trabalhar? Não, se ela quer trabalhar, ela pode. Eles são iguais? Eu acho que é errado falar
de igualdade, porque, como eu disse, o Alcorão se engaja em ações afirmativas em favor
das mulheres, o que eu poderia dizer que é ‘justo’. E há coisas que as mulheres
muçulmanas querem fazer, que o Alcorão restringe. Mas eu não olho para a igualdade de
forma mecânica, automática. Se as mulheres optam por não trabalhar e se sustentar, elas
deveriam ter direito a serem apoiadas por seu marido e as famílias também. E é isso que
reserva o Alcorão para as mulheres (AL-HIBRI, 2002, p. 1, tradução nossa apud LIMA,
2014, p. 8).
De acordo com o Alcorão, homens e mulheres são iguais diante dos olhos de Alá, e ele
espera a fidelidade de ambos e os premiará igualitariamente. No entanto, o que se vê, na realidade, é
o oposto disso. Acredita-se que, devido ao fato de apenas homens interpretarem o Alcorão, isso
interfere na forma como é compreendida a posição da mulher na sociedade islâmica. Para realizar
um contraponto entre o que está colocado no Livro Sagrado dos muçulmanos, especificamente
sobre as mulheres, e o que é colocado no Novo Testamento, serão citados trechos de ambos a
seguir.
P á g i n a | 69
Publicação do Curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina / Ano 15 – Nº 41 / 1º Semestre 2015
Quanto aos muçulmanos e às muçulmanas, aos fiéis e às fiéis, [...] aos jejuadores e às
jejuadoras, aos recatados e às recatadas, aos que se recordam muito de Deus e às que se
recordam d'Ele, saibam que Deus lhes tem destinado a indulgência e uma magnífica
recompensa. Não é dado ao fiel, nem à fiel, agir conforme seu arbítrio, quando Deus e o
Seu Mensageiro é que decidem o assunto. (33ª Surata, Al Ahzab, versículo 35 e 36).
Harmonizai-vos com elas; pois se a menosprezardes, podereis estar depreciando um ser que
Deus dotou de muitas virtudes. (4ª Surata, An Nissá, versículo 19).
Sede submissos uns aos outros, no temor de Cristo. As mulheres o sejam aos maridos,
como ao Senhor. Pois o marido é a cabeça da mulher, como Cristo também é a cabeça da
Igreja, seu Corpo, do qual ele é Salvador. Por outro lado, como a Igreja se submete a Cristo,
que as mulheres também se submetam, em tudo, a seus maridos. (Novo Testamento,
Efésios 5: 21-24).
Diante do exposto, pode-se notar que, mesmo sem ser algo divulgado e evidenciado, o
trecho retirado do Novo Testamento mostra que não apenas a religião muçulmana apresenta
discursos que podem ser considerados retrógrados e discriminatórios. Em muitos outros aspectos,
considera-se o Alcorão o mais inclusivo e igualitário em relação às outras religiões monoteístas judaísmo e cristianismo.
Outra questão importante para se esclarecer é que não existe apenas um tipo de feminismo,
mas sim muitas vertentes distintas, que se enquadram à necessidade de cada grupo, localidade e
contexto social. Porém, segundo Lamrabet (2010), existem algumas concepções gerais, como a luta
pela emancipação feminina, pela dignidade e pela igualdade. Quanto ao feminismo árabe, que se
perpetua atualmente, é devido ressaltar que este possui grande influência da luta dos movimentos
nacionalistas em favor da descolonização da região.
Considerações finais
A partir da modernização e da chamada globalização, toda a sociedade se viu obrigada a
realizar mudanças em suas estruturas tradicionais, assim como foram necessárias mudanças nos
âmbitos político, econômico, social e até religioso. A sociedade egípcia e os muçulmanos da região
não estiveram imunes a esse processo, vendo-se diante de uma onda de reinvindicações durante os
anos 2000, no governo de Hosni Mubarak. Este presidente realizou mudanças no Código Civil e foi
P á g i n a | 70
Publicação do Curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina / Ano 15 – Nº 41 / 1º Semestre 2015
fortemente pressionado a rever diversas obrigatoriedades e direitos, dentre eles o direito das
mulheres de ir e vir sem precisar da companhia de um homem da família. Porém esta solicitação
não obteve êxito, devido à pressão das alas mais conservadoras do país (MONTEIRO, 2012).
Não obstante, é possível perceber o reconhecimento da participação e da dimensão dos
movimentos feministas no Egito. Mais recentemente, com a Primavera Árabe, houve intensa
movimentação das mulheres na Praça Tahir, porém, pouco divulgada pela mídia. Este fato remete
também à Revolução de 1919, na qual as mulheres cortaram as linhas telegráficas e sabotaram os
trens, durante os protestos para conseguir a independência da Grã-Bretanha.
Estima-se que pelo menos 20% das multidões que lotaram a Praça Tahrir naquela primeira
semana eram mulheres, que também participaram em grande número dos protestos no porto
mediterrâneo de Alexandria. O celebrado álbum no Facebook de Leil Zahra Mortada sobre
a participação das mulheres na revolução egípcia sugere como essa mobilização foi
diversificada e poderosa. (COLE; COLE, 2011).
Asmaa Mahfouz foi a responsável por postar um vídeo pela internet convocando as
mulheres a participarem junto ao restante dos manifestantes nos protestes da Primavera Árabe. Ela
conseguiu convencer uma grande quantidade delas, demonstrando que para que o país se tornasse
uma democracia de verdade deve-se incluir o direito das mulheres (HOSSAIN, 2013).
Diante disso, pode-se concluir que os movimentos feministas no Egito conseguiram ao
longo de anos de luta alguns avanços relevantes e uma dimensão que os possibilitou até mesmo o
debate de suas agendas internacionalmente. A luta pelo direito das mulheres é ainda muito
importante no século XXI. Sabe-se que não é um tema exclusivo de um tipo de feminismo inserido
em um determinado contexto, mas algo que é buscado diariamente por diversos movimentos
feministas ao redor do mundo, levando sempre em conta as particularidades de cada lugar.
Referências Bibliográficas
BADRAN, M. Islamic feminism: what’s in a name? In: Feminism in Islam: secular and religious
convergences.
Disponível
em:
<http://humanities.wisc.edu/assets/misc/What_is_Islamic_
Feminism.pdf>. Acesso em: 16 abr. 2015.
P á g i n a | 71
Publicação do Curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina / Ano 15 – Nº 41 / 1º Semestre 2015
BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução da CNBB. São Paulo: Conferência Nacional dos
Bispos do Brasil, 2008.
COLE, J; COLE, S. Uma Primavera Árabe para as mulheres. Disponível
<http://m.operamundi.uol.com.br/conteudo/opiniao/esp_1488/>. Acesso em: 20 abr. 2015.
em:
GLOBAL RELIGIOUS FUTURES. Disponível em: <http://www.globalreligiousfutures .org/>.
Acesso em: 20 abr. 2015.
GRIMBERG, K. O mundo árabe e as guerras árabes-israelenses. In: FERREIRA, J; REIS FILHO,
D. A.; ZENHA, C. O tempo das dúvidas: do declínio das utopias às globalizações. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2000, p. 99 - 131.
HOSSEIN, A. Outside the Harem: Egyptian Feminist's Life Reminds Us To Keep Fighting.
Disponível em: <http://www.forbes.com/sites/worldviews/2013/06/27 /outside-the-harem-egyptianfeminists-life-reminds-us-to-keep-fighting/>. Acesso em: 10 abr. 2014.
LAMRABET, A. La problematica de la mujer musulmana dentro del dialogo de culturas.
Disponível em: <http://www.asma-lamrabet.com/articles/la-problematica-de-la-mujer-musulmanadentro-del-dialogo-de-culturas/>. Acesso em: 10 abr. 2015.
LIMA, Valdecila Cruz. Feminismo islâmico: uma proposta em construção. In: SIMPÓSIO
FAZENDO
GÊNERO,
10,
2013,
Santa
Catarina.
Disponível
em:
<
http://www.fazendogenero.ufsc.br/10/resources/anais/20/1384199649_ARQUIVO_CilaLima.pdf >.
Acesso em: 20 abr. 2014.
PEREIRA, W. P. O poder das imagens: cinema e propaganda política nos governos de Hitler e
Roosevelt (1933 – 1945). In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 23, 2005, Londrina. Anais do
XXIII Simpósio Nacional de História – História: guerra e paz. Londrina: ANPUH, 2005.
LIMA, Valdecila Cruz. Mulheres e islamismo: os casos do Egito e da Turquia. 2012. 141 f.
Dissertação (Pós-Graduação História Social) – Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia,
Letras e Ciências Humanas, São Paulo, 2012.
LIMA, Valdecila Cruz. Um recente movimento político-religioso: feminismo islâmico. Revista
Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, p. 675 - 686, mai-agosto 2014.
P á g i n a | 72
Publicação do Curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina / Ano 15 – Nº 41 / 1º Semestre 2015
MATOS, A. S. O Cristianismo e o Islamismo no Ocidente Medieval. Disponível em:
<http://www.mackenzie.br/6936.html>. Acesso em: 10 abr. 2015.
MONTEIRO, S. O. Movimento feminista muçulmano apresenta paradoxos. Disponível em:
<http://www.usp.br/agen/?p=112089 >. Acesso em: 20 abr. 2015.
NOGUEIRA, Joao Pontes; MESSARI, Nizar. Teoria das relações internacionais: correntes e
debates. Rio de Janeiro, RJ: Campus, 2005.
OLIVEIRA, Manoela Assunção. Mulheres muçulmanas e Direitos Humanos: a importância do
movimento feminista árabe na construção dos direitos das mulheres muçulmanas. Caderno de
Relações Internacionais, V. 4, N. 6, 2013. Disponível em: <http://www.faculdadedamas.
edu.br/revistas/index.hp/relacoesinternacionais/article/view/281/286>. Acesso em: 30 ago. 2014.
SHAARAWI, Huda. Harem Years: the memoirs of an Egyptian feminist (1879-1924). London,
Virago Press, 1986.
WOODHEAD, Linda. Mulheres e gênero: uma estrutura teórica. Revista de Estudos da Religião, N.
1, 2002. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/rever/rv12002/p_ woodhe.pdf >. Acesso em 08
set. 2014.
P á g i n a | 73

Documentos relacionados

feminismo - ifilnova

feminismo - ifilnova foi necessário produzir para sustentar esta contradição e que recorria à natureza para legitimar a vontade dos homens. Ao longo do século XIX, a defesa dos direitos das mulheres irá assumir formas ...

Leia mais

desafios do feminismo: um movimento sempre em movimento

desafios do feminismo: um movimento sempre em movimento sociopolítica e a descontinuidade de seus estilos, o seu questionamento sobre a dicotomia conceitual entre teoria e prática. Enfim, pensar o feminismo é procurar entendê-lo como um movimento sempre...

Leia mais