Causas da inserção de idosos em uma instituição asilar

Сomentários

Transcrição

Causas da inserção de idosos em uma instituição asilar
Causas da inserção de idosos em uma
instituição asilar
Paulo Celso Prado Telles Filho
José Fernando Petrilli Filho
Resumo
O objetivo deste estudo foi verificar e descrever as causas da inserção de idosos em uma instituição
asilar. A metodologia descreveu como cenário de estudo um asilo localizado em uma cidade no interior do
Estado de São Paulo. A amostra constou de 12 idosos e, para a realização do estudo, utilizou-se a
verificação de prontuários dos indivíduos em questão (especificamente os itens: relatório social e anamnese
geral). Como resultados, destacou-se que as causas mais citadas no que concerne ao asilamento de idosos
na referida instituição foram: falta de respaldo familiar e dificuldades financeiras. Portanto, evidencia-se
importante demanda de uma rede de suporte social, a qual tenha como objetivo a garantia da qualidade da
assistência à população idosa.
Palavras-chave: Enfermagem. Idoso. Asilo. Causalidade.
Introdução
O processo do envelhecimento implica em uma
série de alterações nos indivíduos que o vivenciam.
No aspecto biológico, ocorrem progressivas
restrições da capacidade homeostática que são
graduais, lineares e variáveis de indivíduo para
indivíduo. O declínio de cada sistema orgânico é
independente e sofre influências, além da base
genética, de múltiplos fatores, como hábitos
pessoais, alimentares e de interferências ambientais.
Na inexistência de doenças, as alterações do
envelhecimento não são suficientes para causar
limitações importantes na execução das atividades
do cotidiano. Porém, como a probabilidade de
adoecer aumenta com a idade e a expectativa de
vida dos indivíduos vem aumentando nos últimos
anos, observa-se o crescimento do número de
incapacidades na população idosa (PAULA et al. apud
FERNANDES, 1999).
Tais informações ocupam papel de
destacado interesse, uma vez que a verificação e
análise dos dados estatísticos brasileiros e
mundiais, bem como da vasta literatura existente
sobre a questão do envelhecimento populacional,
evidenciam índices que apontam para uma
superpopulação idosa num futuro próximo.
A esse respeito, o Anuário Estatístico do Brasil
do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
- IBGE, desde o ano de 1990, informava que entre
os anos de 1985 a 2000, a faixa etária entre 45 a
80 anos ou mais cresceria em 61,80% e que o
aumento da população com 80 anos ou mais seria
ainda mais significativo, chegando a 111,98%, em
outras palavras, passando de 709.000 a 1.503.000
idosos (IBGE, 1991).
Esc. Anna Nery R. Enferm., Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 119-133 abr. 2002
135
Tratando-se de estudos antropológicos
relacionados à temática do envelhecimento, mostra
a literatura que o tratamento dispensado aos idosos
nas sociedades passadas diversificava em função da
época, do tipo de sociedade, da cultura e da idade
dos idosos (MENEZES, 1999).
Beauvoir (1990), ao analisar o “status” do idoso
nas sociedades primitivas, históricas, medievais e no
capitalismo, relata que a experiência e os
conhecimentos acumulados serviam-lhe como trunfos.
Nas sociedades mais ricas, contavam com maior chance
de sobrevivência. Tal fato ocorria também em maior
proporção nas sociedades sedentárias, em detrimento
das nômades. Em virtude de seus conhecimentos
acerca das tradições, que visava a coesão do grupo em
que viviam, inspiravam temor e respeito.
No entanto, diferentemente de algumas
épocas e sociedades passadas, mostra-se evidente o
aumento de indivíduos idosos que, por questões
diversas, não podem permanecer no convívio familiar,
necessitando de instituições que os abriguem.
Estudos realizados demonstram que, no Brasil,
houve uma série de alterações na estrutura familiar,
política e social, dos padrões e valores culturais.
Nesse contexto destacam-se dois aspectos
fundamentais: o primeiro é que se observa um
contingente crescente de indivíduos ficando sós
(provavelmente pela redução do tamanho das famílias,
da falta de recursos e de tempo disponível para
assumí-las); o segundo é que, com parcos recursos
financeiros, tais indivíduos sentem-se pressionados
e mobilizam-se no sentido de retomar uma ocupação
no mercado de trabalho (MENEZES, 1999).
Entretanto, por uma considerável gama de
causas, como por exemplo condições precárias de
saúde, idade avançada e até mesmo distúrbios de
comportamento, muitos idosos não são capazes de
exercerem atividades laborais. Nesses casos, somandose às dificuldades financeiras e à falta de respaldo
familiar, há grande possibilidade de encaminhamento
desses indivíduos para instituições asilares.
A internação do idoso em instituições de longa
permanência é uma alternativa em várias outras
situações, tais como: necessidade de reabilitação,
ausência temporária do cuidador domiciliar, estágios
terminais de patologias e dependência elevada
(CHAIMOWICZ & GRECO, 1999).
Por conseguinte, nos casos de vulnerabilidade
do sistema familiar do idoso, do sistema formal
(representado pelo governo), ou de abandono do idoso
por ambos, tem-se como principal conseqüência a
inserção do idoso em uma instituição asilar, excluindoo de sua coletividade. Tal situação apresenta vários
efeitos deletérios sobre sua qualidade de vida
(FERNANDES & ALMEIDA, 2001).
Como exemplos de tais efeitos, tem-se a perda
de seus papéis sociais, a queda da auto-estima, o
isolamento e a depressão. Em concordância, Scherler
apud Menezes (1985) refere que “a admissão de
pessoas idosas em instituições, corresponde a uma
amputação de sua personalidade”.
Para Brito & Ramos (1996), a instituição asilar
constitue-se na mais antiga modalidade de atendimento
aos idosos, excluíndo-os do sistema familiar e tendo
como inconveniente o favorecimento do isolamento e
da inatividade física e mental, com conseqüências
negativas no que diz respeito à qualidade de vida.
Somados a esses fatos, estima-se que, na
Inglaterra, 1/3 dos idosos institucionalizados
teriam condições de ser mantidos em seus
domicílios, por tratar-se de indivíduos mental e
fisicamente
capacitados
para
tal
(BROCKLEHURST, 1993). No que tange ao Brasil,
tal estimativa não consta da literatura.
Segundo vários estudos, como os de Bergman,
Canoas e Fernandes apud Barbosa (1990), os critérios
para a institucionalização do idoso têm sido os mais
diversos, dando indicações de ser um arranjo das
famílias que não querem ter os idosos sob seus
cuidados. Como principais razões as famílias relatam:
falta de espaço físico em suas casas e falta de
recursos financeiros.
Esc. Anna Nery R. Enferm., Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 119-133 abr. 2002
136
Especialistas em geriatria e gerontologia são
unânimes quanto à afirmação de que o idoso deve
permanecer o maior tempo possível em comunidade,
junto dos seus. Há a corrente de estudiosos das
mesmas áreas que até mesmo indicam tais
instituições para idosos. No entanto, frisam que tal
indicação refere-se somente àqueles com dependência
total e impossibilidade de recuperação.
Fato é que a institucionalização do idoso é,
em alguns casos, necessária e por conseguinte, não
se deve negar a validade social das instituições
geriátricas. No entanto, a necessidade de tais
serviços é admitida por somente uma parcela da
população, cujo acentuado grau de limitação física e/
ou mental exijam uma prestação de cuidados
contínuos e especializados.
Diante de tais colocações, emergiu a
necessidade de maior conhecimento em relação às
causas da inserção de idosos em uma instituição asilar
a ser posteriormente citada.
Objetivo
O presente artigo propôs-se a verificar e
descrever as causas da inserção de idosos em uma
instituição asilar.
utilizou-se a verificação de prontuários dos residentes
da citada instituição (especificamente os itens:
relatório social e anamnese geral).
Em relação à questão ética, salienta-se que
os dados foram coletados após a aprovação da
administração, bem como do diretor clínico da
instituição, e que os nomes dos indivíduos que
compõem a amostra não são relatados, tendo-se em
vista as considerações necessárias dos aspectos
éticos nas pesquisas com seres humanos.
Os dados iniciais foram organizados e
dispostos em um quadro para facilitar a visualização,
entendimento e detalhamento de informações.
Posteriormente ao referido quadro, seguem os
comentários e discussões explicativas.
Resultados e discussões
Faz-se importante esclarecer que, para a
verificação a que se propôs o presente estudo,
houve a detecção da necessidade de caracterizar a
amostra em estudo.
Por conseguinte, os dados coletados foram
dispostos em um quadro onde pode-se observar as
iniciais, idade, sexo, estado civil, tempo de
permanência na instituição e diagnóstico, itens esses
de relevância para a caracterização da referida amostra.
Procedimentos metodológicos
A pesquisa foi desenvolvida junto a uma
instituição asilar localizada em uma cidade do interior
do Estado de São Paulo.
O cenário em questão é um anexo da Santa
Casa de Misericórdia da citada cidade. Sua capacidade
é de 27 leitos. Possui variada gama de profissionais,
tais como: médico geriatra, enfermeiro, auxiliar de
enfermagem, psicólogo, fonoaudiólogo, nutricionista,
fisioterapeuta e assistente social.
A amostra constou de 12 idosos (totalidade
dos residentes, excluindo-se aqueles com cronologia
inferior a 60 anos) e, para a realização do estudo,
Esc. Anna Nery R. Enferm., Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 119-133 abr. 2002
137
Quadro I
Distribuição dos idosos, segundo iniciais, idade, sexo, estado civil, permanência na instituição e diagnósticos.
Como pode-se observar através deste
Quadro, a amostra investigada no presente estudo
consta de 12 residentes, sendo 10 do sexo feminino
e 02 do sexo masculino.
Compreendem a faixa etária de 61 a 90 anos
(salienta-se que a instituição em estudo presta
atendimento a outros quatro indivíduos, os quais
foram excluídos da amostra por apresentarem idade
inferior a 60 anos).
Percebe-se ainda, em relação à faixa etária,
06 residentes inclusos na categoria entre 61 a 80
anos e outros 06 residentes entre 81 a 90 anos.
Em relação ao estado civil, 08 residentes são
solteiros. Casados, divorciados, separados e viúvos
somam 01 em cada categoria.
Esc. Anna Nery R. Enferm., Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 119-133 abr. 2002
138
No que tange à permanência dos sujeitos na
instituição, pode-se detectar que 04 indivíduos
localizam-se na categoria de 01 a 05 anos, 01 indivíduo
de 06 a 10 anos, 03 indivíduos de 11 a 20 anos e 02
indivíduos de 21 a 30 anos. Destacam-se 02 indivíduos
com 40 e 51 anos de permanência na instituição.
Possuem diagnósticos diversos, tais como:
hipertensão arterial, diabetes, depressão, paralisia de
membros inferiores, deficiência circulatória, bronquite
tabágica, amputação de membros inferiores,
oligofrenia, restrição mental moderada, taquicardia
supraventricular, bronquite, arritmia cardíaca,
hipotonia de membros superiores, não deambulação,
genovalgo, insuficiência cardíaca, paralisia cerebral,
doença pulmonar obstrutiva crônica, neoplasia de pele,
ectropia de olho, osteoporose, senilidade,
polineuropatia, déficit motor, labilidade emocional e
hemiplegia à esquerda.
Em concordância com esses dados relacionados
aos diagnósticos, destaca-se o estudo de Galdino
(2000), o qual verificou, em relação às características
fisiopatológicas dos idosos estudados, a
predominância das doenças crônico-degenerativas.
Observa-se também que alguns desses
diagnósticos relacionam-se ao aspecto cognitivo e,
segundo Vieira (1996), a cognição é um dos fatores
mais relevantes em relação aos idosos, pois é a base
para o estabelecimento da autodeterminação e
autonomia desses indivíduos.
Depressão e labilidade emocional também
ocupam papel de destaque nesse cenário, uma vez
que, segundo Stoppe Jr (1994), 15% dos idosos em
geral apresentam sintomatologias relacionadas aos
citados diagnósticos. Tais sintomatologias podem
expressar-se através de distúrbios do sono, apetite e
queixas somáticas, por exemplo.
A esse respeito, Alves (1993) coloca que o
indivíduo depressivo pode apresentar comportamentos
como tendência ao suicídio, desmoralização frente à
incapacidade de realizar tarefas do cotidiano, diminuição
da auto-estima e confiança, angústia e automedicação.
Tais afirmações fazem-se de destacada
importância no presente estudo, pois permite-nos especulálas enquanto causas da institucionalização dos idosos.
Ora destacam-se quantitativamente as causas
determinantes da inserção de tais idosos na instituição
asilar em questão, segundo os prontuários dos
residentes em questão.
Entre as causas existentes, as mais citadas foram
falta de respaldo familiar (presentes em prontuários de
seis residentes), dificuldades financeiras (em cinco
prontuários), condições precárias de saúde e dependência
total (ambas com citação em três prontuários). As
categorias dificuldades sócioeconômicas, idade avançada
e distúrbio de comportamento,contam com uma citação
em cada categoria.
Anteriormente ao comentário explicitado
acerca dessas causas, faz-se importante salientar que
se soma um quantitativo de 22 freqüências (ou
causas), quantidade maior que a amostra em estudo,
devido ao fato de alguns sujeitos apresentarem
diversidade de causas.
No tocante à questão do respaldo familiar,
Carballo (1975) afirma que a incapacidade das famílias
em zelar pelo bem-estar de seus membros faz com
que se delegue aos cuidados de organizações
profissionais atitudes e comportamentos que poderiam
e deveriam ter sido abordados em âmbito familiar.
Ferreira & Ponciano (1998) ressaltam que a
decisão dos familiares pela institucionalização do
idoso relaciona-se à falta de recursos econômicos e
pessoais dos cuidadores e de sua família. Assim, a
família procura a instituição para cumprir um papel
que ela própria não consegue realizar.
Em relação à dificuldade financeira, o estudo de
Lapargneur (1999) complementa a informação exposta
acima, relatando que na velhice, os recursos financeiros,
geralmente tornam-se diminutos devido ao fato da
aposentadoria e das despesas com a saúde, já que com
o aumento da idade as doenças crônicas tendem a
aumentar, exigindo medicamentos de uso contínuo.
Esc. Anna Nery R. Enferm., Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 119-133 abr. 2002
139
Complementa-se tal afirmação com a necessidade
de acompanhamento periódico da equipe de saúde.
Tais fatos explicitam-nos a dificuldade
financeira que envolve os binômios idoso-família ou
idoso-cuidador, pois a dificuldade em questão
sabidamente ocorre em grande e preocupante escala.
Menezes (1985) corrobora tal ocorrência e
relata que o fato da renda escassa ou da sua
inexistência contribui para que os familiares
afastem-se dos idosos.
Condições precárias de saúde, dependência
total, idade avançada e distúrbio de comportamento,
embora com menor freqüência, foram encontradas e
condizem com o estudo de Gatto (1996), o qual afirma
que na velhice ocorre uma série de perdas
significativas, tais como o surgimento de doenças
crônico-degenerativas, viuvez, morte de amigos e
parentes, ausência de papéis sociais valorizados,
isolamento crescente e dificuldades financeiras.
Considerações finais
Através da realização deste estudo, pôde-se
verificar e descrever as causas da inserção de idosos
na instituição em questão.
Tais causas são comuns entre vários estudos
da área de geriatria e gerontologia, alguns dos quais
compõem a discussão do estudo ora apresentado.
Portanto, torna-se de primeira importância a
conscientização da sociedade do quão importante é a
permanência do idoso na família e nessa
impossibilidade o apoio social para garantir a qualidade
de vida da população idosa institucionalizada.
Faz-se oportuno apresentar outros estudos
acerca da temática, em concordância com os
pesquisadores deste e que buscam complementar o
presente estudo.
Chaimowicz & Greco (1999) apontam para a
necessidade de que a implementação de políticas de
fiscalização e suporte às instituições asilares
antecipem-se ao crescimento da demanda a ocorrer
nas próximas décadas. Referem ainda que tal demanda
reduzir-se-ia significativamente se estimuladas
modalidades alternativas de assistência (tais como
hospitais-dia, centros de convivência e serviços de
enfermagem domiciliares), bem como através da
capacitação dos familiares e da facilitação do acesso
aos serviços de saúde.
Tal referência é de fundamental importância,
principalmente devido ao fato de que, segundo o
Ministério da Previdência e Assistência Social apud
Abdala (2000), a população de idosos no país crescerá
dezesseis vezes contra cinco vezes da população total
até o ano de 2025.
O envelhecimento populacional é um processo
mundial no qual destaca-se a velocidade com que o
mesmo ocorre em alguns países considerados jovens,
como o Brasil (MENEZES, 1999).
Faz-se necessário, com o crescimento
quantitativo dos asilos, fato que ocorre em grande
proporção e com idosos tornando-se mais
dependentes, a presença de equipes profissionais
adequadamente preparadas para o fornecimento de
cuidados a esse grupo populacional.
Para que haja uma melhoria na qualidade de
assistência e consequentemente melhoria na
qualidade de vida dos idosos institucionalizados,
algumas modificações se fazem altamente
necessárias, tais como: instituições com plantas
físicas adequadas, ou seja, condizentes com as reais
necessidades dos usuários, programação de
atividades recreativas e educativas, profissionais
especializados, promoção da independência e
estímulo à participação da família e cuidadores.
A atuação do enfermeiro no cuidado do idoso é
um convite à reflexão daqueles que lidam com os
mesmos, para que possam desenvolver um
posicionamento que considere o idoso como um ser
humano com história pessoal, vivência de trabalho,
relações sociais, gostos, habilidades e interesses.
Tal atuação deve basear-se em relacionamento efetivo
com o idoso, fundamentar-se na confiança, respeito
Esc. Anna Nery R. Enferm., Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 119-133 abr. 2002
140
mútuo e empatia, para que o indivíduo que recebe o
cuidado seja capaz de desenvolver seu potencial
relativo à contribuição para o seu bem-estar e dignidade
enquanto pessoa (FERREIRA, 1999).
Com o objetivo de bem assistir o idoso, foram
estabelecidos padrões de prática de enfermagem
gerontológica,conforme descrito a seguir: estabelecer
um relacionamento adequado com o idoso e a família,
decidir com o próprio idoso a assistência a ser
prestada, realizar levantamento de suas necessidades
humanas básicas, estabelecer o diagnóstico de
enfermagem, implementar o plano de cuidados e avaliar
seu progresso após a assistência prestada (JONES,
KITSON apud BARBOSA, 1990).
No término de sua tese de doutorado, essa
mesma autora cita a frase de Simone de Beauvoir
que resume a problemática do idoso: “o que importa
é dar vida aos anos e não anos à vida”.
Para a promoção e manutenção da vida, no
sentido empregado pela pesquisadora supracitada, é
estritamente necessária a criação de programas
efetivos de assistência que visem tornar o idoso mais
autônomo e independente possível e também altamente
salutar a conscientização de que o envelhecimento
populacional é responsabilidade de toda a sociedade.
Reasons for the admittance of elderly people in a Nursing home
Abstract
The purpose of this study was to verify and describe the reasons for the admittance of
elderly people in a nursing home. The scenario was a hospice in a city in the state of São
Paulo. The study was carried out with a sample of 12 elderlies whose medical records
were analyzed, considering specifically the social report and the general anamnese. The
results revealed that the most mentioned causes concerning the admittance of old people in
that institution were: lack of family support and financial difficulties. Therefore, the study
highlighted the need of social support in order to guarantee the quality of assistance to
the elderly population.
Keywords: Nursing. Elderly. Hospice. Causality.
Causas de la inserción del anciano en un asilo
Resumen
El objetivo de este estudio fue verificar y describir las causas de la internación de ancianos
en asilo. La metodología ha descrito como escenario de estudio, un asilo ubicado en una ciudad
del interior del Estado de São Paulo. La muestra fue compuesta de 12 ancianos y para la
realización del estudio se ha utilizado la verificación de los expedientes de dichos individuos
(especificamente la descripción social y el expediente médico). Como hallazgos, se ha destacado
que las causas existentes en lo que respecta a la internación de ancianos, las más citadas
fueram: la ausencia del apoyo familiar y las dificultades financieras. Por lo tanto, se evidenció
la necesidad de una red de soporte social, objetivando la calidad de la asistencia a la población
de la tercera edad.
Palabras claves: Enfermería. Anciano. Asilo. Causalidad.
Esc. Anna Nery R. Enferm., Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 119-133 abr. 2002
141
Referências bibliográficas
ABDALA, G. A. Estudantes do curso técnico em enfermagem e saúde do idoso. Rev. Nursing (Edição Brasileira), 29
(3): v. 29, n. 3, p. 31-34, out. 2000.
ALVES, G. L. B. Caminhos da depressão: enfoque bio-psico-sócio-ambiental. Porto Alegre: Relisul, 1993.
BARBOSA, M. L. J. A situação dos idosos no Vale do Paraíba – análise nas cidades de Taubaté e
Guaratinguetá. Tese (Doutorado). Escola de Enfermagem/Universidade de São Paulo; 1990.
BEAUVOIR, S. A velhice. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1990.
BRITO, F. C.; RAMOS, L. R. Serviços de atenção à saúde do idoso. In: PAPALÉO NETTO, M. Gerontologia, São Paulo:
Atheneu, 1996; 394-402.
BROCKLEHURST, J. C. The geriatric service and the day hospital in the UK. In: BROCKLEHURST JC, Tallis RC.
Textbook of geriatric medicine and gerontology. 4. ed. Edinburgh: Churchill Livingstone, 1993; p. 1005-1015.
CARBALLO, M. Una adaptación indispensable. Salud Mundial, 1975: 34-37.
CHAIMOWICZ, F.; GRECO, D. B. Dinâmica da institucionalização de idosos em Belo Horizonte, Brasil. Revista de Saúde
Pública, v. 33, n. 5, p. 454-460, 1999.
FERNANDES, M. G. M. Avaliação da capacidade funcional em idosos. Rev. Nursing (Edição Brasileira). v. 13, n. 2, p.
26-29, jun. 1999.
FERNANDES, M. G. M.; ALMEIDA, C. B. Processo de pensamento alterado em idosos na vivência asilar. Rev. Nursing
(Edição Brasileira), v. 34, n. 4, p. 22-25, mar. 2001.
FERREIRA, M. H. F. Idoso institucionalizado: um estudo interpretativo das histórias de vida. Tese (Doutorado). Escola de
Enfermagem/ Universidade de São Paulo.
FERREIRA, M. H.; PONCIANO, A. P. Asilo: motivos que levam a família de idosos a optarem por essa instituição. Trabalho
apresentado no VI Colóquio Pan-Americano de Investigação em Enfermagem. Ribeirão Preto; 199
GALDINO, J. M. S. Ansiedade, depressão e coping em idosos. (Dissertação de mestrado). Escola de Enfermagem/Universidade
de São Paulo.
GATTO, I. B. Aspectos psicológicos do envelhecimento. In: PAPALÉO NETO, M. Gerontologia, São Paulo: Atheneu,
1996; p. 109-113.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Anuário Estatístico do Brasil: Rio de Janeiro, 1991.
LEPARGNEUR, H. Os desafios do envelhecimento. O Mundo da Saúde, v. 23, n .4, p. 230-244, jul./ago.1999.
MENEZES, M. R. Participação da família na assistência do idoso hospitalizado. (Dissertação de mestrado). Universidade
Federal da Bahia, 1985.
MENEZES, M. R. Da violência revelada à violência silenciada: um estudo etnográfico sobre a violência doméstica contra
o idoso. (Dissertação de mestrado). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/ Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
STOPPE Jr., A. Aspectos clínicos da depressão em idosos. Rev. Psiquiat. Clín., v. 21, n. 4, p. 121-128, 1994.
VEIRA, E. B. Manual de gerontologia: um guia teórico-prático para profissionais cuidadores e familiares. Rio de Janeiro,
1996; p.187.
Esc. Anna Nery R. Enferm., Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 119-133 abr. 2002
142
Sobre os Autores
Paulo Celso Prado Telles Filho
Mestrando do Programa de Pós-Graduação da Área de Enfermagem Fundamental da Escola de Enfermagem de Ribeirão
Preto – Universidade de São Paulo.
José Fernando Petrilli Filho
Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Psiquiátrica da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto –
Universidade de São Paulo.
Nota dos Editores
Este artigo está sendo republicado por problemas técnicos ocorridos na diagramação anterior ( Rev. v. 5, n. 3,
p. 357-364, dez. 2001).
Esc. Anna Nery R. Enferm., Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 119-133 abr. 2002
143
Esc. Anna Nery R. Enferm., Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 3-160 abr. 2002
144

Documentos relacionados