avaliação do grau da doença periodontal em cães, cultura e

Сomentários

Transcrição

avaliação do grau da doença periodontal em cães, cultura e
AVALIAÇÃO DO GRAU DA DOENÇA PERIODONTAL EM CÃES,
CULTURA E IDENTIFICAÇÃO DA MICROBIOTA BACTERIANA
DA CAVIDADE ORAL E TESTE DE RESISTÊNCIA À
ANTIBIÓTICOS
FIANCO, A.1,
KARPINSK, A1,
ROCHA, A. A ²,
BONATTO, B. C.1,
MAHL, D. L. ²,
OLIVEIRA, D. S. ²,
RITTER, F. ²,
OLIVEIRA, F. ²,
GOTTLIEB, J. ²,
SOUZA, R. V.1,
BORSA, T. C.1,
ROSES, T. S. ²,
ALMEIDA, M. A. ²
RESUMO: O trabalho objetiva analisar e identificar o grau da doença periodontal, bem como indicar
para o proprietário, o tratamento correto para a doença. Também foi realizado o isolamento e
identificação de bactérias presentes na microbiota periodontal e o teste de resistência de alguns
antibióticos. Foram utilizados 20 cães de diversas raças para avaliação do grau da enfermidade, fez-se a
coleta de secreção da mucosa bucal com auxílio de swabs, de cinco animais e em seguida semeadura em
placa de Petri para identificação de bactérias, após realizou-se o teste de resistência para dois antibióticos,
enrofloxacina e amoxicilina. Fez-se o processo de limpeza dentária em um cão que se encontrava com
grau IV de periodontite, e a extração de um dente pré-molar superior, pois o mesmo não tinha mais
condições de tratamento. Dos 20 cães analisados, 15 apresentaram periodontite e 5 encontraram-se sem a
enfermidade, sendo que dois animais apresentavam grau I de periodontite, sete animais apresentavam
grau II, três animais apresentavam grau III, dois animais apesentavam grau IV e um animal apresentou
grau V da enfermidade. Nas cultura bacteriana encontrou-se Streptococcus spp. O teste de antibiótico se
mostrou eficaz para ambos os fármacos.
Palavras-chaves: periodontite, cães.
ABSTRACT: The paper aims to analyze and identify the degree of periodontal disease, as well as
indicate to the owner, the right treatment for the disease. It was also performed the isolation and
identification of bacteria present in periodontal microbiota and the endurance test of some antibiotics. We
used 20 dogs of various breeds to evaluate the degree of the disease, there was a collection of oral mucous
secretion with the aid of swabs, five animals and then seeding in Petri dish for identification of bacteria,
was held after the Resistance test to two antibiotics, enrofloxacin and amoxicillin. There was the tooth
cleaning process in a dog that was with grade IV periodontitis, and the extraction of a premolar tooth,
because it had no more treatment conditions. Of the 20 dogs examined, 15 had periodontitis and 5 met
without the disease, and two animals had grade I periodontitis, seven animals had grade II, three animals
had grade III, two animals apesentavam grade IV and one animal had level V of the disease. The bacterial
culture met Streptococcus spp. Antibiotic test has proven effective in both drugs.
Keys-words: periodontitis, dogs.
1
Acadêmicos do curso de Medicina Veterinária do Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto
Uruguai, Getúlio Vargas-RS, Brasil.
² Docentes do curso de Medicina Veterinária do Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto
Uruguai, Getúlio Vargas-RS, Brasil.
INTRODUÇÃO
Vários são os problemas que podem acometer a cavidade oral do cão ou do gato.
O mais comum é a doença periodontal, que pode afetar até 80% dos animais com cinco
anos de idade (HARVEY & EMILY, 1993).
As afecções periodontais são moléstias que afetam o periodonto, ou seja,
estruturas que suportam e protegem o dente: gengiva, osso alveolar, cemento e
ligamento periodontal. A etiologia é multifatorial, mas o fator determinante é o acúmulo
de placa bacteriana sobre os dentes e tecidos adjacentes, com posterior calcificação,
formando assim, o odontólito dentário (LIMA et al., 2004; GIOSO, 2007). O acúmulo
de placa e odontólito dentário levam ao quadro de gengivite (inflamação da gengiva) e,
posteriormente, ao quadro de periodontite (PINTO, 2007).
A presença de bactérias na placa dentária desencadeia uma resposta inflamatória
no tecido envolvente (tecido periodontal). Além da resposta local, as bactérias da placa
dentária podem afetar todo organismo. Essas bactérias e seus subprodutos podem
difundir-se a partir do local da infecção inicial, provocando reações inflamatórias
distantes (GORREL et al., 2007).
Os problemas médicos que acometem a cavidade oral devem ser identificados
em seus estágios iniciais, para que os animais possam ser tratados antes de apresentarem
graves transtornos sistêmicos secundários relacionados à desnutrição e/ou infecções
(PACHALY, 2006).
O objetivo deste trabalho consiste em analisar e identificar o grau da doença
periodontal, bem como indicar para o proprietário o tratamento apropriado para a
doença que consiste na raspagem e polimento dos dentes, já que a simples escovação
não é suficiente para remover a placa dentária que mineralizou formando o tártaro
(cálculo dentário). Concomitantemente realizou-se o isolamento e identificação de
bactérias presente na microbiota periodontal e o teste de resistência de alguns
antibióticos.
MATERIAL E MÉTODOS
- Identificação dos graus de periodontite
Para a realização do trabalho, utilizou-se 20 cães de clínicas veterinárias da
região do Alto Uruguai, de diversas raças e idades, buscando encontrar doença
periodontal com variados graus. A coleta de dados deu-se através de um questionário de
análise. No mesmo, foram coletadas informações como raça, alimentação, idade,
escovação dentária, disposição e frequência de ossos e petiscos e se o animal já havia
passado por processo cirúrgico de limpeza dentária.
Modelo de questionário utilizado para coleta dos dados.
A fim de identificar e isolar a microbiota bacteriana da arcada dentária
utilizaram-se cinco cães onde foi realizada a cultura em placa de Petri, com o auxilio de
swabs estéreis para coleta de secreções da mucosa bucal, semeando na placa com meio
de cultura Agar Nutriente e acondicionado em uma estufa à 37 ºC, por sete dias.
Três placas de Petri foram produzidas para cada animal, onde em uma foi
realizado o isolamento e identificação da bactéria, e nas outras duas, o teste de eficácia
aos antibióticos; enrofloxacina e amoxicilina.
Foi efetuada a leitura do material após sete dias de incubação, notando aspectos
morfológicos das colônias. Após verificar o crescimento das colônias bacterianas, foram
confeccionadas lâminas histológicas com auxílio de alça de platina, dando sequência, a
técnica de coloração de Gram. Esta técnica consiste em corar o material coletado com
violeta genciana por 60 segundos e lavar com água destilada com intuito de retirar o
excesso; mergulhar no lugol por 60 segundos e novamente lavar; descolorir com álcool
95% por 10 a 20 segundos, lavar com água destilada e por fim utilizar com fucsina por
20 segundos, secar e observar no microscópio óptico.
Os antibióticos testados foram enrofloxacina e amoxicilina, que tem função
bactericida, eliminam as colônias de bactérias. Para o teste de resistência, utilizou-se
uma seringa de insulina, espalhando o antibiótico nas colônias de bactérias. Após 12
horas verificou-se a funcionalidade dos fármacos em cada placa.
- Limpeza dentária
Em um canino, fêmea, SRD, com aproximadamente nove quilogramas e nove
anos de idade efetuou-se o processo cirúrgico de limpeza dentária. Durante a anamnese
e exame clínico, identificou-se que o animal estava com grau IV de periodontite e um
dente teria que ser extraído, por já estar sem suporte ósseo e apresentando mobilidade.
RESULTADOS E DISCUSSÕES
Dos 20 cães avaliados, 15 (75%) foram identificados com problema periodontal
e 5 (25%) apresentavam-se sadios. Destes 15, dois animais apresentavam grau I de
periodontite, sete animais apresentavam grau II, três animais apresentavam grau III, dois
animais apresentavam grau IV e um animal apresentou grau V. A classificação do grau
de doença periodontal foi baseada na literatura citada por Harvey & Emily (1993).
Na figura 1 está representada a porcentagem encontrada nos animais avaliados.
5%
10%
25%
Sadios
Grau I
Grau II
15%
Grau III
10%
Grau IV
Grau V
35%
Figura 1 – Representação quantitativa do grau da doença periodontal dos animais avaliados.
Dos animais avaliados, cinco não apresentaram a enfermidade, sendo
classificados como sadios. Conforme Dillon (1984), nesse estágio, a gengiva é rosada
(ou pigmentada de acordo com a raça), não há alterações de topografia e não há
formação de bolsas periodontais. A figura 2 representa um dos animais sem problema
periodontal.
Figura 2 – Animal saudável, sem doença periodontal. Fonte: Autores.
A gengivite é classificada também como Grau I de periodontite, sendo que dois
animais foram encontrados nesta pesquisa. De acordo com HARVEY & EMILY, 1993,
gengivite é quando há inflamação da gengiva, edema e sangramento nos casos mais
avançados, mas não há deterioração de tecidos e as estruturas ósseas do dente estão
intactas (HARVEY & EMILY, 1993). Na figura 3, encontram-se os animais com grau I
de periodontite.
Figura 3 – Animal com grau I de periodontite. Fonte: Autores.
Já no grau II de periodontite, foram encontrados sete animais. Segundo McPhee
& Cowley (1981), na periodontite leve a topografia gengival é normal ou hiperplásica,
há inflamação do ligamento periodontal. A perda óssea é mínima e não se verifica
mobilidade dentária. As figuras 4a e 4b demonstram alguns animais encontrados com
periodontite II.
Fig. 4a
Fig. 4b
Figura 4a- à esquerda; figura 4b- à direita – Grau II de periodontite. Fonte: Autores.
Para Andrade et al (1998) a periodontite do grau III ou moderada é onde há
moderada perda da inserção do dente, com formação de bolsa periodontal de
profundidade moderada. Nesse estágio a hiperplasia gengival pode mascarar a
profundidade da bolsa, ou a retração gengival pode reduzir o tamanho da bolsa formada.
Há perda de aproximadamente 30 a 50% do osso alveolar, mas a topografia da gengiva
ainda está conservada. A mobilidade dentária é quase imperceptível na maioria dos
dentes, mas nos incisivos é moderada. Neste grau foram encontrados três animais, onde
estão representados nas figuras 5a, 5b, 5c.
Fig. 5a
Fig. 5b
Fig. 5c
Figura 5a; 5b; 5c – Animais com grau III de Periodontite. Fonte: Autores.
Na Periodontite avançada, também chamada de Grau IV, ocorre perda acentuada
dos tecidos periodontais, formação de bolsas periodontais acentuadas ou retração
gengival significativa, e perda de mais de 50% do osso alveolar. Nesse estágio há forte
mobilidade dos dentes, diz Harvey (1993). Foram encontrados dois animais com essas
características. As figuras 6a e 6b representam animais acometidos com esta
enfermidade.
Fig. 6a
Fig. 6b
Figura 6a; 6b – Cães com grau IV de periodontite. Fonte: Autores.
Fecchio et al (2006) cita que esfoliação dentária é o último estágio da doença
periodontal, a perda do osso alveolar é muito grave e o dente perde toda a inserção,
caindo espontaneamente. Quando ocorre a perda do dente, toda a contaminação que
ocorria naquele alvéolo dentário acaba. No alvéolo vazio, a inflamação retrocede, a
saliência do dente atrofia, e o epitélio gengival cicatriza, cobrindo a superfície
mandibular presente. Essas características consistem o grau V de doença periodontal,
sendo que foi e encontrado um animal neste estágio, conforme figura 7.
Figura 7 – Doença periodontal Grau V. Fonte – Autores.
O resultado das placas dos cães caracterizou-se pela presença de Streptococccus,
estas bactérias produzem endotoxinas que por sua vez induzem uma resposta
inflamatória. O mau hálito de um cão é mais do que apenas desagradável, também pode
ser um sinal de problemas sérios de saúde. Bactérias localizadas na boca de um animal
podem afetar seu corpo inteiro. Segundo Gomes (2013), Streptococcus é sensível aos βlactâmicos, especialmente a penicilina G.
Segundo Lindhe (1999) as bactérias Streptococcus spp com propriedades
adesivas colonizam a película adquirida e formam a placa bacteriana e com a maturação
da placa, a sua composição altera-se, responsável pelo desenvolvimento da doença
periodontal.
O teste do antibiótico foi realizado com o auxilio de uma seringa de insulina,
onde se colocou o antibiótico dentro da placa de Petri. Na placa em que se aplicou
enrofloxacina observou-se que as colônias de bactérias não cresceram mais, já na placa
em que foi aplicado amoxicilina, notou-se que houve morte bacteriana no local da
aplicação.
Conforme a literatura da área a enrofloxacina é um agente antibacteriano
sintético da classe das fluorquinolonas. As fluorquinolonas agem principalmente na
inibição do DNA-girase, enzima bacteriana essencial à sua replicação, que é necessária
para
o
arranjo
espacial
do
DNA
no
interior
das
células
bacterianas.
São ativas contra um grande número de bactérias gram-negativas, diversas bactérias
gram-positivas e micoplasmas. A enrofloxacina possui eficiente penetração em todos os
órgãos e tecidos, e ampla distribuição em todas as espécies, é relativamente estável,
biotransformada primeiramente no fígado.
Já a amoxicilina tem um amplo espectro de atividade antibacteriana contra
muitos microrganismos Gram-positivos e Gram-negativos, agindo através da inibição
da
biossíntese
do
mucopeptídeo
das
paredes
das
células
das
bactérias.
Tem rápida ação bactericida e o mesmo perfil de segurança do grupo das penicilinas.
Os antibióticos devem ser utilizados com precaução e não devem ser
empregados para tratar a doença periodontal (GORRELET al., 2004). Colmery (1983)
relata que em um exame histopatológico da gengiva inflamada, ficou provado que há
poucas, ou nenhuma, bactérias invasivas, e os antibióticos são incapazes de controlar
qualquer organismo causador da placa dentária. Isso revela por que o uso isolado de
antibióticos não cura e nem controla a periodontite. O uso inadequado desses fármacos
promove o aumento da resistência bacteriana, constituindo um problema para a
medicina humana e veterinária.
Durante o tratamento periodontal, a bacteremia é inevitável e perdura por até 20
minutos após o ato operatório, principalmente quando é realizado debridamento
subgengival e extrações de dentes. A profilaxia antibiótica objetiva a reduzir o risco de
bacteremia e a eventual contaminação direta de feridas que podem surgir durante o
tratamento dentário (HEDLUND, 2002).
A raspagem dos odontólitos, antigamente chamada de tartarectomia, é um
processo que visa eliminar os depósitos dentários da superfície dos dentes (GORRELET
al., 2004). A remoção dos odontólitos que se encontram acima da linha da gengiva é
realizada com instrumentais manuais, como os extratores de odontólitos ou com
aparelho de ultra-som dentário (GIOSO, 2007). Todo odontólito visível, localizado
sobre a superfície dental e eventualmente sobre a gengiva, deve ser removido
(PACHALY, 2006).
Silva, 1997, considera imperícia ou imprudência fazer a raspagem periodontal
sem anestesia ou apenas com sedativos. Para realizar o procedimento de limpeza
dentária, fez-se a medicação pré-anestésica utilizando-se atropina (0,02 mg/kg) e em
seguida induziu-se o animal ao plano anestésico com cetamina (22 mg/kg) e xilazina
(1,1 mg/kg). Após a anestesia, iniciou-se o processo de limpeza dentária com auxilio de
brocas e curetas, destartarização para remoção do tártaro e placa bacteriana, polimento
de manchas de pigmentação externa, jato de bicarbonato para remoção do pigmento
mais insistente, instrução de técnicas de escovação para melhoria da sua higiene oral e
enxaguante bucal.
Para Harvey & Emily, 1993, a raspagem do odontólito, mesmo quando realizada
adequadamente, pode tornar a superfície do dente irregular, facilitando a deposição e
retenção da placa bacteriana. Por isso, após a raspagem, o dente deve ser polido de
modo a tornar a sua superfície lisa e remover quaisquer manchas ou resíduos de placa.
Omitindo essa etapa do tratamento, a re-adesão da placa bacteriana é muito
rápida, dando continuidade ao processo de periodontite diz Penman (1994). As figuras
8a, 8b, 8c e 8d mostram o antes, durante e depois do procedimento.
Figura 8a;
Fig. 8a
Fig. 8b
Fig. 8c
Fig. 8d
8b; 8c e 8d – Antes, durante e depois do procedimento. Fonte: Autores.
Os dentes afetados por doença periodontal grave geralmente são extraídos
(HARVEY, 1992). Segundo Colmery (1983), o critério para determinar se um dente
afetado é preservável é que pelo menos um terço do periodonto de cada raiz esteja
saudável.
O segundo dente pré-molar superior foi extraído do animal em que se fez o
procedimento de limpeza dentária, por já estar sem suporte ósseo e apresentando
mobilidade. Depois do procedimento, o canino recebeu antibiótico enrofloxacina (2,5
mg/kg 12-12horas) e anti-inflamatório meloxican (0,2 mg/kg 24-24horas), por cinco
dias.
Foi repassado instruções ao proprietário sobre as técnicas de escovação para
melhoria da higiene oral e importância do enxaguante bucal. Gorrel et al. (2004), afirma
que a escovação dos dentes é reconhecida como o meio mais eficaz para remover a
placa bacteriana. Devem ser feitos todos os esforços para que os proprietários se
comprometam a escovar diariamente os dentes dos seus animais de companhia. O
sucesso da escovação depende da cooperação do animal e da motivação do proprietário,
bem como da sua habilidade técnica.
A escovação dentária deve começar já nos primeiros meses de vida do animal.
Assim pode se fazer um condicionamento progressivo do animal, até que ele se
acostume com a prática (GIOSO, 2007).
CONCLUSÃO
Com a realização deste trabalho, compreende-se que a doença periodontal é
comum em cães e gatos, atingindo cerca de 80% destes animais, causando mau-hálito,
tártaro e no casos avançados, perda dos dentes. Se não tratada, as bactérias presentes da
microbiota da cavidade oral migram para outros órgãos pela corrente sanguínea
(coração, fígado, rins); assim, responsável por diminuir a expectativa de vida dos
animais.
Os antibióticos testados enrofloxacina e amoxicilina, se mostraram eficazes
contra bactérias, no caso desta pesquisa, Streptococcus spp.
Para que os pets tenham uma vida saudável e longa, os proprietários devem
procurar um Médico Veterinário que possa realizar a avaliação, planejar e executar
o tratamento apropriado e iniciar a prevenção.
REFERÊNCIAS
ANDRADE JUNIOR, A.C.C.; ANDRADE, M.R.T.C.; MACHADO, W.A.S.;
FISCHER, R. G. Estudo in vitro da abrasividade de dentifrícios. Revista Odontologia
Universidade de São Paulo, v.12, n.3, p.231-236, jul./set. 1998.
ALMEIDA, L. R. Doença periodontal em cães etiologia e tratamento. TCC de
especialização em clínica e cirurgia de pequenos animais, apresentado à UCB como
requisito parcial para a obtenção do título de especialista em clínica e cirurgia de
pequenos animais, sob orientação do Prof. Ms. Alberto Corrêa Mendonça. Goiânia,
2006.
COLMERY, B.H. Profilaxia e cirurgia dental. In: BOJRAB, M.J. Cirurgia de pequenos
animais. 2ª ed. Rio de Janeiro: Roca, 1983. p.126-138.
DILLON, R. A cavidade oral. Atualização terapêutica veterinária: pequenos animais.
7.ed. São Paulo: Manole, 1984. p.952-975.
EASLEY, K. Veterinary dentistry: Its origin and recent history. Journal of the History
of Dentistry, v.47,n.2, p.83-85, 1999.
EMILY, P.P., PENMAN, S. Handbook of small animal dentistry. Oxford: Pergamon,
1994. p.35-53.
FECCHIO, R. S.; GOMES, M. S.; ROSSI Jr., J. L.; GIOSO, M. A. Dental proceedings
in Bush Dog (Speothos venaticus) in Brazil. In: 31th WORLD SMALL ANIMAL
VETERINARY CONGRESS. Praga - Rep. Tcheca: Anais, 2006.
GIOSO, M. A.; Odontologia para o clínico de pequenos Animais. 1ª ed. São Paulo,
p.202, 2003.
GIOSO, M.A. Odontologia veterinária para o clínico de pequenos animais. 2ª ed. São
Paulo: Manole. 2007. p.1-23.
GOMES, M. JP., Artigo sobre Gênero Streptococcus spp, escrito para FAVET-UFRGS,
2013.
GORREL, C.; GRACIS, M.; HENNET, P.; VERHAERT, L. Doença periodontal no cão
2004. Disponível em:
http://publications.royalcanin.com/renvoie.asp?type=2&id=102502&com=6&animal=0
&lang=2&session=2841478 Acesso em: 29/05/2015.
HARVEY, C.E., EMILY, P.P. Small animal dentistry. Saint Louis: Mosby, 1993. p.89141.
HARVEY, C.E. Distúrbios orais, faringianos e das glândulas salivares. In: ETTINGER,
S.J. Tratado de medicina interna veterinária. 3ª ed. São Paulo: Manole, 1992. p.12651290, v.3.
HEDLUND, C.S. Cirurgia do sistema digestório: doenças específicas, fístulas oronasais
adquiridas. In. FOSSUM, T.W. Cirurgias de pequenos animais. São Paulo: Rocca, 2002.
p.240-245
KOWALESKY, J. Anatomia dental de cães (Canis familiaris) e gatos (Feliscatus).
Considerações cirúrgicas. Dissertação apresentada para o Programa de Pós-Graduação
em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres da Faculdade de Medicina
Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo para a obtenção do título de
mestre em ciências. Orientador: Marco Antônio Gioso. 2005. 182p.
LINDHE, J. Tratado de periodontia clínica e implantologia oral. 3. ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 1999.
LIMA, T.B.F.; EURIDES, D.; REZENDE, R.J.; MILKEN, V.M.F.; SILVA, L.A.F.;
FIORAVANTI, M.C.S. Escova dental e dedeira na remoção da placa bacteriana em
cães. Ciência Rural, v.34, n.1, 2004.
McPHEE, T.; CoWLEY, G. Essencials of periodontology and periodontics. 3.ed.
Oxford: Blackwell Scientific, 1981.
PACHALY, J. R. Odontoestomatologia em animais selvagens. In:CUBAS, Z.S.;
SILVA, J.C.R. & CATÃODIAS, Z.S. Tratado de animais selvagens. São Paulo: Roca,
2006,cap.64.
PINTO, A.B.F. Tripolifosfato de sódio e hexametafosfato de sódio na prevenção de
odontólitos em cães. Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras como
parte das exigências do Curso de Mestrado em Zootecnia, área de concentração em
Nutrição de Monogástricos, para a obtenção do título de Mestre. Orientadora Profa. Dra.
Flávia Maria Oliveira Borges Saad. 2007. 79p.
SILVA, S.C. Prevenção periodontal: controle mecânico de placa. Revista Periodontia,
v.6, p.211-215, suplemento 1997.
WOLF, M., FERRONI, V. Tipos de bactéria na boca de um cachorro, 2014. Disponível em:
www.ehow.com.br/tipos-bacteria-boca-cachorro-lista_78338/ Acesso em: 05/05/15.

Documentos relacionados

O uso de selantes na prevenção da doença periodontal

O uso de selantes na prevenção da doença periodontal proprietários não realiza este procedimento. Recentemente, foram desenvolvidos produtos que, quando utilizados diretamente sobre os dentes, inibem o acúmulo da placa bacteriana e do cálculo dentári...

Leia mais

Hálito Dine - Vansil Saúde Animal

Hálito Dine - Vansil Saúde Animal Veterinária e Zootecnia, v.51, n.4, 1999. 5. EASLEY, K. Veterinary dentistry: Its origin and recent history. Journal of the History of Dentistry, v.47, n.2, p.83-85, 1999. EMILY, P.P., PENMAN, S. H...

Leia mais