11.02.2016 às 18:23 Machismo em clima de carnaval

Сomentários

Transcrição

11.02.2016 às 18:23 Machismo em clima de carnaval
11.02.2016 às 18:23
Machismo em clima de carnaval
Tatiana Cortez
Ao abrir as notícias sobre os festejos de
carnaval, é comum ler sobre a alegria e diversão
internet
dos brincantes. Contudo, nem só de confetes e
purpurina se fazem as comemorações. Para o
público feminino, ir para as festas carnavalescas
pode também significar estar passível de
assédios e contatos físicos indesejados. Serem
puxadas pelo braço, beijadas a força ou escutar
cantadas e assobios de estranhos são algumas
ocorrências comuns para as mulheres que
podem interferir em seus momentos de diversão.
Em complemento a isso, uma pesquisa realizada
pelo Instituto Data Popular mostra que
pensamentos machistas ainda são naturalizados
por uma parte da população masculina
brasileira.
A pesquisa foi feita entre os dias 4 e 12 de
janeiro, com 3,5 mil brasileiros com idade igual
Muitos brincantes aproveitam-se da folia para assediar moral e fisicamente
ou superior a 16 anos, em 146 municípios. De
mulheres. Pesquisa comprova pensamentos machistas na população brasileira
acordo com as respostas, as seguintes
que corroboram esses tipos de comportamento como naturalizados
constatações foram feitas: 61% dos homens
abordados afirmaram que uma mulher solteira
que vai pular carnaval não pode reclamar de ser cantada; 49% disseram que bloco de carnaval não é lugar para mulher
“direita”; e 56% consideram que mulheres que usam aplicativos de relacionamento não querem nada sério. Na percepção de
70% dos homens, as mulheres se sentem felizes quando escutam um assobio, 59% acham que as mulheres ficam felizes
quando ouvem uma cantada na rua e 49% acreditam que as mulheres gostam quando são chamadas de gostosa.
Índices como esses apontam como o machismo ainda está presente na sociedade brasileira, e não apenas em ocasiões
como o carnaval. Nos transportes públicos, pelas ruas e mesmo no ambiente de trabalho, situações hostis como essas são
cada vez mais comuns. Contudo, a legislação avançou nos últimos séculos e atualmente protege e busca o bem estar
feminino, apontando a não submissão legal da mulher a maus tratos dos homens.
Para oferecer a garantia de sua segurança moral e física, a lei 11.340 define, no artigo 2o: “toda mulher, independentemente
de classe, raça, etnia, orientação sexual, renda, cultura, nível educacional, idade e religião, goza dos direitos fundamentais
inerentes à pessoa humana, sendo-lhe asseguradas as oportunidades e facilidades para viver sem violência, preservar sua
saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual e social”.
Você já passou por uma situação como essa? Como sentiu-se? Relate aqui!!!

Documentos relacionados

Bloco do projeto Vida em Movimento prepara seu Carnaval

Bloco do projeto Vida em Movimento prepara seu Carnaval Várzea, local que abrigou os grandes festejos de maio, na festa de aniversário da cidade. No espaço, os idosos finalizarão a folia, com confetes e serpentinas, visto que, durante o percurso, nada s...

Leia mais

Carnaval Origem

Carnaval Origem Originariamente, os cristãos começavam as comemorações do Carnaval em 25 de Dezembro, compreendendo os festejos do Natal, do Ano Novo e de Reis, onde predominavam jogos e disfarces. Na Gália, tanto...

Leia mais