jargão Mobilian

Сomentários

Transcrição

jargão Mobilian
MOBILIDADE, CORPORATI~
EMPRESA JA TEM ESTRAl
José Jairo S. Martins
MOBILE TELEMÁTICA
LTDA.
Em 2013 os telefones celulares aliados aos tablets
vão ultrapassar os PCs no acesso à web em todo o
mundo. A massificação dos smartphones que alcançaram em 2012 a cifra de 1 bilhão de unidades comercializadas e, dos tablets vai sufocar cada vez mais
os tradicionais Pcs.
Até 2015, os embarques de tablets vão atingir cerca
de 50% dos embarques de laptop e o Windows provavelmente ficará em terceiro lugar na preferência dos
consumidores, atrás do Android e do iOs, da Apple.
As vendas de computadores pessoais (PCs) da indústria para o comércio no quarto trimestre de 2012 somaram 90,3 milhões de unidades, número 4,9% menor do
que o registrado no mesmo período do ano anterior, de
acordo com o Gartner. Mais do que um desempenho
ruim na economia mundial e desaceleração do consumo esta redução indica uma mudança estrutural do
mercado de Tecnologia da Informação e Comunicação,
provocada pelo lançamento dos tablets.
O que ocorreu foi uma mudança de cenário, se antes se imaginava que cada pessoa teria um tablet e
um PC, hoje cada vez mais há indicativos de que os
usuários terão um tablet para uso individual e compartilharão um PC.
Se o mundo corporativo tinha dúvidas agora foram
sanadas, definitivamente
entramos na era pós-PC,
aonde o número de dispositivos móveis nas empresas
passa a ser muito maior do que o de desktops.
São novos tempos marcados pela mobilidade e pelo
uso crescente de dispositivos móveis para acessar
conteúdos e aplicações.
As mudanças são, na realidade, resultado da ação de
quatro forças que atuam ao mesmo tempo no cenário
de tecnologia da informação (TI): mobilidade, redes
11
OUTUBRO/ NOVEMBRO DE 2012
I BANCO HOJE
WWWBANCOHOJE.COM.BR
,
EGIA?
sociais, computação em nuvem e internet, chamadas,
no jargão internacional: mobile, social, cloud & information.
No conceito elaborado pelo Grupo Gartner, denominado "nexo das forças", esses fatores funcionam
como quatro alavancas, cada uma com seu papel e
sua função. Assim, o papel da mobilidade, por exemplo, é ampliar as possibilidades
de acesso às pessoas. As redes sociais, por sua vez, estimulam novos
comportamentos
e novas aspirações. A computação
em nuvem nos dá novas formas de entrega ou de
obtenção de serviços e aplicações. E a informação
universalizada pela internet fornece novos contextos
às empresas e às pessoas.
Em um passado recente,
avam quase isoladamente.
gem e atuam em conjunto,
É mais rápido e agradável usar o smartphone ou o
tablet, os ganhos de produtividade
que estes dispositivos móveis trazem às empresas e a seus funcionários são muito tentadores.
As empresas já começam a vivenciar a experiência de
desenvolver aplicações prioritáriamente em plataformas
móveis ao invés das tradicionais, em PC's.
Isso significa que, se a sua empresa não possui uma estratégia para projetos de mobilidade neste momento, é
melhor criar uma e rápido, se não quiser ficar para trás.
estratégia
requer
E
UE
ET
CA
essas quatro forças atuAtualmente, elas convercom grande sinergia.
Smartphones e tablets deixam de ser simples ferramentas de comunicação para se transformar em plataformas de aplicações e de acesso a informações,
as mudanças ocorridas com a mobilidade no comportamento humano vieram para ficar. As pessoas
já não executam programas apenas em desktops e
notebooks, mas, sim, em dispositivos
móveis, que
acompanham o usuário onde ele estiver e quando necessitar. Essa revolução da mobilidade cria um novo
ecossistema, afirma Oavid Smith do Gartner Group.
Essa
.-~.L
,
uma
nova abordagem
planejamento e desenvolvimento de uma nova arquitetura de aplicação, e ela nos dirá que os fatores como
contextos irão se tornar cada vez mais importantes na
otimização da experiência para usuários móveis.
Cabe, então, às empresas acompanhar de perto os
avanços que ocorrem a cada dia nas novas técnicas
de interface de usuário (como toque, áudio, vídeo,
gestos, busca, social e contexto) e criar um novo
caminho para o futuro.
Segundo a empresa de consultoria Alix Partners LLP,
os dispositivos móveis representam hoje, cerca de
8% das transações bancárias nos EUA, a Internet
53% e as agências 14%, a consultoria também identificou que a disposição dos consumidores americanos de administrar suas finanças pessoais e fazer
transações bancárias via dispositivos móveis pegou
o setor desprevenido.
Quase 50% dos usuários de smartphones que mudaram de banco disseram que as transações móveis
foram um fator importante na sua decisão, comparado com 7% em 2010.
de
OUTUBRO! NOVEMBRO DE 2012
I BANCO HOJE
11
o FUTURO
ESTA CHEGANDO
maiores num futuro próximo.
O FATO É QUE EXISTE
UM LONGO GAP ENTRE
O CONHECIMENTO DE
QUE MOBILIDADE É
UMA NECESSIDADE
ESTRATÉGICA E O ESFORÇO
ATUAL PARA RESPONDER
O QUE É IMPERATIVO NAS
ORGANIZAÇÕES
No Brasil a expectativa é que o mobile banking se
torne, em alguns anos, o segundo maior canal de
transações dos bancos, a titulo de exemplo, atualmente, cerca de 7% das transações do Itaú Unibanco
são realizadas por dispositivos móveis.
O mundo corporativo ainda está tentando entender
como lidar com a mobilidade, podemos até afirmar que
a maioria das empresas não têm uma estratégia traçada para tal, fazendo apenas movimentos táticos pelo
mercado, atendendo pontualmente as demandas.
Um certo caos está estabelecido pelo fato de que a
grande maioria dos dispositivos móveis passou a fazer
parte das atividades da corporação através das áreas
de negócio sem nenhuma estratégia centralizada,
que tivesse como objetivo buscar o melhor aproveitamento e gestão de recursos, tanto nos aspectos de
suporte técnico à infra-estrutura como também na aferição dos custos totais de propriedade e avaliação
clara do retorno de investimentos.
Esta alternativa de adoção dos dispositivos móveis
sem uma estratégia corporativa pode resolver problemas específicos, pontuais e momentâneos da corporação. Entretanto, pelo fato de não levar em conta a
corpo ração como um todo, pode-afé criar problemas
11
OUTUBRO/ NOVEMBRO DE 2012
I BANCO HOJE
Uma avaliação qualitativa deste cenário sinaliza que
uma abordagem mais estratégica pelas corporações
na introdução de tecnologias
de mobilidade
pode
afetar operações e processos fundamentais, e ser a
diferença na adoção de regras e práticas de competitividade e de melhoria da eficiência operacional em
suas áreas de atuação.
O fato é que existe um longo gap entre o conhecimento de que mobilidade é um desenvolvimento estratégico e o esforço atual para responder o que é imperativo nas organizações. É necessário que os executivos,
CIO's, CTO's e planejadores estratégicos integrem a
nova cultura de mobilidade em suas operações.
Estes cenários e movimentos devem ser antecipados,
pesquisados,
avaliados, projetados
e definidos de
acordo com os aspectos culturais internos e externos
à corporação, bem como de acordo com a visão corporativa constituindo assim numa estratégia de Mobilidade Corporativa.
Fatores como a heterogeneidade
das tecnologias, indefinição na aplicação dos recursos, de requisitos da
empresa, dos processos de controle e, principalmente,
a falta de consciência organizacional do nível de maturidade da infra-estrutura dos serviços de TIC aplicados à
Mobilidade Corporativa, inibem os ambientes corporativos na adoção de um estratégia centralizada.
Basicamente
a estratégia de Mobilidade
consiste
na criação e gerenciamento
de novos processos de
negócio e melhores práticas que permitam colher as
vantagens das tecnologias móveis que têm agora disponibilidade garantida. Em complemento deve haver
um desenvolvimento de infraestrutura de sistemas empresariais que possam suportar o tráfego de missão
crítica no ambiente móvel.
O fato é que existe um longo gap entre o conhecimento de que mobilidade é uma necessidade estratégica
e o esforço atual para responder o que é imperativo
nas organizações.
Poucas questões chamam tanto a atenção da TI hoje
quanto a mobilidade. A diferença nas atitudes e resultados entre as organizações que abraçam a mobilidade ativamente e as que são relutantes é significativa. As organizações que adotam uma abordagem
proativa beneficiam-se muito mais do que aquelas que
não adotam, mas terão que, mais cedo ou mais tarde,
correr atrás da concorrência.