Evolução do silicone

Сomentários

Transcrição

Evolução do silicone
Cinquenta anos de evolução do silicone
Em diferentes opções de formato, preenchimento e revestimento, as próteses de
silicone se adequam aos diferentes tipo de mama e se moldam ao corpo da mulher
Quer comportamento que mude mais ao longo dos anos do que a relação da mulher
com a própria imagem? Da minissaia ao estilo boyfriend, do cabelo aprumado com
laquê à escova progressiva, o estilo feminino é mutante. Da mesma forma que os anos
60 celebraram a magreza nas passarelas e os tempos atuais defendem a aceitação do
próprio corpo, muita coisa aconteceu nas últimas décadas em uma área bastante
valorizada no quesito beleza e autoestima da mulher – os implantes de silicone.
A disponibilidade de uma enorme gama de opções, considerando o formato
(anatômicas, redondas, cônicas), o revestimento (texturizadas, lisas ou de poliuretano)
e características como projeção, largura e altura resulta de 50 anos de evolução que
nos trouxeram a próteses mais seguras, duráveis e adaptáveis ao corpo da mulher e
aos diferentes tipos de mama.
“A primeira geração, nos anos 60, era composta de próteses de formato anatômico,
lisas, preenchidas por gel viscoso e com alto índice de contratura capsular – problema
que diminuiu na geração seguinte, na década de 1970, ao mesmo tempo em que
aumentou o índice de ruptura e difusão do silicone através do envelope externo”,
comenta Dr. Marcelo Olivan, cirurgião plástico. A maior segurança das próteses de
silicone foi o principal ganho da geração dos anos 80, quando uma nova camada se
uniu ao conjunto envelope + preenchimento: a barreira de difusão, que evita que o gel
de silicone do interior da prótese extravase para seu o exterior.
As próteses de quarta e quinta gerações, ambas da década de 1990, são as que
permanecem até hoje e têm como diferenciais o formato ainda mais anatômico e a
forma estável de preenchimento, com menos ondulações (quinta), ambas mais seguras
e menos suscetíveis a vazamento do conteúdo. Em 2008, surgiu o modelo cônico, que
não se deforma com o passar do tempo.
“Com relação ao volume, era de 140 ml a 180 ml nos anos 80, passou de 200 ml na
década seguinte, ficou na média de 300 ml a 350 ml nos anos 2000 e, atualmente,
apesar de maiores, têm o aspecto bem mais natural”, acrescenta Dr. Marcelo.
Um ganho importante na linha do tempo das próteses de silicone são as revestidas de
poliuretano, presentes no mercado desde o início dos anos 70. Usadas inicialmente
para aumentar a aderência entre o implanta e os tecidos, hoje se aplicam a qualquer
formato e, desde a década de 90, são produzidas no Brasil com exclusividade pela
Silimed. Outro exemplo do pioneirismo da empresa é a nova linha de próteses com
três modelos anatômicas e as opções redonda e cônica. As novas próteses da Silimed
foram desenvolvidas especialmente para a mulher brasileira, cujo biótipo difere da
americana e da europeia.
TESTADA E APROVADA
As próteses de silicone da Silimed passam por severos testes e o controle de qualidade
ocorre em todas as etapas do processo produtivo, o que garante a excelência e
segurança dos implantes. Se por acaso um implante apresentar alguma irregularidade
é descartado imediatamente. Todas as próteses são esterilizadas e para evitar
qualquer tipo de contaminação microbiológica os produtos são submetidos a
equipamentos qualificados. Até o ar da fábrica é monitorado e filtrado. Seguindo
padrões nacionais e internacionais os ambientes são rigorosamente controlados e
monitorados. Há controle da temperatura e umidade do ar.
RESISTÊNCIA: para assegurar a resistência dos implantes são realizados testes que
avaliam a ruptura, alongamento, retorno elástico e resistência ao rasgo. Todas essas
aferições são feitas com equipamentos específicos requeridos por padrões nacionais e
internacionais. O teste de impacto é um exemplo. O implante é submetido a uma força
de impacto de dispositivo que sofre queda livre, com altura proporcional a sua massa.
Além de testes mecânicos são realizados também testes químicos e toxicológicos.
Cerca de 40 funcionários trabalham no departamento de qualidade da empresa.
SELOS: Os implantes mamários SIlimed são aprovados no Brasil (Registro ANVISA e selo
INMETRO), Europa (marca CE) Estados Unidos (aprovação pela FDA). Existem somente
três fabricantes de implantes mamários gel nos Estados Unidos, sendo um deles a
SILIMED), Coréia e vários outros países do mundo.
ANOS 80 - PRÓTESES LISAS
ANOS - PRÓTESES TEXTURIZADAS
ANOS 2000 - LINHA BIODESIGN SILIMED POLIURETANO
ADVANCE
Cônico
(Advance)
O formato cônico,com bordas finas e base estreita,permite uma curva suave, sem
formas "degraus".
MAXIMUM - O implante para o seio Maximum apresenta base redonda, perfil esférico
e pólo médio.
NUANCE - A prótese Nuance possui base oval, perfil anatômico e pólo inferior.
NATURAL - Os silicones para mama no modelo Natural possuem base redonda, perfil
gota e pólo médio.
ENHANCE - A prótese para o seio no modelo Enhance possui base oval, perfil
anatômico e pólo superior para o seio.

Documentos relacionados

Leia a matéria

Leia a matéria novidade > implantes ajustáveis Além da diversidade em tamanhos e modelos, as novidades não param por aí. Segundo o cirurgião plástico Antônio Macedo, outro modelo vem chamando muito a atenção. “Sã...

Leia mais

xibir seios fartos é o sonho de muitas brasileiras. No País, o

xibir seios fartos é o sonho de muitas brasileiras. No País, o Silicone X Câncer Para o cirurgião plástico Nelson Letízio, a relação das próteses de silicone - mesmo as que tiveram ruptura capsular e que continham silicone industrial -, com o câncer é pouco

Leia mais