Inventar a paz - United World Project

Сomentários

Transcrição

Inventar a paz - United World Project
SERVIÇO DE INFORMAÇÃO
High‐LevelThematicDebateonPromotingToleranceandReconciliation:FosteringPeaceful,InclusiveSocietiesandCountering
ViolentExtremism
NewYork–UnitedNationsHeadquarters
April21‐22,2015
NovaIorque–SededaONU
Debatetemáticodealtonível“Promoveratolerânciaeareconciliação”
Plenária–22deabrilde2015
INVENTARAPAZ
Dra.MariaVoce
PresidentedoMovimentodosFocolares
QueroantesdemaisagradeceràOrganizaçãodasNaçõesUnidaseàAliançadasCivilizaçõesporesteDebate
epeloconvitequemefizeramparaparticiparnele.Masquerosobretudoagradecer‐lhesportudooque
fizeramecontinuamafazerquotidianamente,atravésdemeiosdiplomáticos,recursoshumanosetudomais
queestáaoseualcance,parafavoreceraconstruçãodeummundomaisfraterno,maisseguroemaispacífico.
Conto‐lhesumahistória.
Em1943,naterrívelfasefinaldaSegundaGuerraMundial,umgrupodemoçassereúnenapequenacidade
deTrento,naItáliasetentrional.Emmeioàsbombas,essasjovens,lideradasporumajovemprofessora,
ChiaraLubich,motivadasporumarenovadacompreensãodoradicalismodoamorevangélico,decidem
arriscaraprópriavidaparaaliviarosofrimentodospobres.Umgestoquemuitaspessoas,antesedepois
delas,realizaramerealizarão(bastapensarnoscamposderefugiadosnoLíbano,naSíria,naJordânia,no
Iraque,ounasperiferiasdegradantesdasmegalópolis)quetemaforçaeopotencialdefomentar,nocircuito
destrutivodoconflito,oempenhoparaqueseregenereotecidosocial,realizandoumaaçãodepeace‐
building.«Eramtemposdeguerraetudodesmoronava»serepetetodasasvezesemquesenarraahistória
daquelasjovens;maselasdecidiramromperocírculoviciosodaviolência,respondendocomgestoseações
que,noclimadoconflito,poderiamparecerutópicosouatémesmoirrelevantes.Masnãofoioqueaconteceu,
enãoéassim!
Nãolhesnarroesseacontecimentopararecordarumcasodeestudo,nemmesmoparaindicarummodelode
dedicaçãoaumacausasocial,masparaevidenciarquetambémhojenosencontramosnumagravíssima
situaçãodedesagregaçãopolítica,institucional,econômicaesocial,quetambémexigerespostasradicais,
capazesdemudaroparadigmaprevalente.Defato,oconflitoeaviolênciaparecemdominaramplasáreasdo
planeta,envolvendopessoasinocentes,consideradasculpadasporseencontrarememumterritório
disputado,porpertenceremaumdeterminadogrupoétnicoouprofessaremumareligiãoemparticular.
NoMovimentodosFocolares,quetenhoahonraderepresentar,oencontroentreasculturaseasreligiões
(Cristianismo,Islamismo,Hebraísmo,Budismo,Hinduísmo,religiõestradicionais)éumaexperiência
contínuaefecunda,quenãoselimitaàtolerânciaouaosimplesreconhecimentodadiversidade,masvaiaté
mesmoalémdafundamentalreconciliação,egera,porassimdizer,umanovaidentidade,maisampla,comum
epartilhada.Éumdiálogodinâmico,queenvolvepessoasdediferentesconvicções,atémesmonãoreligiosas,
queimpulsionaaolharparaasnecessidadesconcretas,earesponder,juntos,aosdesafiosmaisdifíceisno
âmbitosocial,econômico,culturalepolíticocomocompromissodeviveremproldeumahumanidademais
unidaesolidária.Issoaconteceemcontextosqueforamousãocaracterizadosporgravíssimascrises,como,
2.
porexemplo,naArgélia,naSíria,noLíbano,noIraque,naRepúblicaDemocráticadoCongo,naNigéria,nas
Filipinas.
Estenãoéumtempodemeiasmedidas.Seexisteumextremismodaviolência,devemosresponderaisso–
semmenosprezaranecessidadededefender‐seededefender,sobretudo,osfracoseperseguidos–como
mesmoradicalismo,porémdemaneiracompletamentediferente,ouseja,como«extremismododiálogo»!
Umdiálogoquerequeramáximaabrangência,queéarriscado,exigente,desafiador,quevisaarrancaras
raízesdaincompreensão,domedoedoressentimento.
AAliançadasCivilizações,queatuanoâmbitodestaInstituição,propõeumanarrativaalternativae
construtivadainteraçãoglobal.Almejaevidenciaraquiloqueuneahumanidadeemtodasassuasmúltiplas
expressões,aoinvésdaquiloque,àprimeiravista,poderiadividi‐la.É,portanto,degrandeimportância,falar
deumaaliançadascivilizações!Noentanto,podemosquestionarsehojenãosetornaaindamaisnecessário
aprofundararaizdessanovaperspectiva,tendocomoobjetivonãosóumaaliançadascivilizações,mas
aquelaquepoderíamoschamarde"civilizaçãodaaliança";umacivilizaçãouniversal,eissosignificaqueas
pessoasconsideram‐separtedagrandehistória,pluralefascinante,docaminhodahumanidaderumoà
unidade.Umacivilizaçãoquefazdodiálogoaestradanaqualtodossereconhecemlivres,iguais,irmãos.
Entreasmuitasorganizaçõesaquirepresentadas,permitam‐melembrartambémdeNewHumanity,
organizaçãonãogovernamentalquerepresenta,nestasede,onossoMovimento,quepromoveeapoiaassuas
iniciativasequetambéméparceirooficialdaUNESCO.
Diantedeumconsensotãoamploeinclusivo,nãopossoevitarumapergunta:aONUnãodeveria
reconsiderarasuavocação,reformularasuamissãofundamental?Oquesignificaser,hoje,aorganizaçãodas
“NaçõesUnidas”,umainstituiçãoquerealmentedesempenhaasuafunçãodetrabalharpelaunidadedas
nações,norespeitoàssuasriquíssimasidentidades?Semdúvida,éfundamentaltrabalharpelamanutenção
dasegurançainternacional,masasegurança,emboraindispensável,nãoequivalenecessariamenteàpaz.
Osconflitosinternoseinternacionais,asprofundasdivisõesregistradasemescalamundial,juntocomas
grandesinjustiçaslocaiseplanetárias,exigemumaverdadeiraconversãonosatosenasescolhasda
governançaglobal,querealizeoslogancriadoporChiaraLubich,elançadoaquiem19971,“amarapátria
alheiacomoaprópria”,apontodeedificarafraternidadeuniversal.
Finalmente,nãodevemosdarespaçoàquelesquetentamrepresentarmuitosdosconflitosemcursocomo
“guerrasdereligião”.Aguerraé,pordefinição,airreligião.Omilitarismo,ahegemoniaeconômica,a
intolerânciaemtodososníveis,unidosamuitosoutrosfatoressociaiseculturais,dosquaisareligião
constituiapenasumtrágicopretexto,são,muitasvezescausasdeconflito.Aquiloaqueassistimosemmuitas
áreasdoplaneta,doOrienteMédioàÁfrica,talcomoatragédiadecentenasdemortosentreaspessoasque,
escapandodaguerra,naufragamnoMediterrâneo,tempoucoavercomareligião.Detodosospontosde
vista,nessescasos,devemosfalarnãotantodeguerrasdereligião,mas,concretamente,deformarealistae
prosaica,dereligiãodeguerra.
Oquefazer?ChiaraLubichescreveucomesperançaefirmeconvicçãodepoisdosatentadosde11de
setembrode2001edasintervençõesmilitaresnoAfeganistão(2001)enoIraque(2003):«Nãovamosceder!
(….)Sãomuitosossinais,paraque,dagraveconjunturainternacional,possafinalmenteemergirumanova
consciênciadanecessidadedetrabalharjuntospelobemcomum,povosricosemenosricos,com
armamentossofisticadosounão,religiososounão,comacoragemde“inventarapaz”.Otempodas“guerras
santas”acabou.Aguerranãoémaissanta,enuncafoi.Deusnãoqueraguerra.Somenteapazérealmente
santa,porqueopróprioDeuséapaz.»2.
Éprecisamenteesseoválidocontributoqueasreligiõespodemdaraessanovaconsciência:seremfiéisàs
suasinspiraçõesfundamentais,àregradeouroqueasaproxima.Asreligiõesqueremserelasmesmas,não
uminstrumentoutilizadoporoutrospoderes,aindaqueparafinsnobilíssimos,nemmesmoumafórmula
arquitetadapararesolverosconflitosoucrises,masumprocessoespiritualqueseencarnaesetornauma
comunidadequecompartilhaedásentidoàsalegriaseaossofrimentosdetodoohumano,levandotudoa
contribuirparaarealizaçãodaúnicafamíliahumanauniversal.
MariaVoce
1
2
C.LubichnoSimpósio“RumoàunidadedasNaçõeseàunidadedospovos”,SededasNaçõesUnidas,28/05/1997
C.Lubich,Noallasconfittadellapace,Editoriale,CittàNuova,2003,n.24
Via Frascati, 306 - Rocca di Papa (Roma) Italia - T. +39 06 94798147 - [email protected] - www.focolare.org

Documentos relacionados

Presentación de PowerPoint

Presentación de PowerPoint É uma frase que nos faz compreender a grande lição que toda a vida de Jesus tinha Esta é uma das Palavras de Vida em vista. que coloca mais em evidência o Ou seja, que o mais aspecto CONTRA-A-CORRE...

Leia mais

O Movimento dos Focolares e o diálogo

O Movimento dos Focolares e o diálogo Na Europa o Movimento dos Focolares promove relações de amizade com fiéis e comunidades muçulmanas. Muito significativa uma experiência realizada na Macedônia, onde foi inaugurada uma escola matern...

Leia mais

Transcrição

Transcrição Seguir Cristo significa decisão, empenho e perseverança, enquanto que no mundo em que vivemos tudo nos parece convidar ao comodismo, à mediocridade, ao "deixa pra lá". A tarefa se apresenta como ár...

Leia mais

O magnificat de Madre Teresa de Calcutá recolhido por Chiara Lubich

O magnificat de Madre Teresa de Calcutá recolhido por Chiara Lubich Ela descreve assim o encontro que ocorreu no fim de maio de 1997, em um local pobre no Bronx, em Nova York, em uma cela do convento das Missionárias da Caridade. “Tive um encontro longo e inesquecí...

Leia mais