- Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio

Сomentários

Transcrição

- Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio
Órgão Oficial do Sindicato dos Músicos
Profissionais do Estado do Rio de Janeiro
www.sindmusi.org.br
e-mail: [email protected]
Abril a Junho de 2007
Parceiros Estratégicos CulturaPREV
Parceiro Institucional
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678
o
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678
N 36 - Edição Especial de Centenário
SindMusi comemora centenário
com música e homenagens
Mães na música
Maestro Alceo Bocchino recebe a medalha Francisco
Braga em solenidade na festa do centenário
Mães musicistas concordam: é preciso
superar desafios para exercer a profissão
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789
Pág.3
Kleber Vogel, Alceo Bocchino,
Déborah Cheyne, Léo Ortiz e Álan Magalhães
Veja também...
Entrevista
Nicolas Krassik fala sobre
sua experiência com a
música brasileira
Odette Ernest Dias, flautista e mãe
de seis filhos
Pág.7
4
Nayran
Maestro Francisco Braga,
um defensor da dignidade
profissional
15
11
Novas parcerias
SindMusi fecha parceria com
Unimed-Rio com preços
especiais para associados.
Jornal Musical
N o 36
1
Tabela de Cachês para Trabalhos Eventuais
Palavra de Presidente
(Valores em Reais - a partir de 19/04/07)
Músicos contratados no Rio de Janeiro receberão cachês estabelecidos na tabela do SindMusi/RJ
Déborah Cheyne
Sabemos que não é preciso ir muito longe para reconhecer um parceiro em potencial que esteja disposto a contribuir, a se unir e compor pela simples vontade de construir e crescer junto. Passos importantes tem sido dados assim: de mãos dadas com parceiros que, ao
longo da caminhada, se tornam irmãos.
Em 1997, o SindMusi se viu maduro o suficiente para buscar parceiros
além dos nossos limites geográficos. Filiou-se então à FIM. Reconhecia-se naquele momento a necessidade de ampliação de espaço
politico e solidez de atuação.
Hoje o sindicato goza de uma excelente reputação dentro da FIM,
entidade que possui 66 entidades filiadas de todos os continentes. Somos parte do Comitê Executivo e em muitos dos encontros
somos nós os representantes da América Latina. É com muito orgulho que podemos afirmar que somos o sindicato latino americano mais representativo, consolidando assim nossa confiança e respeitabilidade.
A participação do SindMusi dentro da FIM vem crescendo e trazendo frutos que respondem à nossa dedicação a esta entidade. O
SindMusi recebeu este ano apoio financeiro para o evento que ocorreu em abril (Projeto FIM-GRM no Centenário SindMusi) onde tivemos a oportunidade de reunir representantes de sindicatos de outros estados e contamos com a presença do secretario geral da FIM,
o Sr. Benoit Machuel.
É meta do SindMusi estimular e capacitar sindicatos novos e menores. Encontros como este são fundamentais, não só pela aproximação das diferentes regiões do país como também para criar um sentido único de luta. A FIM tem a mesma meta em escala maior e, claro,
não poderia deixar de nos apoiar neste momento.
Nosso prestígio é visivel e crescente. Recebemos neste ano a manifestação de outros sindicatos bastante representativos que desejam
atuar em parceria com o SindMusi, como o Sindicato da Suécia, que
também festeja o seu centenário e, mais uma vez, o sindicato da
Dinamarca. Neste momento o Comitê Executivo está reunido em
Nashville e certamente trataremos de colocar estas propostas no papel e formatar algum projeto em parceria.
Pretendemos tambem neste encontro oficializar o convite para sermos, no ano 2008, os anfitriões para o 92º Encontro do Comitê Executivo da FIM.
Gravações
Tapes Especiais
CD
Teatro/ Historieta/ etc
Por Período ................................ R$ 180,00
Por Período
Chamada mínima 03 períodos ........... R$ 540,00
Instrumentista/ Corista/ Ritmista
por período ................................ R$ 180,00
Dobra 01 período ......................... R$ 180,00
Solo 10 períodos ......................... R$ 1.800,00
Por Faixa
Faixa (Instr./ Corista/ Ritmista) ........ R$ 540,00
Dobra ....................................... R$ 180,00
Solo ........................................ R$ 1.800,00
Making Of de CD
Por faixa ................................... R$ 270,00
Obs: Tempo máximo para gravação de uma faixa
2h30m. Hora excedente ou fração.
.............................................. R$ 180,00
Apresentação ao vivo
Acompanhamento de Artistas Nacionais
Por show ................................... R$ 750,00
Por ensaio (máx. 03 horas) .............. R$ 750,00
Hora extra de ensaio ..................... R$ 250,00
Acompanhamento de Artistas
Nacionais no Exterior
Por show ................................. R$ 1.500,00
Acompanhamento de Artistas Estrangeiros
DVD
Por Faixa ................................... R$ 540,00
Obs: Caso o material gravado para o DVD se converta
em CD, deverá ser pago em adicional o valor de tabela
para gravação de CD.
Arranjo
Por arranjo .............................. R$ 1.270,00
Por Regência ............................. R$ 1.270,00
Cópias - Garantia mínima
550 compassos ............................. R$ 250,00
Por compasso ................................. R$ 0,45
Jingle ou Vinheta
Por Período
Chamada mínima 02 períodos ............. R$ 600,00
Peça até 1 minuto período ............... R$ 300,00
Dobra ....................................... R$ 300,00
Solo 10 períodos ......................... R$ 3.000,00
Faixa
Cada faixa .................................. R$ 600,00
Cada Dobra ................................ R$ 300,00
Solo ........................................ R$ 3.000,00
Obs: Tempo máximo para gravação de uma faixa
2h. Hora excedente ou fração.
.............................................. R$ 300,00
Filmes
Trilha sonora para longa metragem ou entretenimento
além de 60 min. (onde se desobrigue música ao vivo)
Por Período
Trilha para filme nacional
Chamada mínima 03 períodos ......... R$ 1.200,00
Período ..................................... R$ 400,00
Trilha para filme internacional
Chamada mínima 03 períodos ......... R$ 1.635,00
Período ..................................... R$ 545,00
Obs: Esses valores não incluem lançamento da trilha em CD.
Por show ................................... R$ 930,00
Por ensaio (máx. 03 horas) .............. R$ 930,00
Hora extra de ensaio ..................... R$ 310,00
Obs: O valor do show inclui passagem de som (soundcheck) de 3 horas. Após este tempo, paga-se hora
extra de ensaio.
Concerto Sinfônico, Câmara, Balé,
Ópera, Opereta e Congêneres
Orquestra - por Espetáculo
Spalla ....................................... R$ 570,00
Instrumentista - Cordas/ Sopros
Percussão/ Outros ........................ R$ 465,00
Orquestra - por ensaio (máx. 03 horas)
Spalla ....................................... R$ 465,00
Instrumentista - Cordas/ Sopros
Percussão/ Outros ........................ R$ 360,00
Coro - por espetáculo
Corista .......................................... 465,00
Coro - por ensaio (máx. 03 horas)
Corista .......................................... 210,00
Obs: Será cobrado 20% sobre o valor do período de
ensaio para cada hora ou fração de hora excedente.
Pianista Co-Repetidor
(por hora de ensaio) .......................... 110,00
Músico acompanhador para aulas de
balé, dança e congêneres
Por hora ...................................... R$ 60,00
Baile
Por baile ................................... R$ 310,00
Música ao vivo (ambiente)
Por apresentação ......................... R$ 310,00
Casamentos / Cerimônias religiosas
Por cerimônia ............................. R$ 180,00
Aula Particular
Hora/aula ..................................... R$ 60,00
Normas de gravação
1. O tempo de trabalho começa a ser contado a
partir do momento em que o músico estiver à disposição do contratante.
2. Na gravação por período, o primeiro período é de
60 (sessenta) minutos e os subseqüêntes, de 45 (quarenta e cinco) minutos.
3. Dobra é a execução da mesma partitura com o
mesmo instrumento mais que uma vez.
Expediente
Cachê de Televisão
Chamada mínima de 05 horas ............ R$ 750,00
Hora Excedente ou fração ................ R$ 225,00
4. Cada troca de instrumento corresponde a nova
chamada mínima ou faixa.
5. Cada nova partitura executada pelo mesmo músico, num mesmo arranjo, corresponde a nova chamada mínima ou faixa.
6. Na gravação por período, quando o número de
faixas for maior que o nº de períodos, o músico
receberá o número de períodos correspondente ao
número de faixas gravadas.
7. Pout-pourri é o arranjo de mais de uma música
com, no máximo, 100 compassos. Ultrapassando este
limite, corresponde a novo arranjo e assim subseqüentemente.
SINDMUSI - Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio de Janeiro: Presidente: Déborah Cheyne • Vice-Presidente: Itamar Assiére • Diretor Tesoureiro: Luiz Carlos Hack • Diretor do Trabalho: Leandro Vasques
• Diretor Secretário: José Augusto • Diretora do Patrimônio: Ariane Petri • Diretor Administrativo: Álan Magalhães • Diretor Social: Adil Tiscatti • Diretor de Comunicação: Kleber Vogel • Diretor de Informática: Flávio
Pereira • Representante I: Carlos Malta • Representante II: Victor Neto • Conselho Fiscal: Carlos Soares, Mauro Ávila e Nayran Pessanha • Suplentes: Anselmo Mazzoni, Fabiano Krieger, Nando Gomes, Jair de Sousa, Fernando
Merlino, Laura Rónai, Sonia Katz e Ubiratã Rodrigues • Quadro Funcional:Gerente Administrativa: Natalia Carneiro • Advogados: Helder Silveira e Karen Rocha • Escritório Contratado: José Carlos Quental • Auxiliares
Administrativos: Alex Gomes Freire e Angelica Angelo • Serviços Gerais: Vera Kloczko • Endereço: Rua Álvaro Alvim, 24/405 • Cinelândia • Rio de Janeiro - RJ • CEP: 20031—010 • Tel: (21) 2532-1219 • Fax: (21) 2240-1473
•homepage: www.SindMusi.org.br • email: [email protected] • Horário de Atendimento: 2ª a 6ª das 10 às 18h. • Delegacia Regional Serrana do SindMusi: Delegado: Álan Magalhães • Jornal Musical: Jornalista
responsável: Miguel Sá • Projeto Gráfico e Diagramação: Amarilio Bernard ([email protected]) •Fotolito e Impressão: Jornal do Comércio •Tiragem: 6.000 exemplares • Circulação: Rio de Janeiro.
2
Jornal Musical
No 36
Mães, filhos e música: uma convivência que dá certo
Estudos, gravação, trabalhos com horários irregulares: há vários desafios a serem superados pelas mães musicistas para
criar os filhos. Nada que não possa ser superado com alguma organização e muito afeto
Conciliar a carreira com a maternidade é algo comum hoje. Mas se já
não é uma tarefa simples para quem
trabalha em profissões "tradicionais", o que se pode dizer das mães
que trabalham como musicistas?
Concertos, ensaios e shows acontecem em horários
incomuns, fora o
desafio de estudar
com crianças em
casa. Como fazer
para que os filhos
convivam bem com
a rotina de músico?
A matriarca
horários é a diferença entre a atividade
de músico e outras
profissões. "Temos de
estar disponíveis em
vários horários. Tem
viagens, gravações de
madrugada, concertos à noite...", enumera a também flautista.
Para ela, a colaboraAndréa
ção de outras pessoErnest Dias,
as da família é fundaflautista
mental. "Agora, por
exemplo, estou viajando e meu filho de 14 anos está com a
minha irmã", comenta. "Eu cresci em
uma casa de músicos e minha mãe é
o melhor exemplo de que dá para
conciliar", conclui Andréa.
A colaboração da família é realmente importante, principalmente
A flautista Odette Ernest
quando a musicista tem um dia a
Dias teve que resolver
dia tão inconstante quanto o da saesta equação em uma
xofonista Daniela Spielmann, que
época na qual a maioria
tem uma filha. "Tenho muita coladas mulheres ainda eram
boração de meu marido e de minha
donas de casa. E o desaOdette Ernest Dias,
sogra", diz Daniela, que toda semafio não foi pequeno: foflautista
na tem que ir a São Paulo gravar o
ram seis filhos em um inprograma de Sérgio
tervalo de oito anos e
Groismann, na Rede
meio, sendo que cinco deles se
Globo. Quando tem de
tornaram músicos. Gravações, conpassar muito tempo
certos e aulas faziam parte de uma
longe da filha, como a
rotina na qual era difícil estudar.
vez em que viajou 15
Odette lembra quando, na décadias com o Projeto
da de 60, teve de tocar o concerPixinguinha, Daniela
to para flauta de Jacques Ibert.
busca compensações.
"Não é algo que 'caia no dedo' as"Esta é uma situação
sim fácil", comenta Odette. Acacomplicada. Se viajo
Daniela
Spielmann,
bou que a musicista estudou o conassim, depois tento fisaxofonista
certo dentro do armário. "Abria o
car uma semana sem
guarda roupa e ficava tocando lá dentro,
trabalho
para
ficar
mais
com ela". No enmas eu toquei o concerto!", se diverte a
tanto, há mudanças inevitáveis na rotina.
flautista. "Hoje tenho mais tempo e me deAntes de ser mãe, a saxofonista tocava
dico mais, até gravei um disco meu.
todo dia, o que
Odette conta que teve sorte pelo fato
não acontece
de os filhos não terem dado trabalho.
mais. "Mas crian"Nunca precisei sentar ao lado deles para
ça inspira muito.
fazer um dever. Todo mundo passava de
Estou ligada em
ano. Todos estudaram, fizeram vestibular
música para cripara universidade pública, se formaram e
ança, falta coisa
alguns fizeram mestrado e doutorado",
boa nesse terreenumera a flautista. Ela relembra que os
no", lamenta.
filhos mais velhos ajudavam a cuidar dos
A ajuda de babás
mais novos. "Houve um momento que retambém é imporalmente sentia uma certa culpa, mas hoje
tante. A harpista
não sinto mais isso. Todos eles sabem se
Cristina Braga,
Cristina Braga
virar em casa. Meus filhos cozinham e saharpista
comenta que
bem cuidar de filho pequeno porque se
esta é uma facilidade que ocorre mais no
cuidavam uns aos outros", fala Odette.
Brasil, já que empregados domésticos no
Rotina incerta
exterior são muito caros. "As musicistas
de fora ou tem apenas um filho, ou não
Um dos seis filhos de Odette é Andréa
os têm", comenta a instrumentista mãe
Ernest Dias. Para ela, a irregularidade dos
de três filhos de 18,
17 e dez anos. A
fagotista Ariane
Petri também conta com a ajuda de
babá, já que é alemã e não tem família no Brasil. O marido é maestro e
tem uma rotina parecida com a dela.
"A vantagem do múAriane Petri, fagotista
sico é não ter horários fixos. Pode
almoçar em casa, estudar também. A desvantagem é não ter horários fixos", se diverte Ariane.
Estudos
O músico não trabalha só no teatro, no
estúdio ou na casa
de shows. Em casa, a
rotina de estudos
também é algo que
tem de ser bem administrado. Lúcia
Morelenbaum, clariLúcia Morelenbaum, netista, teve três filhos, hoje com 21, 19
clarinetista
e 14 anos. Ela diz que
quando eles eram
pequenos, ficava mais difícil estudar. "Eles
ficavam escutando eu praticar, porque eu
não podia parar". Mas Lúcia também vê vantagens neste tipo de rotina: a possibilidade de os filhos saberem que a mãe está em
casa. "Apesar das dificuldades, tem um lance gostoso de passar
aquilo em que se
acredita para eles",
diz a instrumentista.
A pianista Maria Teresa Madeira tem
uma filha de 11 e um
de 14. Ela lembra
todo dia aos filhos
que o fato de estar
em casa não significa que não esteja Maria Terasa
trabalhando. "Educa- Madeira, pianista
ção é insistência. No
meu caso funcionou", explica a musicista.
"Na hora em que estou estudando, não atendo telefone e não pode ficar interrompendo. Aos poucos funciona", diz a pianista.
A fagotista Ariane Petri acredita que não
precisa deixar de curtir a família por causa do estudo. "Eu acho que estudar passa
uma mensagem legal para a criança: eles
fazem dever de casa e eu também". Cristina
Braga chegava a estudar com os filhos pequenos no colo.
Ir à faculdade, correr em casa para amamentar, retornar para ainda acompanhar
o fim da aula... Esta foi a rotina da pianista Elisa Wiermann quando teve seu filho
que hoje está com 24 anos. Ele nasceu no
seu primeiro ano de Bacharelado da UFRJ.
"Para terminar a faculdade e enfrentar a
carreira que começava, precisava inventar horas para conciliar as duas "profissões", mãe e musicista",
comenta. "Tentei passar para meu filho o legado da educação que
tive o privilégio de obter de meus pais. Tenho
orgulho em dizer que
consegui." "Determinação e disciplina são coisas que o musicista precisa ter naturalmente;
somando-se à esta peElisa Wiermann,
culiar carreira o desapianista e
fio da maternidade, o
cravista
esforço tem que ser
redobrado, para que
não se perca nada nas duas áreas. Nada
que muito café e 5 horinhas de sono por
dia não resolvam..."
Apoio da família
"Acho imprescindível
a ajuda da família.
Meus pais me ajudaram muito e foi isso
que viabilizou a minha
carreira", diz a violinista Sônia Katz com
três filhos, 21, 18 e
Sônia Katz,
violinista
7, "Os três sempre
me acompanhavam
nos trabalhos, o do meio seguiu a carreira profissional como violinista e hoje está
se aperfeiçoando em uma faculdade na
Alemanha.
Afetividade
Todas as mães falam em organização e ajuda de parentes e empregados para dar
conta da criação dos filhos em uma rotina tão incerta, mas elas falaram também
sobre o amor que tem de acontecer para
que tudo funcione. Isto pode ser resumido nas palavras de Odette Ernest Dias.
"Trabalhei muito também a noite. Meu marido me acompanhava. O Geraldo era um
centro afetivo na família. Isso é muito importante, mais do que o material, mais
do que praticidade, porque ele não era
prático. Ele era uma pessoa que tinha
essa qualidade de bondade", relembra a
musicista. "O centro da questão é como
se utiliza o tempo e o apoio afetivo. O
afeto é a base de tudo. Sem isso não se
faz nada", finaliza Odette.
Jornal Musical
N o 36
3
“
“
Entrevista:
Nicolas Krassik
O
violinista francês Nicolas Krassik tem sólida formação
erudita pelo Conservatoire National de Region d'Aubervilliers-la Courneuve.
O músico também estudou jazz no C.I. M (Centre de Fomation Musicale de
Paris). Krassik já acompanhou músicos como o pianista Michel Petrucciani,
com quem gravou o CD Marvellous, em 1994 e gravou um CD com a Orquestra
do violinista francês Didier Lockwood, por acaso também diretor da escola
onde Nicolas foi professor no Curso de Improvisação, mas desde muito tempo
que o músico presta atenção na música do Brasil.
A proveitando a visita do violinista ao
SindMusi para se filiar ao CulturaPrev,
Kleber Vogel e Nicolas Krassik falaram sobre música na França, no Brasil e as pesquisas que o Francês vem fazendo sobre a
música brasileira.
Kleber Vogel - Como surgiu o interesse
pela música brasileira?
Nicolas Krassik - Quando eu cheguei, não
conhecia ninguém. Estava com uma mala
e meu violino. Cheguei de viagem rapidinho e me levaram para a Lapa a noite.
Depois disso, com três semanas de Rio, fui
uma noite na Lapa na noite do Festival de
Choro, na sala Cecília Meirelles. Eu já tinha visto na TV algumas figuras como o
Armandinho, o Hamilton de Hollanda, e
neste festival eu vi muita coisa. Aí me
levara para o Semente. Dei canja, conheci
o Yamandú Costa... Foi uma coisa super
rápida. Lá encontrei o local para experimentar. O que eu vi lá era o choro, só que
um choro que eu não conhecia. Na realidade, na França eu tocava MPB e um
pouquinho de samba. João Bosco, Beth
Carvalho... Meu único conhecimento de
choro, que me ajudou quando cheguei, foi
que, na Alemanha, houve um festival de
jazz que tinha como tema uma homenagem a Pixinguinha. Todo mundo se reuniu
e começamos a fazer arranjos em cima do
repertório do Pixinguinha, só que ninguém
tocava choro. Fiz arranjo para uma música do Pixinguinha sem saber como tocar
choro! Mas quando cheguei ao Brasil, sabia tocar de cor 1 x 0, Vou Vivendo e TicoTico no Fubá. O que eu não conhecia foi o
jeito de tocar choro da nova geração, um
pouco improvisado, que, para mim, soou
como jazz brasileiro. Deu para mim conciliar coisas do jazz que venho aprendendo e estudando dentro de uma linguagem
brasileira que eu gosto.
4
Jornal Musical
No 36
K.V. - Há muitas diferenças na forma de
tocar o Choro da nova e da velha guarda?
N. K. - Muita diferença, principalmente
na quantidade do improviso e no jeito de
improvisar. O pessoal de choro mais novo
tem a influencia do jazz. O violonista que
toca sete cordas comigo, o Nando Duarte,
começou tocando guitarra, tocando rock,
jazz. Ele tem essa bagagem, e isso muda o
jeito dele tocar. Tem mais improviso, a
linguagem é um pouco mais "moderna"
também, mas isso é relativo, porque quando você escuta as variações do Jacob do
Bandolim...
“O músico tem que
estar no lugar em
que ele consegue
se realizar.”
K.V. - Você sabe que a origem do choro
vem da música européia também. A polca,
a valsa lenta, o minueto.
N. K. - Isso é uma coisa que talvez tenha
me ajudado na identificação.
Acho tudo isso parecido também com o
universo do jazz cigano do Django
Reinhardt, Stéphane Grapelli.
Você pega valsas, por exemplo, no
acordeon. Uma Desvairada, do Garoto, então... O Chico Chagas, outro dia eu estava
na casa dele, quando me mostrou algumas coisas filmadas dele com o pai tocando umas valsas antigas. Caramba me senti no Rio Sena, passeando em Paris. É muito
parecido. É uma questão de feeling, abordagens diferentes. Os improvisos do Jacó,
essas coisas mais tradicionais, são muito
parecidos com a modernidade do Django
Reinhardt e o Grappelli. Acho um universo muito próximo.
Kleber Vogel e Nicolas Krassik falam sobre profissão, música e violino.
K.V. - Você está começando a entrar no
universo da música nordestina também...
N. K. - Uma coisa foi levando à outra. Estou tocando muito pouco choro na realidade. Esse disco agora (Caçuá, Rob Digital) tem menos choro. Tem um maxixe
meu, e o resto é mais samba e forró. Música brasileira em geral.
Estou viajando. O país é muito grande, mas
a música nordestina está ocupando um
espaço bem grande agora no meu trabalho. Xaxado, baião, coco, maracatu... é um
universo muito grande e tem uma coisa. É
impressionante como funciona bem para
violino. Tem a rabeca e o ritmo é mais
parecido com os da Europa e o dos árabes
também. Forró é uma música que o europeu pode querer escutar mais.
K.V. - você está se tornando um pesquisador da música brasileira.
N. K. - Estou começando... Montei agora
um grupo, que vai se apresentar em breve, que tem um rabequeiro, eu no violino e na rabeca também, percussão e contra-baixo, só com música nordestina. Realmente estou nessa, procurando sempre
ouvir gravações de rabequeiros.
K.V. - E os ritmos do sul?
N. K. - Não tem nada a ver com nada que
eu conheço. Engraçado que a toco com
Yamandú Costa há muito tempo, eu participava dos trabalhos dele, que estava tocando mais música de samba e choro. Essa
parte gaúcha, que ele mesmo não fazia
tanto, é uma descoberta para mim. É muito
diferente do samba e do choro. Tem toda
essa influência da Argentina, Tango,
milonga...
K.V. - Como você chegou ao CulturaPrev?
N. K. - Um consultor que me ligou. Eu
estava justamente pensando nisso, por
que estou com 37 anos, vou fazer 38, e
está na hora de pensar em uma previdência. Estava começando a pesquisar,
ver se fazia na França, se fazia aqui.
Achei uma coisa muito boa porque a
gente fica pensando no que pode acontecer daqui a 20 anos...
K.V. - Concluímos que pretende se estabelecer no Brasil.
N. K. - Não tenho a menor dúvida. Estava
conversando sobre isso com meu pai, Ele
perguntou se tenho certeza (se queria ficar no Brasil). Falei que sim. Não tenho
como imaginar voltar pra lá. Nunca estive
tão bem como pessoa e músico. Minha realização de projetos no Brasil foi tão boa
que não consigo imaginar voltar. O músico tem que estar no lugar em que ele consegue se realizar.
”
Jornal Musical
N o 36
5
SindMusi, FIM e GRM discutem o futuro da categoria musical
Foram três dias de palestras, muita discussão e trocas de informação. Durante o evento, estiveram presentes representantes de
sindicatos de músicos de várias partes do país, representantes da FIM, do GRM e de outras entidades
Entre os dias 13 e 15 de abril, o movimento sindical da categoria dos músicos viveu momentos de intensa troca de informações. Foi o Projeto FIM-GRM no Centenário SindMusi, que aconteceu no Centro de Convenções do Memorial Getúlio
Vargas, no Rio de Janeiro. O evento foi
organizado pelo SindMusi, pela Federação Internacional dos Músicos (FIM) e
pelo Grupo Regional de Músicos (GRM),
e teve o apoio da FNV, CGTB, Conselho
Federal da OMB, Mongeral e os apóios
institucionais da Prefeitura e da Rádio
Mec. O francês Benoit Machuel, secretário geral da FIM, representou a entidade e o argentino Rolando Santos representou o GRM, além de ter sido um dos
coordenadores do evento. O encontro
teve dois dias de palestras e um para discussões entre os sindicatos.
Primeiro dia
O assunto discutido foi Organização Sindical e Trabalhista na Música, com a presença de Antônio Neto (presidente da
CGTB), João Carlos Dittert (Conselheiro da
OMB) e Chico Alencar (Deputado Federal
pelo PSOL). O debate foi mediado por
Dalmo Mota. Na parte da tarde, estiveram
na mesa Márcia Jovita (Delegacia Regional
do Trabalho), Paulo Saboia (CGTB-SP e
Encontro reuniu a Federação Internacional de Músicos, representantes de músicos da América
Latina, Sindicatos de diversos estados brasileiros, contratantes e Ministério do Trabalho.
Organização Internacional do Trabalho) e
o diretor administrativo do SindMusi Álan
Magalhães. A mediação foi do compositor
e organista Felipe Radicetti. Foram debatidos vários assuntos referentes à
informalidade do mercado, atuação dos
parlamentares em assuntos relacionados
à classe musical e nota contratual. Durante a abertura, Déborah Cheyne ressaltou a importância do encontro como espaço para a discussão dos problemas, ferramenta de conhecimento
da realidade vivenciada pela categoria em outros pontos do País e as
possíveis soluções para as aflições
comuns. Benoit Machuel comemorou a realização do encontro: "É a
primeira vez que o FIM tem um programa para a América Latina, são
passos intermediários e queremos
este programa como foco. Gostaríamos de estar disponíveis para continuar a desenvolver atividades similares no futuro". Sobre a informalidade
do trabalho do músico na América
Latina, Benoit declarou que "há mais
similares que diferenças. Existe uma
pressão em todo o mundo para colocar o artista na informalidade. É
muito importante que os músicos de
todos os lugares lutem contra isto".
Segundo dia
Márcia Jovita, Auditora Fiscal do Ministério
do Trabalho
6
Jornal Musical
No 36
No sábado, dia 14, segundo dia do
evento, a presidente do SindMusi
Déborah Cheyne fez a abertura que
contou com Marília Moreira, da
Petros, e os representantes da
Mongeral Luis Dib e Wagner Lima ti-
Rodrigues, presidente do Sindicato dos
Músicos Profissionais de Pernambuco
(Sindmupe); Manoel Clemente Filho,
Presidente do Sindicato da Categoria
dos Músicos Profissionais, Amadores,
Conexos, Similares, Afins de Araraquara
e Região (SindMúsicos); Levy Carvalho
de Castro, delegado do Sindicato dos
Músicos Profissionais do Paraná
(Simupar) e Jones Rodrigues César, presidente da Associação de Músicos, Bandas e Agentes de Entretenimento de
Macaé (AMUBAE). Vale ainda ressaltar
a presença de representantes que,
mesmo não sendo da classe dos músicos, trouxeram uma importante contribuição, como Leninha Brandão, representando a Associação Brasileira dos
Empresários Artísticos (Abeart), Lú
Guarilha, presidente do Instituto
Integrartes; e Egeu Laus, da Rede Social da Música; e dos ex-presidentes
Victor Neto e Léo Ortiz, entre diversas
outras presenças importantes.
rando dúvidas sobre o CulturaPrev. "Nosso
trabalho aqui é divulgar para as demais entidades a possibilidade
que elas tem de levar aos
seus associados um grande benefício e falar da
importância que é hoje a
implementação de um plano de previdência complementar", resume Dib.
Depois foi a vez de Felipe
Radicetti falar como representante do Grupo de
Articulação Pró Musica
(GAP), expondo a atuação
do Congresso em relação
ao assunto. "O SindMusi
tem sido nosso parceiro
mais atuante desde o primeiro dia. Tem participaKleber Vogel, Luiz Edimundo, relações sindicais da Rede Globo
do não apenas com a pre- e Déborah Cheyne
sença e o apoio institucional mas também com
Do ponto de vista dos sindicatos, o enapoio jurídico. Este mês (abril) estamos
contro representou um importante passo
comemorando um ano de existência do
em direção a uma coordenação melhor
GAP", comentou Felipe. Na parte da tarentre as entidades da categoria, como
de foi a vez da Dra. Karen Rocha, advogada
declarou Adelson Alves de Almeida, presido SindMusi e Alexandre Negreiros, comdente do Sindicato dos Músicos do Sergipe
positor, sociólogo e músico, debaterem
(Sindmuse). “Vim enriquecer o entendisobre direitos autorais e conexos.
mento da atuação dos sindicatos do Brasil. Tenho a certeza de levar ao meu sindiUnião
cato este ensinamento e esta prática. Aqui
O saldo final do evento foi de fortalecitive oportunidade de ouvir palestras inmento de laços do movimento sindical da
dispensáveis que vêm engrandecer a clasclasse dos músicos. Estiveram presentes
se artística em todo o Brasil".
representantes de sindicatos dos músicos
de várias partes do país, como Adelson
Alves de Almeida, presidente do Sindicato
Repórter - Miguel Sá
dos Músicos do Sergipe, Edson Carlos
Festa do Centenário SindMusi,
uma noite para ficar na história
O salão do Clube Militar, no centro do Rio ficou pequeno para a comemoração do centenário
do Sindmusi. Foi uma noite de grandes encontros e muita música
Enquanto os convidados chegavam, os músicos da Orquestra Tabajara davam o tom da festa. Na entrada, eram distribuídos brindes da Petros, apoiador da festa e parceiro no CulturaPREV, e a Revista do Centenário com um breve histórico
dos cem anos de atividades do SindMusi. Este era apenas o início de uma noite de grandes encontros, muita música e
homenagens. O Salão do Clube Militar ficou pequeno para tanta comemoração.
A festa traçou um perfil do que o SindMusi representa hoje para a categoria e para o país culturalmente. Compareceram
representantes de esferas políticas como Município e Ministério da Cultura, representantes de classes trabalhadoras,
empresários, parceiros institucionais e associados do SindMusi. Estiveram presentes também sócios remidos e expresidentes além daqueles músicos que acompanham a atuação da entidade.
Ninguém deixou de dançar ao som da Orquestra Tabajara. Desde quando os primeiros casais começaram a entrar no
salão, recriou-se um clima que há muito tempo não se via, tão comum em outras épocas, de uma festa de congraçamento e com muita história. Um clima que pode ser resumido na declaração do violinista e sócio remido Virgílio Arraes.
"Esta é uma data importantíssima. 100 anos do sindicato dos músicos. Uma entidade que sempre batalhou pela nossa
profissão. Não tenho nem palavras para descrever a minha emoção de estar participando deste momento".
entre Ortiz e Betinho, 60 por cento do dinheiro foi para a Ação da
Cidadania e 40 por cento para o
SindMusi. "Através desse dinheiro
pudemos contratar advogados
para fazer um trabalho melhor",
comemora Léo Ortiz.
Ex-presidentes
Quando a orquestra encerrou a primeira parte
do baile, Kleber Vogel, Diretor de Comunicação do SindMusi, tomou a palavra: "Poucas entidades tiveram o privilégio de atingir esta marca e é um privilégio também para esta diretoria
presenciar este momento". Em seguida a Presidente do SindMusi Déborah Cheyne chama os
ex-presidentes presentes: Victor Neto, Léo
Ortiz e Nelson Macedo. Após os discursos, a
atual Presidente também foi homenageada recebendo um buquê de flores de Léo Ortiz.
Nelson Macedo presidiu o SindMusi no fim da
década de 70. Em sua gestão foi comprada a
atual sede do sindicato, na Rua Álvaro Alvim.
"O sindicato era em uma sala na Avenida Presidente Vargas", relembra o
ex-presidente, que também foi um dos criadores
da cooperativa de músicos e da sociedade de arrecadação de direitos autorais AMAR - Sombrás.
Nelson faz questão de
enfatizar que nunca procurou se eternizar na direção de nenhuma das
entidades que dirigiu, e
faz um apelo à união da
categoria. O músico também fez elogios à atual diretoria do SindMusi. "Estou feliz com o resultado
da direção da Déborah e
de seu antecessor Victor
Os ex-presidentes Nelson Macedo e
Neto, eles fazem um traLéo Ortiz recebem a homenagem da
atual presidente Déborah Cheyne
balho sério", ressalta.
O maestro Jaime Araújo comanda a Orquestra Tabajara
Em meados da década de 90, o violinista Léo Ortiz
foi presidente do SindMusi. Em 18 anos participando da direção do Sindicato, como diretor ou
presidente, Léo lembra da parceria que fez com
Betinho, da Ação da Cidadania Contra a Miséria e
Pela Vida. "Havia uma verba parada na Caixa Econômica (do projeto Nordeste Já). Mas para mexer nesse dinheiro precisava de empenho por
parte dos curadores da verba que só podia ser
movimentado com os presidentes do Sindicato e
da Caixa Econômica, e não existia vontade política para isso. Não tinham nenhum interesse em
mexer naquele dinheiro. Fui conversar com o
Betinho", relembra Léo. Betinho, que na época
estava no auge de seu prestígio político, entrou
em contato com o presidente da Caixa Econômica
que liberou o dinheiro. Segundo o acordo feito
Victor Neto foi o último presidente
do SindMusi antes da gestão de
Déborah Cheyne. Entre outras realizações, Victor ajudou a dar o pontapé inicial no CulturaPrev. "Foi uma
batalha de todos nós. O sindicato
não é uma diretoria, é uma categoria. Se o sindicato não está bem é
porque a categoria não está bem.
Este baile reflete uma melhora geral para a categoria e tenho certeza que, neste embalo, o Sindicato
vai longe", comemora Victor.
Déborah e seu antecessor Victor Neto
Jornal Musical
N o 36
7
Festa do Centenário SindMusi
Ana Cláudia Loureiro, Valesca Moreira, Maria de Fátima Simões,
Natalia Carneiro (SindMusi), Marília Moreira e Nancy Paiva. Petros,
parceira do SindMusi e apoiadora da festa do centenário.
O homenageado da noite
Depois foi a vez do maestro Alceo Bocchino receber a medalha Francisco Braga das mãos de Déborah Cheyne. Após
a presidente fazer um breve discurso homenageando o maestro, foi entregue o estojo com a medalha a Alceo, que
bastante emocionado abriu e mostrou-a para o público.
Durante o discurso, o maestro se disse muito honrado com
a homenagem. "Principalmente porque se trata do centenário do nosso sindicato e fui eu o escolhido para esta honrosa e significativa homenagem", disse, agradecendo.
Para o Jornal Musical, o maestro explicou que o fato de
ter sido o maestro Francisco Braga um dos iniciadores da
música sinfônica no Rio de Janeiro tornava a homenagem
ainda mais importante. "Nós devemos
muito a ele o fato de
ter despertado o gosto na sociedade carioca pela música sinfônica", explicou o
maestro.
O baile segue na pista de dança do Clube Militar
Kleber Vogel com representantes da CGTB-Rio
José Mauro Ramalho (esq), e Leandro Costa
Parceiros
Ana Lamenha (SATED), Morgana Eneile (Ass. Esp. Pres.
Funarte), Adair Rocha (Chefe da Repres. Regional do
MINC), Déborah Cheyne e Sonia Moreira (ABACTI).
feito um trabalho extraorAlceu ainda ressaltou
dinário", enfatiza o gerente.
Representando a Petros,
o fato de ter sido o
apoiadora da festa do cenA luta política do SindMusi
primeiro homenageatenário e parceira do Sindna esfera federal têm sido
do com a medalha.
Musi no CulturaPREV, Maria
um sucesso, e isto aconte"Este momento para
de Fátima Simões, gerente
ce, em boa parte, por caumim é extremamente
de clientes institucionais da
sa da construção do Grupo
Denise Pedrassoli, Moema Lessa, Alceo Bocchino
significativo: no cenPetros, declarou: "o Sinde Altino Lessa
de Articulação Parlamentar
tenário do sindicato
Musi percebeu a importânPró-Música, coordenado
eu ser o primeiro múcia da previdência comple- Déborah Cheyne e
pelo compositor e organissico a ser homenageado (com a medalha Francisco Braga).
mentar para o seu quadro associativo. A Luiz Celso (Dir. da Mongeral)
ta Felipe Radicetti. "Tem um
Fiquei muito honrado com isto. Acho que essa minha gerapartir daí, Déborah, como presidente do
sentido muito especial o
ção é uma geração muito feliz", concluiu o músico.
sindicato, abraçou o projeto e, em conSindMusi completar 100 anos. Na história do
junto com a Petros, vem construindo este trabalho maravilhoso
O público ficou emocionado com a homenagem, mas duas
SindMusi há músicos como o maestro Francisno sentido de divulgar (o CulturaPrev) para que o músico, de
pessoas presentes ficaram especialmente atentas ao maco Braga e todos os grandes músicos que estifato, tenha acesso".
estro neste momento: os seus alunos Marcelo Palhares
veram envolvidos na trajetória desta entidae Mauro Carvalho. Mauro já estuda partituras com o made, que representa a história da música brasiA Mongeral, também parceira no CulturaPREV, esteve presente
estro Alceo Bocchino há dez anos. "Como regente o
leira. O SindMusi é, na minha opinião, o sindipor meio do seu Diretor Luiz Celso e o Gerente Comercial Luiz
Bocchino é que deu toda a estrutura da minha vida. É o
cato de músicos mais importante e mais atuDib. "A nossa experiência com o SindMusi tem sido muito surgrande mestre que eu tenho", enfatiza. Marcelo Palhares
ante no país hoje. Teve uma série de gestões
preendente pelo nível de entendimento do plano, de pensar
está com Bocchino há três anos e meio, estudando esmuito bem sucedidas que desembocaram na
no futuro. Isso tem trazido um benefício para os músicos em
pecialmente regência orquestral e de óperas. "A convigestão da Déborah. Temos tido todo o apoio
termos de previdência que é o nosso objetivo". Luiz parabenivência é fantástica. É impressionante a cultura dele. Pado SindMusi para desenvolver o trabalho do
zou o SindMusi pela realização do baile. "Até falei com o Diretor
rece que não há o que o Bocchino não conheça e é uma
GAP, do qual o sindicato do Rio de Janeiro é
Administrativo, Álan Magalhães, que isto deveria ser repetido,
troca fantástica".
parceiro de primeira hora."
porque um evento deste promove a categoria. O SindMusi tem
88
o
Jornal
Jornal Musical
Musical NNo 36
36
Festa do Centenário SindMusi
O Ministério da Cultura também prestigiou
a festa por meio da presença do Chefe de
Representação Regional do MINC, Adair
Rocha, que ressaltou a luta pela volta da
educação musical nas escolas. "Certamente a parceria com o Sindicato dos Músicos, além das questões específicas da luta
da aposentadoria, tem uma significação
simbólica muito maior que é o significado
da música na política, da música na cultura, e do que isso significa hoje no processo brasileiro. Há todo um movimento da
volta da música nas escolas", comenta.
A CGTB, Central Sindical à qual o SindMusi pretende se filiar, também estava pre-
sente. O presidente do Sindicato dos
Previdenciários e coordenador da CGTB
no Rio de Janeiro, José Mauro Ramalho,
representou a entidade. "Nós parabenizamos o Sindicato por esta comemoração e ressaltamos a importância do evento que a Déborah veio a realizar, trazendo um resgate desta história do sindicato mais antigo que nós temos aqui. Cem
anos não é qualquer um que consegue,
ainda mais com esta atuação que ultimamente o SindMusi vem implementando, de buscar para a categoria os benefícios, garantias e direitos que esta
categoria muito merece".
Fabíola Farias, Dalmo Mota, Natalia Carneiro, Álan Magalhães,
Kleber Vogel, Déborah Cheyne e Carlos Soares
Moção de congratulações
Um dos pontos altos da noite foi a entrega, pelo vereador Eliomar Coelho, da
Moção de Congratulações que a Câmara
Municipal concedeu ao SindMusi pela
passagem de seu centenário. O vereador estava entusiasmado com a homenagem. "Já entreguei uma medalha Pedro
Ernesto para o Sindmusi, que é a maior
comenda da cidade do Rio de Janeiro.
Como não podemos dar outra medalha,
vamos entregar, aprovado por unanimidade pela Câmara Municipal do Rio de
Janeiro, uma Moção de Congratulações
por esse centenário maravilhoso", comentou o vereador.
Na Moção, lida por Eliomar, estão ressaltados "a longa trajetória da classe musical em busca
do processo de profissionalização, que passa pelo reconhecimento do músico como profissional liberal em 1932 até a regulamentação da profissão de músico por meio da Lei 3857 de dezembro de 1960 pelo então presidente Juscelino Kubitchek"
e a passagem de músicos consagrados como Villa-Lobos,
Ana de Oliveira e Peninha
Ernesto Nazareth e Eleazar
de Carvalho pela diretoria
do Sindicato que, segundo a Moção, "representa uma categoria que
muito tem feito pela cultura de nossa cidade".
Maestro Alceo Bocchino
Nascido em Curitiba em 30 de novembro de 1918, mudou-se para o Rio de
Janeiro em 1946, onde mora até hoje. Teve aulas de piano com as irmãs
Lubrano, Antonio Melillo, João Poeck, Camargo Guarnieri, Villa-Lobos e Francisco Mignone. É formado em piano, harmonia e composição pelo Conservatório Paranaense de Música.
Em sua vida profissional, passou por
diversas atividades: no Rio de Janeiro, foi coordenador de música
sinfônica do Serviço de Radiodifusão Educativa; regente titular da
Orquestra Sinfônica Nacional e assessor musical do então Ministro
da Educação e Cultura, Dr. Clóvis
Salgado, para as obras do Barroco
Mineiro. Também atuou como inDéborah e o homenageado da noite, com a
térprete das mais importantes
Medalha Francisco Braga, maestro Alceo
obras, como solista e camerista. InBocchino
tegrou o Trio Brasileiro da Rádio
MEC participando de gravações históricas com obras de grandes compositores brasileiros e participou, como
regente, do Projeto Aquarius, promovido pelo jornal O Globo, com a Orquestra Sinfônica Brasileira. Nos anos 60 e 70, participou de diversos cursos
no exterior, onde regeu concertos com a Orquestra Sinfônica de Bilbao
entre outras. Como regente e compositor atuou no exterior, principalmente no Uruguai, Espanha, Portugal, Holanda, Bulgária e Estados Unidos.
Após a Moção, foi partido o bolo do
centenário. E o saldo final da festa
foi, segundo a presidente Déborah
Cheyne, a alegria pelas realizações
que aconteceram e as que estão por
acontecer. Afinal de contas, ainda há muito a ser
feito pela categoria.
Fernanda Rowlands e
Carlos Malta
O Vereador Eliomar Coelho, representando
a Câmara de Vereadores do Rio, entrega a
Déborah Cheyne uma Moção de Congratulação ao SindMusi pela passagem de seu Centenário.
Kleber Vogel (Dir. Comunicação), Déborah Cheyne
(Presidente), maestro Ricardo Rocha e Ariane Petri
(Dir. Patrimônio)
Brinde: Itamar Assiére (Vice-Presidente do SindMusi), Kleber Vogel
(Dir. Comunicação), Álan Magalhães (Dir. Administrativo), Déborah
Cheyne (Presidente), Felipe Radicetti (GAP)
Fotos: Júlio César Sousa Oliveira / Repórter - Miguel Sá
Jornal Musical
No 36
9
Centenário SindMusi /
Há 50 anos
Jubileu de Ouro em maio de 1957
O SindMusi comemorou o Jubileu de Ouro em maio de 1957. A programação da comemoração incluiu um concerto sinfônico no ginásio da sede do
Fluminense, em Laranjeiras, no dia 6 de maio e missa na Catedral Metropolitana no dia seguinte, com a participação do Coro do Theatro Municipal.
No mesmo dia, ainda houve a cerimônia de entrega do troféu Obelisco aos
Amigos dos Músicos no auditório da Rádio Nacional.
Oswaldo Alves ao microfone da Rádio nacional tendo ao
seu lado direito o Maestro José Siqueira e Aracy Barbosa.
Solenidade do Jubileu em 1957
10 Jornal Musical
No 36
Conheça os novos convênios SindMusi:
O SindMusi disponibiliza
mais três importantes
convênios para
seus associados:
Integrartes - (Teresópolis)
Unimed-Rio
Elo Produções, Distribuição de CDs
Curso de reciclagem para músicos profissionais.
Para que os associados do SindMusi tenham a oportunidade de distribuição de
seus CDs com nível profissional.
O Integrartes, de Teresópolis, oferece um curso de formação musical para os
associados do SindMusi. O acordo prevê um máximo de dez vagas a serem
preenchidas a partir do processo de abertura das inscrições. Os cursos têm
três horas por semana de aulas, com duração de nove meses. O valor real da
mensalidade é de 100 Reais e para conveniados do SindMusi 30 Reais.
O SindMusi acaba de fechar um convênio de
saúde específico para os seus associados. O
acordo foi fechado com a Unimed-Rio com preços especiais. O plano de adesão Unimed-Rio/
SindMusi começa a vigorar no dia 15 de julho.
O primeiro grupo de 100 usuários já começou
a ser formado. Faça parte dele.
Maiores informações:
[email protected]
O convênio também oferece isenção de matrícula e 10% de desconto na
mensalidade de qualquer um dos cursos de música.
Maiores informações pelo telefone Unimed:
(21) 3139-7588.
Reunião com os interessados dia 9 de junho, sábado às 14h no Instituto
Integrartes - Rua Heitor de Moura Estevão, 131 - Centro- Teresópolis
Maiores informações: (24) 2742-8317
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345678901212345678901234567
Notas Musicais
Já para quem trabalha com música
erudita, a pedida é o Anuário
VivaMúsica!, o guia de negócios da
música clássica no Brasil, organizado pela jornalista Heloísa Fischer. No
guia, não há apenas uma lista de pessoas envolvidas com o metier da música clássica. Há também uma ótima
entrevista com Christian Kellersmann, diretor executivo da universal Music Classics & Jazz alemã. O
executivo conta casos de sucesso
no marketing da música clássica na
indústria fonográfica. Vale a pena
conferir. Para mais informações,
acesse o site www.vivamusica.com.br
Anuário Brasileiro
dos Músicos
Neste mês de abril começou a distribuição do Anuário Brasileiro de
Músicos, da editora HMP. A distribuição é feita gratuitamente em
lojas de instrumentos musicais, estúdios e escolas de música e outros contratantes de serviços relacionados ao meio musical. A tiragem é de 12 mil exemplares.
O Anuário é organizado em categorias como músicos, bandas, estúdios, DJs, maestros, roadies,
técnicos de som e iluminação, fotógrafos, compositores, arranjadores, produtores, luthiers e afinadores, entre outros prestadores
de serviços de todo o país. Estão
cadastrados mais de 700 profissionais. Haverá também uma versão
virtual do anuário. O site é o
www.anuariodomusico.com.br. A
iniciativa tem o apoio do SindMusi.
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
Yamandú Costa e Déborah Cheyne no intervalo do ensaio
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
com a OSB no último dia 28 de abril no Municipal.
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
O violonista é uma das mais recentes adesões ao CulturaPrev.
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
12345678901234567890123456789012123456789012345678901234567890121234567890123456789012345
Empossado o novo presidente da Funarte
ferir a parte admiCelso Frateschi foi
nistrativa da entiempossado com predade para outro
sidente da Funarte
endereço que não
pelo ministro Gilbero palácio Gustavo
to Gil no dia 26 de
Capanema.
abril. Celso anunciou que pretende
Entre os eventos
transformar o paláprevistos ainda
cio Gustavo Capanepara este ano esma em um grande
tão as realizações
centro
cultural Álan Magalhães ladeado por Lurdes Carijó (Pres.
da 17ª Bienal de
Sindicato
da
Dança)
e
Celso
Frateschi
para todo o tipo de
Música Brasileira
(Novo Presidente da Funarte)
arte, como teatro,
Contemporânea e
literatura e artes
o Projeto Pixinguinha, que está comemorando 30
plásticas, além da música.
anos. Também será ampliada a abrangência nacional dos prêmios da entidade e a ocupação das
A novidade é que antes a literatura
galerias da Funarte no Rio, São Paulo e Brasília. O
não fazia parte das atividades apoiaSindMusi foi representado pelo diretor adminisdas pela Funarte. Para viabilizar isto,
trativo Álan Magalhães.
uma das intenções de Celso é transFoto: Edmilson Francisco
VivaMúsica!
Kleber Vogel
Jantar do Gil
Edital Funarte
O Ministro Gilberto Gil foi homenageado no último dia 15
em um jantar oferecido pelo
Presidente da Associação Comercial Olavo Monteiro de
Carvalho. O SindMusi esteve
representado pela nossa presidente Déborah Cheyne.
E por falar em Funarte e Projeto Pixinguinha, já está
no ar no site da entidade os editais dos programas
de fomento nas áreas de música, artes cênicas e artes visuais. Já estão abertas as inscrições para o Projeto Pixinguinha, para o Programa de Apoio a Orquestras e para a XVII Bienal de Música Brasileira Contemporânea. Os regulamentos podem ser encontrados
no site: www.funarte.gov.br.
Jornal Musical
N o 36
11
Lançamentos
CDs
One World Tapestry
Elisa Wiermann e
Kleber Vogel participam deste maravilhoso projeto iniciado pelo produtor
australiano Andrew
Holborn, que objetiva uma operação
de ajuda junto a
Cruz Vermelha Internacional em favor
dos refugiados sudaneses na África.
Ricardo Villas
Meu Caro Amigo
Mário Sève
Casa de Todo Mundo
Bruno Castro
A gravadora francesa Musea produziu o
CD que traz quinze faixas de artistas escolhidos ao redor do mundo e que se colocaram a disposição em ceder uma faixa
e contribuir com a causa. "Madrugada"
do CD A Mão Livre da dupla Wiermann &
Vogel é uma das faixas escolhidas por Andrew para compor o CD.
Ricardo Vilas é
O saxofoCom ênfase nos
um compositor
nista e flaumetais, este disco
brasileiro raditista Mário
de Guinga conta
cado há 35 anos
Seve aprecom a participação
em Paris. Sua
senta um
dos músicos Marmúsica é uma
CD autoral
cos Tardelli, Lula
interessante
e inspiraGalvão,
Paulo
mistura dos
do, pasAragão,
Jorge
sons brasileiros da
seando
por
vários gêHelder, Paulo Sérgio Santos, C a r l o s
época que integrava o grupo Moneros
da
música
brasileira.
GraMalta, Andréa Ernest Dias, Cristiano Alves,
mento Quatro, com David Tygel, Zé
vado Philip
ao longo de vários anos, o
Jessé Sadoc, Jota Moraes, Eliezer,
Rodrix e Maurício Maestro, e as influCD conta com participações muiDoyle, João Areias, Popô, Wellington,
ências que sofreu na Europa. Tem samto especiais de Mônica Salmaso
Erivelton, Bolão, Bernardo e Durval.
ba de roda, como a música Me dá, Me
(em Toada), Mestre Ambrósio (em
dá, o samba-rock Pro que der e vier. Há
O Cabra) e Pedro Luís e a Parede
também regravações de Chico Buarque,
(em Lua), além do Nó em Pingo
como a música que dá nome ao disco,
D´água, do qual Mário faz parte.
Meu Caro Amigo. O parceiro de Chico
Destaque para a versatilidade e
na música, Francis Hime, participa da
o bom gosto de Mário, do sax-tefaixa. Há ainda participações especiais
nor ao pife.
de Wagner Tiso, Pedro Luis, Kay Lira,
Gravadora: Núcleo Contemporâneo
Anna Torres e Bernard Lavilliers.
Este é um CD
de samba, e
de samba
bom, como
indicam as
parcerias
com Dona
Ivone Lara
e Luiz Carlos
da Vila. Logo na primeira música, Universidade do Samba, Bruno já cita o
lendário bloco Cacique de Ramos. A
segunda, Na Própria Palma, é um partido alto rasgado, na mais pura tradição do Rio de Janeiro. Há algo interessante para quem gosta de tocar nas
rodas de samba do Rio de Janeiro:
todas as músicas vêm cifradas, prontas para serem tocadas. O CD também
conta com a participação de convidados especiais, como Thais Motta,
Dona Ivone Lara, Luis Carlos da Vila e
a Cia Folclórica do Rio, da UFRJ.
www.musearecords.com
www.ricardovillas.com
www.brunocastro.com.br
Indonésia, Austrália, Suécia, Estados Unidos,
França, Hungria e Brasil são as principais nacionalidades representadas neste projeto.
Gravadora: Musea Records - França
Gravadora independente.
Os CDs desta sessão estão à venda na sede do SindMusi. Conheça nosso Armazém Virtual: www.SindMusi.org.br
12 Jornal Musical
No 36
Audiência Pública discute isenção fiscal de instrumentos
musicais importados
Musicais, Alberto Bertolazzi, expôs ser a favor da importação de instrumentos de alto
nível para as orquestras, mas afirmou que a
importação de instrumentos de baixa qualidade prejudicariam a indústria nacional.
Frejat defendeu a desoneração fiscal também para a indústria nacional, tornando-os
assim mais competitivos.
Foi realizada, em Brasília, uma Audiência
Pública na terça-feira, dia 24 de abril, para
discutir a isenção fiscal a instrumentos
musicais importados. De acordo com o projeto, os instrumentos importados seriam
beneficiados com a isenção do Imposto
de Importação, do PIS-Cofins-Importação
e da Cofins-Importação (Projeto de Lei do
Senado 345/06).
A presidente do Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio de Janeiro,
Déborah Cheyne, esteve presente na audiência. Também estavam lá o músico
Roberto Frejat, o compositor Luis Felipe
Radicetti, coordenador do Grupo de Articulação Parlamentar Pró-Música, o diretorsuperintendente da Weril Instrumentos
Musicais, Nelson Eduardo Visconti Weingrill
e o presidente da Associação Nacional dos
Pequenos e Médios Fabricantes de Instrumentos Musicais, Alberto Bertolazzi.
Nelson Weingrill (Weril), R. Frejat (músico), F. Radicetti (GAP), D. Cheyne (Pres. SindMusi), J.
Linhares (Sec. da Com. de Educação) e Alberto Bertolazzi (Pres. ANAFIM).
Durante o debate, foram expostos vários
pontos de vista. No caso específico dos
músicos, a diminuição da carga tributária
sobre a importação traria benefícios, já
que a maioria dos profissionais utiliza instrumentos importados. Déborah Cheyne
expôs que, em orquestras, 100% dos instrumentos de sopro e 75% dos instrumentos de corda usados nas orquestras daqui
não são nacionais. A desoneração fiscal
dos instrumentos também foi defendida
por Luis Felipe Radicetti do GAP.
Por outro lado, Nelson Eduardo Visconti
Weingrill colocou a possibilidade de extinção
da indústria nacional, já que a isenção fiscal atinge a todos os instrumentos. O presidente da Associação Nacional dos Pequenos e Médios Fabricantes de Instrumentos
Durnte a audiência, vários dos senadores demonstraram apoio a uma solução
negociada entre a indústria nacional e
os músicos. O senador Paulo Paim(PTRS), relator do projeto, deve elaborar
um substitutivo ao projeto de lei procurando conciliar os interesses. Participaram ainda da audiência o senador
Leomar Quintanilha (PMDB-TO), Romeu
Tuma (DEM-SP), Wellington Salgado
(PMDB-MG), Marisa Serrano (PSDB-MS)
e o autor do projeto Christovam
Buarque (PDT-DF). A audiência foi presidida pelo senador Demóstenes Torres
(DEM-GO), presidente da Subcomissão
Permanente de Cinema, Teatro, Música
e Comunicação. Os senadores defenderam a busca de uma solução negociada
entre os músicos e a indústria.
Centenário do SindMusi na Rádio MEC:
dois programas para comemorar
Parceira do SindMusi, a Rádio MEC comemorou o centenário da entidade em dois programas
No ano do centenário do SindMusi, a
Rádio MEC homenageou a entidade
com vinhetas distribuídas na programação e em dois programas: o de
Lauro Gomes, Música em Concerto,
na MEC FM, transmitido às sextas-feiras 17 horas, e o Ao Vivo Entre Amigos, apresentado por J.Carlos na rádio AM, com auxílio do vice-presidente do SindMusi, Itamar Assiére. Os
programas foram ao ar no fim de abril
e início de maio.
O repertório do programa, definido com a ajuda de Nayran Pessanha,
teve compositores brasileiros como
Villa-Lobos e José Siqueira. O programa teve como foco compositores que participaram das atividades
do sindicato.
das Neves, Léo Ortiz tocou Nascente, de
Flavio Venturini, acompanhado por Itamar,
Ivan Machado e Claudio Jorge. Rildo Hora
tocou Leviana, de Zé Kéti, com o mesmo
trio que acompanhou Ortiz e Nelson Faria. No fim todos participaram da jamsession final com Só Danço Samba.
Música popular
Durante a entrevista, Itamar falou sobre o
SindMusi e a importância de ter um sindicato de músicos com 100 anos. "Destaquei o
fato de se ter músicos tão ativos e importantes afiliados ao sindicato, e convidei os
músicos que estivessem ouvindo o programa a se sindicalizar", comentou Itamar.
No Ao Vivo Entre Amigos, também
participaram músicos que têm afinidade com o SindMusi, como Léo
Ortiz, Ivan Machado e Cláudio Jorge, que já participaram da diretoria do sindicato. O apresentador
J.Carlos foi homenageado pelos
convidados no programa.
O programa Música em Concerto é
um importante espaço para a música
clássica. Este é, talvez, o único programa dedicado à música clássica
transmitido ao vivo. Ele é feito com
platéia no estúdio da Rádio MEC. Quarteto da UFF: Ana de Oliveira, Ubiratã Rodrigues, Nayran Participaram ainda do programa
Neste programa comemorativo, par- Pessanha e David Chew
Gilson Peranzzetta e Mauro Senise.
ticiparam o Quarteto da UFF e a preEles tocaram Lamentos do morro, do
sidente do SindMusi Déborah Cheyne. Duviolonista Garoto. Nelson Faria, guitarra solo,
ma do Lauro é de extrema importância,
rante a entrevista Déborah falou sobre o
tocou Manhã de carnaval, de Luiz Bonfá.
porque é difícil ter um programa para este
sindicato, o centenário, CulturaPrev e as
tipo de música ao vivo com público, para
Claudio Jorge tocou violão e cantou Músiconquistas no plano político. "O prograa música erudita", declarou Déborah.
co profissional, dele com letra de Wilson
Cada músico falou sobre a relação com o
sindicato, e a importância deste para a
profissão de músico. Os ex-diretores Léo,
Ivan e Claudio manifestaram seu orgulho
em terem sido diretores do sindicato e
que apóiam a diretoria atual, que dá continuidade ao trabalho deles. A platéia
aplaudiu com entusiasmo cada número,
principalmente a jam-session que encerrou o programa.
Jornal Musical
N o 36
13
Cultura entra em greve
Servidores da Cultura em greve: a luta não é apenas por melhores salários
Desde o dia 15 de maio, os servidores do
Ministério da Cultura e das instituições
vinculadas a ele estão em greve. A idéia é
fazer com que o governo cumpra o acordo feito com os servidores ainda no ano
de 2005, após paralisação de 100 dias. O
acordo que havia sido fechado pleiteava
a implantação do Plano Especial de Cargos da Cultura, com uma tabela específica para a área, que havia sido acordado
na Mesa Setorial de Negociação. A mesa
setorial teve a participação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, do MPOG e da Casa Civil, além de
representação do meio sindical, com a
Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal - CONDSEF.
O projeto com o Plano Especial de Cargos
negociado com o governo foi encaminhado ao MPOG em junho de 2005. No entanto, o Ministério do Planejamento barrou
o avanço de sua implantação, oferecendo como solução uma gratificação fixa por
atividade específica denominada GEAC.
Segundo o Planejamento, esta seria uma
O impasse vem causando problemas
para o desenvolvimento dos trabalhos do Ministério. Em 2003 foram
realizados concursos públicos para
preencher o quadro funcional da
cultura, mas as idas e vindas da negociação fez com que 60 por cento dos que passaram no concurso
para o IPHAN, muitos deles com
mestrado e doutorado, desistissem
do trabalho. Atualmente, um servidor de nível superior do MinC, em
final de carreira e no topo da tabela, recebe como vencimento báPaula Nogueira (vice-residente da Associação de Funcioná- sico, há 12 anos, R$ 565,00 que são
rios da Funarte) em passeata por melhores condições de somados às gratificações. "Foram 20
trabalho para servidores da cultura.
anos sem concursos. Os funcionários estão envelhecendo, se aposolução provisória até que o plano origisentando", explica a designer Paula Nonal fosse definitivamente implantado. Com
gueira, vice-presidente da Associação de
isto, a área da cultura saiu da tabela do
Funcionários da Funarte. Ela explica ainPlano geral de cargos do poder Executivo
da que a luta não é apenas por melhores
(PGPE). Após a paralisação de 100 dias, a
salários, mas sim pela valorização da culcategoria aceitou a solução, esperando
tura do país, já que o ministério tem um
que as negociações fosse reabertas em
dos piores orçamentos no Orçamento
2006, o que não ocorreu.
Geral da União.
Obituário
Carmem Costa
Marinês
Carmem nasceu no interior do Estado
do Rio. Ela
era empregada do cantor
Francisco
Alves, que a
descobriu aos 15 anos de idade. Após
vencer o programa e calouros de Ary
Barroso, pasou a apresentar-se em dupla com Henricão, com quem teve o
seu primeiro sucesso, no início dos
anos 40.
Após alguns anos nos EUA, quando casou-se com um americano, Carmem
volta ao Brasil e vive um romance com
Mirabeau Pinheiro, com quem tem a
filha Silésia. A partir da parceria, a cantora emplaca os sucessos Cachaça
Não é Água e o samba Obsessão.
Ultimamente, Carmem continuava fazendo shows, mas fazia poucas gravações. Seu último disco foi em 1998 e
a última gravação em 2004, em disco
de Elymar Santos. A cantora vivia em
Jacarepaguá, na zona oeste do Rio
de Janeiro, com a filha, dois netos e
quatro bisnetos. Carmem Costa morreu em 25 de abril de 2007.
Marinês era uma das vozes do Nordeste, assim como Luiz Gonzaga. Foram
mais de 30 discos durante toda a carreira que a fizeram se estabelecer
como a Rainha do Forró.
Marinês nasceu em Pernambuco, mas foi
criada na Paraíba, em Campina Grande.
Desde pequena cantava no colégio. Ganhou diversos concursos de calouros e,
assim, foi construindo fama de boa cantora de forró até gravar o primeiro disco, em 1956. Ainda na década de 50, a
cantora veio para o Rio de janeiro quando integrou o grupo de Luiz Gonzaga.
Na Cidade Maravilhosa, cantou no rádio
e fez diversas apresentações, mas sem
nunca deixar de voltar ao Nordeste. Em
1999, Elba Ramalho produziu o disco
Marinês e sua Gente, que contou com
diversos artistas como Lenine, Genival
Lacerda, Geraldo Azevedo, Ney
Matogrosso e muitos outros. No dia da
morte da cantora, o Ministro da Cultura, Gilberto Gil, divulgou nota onde dizia que "o Brasil perdeu hoje sua Rainha
do Forró, a primeira grande cantora nordestina que aparece nos anos 50, inaugurando um ciclo de ouro da voz feminina da música do Nordeste".
Marinês morreu em 14 de maio de 2007.
14 Jornal Musical
No 36
Luiz Carlos Batera
(Banda Black Rio)
O baterista foi
conhecido,
principalmente, pela sua
atuação com
a Banda Black
Rio a partir de
1977. Ele integrou o grupo
com os músicos Oberdan
Magalhães,
Jamil Joanes,
Barrosinho, Cristóvão Bastos, Lúcio J. da
Silva e Cláudio Stevenson. A banda mesclava o funk da época à música brasileira
e lançou três discos: Maria Fumaça,
Gafieira Universal e Saci Pererê, do qual
Luiz Carlos não participou.
Antes da Black Rio, o músico participou
de diversas bandas de baile e do grupo
de Don Salvador e o grupo que daria origem à Black Rio, a Banda Abolição. O baterista ainda acompanhou diversos artistas, como Caetano Veloso, Gal Costa e
Tim Maia, na Banda Vitória Régia.
Luiz Carlos Santos morreu em 19 de abril
de 2007.
O chefe da representação do Ministério
da Cultura disse ao Jornal Musical que o
órgão acha a reivindicação dos servidores
justa, mas que não acredita que a greve
vá prejudicar atividades como o Projeto
Pixinguinha.
Protesto
Os servidores da cultura fizeram a
passeata denominada Bumba-meuPAC-derme para protestar contra
a emenda PLP-01 do PAC, que pretende congelar os salários dos servidores por 10 anos. "Que congelem os salários do judiciário, dos
deputados e do Legislativo, mas se
congelarem os salários dos servidores da Cultura, Saúde e Educação,
vamos morrer de fome, pois já
estamos sem reajuste há mais de
12 anos" , destaca Paula Nogueira,
que também leu o manifesto dos
servidores da cultura na posse de
Celso Frateschi na Fuarte.
Nayran Pessanha
Sindicato dos Músicos Profissionais
do Estado do Rio de Janeiro
Maestro Braga
Nesse ano de comemorações do centenário do Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, uma figura importante se destaca
entre tantas outras - Antonio Francisco Braga, o Francisco Braga. Além de
ser o autor do belíssimo Hino à Bandeira (1906) levou junto com outros
companheiros a bandeira do Centro
Musical do Rio de Janeiro criado em
1907, hoje o nosso Sindicato.
Francisco Braga foi homem de visão
ao criar o Centro Musical, sensível às
mudanças sociais e aos movimentos
de organização das classes trabalhadoras de então.
Se hoje injustamente os poemas sinfônicos do maestro Braga estão silenciosos nas estantes das nossas orquestras, o Sindicato, o seu "Centro Musical" está de portas abertas para todos os músicos , em prol de uma classe mais atuante, partcipativa e defensora de uma dignidade profissional.
Por fim, nada mais justo do que
dar o nome do maestro a medalha
que o SindMusi passa a instituir e
oferecer à personalidades expoentes da área musical. Neste ano do
centenário o homenageado, merecidamente, foi o maestro Alceo
Bocchino.
ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA
EDITAL DE CONVOCAÇÃO
A Presidente do Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio de
Janeiro, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, convoca os músicos profissionais para participarem da Assembléia Geral Extraordinária, a ser realizada em sua sede à Rua Álvaro Alvim, 24 - Grupos 401/405,
nesta cidade, às 13:00 horas do dia 26 de junho de 2007, em primeira
convocação. Caso não haja número legal de presentes, será feita segunda convocação às 13:30 horas, observando-se os artigos 43 letra "a" e 38
letra "f", do Estatuto, para deliberação sobre a seguinte ORDEM DO DIA:
1. Autorizar (referendar) a Filiação à CGTB - Central Geral dos Trabalhadores do Brasil. Rio de Janeiro, 15 de maio de 2007. Déborah Cheyne
Prates - Presidente.
Nascido no Rio de Janeiro em 1868,
orfão, foi criado no Asilo de Meninos
Desvalidos, onde entrou em 1876.
Aí começaram seus estudos musicais
que o levaram a Paris com bolsa do
governo. Estudou composição com
Jules Massenet que muito o apoiou,
conseguindo até que sua bolsa fosse
prorrogada.
Sindicato dos Músicos Profissionais
do Estado do Rio de Janeiro
ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA
EDITAL DE CONVOCAÇÃO
Após esse período francês, viajou
para a Áustria e a Alemanha onde morou por anos em Dresden.
Essa gama de experiências em todos
os sentidos deram ao maestro idéias
que ele implantou ao voltar para o
Brasil.
Além da fundação do Centro Musical, participou ativamente na inauguração do Theatro Municipal do Rio
de Janeiro que, tenho certeza, orgulharia o Arthur Azevedo, outro
batalhador das nossas causas culturais e artísticas.
Retrato do maestro Francisco Braga
por Candido Portinari. C. 1931 - Óleo
sobre tela. 53x35 cm. São Paulo. Coleção particular
A Presidente do Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio de
Janeiro, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, convoca os músicos profissionais para participarem da Assembléia Geral Extraordinária, a ser realizada em sua sede à Rua Álvaro Alvim, 24 - Grupos 401/405,
nesta cidade, às 15:00 horas do dia 26 de junho de 2007, em primeira
convocação. Caso não haja número legal de presentes, será feita segunda convocação às 15:30 horas, observando-se os artigos 43 letra "a" e 38
letra "f", do Estatuto, para deliberação sobre a seguinte ORDEM DO DIA:
1. Alteração do Estatuto do SindMusi. Rio de Janeiro, 15 de maio de 2007.
Déborah Cheyne Prates - Presidente.
Balcão Musical
Newton Rolla Luthier
Reforma, compra e venda de
instrumentos de corda e arco.
Rua das Marrecas, 40 / 803
Centro
Tel.: ( 21) 2240-1016
HR Stúdio
Estúdio de gravação, espacializado em trilha sonora, composição e arranjo para:
Jingles, Vídeos de arte e institucionais, Trilha sonora para DVD, Produção musical para
cinema, teatro e TV, Gravação de locuções,
Layout sonoro para rádio e qualquer outro veículo de comunicação.
Rua Viúva Lacerda 173 - Humaitá
Tels.: 2502-0202 / 9244-1852
www.quitandadosom.com.br
Jornal Musical
N o 36
15
TABELA DE PREÇOS Titulares e Dependentes (R$)
Produtos sem Co-Participação
Faixa Etária Personal QC
16 Jornal Musical
No 36
Personal QP
Alfa
Beta
Delta
Ômega
0-18
64,02
71,74
77,14
109,84
123,42
154,28
19-23
81,34
91,14
98,00
139,56
156,81
196,01
24-28
101,66
113,91
122,49
174,42
195,98
244,97
29-33
106,97
119,86
128,88
183,52
206,21
257,76
34-38
113,47
127,15
136,72
194,68
218,74
273,43
39-43
129,77
145,40
156,35
222,64
250,16
312,70
44-48
157,06
175,98
189,23
269,46
302,76
378,46
49-53
180,62
202,38
217,61
309,88
348,18
435,22
54-58
251,60
281,91
303,13
431,66
485,01
606,27
59 ou mais
384,02
430,28
462,67
658,84
740,28
925,34

Documentos relacionados

- Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio

- Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio Expediente SINDMUSI - Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio de Janeiro: Presidente: Déborah Cheyne * Vice-Presidente: Adil Tiscatti * Diretor Tesoureiro: Álan Magalhães * Diretor Adm...

Leia mais

Jornal Musical 34_Dez 06.pmd

Jornal Musical 34_Dez 06.pmd • Diretor Secretário: José Augusto • Diretora do Patrimônio: Ariane Petri • Diretor Administrativo: Álan Magalhães • Diretor Social: Adil Tiscatti • Diretor de Comunicação: Kleber Vogel • Diretor d...

Leia mais