PT - Walmart Brasil

Сomentários

Transcrição

PT - Walmart Brasil
EXERCÍCIO 2007
RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008
RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008
EXERCÍCIO 2007
RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008
EXERCÍCIO 2007
4
Mensagem
do Presidente
32
R el aç ão co m
s ta k e h o l d e r s
PARCERIAS DE VALOR
Funcionários
• Clientes
• Fornecedores
• Co m u n i da d e
•
•
6
Grupo
W a l– M a r t
O Wal-Mart Brasil Ltda. consolida em publicações anuais
os dados de sua atuação socioambiental. Este relatório
está centrado nas ações desenvolvidas pela empresa no
Brasil de 1oºde janeiro a 31 de dezembro de 2007. As informações relativas a metas futuras ou a atividades iniciadas
em 2008 são exceção e estão claramente indicadas.
SU M ÁRIO
14
visão de
s u s t e n ta b i l i d a d e
64
RES P ONSABILIDADE
A M BIENTAL
•
•
•
•
•
•
20
Governanç a
c o r p o r at i v a
76
Ins t i t u to
W a l- M a r t
•
Para dúvidas ou sugestões, entre em contato com o departamento de Assuntos Corporativos, no endereço:
Avenida Tucunaré, 125 – Alphaville
CEP 06460-020 – Barueri – SP
26
CONTRIBUIÇÃO
ECON Ô M ICA
P r e ço B a i xo To d o D i a
Ac e s s o à s aú d e
• Imp u l s o ao s p e q u e n o s
•
•
AÇÕ ES DENTRO E F ORA DA REDE
CONSTRUÇÕ ES SUSTENTÁVEIS
ATAQUE AOS RES Í DUOS
RECICLAGE M AU M ENTA
DESENVOLVER M ERCADO
AQUECI M ENTO GLOBAL
•
•
•
INVESTI M ENTO SOCIAL
UNIR ES F ORÇOS
P RO J ETOS
DE M ONSTRAÇÕ ES F INANCEIRA S
98
CONTEÚDO GRI
mensagem do presidente
pl anejamento
par a o pl ane ta
Há inúmeros problemas a enfrentar no mundo
que irão afetar profundamente nossas vidas e nossa empresa: mudanças climáticas, falta d’água, inquietudes sociais e econômicas, infra-estrutura e saúde.
O Wal-Mart tem contribuído para solucionar problemas ao longo de sua história. Ajudamos centenas de
milhões de pessoas em todo o mundo a esticarem seus
orçamentos todos os meses e sustentarem-se gastando
menos. Mas agora estamos assumindo desafios estimulantes na área de sustentabilidade para fazer a diferença.
Globalmente assumimos metas audaciosas, como utilizar
100% de energia de fontes renováveis, sermos uma empresa que gera “lixo zero” e oferecer produtos sustentáveis. E já estamos mostrando, com iniciativas em diferentes países, que essa promessa pode ser concretizada.
Isso é algo muito poderoso para nós. Vivemos em uma
época em que as pessoas estão perdendo a confiança na
capacidade que os governos têm de resolver as coisas. E
as empresas estão cada vez mais passando a assumir esta
responsabilidade. Nesse contexto, o Wal-Mart aparece
com um potencial de contribuição enorme. Pelo tamanho
da nossa empresa e pela característica do nosso negócio
(contato com consumidores, negócio maciço em gente, elo
entre o consumidor e toda a cadeia produtiva) não existe
nenhuma outra corporação no mundo com a capacidade
de promover mudanças que possam influenciar positivamente toda a sociedade e o planeta como um todo.
Nos próximos anos é possível que não consigamos
concretizar tudo o que desejamos fazer. Mas faremos tudo
o que tiver que ser feito para construirmos uma sociedade
e um mundo melhor. O Wal-Mart pode assumir um papel
de liderança, sair na frente do futuro e fazer uma diferença
que seja boa para nossos negócios e para o mundo.
Tenho muito orgulho do que foi realizado em nossa
empresa no ano de 2007. Dobramos as horas de treinamento para os nossos funcionários. Estendemos progra-
mas de formação profissional e vamos ampliá-los ainda
mais em 2008. Demos passos importantes para sermos
de fato uma empresa inclusiva. Nós investimos no Brasil e
nos brasileiros. Com as 19 lojas que abrimos e as 113 unidades que reformamos, geramos 4,5 mil empregos diretos e
17,1 mil indiretos.
Nosso investimento social também cresceu. De 21 projetos que tínhamos em 2006, agora são 40, apoiados pelo
Instituto Wal-Mart. Nós sentimos que fazemos a diferença
para os catadores de resíduos, para as cooperativas de
costura, para os jovens que querem se capacitar para o
mercado de trabalho.
O respeito ao meio ambiente foi definitivamente incorporado em nossa maneira de fazer negócio. Nós traduzimos em ações concretas muitos objetivos, aperfeiçoando
os nossos processos, produtos e obras. E estamos cada
vez mais empenhados em descobrir novas soluções que
contribuam para a sustentabilidade da vida no planeta.
E temos muitas ações previstas para este ano, como
ter 235 lojas nossas com estações de reciclagem instaladas e com a coleta funcionando. Fazermos o roll-out da
nossa iniciativa de “loja lixo zero”, termos a nossa primeira
loja eficiente, desenvolvermos parcerias com nossos fornecedores para de fato transformarmos a nossa cadeia
produtiva. E conscientizarmos os nossos funcionários,
clientes, fornecedores, prestadores de serviços e tantos
outros interlocutores.
Estamos cada vez mais próximos de nossos parceiros
nessa jornada importante. E a satisfação que temos com
tudo o que já foi realizado nos impulsiona ainda mais para
seguirmos em frente com a nossa missão de vender por
menos para que as pessoas vivam melhor.
Boa leitura.
Héctor Núñez
Presidente do Wal-Mart Brasil
c a pí t u lo I
grupo
Wal-Mart
As lojas da rede no Br asil
integr am uma empresa
varejista mundial que
busca melhor ar a vida
das pessoas com a venda
de produtos de qualidade
a preços baixos.
GRUPO Wal-Mart
Grupo
WAL-MART
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
Wal-Mart
no mundo
A política de vender
por menos para que
as pessoas vivam
melhor beneficia
consumidores em 15
países do mundo
Criado na década de 60 no estado do Arkansas, nos
Estados Unidos, o Wal-Mart vem ganhando mercado em
diferentes regiões do mundo. Hoje são 7,2 mil lojas, que
oferecem aos clientes uma grande variedade de produtos a preços mais baixos que a concorrência. A proposta
da empresa é proporcionar uma economia real, para que
os consumidores possam reverter em benefício próprio
os recursos poupados.
Além de facilitar o acesso ao consumo, as atividades
da empresa também ajudam a fomentar a economia dos
países onde opera. O número total de funcionários passa
de 1,9 milhão. No relacionamento com sua ampla rede de
fornecedores, o grupo estimula o desenvolvimento das
indústrias locais e abre novas oportunidades de comercialização aos produtores. Mais de 176 milhões de consumidores ao redor do mundo se beneficiam da política de
preços baixos da empresa a cada semana.
Com sede nos Estados Unidos, a rede segue em
intensa expansão internacional, com lojas no México
(1.020), Japão (394), Reino Unido (352), Brasil (312) e Canadá (298). Atua ainda na China, em vários países latinoamericanos e, desde 2007, na Índia. Em todo o mundo
o Wal-Mart opera com 40 bandeiras diferentes. Nos Estados Unidos são quatro: Wal-Mart, SAM’S CLUB, WalMart Supercenter e Neighborhood Market.
A história da empresa se confunde com a história do
seu fundador, Sam Walton. Formado em economia, ele se
associou ao irmão, Bud, para abrir uma unidade da franquia Ben Franklin na cidade de Newport em 1945. Quando Bud deixou a sociedade, no ano seguinte, Sam seguiu
administrando o negócio em parceria com sua esposa,
Helen. Em 1962, o casal abriu a primeira loja com o nome
de Wal-Mart. Os principais diferenciais do novo empreendimento eram o foco no preço baixo e o auto-serviço. A
empresa abriu seu capital em 1972, negociando ações na
Bolsa de Valores de Nova York. O processo de expansão
internacional começou em 1991.
p r e s e n ç a d o wa l - m a r t
p r e s e n ç a d o wa l - m a r t
Países
Lojas
Funcionários
Países
Lojas
Funcionários
EUA
4.128
Mais de 1,3 milhão
Guatemala
145
9.080
Argentina
21
7.970
Honduras
47
2.615
Brasil
312
67.863
Índia**
-
-
Canadá
298
76.701
Japão
394
35.384
China*
201
102
47.944 (Wal-Mart) e
35.338 (Trust-Mart)
México
1.020
146.309
Nicarágua
45
1.576
Costa Rica
149
8.893
Porto Rico
54
13.976
El Salvador
70
4.353
Reino Unido
352
164.018
*Inclui 35% das ações da rede Trust-Mart, com 102 lojas no país.
**Joint venture com a Bharti Enterprises
10
GRUPO WAL-MART
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
Diferen t e s ban deir a s,
diferentes formatos
Wal-Mart Supercenter, SAM’S CLUB, Hiper Bompreço,
Todo Dia, Maxxi, Mercadorama, BIG, Bompreço, Nacional...
São muitas as marcas que a companhia adota no Brasil, de
acordo com o tipo de loja, o público atendido e a região do
país. Essa diversidade é conseqüência da política da empresa de se moldar às necessidades do consumidor e também
do processo de expansão do grupo, pontuado por aquisições de importantes redes varejistas.
O resultado, hoje, é uma das maiores empresas varejistas do país, com faturamento total da ordem de R$ 15 bilhões
em 2007. A rede está presente em 17 estados e no Distrito
Federal. São 312 lojas agrupadas em distintos formatos para
atender às necessidades específicas de consumidores de
atacado e de varejo. É amplo o leque de serviços que as lojas
podem oferecer. Farmácia, laboratório de revelação fotográfica, café e restaurante são alguns exemplos, que garantem
um diferencial ao atendimento aos clientes e refletem a diretriz corporativa da empresa de ser a melhor experiência de
compra para o consumidor brasileiro.
312
Wal-Mart em números
lojas em 17 estados e no
distrito feder al
67.863 funcionários
Fatur amento: R$ 15 bilhões
Sete Centros de Distribuição – nas regiões Sul, Sudeste
e Nordeste – abastecem a rede, além de cinco operadores
logísticos de perecíveis. Os escritórios estão localizados em
Porto Alegre, Curitiba, Salvador e Recife, além da sede em
Barueri, na Grande São Paulo. Ao todo, a operação envolve
quase 68 mil funcionários.
Valorizar o
relacionamento local
O Wal-Mart se instalou no Brasil em 1995, com a abertura de um SAM’S CLUB em São Caetano do Sul, São Paulo. Nos anos seguintes implantou novas lojas dentro do
estado de São Paulo e estendeu sua atuação ao Paraná,
ao Rio de Janeiro e a Minas Gerais. Ao comprar os ativos
do Bompreço, em 2004, o grupo incorporou 118 lojas e
três Centros de Distribuição, passando a atuar na região
Nordeste. Saltou da condição de uma empresa pequena,
com 26 unidades concentradas em quatro estados, para
a terceira posição no ranking de varejo brasileiro da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em 2005,
o Wal-Mart absorveu a operação brasileira de varejo do
grupo português Sonae, com 140 lojas e dois Centros de
Distribuição nas regiões Sul e Sudeste. A compra acrescentou ao portfólio do grupo as bandeiras Nacional,
Mercadorama, BIG e Maxxi.
Os processos de integração foram marcados pela
preocupação em valorizar os pontos positivos das empresas já existentes aliada a um forte investimento na
melhoria dos negócios. A política mundial do grupo
– Preço Baixo Todo Dia – foi aplicada a todas as lojas e
aperfeiçoou o sortimento de produtos com novas marcas próprias e itens importados. O Wal-Mart preservou
a relação dos consumidores com as marcas – algumas
com décadas de história – e ampliou para outros pontos
da rede algumas boas práticas regionais, como a política
de crédito do Bompreço, por exemplo.
11
A flexibilidade
de adaptação às
car ac terísticas
locais marca
a atuação do
Wal-Mart no Br asil
12
GRUPO WAL-MART
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
Expansão e futuro
Trajetória no Brasil
O ano de 2007 foi marcado por um forte movimento de
expansão, com a abertura de 19 lojas. O investimento de
R$ 1 bilhão gerou 4,5 mil novos postos de trabalho e 17,1
mil empregos indiretos. Também foi significativo o esforço
de modernização da rede: 113 lojas foram reformadas e o
Centro de Distribuição da Bahia, ampliado.
Para 2008, a meta é abrir mais 36 lojas e levar as bandeiras da rede a mais cidades, como, por exemplo, Campo Grande (MS). A expansão exigirá investimentos da ordem de R$ 1,2 bilhão em todos os formatos. O mercado de
baixa renda – atendido principalmente por lojas Todo Dia
e Maxxi – terá especial destaque. Além disso, as reformas
e as modernizações continuam, contemplando também o
Centro de Distribuição em Recife.
Início da operação no Brasil – 5
unidades na grande São Paulo
1995
Expansão para o interior
de São Paulo
1997
Expansão para o Paraná
1998
2000
Inauguração do Centro de
Distribuição em Barueri (SP)
2001
Bandeira
Lojas
2004
Estados
Hipermercados
• 45 mil a 65 mil itens
• 7.500 m²
• Galeria de serviços e conveniências
BIG
38
Região Sul e interior de São Paulo
Hiper Bompreço
32
Nordeste
Wal-Mart Supercenter
29
Sudeste e Centro-Oeste
Supermercados
• 15 mil itens
• 1.200 m² a 2.200 m²
• Maior oferta de produtos perecíveis
Bompreço
66
Nordeste
Nacional
68
Rio Grande do Sul e Santa Catarina
Mercadorama
24
Paraná
Mercado de Vizinhança
• 5 mil itens
• 400 m² a 2.200 m²
• Foco em clientes de menor renda
Todo Dia
21
Atuação Nacional
Atacado (foco no comerciante e no
público de alta renda)
• 6.500 itens
• 5.500 m²
SAM’S CLUB
21
Atuação Nacional
Atacado (foco no comerciante e no
público de baixa renda)
• 6 mil itens
• 7.500 m²
Maxxi
13
Atuação Nacional
Expansão para o Espírito
Santo, Distrito Federal e Goiás.
Retomada do crescimento
orgânico da bandeira Bompreço.
Aquisição de 140 lojas da rede
Sonae na região Sul (Nacional,
BIG, Mercadorama e Maxxi).
Criação do Instituto Wal-Mart,
que concentra o investimento
social da empresa
Maior expansão em número
de lojas, com 19 inaugurações.
Maior revitalização da rede:
reforma de 113 lojas e um
Centro de Distribuição
Wal-Mart chega aos
estados do Rio de Janeiro
e de Minas Gerais
Aquisição da rede Bompreço
(118 lojas no Nordeste)
Loja s Wal - Mart n o B r a s il
Formato e características
13
2005
2006
2007
Lançamento do Programa
de Sustentabilidade.
Grande expansão: 14 novas
lojas. Entrada do SAM’S
CLUB no Nordeste
14
Visão de Sustentabilidade
c a p í t u l o II
Visão de
Sustentabilidade
O compromisso com a
sustentabilidade se explicita
no cotidiano do negócio e se
traduz em metas e objetivos
concretos perseguidos por
toda a empresa.
r el ató r i o soci oam b i en tal wal- mart b r a s i l
15
16
Visão de Sustentabilidade
r el ató r i o soci oam b i en tal wal- mart b r a s i l
Ge s tão voltada
à sus tentabilidade
Projetos, programas, códigos de atuação, fóruns de
discussão e mudanças administrativas podem conferir um
tom socioambiental à atuação de uma corporação, mas,
isolados, não são capazes de construir um caminho real
rumo à sustentabilidade. Uma empresa interessada em
ajudar a consolidar um mundo onde as ações de hoje não
inviabilizam os cenários futuros precisa conhecer o próprio
potencial de mudança e assumir o seu papel na criação de
novos modelos de negócios, de produção e de relacionamento. É esse o compromisso do Wal-Mart quando trata
de sustentabilidade.
O conceito orienta as diretrizes corporativas da empresa e serve de base e elemento norteador de toda a
operação, alinhando o foco na produtividade e na redução de custos, o crescimento do negócio e as políticas de
relacionamento. O tema se explicita em diversas práticas
do grupo: na atuação na comunidade, no investimento
social, nas práticas de trabalho digno, no relacionamento
com fornecedores e no esforço por reduzir o impacto ambiental de suas operações.
No setor de varejo, a operação direta das empresas
representa aproximadamente 8% do impacto sobre o
meio ambiente. O restante se refere a impactos indiretos, gerados por outros agentes da cadeia produtiva e de
consumo. Em suas ações de sustentabilidade, o Wal-Mart
extrapola as fronteiras da própria companhia e exerce ativamente seu potencial de provocar mudanças. Isso fica
claro nos projetos de conscientização de funcionários e
Wal-Mart articul a
ações dentro e
for a da empresa
par a impulsionar a
construção de um
mundo sustentável
clientes, no destaque aos produtos sustentáveis no sortimento das lojas e no impulso à implantação de padrões
éticos, sociais e ambientais por seus fornecedores e prestadores de serviço.
Metas definidas
Em 2005 o grupo assumiu metas globais ousadas de redução de resíduos, eficiência energética, diminuição de
gases do efeito estufa e impulso a produtos sustentáveis.
Até 2010 investirá cerca de US$ 500 milhões em infra-estrutura e aprimoramento de sistemas de gestão em busca
de resultados.
O Programa de Sustentabilidade envolve ações em todo
o mundo e se centra em três pilares: clima, resíduos e produtos. O primeiro integra iniciativas de redução do consumo de água e energia pela empresa, adoção de um modelo
de construção e de logística de menor impacto ambiental.
O tema “Resíduos” envolve a redução da geração de resíduos e sua correta destinação. Com o pilar “Produtos” o
objetivo é alterar o perfil de produção e de consumo.
No Brasil, os grandes temas da sustentabilidade foram
desdobrados em dez plataformas de ação. Cada uma delas é liderada por um executivo sênior, que se encarrega
de transformá-la em atitudes concretas. Algumas decisões começam e terminam dentro da empresa, como as
construções sustentáveis, por exemplo. Em outras, a meta
é levar as mudanças a outros agentes. O Wal-Mart investe na conscientização e no engajamento de funcionários,
clientes, fornecedores e organizações sociais. A parceria
e a busca conjunta de soluções caracterizam a estratégia
da empresa para enfrentar as questões que mais afetam a
sustentabilidade no planeta.
Na área de investimento social, as ações são coordenadas pelo Instituto Wal-Mart, que financia projetos de desenvolvimento sustentável. O trabalho é feito em parceria
com organizações não-governamentais, grupos empresariais, entidades sociais e organismos de governo, e está
focado em resultados de médio e longo prazos nas áreas
social, econômica e cultural.
Impac to do Var ejo no Me io Amb ie nte
Uso de água
e poluição
Práticas
agrícolas
Embalagens
Impacto INDIRETO ao Meio-Ambiente: 92%
Poluição industrial
Pescados
Energia, materiais
e métodos
construtivos
Eficiência
energética
DIRETO: 8%
Transporte
17
18
Visão de Sustentabilidade
Novos compromissos
No início de 2008, o presidente mundial do Wal-Mart, Lee
Scott, anunciou o compromisso da empresa de liderar esforços para adotar medidas que façam diferença tanto para
os negócios como para o mundo. A companhia pretende
atuar sobre temas como mudança climática, desigualdade
socioeconômica, racionamento de água, infra-estrutura e
a disputa pelo petróleo internacional.
Na busca por caminhos de ação, Scott propôs uma
interpretação mais ampla à missão da empresa de vender por menos para que as pessoas vivam melhor. A
ampliação significa ajudar os consumidores a reduzir gastos com energia. Ao aplicar a idéia ao tema de energia, o
Wal-Mart poderá ajudar os clientes a reduzir o consumo e
os gastos. O primeiro desafio nesta área é mudar o panorama atual e tornar mais acessíveis os produtos de menor
impacto ambiental. Durante 2008, o grupo vai trabalhar
em parceria com seus fornecedores para garantir a redução de preços em artigos de baixo consumo de energia.
O Wal-Mart concentrará esforços para melhorar os
padrões ambientais, éticos e sociais dos fornecedores.
Favorecerá aqueles que aceitarem o desafio e se comprometerem com a qualidade e a sustentabilidade de
Metas mundiais do grupo
Rede atual de lojas 20%
mais eficientes em sete anos
(estabelecida em 2005)
Construções,
Energia, Água
Resíduos
Produtos
Novas lojas 30% mais
eficientes em quatro anos
(estabelecida em 2005)
r el ató r i o soci oam b i en tal wal- mart b r a s i l
seus produtos, mesmo que isso represente pagar mais
por eles.
Em seu discurso, Scott apresentou planos de trabalhar
com fornecedores para tornar os produtos da categoria
de maior consumo de energia 25% mais eficientes no prazo de três anos. Citou, ainda, uma proposta de mudança
mais abrangente. Como muitas das fábricas que fornecem
produtos para o Wal-Mart também vendem para outras
empresas, Scott defende a adoção de um protocolo conjunto de padrões sociais e ambientais que satisfaça outros
varejistas mundiais. Com parâmetros uniformes ficará
mais fácil assegurar o compromisso dos fabricantes e fiscalizar o cumprimento das normas.
A empresa reconhece que é muito grande o desafio de
assegurar os padrões entre seus fornecedores. Por isso,
vai trabalhar em conjunto com o CIES (sigla do francês
Comité International d’Entreprises à Succursales, ou Comitê
Internacional de Redes Varejistas de Alimentos) para atingir essa meta. Lee Scott convidou todas as grandes redes
de varejo para se juntarem ao Wal-Mart e ao CIES e se
comprometeu a reunir-se com os presidentes de varejistas concorrentes para pedir que os fornecedores adotem
medidas socioambientais responsáveis.
Execução no Brasil
Plataformas de Sustentabilidade
Lojas e Centros de
Distribuição sustentáveis
Frota de veículos 50% mais
eficiente em dez anos
(estabelecida em 2005)
Cadeia logística sustentável
Reduzir em 25% os resíduos
sólidos em 3 anos
(estabelecida em 2005)
Reciclagem e Lixo Zero
Neutralização
de carbono
Funcionários
conscientes
Embalagens sustentáveis
Clientes
conscientes
Ter 20% da cadeia de abastecimento
alinhada em três anos
(estabelecida em 2005)
Produtos sustentáveis
Escritórios
sustentáveis
Produtos que consumam 25% menos
energia em três anos
(estabelecida em 2008)
Clube dos Produtores
19
20
GOVERNANÇA CORPOR ATIVA
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
c a p í t u l o III
Governança
Corporativa
Princípios de ética,
transparência e
comunicação aberta
orientam a atuação da
empresa no mercado e
conduzem uma trajetória
de credibilidade.
21
22
GOVERNANÇA CORPOR ATIVA
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
23
U m gru po
com prom e t ido
com as melhores
pr áticas de
Governança
Missão
Vender por menos para que as pessoas vivam melhor.
No Brasil, o Wal-Mart é auditado pela consultoria financeira Ernst & Young.
Visão
Ética e conformidade
Ser o melhor varejista do Brasil na mente e no coração
dos consumidores.
As normas e os princípios éticos da companhia estão reunidos em dois documentos, criados com base nas regras
globais do grupo e adaptados à realidade e à legislação
brasileiras: o Código de Ética e o Manual de Conduta e
Conformidade. Os textos abordam temas como discriminação, conflitos de interesse e uso abusivo da informação.
São distribuídos a todos os funcionários, fornecedores e
prestadores de serviço, e também estão disponíveis na intranet para o público interno.
Para esclarecer dúvidas ou informar sobre casos de descumprimento de normas, o departamento de Ética e Conformidade mantém um canal exclusivo e sigiloso. As questões são tratadas por um Comitê formado pelas principais
lideranças da empresa. O objetivo de todo o processo é assegurar a todos um tratamento justo, ético e transparente.
Estratégias corporativas
Ser a melhor opção e experiência de compra para o
consumidor
• Focar na redução de custos e na produtividade
• Crescer de forma lucrativa e contínua
• Ter funcionários engajados e motivados
• Ser líder em responsabilidade social e ambiental
• Ser o melhor canal entre o fornecedor e o consumidor
•
Transparência financeira
O Wal-Mart Brasil é controlado pelo grupo varejista WalMart Stores, Inc. Nos Estados Unidos, sede do grupo, a
empresa tem capital aberto desde 1970 e negocia ações
na bolsa de Nova York. Para mais informações, consulte
http://investor.walmartstores.com.
A subsidiária brasileira não tem capital aberto, mas segue as orientações internacionais da rede, cumprindo os
critérios para auditoria e controle de processos previstos
pela Lei Sarbanes-Oxley (SOx). Sancionada nos EUA em
2002, a lei busca assegurar nas empresas a existência de
mecanismos de auditoria e segurança confiáveis, com o
objetivo de garantir a transparência na gestão.
Canais para
assuntos de ética
e conformidade
0800 703 3988
(linha nacional)
0800 891 4093
(linha internacional, com opção
de atendimento em português)
Canais de
comunicação
e políticas são
instrumentos
utilizados para
garantir o
cumprimento
dos valores
24
GOVERNANÇA CORPOR ATIVA
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
Combate à corrupção
A empresa sempre adotou práticas para coibir a corrupção, mas o ano de 2007 marcou o início de um trabalho
sistematizado de treinamento e conscientização sobre o
tema, com a capacitação de 69% da liderança dos escritórios – gerentes, diretores e vice-presidentes – e o aperfeiçoamento dos sistemas de monitoramento e avaliação.
Para melhorar a identificação de problemas potenciais, todos os setores em contato com órgãos públicos passaram
a ser monitorados mais de perto. Em 2008, o treinamento
será estendido a todos os funcionários.
desempenho socioambiental a partir de índices como os
do Guia Exame de Sustentabilidade, por exemplo.
A publicação utiliza metodologia elaborada pelo Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio
Vargas de São Paulo. O Centro é responsável pelo Índice
de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da Bovespa, que
reúne empresas responsáveis listadas na bolsa. Na edição 2007 do Guia, o Wal-Mart apresentou desempenho
acima da média das pesquisadas.
Compromissos Wal-Mart
O Wal-Mart Brasil apóia e participa de várias iniciativas que
visam assegurar uma atuação ética e transparente e contribuir para o desenvolvimento social no país. São elas:
Relacionamento
com o Poder Público
Diretamente ou representado por entidades setoriais e
empresariais, o Wal-Mart participa da discussão de regulações ou de leis que afetem sua atuação nos âmbitos
local, regional e nacional. Para se aproximar mais do Poder Público, desde o final de 2007 o grupo conta com um
escritório em Brasília.
Sustentabilidade
e gestão responsável
Pacto Empresarial pela Integridade e contra a Cor­
rupção – lançado em 2006 pelo Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, a Patri Relações Governamentais & Políticas Públicas, o Programa das Nações
Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o Escritório das
Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC), o Fórum
Econômico Mundial e o Comitê Brasileiro do Pacto Global.
•
Pacto pela Erradicação do Trabalho Escravo – lançado em 2005 com o objetivo de engajar a iniciativa
privada na erradicação do trabalho escravo. O pacto é
coordenado pelo Instituto Ethos, a Organização Internacional do Trabalho e a organização não-governamental
Repórter Brasil.
•
A sustentabilidade é uma das seis estratégias corporativas do grupo e em 2007 ganhou status de vice-presidência no organograma, respondendo diretamente à presidência. A companhia considera os indicadores Ethos na
definição de seu planejamento estratégico e avalia seu
Guia E x ame de Sus tentab ilidade 2 0 07 – De s e mpenh o Wal - Mart Bra s il
PARTES
Introdução
Econômico-Financeira
Social
Ambiental
Média das
empresas-modelo
71
72
81
79
Média total
55
61
70
68
Wal-Mart Brasil
72
77
81
76
Prêmios
e Reconhecimentos 2007
Reconhecimento do Compromisso Empresarial para
Reciclagem (CEMPRE) pela contribuição aos serviços de
gestão de resíduos no Brasil
• Título de “Empresa Amiga dos Catadores”, concedido
pelo Movimento Nacional dos Catadores de Material Reciclável (MNCR)
• Prêmio Top Ambiental da ADVB para o programa de
responsabilidade ambiental da empresa
• O projeto “Loja da Comunidade” recebeu o prêmio
TOP Social, concedido pela Associação dos Dirigentes
de Venda do Brasil (ADVB).
• Top Social da ADVB para o Instituto Wal-Mart pelos
projetos de Geração de Renda
• O Instituto Wal-Mart, recebeu o prêmio Paulo Freire na
categoria Responsabilidade Social, concedido pela Associação Brasileira de Recursos Humanos pelo projeto da
Cooperativa Pro-Recife.
•
25
A bandeira BIG ganhou o prêmio Top of Mind Universitário em Curitiba (PR) e em Maringá (PR) na categoria
Supermercado.
• Prêmio Top of Mind – categoria Supermercado, concedido pelo Diário de Pernambuco, em Recife (PE) para a
bandeira Bompreço
• Pelo segundo ano consecutivo, Vicente Trius, que presidiu
o Wal-Mart Brasil de 1997 a 2007, foi premiado como “Executivo de Valor” do varejo brasileiro pelo jornal Valor Econômico.
• Considerada uma das 10 melhores empresas parceiras
da educação pela Secretaria Municipal da Educação de
Salvador (BA)
• Destaque do Ano pelo Jornal do Comércio em Porto Alegre (RS)
• Homenagem da Câmara Municipal de Piracicaba (SP)
pelas ações em benefício dos funcionários deficientes
• Wal-Mart Supercenter Bauru (SP) foi considerado Top de
Varejo na cidade pelas iniciativas em benefício da comunidade e a alta qualidade dos serviços ao consumidor.
•
26
contribuição econômica
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
c a pí t u lo I v
Contribuição
Econômica
Atuação da empresa
impulsiona a economia
local com a ampliação
do acesso a produtos
de qualidade, ger ação
de empregos e
desenvolvimento de
fornecedores.
27
28
contribuição econômica
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
Preço Baixo
Todo Dia
O Wal-Mart busca manter a totalidade de seus produtos com preços menores, repassando ao valor de
prateleira as vantagens competitivas asseguradas internamente com uma operação eficiente e um rígido controle de seus custos operacionais. É a política de Preço
Baixo Todo Dia, que beneficia o consumidor com preços
menores que os da concorrência local em todas as lojas
da empresa. Nas lojas BIG, Wal-Mart Supercenter e Hiper
Bompreço, por exemplo, a economia numa cesta de produtos chega a 9%.
Além da estratégia de negócios que assegura a diferença de preço, há um intenso trabalho de monitoramento. Cerca de 350 pesquisadores verificam diariamente os
preços praticados por outras empresas em 200 lojas e
em anúncios de ofertas. São pesquisados até 3 mil produtos, que representam o maior volume de vendas. O
cliente tem o preço baixo garantido mesmo quando alguma informação escapa ao sistema de monitoramento.
Basta apresentar o folheto ou o anúncio, que o Wal-Mart
cobre o valor no caixa. É a política Na Hora, no Caixa,
sem Burocracia.
Além disso, as lojas vendem cerca de 5 mil artigos
de marcas próprias, que oferecem ao consumidor alternativas de qualidade garantida e preço baixo. No varejo,
os produtos Great Value, BIG, Mercadorama, Nacional e
Bompreço (alimentos, higiene e limpeza) têm qualidade
equivalente à marca líder e são vendidos a preços mais
competitivos. A linha Mais por Menos (alimentos, limpeza
e descartáveis) atende às necessidades básicas dos consumidores com o preço mais baixo da categoria. Durabrand
(eletrônicos), Equate (higiene e perfumaria), Ol’ Roy (linha
pet) e Select Edition (linha têxtil) são outros exemplos de
produtos fabricados especialmente para o grupo.
No atacado, que atende também os comerciantes,
as lojas Maxxi trabalham com as marcas Top Max (limpeza, descartáveis e alimentos) e Top Chef (artigos para
os transformadores), e o SAM’S CLUB com a Member’s
Mark (alimentos e não-alimentos para o consumidor final), Bakers & Chefs (linha desenvolvida para o transformador) e SAM’S (produtos para o revendedor e com o
menor preço da categoria).
A política de Preço Baixo Todo Dia, o sortimento de
mercadorias adaptado ao consumidor de cada região e
a presença da rede em diferentes segmentos de mercado caracterizam a estratégia de negócios da empresa e
impulsionam seu desempenho. A partir de um cenário
favorável – caracterizado pelo aumento do poder de
compra da população de menor renda e acesso facilitado a crédito –, o Wal-Mart teve um crescimento nominal
de 16,2%, acima do índice registrado no setor varejista
como um todo, segundo pesquisa realizada pelo IBGE,
que foi de 14,1%, em 2007.
D is t r i b u i ç ão d e r i q u e z a s
Pessoal e encargos – R$ 1,046 bilhão
Impostos, taxas e contribuições – R$ 1,040 bilhão
f u n ci o nár i os p o r r eg iÃO
Centro-oeste
A estr atégia
de preços da
companhia ajuda
as pessoas
a economizar e
viver melhor
1,6%
nordeste
34,6%
sudeste
20,8%
67, 8 mil
E m pr egos
dir e tos
sul
43%
29
30
contribuição econômica
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
31
Ace sso à saúde
As 134 farmácias próprias da rede Wal-Mart oferecem ao consumidor a oportunidade de comprar medicamentos genéricos – antibióticos, analgésicos, antiinflamatórios, diuréticos, remédios de uso contínuo para o
controle de diabetes, hipertensão e problemas cardíacos
– por menos de R$ 10,00. A ação começou em junho de
2007 com o objetivo de garantir medicamentos a preços
mais acessíveis à população.
Nos seis primeiros meses o programa de genéricos
possibilitou aos consumidores uma economia total de
R$ 6 milhões. A lista de remédios – de 300 a 500 itens
– varia de acordo com a região do país. Os medicamentos são vendidos nas farmácias Bompreço e Todo Dia e
nas drogarias Wal-Mart, Nacional, BIG e Maxxi. A iniciativa
também foi implementada em outros mercados da rede,
como Estados Unidos, México e Porto Rico.
Uma pesquisa da Organização Mundial da Saúde
aponta que mais de metade dos pacientes abandonam
o tratamento por não conseguirem arcar com os custos
dos medicamentos. Preços mais acessíveis podem contri-
buir para mudar essa realidade e o Wal-Mart acredita que
pode fazer a diferença.
A estratégia de melhorar a vida das pessoas com
preços baixos nos remédios foi positiva também para
a própria rede, que já alterou o perfil dos negócios das
farmácias. Com a implementação do programa, a participação dos genéricos nas vendas saltou de 7% para
13%. A meta para 2008 é gerar uma economia de R$ 12
milhões para os brasileiros.
Genéricos com preços
de até R$ 9,90 facilitam o
acesso a medicamentos
e ger am economia
total da ordem de
R$ 1 milhão ao mês par a
os consumidores
Relacionamento com pequenos
fornecedores gera renda a famílias e
fortalece o desenvolvimento local
Impu l so aos pequenos
O mercado consumidor de Salvador (BA) ficou mais
próximo para pequenos produtores de peixe, palmito, farinha de mandioca e artesanato de piaçava do Baixo Sul da
Bahia. Em 2007, com o fornecimento intensificado de seus
produtos às lojas do Wal-Mart em Salvador, as cooperativas da região triplicaram as vendas mensais de farinha e
palmito e quadruplicaram as de peixe, aumentando a renda das famílias produtoras.
A relação com o Wal-Mart ajuda a consolidar as iniciativas de fomento econômico à região, executadas por
agentes como Fundação Odebrecht, Embrapa (Empresa
Brasileira de Pesquisa Agropecuária), Sebrae (Serviço de
Apoio às Micro e Pequenas Empresas), Governo do Estado e prefeituras. O Baixo Sul fica a 270 quilômetros a sudeste de Salvador e reúne 11 municípios, com cerca de 270
mil habitantes. A economia local se baseia na agricultura,
na pesca e no turismo, e são baixos os índices de desenvolvimento.
Organizados em cooperativas, os produtores puderam se profissionalizar e, hoje, atuam integrados. A cooperativa que fornece tilápias ao Wal-Mart, por exemplo, com-
pra de outra cooperativa local a ração utilizada para alimentar
os animais. Os peixes são criados em tanques-rede, um sistema que ajudou a combater a pesca predatória e garantiu uma
alternativa de renda compatível com a cultura pesqueira local.
O uso da ração – 100% orgânica – abriu novas possibilidades
de comercialização para a mandioca, produto típico da região,
que garante o sustento de centenas de produtores.
O projeto, que teve início em 2005 em duas lojas, foi sendo ampliado e em 2007 chegou a toda a rede da cidade. Ações
de marketing nas lojas reforçaram a divulgação dos produtos
e também contribuíram para aumentar as vendas. O abastecimento mensal de filés de tilápia, por exemplo, chega a quatro
toneladas. Desde setembro, a parceria passou a incluir também a produção de artesanato de piaçava, típica da região. As
peças foram inicialmente vendidas em um estande no Hiper
Bompreço Iguatemi, por um mês, e passaram a ser comercializadas dentro da loja.
As ações beneficiam cerca de 500 famílias que integram a
cadeia produtiva da mandioca, 300 da cadeia do palmito, 100
da piscicultura e 100 famílias de artesãos vinculados à cadeia
produtiva da piaçava.
32
33
c a pí t u lo V
Relação com
Stakeholders
Respeito, integração,
parceria e engajamento
marcam o relacionamento
com clientes, funcionários,
fornecedores, comunidade,
governo e organizações.
34
Rel ação com Stakeholders
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
Parcerias de valor
Empresa investe na sinergia com seus
públicos estr atégicos
O objetivo que move o Wal-Mart, de melhorar a
qualidade de vida das pessoas, incentiva a companhia a
construir uma relação de confiança com clientes, funcionários, formadores de opinião, fornecedores, comunidade,
Poder Público e organizações não-governamentais.
Além de valorizar a ética e a transparência na interação
com seus stakeholders, a empresa reconhece seu potencial
Público
estratégico
Representatividade
para impulsionar mudanças e estimular práticas sustentáveis nas regiões onde atua. Os funcionários são vistos
como agentes transformadores do seu espaço e elos entre
a empresa e a comunidade. Os fornecedores e os clientes
são estimulados a participar dos projetos de responsabilidade socioambiental, e todas as unidades da rede servem
como ponto focal da relação com a comunidade.
Princípios norteadores
Vender por menos para que as pessoas vivam melhor
Clientes
Milhões de consumidores
em 312 lojas
Ajudar o cliente a tomar a decisão certa
(conscientização para a sustentabilidade)
Engajamento em ações de responsabilidade socioambiental
Busca pela excelência – atendimento de qualidade
Políticas de trabalho digno
Valorização do indivíduo
Funcionários
67,8 mil funcionários
Respeito à diversidade
Motivação e engajamento
Oportunidades de crescimento e desenvolvimento profissional
Parceria e transparência
Fornecedores
6,4 mil parceiros comerciais
Compartilhar princípios éticos, sociais e ambientais
Crescimento integrado
Fortalecer empresas
Comunidade
Presente em 17 estados
e no Distrito Federal
Governo e
sociedade
Presente em 150 municípios
ONG
30 parceiros em projetos
desenvolvidos pelo Instituto Wal-Mart
e mais de 300 instituições sociais
Respeito e integração
Contribuição para as necessidades locais
Impacto positivo na comunidade
Cumprimento à legislação
Participação ativa nas discussões de políticas públicas
União de esforços para garantir melhores resultados
Fazer a diferença para a sociedade
35
36
Rel ação com Stakeholders | funcionários
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
Valoriz aç ão da equipe
Investimento contínuo
no bem-estar de seus funcionÁRIOS
O relacionamento com o público interno está
baseado nos princípios da organização e em valores que
fazem parte da cultura da empresa: respeito pelo indivíduo, atendimento ao cliente e busca pela excelência. O desempenho do grupo é reflexo do comprometimento dos
funcionários, seu principal elo com a comunidade. Se, por
um lado, o Wal-Mart conta com a equipe para transformar
em realidade a missão de mudar para melhor a vida das
pessoas, os 67,8 mil profissionais que atuam na empresa
representam também um importante público-alvo dessa
missão e o ponto de partida das mudanças.
São várias as iniciativas para assegurar um ambiente
de trabalho agradável e seguro, onde as pessoas são tratadas com respeito e contam com estímulo e oportunidades de aprendizado contínuo. A pesquisa anual de clima
organizacional comprova os resultados dessas ações.
No levantamento de 2007, o nível de satisfação dos funcionários subiu dois pontos percentuais.
A pesquisa envolve aspectos ligados às relações de
trabalho, remuneração, oportunidades de crescimento e
desenvolvimento, respeito à diversidade e qualidade de
vida no trabalho. Os resultados são compartilhados por
todos os funcionários e servem de base para os planos
de ação. O objetivo é criar um bom ambiente interno,
que se refletirá no atendimento aos clientes e no desempenho do negócio.
Segurança
Os cuidados com a segurança envolvem ações como o
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), por
exemplo, que mapeia os riscos potenciais aos funcionários
em toda a operação no país. O Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) acompanha e monitora a saúde do corpo funcional com a realização de exa-
mes periódicos focados nos principais riscos potenciais de
cada função dentro da empresa.
Em outro trabalho voltado à prevenção, a empresa distribui os Diálogos de Segurança. A publicação é bimestral
e reúne dicas e alertas de saúde. Além disso, campanhas
internas facilitam o acesso dos funcionários à vacinação.
Em 2007, cerca de 34 mil funcionários receberam a vacina
contra gripe. A adesão é voluntária e gratuita.
Treinamento
É ampla a variedade de treinamentos por meio dos quais
os funcionários podem desenvolver o próprio potencial.
As ações de capacitação estão alinhadas com a missão
do Wal-Mart e incluem desde conteúdos técnicos até habilidades de liderança.
O total de horas de treinamento de funcionários dobrou em 2007. Os principais temas foram: técnicas de
apresentação, comunicação para grandes públicos, condução de reuniões, negociação, liderança, organização
eficaz do tempo, gestão de processos e projetos, capacitação em sistemas, ética e integridade, responsabilidade
ambiental e manipulação de perecíveis. Além disso, um
novo modelo de treinamento operacional foi adotado.
Para a alta gestão, a empresa mantém o Programa
de Desenvolvimento de Executivos (PDE), executado em
parceria com as fundações Dom Cabral e Getúlio Vargas,
além de consultorias. Ao longo do ano, o PDE capacitou
24% da diretoria em estratégia e finanças, múltiplos formatos e foco no consumidor, responsabilidade social empresarial, logística, gestão de pessoas e mudanças. Criado em
2006 com foco na diretoria, a capacitação foi estendida a
outros gestores em 2007, com a participação de 85 gerentes. A partir de 2008 beneficiará os líderes da operação de
lojas de Centros de Distribuição.
Reconhecimento e benefícios
O Wal-Mart investe em sua equipe e valoriza os talentos
internos em suas políticas de desenvolvimento de carreira. Atualmente, 66% dos cargos de liderança são ocupados por pessoas que cresceram dentro da organização.
A empresa conta também com um Programa de Participação nos Resultados, que distribui ganhos adicionais aos
funcionários sempre que sua unidade de trabalho e todo
o conjunto da empresa atingem as metas. Todos os profissionais efetivos são elegíveis ao benefício. Em 2007, 82,9%
dos funcionários receberam o bônus.
Todos os funcionários efetivos da empresa contam
com assistência médica e odontológica, seguro de vida em
grupo e auxílio farmácia. Também podem utilizar as linhas
de empréstimo consignado e empréstimo emergencial.
c apacitaç ão de funci o nár i os
Horas de
treinamento
Valor investido
na capacitação
de funcionários
2006
2007
795 mil horas
1,6 milhão
de horas
Média de
13 horas por
funcionário
R$ 6,5 milhões
Média de
24 horas por
funcionário
R$ 9,6 milhões
37
38
Rel ação com Stakeholders | funcionários
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
39
Re spei to à diversidade
Tr abalho par a
gar antir um
ambiente receptivo
e inclusivo
Dive rsidade
Total de
Funcionár ios
Homens
54,5%
O Wal-Mart valoriza as diferenças e a individua­
lidade em sua política de relacionamento com os funcionários e está comprometido com a inclusão. A partir de
metas estabelecidas internamente, o grupo busca assegurar e ampliar a participação de mulheres, pessoas negras, deficientes e aprendizes em seus quadros de trabalho. Além disso, combate qualquer tipo de discriminação,
inclusive a de homossexuais.
Amarelos
ÍNDIOS
1,2%
1,5%
Negros
15,8%
Funcionários
Brancos
51,5%
Pardos
30%
Obs.: conforme autodeclaração de 51.922 funcionários que
participaram da pesquisa de opinião da empresa.
C argos
Homens
68%
mulheres
45,5%
• O Wal-Mart Brasil foi patrocinador do Perfil
Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores
Empresas, realizado pelo Instituto Ethos
de lide r anç a
mulheres
32%
“Eu tive sorte,
porque aos
16 anos e sem
experiência é
difícil entrar
em uma empresa
tão grande”
Jéssica Lopes Tanderino,
e x-aprendiz e auxiliar adminis tr ativA
O respeito à diversidade sempre fez parte da cultura
da empresa e, em 2007, ganhou status de diretoria no
Brasil. Também foi criado o Grupo de Aprendizado da Diversidade (GAD), que reúne 60 funcionários de diferentes
setores. O objetivo do GAD é conhecer o que os próprios
funcionários pensam do assunto e aprofundar as discussões dentro da empresa.
Os deficientes são um público prioritário do Programa
de Diversidade. Ao longo de 2007 a empresa realizou um
levantamento das condições de acessibilidade de todas
as unidades. As novas construções e as reformas incluem
rampas e a adaptação de banheiros e portas de acesso.
Também foi elaborado um treinamento para as lideranças, com o objetivo de preparar a empresa para receber
profissionais com deficiência.
No que se refere às mulheres, foi realizada uma pesquisa com as funcionárias sobre suas expectativas de
carreira e percepção do ambiente de trabalho, além de
uma avaliação sobre quais as atitudes que elas consideram positivas para a valorização da mulher. O objetivo era
conhecer melhor esse público e definir uma estratégia de
inclusão mais eficiente. Atualmente as mulheres representam pouco mais de 45% do corpo funcional da empresa e
ocupam 32% dos cargos de liderança.
A pesquisa mostrou que 96% das mulheres gostam
do que fazem na rede e quase 90% acreditam que o WalMart valoriza o público feminino. A pesquisa envolveu
uma amostra de 1.103 funcionárias e investigou também
os reflexos do trabalho na sua vida pessoal. A participação
do salário na composição do orçamento familiar e o nível
de valorização da atividade profissional pela família foram
alguns dos itens investigados.
• Integra o LIDEM – Grupo de Mulheres Líderes,
que faz parte do LIDE (Grupo de Líderes
Empresariais), com o objetivo de sensibilizar
e conscientizar líderes empresariais sobre os
valores das características de liderança e gestão
tidas como femininas, que atendem às novas
tendências e necessidades do mercado.
• A empresa foi uma das principais
patrocinadoras da primeira edição brasileira
do Working Mother Mídia, fórum internacional
que visa debater o lugar da mulher no
mercado de trabalho, abordando temas como
desenvolvimento, oportunidades
e desafios profissionais.
Com o Programa Jovem Aprendiz o Wal-Mart apóia
profissionais iniciantes de 14 a 24 anos de idade. Os jovens
convivem com o dia-a-dia do varejo e conhecem diversos
setores da loja, como atendimento, estoque e frente de caixa, e podem ser contratados a partir dos 18 anos. Mais de
mil jovens participaram em 2007.
Para Jéssica Lopes Tanderino, o programa ajudou
a abrir as portas do mercado. Depois de um ano e meio
como aprendiz, ela foi contratada como auxiliar administrativo. No futuro, espera poder aplicar no trabalho o que
aprende na faculdade de Gestão em Recursos Humanos.
“Se eu cheguei até aqui, é porque sou capaz”, afirma.
mulhe r e s
metas
Mulheres em cargos de liderança: 35%
Negros em cargos de liderança: 12%
Mulheres na empresa: 50%
Pessoas com deficiência: 5%
Aprendizes: 5%
Liderança
Demais cargos
18 a 23 anos
8%
22%
24 a 29 anos
32%
38%
30 a 35 anos
30%
21%
36 a 40 anos
15%
9%
Acima de 40
15%
10%
Fonte: Pesquisa realizada com 1.103 mulheres.
40
Rel ação com Stakeholders | funcionários
Comunicaç ão interna
O Wal-Mart Brasil incentiva
a comunicação direta com
seus funcionários
Faz parte da cultura do Wal-Mart compartilhar
com seus funcionários o máximo de informação possível sobre os planos, as estratégias e os resultados da
empresa. Desde a criação da companhia, seu fundador,
Sam Walton, sempre orientou os líderes a falar com os
empregados e a ouvir o que eles tinham a dizer. O conceito da Liderança Servidora – de que os líderes devem
servir os funcionários e incentivá-los a discutir todos os
assuntos – e a Política de Portas Abertas – que permite
aos funcionários expressar sua opinião a todos os escalões da empresa sem risco de retaliações – norteiam
a comunicação interna. São muitos os canais para troca
de informação.
A comunicação verbal é a primeira e mais efetiva
ferramenta de comunicação interna. Sem burocracia
ou formalidades os líderes realizam encontros diários
– apelidados de “reuniões de piso” – para informar sobre questões corporativas e do negócio. Nas lojas, os
encontros acontecem a cada troca de turno.
Em duas convenções anuais, as equipes se reúnem para conhecer e discutir as principais estratégias
de negócio. Uma vez ao mês o Wal-Mart promove o
Sábado Cultural para discutir temas ligados à cultura
da empresa, como motivação dos funcionários, estratégias de sustentabilidade e respeito à diversidade
em um ambiente descontraído. O evento acontece no
Escritório Central, em Barueri (SP). Localmente, conta
com a participação de funcionários da região e é transmitido ao vivo para todas as unidades no país pela TV
Wal-Mart.
canais de comunicação
A TV inclui programas ao vivo e gravados, elaborados
por diversas áreas da empresa. Constitui uma importante ferramenta de comunicação corporativa, com a
divulgação de informações institucionais, telejornais internos e campanhas de conscientização. Além disso, a
TV confere agilidade ao negócio, com a transmissão de
reuniões importantes ao vivo. Os funcionários participam por telefone com dúvidas ou sugestões. Em 2007 a
TV Wal-Mart ampliou em 160% sua grade de programação, com um total de 292 programas ou transmissões.
A empresa mantém outros canais de comunicação,
como jornais internos, jornais murais, intranet e portal
corporativo.
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
41
42
Rel ação com Stakeholders | funcionários
Pequenas atitudes ao
alcance de todas as mãos
Conscientização par a os funcionários
Para construir uma cultura baseada em valores
de sustentabilidade, o Wal-Mart investe na conscientização
e na mobilização do público interno sobre temas como
consumo consciente, responsabilidade social empresarial
e sustentabilidade. Em 2007, foi criado um projeto para
aprofundar as discussões sobre o tema e estimular a reflexão sobre o papel de cada pessoa na sustentabilidade.
A ação contou com o apoio do Instituto Akatu para o
Consumo Consciente. O Instituto realizou um diagnóstico
detalhado da empresa e de seu público interno e conduziu
capacitações de funcionários, com conteúdos e materiais
elaborados especialmente para o Wal-Mart. A ONG apresentou o tema da sustentabilidade, seus desafios e casos
práticos de sucesso, além de orientar as atividades de engajamento e mobilização das equipes.
Os treinamentos começaram em outubro, como parte
de um projeto piloto realizado nos Estados de São Paulo
e Pernambuco. Foram capacitados 51 funcionários, que
multiplicaram os conteúdos para outros 354 profissionais
da empresa. O projeto continuará em 2008, e até o fim de
2009 todos os funcionários serão capacitados.
O diretor-presidente do Instituto, Hélio Mattar, afirma
que “o Wal-Mart, como uma das maiores redes varejistas
do país, tem a possibilidade de contribuir para a conscientização de milhões de pessoas”. Para Mattar, “o potencial
de mudança é ainda maior dada a alta receptividade dos
funcionários da empresa e o entusiasmo demonstrado
por todos com relação ao tema da sustentabilidade. O fato
de o Akatu ter sido escolhido como parceiro nesta empreitada nos traz muito orgulho”.
campanha de comunicação
Para incorporar o tema da sustentabilidade ao dia-a-dia
dos funcionários, o Wal-Mart investiu numa forte campanha de comunicação interna, que continuará em 2008.
A proposta é incentivar a mudança de hábitos e mostrar
que cuidar do planeta está ao alcance de todos, com o
mote: “Pequenas Atitudes ao Alcance de suas Mãos”. A
mensagem esteve presente em cartazes nas lojas e nos
escritórios, e-mails e contracheques. A TV Wal-Mart – canal interno da rede – veiculou em todas as lojas dicas sobre o uso responsável da água, a destinação correta do
lixo e o consumo consciente.
Além disso, a companhia desenvolveu uma campanha de incentivo e reconhecimento à mudança de atitude
– o Projeto Pessoal para a Sustentabilidade (PPS).
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
PROJETO PESSOAL PAR A A SUS TENTABILIDADE
fa ze R A dife r e nç a
Considerar o impacto das compras. Exemplos: não comprar
produtos piratas, escolher empresas responsáveis, que
utilizem embalagens reduzidas ou feitas com material
reciclado, dar preferência a produtores locais.
Reduzir o desperdício e, com isso, o consumo de recursos
naturais. Exemplos: separar e reciclar resíduos, reaproveitar
sobras de alimentos, doar roupas que não são mais usadas,
utilizar produtos até o fim da vida útil.
Cuidar da saúde. Exemplos: não fumar, praticar exercícios
físicos, comer alimentos saudáveis.
Reduzir o desperdício de energia elétrica e de derivados de
petróleo (como gasolina e diesel), combatendo o aquecimento
global. Exemplos: apagar a luz ao deixar um ambiente, reduzir
o tempo do banho, utilizar lâmpadas eficientes, pegar e dar
carona, andar mais a pé ou de bicicleta.
Reduzir o desperdício de água, um recurso precioso e escasso.
Exemplos: fechar a torneira enquanto escova os dentes ou
faz a barba, aproveitar a água da chuva para lavar o quintal, o
carro e a calçada e reduzir o tempo de banho.
Influenciar a comunidade para ações de responsabilidade
social e ambiental. Exemplos: cuidar do meio ambiente
(preservando e plantando árvores), conscientizar pessoas
sobre atitudes sustentáveis.
Usar o tempo para ajudar a comunidade. Exemplos: envolverse em ações sociais, contribuir com entidades.
43
44
Rel ação com Stakeholders | funcionários
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
45
Comprome timento
Es tímulo à participação
A mudança começa em casa
O Wal-Mart incentiva e valoriza a responsabilidade
socioambiental de seus funcionários. Durante a
convenção anual da empresa, no início de 2008, foram
premiadas as pessoas e AS unidades que se destacaram.
“Traduzir” a idéia de sustentabilidade em ações
corriqueiras e fazer de cada funcionário um agente de mudança são os principais objetivos do Projeto Pessoal para a
Sustentabilidade (PPS). O projeto estimula os funcionários
a adotar valores sociais e ambientais em sua vida cotidiana,
criando ações pessoais de responsabilidade socioambiental. A idéia é mostrar que um mundo melhor se constrói
com pequenas ações, e que todos podem colaborar.
O Wal-Mart mantém equipes em todas as suas unidades de operação para orientar os funcionários, ajudá-los
a pôr em prática suas propostas e reconhecer as ações de
destaque. As ações foram agrupadas em sete áreas: compras responsáveis, redução e reciclagem de resíduos, saúde e bem-estar, energia, água, mobilização e voluntariado.
Para Jair Gregório da Silva, de um BIG em Foz do
Iguaçu­ (PR), não faltaram boas idéias. Na loja, ele organizou a gestão de resíduos e sugeriu mudanças para economizar água. No bairro onde mora, mobilizou a comunidade para o plantio de árvores e atua como voluntário
em um projeto de educação ambiental para crianças carentes. Na faculdade, esforça-se para conscientizar seus
colegas. “Afinal de contas, cada um fazendo um pouqui-
nho, a gente dá uma boa ajuda ao planeta”, resume.
Por seu engajamento, Silva recebeu o prêmio pelo
Melhor Projeto Pessoal para a Sustentabilidade da rede
na categoria Mobilização. O reconhecimento foi entregue
durante a convenção anual de funcionários.
Chefe da seção de limpeza da loja e aluno de uma faculdade de Gestão Ambiental, Silva baseou no combate ao
desperdício várias ações. Ele implantou a coleta seletiva na
unidade, que destina o material a uma cooperativa de coletores. Por sugestão sua, o gelo descartado pela peixaria da
unidade passou a ser utilizado nos mictórios, com economia de até 14 mil litros de água ao mês.
No Jardim Santa Rita, onde mora, Silva dá aulas de separação de lixo e realiza oficinas com adolescentes para o reaproveitamento de materiais. “Eles preservam a natureza e
aprendem um trabalho que pode contribuir para o orçamento doméstico”, afirma. No Dia da Comunidade – que marca
a grande ação de voluntariado do Wal-Mart – o funcionário
realizou, nos mesmos moldes, uma oficina de artesanato
em reciclagem. Também mobilizou outros funcionários da
empresa e crianças de uma escola local a participarem da
recuperação da mata ciliar de um córrego da cidade.
“Cada um
fazendo um
pouquinho,
a gente dá
uma boa
ajuda ao
planeta”
Jair Gregório da Silva
chefe da sesSão
de limpeza
Melhor Unidade em
Sustentabilidade
Big Cristal
(Porto Alegre – RS)
Alcançou a meta de gerar “Lixo Zero”. Além de fazer a coleta
seletiva do material reciclável, encaminha para uma usina de
compostagem o resíduo orgânico.
Loiane Cristina Silveira
Comprador em
sustentabilidade
Roberta de Araújo Bota
Mauro Gomes da Silva
Eliane de Souza Sachet
Os profissionais desenvolveram parcerias com fornecedores
para aumentar o sortimento de artigos sustentáveis, reduzir
o desperdício com embalagens e estimular a redução do
impacto ambiental na fabricação dos produtos.
José Eduardo da Costa
Projeto Pessoal para a
Sustentabilidade – Água
Sérgio
Placa Barbosa
Criou e implantou um sistema que evita o desperdício durante
a limpeza das caixas d’água.
Roberto
Projeto Pessoal para a
Sustentabilidade – Energia Carvalho Júnior
Adotou novos hábitos em casa para economizar energia e dá
prioridade ao transporte coletivo.
Projeto Pessoal para a
Sustentabilidade –
Redução e Reciclagem
de Resíduos Sólidos
Daniela
Aparecida Félix
Repassa a uma artesã as caixas Tetrapak vazias, para
confecção de embalagens de presente. Doa todos os resíduos
recicláveis de sua casa a uma instituição.
Projeto Pessoal para a
Sustentabilidade –
Compras Responsáveis
Vera Beatriz
Garcias da Silva
Evita as compras por impulso, não compra produtos piratas
e dá preferência para embalagens menores, que ajudam a
reduzir desperdícios. Ao tomar essas atitudes, observou uma
economia no orçamento.
Projeto Pessoal para a
Sustentabilidade –
Saúde e Bem-estar
Risângela
Martins da Silva
Assumiu um compromisso com a própria saúde, emagreceu 17
quilos por recomendação médica e mudou sua rotina diária
em busca de mais qualidade de vida.
Projeto Pessoal para
a Sustentabilidade –
Mobilização
Jair Gregório
da Silva
Promove a conscientização e o engajamento de colegas de
trabalho e pessoas da comunidade sobre temas de reciclagem
e preservação ambiental.
Projeto Pessoal para a
Sustentabilidade –
Voluntariado
Diego de
Oliveira Fioravante
Coordena várias iniciativas que beneficiam crianças e
adolescentes carentes, como a coleta de alimentos e presentes
e a realização de atividades artísticas e de integração.
Melhor envolvimento
comunitário
Bompreço Armação (BA) Participam com empenho das campanhas de doação de livros,
peças de roupa, brinquedos, com volumes arrecadados.
Todo Dia Paripe (BA)
BIG Camboriú (SC)
Realizam diversos eventos em benefício da comunidade.
Maxxi Rio Grande (RS)
Permanentemente promovem campanhas de conscientização
de clientes e funcionários, além de campanhas de vacinação.
SAM’S Tamboré (SP)
46
Rel ação com Stakeholders | funcionários
Criatividade e inovação
No Wal-Mart, a inovação faz parte do sistema de
gestão, e os funcionários são estimulados a colaborar
com idéias e soluções para melhorar o trabalho diário.
Os executivos participam de um Programa de Inovação,
no qual dedicam tempo de qualidade para repensar processos. Em 2007, foram 20 mil horas de trabalho.
Em 2008, a iniciativa será estendida para as lojas, reforçando ainda mais a cultura de criatividade e melhoria,
que caracteriza a equipe. Além de investir em comunicação, o grupo vai promover o “Oscar da Inovação”, que
premiará os cinco melhores projetos do ano.
As peixarias das lojas são um exemplo de como a
FUNCIONÁRIOS
PARTICIPAM DO
PROCESSO DE
MELHORIA DAS
OPERAÇÕES
cultura da inovação é aplicada para aperfeiçoar as operações cotidianas. Por iniciativa de um funcionário, foi
criada uma caixa plástica vazada – uma espécie de peneira rígida – para lavar os peixes. A novidade reduziu
de 15 para 5 minutos o tempo necessário para a limpeza. Considerando o total das vendas de peixes em toda
a rede e o salário médio dos responsáveis pela tarefa, a
economia chega a R$ 1 milhão ao ano.
A operação brasileira se destaca na rede mundial
como referência em inovação, junto com o México. Este
ano os dois países vão começar a trocar experiências sobre o desenvolvimento de projetos.
Rel ação com Stakeholders | clientes
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
47
Excelência no atendimento
A opinião e as necessidades dos clientes
moldam a ação da empresa
Todas as semanas o Wal-Mart realiza pesquisas
sobre a satisfação dos clientes com relação à experiência de compra. São avaliadas questões como sortimento
disponível, preço e qualidade dos produtos, atendimento, condições de instalação e higiene da loja. Ao longo de
2007 foram ouvidas mais de 223,6 mil pessoas. A pesquisa
semanal é apenas um dos instrumentos que garantem ao
grupo conhecer a opinião e as reais necessidades de seus
clientes para utilizar tais informações no aperfeiçoamento
de toda a operação.
Sempre que produz um material de divulgação, o grupo também ouve os seus clientes. Além de avaliar a qualidade e a utilidade desses materiais, eles também opinam
sobre os produtos e os serviços das lojas. As marcas próprias contam ainda com uma pesquisa trimestral. Em reuniões com clientes a empresa entrega cestas com vários
artigos e depois coleta sua opinião sobre cada produto.
Dentre as ações para compreender as necessidades de
seus clientes, merece destaque um estudo profundo que o
grupo realizou com famílias de baixa renda. Com o apoio
de um instituto de pesquisa especializado em estudos etnográficos, uma equipe do Wal-Mart pôde conhecer o cotidiano de famílias em Pernambuco, Bahia, São Paulo, Paraná e
Rio Grande do Sul.
Depois de uma reunião entre as famílias e os executivos
da empresa, começou o trabalho de acompanhamento,
que durou seis meses. Um pesquisador passava um dia inteiro por mês observando e participando das atividades da
casa, para conhecer hábitos, valores, desejos e sonhos.
Além de buscar ativamente conhecer a opinião de seus
consumidores, o Wal-Mart também mantém canais de comunicação para receber dúvidas, sugestões e reclamações
espontâneas dos clientes. Em 2007, a Central de Relacionamento com o Cliente atendeu 832,4 mil clientes. A via preferencial dos consumidores foi o contato por telefone – com
93% dos atendimentos –, mas também foram utilizados formulários nas lojas e e-mails.
Experiência de compr a
Lojas BIG, Hiper Bompreço
e Wal-Mart Supercenter (todo o país)
Destaques nacionais
Satisfação com a variedade
de produtos – 90%
• Confere nota 9 ou 10
às lojas e recomenda a rede
para familiares e amigos – 45%
•
Destaques regionais
• Nordeste:
Qualidade de perecíveis – 90%
• Sudeste: Rapidez nos caixas – 75%
• Sul: Percepção de preços – 76%
Lojas Nacional e Mercadorama
• Excelência no atendimento – 92%
224 mil
832 mil
pessoas ouvidas na
pesquisa de satisfação
pessoas atendidas pelo SAC
48
Rel ação com Stakeholders | clientes
Consumidores
conscientes
Despertar
nos clientes
ações voltadas
à sustentabilidade
Uma das ações de sustentabilidade da empresa está baseada na formação de clientes conscientes,
para que orientem suas escolhas cotidianas com base
em padrões de consumo sustentáveis. Isso significa, na
prática, escolher os produtos e os serviços tendo em
mente, por exemplo, os recursos naturais empregados
em sua produção, e optar por empresas responsáveis,
que contribuam para construir uma sociedade mais
sustentável e justa.
A empresa divulga práticas de consumo consciente
em seus materiais de comunicação e promove ações em
parceria com fornecedores, funcionários e consumidores. A proposta começa a gerar mudanças na própria
rede, onde os produtos sustentáveis vêm ganhando destaque e sinalização especial para atrair os consumidores.
(Para mais informações sobre nossos Produtos Sustentáveis,
consulte as páginas 73 e 74 deste relatório.)
Duas unidades de Curitiba (PR) sediarão uma experiência piloto da rede, que busca alternativas para as sa-
colas plásticas. Apesar de as sacolas continuarem a ser
distribuídas gratuitamente, os clientes contarão com seis
opções diferentes.
Casa do Bem
Em uma parceria com a Unilever, o Wal-Mart levou aos
clientes das lojas informações sobre reciclagem, economia de recursos naturais e preservação do meio
ambiente. Foi montada uma estrutura itinerante de 9
metros quadrados que simulava quatro ambientes de
uma casa: jardim, cozinha, lavanderia e banheiro. Jogos
e mensagens educativas orientavam os visitantes sobre o que cada pessoa pode fazer para contribuir com
a sustentabilidade.
Para Julio Campos, Vice-Presidente de Vendas da
Unilever Brasil, a parceria mostra “como atitudes simples fazem a diferença para a qualidade de vida de toda
a família e para o futuro do planeta”. Segundo Campos,
“este é mais um exemplo de união entre indústria, varejo
e consumidor, mostrando como é possível e fácil cada
um fazer a sua parte”.
A Casa, construída em madeira certificada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA), é um exemplo vivo da reciclagem de materiais. Os móveis e os pisos
foram feitos a partir de tubos de creme dental e as flores
utilizadas na decoração eram de potes de maionese. Lojas em São Paulo, São Bernardo e Osasco, todas no Estado de São Paulo, receberam a Casa do Bem em 2007. O
projeto deve continuar em 2008.
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
49
50
Rel ação com Stakeholders | clientes
Comércio responsável
A empresa reforçou o combate à venda de bebidas
alcoólicas a menores de 18 anos. Cada vez que os operadores de caixa registram um desses itens, uma mensagem na
tela alerta que o produto tem venda restrita e só é autorizada depois da confirmação da idade do cliente. A ferramenta
é pioneira no país e funciona em todas as lojas da rede.
A equipe foi orientada a pedir um documento de identificação sempre que o comprador aparentar menos de 27
anos, uma margem de segurança que visa aumentar a eficácia da verificação. Os funcionários receberam treinamento
sobre a lei brasileira que limita a venda, em paralelo a uma
forte campanha de comunicação interna, inclusive com a
veiculação constante de programas na TV Wal-Mart.
Parceria
Também foi desenvolvida uma campanha de comunicação
e conscientização de clientes nas lojas, em parceria com a
Diageo, maior fabricante de bebidas premium do mundo e
detentora de marcas como Smirnoff, Baileys, Jose Cuervo,
Johnnie Walker e J&B.
Para o diretor comercial da empresa no Brasil, Rogério
Reis, trabalhar em conjunto com o Wal-Mart foi a oportunidade de colocar em prática um conceito fortemente defendido pela companhia em todo o mundo. “O propósito
da Diageo é ‘celebrar a vida todos os dias , em todos os lugares, com responsabilidade’ e encontramos no Wal-Mart
uma empresa com o mesmo propósito”, afirma Reis. “Isso
nos uniu em uma causa: comercialização responsável de
bebidas”, explica.
A iniciativa é pioneira no Brasil. “Em todo o mundo só
fizemos algo parecido na Inglaterra”, conta o diretor.
Sistema ajuda
a combater venda
de bebidas a
menores nas lojas
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
51
Encontro com clientes
A ação já é tradicional nas lojas Bompreço no
Nordeste e, em 2007, ganhou novas versões nas redes
Mercadorama e Nacional no Sul do país
Com o tema: “O Planeta precisa de você. Você
precisa do Planeta”, os encontros com clientes que já são
tradição no Nordeste foram estendidos para as bandeiras
no Sul do país. Durante um ou dois dias, milhares de clientes de Aracaju (SE), Salvador (BA), Recife (PE), Porto Alegre
(RS) e Curitiba (PR) foram convidados a participar de palestras, debates, apresentações culturais, shows e momentos
interativos. O objetivo é oferecer a eles uma atividade diferenciada, que ultrapassa a relação comercial.
A programação em 2007 incluiu palestras sobre qualidade de vida, nutrição e técnicas caseiras de conservação de alimentos, apresentações de grupos folclóricos
e shows­ musicais. Paralelamente aos encontros foram
realizadas degustações de fornecedores da rede e feiras
de comércio solidário, onde entidades beneficentes puderam divulgar seu trabalho e comercializar produtos.
Como pagamento simbólico pela participação, o público nas cinco cidades contribuiu com R$ 100 mil e três
toneladas de alimentos, que foram repassados a instituições sociais. As doações beneficiaram a Cooperativa de
Agentes Autônomos de Reciclagem de Aracaju (Care), o
Grupo Ambientalista da Bahia, a Cooperativa de Catadores Profissionais do Recife (Pro-Recife), o Mesa Brasil SESC
Curitiba e o Banco de Alimentos do Rio Grande do Sul.
52
Rel ação com Stakeholders | Fornecedores
Crescimento integrado
rel açÃO de confiança
e tr ansparência
potencializa os bons
resultados
Ser o melhor canal entre a indústria e os consumidores é uma das estratégias corporativas do Wal-Mart. Para
isso, a empresa aposta no desenvolvimento conjunto dos
negócios e não utiliza sua força de mercado para pressionar os fornecedores. Os princípios de parceria, transparência e diálogo aberto orientam as negociações, com resultados positivos para as empresas envolvidas e também para
o consumidor.
Duas vezes ao ano, a diretoria do Wal-Mart e de seus
principais fornecedores se reúnem para alinhar os planos
de negócios e discutir iniciativas e projetos. A idéia é aproximar a empresa de seus parceiros e garantir uma relação
equilibrada e atraente, com potencial de futuro.
A operação brasileira da rede foi pioneira nessa iniciativa, que foi reproduzida em operações do grupo no mundo e também em outros varejistas. Em 2007, a sustentabilidade entrou na pauta de discussões, um primeiro passo
para a definição de metas ambientais e projetos sociais a
serem construídos em conjunto.
Rede mundial, sotaque local
O Wal-Mart trabalha com uma política de valorização local, que se estende para todos os seus públicos. Por isso,
o sortimento oferecido nas lojas está fortemente baseado na produção brasileira, que representa 95% do total.
O objetivo é atender com excelência às necessidades de seus consumidores. Assim, a empresa também
mantém um relacionamento estreito com produtores
das diversas regiões brasileiras. Os fornecedores regionais respondem por 38,3% do volume de compras
da rede no varejo. No SAM’S CLUB, que atua no atacado, a participação regional chega a 40%. Café, arroz,
feijão, farinha de trigo, água, sorvete, leite e derivados,
hortifrutigranjeiros, peixe e frango são os principais
produtos regionais.
A cultura local dos consumidores também interfere na
distribuição dos artigos nas lojas. No setor de bebidas, por
exemplo, o sortimento de vinhos é mais variado na região
Sul, enquanto no Nordeste a maior variedade é de destilados. No Nordeste as lojas destinam um grande espaço
ao setor de chinelos, que em outras regiões têm sua venda
limitada aos meses mais quentes do ano.
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
Clube dos produtores
Impulso econômico, garantia de
bons produtos e proteção à natureza
Pequenos e médios produtores contam com o WalMart para melhorar seus processos de produção, distribuição e logística. Com o Clube dos Produtores, a empresa
garante apoio e orientação a mais de 1,3 mil famílias que
integram a rede de abastecimento no Rio Grande do Sul,
Paraná e Santa Catarina. Além de fomentar a agricultura familiar e estreitar o relacionamento com os fornecedores, o
Clube beneficia também os clientes Wal-Mart, pois funciona
como um certificado de qualidade dos produtos e de respeito ao meio ambiente.
O Clube contribui para mudar a realidade da produção
familiar, com a formalização dos negócios e a profissionalização da gestão. A equipe de agrônomos do programa dá
suporte aos processos produtivos, à gestão administrativa
e a temas ligados à contratação de mão-de-obra e responsabilidade social. A empresa orienta sobre uso da terra e
da água, uso de produtos químicos, gestão de resíduos e
outras questões ligadas à preservação ambiental.
Em auditorias anuais contratadas pelo programa, é feita
uma vistoria detalhada de cada fase da produção. Os resultados ajudam a orientar melhorias. O trabalho é tão importante que os próprios integrantes do Clube vêm negociando
com o Wal-Mart para que a vistoria passe a ser semestral.
Para participar do programa, os produtores precisam
controlar todas as fases da produção, demonstrar respeito ao meio ambiente e compromisso com o desenvolvimento da região onde atuam. Atualmente, a maioria dos
integrantes (80%) se dedica à produção de hortifrutigranjeiros, mas o programa também abastece as áreas de
açougue, peixaria, padaria e mercearia das lojas. No total,
são 845 produtos.
O desenvolvimento de fornecedores locais é fundamental para que o Wal-Mart possa oferecer produtos saudáveis e frescos para os clientes. Em alguns casos, menos
de três horas separam a colheita da gôndola. A maioria
(95%) dos produtores do Clube entrega diretamente nas
lojas, e os que levam para os Centros de Distribuição têm
prioridade no desembarque.
produção triplica
Cooperação
Com os encontros fica mais fácil identificar oportunidades de negócio comuns e atuar com agilidade. As reuniões também estimulam a cooperação. A Hershey do
Brasil, por exemplo, decidiu realizar em parceria com o
Instituto Wal-Mart um projeto social para atendimento
de 350 crianças e adolescentes no Rio Grande do Sul.
“Estamos começando a estruturar nossos programas
de responsabilidade social no Brasil, e será importante
contar com a experiência do Instituto na área”, avalia a
presidente da Hershey do Brasil, Elizabeth Peart.
Desde o final de 2007 a fabricante de chocolates financia, junto com o Instituto, o projeto Canta Brasil, que
beneficia crianças e adolescentes com oficinas de música e dança e cursos de idiomas. O projeto atende jovens
carentes em Canoas (RS).
53
Quando Takahiro Moacir Murakami deixou
a propriedade rural dos pais para cursar
Engenharia Mecânica em Porto Alegre, achou
que não voltaria ao interior do Estado. “A colônia
japonesa estava praticamente acabando, e a nova
geração prefere até ir trabalhar como operário
no Japão a ficar por aqui”, conta. Hoje, no entanto,
ele não usa o diploma para ganhar a vida e nem
pensa em cruzar o mundo atrás de melhores
oportunidades de trabalho. Está de volta para
o campo. E feliz.
Para Murakami, o Clube ajudou a capacitar os
produtores rurais. “Agora sabemos como lidar
com resíduos, embalagens, transporte, logística,
tudo”, afirma. Ele fornece diariamente mais de 20
tipos de hortaliças para oito lojas do Wal-Mart
em Porto Alegre, com demanda crescente. “Em
um ano triplicamos a produção e compramos
dois novos caminhões”, conta.
Murakami destaca a importância do
acompanhamento e das visitas dos agrônomos.
Para ele, foi fundamental a orientação técnica
do Clube dos Produtores para acabar com uma
infestação por fungos que parecia não
ter solução. “Quando o vistoriador veio,
nos deu a receita, foi tiro e queda”, comemora.
Foi também com a ajuda do programa que
Murakami pôs em prática medidas de combate
à erosão do solo na propriedade.
Segundo o produtor, o programa tem
um efeito multiplicador de conhecimentos,
beneficiando de forma ampla a região onde
é implantado. “Mesmo quem não participa
do Clube vê que você está fazendo as
coisas de uma forma diferente, que está
prosperando, e quer fazer igual”, conta.
“Isso vai melhorando a produção e a vida
de todos”, conclui.
54
Rel ação com Stakeholders | Fornecedores
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
Compr as globais
Apoio a fornecedores br asileiros ajuda
a abrir as portas do mercado ex terno
necessidades específicas do mercado importador,
limitação logística, pouca visibilidade e a própria distância
entre quem produz e quem compra são alguns dos fatores que podem impedir o sonho de muitos empresários
de vender no exterior. O escritório global de compras do
Wal-Mart no Brasil auxilia os produtores a enfrentar essas
barreiras para abastecer com produtos brasileiros as lojas
da rede em todo o mundo.
O escritório atende as empresas que, apesar de
apresentarem bons produtos com potencial de venda
no exterior, teriam dificuldade de alcançar as prateleiras de outros países sem o apoio da rede. Desde que
foi criado, em 2002, o escritório já apoiou 150 fornecedores de vários setores, como o de papéis, têxtil, calçadista, moveleiro, alimentos, brinquedos e artigos para
animais. Grande parte das vendas tem como destino as
lojas dos Estados Unidos, mas vêm ganhando importância mercados como Canadá, Argentina, Reino Unido,
México e Porto Rico.
orientação
O Wal-Mart pesquisa novos produtos e facilita o contato
entre as empresas, auxiliando, inclusive, a organização de
visitas dos importadores. Também orienta as empresas
sobre a necessidade de ajustar seus produtos às exigências de compra de outros mercados, como a adaptação de
rótulos ou manuais de instrução.
Os fornecedores interessados em exportar passam por
uma avaliação sobre temas ligados ao meio ambiente, padrões éticos de produção e conformidade tributária e fiscal.
Devem cumprir com a legislação brasileira e do país para
onde o produto será exportado, além dos padrões de responsabilidade social e ambiental do Wal-Mart.
O escritório instalado no Brasil integra a rede de compras globais, formada por 16 unidades em todo o mundo.
Exportações br asileir as
R$
720
milhões for am EXPortados
EM 2007 par a o wal-mart
no mundo
55
Influ enciar a
c adeia produtiva
Rel ação com
os fornecedores
multiplica a
responsabilidade
social na rede
Para o Wal-Mart, a definição de sucesso
envolve muito mais do que resultados financeiros. O
relacionamento do varejista com seus quase 6,4 mil
parceiros comerciais representa oportunidades diárias
de compartilhar práticas pautadas pela ética, relações
dignas de trabalho, responsabilidade fiscal e tributária,
consciência social e respeito ao meio ambiente. A ação
ajuda a estender à cadeia produtiva os compromissos
socioambientais da empresa.
O esforço não se limita a proibir nos contratos o uso
de mão-de-obra infantil e escrava ou exigir o cumprimento
de cláusulas ambientais. A empresa investe na conscientização e no engajamento dos fornecedores. Na cadeia
produtiva de carne, que representa 60% dos casos de autuação em flagrante do governo por uso de mão-de-obra
escrava, o Wal-Mart chegou a banir um fornecedor que
comprava carne de um produtor condenado pela fiscalização, servindo de exemplo para outras empresas.
O Wal-Mart é signatário do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo desde seu lançamento e integra o grupo de trabalho para monitoramento do tema.
Participam do grupo instituições como o Observatório
Brasil, o Instituto Ethos e a organização não-governamental Repórter Brasil. A empresa também patrocina a
newsletter quinzenal enviada a todos os signatários do
Pacto. A publicação está disponível para o público no
site: www.reporterbrasil.org.br.
Em 2007, o Wal-Mart realizou um trabalho proativo
com a cadeia de carne, para influenciar as empresas a se
comprometer com o Pacto. O combate ao trabalho escravo
é um tema complexo, dificultado pela própria pulverização
da atividade econômica e pela limitada capacidade de fiscalização. Nas cadeias consideradas de risco, como as de
carne, algodão, carvão e soja, por exemplo, é difícil acompanhar a trajetória dos produtos desde o campo – onde
o problema acontece – até a empresa comercializadora.
O Ministério do Trabalho e Emprego divulga anualmente
uma lista das propriedades autuadas, e o grupo de monitoramento trabalha para fechar o cerco aos produtores.
56
Rel ação com Stakeholders | comunidade
Loja s qu e pertencem
à vizinhanç a
As lojas não se limitam a ser o cenário de relações comerciais com a clientela. Com uma extensa lista de
iniciativas sociais – consolidadas no programa Loja da Comunidade –, as 312 unidades do Wal-Mart ajudam a pôr em
prática o objetivo de catalisar mudanças nas regiões onde
atua. Campanhas de vacinação, coleta de doações e atividades de conscientização e integração são alguns exemplos de ações desenvolvidas.
Valendo-se da grande capilaridade da rede e das próprias condições físicas das lojas, com grandes áreas localizadas em regiões de intensa circulação, a companhia rea­
liza anualmente quatro campanhas de arrecadação com
clientes – livros, agasalhos, brinquedos e alimentos. As doa­
ções beneficiam instituições sociais vizinhas às unidades.
Além de estimular a participação de clientes e funcionários, a empresa também contribui diretamente com
entidades sociais. Todos os anos, os recursos resultantes
das vendas de sacolas para acondicionar as compras nas
unidades do SAM’S CLUB são repassados à Fundação
Abrinq. Em 2007 o valor foi de R$ 101 mil, um crescimento
de 25% em relação ao ano anterior.
O Wal-Mart divulga campanhas nacionais e locais de
saúde e as lojas são utilizadas como postos de vacina-
ção. Cerca de 10 mil idosos foram vacinados nas campanhas de prevenção à gripe e 18 mil crianças receberam
as duas doses da vacina contra a poliomielite nas unidades da rede. Nas campanhas de conscientização sobre a
dengue realizadas pelo Ministério da Saúde, as lojas divulgaram medidas de combate ao mosquito transmissor
da doença.
O calendário social das lojas envolve ainda eventos
de conscientização e atividades recreativas com a comunidade e funcionários.
Atividades de
conscientização
e campanhas
de arrecadação
reforçam o vínculo
da empresa com
a população
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
Açõ e s so ciais na s loja s – e v e ntos nacio nais
Carnaval
Seguro
Conscientização sobre doenças sexualmente
transmissíveis, consumo abusivo de álcool e
segurança no trânsito
Distribuição de 82 mil
preservativos e folhetos
informativos
Festa Junina
Atividades recreativas e culturais para crianças
atendidas por entidades comunitárias e alunos
da rede pública de ensino
Participação de 5,3 mil
crianças
Dia em família
Integração de funcionários e seus filhos
Participação de 4,3 mil
filhos de funcionários
Dia das
Crianças
Atividades de lazer para crianças de instituições locais
Participação de 8,2 mil
crianças
Natal
Solidário
Arrecadação de alimentos para entidades sociais
e realização de festas de Natal para crianças da
comunidade, com distribuição de presentes
10,2 mil crianças
beneficiadas com
presentes
Arrecadação de 35
toneladas de alimentos
C ampanha s de arr ec adaç ão
CAMPANHA S DE AR R ECADAÇÃO
2006
2007
423
toneladas
933
toneladas
Livros
279 mil
284 mil
Brinquedos
31 mil
31 mil
Agasalhos
486 mil
479 mil
Alimentos
57
58
Rel ação com Stakeholders | comunidade
T r abalho voluntário
Em 2007, para estimular a consciência social,
a empresa realizou o primeiro Dia na Comunidade. Cerca de 6 mil voluntários, quase 10% do total da empresa,
participaram de atividades educativas e de recreação,
fizeram faxina e pequenos consertos em creches, hospitais e asilos. No total, foram 30 mil horas de trabalho em
benefício da comunidade.
As ações foram definidas pelas próprias equipes das
lojas, dos Centros de Distribuição e dos escritórios em
conjunto com as entidades beneficiadas, e seguiram as
diretrizes da empresa. Além de permitir a participação dos
funcionários durante o horário de trabalho, o Wal-Mart
destinou R$ 360 mil para a compra dos materiais e dos
equipamentos utilizados nas atividades.
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
Apoio a
iniciativa s sociais
Parcerias fortalecem o tr abalho de
entidades de atendimento à comunidade
e promoção da diversidade
Anualmente a empresa destina R$ 240 mil para a Kinder – Centro de Integração da Criança Especial, especializada na educação de deficientes. A organização oferece
reabilitação em fisioterapia, fonoaudiologia, psicologia e
oficinas para a produção de trabalhos manuais.
Para estimular o empreendedorismo entre os jovens,
a empresa destina R$ 35 mil à Associação Junior Achievement do Rio Grande do Sul. Com o auxílio de profissionais
voluntários, a instituição orienta alunos do ensino médio
sobre desenvolvimento de produtos e organização de
grupos produtivos. Para os alunos de 7a e 8a séries, a associação desenvolve ações de conscientização sobre a importância da educação, com o objetivo de reduzir as taxas
de abandono escolar.
R$
240
MIL são destinados
anualmente par a A kinder
doação de tvs
Wal-Mart incentiva
seus funcionários
a inter agirem com
a comunidade
O SAM’S CLUB arrecadou 600
televisores em cores e repassou
a instituições sociais. Elas foram
doadas por consumidores durante a
campanha “Troca Solidária”.
Nas compras de TVs de LCD, a loja
oferecia um bônus de R$ 500,00 aos
clientes que levassem aparelhos em
boas condições.
59
60
Rel ação com Stakeholders | comunidade
Pat rocí nios cultur ais
A empresa investiu mais de R$ 1 milhão em nove
projetos de desenvolvimento e preservação
cultur al no país. Os repasses for am feitos por
meio de leis nacionais ou estaduais de incentivo
patro cí ni os cu lt u r ais
Parceiro
Projeto
Dona Rosa Produções Artísticas
Projeto de realização do documentário O trabalho escravo no Brasil
Compromisso Empresarial para
Reciclagem (CEMPRE)
Publicação do livro CEMPRE – História da Reciclagem no Brasil
Ama-Brasil, organização de
desenvolvimento cultural e
preservação ambiental
Desenvolvimento da programação cultural do Museu Diálogo
no Escuro
ONG Parceiros Voluntários
Confecção do Guia de Ações Sociais e Voluntárias para Jovens e
atividades de formação de educadores para mobilização juvenil
Instituto de Estudos
Empresariais
Realização de três edições do Fórum da Liberdade, com
debates sobre os temas: “Propriedade e Desenvolvimento”,
“O poder no Brasil: quais os direitos e deveres dos governos”
e “O futuro do trabalho”
Sons do Bem
Apoio ao projeto Cirandando Brasil, de resgate e valorização da
cultura popular da brincadeira brasileira
Teatro XVIII
Oficinas de artes cênicas, sonoplastia, figurino e cenografia para
jovens do projeto Cia. Axé do XVIII
Teatro XVIII
Projeto Miúdos da Ladeira – oficinas de literatura infantil e
música para crianças
União Sul Brasileira de
Educação e Ensino (USBEE)
Incubadoras de projetos de geração de trabalho e renda nas
áreas de alimentação, costura, serigrafia e malharia
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
61
Unidade s in t egr ada s
a seu entorno
A implantação de uma nova loja tem impacto significativo na rotina da comunidade e pode alterar as características de fluxo de veículos e até a estrutura viária da
região. Por isso, cada vez que inicia um projeto, o Wal-Mart
estabelece canais de comunicação com a população da região. Esse trabalho sempre existiu, mas foi intensificado e
sistematizado nos dois últimos anos, com a expansão acelerada – inauguração de 14 lojas em 2006 e 19 em 2007.
Durante o processo de implantação, cada loja conta
com uma equipe de integração, que se encarrega de ouvir
a comunidade, informar sobre as ações e buscar soluções
conjuntas para eventuais problemas. No dia da inauguração a empresa doa recursos a uma entidade do bairro e
lança uma campanha de arrecadação de donativos. Eventos voltados à comunidade promovem a discussão sobre
temas de responsabilidade social e ambiental.
Na unidade inaugurada na Tijuca, no Rio de Janeiro
(RJ), o projeto foi modificado para evitar que o novo prédio
prejudicasse a vista que os moradores locais tinham da
Pedra da Babilônia, um dos cartões-postais da cidade. O
edifício também ganhou uma sacada panorâmica voltada
para a Pedra e grandes painéis de vidro que integram a
construção ao entorno e permitem aos clientes apreciar a
paisagem enquanto fazem suas compras.
Na semana que antecedeu a inauguração da loja, a
empresa patrocinou uma caminhada pelo bairro, visitas a
creches e a troca de óleo de cozinha por mudas de árvores. Foram distribuídas 3 mil mudas. O Wal-Mart investiu,
ainda, na infra-estrutura local, com obras de paisagismo e
a construção de novos acessos ao bairro.
Em outra loja, em Goiânia (GO), a preocupação foi
respeitar a história local do bairro. A fachada da loja foi
inspirada no estilo art decó, e o Wal-Mart cedeu uma área
do prédio ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico
Nacional (Iphan) para a instalação de uma exposição permanente sobre a história das construções que ocupavam
originalmente o terreno. Foram plantadas 30 árvores na
área externa da loja e outras 20 no estacionamento, e o
grupo aportou recursos para melhorar a infra-estrutura
na região.
Antes da inauguração, distribuiu 3 mil mudas de árvores e lâmpadas econômicas para a população, em uma
ação realizada em parceria com a Secretaria Municipal
do Meio Ambiente.
A Aproximação
da loja com a
comunidade
começa antes
mesmo da
inaugur ação
e é pautada
pelo diálogo
62
Rel ação com Stakeholders | comunidade
Combat e ao
desperdício de alimentos
Doação de mais de 2 mil toneladas de
alimentos beneficia entidades sociais
A parceria do Wal-Mart com projetos de combate
ao desperdício de alimentos garante que produtos bons
para o consumo, mas fora dos padrões de venda, cheguem gratuitamente à mesa de milhares de brasileiros.
Cerca de 180 lojas da rede repassam as doações para
programas como o Mesa Brasil do SESC, o Prato Amigo
(Bahia) e o Banco de Alimentos do Rio Grande do Sul.
Representantes dos três programas visitam as lojas e
selecionam os produtos, retirados diariamente das prateleiras pelos funcionários do Wal-Mart. As organizações
também se encarregam do transporte e da distribuição
das doações. O Mesa Brasil recebeu mais de mil toneladas em 14 estados e no Distrito Federal. O Prato Amigo
foi beneficiado com quase 600 toneladas, e o Banco de
Alimentos do Rio Grande do Sul recebeu 500 toneladas.
O trabalho dessas entidades não se limita à distribuição de alimentos. O Mesa Brasil do SESC, por exemplo,
reúne diversas iniciativas voltadas à segurança alimentar
e nutricional. O programa também realiza ações educativas permanentes, como cursos de aproveitamento de
alimentos. Aproximadamente 500 voluntários colaboram com o programa em atividades de seleção e armazenamento de alimentos, captação de recursos e realização de cursos e palestras.
Para o Banco de Alimentos do Rio Grande do Sul, o
Wal-Mart representa o principal doador, contribuindo com
cerca de 45% dos alimentos que a entidade distribui. Até
2007, havia 10 unidades do Wal-Mart doando produtos
para o Banco, todas na capital, Porto Alegre. Mas desde
então o Banco vem montando uma estrutura para atender
mais unidades não só na capital como no interior, onde
em conjunto com lideranças locais estão sendo criadas
novas unidades de Bancos de Alimentos, que contarão
com a doação das lojas BIG, Nacional e Maxxi.
O Programa de Complementação Alimentar Prato
Amigo é coordenado pela Prefeitura Municipal de Salvador e beneficia mais de 300 entidades. As doações
do Wal-Mart representam 40% do total de alimentos
distribuídos. Pela contribuição, a empresa recebeu
uma homenagem do programa.
O Wal-Mart é o
principal contribuinte
do Banco de Alimentos
do Rio Gr ande do
Sul e do Progr ama
de Complementação
Alimentar Pr ato Amigo
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
63
64
RESPONSABILIDADE AMBIENTAL
c a pí t u lo v i
Responsabilidade
Ambiental
Plataformas de sustentabilidade
focadas em três temas – Clima,
Resíduos e Produtos - orientam
a redução do impacto ambiental
da oper ação.
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
65
66
RESPONSABILIDADE AMBIENTAL
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
Açõe s den t ro
e fora da rede
O compromisso do Wal-Mart com o meio ambiente, que está expresso em suas diretrizes corporativas, reflete-se no dia-a-dia da operação. Focado em
três eixos de atuação – clima, resíduos e produtos –,
o grupo coordena iniciativas de construções de baixo
impacto, redução da emissão de gases de efeito estufa,
ampliação da oferta de produtos sustentáveis, reaproveitamento de resíduos e engajamento dos funcionários, da cadeia produtiva e de consumo.
O trabalho, consolidado em 10 plataformas de ação,
está alinhado com as metas mundiais de sustentabilida-
67
CONS TRUÇÕE S
SUS TENTÁVE IS
Cuidados com o
meio ambiente começam
nas fundações
de do grupo. Cada plataforma é coordenada por um executivo sênior. Envolve diferentes áreas da organização,
com iniciativas ligadas diretamente ao negócio e esforços de conscientização de fornecedores. As estratégias
levam em conta uma peculiaridade do setor de varejo,
no qual a operação direta responde por apenas 8% do
impacto ambiental e o restante se concentra nas fases de
fabricação e transporte de produtos ou no seu consumo.
(Para conhecer mais sobre as Plataformas de Sustentabilidade
e sobre os compromissos mundiais de sustentabilidade do
Wal-Mart, consulte as páginas 16, 17 e 18 deste relatório.)
LOJA ECOEFICIENTE
Em 2008, o Wal-Mart começa a construção de sua
primeira “loja ecoeficiente” no Brasil. Além de obedecer a padrões construtivos de baixo impacto
ambiental, a unidade funcionará como laboratório
experimental de novas tecnologias e materiais alternativos para outras unidades da rede. Também abrigará programas de conscientização de clientes.
Todos os componentes de madeira contarão
com certificado de manejo sustentável de florestas. O uso de concreto poroso nas passarelas e
nas calçadas e a criação de compartimentos de retenção possibilitarão a recuperação de toda a água
da chuva no terreno, para uso nos jardins e nos
sanitários. O telhado terá o “teto verde”, cobertura isolante de carga térmica que reduz o consumo
de energia, absorve água e permite o cultivo de pequenas plantas. Sistemas de reutilização e reciclagem reduzirão o descarte de resíduos.
Todas as lojas inauguradas em 2007 obedeceram a padrões construtivos que buscam a ecoeficiência
desde o canteiro de obras até a operação. Isso inclui, por
exemplo, o manejo do entulho, a redução do consumo de
energia, a adoção de materiais reciclados ou de impacto
reduzido e o reaproveitamento da água da chuva. As soluções implantadas variam de acordo com as características
do terreno e o tipo de loja.
Ao elaborar um novo projeto, a equipe de construções consulta um portfólio interno de soluções sustentáveis. O documento é detalhado e reúne 58 iniciativas.
Foi elaborado pelo próprio Wal-Mart levando em conta
as metas de sustentabilidade do grupo e a tecnologia
disponível no mercado.
Para reduzir o consumo de energia, por exemplo, investe-se na instalação de painéis isolantes nas áreas de
frigorífico, iluminação eficiente e em uma arquitetura que
privilegia a luz natural. A iluminação interna nos expositores frigoríficos é feita com LED (Light Emission Diode), tecnologia que permite uma economia de 47% em relação
ao sistema convencional. O piso das unidades é feito em
concreto exposto, que utiliza tintas e colas não-tóxicas e
menor quantidade de produtos químicos.
Desde 2006, o teto das novas obras é 20% mais baixo,
o que reduz a utilização do ar-condicionado. Algumas lojas
utilizam o calor gerado na casa das máquinas para aquecer
a água para processos de higienização. Em sete unidades
no Nordeste, as padarias e os refeitórios são abastecidos
com gás natural, considerado um combustível limpo.
68
RESPONSABILIDADE AMBIENTAL
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
mudanças em produtos e embalagens
reduZEM o consumo de matéria-prima
69
O Wal-Mart é membro
fundador do Green
Building Council Brasil,
organização nãogovernamental
sem fins lucrativos que
promove políticas e
técnicas de construção
sustentável
Os novos projetos preservam a vegetação existente nos
terrenos e, sempre que necessário, a empresa transplanta
as árvores para reduzir o impacto da implantação dos edifícios. Na construção das 19 unidades inauguradas em 2007,
foram plantadas ou transplantadas mais de 2 mil árvores.
Os projetos de paisagismo privilegiam a vegetação nativa,
mais resistente e menos dependente de irrigação.
Também fazem parte do portfólio soluções ainda
mais inovadoras, como o uso de energia eólica e painéis de geração de energia solar, que poderão ser aplicados no futuro.
Reforma e modernização
Além dos novos edifícios, o portfólio também é utilizado
nas reformas e nas modernizações das lojas, que abrangeram 113 unidades em 2007. Uma das principais preocupações dessas obras é a utilização de sistemas que reduzem
a quantidade de gás refrigerante, minimizando os impactos ambientais.
Em toda a rede, cerca de 80 mil lâmpadas convencionais foram substituídas por lâmpadas T5, que consomem
20% menos energia. A mudança já assegurou eficiência
e economia a 37% das lojas no Brasil. Em uma unidade
em Minas Gerais está em fase de testes um sistema que
possibilita ajustar automaticamente o nível de luminosidade a partir da contribuição da iluminação natural, reduzindo ainda mais o consumo energético.
A meta é reduzir o consumo de energia em 20%
para as lojas existentes e 30% para as novas lojas até
2012. Em 2007, cerca de 35% das unidades já contavam
com sistemas inteligentes de consumo de energia.
A área verde também vem sendo reforçada nas lojas
remodeladas, com aumento de 60% do plantio de árvores em toda a rede. Em 2007, foram plantadas 500 mudas
de árvores com cerca de 3 metros de altura. A loja de São
Bernardo do Campo (SP), por exemplo, recebeu 50 novas
árvores. O escritório central em Barueri (SP) ganhou 32.
Vitrine de mudanças
A loja inaugurada na Granja Vianna, em São Paulo, é
uma verdadeira vitrine de construção sustentável, com
40% das iniciativas previstas no portfólio. As mudanças
começam no terreno, que ganhou 230 mudas de espécies típicas da Mata Atlântica e jerivás, árvore nativa da
região. O piso dos estacionamentos mescla concreto e
grama para permitir maior absorção da água da chuva
e ajudar a evitar enchentes.
A loja conta com duas estações para tratamento de
esgoto e um sistema de captação de água da chuva, que
abastece os vasos sanitários e a irrigação do jardim. A
fachada é coberta por trepadeiras, que ajudam no isolamento térmico. O projeto favorece a iluminação natural,
com um grande painel de vidro. O sistema de lâmpadas
eficientes contribui para a economia de energia.
Ataque aos resíduos
Em 2007, a garrafa PET da água mineral da marca BIG ficou
oito gramas mais leve. A mudança é imperceptível para o
consumidor e não altera o produto, mas significa um ganho ao meio ambiente, com a economia de 27 mil garrafas
de plástico por ano. Além disso, todas as embalagens de
água sanitária de marca própria Mais por Menos utilizam
50% de matéria-prima reciclada em sua fabricação.
Desde julho de 2007, as caixas dos cereais Great Value
contam com certificado FSC (sigla em inglês para Conselho de Manejo Florestal), que atesta que o papel utilizado
tem origem em florestas manejadas de forma sustentável.
Em 2008, pelo menos 80% das embalagens de papel ou
papelão dos novos artigos de marca própria lançados deverão apresentar a mesma garantia.
As mudanças não se limitam aos produtos. Nas sacolas
plásticas distribuídas aos clientes para acondicionar as compras, a empresa utiliza 30% de matéria-prima reaproveitada,
com economia de 1,2 mil toneladas de material por ano.
Com ações como essas o Wal-Mart contribui para diminuir na prática seu impacto sobre o meio ambiente. A
iniciativa envolve todos os setores da empresa. Em 2007,
por exemplo, os funcionários dos escritórios de São Paulo e Curitiba receberam canecas reutilizáveis, o que gerou uma redução de cerca de 65% no consumo de copos
plásticos, nos últimos meses do ano. O ajuste nas impressoras para utilizar os dois lados das folhas possibilitou
uma redução de 20% no consumo de papel no escritório
central, em São Paulo.
Fornecedores
Além de promover a mudança dentro da própria empresa
e das operações sobre as quais tem maior controle – como
fabricantes dos produtos de marca própria –, o Wal-Mart
busca modificar o cenário no restante da cadeia produtiva.
Até 2013, a meta do grupo no Brasil é garantir que 5% dos
itens comercializados – tanto produtos como embalagens
– estejam de acordo com os critérios de sustentabilidade
estabelecidos pela empresa.
Em 2007 o Wal-Mart Brasil começou a discutir com
seus fornecedores alternativas para tornar os produtos
mais sustentáveis. As oportunidades de inovação nas embalagens foram o tema de um encontro com duas empresas parceiras – a Dupont e a Johnson & Johnson – no final
do ano. Em 2008, o assunto será debatido num Fórum de
Embalagens, promovido pela companhia.
Até 2009, a empresa lançará um “scorecard”, com o
objetivo de monitorar a redução de embalagens e outras
alternativas propostas pelos fornecedores.
70
RESPONSABILIDADE AMBIENTAL
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
71
Recicl agem
aumenta
Título de “Empresa Amiga dos
Catadores” concedido pelo Movimento
Nacional dos Catadores de Material
Reciclável (MNCR)
Com a coleta seletiva dos resíduos
da oper ação de lojas na Bahia , o
reaproveitamento de material saltou de
86 tonel adas par a 2, 3 mil tonel adas
Reconhecimento do Compromisso
Empresarial para Reciclagem (CEMPRE)
pela contribuição aos serviços de
gestão de resíduos no Brasil
Um amplo programa, envolvendo funcionários e
clientes, favorece a reciclagem nas lojas e nos escritórios e contribui com cooperativas de catadores, que
têm na venda dos materiais sua fonte de renda. As organizações recolhem o plástico e o papelão em lojas
na Bahia, em Pernambuco e no Paraná, e nos cinco escritórios da empresa.
O Wal-Mart começou a implantar as estações de
reciclagem em 2005 e, até o fim de 2006, coletava
um total de 86 toneladas de material em 24 lojas e 4
escritórios. O grande salto veio em 2007: a empresa ampliou para 40 o número de estações de coleta
para clientes e passou a separar também os resíduos
da operação de 38 lojas na Bahia, além de envolver
todos os escritórios. O total destinado à reciclagem
subiu 27 vezes.
Além de facilitar o reaproveitamento do material
reciclável, a empresa reutiliza os materiais empregados no transporte e no armazenamento das mercadorias. Também promove iniciativas para diminuir o
descarte de material orgânico. Em algumas unidades
da rede, o óleo de cozinha usado no processamento
de alimentos serve de matéria-prima para indústrias
de produtos de limpeza.
Papel e plástico
A partir de um estudo realizado em parceria com o
PANGEA (Centro de Estudos Socioambientais), o Wal-
Mart vai elaborar novos projetos para reduzir ainda
mais a quantidade de resíduos enviados aos aterros
sanitários. De acordo com uma estimativa do PANGEA,
cada loja da rede descarta anualmente de 67 a 297 toneladas de material potencialmente reciclável, como
papel e plástico. Nas lojas menores predomina o papel
e o papelão, e nas maiores até 75% do lixo é composto
por matéria orgânica. O estudo foi realizado em 2006
e os dados foram compilados em 2007. Teve por base
uma loja de cada formato da rede.
co l e ta seletiva
Estações de reciclagem para
resíduos de clientes: 24 lojas na
Bahia, 9 lojas em Pernambuco e
7 lojas no Paraná (em parceria
com a Coca-Cola Brasil)
•
Resíduos da operação: 38 lojas na Bahia e 5 escritórios
•
72
RESPONSABILIDADE AMBIENTAL
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
Resíduo Zero
O lixo gerado pela operação do BIG Cristal (RS) passa
longe do aterro sanitário. No final de 2007, a loja concluiu
a implantação de um amplo projeto para garantir a
destinação correta a todos os tipos de materiais, e foi a
primeira da rede a alcançar a meta de “Resíduo Zero”.
O material reciclável é separado, prensado e utilizado
como matéria-prima em indústrias. São 60 toneladas
todos os meses, sendo 40 toneladas de papel e
papelão. Os resíduos orgânicos – 40 toneladas – são
encaminhados a uma usina de compostagem, para
transformação em fertilizante agrícola, eliminando 42
toneladas de CO2 por mês.
Estações de Recicl agem facilitam
o reaproveitamento do material recicl ável
Uma ação conjunta entre Wal-Mart, Instituto
Wal-Mart, Coca-Cola Brasil e Instituto Coca-Cola
Brasil está ampliando a rede de postos de entrega voluntária de material reciclável nas lojas
do grupo. A parceria já é responsável pelas estruturas de coleta de resíduos em sete lojas em
Curitiba (PR). O objetivo da iniciativa é buscar
soluções sustentáveis para os resíduos sólidos
e conscientizar os consumidores sobre a importância da reciclagem.
O presidente da Coca-Cola Brasil, Brian John
Smith, ressalta a importância do apoio às cooperativas de catadores, “pois os investimentos nessa área resultam na imediata geração de renda
para populações normalmente distantes do mercado de trabalho”. Ele lembra que o compromis-
so com o desenvolvimento social e ambiental faz
parte da cultura da Coca-Cola Brasil, e acredita
que a iniciativa “irá reforçar ainda mais os projetos de sustentabilidade da empresa com foco
na reciclagem”. Sobre a parceria com o Wal-Mart
Brasil, Smith afirma que “é com muita paixão que
nos associamos a um de nossos maiores clientes
e parceiros em uma iniciativa que ajuda a fazer a
diferença para os brasileiros”.
A ação contribui para reduzir o descarte
de materiais e serve de impulso ao desenvolvimento econômico e social de cooperativas
de catadores, que coletam o material entregue
por clientes. O projeto prevê, ainda, investimentos em equipamentos e capacitação técnica dos cooperados.
73
D e s e n v o lv e r
merc ado
Estimular os produtos sustentáveis é uma das plataformas de responsabilidade social e ambiental do WalMart. Atual­mente as lojas oferecem cerca de 1,5 mil desses
itens. Os alimentos orgânicos dominam a categoria – com
1,3 mil produtos –, mas há vários exemplos em outros setores das lojas, de têxteis a químicos.
A lista inclui roupas elaboradas com algodão orgânico, fibras alternativas ou garrafas PET, produtos feitos com
material reciclado ou reprocessado, artigos em papel ou
madeira com certificação FSC, produtos químicos e de
limpeza biodegradáveis, lâmpadas de baixo consumo e
produtos eletrônicos mais eficientes.
Um dos grandes desafios nesse trabalho é dosar o
ritmo correto para implantar as mudanças, que devem
estar associadas a uma evolução no gosto do cliente e
em seus hábitos. A meta é ter ao menos um item sustentável em cada categoria de produtos, que somam
mais de 200. Dessa forma será possível atender o segmento da clientela que já valoriza esse tipo de produto
e, ao mesmo tempo, estimular mudanças no padrão de
consumo. A tendência já é percebida na região Sudeste, por exemplo, onde a venda de produtos orgânicos
na rede subiu 119% em comparação com 2006.
Em uma experiência piloto realizada em uma loja
em Curitiba (PR), os itens que apresentavam diferenciais de sustentabilidade receberam uma sinalização
destacada nas gôndolas. Além de chamar a atenção do
O que define um
produto sustentável
• Cultivo
ou produção orgânica
Uso de material reciclado em sua
composição
•
• Certificado
de origem que atesta o
baixo impacto ao meio ambiente
• Fabricação
a partir de fibras
renováveis ou alternativas
• Redução
no consumo de água
ou energia durante o uso
GÔNDOLAS
ABREM ESPAÇO
PARA PRODUTOS
SUSTENTÁVEIS
74
RESPONSABILIDADE AMBIENTAL
consumidor para o produto e explicar a sua contribuição socioambiental, o material trazia dicas de atuação
responsável. A partir de 2008 a ação será aperfeiçoada e implantada em outras unidades.
Eletrônicos
de baixo consumo
Em uma iniciativa pioneira, as lojas BIG, Bompreço e WalMart Supercenter ofereceram bônus e descontos para
incentivar os clientes a trocar seus eletrodomésticos anti-
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
gos por novos, de menor impacto ambiental. A campanha
destacava a sustentabilidade como fator fundamental para
a escolha do consumidor e incluía refrigeradores e aparelhos de ar-condicionado 40% mais eficientes e lavadoras
de roupas que utilizam a metade da água das convencionais. As vendas quadruplicaram no período.
Nos Estados Unidos, até 2010, todos os aparelhos de
ar-condicionado vendidos nas lojas do Wal-Mart terão
classificação de uso de energia e as TVs de tela plana
terão consumo reduzido em 30%. Só a economia em televisores seria suficiente para abastecer mais de 53 mil
casas por um ano.
75
Aqu ecimen to global
WAL-MART SE PREPARA
PARA REDUZIR AS EMISSÕES
Perfil do consumidor brasileiro
• Demonstra preocupação em comprar produtos que não agridem o meio ambiente
(41%) e está disposto a pagar mais por isso (37%)
• 43% incentivam outros consumidores a prestigiar empresas que adotam princípios
socioambientais responsáveis
• Mais da metade (55%) costuma planejar a compra de alimentos
• Adere aos comportamentos de eficiência que geram benefícios diretos e de curto
prazo para si mesmo
• Absorve mais facilmente as idéias sobre consumo consciente do que as práticas
• Em sua maioria (54%), não considera um papel dos consumidores enfrentar os
desafios de toda a sociedade, mas reconhece (49%) a interdependência entre a ação
de cada indivíduo e o ambiente social e natural
(Fonte: Instituto Akatu / Como e por que os brasileiros praticam o consumo consciente)
pro du tos t ê x t eis
A rede foi a primeira do Brasil a vender
moda íntima produzida a partir de fibra de
bambu. O produto é cultivado sem o uso
de pesticidas e substitui o material sintético
derivado de petróleo. A parceria com a
fabricante Hanesbrands teve início em maio,
com o lançamento de uma linha de cuecas.
A novidade superou as expectativas. O
fornecimento exclusivo – previsto inicialmente
para um período de três meses – foi ampliado
e inspirou a criação de novos itens. Em
dezembro chegaram às lojas calcinhas
confeccionadas com bambu e cuecas de
algodão orgânico.
O algodão utilizado nas peças é certificado
pela Federação Internacional de Movimentos
de Agricultura Orgânica e segue os parâmetros
europeus e americanos de produção de
orgânicos. A operação manual no manejo e
na colheita reduz o impacto ao meio ambiente.
Um método desenvolvido pela Embrapa
(Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária)
elimina a necessidade de tingimento artificial: o
algodão já nasce colorido.
Outro lançamento exclusivo na área têxtil
foram as camisetas produzidas a partir da
reciclagem de garrafas PET, que integram
as coleções das marcas próprias George
(varejo) e Member’s Mark (atacado). As peças
utilizam uma fibra desenvolvida pela Rhodia.
Para cada camiseta, em média duas garrafas
deixam de ser descartadas.
O inventário das emissões de gases do efeito estufa em
2007 apontou um total de 468 mil toneladas de CO2 equivalente, com predominância de emissões indiretas. Foram
analisadas apenas as atividades da rede, sem incluir clientes
ou fornecedores. O estudo vai conferir maior foco às ações
da empresa para diminuir os efeitos climáticos. A meta global
Wal-Mart é reduzir em 20% o total de emissões até 2012.
A compra de energia elétrica concentra a maior parte
das emissões, com 64,3% do total, seguida do transporte
de mercadorias (15,1%) e da geração de lixo orgânico úmido (11,4%). As emissões diretas – representadas por geradores de emergência, fornos de padarias e a pequena
frota para transporte interno da empresa – representaram
cerca de 9,2% do total. O estudo considerou ainda o impacto do transporte logístico terceirizado, do transporte
de funcionários e das viagens aéreas a trabalho.
A distribuição por tipo de operação apontou as lojas
como responsáveis por 78,2% do total de emissões. Os
Centros de Distribuição representaram 18,2% e os escritórios, pouco mais de 2%. O menor impacto foi representado por um frigorífico do grupo, com pouco mais de 1%.
Para reduzir as emissões, o Wal-Mart vem implantando ações para diminuir o consumo de materiais e aumentar a eficiência logística da rede, além de estudar o uso de
energias alternativas. O plano de mitigação do impacto
começou a ser em implantado em 2007. Depois de realizar um grande encontro nacional de funcionários em Salvador (BA), por exemplo, o Wal-Mart plantou mil árvores
na região Nordeste para compensar o CO2 gerado com o
deslocamento das equipes. A ação foi realizada através
de um convênio com a Fundação SOS Mata Atlântica. Desde então, a estratégia já está sendo adotada em todos os
eventos corporativos da companhia.
Na área de combustíveis, o Wal-Mart se antecipou à legislação, e 70% de todo o transporte feito através da logística
da rede contou com a mistura B2 (óleo diesel com 2% de biodiesel). Além de ser um combustível renovável, o biodiesel
apresenta uma combustão mais limpa, com menor geração
de gases do efeito estufa. Além disso, 60% da frota que transporta as mercadorias da empresa conta com defletores, o
que torna os veículos mais eficientes e menos poluentes.
outros 3%
geradoreS 2,7%
fornos 3,5%
resíduo
orgânico
11,4%
Transporte
de
mercadorias
15,1%
E missõ es
por fonte
Energia
elétrica
64,3%
92
Instituto wal-mart – demonstr ações Financeir as
parecer dos
audi tore s
independentes
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
BALANÇOs PATRIMONIAis
DEMONSTRAÇões DOs RESULTADOs
DAS ATIVIDADES SOCIAIS
31 de dezembro de 2007 e 2006 (em reais)
Exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e
2006 (em reais)
2007
2006
ATIVO
2007
2006
7.803.263
3.582.725
7.803.263
3.582.725
Despesas com projetos
(Nota 6)
(4.387.430)
(2.202.962)
Despesas com serviços
prestados
(344.921)
(15.101)
Despesas com
propaganda
(19.600)
-
Despesas com viagens
(12.079)
(8.075)
Outras despesas
operacionais
(38.128)
(7.683)
(4.802.158)
(2.233.821)
Resultado operacional
3.001.105
1.348.904
Receitas financeiras
190.955
68.214
Circulante
Disponibilidades
1.966.350
70.221
Aplicações financeiras
(Nota 3)
2.593.330
1.315.213
26.011
13.173
4.585.691
1.398.607
Outros ativos circulantes
Ilmos. Srs. Conselheiros e Diretores do Instituto WAL-MART
Não circulante
Imobilizado (Nota 4)
7.475
7.475
Depreciação
acumulada
(1.495)
-
5.980
7.475
4.591.671
1.406.082
Total do ativo
PASSIVO
Circulante
Obrigações sociais
e tributárias a
recolher
13.637
-
Outras obrigações
6.428
-
20.065
-
Patrimônio social
(Nota 5)
São Paulo, 25 de fevereiro de 2008
ERNST & YOUNG
Auditores Independentes S/S
CRC - 2SP 015.199/O-6
Paulo Sérgio Dortas
Contador CRC 1BA 015.250/O-8-S-SP
Contribuições de
membros mantenedores
Receitas (despesas)
operacionais
Permanente
Examinamos os balanços patrimoniais do Instituto Wal-Mart, levantados em 31 de dezembro
de 2007 e 2006, e as respectivas demonstrações do resultado do superávit, das mutações do
patrimônio social e das origens e aplicações de recursos correspondentes aos exercícios findos
naquelas datas, elaborados sob a responsabilidade da sua administração. Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras.
Nossos exames foram conduzidos de acordo com as normas de auditoria aplicáveis no Brasil
e compreenderam: (a) o planejamento dos trabalhos, considerando a relevância dos saldos, o
volume de transações e os sistemas contábil e de controles internos do Instituto; (b) a constatação,
com base em testes, das evidências e dos registros que suportam os valores e as informações
contábeis divulgados; e (c) a avaliação das práticas e das estimativas contábeis mais representativas adotadas pela administração do Instituto, bem como da apresentação das demonstrações
financeiras tomadas em conjunto.
Em nossa opinião, as demonstrações financeiras acima referidas representam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira do Instituto Wal-Mart em
31 de dezembro de 2007 e 2006, o superávit de suas operações, a mutação de seu patrimônio
social e as origens e aplicações de seus recursos referentes aos exercícios findos naquelas datas,
de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil.
Receitas assistenciais
Superávit acumulado
1.406.082
Superávit do ano
3.165.524
1.406.082 4.571.606
1.406.082
Despesas financeiras
(26.536)
(11.036)
4.591.671
1.406.082
Resultado das atividades
sociais
3.165.524
1.406.082
Total do passivo
e do patrimônio
social
As notas explicativas são parte integrante das
demonstrações financeiras.
-
As notas explicativas são parte integrante das
demonstrações financeiras.
93
94
Instituto wal-mart – demonstr ações Financeir as
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
DEMONSTRAÇ ÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO SOCIAL
Exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e 2006 (em reais)
Saldos em 31 de dezembro de 2006
Superávit do exercício
Saldos em 31 de dezembro de 2007
Superávit acumulado
Total
1.406.082
1.406.082
3.165.524
3.165.524
4.571.606
4.571.606
As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.
DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS
Exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e 2006 (em reais)
2007
2006
Superávit do exercício
3.165.524
1.406.082
Depreciação e amortização
1.495
ORIGENS DE RECURSOS
Das operações
Total originado das operações
3.167.019
1.406.082
Total das origens
3.167.019
1.406.082
APLICAÇÕES DE RECURSOS
Adições do imobilizado
-
7.475
Total das aplicações
-
7.475
3.167.019
1.398.607
No início do exercício
1.398.607
-
No fim do exercício
4.565.626
1.398.607
3.167.019
1.398.607
Aumento do capital circulante líquido
Variações do capital circulante líquido
Aumento do capital circulante líquido
As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.
NOTAS EXPLICATIVAS ÀS
DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS
Exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e
2006 (Em reais)
1. Contexto Operacional
O Instituto Wal-Mart foi constituído em 17 de novembro de
2005 e iniciou efetivamente suas atividades no início de
2006, trabalhando para a construção de uma sociedade
mais livre, justa e solidária, promovendo a cidadania, a dignidade da pessoa humana e os valores sociais do trabalho e
da livre iniciativa nos locais onde o Wal-Mart está presente.
Seus maiores objetivos são os de investir em ações que fortaleçam as famílias em situação de vulnerabilidade social no
que diz respeito aos seus vínculos e competências básicas,
no combate à fome e na orientação nutricional, bem como
na identidade cultural e na geração de renda nos locais
onde o Wal-Mart está presente, fortalecendo as relações
entre pessoas, grupos, instituições e comunidade, através
do apoio a projetos, programas, planos de ações correlatas, por meio da doação de recursos físicos, humanos e
financeiros, ou ainda pela prestação de serviços intermediá­
rios de apoio a outras organizações sem fins lucrativos e a
órgãos do setor público, sempre com a finalidade de:
a) Promover a segurança alimentar e nutricional de
grupos e de comunidades de baixa renda nos locais
onde o Wal-Mart Brasil está presente;
b) Promover o voluntariado entre os associados, levando-os a participar de ações estratégicas em prol do
desenvolvimento de pessoas, de grupos e da comunidade para o cumprimento do seu objetivo social;
c) Promover o desenvolvimento econômico e social
e combater a pobreza nos locais onde o Wal-Mart
está presente, podendo, para tanto, conceder micro
crédito para a população, bem como adquirir bens
produzidos pelas referidas populações para venda
nos estabelecimentos comerciais do Wal-Mart Brasil
e seus parceiros;
d) Defender, preservar e conservar o meio ambiente,
bem como o desenvolvimento sustentável das regiões onde o Wal-Mart Brasil atua; e
95
e) Apoiar projetos ou iniciativas focadas na valorização da identidade cultural do povo brasileiro, respeitando sua diversidade, regionalidade, ludicidade,
memória e história.
Os recursos necessários para a manutenção do
Instituto Wal-Mart são obtidos por meio de: a) doações
ou dotações orçamentárias; b) constituição de renda,
comodato e direito de uso; c) convênios, parcerias e
patrocínios estabelecidos com órgãos e entidades públicas ou privadas, para custeio, desenvolvimento ou
execução de projetos na sua área específica de atuação;
d) produto da alienação da produção intelectual, técnica, tecnológica e científica, resguardando o direito de
não-alienação para fins de privilégio, dominação ou exploração; e) alienação de produtos adquiridos das populações auxiliadas por programas sociais do Instituto;
f) rendimentos das aplicações de seus ativos financeiros e outros pertinentes ao patrimônio sob sua administração; g) excedentes financeiros apurados no final
do seu exercício fiscal; e h) outros recursos ou bens que
lhe forem destinados ou instituídos, inclusive mediante
contribuição de seus associados.
Em 4 de dezembro de 2007 o Instituto Wal-Mart obteve o certificado de associação civil sem fins lucrativos suportado pela Lei 9.790 de 23 de março de 1999. Seu exercício social inicia-se em 1º de janeiro e encerra-se em 31 de
dezembro de cada ano calendário.
2. Base de Preparação e
Apresentação das
Demonstrações Financeiras
As demonstrações financeiras foram elaboradas de
acordo com as práticas contábeis adotadas para entidades
sem fins lucrativos, em conformidade com a Resolução noº
877, de 18 de abril de 2000, emitida pelo Conselho Federal
de Contabilidade e Resoluções do Conselho Nacional de
Assistência Social, ajustadas às práticas contábeis adotadas no Brasil e observando as diretrizes contábeis emanadas da legislação societária.
a) Apuração do superávit
O Instituto, por não ter fins lucrativos, obtém suas receitas mediante doações de terceiros, as quais são registradas­
96
Instituto wal-mart – demonstr ações Financeir as
quando recebidas. Os principais mantenedores do Instituto para o ano de 2007 foram o seu fundador Wal-Mart Brasil Ltda. e o WMS Supermercados do Brasil S.A.
A autorização para a conclusão dessas demonstrações contábeis ocorreu na reunião de diretoria realizada
em 22 de fevereiro de 2008.
As despesas relacionadas aos projetos são reconhecidas pelo regime de competência.
r el ató r i o D E SUS TEN TAB ILI DAD E wal- mart b r a s i l
5. Patrimônio Social
Seguem informações sobre a natureza dos projetos:
O patrimônio social do Instituto é formado pelo superávit
acumulado dos exercícios. A destinação do superávit acumulado é aprovada na Reunião do Conselho de Administração realizada anualmente.
6. Custos com Projetos
Durante o ano de 2007, os principais projetos mantidos
pelo Instituto foram os seguintes:
b) Aplicações financeiras
São demonstradas ao custo, acrescido dos rendimentos apurados até a data do balanço, não excedendo seu
valor de realização.
c) Imobilizado
O imobilizado está representado pelos bens operacionais do Instituto, registrados pelo seu custo de aquisição ou pelo valor da doação, conforme declarado em
nota fiscal emitida pelo doador, deduzido da depreciação
acumulada, calculada pelo método linear, conforme taxas
descritas na Nota 4.
3. Aplicações Financeiras
As aplicações financeiras referem-se a certificados de depósitos bancários remunerados à taxa de 99% do Certificado de Depósito Bancário – CDI junto ao Banco Votorantin
S.A., com liquidez imediata.
4. Imobilizado
Taxa anual de
depreciação
Computadores e
periféricos
Depreciação
acumulada
20%
2007
7.475
2007
Instituto Aliança com o Adolescente
852.304
Unicef – Desenvolvimento Integral de
Crianças de 0 a 6 anos
722.160
Associação Aliança Empreendedora
460.013
PANGEA – Centro de Estudos
Socioambientais
338.711
Projeto Arte que Liberta
265.349
Artesanato Solidário – Central Artesol
213.910
Avante Educação e Mobilização Social
203.556
Sociedade Pernambucana de
Combate ao Câncer
149.932
Associação Mundaréu
139.710
Casa Menina Mulher
122.980
Centro Brasileiro da Criança e do
Adolescente
108.220
Liga Álvaro Bahia Contra a Mortalidade
Infantil
101.620
AQUATRO – Agência de Qualificação e
Trabalho para Organizações Associativas
95.900
CEMPRE – Compromisso Empresarial para
a Reciclagem
87.538
Associação Educativa e Cultura Didá
83.922
Outros projetos
441.605
2006
7.475
7.475
7.475
(1.495)
-
5.980
Projetos
7.475
4.387.430
• Projeto Instituto Aliança com o Adolescente: patro-
cina atividades de educação profissional de jovens com
foco nas tecnologias de informação;
• Projeto Unicef – Desenvolvimento Integral de
Crianças de 0 a 6 anos: patrocina atividades educacionais para crianças de 0 a 6 anos;
• Projeto Associação Aliança Empreendedora: patrocina atividades sociais de apoio a grupos empreendedores;
• Projeto PANGEA – Centro de Estudos Socioambientais: patrocina atividades sociais junto à Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis da Região
Metropolitana de Recife – PE;
• Projeto Arte que Liberta: patrocina atividades de
inclusão social e incentivo à cidadania;
• Projeto Artesanato Solidário – Central Artesol: patrocina a implementação de ações para a revitalização do artesanato com vistas à geração de trabalho, renda e sustentabilidade a grupos de artesãos em Olinda-PE, Cabo de Santo
Agostinho-PE, Cidade Lauro Freitas e Salvador, na Bahia;
• Projeto Avante Educação e Mobilização Social: patrocina atividades sociais para geração de trabalho e renda;
97
• Projeto Sociedade Pernambucana de Combate ao
Câncer: patrocina a reforma no espaço físico do setor e
a adequação/ampliação dos seus equipamentos – Projeto Mama;
• Projeto Associação Mundaréu: patrocina atividades sociais que propiciam geração de renda para mulheres do Jardim da Conquista;
• Projeto Casa Menina Mulher: patrocina atividades
educacionais utilizando arte para adolescentes;
• Projeto Centro Brasileiro da Criança e do Adolescente: patrocina atividades sociais que incentivam a geração de renda para mulheres;
• Projeto Liga Álvaro Bahia Contra a Mortalidade Infantil: patrocina a montagem de uma sala do centro cirúrgico do Martagão Gesteira – “Hospital da Criança”;
• Projeto AQUATRO – Agência de Qualificação e Trabalho para Organizações Associativas: patrocina atividades sociais de incentivo a jovens;
• Projeto CEMPRE – Compromisso Empresarial para
a Reciclagem: patrocina atividades sociais junto a Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis;
• Projeto Associação Educativa e Cultura Didá: patrocina a criação de núcleo profissionalizante de fabricação de tambores e acessórios de samba e reggae.
76
77
c a pí t u lo v i I
INSTITUTO
WAL-MART
Progr amas de
investimento social e
a busca de sinergias
entre a comunidade e
o negócio conduzem
estr atégias de
desenvolvimento de
médio e longo pr azos.
78
Instituto wal-mart
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
INVESTIMENTO
SOCIAL
O Instituto concentra o investimento social do
Wal-Mart em projetos de desenvolvimento de médio
e longo prazos. Mantida com recursos da companhia,
a entidade seleciona e financia projetos de desenvolvimento social, econômico e cultural em áreas de risco
social. Em 2007, cerca de R$ 5,4 milhões foram investidos em 40 projetos de capacitação de jovens, geração de renda, reinserção social, desenvolvimento de
famílias e resgate da cultura local nos estados onde a
companhia atua.
As ações se somam aos programas de relacionamento com a comunidade desenvolvidos pela empresa e ajudam a aproximar os projetos apoiados e o
próprio negócio do Wal-Mart. Em três lojas de Curitiba, por exemplo, funciona o Espaço Solidário, onde
os grupos produtivos apoiados pelo Instituto e pela
Aliança Empreendedora comercializam seus produtos. Com a iniciativa, as vendas de artesanato subiram
quase 70%. A contratação pelas lojas de jovens formados nos programas de capacitação profissional financiados pelo Instituto e as parcerias com cooperativas
de catadores são outros exemplos de sinergias que o
Instituto proporciona.
Instituto
Wal-Mart busca
sinergias com
a empresa e
estabelece a
interface com a
comunidade
O trabalho tem como pano de fundo a crença na
capacidade do indivíduo de ser o agente de mudança
de sua própria vida. A proposta é investir em ações
de fortalecimento e impulso social, não em ajudas pon­
tuais ou de caráter assistencialista. Os projetos contam com o apoio do Instituto por um prazo máximo de
dois anos, período em que se preparam para seguir
atuando de forma autônoma.
Visão em pr e sar ial so b r e a qu e s tão social
Diretriz estratégica, foco em resultados, potencial de retorno para a comunidade,
indicadores de desempenho social, ambiental e financeiro: esses são alguns dos
aspectos que o Instituto considera ao apoiar um projeto social. A idéia é garantir a
aplicação dos recursos em programas sustentáveis a médio e longo prazos, capazes
de oferecer reais melhorias às condições de vida da população-alvo.
Para contar com o financiamento da organização, as ações devem contribuir com
um dos três eixos de desenvolvimento prioritários – social, econômico e cultural
– e passar por uma rigorosa avaliação. Outra exigência é a definição clara dos
objetivos e das metas do projeto, suas estratégias de execução e os instrumentos de
monitoramento e avaliação de resultados. Os repasses de recursos são trimestrais, e
a liberação está sujeita ao cumprimento da programação e à prestação de contas.
79
80
Instituto wal-mart
AUTONOMIA
O amadurecimento e a autonomia já são realidade em
alguns dos primeiros projetos apoiados pela organização. A Cooperativa de Agentes Ecológicos de Canabrava (CAEC), de Salvador (BA), por exemplo, tratou
de investir na própria infra-estrutura os recursos aportados pelo Instituto desde 2006 até o início de 2008.
Com o próprio trabalho, a CAEC conquistou autonomia financeira e hoje gera renda para os cerca de 200
cooperados e outros 800 cadastrados, que fazem entregas esporádicas de material.
A principal atividade econômica da CAEC é a venda de material reciclável, mas o trabalho vem evoluindo. A cooperativa iniciou uma pequena produção de
objetos em plástico, reaproveitando internamente o
material e agregando mais valor ao trabalho. A CAEC
foi criada em 2003 com o apoio do Centro de Estudos
Socioambientais (PANGEA). Em sua curta trajetória já
recebeu o reconhecimento da Organização das Nações Unidas (como uma das iniciativas brasileiras de
destaque para alcançar os Objetivos do Milênio) e do
Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS).
O fim do financiamento do Instituto não interrompe
as relações da Cooperativa com o grupo Wal-Mart. A
organização permanece como parceira na coleta do
material reciclável da operação de 38 lojas do WalMart em Salvador, além de resíduos levados por clientes a 24 estações de reciclagem.
Estrutura
administrativa
O Instituto tem uma organização jurídica independente do Wal-Mart, mas mantém uma relação estreita
com a empresa. É gerido por um conselho deliberativo e um conselho fiscal, compostos por membros
da alta diretoria da empresa. Criado no final de 2005,
obteve do Ministério da Justiça em 2007 a classificação de OSCIP (Organização da Sociedade Civil de
Interesse Público), o que facilita o estabelecimento
de convênios com prefeituras e órgãos de governo.
A área de atuação da empresa – foco potencial dos
projetos do Instituto – foi dividida em quatro coordenações regionais.
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
81
U nir esforços
Alianças com organizações nãogovernamentais, órgãos públicos e entidades
locais garantem a eficácia das ações e a
proximidade com o público beneficiado
O Instituto conta com a parceria de organizações locais que executam e acompanham de perto as ações,
aplicando sua experiência no trabalho social e seu conhecimento da área. Mais de 30 instituições integram
a grande rede social capitaneada pela entidade em 12
estados. O trabalho conjunto possibilita ao Instituto in-
vestir de maneira eficaz e centrar a atenção naquilo que
é sua real expertise: o direcionamento estratégico das
ações e o compromisso com a sustentabilidade.
Em 2007 houve um forte crescimento no número de
projetos, com um salto de 21 para 40. Uma das metas para
2008 é ampliar as ações para envolver todos os estados
onde o grupo Wal-Mart atua, além de reforçar os mecanismos e os fóruns de discussão que possibilitam o aprendizado em gestão e a troca de experiências entre as instituições parceiras e beneficiadas.
Ações se entrelaçam
O trabalho está focado em três eixos de desenvolvimento. O eixo econômico agrupa ações de estímulo
à geração de renda com o apoio a cooperativas e associações de economia popular, além de atividades de
capacitação para o mercado de trabalho. Na área social
a meta é fortalecer as famílias, especialmente as lideradas por mulheres, por meio de ações educativas e
informativas. O eixo cultural se centra em valorizar a
cultura e a história das comunidades com o objetivo de
preservar sua identidade e reforçar a diversidade cultural do país.
Essas três dimensões se entrelaçam e se inter-relacionam no processo de execução dos projetos. Dessa forma, uma ação de valorização da cultural local
– como resgatar o ofício da produção de instrumentos
musicais, por exemplo – ajuda a impulsionar atividades de capacitação profissional. Ações eminentemente ligadas à geração de renda, como a organização de
grupos produtivos, transformam-se em cenário de fortalecimento da família e da comunidade.
82
Instituto wal-mart
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
P R E S E N Ç A WA L - M A R T
RR
Projetos em
desenvolvimento
(dezembro/2007)
AP
AM
P R O J E T O S I N S T I T U T O WA L - M A R T
PA
MA
CE
PI
Alagoas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Bahia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8
Ceará . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Maranhão . . . . . . . . . . . . . . . 2
Minas Gerais . . . . . . . . . . . . . 1
Paraíba . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Paraná . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Pernambuco . . . . . . . . . . . . 10
Rio Grande do Sul . . . . . . 2
Rio de Janeiro . . . . . . . . . . . . 1
São Paulo . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Sergipe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
AC
83
PE
TO
RO
RN
SE
PB
Proje tos
Conheça os projetos desenvolvidos
pelo Instituto Wal-Mart em 2007
AL
BA
MT
DF
GO
MG
ES
MS
SP
PR
SC
RS
RJ
Organização de
grupos produtivos para
a geração de renda
Aldeia das Mães – Americanópolis, São Paulo (SP)
Parceiro: Aldeia do Futuro
Público: 100 mulheres
A Aldeia atende mulheres excluídas do mercado formal
de trabalho. Em uma cooperativa produtiva de costura
e artesanato elas encontram uma oportunidade de
gerar renda e garantir o auto-sustento. O trabalho em
grupo também fortalece a auto-estima das participantes, com impacto positivo em sua qualidade de vida e
em suas relações sociais e familiares.
Costurando o Futuro – Vila Clementino, São
Paulo (SP)
Parceiro: Projeto Quixote
Público: 50 mulheres que vivem em áreas de
risco social
Com a meta de gerar uma renda mensal de R$ 500,00
para cada mulher atendida, o projeto apóia a fabricação e a comercialização de produtos artesanais. As
mulheres – mães de família – recebem orientação sobre técnicas de produção e comercialização, além de
noções de gestão administrativa.
“Foi lá que eu aprendi a conviver,
a ouvir, a falar. Dentro da
Oficina de Mães foi como se eu tivesse
começado a viver de
novo, a caminhar com as minhas
próprias pernas”
Vilma Aparecida Alves dos Santos
– Assistente Administrativa (SP)
Mulheres de Fibra – São Luís (MA)
Parceiro: Instituto de Desenvolvimento do Artesanato Maranhense (IDAM)
Público: 30 mulheres
A partir da fibra de buriti, uma palmeira típica da região,
o grupo confecciona bolsas, pastas, embalagens para
garrafas e embalagens de presente. O projeto aporta recursos para a capacitação dos participantes em oficinas
de design, diversificação da produção, comercialização
e empreendimento solidário. A meta é dobrar a capacidade produtiva.
“Este projeto trouxe uma nova
esperança de vida para nós e nossas
famílias. Estamos muitos felizes com
o apoio do Instituto Wal-Mart.”
Ana Regina Martins – Artesã (MA)
84
Instituto wal-mart
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
85
Tricotando e Gerando Renda – João Pessoa (PB)
Parceiro: Recife Voluntário
Público: 60 mulheres de 16 a 60 anos
A ação busca valorizar a identidade do grupo por meio
da confecção de itens com temática regional, como
bordado, crochê e fuxico. A parceria com a organização orienta o aperfeiçoamento das técnicas utilizadas
e melhora a produtividade. Uma das metas do projeto
é a constituição legal do grupo produtivo, que possibilita, inclusive, a participação mais competitiva em feiras
e eventos. O objetivo final é aumentar em, pelo menos,
30% a renda das artesãs.
Geração de Trabalho e Renda – Lauro de Freitas
(BA), Cabo de Santo Agostinho (PE) e Olinda (PE)
Parceiro: ARTESOL (Artesanato Solidário)
Público: 120 artesãos
Reconhecido como vendedor oficial
de produtos de comércio justo
FLO – Fair Trade Labeling Organization
O projeto atende jovens e mulheres, principalmente chefes
de família e com baixa escolaridade. Está focado na inclusão social pela geração de trabalho e renda, na valorização
do artesanato tradicional específico de cada região e no
fortalecimento da identidade cultural do grupo. O objetivo
é garantir uma renda mensal entre R$ 100,00 e R$ 250,00
para cada artesão.
“Eu me achava desvalorizada,
como se eu não tivesse valor para
algumas pessoas. Hoje eu tenho um
compromisso comigo: aquilo vai dar
certo, se depender de mim. Posso dizer
mesmo que eu tenho orgulho”
Geovânia Maria Apolinária – Artesã (PE)
Aliança Wal-Mart de Apoio a Grupos Empreendedores – Curitiba e Região Metropolitana (PR)
Parceiro: Aliança Empreendedora
Público: 140 mulheres cooperadas em diferentes comunidades
O Instituto dá apoio e treinamento para que um grupo
de mulheres – de renda mensal inferior a meio salário
mínimo – produza e comercialize peças em tricô, itens
de perfumaria e artesanato. A ação visa assegurar o aumento de renda das mulheres para uma média mensal
de R$ 200,00 a R$ 250,00. O projeto também financia a
compra de novos equipamentos para a produção.
Transformando Alimentos em Renda
Familiar – Recife, Olinda, Jaboatão dos
Guararapes e Camaragibe (PE)
Parceiro: Centro Nordestino de Medicina Popular
Público: 75 pessoas
O objetivo é formar diversos grupos produtivos para
atuar no setor alimentício. Os participantes recebem
capacitação sobre manipulação, aproveitamento e beneficiamento de alimentos, além de técnicas de administração e gestão do próprio negócio.
“Estou aprendendo muito neste
projeto. Aqui vou poder colaborar
com o grupo na parte de vendas, que
é o que eu mais gosto de fazer.”
Márcia Durack – participante do grupo (PE)
Conkistart – Jardim da Conquista, São Mateus,
São Paulo (SP)
Parceiro: Associação Mundaréu
Público: 90 mulheres de 25 a 60 anos
O objetivo do projeto é aprimorar o trabalho de mulheres costureiras. Em vários módulos de treinamento elas
recebem informações sobre desenvolvimento de produtos, organização da produção e gestão do trabalho
em grupo. Além de capacitar para a geração de renda,
o trabalho amplia e enriquece o universo cultural das
participantes. Em 2007, a Conkistart comemorou a inauguração de sua nova sede, construída com o auxílio das
próprias costureiras. A meta para 2008 é garantir a inserção de 30 costureiras no mercado.
“Eu entrei no projeto e estou feliz,
graças a Deus! Todas as pessoas que
entraram estão. Pela renda, que a
gente precisa de renda, mas também
porque a gente aprende sobre negócio
e sobre desenvolvimento de produto”
Maria de Lourdes Figueiredo
– Costureira (SP)
86
Instituto wal-mart
Criando e Fazendo Arte – Recife (PE)
Parceiro: Casa Menina Mulher
Público: 120 jovens com idade entre 16 e 24 anos
O projeto investe na formação educacional, social e técnica
de adolescentes em situação de risco, e tem como meta a
inserção de pelo menos 30% delas no mercado formal de
trabalho. Visa também assegurar uma renda familiar média de R$ 300,00. As jovens recebem capacitação para a
produção artesanal e comercialização de produtos regionais, além de conhecimentos de empreendedorismo, associativismo e comércio solidário.
“Eu acho que cresci muito nessa
experiência de trabalho, sobretudo
enquanto mulher, enquanto mãe,
enquanto profissional. Muitas vezes
a gente não encontra pessoas que,
de fato, entendam a realidade dessas
meninas, que compreendam que elas
vêm com muitas histórias de vida,
com muitas marcas, mas elas também
sonham. Sonham igual à minha filha,
sonham igual a mim”
Maria de Lourdes de Sousa
– Assistente Social (PE)
Costurart Cooperativa Arte e Gênero – Salvador (BA)
Público: 20 cooperadas e 135 mulheres da comunidade
O projeto beneficia mulheres do bairro Calafate e tem como
objetivo melhorar as técnicas administrativas e produtivas da
cooperativa local e promover a integração e a conscientização da comunidade. As participantes recebem informações
e discutem temas como cidadania, direitos humanos, violência contra a mulher e auto-estima. Em oficinas de produção
– como bordado, pedraria e corte e costura – as mulheres
aprendem um novo ofício ou aperfeiçoam seus produtos.
“Quando a gente entra no grupo
automaticamente começa a ver o
mundo de outras formas, e percebe
onde está errando com você mesma,
com o outro, com o todo. Eu estou
ali para aprender, todas estão
ali para aprender e nós estamos
crescendo juntas”
Gicelia Maria da Silva Evangelista
– Artesã (BA)
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
Mulheres Gerando Renda – Recife (PE)
Parceiro: Casa de Passagem
Público: 80 mulheres a partir de 18 anos
O projeto estimula o desenvolvimento socioeconômico
das mulheres chefes de família do bairro de Santo Amaro,
comunidade que registra o maior índice de violência no
Recife. A ação visa gerar trabalho e renda para o grupo por
meio do aperfeiçoamento das habilidades produtivas e do
ganho de competitividade das peças confeccionadas. A
meta é garantir a inserção no mercado formal de trabalho
de 50% das mulheres atendidas.
Apoio a catadores
CEMPRE & Wal-Mart Apoio às cooperativas de
catadores – São Paulo e Região Metropolitana (SP)
Parceiro: Compromisso Empresarial para Reciclagem
(CEMPRE)
Público: 390 cooperados
Por meio da organização dos coletores de material reciclável e da conscientização sobre a importância do seu
próprio trabalho, o projeto visa aumentar a auto-estima dessa parcela da população, normalmente marginalizada. A ação garante apoio administrativo e operacional a seis cooperativas: Coopcicla, em Santo André;
Cooperativa Vila Maria, Cooperativa Vila Leopoldina e
Coopere, em São Paulo; Cooperativa de Triagem São
Mateus e CooperYara, em Barueri.
Cooperativa de Agentes Ecológicos de Canabrava (CAEC) – Salvador (BA)
Parceiro: PANGEA (Centro de Estudos Socioambientais)
Público: 195 cooperados
Selecionado pela ONU como prática
de sucesso para se alcançar os
Objetivos do Milênio
Reconhecimento do Compromisso
Empresarial para Reciclagem (CEMPRE)
pela contribuição aos serviços de
gestão de resíduos no Brasil
Prêmio do Conselho Empresarial
Brasileiro para o Desenvolvimento
Sustentável (CEBDS)
A ação do Instituto neste projeto
mereceu o Prêmio Wal-Mart
Internacional na categoria
Sustentabilidade
A cooperativa recolhe e vende papel, papelão e plástico,
além de manter uma pequena produção interna de objetos
feitos a partir da reciclagem do plástico. O projeto organiza
o trabalho dos coletores de material reciclável e promove a
inclusão social dos integrantes.
87
88
Instituto wal-mart
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
Em 2005, quando teve início a parceria, 130 cooperados participavam da CAEC, com uma renda mensal
média de um salário mínimo. Durante dois anos, os
aportes financeiros do Instituto asseguraram recursos
para o investimento em infra-estrutura para a coleta e
o processamento do material. A doação dos resíduos
da operação das lojas do Wal-Mart ampliou o trabalho,
e a cooperativa pôde crescer e conquistar sua autonomia. Atualmente são 230 cooperados, com renda
mensal fixa de R$ 450,00. Orientados pelo Instituto,
os trabalhadores passaram a contribuir com o Instituto
Nacional de Seguridade Social (INSS) e terão direito à
aposentadoria.
A parceria entre a cooperativa e o Wal-Mart será mantida, com a coleta do material da operação em 38 unidades
e dos resíduos depositados por clientes em 24 estações
de reciclagem em lojas na capital baiana.
da Sabina, em Salvador (BA), e ampliar as oportunidades de renda e convívio social.
As metas do projeto são: criar uma associação de trabalhadores autônomos, assegurar a participação de 100
profissionais na central de prestação de serviços e qualificar 40 jovens para gestão em empreendedorismo.
“O futuro lá pra frente é muito
sucesso e passar o que nós
aprendemos para os outros.
Porque todo mundo precisa de
alguma coisa pra sobreviver e
aquele bairro ali precisa de gente
assim, que levante o bairro”
Débora Soares Beirão – Cooperada (BA)
Com.Domínio Digital – Salvador (BA), Aracaju (SE),
Contagem (MG), Fortaleza (CE), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Barueri e São Caetano do Sul (SP)
Parceiro: Instituto Aliança
Público: 880 jovens com idade entre 16 e 24 anos
“Depois que eu comecei a trabalhar
na cooperativa eu posso fazer
compras em lojas, pagar. Tenho
aquilo certo. Dá pra sobreviver com
um trabalho bonito, honesto, limpo”
Gildete Carvalho dos Santos
– Catadora (BA)
Pro-Recife – Recife (PE)
Parceiro: PANGEA (Centro de Estudos Socioambientais)
Público: 40 cooperados profissionalizados
A iniciativa recebeu o Prêmio
Paulo Freire na categoria de
Responsabilidade Social, concedido
pela Associação Brasileira de
Recursos Humanos.
Focada na coleta seletiva de resíduos, a cooperativa
que começou graças ao apoio do Instituto Wal-Mart reú­
ne moradores de uma área carente do Recife, o bairro
Caranguejo Tabaiares. O trabalho impulsiona a transformação social na região: além de gerar renda para os
participantes, também aumenta a conscientização dos
moradores locais sobre as questões ambientais. Depois
de dois anos de aporte financeiro do Instituto, o projeto
segue com as próprias pernas com 40 catadores que recebem uma renda de R$ 320,00 por mês, em média. A
89
parceria continua com a doação de material reciclável da
empresa e dos clientes para a cooperativa.
“Foi uma luta muito grande pra
gente conseguir o que a gente
tem hoje. Estamos ajudando os
catadores a terem uma renda e
dar de comer aos seus filhos. Essa
cooperativa mudou muita coisa na
minha vida, melhorou muito”
Roberta de Santana Pessoa
– Catadora (PE)
CoopZumbi – Colombo, região metropolitana de
Curitiba (PR)
Parceiro: Aliança Empreendedora
Público: 50 trabalhadores
O projeto garante investimentos na infra-estrutura e gestão da cooperativa, capacita os cooperados e acompanha
a realização da coleta seletiva e destinação dos resíduos.
Além de dar a destinação correta para os resíduos que
antes se acumulavam nas ruas da cidade, a ação contribui
para preservar limpas as margens do Rio Palmital. A meta
do projeto é ampliar em 50% o número de cooperados.
Formação profissional
de jovens
Projeto Samba-Reggae Didá – Salvador (BA)
Parceiro: Associação Educativa e Cultural Didá
Público: 120 pessoas
Crianças e adultos interagem neste projeto, focado no
atendimento a jovens mulheres negras em situação de
vulnerabilidade social. A ação estimula a geração de renda e tem um forte viés cultural. O ponto de partida é o
samba-reggae, ritmo dominante na região. As participantes integram oficinas de música, aprendem sobre a história dos instrumentos e são capacitadas para confeccionar
tambores e acessórios. Também recebem noções de
mercado e de técnicas de comercialização.
Grãos – Salvador (BA)
Parceiro: Avante – Educação e Mobilização Social
Público: 180 pessoas (90 jovens e 90 familiares)
O objetivo da iniciativa é organizar uma central de serviços nas áreas de paisagismo e jardinagem, elétrica
predial, corte e costura, cozinha e congelamento. A
idéia é profissionalizar os prestadores autônomos de
serviço dos bairros Calabar, Alto das Pombas e Roça
Foi escolhido para ser multiplicado
em escala mundial pela
International Youth Foundation
com verba do Banco Interamericano
de Desenvolvimento (BID)
Recebeu o prêmio FINEP de Inovação
Tecnológica – Ministério da Ciência
e Tecnologia
Finalista do Prêmio Itaú Social na
categoria Educação para o Trabalho
O Com.Domínio Digital prepara de forma integral os jovens. A formação é intensiva, com 560 horas de aulas nas
áreas de desenvolvimento pessoal e social, tecnologia da
informação e rotinas administrativas, além das vivências
práticas. Com parceiros nos segmentos de indústria, comércio e serviços, o projeto também contribui para a inserção no mercado de trabalho. A meta do projeto – garantir
a inserção de 80% dos jovens – foi alcançada. Da primeira
turma, com 80 jovens, 64 foram contratados por empresas
locais. O Wal-Mart empregou 10 deles.
Marcio Cunha, presidente do Grupo SEB, que apóia
a iniciativa em Recife, destaca a importância da união de
90
Instituto wal-mart
esforços entre indústria e varejo. Segundo ele “no futuro
toda a sociedade será beneficiada, com jovens mais bem
capacitados e conscientes de seu papel como cidadãos”.
O Grupo é líder mundial na fabricação de eletroportáteis e
responsável por marcas como Arno e Panex.
“O Com.Domínio me ensinou a
ter sentimento pelas pessoas,
‘desempedrou’ meu coração que
estava congelado. Aqui, além de
criar programas de tecnologia da
informação e rotinas administrativas,
se aprende a conversar com o seu
chefe, a trabalhar com seus colegas,
ter desenvolvimento social e pessoal”
Neívison Silva Santos – Auxiliar de
logística (BA)
Projeto Social Amba – Estação Jovem Artesão
– Jaboatão dos Guararapes (PE)
Parceiro: Agência de Qualificação e Trabalho para Organizações Associativas (Aquatro)
Público: 80 jovens
O grupo é composto por jovens com idade de 16 a 21 anos
e tem como foco a produção e a comercialização de peças artesanais. Os integrantes recebem orientação sobre
técnicas produtivas, comercialização e gestão administrativa e participam de oficinas temáticas sobre meio ambiente e cidadania.
“O projeto foi uma grande evolução na
minha vida. Eu não tomava decisões por
mim mesma, não sabia me movimentar.
Através desse projeto a minha mente
cresceu e eu dei um rumo à minha vida”
Elionaide Pinheiro de Santana – Artesã (PE)
Canta Brasil – Canoas, Região Metropolitana de
Porto Alegre (RS)
Parceiros: Instituto Movimento Canta Brasil e
Hershey do Brasil
Público: 350 crianças e jovens
O Canta Brasil desenvolve atividades de dança e música,
cursos de inglês, de formação de líderes comunitários e jovens empreendedores e de capacitação gerencial. O projeto já existe há oito anos. Recebeu prêmios da Assembléia
Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul e da Unesco na
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
área de Protagonismo Juvenil e beneficiou mais de 1.500
crianças e jovens. Em parceria com a Hershey do Brasil,
o Instituto aporta recursos para aperfe­­iço­a­r­­­­ as ações e
fortalecer a área de capacitação dos jovens. A meta é ampliar para 500 pessoas o público atendido, além de criar
uma agência cultural para garantir a sustentabilidade financeira do projeto.
Reinserção social de EGRESSOS
do sistema penitenciário
Para Liberdade com Cidadania – Salvador (BA)
Parceiro: Arte que Liberta
Público: 30 egressos do sistema penitenciário
A iniciativa auxiliou a formação de uma cooperativa produtiva que reúne ex-detentos da Penitenciária Lemos
Brito. Os recursos do Instituto financiaram a compra de
máquinas, equipamentos e ferramentas para a produção de móveis e objetos de decoração a partir de técnicas de serralheria industrial, marcenaria, tear, artesanato e aplicação de papel reciclado. A cooperativa auxilia
no difícil processo de reinserção social e profissional
dos ex-detentos, que receberam capacitação profissional durante o cumprimento da pena. Seu principal objetivo é garantir uma alternativa de renda a essas pessoas
para que elas não voltem a descumprir a lei.
“Esse projeto me dá oportunidade de
conhecer pessoas diferentes e estar
sempre envolvido na sociedade, não
ser visto como um ex-detento, mas
como um cidadão comum. Isso pra mim
é muito importante”
Anilton Clementino dos Santos
– Artesão (BA)
Liberdade para Criar – São Paulo (SP)
Parceiro: Arte que Liberta
Público: 60 mulheres que cumprem pena em regime fechado na Penitenciária Feminina de São Paulo
A ação tem lugar na própria Penitenciária, com a instalação de oficinas de capacitação em tear manual, traçado em piaçava e produção de acessórios femininos.
Seu objetivo é preparar o processo de reinserção social e econômica das mulheres e reduzir os índices de
reincidência criminal.
“É muito difícil arrumar um emprego
aqui fora. O melhor que tem esse
projeto é que te ensina a produzir
coisas que dá pra fazer em casa e
ganhar um dinheiro limpo”
Elaine Cristina da Silva
– participante do projeto (SP)
Fortalecimento de famílias
Família Brasileira Fortalecida – Recife (PE), Salvador (BA), São Paulo (SP), Porto Alegre (RS), Maceió
(AL), Curitiba (PR), São Luís (MA), Jaboatão dos Guararapes (PE) e Fortaleza (CE)
Parceiro: Unicef
Público: 900 mil famílias em áreas de risco social
Troféu Empresa Nota 10 Parceira da
Educação Municipal – Prefeitura
Municipal de Salvador (BA)
Destaque do ano do Jornal do
Comércio (RS)
91
O projeto é uma iniciativa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) em parceria com o Governo Federal e 28 organizações não-governamentais
do país. Seu objetivo é orientar as famílias sobre os
cuidados de saúde, educação, segurança e desenvolvimento de crianças e adolescentes. Tendo a família
como foco imediato, a ação visa impulsionar mudanças sociais de médio e longo prazos, reforçando a
conscientização sobre os direitos das crianças e dos
adolescentes, os vínculos familiares e a mobilização
comunitária. Cerca de 9 mil agentes sociais estão
sendo capacitados para atuar nas famílias, utilizando
livros e cartilhas desenvolvidos especialmente para
orientar o trabalho. O Instituto financia a confecção de
todo o material utilizado e a capacitação da rede de
proteção à criança.
“Todos os aspectos da vida da criança
são abordados. No começo parecia
cansativo, mas depois as mães viam que
alguém estava se interessando pela
rotina daquela criança. Foi muito bemaceito pelas famílias”
Luzia Gama Neves da Costa
– Agente Comunitária de Saúde (BA)
98
99
c a p í t u l o v i II
Conteúdo
GRI
Este relatório
consolida as
informações
econômicas, sociais e
ambientais da operação
do Wal-Mart no Brasil.
CONTEÚDO GRI
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
Conteúdo GRI
INDICADORES GERAIS
PÁG.
As informações contidas neste relatório se referem
ao desempenho econômico, social e ambiental de todas as operações do Wal-Mart no Brasil. Esta edição
utiliza as diretrizes GRI (Global Reporting Iniciative),
uma evolução em relação ao relatório anterior, publicado em maio de 2006.
Tiveram prioridade os temas de interesse dos
principais públicos estratégicos da empresa: clientes,
funcionários, fornecedores, comunidade, governo e
organizações da sociedade civil. O processo de definição da materialidade das informações se limitou às
equipes diretamente envolvidas no documento e não
contou com a participação de outros stakeholders.
No que se refere ao escopo, foram mantidos os
mesmos critérios que nortearam a elaboração do relatório anterior, mas os dados aqui relatados refletem o
crescimento do número de lojas da empresa. Também
foram mantidos os critérios de medição, ainda que a
adoção dos parâmetros GRI tenha acrescentado novos
indicadores ao documento.
De acordo com os parâmetros estabelecidos pela
GRI, este documento contempla o nível de aplicação C.
Estratégia e análise
1.1. Declaração sobre a relevância da
sustentabilidade
2.1. Nome da organização
C+
Responder aos itens:
8 a 12
2.3. Estrutura operacional
8 a 12
2.4. Localização da sede da
organização
Responder a um
mínimo de 10
Indicadores de
Desempenho, incluindo
pelo menos um de cada
uma das seguintes
áreas de desempenho:
social, econômico
e ambiental.
O mesmo exigido
para o Nível B
3.9, 3.13;
4.1 a 4.4, 4.14 a 4.15;
4.5 a 4.13,
4.16 a 4.17
Informações sobre a
Forma de Gestão para
cada Categoria de
Indicador
Responder a um mínimo
de 20 Indicadores de
Desempenho, incluindo
pelo menos um de cada
uma das seguintes
áreas de desempenho:
econômico, ambiental,
direitos humanos, práticas
trabalhistas, sociedade,
responsabilidade pelo
produto.
8
8e9
22
A+
2.7. Mercados atendidos.
8 a 12
2.8. Porte da organização
10
2.9. Principais mudanças durante o
período coberto pelo relatório
12
2.10. Prêmios recebidos no período
coberto pelo relatório
25, 71, 87, 88 e 91
Parâmetros para o relatório
Forma de Gestão
divulgada para cada
Categoria de Indicador
Responder a cada
Indicador essencial da
G3 e do Suplemento
Setorial* com a devida
consideração ao Princípio
da materialidade de
uma das seguintes
formas: (a) respondendo
ao indicador ou (b)
explicando o motivo da
omissão.
Co m V e ri fic aç ão E x t e r na
Indicadores de
Desempenho da
G3 & Indicadores
de Desempenho
do Suplemento
Setorial
3.1 a 3.8, 3.10 a 3.12;
Não Exigido
A
1.2;
Co m V e ri fic aç ão E x t e r na
Resultado
2.1 a 2.10;
Resultado
Informações
sobre a Forma
de Gestão da G3
B+
Responder a todos os
critérios elencados
para o Nível C mais:
1.1;
Perfil da G3
B
Co m V e ri fic aç ão E x t e r na
C
2
* Suplemento Setorial em sua versão final
Perfil do Relatório
3.1. Período coberto pelo relatório
3.2. Data do relatório anterior mais
recente
2
100
3.3. Ciclo de emissão de relatórios
2
3.4. Dados para contato
2
Escopo e Limite do Relatório
3.5. Processo para a definição do
conteúdo do relatório
100
3.6. Limite do relatório
100
3.7. Limitações quanto ao escopo ou
ao limite do relatório
100
101
3.8. Base para a elaboração do
relatório
100
3.10. Conseqüências de reformulações
de informações
100
3.11. Mudanças significativas em
comparação com anos anteriores
100
Sumário de Conteúdo da GRI
3.12. Tabela que identifica a
localização das informações.
2.2. Principais marcas, produtos e/ou
serviços
2.6. Tipo e natureza jurídica da
propriedade
CONteúdo
do relatório
5
Perfil organizacional
2.5. Número de países e nome dos
relevantes para a sustentabilidade
Resultado
100
101 a 104
Verificação
3.13. Política e prática
atual de verificação
externa para o relatório.
A auditoria se limitou às
Demonstrações Financeiras
do Instituto Wal-Mart.
Governança, Compromissos e Engajamento
Governança
4.1. Estrutura de governança da
organização.
22
e http://investor.
walmartstores.
com
4.2. Indicação caso o presidente
do mais alto órgão de governança
também seja um diretor executivo.
http://investor.
walmartstores.
com
4.3. Declaração do número de
membros independentes ou nãoexecutivos do mais alto órgão de
governança.
http://investor.
walmartstores.
com
4.4. Mecanismos para que acionistas
e empregados façam recomendações
ao mais alto órgão de governança.
22 e 40
4.8. Declarações de missão e valores,
códigos de conduta e princípios
internos relevantes.
22 a 24
Compromissos com Iniciativas Externas
4.12. Cartas, princípios ou outras
iniciativas que a organização
subscreve.
24 e 39
Engajamento dos Stakeholders
4.14. Relação de grupos de stakeholders
engajados pela organização.
34
4.15. Base para a identificação e
seleção de stakeholders.
34
102
CONTEÚDO GRI
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
INDICADORES
de desempenho
PÁG.
Desempenho AMBIENTAL
Desempenho EConômico
EC1. Valor econômico direto
gerado e distribuído.
EC2. Implicações financeiras,
riscos e oportunidades devido a
mudanças climáticas.
EC3. Cobertura das obrigações
do plano de pensão de
benefício.
EC4. Ajuda financeira
significativa recebida do
governo.
29
EN12. Descrição de impactos
significativos na biodiversidade.
Materiais
O levantamento se limita
aos principais materiais
consumidos na operação:
73 e 74
EN1. Materiais usados.
O Wal-Mart
não oferece
suplementação de
aposentadoria a
seus funcionários.
O Wal-Mart não
sistematiza este
indicador.
Embalagens: bandejas de
isopor (800 ton); bobinas
strech (600 ton); filme de PVC
(805 ton); papel utilizado nos
escritórios (300 ton); sacolas
plásticas (3,8 mil ton).
EN2. Percentual dos
materiais usados
provenientes de
reciclagem.
69
Papel para impressão:
300 ton
Energia
Consumo total:
3.397.802,22 GJ
Presença no Mercado
31, 52 e 53
EC6. Políticas, práticas
e gastos com
fornecedores locais.
Varejo: foram
considerados
regionais os
contratos que
não abrangem os
três escritórios de
compras.
Atacado: limitase à bandeira de
presença nacional
(SAM’S CLUB).
EC7. Procedimentos para
contratação local e proporção
de membros de alta gerência
recrutados na comunidade
local.
O Wal-Mart não
sistematiza este
indicador.
Impactos Econômicos Indiretos
EC8. Investimentos em
infra-estrutura e serviços.
Principais fontes:
eletricidade ­– 80,02%
EN3. Consumo
de energia direta.
Gás Liquefeito de
Petróleo (GLP) – 14,18%
Outras fontes: diesel,
gás natural, óleo
combustível – 5,80%
EN4. Consumo
de energia indireta.
O Wal-Mart não sistematiza
este indicador.
Água
Consumo total:
1,9 milhão m3
EN8. Total de
retirada de água.
Fontes: 54,2% proveniente
de abastecimento municipal
ou de outras fontes de
abastecimento e 45,8% de
água subterrânea.
Biodiversidade
R$ 11,5 milhões em
obras realizadas na
região de instalação
das novas lojas.
EN11. Área dentro de áreas
protegidas, ou adjacente a
elas, e áreas de alto índice de
biodiversidade fora das áreas
protegidas.
O Wal-Mart
não sistematiza
este indicador.
Emprego
Emissões, Efluentes e Resíduos
EN16. Total de emissões diretas e
indiretas de gases causadores do
efeito estufa.
75
EN17. Outras emissões indiretas
relevantes de gases causadores
do efeito estufa.
75
EN19. Emissões de substâncias
destruidoras da camada de
ozônio.
O Wal-Mart
não sistematiza
este indicador.
EN 20. NOx, SOx e outras
emissões atmosféricas
significativas.
Não há emissões
significativas.
EN21. Descarte total de água, por
qualidade e destinação.
Não há descartes
fora da rede de
coleta de esgoto.
EN22. Peso total de resíduos, por
tipo e método de disposição.
70 a 72
EN23. Número e volume total de
derramamentos significativos.
Não foram
registradas
ocorrências.
Produtos e Serviços
EN26. Iniciativas para mitigar
os impactos ambientais de
produtos e serviços.
EN27. Percentual de produtos e
suas embalagens recuperados
em relação ao total de produtos
vendidos.
66 a 75
EN28. Multas significativas
e número total de sanções
não-monetárias resultantes da
não conformidade com leis e
regulamentos ambientais.
LA1. Total de trabalhadores
por tipo de emprego, contrato
de trabalho e região.
LA2. Número total e taxa de
rotatividade de empregados.
29
Obs.: Os contratos
de meio período
correspondem a 6,7%.
O Wal-Mart não
sistematiza este
indicador.
Relações entre os Trabalhadores e a Governança
LA4. Percentual de empregados
abrangidos por acordos de
negociação coletiva.
LA5. Prazo mínimo para
notificação de mudanças
operacionais.
100% dos funcionários
Não há prazo mínimo
estabelecido.
Segurança e Saúde no Trabalho
LA7. Taxas de lesões, doenças
ocupacionais, dias perdidos,
absenteísmo e óbitos.
Não foram registrados
óbitos relacionados a
acidentes típicos, mas
casos de morte em
acidentes de trajeto.
LA8. Programas de educação,
treinamento, aconselhamento,
prevenção e controle de
risco para empregados, seus
familiares ou membros da
comunidade com relação a
doenças graves.
O Wal-Mart não
sistematiza este
indicador.
Treinamento e Educação
Como atividade de
varejo, o Wal-Mart
não promove a
recuperação das
embalagens.
LA10. Média de horas de
treinamento.
36 e 37
Diversidade e Igualdade de Oportunidades
LA13 .Composição dos
grupos responsáveis pela
governança corporativa e dos
demais empregados.
Conformidade
O Wal-Mart
não sistematiza
este indicador.
Desempenho Social
Práticas Trabalhistas e Trabalho Decente
Não houve multas
significativas no
período.
LA14. Proporção de
salário-base entre
homens e mulheres.
38 e 39
Os salários-base são
definidos de acordo com a
categoria, sem influência do
gênero do funcionário.
103
104
CONTEÚDO GRI
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
PÁG.
Desempenho Social
Direitos Humanos
SO4. Medidas tomadas em
resposta a casos de corrupção.
Práticas de Investimento e de Processo de Compra
HR1. Contratos de
investimentos significativos
com cláusulas referentes a
direitos humanos.
Não foram registrados
casos de corrupção.
Políticas Públicas
O Wal-Mart não
celebrou contratos
de investimento no
período relatado.
SO5. Participação na
elaboração de políticas
públicas e lobbies.
24
Conformidade
HR2. Empresas contratadas
e fornecedores críticos
submetidos a avaliações
referentes a direitos humanos.
55
Não-discriminação
O Wal-Mart não
sistematiza este
indicador.
HR4. Número total de casos de
discriminação.
SO8. Multas e sanções nãomonetárias resultantes da
não-conformidade com leis e
regulamentos.
Não houve multas ou
sanções significativas
no período.
Desempenho Social
Responsabilidade pelo produto
Saúde e Segurança do Cliente
Liberdade de associação e negociação coletiva
HR5. Operações em que o
direito de exercer a liberdade
de associação e a negociação
coletiva pode estar em risco.
O direito à associação
é assegurado em todas
as unidades.
PR1. Avaliação dos impactos
na saúde e segurança no ciclo
de vida de produtos e serviços.
Trabalho Infantil
HR6. Risco de ocorrência de
trabalho infantil.
Não foi identificada
nenhuma operação.
HR7. Risco de ocorrência de
trabalho forçado ou análogo
ao escravo.
Comunicação e Marketing
PR5. Práticas relacionadas à
satisfação do cliente, incluindo
resultados de pesquisas que
medem essa satisfação.
Comunidade
61
Corrupção
SO2. Unidades submetidas
a avaliações de riscos de
corrupção.
SO3. Empregados treinados
nas políticas e procedimentos
anticorrupção.
Todos os previstos
por lei.
55
Desempenho Social
Sociedade
SO1. Programas e práticas para
avaliar e gerir os impactos das
operações nas comunidades.
Rotulagem de produtos e serviços
PR3. Procedimentos de
rotulagem.
Trabalho Forçado ou Análogo ao Escravo
100% dos produtos
manipulados
pelas lojas são
avaliados em todo
o ciclo de vida até
o fornecimento ao
consumidor.
PR6. Adesão às leis, normas
e códigos voluntários
de marketing, incluindo
publicidade, promoção e
patrocínio.
47
Relatório de Sustentabilidade Wal-Mart bRASIL 2008
50
24
PR9. Multas por nãoconformidade com leis e
regulamentos relativos
ao fornecimento e uso de
produtos e serviços.
Exercício 2007
Coordenação
Equipe de Assuntos Corporativos
do Wal-Mart Brasil
Compliance
24
Expediente
Não houve multas ou
sanções significativas
no período.
Redação e edição
Report Comunicação
Revisão
Assertiva Produções Editoriais
Projeto gráfico
Márcio Penna
Fotos
Fabricio Barreto , Eugênio Goulart, Kraw Penas
e Paulo Vitale
Diagramação e produção gráfica
Estúdio Cachola
Impressão
Ipsis Gráfica e Editora
Fotos dos Projetos do Instituto
Fabricio Barreto, Sergio Barzaghi, Léo Caldas,
Mateus Sá, Shirley Stolze e Paulo Vitale
Tiragem
6.000 exemplares
Papel
Reciclato Suzano: capa 240 g/mm2 - miolo 90 g/mm2
105
106
CONTEÚDO GRI
r el ató r i o d e sus t en tab i l i dad e wal- mart b r a s i l
Organizações beneficiadas pelo Wal-Mart BRASIL
107
Dispensário Santana • Educandário Dom Duarte • Educandário São Domingos • EE Dr. Benedito de Lima Tucunduva • FEEB • FIA
– Fundação para Infância e Adolescência • Fraternidade Irmã Clara • Fundação Abrinq • Fundação Ana Nery • Fundação Caxias •
Fundação dos Bancos Sociais do RS
•
Fundação Dr. Baldoino Lopes de Azevedo
•
Fundação Francisca Franco – Casa Abrigo
Semeia • Fundação Gol de Letra • Fundação Instituto São Geraldo • Fundação Julita • Fundação Lar Feliz • Fundação Lar Harmonia
•
Fundação Nossa Senhora da Paz • Fundação O Pão dos Pobres de Santo Antônio • Fundação Odebrecht • Fundação Pequeno
Príncipe • Fundação Sementes de Vida • FUNDHAS
•
Fundo Social Barueri
•
GAAC – Grupo de Apoio à Criança com Câncer
•
GAMBA – Grupo Ambientalista da Bahia • Gotas de Flor com Amor – Abrigo Gráfica e Editora Esperança • Grupo Amigos da Vida •
Abrigo Coração de Maria • ABADEF – Associação Bahiana dos Deficientes Físicos • Abrigo Ipiranga • Sociedade Beneficente São
Grupo da Fraternidade Leopoldo Machado • Grupo da Melhor Idade Flor do Carmelo • Grupo de Apoio à Criança Carente com
Camilo • Abrigo São Francisco • Abrigo Sol e Vida – Centro de Orientação à Família • AC Suzano • Ação Comunitária Todos Irmãos
Câncer • Grupo Escoteiro de Mar João das Botas • Grupo Espírita Bezerra de Menezes • Grupo Espírita Deus, Cristo e Caridade •
• Ação Paroquial de Assistência • Ação Social São Mateus • ACM – Itaquera • ACM – Jabaquara • ADEVIS • ADPD – Associação da
Grupo Sementes do Amanhã • Grupo Vida Residência • Hospital Aristidez Maltez • Hospital Darcy Vargas • Hospital do Câncer de
Pessoa Deficiente de Guarulhos • ADRA – RS • AEB – Centro de Orientação e Apoio Sócio–Familiar • Albergue Bezerra de Menezes
Pernambuco • Hospital Erasto Gaertner • Hospital Martagão Gesteira • IBIT – Fundação José Silveira • IDAM • INAMAR • INAMEX •
• Albergue Cireneu – Associação Espírita Medianeiros do Amor • Albergue Travessia – Lar do Alvorecer Cristão • Aldeia do Futuro
Inst. Cruz do Trabalhador • Inst. Juventude Amanhã • Inst. Pró Cidadania Curitiba • Inst. Santa Terezinha • Inst. Sítio Agar • Inst. Social
•
Aliança Empreendedora
•
Amar – Sociedade de Estudos Espíritas
•
AMBA
APADA–SE – Associação de Pais e Amigos dos
•
Kolping • Instituição Assistencial Beneficente Conceição Macedo • Instituição Beneficente Israelita Ten Yad • Instituição Casa de
Deficientes Auditivos de Sergipe • Apae – Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais • Apoio Associação de Auxilio Mútuo da
Apoio – Barueri
Região Leste • Arca do Brasil • Arsenal da Esperança • Associação Internacional para o Desenvolvimento ASSINDES SP Arte que
Bernardo do Campo • Instituição Razão de Viver • Instituto Akatu • Instituto Aliança com o Adolescente • Instituto Betel Brasileiro •
Liberta • ARTESOL – Artesanato Solidário • Asilo Dom Bosco • Asilo Padre Cacique • Asilo São Vicente de Paulo • Assoc. Aliança
Instituto Boracéia
Empreendedora • Assoc. de Empreendedores Zumbi dos Palmares • Associação Comunitária Brilho Celeste • Associação Cristã
Educacional Santa Terezinha • Instituto de Cegos da Bahia • Instituto de Desenvolvimento Social e Cultural • Instituto do Câncer
•
Instituição Fraternal A Redentora
•
Instituto Cireneu
•
•
Instituição GOAS Centro de Recuperação
Instituto da Criança com Diabetes
•
Instituto da Família
•
•
Instituição Lírio Branco – São
Instituto de Assistência Social e
Verdade e Luz • Associação da Graça – Sorocaba • Associação das Damas de Caridade de São Vicente de Paula • Associação de
Infantil • Instituto Dom Bosco – Bom Retiro • Instituto Espírita Semeadores • Instituto Ethos • Instituto Helena Jambeiro • Instituto
Portadores de Charcot Marrie • Associação de Pacientes Transplantados da Bahia • Associação de Pais e Mestres da Comunidade
Irmãs Franciscanas • Instituto Lar Criar • Instituto Materno Infantil Professor Antônio Figueira • Instituto Movimento Cultural Canta
Saramandaia • Associação de Reciclagem Ecológica do Rubem Berta • Associação dos Recicladores da Zona Norte • Associação
Brasil • Instituto Paulo de Tarso • Instituto Qualidade no Ensino – IQE • Instituto Recriando • Instituto Rogacionista Aníbal Difrancia
e Lar Mãe Previdência • Associação Educativa e Cultural Didá • Associação Espírita Lar Transitório de Christie • Associação Mãos
• Instituto
Amigas da Reconciliação • Associação Maria Porta do Céu • Associação Mundaréu • Associação Pestalozzi de Maceió • Associação
João XXIII – Centro de Artes Arco–Íris • Junior Achievement PR • Junior Achievement RS • Junior Achievement São Paulo • Kinder
Repartir • Associação São Jorge Filhos da Goméia • Associação Somos Um em Cristo • Avante Educação de Mobilização • Banco
Centro de Integração da Criança Especial • Lar Amélia Rodrigues • Lar Amor ao Próximo • Lar Batista de Crianças • Lar da Criança
de Alimentos Madre Tereza de Calcutá
CAEC – Cooperativa de Agentes Ecológicos de
Menino Jesus • Lar da Criança Restaurar • Lar da Irmã Celeste • Lar de Assistência à Criança Joel Correia D’Ávila • Lar de Idosos
Canabrava Caminhando para o Futuro • CAMP SBC • CARE – Cooperativa de Agentes Autônomos de Reciclagem •CARIB – Centro
Crevin • Lar do Menor de Mauá • Lar dos Idosos Santo André • Lar dos Velhinhos • Lar Erasmo • Lar Esperança • Lar Infantil Cristo
•
Banco de Alimentos RS
•
CAASAH
•
San Martinn • Instituto Social das Medianeiras da Paz • Instituto Tempo Bougra • IVOMAX – Serviços Ambientais Ltda. •
de Adoção de Ribeirão Preto • Casa da Passagem • Casa de apoio à Criança com Câncer Durval Paiva • Casa de David – Tabernáculo
Redentor • Lar Irmão José • Lar Madre Benedita • Lar Plantio do Amor • Lar Santa Maria Lions • MACAM – Movimento Assistencial
Espírita para Excepcionais • Casa de Maria – Lar de Apoio • Casa de Passagem • Casa de Santa Maria • Casa Divina Providência
de Camaquã
Madre Tereza Michael • Casa do Caminho • Casa do Zezinho • Casa Dom Macário – Fundação Lar São Bento • Casa Dom Orione
Meninas de Rua – SBC • Mesa Brasil SESC – Alagoas • Mesa Brasil SESC – Bahia • Mesa Brasil SESC – Ceará • Mesa Brasil SESC –
•
Mais Social
•
Mansão do Caminho
Martagão Gesteira
•
Meninos e Meninas de Rua – Guarulhos
Goiás
Pernambuco • Mesa Brasil SESC – Piauí • Mesa Brasil SESC – Rio de Janeiro • Mesa Brasil SESC – Rio Grande do Norte • Mesa Brasil
•
CCP Henry Ford
•
CDO – Companhia de Obras do Brasil
•
CEBASP
•
CEI Casa Batista da
•
•
•
Mesa Brasil SESC – Paraíba
Meninos e
– Obras Sociais Nossa Senhora Achiropita • Casa dos Inocentes • Casa Espírita Manoel Philomeno de Miranda • Casa Mateus •
Castelinho
Mesa Brasil SESC – Minas Gerais
•
Casa Menina Mulher
•
Mesa Brasil SESC – Maranhão
•
•
Mesa Brasil SESC –
Amizade – Lar Batista de Crianças • CEI Estrela da Manhã • CEI João Bento de Carvalho • CEI Monsenhor Gerônimo Rodrigues •
SESC – São Paulo • Mesa Brasil SESC – Sergipe • Movimento Pró–Crianca • Museu da Pessoa • NACCI – Núcleo de Apoio a Criança
CEMPRE – Compromisso Empresarial para Reciclagem • Centro Comunitário Águia de Ouro • Centro Comunitário Batista Cleriston
com Câncer • Nossa Senhora da Luz • Núcleo Batuíra Serviço de Promoção à Família • Núcleo de Apoio à Pessoas com Câncer do
Andrade • Centro Comunitário e Creche Sinhazinha Meirelles • Centro Comunitário Santa Inês – CECOSI • Centro das Mulheres de
PR
Vitória de Santo Antão
Adolescente • Núcleo Socioeducativo Beija–Flor • Núcleo Socioeducativo Canarinho • Núcleo Socioeducativo Cor – Centro de
•
Centro de Apoio à Criança com Câncer
Atividades Especiais Lourdinha Vieira
Antonio Tozelli
•
•
•
Centro de Assistência Social Reino da Criança
CECOM – Centro de Convivência Otoniel Mota
Centro de Educação Infantil Construindo o Futuro
•
•
•
Centro de
Centro de Educação Infantil Cônego
Centro de Educação Infantil Pingo de Gente
•
Centro de
•
Núcleo Educacional – Santa Casa de Diadema
•
Núcleo Socioeducativo Alegria – Centro Comunitária da Criança e do
Orientação à Família • Núcleo Socioeducativo do Carmo – Província Carmelita de Santo Elias • Núcleo Socioeducativo Dom Bosco
Vila Paulistana – Instituto Dom Bosco • Núcleo Socioeducativo Heliópolis • Núcleo Socioeducativo João Paulo I – Centro Comunitário
Educação Infantil Regina Angelorum • Centro de Educação Infantil Santo Agostinho • Centro de Educação Infantil Santo Expedito •
João Paulo I
Centro de Educação Infantil Vila Leopoldina
Centro de Promoção
Auxílio Fraterno • Obra Social Dom Bosco – Contagem • Obra Social Dom Bosco – São Paulo • Obra Social São Francisco Xavier •
Social Bororé • Centro de Reabilitação Especial do Recife • Centro de Reabilitação Sabará • Centro de Reintegração da Mulher •
Obras Sociais Maria Madalena • Obras Sociais Nossa Senhora de Nazaré • Obras Sociais São Francisco • Oficina de Gente • ONG
Centro de Voluntários do Recife
Centro Espírita
Amigos do Bairro Glória • ONG Estação Esperança • ONG Vozes da Capela • ONG Vozes da Verdade • Orfanato D. Nice • Orfanato
Cavalheiros da Luz • Centro Espírita Deus, Amor e Justiça • Centro Espírita Deus, Luz e Verdade • Centro Espírita Irmã de Nice •
Dom Ulrico • Orfanato S Judas • Organização Atitude • Organização Comunitária Yaya • OSID – Obras Sociais Irmã Dulce • PANGEA
•
•
Centro de Estudos Espíritas Francisco Candido de Xavier
Centro Educacional Catarina Kentenich
•
•
Centro Educacional Palmeiras
•
•
Núcleo Socioeducativo Mina – Unas
•
Núcleo Socioeducativo Parque Belém
•
NURAP
•
OAF – Organização do
Parceiros Voluntários Caxias do Sul • Parceiros Voluntários Porto Alegre • Paróquia Nossa Senhora da Luz • Paróquia Nossa
Centro Espírita Irmãos do Caminho • Centro Espírita Mensageiro do Pai Eterno • Centro Espírita Paulo e Estevão • Centro Integrado
•
de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável
Senhora do Bom Parto • Paróquia Nossa Senhora do Caravaggio • Paróquia Santo Antônio – Barueri • Paróquia São José de Amaralina
•
Centro Nordestino de Medicina Popular
•
Centro Social Lauzane
Paulista • Centro Social Marista • Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto • Centro Social São José • Centro Social São José •
• Pastoral
CEPAE – Centro de Profissionalização e de Apoio ao Emprego • CEPIM Taboão da Serra • CFP São Lucas • Cidade da Luz • Cidade
Autonomia e Solidariedade • Projeto Mingau do Menino • Projeto Oficina • Projeto PIVI • Projeto Quixote • Projeto Sol • Projeto Vida
Escola Aprendiz • Cirandando Brasil • Clube da Turma • Clube de Mães Tardes Felizes • Colméia – Instituição à Serviço da Juventude
• Projeto
•
Comitê de Ação e Cidadania Contra a Fome e a Miséria • Companhia de Teatro da Bahia • Comunidade do Areião de Itapevi •
da Criança de Maceió • Pousada e abrigo Filhos de Deus • Prato Amigo • Proj. Pia • Proj. Social Onda de Amor • Projeto
Vinde a Mim • Pro–Recife • Recanto do Idoso Nosso Lar • Recanto Infantil Daniela Pereira Cavalcante • Rotary • Sacro
Sodalício da Família • Santos Mártires – RAC • Serviço Social e Promocional São Paulo da Cruz • Sítio Agar • SOABEM • Sociedade
Creche Arquinha e Projeto Cara Nova (Núcleo
Espírita Alan Kardec • Sociedade Amigos de Capuava • Sociedade Beneficente Caminhando para o Futuro • Sociedade Caritas de
Socioeducativo) • Creche Bela Vista – Associação Santo Agostinho • Creche Caramuru • Creche Catarina • Labouré • Creche e NSE
Jandira • Sociedade Eunice Weaver • Sociedade Pestalozzi da Bahia • SOS Canto da Criança • SOS Crianças • SOS Vida • SPAAN •
São Francisco de Assis • Creche Iêda Barradas • Creche Irmã Margarida •Creche Mãezinha do Céu • Creche Maria Goreti • Creche
Teatro XVIII
Pai Tomás • Creche São Francisco – Rio de Janeiro • CVV – Programa de Valorização da Vida • Desafio Jovem Peniel • Diaconias •
Fabiano de Cristo
Comunidade Nossa Senhora do Ó
•
Costurart – Cooperativa Arte e Gênero
•
•
UNICEF
•
•
Unidade de Oncohematologia Pediátrica Erik Loeff
Vale da Benção – Abrigo
•
Vale do Mundaú
•
•
Unidade de Promoção Integral de Tiradentes –Lar
Vila Criar
•
Vivenda da Criança
•
Vozes da Capela
EXERCÍCIO 2007
RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008
RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008
EXERCÍCIO 2007

Documentos relacionados