MINUTA DE RESOLUÇÃO, DE 14 DE OUTUBRO DE 2011. O

Сomentários

Transcrição

MINUTA DE RESOLUÇÃO, DE 14 DE OUTUBRO DE 2011. O
MINUTA DE RESOLUÇÃO, DE 14 DE OUTUBRO DE 2011.
O PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO da
Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais e
considerando o contido no Processo nº 23104.010662/2009-71, resolve, ad referendum:
Art. 1º Aprovar o Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação
– Bacharelado do Câmpus de Ponta Porã da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso
do Sul, criado pela Resolução nº 49, Coun, de 25 de agosto de 2009.
Art. 2º O referido Curso, em respeito às normas superiores pertinentes à
integralização curricular, obedecerá aos seguintes indicativos:
I - tempo útil:
a) tempo útil CNE: 3.000 horas; e
b) tempo útil UFMS: 3.003 horas.
II – número de anos/semestres:
a) mínimo CNE: 4 anos;
b) mínimo UFMS: 8 semestres;
c) máximo CNE: não definido; e
d) máximo UFMS: 12 semestres.
III – turno de funcionamento: manhã e tarde.
Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, a partir do ano letivo de 2012, para todos os acadêmicos matriculados no Curso de Ciência da Computação –
Bacharelado/CPPP.
HENRIQUE MONGELLI
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
CEP 79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
1 INTRODUÇÃO
1.1 HISTÓRICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL
A Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) teve sua origem em 1962, com a criação
da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Campo Grande, que seria o embrião do ensino superior público no
sul do então Estado de Mato Grosso.
Em 26 de julho de 1966, pela Lei Estadual nº 2.620, esses cursos foram absorvidos com a criação do Instituto
de Ciências Biológicas de Campo Grande (ICBCG), que reformulou a estrutura anterior, instituiu departamentos
e criou o primeiro curso de Medicina.
No ano de 1967, o Governo do Estado, criou em Corumbá o Instituto Superior de Pedagogia e, em Três Lagoas, o Instituto de Ciências Humanas e Letras, ampliando assim a rede pública estadual de ensino superior. Integrando os Institutos de Campo Grande, Corumbá e Três Lagoas, a Lei Estadual nº 2.947, de 16 de setembro de
1969, criou a Universidade Estadual de Mato Grosso (UEMT). Em 1970, foram criados e incorporados a UEMT, os Centros Pedagógicos de Aquidauana e Dourados.
Com a divisão do Estado de Mato Grosso, a UEMT foi federalizada pela Lei Federal nº 6.674, de 05 de julho
de 1979, passando a denominar-se Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). O então
Centro Pedagógico de Rondonópolis, sediado em Rondonópolis/MT, passou a integrar a Universidade Federal de
Mato Grosso (UFMT).
Além da sede na Cidade Universitária de Campo Grande, em que funcionam oito unidades setoriais: Centro
de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), Centro de Ciências Exatas e Tecnologia (CCET), Centro de Ciências
Humanas e Sociais (CCHS), Faculdade de Medicina (FAMED), Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
(FAMEZ), Faculdade de Odontologia (FAODO), Faculdade de Direito (FADIR), e Faculdade de Computação
(FACOM); a UFMS mantém unidades setoriais nas cidades de Aquidauana (CPAQ), Bonito (CPBO), Chapadão
do Sul (CPCS), Corumbá (CPAN), Coxim (CPCX), Naviraí (CPNV), Nova Andradina (CPNA), Paranaíba
(CPAR), Ponta Porã (CPPP) e Três Lagoas (CPTL), descentralizando o ensino para atender aos principais pólos
de desenvolvimento do Estado.
A UFMS possui cursos de graduação e pós-graduação, presenciais e a distância. Os cursos de pós-graduação
englobam as especializações e os programas de mestrado e doutorado.
Visando atingir os objetivos essenciais de aprimoramento do ensino e estímulo às atividades de pesquisa e de
extensão, a UFMS vem participando ativamente da preservação dos recursos naturais do meio ambiente de Mato
Grosso do Sul, especialmente da fauna e flora do Pantanal, região onde está inserida.
1.2 HISTÓRICO DO CÂMPUS DE PONTA PORÃ
Nesta seção descreveremos o Câmpus de Ponta Porã a partir do contexto social, econômico e cultural onde o
mesmo está inserido. O município de Ponta Porã foi criado pela Lei Nº 617, de 18 de julho de 1912. Em 1915 o
Governador do Estado de Mato Grosso, Caetano de Albuquerque elevou o município à categoria de comarca.
Em 1943, o Presidente Getúlio Vargas criou o Território Federal de Ponta Porã, tendo como capital a cidade de
Ponta Porã. Em 1946 este território foi extinto. Em 1977, criou-se o estado de Mato Grosso do Sul, do qual Ponta Porã faz parte atualmente.
Ponta Porã está localizada ao sul do estado de Mato Grosso do Sul, na região Centro-Oeste do país. O município constitui uma conurbação internacional com Pedro Juan Caballero, capital do departamento de Amambay,
no Paraguai. Ponta Porã dista 350 quilômetros da cidade de Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul. A
cidade está ligada por meio de rodovia federal, que também dá acesso aos estados de São Paulo, Paraná, Santa
Catarina e Mato Grosso.
Ponta Porã possui área territorial de 5.328,621 km² e um crescimento anual de 2,02% , de acordo com os dados da Prefeitura Municipal. A população é de 75.941 (IBGE, 2009), dos quais 89% moram na zona urbana e
11% na zona rural. Tem como principais atividades econômicas pecuária, agricultura e extração de madeiras. O
potencial de consumo em 2005 era de 0,03%. A cidade não possui um polo industrial, mas vem buscando consolidar o seu perfil de produção, atraindo indústrias de transformação para agregar valor à economia local. A Prefeitura criou um programa que oferece incentivos aos investidores que operem no município, na tentativa de gerar novas fontes de renda e oportunidades de trabalho. Espera-se, nos próximos anos, um avanço na economia
local, estimulado pelos assentamentos recém-concluídos pela prefeitura da cidade. O município possui uma intensa atividade de comércio, não só com os municípios vizinhos, mas também com outros estados do país e com
países fronteiriços, especialmente Paraguai e Bolívia. Aliado a isso, Ponta Porã é uma cidade que recebe muitos
turistas, possui uma boa rede hoteleira e conta com meios de transporte rodoviário, ferroviário e aéreo, integranCoordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
2
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
do a cidade aos demais estados brasileiros e aos países vizinhos, Bolívia e Paraguai. O município de Ponta Porã
vem focando a interação entre a população local e os seus visitantes, tendo como objetivo central, a expansão do
turismo na fronteira.
Na Educação Básica, conforme dados do IBGE, Ponta Porã possui 44 escolas de ensino fundamental, 13 escolas de ensino médio. O município conta com duas universidades, a Universidade Estadual de Mato Grosso do
Sul e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e mais quatro faculdades: Faculdade de Educação, Ciências e
Letras de Ponta Porã; Faculdades Integradas de Ponta Porã; Faculdade de Ponta Porã e Faculdade Anhanguera
de Ponta Porã.
A Universidade Federal de Mato Grosso do Sul implantou, em 2008 através da Resolução COUN nº 88 de 28
de outubro de 2008, o Câmpus de Ponta Porã (CPPP). O CPPP é fruto da expansão da oferta do ensino superior
promovida pelo REUNI, que é o Programa de Apoio a Planos de Expansão e Reestruturação das Universidades
Federais. O REUNI foi instituído pelo governo federal através do Decreto nº. 6.096, de 24 de abril de 2007. Neste decreto, define-se como um dos objetivos do REUNI "dotar as universidades federais das condições necessárias para ampliação do acesso e permanência na educação superior". O Câmpus começou suas atividades no
início de 2009, com os cursos de Bacharelado em Sistemas de Informação e Licenciatura em Matemática. As
provas do primeiro Processo Seletivo (Concurso Vestibular) foram aplicadas nos dias 30 de novembro e 01 de
dezembro de 2008. Foram 297 inscritos para as 120 vagas oferecidas nestes dois cursos, totalizando uma média
de 2,77 candidatos por vaga. O Curso de Ciência da Computação iniciou-se em março de 2010 e é o único curso
de Bacharelado em Ciência da Computação do município de Ponta Porã. Assim, pode-se dizer que o CPPP é um
Câmpus novo, que ainda está se estabelecendo na cidade e cuja infra-estrutura está em fase de implantação. O
CPPP conta com 14 docentes, todos mestres ou doutores, 93% destes com formação em alguma subárea das ciências exatas.
1.3 HISTÓRICO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO
O curso de Bacharelado em Ciência da Computação do CPPP foi criado dentro do Programa de Reestruturação e
Expansão das Universidades Federais (REUNI/UFMS) e foi aprovado e implantado de acordo com a Resolução
COUN nº 49, de 25 de agosto de 2009. O primeiro Processo Seletivo (Concurso Vestibular) para ingresso no
curso de Ciência da Computação do CPPP se constituiu de duas etapas: a primeira delas foi a prova do ENEM
2009, que ocorreu nos dias 03 e 04 de outubro; a segunda etapa foi uma prova aplicada pela Comissão Permanente de Vestibular (COPEVE) no dia 11 de dezembro de 2009. Neste processo seletivo, foram aprovados 15 alunos que são a primeira turma do curso. Em 2011, no processo seletivo resultante da prova ENEM 2010 foram aprovados 28 (vinte e oito) alunos para o primeiro semestre. A data da matrícula foi em 27/01/2011,
a partir desta data foram realizadas outras 6(seis) chamadas. Para o segundo semestre, através do SISU,
ingressaram mais 8 (oito) alunos no curso. Data de matrícula em 27/06/2011 com outras 4 (quatro) chamadas. Atualmente o curso possui 48 (quarenta e oito) alunos regularmente matriculados.
1.4 NECESSIDADE SOCIAL DO CURSO
A presença de instituições de Ensino Superior em qualquer região é elemento fundamental de desenvolvimento econômico e social, bem como de melhoria da qualidade de vida da população, uma vez que proporciona
o aproveitamento das potencialidades locais. Da mesma forma, os municípios que possuem representações de
universidades estão permanentemente desfrutando de um acentuado processo de transformação econômica e cultural. Isto é propiciado por parcerias firmadas entre essas instituições e as comunidades em que estão inseridas,
fomentando a troca de informações e as interações científicas, tecnológicas e intelectuais.
A região na qual o CPPP está inserido tem como principais atividades econômicas a agricultura, a pecuária e
a extração de madeira. Durante muitos anos, a região enfrentou um processo de estagnação econômica. Com a
implantação de uma nova universidade federal na região, os setores produtivo, educacional e de desenvolvimento tem perspectivas mais favoráveis, uma vez que a educação viabiliza o desenvolvimento regional.
Uma das principais alavancas para o desenvolvimento da sociedade no último século foi o advento da Ciência da Computação. Apesar disto, seu conceito é ignorado por muitas pessoas. A palavra “computação” é a raiz
de tudo nesta ciência. Computar é manipular informações e obter resultados úteis. A Ciência da Computação engloba tudo o que se refere à computação, desde suas definições teóricas até suas aplicações práticas: o que é informação, o quanto de informação pode-se guardar; como transmiti-la, armazená-la, organizá-la, mostrá-la; coCoordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
3
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
mo construir uma máquina capaz de fazer tudo isso mais rapidamente que um humano, entre outras questões. Os
meios acadêmicos desta ciência se concentram em evoluir as técnicas e os conhecimentos, enquanto os meios
comerciais transformam o esforço acadêmico em sistemas com algum valor para o público. Este conceito torna a
Ciência da Computação quase tão importante quanto a própria informação. Não seríamos uma sociedade sem
manipulá-la. E não seríamos uma sociedade avançada se a manipulássemos da forma ineficiente que existia antes
da Ciência da Computação ser formalizada. Esta é a grande importância dessa ciência: avançar nossas técnicas
para computar. Há cem anos, obter informação manualmente dos dados de um censo populacional era um grande
esforço, enquanto hoje se resume a esperar alguns segundos após um clique de mouse. Essa tarefa e muitas outras são computação. O cientista da computação tem na sociedade o papel de contribuir para o avanço da computação, de forma teórica e/ou prática. Esses avanços podem ser aplicados em qualquer área do conhecimento humano em que seja possível definir métodos de resolução de problemas baseados em repetições previamente observadas. A ampla gama de áreas do conhecimento onde o cientista da computação pode trabalhar cria uma enorme demanda por profissionais desta área. Demanda esta que, atualmente, o país não é capaz de suprir.
Considerando particularmente a cidade de Ponta Porã, neste momento, a UFMS oferece o único curso de Ciência da Computação da cidade. E, portanto, contribui de forma relevante para diminuir a carência por profissionais da área na cidade e seu entorno. O curso de Ciência da Computação permite a formação de profissionais capazes de trabalhar em empresas privadas que se utilizam do computador para a melhoria do seu processo. Estes
profissionais podem colaborar com o desenvolvimento do comércio e das indústrias da região. Além disso, um
bom curso de Ciência da Computação, capaz de formar indivíduos com competência para realizar pós-graduação
em centros de excelência no país e com habilidade para desenvolver trabalhos de pesquisa, ensino e extensão
junto às universidades públicas e privadas existentes no Mato Grosso do Sul e em outros estados, pode favorecer
o surgimento de um polo tecnológico na cidade, favorecendo o desenvolvimento desta região de fronteira.
2. ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO
2.1 COORDENAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO
De acordo com o Art. 62 do Estatuto da UFMS, aprovado pela Portaria MEC nº 1.686, de 03 de julho de
2003, publicada no Diário Oficial da União (DOU), de 07 de julho de 2003, e divulgado à comunidade universitária pela Resolução COUN nº 31, de 19 de agosto de 2003, a Coordenação de Curso do Curso de Graduação é
exercida em dois níveis, como segue.
- Em nível deliberativo, pelo Colegiado de Curso.
- Em nível executivo, pelo Coordenador de Curso.
De acordo com o Art. 26 do Regimento Geral da UFMS, aprovado pela Resolução COUN nº 55*, de 30 de
agosto de 2004, o Colegiado de Curso é definido como unidade didático-científica, responsável pela supervisão
das atividades didáticas do curso, pela orientação aos acadêmicos, com vistas a sua efetiva integração no âmbito
comunitário e do desempenho de cada um deles, no cumprimento de suas obrigações. O Art. 27 ratifica o mesmo
conteúdo.
Sobre o Coordenador de Curso, de acordo com o Art. 29, do Regimento Geral da UFMS, ele é escolhido em
votação direta por professores e alunos do curso e designado pelo Reitor. O Art. 31 desse mesmo regimento relaciona as seguintes competências do Coordenador de Curso.
I - Presidir o Colegiado de Curso, com direito do voto comum, além do voto de qualidade.
II - Elaborar os estudos necessários a compatibilização dos programas, cargas-horárias e planos de ensino das
disciplinas componentes da estrutura curricular, com o perfil do profissional objetivado, de acordo com o projeto
pedagógico do curso.
III - Encaminhar, aos Departamentos que oferecem disciplinas ao curso, as normas e diretrizes do Colegiado
de Curso a serem definidas, com respeito à coordenação didática do curso.
IV - Acompanhar a execução do currículo quanto às diretrizes do Colegiado de Curso e objetivos do curso,
avaliando e verificando as relações entre as diversas disciplinas, orientando e propondo aos Chefes dos Departamentos e outros órgãos de coordenação e ensino, as medidas cabíveis.
V - Orientar os discentes quanto aos direitos e deveres dos acadêmicos, tais como adaptação curricular, trancamento, de matrícula, opções, dispensa de disciplinas e outros.
VI - Participar, junto à Pró-Reitoria competente, da elaboração da programação acadêmica, do calendário escolar e do horário das aulas, compatibilizando-os com a lista de oferta de disciplinas.
VI - Acompanhar a execução das normas e procedimentos referentes ao aproveitamento escolar, emitindo parecer ao colegiado quanto aos respectivos resultados.
VII - Assessorar os órgãos competentes em assuntos de administração acadêmica, referentes ao curso.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
4
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
VIII - Coordenar a matrícula dos alunos de seu curso, no âmbito do Centro ou do Câmpus, em colaboração
com o órgão responsável pela matrícula.
IX - Assessorar os Chefes dos Departamentos que oferecem disciplinas ao curso, bem como os respectivos
professores, na execução das diretrizes e normas emitidas pelo Colegiado de Curso.
X - Executar mecanismos de aferição do rendimento escolar, estabelecidos pelo Colegiado de Curso em conformidade com normas da Pró-Reitoria competente e do Órgão Colegiado Superior.
XI - Coordenar a elaboração do projeto pedagógico do Curso, bem como a sua atualização, garantindo envolvimento dos docentes, discentes, egressos do curso e, ainda, das entidades ligadas às atividades profissionais.
XII - Apresentar sugestões às Pró-Reitorias pertinentes à área acadêmica sobre assuntos de sua natureza que
tenham por finalidade a melhoria da qualidade do ensino, das relações entre as comunidades envolvidas, do aprimoramento das normas e outras de interesse comum.
XIII - Analisar os projetos de ensino de acordo com as normas pertinentes, aprovadas pelo órgão Colegiado
Superior competente.
Ainda no artigo 31, o parágrafo único determina que, dos atos do Coordenador de Curso de Graduação, cabe
recurso ao Colegiado de Curso, no prazo de dez dias a contar da comunicação do ato.
Vale lembrar que, para realizar suas atividades, o Coordenador de Curso do Curso de Ciência da Computação
do CPPP conta com o apoio dos funcionários do corpo técnico-administrativo do CPPP, são eles 02 (dois) assistentes em administração, 01 (um) bibliotecário, 01 (um) Técnico em Assuntos Educacionais, 01 (um) Técnico
em Tecnologia da Informação e 01 (um) Administrador.
Sobre o Colegiado de Curso, de acordo com o Art. 26, do Regimento Geral da UFMS, aprovado pela Resolução COUN no 55*, de 30 de agosto de 2004, ele é definido como uma unidade didático-científica, responsável
pela supervisão das atividades didáticas do curso, pela orientação aos acadêmicos, com vistas a sua efetiva integração no âmbito comunitário e do desempenho de cada um deles, no cumprimento de suas obrigações. De acordo com o Art. 28 do mesmo regimento, o Colegiado de Curso é composto por, no máximo, cinco representantes
docentes, integrados a Carreira do Magistério Superior e eleitos por seus pares, entendidos como os professores
que ministram disciplinas no Curso afeto a cada Colegiado. Cada um desses representantes possui mandato de
dois anos, permitida uma recondução. O Art. 30 descreve as competências do Colegiado de Curso.
O Colegiado de Curso conta com o apoio de um Núcleo Docente Estruturante (NDE), definido como um órgão consultivo do Colegiado de Curso, co-responsável pela elaboração do Projeto Pedagógico de Curso, quanto a
finalidade de sua criação, apresentação às instâncias superiores de manifestação, apreciação e aprovação, implantação, consolidação e revisão periódica. O NDE constitui segmento da estrutura de gestão acadêmica com
atribuições consultivas, propositivas e de assessoria sobre matéria acadêmica.
2.2 ORGANIZAÇÃO ACADÊMICO-ADMINISTRATIVA
A organização acadêmico-administrativa do Curso de Ciência da Computação do CPPP pode ser vista por
dois aspectos: a organização do controle acadêmico e a composição do pessoal técnico-administrativo.
Quanto à organização acadêmico-administrativa do ensino de graduação, no âmbito da UFMS, a Pró-reitoria
de Ensino de Graduação (PREG) é responsável pela orientação, coordenação e avaliação das atividades didáticopedagógicas, de controle escolar, de concurso para professor efetivo, de contratação de docentes substitutos, de
processo seletivo de discentes e de aquisição de acervo bibliográfico, servindo de suporte às unidades setoriais.
As Coordenadorias que compõem a PREG são as seguintes: Administração Acadêmica (CAA/PREG); Biblioteca Central (CBC/PREG); e Desenvolvimento e Avaliação do Ensino (CDA/PREG). Seu objetivo é propor às
unidades setoriais a adoção de medidas necessárias à estruturação curricular dos cursos em seus aspectos legais,
formais, pedagógicos, ao aperfeiçoamento da administração acadêmica, à expansão quantitativa do quadro docente e à melhoria das condições materiais do ensino.
A Coordenadoria de Administração Acadêmica (CAA/PREG) é composta pelas divisões de Acompanhamento Docente (DIDO/CAA/PREG) e Controle Escolar (DICE/CAA/PREG). A DIDO/CAA/PREG é responsável
pela orientação, acompanhamento e controle de docentes, acompanhamento e controle de concursos públicos para ingresso na carreira do magistério público, acompanhamento da carga horária docente e do plano de oferta de
disciplinas dos cursos de graduação. A DICE/CAA/PREG é responsável pela orientação acompanhamento e controle de discentes, controle de calendários acadêmicos, revisão dos históricos escolares, controle de processos seletivos, identificação da situação acadêmica, liberação para a colação de grau, expedição de diplomas de cursos
de graduação e atuação direta junto as Secretarias Acadêmicas das Unidades Setoriais.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
5
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
A Comissão de Seleção do Material Bibliográfico (COMABI), formada por professores representantes das
Unidades Setoriais, colabora com a CBC na distribuição dos recursos orçamentários e financeiros para a aquisição do acervo bibliográfico.
A Coordenadoria de Desenvolvimento e Avaliação de Ensino (CDA/PREG) é composta pelas divisões de
Apoio Pedagógico (DIAP/CDA/PREG), de Currículos e Programas (DICP/CDA/PREG) e de Legislação e Normas (DILN/CDA/PREG). A DIAP/CDA/PREG é responsável pela orientação, acompanhamento e controle de
monitoria, convênios de estágio curricular, Projeto de Ensino de Graduação (PEG), Programa de Educação Tutorial (PET), reconhecimento e renovação de reconhecimento dos cursos de graduação, ENADE; outras formas de
avaliação realizada pelas comissões externas; e outros assuntos correlatos. A DICP/CDA/PREG é responsável
pela orientação, elaboração, análise e pareceres sobre os Projetos Pedagógicos dos cursos de graduação, suas atualizações e adequações às legislações pertinentes, bem como orientações às coordenações de cursos superiores
de graduação e outros assuntos correlatos. A DILN/CDA/PREG é responsável pela orientação da legislação acadêmica federal e da UFMS e emissão de pareceres sobre as questões acadêmicas, transferências, revalidação
de diplomas de graduação expedidos por estabelecimentos estrangeiros, e outros assuntos correlatos.
O controle acadêmico na UFMS é realizado, em nível setorial, pelas Secretarias Acadêmicas e, em última
instância, pela Divisão de Controle Escolar (DICE/CAA/PREG).
A Divisão de Controle Escolar coordena e supervisiona as atividades inerentes à área acadêmica, incluindo
matrículas, trancamentos, frequências, notas, aprovação/reprovação e fluxo curricular de conclusão de curso.
No âmbito setorial, o Curso de Ciência da Computação do CPPP conta com a Secretaria Acadêmica do
CPPP. O atendimento desta Secretaria à comunidade acadêmica e ao público em geral ocorre toda segunda, terça
e quinta-feira das 13 às 17 horas e das 18 às 22 horas e toda quarta e sexta-feira das 7 às 11 horas e das 13 às 17
horas.
O controle acadêmico encontra-se atualmente informatizado e disponibilizado aos professores do curso e à
Coordenação de Curso dos Cursos de Graduação do CPPP. O acesso ao Sistema de Controle Acadêmico do Professor (SISCAD) funciona como um diário eletrônico com senha própria e acesso através de qualquer computador ligado à Internet. Nele os professores lançam o plano de ensino de cada disciplina, o cronograma de aulas,
ausências e presenças, o critério e fórmula de cálculo das diferentes avaliações e o lançamento de notas e conteúdos.
O sistema permite a impressão de listas de chamada ou de assinatura na forma do diário convencional, o quadro de notas parcial ou final do período letivo e a ata final que é enviada eletronicamente para a PREG com a
devida emissão do comprovante. A mesma ata é impressa e, depois de assinada, é arquivada fisicamente para eventual posterior comprovação. A Coordenação de Curso têm acesso a qualquer tempo aos dados das disciplinas,
permitindo um amplo acompanhamento do desenvolvimento e rendimento dos acadêmicos do curso, por meio
dos seguintes relatórios.
- Acadêmicos por situação atual.
- Acadêmicos que estiveram matriculados no período informado.
- Histórico Escolar do acadêmico em todo o curso ou no período letivo atual.
- Relação dos acadêmicos por disciplina.
- Relação dos endereços residenciais; título de eleitor e demais dados cadastrais dos acadêmicos.
- Relação dos acadêmicos com respectivo desempenho no Curso comparando seu desempenho individual à
média geral do curso.
2.3 ATENÇÃO AOS DISCENTES
No ano de 2010 foram instalados dois laboratórios de informática com um total de 80 computadores. No
mesmo prédio em que estão os laboratório, está a biblioteca do Câmpus.
A UFMS disponibiliza monitores de ensino que prestam auxílio aos discentes em algumas disciplinas.
Os acadêmicos contam com o apoio da Coordenação do Curso no que diz respeito às suas dúvidas e obrigações no decorrer da vida acadêmica. O apoio pedagógico também é realizado pelos professores através da disponibilização de horários especiais para o atendimento extraclasse aos acadêmicos, ocasião em que eles podem esclarecer dúvidas relativas ao conteúdo das disciplinas em andamento.
A UFMS abriu neste ano editais de fomento a cursos de nivelamento e tem oferecido bolsas para os alunos
que desejarem exercer atividades de monitoria em disciplinas que tenham cursado com sucesso. Estas monitorias
tem sido muito bem avaliadas pelos alunos e colaborado de forma significativa nas taxas de sucesso das disciplinas oferecidas no CPPP.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
6
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
Atualmente não há uma política de atendimento ao portador de necessidade especial, mas a Coordenação de
Curso está atenta aos eventuais casos.
Ao constatar que algum acadêmico necessita de orientação psicológica, o coordenador pode encaminhá-lo
para o CAE/PREAE (Coordenadoria de Assuntos Estudantis da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Estudantis),
que possui uma Divisão de Apoio e Assistência Acadêmica (DIAA). Um dos serviços prestados pela DIAA é o
atendimento psicológico a discentes, visando auxiliar na solução de problemas da vida educacional, profissional,
social e familiar, respeitando sempre a singularidade de cada indivíduo. Além desse serviço, a CAE/PREAE
também fornece assistências médica, odontológica e social. Todas essas formas de apoio são gratuitas e o aluno
que necessitar desse suporte será encaminhado ao Câmpus de Campo Grande.
Um Técnico em Assuntos Educacionais realiza o apoio pedagógico com a orientação da Coordenação do
Curso, desde o momento da matrícula do acadêmico na instituição. Este técnico apresenta as disciplinas a serem
cursadas, bem como soluciona as dúvidas dos acadêmicos, disponibilizando horários especiais para esse atendimento.
Ainda não há um sistema de acompanhamento de egressos, mas a Coordenação de curso deverá elaborar um
projeto. Uma das alternativas é a criação de uma lista de discussão (fórum) de e-mails dos futuros egressos ou de
formulários on-line para o preenchimento dos ex-alunos.
A respeito dos trabalhos e produções dos acadêmicos, como é o caso dos resultados dos Trabalhos de Conclusão de Curso e dos resultados de pesquisa de Iniciação Científica, pretende-se criar um espaço na página do
CPPP para divulgação dos mesmos. Além disso, deverá ser feita ampla divulgação das datas de defesa dos Trabalhos de Conclusão de Curso, para que outros acadêmicos possam assistir aos resultados das pesquisas desenvolvidas no Câmpus. O CPPP também adotará uma política de incentivo à publicação desses resultados. Também será criado um banco de dados de relatórios técnicos, onde discentes e professores poderão registrar de forma mais eficiente os resultados das pesquisas desenvolvidas no Câmpus.
O apoio à participação em eventos é incentivado pela Coordenação do Curso e divulgado através da lista de
e-mails dos alunos do curso. Dentre os eventos já divulgados, constam a Olimpíada Brasileira de Informática, a
Maratona de Programação, a Escola Regional de Informática, o Congresso da Sociedade Brasileira de Computação, o Fórum Internacional de Software Livre e a Conferência Latino-americana de Informática.
É importante salientar que os acadêmicos também podem ser coordenadores de Projetos de Extensão. Obtendo assim todo o apoio da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Estudantis para o desenvolvimento de seus
projetos.
Ainda referente à Extensão no CPPP, foi criado recentemente o Núcleo de Educação, Recreação e Desenvolvimento Social (NERDS) da Fronteira que pretende beneficiar os alunos do CPPP através do desenvolvimento de atividades que estimulem o raciocínio lógico e matemático. Dentre as atividades previstas, incluem-se aulas
de música, xadrez e a participação em provas e competições de matemática, informática, raciocínio lógico e programação.
Por fim, além dos apoios citados até o momento, os acadêmicos do curso também podem receber bolsas oferecidas pela Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Estudantis, através da Coordenadoria de Assuntos Estudantis –
CAE, Divisão de Apoio e Assistência Acadêmica – DIAA (www.preae.ufms.br). Dentre essas bolsas, destacamse:
- Bolsa Trabalho: trata-se de um Programa que visa atender prioritariamente ao aluno de baixa renda. Sendo selecionado, após avaliação socioeconômica, e apresentando bom rendimento escolar, o acadêmico terá a oportunidade de desenvolver trabalhos na universidade e ser auxiliado financeiramente.
- Bolsa do Programa PIBIC/CNPq (Iniciação Científica): são bolsas oferecidas pelo CNPq (concedidas via
Pró-Reitoria de Pesquisa/UFMS ou diretamente no órgão financiador) a alunos que colaboram em pesquisas desenvolvidas por docentes da UFMS.
2.3.1 O PROGRAMA NERDS DA FRONTEIRA
O programa "NERDS da Fronteira" é uma das ações de extensão que contemplam atividades de formação
complementar dos alunos de graduação. O programa possui financiamento externo e o termo NERDS é a sigla
do Núcleo de Educação, Recreação e Desenvolvimento Social da fronteira, que envolve a cidade de Ponta Porã e
região. Os NERDS possuem o estereótipo de pessoas que exercem intensas atividades intelectuais e nutrem
grande fascínio por conhecimento e por tecnologia.
Aproveitando-se desse estereótipo e da criação dos cursos de Sistemas de Informação, Ciência da Computação e de Matemática no Câmpus de Ponta Porã (CPPP) da UFMS, frutos da expansão da oferta do ensino superior através do REUNI, esta ação apresenta-se como uma alternativa na busca e preparação de talentos na área de
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
7
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
exatas e tecnológicas, contribuindo com a melhoria da formação na área nesta região do estado de Mato Grosso
do Sul. Um dos grandes desafios dessa área é despertar nos alunos do ensino fundamental e médio o interesse e a
motivação pelo estudo da matemática, como base para o seu desenvolvimento pessoal e profissional em muitas
áreas de atuação. Portanto, um dos principais objetivos é oportunizar aos alunos de graduação, a participação em
projetos realizados no Câmpus de Ponta Porã, que tenham como objetivo principal promover e incentivar o desenvolvimento do interesse pela computação e pela matemática, através de diversas atividades que envolvam olimpíadas científicas, pequenos desafios, raciocínio lógico e matemático e atividades culturais.
A proposta pretende utilizar os recursos humanos e de infraestrutura locais para a realização de cursos de idiomas, de xadrez, de música e outros eventos e atividades que promovam o ensino da matemática e da computação, visando o desenvolvimento do raciocínio e outras habilidades e competências relacionadas.
A realização de projetos culturais é estimulada no curso, dentro do âmbito das atividades propostas no
NERDS da Fronteira.
A informática apresenta em si o potencial de formação para a cidadania por meio da aprendizagem do letramento digital. É estimulado o desenvolvimento de projetos de extensão na área de informática, tendo em vista a
realidade social na qual o Câmpus está inserido.
2.3.2 O APOIO DA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS
Por fim, além dos apoios citados até o momento, os acadêmicos do curso também podem receber bolsas oferecidas pela Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Estudantis, através da Coordenadoria de Assuntos Estudantis –
CAE, Divisão de Apoio e Assistência Acadêmica – DIAA (www.preae.ufms.br). Dentre essas bolsas, destacamse:
- Bolsa Trabalho: trata-se de um Programa que visa atender prioritariamente ao aluno de baixa renda. Sendo
selecionado, após avaliação sócio-econômica, e apresentando bom rendimento escolar, o acadêmico terá a oportunidade de desenvolver trabalhos na universidade e ser auxiliado financeiramente.
- Bolsa do Programa PIBIC/CNPq (Iniciação Científica): são bolsas oferecidas pelo CNPq (concedidas via
Pró-Reitoria de Pesquisa/UFMS ou diretamente no órgão financiador) a alunos que colaboram em pesquisas desenvolvidas por docentes da UFMS.
Atualmente não há uma política de atendimento ao portador de necessidade especial, mas a Coordenação de
Curso estará atenta aos eventuais casos.
3. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO
3.1 Curso: Ciência da Computação.
3.2 Modalidade do Curso: Bacharelado.
3.3 Titulo Acadêmico Conferido: Bacharel em Ciência da Computação.
3.4 Modalidade do Ensino: Presencial.
3.5 Regime de Matrícula : Sistema Semestral de Matrícula por Disciplinas.
3.6 Tempo de Duração
- Mínimo CNE: 4 anos;
- Máximo CNE: não definido;
- Mínimo UFMS: 8 semestres;
- Máximo UFMS: 12 semestres.
3.7 Carga Horária
- Mínima CNE: 3000 horas;
- Mínima UFMS: 3604 horas-aula.
3.8 Número de Vagas: 50 (cinqüenta).
3.9 Número de Turmas: 01 (uma) por entrada.
3.10 Turno de Funcionamento: Manhã e Tarde.
3.11 Local de Funcionamento: UFMS – Câmpus de Ponta Porã, R. Itibiré Vieira, s/n, BR 463 – KM 4,5.
3.12 Forma de Ingresso: O ingresso ocorre mediante o Sistema de Seleção Unificado do MEC; movimentação
interna; transferência de outras IES e portadores de diplomas de curso de Graduação em nível superior, na existência de vagas; e transferência compulsória.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
8
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
4. CONCEPÇÃO DO CURSO
4.1 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICO-METODOLÓGICA
Os cursos da área de Computação, ainda não possuem as suas Diretrizes Curriculares Nacionais do MEC.
Assim, este trabalho baseia-se nas diretrizes do Currículo de Referência [SBC99], aprovado pela Sociedade Brasileira de Computação, em Assembléia Geral. Este documento, disponível em http://www.sbc.org.br/educacao/,
se tornou uma importante fonte de consulta para a criação de currículos na área de computação no Brasil. Neste
caso, em particular, o currículo sugerido em [SBC99] foi enriquecido e adequado de acordo com a infra-estrutura
do CPPP e com a experiência pedagógica e profissional do seu corpo docente.
Os cursos da área de Computação têm, como principais objetivos:
- Formar recursos humanos para o desenvolvimento científico e tecnológico da área, com vistas a atender necessidades da sociedade.
- Aplicar as tecnologias da Computação de acordo com o interesse da sociedade.
- Formar professores para o ensino médio e superior.
De acordo com [SBC99], esses cursos podem ser divididos em três grandes categorias, não equivalentes entre
si:
- Cursos que têm predominantemente a computação como atividade fim.
- Cursos que têm predominantemente a computação como atividade meio.
- Cursos de licenciatura em computação.
Os cursos que possuem a computação como atividade fim são denominados Ciência da Computação ou Engenharia da Computação e visam a formação de recursos humanos para o desenvolvimento científico e tecnológico da Computação. Os egressos desses cursos devem estar situados no estado da arte da ciência e da tecnologia da computação, de tal forma que possam continuar suas atividades seja na pesquisa, promovendo o desenvolvimento científico, seja aplicando os conhecimentos científicos e promovendo o desenvolvimento tecnológico
do país.
O curso de Ciência da Computação/CPPP que visa à formação de recursos humanos para o desenvolvimento
científico e tecnológico da Computação denomina-se Ciência da Computação. A formação do aluno abrange a
compreensão do campo científico da computação, buscando a sua aplicação na solução de problemas da sociedade e no desenvolvimento do conhecimento científico e de tecnologias que permitam a evolução da computação.
A evolução dos conceitos tecnológicos na área de Computação e Informática demanda uma constante avaliação dos currículos dos cursos desta área. Assim, almejando garantir uma estrutura curricular sólida e sem a necessidade de constantes alterações, ênfase será dada à fundamentação teórica que permitirá ao aluno analisar criticamente e se adaptar a novas tecnologias além de proporcionar autonomia para buscar, propor ou desenvolver
tecnologias inovadoras e adequadas para a solução de problemas. Portanto, este projeto visa promover uma formação generalista, fundamentada nos alicerces do conhecimento existente na área, sem comprometer-se com as
especificidades das variantes mercadológicas dos paradigmas tecnológicos, mas mantendo os alunos em constante contato com o estado da arte na Ciência da Computação.
Com base no currículo de referência da SBC [SBC99], as matérias do curso de Ciência da Computação foram
organizadas em seis áreas, a saber: Fundamentos da Computação, Tecnologia da Computação, Sistemas de Informação, Matemática, Ciências da Natureza e Contexto Social e Profissional. A seguir, apresentamos de forma
mais detalhada os objetivos de cada uma das áreas que compõem o currículo do Curso de Ciência da Computação do CPPP.
Entendendo a potencialidade da integração e da convergência entre as modalidades de educação presencial e
semi-presencial, empregando atividades didáticas, módulos ou unidades de ensino-aprendizagem centrados na
auto-aprendizagem e com a mediação de recursos didáticos organizados em diferentes suportes de informação
que utilizem tecnologias de comunicação remota para a realização das atividades acadêmicas curriculares, o Curso de Ciência da Computação/CPPP/ UFMS pretende implementar a modalidade semi-presencial em até 20% da
carga horária total do curso, conforme previsto na Portaria MEC 4059, de 10 de dezembro de 2004.
O Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação/CPPP/UFMS deve ser objeto de análise permanente pelos docentes e pela Instituição, identificando lacunas e construindo alternativas para superar as dificuldades e entraves que emergem em todo o processo transformador. Para colaborar nesse processo, o Núcleo Docente Estruturante (NDE) foi implantado oficialmente no Curso de computação de acordo com a instrução de
serviço Nº 16/2011, DE 30 DE MAIO DE 2011, na qual O DIRETOR DE CÂMPUS DO CÂMPUS DE
PONTA PORÃ da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais e considerando o disposto no Art. 4º da Resolução COEG Nº 167, de 24/12/2010, resolve: Constituir a
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
9
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
Composição do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso de Ciência da Computação. Fica estipulado
também que a composição do Núcleo Docente Estruturante terá validade de 2 (dois) anos. Esta Instrução
de Serviço entra em vigor nesta data.
4.1.1.1 ÁREA DE FUNDAMENTOS DA COMPUTAÇÃO
A área de Fundamentos de Computação tem por objetivo introduzir as matérias necessárias ao desenvolvimento tecnológico da Computação. Esta área diz respeito ao conhecimento sistematizado relativo à Computação.
A origem deste conhecimento é remota, tendo exemplos na Grécia antiga, com o desenho de algoritmos por Euclides, e na Babilônia, com os estudos sobre complexidade e reducibilidade de problemas [DIV99]. Atualmente,
o estudo desta área se dá em torno dos conceitos de máquina e algoritmo. Um egresso de um curso da área de
Computação e Informática raciocina de forma diferente de outros profissionais porque possui a habilidade de
construir algoritmos como soluções de problemas. A área de Fundamentos da Computação é a mais importante
da composição do currículo de um curso de Ciência da Computação, pois possui uma relação direta com os objetivos da formação do egresso [MEC1]. É nas disciplinas desta área que o aluno terá o seu primeiro contato com o
conceito de algoritmos, de arquitetura de computadores e de como hardware e software se relacionam. O desenvolvimento de algoritmos incute no aluno a habilidade de modelar problemas reais às ferramentas computacionais. Além disso, é nesta área que o aluno vai adquirir os conhecimentos necessários para determinar a complexidade de algoritmos e avaliar a possibilidade de se construir algoritmos mais eficientes de acordo com os preceitos da arquitetura dos computadores.
4.1.1.2 ÁREA DE TECNOLOGIA DA COMPUTAÇÃO
A área de Tecnologia da Computação tem por objetivo aplicar o conhecimento adquirido com as disciplinas
da área de Fundamentos da Computação, com vistas ao desenvolvimento tecnológico da computação. Desenvolvimento esse que permite a criação de ferramentas computacionais de interesse da sociedade e o aprimoramento
tecnológico dos próprios sistemas computacionais. A maioria das disciplinas da área de Tecnologia da Computação é, portanto, focada nas aplicações da ciência da computação. Essa área abrange os seguintes campos: bancos
de dados; compiladores; engenharia de software; inteligência artificial; interação humano-computador; sistemas
multimídia; redes de computadores e sistemas distribuídos.
4.1.1.3 ÁREA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
Os sistemas de informação compreendem o conjunto de hardware e software que processam e armazenam as
informações de uma organização. As disciplinas da área de Sistemas de Informação pretendem capacitar os egressos a utilizarem os recursos da tecnologia da Informação na solução de problemas, tanto na atividade-meio
quanto na atividade-fim de setores produtivos da sociedade. Estas soluções se traduzem na implantação e no gerenciamento dos sistemas de informação. A utilização dos recursos da tecnologia da informação de forma responsável depende do conhecimento e da preocupação do profissional com a segurança e qualidade da solução
proposta em todos os seus aspectos.
4.1.1.4 ÁREA DE MATEMÁTICA
A área de matemática visa oferecer forte embasamento teórico e maturidade ao aluno, promovendo o desenvolvimento do seu raciocínio abstrato e fornecendo o ferramental necessário ao desenvolvimento de outras disciplinas do curso.
4.1.1.5 ÁREA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA
Como dito anteriormente, esta área tem por objetivo desenvolver no aluno a habilidade para aplicação do método científico. Dois dos principais propósitos dessa área são dar ciência dos modelos matemáticos e estatísticos
usados na compreensão dos fenômenos que ocorrem nos computadores e na interligação destes; e introduzir a visão científica, onde os modelos tentam expressar a realidade observada. Isto capacita o egresso a trabalhar com
modelos abstratos, o que é fundamental na área de computação, bem como compreender os avanços tecnológicos
obtidos através da utilização ou formulação de novos modelos.
4.1.1.6 ÁREA DE CONTEXTO SOCIAL E PROFISSIONAL
A computação está presente nas mais diversas atividades da sociedade. Em algumas atividades, tais como as
administrativas, o uso da Computação é freqüente e comum, enquanto em outras, tais como Medicina Nuclear, o
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
10
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
uso da Computação é incipiente, ainda que extremamente relevante. Portanto, um profissional da área de Computação produz ferramentas computacionais para atender as necessidades de diversos setores da sociedade. Neste
contexto é importante que os alunos tenham a oportunidade de conhecer melhor alguma área específica do conhecimento com a qual a computação possua alguma integração, mais freqüente ou não.
4.2 FORMA DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO
Os conteúdos das disciplinas serão ministrados tendo em mente o desenvolvimento das habilidades e competências de formar um profissional com o perfil do Curso de Ciência da Computação.
As disciplinas podem ser ministradas de variadas formas, tais como, aulas expositivas, aulas com atividades
individuais, aulas com atividades em grupo, participação em palestras e seminários, utilização de sistemas computacionais, consultas a livros e periódicos da biblioteca ou disponibilizados na internet, entre outras.
A formação do profissional é orientada por um conjunto de requisitos, normas e procedimentos que definem
um modelo único de sistema de ensino, acompanhamento e avaliação de desempenho para toda a instituição. Esse conjunto de normas e procedimentos padrões encontra-se no Regimento Geral da UFMS e na Resolução COEG no 214/2009.
A formação profissional do acadêmico será complementada através das seguintes atividades, programas e recursos.
- Aulas práticas nos laboratórios de ensino.
- Acesso de segunda-feira a sábado aos laboratórios e à internet;
- Endereço eletrônico, espaço em disco e participação em listas de discussão, juntamente com os docentes e
demais colegas de curso.
- Acesso à página do curso, dos docentes e das respectivas disciplinas com informações atualizadas e recursos disponíveis para o desenvolvimento das atividades inerentes ao curso.
- Ciclo de palestras com professores, profissionais, egressos e pesquisadores da área específica ou correlata
ao curso.
- Programa de Iniciação Científica.
- Acesso ao Portal CAPES a partir de qualquer um dos computadores dos Laboratórios de Ensino, incluindo
a Biblioteca Digital da ACM e IEEE.
- Cursos de extensão, ministrados por docentes, profissionais ou pelos próprios alunos.
- Realização de eventos acadêmicos locais, em parceria com outras IES da região, com a participação de alunos na organização.
- Incentivo à participação em órgãos e sociedades organizadas que discutam a área de computação e informática.
- Incentivo à participação de provas e competições da área, tais como a Maratona de Programação, organizada pela SBC.
O currículo do Curso de Ciência da Computação é coerente com o perfil desejado e os objetivos do curso,
destacando a ênfase em formar profissionais capazes de desenvolver um processo de aprendizado contínuo. A
estrutura curricular permite a realização de trabalhos multidisciplinares. A relação entre a teoria e a prática é obtida pela realização de seminários, implementações de programas, trabalhos em grupos, disciplinas de práticas
em laboratório, Atividades Complementares, Estágio Supervisionado e Trabalho de Conclusão de Curso.
O despertar do processo de aprendizado contínuo e autodidata ocorre desde o início do Curso, em que são exigidas consultas a livros, revistas científicas e à Internet, para realizar os trabalhos solicitados. As monografias
ou relatórios associados aos trabalhos práticos individuais e em grupo desenvolvem a capacidade de interpretação, elaboração e execução de projetos. A participação em eventos, estimulada pela Coordenação de Curso, desperta o interesse dos acadêmicos em manterem-se atualizados e adaptarem-se à evolução das tecnologias de informação.
A responsabilidade da UFMS na formação de cidadãos conscientes de suas responsabilidades como seres
humanos e comprometidos com a ética e a justiça social é regimental. Dessa forma, a formação ética e humanística é exercitada durante todo o curso, através da constante interação com colegas, professores e coordenadores
nas diversas atividades acadêmicas.
Além disso, a realização de estágios e de atividades complementares que envolvem algum tipo de relacionamento social exige do aluno um bom relacionamento com colegas, chefes e clientes, o que também permite ao
egresso o desenvolvimento de uma postura profissional, bem como de uma visão ética e humanística para exercer suas funções de forma consciente e responsável para com a sociedade.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
11
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
O perfil do egresso permite um engajamento adequado para cursos de pós-graduação lato sensu ou stricto
sensu na área de Computação, permitindo aos acadêmicos a continuação de seus estudos na pós-graduação.
4.3 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL
Como mencionado anteriormente, o Curso de Ciência da Computação ainda não possui as suas Diretrizes
Curriculares Nacionais do MEC. Destaca-se que este Projeto Pedagógico atende a seguinte legislação:
- Lei n o 9.394/1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB);
- Resolução COUN no 31, de 19 de agosto de 2003, que dá conhecimento à comunidade universitária do Estatuto da UFMS, aprovado pela Portaria MEC nº 1.686, de 03 de julho de 2003;
- Resolução COUN no 55*, de 30 de agosto de 2004, que aprova o Regimento Geral da UFMS;
- Resolução COEG no 214, de 17 de dezembro de 2009, que aprova o Regulamento do Sistema Semestral de
Matrícula por Disciplina dos Cursos de Graduação, presenciais, da UFMS.
- Resolução COEG nº 93/2003, que aprova as orientações para a elaboração do Projeto Pedagógico de Curso;
- Portaria no 4059/2004, MEC, de 10.12.2004, que aprova a oferta de disciplinas integrantes do currículo que
utilizem modalidade semipresencial;
- Lei n o 10.861/2004, que institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES);
- Resolução COEG no 107, de 16 de junho de 2010, que aprova o Regulamento de Estágio para os acadêmicos dos cursos de Graduação da UFMS;
- Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005, dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS).
Além disso, este Projeto baseia-se nas orientações dos documentos [SBC99] e [SBC03].
4.4 OBJETIVOS
Os objetivos do curso de Bacharelado em Ciência da Computação do CPPP são os seguintes.
- Formar recursos humanos capacitados para o estudo e resolução de problemas que impliquem o uso de sistemas computacionais, inclusive aqueles que envolvem aspectos teóricos da computação.
- Formar recursos humanos capacitados a acompanhar os desenvolvimentos teóricos e tecnológicos, conscientes dos poderes e limitações da Computação.
- Formar recursos humanos com uma visão humanística consistente e crítica do impacto do seu papel na sociedade.
- Formar recursos humanos conhecedores e seguidores dos padrões éticos e morais da área de Computação.
No sentido de atender aos objetivos do curso, podem ser definidos como objetivos deste projeto pedagógico:
- Incentivar às práticas de estudo independente, as atividades de pesquisa e a atualização permanente por parte dos discentes.
- Apresentar uma matriz curricular com forte fundamentação teórica em consonância com uma formação tecnológica sólida.
- Incentivar as atividades de estágio e participação em atividades extraclasse, tanto na pesquisa, quanto na extensão, visando a formação de profissionais aptos para a inserção nos diversos setores da Computação e que possam colaborar efetivamente para o desenvolvimento da sociedade brasileira.
4.5 PERFIL DESEJADO DO EGRESSO
O curso foi concebido visando prover uma formação sólida que permita capacitar o aluno para uma atuação
profissional competente, habilitando-o na solução de problemas do mundo real, por meio da construção de modelos computacionais e da sua implementação. Particularmente, tal formação possibilitará ao egresso as condições apropriadas para enfrentar as frequentes mudanças tecnológicas, caracterizadas pelo dinamismo apresentado pela área de Ciência da Computação. Espera-se do egresso a geração de novos conhecimentos através da pesquisa, podendo assim contribuir para o desenvolvimento científico e a formação de recursos humanos na área de
Computação. Esse perfil desejado deve-se, basicamente, a fundamentação em Computação e Matemática.
A fundamentação em Computação e Matemática fornecida pelo Curso é vital para solidificar os conceitos
mais “duradouros” da área de Computação, bem como permitir que o egresso realize com sucesso cursos de atualização em seu próprio local de trabalho, cursos de extensão ou especialização em universidades e, principalmente, cursos de pós-graduação strictu sensu em Computação.
De forma geral, cientistas da computação estudam os fundamentos teóricos da computação, de onde outros
campos derivam. Como o nome implica, a ciência da computação é uma ciência pura, não aplicada. Entretanto, o
perfil do egresso do curso de Ciência da Computação do CPPP permite também que o formado possa seguir aCoordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
12
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
plicações mais práticas de seu conhecimento, atuando em áreas como desenvolvimento de software ou consultoria em tecnologia da informação.
4.6 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS
Espera-se que os egressos do curso de Bacharelado em Ciência da Computação do CPPP/UFMS tenham as
seguintes habilidades e competências:
- Sólida base teórica, que lhes permita entender os principais conceitos da Ciência da Computação e assimilar
as novas tecnologias, mantendo-se atualizados frente à evolução tecnológica da área e aplicando tais conceitos
na solução de problemas, sejam relacionados com os fundamentos ou com as aplicações da computação.
- Competência para participar do desenvolvimento de novas tecnologias, utilizando diferentes fontes de informação e variados recursos tecnológicos.
- Capacidade de contribuir com projetos de pesquisa que visam à construção de novos conhecimentos científicos, sempre avaliando os seus impactos para a sociedade.
- Capacidade de aplicar seus conhecimentos de forma independente e inovadora, acompanhando a evolução
da área.
- Capacidade de projetar e implementar sistemas de computação complexos usando conhecimentos adquiridos no curso e através da contínua e necessária atualização profissional.
- Competência para modelar e especificar os problemas do mundo real, usando métodos e técnicas estudadas
no curso.
- Respeito aos princípios éticos da área de computação.
4.7 ÁREAS DE ATUAÇÃO
As habilidades e competências mencionadas permitirão ao Bacharel em Ciência da Computação formado no
CPPP atuar nos seguintes campos.
- Na elaboração de modelos matemáticos e algoritmos para solução de problemas. Em muitos casos, o desenvolvimento de um sistema computacional requer o entendimento de um problema, a elaboração de um modelo
matemático e a construção de um algoritmo que possibilite a sua implementação num computador. Neste processo está a essência da computação como ciência e é fundamental ao profissional o domínio desta competência.
Esta formação capacita o egresso a trabalhar em empresas cuja atividade fim não seja a computação, mas que
necessitem desenvolver sistemas para as suas necessidades específicas. São exemplos: os sistemas para engenharia, sistemas científicos, sistemas para a área do petróleo, sistemas para meteorologia, etc.
- No ensino, na pesquisa e na pós-graduação na área de computação ou em áreas que apliquem a computação.
O aluno formado no curso também estará preparado para atuar no ensino e na pesquisa e realizar uma pósgraduação nesta área para que possa aperfeiçoar e expandir os seus conhecimentos. Nesta atuação profissional, é
possível trabalhar em universidades ou centros de pesquisa para contribuir com novas descobertas teóricas e tecnológicas na ciência da computação.
- No desenvolvimento de software básico e aplicativo. Software básico e aplicativo são denominações dadas
aos programas de computadores de uso geral, não restrito a uma única organização. São exemplos de software
básico: os editores de texto, planilhas eletrônicas, navegadores, compiladores, parsers, etc. São exemplos de aplicativos: Software para Gestão de Documentos, Workflow, etc. A formação ampla e sólida em Programação e
Engenharia de Software, oferecida pelo curso, permite ao egresso atuar no design, implementação e avaliação
destes produtos. As ofertas de empregos para estas competências estão nas organizações em geral, mas especialmente em empresas da chamada "indústria de software".
- Em redes de computadores. A instalação de sistemas computacionais em empresas requer o projeto, implantação e gerência de uma rede de computadores. Esta atividade hoje é essencial em quase todas as empresas que
utilizam Tecnologia da Informação, o que garante um amplo mercado de trabalho. A atividade permanente de
gerência da rede para garantir o seu pleno funcionamento e a segurança e integridade dos seus componentes requer um profissional diferenciado de alta capacitação com uma boa remuneração no mercado de trabalho.
- Na solução de problemas relacionados com a interação entre usuário e sistemas. O foco no desenvolvimento
de sistemas computacionais não deve estar restrito ao sistema em si. Ele deve ser amplo, centrado nas pessoas
que irão utilizá-lo e no contexto onde está inserido. O curso aborda os aspectos teóricos envolvidos na interação
humano-computador e nas soluções para melhorar a usabilidade e a acessibilidade destes sistemas. Esta competência capacita o aluno formado a atuar em empresas que produzam hardware e software ou que utilizam sistemas computacionais na realização de suas atividades.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
13
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
5. CURRÍCULO
5.1 ESTRUTURA CURRICULAR (MATRIZ CURRICULAR)
ANO DE IMPLANTAÇÃO: 2012
MATÉRIAS/DISCIPLINAS
CH
PRÉ-REQUISITOS
1 – DISCIPLINAS DE FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA
Álgebra Linear
68
Matemática Elementar.
Cálculo Diferencial e Integral I
102
Matemática Elementar.
Cálculo Diferencial e Integral II
102
Cálculo Diferencial e Integral I.
Cálculo Numérico
68
Algoritmos e Programação I; Cálculo Diferencial e Integral I.
Matemática Elementar
102
Nenhum.
Probabilidade e Estatística
68
Cálculo Diferencial e Integral I.
Vetores e Geometria Analítica
68
Nenhum.
Algoritmos e Programação I
102
Nenhum.
Algoritmos e Programação II
102
Algoritmos e Programação I.
Análise de Algoritmos I
68
Matemática Discreta; Algoritmos e
Programação II
Análise de Algoritmos II
68
Análise de Algoritmos I.
Arquitetura de Computadores I
68
Introdução a Sistemas Digitais.
2 – DISCIPLINAS DE FUNDAMENTOS DE COMPUTAÇÃO
Arquitetura de Computadores II
68
Arquitetura de Computadores I.
Estrutura de Arquivos e Programação.
102
Estrutura de Dados e Programação.
Estrutura de Dados e Programação
102
Algoritmos e Programação II.
Matemática Discreta
68
Nenhum
Introdução a Sistemas Digitais
68
Nenhum.
Sistemas Operacionais II
68
Sistemas Operacionais I.
Linguagens Formais e Autômatos
68
Estrutura de Dados e Programação;
Matemática Discreta
Paradigmas de Linguagens de Programação
68
Algoritmos e Programação II.
Sistemas Operacionais I
68
Algortimos e Programação II .
68
Algoritmos e Programação I.
Excluído: Arquitetura de Computadores I
3 – DISCIPLINAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
Banco de Dados I
Banco de Dados II
68
Banco de Dados I
Compiladores
68
Linguagens Formais e Autômatos.
Engenharia de Software I
68
Algoritmos e Programação I
Engenharia de Software II
68
Engenharia de Software I; Banco
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
14
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
de Dados I.
Inteligência Artificial
68
Paradigmas de Linguagens de Programação.
Interação Humano-Computador
68
Nenhum
Computação Gráfica
68
Vetores e Geometria Analítica; Estrutura de Dados e Programação.
Redes de Computadores II
68
Redes de Computadores I.
Programação Orientada a Objetos
68
Algoritmos e Programação II.
Programação para Web
68
Algoritmos e Programação II; Banco de DadosII.
Redes de Computadores I
68
Sistemas Operacionais I.
Sistemas Distribuídos
68
Sistemas Operacionais II.
68
Engenharia de Software II.
4 – DISCIPLINAS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
Qualidade de Software
Segurança e Auditoria de Sistemas
68
Redes de Computadores II.
Fundamentos de Sistemas de Informação
68
Nenhum
Física I
68
Cálculo Diferencial e Integral I.
Física III
68
Cálculo Diferencial e Integral II;
Atividades Complementares
102
De acordo com o Regulamento de
Atividades Complementares do
Curso de Ciência da Computação
do CPPP.
Estágio Obrigatório I
102
De acordo com o Regulamento de
Estágio do Curso de Ciência da
Computação do CPPP.
Estágio Obrigatório II
102
De acordo com o Regulamento de
Estágio do Curso de Ciência da
Computação do CPPP.
Trabalho de Conclusão de Curso I
102
De acordo com o Regulamento para o Desenvolvimento de Trabalhos
de Conclusão de Curso do Curso de
Ciência da Computação do CPPP.
102
De acordo com o Regulamento para o Desenvolvimento de Trabalhos
de Conclusão de Curso do Curso de
Ciência da Computação do CPPP.
5 – DISCIPLINAS DE CIÊNCIAS DA NATUREZA
6 – DISCIPLINAS DE CONTEXTO SOCIAL E PROFISSIONAL
Trabalho de Conclusão de Curso II
7 – COMPLEMENTARES OPTATIVAS
Para integralizar o Curso de Ciência da Computação/CPPP o
acadêmico deverá cursar, no mínimo, 204 horas-aula de disciCoordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
15
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
plinas optativas do rol elencado abaixo e/ou outras disciplinas,
desde que aprovadas pelo Colegiado de Curso do Curso de
Ciência da Computação do CPPP/UFMS:
Administração de Redes de Computadores
68
Arquitetura TCP/IP.
Arquitetura TCP/IP
68
Redes de Computadores.
Comércio Eletrônico
68
Programação para WEB.
Contabilidade e Custos
68
Nenhum.
Direito
68
Nenhum.
Educação a Distância
68
Nenhum.
Eletromagnetismo
68
Física III.
Empreendedorismo
68
Nenhum.
Estudo de Libras
68
Nenhum.
Gerenciamento de Projetos
68
Engenharia de Software II.
Governança de TI
68
Fundamentos de Sistemas de Informação.
Hipermídia e Multimídia
68
Algoritmos e Programação
Computadores II.
Informática na Educação
68
Nenhum.
Iniciação Científica I
68
Nenhum.
Iniciação Científica II
68
Nenhum.
Iniciação Científica III
68
Nenhum.
Iniciação Científica IV
68
Nenhum.
Interconexão e Configuração de Ativos de Rede
68
Arquitetura TCP/IP.
Introdução a Administração
68
Nenhum.
Introdução a Criptografia
68
Algoritmos e Programação I; Matemática Discreta
Introdução a Economia
68
Nenhum.
Introdução a Otimização de Sistemas
68
Vetores e Geometria Analítica; Algoritmos e Programação II.
Laboratório de Eletrônica
34
Física III.
Leitura e Redação Científica
68
Nenhum.
Otimização Combinatória
68
Análise de Algoritmos I.
68
Arquitetura de Computadores I.
Processamento de Língua Natural
68
Paradigmas de Linguagens de Programação.
Programação Paralela
68
Redes de Computadores; Análise
Excluído: Computação Gráfica
Princípios de Projeto VLSI
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
Excluído: 68
Excluído: Vetores e Geometria
Analítica; Estrutura de Dados e
Programação.
de
16
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
de Algoritmos I.
Sistemas de Apoio a Decisão
68
Fundamentos de Sistemas de Informação; Inteligência Artificial.
Sistemas de Informação Empresariais
68
Fundamentos de Sistemas de Informação.
Teoria dos Grafos
68
Análise de Algoritmos I.
Tópicos em Arquitetura de Computadores
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Banco de dados
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Ciência da Computação I
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Ciência da Computação II
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Compiladores
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Computação de Alto Desempenho
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Criptografia
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Engenharia de Software
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Inteligência Artificial
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Interação Humano-Computador
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Linguagens de Programação
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Modelagem Computacional I
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Modelagem Computacional II
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Multimídia
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Processamento de Imagens
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Redes de Computadores I
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Redes de Computadores II
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Sistemas de Informação
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
17
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
Tópicos em Sistemas Distribuídos
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Sistemas Operacionais I
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Sistemas Operacionais II
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Teoria da Computação
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
Tópicos em Teoria Dos Grafos
68
Definidos no oferecimento da disciplina.
5.2 QUADRO DE SEMESTRALIZAÇÃO
ANO DE IMPLANTAÇÃO: 2012
SEMESTRES
DISCIPLINAS
Algoritmos e Programação I
Fundamentos de Sistemas de Informação
Introdução a Sistemas Digitais
o
1
Matemática Elementar
Vetores e Geometria Analítica
SUBTOTAL
Algoritmos e Programação II
Arquitetura de Computadores I
Cálculo Diferencial e Integral I
o
2
Álgebra Linear
Matemática Discreta
SUBTOTAL
Arquitetura de Computadores II
Cálculo Diferencial e Integral II
Estrutura de Dados e Programação
o
3
Física I
Probabilidade e Estatística
SUBTOTAL
Banco de Dados I
Engenharia de Software I
4
CH
102
68
68
102
68
408
102
68
102
68
68
408
68
102
102
68
68
408
68
68
Cálculo Numérico
68
Estrutura de Arquivos e Programação
102
Física III
Sistemas Operacionais I
SUBTOTAL
68
68
442
Análise de Algoritmos I
68
Engenharia de Software II
68
Banco de Dados II
Sistemas Operacionais II
68
68
Linguagens Formais e Autômatos
68
Paradigmas de Linguagens de Programação
Redes de Computadores I
68
68
o
5o
PRÉ-REQUISITOS
Nenhum
Nenhum
Nenhum
Nenhum
Nenhum
Algoritmos e Programação I
Introdução a Sistemas Digitais
Matemática Elementar
Matemática Elementar
Nenhum
Algoritmos e Programação I
Cálculo Diferencial e Integral I
Algoritmos e Programação II
Cálculo Diferencial e Integral I
Cálculo Diferencial e Integral I
Algoritmos e Programação I
Algoritmos e Programação I
Algoritmos e Programação I;
Cálculo Diferencial e Integral I
Estrutura de Dados e Programação
Cálculo Diferencial e Integral II
Algoritmos e Programação I
Excluído: Arquitetura de Computadores I
Matemática Discreta; Algoritmos e Programação II
Engenharia de Software I; Banco de Dados I
Banco de Dados I
Sistemas Operacionais I
Estrutura de Dados e Programação; Matemática Discreta
Algoritmos e Programação II
Sistemas Operacionais I
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
18
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
6o
SUBTOTAL
Análise de Algoritmos II
476
68
Compiladores
68
Inteligência Artificial
68
Redes de Computadores II
Programação Orientada a Objetos
Sistemas Distribuídos
68
68
68
Optativa I
7o
-
SUBTOTAL
Interação Humano-computador
408
68
Computação Gráfica
68
Segurança e Auditoria de Sistemas
68
Estágio Obrigatório I
102
Trabalho de Conclusão de Curso II
102
Optativa II
8
-
SUBTOTAL
408
Programação para Web
68
Qualidade de Software
68
Estágio Obrigatório II
102
Trabalho de Conclusão de Curso II
102
o
Optativa III
-
SUBTOTAL
Análise de Algoritmos I
Linguagens Formais e Autômatos
Paradigmas de Linguagens de
Programação, Probabilidade e
Estatística
Redes de Computadores I
Algoritmos e Programação II
Sistemas Operacionais II
De acordo com a Disciplina Oferecida
Nenhum
Estrutura de Dados e Programação; Vetores e Geometria Analítica
Redes de Computadores II
De acordo com o regulamento
do Estágio do Curso de Ciência
da Computação/CPPP
De acordo com o regulamento
do Trabalho de Conclusão de
Curso do Curso de Ciência da
Computação/CPPP
De acordo com a Disciplina Oferecida
Algoritmos e Programação II;
Banco de Dados II
Engenharia de Software
De acordo com o regulamento
do Estágio do Curso de Ciência
da Computação/CPPP
De acordo com o regulamento
do Trabalho de Conclusão de
Curso do Curso de Ciência da
Computação/CPPP
De acordo com a Disciplina Oferecida
340
ATIVIDADES COMPLEMENTARES
102
De acordo com o Regulamento
de Atividades Complementares
do Curso de Ciência da Computação do CPPP.
COMPLEMENTARES OPTATIVAS
204
TOTAL
3.604*
* LEGENDA: (CH) – Carga horária das disciplinas em horas-aula de 50 minutos.
5.3 TABELA DE EQUIVALÊNCIA
EM VIGÊNCIA ATÉ 2011
Álgebra Linear
Algoritmos e Programação I
Algoritmos e Programação II
CH
68
102
102
A PARTIR DE 2012
Álgebra Linear
Algoritmos e Programação I
Algoritmos e Programação II
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
CH
68
102
102
19
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
Análise de Algoritmos I
Análise de Algoritmos II
Arquitetura de Computadores I
Arquitetura de Computadores II
Atividades Complementares
Banco de Dados
Cálculo Diferencial e Integral I
Cálculo Diferencial e Integral II
Cálculo Numérico
Compiladores
Engenharia de Software I
Engenharia de Software II
Estágio Obrigatório I
Estágio Obrigatório II
Estrutura de Arquivos
Estrutura de Dados e Programação
Física Experimental I
Física Experimental III
Física I
Física III
68
68
68
68
102
68
102
102
68
68
68
68
102
102
68
102
34
34
68
68
Fundamentos de Sistemas de Informação
68
Fundamentos para Teoria da Computação
Inteligência Artificial
Interação Humano-Computador e Multimídia
Introdução a Sistemas Digitais
Laboratório de Banco de Dados
Laboratório de Redes de Computadores
Laboratório de Sistemas Operacionais
Leitura e Redação Científica
Linguagens Formais e Autômatos
Matemática Elementar
102
68
Paradigmas de Linguagens de Programação
68
Probabilidade e Estatística
Programação Orientada a Objetos
Programação para WEB
Qualidade de Software
Redes de Computadores
Segurança e Auditoria de Sistemas
Sistemas Distribuídos
Sistemas Operacionais
Trabalho de Conclusão de Curso I
Trabalho de Conclusão de Curso II
Vetores e Geometria Analítica
68
68
102
68
68
68
68
68
102
102
68
Análise de Algoritmos I
Análise de Algoritmos II
Arquitetura de Computadores I
Arquitetura de Computadores II
Atividades complementares
Banco de Dados I
Cálculo Diferencial e Integral I
Cálculo Diferencial e Integral II
Cálculo Numérico
Compiladores
Engenharia de Software I
Engenharia de Software II
Estágio Obrigatório I
Estágio Obrigatório II
Estrutura de Arquivos e Programação.
Estrutura de Dados e Programação
Não há equivalência.
Não há equivalência.
Física I
Física III
Fundamentos de Sistemas de Informação
Matemática Discreta
Inteligência Artificial
Interação Humano-Computador
102
68
34
34
34
68
68
68
Introdução a Sistemas Digitais
Banco de Dados II
Redes de Computadores II
Sistemas Operacionais II
Sem equivalência
Linguagens Formais e Autômatos
Matemática Elementar
Paradigmas de Linguagens de Programação
Probabilidade e Estatística
Programação Orientada a Objetos
Programação para WEB
Qualidade de Software
Redes de Computadores I
Segurança e Auditoria de Sistemas
Sistemas Distribuídos
Sistemas Operacionais I
Trabalho de Conclusão de Curso I
Trabalho de Conclusão de Curso II
Vetores e Geometria Analítica
68
68
68
68
102
68
102
102
68
68
68
68
102
102
102
102
68
68
68
68
68
68
68
68
68
68
68
102
68
68
68
68
68
68
68
68
68
102
102
68
5.4 LOTAÇÃO DAS DISCIPLINAS
Todas as disciplinas do Curso de Ciência da Computação/CPPP/UFMS serão lotadas no Câmpus de Ponta
Porã da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
20
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
5.5 EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIAS
ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES
Pré-requisitos: Arquitetura TCP/IP. Carga horária: 68 horas.
Gerenciamento de redes: arquitetura, bases de informação, protocolos. Gerentes SNMP. Gerenciamento de sistemas operacionais e dispositivos de rede. Bibliografia básica: CLEMM, A., Network Management
Fundamentals, Indianapolis: Cisco Press, 2006. FARREL, A., Network Management Know It All, San Francisco:
Morgan Kauffman, 2008. LOPES, R. V.; SAUVÉ, J. P.; NICOLETTI, P. S., Melhores Práticas para a Gerência
de Redes de Computadores, Rio de Janeiro: Campus, 2003. Bibliografia complementar: STALLINGS, W.,
SNMP v1, v2, v3 and RMON I and II, 3 ed., Upper Saddle River: Addison-Wesley, 1999. WALSH, L., SNMP
MIB Handbook – Essencial guide to MIB development, use and diagnosis, Lima: Wyndham Press, 2008.
WENSTROM, M., Managing Cisco Network Security, Indianapolis: Cisco Press, 2001.
ÁLGEBRA LINEAR
Pré-requisitos: Matemática Elementar. Carga horária: 68 horas.
Sistemas lineares e matrizes. Espaços vetoriais. Subespaços. Base e dimensão. Transformações lineares. Núcleo
e imagem. Projeções. Produto interno. Determinantes. Autovalores e autovetores. Diagonalização de operadores.
Bibliografia básica: BOLDRINI, J. L.; COSTA, S. I. R.; FIGUEIREDO, V. L.; WETZLER, H. G., Álgebra Linear, 3 ed., São Paulo: Harbra, 1986. COELHO, F. U.; LOURENÇO, M. L., Um curso de álgebra linear, São
Paulo: Edusp, 2001. POOLE, D., Álgebra linear, São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. Bibliografia
complementar: LIPSCHUTZ, S., Álgebra linear, Rio de Janeiro: Editora McGraw-Hill do Brasil, 1971. CALLIOLI, H. H. D.; COSTA, R. C. F., Álgebra Linear e Aplicações, 6 ed., São Paulo: Editora Atual, 2003.
STEINBRUCH, A.; WINTERLE, P., Álgebra Linear, São Paulo: Makron Books, 1987. ANTON, H., Álgebra
Linear, 3 ed., Rio de Janeiro: Editora Campus, 1982.
ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO I
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 102 horas.
Conceitos básicos de algoritmos. Variáveis e tipos de dados. Manipulação de variáveis: operações de atribuição e
de entrada e saída. Estrutura sequencial. Estrutura condicional. Estrutura de repetição. Variáveis compostas homogêneas e heterogêneas. Bibliografia básica: ASCENCIO, A. F. G. & CAMPOS, E. A. V. Fundamentos da
programação de computadores - algoritmos, Pascal e C/C++. São Paulo: Prentice Hall, 2003. DEITEL, H. M.;
DEITEL, P. J., C: How to Program, Upper Saddle River: Prentice-Hall, 2004. FARRER, H.; et al., Algoritmos
Estruturados, 3 ed., Rio de Janeiro: LTC, 1999. SHACKELFORD, R. L., Introduction to computing and
algorithms, 1 ed., Boston: Addison Wesley Longman Publishing, 1997. KING, K. N., C Programming: a
modern approach, 2 ed., New York: W. W. Norton & company, 2008. Bibliografia complementar: HAREL, D.,
Algorithmics, 2 ed., Addison Wesley, 1993. HAREL, D., Computers Ltd.: what they really can't do, Oxford
University Press, 2000. LEISERSON, C. E.; STEIN, C.; RiVEST, R. L.; CORMEN, T. H. Algoritmos, 2 ed.,
2002. KELLEY, A.; POHL, I., A Book on C, Addison Wesley, 1998. SKIENA, S. S.; REVILLA, M.,
Programming Challenges, 1 ed., New York: Springer, 1999. EDMONDS, J., How to think about algorithms, 1
ed., Cambridge: Cambridge University Press, 2008.
ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO II
Pré-requisitos: Algoritmos e Programação I. Carga horária: 102 horas.
Algoritmos recursivos. Apontadores. Arquivos. Estruturas de dados elementares: listas, filas, pilhas. Algoritmos
de ordenação. Lista de prioridade. Bibliografia: FEOFILOFF, P., Algoritmos em Linguagem C, 1 ed., Rio de Janeiro: Campus-Elsevier, 2009. SKIENA, S. S., The algorithm design manual, 2 ed., New York: Springer, 2008.
WIRTH, N., Algoritmos e estruturas de dados, 1 ed., Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 1989. EDMONDS,
J., How to think about algorithms, 1 ed., Cambridge: Cambridge University Press, 2008. CORMEN, T. H.;
LEISERSON, C. E.; RIVEST, R. L., Introduction to algorithms, 2 ed., Cambridge: MIT Press, New York:
McGraw-Hill, 2002. KLEINBERG, J.; TARDOS, E., Algorithm Design, Boston: Addison Wesley, 2005. SZWARCFITER, J. L.; MARKEZON, L., Estruturas de dados e seus algoritmos, 1 ed., Rio de Janeiro: LTC, 1994.
Bibliografia Complementar: DEITEL, H. M.; DEITEL, P. J., C++: how to program, 5 ed., Upper Saddle River:
Prentice-Hall, 2005. SATIR, G.; BROWN, D., C++: the core language, 1 ed., Sebastopol: ÖReilly &
Associates, 1995. BENTLEY, J., Programming Pearls, 2 ed., Indianapolis: Addison-Wesley Professional, 1999.
GAMMA, E., C++: effective object-oriented software construction, 2 ed., Upper Saddle River: Prentice-Hall,
1999.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
21
Excluído: Variáveis e tipos de
dados. Estrutura sequencial. Estrutura condicional. Estrutura de repetição. Variáveis compostas homogêneas e heterogêneas. Modularização.
Formatado: Inglês (EUA)
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
ANÁLISE DE ALGORITMOS I
Pré-requisitos: Matemática Discreta. ; Algoritmos e Programação II. Carga horária: 68 horas.
Medidas de complexidade, análise assintótica de limites de complexidade, técnicas de prova de cotas inferiores.
Exemplos de análise de algoritmos iterativos e recursivos. Algoritmos de ordenação e algoritmos básicos para
problemas em grafos. Técnicas de projeto de algoritmos eficientes. Bibliografia básica: CORMEN, T. H.; LEISERSON, C. E.; RIVEST, R. L., Introduction to algorithms, 2 ed., Cambridge: MIT Press, New York: McGrawHill, 2002. MANBER, U., Algorithms: A Creative Approach, Boston: Addison-Wesley, 1989. KLEINBERG, J.;
TARDOS,E., Algorithm Design, Boston: Addison Wesley, 2005. AHO, A.; HOPCROFT, J.; ULLMAN, J., The
Design and Analysis of Computer Algorithms, Boston: Addison-Wesley Longman Publishing, 1974. SZWARCFITER, J. L., Algoritmos em Grafos, Rio de Janeiro: Editora Campus, 1987. Bibliografia complementar:
BRASSARD, G., BRATLEY, P., Algorithmics: Theory and Practice, Prentice-Hall. DASGUPTA, S.;
PAPADIMITRIOU, C. H.; VAZIRANI, U., Algorithms, New York: McGraw-Hill Companies, 2006. VAN
GELDER, A., Computer Algorithms: introduction to design and analysis, 2 ed., Boston: Addison-Wesley
Longman Publishing, 1988.
ANÁLISE DE ALGORITMOS II
Pré-requisitos: Análise de Algoritmos I. Carga horária: 68 horas.
Redução entre problemas. Complexidade computacional. Classes de problemas. Problemas NP-completos. Tratamento de Problemas NP-difíceis. Programação dinâmica. Algoritmos probabilísticos. Bibliografia básica: GAREY, M.; JOHNSON, D., Computers and Intractability: a Guide to the Theory of NP-Completeness, Freeman:
1979. SIPSER, M., Introduction to the Theory of Computation, PWS Publishing Company, 1997. LEWIS, H. R.;
PAPADIMITRIOU, C. H., Elementos de Teoria da Computação, Bookman, 2 ed., 2000. CORMEN, T. H.;
LEISERSON, C. E.; RIVEST, R. L., Introduction to algorithms, 2 ed., Cambridge: MIT Press, New York:
McGraw-Hill, 2002. MANBER, U., Algorithms: A Creative Approach, Boston: Addison-Wesley,1989.
Bibliografia complementar: PAPADIMITRIOU, C. H.; STEIGLITZ, K., Combinatorial Optimization:
Algorithms and Complexity, Upper Saddle River: Prentice-Hall, 1982. HOROWITZ, E.; SAHNI, S.,
Fundamentals of Computer Algorithms, Computer Science Press, 1978. GOLDBARG, M. C.; LUNA, H. P. L.,
Otimização Combinatória e Programação Linear: modelos e algoritmos, Rio de Janeiro: Editora Campus, 2000.
ARQUITETURA DE COMPUTADORES I
Pré-requisitos: Introdução a Sistemas Digitais. Carga horária: 68 horas.
Visão Geral da arquitetura de um computador. Avaliação de desempenho. Conjunto de instruções. Processador:
via de dados e unidade de controle. Pipeline. Hierarquia de memórias: memória cache e memória principal. Entrada e saída: dispositivos de E/S, barramentos, interfaces. Estudo de casos. Bibliografia básica: PATTERSON,
D. A.; HENESSEY, J. L., Organização e projeto de computadores – Interface hardware/software, 3 ed., Rio de
Janeiro: Campus, 2005. STALLINGS, W., Arquitetura e organização de computadores, 5 ed., São Paulo: Pearson Prentice-Hall, 2003. TANENBAUM, A. S., Organização estruturada de computadores, 5 ed., São Paulo:
Pearson Prentice-Hall, 2007. Bibliografia complementar: HAMACHER, C.; et al., Computer Organization, 5
ed., New York: McGraw-Hill, 2001. HAYES, J. P., Computer Architecture and Organization, 3 ed., New York:
McGraw-Hill, 2002. SHIVA, S. G., Computer organization, design, and architecture, 4 ed., New York: CRC,
2007.
ARQUITETURA DE COMPUTADORES II
Pré-requisitos: Arquitetura de Computadores I. Carga horária: 68 horas.
Tendências tecnológicas. Avaliação de desempenho. Pipeline. Paralelismo em nível de instrução, escalonamento
de instruções, predição de desvios e especulação. Arquiteturas de despacho múltiplo. Hierarquia de memórias.
Sistemas de E/S e dispositivos de armazenamento. Modelos de arquiteturas paralelas. Arquiteturas multi-core,
multiprocessadores, clusters, consistência de cachês e redes de interconexão. Estudo de casos. HENESSY, J. L.;
PATTERSON, D. A., Arquitetura de computadores: uma abordagem quantitativa, 4 ed., Rio de Janeiro: Campus, 2008. STALLINGS, W., Computer organization and architecture: design for performance, 7 ed., Upper
Saddle River: Prentice Hall, 2006. CULLER, D. E.; SINGH, J. P., Parallel computer architecture – a
hardware/software approach, 1 ed., San Francisco: Morgan Kaufmman Publishers, 1999. Bibliografia
complementar: SHEN, J. P.; LIPASTI, M. H., Modern processor design – Fundamentals of Superscalar
Processors, 1 ed., New York: McGraw-Hill, 2004. KAELI, D.; YEW, P.-C., Speculative execution in high
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
22
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
performance computer arquitectures, 1 ed., Boca Raton CRC Press, 2005. LENOSKI, D. E.; WEBER, W-D.,
Scalable shared memory multiprocessing, 1 ed., San Francisco: Morgan Kaufmman Publishers, 1995.
ARQUITETURA TCP/IP
Pré-requisitos: Redes de Computadores. Carga horária: 68 horas.
Camadas da Arquitetura TCP/IP: rede, transporte e aplicação. Roteamento estático e dinâmico. Roteamento avançado – protocolos interno, externo e multicast; e troubleshooting. IPv6. Protocolos de transporte. Controle de
congestionamento. Camada de aplicação: aspectos gerais e serviços stand-alone e sob demanda. Bibliografia básica: KUROSE, J. F.; ROSS, K. W., Redes de computadores e a internet: uma abordagem top-down, 3 ed., Upper Saddle River: Prentice-Hall, 2005. FOROUZAN, B. A.; FEGAN, S. C., Protocolo TCP/IP, 3 ed., São Paulo:
McGraw-Hill, 2009. SCRIMGER, R., TCP/IP, a Bíblia, Rio de Janeiro: Campus, 2002. Bibliografia
complementar: COMER, D. E., Computer Networks and Internets, 5 ed., Upper Saddle River: Prentice-Hall,
2008. PETERSON, L. L.; DAVIE, B. S., Computer Networks: a system approach, 4 ed., San Francisco: Morgan
Kauffman, 2007. SOUSA, L. B., TCP/IP básico & conectividade em redes, 3 ed., São Paulo: Érica, 2006.
ATIVIDADES COMPLEMENTARES
Pré-requisitos: De acordo com o Regulamento de Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação do CPPP. Carga horária: 102 horas.
Desenvolvimento de atividades complementares, de acordo com o Regulamento das Atividades Complementares
do Curso de Ciência da Computação/CPPP. Bibliografia: Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação/CPPP.
Excluído: .
BANCO DE DADOS I
Pré-requisitos: ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO II. Carga horária: 68 horas. Caráter: Teórico e prático.
Ementa: Conceitos Básicos. Histórico. Arquitetura de um SGBD. Modelos de Dados. Projeto de Bases de Dados.
Modelo Entidade-Relacionamento (ME-R). Modelo Entidade-Relacionamento Estendido (ME-RX). Modelo Relacional (MRel). Álgebra Relacional. Comandos SQL. Normalização. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: ELMASRI,
R.; NAVATHE, S. B. Sistema de banco de dados: fundamentos e aplicações. 6ª. Edição, Rio de Janeiro: LTC,
2000. DATE, C. J. Introdução a Sistemas de Bancos de Dados. Rio de Janeiro: Campus, 2000. SILBERSCHATZ, A. KORTH, H. F. e SUDARSHAN, S. Sistema de Banco de Dados. 3ª. Edição, São Paulo: Makron
Books, 1999. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: GUIMARÃES, C. C. FUNDAMENTOS DE BANCOS
DE DADOS, CAMPINAS: EDITORA UNICAMP, 2003. MACHADO, F. N. R.; ABREU, M. P. Projeto de
Banco de Dados: uma visão prática. 7ª. Edição, São Paulo: Érica, 2001. SETZER, Valdemar W. Banco de dados:
conceitos, modelos, gerenciadores, projeto lógico. 3ª. Edição, São Paulo: Edgard Blucher, 1998.
Excluído: 3
BANCO DE DADOS II.
Pré-requisitos: BANCO DE DADOS I. Carga horária: 68 horas. Caráter: Teórico e prático. Ementa: Sistemas de
Gerenciamento de Bancos de Dados Relacional. SQL – DML – Consultas a dados (Aulas Práticas). SQL – DDL
(Aulas Práticas). SQL – DML – Alterações de dados. Processamento de Transações. Funções (Aulas Práticas).
Gatilhos (Aulas Práticas). Índices. Otimização de Consultas. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: DATE, C. J., Introdução a sistemas de Bancos de Dados. Rio de Janeiro: Campus, 2000. ELMASRI, R.; NAVATHE, S. B., Sistema
de banco de dados: fundamentos e aplicações. 3ª. Edição, Rio de Janeiro: LTC, 2000. SILBERSCHATZ, A.
KORTH, H. F. e SUDARSHAN, S., Sistema de banco de dados. 3ª. Edição, São Paulo: Makron Books, 1999.
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: MACHADO, F .N. R.; ABREU, M. P. Projeto de Banco de Dados: uma
visão prática. 7ª. Edição, São Paulo: Editora Érica, 2001. SOUKUP, R.; DELANEY, K. Desvendando o Microsoft SQL Server 7.0. Rio de Janeiro: Campus, 1999. SETZER, Valdemar W. Banco de dados: conceitos, modelos, gerenciadores, projeto lógico. 3ª. Edição, São Paulo: Edgard Blucher, 1998.
CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I :
Pré-requisitos: Matemática Elementar. Carga horária: 102 horas.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
23
Excluído: Álgebra Relacional.
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
Funções de uma variável real. Limite e continuidade. Derivada: conceitos e aplicações. Derivada Implícita. Regra da Cadeia. Máximos e mínimos. Teorema do Valor Médio. Integral de Riemann: Integral definida e indefinida. Teorema Fundamental do Cálculo. Aplicações da Integral.BIBLIOGRAFIA BÁSICA: ANTON, H.; BIVENS, I.; DAVIS, S.. Cálculo. v. 1, 8 ed.. Porto Alegre: Bookman, 2007. LEITHOLD, L.. O cálculo com Geometria Analítica. v.1. São Paulo: Harbra,1994. STEWART, J.. Cálculo. v 1, 5 ed.. São Paulo: Pioneira Thomson
Learning, 2006. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: SIMMONS, G.F.. Cálculo com Geometria Analítica. v.
1. São Paulo: McGraw-Hill, 1987. SWOKOWSKI, E.W.. Cálculo com Geometria Analítica. v. 1, 2 ed.. São
Paulo: Makron Books, 1994. GUIDORIZZI, H.L.. Um curso de cálculo. v. 1 e 2. Rio de Janeiro: LTC, 2001.
FLEMMING, D.M.; GONÇALVES, M.B.. Cálculo A: Funções, Limite, Derivação, Integração. São Paulo: Makron Books, 1992. LEITHOLD, L.. O cálculo com Geometria Analítica. v.1. São Paulo: Harbra,1994.
CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II
Pré-requisitos: Cálculo Diferencial e Integral I. Carga horária: 102 horas.
Seqüências e Séries. Equações Paramétricas e Coordenadas Polares. Vetores e a Geometria no Espaço. Funções
Vetoriais. Limite e continuidade. Derivadas parciais. Funções diferenciáveis. Regra da Cadeia. Gradiente e derivada direcional. Máximos e mínimos. Integrais múltiplas. Integrais de linha. Teoremas de Green, Gauss e Stokes. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: GUIDORIZZI, H.L.. Um curso de cálculo. v. 2 e 3. Rio de Janeiro: LTC, 2001.
STEWART, J.. Cálculo. v. 2., 5 ed.. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006. LEITHOLD, L.. O cálculo
com Geometria Analítica. v. 2. São Paulo: Harbra,1994. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: SIMMONS,
G.F.. Cálculo com Geometria Analítica. v. 2. São Paulo: McGraw-Hill, 1987. SWOKOWSKI, E.W.. Cálculo
com Geometria Analítica. v. 2, 2 ed.. São Paulo: Makron Books, 1994. ANTON, H.; BIVENS, I.; DAVIS, S..
Cálculo, v. 2, 8 ed.. Porto Alegre: Bookman, 2007.
CÁLCULO NUMÉRICO
Pré-requisitos: Algoritmos e Programação I; Cálculo Diferencial e Integral I. Carga horária: 68 horas. Erros. Zero de funções. Solução de sistemas lineares. Interpolação. Ajuste de curvas. Derivação e integração numérica.
Soluções numéricas de equações diferencias. BIBLIOGRAFIA BÁSICA: FRANCO, N. B.. Cálculo Numérico.
São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006. ARENALES, S.; DAREZZO A.. Cálculo numérico: aprendizagem com
apoio de software. São Paulo: Editora Pioneira Thomson Learning, 2008. RUGGIERO, M. G.; LOPES, V. L..
Cálculo numérico: aspectos teóricos e computacionais. São Paulo: Makron Books, 1996. BIBLIOGRAFIA
COMPLEMENTAR: BURDEN, R. L.; FAIRES D.. Análise Numérica. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2001. SPERANDIO, D.; MENDES J. T.; Silva L. H. M.. Cálculo Numérico: Características Matemáticas e
Computacionais dos Métodos Numéricos. São Paulo: Prentice Hall, 2003.
COMÉRCIO ELETRÔNICO
Pré-requisitos: Programação para Web. Carga horária: 68 horas.
Princípios e impactos em serviços. Marketing. Mercado e concorrência. Componentes técnicos para uma solução
de comércio eletrônico. Aplicações Web. Servidores de banco de dados. Aplicações específicas de comércio. Segurança. Planejamento e dimensionamento da aplicação. Marketing na área digital. Desenvolvimento de websites competitivos. Bibliografia básica: LAUDON, K. C.; TRAVER, C. G., E-commerce: business, technology,
society, 4. ed., New Jersey: Prentice-Hall, 2008. RAYPORT, J.; JAWORSKI, B., Introduction to e-commerce, 2.
ed., New York: McGraw-Hill, 2003. SCHNEIDER, G., Electronic commerce, 7. ed., New York: Course
Technology, 2006. Bibliografia Complementar: MCNURLIN, B. C.; SPRAGUE, R. H., Information systems
management in practice, 7. ed., New Jersey: Prentice-Hall, 2005. OBAIDAT, M., BOUDRIA, N., Security of esystems and computer networks, Cambridge: Cambridge University Press, 2007. TURBAN, E.; et al., Electronic
commerce: a managerial perspective 2008, New Jersey: Prentice-Hall, 2008.
COMPILADORES
Pré-requisitos: Linguagens Formais e Autômatos. Carga horária: 68 horas.
Introdução a compilação. Análise léxica e sintática. Tradução dirigida por sintaxe. Verificação de tipos. Ambientes de tempo de execução. Máquinas virtuais. Geração de código intermediário. Construção de um compilador.
Bibliografia básica: SEBESTA, R. W., Concepts of programming languages, 8 ed., New York: Addison-Wesley,
2007. AHO, A. V.; LAM, M. S.; SETHI, R., Compiladores: princípios, técnicas e ferramentas, 2 ed., São Paulo:
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
24
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
Addison-Wesley (Pearson), 2007. APPEL, A. W., Modern compiler implementation in Java, 2 ed., New York:
Cambridge University Press, 2003. Bibliografia complementar: COOPER, K.; TORCZON, L., Engineering a
compiler, 1 ed., San Francisco: Morgan-Kaufmann Publishers, 2003. GRUNE, D.; BAL, H.; LANGENDOEN,
K., Projeto moderno de compiladores – implementação e aplicações, 1 ed., Rio de Janeiro: Campus, 2001.
LOUDEN, K., Compiladores: princípios e práticas, 1 ed., São Paulo: Thompson Pioneira, 2004. NETO, J. J., Introdução à Compilação, Rio de Janeiro: LTC, 1978. RICARTE, I., Introdução à Compilação, Rio de Janeiro:
Campus-Elvesier, 2008.
COMPUTAÇÃO GRÁFICA
Pré-requisitos: Estrutura de Dados e Programação; Vetores e Geometria Analítica. Carga horária: 68 horas.
Fundamentos. Modelagem geométrica. Modelos de iluminação. Câmara Virtual. Síntese de imagens. Animação.
Bibliografia básica: FOLEY, J. D.; et al., Computer graphics: principles and practice in C, 2 ed., New York:
Addison-Wesley, 1995. GLASSNER, A. S., An introduction to ray tracing, Oxford: Morgan Kauffman, 1989.
WATT, A., 3D computer graphics, New York: Addison-Wesley, 2000. Bibliografia complementar: LENGYEL,
E., Mathematics for 3D game programming and computer graphics, 2 ed., Boston: Charles River Media, 2003.
SHIRLEY, P.; et al., Fundamentals of computer graphics, 2 ed., Wellesley: A K Peters, 2005. SUFFERN, K.,
Ray Tracing from the ground up, Wellesley: A K Peters, 2007.
CONTABILIDADE E CUSTOS
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
Noções preliminares e gerais. Fatos históricos da contabilidade. Fatos contábeis. Aspectos fundamentais da teoria contábil. Classificação de contas e patrimônio contábil. Método de escrituração contábil. A contabilidade e a
computação. Introdução à Gestão Organizacional. O Mercado e os Preços. Introdução aos Custos. Bibliografia
básica: CHING, H. Y., Contabilidade e Finanças Para não Especialistas, São Paulo: Prentice Hall, 2003. LUDÍCIBUS, S.; MARION, J. C., Curso de contabilidade para não contadores – para as áreas de administração,
economia, direito, engenharia, 4 ed., São Paulo: Atlas, 2006. Bibliografia complementar: COELHO NETO, P.,
Manual de procedimentos contábeis para micro e pequenas empresas, 5 ed., Brasília: CFC, 2002. LEONE, G.
S., Cursos de Contabilidade de Custos, 2 ed., São Paulo: Atlas 2000. TROSTER, R. L.; MORCILLO, F. M., Introdução à Economia, São Paulo: Makron Books, 2000.
DIREITO
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
Fundamento de direito público e privado. Aplicação de normas jurídicas aos fatos econômicos. Noções de legislação trabalhista, comercial e fiscal. Tipos de sociedades. Propriedade industrial. Patentes e direitos. Bibliografia
básica: DINIZ, M. H., Compêndio de Introdução à Ciência do Direito, 12 ed., São Paulo: Saraiva, 2000.
FERRAZ JR., T. S., Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão, dominação, 2 ed., São Paulo: Atlas,
1994. MACHADO NETO, A. L., Compêndio de Introdução à Ciência do Direito, 6 ed., São Paulo: Saraiva,
1988. REALE, M., Lições Preliminares de Direito, 3 ed., São Paulo: Saraiva, 1976. BRASIL, Constituição
(1988), Constituição da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, Senado, 1988. Bibliografia complementar:
ANDRADE, C. J. O., Problema dos Métodos da Interpretação Jurídica, São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1992. BATALHA, W. S. C., Teoria Geral do Direito, Rio de Janeiro: Editora Forense, 1982. HART, H. L.
A., O Conceito de Direito, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1986. MARQUES NETO, A. R., A Ciência do Direito: conceito, objeto, método, Rio de Janeiro: Editora Forense, 1982.
EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
Educação a distância histórico mundial e no Brasil. Educação a distância enquanto modalidade particular de prática educativa. Meios de prática dessa modalidade (correios, rádio, televisão, meio telemático). Sociedade da informação e a Educação a Distância. Reflexos sociais da Educação a Distância. Reflexões sobre o futuro da Educação a Distância no espaço social e virtual (na Internet). Bibliografia básica: BELLONI, M. L., Educação a distância, 3 ed., Campinas: Autores Associados, 2003, (Coleção educação contemporânea). TEODORO, I. V. D.;
FREITAS, J. C., Educação e Computadores, Lisboa: Ministério da Educação de Portugal/GEP. FERRETTI, C.
J.; et al., Novas tecnologias, trabalho e educacao: um debate multidisciplinar, 3. ed., Petrópolis: Vozes, 1996.
LIMA, L. O., Mutações em educação segundo Mcluhan, 21 ed., Petrópolis: Vozes, 1996. Bibliografia complementar: LITWIN, E., Tecnologia educacional: política, histórias e propostas, Porto Alegre: Artes Médicas,
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
25
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
1997. PALLOFF, R. M., Construindo comunidades de aprendizagem no ciberespaco : estrategias eficientes para
a sala de aula on-line, Porto Alegre: ARTMED, 2002.
ELETROMAGNETISMO
Pré-requisitos: Física III. Carga horária: 68 horas.
Campo eletrostático. Lei de Coulomb e campo elétrico estático. Densidade de fluxo elétrico e lei de Gauss. Potencial elétrico escalar estático. Densidade de energia armazenada no campo elétrico. Materiais condutores. Materiais dielétricos. Resistência. Capacitância. Equações de Poisson e de Laplace. Condições de contorno elétricas.
Campo magnetostático. Lei de Biot-Savart. Densidade de fluxo magnético e Lei da Àmpere. Potenciais magnéticos estáticos, vetoriais e escalares. Forças e torques de origem magnética. Polarização magnética. Ferromagnetismo. Condições de contorno magnéticas. O circuito magnético. Densidade de energia armazenada no campo
magnético. Forças em materiais magnéticos. Indutâncias próprias e mútua. Bibliografia Básica: GRIFFITHS, D.
J., Introduction to Electrodynamics, 3 ed., Prentice Hall, 1989. REITZ, J. R.; MILFORD, F. J.; CHRISTY, R.
W., Fundamentos da Teoria Eletromagnética, 3 ed., Rio de Janeiro: Editora Campus, 1982. MARION, J. B.;
HEALD, M. A., Classical Electromagnetic Radiation, 2 ed., Harcourt Brace Jovanovich, 1995. Bibliografia
complementar: JACKSON, J. D., Classical Eletrodynamics, Wiley, 1998. LANDAU, L. D.; LIFSHITZ, E. M.;
PITAEVSKII, L.P., Electrodynamics of Continuous Media: volume 8 (course on theoretical physics),
Butterworth-heinemann, 2004.
EMPREENDEDORISMO
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
Estudo dos mecanismos e procedimentos para criação de empresas. Perfil do empreendedor. Sistemas de gerenciamento, técnicas de negociação. Qualidade e competitividade. Marketing. Bibliografia básica: DEGEN, R., O
Empreendedor - Fundamentos da Iniciativa Empresarial, 8 ed., São Paulo: Makron Books, 1989. DORNELAS,
J. C. A., Empreendedorismo: transformando idéias em negócio, 2 ed., Rio de Janeiro: Campus, 2005. OLIVEIRA, D. P. L., Planejamento Estratégico - conceitos, metodologias, práticas, 18 ed., São Paulo: Atlas, 2002. Bibliografia complementar: BIRLEY, S.; MUZYKA, F. D., Dominando os Desafios do Empreendedor, São Paulo:
Makron Books, 2001. DOLABELA, F., O segredo de Luísa, 2 ed., São Paulo: Cultura, 2006. DRUKER, P. F.,
Inovação e Espírito Empreendedor, 5 ed., São Paulo: Pioneira, 1987.
ENGENHARIA DE SOFTWARE I
Pré-requisitos:Algoritmos e Programação I. Carga horária: 68 horas.
Introdução à engenharia de software. Modelos de processos de desenvolvimento de software. Técnicas de gerenciamento e planejamento de software. Engenharia de Sistemas. Requisitos e especificação de software. Métodos
de análise e projeto de software. Bibliografia básica: SOMERVILLE, I., Engenharia de Software, 8 ed., São
Paulo: Prentice-Hall, 2007. PRESSMAN, R. S., Engenharia de Software, São Paulo: Makron Books, 2006. PFLEEGER, S. L., Engenharia de software: teoria e prática, 2 ed., São Paulo: Prentice-Hall, 2004. Bibliografia
complementar: BASS, L.; CLEMENTS, P.; KAZMAN, R., Software Architecture in Practice, 2 ed., AddisonWesley, 2003. PETERS, J. F.; PEDRYCZ, W., Engenharia de Software: Teoria e Prática, 1 ed., Rio de Janeiro:
Campus, 2001. PADUA, W. P. F., Engenharia de Software: Fundamentos, Métodos e Padrões, 1 ed., Rio de Janeiro: Editora LTC, 2001. REZENDE, D. A., Engenharia de Software e Sistemas de Informação, 2 ed., Rio de
Janeiro: Brasport, 2002.
ENGENHARIA DE SOFTWARE II
Pré-requisitos: Banco de Dados I; Engenharia de Software I. Carga horária: 68 horas.
Codificação. Verificação e Validação. Garantia de qualidade de software. Gerenciamento de configuração. Evolução de Software: manutenção de software, reengenharia e engenharia reversa. Bibliografia básica: PRESSMAN, R.S., Engenharia de Software, São Paulo: Makron Books, 2006. PFLEEGER, S. L., Engenharia de software: teoria e prática, 2 ed., São Paulo: Prentice-Hall, 2004. SOMMERVILLE, I., Engenharia de software, 8
ed., São Paulo: Prentice-Hall, 2007. Bibliografia complementar: PETERS, J. F.; PEDRYCZ, W., Engenharia de
Software: Teoria e Prática, 1 ed., Rio de Janeiro: Campus, 2001. PADUA, W. P. F., Engenharia de Software:
Fundamentos, Métodos e Padrões, 1 ed., Rio de Janeiro: Editora LTC, 2001. REZENDE, D. A., Engenharia de
Software e Sistemas de Informação, 2 ed., Rio de Janeiro: Brasport, 2002.
ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO I
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
26
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
Pré-requisitos: De acordo com o Regulamento de Estágio do Curso de Ciência da Computação do CPPP. Carga
horária: 102 horas.
Desenvolvimento de atividades em que se apliquem os conceitos adquiridos ao longo do curso, sob a supervisão
de um professor, de acordo com o Regulamento de Estágio Supervisionado em Informática do CPPP. Bibliografia: Regulamento de Estágio Supervisionado em Informática do Câmpus de Ponta Porã.
ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO II
Pré-requisitos: De acordo com o Regulamento de Estágio do Curso de Ciência da Computação do CPPP. Carga
horária: 102 horas.
Desenvolvimento de atividades em que se apliquem os conceitos adquiridos ao longo do curso, sob a supervisão
de um professor, de acordo com o Regulamento de Estágio Supervisionado em Informática do CPPP. Bibliografia: Regulamento de Estágio Supervisionado em Informática do Câmpus de Ponta Porã.
ESTRUTURA DE ARQUIVOS E PROGRAMAÇÃO
Pré-requisitos: Estrutura de Dados e Programação. Carga horária: 102 horas.
Dispositivos de armazenamento de dados. Organização de arquivos e tipos de acesso. Operações básicas sobre
arquivos. Indexação e listas invertidas. Estruturas eficientes de busca: árvores B e variações, espalhamento.
Bibliografia básica: FOLK, M. J.; ZOELLICK, B., File Structures, Addison-Wesley, 1992. ZIVIANI, N., Projeto de Algoritmos com Implementações em Pascal e C, 2 ed., Thomson, 2004, ISBN 85-221-0390-9. BAEZAYATES, R.; RIBEIRO-NETO, B., Modern Information Retrieval, Addison-Wesley, 1999, ISBN 020139829X.
M. FARLEY, M. Building Storage Networks, McGraw Hill, 1999, ISBN 0072120509. ZEZULA, P.; CIACCIA,
P.; RABITTI, F., ”M-tree: A Dynamic Index for Similarity Queries in Multimedia Databases”, Tech. Report 07,
Relatório Técnico disponível em: http://www.ced.tuc.gr/Research/Reports/HERMES/Reports.htm. CIACCIA,
P.; PATELLA, M., ”Performance of M-tree, an Access Method for Similarity Search in Metric Spaces”, Tech.
Report 13, Relatório Técnico disponível em: http://www.ced.tuc.gr/Research/Reports/HERMES/Reports.htm.
CIACCIA, P.; PATELLA, M., ”Bulk Loading the M-tree”, Tech. Report 28, Relatório Técnico disponível em:
http://www.ced.tuc.gr/Research/Reports/HERMES/Reports.htm. Bibliografia Complementar: SALZBERG, B.
J., File Structures: An Analytic Approach, Prentice Hall, 1988, ISBN 013314691X. LIVADAS, P. E., File
Structures: Theory and Practice, Prentice Hall, 1990, ISBN 0133150941.
ESTRUTURA DE DADOS E PROGRAMAÇÃO
Pré-requisitos: Algoritmos e Programação II. Carga horária: 102 horas.
Tabelas de dispersão. Árvores Binárias de Busca, Árvores Balanceadas: AVL, Árvore Rubro-Negra, B-Árvore,
Busca Digital: Árvore Digital, Árvore Digital Binária e Árvore Patrícia. Processamento de Cadeias: Busca de
Padrão e Compactação de Dados. Bibliografia: CORMEN, T. H.; LEISERSON, C. E.; RIVEST, R. L.,
Introduction to algorithms, 2 ed., Cambridge: MIT Press and New York: McGraw-Hill, 2002. WIRTH, N., Algoritmos e estrutura de dados, 1 ed., Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 1989. SZWARCFITER, J. L.;
MARKENZON, L., Estruturas de Dados e seus algoritmos, 1 ed., Rio de Janeiro: LTC, 1994. TENEBAUM, A.
M.; LANGSAM, Y.; AUGENSTEIN, M. J., Data structures using C, Upper Saddle River: Prentice-Hall, 1990.
Bibliografia complementar: EDMONDS, J., How to Think About Algorithms, 1 ed., Cambridge: Cambridge
University Press, 2008. KNUTH, D. E., The art of computer programming: fundamental algorithms, 3 ed.,
Redwood City: Addison Wesley Longman Publishing, 1997. DEITEL, H. M.; DEITEL, P.J., The complete Java
2 training course with Book, 3 ed., Upper Saddle River: Prentice-Hall, 1999. DEITEL, H. M.; DEITEL, P. J.,
Java: How to program, 7 ed., Upper Saddle River: Prentice-Hall, 2006.
ESTUDO DE LIBRAS
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
Introdução a Linguagem Brasileira de Sinais (LIBRAS). Desenvolvimento cognitivo e liguístico e a aquisição da
primeira e segunda língua. Aspectos discursivos e seus impactos na interpretação. Bibliografia básica: ALMEIDA, E. C., Atividades ilustradas em sinais da LIBRAS, Rio de Janeiro: Revinter, 2004. FELIPE, T., Libras em
contexto, Recife: EDUPE, 2002. QUADROS, R.M., O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa, Brasília: MEC/SEESP, 2001. Bibliografia complementar: LODI, A. C. B.; et al., Letramento e
minorias, Porto Alegre: Mediação, 2002. SILVA, A. P. B.; MASSI, G. A. A.; GUARINELLO, A. C., Temas atuais em fonoaudiologia: linguagem escrita, São Paulo: Summus, 2002. ELLIOT, A. J., A linguagem da criança, Rio de Janeiro: Zahar, 1982.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
27
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
FÍSICA I
Pré-requisitos: Cálculo Diferencial e Integral I. Carga horária: 68 horas.
Fundamentos matemáticos. Cinemática do ponto. Leis de Newton. Estática e dinâmica da partícula. Trabalho e
energia. Conservação da Energia. Momento linear e sua conservação. Colisões. Momento angular da partícula e
de sistemas de partículas. Rotação de corpos rígidos. Bibliografia básica: HALLIDAY, D.; MERRIL, J., Fundamentos da Física: mecânica, 7 ed., Rio de Janeiro: LTC, 2006. NUSSENZVEIG, H. M., Curso de Física Básica, Volume 1, 4 ed. revisada, São Paulo: Edgard Blücher, 2004. Bibliografia complementar: MARION, J. B.;
THORNTON, S. T., Classical Dynamics of Particles and Systems, Harcourt, 1995. FEYNMAN, R. P.;
LEIGHTON, R. B.; SANDS, M., The Feynman Lectures on Physics, Addison-Wesley Publishing Company,
1966. LANDAU, L. D., LIFSHITZ, E. M., SYKES, J. B., BACON, J. S., BELL, J. S., Course of Theoretical
Physics, Volume 1 (Mechanics), 3 ed., Butterworth-Heinemann, 1982.
FÍSICA III
Pré-requisitos: Cálculo Diferencial e Integral II. Carga horária: 68 horas.
Carga elétrica, lei de Coulomb, campo elétrico, lei de Gauss, potencial elétrico, capacitância, corrente e resistência, força eletromotriz e circuitos elétricos, campo magnético, lei de Ampère, lei da indução de Faraday, indutância, propriedades magnéticas da matéria, oscilações eletromagnéticas, correntes alternadas, equações de Maxwell. Bibliografia básica: HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J., Fundamentos da Física – Volumes III
e IV, 4 ed., Rio de Janeiro: LTC, 1996. NUSSENZWEIG, H., M., Curso de Física Básica, Volumes 3 e 4, São
Paulo: Edgard Blücher Ltda., 1998. ALONSO, M.; FINN, E. J., Física um curso universitário, volume II, 1 ed.,
São Paulo: Edgard Blücher, 1981. Bibliografia complementar: FEYNMAN, R. B.; LEIGHTON, M.; SANDS,
M., The Feynman Lectures on Physics, Addison-Wesley Publishing Company, 1966. GRIFFITHS, D. J.,
Introduction to Electrodynamics, Prentice-Hall, 1989. JACKSON, J. D., Classical Eletrodynamics, Wiley, 1998.
FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
A Era da Informação. Tecnologia da Informação. Teoria Geral dos Sistemas. Sistemas de Informação. Classificação dos Sistemas de Informação. Gerenciamento de recursos de dados. Gerenciamento de recursos de rede e
Internet. Sistemas de Informação Empresariais. O Processo de Desenvolvimento de Sistemas. Segurança e Questões Éticas em Sistemas de Informação. Características do profissional e carreiras de sistemas de informação.
Bibliografia básica: DAFT, R. L., Administração, São Paulo: Editora Cengage, 2010. LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P., Gerenciamento de sistemas e de informação, Rio de Janeiro: LTC, 2001. STAIR, R. M.; REYNOLDS, G.W., Princípios de Administração de Sistemas de Informação, São Paulo: Thompson Pioneira, 2005.
AUDY, J., Sistemas de informação: planejamento e alinhamento estratégico nas organizações, Bookman, 2003.
Bibliografia complementar: POLLONI, E., Administrando sistemas de informação, Futura, 2000. LAUDON, K.
C.; LAUDON, J. P., Sistemas de Informação Gerenciais. Administrando a empresa digital, 5 ed., São Paulo:
Prentice-Hall, 2004. MATOS, A. C. M. Sistemas de Informação: uma visão executiva, São Paulo: Saraiva, 2005.
O’BRIAN, J. A., Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet, 2 ed., São Paulo: Saraiva, 2004.
GERENCIAMENTO DE PROJETOS
Pré-requisitos: Engenharia de Software II. Carga horária: 68 horas.
Conceitos de Gestão de projetos. Práticas gerenciais do PMBOK. Métricas de processo e projeto de software.
Contagem de Pontos de Função. Técnicas de Estimativas de tempo e esforço de desenvolvimento. Estrutura de
Divisão de Trabalho. Análise e Gerenciamento de Riscos. Cronograma de desenvolvimento. Acompanhamento
de projetos. Bibliografia básica: QUADROS, M., Gerência de Projetos de Software – Técnicas e Ferramentas, 1
ed., Florianópolis: Visual Books, 2002. VARGAS, R. V., Gerenciamento de Projetos: Estabelecendo Diferenciais Competitivos, 2 ed., Rio de Janeiro: Brasport, 2000. VAZQUEZ, C.; SIMÕES, G. S.; ALBERT, R. M., Análise de pontos de função: mediação, estimativas e gerenciamento de projetos de software, 5 ed., São Paulo: Érica, 2006. Bibliografia complementar: PRESSMAN, R., Engenharia de Software, 1 ed., São Paulo: Makron Books, 1995. TEIXEIRA, W.; SANCHES, R., Pontos de Função: Uma Medida Funcional de Tamanho de Software, São Carlos, ICMC, 2000, (Relatório Técnico do ICMC-USP, 105), disponível em:
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]br
28
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
http://www.claretianas.br/~waine. TEIXEIRA, W. SANCHES, R., Modelos de Estimativa de Custo de Software
- COCOMO e COCOMO II, São Carlos, ICMC, 2000, (Relatório Técnico do ICMC-USP, 106), disponível em:
http://www.claretianas.br/~waine. VARGAS, R. V., Microsoft Project 2000, 1. ed., Rio de Janeiro: Brasport,
2000. FIORINI, S. T., Engenharia de Software com CMM, 1 ed., Rio de Janeiro: Brasport, 1999.
GOVERNANÇA DE TI
Pré-requisitos: Fundamentos de Sistemas de Informação. Carga horária: 68 horas.
Conceitos e importância de Governança de TI. Decisões Estratégicas de TI. Arquétipos de TI para alocação de
direitos decisórios. Mecanismos para implantar a Governança de TI. Tipos de governança. Associação da Estratégia, da Governança e do Desempenho. Princípios de Liderança para a governança de TI. Bibliografia básica:
ABREU, A. A.; FERRAZ, V., Implantando a Governança de TI da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços, 2 ed., Rio de Janeiro: Brasport, 2008. WEILL, P.; ROSS, J. W., Governança de TI, Tecnologia da Informação, 1 ed., São Paulo: Makron Books, 2005. Bibliografia complementar: ANTONIOU, G.; DEREMER, D.,
Computing and Information Technologies, Singapore: Wolrd Scientific, 2001. WESTERMAN, G.; HUNTER,
R., O Risco TI, 1 ed., São Paulo: Makron Books, 2008. MARCONI, F. V., Gerenciamento de Projetos de TI, 1
ed., Rio de Janeiro: Campus, 2004. IBCG, Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa, 3 ed., Rio
de Janeiro: Campus, 1996.
HIPERMÍDIA E MULTIMÍDIA
Pré-requisitos: Algoritmos e Programação de Computadores II. Carga horária: 68 horas.
Histórico e fundamentos de tecnologia multimídia e hipermídia. Sistemas e aplicações hipermídia. Problemas
das aplicações hipermídia. Dados e objetos multimídia. Produção multimídia (autoria). Metodologia, ferramentas
e linguagens para desenvolvimento de aplicações e sistemas hipermídia. Realidade virtual. Áreas de pesquisa em
hipermídia e multimídia. Bibliografia básica: FILHO, W. P. P. Multimídia: Conceitos e Aplicações, Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2000. BUGAY, E. L.; ULBRICHT, V. R. Hipermídia, Florianópolis: Bookstore, 2000. WOLFGRAM, D. E. Criando em multimídia, Rio de Janeiro: Campus, 1994. Bibliografia complementar: PERRY, P. Guia de Desenvolvimento de Multimídia, São Paulo: Ed. Berkeley. BIZZOTTO, C. E. N.
Director 6 Multimidia e lnternet, Florianópolis: Bookstore. VASCONCELOS, L. Multimídia nos PCs modernos,
São Paulo: Pearson Education, 2003. AZEVEDO, E. Computação gráfica, teoria e prática, Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.
INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
O conhecimento e as mídias oral, escrita, visual e digital. Informática e Educação. O computador como ferramenta de construção do conhecimento. Didática e Tecnologia. Histórico da informática na educação no Brasil.
Classificação de software educacional. Os tipos de ambientes educacionais baseados em computador. Exemplos
de diferentes categorias de softwares educacionais. As implicações pedagógicas e sociais do uso da informática
na educação. Informática na educação especial, na educação à distância e no aprendizado cooperativo. Desenho
e criação de materiais didáticos integrando textos, gráficos, tabelas, imagens, hipertexto e jogos. Ensino virtual:
situação atual e perspectivas futuras. Bibliografia básica: FILATRO, A., Design Instrucional na Prática, São
Paulo: Pearson, 2008. MORAN, J. M.; MASETTO, M. T. ; BEHRENS, M. A., Novas tecnologias e mediação
pedagógica, 8 ed., Campinas: Papirus, 2004. CARRILLO, J. A. O.; MEDINA, A. C., Nuevas tecnologías para
la educación en la era digital, Madrid, Pirámide, 2006. VALENTE, J. A.; et al., O computador na sociedade do
conhecimento, José Armando Valente (Coord.), Campinas, SP: Unicamp, 1999. Bibliografia complementar:
BARBOSA, R. M. (Org.); et al., Ambientes virtuais de aprendizagem, Porto Alegre: Artmed, 2005. LÉVY, P.,
Cibercultura, Carlos Irineu da Costa (Trad.), São Paulo: 34, 2005. LITWIN, E. (Org.), Tecnologia educacional:
política, histórias e propostas, Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. VALENTE, J. A.; et al., Formação de educadores para o uso da informática na escola, Jose Armando Valente (Coord.), Campinas, SP: Unicamp, 2003.
INICIAÇÃO CIENTÍFICA I
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
Iniciação a pesquisa científica sob supervisão de um orientador e de acordo com o Regulamento para Iniciação
Científica do Curso de Ciência da Computação/CPPP. Bibliografia: Regulamento para Iniciação Científica do
Curso de Ciência da Computação/CPPP.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
29
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
INICIAÇÃO CIENTÍFICA II
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
Iniciação a pesquisa científica sob supervisão de um orientador e de acordo com o Regulamento para Iniciação
Científica do Curso de Ciência da Computação/CPPP. Bibliografia: Regulamento para Iniciação Científica do
Curso de Ciência da Computação/CPPP.
INICIAÇÃO CIENTÍFICA III
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
Iniciação a pesquisa científica sob supervisão de um orientador e de acordo com o Regulamento para Iniciação
Científica do Curso de Ciência da Computação/CPPP. Bibliografia: Regulamento para Iniciação Científica do
Curso de Ciência da Computação/CPPP.
INICIAÇÃO CIENTÍFICA IV
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
Iniciação a pesquisa científica sob supervisão de um orientador e de acordo com o Regulamento para Iniciação
Científica do Curso de Ciência da Computação/CPPP. Bibliografia: Regulamento para Iniciação Científica do
Curso de Ciência da Computação/CPPP.
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL
Pré-requisitos: Paradigmas de Linguagens de Programação. Carga horária: 68 horas.
História e conceitos gerais. Introdução às linguagens mais usadas em IA. Resolução de problemas utilizando
busca. Representação de conhecimento. Introdução à tópicos especiais. Bibliografia básica: MITCHELL, T.,
Machine Learning, New York: McGraw Hill, 1997. RUSSEL, S.; NORVIG, P., Artificial Intelligence: A
Modern Approach, Upper Saddle River: Prentice-Hall, 1995. BITTENCOURT, G., Inteligência Artificial: Ferramentas e Teorias, 2 ed., Florianópolis: Editora da UFSC, 2001. Bibliografia complementar: BEALE, R.;
JACKSON, T., Neural Computing: An Introduction, Bristol: Adam Hilger, 1990. KNAPIK, M.; JOHNSON, J.
B., Developing Intelligent Agents for Distributed Systems: Exploring Architecture, Technologies, and
Applications, New York: McGraw Hill, 1997. SCHAHKOFF, R., Artificial Neural Networks, New York:
MacGraw Hill, 1997. WEISS, G., Multiagent Systems: A Modern Approach to Distributed Artificial Intelligence,
Cambridge: MIT Press, 1999. ROBERTS, R., Turbo Prolog, Rio de Janeiro: LTC, 1998. SALUS, P., Handbook
of Programming Languages, Volume 4, Indianopolis: Macmillan Technical Publishing, 1998. SHORAM, Yoav.,
Artificial Intelligence Techniques in Prolog, San Francisco: Morgan Kaufmann, 1994. STEELE, G., Common
Lisp: The Language, New York: Digital Press, 1990. WINSTON, P., HORN, B., LISP, 3 ed., Reading: AddisonWesley, 1997.
INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR
Pré-requisitos:nenhum. Carga horária: 68 horas.
Conceitos básicos. Engenharia Cognitiva. Engenharia Semiótica. Introdução a Avaliação de IHC: objetivos e
classificação. Avaliação por inspeção. Avaliação por Testes com Usuários. Modelagem. Processo de design de
IHC. Elicitação e Análise. Modelagem de Tarefas. Modelagem de Interação. Storyboarding e Prototipação.
Projeto de Interação com o Usuário. Padrões de Projeto de Interação. Guias de Estilo de Interação. Diretrizes de
Projeto. Estilos de Interação. Bibliografia básica: PREECE, J.; ROGERS, Y.; SHARP, H., Design de Interação –
Além da interação homem – computador, Porto Alegre: Bookman, 2005. ROCHA, Heloísa V.,
BARANAUSKAS, M. C. C., Design e Avaliação de interfaces humano-computador, São Paulo, Nied/Unicamp,
2003. FINLAY, J.; ABOWD, G. D.; BEALE, R. Human Computer Interaction, 3 ed., Upper Saddle River:
Prentice Hall, 2005. NIELSEN, J.; LORANGER, H., Usabilidade na web, Rio de Janeiro: Campus, 2007.
Bibliografia complementar: SOUZA, C. S., The Semiotic Engineering of HCI, MIT Press, 2005. MOGGRIDGE,
B., Designing interactions, Cambridge: MIT, 2007. SCHUMMER, T.; LUKOSH, S., Patterns for computermediated interaction, New York: John Wiley, 2007. TIDWELL, J., Design interfaces: patterns for effective
interaction design, Sebastopol: O’Reilly Media, 2005.
INTERCONEXÃO E CONFIGURAÇÃO DE ATIVOS DE REDE
Pré-requisitos: Arquitetura TCP/IP. Carga horária: 68 horas.
Fundamentos teóricos e práticos. Protocolos e tecnologias de interconexão. Equipamentos para interconexão de
redes. Configuração de roteadores e switches. Criação de VLANS. Bibliografia básica: NASCIMENTO, M. B.;
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
30
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
TAVARES, A. C., Roteadores e Switches, Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2006. PERLMAN, R.,
Interconnections: Bridges, Routers, Swithes, and Internetworking Protocols, New York: Addison-Wesley, 1999.
SEIFERT, R.; EDWARDS, J., The All-New Switch Book: The Complete Guide to LAN Switching Technology, 2
ed., New York: Wiley, 2008. Bibliografia complementar: CHAO, H. J.; LIU, B., High Performance Switches
and Routers, New York: Wiley-IEEE Press, 2007. DALLY, W. J.; TOWLES, B. P., Principles and Practices of
Interconnection Networks, San Francisco: Morgan Kauffman, 2004. LUCAS, M. W., Cisco Routers for the
Desperate: Router and Switch Management, the easy way, San Francisco: No Starch Press, 2009.
INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO
Pré-requisito: nenhum. Carga horária: 68 horas.
Empresa e sociedade. A empresa e sua complexidade. Funções na empresa. O processo gerencial. Planejamento.
Organização. Direção e liderança. Controle de ação empresarial. Novas formas de administração. Bibliografia
básica: BATEMAN, T. S; SNELL, S. A. Administração: o novo cenário competitivo, 2 ed., São Paulo: Atlas,
2006. DAFT, R. L., Administração, São Paulo: Editora Cengage, 2010. MAXIMIANO, A. C. A., Introdução à
administração, 6 ed. revisada e ampliada, São Paulo: Atlas, 2004. Bibliografia Complementar: DAFT, R. L., Teoria e projeto das organizações, 6 ed., Rio de Janeiro: LTC, 1999. MOTTA, F. C. P.; VASCONCELOS, I. F.
G., Teoria geral da administração, São Paulo: Thomson Pioneira, 2006. ROBBINS, S. P., Administração: mudanças e perspectivas, São Paulo: Saraiva, 2005.
INTRODUÇÃO A CRIPTOGRAFIA
Pré-requisitos: Algoritmos e Programação I; Fundamentos para Teoria da Computação. Carga horária: 68 horas.
Algoritmos e Programação I; Fundamentos Matemáticos para Teoria da Computação.
Requisitos da segurança da informação. Métodos clássicos de ciframento. Criptoanálise elementar. Cifras de
bloco versus cifras de fluxo. Técnicas para ciframento encadeado. Fundamentos matemáticos da criptografia
moderna. Técnicas básicas para a geração de números pseudo-aleatórios. Algoritmos modernos e ciframento:
simétricos ou de chave secreta, assimétricos ou de chave pública. Assinaturas digitais: algoritmos e protocolos
para identificação de usuários e não repúdio de envio de mensagens. Funções de espalhamento (hashing) criptográficas e seu uso em protocolos de autenticação de mensagens. Protocolos de suporte: certificação e gerenciamento de chaves. Técnicas para compartilhamento de informações secretas. Estudo de casos. Bibliografia básica:
FERGUSON, N.; SCHNEIER, B, Practical cryptography, 1 ed., New York: John Wiley & Sons, 2003.
MENEZES, A. J.; VAN OORSCHOT, P. C.; S. A. – Handbook of applied cryptography, 1 ed., Boca Raton:
CRC Press, 1996. SCHNEIER, B., Applied cryptography: protocols algorithms, and source code in C, 2 ed.,
New York: John Wiley & Sons, 1996. KONHEIM, A. G., Cryptography: a primer, 1 ed., New York: John
Wiley & Sons, 1981. Bibliografia Complementar: BIHAM, E.; SHAMIR, A., Differencial Cryptoanalysis of the
data encryption standard, 1 ed., London: Springer-Verlag, 1993. WELSH, D., Codes and Cryptography,1ed.,
New York: Claredon Press.
INTRODUÇÃO A ECONOMIA
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
O Objeto da Economia. Divisão do Trabalho e Produtividade. Produção e Preços. Preço e Lucro. O Planejamento Econômico e as Empresas. Estrutura e Organização das Empresas. Mercado. Produção e Finanças das Empresas. Análise Econômica de Investimentos. Noções de funcionamento de uma economia moderna do ponto de vista global, incluindo relações externas e
destacando as dificuldades estruturais de uma economia subdesenvolvida. Bibliografia básica: CANO, W., Introdução à economia: uma abordagem crítica, São Paulo: UNESP, 1998. MANKIW, N.G., Introdução à Economia, Rio de Janeiro: Campus, 1999. GARCIA, M.; VASCONCELOS, M. A. S., Fundamentos de economia,
São Paulo: Saraiva, 1998. MUNHOZ, D. G., Economia aplicada: técnicas de pesquisa e análise econômica,
Brasília: UnB, 1989. PASSOS, C. R. M.; NOGAMI, O., Princípios de economia, 4 ed. revisada e ampliada, São
Paulo: Thomson, 2003. Bibliografia complementar: PINHO, D. B.; VASCONCELOS, M. A. S. (org.) Manual
de economia, 4 ed., São Paulo: Saraiva, 2003. VASCONCELOS, M. A. S., Economia: micro e macro, São Paulo: Atlas, 2000. GIL, A. C., Técnicas de pesquisa em economia, São Paulo: Atlas, 1988. HUNT, E.K., História
do pensamento econômico: uma perspectiva crítica, Rio de Janeiro: Campus, 1985. GREMAUD, A. P.; VASCONCELLOS, M. A. S.; TONETO Jr., R., Economia Brasileira Contemporânea, 4 ed., São Paulo: Atlas, 2002.
INTRODUÇÃO A OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
31
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
Pré-requisitos: Vetores e Geometria Analítica; Algoritmos e Programação II. Carga horária: 68 horas.
Propriedades básicas em Otimização. Problemas irrestritos. Problemas com restrições. Programação linear. Fluxos em redes. Programação dinâmica. Programação linear inteira. Programação não-linear. Bibliografia básica:
HILLER, F. S.; LIEBERMAN, G. J., Introduction to Mathematical Programming, McGraw-Hill, 1991.
RARDIN, R. L., Optimization in Operations Research, Prentice-Hall, 1998. WINSTON, W. L., Operations
Research: Applications and Algorithms, 4 ed., Brooks/Cole – Thomson Learning, 2004. Bibliografia
complementar: BAZARAA, M. S.; JARVIS, J. J.; SHERALI, H. D., Linear Programming and Network Flows,
Wiley, 1990. BERTSIMAS, D.; TSITSIKLIS, J. N., Introduction to Linear Optimization, Athena Scientific,
1997. CHVÁTAL, V., Linear Programming, W. H. Freeman, 1983. DANTZIG, G. B., Linear Programming and
Extensions, Princeton University, 1963. SCHRIJVER, A., Theory of Linear and Integer Programming, John
Wiley & Sons, 1998. LUENBERGER, D. G., Linear and Non-Linear Programming, 2 ed., Addison-Wesley,
1984. FLETCHER, R., Pratical Methods of Optimization, 2 ed., John Wiley & Sons, 1988. GILL, P.;
MURRAY, W.; WRIGHT, M., Pratical Optimization, Academic Press, 1981.
INTRODUÇÃO A SISTEMAS DIGITAIS
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
Organização básica de um computador: processador, memórias, barramentos, dispositivos de E/S. Representação
de dados e sistemas de numeração. Álgebra booleana, portas lógicas, tabela verdade, implementação e
minimização de funções lógicas. Circuitos combinacionais básicos: multiplexadores, demultiplexadores,
decodificadores, codificadores, circuitos aritméticos. Temporização. Circuitos seqüenciais: flip-flops,
registradores, memórias. Bibliografia básica: IDOETA, I. V.; CAPUANO, F. G., Elementos de eletrônica
digital, 24 ed., São Paulo: Érica, 1995. TAUB, H., Circuitos digitais e microprocessadores, São Paulo:
McGraw-Hill, 1984. TOCCI, R.; WIDMER, N., MOSS. Sistemas digitais: princípios e aplicações, 10 ed., São
Paulo: Prentice-Hall, 2007. Bibliografia complementar: FLOYD, T. L., Digital Fundamentals, 10 ed., New
Jersey: Pearson/Prentice-Hall, 2009. CAPUANO, F. G, Exercícios de eletrônica digital, 2 ed., São Paulo: Érica,
1995. MANO, M. M., Digital design, 2 ed., Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1991.
LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA
Pré-requisitos: Física III. Carga horária: 34 horas.
Experiências de laboratório sobre: Lei de Coulomb e campo elétrico estático; densidade de fluxo elétrico e lei de
Gauss; potencial elétrico escalar estático; densidade de energia armazenada no campo elétrico; materiais Condutores; materiais dielétricos; resistência; capacitância; equações de Poisson e de Laplace; condições de contorno
elétricas; campo magnetostático; Lei de Biot-Savart; densidade de fluxo magnético e Lei da Àmpere; potenciais
magnéticos estáticos, vetoriais e escalares; forças e torques de origem magnética; polarização magnética; ferromagnetismo; condições de contorno magnéticas;
circuito magnético; densidade de energia armazenada no campo magnético; forças em materiais magnéticos; indutâncias próprias e mútua. Bibliografia Básica: HOROWITZ, P.; HILL, W., The Art of Electronics, Cambridge:
Cambridge University Press, 2 ed., 1991. MILLMAN, J.; HALKIAS, C. C., Eletrônica: Dispositivos e circuitos,
São Paulo: Makron Books, 1981. BOYLESTAD, R. L.; NASHELSKY, L., Dispositivos Eletrônicos e Teoria de
Circuitos, 8 ed., Pearson Prentice Hall, 2004. VUOLO, J. H., Fundamentos da Teoria de Erros, São Paulo: Edgard Blücher Ltda, 1992 . Bibliografia complementar: HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J., Fundamentos da Física – Volumes III e IV, 4 ed., Rio de Janeiro: LTC, 1996. BEVINGTON, P. R.; ROBINSON, D.
K., Data Reduction and Error Analysis for Phisical Sciences, New York: McGraw-Hill, 1992. NUSSENZWEIG, H. M., Curso de Física Básica, Volume 3, São Paulo: Edgard Blücher Ltda., 1998. GRIFFITHS, D. J.,
Introduction to Electrodynamics, Prentice Hall, 1989.
LEITURA E REDAÇÃO CIENTÍFICA
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica, visando a inserção do discente na pesquisa acadêmica. Reflexão sobre a ciência, explicitando a necessidade do uso do método científico e do desenvolvimento da Pesquisa
Científica. Estudo sobre as diversas formas de elaboração de textos científicos. Utilização de aplicativos e ferramentas disponíveis nos microcomputadores para busca de informação, elaboração, apresentação e publicação de
trabalhos científicos. Bibliografia básica: SEVERINO, A. J.,Metodologia do Trabalho Científico, 22 ed, São
Paulo: Cortez, 2002. GRESSLER, L. A., Introdução a pesquisa: projetos e relatórios, São Paulo: Loyola, 2003.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
32
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
GIL, A. C., Como elaborar projetos de pesquisa, 4ed, São Paulo: Atlas, 2002. OLIVEIRA, J. P. M.; MOTTA, C.
A. P., Como escrever textos técnicos, São Paulo: Thomson Learning, 2007. Bibliografia complementar: BARROS, A. J. P.; LEHEFELD, N. A. S. Fundamentos de Metodologia: um guia para iniciação científica, 2ª Edição, São Paulo: Makron Books, 2000. BASTOS, C.,Aprendendo a aprender: introdução a metodologia cientifica, 10 ed,Petropolis: Vozes, 1998. KÖCHE, J. C.,Fundamentos de Metodologia Científica: teoria da ciência e
iniciação à pesquisa, 23 ed, São Paulo: Vozes, 1997.
LINGUAGENS FORMAIS E AUTÔMATOS
Pré-requisitos: Estrutura de Dados e Programação; Matemática Discreta. Carga horária: 68 horas.
Alfabetos, linguagens, gramáticas e autômatos. Linguagens regulares. Linguagens livre de contexto. Linguagens
recursivas e linguagens recursivamente enumeráveis. Máquinas de Turing. Bibliografia básica: RAMOS, M. V.
M.; NETO, J. J.; VEGA, I. S., Linguagens Formais: Teoria, Modelagem e Implementação, Bookman, 2009.
KELLY, D., Automata and Formal Languages, Prentice-Hall, 1995. SIPSER, M., Introduction to the Theory of
Computation, PWS, 1997. HOPCROFT, J. E.; ULLMAN, J. D., Introduction to Automata Theory, Languages
and Computation, Addison-Wesley, 1979. Bibliograbia complementar: VIEIRA, N. J., Introdução aos Fundamentos da Computação: Linguagens e Máquinas, Thomson, 2006. GREENLAW, R.; HOOVER, H. J.,
Fundamentals of the Theory of Computation, Morgan Kaufmann, 1998. HARRISON, M. A., Introduction to
Formal Language Theory, Addison-Wesley, 1978. FLOYD, R.W.; BEIGEL, R., The Language of Machines, W.
H. Freeman, 1994. MINSKY, M., Computation: Finite and Infinite Machines, Prentice-Hall, 1967.
MATEMÁTICA DISCRETA
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas-aula.
Lógica: sentenças; representação simbólica, tautologias, quantificadores, predicados, validade, lógica proposicional e lógica de predicados. Técnicas de Demonstração: raciocínio indutivo e dedutivo; uso de contraexemplos; demonstração direta; demonstração por contraposição; demonstração por exaustão; demonstração por contradição; demonstração por indução. Conjuntos: notação da teoria dos conjuntos; subconjuntos e conjunto das
partes; operações binárias e unárias em um conjunto; operações de união, interseção, complemento e produto
cartesiano; identidades de conjuntos e formas de prová-las; demonstração da denumerabilidade de alguns conjuntos e o uso do método de diagonalização de Cantor para demonstrar a não enumerabilidade. Relações: relações binárias; relações n-árias; operações em relações binárias; as propriedades reflexiva, simétrica, transitiva e
antissimétrica de relações binárias; os fechos reflexivo, simétrico e transitivo de uma relação binária; definição
de relação de equivalência e classes de equivalência. Funções: definição; funções injetivas; sobrejetivas e bijetivas; composição de fuções, funções inversas, crescimento de funções, notação assintótica. Contagem: princípios
fundamentais, incluindo o Princípio da Multiplicação e o Princípio da Adição. Princípio da Inclusão e Exclusão e
o Princípio das Casas dos Pombos. Permutações e Combinações. Polinômio Binomial. Bibliografia básica:
ROSEN, K. H., Discrete Mathematics and its applications, 5 ed., McGraw-Hill, 2003. ROSS, K. A.; WRIGHT,
C. R. B.,Discrete Mathematics, Prentice-Hall, 1992. SCHEINERMAN, E. R., Matemática Discreta - Uma Introdução, São Paulo: Thomson, 2003.GRAHAM, R. L.; KNUTH, D. E.; PATASHNIK, O., Matemática Concreta, 2
ed., Addison-Wesley Publishing, 1995. Bibliografia complementar: GERSTING, J. L., Fundamentos Matemáticos para a Ciência da Computação, 4 ed., Rio de Janeiro: LTC, 2001. SANTOS, J. P. O.; MELLO, M. P.; MURARI, I. T. C., Introdução à análise combinatória, Editora da UNICAMP, Campinas, 1998. MANBER,
U.,Algorithms: A Creative Approach, Addison-Wesley, 1989. CORMEN, T. H.; LEISERSON, C. E.; RIVEST,
R. L., Introduction to algorithms, 2 ed., Cambridge: MIT Press, New York: McGraw-Hill, 2002.
MATEMÁTICA ELEMENTAR
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 102 horas.
Polinômios. Logaritmo e exponencial. Trigonometria. Funções polinomiais, logarítmicas, exponenciais, trigonométricas. Gráfico de funções. Números Complexos. Bibliografia básica: IEZZI, G.; MURAKAMI, C., Fundamentos de Fundamentos matemáticos, Volume 1, 8 ed., Editora Atual, 2004. IEZZI, G.; MURAKAMI, C.;
DOLCE, O., Fundamentos de Matemática Elementar, Volume 2, 9 ed., Editora Atual, 2004. IEZZI, G., Fundamentos de Matemática Elementar, Volume 3, 8 ed., Editora Atual, 2004. IEZZI, G.; HAZZAN, S., Fundamentos
de Matemática Elementar, Volume 4, 7 ed., Editora Atual, 2004. IEZZI, G., Fundamentos de Matemática Elementar, Volume 6, 7 ed., Editora Atual, 2005. Bibliografia complementar: IEZZI, G.; DOLCE, O.; DEGENSZAJN, D.; PÉRIGO, R., Matemática, Volume Único, 4 ed., Editora Atual, 2007. PAIVA, M., Matemática, VoCoordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
33
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
lumes 1 e 2, São Paulo: Moderna: 1995. LIMA, E. L.. Logaritmos. Coleção Professor de Matemática. v.1. Rio
de Janeiro: Publicação SBM, 1996. MACHADO, A. S.. Matemática, Temas e Metas: Trigonometria. v. 2. São
Paulo: Atual, 1986.
OTIMIZAÇÃO COMBINATÓRIA
Pré-requisitos: Análise de Algoritmos I. Carga horária: 68 horas.
Problema do transporte. Especialização do método simplex para redes. Problema do caminho mínimo: Dijkstra e
de Ford. Fluxos em redes: fluxos de valor máximo (teorema de Ford-Fulkerson), fluxos de custo mínimo e circulações viáveis. Método “out-of-kilter”. Bibliografia básica: AHUJA, R. K.; MAGNANTI, T. L.; ORLIN, J. B.,
Network flows: theory, algorithms, and applications, 1 ed., Englewood: Cliffs: Prentice-Hall, 1993. COOK, W.
J.; CUNNINGHAM, W. H.; PULLEYBLANK, W. R.; SCHRIJVER, A., Combinatorial Optimization, 1 ed.,
New York: John Willey & Sons, 1998. LEE, J., A first course in combinatorial optimization, 1 ed., New York:
Cambridge University Press, 2004. PAPADIMITRIOU, C. H.; STEIGLITZ, K, Combinatorial Optimization:
algorithms and complexity, 1 ed., Upper Saddle River: prentice-Hall, 1982. Bibliografia complementar:
CHAVÁTAL, V., Linear Programming, New York: Freeman, 1983. CORMEN, T. H.; LEISERSON, C. E.;
RIVEST, R. L., Introduction to algorithms, 2 ed., Cambridge: MIT Press and New York: McGraw-Hill, 2002.
KORTE, B.; VYGEN, J., Combinatorial Optimization: theory and algorithms, 4 ed., Berlin: Springer, 2007.
LAWLER, E., Combinatorial Optimization: Networks and Matroids, New York: Dover, 2001.
PARADIGMAS DE LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO
Pré-requisitos:Algoritmos e Programação II. Carga horária: 68 horas.
Conceitos. Paradigmas de linguagens de programação: imperativas, funcionais, lógicas e orientadas a objetos.
Noções de semântica formal. Teoria dos tipos: sistemas de tipos, polimorfismo. Verificação e inferência de tipos.
Semântica formal de tipos. Bibliografia básica: WATT, D. A., Programming Language Concepts and Paradigms, C.A.R. Hoare Series, 1990. SEBESTA, R., Conceitos de Linguagens de Programação, 4 ed., Bookman,
2000. GHEZZI, C.; JAZAYERI, M., Programming Language Concepts, 3 ed., John Wiley & Sons, 1997.
Bibliografia complementar: SETHI, R., Programming Languages: Concepts and Languages, 2 ed., Addison
Wesley, 1996. DERSHEM, H. L., Programming Languages Structures and Models, Wadsworth Publishing Co.,
1990. GOSLING, A.; et. al., Java Programming Language, 3 ed., Addison Wesley Publishing Company, 1996.
GRAHAM, P., ANSI Common Lisp, Prentice-Hall, 1996. BRATKO, I., Prolog Programming for Artifical
Intelligence, 3 ed., Addison-Wesley, 2001.
PRINCÍPIOS DE PROJETO VLSI
Pré-Requisitos: Arquitetura de Computadores I. Carga horária: 68 horas.
Introdução ao projeto e análise de estruturas VLSI; Métodos de fabricação. Layout. Projeto de lógica combinacional e seqüencial. Projeto de memórias e circuitos dinâmicos. Análise de potência e desempenho. Ferramentas
de desenvolvimento.
Bibliografia básica: WESTE, N. H.E.; HARRIS, D., CMOS VLSI Design: A Circuits and Systems Perspective, 3
ed., Addison Wesley, 2003. RABAEY, J., Digital Integrated Circuits – A Design Perspective, Prentice Hall,
1996. Bibliografia complementar: WESTE, N.; ESHRAGHIAN, K., Principles of CMOS VLSI Design, AddisonWesley, 2 ed., 1993. REIS, Ricardo, Concepção de Cicuitos Integrados, Pornto Alegre: Editora Sagra, 2000.
GLASSER, L.; DOBBERPUHL, D., The Design and Analysis of VLSI Circuits, Addison-Wesley, 1995.
UYMURA, J. P., CMOS Logic Circuit Design, Kluwer Academic Publishers, 1999.
PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA
Pré-requisitos: Cálculo Diferencial e Integral I. Carga horária: 68 horas.
Análise combinatória. Cálculo de probabilidades. Distribuições de probabilidades. Distribuições amostrais. Variáveis aleatórias. Modelos de distribuição e aplicações. Estatística descritiva. Bibliografia básica: PAIVA, Manoel.. Matemática. v. 2. São Paulo: Moderna, 2005. COSTA NETO, P. L.. O. Estatística. São Paulo: Edgard Blucher, 1990. FONSECA, J.; MARTINS, G.. Curso de Estatística. São Paulo: Atlas, 1996. Bibliografia complementar: BARBETTA, P. A.; REIS, M. M.; BORNIA, A. C.. Estatística para cursos de Engenharia e Informática.
São Paulo: Atlas, 2004. HOEL, P.. Estatística Elementar. São Paulo: Atlas, 1981. LEVIN, J.; FOX, J. A.. Estatística para ciências humanas. 9.ed. São Paulo: Prentice Hall, 2004. MEYER, P. L.. Probabilidade: Aplicações à
Estatística. 2 ed. Traduação por Ruy de C.B. Lourenço Filho. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos,
1991. PEREIRA, W.; TANAKA, O.. Estatística: Conceitos Básicos. São Paulo: Makron Books, 1994.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
34
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
PROCESSAMENTO DE LÍNGUA NATURAL
Pré-requisitos: Paradigmas de Linguagens de Programação. Carga horária: 68 horas.
Introdução ao processamento de linguagem natural. Fundamentos lingüísticos. Gramáticas e análise sintática.
Gramáticas aumentadas. Análise semântica. Resolução de ambigüidade. Análise pragmática. Representação de
Conhecimento. Planejamento. Bibliografia básica: ALLEN, J., Natural Language Understanding, 2 ed., Benjamin-Cummings, 1995. PEREIRA, F., GROSZ, B., Natural Language Processing, MIT Press, 1994. SUERETH,
R., Developing Natural Language Interfaces, McGraw-Hill, 1997. ALLEN, J., Natural Language
Understanding, 2 ed., California: The Benjamin/Cummings Publishing Company, 1995. BAEZA-YATES, R.;
BERTHIER, R. N., Modern Information Retrieval, New York: ACM Press, 1999. Bibliografia complementar:
DUTROIT, T., An Introduction to Text-to-Speech Synthesis, Dordrecht/Boston/London: Kluwer Academic
Publishers, 1997. JENSE, K.; HEIDORN, G. E.; RICHARDSON, S. D., Natural Language Processing: The
PLNLP Approach, Dordrecht/Boston/London: Kluwer Academic Publishers, 1993. JURAFSKY, D.; MARTIN,
J. H., Speech and Language Processing – An Introduction to Natural Language Processing, Computational
Linguistics and Speech Recognition, New Jersey: Prentice-Hall, 2000.
PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS
Pré-requisitos: Algoritmos e Programação II. Caráter: teórico e prático. Carga horária de atividades teóricas: 34
horas. Carga horária de atividades práticas: 34 horas-aula. Ementa do conteúdo teórico: Estudo de conceitos relacionados ao paradigma da orientação a objetos: classes, hierarquia de classes, herança, polimorfismo, comunicação e associação. Ementa do conteúdo prático: Estudo de uma linguagem de programação orientada a objetos e
desenvolvimento de programas nesta linguagem aplicando os conceitos de orientação a objetos. Bibliografia básica para a teoria: BORATTI, I. C., Programação orientada a objetos, 3 ed., Florianópolis: Visual Books, 2004.
COAD, Peter.,Análise baseada em objetos, 2 ed., Rio de Janeiro: Campus, 1991. MARTINS, J.,Análise e projeto
orientados a objeto, São Paulo: Makron Books, 1996. MEYER, B., Object-Oriented Software Construction, 2
ed., New Jersey: Prentice-Hall, 1997. Bibliografia básica para a prática: SANTOS, R., Introdução à programação
orientada a objetos usando Java, 2 reimpressão, Rio de Janeiro: Campus, 2003. The complete Java 2 training
course with Book, 3 ed., Upper Saddle River: Prentice-Hall, 1999. DEITEL, H. M.; DEITEL, P. J., Java: How to
program, 7 ed., Upper Saddle River: Prentice-Hall, 2006. GOSLING, A.; et. al., Java Programming Language, 3
ed., Addison Wesley Publishing Company, 1996. DEITEL, H. M.; DEITEL, P. J., C++: how to program, 5 ed.,
Upper Saddle River: Prentice-Hall, 2005. SATIR, G.; BROWN, D., C++: the core language, 1 ed., Sebastopol:
ÖReilly & Associates, 1995. GAMMA, E., C++: effective object-oriented software construction, 2 ed., Upper
Saddle River: Prentice-Hall, 1999. Bibliografia complementar: PREISS, B. R., Estrutura de dados e algoritmos:
padrões de projetos orientados a objetos com Java, 3 reimpressão, São Paulo: Campus, 2004. TAFNER, M. A.;
CORREIA, C. H., Análise orientada a objetos: paradigma da orientação a objetos, princípios básicos da orientação a objetos, estruturas e relacionamentos, passos para modelagem de um sistema OR, Florianópolis: Visual
Books, 2001.
PROGRAMAÇÃO PARA WEB
Pré-requisitos: Algoritmos e Programação II; Banco de Dados II. Carga horária: 68 horas.
Introdução. Metodologias, linguagens e ferramentas para desenvolvimento de aplicações hipermídia. Aplicação
cliente-servidor e integração com banco de dados. Web services e arquitetura orientada a serviços. Tópicos especiais. Bibliografia básica: DEITEL, P. J.; DEITEL, H. M., Ajax, Rich Internet Applications e desenvolvimento
web para programadores, São Paulo: Pearson Prentice-Hall, 2008. JOSUTTIS, N. M., SOA in practice: The art
of distributed systems design, Sebastopol: O’ Reilly Media, 2007. KALIN, M., Java web services: up and
running, Sebastopol: O’Reilly Media, 2009. PRESSMAN, R., Web engineering, Singapore: McGraw-Hill, 2008.
Bibliografia complementar: CASTRO, E., HTML XHTML, and CSS, 6 ed., Berkeley: Peachpit, 2006.
LANDOW, G. P., Hypertext 3.0: Critical theory and new media in an era of globalization, 3 ed., Baltimore:
Johns Hopkins, 2006. ROSSI, G.; et al., Web engineering: modeling and implementing Web applications,
Berling: Springer, 2007. VAUGHAN, T., Multimedia: making it work, 7 ed., New York: McGraw-Hill, 2006.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
35
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
PROGRAMAÇÃO PARALELA
Pré-requisitos: Redes de Computadores; Análise de Algoritmos I. Carga horária: 68 horas.
Arquiteturas paralelas, programação paralela e aspectos de desempenho. Processos, comunicação e sincronização (IPC). Threads, comunicação e sincronização em memória compartilhada. Paralelismo com threads. Comunicação em Rede (sockets). Computação com Passagem de Mensagem (MPI). Computação em Grade.
Bibliografia básica: FOSTER, I., Designing and Building Parallel Programs, MIT Press 1999. WILKINSON,
B.; ALLEN, M., Parallel Programming: Techniques and Applications Using Networked Workdstations and
Parallel Computers, Pearson Prentice Hall, 2005. DONGARRA, J.; FOSTER, I.; FOX, G.; et al., Sourcebook of
Parallel Computing, Morgan Kaufmann Pub, 2002. GRAMA, A.; GUPTA, A.; KARYPIS, G.; KUMAR, V.,
Introduction to Parallel Computing, Adisson-Wesley, 2003. Bibliografia complementar: ANDREWS, G.,
Foundations of Multithreaded, Parallel, and Distributed Programming, Addison Wesley, 2000. STEVENS, W.
R., UNIX Network Programming: Interprocess Communications, 2 ed., Prentice Hall, 1999. STEVENS, W. R.
Unix Network Programming: Networking APIs: Sockets and XTI, 2 ed., Prentice Hall, 1999. GROPP, W. et al.,
MPI - The Complete Reference. The MPI Extensions, 2 ed., MIT, 1998.
QUALIDADE DE SOFTWARE
Pré-requisitos: Engenharia de Software II. Carga horária: 68 horas.
Introdução a qualidade de software. Análise e gerenciamento de risco. Garantia de qualidade de software. Teste e
revisão de software. Métricas de qualidade de software. Avaliação de qualidade do produto e do processo de
software. Normas de qualidade de processo de software. Modelos de melhoria de processo de software. Gerenciamento de configuração de software. Bibliografia básica: BARTIÉ, A., Garantia de qualidade de software, Rio
de Janeiro: Campus, 2002. KONSCIANSKI, A., SOARES, M. S., Qualidade de Software, 2ª. edição, São Paulo:
Novatec, 2007. NAIK, K., TRIPATHY, P., Software Testing and Quality Assurance, Wiley, 2008. PRESSMAN,
R. S., Engenharia de software, São Paulo: Makron Books, 2006. FUTRELL, R. T., et al., Quality software
project management, Upper Saddle River: Prentice-Hall PTR, 2006. KHAN, R. A.; et al., Software Quality:
concepts and practice, Oxford: Alpha Science, 2006. Bibliografia complementar: SOMMERVILLE, I., Engenharia de software, 8 ed., São Paulo: Prentice-Hall, 2007. Normas Técnicas de Qualidade de Software. ARTHUR, L. J., Melhorando a qualidade do software: um guia completo para o TQM. Rio de Janeiro: Infobook,
1994. FIORINI, S. T.; STAA, A. V.; BAPTISTA, R. M., Engenharia de Software com CMM, 1 ed., Rio de Janeiro: Brasport, 1998.
REDES DE COMPUTADORES I
Pré-requisitos: Sistemas Operacionais I. Caráter: teórico e prático. Carga horária de atividades teóricas: 51 horasaula. Carga horária de atividades práticas: 17 horas-aula. Ementa do conteúdo teórico: Objetivos, Classificação,
Componentes Básicos de Redes de Computadores. Camadas e seus protocolos. Protocolos. Modelos de Referência OSI/ISO, TCP/IP. Ementa do conteúdo prático: Utilização de ferramentas analíticas e gráficas na representação e avaliação de um canal. Capacidade máxima de um canal segundo Nyquist e Shannon. Manipulação de interfaces digitais para o Modelo de Referência OSI. Programação em sockets. Práticas considerando Sockets TCP
– remoto. Controle de Fluxo e Erros. Análise e Medidas de Desempenho em Redes Locais. Simulação de redes.
Bibliografia básica: KUROSE, J. F., ROSS, K. W., Redes e Computadores e a Internet: Uma nova abordagem.
São Paulo: Addison Wesley, 2003. SOARES, L. F. G., LEMOS, G., COLCHER, S., Redes de Computadores:
das LANs, MANs e WANs às Redes ATM, 2ª. Edição, Rio de Janeiro: Campus, 1995. TANENBAUM, A. S.,
Redes de Computadores, 4ª. Edição, Rio de Janeiro: Campus, 1997. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
DAVIE, B.; PETERSON, L. Redes de Computadores. 3ª. Edição. Rio de Janeiro: Campus, 2004. STALLINGS,
W. Local and metropolitan area networks. 6ª Edição, New Jersey: Prentice-Hall, 2000. WADLOW, T. A., Segurança de Redes: projeto e gerenciamento de redes seguras, 1ª. Edição, Rio de Janeiro, Editora Campus, 2000.
REDES DE COMPUTADORES II
Pré-requisitos: Redes de Computadores I. Caráter: teórico e prática. Carga horária de atividades teóricas: 51 horas-aula. Carga horária de atividades práticas: 17 horas-aula. Ementa do conteúdo teórico: Endereçamento e Roteamento. Tecnologias de acesso. Tecnologias e projetos de comutação de quadros. Padrões e Protocolos Redes
Wi-fi. Gerenciamento de rede. Qualidade de serviços, integração e segurança em redes de computadores. Ementa do conteúdo prático: programação para redes e uso de tecnologias para análise e medidas de desempenho em
redes. Simulação de redes. Bibliografia básica: KUROSE, J. F., ROSS, K. W., Redes e Computadores e a InterCoordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
36
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
net: Uma nova abordagem. São Paulo: Addison Wesley, 2003. SOARES, L. F. G., LEMOS, G., COLCHER, S.,
Redes de Computadores: das LANs, MANs e WANs às Redes ATM, 2ª. Edição, Rio de Janeiro: Campus, 1995.
TANENBAUM, A. S., Redes de Computadores, 4ª. Edição, Rio de Janeiro: Campus, 1997. Bibliografia complementar: DAVIE, B.; PETERSON, L. Redes de Computadores. 3ª. Edição, Rio de Janeiro: Campus, 2004.
WADLOW, T. A., Segurança de Redes: projeto e gerenciamento de redes seguras, 1ª. Edição, Rio de Janeiro,
Editora Campus, 2000. STALLINGS, W. Local and metropolitan area networks. 6ª. Edição, New Jersey: Prentice-Hall, 2000.
SEGURANÇA E AUDITORIA DE SISTEMAS
Pré-requisitos: Redes de Computadores II. Carga horária: 68 horas.
Auditoria de sistemas. Segurança de sistemas. Metodologias de auditoria. Análise de riscos em sistemas de informação. Plano de contingência. Técnicas de avaliação de sistemas. Aspectos especiais: vírus, fraudes, criptografia, acesso não autorizado. Bibliografia básica: IMONIANA, J. O., Auditoria de Sistemas de Informação, 2
ed., Rio de Janeiro: Atlas, 2008. LYRA, M. R., Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação, Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2008. WHITMAN, M. E.; MATTORD, H. J., Principles of Information Security, 3 ed.,
New York: Course Technology, 2007. SCHMIDT, P.; SANTOS, J. S.; ARIMA, C. H., Fundamentos de Auditoria de Sistemas, Rio de Janeiro: Atlas, 2006. Bibliografia complementar: SENFT, S.; GALLEGOS, F.,
Information Technology Control and Audit, 3 ed., New York: Auerbach, 2007.
SISTEMAS DE APOIO A DECISÃO
Pré-requisitos: Fundamentos de Sistemas de Informação; Inteligência Artificial. Carga horária: 68 horas.
Visão geral de Sistemas de Apoio à Decisão. Componentes de um Sistema de Apoio à Decisão. Tomada de Decisão. Inteligência Artificial e Sistemas Inteligentes. Bibliografia básica: RUSSEL, S.; NORVIG, P., Inteligência
Artificial, 2 ed., São Paulo: Campus, 2003. RICH, E., Inteligência Artificial, São Paulo: McGraw-Hill, 1988.
SPRAGUE JR., R. H.; WATSON, H. J., Sistemas de Apoio à decisão: colocando a teoria em prática, São Paulo:
Campus, 1991. Bibliografia complementar: LUGER, G. F., Inteligência Artificial: estruturas e estratégias para
a solução de problemas complexos, 4 ed., Porto Alegre: Editora Bookman, 2004. SINGH, H. S., Data warehouse: conceitos, tecnologias implementação e gerenciamento, São Paulo: Makron Books, 2001. KIMBALL, R.,
Data Warehouse Toolkit: técnicas para construção de Data Warehouses dimensionais, São Paulo: Makron Books, 1998. SERRA, L., A essência do Business Inteligence, São Paulo: Berkeley, 2003.
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMPRESARIAIS
Pré-requisitos: Fundamentos de Sistemas de Informação. Carga horária: 68 horas.
Modelos de gestão. Da análise estratégica para o modelo de negócio. Do modelo de negócio para a arquitetura da
informação. Informação como recurso estratégico. Informação e decisão: sistemas de apoio e seu impacto. Gestão estratégica dos Sistemas de Informação. Bibliografia básica: ALTER, S., Information Systems: a
Management Perspective, Menlo Park: Benjamin & Cummings, 2 ed., 1996. LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P.,
Management Information Systems: Org. & Techn, New York: Mcmillan, 3 ed., 1994. TAPSCOTT, D.; CASTON, A., Mudança de Paradigma: a Nova Promessa da TI, São Paulo: Makron-McGraw-Hill, 1995. Bibliografia complementar: McGEE, J.; PRUSAK, L., Gerenciamento Estratégico da Informação, São Paulo: Campus,
1995. FREITAS, H.; et al., Informação e Decisão: Sistemas de Apoio e seu Impacto, Porto Alegre: Ortiz, 1997.
SISTEMAS DISTRIBUÍDOS
Pré-requisitos: Sistemas Operacionais II. Carga horária: 68 horas.
Problemas básicos em computação distribuída: coordenação e sincronização de processos, exclusão mútua, difusão de mensagens. Compartilhamento de informação: controle de concorrência, transações distribuídas. Comunicação entre processos. Tolerância a falhas. Sistemas operacionais distribuídos: sistemas de arquivos, servidores
de nomes, memória compartilhada, segurança. Bibliografia básica: COULOURIS, G.; DOLLIMORE, J.;
KINDBERG, T., Distributed Systems: Concepts and Design, Addison Wesley, 2007. LYNCH, N., Distributed
Algorithms, Morgan Kaufmann, 1996. TANENBAUM, A. S., STEEN, M. V., Distributed Systems: Principles
and Paradigms, 2 ed., Prentice-Hall, 2002. Bibliografia complementar: COULOURIS, G.; DOLLIMORE, J.;
KINDBERG, T., Sistemas Distribuídos, 4 ed., Bookman, 2007.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
37
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
SISTEMAS OPERACIONAIS I.
Pré-requisitos: Arquitetura de Computadores I. Caráter: teórico e prático. Carga horária de atividades teóricas:
51 horas-aula. Carga horária de atividades práticas: 17 horas-aula. Ementa do conteúdo teórico: Introdução ao
hardware, software e sistemas operacionais. Conceitos básicos. Processos e Threads. Gerência e escalonamento
de processos. Execução assíncrona concorrente. Programação concorrente. Concorrência, sincronização de processos e deadlocks. Ementa do conteúdo prático: Programação em ambiente Unix: chamadas de sistema, gerenciamento de tarefas e IPC. Análise de alguns sistemas operacionais de médio e grande porte. Bibliografia básica:
DEITEL, H. M., DEITEL, P. J., CHOFFNES, D. R. Sistemas Operacionais. 3ª. Edição, São Paulo: Pearson,
2005.GALVIN, P.; SILBERSCHATZ, A.; GAGNE, G. Sistemas operacionais: conceitos e aplicações. Rio de
Janeiro: Campus, 2000. TANENBAUM, A. S., Sistemas Operacionais Modernos, 1ª. Edição, Rio de Janeiro:
LTC, 1992. Bibliografia complementar: FLYNN, I. M.; MCHOES, A. M.; Introdução aos Sistemas Operacionais. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2002. MACHADO, F. B. Arquitetura de sistemas operacionais.
2ª. Edição. Rio de Janeiro: LTC, 1998. TANENBAUM, A.S., WOODHULL, A.S., Sistemas Operacionais: Projeto e Implementação, 2ª. Edição, Porto Alegre: Bookman, 2002.
SISTEMAS OPERACIONAIS II.
Pré-requisitos: Sistemas Operacionais I. Caráter: teórico e prático. Carga horária de atividades teóricas: 51 horasaula. Carga horária de atividades práticas: 17 horas-aula. Ementa do conteúdo teórico: Memória real e virtual.
Gerência de memória: alocação dinâmica de memória, paginação, segmentação e memória virtual. Sistemas de
arquivos. Gerência de E/S. Proteção e segurança. Armazenamento secundário e arquivos. Segurança. Ementa do
conteúdo prático: Implementação de Sistemas de Arquivos. Práticas envolvendo a aplicação de mecanismos de
segurança para proteção de sistemas operacionais e de aplicações. Bibliografia básica: DEITEL, H. M., DEITEL, P. J., CHOFFNES, D. R.; Sistemas Operacionais. 3ª. Edição, São Paulo: Pearson, 2005. GALVIN, P.;
SILBERSCHATZ, A.; GAGNE, G. Sistemas operacionais: conceitos e aplicações. Rio de Janeiro: Campus,
2000. TANENBAUM, A. S. Sistemas Operacionais Modernos. 1ª. Edição, Rio de Janeiro: Editora LTC, 1992.
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: FLYNN, I. M.; MCHOES, A. M.; Introdução aos Sistemas Operacionais. São Paulo: Pioneira Thmson Learning, 2002. MACHADO, F. B. Arquitetura de sistemas operacionais. 2ª.
Edição, Rio de Janeiro: LTC, 1998. TANENBAUM, A.S., WOODHULL, A.S., Sistemas Operacionais: Projeto
e Implementação, 2ª. Edição, Porto Alegre, Editora Bookman, 2002.
TEORIA DOS GRAFOS
Pré-requisitos: Análise de Algoritmos I. Carga horária: 68 horas.
Grafos orientados e não-orientados. Caminhos. Planaridade. Conectividade. Clique. Conjunto Independente.
Emparelhamentos. Coloração. Isomorfismo. Circuitos hamiltonianos. Ciclos eulerianos. Grafos Infinitos. Algoritmos em grafos. Problemas intratáveis. Bibliografia básica: BONDY, A.; MURTY, U. S. R., Graph Theory,
New York: Springer, 2008. WILSON, R. J., Introduction to Graph Theory, 4 ed., Boston: Addison-Wesley,
1996. SZWARCFITER, J. L., Algoritmos em Grafos, Rio de Janeiro: Editora Campus, 1987. Bibliografia
complementar: GOLUMBIC, M. C., Algorithmic Graph Theory and Perfect Graphs, 1 ed., Academic Press,
New York, 1980. DIESTEL, R., Graph Theory, 3 ed., New York, Springer, 2006. GROSS, J. L.; YELLEN, J.,
Graph Theory and Its Applications, 2 ed., Toronto: Chapman & Hall/CRC, 2005. BOLLOBAS, B., Modern
Graph Theory, (corrected edition), New York: Springer, 2002.
TÓPICOS EM ARQUITETURA DE COMPUTADORES
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Arquitetura de Computadores. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas, manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM BANCO DE DADOS
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Banco de Dados. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas, manuais
e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO I
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
38
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Ciência da Computação. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas,
manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO II
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Ciência da Computação. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas,
manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM COMPILADORES
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Compiladores. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas, manuais e
demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM COMPUTAÇÃO DE ALTO DESEMPENHO
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Computação de Alto Desempenho. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos,
apostilas, manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do
Curso.
TÓPICOS EM CRIPTOGRAFIA
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Criptografia. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas, manuais e
demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Engenharia de Software. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas,
manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Inteligência Artificial. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas,
manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Interação Humano-Computador. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos,
apostilas, manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do
Curso.
TÓPICOS EM LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Linguagens de Programação. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas, manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM MODELAGEM COMPUTACIONAL I
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Modelagem Computacional. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas, manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM MODELAGEM COMPUTACIONAL II
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Modelagem Computacional. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas, manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
39
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
TÓPICOS EM MULTIMÍDIA
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Multimídia. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas, manuais e
demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM PROCESSAMENTO DE IMAGENS
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Processamento de Imagens. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas, manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM REDES DE COMPUTADORES I
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Redes de Computadores. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas,
manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM REDES DE COMPUTADORES II
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Redes de Computadores. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas,
manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Sistemas de Informação. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas,
manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Sistemas Distribuídos. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas,
manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM SISTEMAS OPERACIONAIS I
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Sistemas Operacioanais. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas,
manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM SISTEMAS OPERACIONAIS II
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Sistemas Operacionais. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas,
manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM TEORIA DA COMPUTAÇÃO
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Teoria da Computação. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas,
manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TÓPICOS EM TEORIA DOS GRAFOS
Pré-requisitos: definidos no oferecimento da disciplina. Carga horária: 68 horas.
Tópicos variáveis em Teoria dos Grafos. Bibliografia: Livros, artigos em periódicos científicos, apostilas, manuais e demais referências relacionadas a disciplina e previamente aprovadas pelo Colegiado do Curso.
TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I
Pré-requisitos: de acordo com o Regulamento para o Desenvolvimento de Trabalhos de Conclusão de Curso do
Curso de Ciência da Computação do CPPP. Carga horária: 102 horas.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
40
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
Desenvolvimento de pesquisa científica em que se apliquem os conceitos adquiridos ao longo do curso, com o
acompanhamento de um Professor Orientador, de acordo com o Regulamento para o Desenvolvimento de Monografias de Conclusão de Curso no Curso de Ciência da Computação do CPPP.
TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO II
Pré-requisitos: de acordo com o Regulamento para o Desenvolvimento de Trabalhos de Conclusão de Curso do
Curso de Ciência da Computação do CPPP. Carga horária: 102 horas.
Desenvolvimento de pesquisa científica em que se apliquem os conceitos adquiridos ao longo do curso, com o
acompanhamento de um Professor Orientador, de acordo com o Regulamento para o Desenvolvimento de Monografias de Conclusão de Curso no Curso de Ciência da Computação do CPPP.
VETORES E GEOMETRIA ANALÍTICA :
Pré-requisitos: nenhum. Carga horária: 68 horas.
Vetores. Sistemas de Coordenadas. Dependência e independência linear. Base. Produto escalar. Produto interno.
Produto misto. Retas. Planos. Cônicas. Quádricas. Bibliografia básica: BOULOS, P.. Introdução à Geometria analítica no espaço. São Paulo: Makron Books, 1997. OLIVEIRA, I. C.; BOULOS P.. Geometria analítica: um
tratamento vetorial. São Paulo: McGraw-Hill, 1987. SANTOS, N. M. Vetores e matrizes: uma introdução à álgebra linear. 4 ed. São Paulo: Editora Pioneiro Thomson Learning, 2007. Bibliografia Complementar: CAROLI,
A.; CALLIOLI, C.A.; FEITOSA, M.D. Matrizes, Vetores, Geometria Analítica. 9. ed., São Paulo: Nobel, 1978.
STEINBRUCH, A. Introdução à álgebra linear.2 ed. São Paulo: McGraw - Hill, 1987. VENTURI, J. J. Álgebra
vetorial e geometria analítica. 8 ed. Curitiba, 2003.
5.6 POLÍTICA DE IMPLANTAÇÃO DO NOVO CURRÍCULO
A implantação do novo currículo do Curso de Ciência da Computação/CPPP será gradativa, entrando em vigor a partir do ano letivo de 2012 para todos os acadêmicos do curso.
7 SISTEMA DE AVALIAÇÃO
7.1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM
De acordo com a resolução no 214/2009 do Conselho de Ensino de Graduação, da UFMS, o aproveitamento
da aprendizagem será verificado, em cada disciplina, contemplando o rendimento do acadêmico durante o período letivo, face aos objetivos constantes no plano de ensino. A verificação do rendimento acadêmico será realizada através de avaliações (escritas, práticas ou orais), estágios, seminários, debates, pesquisa e outros exigidos pelo docente da disciplina.
Para satisfazer o regulamento da referida resolução, em cada disciplina, a programação do Plano de Ensino
deverá prever, no mínimo, duas avaliações obrigatórias e uma avaliação optativa substitutiva. Para ser aprovado
na disciplina, o aluno deverá ter um aproveitamento de, no mínimo, 50% do conteúdo programático e freqüência
igual ou superior a 75% das aulas dadas. Será atribuída nota 0,0 (zero vírgula zero) ao acadêmico para cada atividade acadêmica não realizada.
Ao colegiado de curso, cabe a responsabilidade de estabelecer medidas pedagógicas para a prevenção e correção de altos índices de reprovação e baixos rendimentos em avaliações.
O professor deverá divulgar a solução de cada avaliação escrita ou oral até a aula seguinte à respectiva avaliação e as notas das provas e trabalhos com prazo máximo de 10 (dez) dias úteis após a sua realização.
7.2 SISTEMA DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO
A Lei n° 10.861, de 14 de abril de 2004, instituiu o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior
(SINAES), que visa promover a avaliação das instituições, dos cursos e do desempenho dos acadêmicos (ENADE). Fundamentada nesta lei, a UFMS designou uma equipe que compôs a Comissão Própria de Avaliação da
UFMS (CPA/UFMS) com o objetivo de elaborar, organizar e disponibilizar os instrumentos de avaliação que
norteiam os Coordenadores de Cursos em relação a auto-avaliação dos cursos. A CPA/UFMS é composta por
docentes, técnico-administrativos e discentes, sendo para cada titular um suplente. Foi fixado um cronograma para as ações que a CPA/UFMS está coordenando, visando a consecução da auto-avaliação prevista pelo SINAES,
a avaliação discente do curso e das disciplinas cursadas no ano anterior. Estas avaliações devem ser realizadas de
forma eletrônica em razão da informatização do instrumento de avaliação fixado pela Resolução CAEN nº 167,
de 04 de outubro de 2000. O formulário encontra-se disponível no endereço da CPA/UFMS
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
41
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
(www.ledes.net/siai), conforme informa a CI nº 3, de 21 de novembro de 2005, do Presidente da CPA/UFMS para a coordenação de curso.
Além disso, cada Coordenação de Curso deverá realizar reuniões semestrais com o corpo docente e discente,
visando analisar eventuais problemas e indicar soluções. No que se refere especificamente à avaliação da aprendizagem, preservar-se-á o princípio da liberdade pedagógica do professor, compatibilizando esta liberdade com a
legislação vigente no âmbito da UFMS.
7.3 PROJETO INSTITUCIONAL DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO CURSO
De acordo com o informado no item anterior sobre o Sistema de Auto-avaliação do Curso, a CPA/UFMS
disponibilizou um link no endereço eletrônico da UFMS (www.ufms.br) para acesso aos documentos e relatórios. A metodologia adotada pela CPA/UFMS foi constituída de etapas e análise das dimensões fixadas pela Lei
n° 10.861/2004.
Além da avaliação discente do curso e das disciplinas cursadas no ano anterior, realizada de forma eletrônica,
a CPA/UFMS está promovendo a avaliação constituída dos seguintes itens:
- a descrição quantitativa de todos os dados referentes ao curso (acadêmicos, matrículas, dependências,
rendimento, desistências, etc.);
- a avaliação dos impactos sociais do curso;
- a avaliação das atividades dos docentes que atuam no curso;
- a avaliação do suporte administrativo às atividades do curso;
- a avaliação em conjunto com o colegiado do curso
8 ATIVIDADES ACADÊMICAS ARTICULADAS AO ENSINO DE GRADUAÇÃO
Neste item serão abordados os aspectos relativos às atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação
envolvendo o Estágio Supervisionado, o Trabalho de Conclusão de Curso, as Atividades Complementares e a
participação do corpo discente no processo de avaliação do curso e das atividades acadêmicas.
8.1 ESTÁGIO
De acordo com o Anexo da Resolução COEG n° 107, de 16.06.2010, o estágio na UFMS é um ato educativo
supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação do acadêmico para a atividade profissional, integrando os conhecimentos técnico, prático e científico dos acadêmicos, permitindo a execução dos
ensinamentos teóricos e a socialização dos resultados obtidos, mediante intercâmbio acadêmico-profissional.
A Comissão de Estágio (COE) é responsável pela providência, junto aos Órgãos Superiores da UFMS, dos
convênios necessários para a plena execução do Estágio Obrigatório. A Resolução COEG n° 107, de 16.06.2010
aprovou o Regulamento de Estágio para os acadêmicos de graduação da UFMS.
O Coordenador da COE, a partir dos cronogramas de estágios, realiza supervisão periódica das atividades desenvolvidas, tanto no Estágio Obrigatório quanto no Estágio Não-obrigatório. As normas de Estágio Obrigatório
específicas do curso de Ciência da Computação são elaboradas pela COE/CC/CPPP e encaminhadas aos órgãos
competentes para análise e aprovação.
8.1.1 ESTÁGIO OBRIGATÓRIO
O Estágio Obrigatório é uma disciplina obrigatória no curso de Ciência da Computação, cujo cumprimento
da carga horária é requisito para a integralização do curso.
O Estágio Obrigatório é desenvolvido através de orientação e supervisão de um professor, proporcionando ao
estudante a oportunidade de integrar e aplicar os conhecimentos adquiridos ao longo do curso, assim como a oportunidade de aprimoramento técnico, cultural, científico e de relações humanas, visando à complementação do
processo de ensino e aprendizagem. A disciplina Estágio Obrigatório tem a exigência de ser desenvolvida a partir do momento que o acadêmico já tenha tido formação básica, tecnológica e complementar suficiente para desenvolver um estágio que seja produtivo tanto para ele quanto para a instituição onde o estágio será realizado, de
acordo com as normas definidas pela COE.
8.1.2 ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO
O estágio não-obrigatório é aquele de natureza opcional, com a finalidade de complementar os conhecimentos teóricos do acadêmico.
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
42
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
De acordo com a Resolução COEG n° 107, de 16 de junho 2010, o estágio não-obrigatório pode ser considerado Atividade Complementar, desde que previsto no Projeto Pedagógico do curso. No caso do curso de Ciência
da Computação, o estágio não-obrigatório está previsto como Atividade Complementar.
8.2 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO
O trabalho de conclusão de curso no Curso de Ciência da Computação do CPPP/UFMS corresponde às disciplinas Trabalho de Conclusão de Curso I e Trabalho de Conclusão de Curso II, que são acompanhadas por um
professor orientador e desenvolvidas de acordo com o regulamento das referidas disciplinas.
O trabalho de conclusão de curso caracteriza-se por uma análise crítica constituída a partir de um referencial
teórico, oportunizando ao acadêmico uma revisão da sua aprendizagem, a partir dos componentes pedagógicos
desenvolvidos ao longo dos anos de estudo. Este componente curricular/disciplina se efetiva nos termos do regulamento específico, encaminhados aos órgãos competentes para análise e aprovação.
8.3 ATIVIDADES COMPLEMENTARES
As Atividades Complementares são práticas acadêmicas apresentadas sob diferentes formatos, objetivando
principalmente complementar o currículo pedagógico vigente; ampliar os horizontes do conhecimento; favorecer
o relacionamento entre grupos e a convivência com as diferenças sociais; e favorecer a tomada de iniciativa nos
acadêmicos.
Devem ser compreendidas como uma oportunidade de acesso ao conhecimento, idéias, problemas e metodologias, que possam ser agregadas à formação específica proporcionando ao acadêmico melhores resultados ao futuro desempenho científico e profissional.
As normas da disciplina Atividades Complementares estão definidas em seu Regulamento, encaminhado aos
órgãos competentes para análise e aprovação.
O desenvolvimento de Atividades Complementares é obrigatório e o acadêmico que não as cumprir, não poderá colar grau, devendo matricular-se novamente na disciplina no semestre seguinte. Algumas das atividades
que podem ser computadas para a disciplina Atividades Complementares são: participação em eventos científicos, monitoria de ensino, estágio não-obrigatório, publicação de trabalhos científicos, entre outras.
8.4 PARTICIPAÇÃO DO CORPO DISCENTE NA AVALIAÇÃO DO CURSO
Os discentes do Curso de Ciência da Computação do CPPP deverão participar da avaliação do curso e das
disciplinas cursadas no ano anterior. Tal avaliação é realizada de forma eletrônica, já que a CPA/UFMS informatizou o instrumento de avaliação aprovado pela Resolução CAEN no 167, de 04 de outubro de 2000. Este formulário encontra-se no seu endereço eletrônico (www.ledes.net/siai). A Coordenação promoverá divulgação do endereço eletrônico e fará campanha para que todos os acadêmicos façam sua avaliação. Além disso, os docentes e
a coordenação estarão sempre atentos para ouvir as sugestões, dúvidas e reclamações provenientes dos alunos.
8.5 PARTICIPAÇÃO DO CORPO DISCENTE NAS ATIVIDADES ACADÊMICAS
A UFMS oferece ao corpo discente do Curso de Ciência da Computação do CPPP a oportunidade de participar de atividades de monitoria de ensino de graduação, atividades de extensão e atividades extracurriculares. O
incentivo principal é através da afixação de avisos nos murais do CPPP sobre a ocorrência das atividades, e na
divulgação através da lista de e-mails dos alunos do curso.
Nas atividades de extensão, a participação dos alunos ocorre via projetos, sob a coordenação de professores.
A efetivação de projetos que envolvem parcerias com agentes externos decorre da celebração de convênio específico, no qual são estabelecidos os critérios e procedimentos de acompanhamento e avaliação que a natureza da
atividade requer.
O Programa Bolsa Permanência, em especial, proporciona oportunidades diferenciadas aos acadêmicos, uma
vez que os mesmos podem receber bolsas para desenvolver atividades relacionadas ao ensino e/ou pesquisa e/ou
extensão.
Os acadêmicos do curso de Ciência da Computação do CPPP são incentivados à participar em diferentes atividades oferecidas pelos docentes e pelo curso com o objetivo de complementar a formação profissional tais como:
- atividades de monitoria de ensino de graduação;
- programas/projetos/atividades de iniciação científica ou em práticas de investigação;
- atividades da Bolsa Trabalho;
- atividades articuladas com a comunidade;
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
43
Anexo à Resolução nº /2011, Coeg, Novo Projeto Pedagógico do Curso de Ciência da Computação - Bacharelado/CPPP.
- participação em comissões do Curso;
- eventos científicos, sociais e políticos da profissão;
- atividades complementares;
- participação em Programas de Educação Tutorial.
9 DESENVOLVIMENTO DE MATERIAIS PEDAGÓGICOS
Os professores do Curso de Ciência da Computação serão incentivados a desenvolver e disponibilizar programas, slides e apostilas que possam ser utilizados como material pedagógico no decorrer do ano letivo. Os docentes poderão disponibilizar tal material em suas páginas pessoais ou em ambientes educativos digitais.
10 PLANO DE INCORPORAÇÃO DOS AVANÇOS TECNOLÓGICOS AO ENSINO DE GRADUAÇÃO
O Curso de Ciência da Computação do CPPP irá incorporar os avanços tecnológicos de software através da
instalação de softwares livres ou através de convênios com empresas de software, como a Microsoft. O curso está em fase de implantação e também poderá obter máquinas e equipamentos a partir de projetos de pesquisa, ensino e extensão.
11 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Considera-se que este Projeto Pedagógico é uma proposta educacional, que deverá estar em permanente processo de aprimoramento, buscando incorporar avanços no sentido de ampliar as condições de formação do bacharel em Ciência da Computação. O projeto aqui apresentado também poderá ser modificado em virtude da
chegada de novos docentes e da configuração do Núcleo Docente Estruturante, ou ainda, em virtude de alterações regimentais que tenham influência sobre a realização das atividades acadêmicas. É importante destacar
também que os conteúdos e o perfil profissionais referentes aos últimos exames nacionais de Curso de Sistemas
de informação também contribuem para a evolução e o aperfeiçoamento desse documento.
O Coordenador de Curso tem papel fundamental na condução dessas atividades pedagógicas relacionadas ao
curso e é apoiado administrativamente pela direção do CPPP/UFMS.
12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Para o desenvolvimento deste Projeto Pedagógico foram consultados os seguintes títulos bibliográficos:
[DIV99] Diverio, T. A. e Menezes, P. B. Teoria da Computação: Máquinas Universais e Computabilidade. Série Livros Didáticos, Instituto de Informática da UFRGS, Volume 5, Editora Sagra Luzzato, 1999.
[MEC1] MEC. Diretrizes Curriculares de Cursos de Computação. Versão Final disponível em
www.mec.gov.br/Ftp/sesu/diretriz/Computa.doc, 1998.
[SBC03] Sociedade Brasileira de Computação. Currículo de Referência para Cursos de Bacharelado em Sistemas de Informação, 2003. (disponível em www.sbc.org.br).
[SBC99] Sociedade Brasileira de Computação. Currículo de Referência para Cursos de Graduação em Computação e Informática, 1999. (disponível em www.sbc.org.br).
Coordenadoria dos Órgãos Colegiados
Cidade Universitária, s/nº Caixa Postal 549 Fone: (067) 3345-7041
79070-900 Campo Grande-MS / http://www.ufms.br e-mail: [email protected]
44
���������������������������������������������������������������������������
���������������������������������������������������������������������������������
�����������������������������������������������������

Documentos relacionados