TCC CORRIGIDO PARA SER ENTREGUE

Сomentários

Transcrição

TCC CORRIGIDO PARA SER ENTREGUE
1
Pró-Reitoria de Graduação
Curso de Educação Física
Trabalho de Conclusão de Curso
ANÁLISE DO PERFIL DE ATIVIDADE FÍSICA DIÁRIA DE
ADOLESCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL II
Autor: Hallysson Helbo Mendonça Clementino
Orientadora: Prof. Dra Maria Nanci de França
Co-orientadora: Prof. Lilian Alves Pereira
Brasília - DF
2011
2
ANÁLISE DO PERFIL DE ATIVIDADE FÍSICA DIÁRIA DE ADOLESCENTES
DO ENSINO FUNDAMENTAL II
HALLYSSON HELBO MENDONÇA CLEMENTINO
Resumo:
Hábitos saudáveis como a prática de atividade física contribuem para a promoção da saúde. O
objetivo deste estudo é descrever a prática de atividade física diária de adolescentes. A amostra
incluiu 64 jovens alunos do Ensino Fundamental II, 32 do sexo masculino e 32 do sexo
feminino. Foi utilizado como instrumento de avaliação o IPAQ versão curta. Do total, 17 são
muito ativos, 33 ativos e 14 pouco ativos. Pode-se observar que, a média do nível de atividade
física dos homens foi maior do que o das mulheres. Quanto mais ativo, melhor a qualidade de
vida dos adolescentes. Estes resultados servem de auxílio aos profissionais da saúde para
incentivarem e apoiarem a prática de atividades físicas.
Palavras Chaves: Atividade física. Qualidade de vida. Adolescentes.
INTRODUÇÃO
Atualmente, o conceito de saúde é definido como uma esfera física e psicológica.
Apesar disso, grande parte da população se considera saudável apenas pela ausência de sintomas
1
de qualquer doença .
Na adolescência o desenvolvimento corporal ocorre de modo mais acelerado.
Isso provoca, muitas vezes, um desequilíbrio integral dos jovens podendo gerar certa
insegurança. Entretanto, a adolescência é também uma época propícia para estimular
atividades físicas que desenvolvam suas potencialidades, melhorando o
desenvolvimento dos jovens, ganho de hábitos saudáveis e qualidade de vida.
Diversos estudos relatam que a saúde pode ser promovida por vários
comportamentos e hábitos, como por exemplo, a prática regular de atividade física.
Além de seus reconhecidos benefícios como forma de promoção da saúde, a
atividade física planejada, estruturada e monitorada adequadamente, é apontada como
fator importante, auxiliando no desenvolvimento e na ampliação de estruturas
intelectuais criando estímulos e situações desafiadoras importantes para a melhoria do
desempenho cognitivo em suas atividades diárias propiciando aos adolescentes, o
aumento do nível de aprendizagem na escola2.
A atividade física pode ocupar um papel importante na vida do adolescente. A
prática regular de exercícios físicos produz benefícios nos aspectos biológicos,
emocionais, intelectuais e sociais. É através dela que ele pode romper seus limites,
melhorar a auto-estima e amplia suas possibilidades de realização.
O exercício físico regular pode contribuir para a qualidade de vida,
proporcionando aos praticantes adaptações e melhorias corporais da capacidade
cardiorrespiratória e muscular, redução da depressão e da ansiedade, das funções
cognitivas memória, atenção e raciocínio 3,4,5 .Infere-se, a necessidade de estímulos
3
adequados presentes na atividade física diária de adolescentes, seja na escola ou em outros
ambientes que possam contribuir positivamente para o seu desenvolvimento.
Com escassas evidências na literatura e barreiras sendo fortes determinantes na
participação de atividades físicas, é importante a realização de estudos com
adolescentes, afim de elucidar qual a possível relação entre o exercício físico e o seu
desenvolvimento.
Assim, através dessa relação, o presente estudo tem o objetivo de avaliar o
perfil das atividades físicas diárias praticadas por escolares entre 11-15 anos,
correlacionando o nível praticado e os sexos (masculino e feminino).
REVISÃO LITERÁRIA
ATIVIDADE FÍSICA DIÁRIA
A realização da atividade física por adolescentes é um fator determinante para
prevenção e no combate de doenças. Além disso, os benefícios proporcionados pela
prática regular de atividade física na infância e adolescência são importantes para o
processo biológico de crescimento e desenvolvimento humano, justamente por
possibilitar incremento das funções cardiovasculares, metabólicas, músculo-esquelético
e auxiliar no controle e redução da adiposidade corporal3,4,6.
Diretrizes internacionais de atividade física têm revelado que os jovens podem
obter benefícios substanciais à saúde, quando envolvidos em atividades moderadas a
vigorosas com duração de 20-30 minutos/dia, ou ainda, de 60 minutos/dia, três ou mais
dias/semana7.
Nesse sentido, todos os adolescentes devem diariamente ser fisicamente ativos,
participando em atividades físicas com 20 minutos ou mais de duração e de intensidade
moderada a vigorosa8. Além disso, jovens devem participar de atividades físicas diárias
moderadas a intensas pelo menos uma hora diária e os sedentários devem participar de
atividades físicas moderada a intensas pelo menos 30 minutos diariamente 9.
Entretanto, apesar dos benefícios evidenciados em diversos estudos, a prática
regular de atividade física tem declinado consideravelmente na população em geral,
sendo dramática a sua redução durante a adolescência. Tal fato reflete-se no baixo nível
habitual na realização de atividades físicas por adolescentes e parece atingir 39% a
93,5% dos adolescentes10,11,12.
Adicionalmente, os dados sobre a contribuição das aulas de Educação Física
para adolescentes disponíveis na literatura são insuficientes. Contudo, pesquisas
relataram que os jovens participam, cada vez menos, das aulas de Educação Física e
aqueles engajados têm apresentado baixa participação em atividades de intensidade
moderada a vigorosa durante as aulas13.
Outros estudos apontam inferências socioeconômicas nos habituais
comportamentos saudáveis de adolescentes, os resultados revelam estudantes de escolas
públicas e de classes sociais mais baixas são menos ativos, indicando a necessidade
urgente de programas de incentivo à prática da atividade física, principalmente em
âmbito escolar em que estes adolescentes estão inseridos14,15.
Aliada as condições socioeconômicas, outra explicação para o baixo nível de
atividade física na adolescência é o número de obstáculos que deprimem essa
4
participação. De fato, essas barreiras são percebidas pelo indivíduo e podem reduzir
comportamentos saudáveis incluindo tanto fatores internos (características individuais,
menor prioridade para a atividade física, e envolvimento com atividades relacionadas à
tecnologia), como fatores externos (influência de alguém ou da família, falta de tempo,
inacessibilidade e facilidades de custo), e a ausência nas aulas de Educação Física
também contribuem para tais mudanças de comportamento 13,14,15.
No que diz respeito aos fatores de risco de natureza comportamental e/ou de
estilo de vida o exercício físico tem sido associado a comportamentos ou estilos de vida
saudáveis, em contrapartida, a ausência de atividade física aparece, muitas vezes,
associada a outros fatores que aumentam a probabilidade de riscos à saúde 16.
O importante para o adolescente é uma atividade física regular, sempre orientada
pelo educador físico, quer seja na escola, desporto ou comunidade e que proporcione
um impacto positivo no seu desenvolvimento integral e saúde.
DESENVOLVIMENTO EM ADOLESCENTES
Respeitando a individualidade de cada um, a OMS define a adolescência como
uma etapa intermediária do desenvolvimento humano, entre os 10 e os 20 anos. Essa
fase é marcada por transformações corporais, fisiológicas e psicossociais sinalizadas
pela puberdade e menarca.
A adolescência é uma etapa do desenvolvimento fundamental, onde as mudanças
ocorridas nesse período geram novas capacidades ao ser humano. Nesse estágio o corpo
passa por uma série de eventos, alterando a forma, o funcionamento e o
desenvolvimento corporal definida como puberdade.
Ao ser estimulada pelo hipotálamo, a hipófise aumenta a produção de hormônios
que estimulam o crescimento de todos os tecido corporais. O surto de crescimento leva
meninos e meninas chegam a atingir quase a totalidade da sua altura adulta durante esse
estágio. Há também, um aumento da força, que advém do desenvolvimento da
capacidade muscular e cardiorrespiratória.
Além disso, maturação desencadeia um grande aumento na produção hormonal,
meninos e meninas desenvolvem todo o seu sistema reprodutor.
Aliados ao desenvolvimento dos órgãos sexuais aparecem sinais anatômicos
denominados características sexuais secundárias, distinguindo aparentemente os
homens das mulheres. Assim, transformando jovens de um estado de maturidade física
para um estado em que são capazes de se reproduzir sexualmente.
O cérebro adolescente é uma obra em progresso. Desde o nascimento, a criança
está ativamente envolvida na construção do entendimento. As mudanças nas estruturas
cerebrais ocorridas após a puberdade levam o jovem a pensar de uma maneira diferente
apresentando um caráter formalizado capaz de analisar, interpretar e refletir sobre uma
variedade de situações.
O raciocínio abstrato desenvolve-se e os pensamentos abstratos tornam-se
objetos do pensamento. Agora, os jovens são capazes de conversar sobre idéias. Tal
capacidade lhes permite olhar além das aparências imediatas e compreender uma
simples reflexão, de que o “X” numa equação matemática representa um número a ser
descoberto e não a letra do alfabeto.
Contudo, o jovem passa a questionar algo de maneira lógica com argumentos
organizados. Por exemplo, quando quer assistir algo muito tarde na televisão ele
5
justifica para sua mãe que se for dormir ficará com os olhos abertos, pois havia dormido
demais na noite passada e que só precisa de apenas oito horas de sono. Enquanto uma
criança apenas diria que não quer dormir. Assim, o pensamento formalizado torna o
jovem plenamente adulto levando o adolescente ao mesmo patamar cognitivo do seu
próximo estágio.
Os adolescentes perdem o excesso de egocentrismo. Além de pensar sobre si,
pensa sobre os outros, sobre o que acontece à sua volta. Entretanto, continuam
desenvolvendo seu auto-conceito, pensando sobre si e sobre o que o grupo que ele está
inserido pensa sobre ele.
ATIVIDADE FÍSICA E DESENVOLVIMENTO
Apesar da insegurança ocasionada por todas as transformações durante a adolescência,
ela se torna um momento propício para estimular atividades físicas que desenvolvam suas
potencialidades.
O exercício físico, ainda exerce um papel importante no amadurecimento
emocional do adolescente, relacionando-o com um grupo. Promovendo socialização e
integração. Criando assim, condições favoráveis ao desenvolvimento psicossocial.
Então, o exercício físico engloba um esforço de adaptação corporal, entretanto a
mesma não se deve limitar ao desenvolvimento motor, mas do indivíduo integralmente
através do próprio movimento, visando melhorar o desenvolvimento físico, cognitivo e
psicossocial.
MATERIAIS E MÉTODOS
Esta pesquisa é um estudo transversal, a fim de analisar as variáveis “nível de
atividade física diária” e “sexos”, sendo parte extraída do projeto intitulado: “Efeito das
diferentes intensidades de exercício físico nas respostas cognitivas: memória de trabalho
e atenção seletiva em escolares”. O qual possui financiamento do CNPq (processo nº:
473849/2010-0) e aprovação no CEP da Universidade Católica de Brasília (processo nº:
182/2011).
POPULAÇÃO E AMOSTRA
A amostra foi de 64 indivíduos, da rede pública de ensino da região
administrativa de Taguatinga-DF, matriculados nas séries finais do Ensino Fundamental
2, no Centro Ensino Fundamental Vila Areal.
CRITÉRIOS DE INCLUSÃO
Participaram do estudo os alunos que apresentarem disposição e estiverem
presentes na escola no dia da aplicação do questionário.
6
INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO
O International Physical Actitivity Questionaire (IPAQ) trata-se de um instrumento
desenvolvido pelo Grupo Internacional para Consenso em Medidas da Atividade Física
sob a chancela da Organização Mundial de Saúde.
O IPAQ foi criado para estimar o nível de prática habitual de atividade física de
populações de diferentes países e contextos socioculturais17. São disponibilizadas duas
versões do questionário, uma no formato longo e outra no formato curto.
Optou-se por analisar o IPAQ em seu formato curto validado para adolescentes
brasileiros18 composto por dez questões abertas e suas informações permitem estimar
diferentes atividades e hábitos dos jovens. A partir do escore obtido após a resposta do
questionário os alunos foram classificados em quatro grupos: Sedentários 40-50 pontos
(S), Pouco Ativos 55-100 pontos (A1), Ativos 105-130 pontos (A2), Muito Ativos 130160 pontos (A3).
Para a aplicação do IPAQ os adolescentes foram reunidos em sala de aula com a
presença do professor de Educação Física da própria escola e demais pesquisadores
envolvidos no projeto. Os participantes do estudo receberam o questionário com
instruções e recomendações para o seu preenchimento. Não havia limite de tempo para
o preenchimento e as eventuais dúvidas manifestadas pelos jovens eram esclarecidas
pelos profissionais que acompanharam a coleta de dados. Durante o preenchimento do
questionário os adolescentes não se comunicaram entre si, evitando possíveis
interferências indesejáveis em suas respostas.
DELINEAMENTO ESTATÍSTICO
Inicialmente, realizou-se a análise descritiva, para descrever a amostra e
posteriormente aplicou-se o teste Qui-quadrado para analisar a dependência entre as
variáveis estudadas. Os dados foram testados para uma significância de p<0,05.
RESULTADOS
A amostra composta igualmente pelos sexos é formada 64 jovens escolares.
Tabela 1. Composição da amostra por sexo.
Sexo
N
%
Masculino
32
50
Feminino
32
50
Total
64
100
7
Dos entrevistados, quase 70% dos jovens são alunos da sexta série ou sétimo ano
do Ensino Fundamental e possuem entre 11 e 15 anos de idade, sendo que a maior
proporção de idade foi de 13 anos (59,38%).
Tabela 2, apresentação a relação dos participantes por gênero segundo a variável idade.
Idade
Masculino
Feminino
N
%
N
%
11
5
15,63
7
21,87
12
10
31,25
8
25,00
13
7
21,87
12
37,50
14
10
31,25
4
12,50
15
0
0
1
3,13
Total
32
100
32
100
Tabela 3, revela as medidas descritivas de cada sexo a partir do escore obtido no IPAQ.
Sexo
Média ± Desvio Padrão
122,6 ± 18,16
Masculino
113,9 ± 22,50
Feminino
De acordo com a tabela 3, os adolescentes do sexo masculino na sua totalidade
se apresentam como mais ativos e, além disso, são mais uniformes quanto à prática de
atividade física do que o sexo feminino.
Tabela 4. Resultado Qui-quadrado para comparação entre o nível de atividade física e
os sexos masculino e feminino.
Nível de Atividade
Física
Masculino
Feminino
n
%
N
%
Muito Ativos (A3)
10
31,25
7
22,58
Ativos (A2)
17
53,12
16
50,00
Pouco Ativos (A1)
5
15,63
9
29,02
Sedentários (A3)
0
0
0
0
Total
32
100
32
100
P
0,207
8
A partir da tabela 4, é importante observar que nenhum participante foi
classificado como sedentário e que o teste Qui-quadrado não apontou diferença
estatisticamente significativa (p=0,207) entre o nível de atividade física praticado pelos
sexos masculino e feminino.
DISCUSSÃO
Atualmente, os níveis da prática de atividade física habitual em segmentos da
população jovem têm-se tornado importante tema de interesse e preocupação
constante18, pois esse grupo para ambos os sexos apresentam maior prevalência de
atividade física diária.
Uma possível explicação baseia-se no fato de que a realização dessas atividades requer
a inclusão de uma série de hábitos positivos no estilo de vida do adolescente19,
consequentemente contribuindo para que o indivíduo seja caracterizado como fisicamente ativo
na vida adulta20,21 e ainda pela manutenção desses comportamentos saudáveis pelo restante da
vida. Portanto, a prática de atividades físicas diárias na adolescência pode ser uma forma eficaz
de promover a saúde19, combatendo doenças cada vez mais comuns aos jovens, como a
obesidade22.
Apesar de alguns estudos apontarem tendência de decréscimo nos níveis de
prática de atividade física habitual durante a adolescência12,23,24 ocasionado pelos
costumes de assistir TV e utilização da internet, mais de 80% dos alunos obtiveram um
resultado favorável quanto a realização das atividades, fato comum aos dois gêneros.
Segundo a análise da variável nível de atividade física diária, concordando com
a literatura, os resultados mostram uma ligação entre o sexo e o nível de atividade física, na qual
estudos sobre os níveis de atividade física revelam que os meninos (x = 122,6) são mais ativos
que as meninas25,26,27,28 (x = 113,9), fato este evidenciado em diversas idades29. Confirmando a
idéia de que os homens são mais ativos houve uma diferença significativa entre o
percentual de homens e mulheres que fazem parte dos grupos A3 (muito ativos) e A1
(pouco ativos). Entretanto, ambos os gêneros também foram classificados no nível A2
(ativos).
No campo biológico, a prática de exercícios físicos e de esportes entre os
rapazes pode ser facilitada por adaptações morfológicas e fisiológicas com predomínio
dos sistemas músculo-esquelético e de fornecimento de energia para trabalho
muscular30.
Foi demonstrado que jovens do sexo feminino relatam barreiras internas
contribuindo para inatividade física, ressaltando a preferência para realizar atividades
individuais e com menor gasto energético 30. A fisiologia feminina na adolescência
parece ser mais adaptada a esforços físicos menos intensos. Contudo, estímulos a
prática de atividades físicas de maior interesse, esclarecimento sobre a importância
dessa prática para a saúde, parece garantir incremento da atividade física no sexo
feminino31.
.
O maior tempo dedicado pelos rapazes à prática de exercícios físicos e de
esportes pode ser explicado pela distribuição de papéis na sociedade, tradicionalmente
atribuídos a um e outro sexo. Entre moças, parece existir menor reforço social para a
prática de exercícios físicos e de esportes, e maior dependência para atividades
vinculadas às tarefas domésticas32.
9
CONCLUSÃO
O estudo revela dados positivos a cerca do nível de atividade física diária de
adolescentes, no qual todos os jovens apresentam hábitos saudáveis. A maioria foi
classificada como muito ativo ou ativo. Contudo, um menor grupo é considerado pouco
ativo. Infere-se também a já observada diferença da prática de atividade física diária
entre os sexos. Concordando com outras pesquisas, adolescentes do sexo masculino são
mais ativos do que adolescentes do sexo feminino.
Sugere-se, então, a manutenção e expansão de intervenções que visem um maior
apoio social e incentivo a prática de atividade física dos adolescentes, especialmente
entre as jovens.
PROFILE ANALYSIS OF DAILY ACITVITIES OF THE ELEMENTARY
SCHOLL ADOLESCENTS II
Abstract:
Healthy habits added to physical activity contributes to health promotion. the target of
this study is to describe daily physical activity of teenagers. the sample includes 64
young people of Ensino Fundamental II, 32 female and 32 male. IPAQ short version
was used like an evaluation instrument. altogether 17 are very active, 33 active and 14
little active. it could be noticed that the average level of physical activity among men
was higher than that of women. the more active the better the quality of life of
adolescents. these results are used by healthy professionals to encourage and to support
physical activity pratice.
Key words: Physical activity. Quality of life. Adolescent
REFERÊNCIAS
1. American College Sports Medicine - ACSM (1994). Prova de esforço e prescrição de
exercício. Rio de Janeiro, BR: Revinter.
2. Guyton AC, Hall JE (1997). Tratado de fisiologia médica. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan; Martinez D (2005).
3. Bidlle SJH, et al. (1989). Exercise and health psychology: emerging relationship.
British Journal of Medical Psychology 62: 205-216.
4. Brandäo MRF, Matsudo VKR (1990). Stress, emoção e exercício. Revista Brasileira
de Ciência e Movimento 4 (4): 95-99.
10
5. Van BMP, et al. (1997). Aerobic capacity and cognitive performance in a crosssectional aging study. Medicine Science Sports and Exercise 29 (10): 1357-1365).
6. Van Boxtel MP, Paas FG, Houx PJ, Adam J, Teeken JC, Jolles J (1997). Aerobic
capacity and cognitive performance in a cross-sectional aging study. Medicine Science
Sports and Exercise 29 (10): 1357-1365).
7. U.S. Department of Health and Human Services. 2008 Physical activity guidelines
for Americans: be active, healthy, and happy.
8. Biddle SJH, et al. Health-enhancing physical activity and sedentary behaviour in
children and adolescents. J Sports Sci 2004; 22:679-701.
9. Bidlle SJH, Fox KR 1989. Exercise and health psychology: emerging relationship.
British Journal of Medical Psychology 62: 205-216.
10. U.S. Department of Health and Human Services/U.S. Department of Education.
Promoting better health for young people through physical activity and sports: a report
to the president from the Secretary of Health and Human Services and the Secretary of
Education;
11. Koezuka N, et al. The relationship between sedentary activities and physical
inactivity among adolescents: results from the Canadian Community Health Survey. J
Adolesc Health 2006; 39:515-22.
12. Tassitano RM, Bezerra J, Tenório MCM, Colares V, Barros MVG, Hallal PC.
Atividade física em adolescentes brasileiros: uma revisão sistemática. Rev Bras Cine
Des Hum 2007;55-60.
13. Nelson MC et al,Adolescent physical activity and sedentary behavior patterning and
long-term maintenance. Am J Prev Med 2005; 28:259-66.
14. Guedes D. Guedes J. Barbosa D. Oliveira J, níveis de prática de atividade física
habitual em adolescentes.
15. Fernandes R. Christofaro D. Casonatto J. Kawaguti S. Ronque E. Cardoso J.
Oliveira A. Associação transversal entre hábitos alimentares saudáveis e não saudáveis
e Atividade física de lazer em adolescentes.
11
16. Brown SA. Measuring perceived benefits and perceived barriers for physical
activity. Am J Health Behav 2005; 107-16.
17. Simons-Morton BG, O'Hara NM, Parcel GS, Huang IW, Baranowski T, Wilson B.
Children's frequency of participation in moderate to vigorous physical activities. Res Q
Exerc Sport 1990; 61: 307-14.
18. Guyton AC, Hall JE (1997). Tratado de fisiologia médica. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan; Martinez D (2005).
19. Craig CL, Marshall AL, Sjöström M, Bauman AE, Booth ML, Ainsworth BE, et al.
International Physical Activity Questionnaire: 12-country reliability and validity. Med
Sci Sports Exerc 2003;35:1381-95.
20. Guedes DP, Lopes CC, Guedes JERP. Reprodutibilidade e validade do questionário
internacional de atividade física em adolescentes. Rev. Bras. Méd. Esporte. 2005; 11(2):
151-158.
21. Anteghini M, Fonseca H, Ireland M, Blum RW. Health risk behaviors and
associated risk and protective factors among Brazilian adolescents in Santos, Brazil. J
Adolesc Health. 2001;28:295-302.
22. Larson NI, Story M, Perry CL, Neumark-Sztainer D, Hannan PJ. Are diet and
physical activity patterns related to cigarette smoking in adolescents? Findings from
Project EAT. Prev Chronic Dis. 2007;4:A51.
23. Lippo BR, da Silva IM, Aca CR, de Lira PI, da Silva GA, Motta ME. Determinants
of physical inactivity among urban adolescents. J Pediatr (Rio J). 2010;86:520-4.
24. Kemper HCG. The natural history of physical activity and aerobic fitness in
teenagers. In: Dishman R, editor. Advances in exercise adherence. Champaign, Illinois:
Human Kinetics, 1994:293-318.
25. Hallal P, Knuth A, Cruz K, Mendes M, Malta D. Prática de atividade física em
adolescentes brasileiros.
12
26. Armstrong N. The challenge of promoting physical activity. J R Soc Health
1995;115:186-92.
27. Ceschini FL, Andrade DR, Oliveira LC, Araújo Júnior JF, Matsudo VK. Prevalence
of physical inactivity and associated factors among high school students from state's
public schools. J Pediatr (Rio J). 2009; 85:301-6.
28. Rivera IR, Silva MA, Silva RD, Oliveira BA, Carvalho AC. Physical inactivity, TVwatching hours and body composition in children and adolescents. Arq Bras Cardiol.
2010; 95:159-65.
29. Lipp MEN, Tanganelli MS. Stress e qualidade de vida em Magistrados da Justiça do
Trabalho: diferenças entre homens e mulheres. Psicol Reflex Crit 2002; 15(3): 537-548.
30. Cucchiaro G, Dalgalarrondo P. Saúde mental e qualidade de vida em adolescentes:
um estudo entre escolares em duas áreas urbanas contrastantes. Rev Bras Psiquiatr
2007; 29(3): 213-221.
31. Riddoch C, Savage M, Murphy N, Cran W, Boreham C. Long term health
implications of fitness and physical activity patterns. Arch Dis Child 1991;66:1426-33.
32. Santos MS, Hino AA, Reis RS, Rodriguez-Ãnez CR. Prevalência de barreiras para a
prática de atividade física em adolescentes. Rev Bras Epidemiol. 2010;13:94-104.