fit-bh: a história

Сomentários

Transcrição

fit-bh: a história
FIT-BH: A HISTÓRIA
BIA MORAIS
FIT-BH: The history
O FIT teve sua primeira
edição em 1994. Suas raízes, contudo, devem ser buscadas anos antes, em uma série
de transformações na vida cultural de Belo
Horizonte entre o fim dos anos 1980 e o início da
década de 1990. Até fins dos anos 80, cultura e turismo integravam uma só pasta na esfera pública
municipal. Em 1989, nasceu a Secretaria Municipal
de Cultura (SMC), atual Fundação Municipal de
Cultura. Ancorada no conceito proposto pela
Constituição de 1988 - o reconhecimento do direito
de acesso da população à produção e ao consumo
de cultura - o órgão já surgiu com a diretriz de
reorientar as atividades culturais do município.
Nesse contexto novo e fértil, começou a ser idealizado, em 1993, o Festival Internacional de Teatro
Palco & Rua de Belo Horizonte - FIT-BH.
12
Desde 1990, o Grupo Galpão promovia,
com apoio da SMC, o Festin - Festival Internacional
de Teatro de Rua. A nova direção do Teatro
Francisco Nunes, que assumiu em 1993, tinha a
proposta de promover um festival de teatro de
palco. Buscando concentrar força de trabalho, verbas, tempo e energia, a então secretária Municipal
de Cultura, Maria Antonieta Cunha, propôs a fusão
das duas propostas criando um único e grande
evento. Nascia aí o FIT-BH. Sua primeira edição,
de 2 a 12 de junho de 1994, teve promoção da
Prefeitura de Belo Horizonte e realização conjunta
do Teatro Francisco Nunes e do Grupo Galpão.
Com espetáculos no palco e na rua, programação descentralizada e atividades de formação e reflexão, o FIT-BH marcou presença a partir
daí. A receptividade do público foi automática: apesar de interferirem no cotidiano da cidade, fazendo
muito barulho e alterando a ordem aparente, os
grupos foram acolhidos, aplaudidos e festejados,
causando agradável impressão - especialmente
nos artistas de fora.
O impacto na cidade
Logo na abertura, a versão moderna de
uma horda primitiva, precedida por um cachorro
metálico incandescente e um trio elétrico, rolava
tambores em pleno centro de Belo Horizonte,
anunciando que nem a cidade, nem as artes cêni-
Divinas Palavras
Da Rin Produções Artísticas/Bahia/ 1998 (Foto: Guto Muniz)
cas locais seriam mais as mesmas. Era o grupo
francês Générik Vapeur, que com Bivouac arrastou
pelas ruas um público assombrado, enlouquecido
e maravilhado.
Duas prioridades nortearam a concepção
do evento: democratização do acesso e descentralização da programação. Na primeira edição, além
de teatros e espaços abertos da região Centro-Sul,
bairros como Santa Tereza e Santa Efigênia, ônibus e metrô foram palco de espetáculos e intervenções.
Foram instituídos, também, os eventos
especiais, com programação totalmente gratuita,
visando formação e atualização dos profissionais
das artes cênicas. Na primeira edição, destaque
para o seminário de reflexão sobre estética teatral,
exposições, mostras de vídeo, oficinas, entre as
quais uma de interpretação, com base no método
do Centro de Pesquisa Teatral, com o diretor
Antunes Filho. Dois temas abordados na primeira
edição iriam se tornar presentes em edições subseqüentes: o teatro de rua e a relação entre política e estética na América Latina.
Depois de cada dia de muito trabalho, a
diversão e a descontração têm sido a tônica do
FIT-BH desde seu início: após as apresentações de
espetáculos, artistas, equipe e público curtem a
noite em eventos programados pelo festival. Em
1994, a equipe programou o Lulu em Off (com
apresentações artísticas no antigo Bar do Lulu,
que na época era um dos locais mais agitados da
noite belo-horizontina), a FIT Festa Belas Artes e o
Fiesta Show Baile. Inicialmente freqüentadas apenas por integrantes do campo das artes cênicas,
as noites do FIT-BH foram aos poucos conquistando outros segmentos. Prova disso é que, na última
edição, realizada em 2006, nos 11 dias do festival,
em torno de 3.000 pessoas de todas as classes
sociais, tribos, idades e regiões da cidade compareceram, a cada noite, ao ponto de encontro no
Parque Municipal.
É proposta do FIT-BH, desde seu lançamento, pro-
gramar atividades também nos anos em que o
evento não se realiza, o que aconteceu por duas
ocasiões: a primeira em junho de 1995, numa prévia da segunda edição: o grupo francês Les
Cousins fez, no Teatro Marília, duas apresentações
gratuitas do espetáculo Ça n'a pas Été Facile!. Em
agosto, foi a vez do grupo espanhol La Puppa apresentar, no mesmo teatro, No Comment. Ainda
naquele ano, o ator e diretor Cacá Carvalho ministrou uma oficina e apresentou, no Centro Cultural
UFMG, o espetáculo O Homem com a Flor na
Boca.
Expansão
Na segunda edição do evento, em 1996,
teve início a longa parceria com a Associação
Movimento Teatro de Grupo de Minas Gerais, integrada por importantes grupos profissionais mineiros. Essa parceria com o MTG se repetiu nas edições de 1997, 1998, 2000 e 2002.
Em 1996, o FIT se expandiu no tempo, no
espaço, em número de espetáculos, de apresenta-
ções e em equipe. Ampliado para 15 dias, alcançou
também Betim, Contagem e Mariana, cidades próximas a Belo Horizonte. Pesquisa feita junto ao
público, durante o evento, revelou 88% de avaliação positiva, 7% de avaliação regular, 5% de desconhecimento e 0% de avaliação negativa.
O grupo Comediants, da Espanha, fez o
espetáculo de abertura: Dimonis, uma espécie de
ritual demoníaco, na Praça da Estação, às escuras,
proclamava o triunfo do instinto, levando o público
ao delírio. Cada uma das nove regiões administrativas da capital recebeu uma apresentação de
rua, num exercício de ampliação da descentralização do festival.
Novos temas entraram em debate nos
eventos especiais: a possibilidade de cooperação
entre festivais internacionais de teatro (com a realização do segundo encontro dos diretores dos
eventos brasileiros do gênero), política editorial,
pressões do mercado, perspectivas e tendências,
temas abordados no Encontro de Editores de
Cadernos de Cultura.
Hibrid - Sémola Teatre/Espanha/1996)
(Foto: Guto Muniz)
13
Edição especial
Nas origens do FIT, ficou estabelecido que
sua periodicidade seria bienal. Apesar disso, na
condição de evento cultural de maior aceitação
popular em Belo Horizonte, ele não poderia ficar
de fora da programação do centenário da cidade,
em 1997. Uma edição especial e compacta foi realizada, contando com a participação de sete grupos internacionais, seis nacionais e uma co-produção Brasil/Índia.
Em 1997, o MTG-MG, afirmando a condição
de artistas de seus integrantes, produziu uma
grande intervenção urbana, propondo a retomada
da cidade para a conquista da cidadania cultural. A
Expedição Zum Zum Zum Lá No Meio do Mar
reuniu 18 grupos de Belo Horizonte e 700 atores.
O resultado foi uma grande celebração em plena
Praça Sete, no Centro da cidade.
Formato ideal
A quarta edição, em 1998, traz como novidades produções da Ásia, África e América
Central. O ano marca, também, a busca de um formato ideal para o festival, livre de carências e
excessos. Tanto cuidado era para evitar o risco do
gigantismo e, conseqüentemente, a perda do controle operacional e da qualidade. A agenda foi
reduzida para 11 dias.
Não Desperdice sua Única Vida - Cia Luna Lunera/BH/2006)
(Foto: Kika Antunes)
14
Além de valorizar a diversidade estética e a
qualidade, a edição procurou homenagear grupos
com passagem marcante pela história do FIT: o
Générik Vapeur, da França, por exemplo, reapresentou Bivouac, dessa vez com participação do
Bloco Afro Porto de Minas, e trouxe o novo espetáculo Coche Porque? Porque Coche?; o também
francês Flash Marionnettes, muito festejado desde
1996, pelo gesto simpático de transpor para o português o texto de A Corte dos Vagabundos, tornando-o acessível, foi novamente convidado, assim
como a dupla espanhola Boni & Caroli, que reapresentou Side Car.
Duas presenças marcantes: o Teatro
Circular de Montevideo, criado em 1954, além do
espetáculo Aeroplanos, de Carlos Gorostiza, promoveu um encontro com o tema Circular: 43 Anos
de Jornada e uma exposição retrospectiva, com
fotos da história do grupo; a outra foi o grupo
Teatro Mínimo (Brasil/Índia), que apresentou ao
público, além do espetáculo Kathakali - Teatro
Sagrado do Malabar (inspirado no Mahabharata),
uma demonstração da técnica do Kathakali, reelaboração de uma das formas cênicas mais antigas
do mundo.
Na abertura, o grupo francês Plasticiens
Volants mobilizou grande público, que, extasiado,
conduziu Ézili, deusa egípcia da fertilidade, enorme criatura inflável, por vários quarteirões da
cidade, até a Praça da Estação. O grupo voltou a
encantar o público com o espetáculo Dom Quixote,
sempre num verdadeiro desafio às leis da
gravidade.
Na programação dos Eventos Especiais,
sete oficinas foram ministradas, algumas abordando temas inéditos no festival, como crítica teatral, comédia, voz, antiteatro. Duas exposições,
demonstrações de métodos e encontros completaram a programação.
Na busca por espaços alternativos, o FITBH tem desempenhado, também, a função de reativador de espaços. Depois de recolocar para funcionar a Serraria Souza Pinto, em 1994, o festival
programou, para o complexo de galpão, quadras e
auditório da Rede Ferroviária Federal, que se
encontrava desativado, o primeiro Estação em
Movimento, que substituiu o Bar do FIT como
ponto de encontro. Todas as noites, depois dos
espetáculos, participantes, equipe e público se
reuniam para conversar, dançar, ouvir música e
assistir a intervenções.
Primeiro balanço
A quinta edição do festival, em 2000, foi
também a oportunidade para um primeiro balanço: em sete anos de realização, o FIT-BH havia
recebido 87 grupos, quase 50 espetáculos internacionais e um total de 459 apresentações (250 de
palco, 209 de rua), que atingiram em torno de 450
mil pessoas nas nove regiões administrativas de
Belo Horizonte. Somam-se aos espetáculos os
eventos especiais, com a realização de 29 oficinas
inteiramente gratuitas, além de mostras de vídeo e
debates, conferências, entre outras atividades.
A abertura foi marcada por um lance de
ousadia: a direção do FIT-BH programou um espetáculo inesperado, O Bracelete de Jade e Outras
Árias de Ópera Chinesa, com o grupo Chinese
Theatre Circle, de Singapura. O enorme público
que compareceu à Praça da Estação, acostumado
a montagens com grandes efeitos visuais, itinerantes, com muito barulho e movimento, assistiu,
reverente, aos 90 minutos da apresentação, reve-
O Asno - Grupo Fora do Sério/São Paulo/1994
(Foto: Eugênio Sávio)
lando maturidade para conviver com a diversidade
cultural.
A edição foi uma oportunidade para homenagear o Circo Irmãos Simões, integrado pela
quarta geração de uma família de artistas do picadeiro, que luta para manter viva a chama da arte
circense. O grupo apresentou o espetáculo
Debaixo da Lona.
O Estação em Movimento passou a funcionar, a partir dessa edição, no Parque Municipal,
onde permaneceu desde então. A Mostra Off, uma
seleção de intervenções cênicas e musicais de
jovens artistas mineiros, foi programada para o
local.
Pela segunda vez, atividades foram programadas para o ano entre duas edições. Em maio
de 2001, entre a quinta e a sexta edições, foi lançado, no Teatro Francisco Nunes, o livro de Guto
Muniz e Kika Antunes, Rever o FIT, com fotos dos
festivais anteriores.
Público recorde
Em 2002, o FIT-BH atingiu um público
recorde de 165.585 pessoas, superando a expectativa inicial de 150 mil. A abertura ficou a cargo do
grupo Close-Act, da Holanda, com Malaya, em que
acrobatas se balançavam em cordas suspensas
por cima do público e atores em pernas-de-pau
invadiam a platéia, tendo ao fundo fogos de artifício.
Dois brasileiros, André Curti e Arthur
Ribeiro, que têm uma companhia de teatro na
França, a Dos à Deux, foram responsáveis por um
dos momentos mais marcantes dessa edição, com
Aux Pieds de la Lettre, um espetáculo de teatro
gestual, de rara beleza.
Textos de Nelson Rodrigues estiveram presentes, mais uma vez, com Perdoa-me por me
Traíres, da Cia. Luna Lunera (BH), e Meu Destino é
Pecar, da Cia. dos Atores (RJ), e o mais popular
texto de Dias Gomes, O Pagador de Promessas, foi
apresentado pelo Depósito de Teatro (RS).
16
Novo avanço na meta de descentralizar:
cada uma das nove administrações regionais recebeu em seus bairros entre duas e quatro apresentações gratuitas de espetáculos.
A percepção da sensível queda na produção de teatro de rua em Belo Horizonte levou a
produção do Festival a programar o FIT-BH Rua,
uma série de atividades para discutir as possíveis
razões do fato. Diretores e atores foram convidados a apresentar roteiros que, depois de aprovados, receberam uma verba para montagem de
micropeças de rua que integraram a grade principal. Outra novidade foi a promoção, no Ponto de
Encontro, no Parque Municipal, da 1ª Mostra
Movimentos Urbanos, um painel das manifestações populares tradicionais e contemporâneas
que ocorrem na cidade.
Grandes projetos
Na sétima edição, em 2004, o evento completou dez anos de existência. Seu parceiro de realização foi a Soama - Sociedade dos Amigos do
Teatro Marília, em substituição ao MTG.
O grupo Strange Fruit, da Austrália, abriu a
programação com The Spheres, um espetáculo
noturno, na Praça da Estação, no Centro da cidade, onde atores performáticos se apresentaram
sobre grandes esferas brilhantes, com elementos
de grande força visual.
A programação foi organizada em projetos,
entre os quais o do CICT - Centro Internacional de
Criação Teatral - o Théâtre des Bouffes du Nord
Peter Brook (França), que constou de apresentação do espetáculo Tierno Bokar, com direção de
um dos mais importantes encenadores contemporâneos do mundo, Peter Brook, aulas práticas,
mostra de vídeos, bate-papos com o elenco e conferência com o diretor; Homenagem a Álvaro
Apocalypse e Terezinha Veloso, criadores do
Giramundo Teatro de Bonecos (BH), com apresentação de Cobra Norato e o I Seminário do Boneco;
o Teatro da Vertigem, com apresentação da Trilogia
Bíblica (O Paraíso Perdido, O Livro de Jó e
Apocalipse 1, 11) e oficinas de aperfeiçoamento
técnico, com acompanhamento de montagem e
preparação dos espetáculos, sob a coordenação do
Teatro da Vertigem e do Galpão Cine Horto.
Houve, nessa edição, a continuidade da
proposta de incentivo à produção do teatro de rua,
com a criação do Prêmio Fomento à Montagem de
Espetáculos de Rua. O Grupo Galpão, que nunca se
apresentara no FIT-BH, trouxe dois espetáculos,
O Inspetor Geral e Um Molière Imaginário. Foi lançado, também, o projeto FIT Escola, com apresentações teatrais e debates a cargo da Graduação em
Teatro da UFMG, do Teatro Universitário da UFMG
e do Centro de Formação Artística da Fundação
Clóvis Salgado.
Um milhão de pessoas
A 8ª edição do FIT-BH, em 2006, atingiu
um público direto de mais de 120 mil pessoas.
Com os números das sete edições anteriores, foi
alcançada a marca de um milhão de espectadores
desde que o evento foi criado.
Durante 11 dias, o festival movimentou,
além de Belo Horizonte, cinco cidades do interior
de Minas Gerais (Lagoa Santa, Betim, Contagem,
Itaúna e Ouro Branco), marcando presença em
teatros, espaços alternativos, praças, ruas e parques.
A abertura do FIT-BH 2006 se deu em duas
etapas. No Palácio das Artes, foi apresentado, para
convidados, o espetáculo As Folhas que Resistem
ao Vento, da Companhia Koffi Kôkô, do Benin. Em
seguida, o grupo Ósmego Dnia, da Polônia, na
Praça da Estação, mostrou Arka, em que grandes
portais em chamas passavam entre as pessoas.
A programação produziu, mais uma vez,
reflexão ética e estética e, ainda que não inten-cionalmente, refletiu a realidade universal con-temporânea, falando de temas como guerras, migrações impostas, exílio e violência, mas tam-bém
trazendo lirismo, poesia e muitas gargalhadas.
Nessa edição, o FIT-BH deu seqüência ao
projeto de incentivo à produção de teatro de rua,
iniciado em 2002. A novidade foi a criação do Ateliê
de Produção, que deu suporte às montagens vencedoras na confecção de cenários, figurino e objetos de cena, estilo, maquiagem. Foram incluídas,
também, atividades reflexivas sobre teatro de rua.
Alguns números
Edições
Apresentações
Público geral
(8)
(palco, rua e
espaços
alternativos)
(espetáculos
e atividades)
FIT-BH/1994
92
53.700
FIT-BH/1996
117
133.000
FIT-BH/1997
64
105.176
FIT-BH/1998
88
152.054
FIT-BH/2000
102
124.029
FIT-BH/2002
89
165.250
FIT-BH/2004
118
151.000
FIT-BH/2006
120
122.823
TOTAL
790
1.007.032
O Bracelete de Jade e outras árias de ópera chinesa
Chinese Theatre Circle/Singapura/2000 (Foto: Kika Antunes)
17
Assim é o FIT-BH
Realização: Prefeitura de Belo Horizonte, por
meio da Fundação Municipal de Cultura, em parceria com o setor privado, através de captação de
recursos via leis de incentivo à cultura, ou por
outros meios. Desde 2006, o festival tem como
parceira de realização a Associação de Amigos da
Fundação de Educação Artística - Flama.
Periodicidade: bienal, em anos pares: 1994,
1996, 1997 (edição especial Centenário de Belo
Horizonte), 1998, 2000, 2002, 2004, 2006, 2008.
Duração: 11 dias.
Conceito: festival não temático. Sua programação busca unir diversidade de linguagens à
qualidade artística. Há o cuidado de evitar o
gigantismo e a superficialidade de eventos espetaculosos.
18
Grade: mínimo de 22 e máximo de 30 espetáculos.
• Média de 100 a 120 apresentações.
• Média de 60% de espetáculos internacionais,
20% nacionais e 20% locais.
• Grade cuidadosamente elaborada, sem superposição de horários, para permitir ao público
assistir a todos os espetáculos; e, aos integrantes
de grupos participantes, a possibilidade de assistir a espetáculos de outros grupos.
Democratização: para oferecer amplo e democrático acesso da população aos espetáculos, é
programada uma média de 50% de apresentações em espaços abertos (ruas, praças, parques),
totalmente gratuitas; o restante da programação
ocorre em teatros e espaços alternativos, com
acesso por meio de ingressos que podem ser
adquiridos, antecipadamente, em pacotes, por
preços extremamente acessíveis à maioria da
população ou, mais próximo ao evento, por preços normalmente praticados nos teatros da cidade.
Descentralização: programação de um mínimo
de cinco apresentações em cada um dos bairros
das nove Administrações Regionais de Belo
Horizonte. Programação também em cidades da
Região Metropolitana da capital.
Eventos Especiais: programação totalmente
gratuita de oficinas especializadas e livres, exposições, debates, lançamentos de livros, palestras,
mesas-redondas, mostras de vídeos e exposições
de método de trabalho dos grupos, entre outras
atividades.
Ponto de Encontro: espaço de confraternização
entre público, artistas e equipe. Funciona todas
as noites, durante o FIT-BH, no Parque
Municipal, no Centro da cidade. Pontos-de-venda
de comidas e bebidas. A mostra Movimentos
Urbanos funciona no Ponto de Encontro, com
programação diversificada que busca estimular e
difundir o trabalho de artistas e grupos representantes da cultura popular tradicional e contemporânea da cidade.
O FIT-BH integra o Núcleo dos Festivais
Internacionais, ao lado do Festival Internacional
de Londrina - Filo (Paraná), Porto Alegre em
Cena (Rio Grande do Sul), Riocenacontemporânea (Rio de Janeiro), Festival Internacional de
Teatro de São José do Rio Preto (São Paulo) e
Cena Contemporânea (Distrito Federal). Esses
eventos têm em comum a parceria público-privada.
Aux Pieds de La Lettre
Cie Dos à deux/
Brasil-França/2002
(Foto: Guto Muniz)
COMENTÁRIO
Marcelo Castilho Avellar
A trajetória do Festival Internacional de Teatro
Palco e Rua de Belo Horizonte é exemplar da
maneira como produtores culturais e público se
influenciam mutuamente e são influenciados pelo
ambiente. É como se os dois lados participassem
de um jogo de estímulos, respostas e interações,
em que cada jogador propõe suas idéias e desejos
sobre o que é arte, mas, ao mesmo tempo, modifica essas idéias e desejos a partir do que percebe
na jogada do outro.
Vamos examinar alguns exemplos. Podemos
aceitar que a primeira versão do FIT-BH tenha
surgido por inteiro da cabeça de seus idealizadores, Carlos Rocha, Eid Ribeiro e o pessoal do
Galpão; que tenha surgido do que eles consideravam necessário mostrar ao público de Belo
Horizonte, do que eles apreciavam em suas
andanças pelo mundo e queriam nos mostrar, do
que eles julgavam importante fazer parte de nosso
cotidiano. Esse juízo, contudo, era construído a
partir de impressões mais ou menos difusas, não
havia sido experimentado no confronto com a realidade do público.
mesmo quando não eram adequados à proposta
deles, decepcionando-se nas manifestações mais
contemplativas quando rea-lizadas em espaço
público. E as versões posteriores do FIT-BH dariam particular trabalho a seus organizadores,
numa busca constante de grandes espetáculos
que pudessem saciar aquele vício.
Bendito preço. Belo Horizonte tem, hoje, um
público surpreendentemente bem treinado para a
diversidade cultural. Seus artistas, expostos a
essa diversidade, passariam a considerá-la, cada
vez mais, um valor estético em si mesmo. Num
processo nitidamente evolucionista, precisaram
se adaptar àqueles gostos que se transformavam
em função do evento. E até o próprio FIT-BH, em
sua ânsia de responder à demanda, tomaria seu
próprio destino nas mãos, decidindo interferir no
ambiente, em vez de ser conduzido por ele - em
momentos de recessão no mercado de espetáculos de rua, por exemplo, o festival passaria de consumidor a fomentador da produção, garantindo a
si mesmo a capacidade de responder às demandas de seu público.
Essa experiência foi surpreendente. Ninguém organizadores do festival, artistas, espectadores imaginava o choque que Bivouac, do grupo francês
Générik Vapeur, produziria naquele fim de tarde
de 2 de junho de 1994. Ninguém estava preparado
para uma intervenção que praticamente paralisou
a cidade, ninguém estava preparado para a interação que o público estabeleceu com a performance, ninguém imaginava que um festival de
artes pudesse se integrar tão subitamente à vida
belo-horizontina.
Houve um preço a pagar. O Générik Vapeur e outros grupos que viriam depois se sentiriam
frustrados ao não encontrar, em outros lugares,
platéias tão interativas como as de Belo Horizonte,
como se a própria idéia da intervenção houvesse,
aqui, ganhado uma concretude final. Boa parte do
público ficaria viciada em processos interativos,
tentando produzi-los em outros espetáculos,
O que seria de nós sem as coisas que
não existem SP/Brasil/Itália/2006
(Foto: Guto Muniz)
FIT had its first edition in 1994.
Its origins, however, should be found some years before, in
a series of transformations in the cultural life of Belo
Horizonte between the late 1980s and the early 1990s. Up
until the end of the 80s, culture and tourism integrated the
same branch in the city public sphere. In 1989 the
Secretaria Municipal de Cultura - SMC (Municipal
Secretariat of Culture) was founded, and is now known as
Fundação Municipal de Cultura (Municipal Foundation of
Culture). Anchored on the concept proposed by the
Constitution of 1988 - the recognition of the population's
right to have access to the production and consumption of
culture - the organism was created with the intention of reorienting the cultural activities of the city. In this new and
fertile context the Festival Internacional de Teatro Palco &
Rua de Belo Horizonte - FIT-BH begun to be conceived in
1993.
20
Since 1990 Grupo Galpão, supported by the SMC, had promoted the Festin - Festival Internacional de Teatro de Rua.
The new direction of Francisco Nunes Theater, which had
taken over in 1993, had the purpose of promoting a festival
of stage theater. Seeking to concentrate work force, contingency, time and energy, the Municipal Secretary of Culture
at the time, Maria Antonieta Cunha, proposed to join both
proposals by creating a unique and big event. FIT-BH was
born then. Its first edition, from June 2 to 12, 1994, was promoted by the City Administration of Belo Horizonte and was
a joint event by the Francisco Nunes Theater and Grupo
Galpão.
With spectacles on stage and on the streets, decentralized
programming and formation and reflection activities, FITBH has been a highlight since then. Receptivity from the
audience was automatic: although they interfere in the
city's everyday life, making a lot of noise and modifying the
Aeroplanos - Teatro Circular de
Montevidéu/Uruguai/1997
(Foto: Frederico Antoniazzi)
apparent order, the groups were welcomed, applauded and
acclaimed, causing a very agreeable impression - especially
among the foreign artists.
Impact on the city
Right from the start the modern version of a primitive
horde, preceded by an incandescent metallic dog and a
sound truck, rolled drums in the city center, announcing
that neither Belo Horizonte nor the local performing arts
would be the same anymore. It was the French group
Générik Vapeur, which with Bivouac dragged down an
astonished, crazed and amazed crowd over the streets.
Two priorities were the guides for the conception of the
event: democratization of access and decentralized programming. In the first edition, besides theaters and open
spaces of the Center-South region, neighborhoods such as
Santa Tereza and Santa Efigênia, buses and the metropolitan train became stages for spectacles and interventions.
Special Events were also created with totally free-of-charge
shows, aiming at the formation and update of performing
arts professionals. In the first edition, the reflection seminar about theater aesthetics, exhibitions, video displays,
workshops, one of them over interpretation based on the
method from Centro de Pesquisa Teatral, with director
Antunes Filho, were the highlights. Two themes touched in
the first edition would be present in the following editions:
the street theater and the relationship between politics and
aesthetics in Latin America.
After each hard work day, fun and good times have been the
motto of FIT-BH since its beginning: after spectacles,
artists, staff and the audience enjoy the night in events programmed by the Festival. In 1994 the production programmed Lulu em Off (with artistic performances at Bar do
Lulu - which was at that time one of the most crowded bars
in Belo Horizonte), the FIT Festa Belas Artes and the Fiesta
Show Baile (two party events). Initially attended only by
members of the performing arts, little by little the FIT-BH
nights conquered other fields. An evidence of this is that, in
the last edition, occured in 1996, in 11 days of Festival,
around 3.000 people from all social classes, tribes, ages
and city regions showed up every night at the meeting point,
the Parque Municipal (Municipal Park).
Programming activities in the years in which the event does
not happen is also a proposal of FIT-BH, and this has
occurred twice: the first in June 1995, in a previous for the
second edition: the French group Les Cousins gave at the
Marília Theater two free shows of the spectacle Ça n'a pas
Été Facile!. In August, Spanish group La Puppa presented
No Comment, also at the same theater. Still in that year,
actor and director Cacá Carvalho gave a workshop and presented the spectacle O Homem com a Flor na Boca at
Centro Cultural UFMG (Cultural Center of the Minas Gerais
Federal University).
Expansion
In the second edition of the event, in 1996, was initiated the
long partnership with Associação Movimento Teatro de
Grupo de Minas Gerais (Minas Gerais Group Theater
Movement Association), integrated by important professional groups from the state of Minas Gerais. This partnership was repeated in the 1997, 1998, 2000 and 2002 editions.
In 1996 FIT expanded itself in time, in space, in number of
spectacles, shows and staff. Extended to 15 days, it also
reached Betim, Contagem and Mariana, cities close to Belo
Horizonte. A research done with the audience during the
event showed 88% of positive evaluation, 7% of regular, 5%
of ignorance and 0% of negative opinion.
The Comediants group from Spain made the opening spectacle: Dimonis, a kind of demoniac ritual, at Praça da
Estação (Station Square), in the darkness, proclaiming the
triumph of instinct and taking the public to a state of delirium. Every one of the nine administrative regions of the
capital received one street show, in an exercise of expanding the Festival decentralization.
New themes came into question in the Special Events: the
possibility of cooperation between international theater
festivals (with the second meeting of directors of Brazilian
events of the genre), editorial policies, market pressure ,
perspectives and tendencies, all discussed at Encontro de
Editores de Cadernos de Cultura (Newspaper Culture
Section Editors' Meeting).
Special edition
In the origins of FIT it was established that its periodicity
would be biennial. In spite of this, in the condition of the
cultural event with the most popular acceptance in Belo
Horizonte, it could not be left out of the program of the city
centennial in 1997. One special and compact edition was
promoted, counting on the presence of seven international
groups, six national ones and a Brazil/India co-production.
In addition to valuing aesthetic diversity and quality, the edition paid homage to groups with remarkable passages in
FIT history: Générik Vapeur, from France, for instance,
showed Bivouac again, this time with the participation of
Bloco Afro Porto de Minas, and brought the new spectacle
Coche Porque? Porque Coche?; the also French group
Flash Marionnettes, acclaimed since 1996 for the nice gesture of translating into Portuguese the text of A Corte dos
Vagabundos and thus making it accessible, was invited
again, and so was the Spanish duo Boni & Caroli, who presented Side Car once more.
Two remarkable presences: in addition to the spectacle
Aeroplanos by Carlos Gorostiza the Teatro Circular de
A Lenda de um Povo que Perdeu o Mar (Teatro de Los Andes – Bolívia - 1994)
(Foto: Eugênio Savio)
Montevideo, created in 1954, promoted a meeting with the
theme Circular: 43 Anos de Jornada and a retrospective
exhibition that presented to the audience, besides the spectacle Kathakali - Teatro Sagrado do Malabar (inspired in
Mahabharata), a demonstration of the Kathakali technique,
a re-elaboration of one of the world oldest performing features.
In 1997 MTG-MG affirmed the artist condition of its members and produced a great urban intervention proposing the
recapture of the city for the conquest of cultural citizenship.
The Expedição Zum Zum Zum Lá no Meio do Mar reunited
18 groups from Belo Horizonte and 700 actors. The result
was a great celebration at Praça Sete (Sete Square) in the
city center.
Ideal format
The fourth edition in 1998 brought new productions from
Asia, Africa and Central America. That year also marks the
pursue of an ideal format for the Festival, with no lacks or
excesses. Such care had the intention of avoiding the risk of
becoming a giant Festival and consequently losing operational control and quality. The programming was reduced to
11 days.
At the opening French group Plasticiens Volants attracted a
great audience, who, astonished, drove Ézili, the Egyptian
goddess of fertility, a huge inflatable creature, down over
several blocks of the city until the Praça da Estação. The
group again pleased the public with the spectacle Dom
Quixote, always in a true challenge to gravity laws.
In the Special Events program seven workshops were
offered, some of them dealing with fresh themes in the
Festival such as theater critique, comedy, voice, anti-theater. Two exhibitions, demonstration of methods and meetings completed the program.
Searching for alternative spaces, FIT-BH has also played
the role of reactivating spaces. After reinstating Serraria
21
For the second time, activities were programmed for the
year between the two editions. In May 2001, between the
fifth and sixth editions, the book Rever o FIT, by Guto Muniz
and Kika Antunes with pictures of the previous Festivals,
was released at Francisco Nunes Theater.
Record audience
In 2002, FIT-BH reached a record public of 165.585 people,
overcoming the initial prediction of 150 thousand people.
The opening was given to group Close-Act, from Holland,
with the show Malaya, in which acrobats would balance
themselves in suspended ropes above the public, and
actors on stilts invaded the audience space, with fireworks
in the background.
Retrato da Avareza, da Luxúria e da Morte
Teatro de La Abadia/Espanha/1997 (Foto: Kika Antunes)
Souza Pinto (a Municipal space for events), in 1994, the
Festival programmed, for the area formed by a hangar,
squares and the auditorium of the Rede Ferroviária Federal
(Federal Train Network), which was out of operation, the
first Estação em Movimento, which replaced the Bar do FIT
as meeting point. Every night, after spectacles, performers,
staff and the public got together to talk, dance, listen to
music and watch interventions.
22 First balance
The fifth edition of the Festival, in 2000, was also the opportunity for a first balance: in seven years of existence, FITBH had received 87 groups, almost 50 international spectacles and a total of 459 shows (250 on stages, 209 on the
streets), which had reached about 450 thousand people in
the nine administrative regions of Belo Horizonte. In addition to the spectacles there were the Special Events that
had offered 29 free workshops, video shows, debates and
conferences, among other activities.
The opening was marked by a courage act: FIT-BH direction booked an unexpected spectacle, O Bracelete de Jade
e Outras Árias de Ópera Chinesa, with the group Chinese
Theater Circle, from Singapore. The huge audience who
came to Praça da Estação and was used to itinerant productions with great lighting effects, lots of noise and movement, reverently watched the 90 minutes of the show,
revealing a maturity to live together with cultural diversity.
The edition was an opportunity to homage the Circo Irmãos
Simões, formed by the fourth generation of a family of circus ring artists, working hard to keep alive the fire of circus
art. The group presented the spectacle Debaixo da Lona.
Since this edition the meeting point Estação em Movimento
started functioning at the Parque Municipal, where it has
remained. Mostra Off, a selection of scenic and musical
interventions by young artists from the state of Minas
Gerais, was booked for the place.
Two Brazilian artists, André Curti and Arthur Ribeiro, who
have a theater company in France, Dos à Deux, were
responsible for one of the most remarkable moments of
this edition, with Aux Pieds de la Lettre, a spectacle of gesture theater of rare beauty.
Texts by playwright Nelson Rodrigues were present once
again, with Perdoa-me por me Traíres, by Cia. Luna Lunera
(BH), and Meu Destino é Pecar, by Cia. Dos Atores (RJ); and
the most popular text by Dias Gomes, O Pagador de
Promessas, was staged by Depósito de Teatro (RS).
A step forward in the decentralization goal: each of the nine
regional administrations received from two to four free performances in its neighborhoods.
The sensible perception of decrease in the production of
street theater in Belo Horizonte led the Festival producers
to book FIT-BH Rua, a series of activities aiming at discussing the possible reasons for that fact. Directors and
actors were invited to present screenplays that, after
approved, would get funds to set micro street plays which
would make part of the main schedule. Another new thing
was the promotion at the meeting point in Parque
Municipal of the 1ª Mostra Movimentos Urbanos (1st Urban
Movement Show), a panel of traditional and contemporary
popular manifestations which take place in the city.
Great projects
In its seven edition in 2004 the event celebrated ten years.
Soama - Sociedade dos Amigos do Teatro Marília (Marília
Theater Friends Society) replaced MTG as its production
partner.
Group Strange Fruit from Australia opened the program
with The Spheres, a night show at Praça da Estação, in the
city center, where performing actors presented themselves
on shining spheres with elements of great visual force.
The program was organized in projects, among which the
CICTs (Centro Internacional de Criação Teatral) - the
Théâtre des Bouffes du Nord Peter Brook (France), featuring the performance Tierno Bokar, directed by one of the
world most important contemporary theater directors,
Peter Brook, as well as practical classes, a video show,
talks with the cast and a conference with the director;
Homenagem a Álvaro Apocalypse e Terezinha Veloso
(a homage to the creators of Giramundo Puppet Theater
from Belo Horizonte), featuring Cobra Norato and the
I Seminário do Boneco; the Teatro da Vertigem, presenting
the Biblical Trilogy (O Paraíso Perdido, O Livro de Jó and
Apocalipse 1, 11) and workshops on technical improvement
with stage setting and performance preparation, under the
coordination of Teatro da Vertigem and Galpão Cine Horto.
In this edition there was the continuity of the proposal of
fostering the production of street theater with the creation
of Prêmio Fomento à Montagem de Espetáculos de Rua
(Street Theater Fostering Award, an incentive to the stage
setting of street shows). Grupo Galpão, who had never presented at FIT-BH, brought two performances, O Inspetor
Geral and Um Molière Imaginário. Project FIT Escola was
also released, with theater shows and debates coordinated
by the theater professors at the Minas Gerais Federal
University, Teatro Universitário and the Centro de Formação
Artística da Fundação Clóvis Salgado (Clóvis Salgado
Foundation Artistic Formation Center).
One million people
The 8th FIT-BH edition in 2006 reached a direct public of
over 120 thousand people. Adding the seven previous edi-
tions, it marked a total of one million spectators since the
event was created.
For eleven days the Festival shook Belo Horizonte as well
as five cities in the interior of the state of Minas Gerais
(Lagoa Santa, Betim, Contagem, Itaúna and Ouro Branco),
with activities in theaters, alternative spaces, squares,
streets and parks.
The opening of FIT-BH 2006 occurred in two moments. At
Palácio das Artes the performance As Folhas que Resistem
ao Vento, by the Koffi Kôkô Company from Benin, was
showed for guests only. After that, the group Ósmego Dnia,
from Poland, presented at Praça da Estação the performance Arka in which great burning portals moved around the
attending audience.
The program once again produced an ethic and aesthetic
reflection and, even if not intentionally, mirrored the contemporary universal reality, discussing themes such as
wars, imposed migrations, exile and violence, but also raising lyricism, poetry and laughter.
In that edition, FIT-BH continued with the project of incentive to the production of street theater started in 2002. The
news was the creation of Ateliê de Produção (Production
Atelier), which supported the winning productions by building the sets, making costumes and scene objects, style and
make-up. Reflection activities on street theater were also
included.
Some numbers
Editions
(8)
Paraíso Perdido
Teatro da Vertigem/SP/2004
(Foto: Guto Muniz)
Shows
(stage, street
and alternative
spaces)
General audience
(performances
and activities)
FIT-BH/1994
92
53.700
FIT-BH/1996
117
133.000
FIT-BH/1997
64
105.176
FIT-BH/1998
88
152.054
FIT-BH/2000
102
124.029
FIT-BH/2002
89
165.250
FIT-BH/2004
118
151.000
FIT-BH/2006
120
122.823
TOTAL
790
1.007.032
23
A Máquina - produção independente/BA/2000
(Foto: Guto Muniz)
This is FIT-BH
24
Promotion: Belo Horizonte City Hall, represented by the
Fundação Municipal de Cultura, in partnership with the private sector by means of culture incentive laws or other
ways. Since 2006, the Festival has the Associação de
Amigos da Fundação de Educação Artística - Flama
(Association of Friends of the Artistic Education
Foundation) as its production partner.
Periodicity: biennial, in even years: 1994, 1996, 1997 (Belo
Horizonte Centenanial special edition), 1998, 2000, 2002,
2004, 2006, 2008.
Duration: 11 days.
Concept: non-thematic festival. The program tries to bring
together diversity of languages and artistic quality, being
careful to avoid overgrowing and the superficiality of flashy
events.
Program: minimum 22 and maximum 30 spectacles.
. Average 100 to 120 performances.
. Average 60% international performances, 20% national,
20% local.
. Carefully elaborated timetable with no superposition of
show times, allowing the audience to watch all performances and enable the members of participating groups the
possibility of watching the other groups' performances.
Democratization: in order to offer the population wide
and democratic access to the performances, an average
50% of the shows are programmed free of charge in open
spaces (streets, squares and parks); the remaining attractions occur in theaters and alternative spaces, with access
by means of tickets which can be bought in advance in
packs at prices very accessible to most of the population or,
in the days near the event, with prices usually practiced by
the theaters in the city.
Decentralization: a minimum of five shows are programmed in every neighborhood of the nine Belo Horizonte
Regional Administrations. There is also a programming in
the cities around the capital.
Special Events: a totally free program with specialized,
free workshops, exhibits, debates, book releases, lectures,
round tables, video shows and demonstrations of the
groups' work methods, among other activities.
Meeting Point: a space for the public, artists and staff to
get together every night, during FIT-BH, at Parque
Municipal in the city center. Food and drinks are sold there.
The display Movimentos Urbanos happens at the Meeting
Point, with a diverse program aiming at stimulating and
disseminating the work of artists and groups who represent
the traditional and contemporary popular culture of the city.
FIT-BH is a member of the Núcleo dos Festivais
Internacionais (International Festivals Association), along
with Festival Internacional de Londrina - Filo (state of
Paraná), Porto Alegre em Cena (Rio Grande do Sul),
Riocenacontemporânea (Rio de Janeiro), Festival
Internacional de Teatro de São José do Rio Preto (São
Paulo) and Cena Contemporânea (Brasília). These events
share the public-private partnership system.
COMMENT
Marcelo Castilho Avellar
The trajectory of the Festival Internacional de Teatro Palco
e Rua de Belo Horizonte is exemplary in the way that cultural producers and the audience influence each other and
are influenced by the environment. It is as if both sides take
part in a game of stimulus, response and interaction, in
which each player proposes their ideas and wishes about
what art is, but at the same time modifies these ideas and
wishes from what they notice in the other participant's
moves.
Let us take a look at some examples. We can accept the
fact that the first version of FIT came totally from its creators' minds, Carlos Rocha, Eid Ribeiro and the people
from Galpão; that it appeared from what they considered
necessary to show to the public of Belo Horizonte, from
what they appreciated in their travels around the world and
wanted to show us, from what they judged important to be
part of our daily life. This judgment, however, was construed from more or less diffuse impressions, and had not
yet been experimented on the confrontation with the reality of the public.
This was a surprising experience. Nobody - the Festival
organizers, artists, spectators - could imagine the shock
that Bivouac, by French group Générik Vapeur, would produce in that late afternoon on June 2, 1994. Nobody was
prepared for an intervention that practically paralyzed the
city, nobody was prepared for the interaction the public had
with the performance, nobody imagined that an arts festival could be so suddenly integrated in the life of Belo
Horizonte.
There was a price to pay. Générik Vapeur and other groups
which came later would be frustrated for not finding in
other places such interactive audiences as in Belo
Horizonte, as if the idea of the intervention itself had gained
here a final concreteness. The better part of the public
would be addicted to interactive processes, trying to produce them in other performances even when they were not
adequate to their proposals, becoming disappointed with
the more contemplative manifestations carried out in public spaces. And the later versions of FIT-BH would make its
organizers work particularly hard, in a constant search for
great performances which could satisfy that addiction.
Na Solidão dos Campos de Algodão - Art in Obra/RJ/1997)
(Foto: Guto Muniz)
A blessed price that was. Belo Horizonte has today a surprisingly well-trained audience for cultural diversity. Its
artists, exposed to this diversity, started to consider it,
more and more, as an aesthetic value in itself. In a clearly
evolutionary process, they needed to adapt themselves to
those tastes which transformed themselves according to
the event. And even FIT-BH itself, in its desire to respond to
the demand, would take its own destiny in its hands, deciding to interfere in the environment instead of being conducted by it - in moments of recession in the market of
street spectacles, for example, the Festival would shift
from being a consumer to becoming a promoter of productions, guaranteeing the capacity of answering the demands
of its public.
Quando a Vida Eterna se Acabar - La Zaranda - Teatro Inestable de
Andalucía la Baja/Espanha/2000
(Foto: Kika Antunes)

Documentos relacionados