Baixar edição 10 do jornal AOOR NEWS

Сomentários

Transcrição

Baixar edição 10 do jornal AOOR NEWS
Dicas
pág. 05
Para você...
Meio Cheio ou
Meio Vazio?
AO R NEWS
Entretenimento pág. 08
CASAMENTO BALADA
Associação dos Ostomizados de Osasco e Região - Informação e Serviço
Ano II - Número 10 - Agosto e Setembro de 2012
Geral
pág. 09
Isenção de
Impostos para o
Distribuição Gratuita
A I D S - A s c o n q u i sta s e d e s a f i o s
d o B ra s i l a o l o n g o d o s a n o s pág. 06 e 07
DEFICIENTE
foto: divulgação
Então
pág.04
Novo dispositivo
no mercado
para os
OSTOMIZADOS
foto: divulgação
Os benefícios
de uma leve
CAMINHADA
foto: divulgação
pág.11
foto: divulgação
Bem Estar pág.10
Cuidados com os
CABELOS
pág.03
foto: divulgação
foto: divulgação
Ostoma em Crianças
EDITORIAL
Caro leitor,
Estamos novamente em ano de eleições. Um bom momento para pensar.
Como está à saúde pública no país? Os nossos hospitais estão atendendo as
necessidades da população? Temos médicos e serviços clínicos adequados e em
tempo hábil para quem procura tratamento? Doenças como CÂNCER ou AIDS tem a
devida assistência esperada, pelo tipo de quadro de doença grave?
Dirigentes da Saúde Pública do nosso País asseguram que assuntos como a AIDS são
questões bem resolvida e controlada, onde o Brasil se encontra em posição
privilegiada, confortável e tranqüila.
Durante a década de 90, o país demonstrou ter um excelente programa de acesso
ao tratamento, sendo referencia mundial. Partindo da interação entre o sistema
público de saúde e a iniciativa privada.
Aparentemente fomos muito bem sucedidos neste programa, porém pesquisas
mostram que a situação não é bem a que nos é vendido. Em relação a AIDS e a
situação da Saúde Pública do nosso país, cabe uma reflexão crítica dos caminhos
trilhados pela resposta brasileira aos atuais desafios postos para que o país
mantenha e amplie os bons resultados obtidos para melhorar a qualidade de vida e
saúde da população.
Avaliando que os dirigentes e profissionais responsáveis pela gestão administrativa
dos serviços públicos são em maioria admitidos por nossa ação democrática e civil,
este é o momento de melhorarmos a situação, através de nosso voto.
Temos a ciência que a única maneira é tratar com seriedade o direito de eleger.
Saúde, Educação, Segurança são necessidades importantes demais para serem
u s a d a s s o m e n t e c o m o p r o m e s s a s e m p r o p a ga n d a s p o l í t i c a s .
A todos vocês companheiros da AOOR e leitores do nosso jornal, uma ótima leitura.
Não se esquecendo que novamente nós temos a oportunidade de promover
melhorias em nossas vidas e principalmente em prol dos menos favorecidos. Não
desperdice esse poder, vote consciente.
RAQUEL GOMES VELLOSO
Diretora de Comunicação da AOOR.
R NEWS
AO
Projeto social de informação e serviço prestado pela
AOOR - Associação dos Ostomizado de Osasco e Região.
Rua Maria Luiza Pereira, 16 - Presidente Altino - Osasco/SP - Cep.: 06216-210
Fone: 55 11 3696-5326.
EXPEDIENTE
Vera L. R. de Oliveira - Presidente / Janette Jacob - Vice Presidente / Florivan Jorge Diretora Social / Wilian Ribeiro - Diretor Jurídico / Geraldo Giovani - Dir. Financeiro /
Raquel Velloso - Diretora de Comunicação / Reynaldo Silva - Dir. de Relacionamento.
Carlos R. Rosa - Consultor em Comunicação - Redação.
Tiragem: 10 mil exemplares / Circulação: Osasco, Carapicuiba, Barueri, Jandira,
Itapevi, Sant. de Parnaíba, Cotía, Taboão da Serra, Embu e Itapecerica da Serra.
Impressão: Gráfica Mar Mar - Rua Ester Rombenso, 349 - Centro - Osasco/SP
Cep.: 06097-120 - Te.: 11 3652-5244.
www.aoor.org.br
AGOSTO E SETEMBRO DE 2012
PAPO COM O OSTOMIZADO
Recomendações para ostomias
A ostomia ou estomia é uma exteriorização de parte do intestino para a saída das fezes,
que são coletadas através de bolsa acessória. Pode ser transitória ou definitiva,
dependendo do caso. Como é um procedimento que acompanha alguns tipos de
cirurgias no trato intestinal, a alimentação no pós-cirúrgico deve levar em conta a
cirurgia realizada. Dependendo do segmento intestinal ressecado, as repercussões no
trânsito intestinal podem ser de maior ou menor grau. Com a alimentação adequada é
possível normalizar a quantidade e a consistência das fezes, diminuir a formação de
gases, evitar a diarréia ou constipação intestinal e diminuir o odor das fezes.
Orientações nutricionais
De forma geral, a alimentação do paciente ostomizado deve ser equilibrada, de
consistência geral, fracionada em 5 ou 6 refeições ao dia, com correção dos hábitos e
tabus alimentares incorretos, visando uma reabilitação nutricional e reintegração do
ostomizado à família e à sociedade. Para isso, alguns cuidados devem ser observados,
dentre eles a ingestão de líquido que deve ser de 1,5 a 2,0 litro/dia (colostomia) e de 2,5
a 3,0 litro/dia (ileostomia). Além disso, deve apresentar quantidade de fibras
adequadas para o bom funcionamento da ostomia.
ALIMENTOS CONSTIPANTES - São os alimentos que podem diminuir ou cessar uma
diarréia.
Ricota, queijo branco, batata, mandioquinha, cará, inhame, cenoura, chuchu,
abobrinha e berinjela sem casca e sem semente, maisena, sagu, semolina, creme de
arroz, arrozina, tapioca, arroz branco, gelatina. Sucos ou frutas sem casca com pouco
açúcar (cozidas ou em purê), banana maçã, banana prata, pêra, maçã, goiaba, limão,
melão, melancia, caju.
ALIMENTOS QUE PRODUZEM ODORES DESAGRADÁVEIS - Peixes em geral, Frutos do
mar, carnes em conservas, temperadas ou defumadas, ovos cozido ou frito, repolho,
brócolis, couve-flor, cebola, alho cru.
ALIMENTOS LAXATIVOS - São os alimentos que estimulam a formação das fezes. Frutas
cruas em geral com casca, quando possível, leguminosas como feijão, lentilha, ervilha
seca e grão de bico. Frutas oleaginosas como nozes, castanhas, avelã, coco e amendoim
e produtos integrais como aveia, farelo de trigo, gérmen de trigo, linhaça, além de
verduras cruas ou cozidas em geral. Queijos gordurosos (parmesão, gorgonzola, etc.).
ALIMENTOS FORMADORES DE GASES NO ORGANISMO - Frutos do mar (especialmente
mariscos e ostras), leguminosas como feijão, ervilha seca, lentilha, grão de bico.
Repolho, brócolis, couve-flor, couve, cebola crua, rabanete, pimentão, pepino, batata
doce, nabo, ovos cozido ou frito, queijos muito gordurosos, excesso de açúcar, doces
concentrados, bebidas alcoólicas e gasosas.
ALIMENTOS QUE MELHORAM OS ODORES DESAGRADÁVEIS - Chá de (salsinha, salsão,
hortelã e erva-doce), pêssego, maçã, ameixa e banana-maçã.
É importante ressaltar que cada alimento deve ser testado individualmente, afim de ver
a tolerância de cada paciente, pois isto evita que se exclua da dieta alimentos
importantes para o equilíbrio da mesma.
ESPORTE
www.aoor.org.br
AGOSTO E SETEMBRO DE 2012
11
ATENÇÃO AOS ASPIRANTES A VELOCISTAS OLÍMPICOS
Andar é tão bom como atividade física
quanto correr, porém com menos riscos.
DA REDAÇÃO
Muita gente pensa que andar é exercício para velhos,
convalescentes. Não é. Assim como a corrida não é
para todos e está longe de ser "democrática", como
entusiastas gostam de repetir.
Há preconceito em relação aos caminhantes, porque
vivemos em um mundo no qual o desempenho é
colocado acima até da saúde. Quem vive em um ritmo
alucinado de treinos, sem acompanhamento, está
sujeito a lesões inerentes à corrida, além de ficar
estressado por carregar o peso de sempre estar no
pico de sua performance. Andar é bom, correr
também.
Nos anos 70, Kenneth Cooper revolucionou o mundo
esportivo dizendo que o meio-termo entre a
caminhada e a corrida era o segredo da saúde. Na
virada do século, todo mundo apertou o passo e
passou a correr, literalmente, atrás da qualidade de
vida. Agora, médicos pedem calma e indicam a
caminhada como fonte da juventude.
Depende do objetivo e do praticante. Para quem quer sair
do sedentarismo sem muitos sacrifícios, prevenir
doenças e aproveitar o percurso, caminhar é ótimo.
Quem pretende alcançar condicionamento físico em um
período mais curto, vai preferir a corrida em relação à
caminhada. Porém, os riscos de lesão são maiores.
O hábito de andar regularmente e rapidamente a seis
quilômetros por hora está ligado à melhora na circulação
sanguínea e nos níveis de colesterol, à prevenção de
doenças cardíacas, diabetes e alergias e até à redução da
incidência de alguns tipos de câncer, mostram as
pesquisas.
Para colher benefícios, no entanto, o caminhante deve
estar atento à intensidade do esforço. É preciso andar
rápido, não vale bancar a tartaruga, tendência da maioria.
Caminhar é caminhar, não é passear.
Então fica a dica. Independente de ser caminhantes ou
corredores, acompanhamento profissional, nutricional e
treino certo, trarão resultados positivos e com certeza
reduzirão os riscos à sua saúde. Pratique atividades
físicas. Esporte é Vida!
http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/114
0141-andar-e-tao-bom-para-o-corpo-quanto-corrercom-menos-riscos.shtml
foto: divulgação
02
www.aoor.org.br
BEM ESTAR
FALANDO SÉRIO
AGOSTO E SETEMBRO DE 2012
Depois de dias quentes, com muito sol e menor
umidade, os cabelos começam a enfrentar novos
desafios da natureza: ventos frios, que tiram a
umidade natural dos fios, deixam o cabelo mais
elétrico e induzem o ressecamento. Some a isso o
uso de água mais quente na lavagem diária, mais
secador para não sentir os fios gelados e pronto:
temos os fios mais uma vez desgastados e
distantes da beleza natural que possuem.
No inverno é inevitável, os cabelos podem se
tornar mais ressecados, por isso é muito
importante os cuidados com os cabelos nessa
época do ano.
A dica principal é a de sempre: muita hidratação.
Se a pele fica seca no inverno, o mesmo acontece
com as escamas do cabelo. Portanto, aposte nas
E por fim, não poderíamos esquecer do fator cor.
Atenção: os loiros precisam de cuidado
redobrado, já que o sol pode deixar os cabelos
amarelados ou esverdeados. Nesse caso, use um
produto específico para amenizar manchas.
Inverno, Cuidado Redobrado
foto: divulgação
SILVIA AMARAL
máscaras de hidratação para fugir desse mal .
Escolha uma máscara de alta nutrição e aplique
nos fios uma quantidade equivalente a uma
moeda. Deixe agir de cinco a dez minutos. Para
hidratar ainda mais, use uma touca térmica por 30
minutos. Repita o procedimento semanalmente.
Para manter os fios brilhantes, é importante
também evitar um dos hábitos mais frequentes do
inverno: os banhos super quentes. Isso tira a
proteção dos fios (e, aliás, da pele também),
deixando-os opacos e sem vida e ainda facilita o
aparecimento da caspa.
Os cabelos precisam ser reestruturados para que
recuperem a oleosidade natural e voltem a brilhar.
Com os fios molhados, aplique um leave-in sem
enxágue nas pontas. Ou então, com os fios secos,
use um pouco de gloss ou óleo hidratante também
nas pontas.
Como no frio não dá pra sair por aí com o cabelo
molhado, a gente abusa do secador. Então, vale
investir já num protetor térmico – use sempre com
o cabelo úmido, uma ou duas gotas, em todo o
comprimento.
AGOSTO E SETEMBRO DE 2012
03
ESTOMAS EM CRIANÇAS
CUIDADOS COM OS CABELOS NO INVERNO
Se de um lado o inverno é uma época do
ano em que as pessoas ficam mais bonitas e
elegantes o mesmo não se pode dizer dos
nossos cabelos.
www.aoor.org.br
Quais os cuidados com a
criança ostomizada
DA REDAÇÃO
Os motivos que levam um adulto a se tornar um
ostomizado podem ser vários. As causas podem ser
de câncer no intestino ou outros problemas que
acarretam na extração parcial ou total do intestino e
reto. E no caso das crianças, como se tornam
ostomizadas?
Nas crianças, as causas mais comuns de estomas
intestinais estão relacionadas às anomalias
congênitas adquiridas ou traumas sofridos durante a
infância.
As indicações estão relacionadas à casos de
obstrução intestinal, má-formação anorretal como a
imperfuração anal e no recém-nascido, a
enterocolite necrotizante.
Em relação às complicações dos estomas, podemos
citar: prolapsos, estenoses, retrações, escoriações
de pele e hérnia paraestomal e dermatite irritativa
causada por adesivos ou solventes.
Para evitar algumas dessas complicações, seguem
algumas dicas:
- a troca da bolsa preferencialmente de manhã, antes da
criança ingerir qualquer tipo de líquido;
- aproveitar o momento do banho para retirada do
dispositivo, garantindo boa higiene;
- preferência às roupas de algodão (facilita na absorção do
suor), para maior durabilidade dos dispositivos;
- ao sair, levar bolsas coletoras extras e material caso haja
necessidade de troca;
Após adquirir o estoma, a criança e sua família enfrentam
o desconhecido. É necessário ajuda para que a família
cresça, estimulada a buscar suas próprias estratégias,
minimizando o sofrimento, através de orientações e
incentivos do enfermeiro estomaterapeuta que
fortalecem a esperança e otimismo da família.
O Pólo de Atendimento à Criança com Estomas da
Secretaria de Saúde de São Paulo, localiza-se no
Ambulatório do Hospital Infantil Darcy Vargas (tel: 113723-3755) e realiza consultas e reuniões em grupo com
os pais para repassar experiências e recursos disponíveis
ao longo do tratamento.
A adaptação ao estoma significa interferência mínima
p o s s í ve l n a v i d a fa m i l i a r e co nt i n u i d a d e n o
desenvolvimento psicossocial da criança. O caminho
dos pais não precisa ser solitário.
Carla Mye Matuo, enfermeira estomaterapeuta do
Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da FMUSP
e Donata Maria de Souza Pellegrino, enfermeira
estomaterapeuta do Hospital Infantil Darcy Vargas.
foto: divulgação
10
Estomas em Crianças
www.aoor.org.br
ENTÃO
AGOSTO E SETEMBRO DE 2012
MAIS UM PRODUTO EM PROL DO OSTOMIZADO
DA REDAÇÃO
Os dois principais desafios enfrentados por pessoas
com ostomia envolvem o odor associado com a saída
de efluente e a dificuldade de esvaziar a bolsa.
As pessoas com ostomia são orientadas a deslizar seus
dedos em torno da bolsa a fim de facilitar o processo.
Os colostomizados, que tem efluente mais espesso,
também experimentam dificuldade em esvaziar a
bolsa, isso além do mau cheiro. A matéria fecal adere
nas paredes internas da bolsa e não desce.
Bolsas drenáveis de uma ou duas peças, podem ser
esvaziadas pela sua abertura inferior. O sistema de
fechamento pode ser integrado ou com o clamp
plástico. Para minimizar acidentes, as pessoas com
ostomias são orientadas a drenar a bolsa enquanto
estiverem sentadas no vaso sanitário, colocando a
bolsa entre suas pernas.
Embora haja recomendação que sugere a modificação
da superfície da película de bolsa para aumentar sua
lubrificação e a fabricação de bolsas com depósitos de
agente controlador de odores, não existia até o
momento, nenhum produto que lubrificasse e
desodorizasse a bolsa ao mesmo tempo.
Pensando nisso, a Hollister desenvolveu o Adapt
Lubrificante Desodorante, que resolve ambos os
problemas atuando simultaneamente como um
neutralizador de odor e um lubrificante da bolsa.
APLICAÇÃO
A aplicação é feita de maneira fácil e o produto não
danifica nem enfraquece as vedações da bolsa, como o
óleo mineral.
O produto proporciona uma combinação única de
benefícios:
· Reduz o odor significativamente;
· Torna mais fácil o esvaziamento da bolsa;
· Fácil aplicação na bolsa
· Não degrada as vedações da bolsa
O ALD (Adapt Desodorante Lubrificante) é um produto
que soluciona com sucesso as duplas necessidades de
pessoas com ostomia: controle do odor e facilidade de
esvaziamento da bolsa. Proporcionando assim, um
melhor desempenho aos materiais anteriormente
disponíveis em um único produto conveniente.
Kelly Camarozano Machado
Enf. Estomaterapeuta da Empresa Hollister do Brasil.
Membro do Conselho Fiscal da SOBEST
foto: divulgação
Chega ao mercado a mais nova solução
para bolsas coletoras
Kelly C. - Estomaterapeuta
www.aoor.org.br
GERAL
AGOSTO E SETEMBRO DE 2012
09
ISENÇÕES PARA DEFICIENTES FÍSICOS
Como funciona os benefícios concedidos
para a compra de veículo
DRA. MARILISA FERRARI
As pessoas portadoras de deficiência física, visual,
mental severa ou profunda ou autistas, ainda que
menores de 18 anos, poderão adquirir,
diretamente ou por intermédio do seu
representante legal, com isenção de IPI,
automóvel de passageiros ou veículo de uso misto,
de fabricação nacional. O direito à aquisição com o
beneficio da isenção de IPI pode ser exercido
apenas uma vez a cada dois anos, sem limite do
número de aquisições, observada a vigência da Lei
nº 8.989/95. Quando o portador de deficiência
não for habilitado, poderão ser indicados até três
condutores autorizados, sendo permitida a
substituição destes, desde seja informado esse
fato à autoridade competente.
CARROS PARA DEFICIENTES. Isenção de IPI, IOF,
ICMS para deficientes.
1.Deficiente condutor: isento de IPI, IOF, ICMS,
IPVA e rodízio municipal(deficiência física);
2. Deficiente não condutor: isento de IPI e rodízio
municipal(deficiência física e visual);
3. Deficiente não condutor: Isento de IPI e rodízio
municipal (deficiência mental e autismo).
DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ISENÇÃO DE
IPI e IOF:
1. Requerimento em 3 vias originais, fornecido
pela Receita Federal, dirigido ao Delegado da
Delegacia da Receita Federal;
2. Declaração de disponibilidade financeira ou
patrimonial do portador de deficiência ou autista,
compatível com o valor do veículo a ser adquirido;
3.Laudo médico de Avaliação emitido por serviço
médico oficial da União, Estados, distrito Federal
ou Municípios ou por unidade de saúde
cadastrada pelo SUS;
4. Para isenção de IOF deve apresentar declaração
de que nunca usufruiu do beneficio;
5. Certificado de Regularidade Fiscal ou Certidão
Negativa de Débitos expedida pelo INSS ou
declaração do próprio contribuinte de que é
isento ou não é segurado obrigatório do INSS;
6. Cópia da carteira de Identidade do Requerente
e/ou representante legal;
7. Cópia da Carteira Nacional de habilitação do
adquirente ou do condutor utilizado;
8. Certidão negativa da Procuradoria Geral da
Fazenda Nacional.
MAIS INFORMAÇÕES :
http://www.portalinclusao.com.br/do/Conteud
o/26/isencao_de_icms
foto: divulgação
04
Veículo Adaptado
www.aoor.org.br
ENTRETENIMENTO
AGOSTO E SETEMBRO DE 2012
Cerimônias demoradas, chuva de arroz,
fotógrafos inconvenientes, valsas eternas e
briga pelo buquê da noiva. Talvez seja
melhor rever seus conceitos.
foto: divulgação
CASAMENTO BALADA-FASHION
DA REDAÇÃO
Os novos tempos trazem com eles noivos que se
conheceram pela internet, que curtem locais
alternativos e músicas que só tocam em seus mp3,
celulares e tablets.
Para esses casais moderninhos, casar deixou de
ser algo completamente tradicional para se
tornar um evento exclusivo ou uma balada.
Seja de manhã, tarde ou noite, o empenho hoje
em dia é tornar a ocasião não só uma das mais
importantes de suas vidas, mas sim um
acontecimento inesquecivelmente feliz.
Claro, nada contra quem prefere seguir os antigos
e tradicionais costumes, mas atualmente
participar de um casamento é uma possibilidade
de ir a um show.
Começando pelos convites, que de antemão, dão
o tom de como será a festa, você fica com a sútil
Músicos Animam a Festa
impressão de que não foi convidado para ir à um
casamento, mais sim a uma ópera.
Na cerimônia, as igrejas são cinematograficamente
preparadas, enquanto as noivas chegam de
carruagem ou helicóptero e as marchas nupciais são
inspiradas em tenores e orquestras, de The Beatles à
Beethoven.
As festas são um destaque à parte. Mesas e
decorações elaboradas por arquitetos, refeições
leves e requintadas preparadas por chefes de
cozinha, garçons "top models" treinados e
barmans malabares que preparam drinks mágicos.
A trilha sonora é apresentada por super djs ou
mega bandas que embalam a animação dos
convidados com nostalgias e hits do momento. Em
alguns casos até escola de samba com bateria e
lindas passistas enriquecem ainda mais o show.
Trajes e vestidos que parecem saídos da última
semana de moda, feitos sob medida, somente
para este evento. E olha que não estamos falando
dos noivos.
Mencionando as atrações principais, os noivos,
são sofisticadamente produzidos como se fosse
uma campanha publicitária ou um espetáculo na
Broadway. A valsa dá lugar a apresentações de
dança desenvolvidas por coreógrafos.
Fotografias e filmagens produzidas por diretores
de arte, que transformam uma celebração familiar
em filmes de romance.
Então pense bem antes de trocar o casamento da
filha da vizinha, por mais um programa de humor.
Talvez você esteja perdendo a oportunidade de ser
o próximo rostinho aparecendo nas páginas vips e
badaladas da revista CARAS.
www.aoor.org.br
DICAS
AGOSTO E SETEMBRO DE 2012
05
COMO VAI SUA FÉ NA VIDA E EM VOCÊ MESMO?
Para algumas pessoas, o sol brilha intensamente. Para outras, a vida parece um filme em preto e branco. Descubra como anda a suas
capacidades, habilidades e principalmente a sua auto-estima. Você é otimista?
c) Quando chegar minha hora, serei promovida.
1. Fatos graves afetam sua família. Diante deles, você considera:
a) O tempo vai curar todas as feridas.
b) Será que eu posso resolver esses conflitos?
c) O jeito é me conformar.
2. Você investiu em um novo negócio que faliu. Sua reação é:
a) A minha vida acabou.
b) Preciso traçar um plano de ação .
c) Vou jogar na loteria.
6. Você combina um jantar com amigas de infância. Um pouco antes, metade delas desmarca. Nessa
hora você:
a) Liga para as outras, confirmando a presença.
b) Conforma-se, haverá outras oportunidades para se encontrarem.
c) Lamenta, ninguém deu a mínima para o seu esforço em reunir as pessoas.
foto: divulgação
08
Como vai sua fé em você?
3. Você não consegue finalizar um relatório e o seu chefe lhe cobra.
Nesse momento você:
a) Percebe que não foi eficiente e entrega o trabalho mesmo atrasado.
b) Briga com o chefe, pois você já está sobrecarregada de trabalho.
c) Tudo bem, na semana passada foi a mesma coisa e não aconteceu nada.
4. O seu carro é roubado na rua. O seguro venceu há dois dias e você pensa:
a) Tinha que acontecer comigo mesmo, sou muito azarada.
b) Ainda bem que eu não estava dentro do carro.
c) Deveria ter usado um estacionamento.
5. Você e uma colega se candidatam à uma promoção, mas ela ganha a vaga. Você pensa que:
a) Não me esforcei o suficiente, preciso verificar minhas falhas.
b) Ela deve ter feito algum acordo para ficar com o cargo.
7. Você planejou uma superfesta na praia. Porém, no dia chove. Você:
a) Briga com todos, pois não merecia essa injustiça depois de tanto esforço.
b) Agradece à chuva, pois acredita que é sinal de sorte.
c) Fica feliz por ter providenciado previamente um local coberto .
PONTUAÇÃO
Some 3 pontos para alternativa A, 2 pontos para alternativa B, 1 ponto para alternativa C.
Você é uma otimista sonhadora, cuidado!
21-15 pontos: Os problemas do dia a dia não a afetam. Procure dosar a extrema confiança em tudo e
todos e dê a justa medida aos acontecimentos.
Você vê o lado bom, mas é realista
08-14 pontos: Você encara as dificuldades mantendo uma postura pró-ativa. Equilibre os pensamentos
positivos, sem deixar de assumir suas responsabilidades
Quanto pessimismo!
0-7 pontos: Parece que o mundo conspira contra você. É provável que esteja sendo muito severa ao
julgar. Se os maus pensamentos persistirem, busque ajuda especializada.
CAPA
Dirigentes do Ministério da Saúde que,
durante a 19ª Conferência Internacional de
AIDS, realizada em julho, nos Estados
Unidos, disseram que nada no Brasil em
relação à AIDS tira o sono deles. Porém se
isso realmente não é um assunto
preocupante, então o que nos tira o sono?
fotomontagem: redação
matéria
NO
DA REDAÇÃO
O Brasil é um dos poucos países conhecidos
notavelmente pela política de saúde pública em relação
aos pacientes com HIV. Serve de referência no
tratamento de combate à AIDS, pois desde 1995 o
acesso ao coquetel é universal e em 1996 foi garantido
por lei federal os remédios que compõem o coquetel.
Já em 1984, alguns anos após o primeiro caso de
surgimento da AIDS no Brasil, começa a ser desenhado
o primeiro programa de combate á AIDS e em 1993,
inicia-se a produção do AZT (zidovudina) em território
nacional. Década após década, seja através de leis,
congressos, fóruns, apoio da sociedade civil, Ong's,
medidas sócio-educativas e entre outros fatores foi
AGOSTO E SETEMBRO DE 2012
BRASIL,
possível ao longo desses anos aumentar a sobrevida
das pessoas diagnosticadas com HIV no Brasil, faz-se
necessário constatar o avanço que tivemos desde que a
doença foi diagnosticada até os dias atuais, em que é
possível uma mãe soropositiva não transmitir o vírus
HIV ao bebê durante a gestação.
Em artigo publicado por Veriano Terto Jr. e Renata Reis
fica claro, como foi importante a postura do Brasil no
tratamento da AIDS:
''Mesmo tendo incorporado o reconhecimento de
patentes para medicamentos, o Brasil foi decisivo na
aprovação da Declaração de Doha sobre o Acordo TRIPS
e a Saúde Pública – um marco político na defesa das
necessidades de saúde pública frente aos direitos de
propriedade intelectual. Doha reforçou politicamente
o espaço para o uso de flexibilidades, como o
licenciamento compulsório (conhecido como quebra
de patentes), medidas fundamentais para a
sustentabilidade da resposta brasileira à AIDS, na
medida em que possibilitaram significativas reduções
de preço e a produção local de medicamentos.
Comprometimento político e envolvimento da
s o c i e d a d e c i v i l fo ra m d e c i s i vo s n o p a p e l
desempenhado pelo Brasil no combate á epidemia.''
Entretanto, com toda essa melhoria, é possível
diagnosticar um aumento nas pessoas detectadas com
HIV ou mesmo no número de mortes.
Dados do Ministério da Saúde mostram que o número
de casos passou de 33.166, em 2005, para 37.219, em
UM
ASSUNTO
QUE
AINDA
2010 (aumento de 12%). No mesmo período, as mortes
pularam de 11.100 para 12.073 (aumento de 8,8%).
Segundo pesquisador da USP, Alexandre Grangeiro, o
diagnóstico tardio é uma das causas:
''O fim do diagnóstico tardio poderia gerar uma
redução na mortalidade equivalente àquela registrada
com o início do uso de remédios antiaids", avalia o
pesquisador. Com os antirretrovirais, a taxa de
mortalidade pela doença foi reduzida em 43%. Se o
diagnóstico tardio fosse superado, essa queda poderia
chegar a 62,5%. "A identificação de pacientes poderia
ter poupado a vida de 17 mil pessoas em quatro anos"
Segundo Grangeiro, o Brasil tem uma epidemia muito
específica, com 90% dos casos concentrados em 400
municípios, e um crescente aumento de casos entre a
população jovem, que está iniciando a vida sexual.
"Uma pessoa sem tratamento tem mais risco de morrer
e de transmitir o vírus para outras. Em tratamento, ela
reduz em 94% as chances de infectar outras pessoas."
Em reportagem da Folha de São Paulo, são apontadas
as críticas à política de saúde brasileira:
''Considerado uma referência mundial, o programa
brasileiro de DST/Aids tem sido bastante criticado. No
mês passado, durante uma conferência internacional
em Washington, pesquisadores fizeram alertas sobre a
falta de médicos, leitos e exames para os pacientes com
HIV e de medicamentos para tratar doenças causadas
pelos antirretrovirais.
Durante o evento, o coordenador de HIV/Aids da Opas
NOS
(Organização Panamericana da Saúde), Massimo Ghidinelli,
disse que o aumento da pressão de grupos religiosos e a
redução das campanhas de prevenção dedicadas às
populações de maior risco são a principal ameaça ao
programa brasileiro.
«O programa precisa mudar e se adaptar rapidamente a
esses novos desafios da epidemia e manter um grande
enfoque nas populações vulneráveis", afirmou.
O Brasil é um dos poucos países do mundo que possui um
programa público de acesso universal a medicamentos para
fonte: Folha de São Paulo/2012
AIDS
06
www.aoor.org.br
MATÉRIA DE CAPA
fonte: Folha de São Paulo/2012
06
07
ASSOMBRA
HIV/AIDS. O desenho dessa política foi historicamente
realizado a partir de uma interação – nem sempre fácil, mas
absolutamente necessária – entre a sociedade civil e o
Estado. No dia mundial de luta contra a AIDS (1º de
Dezembro) cabe uma reflexão crítica dos caminhos
trilhados pela resposta brasileira à epidemia e os atuais
desafios postos para que o país mantenha e amplie os bons
resultados obtidos.''
Cabe lembrar o longo caminho que já foi percorrido e
constatar que a batalha é contínua, pois ainda há muito a
ser feito..

Documentos relacionados

Baixar edição 08 do jornal AOOR NEWS

Baixar edição 08 do jornal AOOR NEWS 6 – Ter acesso a dados acerca de sua Associação Nacional de Ostomizados e dos serviços e apoio que podem ser oferecidos. 7 – Receber apoio e informação para benefício da família e dos amigos a fim ...

Leia mais