plano de disciplina - Faculdade de Letras

Сomentários

Transcrição

plano de disciplina - Faculdade de Letras
UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS
FACULDADE DE LETRAS
UFAL
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA
PPGLL
PLANO DE DISCIPLINA
DISCIPLINA: PGL070.1 – SEMINÁRIOS TEMÁTICOS EM TEORIA E ANÁLISE
LINGUÍSTICA: RECOLHA, TRATAMENTO E DISSEMINAÇÃO DE DADOS ORAIS
PERÍODO: 2011.1
NATUREZA: ELETIVA
ÁREA DE ESTUDOS: LINGUÍSTICA
LINHA DE PESQUISA: DESCRIÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA
DOCENTE RESPONSÁVEL: PROF. DR. MIGUEL OLIVEIRA JR.
CARGA HORÁRIA: 60 Horas
1. OBJETIVO GERAL
Apresentar técnicas correntes de recolha, tratamento e disseminação de dados de
fala.
2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS
i.
Fornecer indicações acerca de equipamentos para recolha de dados orais;
ii.
Discutir convenções, técnicas e métodos estabelecidos para gravação de
dados;
iii.
Conceituar metadado e discutir sua importância na construção de corpora;
iv.
Fornecer indicações específicas sobre procedimentos de transcrição e
anotação de dados orais;
v.
Comparar técnicas e aplicativos computacionais diversificados utilizados no
alinhamento das transcrições e das anotações;
vi.
Considerar casos particulares e problemáticos no processo de transcrição
de dados;
vii.
Apresentar métodos de organização e manutenção dos dados gravados;
viii.
Discutir meios de disponibilização dos dados.
3. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
i.
Equipamentos para recolha de dados orais: considerações acerca da
relação custo-benefício;
ii.
Convenções, técnicas e métodos utilizados na gravação de dados: o que,
onde e como gravar;
iii.
Metadado: elemento fundamental na construção de corpora.
iv.
Procedimentos de transcrição e anotação de dados orais: técnicas e
aplicativos computacionais diversificados utilizados na transcrição, na anotação e
no alinhamento das transcrições e das anotações da fala;
v.
Casos particulares e problemáticos no processo de transcrição de dados;
vi.
Métodos de organização e manutenção dos dados gravados;
vii.
Meios de disponibilização dos dados.
4. METODOLOGIA
Apresentação expositiva
ilustrativos; aulas práticas; debates.
do
conteúdo
programático,
com
exemplos
BIBLIOGRAFIA
BAAL – British Association for Applied Linguistics (2006) Recommendations on Good
Practice in Applied Linguistics. http://www.baal.org.uk/about_goodpractice_full.pdf
BEREZ, A. (2007) Análise crítica do programa informático EUDICO Linguistic Annotator
(ELAN). Language Documentation & Conservation 1(2).
BIRD, S. e M. Liberman (2001) A formal framework for linguistic annotation. Speech
Communication 33(1,2).
BOERSMA, P. e D. Weenik (2007) Praat, versão 4.6.02. www.praat.org
BRECK, E. (1998) Soundscriber. http://www-personal.umich.edu/~ebreck/sscriber.html
BURNARD, L. (2002) Where did we go wrong? A retrospective look at the British National
Corpus. In B. Kettemann e G. Markus (eds.) Teaching and learning by doing corpus
analysis. Amsterdã: Rodopi.
CAMPBELL, N. (2002a) Recording and storing of speech data. In Proceedings of the
International Workshop on Resources and Tools in Field Linguistics, Las Palmas.
CAMPBELL, N. (2002b) Recording techniques for capturing natural every-day speech. In
Proceedings of LREC II, Las Palmas.
CAMPBELL, N. (2004) Speech & expression: the value of a longitudinal corpus. In
Proceedings of LREC IV, Lisboa.
CASEY, M. e B. Gordon (2007) Sound directions: best practices for audio preservation.
http://www.dlib.indiana.edu/projects/sounddirections/bestpractices2007
CASTILHO, A. e D. Preti (eds.) (1987) A linguagem falada culta na cidade de São Paulo.
São Paulo: FAPESP.
CDP – Digital Audio Working Group (2005) Digital audio best practices, v. 2.0.
http://www.cdpheritage.org/digital/audio/documents/cdpdabp_1-2.pdf
COATES, J. e J. Thornborrow (1999) Myths, lies and audiotapes: Some thoughts on data
transcripts. Discourse & Society 10.
CRESTI, E. et al. (2004) The C-ORAL-ROM corpus. A multilingual resource of
spontaneous speech for Romance languages. In Proceedings of LREC IV, Lisboa.
CRESTI, E. e M. Moneglia (eds.) (2005) C-ORAL-ROM: integrated reference corpora for
spoken Romance languages. Amesterdão/Filadélfia: John Benjamins.
DILLEY,
L.
e
M.
Brown
(2005)
The
RaP
Labeling
System,
versão
1.0.
http://faculty.psy.ohio-state.edu/pitt/dilley/rap-system.htm
FARRAR, S. et al. (2006) Transcription and annotation of primary data. In Proceedings of
2006
E-MELD
Workshop,
Lansing.
http://www.emeld.org/workshop/2006/wg/wg2-
report.pdf
FREITAS, T. (2010) Gravando e Transcrevendo o Português Falado: Um Guia Teórico e
Prático. In. M. Oliveira Jr. (org.) Linguística de Corpus: da teoria à prática. Lisboa: Colibro.
HELLWIG, B. e D. van Uytvanck (2007a) Manual do EUDICO Linguistic Annotator (ELAN),
versão 3.3.0. http://www.lat-mpi.eu/tools/elan/
HELLWIG, B. e D. van Uytvanck (2007b) Manual do IMDI Editor, versão 3.2.
http://www.lat-mpi.eu/tools/imdi/editor/
IMDI (2003) IMDI Metadata Elements for Session Descriptions. MPI Nijmegen.
http://www.mpi.nl/IMDI/documents/Proposals/IMDI_MetaData_3.0.4.pdf
JANSSEN, M. e T. Freitas (2008) Spock – a spoken corpus client. In Proceedings of
LREC VI, Marraqueche.
LADEFOGED, P. (2003) Phonetic Data Analysis. Cambridge: Blackwell.
MARTIN, P. (2004) WinPitch Corpus: a text to speech alignment tool for multimodal
corpora. In Proceedings of LREC IV, Lisboa.
MANTA,
M.
et
al.
(2006)
Manual
do
Transcriber,
versão
1.5.2.
http://trans.sourceforge.net/en/usermanUS.php
MEAKINS, F. (2007) Análise crítica do programa informático Computerized Language
Analysis (CLAN). Language Documentation & Conservation 1(1).
MONEGLIA, M. et al. (2005) Evaluation of consensus on the annotation of terminal and
non-terminal prosodic breaks in the C-ORAL-ROM corpus. In E. Cresti e M. Moneglia
(eds.) C-ORAL-ROM: integrated reference corpora for spoken Romance languages.
Amesterdão/Filadélfia: John Benjamins.
MURRAY, T. e C. Ross-Murray (1992) On the legality and ethics of surreptitious recording.
Publication of the American Dialect Society 76.
OCHS, E. (1979) Transcription as theory. In E. Ochs e B. Schiefflin (eds.) Developmental
pragmatics. Nova Iorque: Academic Press.
OLIVEIRA JR., M. (org.) (2010) Linguística de Corpus: da teoria à prática. Lisboa: Colibri.
PLICHTA, B. (2002) Best practices in the acquisition, processing, and analysis of acoustic
speech signals. U. Penn Working Papers in Linguistics 8.3.
ROBINSON, A. (2008) Transcribe!, versão 7.50.0. http://www.seventhstring.com/
SHRIBERG, E. (2005) Spontaneous speech: How people really talk and why engineers
should care. In Proceedings of Interspeech 2005, Lisboa.
SHUY, R. (1993) Risk, deception, confidentiality and informed consent. Recensão crítica
do artigo de Murray e Ross-Murray (1992) Legal and ethical issues in surreptitious
recording. American Speech 68.
SJÖLANDER,
K.
e
J.
Beskow
(2005)
WaveSurfer,
versão
1.85.
http://www.speech.kth.se/wavesurfer/index.html
SCHUURMAN, I. et al. (2004) Linguistic annotation of the Spoken Dutch Corpus: If we had
to do it all over again. In Proceedings of LREC IV, Lisboa.
WOODS, D. (2008) Transana, versão 2.22. http://www.transana.org.

Documentos relacionados