quero perder a “barriguinha” que voltou comigo das férias. o que

Сomentários

Transcrição

quero perder a “barriguinha” que voltou comigo das férias. o que
SET.2013
POWERED BY
QUERO PERDER A “BARRIGUINHA” QUE VOLTOU
COMIGO DAS FÉRIAS. O QUE FAZER?
Neste período pós-férias, esta é uma das questões que mais atletas nos
colocam, quando regressam aos treinos. Apesar de toda a informação
actualmente disponível a este respeito, ainda subsiste o mito que,
“para emagrecer, temos de correr, pedalar e pular que nem uns loucos!
Tudo o resto, não queima gordura!”. Meus caros... Nada mais errado!!!
Senão vejamos:
Quando pretendemos que os nossos atletas emagreçam (i.e., reduzam a percentagem de massa gorda), temos que aumentar o défice calórico
(ou seja, queimar mais e, se possível, ingerir menos e melhores calorias).
Focando agora apenas na primeira parte (queimar mais calorias), temos dois momentos a ter em conta: as calorias queimadas (1) NO TREINO
e no (2) PÓS-TREINO.
(1) NO TREINO
Se focarmos apenas nas calorias queimadas NO TREINO, claramente,
correr, pedalar a ritmo elevado, ou saltar incessantemente (treino
aeróbio) queima mais calorias do que qualquer outra actividade.
Qualquer uma destas actividades, mantendo um ritmo cardíaco
próximo dos 80%, é o suficiente para queimar cerca de 400 Kcal,
em 30 minutos. Em contrapartida, num treino de força (pesos, halteres, elásticos, resistência manual, ou mesmo usando o peso do
corpo), para queimar as mesmas 400 Kcal necessitamos de 1 hora.
Ou seja: nesta perspectiva, o treino de força exige mais tempo
para queimar o mesmo número
de calorias.
Nenhum plano de treino é saudável se não incorporar diferentes
abordagens, que estimulem o nosso organismo de formas distintas.
O treino de força é importante, não só pelo dispêndio calórico (consequentemente, queima de gordura), mas também porque permite que
os nossos músculos cresçam e se tornem mais fortes, mais resistentes
e definidos.
O treino aeróbio é IGUALMENTE importante, por ser essencial ao bom
funcionamento do nosso sistema cardiovascular e respiratório. Este
tipo de treino aumenta a nossa capacidade cardíaca e respiratória,
dando-nos mais resistência ao esforço, quer em ambiente de treino,
quer no nosso dia a dia.
O terceiro pilar, indispensável a um plano de treino saudável e equilibrado, são os alongamentos. De facto, quanto mais intenso for o treino,
mais ênfase deve ser dado aos alongamentos / flexibilidade. Este tipo
de treino repõe o equilíbrio no nosso corpo, reduzindo os efeitos nocivos de más posturas e / ou má execução de exercícios, alongando
os músculos e reposicionando as articulações na posição devida, permitindo uma maior amplitude de movimentos bem como uma melhor
recuperação muscular no período pós-treino.
Para adaptar estes princípios base ao seu caso concreto, procure um
profissional de exercício e saúde, que
o ajudará a atingir os seus objectivos,
de uma forma segura e estruturada.
(2) PÓS-TREINO
Após o treino aeróbio, o nosso corpo continua a queimar calorias “a todo o vapor” durante 30 minutos a uma hora, diminuindo gradualmente o ritmo, até voltar ao normal, após 6 a 8 horas.
No entanto, após o treino de força, o corpo demora de 18 a 48 horas a
voltar ao normal, consoante a duração e intensidade do treino.
Ou seja: contas feitas, um treino forte de musculação acaba por queimar bastante mais calorias do que um treino aeróbio de igual intensidade.
Perante isto, será que devemos inverter o mito, e deixar completamente de parte o treino aeróbio, substituindo-o pelo treino de força?
Também não.
ESTAMOS À SUA ESPERA!
Newsletter assinada por João Portela | Professor da Healthy Generation · Mais informações | [email protected]