Baixar versão em PDF

Сomentários

Transcrição

Baixar versão em PDF
Morando fora.
recomendo!
Será
que
vale
a
pena?
Eu
29 de abril de 2011, por Cristiano Novelli
Sempe tive vontade de morar fora do Brasil. Era quase que uma fixação durante a
minha adolescência. Aos dezoito anos, tentei cursar bateria na Berklee College of
Music em Boston. Mas por razões financeiras, acabou ficando inviável. Decidi,
então, me aprofundar nos estudos de técnica e leitura por aqui mesmo. Já tinha
começado os estudos de bateria aos 13 anos com o meu ídolo e mestre Robertinho
Silva (éramos vizinhos no Rio). Com o plano de fazer a Berklee frustrado, me
inscrevi na Escola de Música Villa-Lobos no centro do Rio. Começei, também, a
estudar técnica e rudimentos com o Guilherme Gonçalves (ele usava o método da
Berklee, pois se formou lá). Posteriormente, estudei com o grande baterista Élcio
Cáfaro e fiz o curso de Teoria e Percepção Musical (TEPEM) na UniRio.
A minha primeira experiência morando fora foi entre 1996 e 1997 quando toquei 11
meses num navio de cruzeiro no Caribe. Foi uma época muito gratificante, pois
tocava basicamente tudo que é ritmo (samba, bossa, bolero, baião, xote, toada,
balada, rock, pop, r&b, samba-reggae, reggae, etc.) todas as noites e aprendi
diversos ritmos caribenhos como calypso, merengue, soca, dentre outros. Sem falar
na constante exposição aos ritmos da salsa, do reggae e à culturas diversas. Visitei
vários países: Aruba, Curaçao, Trinidad & Tobago, Grenada, Barbados, St Lucia e
Martinique. Conheci uma fábrica de "steel pan" (aquele instrumento que é um latão
cortado e tem notas musicais) em Trinidad, onde eles faziam perfomances de
orquestras desse mesmo instrumento. É incrível o som que eles tiram desses
instrumentos. Desde o mais grave (latão quase inteiro) aos mais finos e agudos.
Enfim, esses 11 meses foram uma grande escola pra mim. Voltei para o Brasil
respirando bateria.
No ano de 1997, ao chegar no Brasil, depois de alguns meses me readaptando,
começei a fazer muitas gigs. Viajei pelo Brasil com artistas da MPB como Miúcha,
MPB-4, Golden Boys, Claudette Soares, Daniel Gonzaga, Kiko Furtado, Carol
Saboya, dentre outros. Alguns anos depois, começei, também, a dar aula de bateria
em algumas escolas de música no Rio. Dentre as quais vale destacar a Mais Que
Música e a Oficina de Música Elisa Messina. Em 2000 excursionei pela Europa com o
grupo vocal MPB-4.
Em Janeiro de 2001 foi quando a minha maior experiência de vida fora do Brasil
começou. Me mudei para San Diego na California, Estados Unidos. É uma cidade
linda e muito agradável para nós brasileiros. Boas praias e paisagens lindas. Toquei
bastante música brasileira na noite e começei a gravar e tocar com músicos
americanos e latinos. Fui muito exposto ao Jazz. Um guitarrista americano, Peter
Sprague, com quem trabalhei em algumas ocasiões, foi responsável por abrir a
porta do Jazz pra mim. Ele adorava ter um baterista brasileiro no trabalho dele. O
baixista que tocava com ele era fantástico. Era o Bob Magnusson (ele foi o último
baixista da cantora de jazz Sarah Vaughan). Ele tocava sempre baixo acústico e era
bem sério e centrado. Mas era só eu swingar com o molho brasileiro que ele
olhava e abria um sorrisão. Toquei com vários outros monstros de jazz da cidade
como Jaime Valle (guitarra), Kenny Goldberg (sax), Glen Fisher (baixo), Kamau
Kenyatta (piano), Joe Cano (guitarra), dentre outros. Fui, também, apresentado
aos ritmos do flamenco e rumba. Toquei muitas gigs de flamenco/rumba com os
violonistas Mario Olivares, David de Alva, Peter Pupping, Eric Foster, Michael
Battista, dentre outros. Com a grande demanda por essas gigs, começei a tocar
cajon e a montar um set híbrido misturando bateria e percussão. Cursei um
semestre de música no San Diego Mesa College e dei aula por dois anos na
Twentyman School of Music, uma conceituada escola de música em San Diego. Foi
uma época de muito aprendizado e troca musical!
Três anos depois, me mudei pra Los Angeles, onde pemaneci até o fim de 2010.
Continuei fazendo muitas gigs com o meu set híbrido. Na verdade, criei um set
híbrido alternativo onde introduzi o cajon como bumbo nesse set-up usando um
pedal tocando invertido com o calcanhar. O set era composto, também, por uma
caixa DW 10" X 5", tan-tan, tamborim, repique, pandeiro, bongôs, congas, foot
cowbell, blocks, hi-hat, dois splashs, pads eletrônicos Roland (SPD-11) e efeitos.
Foi um sucesso instântaneo. Começei a ficar bem requisitado. Mas sempre fazendo
gigs de batera também. Toquei com muitos artistas e músicos de primeiro
escalão de Los Angeles. Dentre os quais vale destacar, David Foster, Greg Porée,
Alphonso Jonhson, Patrice Rushen, Richie Garcia, Roberto Montero, Munyungo
Jackson, Robert Kyle, Dorian Holley, Erica Gimpel, Ryan Cross, Mitchell Long, Dirk
K, Dawn Bishop, Hussan Jiffry, Jon Gilutin, Gary Meek, Bill Brendell, José
Marino, Kleber Jorge, Kátia Moraes, Marcelo Cáceres, Marco Tulio, dentre outros.
Participei de gravações de albums com diversos artistas americanos, europeus,
latinos e brasileiros.
Participei de programas de televisão na Fox, Univision, etc. Em 2005, toquei no
Latin Grammys Awards com o cantor argentino Diego Torres, com a cantora
portoriquenha Olga Tañon e com o Alexandre Pires. Também continuei tocando
muito cajon em gigs de flamenco. Nos últimos 4 anos fiz parte de alguns grupos.
Dentre os quais vale ressaltar o meu duo "Montero & Novelli" com o
guitarrista/violonista brasileiro Roberto Montero (que se tornou o meu melhor
amigo nos States). Nesse duo de violão/voz e percussão, tocávamos músicas do
Roberto e fazíamos arranjos jazzísticos "abrasileirados" para standards de bossa,
samba, baião, latina e jazz. Participei de um trio de música brasileira "Braziliando"
com o saxofonista americano Robert Kyle e com o Roberto Montero. Esse grupo
tocava regularmente em jazz clubs, eventos, restaurantes e fizemos diversos
festivais de jazz.
Outro grupo importante foi o "Quartet Equinox" , o qual ainda sou membro. Nesse
trabalho, fazemos uma mistura de Flamenco e Jazz com músicas próprias. Tocamos
bulerias também, mas sempre com uma roupagem jazzística. Eu gravei o segundo
album chamado "Philip's Wish". Os outros membros são o alemão Dirk K (violão),
o havaiano Dean Taba (baixo acústico) e o japonês Andy Suzuki (sax, flauta e
clarone). Fiz parte do "Greg Porée Group" do guitarrista Greg Porée (Diana Ross,
Michael Jackson, Baby Face, etc.). Esse grupo também tinha o baixista Keith Jones
(Airto & Flora, Carlos Santana, Wayne Shorter, Al Jarreau, etc.) e o violinista Paul
Cartwright. Eu também era membro da banda do cantor e compositor de r&b
Dorian Holley. O Dorian, além de ter sido o vocalista líder do saudoso Michael
Jackson, é um dos diretores vocais do show "American Idol" e é o cantor principal
do "Tonight Show" com o Jay Leno.
Foram anos fantásticos onde consegui endorsements de pratos Soultone Cymbals
(da Turquia feito a mão), da DC California Drums (eles fizeram um bumbo maple
shell de 18" maravilhoso) e das caixas Heuer. Apesar desse endorsement de
batera, eu uso baterias Yamaha. Eu tenho uma Recording Custom e uma Absolute
Birch Custom. As caixas, eu uso Pearl, DW e Heuer. Fui convidado para ser
professor substituto no departamento de bateria da renomada escola de música Los
Angeles Music Academy (LAMA), onde exerci essa função de 2007 a 2010. Nesses
anos em Los Angeles, pude aperfeiçoar a minha técnica e grooves, principalmente
jazz, r&b, funk, flamenco e ritmos latinos como salsa, songo, etc.
Por fim, eu recomendo para qualquer músico, seja qual for o seu instrumento,
vivenciar essa experiência no exterior. Por mais que a saudade da família e da
terrinha aperte, não tem nada melhor do que fazer o que gosta, ser respeitado,
bem remunerado, admirado por músicos do mundo todo e fazer parte dessa salada
de culturas.
Até a próxima!
Contato: www.cristianonovelli.com