As Pestes - Arquivo Municipal de Torres Vedras

Сomentários

Transcrição

As Pestes - Arquivo Municipal de Torres Vedras
As Pestes
O Triunfo da Morte – pormenor de uma miniatura atribuída a Giovanni di Paolo. c.
1431 ou 1450. Biblioteca Municipal de Siena. In DUBY, Georges, Ano 1000 Ano
2000: no rasto dos nossos medos. Lisboa: teorema, 1997. p. 87.
A maior parte do campesinato rural do termo torriense vivia,
nos inícios do século XIV, com grandes dificuldades de subsistência,
que os impossibilitava de alimentar as famílias, dada a escassez de
recursos e de alimentos. A população das aldeias, é certo, tinha
crescido até então, testemunhando-o a Inquirição de 1309, obrigando
a um intenso parcelamento, assim como ao cultivo de terras
marginais, que pouco produziam.
Deste modo, a situação dos que nada tinham era bastante
precária, explicando a dimensão das mortandades provocadas por
fenómenos de má nutrição, consequência da sua condição de pobre,
mas também das sucessivas más colheitas do início de Trezentos, a
que se associaram as epidemias. Daí a alusão recorrente à célebre
trilogia «fomes, pestes e guerras», que levou à generalização do
século XIV como um tempo de crise.
É certo, porém, que se verificou uma evolução demográfica no
termo torriense, até às primeiras duas ou três décadas do século XIV,
testemunhado pelo movimento arroteador, assim como a fundação de
uma nova aldeia, junto ao porto de São Dinis. Seguiu-se, porém, uma
certa estagnação até à Peste Negra de 1348, acompanhando o
movimento geral da Europa. Na segunda metade da centúria, deu-se
uma inversão no crescimento, causada pela epidemia e respectivas
recorrências, a que se juntaram as crises cerealíferas, assim como os
conflitos político-militares no reinado de D. Fernando e primeira
metade do reinado de D. João I.
A escassez de alimentos tornou os corpos debilitados pela
subalimentação, com consequências demográficas. Neste contexto, a
Peste Negra entraria em Portugal, por via marítima, proveniente de
Oriente, por volta do dia de São Miguel de Setembro, como refere
explicitamente o Livro da Noa (ou das Eras) de Santa Cruz de
Coimbra.
Na região de Torres Vedras, o surto da epidemia ter-se-ia dado
entre finais de Setembro de 1348 e Janeiro de 1349. Deste período
apenas conhecemos escassos documentos, de que é exemplo o
testamento de Estêvão Peres, raçoeiro da Colegiada de Santa Maria
do Castelo, escrito pelo seu próprio punho e redigido na altura da
Peste. Assim o confirma Vicente Anes, uma testemunha do referido
testamento que, quando inquirido, afirmou que el testemunha indo
hũu dia pella rua que chamam dos Oleyros quando foy a Pestelença
que o dicto Stevam Perez o chamou das casas de Stev’Eannes
Louredo hu o dicto Stevam Perez sya em hũua cama e que elles lhi
viro teer hũa cedula de papel de testamento na maão...».
O declínio demográfico continuou pelas décadas seguintes. As
fomes e as pestes a elas associadas regressavam regularmente ao
território português, logo em 1356, em 1361-63, em 1371, em 1374,
em 1383-86, em 1389, em 1394, e repetir-se-iam ao longo dos
séculos seguintes. E já antes se registaram epidemias em 1188,
1202, 1310 e 1333.
Se as epidemias nacionais parecem melhor conhecidas, aqui e
ali, ocorreram alguns surtos regionais. Ana Maria Rodrigues chamou a
atenção para uma peste local, em 1395, atestada por um único
documento pertencente ao cartório da Colegiada de São Pedro de
Torres Vedras, em que Rui Gonçalvez e sua mulher Margarida Anes,
moradores no Souto, comarca de Randide (actual São Pedro da
Cadeira), renunciaram ao prazo de uma casa:
«Em nome de Deus, Amem. Sabham quantos esta carta
d’enprazamento virem que na Era de mil e quatro centos e trinta e
tres anos, vinte e cimquo dias de Junho, em Torres Vedras, no
Alpendre das cassas da morada de Steve Gonçallvez, Prior da egreja
de Sam Pedro da dicta villa, estando o dicto Prior e Sueiro Gonçallvez
e Affomso Estevez e Pero Vicente, raçoeiros da dicta egreja de
presente, em presença de mim Pedro Affomso, tabeliam da Reynha
na dicta villa, e testemunhas que adeante som escriptas, pareceram
Roy Gonçallvez e sua molher Margarida Annes, moradores no Souto,
comarca de Randide, termho da dicta villa, e diseram ao dicto Prior e
raçoeiros que elles tynham ora emprazadas huuas casas da dicta
egreja que sam na dicta villa em as quaaes soya de morar Paay
Correa, escudeiro, que partem com adega do dicto Paay Correa e
com Vaasq’Eanes e com rua pubrica, por as quaaes diziam que
avyam de pagar em cada hũu ano ao Prior e raçoeiros da dicta egreja
dez e sete libras desta moeda corrente em cada hũu ano fazendo e
refazendo elles as dictas cassas daquillo que lhe conprisse, segundo
diziam que todo melhor e mays conpridamente. Era contheudo em
escriptura
pubrica
que
tynham
fecta
e
asynaada
per
Martim
Vaasquez, tabeliam da dicta villa, e diseram que elles moraram nas
dictas casas ataa ora e que por esta pestelença que Deus emviou na
terra nom podiam achar quem lhes morar e pobrar o dicto seu casal
do Souto em que ante soyam de morar, e que porem rogavam e
pidiam ao dicto Prior e raçoeiros que presentes estavam que lhe
queriam encanpar e renunciar as dictas casas com todas suas
bemfeitorias que em ellas aviam fectas asy de portas e madeira e
pregadura come doutras coussas se por bem ouvessem de lhe
receber a dicta renunciaçom dando elles sobredictos Prior e raçoeiros
por quites e livres elles sobredictos Roy Gonçallvez e a dicta sua
molher e seus socesores que depos elles veherem das dictas cassas e
foro e pensom que dellas avyam de pagar em cada hũu ano aa dicta
egreja. E logo o dicto Prior e raçoeiros que presentes estavam veendo
o que lhes Era dicto e pidido pello dicto Roy Gonçallvez e sua molher,
e em como elles tynham fectas muitas bemfeytorias nas dictas casas
e visto em como elles achavom logo outras pessoas a quem afforar
as dictas cassas por aquella meesma pensom e foro que lhes o dicto
Roy Gonçallvez e a dicta sua molher em cada hũu ano avyam de dar
por as dictas casas, tomaram e receberam em sy e pera sy as dictas
cassas e renunciaçom dellas a elles fecta pellos sobredictos Roy
Gonçallvez e a dicta sua molher e socesores que depos elles
veherem. E mandaram e outorgaram que nunca em juizo nem fora
dell lhes posam fazer demanda em razom das dictas cassas e se lha
fezerem que nom valha nem tenha nem el theudo de responder a ella
das quaaes coussas o dicto Roy Gonçallvez pidio hũu estormento.
Testemunhas o dicto Prior e raçoeiros e Estevom Perez, creligo, e
outros. Eu, Pedro affomso, tabeliom da Reinha na dicta villa, que a
esto presente fuy e este stormento escrepvy, em que meu synal fiz,
que tal he.».
SAIBA MAIS: Rodrigues, Ana Maria S. A. – Uma Peste em Torres
Vedras em 1395. In Espaços, Gente e Sociedade no Oeste: Estudos
sobre Torres Vedras Medieval. Cascais: Patrimonia Historica, 1996.
p.13-15.

Documentos relacionados

Resumo - Revista de História da Arte

Resumo - Revista de História da Arte aux fonds d’Alcobaça, comme, aussi, à ceux de Santa Cruz de Coimbra et Lorvão; et le colorant que, presque toujours, entre dans sa composition est celui qui est connu par vermillon. Dans O livro de...

Leia mais

4 - Arquivo Distrital de Évora

4 - Arquivo Distrital de Évora tal, no último semestre, não

Leia mais

Consulter le document - Médiathèque de la Cité de la musique

Consulter le document - Médiathèque de la Cité de la musique Pour aborder le répertoire des cantigas, il est nécessaire, au-delà de la référence première à l’écriture, de comprendre que ce corpus, pensé comme une entité, devait trouver sa cohérence dans tous...

Leia mais

PDF Santa Isabella

PDF Santa Isabella Il manoscritto sarebbe stato dato alle stampe per la prima volta, secondo quanto riferito da Pedro Perpiñán della Compagnia di Gesù 54 , nel 1560: di tale edizione non si ha però a tutt’oggi tracc...

Leia mais

a gestão dos recursos florestais portugueses na

a gestão dos recursos florestais portugueses na sobre la relación existente entre construcción naval, organización de recursos forestales y comercio de madera, aún quedan por conocerse más detalles sobre algunas cuestiones importantes. La primer...

Leia mais

Caderno 6 - Terras Quentes

Caderno 6 - Terras Quentes Sendo esse o objectivo, descorou-se todo o ambiente político e social da época que, por certo, iriam fazer compreender melhor os factos relatados no referido livro. Assim, este artigo pretende não ...

Leia mais

25 out. 2008

25 out. 2008 BENOLIEL (Joshua). - ARQUIVO Gráfico da Vida Portuguesa: 1903-1918. - Lisboa: Bertrand Irmãos, s.d.. - 192 pp., 17 est.: il.; 350 mm. Encadernação em percalina bordeaux com títulos a ouro na pasta...

Leia mais

Volume I - Histórias de Torres Vedras

Volume I - Histórias de Torres Vedras Construtorres, de Torres Vedras – por permuta com Henrique dos Santos e Maria Casimira Santos – também com o objectivo de aí vir a construir um loteamento urbano. Em Maio de 1990 é publicado o edit...

Leia mais