1. - Cin

Сomentários

Transcrição

1. - Cin
•
M A N UA L D E U T I L I Z AÇ ÃO
SISTE M A C I N - k
2
• O que é CIN-K?
CIN-k
é um sistema con-
tínuo para revestimento exterior de fachadas que, combinando
a utilização de um isolamento térmico
com revestimentos de acabamento
adequados, proporciona um elevado
grau de eficácia na protecção térmica
das paredes, permitindo a redução
das pontes térmicas e os riscos de
condensações.
CIN-k é uma solução
de isolamento térmico
eficiente tanto para
construções novas
como para obras de
reabilitação.
• PORQUÊ
UTILIZAR CIN-k?
25%
O isolamento térmico da envolvente de um edifício é uma componente muito importante no
seu desempenho energético. O sistema CIN-k
apresenta-se como uma solução muito efi-
caz para o bom desempenho térmico
dos edifícios, aumentando o nível de conforto no seu interior ao mesmo tempo que oferece soluções de revestimento esteticamente
interessantes.
30%
Num edifício, mais
de 30% das perdas
e ganhos de calor
ocorrem através
das fachadas.
35%
10%
• Onde se
utiliza CIN-k?
Os sistemas de isolamento térmico pelo
exterior são também conhecidos pela sigla ETICS (External Thermal Insulation
Composite System), podendo ser aplicados tanto em construção nova como
em obras de reabilitação.
• Vantagens
SISTE M A C I N - k
4
POUPANÇA
Economia acentuada nas
necessidades de consumo
energético para aquecimento
e arrefecimento dos espaços
habitados e, portanto, do seu
desempenho energético.
CERTIFICAÇÃO
Permite cumprir as exigências térmicas na certificação energética de edifícios
(RCCTE - D.L.80/2006).
SAÚDE
CONFORTO TÉRMICO
• Aumento da inércia térmica do
interior dos edifícios, já que a totalidade da massa da fachada se encontra disponível para acumular energia.
Mantém um ambiente interior mais
agradável, quer de Verão quer de Inverno, poupando energia.
• Redução drástica do fenómeno
das pontes térmicas, permitindo um
isolamento térmico sem interrupções
nas zonas da estrutura e limitando as
perdas de energia.
No Inverno o sistema CIN-k impede
as fugas de calor e no Verão reduz o
sobreaquecimento interior, facilitando
o equilíbrio térmico.
Diminuição do risco de condensações no interior da
parede, minimizando o aparecimento de manchas de fungos e bolores.
ESTÉTICA
Uma paleta alargada
de cores e acabamentos tornam CIN-k uma
solução esteticamente
apelativa, além de garantir uma elevada resistência e durabilidade.
CONSTRUÇÕES NOVAS
ECONÓMICO
• CIN-k permite obter paredes de menor
espessura nas construções novas, diminuindo o
peso das mesmas e consequentemente aligeirar
os elementos estruturais, diminuindo por isso o
custo das construções.
• CIN-k pode ser aplicado directamente às paredes
de tijolo, permitindo, na construção nova, prescindir
das massas de reboco, reduzindo custos.
OPTIMIZAÇÃO
DO ESPAÇO
Diminuição da
necessidade
de ocupação de
área útil no interior, já que a espessura necessária para o material
de isolamento é transportada para o exterior.
SUSTENTÁVEL
CIN-k é um sistema que
contribui para a sustentabilidade do planeta ao
reduzir os consumos de
energia para aquecimento
e arrefecimento dos edifícios, reduzindo a geração
de gases que contribuem
para o efeito de estufa.
REABILITAÇÃO
Facilidade de utilização
em reabilitação térmica
de fachadas, já que os
trabalhos são realizados
sem utilização dos espaços interiores.
SISTE M A C I N - k
6
1
2
3
4
5
6
7
Perfil de arranque
Princol Argamassa/Fibrada/100
Isolante
Pregos de fixação
Rede reforçada
Regulador de fundo
Revestimento espesso Carso/Eralit
• Constituição e
características
principais
O sistema CIN-k é constituído
pelos seguintes materiais:
• uma camada de isolante térmico fixada directamente
ao suporte por um produto de colagem - Princol Argamassa/Fibrada/100;
• o acabamento do sistema é realizado com Carso ou
Eralit, revestimentos plásticos espessos (RPE) que têm
funções de protecção e de decoração;
• este produto de colagem é também utilizado para a
execução da camada de base, que é reforçada com a incorporação de uma rede de fibra de vidro - Fast Tela para
melhoria da resistência à fissuração e reforço da resistência aos choques e, nas zonas mais expostas, ainda com
uma rede reforçada - Fast Tela;
• o sistema inclui ainda componentes auxiliares, tais
como cavilhas de fixação adicionais e perfis de arranque,
de canto, entre outros.
Isolante
EPS
Designação
Poliestireno expandido
Vantagens
Isolamento térmico
Estabilidade dimensional
Preço
XPS
Poliestireno extrudido
Isolamento térmico
Resistência mecânica
Resistência à humidade
MW
Lã de rocha
Isolamento térmico
Isolamento acústico
Resistência ao fogo
ICB
Aglomerado negro de cortiça
Isolamento térmico
Isolamento acústico
Produto natural
SISTE M A C I N - k
8
• Processo de
aplicação
1. Preparação
das superfícies
• As paredes sobre as quais vai ser aplicado o isolamento devem estar secas, firmes e sem poeiras ou
sinais de degradação. Devem apresentar uma superfície plana, isenta de irregularidades e defeitos
de planimetria superiores a 10mm quando controlados com uma régua de 2m de comprimento.
• No caso de paredes antigas será conveniente
a reparação de irregularidades, tratando eventuais
fungos ou algas, e removendo pinturas velhas não
aderentes. As fissuras devem ser reparadas sempre que apresentem abertura superior a 2mm.
Os perfis de arranque
devem ficar perfeitamente horizontais e
convenientemente
fixos ao suporte.
• De seguida, procede-se à colocação dos perfis
de arranque, que devem ficar perfeitamente horizontais e convenientemente fixos ao suporte,
15cm acima do nível da cota.
* ver pormenor construtivo 1 na página 14
2. Aplicação da cola
Após a preparação do suporte, coloca-se a Princol Argamassa/Fibrada/100
nas placas de isolante. Se a parede apresentar alguma irregularidade, a argamassa deve ser aplicada por pontos na razão de aproximadamente 3 Kg/
m². Se a parede for perfeitamente lisa, pode distribuir-se de maneira uniforme a cola na placa, com uma talocha
inox dentada, deixando uma zona de 2cm
de largura sem cola ao longo de todo o
Se a parede for
perímetro da placa.
perfeitamente lisa,
No caso de paredes com pinturas antigas
em bom estado, revestimentos cerâmicos ou pedra, deve ser utilizada Princol
Argamassa 100 para colagem das placas
de isolante.
pode distribuir-se de
maneira uniforme a
cola na placa, com uma
talocha inox dentada.
3. Colocação das
placas de ISOLANTE
• As placas devem ser aplicadas na
parede em fiadas horizontais de baixo
para cima a partir do perfil de arranque,
contrafiadas em relação à fiada anterior. Nas esquinas, os topos das fiadas
de placas deverão ser alternados para
facilitar o travamento do sistema.
• Apoiar cada fiada de placas sobre a
anterior e batê-las cuidadosamente
contra o suporte para garantir uma
boa aderência e planimetria, prestando
muita atenção ao perfeito ajustamento lateral com as placas adjacentes.
tas abertas entre placas não devem
ser preenchidas com a argamassa,
mas sim com tiras do mesmo material das placas, ou com espuma de
poliuretano, antes da aplicação da argamassa de regularização.
• A verticalidade e o ajustamento
planimétrico de cada placa em relação às adjacentes devem ser permanentemente verificados, usando régua de 2m e nível. Eventuais descontinuidades planimétricas entre placas
adjacentes devem ser eliminadas
através do desgaste abrasivo das
arestas desniveladas. Eventuais jun-
• A colocação das placas de isolante
deve ser cuidada e rigorosa, particularmente no que diz respeito à perfeição de planimetria em relação às
placas adjacentes, para evitar defeitos globais de planimetria da fachada, não aceitáveis pelo projectista ou
dono de obra.
SISTE M A C I N - k
10
4. Fixação
mecânica das
placas de
isolante
Os cantos das
paredes e contornos
dos vãos deverão
ser protegidos com
perfis de reforço de
alumínio ou PVC,
que incluem rede
de fibra com tratamento antialcalino.
• Por questões de segurança e para
a obtenção de melhores resultados, é
recomendada a utilização de fixações
mecânicas complementares.
• A fixação mecânica das placas com
pregos plásticos, à razão de 6 a 8 por
m², é realizada passadas 72 horas da
colagem. Os pregos devem ter, no mínimo, um comprimento superior em 3cm à espessura de
isolante térmico a fixar. As cabeças circulares dos pregos
devem ser pressionadas para que não fiquem salientes
do plano da placa. As pequenas cavidades resultantes
devem ser preenchidas com argamassa antes da aplicação da camada de base.
A fixação mecânica
das placas com
pregos plásticos, à
razão de 6 a 8 por
m², é realizada passadas 72 horas da
colagem.
5. Tratamento
de pontos
singulares
• Os cantos das paredes e contornos dos vãos deverão ser protegidos
com perfis de reforço de alumínio
ou PVC, que inclui rede de fibra com
tratamento antialcalino. Os cantos
da zona envolvente dos vãos devem
ser reforçados com a aplicação de ti-
ras de rede de fibra de vidro posicionadas a 45º e coladas sobre as placas
de EPS com Princol Argamassa/
Fibrada/100.
• Nas padieiras das janelas ou portas deve ser aplicado um perfil de
pingadeira com rede abraçando a
aresta do plano da fachada com o
plano interior do vão, realizando assim o reforço da aresta e evitando o
recuo da água que pinga da fachada.
* ver pormenores construtivos 12 e 13 na
página 18.
6. Regularização
• Após o tratamento dos pontos singulares,
deve ser feita a regularização da superfície utilizando Princol Argamassa/Fibrada/100 por barramento, usando talocha metálica inoxidável.
Com a primeira demão de argamassa ainda fresca
coloca-se uma rede de fibra de vidro cujas emendas deverão ser sempre sobrepostas no mínimo
de 8 a 10 cm, pressionando a rede de forma a incorporá-la na argamassa, deixando-a secar.
• Caso se pretenda uma maior protecção nas
zonas mais expostas a impactos mecânicos (até
2m do solo), deve-se repetir o processo mencionado no ponto anterior até à altura pretendida.
• Por fim, aplica-se uma demão de Princol Argamassa/Fibrada/100 para regularização, de
modo que a rede de fibra de vidro não seja perceptível ao olhar.
SISTE M A C I N - k
12
7. Acabamento
• Terminada a colocação das placas
e a regularização superficial, recomenda-se a aplicação de Polyprep 870 em cor aproximada à do
acabamento.
A aplicação do
revestimento final
com Carso ou Eralit é
feita com talocha lisa
de inox, alisando por
fim com talocha lisa
de PVC.
• Em seguida, aplica-se o revestimento final com Carso ou Eralit
com talocha lisa de inox, alisando
por fim com talocha lisa de PVC.
NOTA
Os produtos para acabamento do sistema devem ser utilizados, preferencialmente, em cores
claras. Estas cores minimizam a absorção da radiação solar pelo revestimento e, portanto,
as correspondentes variações dimensionais de origem térmica. A aplicação de acabamento
de cores escuras (com coeficiente de absorção solar superior a 0,7) é desaconselhada porque
pode originar a fissuração da argamassa que leva à infiltração de água, que, por sua vez, irá
provocar danos significativos no sistema de isolamento térmico pelo exterior.
Com a excepção da cor E218 Cinza Basalto, todas as cores do Catálogo CIN CARSO 1 e ERALIT
apresentam um coeficiente de absorção solar inferior a 0,7.
As placas de isolante devem ter a espessura recomendada para cada zona climática.
VARIANTES DE ACABAMENTOS
ESQUEMA |
ESQUEMA |
Cal
Base
ESQUEMA |
Lux
COMPOSIçÃO
COMPOSIçÃO
Polyprep 870 + Carso
Polyprep 870 + Eralit
Descrição
Descrição
Revestimento espesso de
granulometria média sobre
primário acrílico regularizador
Revestimento espesso de
granulometria fina sobre
primário acrílico regularizador
ESQUEMA |
Liso 1
ESQUEMA |
Liso 22
COMPOSIçÃO
COMPOSIçÃO
COMPOSIçÃO
Rialto Fondo di Aderenza +
Rialto Antiqua 1 + Rialto Velasil
Wallcem + Novatex
Argamassa Areada + Primário
Cinolite + Novatex
Descrição
Descrição
Descrição
Revestimento mineral à base
de cal protegido com velatura
siloxânica sobre primário de
aderência
Tinta 100% acrílica com película areada fina sobre argamassa
à base de cimento
Tinta 100% acrílica com película areada fina sobre argamassa
areada
• PORMENORES CONSTRUTIVOS
SISTE M A C I N - k
14
Limite inferior do sistema
(corte vertical)
Limite inferior do sistema
(corte vertical)
pormenor
1.A.
pormenor
1.C.
Limite inferior do sistema
(corte vertical)
Limite inferior do sistema sobre uma varanda
(corte vertical)
pormenor
1.B.
pormenor
2
Limite inferior do sistema sobre uma zona enterrada
(corte vertical)
Ligação do sistema com elementos construtivos salientes
(corte horizontal)
pormenor
3
pormenor
4.B.
Ligação do sistema com elementos construtivos salientes
(corte horizontal)
Limite lateral do sistema com perfil perfurado –
reboco armado contorna a ombreira (corte horizontal)
pormenor
4.A.
pormenor
5.A.
SISTE M A C I N - k
16
Limite lateral do sistema com perfil à vista
(corte horizontal)
Limite superior do sistema – beiral
(corte vertical)
pormenor
5.B.
pormenor
6
Limite lateral do sistema com perfil perfurado –
armadura contorna o perfil (corte horizontal)
Limite superior do sistema – peitoril
(corte vertical)
pormenor
5.C.
pormenor
7
Limite superior do sistema – peitoril / reabilitação
(corte vertical)
Limite superior do sistema – empena
(corte vertical)
pormenor
8
pormenor
10
Limite superior do sistema – platibanda
(corte vertical)
Limite superior do sistema – empena
(corte vertical)
pormenor
9
pormenor
11
SISTE M A C I N - k
18
Ligação do sistema com um vão mantendo o
peitoril original (corte vertical)
Face inferior de uma consola
(corte vertical)
pormenor
12
pormenor
14
Ligação do sistema com um vão substituindo o
peitoril original (corte vertical)
Ligação do sistema com vãos – portada exterior
(corte horizontal)
pormenor
13
pormenor
15
Ligação do sistema com outros sistemas de
revestimento (corte horizontal)
Junta de dilatação estrutural com perfil cobre-juntas
(corte horizontal)
pormenor
16
pormenor
18.A.
Grelha de ventilação
(corte vertical)
Junta de dilatação estrutural sem perfil cobre-juntas
(corte horizontal)
pormenor
17
pormenor
18.B.
LOJAS
www.cin.pt | [email protected]
E.N.1, 133 - Alagoa 3750 301 ÁGUEDA
Av. Maria e Oliveira, 3 - Apartado 502 2461 901 ALCOBAÇA
Lote 3 - Ervideiros - Cacia 3800 302 AVEIRO
Rua General Teófilo da Trindade, 192 - r/c 7800 316 BEJA
Rua de Diu, 10 4710 234 BRAGA
Lugar do Feital, Lote 52 - Frossos 4700 152 BRAGA
Avenida das Cantarias, Lote 23 Apartado 1129 5300 107 BRAGANÇA
Zona Industrial de Castelo Branco - Rua A, Lote 04 6000 459 CASTELO BRANCO
Av. Santo Amaro, Bloco 2 - Loja 3 - Quinta do Caramanchão 5400 055 CHAVES
Rua do Valouro, 1 - Armazém A, Parque Industrial de Eiras 3020 430 COIMBRA
Praça Horta da Porta 3/4 - Portas da Lagoa 7000 902 ÉVORA
Rua Cidade do Bolama, Lote G - Loja B 8000 249 FARO
Rua Rodovia de Covas 4810 424 GUIMARÃES
Parque Empresarial do Algarve, Lote 12 8400 405 LAGOA
Rua do Baluarte, Lote 31 - Sítio da Gafaria 8600 561 LAGOS
Rua do Olival - Marrazes 2415 527 LEIRIA
E.N. 125 - Km 87 - Sítio das Baceladas às 4 estradas 8125 013 QUARTEIRA
Av. das Amoreiras, Lote 1 - r/c 5370 204 MIRANDELA
Sítio dos Penedos Gordos - s/n - Apartado 355 Almagres - Penedos Gordos 7301 901 PORTALEGRE
Urbanização do Pimentão, Lote 12 8500 776 PORTIMÃO
Rua Pedro de Santarém, 40 2001 903 SANTARÉM
Zona Industrial Ligeira - Actividades Mistas, Lote 12 - Loja B 7540 107 Santiago do Cacém
Av. da Noruega, Torre Sul - Loja 101 5000 508 VILA REAL
Av. Dr. António José de Almeida, 56 3510 042 VISEU
+351 234 648 490
+351 262 598 123
+351 234 310 490
+351 284 324 716
+351 253 216 930
+351 253 624 761
+351 273 323 892
+351 272 320 110
+351 276 322 335
+351 239 492 761
+351 266 747 099
+351 289 805 871
+351 253 522 727
+351 282 342 795
+351 282 769 892
+351 244 825 481
+351 289 389 533
+351 278 263 729
+351 245 309 131
+351 282 424 091
+351 243 332 675
+351 269 826 142
+351 259 323 414
+351 232 425 022
Rua Pacheco Nobre, 24 A - Alto Seixalinho 2830 080 BARREIRO
Av. Eng. Adelino Amaral da Costa, 804 - Loja B - Pampilheira 2750 277 CASCAIS
Av. Infante D.Henrique, 306 Lote 3 1950 421 LISBOA
Av. Brasil, 15 1749 022 LISBOA
Av. Colégio Militar, 9-B 1500 179 LISBOA
Rua Padre Américo, 31 C/D - Carnide 1600 548 LISBOA
Rua Professor Egas Moniz, 10 C 2640 477 Mafra
Praceta Quinta do Semião, 3 r/c - Paivas 2845 586 AMORA
EN 379 - S. Julião - Volta da Pedra 2950 439 PALMELA
Rua Barros Queirós, 10-B 2775 163 PAREDE
Av. D. João II, 36 A/B 2910 548 SETÚBAL
Parque Empresarial Primóvel - Est. Terras da Lagoa, Edif. A3 r/c Loja B - Albarraque 2635 595 RIO DE MOURO
Av.General Humberto Delgado - Xamar, lt 3 - 10 B 2560 272 Torres Vedras
+351 212 045 767
+351 214 833 178
+351 218 363 660
+351 217 937 032
+351 217 156 105
+351 217 167 184
+351 261 819 393
+351 212 250 108
+351 212 334 555
+351 214 581 677
+351 265 526 591
+351 219 251 080
+351 261 324 503
Av. Xanana Gusmão, 333 4460 840 CUSTÓIAS (MATOSINHOS)
Rua Padre Avis de Brito, 28, lojas 1,2,3 e 4 4760 234 Vila Nova de Famalicão
Rua Veloso Salgado, 971 C 4450 801 LEÇA DA PALMEIRA
Zona Industrial - Sector X, 381 - Barca 4475 253 MAIA
Rua Sousa Aroso, 217 4450 289 MATOSINHOS
Pr. Teixeira de Pascoais, 11/31 4000 532 PORTO
Rua do Campo Alegre, 1192 4150 173 PORTO
Av. Vasco da Gama, 207 4490 410 PÓVOA DE VARZIM
Av. Eng. Arantes e Oliveira, 841 3700 315 SÃO JOÃO DA MADEIRA
Rua Fonseca Dias, 463 4440 652 VALONGO
Rua José Gomes Soares, 75/83 - Vilar do Paraíso 4405 905 VILA NOVA DE GAIA
+351 229 546 516
+351 252 312 165
+351 229 942 590
+351 229 405 000
+351 229 350 785
+351 225 020 069
+351 226 093 723
+351 252 681 080
+351 256 829 858
+351 224 222 796
+351 227 162 153
Rua Dr. Alfredo da Silva Sampaio, 22/24 9700 125 ANGRA DO HeroÍsmo (Terceira)
Zona Industrial de Santa Bárbara – Angústias 9900 031 Horta (Faial)
Beco da Pedreira – Rosário 9560 053 Lagoa (S.Miguel)
Rua Carlos Dabny, 4 9950 Madalena (Pico)
Rua Dr. Hugo Moreira, 40 r/c 9500 792 Ponta Delgada (S.Miguel)
Rua Padre Ernesto Jacinto Raposo, 50 9650 428 Povoação (S.Miguel)
Rua Dr. Manuel Barbosa, 7 - Conceição 9600 500 Ribeira Grande (S.Miguel)
Rua Domingos Dias Machado, 14, Relva 9500 652 Ponta Delgada (S.Miguel)
Rua Teófilo Braga, 105 9680 181 Vila Franca do Campo (S.Miguel)
Rua S. José, 30 9800 540 Velas (S.Jorge)
+351 295 213 413
+351 292 392 840
+351 296 960 363
+351 292 622 029
+351 296 653 609
+351 296 486 366
+351 296 477 808
+351 296 682 610
+351 296 582 540
+351 295 432 482
Edifício Monte da Azenha II, Fracção E 9125 CANIÇO
Rua 31 de Janeiro, 7 r/c 9050 390 FUNCHAL
Rua Manuel Passos, Edf. Flor do Campo, Bloco B, Fracção Ba e Bb. 9200 121 MACHICO
Caminho da Penteada, 31 Cave 9050 390 FUNCHAL
Est. Padre Silvano Ernesto Jardim, Lote 5, r/c 9400 010 PORTO SANTO
+351 291 936 608
+351 291 223 340
+351 291 967 960
+351 291 720 080
+351 291 984 334
Rua Machado dos Santos, 3 A /B /C
Estrada Nacional 114, 228
Rua 25 de Abril, Zona Comercial, 99 r/c
Rua Cónego Manuel das Neves, 170 C
Avenida Deolinda Rodrigues, 3 /B
Rua 21 de Janeiro, 114
Rua da Samba, 42 /44 – Bairro Azul
Estrada Lar do Patriota, s/n Bairro Quifica II - Benfica
Estrada Nacional 16 /20 r/c
+244 272 232 741
+244 241 223 274
+244 272 225 398
+244 222 011 499
+244 222 263 261
+244 222 011 497
+244 222 355 827
+244 222 016 481
+244 222 011 498
Av. 24 de Julho, 3736, r/c
Av. das Indústrias, 2507
Av. Zedequias Manganhela, 282 A
Av. do Trabalho, 19
+258 21 409 166/7
+258 21 748 012
+258 21 724 820
+258 26 212 340
GRANDE LISBOA
BARREIRO
CASCAIS
Lisboa/Av. Infante D. Henrique
LISBOA/AV. BRASIL
LISBOA/BENFICA
LISBOA/CARNIDE
MAFRA
PAIVAS
PALMELA
PAREDE
SETÚBAL
SINTRA
TORRES VEDRAS
GRANDE PORTO
CUSTÓIAS
FAMALICÃO
LEÇA DA PALMEIRA
MAIA
MATOSINHOS
PORTO/ANTAS
PORTO/CAMPO ALEGRE
PÓVOA DE VARZIM
S. JOÃO DA MADEIRA
VALONGO
VILA NOVA DE GAIA
AÇORES
Angra do Heroísmo
Horta/Faial
Lagoa
Pico
Ponta Delgada
Povoação
Ribeira Grande
Valados
Vila Franca do Campo
Velas - S. Jorge
MADEIRA
Caniço
Funchal
Machico
Penteada
Porto Santo
ANGOLA
Benguela
Huambo
Lobito
Luanda / Cónego
Luanda / Deolinda Rodrigues
Luanda / Morro Bento
Luanda / Samba
Luanda / Quifica
Viana
MOÇAMBIQUE
Maputo
Machava
Matola
Nampula
01/2012
CIN - CORPORAÇÃO INDUSTRIAL DO NORTE, S.A.
Avenida Dom Mendo nº 831 (antes E. N.13)
Apartado 1008 | 4471-909 Maia, Portugal
Tel.:+351 229 405 000 Fax: +351 229 485 661
ÁGUEDA
ALCOBAÇA
AVEIRO
BEJA
BRAGA 1
BRAGA 2
BRAGANÇA
CASTELO BRANCO
CHAVES
COIMBRA
ÉVORA
FARO
GUIMARÃES
LAGOA
LAGOS
LEIRIA
LOULÉ
MIRANDELA
PORTALEGRE
PORTIMÃO
SANTARÉM
SANTIAGO DO CACÉM
VILA REAL
VISEU

Documentos relacionados

ISOLAMENTO TÉRMICO DE EDIFÍCIOS CORRENTES COM

ISOLAMENTO TÉRMICO DE EDIFÍCIOS CORRENTES COM 3. Aplicação do isolamento térmico XPS sobre a estrutura da cobertura, por fixação mecânica com buchas de plástico. A espessura do isolamento deve respeitar o estabelecido no Regulamento das Carac...

Leia mais