Neuralgia trigeminal - Disciplina de Anestesiologia FMUSP

Сomentários

Transcrição

Neuralgia trigeminal - Disciplina de Anestesiologia FMUSP
e Estereotaxia
Programa de Educação Continuada em
Fisiopatologia e Terapêutica da Dor
2016
Equipe de Controle de Dor da Divisão de Anestesia ICHCFMUSP
Neuralgia de Trigêmeo
José Oswaldo de Oliveira Jr.
Caso clínico:
MJO, 62 anos, branca, do lar.
Choques intensos em hemiface esquerda
Sempre na região maxilar esquerda
Estímulos táteis suaves em uma área no sulco nasogeniano
deflagrava os choques. O mesmo ocorria quando mastigava
ou engolia alimentos.
Foi ao dentista, identificou um dente da arcada superior
esquerda cuja percussão reproduzia o choque.
Foi submetida a um “tratamento de canal” e as dores
cessaram.
Neuralgia trigeminal
Caso clínico:
Duas semanas depois as dores retornaram.
O dentista desbastou a face superior do dente e o retirou
da oclusão.
Não houve melhora.
A doente solicitou a extração dentária.
Melhorou. Ficou sem dor.
Neuralgia trigeminal
Caso clínico:
Dez dias depois as dores retornaram.
Iguais.
Em choques, sempre a esquerda, na região maxilar.
Foi encaminhada a um neurologista.
Realizou uma Ressonância Magnética de crânio que foi
considerada normal.
Foi medicada com Carbamazepina 200mg por via oral
3x/dia.
Ficou sem dor.
Neuralgia trigeminal
Caso clínico:
Seis anos depois continua sem dor.
Reduziu a dosagem para 100mg 2x/dia.
Tentou reduzir para apenas 100mg 1x/dia mas os choques
retornaram.
Voltou a tomar 2x/dia.
Hemograma completo é feito a cada 6 meses e continua
compatível com a normalidade
Neuralgia trigeminal
Caso clínico:
Diagnóstico ?
Neuralgia trigeminal
Aspectos históricos
Primeiras descrições: escritos de Galeno, Aretaeus da
Capadócia e no séc XI por Avicena
1671 Johannes Laurentius Bausch, descreve a dor que
sofria como um relâmpago na face direita, tornando-se
incapaz de falar ou comer, levando-o a morte
1677 John Locke, médico e filósofo, descreve o quadro
doloroso de sua paciente, a condessa de Northumberland,
esposa do embaixador francês
1773 John Fothergill: primeira descrição completa e
precisa
1756 Nicolas André inventou o termo tic doloreux
Neuralgia trigeminal
Introdução:
EUA (2013):
 incidência anual 5/100.000
 total de 45.000 portadores de NT
No mundo: 4 milhões de pessoas com NT
Prevalência: Fem/masc 1,74 : 1
 início é geralmente após os 40 anos
 pico entre as idades de 50 e 80 anos
 ocorrências em pacientes menores de 40 anos de
idade deve levantar a suspeita de causas
secundárias, como tumor ou esclerose múltipla
 TN raramente ocorre em crianças
Neuralgia trigeminal
Fisiopatologia
(idiopática = criptogenética = primária
Teorias sugerem que doença ou lesão no nervo trigêmeo
aumenta a sensibilização aferente.
Limiares mais baixos para condução do estímulo doloroso
Jannetta:
revisão de 4400 procedimentos cirúrgicos
1969-1999
 Causa mais comum de compressão: artéria cerebelar
superior
 Compressão pela cerebelar postero-inferior,
vertebral, petrosa inferior são mais raras
Neuralgia trigeminal
Quadro clínico
 Crises paroxísticas de dor com duração de uma
fração de segundo a dois minutos, afetando
uma ou mais divisões do nervo trigêmeo
 Intervalo entre as crises sem dor
 Choque, pontada
 Unilateral (normalmente)
 Moderada/forte intensidade
 Presença de áreas de gatilho ou por fatores
desencadeantes
V1
 Crises estereotipadas
V2
 Não há déficit neurológico clinicamente
V3
evidente
V2+V3
 Não atribuída a outro transtorno
V1+V2
V1+V2+V3
Neuralgia trigeminal
Quadro clínico:
áreas de gatilho
rara
ocasional
mais
frequente
Exame fisico: é NORMAL
(caracteriza a NT idiopática)
exame físico alterado:
CAUSAS SECUNDÁRIAS
Neuralgia trigeminal
Diagnóstico
Clínico
RNM de Crânio
Vasos sanguíneos comprimindo o nervo
(AICA, Artéria Cerebelar superior, Veia Petrosa
Superior)
1/3 das RNM de pacientes assintomáticos apresentam
compressão vascular
Descartar
 processos expansivos
 esclerose múltipla
Neuralgia trigeminal
Diagnóstico diferencial
Cefaléia em Salvas
Dor de origem dentária
Arterite de células gigantes
Neuralgia do Glossofaríngeo
Enxaqueca/migrânea
Distúrbios da articulação
temporomandibular
 Cefaléia tipo SUNCT






Neuralgia trigeminal
Tratamento medicamentoso
 CARBAMAZEPINA: primeira escolha:
controle acima de 70% dos pacientes
 Oxcarbamazepina menos efeitos adversos
 Primeiro anticonvulsivante: fenitoína (1942)
 Outras drogas usadas: lamotrigina e
Baclofeno (análogo do GABA)
Neuralgia trigeminal
Tratamento medicamentoso
Neuralgia trigeminal
Bloqueios anestésicos
 Injeção de anestésico local tem sido usado para fins de
diagnóstico e para alívio transitório em pacientes com dor
insuportável refratária ao tratamento clínico e / ou
aguardando MDV.
 Não há estudos controlados de bloqueio do nervo para alívio
da NT e são necessários mais estudos para validar esta
abordagem.
 Emplastros de lidocaina 5% são usados no alívio da alodínia
desde 2009, associados ou não a medicamentos sistêmicos.
Neuralgia trigeminal
Bloqueios
anestésicos
Pequena série de casos incluem
a redução significativa da dor
e gatilhos por 2 meses em 5
pacientes idosos submetido a
bloqueio do nervo infraorbital
em pacientes com NT de
segunda divisão usando uma
combinação de 4% tetracaína
em 0,5% de bupivacaína.
Neuralgia trigeminal
Bloqueios
anestésicos
Outro estudo com bloqueio
do nervo infraorbital relata
alívio da dor por 3 meses
com 4% tetracaína e
bupivacaína a 0,5% (em
comparação com 3 dias ou
menos com somente 0,5% de
bupivacaína ou mepivacaína a
1%) .
Neuralgia trigeminal
JOOJ
JOOJ
JOOJ
JOOJ
JOOJ
JOOJ
JOOJ
JOOJ
JOOJ
JOOJ
Referências:
1.Adams CBT. Trigeminal neuralgia: pathogenesis and treatment. Br J Neurosurg 1997; 11: 493–5
2.Ameli NO. Avicenna and trigeminal neuralgia. J Neurol Sci 1965; 2: 105–7
3.Amir R, Devor M. Functional cross‐excitation between afferent A‐ and C‐neurons in dorsal root ganglia. Neuroscience 2000; 95: 189–95
4.Amir R, Michaelis M, Devor M. Membrane potential oscillations in dorsal root ganglion neurons: role in normal electrogenesis and neuropathic pain. J
Neurosci 1999; 19: 8589–96
5.Arias MJ. Percutaneous retrogasserian glycerol rhizotomy for trigeminal neuralgia. A prospective study of 100 cases. J Neurosurg 1986; 65: 32–6
6.Baldwin NG, Sahni KS, Jensen ME, Pieper DR, Anderson RL, Young HF. Association of vascular compression in trigeminal neuralgia versus other ‘facial pain
syndromes’ by magnetic resonance imaging. Surg Neurol 1991; 36: 447–
7.Barba D, Alksne JF. Success of microvascular decompression with and without prior surgical therapy for trigeminal neuralgia. J Neurosurg 1984; 60: 104–7
8. Beaver DL. Electron microscopy of the Gasserian ganglion in trigeminal neuralgia. J Neurosurg 1967; 26: 138–50
9.Bergouignan M. Cures heureuses de névralgies faciales essentielles par le diphennyl‐hydantoinate de soude. Rev Laryngol Otol Rhinol (Bord) 1942; 63: 34–
41
10.Boecher‐Schwarz HG, Bruehl K, Kessel, Guenthner M, Pernetczky A, Stoeter P. Sensitivity and specificity of MRA in the diagnosis of neurovascular
compression in patients with trigeminal neuralgia. A correlation of MRA and surgical findings. Neuroradiology 1998; 40: 88–95
11.Braham J, Saia A. Phenytoin in the treatment of trigeminal and other neuralgias. Lancet 1960; ii: 892–3
12.Brisman R. Trigeminal neuralgia and multiple sclerosis. Arch Neurol 1987; 44: 379–81
13. Campbell FG, Graham JG, Zilkha KJ. Clinical trial of carbamazepine (Tegretol) in trigeminal neuralgia. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1966; 29: 265–7
14.Canavero S, Bonicalzi V, Pagni CA. The riddle of trigeminal neuralgia. Letter. Pain 1995; 60: 229–
15.Cruccu G, Leandri M, Feliciani M, Manfredi M. Idiopathic and symptomatic trigeminal pain. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1990; 53: 1034–42
16.Dandy WE. Section of sensory root of the trigeminal nerve at the pons. Bull Johns Hopkins Hosp 1925; 36
17.Eide PK, Rabben T. Trigeminal neuropathic pain: pathophysiological mechanisms examined by quantitative assessment of abnormal pain and sensory
perception. Neurosurgery 1998; 43: 1103–10
18.Eide PK, Rabben T, Skjelbred P, Stubhaug A. The effect of peripheral glycerol on trigeminal neuropathic pain examined by quantitative assessment of
abnormal pain and sensory perception. Acta Neurochir 1998; 140: 1271–7
19.Eide PK, Stubhaug A. Sensory perception in patients with trigeminal neuralgia: effects of percutaneous retrogasserian glycerol rhizotomy. Stereotact Funct
Neurosurg 1997; 68: 207–
20.Fardy MJ, Patton DW. Complications associated with peripheral alcohol injections in the management of trigeminal neuralgia. Br J Oral Maxillofac Surg
1994; 32: 387–
21. Fields HL. Treatment of trigeminal neuralgia. N Engl J Med 1996; 334: 1125–6
22. Oliveira jr JO Rizotomia Percutânea Trigeminal por Radiofrequência. In Gusmão S, Castro AB: Neuralgia do Trigêmeo. Dilivros Rio de Janeiro. 2010;6:47-70
Neuralgia trigeminal
JOOJ
JOOJ
JOOJ
JOOJ
JOOJ

Documentos relacionados

neuralgia trigeminal

neuralgia trigeminal A dor da neuralgia típica do trigêmio é em forma de choque ou queimação, de curtíssima duração, e normalmente provocada por toque não nociceptivo (receptores nervosos da dor) em uma “zona de gatilh...

Leia mais

Full text

Full text duração de segundos, isoladas ou agrupadas em pequenas salvas. Ao exame, dor à pressão do ponto de emergência do nervo occipital esquerdo. Rx de crânio mostrou espessamento do osso occipital com im...

Leia mais