Mme de Souza (1761-1836) - Antologia de Escritoras Francesas do

Сomentários

Transcrição

Mme de Souza (1761-1836) - Antologia de Escritoras Francesas do
Antologia de Escritoras Francesas do Século XVIII. Biografias. Mme de Souza. Patrícia Rodrigues Costa.
Rodrigo D’Avila Braga Silva. Marie-Hélène C. Torres. ISBN: 978-85-61482-68-8
Mme de Souza (1761-1836)
Mme de Flahaut et son fils Charles, par Mme Labille-Guiard. (B.N. - Plon). Disponível em:
http://www.charles-de-flahaut.fr/Souza.htm
Adélaïde-Marie-Emilie Filleul nasceu em 14 de maio de 1761, filha de Marie Irène
Catherine du Buisson e do burguês Charles-François Filleul, que mais tarde tornou-se
secretário de Louis XV. A senhora Filleul teria tido diversos amantes, entre eles Louis XV,
em Parc-aux-Cerfs, de cuja relação teria nascido Marie-Françoise-Julie Filleul (1751) e
Adelaïde. Contudo, alguns pesquisadores creditam ao banqueiro parisiense Étienne-Michel
Bouret a paternidade de Adélaïde (CARPENTER, 2007, p. 40; GORDON, 2003, p. 622).
Em 1767, orfã aos seis anos, Adeläide foi internada em um convento, e posteriormente
levada à corte de Louis XV. Aos 18 anos, casa-se com Alexandre de Sébastien de Flahaut
de Billarderie, conde de Flahaut de Billarderie em 30 de janeiro de 1779, tornando-se
Antologia de Escritoras Francesas do Século XVIII. ISBN: 978-85-61482-68-8
Antologia de Escritoras Francesas do Século XVIII. Biografias. Mme de Souza. Patrícia Rodrigues Costa.
Rodrigo D’Avila Braga Silva. Marie-Hélène C. Torres. ISBN: 978-85-61482-68-8
Condessa de Flahaut de Billarderie e mais conhecida por Condessa de Flahaut
(CARPENTER, 2007, p. 10). Após o casamento passou a viver no Louvre, onde escreveu
acerca das pessoas conhecidas por ela e sobre a vida no século XVIII. Em 1785, nasce
Charles Joseph.
Anos mais tarde, em 1792, Adélaïde foge de Paris devido à Revolução Francesa com o
filho e emigra para a Inglaterra onde ingressa na Société des Émigrés em Surrey. Por dois
anos, a Condessa de Flahaut, que falava inglês fluentemente, e seu filho permaneceram na
Inglaterra. Ao se tornar emigrante, Madame de Souza passa a depender das vendas de seus
romances após seu marido ser guilhotinado em 1794, ano em que publicou seu romance
mais conhecido e parcialmente autobiográfico, Adèle de Senange ou Lettres de Lord
Sydenham. Após deixar o Reino Unido, muda-se para Suíça e, em 1798, retorna à Paris.
Casa-se em 1802 com o diplomata português Dom José Maria de Souza Botelho Mourão e
Vasconcelos e a partir de então passa a assinar por Madame de Souza (CARPENTER,
2007, p. 11).
Segundo Kirsty Carpenter (2007), os romances de Madame de Souza seriam o produto de
uma mente literária refinada e fértil e de duas forças motivacionais: a raiva pela falta de
controle que as mulheres tinham sobre as decisões que regiam suas vidas e um grande
estímulo financeiro para ter êxito com o fim de educar seu filho e para o seu conforto. Seus
escritos ainda como Condessa de Flahaut versavam sobre a sociedade e suas experiências,
motivo pelo qual por vezes é considerada a versão francesa da escritora inglesa Jane Austen
(CARPENTER, 2007). A necessidade de escrever para garantir sua sobrevivência, segundo
Carpenter (2007), a distingue das demais escritoras da sua época que tinham uma boa
situação financeira, a exemplo Germaine de Staël e Isabelle de Charrière.
Ainda como Condessa de Flahaut publicou três obras: Adèle de Sénange (1794), Emilie et
Alphonse (1799) e Charles et Marie (1802). Após o casamento, Madame de Souza passa a
escrever por prazer e para expressar as injustiças sociais, publicando quatro obras entre
1802 e 1822. Madame de Souza falece em 19 de abril de 1836 e deixa duas obras
inacabadas que foram publicadas postumamente.
Sua obra teve por temas o exílio, a experiência humana acerca do isolamento, a experiência
da guerra para as mulheres, a angústia da maternidade, a infância, o amor, os rituais sociais,
os sentimentos individuais e quase metade tinha características epistolares. Segundo
Carpenter (2007, p. 14), a obra de Madame de Souza tinha uma subjetividade característica
de toda literatura emigrante: ela sabia da importância de se manter positiva e ocupada.
Madame de Souza usou da escrita para se proteger das dores ocasionadas pelas doenças,
por sua separação imposta pela emigração e pela guerra e por sua separação de seu filho e
dos amigos próximos.
Antologia de Escritoras Francesas do Século XVIII. ISBN: 978-85-61482-68-8
Antologia de Escritoras Francesas do Século XVIII. Biografias. Mme de Souza. Patrícia Rodrigues Costa.
Rodrigo D’Avila Braga Silva. Marie-Hélène C. Torres. ISBN: 978-85-61482-68-8
Em sua obra, Madame de Souza iniciou um debate sobre o papel da mulher na sociedade.
Questionava os motivos das mulheres serem legal e socialmente excluídas do poder e serem
impossibilitadas de se proteger dos abusos causados dos excessos de poder (CARPENTER,
2007), o que a aproxima da escritora George Sand (1804-1876).
Os romances de Madame de Souza foram publicados durante o Período Napoleônico e a
Restauração Francesa e passaram por leis de censura que não aceitavam críticas ou
comentários políticos diretos. Todavia, Napoleão tinha senso de humor com relação à sua
escrita, o que foi surpreendente e importante para a escritora (CARPENTER, 2007, p. 19).
Dentre os admiradores de Madame de Souza, pode-se citar Tolstoy, o qual a mencionou em
Guerra e Paz (1868-1869) no livro 5, capítulo 1 e no livro 10, capítulo 17.
OBRAS
1794 – Adèle de Senange, ou Lettres de Lord Sydenham
1799 – Émilie et Alphonse ou le Danger de se livrer à ses premières
impressions
1802 – Charles et Marie
1808 – Eugène de Rothelin
1811 – Eugénie et Mathilde, ou, Mémoires de la famille du comte de Rével
1820 – Mademoiselle de Tournon
1823 – La Comtesse de Fargy
1832 – La Duchesse de Guise, ou intérieur d’une famille illustre dans le
temps de la Ligue (drame en trois actes)
1835 – La Pensionnaire mariée, comédie-vaudeville en un acte
1853 – Eugénie de Revel : souvenirs des dernières années du dix-huitième
siècle
1865 – Œuvres complètes de Madame de Souza
Antologia de Escritoras Francesas do Século XVIII. ISBN: 978-85-61482-68-8
Antologia de Escritoras Francesas do Século XVIII. Biografias. Mme de Souza. Patrícia Rodrigues Costa.
Rodrigo D’Avila Braga Silva. Marie-Hélène C. Torres. ISBN: 978-85-61482-68-8
REFERÊNCIAS
CARPENTER, Kirsty. The Novel of Madame de Souza in Social and Political
Perspective. Bern, Alemanha: Peter Lang AG, European Academic Publishers, 2007, 280p.
Disponível
em:
https://books.google.com.br/books?id=sVGxF2MwM5UC&lpg=PA286&ots=7ZJ5nBbM0&dq=The%20Novels%20of%20Madame%20de%20Souza%20in%20Social%20and%2
0Political%20Perspective%20Por%20Kirsty%20Carpenter&hl=ptBR&pg=PP1#v=onepage&q&f=false. Acesso: fevereiro 2016.
GORDON, Alden R. French Inventories I: The Houses and Collections of the Marquis
de Marigny. Documents for the History of Collecting. Malibu, Provenance: Index of the
Getty
Research
Institute,
2003,
701p.
Disponível
em:
https://books.google.com.br/books?id=hVlBqHgVuI8C&lpg=PA622&ots=GPmPL_nbL&dq=Michel%20Bouret%20madame%20de%20souza&hl=ptBR&pg=PA622#v=onepage&q=%C3%A9tienne&f=false. Acesso: fevereiro 2016.
SAINTE-BEUVE- Charles Augustin. Portraits de femmes (Nouvelle édition, revue et
corrigée).
Paris :
Garnier
frères,
1886,
542p.
Disponível
em :
http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k201416h/f47.item.r=de%20souza Acesso: fevereiro
2016.
SIEFAR – Société Internacionale pour l’Etudo des Femmes de l’Ancien Régime. Adélaïde
Filleul. Disponível em: http://siefar.org/dictionnaire/fr/Ad%C3%A9la%C3%AFde_Filleul/
Acesso: fevereiro 2016.
Talleyrand et Madame de Flahaut (Souza). Disponível em: http://www.charles-deflahaut.fr/Talleyrand_Souza.htm. Acesso: fevereiro 2016.
Antologia de Escritoras Francesas do Século XVIII. ISBN: 978-85-61482-68-8

Documentos relacionados

Biografia de Madame de Charrière

Biografia de Madame de Charrière que sempre marcará sua obra : os preconceitos de classe. No entanto, de acordo com Yvette Ewnt Daoust (2000, p.66) – seu espírito indepemdente e livre de preconceitos coloca-a ao abrigo de todo pos...

Leia mais

Madame d`épinay - Antologia de Escritoras Francesas do Século XVIII

Madame d`épinay - Antologia de Escritoras Francesas do Século XVIII - 1771 : «Dialogue copié d’après nature ou de l’amitié de deux jolies femmes» (diffusé en trois temps dans les ordinaires des 1er septembre, 1er octobre et 15 octobre 1771 de la «Correspondance lit...

Leia mais

Biografia de Mme de Graffigny - Antologia de Escritoras Francesas

Biografia de Mme de Graffigny - Antologia de Escritoras Francesas Trecho original: “it was performed more times than any other play by a female author prior to the

Leia mais

Claire de Duras (1777

Claire de Duras (1777 legalmente, em um época na qual o divórcio era ilegal. No ano seguinte, em dezembro, seu pai, que se recusara a votar a favor da decapitação do rei, Luís XVI, foi guilhotinado. Claire e sua mãe rec...

Leia mais

Biografia de Sophie Gay - Antologia de Escritoras Francesas do

Biografia de Sophie Gay - Antologia de Escritoras Francesas do Museu do Louvre, Paris. Département des Arts graphiques. Cabinet des dessins. RF 3824, Recto. Disponível em: http://arts-graphiques.louvre.fr/detail/oeuvres/0/16122Sophie-Gay-mere-de-Delphine-de-Gi...

Leia mais

Biografia de Mme Campan - Antologia de Escritoras Francesas do

Biografia de Mme Campan - Antologia de Escritoras Francesas do de morale, et d'un Théâtre pour les jeunes personnes. Paris: Imprimerie de Rignoux, 1832. 3v CAMPAN, Madame. Correspondance inédite de Mme Campan avec la Reine Hortense.Paris: A. Levavasseur, 1835....

Leia mais

Gabrielle Emilie le Tonnelier de Breteuil du Chatelet (1706

Gabrielle Emilie le Tonnelier de Breteuil du Chatelet (1706 Cartas Inéditas ao Marechal de Richelieu e para Saint-Lambert

Leia mais