Follow My Team - Associação Portuguesa de Corridas de Aventura

Сomentários

Transcrição

Follow My Team - Associação Portuguesa de Corridas de Aventura
IMPACTO DA INTERVENÇÃO MEDIÁTICA ON-LINE NA SUSTENTABILIDADE DOS EVENTOS
O CONCEITO “FOLLOW MY TEAM”
Alexandre Guedes da Silva1, Nuno Filipe Pestana2
1Mestre
Eng. Naval e Oceanica, Estudante de Doutoramento, Universidade Lusíada de Lisboa, 2Eng. Electrótecnico e de Computadores, Consultor Internacional
“....a utilização de
metodologias
inovadoras na
intervenção mediática
dos eventos turísticos
contribui decisivamente
para a sua
sustentabilidade....”
Introdução
O sector de Turismo é reconhecido como um dos sectores económicos mais
bem sucedidos on-line e os eventos desportivos têm-se tornado nas principais
ferramentas para a promoção dos destinos e produtos turísticos,
essencialmente através dos mass media convencionais. No entanto, algumas têm
sido as iniciativas de mediatizar os eventos desportivos através da sua
cobertura on-line, sobretudo utilizando o streaming de video
em directo no caso específico do Surf, fidelizando desta
forma audiências globais. Nesta investigação foi
analisado o trabalho pioneiro realizado durante o 7º
Campeonato do Mundo de Corridas de Aventura ARWC Estoril Portugal XPD Race 2009, na
agregação de múltiplos conteúdos num visualizador online denominado “Follow my Team”.
fluxo que foi gerado pelas várias fontes: sistemas de rastreio, mensagens,
noticias, fotografias, vídeos, classificações, etc.
Ao seleccionar-se esta página era possível visualizar-se:
● a última posição conhecida da equipa,
● o track completo desde a partida comparado com o das outras equipas
(apenas na ultima hora de prova),
● toda a sequência de postos de controlo (PC's)
realizados,
● a classificação,
● as fotos e vídeos associados à equipa,
no qual o site oficial tinha a forte concorrência durante a prova do site inglês
especializado em Corridas de Aventura, SleepMonsters.com).
Resultados
Os resultados obtidos demonstram o impacto positivo desta forma menos
intrusiva de cobertura mediática, assente em sistemas de comunicação e geolocalização portáteis e sistemas de troca de mensagens/fotografia/video
assentes no Facebook e Twitter. Desta forma, reduziu-se significativamente a
pegada ecológica da intervenção mediática no evento, ao mesmo tempo que
permitiu ao publico assistir remotamente, sem produzir impactos indesejáveis
nos locais mais sensíveis do percurso. Foi também possível aos organizadores,
● as noticias e mensagens relativas à
equipa.
Os percursos para cada equipa foram
Objectivo e metodologia
obtidos através da recolha de dados em
O objectivo do presente estudo é a descrição dos vários
tempo real através de três tipos diferentes
passos do desenvolvimento desta ferramenta de
de dispositivos GPS(figura 3): SPOT(com
visualização, principalmente os aspectos inovadores da
transmissão de dados via satélite), TrakPod
agregação de
(com transmissão de dados via GPRS/
Figura 4 - Imagem retirada do Visualizador publicada por
conteúdos. São espectadores em Blog de uma equipa Brasileira de Corridas GSM) e Trackstick (com armazenamento
também revistos
de Aventura - Equipa Raposa
local e descarga via porta USB). Para cada
os resultados
equipa foram utilizados dois sistemas
obtidos com os diferentes sistemas de
diferentes por questões de segurança e fiabilidade dos dados
rastreio de posição utilizados para a
recolhidos. Esta metodologia, bem intencionada, levou no
geo-localização GPS das equipas
entanto a que tivesse de haver um esforço suplementar muito
(GPRS/GSM, Satélite) e analisadas as
apreciável na integração dos dados e para que a informação
medições de audiência realizadas
cumprisse o seu objectivo.
Figura 2 - Exemplo d
durante a cobertura on-line do evento. A
o visualizador Follow
Todos os aparelhos tinham vantagens e inconvenientes, no
my Team utilizado n
o ARWC Estoril Portu
metodologia utilizada para a análise
gal XPD em
2009
entanto aquele que provou maior fiabilidade foi o SPOT que
crítica dos sistemas de rastreio utiliza o
produzindo uma localização a cada dez minutos foi o que
Figura 1 - Testes de visualização ARWS Estoril
método comparativo e a medição de
melhor se comportou a nível da autonomia das baterias (o ponto
Portugal XPD 2008
audiências foi realizada com base em
mais fraco dos outros dispositivos).
via web-analytics, acompanhar o comportamento e interesse de um público
técnicas de e-metrics (web-analytics).
altamente segmentado e global.
O principal motivo de interesse para o espectador no agregador de
Desenvolvimento e Implementação
conteúdos Follow my Team foi sem duvida o Live Tracker, sobretudo porque
Conclusão
permitia o acompanhamento em directo da disputa dos vários adversários
O desenvolvimento do conceito Follow My Team teve como base os trabalhos
A utilização deste tipo de metodologias inovadoras na intervenção
preliminares realizados nas edições anteriores do evento, sobretudo as
mediática dos eventos turísticos na Natureza contribui decisivamente para
experiências de rastreio em directo da posição das
melhorar a sua sustentabilidade.
equipas e a sua apresentação no Google Earth.
Destas primeiras experiências
Referencias
resultou a perce pção do
ADLWARTH, W. (2010). Customer Expectations and Behaviour in the
potencial interesse mediático
Tourism Sector. In R. Conrady & M. Buck (Eds.), Trends and issues in
Global Tourism 2010 (pp. 101-109). Heidelburg ; London: Springer.
HALLMANN, K., & BREUER, C. (2010). Image Fit between Sport Events
and their Hosting Destinations from an Active Sport Tourist Perspective
destas ferramentas de
and its Impact on Future Behavior. Journal of Sport & Tourism, 15(3),
visualização, sobretudo
215 - 237.
quando associadas à
GUEDES DA SILVA, A., SARMENTO, M. (2011). The Use of E-metrics to
evaluate the Impact of ARWC Estoril Portugal XPD Race On-live
modelação 3D do terreno e à
media Coverage. Paper presented at the XVIth International Congress
Figura 3 - Dispositivos utilizados para geocapacidade de cobrir o mesmo
of CESH: Sport and tourism, 12-16 October 2011, Estoril, Portugal.
localização (TrackPod, SPOT e Trackstick).
com o recurso aos mapas
LAW, R., LEUNG, R., & BUHALIS, D. (2009). Information Technology
Figura
5
Das
audiências
globais
da
cobertura
em
directo
do
ARWC
2009
para
os
utilizados na competição. Desta forma é possível transmitir-se ao espectador,
Applications in Hospitality and Tourism: A Review of Publications from
resultados detalhados do Reino Unido e de Londres via Google Analytics.
com grande realismo, as opções das equipas no terreno e a sua consequência
2005 to 2007. Journal of Travel & Tourism Marketing, 26(5), 599-623.
(figura 4.), bem como a análise das suas opções durante a prova.
em termos de classificação (o impacto na distância percorrida e os tempos
doi: 10.1080/10548400903163160
MICHOPOULOU, E., & BUHALIS, D. (2008). Performance measures of
realizados). A construção do visualizador foi realizada sobre uma base de
Os aspectos de controlo das audiências mereceram, por parte dos
net-enabled hypercompetitive industries: The case of tourism.
dados que reuniu toda a informação gerada durante prova e que eram
organizadores, particular atenção, utilizando para tal o Google Analytics que
International Journal of Information Management, 28(3), 168-180. doi:
carregados no sistema, tendo sempre um campo que as identificava com a(s)
permitiu ir aferindo o interesse global da transmissão do evento e quais os
10.1016/ j.ijinfomgt.2007.07.003
equipa(s) a que dissessem respeito. Havendo vários tipos de informação, para
conteúdos que despertavam mais interesse. Como exemplo, destaca-se na
VOLO, S. (2010). Bloggers' reported tourist experiences: Their utility as a
cada um deles foi necessário desenvolver sistemas que automatizassem total ou
figura 5, a monitorização da evolução do interesse do publico inglês (segmento
tourism data source and their effect on prospective tourists. Journal of
parcialmente a actualização da informação, principalmente devido ao enorme
Vacation Marketing, 16(4), 297-311. doi: 10.1177/1356766710380884

Documentos relacionados

Eventos Turísticos Sustentáveis

Eventos Turísticos Sustentáveis festivals. Tourism Management, 30(6), 847-856. doi: 10.1016/j.tour man.

Leia mais