(Microsoft PowerPoint - Am\351rica Pr\351

Сomentários

Transcrição

(Microsoft PowerPoint - Am\351rica Pr\351
A AMÉRICA PRÉPRÉCOLOMBIANA
1.
Os povos Pré-Colombianos dividiam-se em duas
formações sociais distintas:
SOCIEDADES DE CAÇADORES e
COLETORES;
Agricultura rudimentar (milho, mandioca, batatadoce);
Desconheciam os metais;
Organizados em tribos e em Confederações
Tribais;
SOCIEDADES AGRÁRIAS:
Complexo sistema de exploração agrícola;
Inexistência de propriedade privada
2.
Existia um Estado que coordenava a produção, as
obras coletivas (diques, fortalezas, templos, etc);
Não conheciam os cavalos nem a roda. Também não
conheciam o ferro, mas eram hábeis metalúrgicos com
cobre (armas), ouro e prata (jóias e objetos de arte)
MAIAS ( sul do México,Guatemala e Honduras),
ASTECAS (México) e INCAS (Peru, Bolívia, Equador).
MAIAS
ASTECAS
(Séculos VII ao IX)
(séculos XII ao XVI)
A SOCIEDADE E POLÍTICA
Organização política baseada em
A sociedade se baseava na
cidades autônomas, como Palenque organização urbanística:
Yaxchilán e Chichen Itzá.
TENOCHTITLÁN(atual cidade do
O Império não era Centralizado.
México).
Sociedade dividida em 4
Camadas
Nobres:chefes, guerreiros e
Administradores
Sacerdotes:controlavam a religião
E a produção cultural
Povo:exercia todas as funções
Produtivas
Escravos:prisioneiros de guerra
Organização Social:
Governante supremo:comandante
militar, dirigia a política externa
Grupo Dominante:Sacerdotes e
Chefes Guerreiros
Pochtecas:grandes comerciantes
Povo:trabalhadores urbanos e
Rurais.
Escravos:prisioneiros de guerra
INCAS
(Séculos XIII ao XVI)
Organizados em um Império
de grande extensão. Machu
Picchu e Cuzco
Hierarquia Social:
Inca: Imperador(filho do Sol)
Alta nobreza:família do Inca
altos funcionários e sacerdote
Nobreza: curacas (chefes
locais),juízes e comandantes
militares.
Camada média:artesãos,
militares e contabilistas.
Escravos:ligados aos
Curacas e ao Inca.
A ECONOMIA
Cultivos: milho(produto básico),
Cultivos:mandioca,abacate,
algodão,feijão,tomate,batata e
cacau.
Técnicas de cultivo:irrigação dos
Campos e queimadas
e
Cultivos:milho,feijão,melão,cacau,
pimentão,algodão e tabaco.
Técnica de cultivo:irrigação e sistema
de chinampas(construção de ilhas
artificiais nos lagos – hortaliças)
milho, feijão, algodão,
amendoim e batata.
Técnicas de cultivo
irrigação,canais
aquedutos,represas
Domesticavam o cachorro e o Peru
sistemas de terraços.
Domesticavam o
Artesanato:ferramentas,objetos de
cerâmica,jóias,tecidos,tendo em vista
Artesanato:peças de
cerâmicas, objetos
Não praticavam a pecuária
Lhama
Praticavam o artesanato,fabricando
tecidos de algodão,cerâmica,objetos
ouro,
de ouro e cobre.
Comércio: baseado na troca de
produtos.
O mercado urbano.
tecidos
Comércio a distância:trocavam artigos Comércio: era local.
da costa(conchas,peles da jaguar,
baseado na troca
cacau) por produtos das terras altas
de produtos
(jóias de ouro e cobre,cordas de fibra). Conheciam a
mineração,trabalhando
Usavam como moeda a semente de
cacau.
o ouro.
AS CIÊNCIAS E AS ARTES
MAIAS
Conheciam os eclipses solares e o
o movimento dos planetas.
ASTECAS
Cidade construídas em torno de praças
matematicamente planejadas,dotadas
de pirâmides e edifícios religiosos.
INCAS
Arquitetura de grandes
construções de pedra e
adobe:Machu Pichu e
Calendário Solar, com 18 meses de 20
dias cada um e mais 5 complementares.
Dividiam o tempo em ciclos de 52 anos
Criaram um sistema numérico vigesimal
Na Matemática eram muito hábeis em
cálculos aplicado à Arquitetura .
Cuzco(Peru).
A escultura Inca utilizava
representações do ser
humano, da fauna e flora.
Na Matemática criaram um
sistema decimal.Usavam
os quipos-cordões com nós
Calendário Cíclico,organizado em
períodos de 52 anos.
Desenvolveram a escrita Hieroglífica,
deixando vários documentos.
cálculos aplicados à Arquitetura.
Na Matemática ,criaram um símbolo
Habilidosos na ourivesaria.Esculpiam o
para representar o zero e noções sobre jade e o cristal de rocha com figuras
o princípio do valor negativo.
humanas e animais.
Desconheciam a escrita.
Desenvolveram a tecelagem
e foram os melhores
metalúrgicos da
época.
CRENÇAS E RELIGIÃO
Religião Politeísta.
Endeusavam a natureza,adorando
os animais, as plantas,as pedras
Crença na imortalidade da alma,
no inferno e no paraíso.
A religião dos Astecas sofreu múltiplas
influências de vários povos por eles
conquistados. Eram Politeístas,seus
Deuses mais importantes eram:
Huizilopochtli(Deus da guerra) e
Tlaloc(Deus da chuva)
Cultuavam os mortos e usavam
urnas de cerâmica para enterrá-los
Praticavam ritualmente sacrifícios
humanos.
Endeusavam a natureza,
adorando o Sol,a Lua, o
Mar,as montanhas.
Politeístas: Deus mais
importante: O SOL
(INTI)personificado na
figura do Inca.
Realizavam ritualmente
sacrifícios de animais.
2 – A AMÉRICA ESPANHOLA
2.1- A Organização Econômica
Nas regiões sob o domínio espanhol, os colonos –
chamados adelantados –recebiam direitos vitalícios
de construir fortalezas, fundar cidades e
evangelizar os índios. Deviam também, em
contrapartida, garantir à Coroa Espanhola o quinto
dos metais preciosos (ouro e prata) retirados do
solo americano.
A MINERAÇÃO NA AMÉRICA ESPANHOLA
A partir da década de 1550, com a descoberta de jazidas de ouro no México
e de prata no Peru, organizaram-se núcleos mineradores, que necessitavam
de uma grande mão-de-obra
Encomienda – espécie de servidão do indígena para o trabalho
agrícola em vastas terras apropriadas pelo conquistador.A Coroa
reconhecia a propriedade privada e “encomendava-lhe uma certa
porção de indígenas, ao quais pagavam tributos ao encomendero
sob a forma de prestação de serviços”. Ao encomendero cabia a
responsabilidade de cristianizar os indígenas;
Mita – sistema que impunha o trabalho obrigatório, durante
determinado tempo, a índios escolhidos em suas comunidades.
Através de um trabalho compulsório(salário muito baixo), eram
enviados as regiões mineradoras. Como afirma Celso Furtado, “a
mita implicava, via de regra, deslocação dos mitayos a centenas
de quilômetros de distância e em considerável desgaste
humano”.
ECONOMIAS ALTERNATIVAS
1.
2.
3.
O império colonial espanhol não se restringiu
apenas
a
economia
mineradora.
Caracterizou-se também pela existência de 3
áreas distintas:
A primeira diz respeito a uma série de
enclaves mineradores (ouro no México e
prata no Peru),
A segunda área econômica deu-se nas
grandes fazendas produtoras de gêneros
alimentícios e matérias-primas, inicialmente
para o abastecimento das minas e
posteriormente tornaram-se auto-suficientes;
No século XVIII, após a crise da mineração,
uma terceira área surgiu na região do Caribe
e no Rio do Prata: a grande propriedade rural
exportadora.
2.2 – A Organização Social
A
sociedade espanhola - fechada e aristocratizadaé transposta para a América sob a característica de
ser importante manter o status, demonstrar a renda
e o poder do indivíduo em uma ou outra camada
social.Também entrou o componente etnia na
formação da sociedade colonial espanhola.
Os chapetones, pequena nobreza empobrecida na
Europa estavam em primeiro lugar, buscando
dominarem outras classes - já que eram dominados
na Europa – principalmente por ocuparem altos
cargos civis e eclesiásticos.
Logo
depois vinham os criollos, filhos de
espanhóis nascidos na América e que podiam
participar dos cabildos (correspondentes às
câmaras municipais no Brasil colonial). Eram
grandes proprietários de terras e comerciantes.
Abaixo deste dois grupos, vinham uma série
de camadas inferiores para os europeus,
devido a cor da pele. Os mestiços (filhos de
espanhóis com índias) e mulatos (filhos de
espanhóis com negros) eram obrigados a
exercerem
serviços
humildes
e
menosprezados.
2.3 – A Organização Política
1.
2.
Com a finalidade de garantir o monopólio
comercial, a Espanha criou dois órgãos
administrativos:
Casa de Contratação: sediada em Sevilha, para
organizar o comércio e fiscalizar o recolhimento do
quinto;
Conselho das Índias: funcionava com Supremo
Tribunal de Justiça, nomeava os funcionários e
regulamentava a administração das colônias, por
meio dos vice-reinos e das capitanias-gerais;
Vice-reinos:
eram
grandes
unidades
administrativas,governados por vice-reis escolhidos
entre a alta nobreza metropolitana, que deviam
controlar as minas, presidir o tribunal judiciário das
audiências e zelavam pela cristianização dos índios. 1Vice-Reino da Nova Espanha (1535); 2 – Vice-Reino
do Peru (1543); 3- Vice-Reino de Nova Granada
(1717); 4 – Vice-Reino de Rio do Prata (1776);
Capitanias-gerais:
eram
unidade
menores,
dependentes dos vice-reinos e encarregadas de
controlar territórios ainda não inteiramente submetidos
pela metrópole. 1- Capitania-geral da Flórida; 2Capitania-geral da Guatemala; 3- Capitania-geral
de Cuba; 4- Capitania-geral da Venezuela; 5Capitania-geral do Chile
3 – A AMÉRICA INGLESA
A
instabilidade
social
(agricultura
de
subsistência em crise e perda de terras)
ameaçava a consolidação da monarquia
nacional, tornando a emigração em massa para
as terras norte-americanas uma solução para o
governo britânico como também para as
pessoas que lutavam pela liberdade religiosa
(puritanos
Calvinistas)
e
por
novas
possibilidades de trabalho.
As treze colônias inglesas da América foram
colonizadas a partir de 1620. Entre as colônias
do Norte e do Sul, encontramos profundas
diferenças:
Norte e Centro: Colonização de Povoamento; ocupação
baseada em pequenas propriedades e colonos livres; os
produtos agrícolas eram semelhantes aos cultivados na
Europa, tornando-os pouco atraentes; o comércio se dava
em trono da madeira, produtos de pesca e apetrechos
navais; a policultura e uma incipiente produção de
manufaturas, trouxeram desenvolvimento econômico,
principalmente em relação ao comércio triangular
desenvolvido entre as colônias do Norte com o Caribe,
Inglaterra, Portugal, Espanha e África.
Sul: grandes fazendas – plantation - de produtos
tropicais (tabaco, arroz, anil e algodão) cultivados por
escravos africanos, dentro das determinações do pacto
colonial.
AS TREZE COLÔNIAS E O COMÉRCIO
TRIANGULAR
4- A INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA
LATINA – SÉC. XIX
1.
1.
2.
Três processos históricos se conjugaram para precipitar o
curso dos acontecimentos:
A Revolução Industrial inglesa, que impunha a busca de
novos mercados consumidores e, portanto, a destruição dos
monopólios, peça essencial do sistema colonial;
A ruptura do equilíbrio político europeu resultante das
Guerras Napoleônicas, que levaram a Inglaterra a apoiar
movimentos de independência como forma de golpear os
franceses;
Desenvolvimento das colônias, que entrou em choque
com os entraves da política mercantilista e do sistema
colonial. A eles deve-se acrescentar a difusão das idéias
iluministas francesas.
A Independência das Colônias Latino-americanas esta
associada
à
crise
do
Antigo
Regime
e
conseqüentemente da crise do sistema colonial, que
havia sofrido abalo com a emancipação das treze
colônias inglesas na América do Norte.
Por
volta de 1800, a elite criolla era composta de 3
milhões de pessoas, que controlavam o comércio,
agricultura, pecuária e mineração, não lhes cabendo
a administração pública da colônia, somente dos
cabildos municipais.
Após
as Invasões Napoleônicas os Cabildos foram
transformados em Juntas Inssurrenciais.