Dossier DGES

Сomentários

Transcrição

Dossier DGES
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
[A]
PEDIDO SUBSCRITO PELO SENADO DA UM
Minuta da Resolução do Senado
RESOLUÇÃO SU - /09
Sob proposta do Instituto de Ciências Sociais
Ouvido o Conselho Académico;
Ao abrigo do disposto no n.º 1 do artigo 11.º, no n.º 1 do artigo 61.º, no n.º 1 do artigo 71.º e
no artigo 74.º da Lei n.º 62/2007, de 10 de Setembro; no Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de
Março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho; e no n.º 2 do artigo 121.º dos
Estatutos da Universidade do Minho, publicados no Diário da República, 2.ª série, de 5 de
Dezembro de 2008;
O Senado Universitário da Universidade do Minho, em sessão plenária de XX de XXX de 2009,
determina:
1.º
(Criação do ciclo de estudos)
É criado na Universidade do Minho o ciclo de estudos conducente ao grau de doutor em
Sociologia., doravante designado por ciclo de estudos.
2.º
(Enquadramento do ciclo de estudos)
O ciclo de estudos agora criado sucede à concessão, em regime tutorial, do grau de doutor em
Sociologia, prevista pelo Despacho RT XXX/XX.
3.º
(Objectivos do ciclo de estudos)
O ciclo de estudos tem como objectivos:
a) Utilizar quadros conceptuais e metodológicos próprios do campo da Sociologia em
função de um objecto de investigação, aplicando-os numa investigação original, pertinente e
socialmente relevante;
b) Contribuir para a investigação fundamental e aplicada no domínio da Sociologia;
1
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
c) Contribuir criticamente para a reflexão sobre a realidade sociopolítica, seus actores e
processos;
d) Desenvolver competências de investigação, de acordo com princípios éticos e
deontológicos
e) Equacionar e interpretar problemas científicos, culturais e sociais, manifestando uma
atitude multidisciplinar
4.º
(Organização e estrutura curricular)
1. O o ciclo de estudos organiza-se pelo sistema de unidades de crédito europeus (ECTS).
2. A estrutura curricular é a indicada no anexo I à presente Resolução.
5.º
(Plano de Estudos)
O plano de estudos é fixado por despacho do Reitor da Universidade do Minho, sob proposta
dos órgãos para o efeito competentes, e publicado na II Série do Diário da República.
6.º
(Habilitações de acesso)
1.
Podem candidatar-se ao ingresso no Curso aqueles que satisfaçam as seguintes
condições:
a) Os titulares de grau de Mestre em Sociologia ou área afim.
b) Outros titulares do grau de Mestre.
c) Os licenciados detentores de currículo escolar ou científico especialmente relevante,
que ateste capacidade para o grau de Doutor em Sociologia, precedendo apreciação curricular
pelo Conselho Científico
d) Os detentores de um currículo escolar, científico ou profissional reconhecido pelo
Conselho Científico como atestando capacidade para a realização deste ciclo de estudos.
7.º
(Limitações quantitativas)
1. A matrícula e a inscrição no ciclo de estudos estão sujeitas a limitações quantitativas a fixar
anualmente por despacho do Reitor.
2
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
2. O despacho a que se refere o n.º 1 deste artigo estabelecerá o número mínimo de inscrições
indispensável ao funcionamento do ciclo de estudos.
8.º
(Prazos)
Os prazos em que decorrerão a candidatura, a afixação dos resultados, a matrícula e a
inscrição serão fixados por despacho do Reitor, sob proposta do Conselho Científico do
Instituto de Ciências Sociais
9.º
(Propinas)
A inscrição do ciclo de estudos estará sujeita ao pagamento de uma propina de valor a ser
fixado pelos órgãos competentes da Universidade do Minho.
10º
(Classificação final)
A classificação final do ciclo de estudos é determinada de acordo com o previsto no
Regulamento dos Ciclos de Estudos Conducente à Obtenção do Grau de Doutor pela
Universidade do Minho.
11.º
(Diploma e carta doutoral)
Os alunos que terminem com aproveitamento o ciclo de estudos têm direito a um diploma que
certifica o grau de doutor e, se o requererem, a uma carta doutoral.
11.º
(Início de funcionamento)
O início de funcionamento do ciclo de estudos será fixado por despacho do Reitor, verificada a
existência de recursos humanos e materiais necessários à sua concretização.
Universidade do Minho, XX de XXX de 2009
O Presidente do Senado Universitário,
A. Guimarães Rodrigues
3
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
[b]
IDENTIFICAÇÃO DO CURSO DE QUE RESULTA O CICLO DE ESTUDOS SUBMETIDO A
REGISTO DE CRIAÇÃO
2.
Estabelecimento de ensino:
Universidade do Minho
3.
Unidade Orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.):
4.
Curso:
Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de DOUTOR em SOCIOLOGIA
5.
Grau ou diploma:
Doutor
6.
Área científica predominante do Curso:
SOCIOLOGIA
7.
Número de créditos, segundo o sistema europeu de transferência de créditos,
necessário à obtenção do grau ou diploma:
180 ECTS
8.
Duração normal do Curso:
6 Semestres
4
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
9.
Opções, ramos, ou outras formas de organização de percursos alternativos em que
o Curso se estruture (se aplicável):
O Curso de Doutoramento em Sociologia confere o grau de Doutor em Sociologia.
10. Áreas científicas e créditos que devem ser reunidos para a obtenção do grau ou
diploma:
Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Doutor em Sociologia
QUADRO N.º1
Área científica
Sigla
Créditos – ECTS Obrigatórias
Sociologia (3 anos)
SOC
180
TOTAL
180
11. Observações:
O Ciclo de Estudos em Sociologia contempla dois percursos ou Planos (designados por A e B)
distintos. O primeiro (Plano A), compreende apenas a realização de uma Dissertação ao longo
dos três anos, com acompanhamento tutorial por parte de um dos docentes do Departamento
de Sociologia da Universidade do Minho.
O segundo plano (Plano B), inclui no 1º ano a realização das unidades curriculares Práticas de
Investigação Social I e II, Teorias Sociológicas Aprofundadas I e II , um Seminário Temático no
1º Semestre, assim como de um Seminário de Projecto no 2º. O 2º e 3º anos serão
exclusivamente dedicados à realização da Dissertação de Doutoramento, sendo esta
acompanhada da realização de dois seminários de orientação.
5
S
(2)
(1)
Orientação e Dissertação
Área
científica
Unidades curriculares
Anual (3 anos)
(3)
Tipo
5040
(4)
Total
300
(5)
Contacto
Tempo de trabalho (horas)
QUADRO N.º 2
PLANO DE ESTUDOS DE ACORDO COM O FORMULÁRIO DA DGES
Universidade do Minho
Instituto de Ciências Sociais
DOUTORAMENTO EM SOCIOLOGIA (3 ANOS)
PLANO A
180,0
(6)
Créditos
Obrigatória
(7)
Observações
5
SOC
SOC
SOC
SOC
SOC
SOC
Teorias Sociológicas Aprofundadas I
Seminário temático
Práticas de Investigação Social II
Teorias Sociológicas Aprofundadas II
Seminário de Projecto
Área
científica
Práticas de Investigação Social I
Unidades curriculares
Semestral (S2)
Semestral (S 2)
Semestral (S 2)
Semestral (S 1)
Semestral (S 1)
Semestral (S 1)
Tipo
QUADRO N.º 3
560
140
140
448
196
196
26
65
65
26
78
78
Tempo de trabalho
Total
Contacto
Universidade do Minho
Instituto de Ciências Sociais
DOUTORAMENTO EM SOCIOLOGIA (1º ANO)
PLANO B
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
20
5
5
16
7
7
Obrigatória
Obrigatória
Obrigatória
Obrigatória
Obrigatória
Obrigatória
Créditos Observações
6
Tipo
Anual
Anual
SOC
SOC
Seminário de Orientação I
Dissertação
Unidades curriculares
Área
científica
1400
280
Total
1400
52
Contacto
Tempo de trabalho (horas)
QUADRO N.º 4
Universidade do Minho
Instituto de Ciências Sociais
DOUTORAMENTO EM SOCIOLOGIA (2º ANO)
PLANO B
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
50
10
Créditos
Obrigatória
Obrigatória
Observações
7
Tipo
Anual
Anual
SOC
SOC
Seminário de Orientação I I
Dissertação
Unidades curriculares
Área
científica
1400
280
Total
1400
52
Contacto
Tempo de trabalho (horas)
QUADRO N.º5
DOUTORAMENTO EM SOCIOLOGIA (3º ANO)
Universidade do Minho
Instituto de Ciências Sociais
PLANO B
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
50
10
Créditos
Obrigatória
Obrigatória
Observações
8
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
PLANO B
[C]
C1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS OBJECTIVOS VISADOS PELO CICLO DE ESTUDOS
O Curso de Doutoramento em Sociologia é criado com a profunda convicção de que representa
no panorama regional, nacional e internacional um projecto formativo de elevada consistência
e qualidade. Tem como finalidade última o desenvolvimento de investigação fundamental e
aplicada de excelência. Nesse sentido, sustenta-se num corpo docente altamente qualificado em
termos teórico-metodológicos e dinâmico no que concerne à disposição para formular
projectos inovadores no plano científico e reconhecidos nos planos social, político e humano. O
compromisso com a cientificidade, o rigor e o labor científicos, assim como a responsabilidade
social perante alunos e instituições, constituem os princípios orientadores basilares na
construção do curso.
Preside ainda à sua criação a finalidade central de acompanhar as expectativas e os percursos
dos licenciados e mestres em Sociologia da Universidade do Minho, proporcionando-lhes um
ensino condizente com as novas metodologias de ensino-aprendizagem, de modo a propiciarlhes um nível superior de aprofundamento do conhecimento sociológico.
Neste momento, estão em funcionamento os dois primeiros ciclos de estudo nos quais se
reflectem os resultados e as dinâmicas dos membros do Centro de Investigação em Ciências
Sociais. O 3º ciclo em Sociologia surge, por isso, com o claro propósito de garantir aos alunos
com licenciatura e mestrado um nível de estudos ainda mais aprofundado que responda a três
tipos de necessidades identificadas como as mais relevantes:
Aperfeiçoamento de conhecimentos teórico-metodológicos apropriados ao
desenvolvimento de estudos aprofundados no domínio da Sociologia;
Treino de competências de investigação adequadas ao florescimento de potenciais
carreiras profissionais ligadas à pesquisa social;
Consolidação de uma estrutura de formação de foro público e de nível avançado
em Sociologia, no espaço da Região Norte de Portugal-Galiza suficientemente
próxima da maior parte do público com formação nesta ou outras áreas afins e a
residir nomeadamente nos distritos do Norte do país.
O ciclo de estudos agora criado responde às mudanças registadas ao nível dos perfis sóciodemográficos dos alunos que tradicionalmente procuravam o doutoramento, importando
identificar dois tipos de público algo diferentes: a) um público mais jovem portador de
Licenciaturas e/ou Mestrados recentes que ambiciona desenvolver-se profissionalmente na
área de investigação ou áreas afins e concebendo o doutoramento como um grau de
habilitação importante quer para a legitimação da sua prática profissional, quer para a
eventual mobilidade na carreira e b) um público com projectos familiares e profissionais já
9
91
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
concretizados que espera com o doutoramento obter enriquecimento intelectual e valorização
social.
Neste quadro, são objectivos centrais do Curso a criação e a consolidação identitária do corpo
de investigadores existente e a captação de interesse de investigadores nacionais e
estrangeiros de elevado mérito, tendo em vista o reforço da mobilidade científica e a
dinamização da circulação e transformação do conhecimento, agindo em resposta aos desafios
recentemente colocados no âmbito do projecto de Conselho Europeu de Investigação (CEI)1,
de modo a:
Contribuir para o conhecimento das sociedades actuais, independentemente dos
limites disciplinares ou das fronteiras geográficas;
Desenvolver acções de disseminação da investigação científica e de transferência e
circulação do conhecimento para o exterior, com o intuito de permitir o fluxo de
ideias e de estimular a inovação;
Articular as actividades de investigação com o ensino, consolidando, enriquecendo
e dinamizando contextos de formação e de mobilidade de recursos humanos;
Contribuir para a melhoria da cultura científica dos portugueses, através de um
programa curricular suficientemente adaptável às expectativas e formações dos
candidatos.
De forma sintética, destacam-se quatro objectivos fundamentais:
a) Científicos
Promover investigação sociológica de qualidade, focada no presente mas com
capacidade projectiva, reconhecimento nacional e internacional e impacto sobre o
desenvolvimento da região e do país. A este nível, este Curso de Doutoramento vem
corresponder às expectativas de reforço de massa crítica, especialmente
direccionada para a garantia de continuidade científica em temáticas de investigação
específicas em que os investigadores do Departamento de Sociologia, do Centro de
Investigação em Ciências Sociais e de outros centros, depositam interesse e nos
quais se envolvem directamente e de forma dedicada: a sociedade, a família e a
saúde; o trabalho, o emprego e a formação; as solidariedades sociais e as mudanças
sociais; o cultura, o imaginário e os modos de vida e, ainda, as desigualdades sociais,
o ambiente, a justiça e os sistemas político-científicos de governação.
b) Pedagógicos
Estimular a articulação entre ensino-aprendizagem e investigação-acção, no quadro
dos projectos desenvolvidos pelos elementos do Departamento de Sociologia e do
Centro de Investigação em Ciências Sociais e orientados tanto para pesquisa
voluntariamente proposta e dinamizada junto de entidades públicas financiadoras
1
Decisão 2006/972/CE, Jornal Oficial da União Europeia de 22-02-07, I.54/81-I.54/90.
10
10
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
de projectos científicos (e.g. a Fundação para a Ciência e a Tecnologia), como para a
resposta a solicitações da comunidade envolvente (organizações várias)
c) Sociais
Apoiar-se em metodologias que visam desenvolver as competências teóricas e
metodológicas dos candidatos a fim de estes poderem, no futuro, concretizar
projectos de investigação e investigação-intervenção orientados para os processos
sociais tradicionais e/ou noutros profundamente reconfiguradores da realidade
social, cultural e política;
d) Metodológicos
Privilegiar a multidisciplinaridade, facilitando a troca de linguagens e de instrumentos
de pesquisa entre doutorandos com formação diversa da Sociologia. Deste modo,
ambiciona-se aumentar o potencial de conhecimentos e saberes alternativos
considerando, em particular, a necessidade crescente de aprendizagem ao longo da
vida.
11
11
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
C2. DESCRIÇÃO E FUNDAMENTAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS ÀS
EXIGÊNCIAS CIENTIFICAS E PEDAGÓGICAS À QUALIDADE DE ENSINO
Os recursos humanos afectos a este 3º Ciclo de Estudos são provenientes do quadro do
Departamento de Sociologia da Universidade do Minho, que conta com um conjunto de
docentes doutorados (17 e em breve 21) dedicados a projectos de investigação e pedagógicos
que fundamentam a criação do Curso de Doutoramento em Sociologia. O Curso pode também
contar com a colaboração de outros docentes dos vários departamentos e escolas da
Universidade do Minho, bem como de outras universidades.
Em termos da fundamentação científica e pedagógica dos docentes afectos a este Ciclo de
Estudo, importa referir a longa experiência pedagógica dos mesmos em projectos de ensino e,
sobretudo, a sua integração em centros de investigação nacional referenciados pela Fundação
para a Ciência e a Tecnologia.
Com efeito, o Curso de Doutoramento em Sociologia transporta o projecto de promover a
realização da investigação sociológica de qualidade elevada, com projecção nacional e
internacional e elevado impacto sobre o desenvolvimento do país. Por isso, mobiliza-se a
vasta experiência de investigação dos membros do Centro de Investigação em Ciências Sociais,
bem como outras colaborações de centros de investigação nacionais e estrangeiros
conceituados.
A planificação e a concretização do plano de curso assentam na integração das pesquisas dos
alunos em projectos mais vastos desenvolvidos pelos investigadores do Departamento de
Sociologia e Centro de Investigação em Ciências Sociais, considerando também a participação
de elementos de outros centros de renome.
O corpo docente afecto ao Curso de Doutoramento em Sociologia desenvolve um amplo
trabalho de investigação em projectos financiados por entidades nacionais (mormente a
Fundação para a Ciência e a Tecnologia) e internacionais (Fundo Social Europeu e outros),
sendo ainda de ressalvar a pesquisa direccionada para entidades e agentes de poder local, o
meio empresarial e associações públicas e privadas de diversa índole. Os investigadores
implicados neste projecto de ensino e investigação concentram-se maioritariamente nas
seguintes temáticas: a cultura e os modelos sócio-cognitivos nas sociedades contemporâneas,
identidade nacional e religião, família, saúde e solidariedades, incluindo a reabilitação social, a
deficiência e a economia social; a relação entre direito, medicina e cidadania, ética, ciência e
tecnologia; responsabilidade individual, memória e futuro; ambiente e riscos; trabalho,
formação e emprego; dinâmicas de mobilidade, diáspora científica e circulação do
conhecimento; procura do ensino superior e formação pós-graduada; qualidade e
desenvolvimento de recursos humanos; grupos profissionais e culturas e desenvolvimento e
desigualdades sociais. As publicações derivadas da pesquisa sobre estas temáticas reflectem a
orientação cuidada e de elevado referencial.
As qualidades pedagógicas do corpo docente afecto ao Curso reflectem não só as suas
competências para promoção da investigação fundamental e aplicada, como também a sua
adequabilidade aos projectos e às expectativas dos candidatos a diversos níveis de ensino.
Tem sido preocupação dos investigadores, assim como das direcções de curso e
departamento, garantir processos de continuidade científica suficientemente fortes e
impulsionadores da criação de grupos conhecidos pela especificidade da sua investigação.
12
12
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
As orientações de doutoramento e de mestrado repartem-se por alunos dos cursos da
responsabilidade do Departamento e de outros departamentos do Instituto de Ciências
Sociais, de outras escolas da Universidade do Minho e, inclusive, de outras universidades
nacionais e estrangeiras
No que respeita a outras actividades desenvolvidas pelos docentes do Departamento deve
destacar-se a organização de um apreciável número de eventos científicos sob a forma de
seminários, conferências e aulas abertas no âmbito do Centro de Investigação em Ciências
Sociais, do Departamento e das direcções de 1º e 2º ciclo em Sociologia, algumas das quais
realizadas em cooperação. Em 2008 realizaram-se 26 eventos da iniciativa dos docentes do
Departamento. Além disso, vários docentes participaram em actividades científicas, tais como
júris de concursos, comissões científicas, funções editoriais entre outras participações,
incluindo moderações de mesas, apresentação de livros e estudos, coordenação de grupos de
trabalho, avaliação de projectos, participação em programas de rádio e tv, leccionação de
acções de formação profissional, entre outros.
Para além do que atrás se expôs, a garantia do bom funcionamento do curso e da sua elevada
qualidade reside também na qualidade dos protocolos existentes entre o centro de
Investigação em Ciências Sociais e outros Centros/entidades. Os docentes do Departamento
têm-se envolvido em actividades de formação de curta duração em colaboração com outras
instituições de ensino superior nacionais e estrangeiras, incluindo a Universidade Nacional de
Timor Lorosae, Universidade de Vigo, Université Paul-Valéry, IPATIMUP e Universidade de
Coimbra.
13
13
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
C3.DESCRIÇÃO E FUNDAMENTAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS RECURSOS MATERIAIS ÀS
EXIGÊNCIAS CIENTÍFICAS E PEDAGÓGICAS E À QUALIDADE DE ENSINO
O Curso tem à sua disposição um conjunto de recursos materiais com características e
potencialidades adequadas às exigências científicas e pedagógicas inerentes à formação
avançada no domínio da pesquisa fundamental e aplicada.
Os recursos materiais necessários ao bom funcionamento deste 3º Ciclo de Estudos são os
existentes no Instituto de Ciências Sociais, que dispõe de salas equipadas com computadores e
outros recursos informáticos. São de referir, em especial, os recursos disponíveis no
Departamento de Sociologia: dois laboratórios pedagógicos e uma sala para investigadores e
reuniões de trabalho.
Os laboratórios estão dotados de postos com computadores e equipamento de projecção
multimédia, possibilitando aos alunos e docentes a realização de trabalhos de impressão e
digitalização. Estes laboratórios respondem às necessidades de leccionação das unidades
curriculares que exigem prática laboratorial, como são os casos das unidades curriculares de
Práticas de Investigação I e II nas quais se treina o uso de software de recolha e análise de
dados, estando disponíveis programas como o SPSS, hyper-research, endnote e nudist. Também
se adequam ao trabalho de projecto e às próprias tarefas ligadas á concretização da
Dissertação.
Além dos laboratórios, os docentes dispõem do espaço dos seus gabinetes para atender às
necessidades de orientação, assim como outras salas destinadas a seminários devidamente
equipadas, incluindo software específico para as Ciências Sociais.
A acrescentar aos recursos mencionados, com possibilidade de acesso e pesquisa directa
através da internet, destaca-se a existência de uma biblioteca geral e outras especializadas
com modelos de funcionamento e recursos bibliográficos de excelência que cobrem as vastas
áreas de pesquisa em Ciências Sociais. Há ainda acesso directo a bases bibliográficas
internacionais de onde os alunos podem recolher e sistematizar informação actualizada
fundamentadora da originalidade e pertinência dos seus trabalhos.
14
14
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
C4. ENQUADRAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS NA REDE DE FORMAÇÃO NACIONAL
O Curso de Doutoramento em Sociologia proposto é único na sua especificidade, mas
responde às tendências registadas na concepção de outros cursos que neste nível de ensino
estão em funcionamento no contexto nacional.
Os cursos de doutoramento, baseados num formato genérico que implica um ano curricular e
quatro semestres dedicados à concretização da dissertação são recentes em Portugal, na
medida em que foram impulsionados pela implementação do processo de Bolonha.
No que concerne à área científica de Sociologia, destacamos no contexto nacional os cursos
existentes no ISCTE , na Universidade de Coimbra e na Faculdade de Letras do Porto, três
universidades de referência a nível nacional.
A comparação entre os cursos mencionados e o Curso proposto para funcionar na
Universidade do Minho dá conta de alguns pontos inovadores deste último. Destaca-se, em
particular, a opção pela sua designação como “Sociologia”, aglutinando-se, assim, os vários
interesses dos investigadores e professores envolvidos, possibilitando a concretização de uma
sequência formativa consolidada em Sociologia, que passa pelos 1º e 2º ciclos.
Todavia, considerando o mérito reconhecido aos cursos das outras Universidades atrás
mencionadas, assim como o conhecimento de vários princípios relativos aos modos ideais de
concepção de projectos de doutoramento, constata-se que, não obstante existirem
características próprias, atribuídas à especificidade da investigação levada a cabo pelos
investigadores que lhes estão afectos, os cursos apresentam traços comuns relacionados com:
a) Unidades curriculares destinadas a desenvolver conhecimentos teóricometodológicos no domínio da Sociologia e necessários à preparação da Dissertação e
b) Unidades curriculares, cujo propósito principal é familiarizarem os alunos com
conteúdos e resultados de pesquisas direccionadas para o estudo transdisciplinar de
diversos fenómenos e processos sociais, fomentando a sua perspectiva crítica.
No primeiro bloco inserem-se as unidades curriculares de “Práticas de Investigação” e
“Teorias Sociológicas Aprofundadas”. No segundo está contemplada principalmente, a
unidade curricular de “Seminário Temático”, sendo expressivo que esta unidade, ou outra com
finalidades idênticas, tenha sido incluída nos cursos de Doutoramento existentes.
Apesar das diferenças, é notória a importância atribuída à flexibilidade na estruturação do
modelo de funcionamento das várias unidades curriculares, condizente, por um lado, com os
perfis sociodemográficos dos candidatos a doutoramento e, por outro, com as expectativas
destes relativas à continuidade na actividade de investigação académica e/ou à sua
preferência por percursos mais profissionalizantes. Este grau de flexibilidade não só no que
se prende com os modelos de organização da carga horária e total de horas de contacto
presencial, mas também com os perfis possíveis das teses, cujos objectos de investigação
15
15
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
podem ser eminentemente teóricos ou sustentados por interesses de investigação-acção,
junto de outras organizações e da realidade social, entendida em sentido amplo.
Nesta sequência, releva-se, ainda, a semelhança entre os modelos no que concerne à elevada
autonomia concedida aos alunos na preparação da tese final, desde a fase inicial de definição
do projecto de pesquisa, sendo de destacar a preocupação com a existência de uma orientação
científica sistemática valorizadora de avaliações intermédias, baseadas na apreciação rigorosa
do trabalho realizado. Com efeito, outro ponto comum aos Cursos referenciados prende-se
com a existência de uma avaliação pública do projecto de dissertação, assim como da real
capacidade de o aluno vir a apresentar, dentro do tempo esperado, a respectiva Dissertação.
16
16
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
[D]
FUNDAMENTAÇÃO SUCINTA DO NÚMERO DE CRÉDITOS
O curso comporta uma forma organizativa facilitadora do desenvolvimento de
competências e de conhecimentos já adquiridos pelos candidatos tanto em Sociologia,
como noutros domínios científicos.
Tendo em consideração estes requisitos e pressupostos, assim como os objectivos gerais
do curso, o plano A do curso de doutoramento em Sociologia tem a duração total de 180
ECTS, distribuídos por 6 semestres (a tempo integral).
No plano B, do total de 180 ECTS, 120 são directamente ligados à preparação e realização
da investigação conducente à Dissertação e respectiva redacção, incluindo o seminário de
orientação. Os restantes créditos estão distribuídos pelas outras unidades curriculares,
ressalvando-se que o aluno que não realize a Dissertação ficará na posse de um curso de
pós-graduação, desde de que cumpra o total dos créditos referentes às unidades
curriculares do 1º anos curricular.
As unidades curriculares de Práticas de Investigação Social I e II, assim como Teorias
Sociológicas Aprofundadas I e II constituem unidades curriculares fundamentais, pois
garantem o treino de saberes necessários à permanência no curso e à finalização deste no
tempo adequado. Por isso, estas unidades curriculares agregam 24 créditos, num total de
672 horas, 286 das quais de contacto com o docente, incluindo aulas presencias,
eventualmente orientadas por diversos docentes, tutoria e trabalho individual. O
Seminário Temático é central na formação durante o primeiro semestre do curso. Equivale
a 16 créditos, 448 horas, sendo 26 destas de contacto e as restantes dedicadas a trabalho
individual. No segundo semestre ganha relevância a unidade curricular de Seminário de
Projecto, à qual se atribuem 20 créditos, num total de 560 horas, 26 das quais de contacto.
Esta unidade curricular adquire extremo relevo, pois suporta a prossecução da tese nos
anos subsequentes. Os restantes 4 semestres definem-se como sendo dedicados
exclusivamente à orientação e à preparação da tese. Este investimento do aluno e dos seus
orientadores é delineado no quadro de uma orientação incentivadora da escrita e da
divulgação faseada de dados a efectuar através da participação activa em conferências e
outros eventos. Por isso, as unidades de crédito se distribuem de modo a incentiva a
proximidade entre alunos e orientadores, muito especialmente no que se refere ao
Seminário de Orientação I e II, ambos correspondendo a atribuição de 10 créditos.
De forma resumida, o número de créditos, assim como o número de horas de trabalho
independente correspondentes, decorrem da consideração de alguns factores
evidenciados a seguir.
a) A natureza das competências exigidas para a obtenção do grau de Doutor,
previstas no Decreto-Lei nº 74/2006, alterado pelo Decreto-Lei nº 107/2008, e no
Despacho nº7287-C/2006, publicado no DR nº 65, 2ª série, de 31 de Março de
2006 (Anexo III.D, nº1);
b) Os objectivos gerais do ciclo de estudos, assim como o perfil de formação
ajustado ao 3º ciclo de formação;
17
17
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
c) A especificidade do ramo de Sociologia e das suas diferentes áreas de
especialidade;
d) A necessidade de assegurar uma orientação teórica e metodológica que garanta
condições para o desenvolvimento da Dissertação.
18
18
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
[E]
FUNDAMENTAÇÃO SUCINTA DO NÚMERO TOTAL DE CRÉDITOS
No plano A, o ciclo de estudos perfaz 180 créditos, distribuídos por seis semestres
curriculares (a tempo integral). Tendo em mente a conjugação dos objectivos do Ciclo de
Estudos e do perfil de formação definido, considera-se que a estrutura estabelecida é
adequada, uma vez que garante uma formação ampla, aprofundada e sólida, essencial para o
exercício do trabalho de investigação em torno da temática escolhida para a realização da
Dissertação.
No caso do segundo plano (Plano B), as unidades curriculares concorrem, no seu conjunto,
para a realização de uma investigação supervisionada conducente a Dissertação, que ocupa a
parte mais substancial dos créditos atribuídos, sendo as restantes unidades curriculares
convergentes com a mobilização das competências teóricas e metodológicas necessárias à
concretização da referida tese.
19
19
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
[F]
DEMONSTRAÇÃO SUMÁRIA DA ADEQUAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO DO CICLO ESTUDOS E
METODOLOGIAS DE ENSINO
Os métodos de ensino e aprendizagem propostos e definidos para este curso de doutoramento
decorrem da avaliação atenta dos resultados de aprendizagem contemplados. Com efeito, são
resultados de aprendizagem os seguintes:
a) Descrição e identificação. Dos doutorados em Sociologia espera-se que adquiram
competências para identificar problemas sociológicos relevantes, analisar e organizar
práticas e discursos e suas intenções e descrever processos e fenómenos sociais,
seguindo lógicas explicativas e ou/compreensivas.
b) Análise, explicação e compreensão. Dos doutorados em Sociologia espera-se que
demonstrem competências metodológicas de análise/investigação sobre o mundo e a
realidade social evidenciando sentido crítico, espírito aberto a outras áreas do saber e
capacidade para compreender e reflectir sobre a “realidade” social, económica,
cultural e política actual, na sua complexidade.
c) Concretização de ideias e transformação do conhecimento adquirido. Dos
doutorados em Sociologia espera-se que fiquem aptos a desenvolver projectos de
investigação com elevada qualidade teórica e metodológica, com potencial de
exequibilidade no mundo organizacional, extra universidade.
Nesta linha, privilegia-se o uso de metodologias de ensino e de aprendizagem que
desenvolvam o espírito crítico dos alunos, facilitem o trabalho em equipa e permitam
melhorar as competências de investigação dos estudantes. Os métodos demonstrativos e
ilustrativos são privilegiados, por contraposição aos métodos expositivos.
Sendo fundamental o desenvolvimento da autonomia individual para a investigação científica
é especialmente incentivada a frequência de seminários, conferências e outros eventos que
possibilite aos alunos o contacto real com os estudos sociológicos e com os esquemas de
avaliação do trabalho científico. Por isso, é dada elevada ênfase aos Seminários de Orientação
e à necessidade de os alunos realizarem os relatórios de actividades validados pelos
orientadores e suficientemente indicativos sobre o grau em que foram atingidos os objectivos.
O Seminário Temático, no plano B, permite ainda que os estudantes tomem conhecimento do
leque de temáticas de investigação em que podem potencialmente vir a centrar o seu percurso
e desde cedo treinem competências de exposição escrita e oral de projectos e seus resultados.
O Instituto de Ciências Sociais, onde reside o Curso de Doutoramento, desenvolve actualmente
as potencialidades do sistema LASICS, o qual possibilitará a integração e o envolvimento dos
alunos em projectos de publicação científica digital de qualidade.
No âmago destas estratégias pedagógicas está o objectivo de aperfeiçoar competências
específicas que incluem saber:
20
20
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
a) Gerar conhecimento relevante no domínio da Sociologia, contribuindo para a
renovação de teorias e práticas profissionais e para o avanço do domínio de
especialização;
c) Analisar criticamente, avaliar e sintetizar ideias novas e complexas,
fomentando ainda o espírito crítico e a inovação;
d) Equacionar e interpretar problemas no âmbito da Sociologia, manifestando
abertura a diversas áreas do saber e construindo uma visão crítica do
conhecimento e da realidade.
e) Desenvolver capacidades de comunicação de conhecimentos e de conclusões de
uma forma clara e sem ambiguidades, quer com os pares, quer com a restante
comunidade académica e a sociedade em geral;
f) Promover o desenvolvimento de competências de auto-aprendizagem e o
espírito crítico.
A avaliação das unidades curriculares propostas segue o mesmo objectivo de orientar
adequadamente os trabalhos de investigação e integrar o doutorando na sequência das
actividades do departamento e do centro de investigação que envolvam realização de eventos,
conferências e publicações que promovam o saber e o saber estar na investigação científica.
Deste modo, a avaliação a unidades curriculares como Práticas de Investigação I e II privilegia
a justificação e a aplicação de técnicas de investigação, tal como acontece em relação ao
Seminários de Orientação e de Projecto.
As Teorias Sociológicas Aprofundadas I e II constituem o foco de discussão de paradigmas,
teorias e prospectivas orientadoras da pesquisa social. Além de estarem orientadas para a
valorização da assimilação de saberes teóricos, perspectiva-se que a sua leccionação se realize
atendendo ao grau de preparação do aluno, assim como às suas preferências de investigação
futura. Os trabalhos individuais, as fichas de leitura e a exposição oral constituem técnicas
pedagógicas a utilizar. Em todo o caso e fazendo uso das potencialidades do sistema de elearning da Universidade do Minho, está assegurada a transmissão atempada de informação
relativa ao funcionamento da disciplina, incluindo os seus conteúdos.
21
21
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
[G]
ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A ORGANIZAÇÃO FIXADA PARA O CICLO E A DE CURSOS
DE REFERÊNCIA COM OBJECTIVOS SIMILARES MINISTRADOS NO ESPAÇO EUROPEU
A maioria dos Cursos de Doutoramento na Europa corresponde a modelos centrados entre 3 a
4 anos de trabalho e podem incluir, ou não, uma componente curricular. Com efeito, o ensino
da Sociologia a nível doutoral em contexto Europeu prima por alguma diversidade tanto em
relação aos conteúdos leccionados e avaliados, como em relação à metodologia de ensino
utilizada, incluindo a forma de programação horária. Encontramos no panorama europeu
cursos de doutoramento com níveis diversos de importância atribuída ao trabalho individual
do aluno e à orientação científica personalizada (e.g. Universidade de Edimburgo e
Universidade de Paris I). Os cursos existentes variam, assim, entre uma estruturação mínima,
idêntica à que se propõe no plano A deste pedido e a estruturação elevada, similar à que é
proposta com o plano B. O padrão mais frequente dá conta, todavia, de uma estruturação do
curso de doutoramento assente num certo número de aulas presenciais, associadas à
frequência obrigatória de vários seminários de investigação e considerável número de horas
dedicadas ao trabalho do aluno e à preparação da tese final. Como exemplo, temos o caso da
London School of Economics (http://www.lse.ac.uk).
Um aspecto particularmente relevante tido em conta na estruturação desta proposta
relaciona-se com três características fundamentais encontradas noutros programas
(Universidade de Warwick: a) a relevância dada à existência de aulas presenciais relativas às
teorias e metodologias fundamentais em Sociologia, nomeadamente no que se refere ao
processo de adequação das técnicas de investigação aos objectos de estudo; b) a importância
atribuída aos seminários temáticos nos quais se requer da parte dos alunos participação
activa e espírito crítico e c) importância dada ao treino de competências de cariz mais
metodológico (como fazer), relacionadas com metodologia de escrita, redacção de relatório
final e organização do tempo, sobretudo no primeiro semestre e que nesta proposta se
integram nas já mencionadas aulas de práticas de investigação.
Ainda relativamente a estes traços, refira-se que se trata de um número de aulas presenciais
previsto sobretudo para alunos que não tiveram contacto com a teoria e a metodologia
sociológica em fases anteriores da sua formação. Constitui ainda característica dominante dos
cursos de doutoramento europeus na área de Sociologia a existência de uma fase de avaliação
dos projectos e, por conseguinte, da aptidão para a realização da tese de doutoramento, findo
o primeiro ano. Este traço integra esta proposta, sendo ela de extremo relevo para avaliar da
necessidade de encaminhar o aluno para o diploma de estudos pós-graduados, caso se
verifique a ausência de indicadores justificativos da sua continuidade no programa (este traço
é comum à generalidade dos cursos de doutoramento existentes mas podemos verificá-lo
mais especificamente nas universidades espanholas, de que a Universidade Complutense é um
exemplo).
22
22
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
Desta forma, o programa apresentado encontra-se de acordo com as directivas seguidas pelos
cursos ministrados no espaço europeu, no que diz respeito aos requisitos de admissão,
possibilidades de formação para cada candidato, de acordo com as suas preferências e
necessidades dos projectos e centros de investigação.
23
23
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
ANEXOS
24
24
ANEXO 1 – Mapa do corpo docente afecto ao ciclo de estudos
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
25
25
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
26
26
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
27
27
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
ANEXO 2 – Fichas curriculares dos docentes afectos ao ciclo de estudos
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
Albertino José Ribeiro Gonçalves
Instituição
Universidade do Minho
Regime de Tempo
Tempo Integral
Formação Académica
Ano
Grau
Área
Instituição
Classificação
1981
Licenciatura
Sociologia
Univ. René Descartes
- Paris V - Sorbonne
“Trés Bien”
1987
Provas de
Aptidão
Pedagógica e
Capacidade
Científica
Sociologia
Universidade do
Minho
Muito Bom
1994
Doutoramento
Sociologia
Universidade do
Minho
Aprovado, por
unanimidade
Investigação Relevante
Gonçalves, Albertino (1996), Imagens e Clivagens: os residentes face aos emigrantes, Porto,
Afrontamento, 1996
28
28
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
Gonçalves, Albertino (2001), As Asas do Diploma: a inserção profissional dos licenciados pela
Universidade do Minho, Braga, Grupo de Missão para a Qualidade do
Ensino/Aprendizagem.
Gonçalves, Albertino, Viana, Fernanda Leopoldina & Dionísio, Maria de Lourdes (2007), Dar
Vida às Letras: Promoção do Livro e da Leitura, Valença, Comunidade Intermunicipal do
Vale do Minho.
Gonçalves, Albertino (Coord.) (2008), Perspectivas de Desenvolvimento do Município de
Monção, Monção, Município de Monção e Casa Museu de Monção.
Experiência Profissional Relevante
Docente universitário
29
29
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
Alice Maria Delerue Alvim de Matos
Instituição
Universidade do Minho
Regime de Tempo
Tempo Integral
Formação Académica
Ano
1981
1994
Grau
Área
Instituição
Classificação
Licenciatura
Sociologia
ISCTE
Bom com distinção
Demografia
Universidade Católica
de Louvain (Bélgica)
« Grande
Distinção »
Universidade Católica
de Louvain (Bélgica)
(não existe)
Mestrado
(equivalência a
Sociologia da
Família, ICSTE)
2007
Doutoramento
Ciências Sociais
(Demografia)
Investigação Relevante (no máximo mencione 5 publicações ou trabalhos)
Delerue A. (2007), Cohabitation, “intimité à distance” ou isolement familial? Les rapports
familiaux intergénérationnels aux ages élevés dans la société portugaise, thèse présentée en
vue de l’obtention du titre de Docteur en Sciences Sociales (Démographie), UCL, Louvain-laNeuve, 321p.
Delerue A. e Thilgès E. (2005), Santé et sociabilité : les autres formes de capital, in Michel
Loriaux et Dominique Remy (Eds), La retraite au quotidien. Modes de vie, représentations,
espoirs et inquiétudes des personnes âgées. Collection de l’Institut wallon de l’évaluation de la
prospective et de la statistique (IWEPS), Economie, société, région, De Boeck, 2005, 6 :127144.
30
30
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
Delerue A. e Thilgès E. (2005), Des conflits de générations aux solidarités
intergénérationnelles, in Michel Loriaux et Dominique Remy (Eds), La retraite au quotidien.
Modes de vie, représentations, espoirs et inquiétudes des personnes âgées. Collection de
l’Institut wallon de l’évaluation de la prospective et de la statistique (IWEPS), Economie,
société, région, De Boeck, 2005, 6 : 231-253.
Experiência Profissional Relevante (até 5 referências)
Docente Universitária e Investigadora (Universidade do Minho)
Consultora (O.M.S., O.I.T. e Banco Mundial)
Investigadora (Universitat Instelling of Antwerpen – Bélgica)
Subdirectora do Serviço de Estatística e Censos de Macau
31
31
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Ana Maria Simões de Azevedo Brandão
Nome
Universidade do Minho
Instituição
Integral
Regime de Tempo
Formação Académica
Ano
Grau
Área
Instituição
Classificação
1991
Licenciatura
Sociologia
Universidade do
Porto
15 valores
1997
Mestrado
Políticas e Gestão
de Recursos
Humanos
ISCTE
Muito Bom
2008
Doutoramento
Sociologia
Universidade do
Minho
Aprovado por
unanimidade
Investigação Relevante
BRANDÃO, Ana Maria (2007) – Entre a Vida Vivida e a Vida Contada: A história de vida
como material primário de investigação sociológica. Configurações, n.º 3, pp. 83-106
BRANDÃO, Ana Maria, DUARTE, Ana Maria, SILVA, Susana (orgs.) (2004) – Violência
Juvenil: Histórias e percursos/ Juvenile Violence: Stories and paths (bilingual edition).
Porto: Fundação da Juventude.
BRANDÃO, Ana Maria (2000) – Modelos de Gestão dos Recursos Humanos: o caso do
sector segurador em Portugal. Cadernos do Noroeste - Série Sociologia, vol. 13, n.º 1,
32
32
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
pp. 181-200
BRANDÃO, Ana Maria, FERRAZ, Clara, LEMOS, Rute, GOMES, Sandra (1999) –
Formação Profissional de Cariz Tradicional Orientada para Públicos Juvenis: Os casos
da Ourivesaria e da Joalharia. Porto: Fundação da Juventude/ I.E.F.P.
BRANDÃO, Ana Maria, PARENTE, Cristina (1998) – Configurações da função Pessoal.
As especificidades do caso português. Organizações e Trabalho. nº 20, pp. 23 – 40
Experiência Profissional Relevante
Prof. Auxiliar da Universidade do Minho (Departamento de Sociologia) desde Abril de
2008.
Assistente da Universidade do Minho (Departamento de Sociologia) entre Outubro de
1998 e Abril de 2008.
Assistente da Universidade Fernando Pessoa entre Outubro de 1996 e Setembro de
1998.
Assistente Estagiária do Instituto Superior de Serviço Social do Porto, entre Outubro de
1991 e Setembro de 1994.
Formadora e consultora desde 1991.
33
33
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Ana Paula Marques
Nome
Universidade do Minho – Departamento de Sociologia
Instituição
Tempo integral e com exclusividade
Regime de Tempo
Formação Académica
Ano
Grau
Área
Instituição
Classificação
1989
Licenciatura
Sociologia
Faculdade de Letras
da Universidade do
Porto
16 Valores
1996
Mestrado
Sociologia – Área
de Especialização
Sociologia do
Trabalho
ISCTE - Lisboa
Muito Bom
2003
Doutoramento
Sociologia – Área
de Conhecimento
Organizações e
Trabalho
Universidade do
Minho - Braga
Aprovado por
unanimidade
Investigação Relevante
MARQUES, A.P. (2008), Estudo Prospectivo sobre Emprego e Formação na
Administração Local, col. «Estudos CEFA», Coimbra: CEFA (2009).
MARQUES, A. P. (2008), Trajectórias Quebradas. A Vivência do Desemprego de
Longa Duração, Porto, Profedições/ CICS – Universidade do Minho (2009)
34
34
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
MARQUES, A. P. (2006), Entre o Diploma e o Emprego. A inserção profissional de jovens
engenheiros, Porto, Afrontamento, Porto, Editora Afrontamento/ NES.
MOURA, R. MARQUES, A. P. NETO, A. e COELHO, C. (2007), Actores Intermédios da Orgânica
Empresarial. O futuro do emprego, das competências e da formação, Lisboa, Mundiserviços.
MARQUES, A. P., SILVA, M. C. e VEIGA, C. V. (2006), Assimetrias de género e classe. O caso das
Empresas de Barcelos, Barcelos, Kerigma
Experiência Profissional Relevante
Desde 2008 Directora do Mestrado em Políticas Comunitárias e Cooperação Territorial, em cotulela com Universidade de Vigo.
De 2004 a Março 2008 – Directora do departamento de Sociologia da Universidade do Minho
(2008) Co-coordenação do projecto “O Eixo Atlântico: unha Cidade Educadora. Directrices para
o desenvolvemento de actuacións integradas nas políticas educativas municipais da
eurorrexión”, em pareceria com o Prof. Doutor Américo Peres Nunes (UTAD), do Prof. Doutor
José António Caride Gómez (Universidade de Santiago de Compostela) e Maria Belén Caballo
Villar (Universidade de Santiago Compostela).
(2004) Membro da equipa do projecto Políticas Sociais e Cidadania, “Segundos Estudos
Estratégicos do Eixo Atlântico”, coordenado por Xan Bouzada, INTERREG III A – Subprograma
Norte de Portugal – Galiza, Fundo Europeu de Desenvolvimento regional,
www.eixoatlantico.com.
35
35
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
António Joaquim Brito Figueiroa Jardim Costa
Instituição
Universidade do Minho
Regime de Tempo
Integral
Formação Académica
Ano
Grau
Área
Instituição
Classificação
1989
Licenciatura
Sociologia
Universidade de
Évora
15
2005
Doutoramento
Sociologia
Universidade do
Minho
Unanimidade
Investigação Relevante
Sociologia dos Novos Movimentos Eclesiais – focolares, carismáticos e neocatecumenais em
Braga, Porto, Afrontamento, 2006
“Sentido da Vida, Desespero e Transcendência”, Revista Lusófona de Ciências das Religiões,
nº12, 2007
“Secularização e Espaço Público”, Comunicação e Sociedade, vol.11, 2007
“O Deus Individual e o Demónio Colectivo”. Comunicação ao X Congresso Luso-Afro-Brasileiro
de Ciências Sociais”, Fev.2009 (Actas no prelo).
Experiência Profissional Relevante
Docente do Deptº Sociologia do I.C.S. da Universidade do Minho desde Dezembro de 1991,
tendo leccionado 12 unidades curriculares de graduação e pós-graduação, além de diversos
estágios de licenciatura.
36
36
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
Carlos Gil Correia Veloso da Veiga
Instituição
Universidade do Minho
Regime de Tempo
Tempo integral
Formação Académica
Ano
Grau
Área
Instituição
1991
Licenciatura
Sociologia
Universidade de
Évora
1995
Mestrado
Sociologia
Universidade Nova
de Lisboa
2004
Doutoramento
Sociologia
Universidade do
Minho
Classificação
BOM
MUITO BOM
APROVADO POR
UNANIMIDADE
Investigação Relevante
Marques, Ana, Silva, Carlos e Veiga, Carlos (2006), Assimetrias de género e classe. O caso
das Empresas de Barcelos, Kerigma, Braga.
Veiga, Carlos (2006), As regras e as práticas, Cadernos do SNRIPD, nº 20, Edições do
SNRIPD, Lisboa.
Veiga, Carlos, Costa, Belarmino, Reguera, Marcelino (2005), Ensaio sobre um modelo de
intervenção social para a integração socioprofissional de pessoas com deficiência, Sociedade
Tipográfica, Braga.
Veiga, Carlos, Sousa, Jerónimo, Nunes, Natália, Fabela, Sérgio (2004), Contributos para um
modelo de análise dos impactos das intervenções do Fundo Social Europeu no domínio das
37
37
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
pessoas com deficiência em Portugal, Centro de Reabilitação Profissional de Gaia, Vila Nova
de Gaia.
Experiência Profissional Relevante
Docente do Ensino Superior Universitário desde Outubro de 1991
38
38
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
Emília Rodrigues Araújo
Instituição
Universidade do Minho
Regime de Tempo
Integral
Formação Académica
Ano
Grau
Área
Instituição
Classificação
94
licenciatura
sociologia
Uni Minho
16
98
Mestrado
sociologia
Uni Técnica
Aprovado
05
Doutoramento
sociologia
Uni. Minho
Aprovado
Investigação Relevante
ARAÚJO, Emília R. (2005) "Understanding PhD as a phase in time", Time & Society,
Sage, 14(2/3), 191-211.Disponível em:http://hdl.handle.net/1822/4323
ARAÚJO, Emília (2007) "Modos de governação do tempo - a dimensão cultural", in
Emília Araújo, Ana Duarte e Rita Ribeiro (eds) (2007) O Tempo e as Culturas:
Introdução à sociologia do tempo. Lisboa: Colibri: 29-62
ARAÚJO, Emília R. (2007) “Technology, gender and time", Work, gender and
Organization, 15 (5): 472-503
ARAÚJO, Emília R. (2007) “Why Portuguese Students Go Abroad to Do Their PhDs”,
Higher Education in Europe, 32:4, 387 — 397
Experiência Profissional Relevante
Prof. Universitária
Consultora
39
39
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
Helena Cristina Ferreira Machado
Instituição
Universidade do Minho
Regime de Tempo
Tempo Integral
Formação Académica
Ano
1993
1997
2003
Grau
Área
Instituição
Classificação
Licenciatura
Sociologia
Universidade de
Coimbra
17 Valores, Bom
com distinção
Sociologia
Universidade do
Minho
Muito Bom
Sociologia
Universidade do
Minho
Aprovada por
unanimidade
Mestrado
Doutoramento
Investigação Relevante (no máximo mencione 5 publicações ou trabalhos)
Machado, H. (2008), Manual de Sociologia do Crime, Porto: Afrontamento
Machado, H.; Silva, S.; Santos, F. (2008), Justiça Tecnológica: promessas e desafios, Ermesinde:
Ecopy
Machado, H.; Harris, B.; Gálvez, L. (eds.) (2009), Gender and well-being: Historical and
contemporary perspectives, Aldershot, Hampshire, Ashgate Publishing
Machado, H. (2007), Moralizar para identificar – Cenários da investigação
de paternidade, Porto, Afrontamento.
Machado, H. (2008), “Biologising paternity, moralising maternity: The construction of
40
40
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
parenthood in the determination of paternity through the courts in Portugal”, Feminist Legal
Studies, 16(2): 215-36.
Experiência Profissional Relevante (até 5 referências)
Docente Universitária
Bolseira de Pós-Doutoramento da FCT
Bolseira de Doutoramento da FCT
Bolseira de Mestrado da FCT
Bolseira de Investigação da FCT
41
41
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Ivo Domingues
Nome
Universidade do Minho
Instituição
Regime de Tempo
Tempo Integral
Formação Académica
Ano
Grau
1983
licenciatura
2000
doutoramento
Área
Ciências sociais
Sociologia
Instituição
Classificação
Universidade do
Minho
15 valores
Universidade do
Minho
Investigação Relevante
1. Domingues, Ivo (2003) A gestão da qualidade nas organizações industriais:
procedimentos, práticas e paradoxos, Oeiras: Celta Editora;
2. Domingues, Ivo (2006) Organizações, cidadãos e qualidade, Porto: Rés XXI;
3. Domingues, Ivo (2006) O Copianço na universidade: o grau zero da qualidade
Porto: Rés XXI;
Experiência Profissional Relevante
Docência em disciplinas do 1º e 2º ciclos
Consultoria em comunicação organizacional e gestão de sistemas da qualidade
42
42
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
JEAN MARTIN MARIE RABOT
Instituição
UNIVERSIDADE DO MINHO
Regime de Tempo
Tempo integral
Formação Académica
Ano
Grau
Área
Instituição
Classificação
1979
Licenciatura
Sociologia
Université des
Sciences Humaines
de Strasbourg
Equivalência pela
Universidade Nova
de Lisboa em 1984
com 17 valores
1980
DEA
Sociologia
Université des
Sciences Humaines
de Strasbourg
Equivalência pela
Universidade Nova
de Lisboa em 1984
com Muito Bom
2005
Doutoramento
Sociologia
Universidade do
Minho
Aprovado com
Unanimidade
Investigação Relevante
Polythéisme des valeurs et postmodernité, 2009, no prelo nas Edições L’harmattan, Paris.
Experiência Profissional Relevante
Docente Universitário
43
43
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
Joel Augusto Felizes
Instituição
Universidade do Minho
Regime de Tempo
Tempo Integral
Formação Académica
Ano
Grau
Área
Instituição
Classificação
1989
Licenciatura
Sociologia
Universidade do
Porto
16 (de 0 a 20)
1995
Aptidão Pedagógica e
Capacidade Científica
Sociologia
Universidade do
Minho
Muito Bom
2005
Doutoramento
Sociologia
Universidade do
Minho
Aprovado por
unanimidade
Investigação Relevante (no máximo mencione 5 publicações ou trabalhos)
FELIZES, Joel & NEVES, J. Pinheiro (2007), “E-participation in local governments: the case of
Portugal”, in P. Delwit, J.-B. Pilet, H. Reynaert & K. Steyvers (eds.) Towards DIY Politics –
Participatory and Direct Democracy at the Local Level in Europe. Brugge: Ed. Vanden Broele,
pp. 277-295
Felizes, Joel (2006), “Em torno de uma ideia de Europa – do concerto das identidades
nacionais ao desconcerto das múltiplas identidades”; in Manuel Carlos Silva (org.), Nação e
Estado: entre o global e o local. Porto: Afrontamento, pp. 315-327.
COSTA, Manuel da Silva, FELIZES, Joel, NEVES, José Pinheiro (1999), Poder local e integração
europeia - o caso dos municípios do Minho. Braga: Instituto de Ciências Sociais da Universidade
44
44
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
do Minho, 127 pp.
Experiência Profissional Relevante (até 5 referências)
Docente Universitário
45
45
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
José Fernando Pinheiro Neves
Instituição
Universidade do Minho
Regime de Tempo
Tempo integral
Formação Académica
Ano
Grau
Área
Instituição
Classificação
Investigação Relevante
Experiência Profissional Relevante
46
46
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
Manuel Carlos Ferreira da Silva
r
Instituição
Universidade do Minho
Regime de Tempo
Tempo Integral
Formação Académica
Ano
1980
1980
1994
Grau
Área
Instituição
Classificação
Licenciatura
Sociologia
Universidade de
Amesterdão
17
Master
Doutoramento
Sociologia
Ciências Sociais,
Culturais Políticas
Universidade de
Amesterdão
Universidade de
Amesterdão
Equiv UNL
17
(equiv Mestrado
UNL)
Cum laude
(equiv Sociologia
UM:c/distinção e
louvor)
Investigação Relevante (no máximo mencione 5 publicações ou trabalhos)
Silva, M. C. (1998), Resistir e Adaptar-se. Constrangimentos e estratégias camponesas no
noroeste de Portugal, Porto:Afrontamento
Silva, M.C. (1993),”Peasants, Patrons and the State in the North of Portugal” in L. Roniger e A.
Ayata (orgs) Democracy, Clientelism and Civil Society:29-47, Londres:Lynnie Rienner.
Silva, M.C. (2001), “Sociedade e Estado perante as desigualdades sociais: o caso português”, in
47
47
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
B.S. Santos, A.Cohn e A.Camargo (orgs), O Diálogo dos 500 anos: Brasil Portugal. Entre o
passado e o presente:541-597, Rio de Janeiro:EMC Edições
Silva, M.C (2005), “Entre o infraestatal e o supraestatal: o Estado-Nação e a democracia em
perda” in M.C.Silva (org), Nação e Estado, Porto:Afrontamento.
Silva, M.C., M.Ribeiro, J.Schouten, F.Bessa e O.Sacramento (2007), Vidas na raia. Prostituição
feminina em regiões de fronteira, Porto:Afrontamento.
Experiência Profissional Relevante (até 5 referências)
Docente Universitário
Investigador
Docente do Ensino Secundário
Assistente social e animador cultural em associações de refugiados e emigrantes
48
48
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
Maria Engrácia Leandro
Instituição
Universidade do Minho
Regime de Tempo
Tempo Integral
Formação Académica
Ano
1990
1994
2004
Grau
Área
Instituição
Classificação
Licenciatura
Sociologia
Universidade René
Descartes, Sorbonne
Paris V
Très Bien
Sociologia
Universidade René
Descartes, Sorbonne
Paris V
Très Bien
Sociologia
Universidade René
Descartes, Sorbonne
Paris
Três Honorable
Mestrado
Doutoramento
Investigação Relevante (no máximo mencione 5 publicações ou trabalhos)
LEANDRO, Maria Engrácia (1995), Au-delà des apparences. L’insertion sociale des portugais
dans l’agglomération parisienne, Paris, Harmattan.
LEANDRO, Maria Engrácia (2001), Sociologia da família nas sociedades contemporâneas,
Lisboa, Universidade Aberta.
LEANDRO, Maria Engrácia, LOBO, Maria Marta, (2001),COSTA, Manuel (orgs). (2002) Saúde. As
teias da discriminação social, Braga, ICS.
49
49
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
LEANDRO, Maria Engrácia e CARDOSO, Daniela (2005), Sociologia do voluntariado, Braga, ICS.
Experiência Profissional Relevante (até 5 referências)
Docente Universitário
Numa perspectiva interdisciplinar, destaco:
-Leccionação de Teorias sociológicas em outras áreas do saber, como as Engenharias, Gestão
de empresas, Administração Pública e Teologia assim como sociologia da família na escola de
Ciências da saúde;
- Poder formar para a investigação alunos do 4º ano de Sociologia, através de um seminário
que teve lugar entre 1992-2000;
- Sendo Directora do Curso de Sociologia das Organizações, entre 1994-1996, implementar
novas dinâmicas com os alunos, visando sobretudo a implementação dos estágios curriculares;
- Integrar a Comissão de reestruturação do Curso de Sociologia das Organizações que se veio a
tornar num licenciatura em Sociologia, com duas vertentes de especialização: sociologia das
organizações e políticas sociais, sendo de destacar a proposição de várias unidades curriculares
e respectivos programas (sociologia da família, do crime, da saúde, das migrações, da
educação, da exclusão social…) na segunda daquelas vertentes;
- Integrar desde 1997 a 2007 a Comissão da criação do Mestrado em Sociologia na
Universidade do Minho, com quatro áreas de especialização, tendo sido proponente de duas:
Família e solidariedades sociais e Saúde, de que veio a ser a respectiva Directora;
-A orientação de trabalhos académicos, na medida em que permite caminhar com os
formandos em termos de investigação;
- De uma forma geral o gosto pela docência e a boa relação que sempre existiu entre mim e os
alunos, visando um processo de aprendizagem e reaprendizagem recíproca.
50
50
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
Maria Paula de Vilhena Mascarenhas
Instituição
Universidade do Minho
Regime de Tempo
Tempo integral
Formação Académica
Ano
Grau
Área
Instituição
Classificação
Investigação Relevante
Experiência Profissional Relevante
51
51
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
Rita Maria Gonçalves Ribeiro
Instituição
Universidade do Minho
Regime de Tempo
Tempo integral
Formação Académica
Ano
Grau
Área
Instituição
Classificação
2008
Doutoramento
Sociologia
Universidade do
Minho
Aprovada
2000
Mestrado
Antropologia
Universidade do
Minho
Muito Bom
1995
Licenciatura
Sociologia das
Organizações
Universidade do
Minho
16 valores
Investigação Relevante
2008, A Europa na Identidade Nacional, Tese de Doutoramento; Braga: Universidade do Minho
2004, "A nação na Europa – breve discussão sobre identidade nacional, nacionalismo e
supranacionalismo", Sociedade e Cultura 6, Cadernos do Noroeste, Série Sociologia, vol. 22 (12): 85-96
2001, As Lições dos Aprendizes. As Praxes Académicas na Universidade do Minho, Braga:
GMQEA
Experiência Profissional Relevante
Docência universitária (Professora Auxiliar, Instituto de Ciências Sociais, Universidade do
Minho)
52
52
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
FICHA CURRICULAR DE DOCENTE
Dados Pessoais
Nome
Teresa Maria de Sousa Araújo Pereira Mora
Instituição
Universidade do Minho
Regime de Tempo
Tempo integral
Formação Académica
Ano
1989
2006
Grau
Licenciatura
Doutoramento
Área
Instituição
Classificação
Sociologia
ISCTE
16 valores
Sociologia
Universidade do
Minho
Aprovada por
unanimidade
Investigação Relevante
MORA, Teresa (2009), Viagem, Utopia e Insularidade, Narrativas fundadoras da ciência e da
sociedade Moderna, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação para a Ciência e
Tecnologia (livro no prelo)
MORA, Teresa, “Le langage spatial de la raison utopique chez René Descartes et Francis
Bacon”, in Géographie imaginariae: dresser le cadastre des mondes inconnus dans la fiction
narrative de l’Ancien Régime, XXII Colloque International de la SATOR, Université York,
Toronto, octobre, 2008, Quebec, Presses de l’Université Laval, (artigo aceite para publicação)
MORA, Teresa, “Viaje, utopía y insularidad en el Discurso del método de Descartes”, in
Filosofia y viajes, Actas de las XVI Jornadas de Filosofia, Faculdad de Filosofia y Letras,
Universidad de Valladolid, Valladolid, outubro, 2007, Editorial Olañeta (artigo seleccionado por
concurso para publicação)
53
53
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
Experiência Profissional Relevante
Docente na Universidade do Minho, desde Outubro de 1990
Investigadora no CICS- Centro de Investigação em Ciências Sociais – do Instituto de Ciências
Sociais da Universidade do Minho
1985-86 - Bolseira da JNICT
1982-83 - Tarefeira do Gabinete de Investigação Social (GIS- Lisboa)
54
54
Carlos Veiga
Emília Araújo
Manuel Carlos Silva
Instituições parceiras:
Universidade do Minho e
Universidade de Salamanca,
Instituto to Instituto de
Estudos Superiores de Fafe
SOCIUS, DINAMIA E CISEP
Instituições parceiras: ICS-UL,
CII- ISCTE, CIIE-UP, CETRADUTAD.
Universidade do Minho
Sociedade Martins Sarmento
“Os jovens estudantes e a deficiência: atitudes e
representações"
“Mobiscience – Trajectories of Portuguese researchers”
“Desigualdades de género no trabalho e na vida privada:
das leis às práticas”
“Formas do imaginário na comunicação multimédia: o
barroco, o trágico e o grotesco”
“Festas As Nicolinas em Guimarães”
Albertino Gonçalves
Albertino Gonçalves; JeanMartin Rabot; José Neves;
Emília Rodrigues Araújo, Ana
Paula Marques, Ana Maria
Brandão
SOCIUS (ISEG) – UTL
“Mestrados em Portugal: modelos sócio-culturais de
persistência entre homens e mulheres”
(PIHM/SOC/63481/2005).
-
-
FCT
FCT
FCT e IESE
FCT
FCT
Engrácia Leandro, Ana Paula
Marques, Carlos Veiga, José
Machado, Victor Rodrigues
Universidade Minho,
Universidade Évora, UTAD
“O contributo (in)visível. Gestão familiar dos cuidados de
saúde” (POCTI/SOC/59282/2004).
Fonte de
financiamento
Instituições envolvidas
Projectos em curso
Investigadores/
docentes do ciclo
envolvidos
-
Início em
2008
2007 a 2010
2007 a 2010
2007 a 2010
2007 a 2008
2005 a 2008
Período de
realização
ANEXO 3 - Projectos de Investigação de docentes e investigadores afectos ao ciclo (projectos em curso)
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
55
55
Helena Machado
Emília Araújo
Albertino Gonçalves, José
Pinheiro Neves, Jean Rabot.
Engrácia Leandro, Victor
Rodrigues
Universidade do Minho
Universidade do Minho
Universidad Rey Juan Carlos,
DINAMIA, SOCIUS
Universidade do Minho
Universidade do Minho
Universidade do Minho Université
Luxembourg
CES, Universidade de Durham,
Universidade de Cornell
“Justiça, media e cidadania”
“Euro-CV: Building indicators for researchers’ mobility
based on electronic Curriculum Vitae”
“As relações intergeracionais avós-netos: socialização,
discursos e interdependências”
«Tekné. As figurações do Humano nas Utopias
Tecnológicas», da linha de investigação do CECS
«Linguagem e Interacção Social»
“Vivre – Living Tomorrow in Luxembourg”
“Bases de dados genéticos com propósitos forenses, em
Portugal: percursos, actores e discursos”
Helena Machado
Alice Matos
Albertino Gonçalves
Universidade do Minho
“Os Postais Ilustrados. Para uma socio-semiótica da
imagem e do Imaginário”
Investigadores/ docentes do
ciclo envolvidos
Instituições envolvidas
Projectos em curso
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
FCT
Comissão
Europeia
Sem
financiamento
Sem
financiamento
PRIME
FCT
FCT
Fonte de
financiamento
2007 a 2010
2007 a 2010
Início em
2003
2007 a 2008
2008
2007 a 2010
Início em
2007
Período de
realização
56
56
Alice Delerue A. Matos
Alice Delerue A. Matos;
Universidade do Minho e University of
Howard (EUA)
University of Howard (EUA) e
Universidade do Minho
“As relações intergeracionais avós-netos”
“Physician Assisted Suicide”
“A comunicação organizacional numa perspectiva
construtivista”
Engrácia Leandro; Alice
Câmara Municipal da Trofa e Universidade
Matos, José Machado, Victor
do Minho
Rodrigues;
Manuel da Silva e Costa, Ivo
Universidade do Minho (CICS)
Domingues, José Pinheiro
Neves
Albertino Gonçalves
Hospital de Sto António; Fundação Ensino
e Cultura Fernando Pessoa; Universidade
do Minho; Universidade Católica
Portuguesa – Escola Superior de
Biotecnologia.
“ Contribution to the study of the influence of lifestyle
and Helicobacter Pylori in cancer development and
treatment outcomes: a study centred in stomach and
colorectal cancer”
“Observatório da Família”
Investigadores/ docentes
do ciclo envolvidos
Instituições envolvidas
Projectos em curso
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
Início: 2007
2008 a 2011
FCT, Fundação
Calouste
Gulbenkian
2007 a 2009
2007 a 2009
Início: 2008
Período de
realização
-
-
-
-
Fonte de
financiamento
57
57
“O lugar da Sociologia. Do mundo académico ao
mercado de trabalho”
“Melhorar o Sector Social: estruturação da
mudança”
“Impacto das transformações do ensino superior na
(re)configuração das relações entre grupos de
trabalho”
Base de dados de perfis de ADN com propósitos
forenses em Portugal - questões actuais de âmbito
“A pobreza urbana e os seus protagonistas”
“Saberes. Autonomias e reflexividade no trabalho
profissional no terceiro sector”
“Antecipando futuros: nanotecnologia, cultura e
sociedade”
“Desempenho organizacional, integração
profissional e qualidade de vida”
Instituição Proponente
Instituição Participante
Instituição Participante
Instituição Proponente
Instituição Proponente
Instituição Proponente
Instituição Proponente
Instituição Proponente
Instituição Participante.
Instituição Proponente
"Image-Screen: Production and Reception of the
New Media"
“Jovens com iniciativa”
Instituição Proponente
Instituição Proponente
Participação da
Universidade do Minho
“O caso das lésbicas portuguesas no contexto das
políticas para a igualdade”
“Mães e pais depois da “verdade biológica”? Género,
desigualdades e papéis parentais nos casos de
investigação da paternidade"
Projectos submetidos
Helena Machado
Ana Paula Marques
Ivo Domingues
Carlos Veiga
Carlos Veiga
Carlos Veiga
Emília Araújo
Ana Paula Marques
Ana Paula Marques
José Neves
Ana Maria Brandão
Helena Machado, Alice Maria
Delerue Matos, Susana Silva,
Investigadores/ docentes do
ciclo envolvidos
FCT
FCT
FCT
FCT
FCT
FCT
FCT
FCT
FCT
FCT
FCT
FCT
Fonte de
financiamento
ANEXO 4 – Projectos de Investigação de docentes e investigadores afectos ao ciclo (projectos submetidos)
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
2009 a 2011
-
Período de
realização
58
58
ético, prático e político
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
59
59
Albertino Gonçalves, Ivo
Domingues, José Cunha
Machado, Victor Rodrigues
Ana Paula Marques
Ana Paula Marques
Ana Paula Marques, Rita
Moreira
Ana Paula Marques
Município de Monção e Casa Museu
de Monção da Universidade do
Minho
Desincoop e Universidade do Minho
CEFA e Universidade do Minho
UTAD, Universidade de Santiago de
Compostela e Universidade de
Santiago Compostela e Universidade
do Minho
Universidade do Minho
Universidade do Porto, APSIOT,
AIMINHO, TECMINHO e IEFP
MundiServiços – Companhia
Portuguesa de Serviços e Gestão,
Universidade Autónoma de Lisboa,
Universidade do Minho
Universidade do Minho
Universidade do Minho, FLUP
“Perspectivas de Desenvolvimento do Município de
Monção”
“COMPETES, Estudo Prospectivo - Estratégico das
Competências e Mais Valias no Terceiro Sector”
“Estudo Prospectivo sobre Emprego e Formação na
Administração Local”
“O Eixo Atlântico: unha Cidade Educadora. Directrices
para o desenvolvemento de actuacións integradas nas
políticas educativas municipais da eurorrexión”
“Meintegra- Mercados e Estratégias de Inserção dos
Jovens Licenciados” (000029/2006/4221).
“Actores Intermédios da Orgânica Empresarial – o
Futuro do Emprego, das Competências e da Formação”
“Organizações, Flexibilidade e Precariedade nas
Sociedades modernas”
"A Região Norte de Portugal: dinâmicas de mudança
social e recentes processos de desenvolvimento"
Susana Silva
Manuel da Silva e Costa
Alice Matos e Manuel Carlos
Silva
Investigadores/ docentes do
ciclo envolvidos
Instituições envolvidas
Projectos concluídos em 2008
FCT
-
POEFDS
POEFDS
-
POEFDS
-
DST – Domingos
da Silva Teixeira,
SA.
Fonte de
financiamento
ANEXO 5 – Projectos de Investigação de docentes e investigadores afectos ao ciclo (projectos concluídos em 2008)
Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR
2005 a 2008
2006 a 2008
2006 a 2008
2006 a 2007
2008
2007/2008
2006 a 2008
2006 a 2008
Período de
realização
60
60
ANEXO 6 – Indicadores de produtividade dos membros do departamento de Sociologia,
ano 2008
Publicações
Livros/
Capítulos de livros
Artigos em revistas
internacionais
Artigos em revistas
nacionais
publicadas
Prelo
Efectivadas
Prelo
Efectivadas
Prelo
3
1
1
2
4
1
1
2
3
1
3
2
23
1
2
2
4
3
4
2
4
1
23
1
1
3
1
1
2
3
12
2
1
1
2
2
2
8
1
1
1
1
4
1
3
1
2
1
6
Actas
Relatórios
Outras
2
1
3
4
1
1
2
14
3
1
3
1
7
1
1
1
3
32
ANEXO 7 – Indicadores de produtividade dos membros do departamento de Sociologia,
ano 2008
A) Teses concluídas
Investigador
Título
Conclusão
Cristina Maria Soares da Silva
Saúde e envelhecimento. A “auto-gestão” da saúde no
ocaso da vida
2004
Maria Paula Vilas Boas Miranda
Amarras do mundo rural. Implicações do isolamento
social na saúde e nos projectos dos jovens
2004
Marta Luísa dos Santos Mendes
Mudanças familiares ao ritmo da doença. As
implicações da doença crónica ao nível da família e do
centro da saúde
2004
Dina de Jesus Peixoto de Carvalho
Cuidar e Prevenir. A Gestão Familiar em Torno dos
Saberes Relativos à Saúde e a Doença
2004
Virgínia Barroso Henriques
Hemodiálise no feminino. Efeitos de um tratamento
sobre a maternidade
2004
Joaquim Manuel Campo
Migrantes, associativismo e estratégias de poder
2003
Manuela Costa Bessa Leite
Representações sociais da família e dos alunos em
relação à prática do desporto escolar
2005
Alberto Nídio Silva
Contextos e Pretextos para Novos Espaços
2003
Maria do Céu Osório
Programas de educação ambiental no Parque da
Peneda-Gerês
2003
Maria das Dores Oliveira Rafael
Consumidores de palmo e meio. A criança e a família
perante o consumo
2003
Maria Emília Firmino Redondeiro
O quotidiano hospitalar da criança. Respostas às
necessidades e direitos da criança hospitalizada
2004
Maria Rute Venturini Ramos
A Influência dos Acidentes de Vida da Infância na
Percepção do Stress da Adultez
2005
Maria Cândida Silva
A ética na educação escolar
2005
Judite Maria Pregueiro
O tecer dos sonhos: sociedade e imaginários das
crianças
2005
Higiene e Segurança do trabalho e seus impactos na
gestão dos recursos humanos: o caso das empresas de
construção civil
2005
Vera Mónica Silva Duarte
Traços e perfis de cultura: estudo da cultura
organizacional da Polícia de Segurança Pública
2005
Maria de Fátima Vieira Martins
Condições e Trajectórias de Empregabilidade Juvenil
em Contexto de Abandono Escolar
2006
Alfredo Pereira
Gestão da qualidade nas organizações de hotelaria
2006
Helena Isabel Lima Carvalho
33
Imigrantes: uma nova face da sociedade portuguesa.
Um estudo de caso no Concelho de Barcelos
Bernadete Esteves Meleiro
Prostitution in Border Regions
Octávio do Rio Sacramento
2005
A Prostituição Transfronteiriça
José da Costa Calçada
2004
2006
Ana Paula Soares Marques
Turismo, saúde e termalismo sénior: a produção de
imagens dos destinos termais e práticas sociais
O turismo rural no concelho de Guimarães
Zélia Maria Maia Fernandes Costa
A solidariedade intergeracional avós-netos
2005
2005
B) Número participações em júris de provas e concursos académicos em 2008,
excluindo júris de estágios/seminários de licenciatura.
Tipo
Internacionais
Convite
Iniciativa própria
Nacionais
Convite
Iniciativa própria
2
-
6
-
-
-
3
-
-
-
1
-
-
-
-
2
1
-
4
2
-
-
-
-
3
2
3
1
1
4
4
3
3
3
4
2
1
2
3
4
8
-
3
1
-
1
1
1
-
2
-
1
2
-
-
1
3
1
-
2
-
1
1
-
4
3
6
4
2
-
1
-
-
-
-
1
2
-
3
3
-
-
-
1
-
1
-
-
-
2
4
-
31
22
47
29
34
ANEXO 8 - Recursos laboratoriais existentes
Sala
EII 03
EII 04
Tipo
Características
Equipamento
N
Computador
Pentium D a 2.8GHz com 2GB de
RAM e 160GB de disco
Windows XP SP3, MSOffice 2007,
Trend Micro OfficeScan, SPSS e NetOP
School
22
Monitor
LG Flatron L1919S
22
Impressora
HP LaserJet 2100
1
Servidor
Pentium R a 3.2GHz com 1GB de
RAM e 300GB de disco
Projector multimédia
Hitachi CP-S240
Computador
Pentium D a 2.8GHz com 2GB de
RAM e 360GB de disco
Windows XP SP3, MSOffice 2007,
Trend Micro OfficeScan, SPSS e
TeleForm
1
Computador
Pentium D a 2.8GHz com 2GB de
RAM e 360GB de disco
Windows XP SP3, MSOffice 2007,
Trend Micro OfficeScan e SPSS
2
Computador
Pentium 2Duo a 2.66GHz com 2GB
de RAM e 500GB de disco
Windows XP SP3, MSOffice 2007,
Trend Micro OfficeScan e SPSS
10
Portátil
Pentium M a 1.73GHz com 504GB
de RAM e 50GB de disco
Windows XP SP3, MSOffice 2007,
Trend Micro OfficeScan e SPSS
1
Impressora
HP LaserJet 1022n
1
Impressora
Samsung Color Laser 500
1
Impressora
HPLaserJet 4250n
1
Monitor
Samsung SyncMaster 920N
8
Monitor
Samsung SyncMaster 930N
4
Monitor
LG Flatron L1919S
2
Windows Server 2003 SP2
1
1
Scanner
HP Scanjet N7710
1
TeleForm
Fujitsu fi-5750C
1
Projector multimédia
Sony VPL-EX1
1
35
ANEXO 9 - Publicações dos docentes/ investigadores do Departamento de Sociologia,
2008
Livros/ capítulos de livros
ALMEIDA, A.M.T, CAURCEL, M.J. & MACHADO, J.C. (2008). Towards a Relational Perspective of Peer Bullying. In
Pepler, D. & Craig, W. (Ed.) Understanding and Addressing Bullying: An International Perspective, PREVNet
Series, Volume 1, pp. 4-25. AuthorHouse, Bloomington – Indiana. (ISBN: 978-1-4343-8866-7)
ARAÚJO, E. (2008), “Bolseiros em Portugal: breves retratos”. [Be a fellowship in Portugal: an uncertain
experience] Porto: Ecopy (forthcoming)
ARAÚJO, E.; COSTA, J. e TORINI, D. (2008) “Introdução à Sociologia das Classes e Estratificação social”
[Introduction to class and stratification sociology]. Porto: Ecopy (forthcoming)
ARAÚJO, E.; DUARTE, A.M. & RIBEIRO, R. (Orgs.) (2008), "O Tempo, as Culturas e as Instituições. Para uma
Abordagem Sociológica do Tempo", Lisboa, Edições Colibri.
COSTA, M. S. & NEVES, J. P. (Org.), Contribuições para uma Sociologia da Técnica, Porto, Edições Ecopy, 2008 (no
prelo)
COSTA, M. S., (2008), “Le Sport e la Hyper compétition”, in Alice T.,Carreira T., Costa, António Sociologie du Sport:
Pratiques-Mythes- Education, Lisboa, Ed. Minerva.
COSTA, M. S., “O Desemprego e a Precariedade do Trabalho: a falência do nosso modelo de sociedade”, Prefácio do
livro: Neves J P., Ribeiro M., Afonso M.J., Vivências de desemprego: perfis e estratégias de mulheres
desempregadas do Concelho de Guimarães, (no prelo).
DELERUE, A.,"A velhice em contexto de pobreza: isolamento ou integração familiar e social?" In Engrácia Leandro
(org.), Laços Familiares e Sociais, PsicoSoma (aceite para publicação).
DOMINGUES, I. & C. RIBAS, “Inovação na gestão industrial”, in Intervenção organizacional e gestão de recursos
humanos, Edições Ecopy, no prelo;
DOMINGUES, I. & NEVES, J. (org), “Para uma melhoria da gestão da qualidade e dos recursos humanos:
contributos da sociologia”, Edições Ecopy, no prelo;
DOMINGUES, I., “Gestão de RH em tempos e mudança”, in Intervenção organizacional e gestão de recursos
humanos, Edições Ecopy, no prelo;
FELIZES, J. (2008), “Que poderes para as regiões e para os locais?”, in A. Torres e L. Baptista (orgs.), Sociedades
Contemporâneas – Reflexividade e Acção, Porto, Afrontamento, pp. 345-353.
GONÇALVES, A. (Coord.) (2008), "Perspectivas de Desenvolvimento do Município de Monção", Monção, Município
de Monção e Casa Museu de Monção.
GONÇALVES, A. (2008), “Indústria: Um sector em crescimento”, in Gonçalves, Albertino (Coord.), Perspectivas de
Desenvolvimento do Município de Monção, Monção, Município de Monção e Casa Museu de Monção, pp. 133140.
36
GONÇALVES, A.; ESCADAS, M. & RODRIGUES, V. (2008), “ As empresas do comércio e da indústria: Resultados
de um inquérito”, in Gonçalves, Albertino (Coord.), Perspectivas de Desenvolvimento do Município de
Monção, Monção, Município de Monção e Casa Museu de Monção, pp. 33-72.
NEVES, J. P.; PAIXÃO A. & GONÇALVES, C., “A avaliação da satisfação dos trabalhadores e a gestão dos recursos
humanos numa empresa industrial”, in Ivo Domingues e José Pinheiro Neves (Org.), Para uma melhoria
da gestão da qualidade e dos recursos humanos: contributos da sociologia, Porto, Edições Ecopy, (no
prelo).
RIBEIRO, R. (2008), “A Europa na Identidade Nacional”, Tese de Doutoramento apresentada na Universidade
do Minho (no prelo).
RODRIGUES, V. (2008) “Monção: Agricultura e recursos naturais” in Gonçalves (coord.), Perspectivas de
desenvolvimento do Município de Monção, Município de Monção e Casa Museu de Monção, pp. 141-146.
SARMENTO, J. M.; MARQUES, A. P.& FERREIRA, F. I. (2008) "Administração Local. Políticas e Práticas de
Formação, Coimbra, CEFA/ Universidade do Minho (no prelo).
SILVA, M. C. & CARDOSO, A., “O rural-urbano na egião minhota: (des)continuidades, assimetrias e
dependências” in P.Pereira (org) A região do Minho, Braga: Universidade do Minho (no prelo).
SILVA, M. C., “Desigualdade, pobreza e exclusão social: conceitos polissémicos” in A.Monteiro e F.Bessa (orgs),
Redes Sociais:experiências, políticas e perspectivas, Porto: Campo de Letras, pp. 121-144.
SILVA, M. C., “Desigualdade, pobreza e exclusão social: o caso português”, Painel “Desigualdades Sociais em
Portugal: recursos e recompensas”, in V Congresso Português de Sociologia: “Sociedades
contemporâneas: reflexividade e acção”, Braga: APS e Universidade do Minho.
SILVA, M. C., “Religiosidade, Igreja e poder: configurações de duas aldeias minhotas” in P.Pereira (org) A
região do Minho, Braga: Universidade do Minho (no prelo).
SILVA, M. C., “Peasants, brokers and the state: competition and dividends in familist local politics in two
villages in the Northwest of Portugal” in G.Fertig (org) Social Networks and Institutional Change:
pathways and limits of State Intervention in rural societies, Munster (Alemanha).
SILVA, S. & VELOSO, L. (2008), “Os usos sociais das tecnologias reprodutivas: um debate urgente”, em
Representações jurídicas das tecnologias reprodutivas: contributos para uma reflexão, Porto, Editora UP.
SILVA, S. & VELOSO, L. (orgs.) (2008), “Representações jurídicas das tecnologias reprodutivas: contributos
para uma reflexão”, Porto, Editora UP.
SILVA, S. (2008), “As recentes metamorfoses da saúde na Região Norte”, em Carlos Manuel Gonçalves (org.), A
Região Norte de Portugal: mudanças e continuidades na contemporaneidade, Porto, Instituto de
Sociologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto: 1-36 (publicação em CD-ROM).
SILVA, S. (2008), “Direito, genética e família: o caso da doação de gâmetas em Portugal”, em Representações
jurídicas das tecnologias reprodutivas: contributos para uma reflexão, Porto, Editora UP (no prelo, aceite
para publicação em Outubro de 2008).
VEIGA, C. & CORREIA, I. (2008), “Os alunos e a Matemática. O caso das escolas básicas do Concelho de Fafe”,
IESF, Fafe.
VEIGA, C. (2008), “Cultura, participação e práticas transformadoras num mundo global. O caso das
organizações de reabilitação profissional”, in Virgínia Linares e António Lucas Organizaciones
Iberoamericanas Ante Los Retos De La Globalización Y La Multiculralidad., AISO, Madrid, pp. 259-273.
37
Artigos em revistas nacionais
ARAÚJO, E. & GOUVEIA, R. (2008)"Histórias de vida e estudo das descontinuidades temporais", Configurações 3,
Universidade do Minho, CICS (forthcoming).
BARBOSA F. e DELERUE A., “Cuidadores Familiares Idosos: Uma Nova Realidade”, Um Novo Desafio, Configurações –
Revista de Sociologia nº 4 (no prelo)
BRANDÃO, A. M. (2008) (no prelo), “Entre a vida vivida e a vida contada: A história de vida como material primário de
investigação sociológica”, Configurações, n.º 3.
DELERUE A.; EMÍLIO A.; FERNANDES F.; LIMA M. & SAMPAIO,S., “A socialização em contexto de violência de género”,
Configurações – Revista de Sociologia nº 4 (no prelo)
DUARTE, A. M. (2008), “Trabalho, Flexibilidade e Precariedade no Contexto Europeu: Precisões Analíticas e
Evidências Empíricas”, in Cadernos de Ciências Sociais, nº 25/26, pp. 7-54.
GOMES A. e DELERUE A., “Contextos familiares de crianças em situação de risco”, Configurações – Revista de Sociologia
nº 4 (no prelo).
GONÇALVES, A. (2008), “Memórias do contrabando no concelho de Melgaço”, Boletim Cultural de Melgaço, 2008, pp.
33-40.
MACHADO, H. & SANTOS, F. “Crime, drama e entretenimento. O caso Maddie e a meta-justiça popular na imprensa
portuguesa”, Oficina do CES, 310: 32p.
MACHADO, H., “Construtores da bio(in)segurança: O papel dos políticos, peritos, polícias e voluntários na base de
dados de perfis de ADN com propósitos forenses”, Etnográfica, (no prelo, publicação em 2009).
MARQUES, A. P. (2008), “Empregabilidade permanente?”, ops! Revista de Opinião Socialista, nº 1, Julho, pp. 12-13.
MOURA, R. MARQUES, A. P. NETO, A. e COELHO, V., “O futuro do emprego, das competências e da formação dos actores
intermédios da orgânica empresarial”, in Anais de Sociologia da Universidade Autónoma de Lisboa, Lisboa (no
prelo)
SILVA, M. C. (2008), “Maio de 68: relevância e limites do ‘volcão’ estudantil”, in SIM, Revista do Minho, Braga, pp. 1213.
SILVA, M. C., “Desigualdade e exclusão social: de breve revisitação a uma síntese proteórica” in Configurações, 5 (no
prelo).
38
Artigos em revistas internacionais
ARAÚJO, E. (2008) “Technology, gender and time”, Work, gender and Organization, Vol. 15 No. 5 September 2008: 472503.
DOMINGUES, I. (2008) “Desenvolvimento organizacional em parceria no sector social”, in Política & Sociedade, Santa
Catarina: Universidade Federal de Santa Catarina (no prelo).
MACHADO H. & SILVA, S., “A compreensão jurídica, médica e “leiga” do embrião em Portugal: um alinhamento com a
biologia?” Interface (no prelo).
MACHADO, H. & SILVA, S. (2008), “A Portuguese perspective – Forum on the Nuffield report ‘The forensic use of
bioinformation: Ethical issues’”, Biosocieties, 3(1): 99-101.
MACHADO, H. & SILVA, S. (2008), “The diagnosis of infertility: Patients’ classification processes and feelings”, Medical
Sociology Online, 3(1): 4-14.
MACHADO, H. & SILVA, S., “Trust, morality and altruism in the donation of biological material – the case of Portugal,
New Genetics and Society (no prelo, aceite para publicação em Outubro de 2008).
MACHADO, H. (2008), “Biologising paternity, moralising maternity: The construction of parenthood in the
determination of paternity through the courts in Portugal”, Feminist Legal Studies, 16(2): 215-36.
MARQUES, A. P. (2008), “The Way out of ht labyrinth: from the Project to the construction of Professional insertion, in
Enrique BANUS (ed.), Cultura Europea, Pamplona: Universidade de Navarra.
NEVES, J. P. (2008) “A experiência perceptiva e os ecrãs: novas perspectivas de investigação” in Logos. Comunicação &
Universidade, ano 15 nº 29, pp.86-94.
PEREIRA, M.G., BERG-CROSS, L., ALMEIDA, P., MACHADO, J.C. (2008), “Impact of family environment and support on
adherence, metabolic control, and quality of life in adolescents with diabetes”, International Journal of
Behavioral Medicine, nº 15, vol. 3, pp. 187-193. (ISSN: 1070-5503 print / 1532-7558 online)
RABOT, J-M. (2008), “O Estado-nação perante o multiculuralismo: reflexões e propostas”, in Linares Rodrígues,
Virginia e Lucas Marín Antonio (ed.), Organizaciones iberoamericanas ante los retos de la globalización y la
multiculturalidad, Madrid, Edicíon AISO (Asociacíon Iberoamericana de Sociología de las Organizaciones), pp.
275-292.
SILVA, M. C. (2008), “(Des)igualdades de género: un esbozo por un mapa proteórico” in Cuadernos de Género, nº3.
SILVA, M. C. (2008), “Acção colectiva: condições, oportunidades e limites. Um estudo de caso sobre um assentamento
do MST” in Revista de Ciências Sociais, volume 39, 1:27-37, Universidade do Ceará: Fortaleza.
SILVA, M. C., “Desigualdad y exclusión social: de breve revisitación a una síntesis proteórica” in Revista de
Investigaciones Políticas y Sociológicas (no prelo).
39

Documentos relacionados