Doenças da Coluna - Médicos de Portugal

Сomentários

Transcrição

Doenças da Coluna - Médicos de Portugal
Dossier informativo
Doenças da Coluna
2008
Índice
1. Como funciona a coluna vertebral?
Pág. 3
2. O que provoca dores na coluna?
Pág. 4
3. Incidência em Portugal e no Mundo
Pág. 4
4. Principais doenças da coluna
4.1
Escoliose
Pág. 5
4.2
Hérnia discal
Pág. 6
4.3
Doença discal degenerativa
Pág. 6
4.4
Espondilartrose
Pág. 7
5. Diagnóstico das doenças da coluna
Pág. 7
6. Fracturas da coluna
Pág. 8
7. A importância do tratamento cirúrgico
7.1 Cirurgia Tradicional
Pág. 8
7.2 Cirurgia minimamente invasiva da coluna
Pág. 9
7.3 Dispositivos médicos para tratar as doenças da coluna
Pág. 9
8. Glossário
Pág. 10
9. Contactos úteis
Pág. 11
2
1. Como funciona a coluna vertebral?
A coluna vertebral é composta por trinta e três pequenos ossos ou vértebras que sustentam o
corpo, permitindo o movimento e protegendo a medula.
Entre cada duas vértebras típicas existe um disco intervertebral, que ajuda a absorver as pressões
e impede o atrito entre as vértebras. Para além de servirem de amortecedores, estes discos
garantem a flexibilidade da coluna vertebral.
A coluna também protege a medula, que é constituída por fibras nervosas
que ligam o cérebro com o resto do seu corpo. Trinta e três pares de raízes
nervosas saem da medula, por ambos os lados, através de espaços
existentes entre as vértebras.
A coluna vertebral possui três segmentos principais: o cervical (pescoço), o
torácico (tórax) e o lombar (cintura).
A coluna cervical é a parte superior da coluna e é formada por sete
vértebras. As duas primeiras vértebras cervicais (atlas e áxis), diferem
totalmente
das
outras
porque
são
destinadas
especificamente
para
executarem os movimentos de rotação.
A coluna torácica constitui a parte média da coluna e é formada por doze
vértebras. Estas vértebras estão conectadas com as costelas e formam a parte posterior do tórax.
A parte mais baixa da coluna chama-se coluna lombar e é constituída por cinco vértebras.
O sacro é um osso grande e triangular que se encontra localizado na base da coluna vertebral e
articula-se com o osso da cauda da coluna ou cóccix.
Coluna cervical
Coluna torácica
Coluna lombar
3
2. O que provoca dores na coluna?
Com a idade, o esforço ou movimentos incorrectos, a estrutura dos discos altera-se desidratandose e modificando a sua flexibilidade. Consequentemente, as vértebras aproximam-se, o que pode
resultar no estreitamento dos orifícios de saída das raízes nervosas na coluna e os discos
diminuem a sua capacidade de absorção podendo rasgar-se internamente.
Desgaste, uma postura errada e movimentos do corpo incorrectos podem causar, igualmente, o
enfraquecimento do disco e consequentemente provocar dores na coluna ou nos membros, bem
como problemas funcionais, tais como a dormência ou formigueiro nos membros, ou dificuldade
em andar.
Para além das lesões do disco, também as alterações das articulações entre vértebras, os
ligamentos e os músculos que estão adjacentes à coluna podem tornar-se dolorosos, contribuindo
para aumentar a intensidade da dor.
A dor lombar é muito frequente porque é nesta região que se apoia a maior parte do peso
corporal (logo o peso excessivo ser prejudicial) e onde ocorre a maior quantidade de movimentos.
3. Incidência em Portugal e no Mundo
As doenças da coluna representam mais de 50 por cento das causas de incapacidade física em
idade laboral e são uma das principais causas de ausência no trabalho em todo o mundo.
As dores nas costas são a segunda causa, em números globais, em Portugal, das visitas ao
médico. Tanto homens como mulheres sofrem de dores nas costas e geralmente a dor ocorre
entre os 25 e os 60 anos. Contudo, aproximadamente 12 por cento a 26 por cento das crianças e
adolescentes também sofrem de dores nas costas (apesar de pouco intensas).
Cerca de 70 a 80 por cento da população acaba por recorrer ao médico nalgum período da sua
vida por queixas dolorosas ao nível da coluna, sendo a patologia degenerativa da coluna a
primeira causa de baixa laboral e de incapacidade transitória e permanente para o trabalho.
Estima-se que mais de metade de todos os pacientes com dores cervicais e lombares melhora
após 1 semana; 90 por cento apresenta melhoria após 8 semanas; e os restantes 7 por cento a
10 por cento continuam a apresentar sintomas por mais de 6 meses.
4
4.Principais doenças da coluna
As doenças da coluna vertebral são inúmeras e, no seu conjunto, constituem situações
incapacitantes para o quotidiano de quem as possui. Entre as doenças da coluna encontram-se a
escoliose, a hérnia discal, a doença discal degenerativa, a espondilartrose entre outras. As lesões
da coluna por traumatismo são relativamente comuns, principalmente nos casos de acidentes de
trânsito e quedas de altura. A coluna pode também ser afectada por tumores benignos ou
malignos, necessitando de intervenção cirúrgica.
4.1. Escoliose
A escoliose é uma deformação em que existe uma curvatura lateral da coluna, fazendo com que o
corpo fique assimétrico. A escoliose pode ter várias causas como genética, problemas
neuromusculares ou comprimento desigual dos membros inferiores, mas o mais comum são as
escolioses de causa desconhecida (idiopáticas), que se manifestam ainda na infância. Quando
necessário, a única maneira de a corrigir é através de cirurgia e estima-se que a escoliose afecte
2% das mulheres e 0.5% dos homens.
Os principais sintomas da escoliose são:
- ombros que se encontram a alturas diferentes,
- uma das ancas parecer levantada em relação à outra,
- cintura desigual,
- inclinação de todo o corpo para um dos lados, e,
- ao dobrar o corpo, proeminência de costela.
5
4.2. Hérnia discal
Durante os movimentos do tronco nas várias direcções a pressão nos discos da coluna torna-se
irregular. A repetição destes movimentos, especialmente se o movimento for brusco e a pessoa
não estiver preparada para o executar pode causar lesões no disco. Após várias destas lesões
podem surgir rupturas da parte externa do disco e o interior do disco intervertebral pode
exteriorizar-se por essas fendas, produzindo uma hérnia discal.
A prevalência das hérnias discais sintomáticas estima-se em cerca de 2 a 3% da
população, embora o número de hérnias discais assintomáticas seja muito
superior. O aparecimento de uma hérnia discal é mais usual entre os 35 e 50
anos de idade.
As alterações degenerativas relacionadas com a idade tendem a provocar a
perda de flexibilidade e elasticidade dos discos intervertebrais e, consequentemente, a sua
fragilidade e ruptura.
Os principais sintomas de uma hérnia discal são a dor, sensação de formigueiro, dormência ou
falta de força num membro superior ou inferior.
Como factores de risco são também considerados, para além da idade, actividades repetitivas e
traumatismos na coluna.
4.3. Doença discal degenerativa
A doença discal degenerativa é um processo natural de envelhecimento que
conduz
a
uma
alteração
da
estrutura
do
disco
intervertebral
e
secundariamente a um colapso discal, muitas vezes associado a dores
lombares e nos membros.
Pode ser simplesmente resultado do natural processo de envelhecimento,
que provoca a perda de flexibilidade, elasticidade e a capacidade de
absorção do choque ou resultado de um traumatismo na coluna.
Devido à perda progressiva de água, os discos intervertebrais perdem a sua capacidade de
actuarem como amortecedores das pressões exercidas sobre a coluna, fazendo com que as
vértebras vizinhas se aproximem umas das outras.
6
Os principais sintomas são dor nas costas e/ou nos membros e por vezes dificuldade em andar.
Também neste caso são considerados como factores de risco, para além da idade, actividades
repetitivas e traumatismos na coluna.
A maioria dos doentes com doença discal degenerativa responde aos tratamentos não cirúrgicos,
entre os quais, a fisioterapia e exercícios para o fortalecimento dos músculos lombares e
abdominais, medicação anti-inflamatória e evitando actividades repetitivas agressivas. No
entanto, se esta abordagem não resultar, a cirurgia poderá ser necessária.
4.4 Espondilartrose (vulgo espondilose)
Da mesma forma que as várias articulações do corpo (ombro, anca, joelhos, etc.) sofrem de
processos de desgaste/envelhecimento (ou degenerescência) conhecidos por artroses, também às
articulações entre as vértebras sucede o mesmo. A artrose das articulações intervertebrais
chama-se espondilartrose e pode causar crises dolorosas muito intensas, normalmente associadas
a fenómenos inflamatórios.
Na
espondilartrose
ou
espondilose
observa-se
vulgarmente
a associação
de
discartrose
(degenerescência do disco), artrose das articulações posteriores (chamadas interfacetárias) e de
osteofitose que significa o desenvolvimento de “esporões” ósseos nas vértebras, muito conhecidos
como bicos de papagaio, por a eles se assemelharem nas radiografias da coluna.
5. Diagnóstico das doenças da coluna
Para confirmar o diagnóstico das doenças da coluna é necessário realizar
um exame físico completo à coluna vertebral e aos membros superiores e
inferiores.
Será examinada a flexibilidade, o nível de movimento e sinais indicadores
de lesão de nervos ou da coluna e serão registados os sintomas relatados.
O médico poderá solicitar a realização de exames complementares como a
radiografia (raio-X) da coluna, a ressonância magnética, ou a tomografia
computadorizada.
7
6. Fracturas da coluna
O tipo de fracturas mais comum, na zona das costas, é a fractura por compressão, que
geralmente resulta de uma queda. Esta pode ser diagnosticada com um raio-x e trata-se
habitualmente com repouso, fisioterapia e cuidados médicos adequados.
No entanto, quando as vértebras são sujeitas a forças mais intensas, podem
surgir fracturas mais graves, que podem originar compressão da medula e uma
eventual lesão neurológica que geralmente exige um tratamento cirúrgico.
As fracturas do tipo flexão-compressão ocorrem com mais frequência
na transição tóraco-lombar.
7. A importância do tratamento cirúrgico
Quando surgem problemas na coluna, quer sejam devido a lesões, à idade ou a deformação, as
opções de tratamento devem focar-se na fonte do problema, com a preocupação de condicionar o
menos possível o normal desenrolar da vida dos doentes. Medicação, fisioterapia ou mudanças de
estilo de vida podem tratar com sucesso problemas causados por hérnias discais. No entanto,
para muitas pessoas a cirurgia pode ser a melhor opção para tratar a dor, aliviar a compressão
nervosa ou corrigir a deformação.
Assim, existem dois tipos de cirurgia, descritos sucintamente em baixo.
7.1. Cirurgia Convencional macroscópica
Este tipo de intervenção cirúrgica utiliza maiores incisões (cortes) na pele e músculos com
desvantagem no efeito estético e dores pós-operatórias. Pode implicar ainda maiores períodos de
internamento hospitalar e mais prolongados períodos de recuperação. Contudo, em várias
doenças vertebro-medulares este método tem de ser utilizado para permitir o tratamento correcto
da situação que o doente apresenta.
8
7.2. Cirurgia Minimamente Invasiva da Coluna
O recente desenvolvimento de procedimentos que minimizam os efeitos da
cirurgia convencional através de métodos chamados minimamente invasivos,
permitem em várias circunstâncias um regresso mais rápido e uma evolução
menos dolorosa até retomar a vida normal.
As cirurgias minimamente invasivas da coluna podem permitir aos cirurgiões
tratar com sucesso causas de dores e deformações, com interrupções mínimas na
vida dos pacientes. Estas tecnologias têm vindo a ser desenvolvidas nas últimas
duas décadas, fornecendo alternativas às cirurgias tradicionais da coluna.
7.3 Dispositivos médicos para tratar as doenças da coluna
No tratamento da escoliose é implantado ao longo da coluna um
dispositivo que vai corrigir a curvatura da coluna. O tipo de metal do
aparelho será escolhido pelo cirurgião de acordo com a severidade da
doença e os objectivos de correcção. Esta solução é recomendada para
pacientes com uma curvatura na coluna superior a 45º.
Os parafusos, barras e conectores implantados ao longo da coluna têm
como objectivo impedir a progressão da doença e reduzir o ângulo da
curvatura anormal.
A hérnia discal pode actualmente ser tratada com a implantação de um disco
protésico inserido entre as vértebras, recurso técnico desenvolvido nos últimos
anos. Nesta cirurgia o disco alterado é removido na totalidade e substituído por
um “disco” artificial (prótese).
Para substituir um disco danificado na coluna lombar, o cirurgião acede à coluna
vertebral através de um orifício aberto no abdómen; caso o disco a substituir se encontre na
coluna cervical, a incisão cirúrgica é feita na face anterior do pescoço.
No caso de certo tipo de fracturas da coluna, inovadores dispositivos médicos
permitem que seja depositado cimento ósseo dentro da vértebra fracturada que
permitirá a estabilização da fractura.
9
8. Glossário
Estenose Degenerativa – hipertrofia progressiva da
Cartilagem – camada fina e rígida de tecido branco que
margem
do
corpo
vertebral,
das
cobre as terminações dos ossos, nas articulações. Este
ligamentos resultando em estenose.
articulações
e
tecido permite a realização de movimentos com o
Estenose do canal – termo usado para designar um
mínimo de fricção.
estreitamento do canal raquidiano (canal no interior da
Corpo vertebral – de um ângulo lateral, é a parte
coluna)
resultando
rectangular da coluna, de um ângulo visual de cima, é
causando dor.
na
compressão
dos
nervos
e
oval.
Fractura – ruptura da continuidade normal do osso.
Discectomia – remoção cirúrgica de parte de material
discal que se encontra a exercer pressão sobre raízes
Fractura-Deslocação
nervosas.
resultante em deslocação do osso da sua posição normal
–
fractura
óssea
também
na articulação.
Disco – o disco intervertebral é a “almofada” de
Fusão da coluna cervical, via Anterior – o acesso à
cartilagem situada entre as vértebras da coluna.
coluna é realizado frontalmente, o disco e/ou parte da
Doença Discal Degenerativa – deterioração rápida e
vértebra são removidos e substituídos por um excerto
progressiva da composição química e de propriedades
ósseo.
físicas do espaço discal.
Fusão Lombar Intervertebral Anterior – cirurgia em
Enxerto ósseo – osso transplantado podendo o dador e
que o acesso à coluna é feito através de uma incisão no
o receptor ser indivíduos diferentes ou o mesmo.
abdómen. O disco afectado é removido da coluna e
substituído por um implante e osso.
Escoliose
Congénita
–
escoliose
devida
a
anormalidades ósseas presentes durante o nascimento e
Fusão Lombar Intervertebral Posterior – cirurgia
envolvendo
idêntica à anterior mas em que o acesso à coluna é feito
formação
deficiente
de
vértebras
ou
separação de vértebras adjacentes.
através de uma incisão na zona lombar.
Escoliose Funcional – qualquer escoliose que seja
Lumbago – termo (arcaico) não médico utilizado para
causada por diferentes alturas das pernas ou por outra
designar a dor na região lombar.
disfunção funcional e não devido a curvatura primária da
coluna.
Mialgia – dor muscular.
Escoliose Idiopática – curvatura lateral da coluna de
Raquialgia – dor na coluna vertebral.
causa desconhecida.
Tecido – conjunto de células similares e de substâncias
intracelulares circundantes.
10
9. Contactos úteis
Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia
Rua dos Aventureiros, Lote 3.10.10-Loja B, Parque das Nações, 1990-024 Lisboa
Tel.: 218 958 666 | Fax.: 218 958 667
E-mail: [email protected] | Web-site: http://www.spot.pt/
Sociedade Portuguesa de Patologia da Coluna Vertebral
Sociedade de Ciências Médicas de Lisboa, Av. República 34, 1º, 1050-193 Lisboa
Tlm: 962 539 452
E-mail: [email protected] ; [email protected] | http://sppcv.org/
Sociedade Portuguesa de Neurocirurgia
Av. 5 de Outubro, 151, 5º A, 1050-053 Lisboa
Tel/Fax.: 217 977 457 | Tlm: 968 900 358
E-mail: [email protected] ; [email protected]
11

Documentos relacionados

Hérnia de disco ou Protusão discal, e agora? - ANSEF

Hérnia de disco ou Protusão discal, e agora? - ANSEF As lesões discais podem ocorrer por traumas graves, esforços agudos sobre o tronco e também ao longo de sua vida por pequenas lesões sobre os discos vertebrais, onde a nutrição destes discos ficam ...

Leia mais

Guia do paciente Dynesys

Guia do paciente Dynesys A Coluna Saudável A  coluna  é  uma  das  estruturas  mais  importantes  no  corpo  humano.  Ela  suporta  a  maior  parte  do  peso  corporal  e  protege  a  medula  espinhal,  que  faz  a  comun...

Leia mais

1. INTRODUÇÃO A hérnia discal lombar afeta episodicamente

1. INTRODUÇÃO A hérnia discal lombar afeta episodicamente Várias condições podem comprometer as curvaturas normais da coluna vertebral ou produzir curvaturas laterais, resultando em curvaturas anormais da coluna vertebral (TORTORA, 2002). Em condições ple...

Leia mais

HÉRNIA DE DISCO LOMBAR: RISCOS E

HÉRNIA DE DISCO LOMBAR: RISCOS E A hérnia de disco causada pela ruptura das fibras do disco intervertebral e sua consequente protrusão, é considerada uma síndrome multifatorial extremamente comum, que provoca grandes danos econômi...

Leia mais